Você está na página 1de 43

Pós-Graduação em Saúde Materna

CESPU - ANGOLA

Conteúdos:

• Distócia de Ombros

Prof. Vitor Varela


DISTÓCIA DE OMBROS
• É o encravamento
do ombro do bebé
por trás da sínfise
púbica da mãe
durante o parto.
DEFINIÇÃO
• Qualquer situação em que se tenha que realizar,
para além das manobras comuns, outras
manobras para libertar os ombros;

• É a que necessita de manobras específicas para


o desprendimento dos ombros;

• Quando o tempo que decorre entre a extracção


da cabeça fetal e o desprendimento dos ombros
supera um minuto.
SINAL DE TARTARUGA

• Após a exteriorização da cabeça fetal esta


parece ser puxada fortemente para trás
contra a vulva.
DISTÓCIA DE OMBROS
• Factores de risco

– Os prévios à gravidez
– Durante a gravidez
– Intraparto
FACTORES DE RISCO
• Prévios à gravidez:

– Distócia de Ombros anterior;


– Obesidade materna;
– Idade materna;
– Pélvis anormais;
– Multiparidade.
FACTORES DE RISCO
• Durante a gravidez

– Macrossomia;
– Diabetes Gestacional;
– Sexo do feto;
– Gravidez prolongada;
– Aumento excessivo de peso;
– Indução do trabalho de Parto.
Macrossomia fetal

• Peso igual ou superior a 4000 gr, ou um


P90 para a IG.

– Este factor está associado à DO em


consequência da desproporção feto-pélvica.
Macrossomia fetal
Factores de risco:

- diabetes materna descompensada;


– obesidade materna;
– aumento ponderal acentuado durante a
gravidez;
– RN anterior macrossómico;
– multiparidade;
– idade materna superior a 35 anos;
– feto do sexo masculino;
– gestação prolongada;
– raça branca.
Macrossomia fetal
FACTORES DE RISCO
• Intraparto

– Primeiro e segundo estadios do trabalho de parto


prolongados
– Occitocina
– Partos instrumentados
– Anencefálicos
CONSEQUÊNCIAS MATERNAS E FETAIS

• MORBILIDADE materna

• MORBILIDADE/MORTALIDADE fetal
CONSEQUÊNCIAS MATERNAS E FETAIS
• MORBILIDADE materna

– Hemorragia no pós parto


– Lacerações do colo
– Lacerações perineais do 3º e 4º graus
– Traumatismos da bexiga
– Incontinência urinária
– Endometrite puerperal
CONSEQUÊNCIAS MATERNAS E FETAIS
• MORBILIDADE fetal

– Lesão do plexo braquial


– Trauma do nervo frénico
– Fracturas claviculares e do úmero
Plexo Braquial

• O plexo braquial
é uma rede de
nervos que
controla os
movimentos e as
sensação nos
membros
superiores.
Lesão do plexo braquial
É normalmente devido ao
estiramento excessivo do
plexo durante o
desprendimento do feto.

Também está associado a


posições anómalas intra-
útero (oligoâmnios)
Lesão do plexo braquial
Lesão do plexo braquial

• É caracterizado pela
paralisia dos
músculos do(s)
membro(s) superiores
que se segue ao
traumatismo do 5º
nervo cervical ao
primeiro torácico.
Lesão do plexo braquial
• Paralisia do plexo braquial superior - Paralisia
de Erb:
• Paralisia do plexo braquial inferior - Paralisia
de Klumpke:
• Paralisia total do plexo braquial - Paralisia de
Erb-Klumpke:
• Lesões bilaterais
Lesão do plexo braquial
• Paralisia do plexo braquial superior - Paralisia de Erb
– É a forma mais comum de lesão. Caracteriza-se por dano
às raízes nervosas superiores (C5 e C6) do plexo braquial.
– O membro superior encontra-se hipotónico mas a função
da mão encontra-se preservada.
– O membro afectado é na grande maioria das vezes o que
fica bloqueado pelo púbis.
Paralisia de Erb
Lesão do plexo braquial
• Paralisia do plexo braquial inferior - Paralisia de
Klumpke:

– Ocorre com menor frequência. Trata-se de danos as raízes


nervosas inferiores (C7, C8, T1) do plexo braquial.
– Os músculos afectados são os flexores do pulso, dedos e os
músculos intrínsecos da mão.
– A motricidade do braço e antebraço é mantida mas a mão
apresenta fraqueza muscular
Paralisia de Klumpke
Lesão do plexo braquial
• Paralisia total do plexo braquial - Paralisia de
Erb-Klumpke:

– É a lesão total do plexo braquial. É rara e com


difícil determinação da localização exacta da lesão
.
– Não existe movimento nenhum do braço, pulso ou
mão. O braço, encontra-se completamente
flácido.
Lesão do plexo braquial
• Lesões bilaterais

– É quando o plexo braquial sofre danos em ambos


os lados do corpo. Estes são casos muito raros.
Trauma do nervo frénico

• O nervo frénico é responsável pela enervação


do diafragma.

• Poderá haver paralisação do diafragma e causar:


– dificuldade respiratória;
– movimentos assimétricos do tórax durante a
respiração;
– infecções respiratórias frequentes.
Trauma do nervo frénico
Fracturas claviculares e do úmero

• A fractura da clavícula é relativamente comum aparecer


associado à lesão do plexo braquial;

• Surgem com a manobra de extracção do membro superior


que se encontra na posição posterior;

• Quem está a fazer a manobra, introduz a mão até identificar o


cotovelo correspondente ao membro posterior e puxa-o para
fora fazendo-o deslizar através do tórax do feto.
CONSEQUÊNCIAS MATERNAS E FETAIS
• MORTALIDADE fetal

– Asfixia / morte - devido à demorada extracção do


corpo após a saída da cabeça.
CONDUTAS PERANTE DO
Manter a calma

• Evitar a rotação exagerada da cabeça fetal,

• Evitar as tracções bruscas e intermitentes sobre a


cabeça fetal

• A episiotomia não é necessária para todos os casos.


CONDUTAS PERANTE DO

SOLICITAR AJUDA
CONDUTAS PERANTE DO

Manobra McRoberts

Consiste numa hiperflexão


das coxas sobre o abdómen
(seta horizontal).

Enquanto se tenta novamente a


tracção inferior da cabeça.
CONDUTAS PERANTE D.O.

E exercer uma pressão


supra púbica,
ligeiramente lateralizada
de forma a rodar o
ombro anterior na
direcção do tórax fetal.
(seta vertical).
CONDUTAS PERANTE D.O.

Manobra de Woods

Rotação digital dos ombros do


feto para um dos diâmetros
oblíquos da bacia

Colocar a mão no ombro posterior do feto e roda-se na


direcção do tórax fetal, ao mesmo tempo que um
ajudante efectua pressão supra púbica para a
deslocação do ombro anterior no sentido do dorso
CONDUTAS PERANTE D.O.

Extracção do Ombro Posterior

A mão na vagina identifica o ombro


posterior e segue o antebraço até ao
cotovelo
CONDUTAS PERANTE D.O.

Extracção do Ombro Posterior (cont.)

Flecte-se o antebraço sobre o braço e


tracciona-se o pulso de forma a extrair
a mão, o antebraço, o braço e o ombro
CONDUTAS PERANTE D.O.

Extracção do Ombro Posterior (cont.)

Uma vez extraído, o braço é


usado como alavanca de tracção
para rodar o ombro posterior na
direcção do tórax fetal,
CONDUTAS PERANTE D.O.
• Outras manobras
– Cleidectomia - fractura deliberada das clavículas;
– Sinfisiotomia
– Zavanelli – reintrodução da cabeça fetal na pélve e parto
por cesariana.
CONDUTAS PERANTE D.O.
HELPERR – MENOMONICA

H Call for help


E Evaluate for episiotomy
L Legs (McRoberts)
P Suprapubic pressure
E Enter manoeuvres
R Remove the posterior arm
R Roll the patient
Fonte: American Life Support Organisation
CONDUTAS PERANTE D.O.
• Registar:
– A hora da saída da cabeça
– A variedade
– Quais as manobras e a sequencia
– A hora da extracção do corpo
– A hora do restante equipa atendeu e quando chegou
– Apgar
– PH do cordão