Você está na página 1de 41

UNIDADE II

Projetos e Práticas de
Ação Pedagógica –
Supervisão Escolar e
Orientação Educacional
Profa. Sueli Barberio
Projeto de Intervenção Pedagógica

 Nesta Unidade vamos apresentar um Estudo de Caso e construir um Projeto de


Intervenção Pedagógica com ações da Supervisão Escolar /
Coordenação Pedagógica.
Estudo de Caso na Prática Educacional – O que é?

Segundo o Novo Dicionário Aurélio, o significado da palavra CASO é:

 [Do latim, casu] s. m. 1. Acontecimento, fato, sucesso, ocorrência. 2.


Eventualidade, conjuntura, hipótese. 3. Acaso, circunstância, causalidade.

 Estudo de Caso: seria um estudo dos acontecimentos, dos fatos ocorridos, das
eventualidades, dos contextos e conjunturas, das hipóteses, das circunstâncias e
prováveis causas.
Estudo de Caso na Prática Educacional – O que é?

E a palavra Estudo?

 ESTUDO: [Do lat. studiu, ‘aplicação zelosa, ardor’] s. m.1. Ato de estudar. 2.
Aplicação do espírito para aprender. 3. Conhecimentos adquiridos à custa dessa
aplicação. 4. Trabalhos que precedem à execução de um projeto. 5. Trabalho
literário ou científico acerca de um dado assunto. 6. Exame, análise. 7. Fig.
Atenção ou cuidado especial.
Estudo de Caso na Prática Educacional – O que é?

Segundo Belas, os significados associados a essa palavra ajudam-nos a formar


uma sentença bem apropriada:

 “[...] quando, com ardor, aplicamos, zelosamente, nosso espírito para aprender,
adquirimos conhecimento à custa dessa aplicação. Quando estudamos um caso,
estamo-nos preparando para algo, um projeto que surgirá a partir desse estudo.
Esse projeto será científico e consistirá num exame e numa análise dos fatos, os
quais serão registrados de forma especialmente atenta e cuidadosa”
(BELAS, 2001).
Estudo de Caso na Prática Educacional – O que é?

 Por sua própria natureza, um Estudo de Caso provoca, em quem participa dele,
um processo de reciclagem pessoal, de descobertas pessoais. Todos aqueles
que estão envolvidos num estudo deste tipo acabam, de certo modo, vivenciando
uma experiência de autodescoberta.

 Um Estudo de Caso significa uma tarefa que tem como objetivo a tentativa de
aprofundar o nível de compreensão de um momento que está sendo vivido por
um ser humano, uma pessoa, um grupo, etc.
Estudo de Caso na Prática Educacional – O que é?

 Como resultado do Estudo de Caso, espera-se que surja uma aprendizagem


significativa, a ser experimentada por todos aqueles que dele participarem.

 Tal estudo, na escola, é, quase sempre, proposto quando os alunos apresentam


problemas a serem resolvidos. Quanto maiores o problema e as dificuldades para
resolvê-lo, mais o estudo de caso se faz necessário.
Estudo de Caso na Prática Educacional – O que é?

 Um caso em estudo deverá ter um coordenador. Alguém que fique como


responsável pela dinâmica dessa atividade.

 O papel do coordenador é muito importante, pois a ele caberá promover o


entrosamento das pessoas que trabalharão no estudo, de tal forma que essa
equipe consiga o melhor rendimento possível. O grupo sobre sua coordenação
trabalhará com o objetivo de organizar as informações, discuti-las e produzir um
leque de sugestões que possam contribuir para a solução ou a minimização do
problema que motivou aquele Estudo de Caso.
Interatividade

Um Estudo de Caso significa:


I. uma tarefa que tem como objetivo a tentativa de aprofundar o nível de
compreensão de um momento que está sendo vivido por um ser humano, uma
pessoa, um grupo, etc.
II. uma análise dos fatos, os quais serão registrados de forma especialmente
atenta e cuidadosa.
III. um acontecimento em estudo que deverá ter um coordenador responsável pela
dinâmica das atividades.
Estão corretas:
a) somente a I. d) somente a III;
b) I e II. apenas. e) I e III, apenas.
c) I, II, III.
Estudo de Caso

 Os resultados das avaliações, interna e externa, realizadas no ano de 2017, da


escola municipal de Ensino Fundamental “Meira Junior” apontaram que os alunos
do 1º ao 5º ano não atingiram a proficiência em relação à leitura, à escrita e à
interpretação de textos, conforme meta estabelecida pelo Sistema Educacional
Brasileiro. Diante desta situação, medidas emergenciais precisam ser tomadas
para a melhoria de resultados. Desta forma, o Supervisor Escolar e/ou
Coordenador Pedagógico, em apoio à Gestão e à equipe de Professores, decide
implementar um Projeto de Intervenção Pedagógica que intensifique a formação
continuada dos envolvidos no processo ensino-aprendizagem.
Projeto de Intervenção Pedagógica

 A partir do caso citado vamos desenvolver as atividades solicitadas para o


Projeto de Intervenção Pedagógica.
Projeto de Intervenção Pedagógica
Atividade 1 – Painel

 Slide 1: Título

 “O papel do supervisor escolar na formação continuada dos professores”.


Atividade 1 – Painel

 Slide 2: Tema / Justificativa / Situação-problema

 Tema: Formação Continuada.


 Justificativa: No período de realização de estágios em escola do Ensino
Fundamental, observamos o distanciamento entre o Supervisor / Coordenador e
sua equipe docente e as dificuldades apresentadas na atuação dos professores,
comprometendo a aprendizagem dos alunos do 1º ao 5º ano em relação à leitura,
à escrita e à interpretação de textos.
Atividade 1 – Painel

 Slide 2: Tema / Justificativa / Situação-problema

 Situação-problema: De que forma o Supervisor / Coordenador irá aproximar-se


dos professores para um trabalho coletivo?
 Como intervir no processo ensino-aprendizagem?
 Que estratégias adotadas pelo professor farão o aluno ler, escrever e produzir um
texto satisfatoriamente?
Atividade 1 – Painel

 Slide 3: Público-alvo / Objetivos


 Público-alvo: Professores do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental;
Supervisor / Coordenador.
Objetivos:
 Geral - Adequar a prática supervisora para a contribuição no processo ensino-
aprendizagem em relação à alfabetização.
 Específicos - Desenvolver ações que equilibrem o
binômio autonomia/colaboração; utilizar referenciais
teóricos para a fundamentação da prática; considerar e
criar estratégias para lidar com a diversidade;
comprometer-se com a busca de melhores resultados do
trabalho na escola;
 estabelecimento de ações mediadoras.
Atividade 1 – Painel

 Slide 4: Percurso metodológico


 abertura de espaços para a construção coletiva na escola;
 atualização e acompanhamento da inovação educacional, aplicando-a à prática.

 Slide 5: Recursos / Cronograma


 Recursos: sala de reunião, data show, textos diversos.
 Cronograma: encontros quinzenais. No mês de agosto:
diagnóstico das principais dificuldades dos alunos e
estudo e reflexão da teoria pesquisada. Nos meses de
setembro, outubro e novembro: elaboração coletiva de
atividades de leitura e escrita.
Atividade 1 – Painel

 Slide 6: Produto final / Avaliação

 Produto final: depoimento dos professores após o desenvolvimento do projeto;


elaboração de portfólio com os principais conhecimentos teóricos adquiridos e as
atividades construídas em equipe.

 Avaliação: diálogo entre os participantes; distribuição de


questionários; exposição de pontos negativos e positivos;
observação da participação, do posicionamento, do
interesse, dos questionamentos e da auto valorização
dos professores.
Atividade 1 – Painel

 Slide 7: Referências

 ALARCÃO, I. Formação reflexiva de professores – estratégias de supervisão.


Porto: Porto, 1996.

 COSTA, N. M de L. A formação contínua de professores – novas tendências e


novos caminhos. Revista Holos, Ano 20, 2004. Disponível em:
<http://www.ppgp.caedufjf.net/file.php/127/Formacao_de_Professores/22.pdf>.
Interatividade

As referências bibliográficas citadas em um Projeto de Intervenção Pedagógica são:

a) as formas como serão desenvolvidas as atividades propostas, considerando os


objetivos estabelecidos.
b) o tempo necessário para execução das ações do Projeto, estimando-se de
modo viável o início e o término de cada atividade.
c) os recursos utilizados.
d) as fontes de informação e os autores consultados para
a elaboração de toda a fundamentação do Projeto.
e) todas as alternativas acima estão corretas.
Projeto de Intervenção Pedagógica
Atividade 2 – Projeto Completo

 Item 1 - Tema: Formação Continuada.

 Item 2 Título: “O papel do supervisor escolar na formação continuada dos


professores alfabetizadores”.

 Item 3 - Justificativa: No período de realização de


estágios em escola do Ensino Fundamental, observamos
o distanciamento entre o Supervisor / Coordenador e sua
equipe docente e as dificuldades apresentadas na
atuação dos professores, comprometendo a
aprendizagem dos alunos do 1º ao 5º ano em relação à
leitura, à escrita e à interpretação de textos.
Atividade 2 – Projeto Completo

 Item 4 - Situação-problema: De que forma o Supervisor / Coordenador irá


aproximar-se dos professores para um trabalho coletivo?

 Como intervir no processo ensino-aprendizagem?

 Que estratégias adotadas pelo professor farão o aluno ler, escrever e produzir um
texto satisfatoriamente?
Atividade 2 – Projeto Completo

Item 5 - Embasamento teórico:

 A formação continuada é um movimento gerado pela necessidade de melhoria


constante da prática pedagógica e de um processo de ensino e aprendizagem
criativo e crítico, capaz de contribuir na formação dos aprendizes de forma
significativa, abrangendo não só as áreas do conhecimento formal, mas também a
formação para a cidadania.
Atividade 2 – Projeto Completo

Item 5 - Embasamento teórico:

 Segundo Perrenoud (2000), as demandas atuais da educação exigem novas


competências relacionadas à utilização de novas tecnologias, ao trabalho em
equipe, dentre outras. Nesse sentido, a formação continuada e contínua dos
professores apresenta-se como um possível recurso propulsor dessa prática de
ensino sintonizada com as necessidades atuais, ao consistir em uma
oportunidade de reflexão sobre suas práticas docentes. Também permite o
planejamento de suas atuações pedagógicas com mais eficácia, tendo em vista
a necessidade de fomentar o desenvolvimento das
capacidades cognitivas dos alunos para sua
compreensão sobre o mundo.
Atividade 2 – Projeto Completo

Item 5 - Embasamento teórico:


 “[...] Os saberes da experiência são de extrema importância na profissão docente,
se originam no trabalho cotidiano e no conhecimento do seu meio. São
incorporados à vivência individual e coletiva e se traduzem em habilidades de
saber fazer e saber ser. São conhecimentos que surgem da experiência e são por
ela validados. É importante destacar que é através desses conhecimentos
experienciados que os professores julgam a formação individual, atribuem valores
aos planos e reformas implementados e definem determinados modelos de
excelência profissional” (COSTA, 2004, p. 72).
Atividade 2 – Projeto Completo

Item 5 - Embasamento teórico:

 Segundo Luck (1981), o papel do supervisor escolar se constitui, em última


análise, de esforços e ações desencadeados com o sentido de promover a
melhoria do processo ensino-aprendizagem. Esse esforço voltou-se
constantemente ao professor, num processo de assistência aos mesmos e de
coordenação de sua ação.
Atividade 2 – Projeto Completo

Item 5 - Embasamento teórico:

 O Supervisor / Coordenador, como responsável pela formação continuada dos


professores, precisa sensibilizar-se em seu saber fazer de modo a estimular a
resolução de conflitos e a tomada de decisões para os encaminhamentos
pedagógicos da escola, ou seja, possibilitar a compreensão da realidade da
unidade escolar, problematizar e analisar a realidade e elaborar e propor formas
de intervenção de ação coletiva.
Atividade 2 – Projeto Completo

Item 5 - Embasamento teórico:

 O papel da Supervisão / Coordenação é nortear propostas que visem ao


aprimoramento do docente, possibilitando-lhe a aquisição de saberes
fundamentais para sua prática, a fim de que haja a transformação
da realidade escolar.
Atividade 2 – Projeto Completo

Item 5 - Embasamento teórico:


 Para tanto, Placco (2005, p. 95) salienta: “Assim, como o professor é responsável,
na sala de aula, pela mediação aluno/conhecimento, a parceria entre supervisor /
coordenador e professor concretiza as mediações necessárias para o
aperfeiçoamento do trabalho pedagógico na escola. Essa parceria se traduz em
um processo formativo continuo, em que a reflexão e os questionamentos do
professor quanto a sua prática encontram e se confrontam com os
questionamentos e fundamentos teóricos evocados pelo supervisor /
coordenador, num movimento em que ambos se formam e se transformam”.
Atividade 2 – Projeto Completo

Item 5 - Embasamento teórico:

 Assim, o Supervisor Escolar / Coordenador Pedagógico, no exercício de sua


função integradora e articuladora, deve manter uma constante relação com
professores, pais, alunos, equipe técnica, ou seja, com todos os atores envolvidos
no processo de gestão escolar. Diante disso, é possível perceber a escola como
espaço privilegiado para a formação de profissionais que reflitam sobre sua ação,
por meio de ações individuais e do diálogo coletivo.
Atividade 2 – Projeto Completo

Item 5 - Embasamento teórico:

 Alarcão (2004) expõe acerca da ação reflexiva, afirmando que tanto a escola
como os que organizam as situações de diálogo entre professores têm
necessidade de compreender o que é ser professor e como se pode e deve-se
formar tal profissional. De sorte que é importante para o Supervisor Escolar /
Coordenador Pedagógico ter conhecimento das fontes de aquisição do saber do
profissional da educação e de seus modos de integração no trabalho docente.
Interatividade

Segundo Luck (1981), o papel do Supervisor Escolar se constitui, em última análise,


de esforços e ações desencadeados com o sentido de promover a melhoria do
processo ensino-aprendizagem. Esse esforço deve ser direcionado:
a) aos alunos.
b) aos professores.
c) à gestão.
d) à família.
e) ao sistema educacional.
Atividade 2 – Projeto Completo

 Item 6 - Público alvo: Professores do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental.

Item 7 - Objetivos:

 Geral - Adequar a prática supervisora para a contribuição no processo ensino-


aprendizagem em relação à alfabetização.
 Específicos - Desenvolver ações que equilibrem o
binômio autonomia/colaboração; utilizar referenciais
teóricos para a fundamentação da prática; considerar e
criar estratégias para lidar com a diversidade;
comprometer-se com a busca de melhores resultados do
trabalho na escola.
Atividade 2 – Projeto Completo

Item 8 - Percurso metodológico:


 encontros quinzenais do Supervisor / Coordenador com os professores para a
construção coletiva de atividades que intensifiquem a aprendizagem da leitura e
da escrita na escola;
 levantamento e discussão do diagnóstico dos resultados das avaliações;
 leitura e discussão de textos que priorizem como a criança aprende a ler
e a escrever;
 atualização e acompanhamento da inovação educacional, aplicando-a à prática;
Atividade 2 – Projeto Completo

Item 8 - Percurso metodológico:

 será utilizada a abordagem sociointeracionista, permitindo que o professor tenha


oportunidade de construir sua aprendizagem com as intervenções pertinentes;

 será aplicada uma metodologia que favoreça o desenvolvimento do professor nas


diversas etapas da formação, respeitando suas características individuais
e necessidades pessoais;

 serão valorizadas as diversas contribuições que os


diferentes métodos de trabalho oferecem.
Atividade 2 – Projeto Completo

Item 9 - Recursos:
 físicos: sala de reunião;
 materiais: textos diversos, papel, caneta, equipamentos eletrônicos, filmes, vídeos;
 humanos: palestrante sobre o tema “Alfabetização e Letramento”
 Item 10 - Cronograma: encontros quinzenais - agosto: diagnóstico das principais
dificuldades dos alunos e estudo e reflexão da teoria pesquisada; setembro,
outubro e novembro: elaboração coletiva de atividades de leitura e escrita.
Atividade 2 – Projeto Completo

 Item 11 - Avaliação: será diagnóstica e processual, para que o Supervisor /


Coordenador possa rearticular sua prática de acordo com as necessidades
da equipe;

 diálogo entre os participantes; distribuição de questionários; exposição de pontos


negativos e positivos da formação;

 serão observados os seguintes aspectos: participação,


interesse, desempenho, engajamento e colaboração.
Atividade 2 – Projeto Completo

Item 12 - Produto final:

 depoimento dos professores após o desenvolvimento do projeto;

 elaboração de portfólio com os principais conhecimentos teóricos adquiridos e as


atividades construídas em equipe.
Atividade 2 – Projeto Completo

Item 13 - Referências:
 ALARCÃO, I. Formação reflexiva de professores – estratégias de supervisão.
Porto: Porto, 1996.
 COSTA, N. M. de L. A formação contínua de professores – novas tendências e
novos caminhos. Revista Holos, Ano 20, 2004. Disponível em:
<http://www.ppgp.caedufjf.net/file.php/127/Formacao_de_Professores/22.pdf>.
 LUCK, H. Ação integrada: administração, supervisão e orientação
educacional. Petrópolis: Vozes, 1981.
Atividade 2 – Projeto Completo

Item 13 - Referências:

 PERRENOUD, Philippe. 10 Novas Competências para Ensinar. Porto Alegre:


Artmed Editora, 2000.

 PLACCO, V. S.; SILVA, S. H. A formação do professor: reflexões, desafios,


perspectivas. In: BRUNO, E.; ALMEIDA, L. (Orgs.). O coordenador pedagógico
e a formação docente. São Paulo: Loyola, 2005.
Interatividade

Em um Projeto de Intervenção Pedagógica na escola, a avaliação:

a) é somente diagnóstica.
b) ocorre apenas durante o processo de desenvolvimento do projeto.
c) é necessária somente ao final do projeto.
d) tem por finalidade medir o conhecimento dos professores.
e) ocorre no início, durante e ao final do desenvolvimento do projeto.
ATÉ A PRÓXIMA!