Você está na página 1de 13

Revista UNIANDRADE

DOI: http://dx.doi.org/10.18024/1519-5694/revuniandrade.v17n2p86-100

Resistência Bacteriana nas infecções hospitalares


Bacterial resistance in hospital infection

Neuza Maria Ferraz de Mello Gonçalves1, Olajumoke Christiana Aransiola2, Adriane


Granato Bardal 3
1
Professora do Centro Universitário Campos de Andrade – Doutora em Ciências, pela Universidade Federal do
Paraná – UFPR, Pós-Doctor-Kobe University-Japan,
2
Farmacêutica Naturalista- Centro Universitário Campos de Andrade,
3
Nutricionista – Centro Universitário Campos de Andrade

E-mail: neuzafmg@hotmail.com

Abstract. Hospital infection represents a challenge


in clinical practice of hospitalized patients, due to the
Resumo. A infecção hospitalar representa um
increase in the hospitalization period and of
desafio na prática clínica do paciente hospitalizado,
morbidity and mortality. The objective of this es
em decorrência do aumento no período de
with everything was making a comparative analysis
hospitalização e da morbimortalidade. O objetivo between two hospital infections which in intended
deste estudo foi proceder uma análise comparativa fluenciam during this period and to evaluate the
entre duas infecções hospitalares que influenciam
occurrence and the mechanisms of resistance of
neste período e avaliar a ocorrência e os mecanismos
bacteria. Justify -if the relevance of the theme, once
de resistência de bactérias. Justifica -se a relevância
the bacteria become resistant due to the
do tema, uma vez as bactérias tornam-se resistentes indiscriminate use of antibiotics. The results-
devido à utilização indiscriminada de antibióticos. bibliographic record that bacteria, Staphylococcus
Os resultados bibliográficos documentam que as
coagulase se-gativo and Staphylococcus aureus,
bactérias, Staphylococcus coagulase negativo e o
stand out as the main cause of infections, as a result
Staphylococcus aureus, destacam-se como as
of mutations and the production of enzymes beta-
principais causadoras de infecções hospitalares, em
lactamases. Between 8 important micro-organisms
consequência de mutações e na produção de enzimas that cause infections - hospital, Escherichia coli,
beta-lactamases. Entre 8 microrganismos presents the highest rate in percentage of 25.6%
importantes, causadores de infecções intra -
compared to the process of incision and urinary tract.
hospitalar, a Escherichia coli, apresenta o maior
It was concluded that the hospitalized patients in
índice na percentagem de 25,6% em relação ao
special, the Intensive Care Unit, represent the most
processo de incisão e urinário. Conclui-se que os
susceptible to infection, due to medical conditions
pacientes hospitalizados, em especial, na Unidade de that require invasive procedures and antimicrobial
Terapia Intensiva, representam os mais suscetíveis à
therapy
infecção hospitalar, devido às condições clínicas que
exigem procedimentos invasivos e terapia
antimicrobiana.
Key words. Hospital infection. Bacterian
Palavras-chave. Infecção hospitalar, Resistência resistency, Mortality, Intensive care Unit
bacteriana, Mortalidade, Unidade de terapia
intensiva.

Revista UNIANDRADE 17(2): 86-100 86


Revista UNIANDRADE
DOI: http://dx.doi.org/10.18024/1519-5694/revuniandrade.v17n2p86-100

1.INTRODUÇÃO aos antimicrobianos utilizados rotineiramente


na prática hospitalar.
Em meados do século XX, intensificou-se A organização Mundial da Saúde –
estudos em relação ao controle das infecções OMS propõe a adoção de políticas nacionais de
bacterianas e do desenvolvimento das prevenção e controle de infecção estimulando a
resistências adquiridas, aos agentes constituição de Comissões de Controle de
antimicrobianos, pela descoberta dos Infecção em todos os hospitais para minimizar
betalactâmicos e consequentemente o aumento o índice de infecção hospitalar.
da resistência dos microorganismos. Em estudos realizados pela
A seguir em 1950, pesquisas avançaram Organização Mundial da Saúde, verificou-se
em relação à resistência bacteriana em que nos Hospitais com controle de infecção
consequência dos altos índices da produção de atuante, ocorreu queda relativa de 32% nos
enzimas penicilinase pelo Staphylococcus índices de infecções em hospitais. Mas, nos
aureus, um patógeno humano, presente às sem programa de controle estabelecidos, os
infecções de pele e feridas em diferentes regiões indicadores aumentaram de 18%. O que
do corpo, adquiridas, principalmente em concluiu-se um 1/3 das infecções podem ser
ambiente hospitalar e em diferentes áreas evitadas (0PAS, 2000)
comunitárias. Neste contexto a descoberta da O escopo do presente trabalho foi
penicilina, motivou as pesquisas para a síntese realizar uma análise comparativa entre duas
de novos antibióticos. infecções hospitalares que influenciam
A infecção hospitalar é adquirida após drasticamente no período de hospitalização, nos
a admissão do paciente e manifesta-se durante a índices de morbimortalidade, período de
internação ou após a alta e está relacionada com internação, o consumo de antibióticos, os gastos
a os procedimentos e ambientes hospitalares1. com isolamento e os exames laboratoriais, com
Portanto risco de adquirir infecção em um base na literatura.
hospital é diretamente proporcional à gravidade Justifica-se a relevância do presente
da doença, às condições nutricionais do tema, principalmente às pessoas que fazem
paciente, aos procedimentos necessários em seu utilização de antibióticos, pelas informações de
tratamento e o tempo de internação2. que à resistência bacteriana é causada pela
Segundo o Ministério da Saúde no utilização indiscriminada deste grupo de
Brasil, pela Portaria 196 de 24/6/1983, em seu fármacos, acarretando o desenvolvimento de
anexo III, item II, conceitua como infecção espécies resistentes ao metabolismo do homem.
hospitalar aquela que se manifesta a partir de 72
horas após a admissão do paciente. No entanto, 2. MÉTODO
esse período de 72 horas pode ser diminuído nas A metodologia de estudo posicionou-se
situações em que os doentes tenham sido na relevância da documentação em relação ao
submetidos a procedimentos diagnósticos e entendimento e das informações sobre o
terapêuticos associáveis aos processos mecanismo de ação da resistência de bactérias,
infecciosos em questão. apoiando-se em revisão crítica da
É importante ressaltar que nos dias literatura em periódicos, apoiando-se no Portal
atuais, os avanços tecnológicos estão da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal
relacionados aos procedimentos invasivos, aos de Nível Superior – CAPES, da Biblioteca
diagnósticos, aos terapêuticos, e ao Virtual em Saúde – BVS e da Nacional de
aparecimento de microrganismos Medicina-Pub Med. As bases de dados na
multirresistentes, os quais tornaram as literatura Latino-Americana e do Caribe em
infecções hospitalares um problema de saúde Ciências da Saúde - LILACS, e pesquisas em
pública 3. Documenta Souza (2005)4 que estas livro do acervo das bibliotecas do Centro
infecções podem ser provocadas pela própria Universitário Campos de Andrade-Uniandrade,
microbiota bacteriana humana, devido ao Universidade Federal do Paraná-UFPR e
desequilíbrio dos mecanismos de defesa do Pontifica Universidade Católica do Paraná-
organismo em decorrência da doença ou pelo PUCPR.
contato com microrganismos hospitalares, os 2.1 Infecção Hospitalar ou Comunitária.
quais são na maioria das vezes, multirresistentes

Revista UNIANDRADE 17(2): 86-100 87


Revista UNIANDRADE
DOI: http://dx.doi.org/10.18024/1519-5694/revuniandrade.v17n2p86-100

Convencionou-se adotar alguns antimicrobiano: medidas de barreira e higiene,


critérios, para facilitar a classificação da para evitar a transmissão de bactérias de um
infecção como hospitalar ou comunitária. paciente para outro e o uso adequado de
Entretanto internacionalmente, convencionou- antibióticos para dificultar o surgimento de
se rotular como infecção hospitalar as microrganismo multirresistentes 7 ,8.
manifestações relacionadas abaixo. 2.4 Resistência Bacteriana.
1) Estas infeções manifestam-se após 48 horas Segundo a Agência Nacional de
de internação, fazendo-se excreções às Vigilância Sanitária- ANVISA (2010), a
infecções em queimados, quando o período em resistência ocorre quando as bactérias
questão é considerado aproximadamente 6 desenvolvem a capacidade de defesa do efeito
horas. do antibiótico, consequentemente acarretando
2) As doenças contagiosas cujo período de graves complicações à saúde do usuário.
incubação seja superior ao prazo Portanto é uma condição microbiológica
convencionado de internação. caracterizada pela habilidade natural ou
3) Doenças provocadas por intervenções e adquirida por parte de uma cepa bacteriana
manipulações que possam ser responsabilizadas “Plasmideo” de permanecer refratário a efeitos
como desencadeantes da infecção. bactericidas ou bacteriostático de um
4) Infecções não congênitas em neonatos. antibiótico 9 ,10,11.
2.2 Infecções Adquiridas. 2.4.1 Mecanismos de Resistência das
As principais infecções adquiridas são Bactérias.
as do trato urinário, feridas cirúrgicas e trato O entendimento e a consequência
respiratório inferior à pele. A infecção do sitio metabólica da resistência das bactérias, são
cirúrgico – ISC é a segunda mais importante controlados por três importantes mecanismos de
entre os pacientes hospitalizados, posicionando- atuação.
se a infecção urinária em primeiro lugar. Assim, 1 Conjugação.
estima-se que no Brasil, a ISC apresente uma Transferência de material genético -
incidência de 2,8 a 20% dependendo do tipo de DNA plasmidial e ou do cromossomo, entre
vigilância realizada, das características do duas bactérias através de um tubo de
hospital, do paciente e dos procedimentos conjugação. Como a maioria das bactérias
cirúrgico (Ferraz, et al, 2001)5. possui além do DNA genômico, milhares de
Posteriormente, em estudo realizado cópias de um menor DNA plasmidial
por Oliveira e Ciosak (2004)6 sobre as (Plasmídeo), responsável pela sobrevivência de
determinações da incidência do certificado de bactérias, em condições excelentes metabólicas,
segurança - ISC nos pacientes submetidos à por possuir genes que codificam outras
cirurgia do aparelho digestivo, durante a bactérias que irão acarretar a morte de outros
hospitalização e após a alta hospitalar foi microrganismos, além de competir por
verificado que 90,4% das ISC manifestaram–se nutrientes. Este processo ocorre porque o
até aos 21 dias, a partir da data da cirurgia. plasmídeo não necessita de divisão celular para
2.3 Medidas de Barreira e Higiene. mobilizar-se a outras células bacterinas, e
Entretanto, duas medidas são principalmente em ambiente hospital, acarreta o
fundamentais para minimizar a infecção aparecimento de organismos multirresistentes11.
hospitalar e o surgimento de resistência a A figura nº 1 esquematiza este processo.

Revista UNIANDRADE 17(2): 86-100 88


Revista UNIANDRADE
DOI: http://dx.doi.org/10.18024/1519-5694/revuniandrade.v17n2p86-100

2 Transdução Assim com a liberação dos


bacteriófagos e o ataque a outra bactéria, os
Transferência de material genético entre genes bacterianos presentes poderão ser
duas bactérias realizadas por um vírus transferidos para o DNA da bactéria que se
bacteriófago.Este processo de transdução, infectou nesse ato. Este processo pode ocorrer,
verifica– se quando uma bactéria, possui caso a ação do material genético infectante seja
pedações de seu material genético transportado proveniente do vírus que não acarrete a
para outra bactéria, sintetizada de vírus destruição da bactéria, para que possa

Figura nº 1. Mecanismo de atuação pelo processo de conjugação.

Figura nº 2. Mecanismo de atuação pelo processo de transdução.

bacteriófagos. Para que este processo ocorra, há incorporar-se fragmentos deste material
necessidade de que, no momento em que novos genético. Assim ocorrendo a reprodução
bacteriófagos são sintetizados, de fragmentos assexuada, haverá a formação de uma nova
do DNA bacteriano sejam incorporados ao linhagem modificada12. Este processo pode ser
material genético viral. visualizado na figura de número 2

Revista UNIANDRADE 17(2): 86-100 89


Revista UNIANDRADE
DOI: http://dx.doi.org/10.18024/1519-5694/revuniandrade.v17n2p86-100

3 Transformação. 2 As modificações que impedem ação do


Incorporação de um material genético antibiótico no ponto-alvo: as bactérias são
livre no meio de cultura, por uma célula capazes de produzir aminoácidos porinas, na
bacteriana. parede celular e impedir a entrada de certos
O processo da transformação antibióticos como os beta-lactâmicos ou alterar
bacteriana, ocorre pela absorção de fragmentos os sistemas de transporte nos aminoglicosídeos
de DNA presentes no ambiente, originados de em anaeróbios.
outras bactérias mortas e decompostas. Esta
molécula ou fragmento será incorporado ao 3 Processo de um dos mecanismos: as
DNA da bactéria, pela transferência de bases bactérias podem provocar a saída ou expulção
entre o DNA original e o fragmento absorvido. do antibiótico por mecanismo de efluxo activo,
No momento da compatibilidade nesta impedindo assim a percentagem suficiente do
interação, o fragmento passará a integrar ao antibiotico para à ação metabólica, de forma
material genético da bactéria, sendo duplicado e eficaz.
repassado durante a reprodução binária. Tem-se
a E.coli, para produção de insulina, portanto 4 Alteração do ponto-alvo impedindo ou
fragmentos de DNA humano, com a sequência dificultando à ação do antibiótico: neste
que determinava a produção de insulina, foram processo, pode-e citar o exemplo no DNA
introduzidos em bactérias que passaram a girase (resistência da bactéria à quinolonas). A
sintetizar esse hormônio. Atualmente, grande mesma bactéria pode desenvolver vários
parte da insulina comercializada provém da mecanismos de resistência a um ou muitos
ação dessas bactérias transgênicas13. antibióticos e da mesma forma que um
Devido a enorme capacidade de antibiótico pode ser inativado por diferentes
adaptação que as bactérias possuem, segundo a mecanismos em várias espécies bacterianas.
documentação anterior, em desenvolver Este fato é o que complica grandemente o
mecanismos de resistência aos antibióticos, estudo da resistência da bactéria aos
pode-se ainda classificar-se como: antimicrobianos14.
1) intrínseca-Natural: resistência da bactéria na
ausência ou presença de antimicrobiano. 3. RESULTADOS
Exemplo: Pseudômonas aeruginosa resistente a 3.1 Infecção Hospitalar ou Comunitária.
aminoglicosideo, Enterococcus sp. – Este tipo de infecção atinge grandes
Cefalosporinas, Proteus: Polimixina R. proporções, pois na maioria das vezes são
2)extrinseca-adquirida: deve-se à modificação multirresistentes aos antimicrobianos utilizados
genética de bactérias. Poderá ocorrer por rotineiramente na prática hospitalar.
mutação ou pelos outros mecanismos, como Consequentemente estas infecções, podem ser
conjugação, transformação e transferência13. provocadas pela própria microbiota bacteriana
Neste contexto, após a adpatação e humana, devido ao desequilíbrio dos
desenvolvimento de resistência que impedem o mecanismos de defesa do organismo em
antibiótico de exercer a sua ação no organismo, decorrência da doença.
documenta-se sobre os quatro processos As infecções hospitalares constituem
metabólicos. uma complicação de risco significativo à saúde
dos pacientes, pois podem conduzir a doenças
1 Inativação de antibióticos por enzimas: as graves de difícil tratamento, além de aumento
bactérias podem produzir enzimas que inativam das taxas de morbidade e mortalidade 4.
o antibiótico, sendo que as mais importantes são Segundo o manual Comissão de Controle
as beta-lactamases. Portanto é importante de Infecção Hospitalar- CCIH da Unicamp,
mencionar que muitas bactérias são capazes de 2003, estas infecções destacam-se como a
produzi-las e há também modificadores de quarta causa de mortalidade entre os pacientes
enzimas como os aminoglicosídeos (embora hospitalizados, seguindo após as cardiopatias e
este não seja seu principal mecanismo de neoplasias. O processo que mobiliza o
resistência) e outras classes, como sofrimento e mal-estar à saúde do paciente,
cloranfenicol, tetraciclinas e macrolídeos as acarretando diminuição do desempenho de
quais podem ser inativadas por enzimas. atividades, aumento dos gastos inerentes a todos

Revista UNIANDRADE 17(2): 86-100 90


Revista UNIANDRADE
DOI: http://dx.doi.org/10.18024/1519-5694/revuniandrade.v17n2p86-100

os procedimentos utilizados no diagnóstico e redução dos índices de morbidade e mortalidade


tratamento das infecções, aumento de ligados a diferentes doenças infecciosas, em que
permanência dos doentes internados, além do é imprescindível a vigilância microbiológica,
descrédito da qualidade de assistência médica juntamente com ação da Comissão de Controle
prestada pelo hospital e a diminuição de de Infecção Hospitalar15.
produtividade, em todo o contexto, representam As bactérias, Staphylococcus
problemas importantes relacionados às coagulase negativo e o Staphylococcus aureus,
infecções hospitalares15. destaca-se como principais bactérias resistentes
3.2 infecções adquirida. causadoras de infecções hospitalares, e segundo
Em relação às infecções adquiridas é Figueiredo, et al16 a P. aeruginosa destaca-se
de suma importância, que ocorra um devido à redução de sensibilidade aos
posicionamento de alerta neste período antibióticos de maior espectro de ação como os
culminante de infecção, principalmente em carbapenêmicos e as cefalosporinas anti-
período cirúrgico. Em estudos realizados por pseudomonas. Um dos principais motivos de
Oliveir e Ciosak (2004)6 sobre a determinação resistência são as mutações que acarretam em
da incidência da Infecção do sítio cirúrgico- ISC aumento da resistência e a produção de enzimas
nos pacientes submetidos à cirurgia do aparelho beta-lactamases. Essas bactérias são
digestivo durante a hospitalização e após a alta importantíssimas e geralmente ocorrem em
hospitalar, foi verificado que 90,4% das ISC se pacientes com maior tempo de internação e uso
manifestaram até o vigésimo - primeiro dia da prévio de antimicrobianos.
data da cirurgia. “Outra característica marcante e
3.3 Medidas de Barreira e Higiene. preocupante desta espécie é a resistência
Fator importante a ser documentado, é cruzada aos antimicrobianos, que resulta da co-
a conscientização e fiscalização de toda a resistência, ou seja, da presença de múltiplos
equipe de profissionais, no sentido de controle mecanismos de resistência num único hospedei-
de medidas de barreira e higiene e pela alta ro levando à resistência a múltiplos fármacos”16.
concentração de utilização de antibióticos. Mendonça et al (1976)20, em sua
3.4. Mecanismos de Resistência das pesquisa, apresenta a tabela nº1, documentando
Uma das bactérias resistentes sobre 8 (oito) microrganismos importantes,
Bactérias. causadores de infecções intra - hospitalar, aonde
causadora de infecção hospitalar é a a Escherichia coli, apresenta o maior índice, na
representante dos Enterobactérias, as Gram- percentagem de 25,6%. Na tabela nº 2
negativas. Uma das espécies produz a enzima Mendonça et al (1976)20 apresenta a relação de
Klebsiella pneumoniae carbapenemase- KPC, infecções de origem clínica, descrevendo sobre
sendo que a bactéria envolvida é a Klebsiella diferentes causas destas infecções, sendo que a
pneumoniae e sua detecção em isolado correlação destas pelo processo de incisão e
bacteriano confere resistência aos urinário, predominam pelos diferentes
antimicrobianos carbapenêmicos, além de microrganismos causadores de infecções. Na
inativas penicilinas, cefalosporinas e sequência, pelos processos respiratório e pela
monobactâmicos. Os carbapenens queimadura Segundo a Organização Mundial de
compreendem uma classe amplamente utilizada Saúde (O.M.S), deve-se utilizar estratégias para
no tratamento de infecções envolvendo a redução da resistência bacteriana,
Enterobacteriaceae multirresistente16,17,18. estabelecendo-se as funções, relacionadas
A referida bactéria pode apresentar abaixo: nos quais tem como função:
vários mecanismos de resistência que poderão 1-Estimular a prevenção das infecções:
impedir a ação dos carbapenens, e a resistência CCIH/SCIHs efetivamente ativos,
surge ocasionalmente, da combinação de padronizando o uso de antibióticos, utilizando-
impermeabilidade da membrana com se protocolos Nacionais, Estaduais, Municipais
betalactamases cromossômicas ou de amplo da referida Instituição, em um processo de
espectro. O KPC constitui importante educação continuada.
mecanismo de resistência no contexto
hospitalar mundial, portanto, torna-se
importante a sua pesquisa a fim de limitar sua
disseminação, contribuindo assim para a

Revista UNIANDRADE 17(2): 86-100 91


Revista UNIANDRADE
DOI: http://dx.doi.org/10.18024/1519-5694/revuniandrade.v17n2p86-100

Tabela nº 1. Micro-organismos Causadores de Infecções Intra-hospitalar

GERMES Nº %

Escherichia coli 54 25,6

Pseudomonas aeruginosa 51 24,2

Estafilococo 51 24,2

Klebsiella-Enterobacter 18 8,5

Enterococo 6 2,8

Citrobacter 3 1,4

Serratia marcescens 1 0,5

Total 211 100,0

Fonte (Mendonça, Clara Pechmann et al)20

2-Baixar a emergência da resistência: deste; utilizar um antibiótico de maior espectro


diagnósticos seguros, precisos e rápidos, de ação, menor toxicidade e custo e
utilização de Antibiograma para a escolha de especialmente proceder ao consumo de
antibiótico e a fiscalização correta das farmácias antibiótico com menor capacidade de indução
para evitar”empuroterapia”. de resistência (Vergeles-Blanca, et al)21
3- Reduzir o impacto na saúde desta, pela Em termos de Brasil, de acordo com o
diminuição da utilização de antibiótico, de Ministério da Saúde, mais de 70% das bactérias
amplo espectro, pela conscientização da que causam infecções hospitalares, são
ingestão, caso seja realmente necessário. Esta resistentes, pelo menos a um dos
alternativa, terá uma diminuição de triagem de antimicrobianos comumente utilizados para o
cepas resistentes e automaticamente haverá tratamento dos pacientes. Consequentemente,
diminuição no custo do tratamento e de pessoas infectadas com esses patógenos
internação. Estes fatores levam a um aumento apresentam maior permanência hospitalar e
da qualidade de vida dos usuários, segundo a requerem tratamento com fármacos de segunda
Organização Mundial da Saúde - O.M.S, 2000. e terceira geração, que podem ser menos
4- Promover o acesso aos agentes efetivos, mais tóxicos ou com valor mais alto.
antimicrobianos e estimular o desenvolvimento (Fishman, 2006)22.
de novos agentes, uma vez que os antibióticos 3.6 Estratégias para a Prevenção da
como medicamento controlado e o Resistência Bacteriana.
acompanhamento de paciente com infecção a Justifica-se a grande preocupação com
um agente bacteriana resistente, segundo a a emergência da resistência bacteriana, uma vez
Vigilância Sanitária, 2010 representa uma que, considera-se que as intervenções para o
excelente estratégia. controle da disseminação incluem as
3.5 A Utilização de Antibiótico. importantes estratégias, documentadas a seguir.
No entanto, a escolha um determinado3.6.1 A educação dos profissionais de saúde.
antibiótico para uma infecção bacteriana, Este princípio, incluem o planejamento,
deverá haver certos critérios: como proceder à implementação, e avaliação de técnicas de
utilização de resultado de antibiograma, a partir controle de infecção; a educação permanente

Revista UNIANDRADE 17(2): 86-100 92


Revista UNIANDRADE
DOI: http://dx.doi.org/10.18024/1519-5694/revuniandrade.v17n2p86-100

Tabela nº 2 Correlação entre Infecções Clínicas e Associação de Microrganismos Causadores de


Infecções

Infecções Clínicas
Microrganismos
(Origem)

Esch. coli – Proteus sp.

Esch. coli – Klebs. Enterob.

Klebs Enterob. – Pseudomonas


Incisão
Klebs. Enterob. – Estafilococo

Esch. coli – Estafilococo

Enterococo – Pseudomonas

Esch. coli – Proteus sp.

Queimadura Klebs. Enterob. – Estafilococo

Proteus sp – Pseudomonas – Esch. Coli

Esch. coli – Estafilococo

Respiratória Esch. coli – Enterococo

Klebs Enterob. – Pseudomonas

Esch. coli – Klebs. Enterob.

Esch. coli – Pseudomonas

Urinária Pseudomonas – Klebs. Enterob

Preoteus sp. – Pseudomonas – Estafilococo

Preoteus sp. – Pseudomonas – Enterococo - Estafilococo

Piodermite Esch. coli – Estafilococo

Esch. coli – Proteus sp.

Klebs. Enterob. – Estafilococo

Várias Esch. coli – Pseudomonas

Esch. coli – Pseudomonas – Estafilococo

Esch. coli – Pseudomonas – Estafilococo – Proteus sp.

Fonte (Mendonça, Clara Pechmann et al)20

Revista UNIANDRADE 17(2): 86-100 93


Revista UNIANDRADE
DOI: http://dx.doi.org/10.18024/1519-5694/revuniandrade.v17n2p86-100

dos profissionais sobre a epidemiologia da disseminação. O uso de luvas e capotes são


resistência bacteriana, perfil de suscetibilidade, amplamente recomendados durante o contato
uso de antimicrobianos, infecções microbianas com mucosas, secreções e excreções dos
e condução de estudos epidemiológicos para pacientes, além do isolamento por contato para
vigilância hospitalar e comunidade. Portanto pacientes infectados ou colonizados por
acercar-se, de visão abrangente, em todo um bactérias resistentes. Outro aspecto a ser
contexto. destacado é que o isolamento do paciente reduz
É importante relembrar de que esta consideravelmente o contato efetivo dos
resistência poderá ser disseminada pela profissionais responsáveis pelo cuidado em
introdução de microrganismos resistentes em saúde e a possibilidade destes, atuarem como
uma população susceptível, por um paciente ou carreadores de microrganismos resistentes.
objeto inanimado. Como exemplo, pode-se citar Além disso, comprovou-se que quando capotes
a introdução em ambientes hospitalares de e luvas são utilizados adequadamente, estes
bactérias resistentes como as cepas de contribuem significativamente para a
Burkholderia cepacea ou mesmo das minimização da transmissão cruzada de
Pseudomonas aeruginosa, as quais são microrganismos resistentes por meio das roupas
transferidas aos pacientes em solução iodófora utilizadas pelos profissionais assistenciais.
ou sabões para a higienização das mãos 3.6.4 A higienização das mãos.
previamente contaminados. Portanto, as A última recomendação oficial sobre a
bactérias podem ganhar mobilidade e higienização de mãos foi proposta em 2002,
acessibilidade aos seres humanos por meio das pelo Código de Defesa do Consumidor - CDC,
mãos, roupas dos profissionais de saúde, por e oficializada no Brasil pela Agência Nacional
instrumentação ou ainda, por procedimentos e de Vigilância Sanitária- ANVISA, em 2007,
pela própria alimentação. sugerindo que esta seja realizada com sabão
3.6.2 A detecção de pacientes sob risco, por antisséptico PVP-I ou clorehexidina 2% antes e
meio da cultura de vigilância. após o cuidado dos pacientes com isolamento de
Deverá ser enfatizada a importância da microrganismos resistentes. Esta medida se
cultura semanal de vigilância em pacientes, com fundamenta essencialmente no fato de que os
a suspeita ou risco de contaminação por profissionais responsáveis pelo cuidado em
microrganismos resistentes, a fim de permitir a saúde frequentemente podem estar envolvidos
avaliação da disseminação em enfermarias ou na disseminação da resistência bacteriana a
em outras unidades hospitalares. Priorizando-se partir de atos aparentemente inócuos como:
os pacientes em longos períodos de internação tocar a pele intacta de um paciente colonizado,
ou de uso prolongado de antimicrobianos. Esta apoiar a mão na cama do paciente ou mesmo na
medida, irá contribui ainda para a detecção da maçaneta, prontuário ou telefone. Aponta-se
disseminação entre pacientes, pois se os ainda a possibilidade dos microrganismos
pacientes colonizados não são identificados resistentes persistirem nas mãos, objetos
precocemente por métodos de vigilância inanimados, superfícies, ambientes e de serem
microbiológica, torna-se impossível a transmitidos de um paciente a outro ou para
implementação de medidas de barreira. Neste superfícies e ambientes quando os profissionais
aspecto, destaca-se ainda a importância da de saúde não exercitam o hábito da higienização
qualidade dos padrões laboratoriais e perpetuando, desta forma a cadeia de
disponibilidade de técnicas apropriadas, além transmissão.
da comunicação eficaz entre laboratório, equipe 3.6.5. A desinfecção de superfícies.
assistencial e comissão de controle de infecção. A cultura microbiológica de superfícies
3.6.3 A implementação de isolamento por para verificação da efetividade dos
contato para pacientes colonizado-infectados, procedimentos de descontaminação adotados é
utilizando Equipamento de Proteção Individual uma excelente medida, embora ainda não
– EPI. constitui um fator de forte evidência científica.
A proximidade entre pacientes não Desta forma, o CDC recomenda a limpeza
isolados ou a não utilização de EPI específico frequente e rotineira das superfícies durante a
durante o cuidado destes, representa um internação e após a alta do paciente de forma
importante fator de risco para a continuidade da

Revista UNIANDRADE 17(2): 86-100 94


Revista UNIANDRADE
DOI: http://dx.doi.org/10.18024/1519-5694/revuniandrade.v17n2p86-100

supervisionada a fim de eliminar a possibilidade e esta resistência difundiu-se mundialmente,


de atuarem como um reservatório. motivando a pesquisa de novos antibióticos.
3.6.6 A restrição e controle do uso de Partindo do princípio, de que as
antimicrobianos. infecções hospitalares, podem ser provocadas
A Organização Mundial da Saúde – pela própria microbiota bacteriana humana,
OMS afirma que aproximadamente 25 a 35% segundo Souza (2005)4, proporcionará um
dos pacientes hospitalizados fazem utilização desequilíbrio dos mecanismos de defesa do
de antimicrobianos em algum momento, quanto organismo dos pacientes, observa-se, assim
à escolha, duração do tratamento, melhorias na certa gravidade, em relação ao tipo cirúrgico e a
prática de prescrição e, estabelecimento de longa permanência de internamento hospitalar.
sistemas de monitoramento específicos para Esta resistência, pode ainda ser
cada instituição hospitalar. A auditoria está disseminada pela introdução de
associada à implementação de protocolos, a microrganismos resistentes em uma população
racionalização das prescrições, suspensão, susceptível, por um paciente ou objeto
rotação de ciclos dos fármacos de maior inanimado. Como exemplo, pode-se citar a
demanda e de sistemas computadorizados para introdução em ambientes hospitalares de
controle adicional, de situações adversas e bactérias resistentes como as cepas de
registro de ocorrências de resistência Burkholderia cepacea ou mesmo das
bacteriana. Pseudomonas aeruginosa, as quais são
3.6.7 A manutenção de um banco de dados com transferidas aos pacientes em solução iodófora
a identificação de todos os pacientes ou sabões para a higienização das mãos
colonizados - infectados (Hambraeus, 2006)23 previamente contaminadas.
Esta estratégia favorece a identificação A Staphylococcus coagulase negativo e
imediata destes em caso de novas internações, o Staphylococcus aureus, estão entre as
pela comunicação efetiva entre a comissão de principais bactérias resistentes causadoras de
controle de infecção e a equipe assistencial infecções hospitalares16, na sequência destaca-
sobre a possibilidade de colonização- infecção, se a P. aeruginosa, devido à redução de
mobilizando precauções por isolamento de sensibilidade aos antibióticos de maior espectro
contato até que novas culturas identifiquem o de ação como os carbapenêmicos e as
real estado do paciente, da situação de portador cefalosporinas anti-pseudomonas.
ou descolonizado. Um dos principais motivos de
3.6.8 Educação do paciente. resistência são as mutações que acarretam em
Fornece esclarecimentos, sobre o aumento da resistência e a produção de enzimas
tratamento antimicrobiano, tempo que deverá beta-lactamases. Essas bactérias são
ser utilizado e a importância de se completar o importantíssimas e geralmente ocorrem em
ciclo terapêutico. Prevenir em compartilhar pacientes com maior tempo de internação e uso
medicamentos com família ou amigos, mesmo prévio de antimicrobianos.
que estes pareçam ter o mesmo tipo de infecção, Um dos fatores importante que
esclarecimentos sobre práticas da comunidade influencia na resistência bacteriana é a
culturalmente aceitas como o "poder mágico" utilização abusiva de antimicrobiano,
de antibióticos e a “confiança em injetáveis. acarretando uma série de fatores e entre estes,
está à dificuldade de se estabelecer a etiologia
4 DISCUSSÃO. viral ou bacteriana da maioria das infecções
Controle da infecção bacteriana, tema especialmente as respiratórias, que ocorrem na
importante na área da contaminação e infecção prática clínica. Existem também as expectativas
hospitalar, desde o século XX, contemplando dos pacientes, os quais associam infecção à
estudos contínuos, documentam que a resposta necessidade da utilização de antimicrobianos,
bacteriana tem sido no decorrer destes anos, o às dificuldades práticas da assistência à saúde,
desenvolvimento de resistência aos agentes onde o profissional não dispõe do tempo
antimicrobianos utilizados. Martim, (2002)10 necessário para orientar e educar o cliente
relembrando que a primeira bactéria que quanto aos riscos e aos benefícios de utilizar
apresentou resistência foi o S.aureus à empiricamente essas drogas, ou de discutir as
penicilina, logo após o início da sua utilização, alternativas do tratamento, como um todo.

Revista UNIANDRADE 17(2): 86-100 95


Revista UNIANDRADE
DOI: http://dx.doi.org/10.18024/1519-5694/revuniandrade.v17n2p86-100

Atualmente, há poucos novos agentes procedimento e da pele do paciente antes da


antimicrobianos em processo de avaliação cirurgia.
clínica devido ao grande custo envolvido na As Comissões de Controle de Infecção
produção de novos antimicrobianos. Os b- Hospitalar-CCIHs, das unidades de saúde
lactâmicos foram os primeiros a serem devem capacitar os profissionais, em
utilizados e continuam a ser os mais intensificar as medidas de prevenção e controle
frequentemente utilizados para o tratamento de de infecções relacionadas a procedimentos
infecções em hospitais e na comunidade9. invasivos, além de métodos como vigilância
Evidencia-se que as bactérias podem pós-alta, na promoção de infecções, em
ganhar mobilidade e acessibilidade aos seres pacientes cirúrgicos, pesquisa e cultura para
humanos por meio das mãos, roupas dos microbactéria das secreções e biópsias, são
profissionais de saúde, por instrumentação, ou fatores positivos que podem colaborar para o
seja, procedimentos ou pela própria diagnóstico e eficácia do tratamento.
alimentação9. O conhecimento da resistência
Fator importante a ser documentado, é bacteriana, bem como seus mecanismos de
em relação à conscientização de toda a equipe ocorrência e estratégias de prevenção e controle
de profissionais, no sentido de controle de utilizados para a prática assistencial, também
medidas de barreira e higiene, pela utilização de constitui um forte argumento para reflexões e
antibióticos, porém fiscalizando continuamente revisões de condutas e protocolos. Acredita-se
o nível de concentração. que somente a partir de atitudes positivas, novos
Em âmbito hospitalar, devem ser projetos poderão ser investindo no processo de
realizadas, desde a admissão, orientações sobre controle da disseminação dos microrganismos,
higiene pessoal, minimização de visitas a outros principalmente, quando analisa-se registros da
pacientes evitando deambular por outras progressiva evolução da resistência bacteriana
enfermarias e em caso de ser portador de presente, não só no contexto hospitalar como
microrganismos resistentes, enfatizar medidas também no âmbito comunitário.
básicas para evitar a disseminação, tais como Acredita-se no reconhecimento da
importância da restrição no leito, não experiência clínica, que as medidas
compartilhamento objetos pessoais, bem como relacionadas às práticas de controle de infecção,
incentivar a equipe assistencial à higienização contribuem para o desenvolvimento de
das mãos antes da prestação do cuidado. mudanças significativas de conscientização de
entendimento dos pacientes, possibilitando
5 CONCLUSÃO. desta forma, requisitos para a adoção primária,
A infecção hospitalar é um problema de de medidas adequadas que permitam a
ação emergencial, no âmbito da saúde, em prevenção e o controle de eventos indesejáveis.
posicionar-se no início do internamento dos Estas medidas devem enfatizar o
pacientes, de uma forma mais significativa, de controle da disseminação, utilizando-se
prevenir sérias complicações, diminuindo o estratégias voltadas para a educação dos
índice de doenças graves, de difícil tratamento profissionais de saúde sobre a detecção de
e em muitos casos, evitar o óbito. Entretanto, pacientes, em relação aos que possam ocorrer
um dos grandes problemas para combater a por meio da cultura de vigilância, pela
infecção hospitalar é devido ao surgimento de implementação de isolamento de contato para
um grande número de microrganismos pacientes colonizados-infectados e a utilização
resistentes aos antimicrobianos disponíveis no de equipamento de proteção Individual-EPI.
mercado, dificultando e encarecendo o Fator importante é a higienização das
tratamento destas infecções, além da mãos, desinfecção das superfícies, restrição-
automedicação. controle do uso de antimicrobianos,
A prevenção de infecções hospitalares manutenção de um banco de dados com a
deverá ocorrer a partir da adesão dos identificação de todos os pacientes colonizados-
profissionais de saúde aos procedimentos de infectados, além da educação destes e
esterilização validados e padronizados pela consequentemente, da reformulação das
ANVISA, assim como a anti-sepsia correta da políticas sociais, culturais e públicas.
equipe profissional que realizará o

Revista UNIANDRADE 17(2): 86-100 96


Revista UNIANDRADE
DOI: http://dx.doi.org/10.18024/1519-5694/revuniandrade.v17n2p86-100

Sob esta perspectiva, para serem bem universitário de Natal/RN durante 10 anos. J
sucedidas as intervenções abordadas, neste Bras Patol Med Lab2011; 47:589-594.
texto, precisam contemplar a prática individual
8 Sader H.S. Bactérias Multiresistentes:
de cada profissional, em nível institucional e
Microbiologia, Epidemiologia e Controle
nacional, incluindo a comunidade e a sociedade,
Prática Hospitalar, 2003; 30: 19-21.
como um todo.
É oportuno, ressaltar de que a 9 Oliveira A.C. Infecções hospitalares:
compreensão da importância epidemiológica repensando a importância da higienização
dessa situação, representa um entendimento das mãos no contexto da multirresistência. Ver.
para que os profissionais de saúde e as Min. Enf. 2003; 7(2):140-44.
instituições, excluam definitivamente que o 10 Martin N.G. Resistencia Bacteriana a ß-
problema do controle de infecção e da lactámicos: Evolución y Mecanismos. 2002;
disseminação de microrganismos resistentes 21(1):107-116.
nos hospitais e nos estabelecimentos de saúde é
de exclusividade e responsabilidade dos 11 Cano H.J, Robles-Contreras, A. Aspectos
profissionais membros das CCIH. básicos de los mecanismos de resistencia
Neste sentido, deverá haver contribuição e bacteriana. Revista Médica MD 2013; 4(3):186-
envolvimento significativo de todas as pessoas 191.
participantes e corresponsáveis desse processo, 12 Daza- Pérez R.M. Resistencia bacteriana a
em todo o contexto. antimicrobianos: su importancia en la toma de
decisiones en la práctica diaria, Información
REFERÊNCIAS. Terapéutica del Sistema Nacional de Salud
1 Ayliffe G.A.J. Controle de infecção Rev.Esp.Quimioterapia.1996; 9:171-176.
hospitalar: manual prático. 3.ed. Rio de Janeiro: 13 Betriu C.,Gómez M.,Sánchez A.,Cruceyra
Revinter, 1998. A., Romero J. Picazo J.J. Antibiotic resistance
and penicillin tolerance in clinical isolates of
2 Moura K.K.V, Silva A.A. Infecção group B streptococci. Antimicrobiol Agents
Hospitalar: a solução em nossas mãos. Ciências Chemother 1994; 38: 2183-2186.
Hoje; 2001, 29.
14 Rodríguez G.J.A, Sanchéz G.E. Resistencias
3 Turrini R.N.T. Percepção das Enfermeiras bacterianas y antibioterapia. En: Eficacia in
sobre Fatores de Risco para a Infecção vivo Eficacia in vitro. Madrid-Barcelona: ed
Hospitalar. Ver.Esc.Enf.USP.2000; 34(2):174- Doyma, S.A., 1997; 39-50.
184.
15 - UNICAMP CCIH-HC-CAISM. Manual de
4 Souza R.T. Infecção Hospitalar do Trato Normas e Procedimentos Técnicos para
Respiratório: Bactérias Envolvidas e Prevenção e Controle de Infecções
Profilaxia, 2005 Hospitalares. 2003, 3 ed. Campinas.

5 Ferraz E.M, Ferraz A.B, Bacelar T.S, 16 Dienstmann R. Picoli S.U. Meyer G.
Albuquerque H.S.T.D, Vasconcelos M. Schenkel T. Steyer, J. Avaliação fenotípica da
D. M. M; Leão C.S. Controle de infecção em enzima Klebsiella pneumoniae carbapenemase
cirurgia do aparelho digestivo: resultado de (KPC) em Enterobacteriaceae de ambiente
um estudo prospectivo de 23 anos em 42.274 hospitalar. J. Bras. Patol. Med. Lab., Rio de
cirurgias. Ver.Col.Brás.Cirur. 2001; 28:17-25. Janeiro, 2010; 46 (1).
17 Figueiredo EAP, Heloisa Ramos2, Maciel
6 Oliveira A.C, Ciosaki S.I. Infecção de sítio MAVM, Vilar MCM, Loureiro NG, Pereira RG
cirúrgico no seguimento pós alta: impacto na Pseudomonas aeruginosa: freqüência de
incidência dos métodos utilizados. Revista Esc resistência a múltiplos fármacos e resistência
Enfermagem USP, 2004; 38 (4): 379-85. cruzada entre antimicrobianos no Recife/PE.
Rev.bras.ter.intensiva, São Paulo, 2007, 19 (4):
7 Oliveira CBS, Dantas VCR, Motta Neto R,
421-427.
Azevedo PRM, Melo MCN. Frequência e perfil
de resistência de Klebsiella spp. em um hospital

Revista UNIANDRADE 17(2): 86-100 97


Revista UNIANDRADE
DOI: http://dx.doi.org/10.18024/1519-5694/revuniandrade.v17n2p86-100

18 Meyer G, Picoli SU. Fenótipos de


betalactamases em Klebsiella pneumoniae de
hospital de emergência de Porto Alegre. J Bras
Patol Med Lab 2011; 47:25-31.
19 Anderson KF, Lonsway DR, Rasheed JK,
Biddle J, Jensen B, Mac.Dougal LK, Carey RB,
Tampson A, Stocker S, limbago B, Patel JB.
Evaluation of Methods to Identify the
Klebsiella pneumoniae in Enterobacteriaceae
J.Clin.Microbiol.2007;45(8):2723-2725.
20 Mendonça, CP, Landgraf M, Natalino PR,
Ruff SD . Infecções hospitalares no município
de Araraquara, SP (Brasil). Rev.Saúde
Pública, São
Paulo, 1976,10(3):239-252.
21 Vergeles-Blanca, José Maria et al. Calidad y
características de la prescripción de
antibióticos en un servicio hospitalario de
urgencias. Rev.Esp. Salud
Publica, Madrid,1998, 72 (2).
22 Fishman N. Antimicrobial stewardship. Am.
J. Infect Control. 2006; 34(5) 55-63.

23 Hambraeus A. Lowbury lecture 2005:


infection control from a global perspective. J.
Hospital. Infect. 2006; 64(3):217-223.

Revista UNIANDRADE 17(2): 86-100 98