Você está na página 1de 5

Metaplasia escamosa – 22/05/00

METAPLASIA ESCAMOSA

O epitélio que reveste a endocervice é cilíndrico simples. Rente a membrana basal nós temos
as células de reserva, que são as células subcilíndricas, e acima destas células, temos as
células endocervicais maduras: célula endocervical ciliada e célula endocervical mucípara.
Essas células são perdidas fisiologicamente ou mecanicamente, elas envelhecem, morrem.
Quem faz a reposição destas células é a célula de reserva. Então o normal é a célula de
reserva ou subcilíndrica dá origem a célula endocervical madura (ciliada e mucípara). Essa
célula de reserva é pluripotente, o que significa que no centro de formação genética dessa
célula existem informações que ela pode se transformar em diversos tipos celulares, por isso
que ela é pluripotente. Então toda célula pluripotente tem essa capacidade. Essas células
pluripotentes são geralmente jovens, imaturas. Então, a célula de reserva ou subcilíndrica
tem a propriedade de se diferenciar em diversos tipos celulares.
Aqui eu tenho a ectocérvice e a endocervice. O ponto de encontro do epitélio escamoso
com o epitélio glandular da endocervice, é chamado de J.E.C (junção escamo colunar). Quando a
JEC coincide com o orifício externo (nas imediações do orifício externo), a ectocérvice vai tá
toda revestida por epitélio escamoso, e este é eminentemente de proteção, então isso é bom pra
mulher, ou seja, o colo do útero daquela mulher está protegido. Esse colo é chamado de padrão
ou colo ideal: quando a JEC coincide com o orifício externo, ou se instala nas imediações do
orifício externo. Nesse caso a JEC = 0 (colo padrão- toda a ectocérvice esta revestida por epitélio
escamoso pluriestratificado não ceratinizado). Infelizmente 10 a 15% das mulheres em menacme
examinadas apresentam JEC = 0; em torno de 25 a 30% apresenta ectopia (ou ectropia, ou
eversão), que é quando a mucosa endocervical invade a ectocérvice, ou seja, a JEC vai se instalar
distante do orifício externo; a mucosa endocervical aflora a vagina. A ectopia é um fenômeno
normal, fisiológico. Então o que leva a isso? Porque ocorre isso nas mulheres em menacme?
1- uso de hormônios (principalmente os esteróides – estrógenos, progesterona);
2- gravidez sucessivas;
3- manipulação ginecológica (até o coito)
Antigamente a ectopia era chamada de eritroplaquia, porque a área evertida fica mais
hiperemiada (fica vermelho vivo).
Então o que acontece quando a mucosa endocervical invade a ectocérvice?
- Ela sai de dentro do canal onde ela esta revestida pelo muco cervical (parcialmente protegida
pelo muco), então ela perde essa proteção;
- Ela está em pH alcalino dentro canal cervical, então quando ela aflora a vagina, ela vai entrar
em contato com o pH ácido;
- Ela vai entrar em contato com uma flora microbiana, com traumatismos. Então a tendência de
essa mucosa endocervical evertida é inflamar, porque esse epitélio endocervical é mais nobre que
o escamoso (o escamoso é mais de proteção; o endocervical é mucosecretor, ou seja, secreta o
muco, que tem objetivo de servir de tampão que os espermatozóides ascendam ao útero). Então
quando a mucosa endocervical sai do seu local natural ela fica suscetível a inflamar. Após a
inflamação ocorre uma erosão ( a diferença entre erosão e úlcera, é que na erosão a perda de

1
Metaplasia escamosa – 22/05/00

tecido vai até a membrana basal, e a úlcera é uma perda de tecido mais acentuada, vai até o
tecido conjuntivo). Quando ocorre a erosão o organismo tem 3 mecanismos para reparar essa
área erosada:
1. As células de reserva se diferenciam em célula glandular madura (que é o normal)  cura
anatômica, porque as células que foram restituídas são as células originais;
2. Se a área que ocorreu essa inflamação for próximo a JEC, há possibilidade de as células
basais do epitélio escamoso se hiperplasiarem (aumenta o número de fileiras (população) de
células basais), e essas células escorregam no sentido horizontal para o epitélio glandular que
sofreu erosão e aí elas vão amadurecer dando epitélio escamoso, aí eu vou Ter por baixo
epitélio glandular e por cima epitélio escamoso(mistura de mucosa)  Zona de
Transformação Típica (ZTT) ou Terceira Mucosa (TM) / Cura Clínica, porque as células
recolocadas são escamosas).
É chamado de TM porque: o colo tem 2 mucosas originais, na ectocérvice tem a 1° mucosa, que
é a escamosa; na endocervide tem a 2°, que é a glandular ou colunar; e nesse caso tem a misturas
das duas, que é a 3° mucosa.
3. Outro mecanismo que é o menos freqüente (torno de 9% dos casos), mas é o mais importante:
A célula de reserva em vez de dar origem a célula glandular, dá origem a célula escamosa, e esse
fenômeno é chamado de metaplasia  Cura clínica (porque as células perdidas eram
glandulares e foram substituídas por células escamosas, a partir de células de reserva).
METAPLASIA: é a transformação de um tipo celular em um outro igualmente típico e
diferenciado. Então vai Ter ZTT e a cura é clínica.
Esquema:

Mucosa escamosa Mucosa colunar

Tec. conjuntivo de
sustentação

2
Metaplasia escamosa – 22/05/00

Essa mucosa escamosa tem a tonalidade pálida cinzenta. Essa mucosa como é muito
vascularizada é um vermelho vivo, então dá pra distinguir.
Quando a JEC é igual á zero corresponde que ela coincide com o orifício externo ou se
forma nas imediações do orifício externo. Quando a mucosa endocervical invadiu ectocérvice,
aflorou a vagina, eu chamo de eversão ou ectopia, aí eu uso o sinal menos (-). Quanto maior o
número, maior a eversão. Essa representação que eu fiz aí, a JEC seria –2, se tivesse tomando
quase todo o colo seria –3, e se ela já estivesse lá no fundo de saco posterior seria –4. Quer dizer,
quanto maior o número maior a área desprotegida (ectopia).
Tá, então inflamou, formou erosão. Vamos supor que a erosão ocorreu nas proximidades
da JEC. As células basais se hiperplasiam, ou seja, aumentam o número de fileira de células,
então elas cresceram na vertical dentro do epitélio escamoso, depois elas escorregam na
horizontal para o epitélio glandular. Então, aquele epitélio glandular que sofreu erosão, foi
substituído por um epitélio mais resistente, o escamoso. Aí, eu tenho uma cura clínica, porque é
um outro tecido. Como eu tenho um outro epitélio, eu vou chamar isso de Zona de transformação
típica (ZTT) ou TM. Esse mecanismo só ocorre se a erosão for nas imediações da JEC, porque se
não como essas células iriam escorregar por cima das outras?.
Outra maneira é que essa célula (de reserva ou subcilíndrica) normalmente dá origem a
célula glandular madura. Essa é a cura anatômica. Nesse caso não há TM.
Outro mecanismo, que é o mais importante, é que essa célula dá célula escamosa, através
de metaplasia. Então, vou ter cura clínica, vou ter mistura de tecido e TM. Observem: aqui era
JEC antiga, a JEC agora vai ser aqui (JEC nova). Tudo que está entre a JEC antiga e a JEC nova
eu vou chamar de ZTT. É justamente nesta ZTT que se inicia 85% do câncer ginecológico.
Geralmente nos desvios das metaplasias que aparecem os cânceres, por isso ela é tão importante.
A metaplasia escamosa é um fenômeno fisiológico, é uma resposta hística fisiológica a uma
agressão, ou seja, o organismo substituiu um tecido fragilizado por um outro mais resistente que
é o escamoso. Nesse processo de metaplasia, ela pode sofrer desvio, e ao invés de dar célula
escamosa, dá célula maligna.
A célula metaplasica imatura é um híbrido de ressonância entre o tecido glandular e o
tecido escamoso. Ela tem características fenotípicas de célula glandular e de célula escamosa,
inquanto ela é imatura; a medida que ela vai amadurecedo, vai perdendo as características de
célula glandular e vai adquirindo quase totalmente caraterísticas de células escamosas. Chega
num ponto que ela tá madura que você não sabe mais distinguir se é uma célula escamosa
original, primitiva, ou se ela derivou de uma metaplasia escamosa. Não tem condição
citologicamente de fazer esse tipo de distinção.
Pergunta: dá pra observar a ZTT na hora que tá fazendo a coleta? Na colposcopia dá. O
tecido glandular mais periférico é chamado de última glândula (UG). Dá UG até a JEC antiga é a
área de ZTT, porque as vezes a UG tá mais periférica que a JEC nova.
Nas mulheres idosas, quando o ovário não produz mais hormônios, a tendência
ectocervice invadir a endocervice, aí a JEC se instala dentro do canal. Aí, se usa escova
endocervical para colher. Há uma Reversão: quando a mucosa escamosa invade a endocérvice
(ocorre na menopausa). Aí usa o sinal +1, +2, +3, +4.

3
Metaplasia escamosa – 22/05/00

O médico pode colocar JEC = -2 (LA). Significa lado anterior. O orifício externo divide o
colo em 2 lados: anterior ou superior e posterior ou inferior.

COMO RECONHECER METAPLASIA CITOLOGIAMENTE


Citologicamente, a metaplasia escamosa se caracteriza pela presença de grupos ou placas
de células, apresentando pleomorfismo celular (célula em forma difusa, forma amebóide, caudal,
tipo gota), e pontes intercitoplasmáticas (tipo uma malha). O citoplasma cora cianofilicamente
quando mais jovem, imatura for a metaplasia (quanto mais jovem, mais ribossoma tem). As
células metaplasicas isoladas vão ter a mesma características daquelas que estavam em placas.
A metaplasia pode ser Imatura e Matura.
A metaplasia Imatura é essa que eu descrevi para vocês, as células são pleomórficas,
formam pontes citoplasmáticas, e o citoplasma é denso, cora intensamente cianofilicamente. A
metaplasia Matura é aquela que só consegue distinguir ectoplasma do endoplasma. Então você
tem uma célula tipo intermediária e só distingue ectoplasma e endoplasma, porque o ectoplasma
sendo mais denso cora mais intensamente que endoplasma. Dá impressão de dobramento de
borda, mas é uma célula metaplásica praticamente madura, a diferença do dobramento é que no
dobramento em toda a borda fica assim, e na metaplasia escamosa matura tem partes mais densas
e outras partes não. É uma distinção muito sutil.
As células metaplásicas imaturas são bem verdinhas e tem esse aspecto dessa densidade
do ectoplasma (parte externa do citoplasma). Isso não tem interesse clínico nenhum, o único
interesse que tem é que quando você coloca que encontrou célula metaplásica, o teu material é
satisfatório, adequado, porque você tem o elemento escamoso e tem o elemento da ZTT, que é a
célula metaplásica. Isso te dá segurança no laudo que você está emitindo. É importante você ter
um material satisfatório, e pra isso tem que ter material da endocervice e ectocérvice, não pode
ter escasso de material, lâmina não pode estar quebrada, mal identificada, nem ter excesso de
material hemorrágico.
Nós podemos ter as células metaplasicas apresentando alterações reacionais de natureza
inflamatória, significa dizer que o agente agressor persiste. A célula metaplasica normal não tem
atipia reacional, mas é muito comum ter atipia reacional. A célula metaplasica tem uma
capacidade fagocitária, reativa, maior que as células normais, pois ela está numa fase de
transição, está se transformando de glandular em escamosa. Então a metaplasia pode Ter ou não
alterações reacionais de natureza inflamatória.
O verbo na metaplasia é substituir. Substitui um tipo de célula por outro.
Tem também a metaplasia escamosa atípica, e essa que é perigosa, pois é um passo para o
câncer. Quais as características? É uma displasia de metaplasia. Essa não é mais fisiológica, é um
desvio da metaplasia. Você tem um citoplasma de célula metaplásica, entretanto o núcleo é
discariótico. A célula metaplásica atípica é aquela que apresenta o núcleo discariótico e poderá
ter ou não nucléolo. É facil ver célula metaplásica, pois ela se destaca do resto do esfregaço, no
aumento de 10 vê logo aquela placa de células, com citoplasma bem verdinho. Aí você observa
se tem halo perinuclear, metacromasia, pseudoeosinofilia, se tiver essas coisas são células
metaplásicas com alteração de natureza inflamatória. Ou então, se tem o núcleo discariótico aí

4
Metaplasia escamosa – 22/05/00

tem metaplasia atípica. O que é discariose? É a mesma coisa que displasia, só que displasia é um
termo histológico e discariose é um termo citológico. É o aumento da relação núcleo/citoplasma
e hipercromasia nuclear. São esses dois critérios, mas o principal é o aumento da relação
núcleo/citoplasma, ou seja, o núcleo aumenta mas o citoplasma não aumenta. Se não houver
aumento da relação N/C não tem discariose. Vamos supor, eu tenho aqui células pleomórficas e
núcleo hipercromático, aí eu digo, dentro desse núcleo dá no mínimo 3 leucócitos, então já é uma
discariose, então essa célula metaplásica é atípica. Essa paciente tem que ser acompanhada
porque pode desenvolver um câncer. Ou então eu tenho núcleo hipercromático e nucléolo
proeminente de célula metaplásica: é metaplasia atípica, porque as displasias ou discarioses não
tem nucléolo, e na metaplasia atípica poderá ter nucléolo.
Não deu tempo de falar de Reparo, mas como é pouco vou falar durante as aulas práticas.
O reparo é outra forma de resposta hística.

EVERSÃO  EVERSÃO INFLAMADA  EROSÃO  REEPITELIZAÇÃO Direta


(cura anatômica) (cura clínica) Indireta

Direta: feita pelas células basais que se hiperplasiam, dá TM e ZTT


Indireta: feita pelas células metaplásicas (mais importante)