Você está na página 1de 3

Em busca das origens desenvolvimentais dos transtornos mentais

Os conceitos e abordagens que nos auxiliam a entender a origem dos transtornos mentais se
convergem. São possíveis desfechos Ligados ao desenvolvimento, surgem a partir de inter-
relações dimensionais, complexas, fatores biológicos, genéticos e psicológicos. características
ambientais, relacionamento interpessoais,nível sócio-economico.
Desses conceitos merecem destaque a psicopatologia desenvolvimental que assume a
continuidade no processo de desenvolvimento dos transtornos mentais, ou seja, experiências
previas é levada ao longo do desenvolvimento na vida do individuo.Os seres humanos tem
uma tendência inata e intrinsica de se adaptar ao meio para sobreviver, se esse meio for
patológico é bem provável que a adaptação também seja. Idade e momento do
desenvolvimento são fatores fundamentais para que todos os outros sejam entendidos.
Buscando fatores ambientais com efeito causal
Existe uma serie de evidencias neurobiológicas que apontem a alteração do eixo hipotálamo,
hipófise adrenal decorrente de maus tratos na infância. Outro fator causal estaria relacionado
com um estado depressivo leve, que pode acarretar para uma depressão crônica. Em relação a
efeito causal é interessante frizar que problemas como desemprego, depressão, violência,
morte pode ser um inicio do desenvolvimento de um transtorno mental. Porem é importante
salientar que todos esses estressores reagem de forma diferente para cada individuo. E as
consequências serão diferente para cada um.
As abordagens epidemiológicas utilizadas para demonstrar determinado evento ambiental são
limitadas frente a complexidade dos processos. Questões éticas não permitem a manipulação
de indivíduos para que sejam expostos a eventos estressores. Assim eventos naturais são
oportunidades impares para esses estudos na busca de entender a origem dos transtornos
mentais. Estudos mostram que indivíduos que vivem em situação de pobreza tem maior
probabilidade de desenvolvimento dos transtornos mentais, do que pessoas que vivem melhor
financeiramente. Isso se daria em questão da melhor alimentação, oportunidades
educacionais e habitação.
Entendendo o mecanismo de ação dos agentes causais
Primeiramente é importante saber se um determinado fator atua por via ambiental ou
genetica. Se ambiental como ultrapassa a pele para se tornar em um transtorno mental e se
genética como se deixa mostrar através das atitudes observáveis. Estudos feitos com crianças
geradas por mães fumantes não foi suficiente para comprovar se o tabagismo afeta realmente
no comportamento antissocial da criança depois que nasce.
Fatores genéticos predispondo a exposição a estressores ambientais
Alguns comportamentos tem relação com a genética do individuo, moldando seu
comportamento de acordo com o ambiente e respectivamente suas experiências ambientais,
seus pais tem grande influencia tanto dos genes como do ambiente que o individuo ira se
desenvolver.
Fatores genéticos moderando o efeito de estressores ambientais.
O fator genético influencia na forma do individuo se relacionar com os estressores ambientais.
Nesse sentido observa-se que o mesmo fator de estresse pode adquirir respostas diferentes.
Certos indivíduos reagem negativamente enquanto outros positivamente, os que reagem bem
poderíamos chamar de resilientes, a pessoa que tem capacidade de se superar das dificuldades
por um aspecto positivo. Em relação aos maus tratos infantis estudos mostram que crianças
guando mau-tratadas tem maior probabilidade de desenvolver transtornos mentais.
Perspectivas futuras
Estudos estão sendo realizados, existe uma grande expectativa para o desenvolvimento de
novas técnicas e analises genéticas. Centenas de genes poderão ser avaliados ao mesmo
tempo e o risco genético de determinado individuo poderá ser predito, sendo assim
conhecendo os riscos sera possível explorar questões desenvolvimentais.

A importância e as limitações do uso do DSM-IV na pratica clinica


O DSM-IV é um sistema diagnostico e estatístico de classificação dos transtornos mentais,
destinado a pratica clinica e a pesquisa psiquiátrica. As principais características do DSM-IV
são, descrição dos transtornos mentais, definição de diretrizes diagnosticas precisas, modelo
ateorico, sem qualquer preocupação com a etiologia dos transtornos, descrição das patologias,
dos aspectos associados, dos padrões de distribuição familiar, da prevalência na população
geral, do diagnostico diferencial e das complicações psicossociais decorrentes, busca de uma
linguagem comum, para uma comunicação adequada entre os profissionais da área da saúde
mental.
As vantagens e desvantagens da utilização do DSM-IV
O desenvolvimento das pesquisas relacionadas a saúde mental tomaram um impulso
extraordinário nos últimos anos. O uso do DSM-IV ajuda os profissionais- psiquiatras,
psicoterapeutas, psicólogos, estabelecerem uma nova parceria entre a psiquiatria clinica e as
psicoterapias comportamentais. Com o DSM-IV tem se a possibilidade de melhores
diagnósticos, e tratamento para cada paciente, criação de novas técnicas terapêuticas, com
grande melhoria de qualidade de vida para pacientes com diferentes transtornos.
As desvantagens do uso do DSM-IV também são muitas, com o sistema os pacientes recebem
simultaneamente inúmeros diagnósticos, pois os sintomas na grande maioria das vezes
ultrapassam os limites proposto pelo manual. As listas dos sintomas do DSM-IV não
contemplam todas as queixas realizadas pelos pacientes na pratica clinica. Poderíamos citar
um exemplo que fica confuso para um diagnostico preciso com o uso do DSM-IV, pacientes
com ataques de pânico tem com frequência queixa de dores de cabeça, boca seca, visão
borrada, porem esses sintomas não estão descritos para pessoas com esse transtorno. Outra
dificuldade diz respeito ao profissional que vai utiliza-lo. O DSM-IV não pode ser usado como
infalível e muito menos como única forma de “rotular” um sintoma apresentado pelo paciente.
O individuo é um ser único e complexo deve ser avaliado como um todo e individualmente e
não baseando-se somente na tabela do DSM-IV.

Conclusão
A psicopatogia desenvolvimental, como uma forma de entendermos os transtornos mentais,
diminui e privilegia determinados aspectos. Acreditamos que vários estudos devem ser feitos
para que se possa realmente diagnosticar a real forma que se adquirem os transtornos
mentais. Acreditamos ainda que os transtornos são adquiridos através de todos esses fatores
citados anteriormente, como o ambiente em que se vive, a genética etc... Como aspecto
fundamental citaríamos o nível de pobreza do individuo em todos os sentidos, como principal
causa do desenvolvimento de transtornos mentais.
Em relação a utilização do DSM-IV poderíamos refletir sobre vários aspectos. Se faz necessário
para uma padronização em relação a transtornos mentais que serve como auxilio para o
trabalho de psiquiatras, psicólogos e outros profissionais relacionados a saúde mental. Para
obtenção de um melhor psicodiagnóstico.Por outro lado a indústria farmacêutica se beneficia
com tantos casos de transtornos que analisando profundamente não haveria necessidade de
tanta medicação.com a leitura e pesquisa no assunto dos dois temas propostos chegamos a
conclusão que qualquer queixa de um individuo esta passando a ser diagnosticado
erroneamente como transtorno mental, pois a sociedade não mais quer conviver com
problemas, frustações,é como se tivéssemos que viver feliz o tempo todo.Portanto o DSM-IV
tem que ser utilizado realmente como uma forma de ajudar o individuo e não somente rotula-
lo, como o doente tal.