Você está na página 1de 2

OFICINA DE QUADRINHOS

O projeto em questão, tinha como um dos objetivos principais proporcionar uma


melhora na aprendizagem e motivação dos envolvidos no processo. Pois era de
conhecimento dos bolsistas a questão da pouca motivação dos alunos. Sabendo disso,
todas as ações tomadas no decorrer do projeto eram voltadas para o ensino e a
motivação dos discentes para as questões de leitura e escrita.

Tendo essas questões como ponto de partida, uma das alternativas para trazer os
alunos para mais perto do processo de ensino e aprendizagem foi utilizar meios dos
quais eles tivessem interesse particular. Os quadrinhos surgiram como uma forte
ferramenta para a chamar a atenção deles. Pois, sabe-se que o gênero quadrinho tem o
poder de alcançar diversos públicos, Vergueiro (2018, p. 7) a respeito disso discorre:

[...] os quadrinhos representam hoje, no mundo inteiro, um meio de


comunicação de massa de grande penetração popular. Nos quatro cantos do
planeta, as publicações do gênero circulam com uma enorme variedade de
títulos e tiragens de milhares ou, às vezes, até mesmo milhões de exemplares,
[...]

Dessa maneira, tal ferramenta torna-se um importante instrumento para


maximizar estimulo a leitura e a participação dos alunos. Vergueiro (2018, p. 21)
defende o uso do gênero em sala de aula ao afirmar:

há várias décadas, as histórias em quadrinhos fazem parte do cotidiano de


crianças e jovens, sua leitura sendo muito popular entre eles. Assim, a
inclusão das histórias em quadrinhos na sala não é objeto de qualquer tipo de
rejeição por parte dos estudantes, que, em geral, as recebem de forma
entusiasmada, sentindo-se, com a utilização, propensos a uma participação
mais ativa nas atividades de aula.

Assim, sabendo dessa forte identificação dos alunos por tal gênero, decidiu-se
elaborar uma oficina, onde ensinávamos a parte estrutural, composicional e funcional
dos quadrinhos. Dentro dessas oficinas foram abordados também aspectos históricos
relacionados ao surgimento e popularização das HQ’s. Ao final da parte teórica,
estimulamos os alunos a produzirem tirinhas, colocando assim em prática o que tinha
sido repassado a eles.

Essa oficina não ficou restrita somente a escola onde atuávamos, ela foi
ministrada também em outra escola onde o PIBID atuava, bem como foi elaborada outra
oficina para ser ministrada no “Universo IFCE”. Nessa ocasião, as inscrições estavam
abertas ao público geral, porém, com total organização e realização por parte da equipe
do PIBID.
Ao fim das oficinas, fica-se comprovado o valor de tal gênero para o ensino,
pois o mesmo atrai a atenção de crianças e jovens, e deixa o clima das aulas mais
dialogado, trazendo assim um maior rendimento no quesito da aprendizagem e
satisfação do professor.

REFERÊNCIAS

BARBOSA, Alexandre. Como utilizar as histórias em quadrinhos em sala de aula /


Alexandre Barbosa, Paulo Ramos, Túlio Vilela; Angela Rama, Waldomiro Vergueiro,
(orgs). – 4ª. Ed., 4ª reimpressão. – São Paulo : Contexto, 2018. – (Coleção Como usar
na sala de aula)