Você está na página 1de 17

Mecânica dos Fluidos Aplicada

Aula 02
Cursos Engenharias
Mecânica e Mecatrônica
Universidade Paulista

© UNIP 2020 all rights reserved


Força de arrasto e sustentação

Existem 4 forças básicas presentes no vôo:

© UNIP 2020 all rights reserved


Força de arrasto e sustentação

O avião joga o ar para trás através das turbinas ou hélices exercendo uma forca
chamada de arrasto, surge então uma forca contraria chamada impulso ou tração. A
forca de tração dá o primeiro impulso ao avião que se desloca para frente.

© UNIP 2020 all rights reserved


Força de arrasto e sustentação em Aerofólios

Aerofólio
É um corpo carenado, secção bidimensional, projetado para provocar variação na
direção da velocidade de um fluido. (Gradiente de pressão)

© UNIP 2020 all rights reserved


Força de arrasto e sustentação em Aerofólios

A ocorrência de uma Força de Sustentação (CL) tem sobretudo origem na


distribuição de pressões em torno do objeto submerso no escoamento.

FL 1
CL = ⇔ FL = C L ρV 2 A
1 2
ρV 2 A
2

 Para dispositivos que se destinam a gerar sustentação como é o caso de


aerofólios, a contribuição dos efeitos viscosos para sustentação geralmente é
desprezível.

 A diferença de pressão resulta na força de sustentação do avião. Quando a força


de sustentação do avião atinge valor maior que o da força peso, ele decola e se
mantém no ar.

© UNIP 2020 all rights reserved


Força de arrasto e sustentação em Aerofólios

Para se criar uma força de sustentação, ou seja, a distribuição assimétrica de pressão,


é necessário que o objeto seja ele mesmo assimétrico ou se ele for simétrico que
esteja colocado numa posição assimétrica relativamente ao escoamento.

© UNIP 2020 all rights reserved


Força de arrasto e sustentação em Aerofólios

Para os aerofólios, usa-se a área projetada maior, que é a área plana (corda c)
multiplicada pelo comprimento L do aerofólio. Desta forma, os respectivos
coeficientes de Arrasto (CD) e Sustentação (CL), ficam:

FD FL
CD = CL =
1 1
ρV 2 cL ρV 2 cL
2 2

© UNIP 2020 all rights reserved


Força de arrasto e sustentação em Aerofólios

A velocidade de vôo mínima pode ser determinada a partir do requisito de que o peso
total W do avião deve ser igual à sustentação e CL = CL,máx , ou seja:

1 2
W = FL = C L ,máx ρ Vmin cL
2

2W
Vmin =
C L ,máx ρ cL

© UNIP 2020 all rights reserved


Força de arrasto e sustentação em Aerofólios

Efeito Estol – quando a separação de escoamento na superfície superior de uma asa


reduz a sustentação drasticamente, o avião pode entrar em estol. O efeito estol tem
sido responsável por muitos acidentes aeronáuticos e pela perda de eficiência em
turbomáquinas.

© UNIP 2020 all rights reserved


Força de arrasto e sustentação em Aerofólios

© UNIP 2020 all rights reserved


Força de arrasto e sustentação em Aerofólios

 Para aerofólio com projeto especial, CD pode ser tão baixo quanto 0,0035, porém
CL máximo é aproximadamente 1,5;

 Na condição de cruzeiro, CL é cerca de 0,3, correspondendo a um ângulo de


ataque de aproximadamente 2°, longe da condição de estol (aproximadamente
16°).

© UNIP 2020 all rights reserved


Força de arrasto e sustentação em Aerofólios

 Na aterrissagem e decolagem, os flapes são utilizados para aumentar a corda e o


ângulo de ataque, resultando em coeficientes de sustentação maiores a baixas
velocidades; as fendas são usadas para injetar ar da região de alta pressão (parte
de baixo do aerofólio) na região de baixa pressão, evitando assim a separação da
camada limite;

© UNIP 2020 all rights reserved


Força de arrasto e sustentação em Aerofólios

Flaps

© UNIP 2020 all rights reserved


Força de arrasto e sustentação

Exercício

Calcule a força de arrasto sobre a esfera lisa de 50 cm de diâmetro, quando sujeita a um


escoamento de ar atmosférico a 20°C, a uma velocidade de: a) 6 m/s ; b ) 9 m/s.
Dados: ρar= 1,204 kg/m3; viscosidade cinemática ν=1,5x10-5 m2/s.
Solução
FD 1
CD = ⇔ FD = C D ρV 2 A
1 2
ρV 2 A
2
a) O coeficiente de arrasto de uma esfera é analisado pelo gráfico do Coeficiente de arrasto
de uma esfera (próximo slide)). Para isso, calcula-se o número de Reynolds e em
seguida, verifica-se o correspondente coeficiente de arrasto no gráfico.
VD 6 × 0,50
Re = = −5
= 2 × 105 . Pelo gráfico (Coeficiente de Arrasto de uma
υ 1,5 × 10 esfera), CD ≅ 0,4.
D2 (0,50) 2
Cálculo da área: A = π =π = 0,196 m 2
4 4
1 1
Logo, FD = C D ρV 2 A = 0,4 × × 1,204 × (6) 2 × 0,196 ⇒ FD = 1,699 N
2 2
© UNIP 2020 all rights reserved
Força de arrasto e sustentação

Continuação

b) Cálculo do número de Reynolds:


VD 9 × 0,50 . Pelo gráfico (Coeficiente de Arrasto de uma
Re = = −5
= 3 × 105
υ 1,5 × 10 esfera), CD ≅ 0,2.

D2 (0,50) 2
Cálculo da área: A = π =π = 0,196 m 2
4 4
1 1
Logo, FD = C D ρV 2 A = 0,2 × × 1,204 × (9) 2 × 0,196 ⇒ FD = 1,911 N
2 2

© UNIP 2020 all rights reserved


Força de arrasto e sustentação

Coeficiente de Arrasto de uma esfera

FD ?
FD
CD =
1 = 0,197m2
A = πD2 /4 ρV 2 A
2

© UNIP 2020 all rights reserved


Exercícios propostos

1) O coeficiente de arrasto de um carro nas condições de projeto de 1 atm, 25°C e


90 km/h deve ser determinado experimentalmente em um grande túnel de vento
em um teste de escala total. A altura e largura do carro são 1,40 m e 1,65 m,
respectivamente. Se a medida da força horizontal agindo sobre o carro foi de
300 N, determine o coeficiente de arrasto total desse carro.

2) Aviões comerciais voam em grandes altitudes aproximadamente, 40.000 pés, para


economizarem combustíveis. Nestas condições, reduz-se também o arrasto.
Discorra sobre esta afirmação.

© UNIP 2020 all rights reserved