P. 1
As concepções de Organização e de gestão escolar

As concepções de Organização e de gestão escolar

|Views: 40|Likes:

More info:

Published by: Carlos Alberto Santos on May 06, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/07/2014

pdf

text

original

CONCEPÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E DE GESTÃO ESCOLAR

Conteúdos - Concepções de organização e de gestão escolar (técnico-científica e sociocrítica).  Objetivos - Distinguir as concepções de práticas de organização e de gestão escolar.  Procedimentos Metodológicos  - Aula expositiva e dialogada com utilização do recurso instrucional data show.  Referência Bibliográfica LIBÂNEO, José Carlos; OLIVEIRA, João Ferreira de; TOSCHI, Mirza Seabra. Educação Escolar: política, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2003.

. conforme a concepção que se tenha das finalidades sociais e políticas da educação em relação à sociedade e a formação dos alunos.Concepções de organização e gestão escolar A organização e os processos de Gestão assumem diferentes modalidades.

apresentam quatro concepções: TÉCNICOCIENTÍFICA Administração Clássica ou Burocrática SOCIOCRÍTICA Autogestionária Interpretativa Democráticoparticipatiiva . Escudero.Os autores Paro. González e Luck ao observarem as experiências levadas a efeito nos últimos anos.

.Concepção Técnico-Científica  Hierarquia de cargos e funções visando a racionalização do trabalho.  A eficiência dos serviços escolares.  Tende a seguir princípios e métodos da administração empresarial.

.  cada membro da organização tem seu lugar determinado e atomizado no processo.  deve exercer determinada função específica para que o sistema possa funcionar em harmonia concepção.Concepção Técnico-Científica  Aproxima-se do modelo taylorista/fordista.  funcionalista/sistêmica.

Caracterização da concepção Técnico-Científica .

relações sociais mais humanas e justas e a valorização do trabalho coletivo e participativo. Levam em consideração o contexto social e político. .SOCIOCRÍTICA Autogestionária Interpretativa Democráticoparticipatiiva Visão de gestão que se opõe a dominação e subordinação dos indivíduos.

Concepção Autogestionária baseia-se na responsabilidade coletiva. . ausência de direção centralizada acentuação da participação direta e por igual de todos os membros da instituição.

Caracterização da concepção Autogestionária .

Caracterização da concepção Interpretativa .

 Defende uma forma coletiva de gestão em que as decisões são tomadas coletivamente e discutidas publicamente. .  Acentua a importância da busca de objetivos comuns assumidos por todos.Concepção Democráticoparticipativa  Baseia-se na relação orgânica entre a direção e a participação do pessoal da escola.

Caracterização da concepção Democrático.Participativa .

 reorientação dos rumos e ações.Concepção Democráticoparticipativa  Uma vez tomadas as decisões coletivamente.  tomada de decisões. .  Acompanhamento e avaliação sistemáticos com finalidade pedagógica:  diagnóstico.  acompanhamento dos trabalhos. advoga que cada membro da equipe assuma a sua parte no trabalho.

.Todos dirigem e são dirigidos. o modelo democrático-participativo tem sido influenciado por uma corrente teórica que compreende a organização escolar como cultura. todos avaliam e são avaliados. Atualmente.

.

ela depende muito das experiências subjetivadas pessoas e de suas interações sociais. mensurável. . Em outras palavras. dizer que a organização é uma cultura significa que ela é construída pelos seus próprios membros. ao contrário.Entende que a escola não é uma estrutura totalmente objetiva. independente das pessoas.

depende de objetivos mais amplos sobre a relação da escola com a conservação ou a transformação social. O modo como uma escola se organiza e se estrutura tem um caráter pedagógico. .As concepções de gestão escolar refletem posições políticas e concepções de homem e sociedade. ou seja.

Interpretativa • A escola é uma realidade social subjetivamente construída. • Articulação da atividade de direção com a iniciativa e a participação das pessoas da escola e das que se relacionam com ela. • Ênfase na auto-organização do grupo de pessoas da instituição. • Poder centralizado no diretor. baseada em normas e regras. eliminação de todas as formos de exercício de autoridade e de poder. acentuando a divisão técnica do trabalho escolar. • Acompanhamento e avaliação sistemáticos com finalidade pedagógica: diagnóstico. mediante coleta de informações reais. por parte da equipe escolar. modos pelas quais se contesta o poder instituído. tomada de decisões.Concepções de organização e gestão escolar Técnico-científico • Prescrição detalhada de funções e tarefas. todos avaliam e são avaliados. • Recusa a normas e a sistemas de controles. • Mais ênfase nas tarelas do que nas pessoas. • Qualificação e competência profissional. • Busca de objetividade no trato das questões da organização e da gestão. regras. acentuando o responsabilidade coletivo. • A ação organizadora valorizo muito os interpretações. às vezes. com valores e práticas compartilhados. reorientação de rumos e ações. reuniões). estrutural. • Comunicação linear (de cima poro baixo). destacando o caráter humano e preterindo o caráter formal. • Ênfase na administração regulada (rígido sistema de normas. Democrático-participativa • Definição explícita. Autogestionária • Vínculo das formas de gestão interna com as formas de autogestão social (poder coletivo na escola para preparar formas de autogestão no plano político) • Decisões coletivas (assembleias. dos objetivos especificas do instituição escolar. as percepções e os significados subjetivos. normativo. destocando se as relações de subordinação. descuidando-se. os valores. • Todos dirigem e são dirigidos. O caráter instituinte dá-se pela prática da participação e da autogestão. • Crença no poder instituinte da instituição e recusa de toda poder instituído. de objetivos sociopolíticos e pedagógicos da escola. mais do que nas tarefas. em que uns têm mais autoridade do que outros. acompanhamento dos trabalhos. por meio de eleições e de alternância no exercício de funções. • Privilegia menos o ato de organizar e mais a "ação organizadora”. procedimentos burocráticos de controle dos atividades). não dada nem objetiva. . • Ênfase tanto nos tarelas quanta nas relações. • Ênfase nas inter-relações.

.

 Quando a gestão deixa de ser um processo democrático? Quando pode tornar-se? .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->