Você está na página 1de 20

Usar o Bacio

üEscola Secundária de Bocage


üCurso Técnicos de Apoio à
Infância
üDisciplina: T.P.I.E.
üProfessora: Fátima Campos
üTrabalho realizado por:
•Ana Caldeira nº1
•Vânia Piedade nº 15
Introdução
•Este trabalho foi proposto pela professora Fátima
Campos, no âmbito na disciplina de T.P.I.E.

•Temos como objectivo dar a conhecer as várias etapas do
uso do bacio e como devemos estimular a criança;

•Vamos abordar o tema “O desenvolvimento da criança”;

•Vamos ainda falar dos primeiros sinais que denunciam
que a criança pode iniciar o uso do bacio;
O desenvolvimento
da criança dos 12
aos 36 meses
ØA criança só deixará de usar fralda quando o
cérebro dele estiver suficientemente desenvolvido
para controlar as fezes e a urina (entre os 18 e os
36 meses).
ØA criança começara a ter consciência de que está a
fazer “chichi” ou “cocó” quando a transmissão desta
informação da bexiga e do intestino ao cérebro
tiver atingido o ponto de maturação.
ØNormalmente, isto acontece por volta dos 18 meses.
Estar atenta aos sina
ØDeve começar a ensinar a criança
a usar o bacio a partir dos dois
anos, falando ou mostrando o
objecto ou simplesmente deixar que
veja a mãe na casa de banho.
Momentos que ajudam a perceber que
chegou o momento de usar o bacio:
ØA criança mantêm-se seca pelo menos duas horas
por dia e durante as sestas;
ØA fralda está muitas vezes seca o que prova
que a criança consegue estar um certo período de
tempo sem fazer chichi;
ØTem consciência de quando está a fazer chichi
ou cocó;
ØDemonstra alguma coordenação. Por exemplo
senta-se no bacio, desce e sobe as calças;
ØInteressa-se por vê-la ir à casa de banho;
ØGosta de ser independente;
A criança não está
preparad a se :
ØTiver menos de 18 meses;
ØNão se aperceber do que está a acontecer quando faz
chichi ou cocó;
ØNão revelar interesse em imitá-la;

R ela to d e u m c a s o
“quando Alexandre tinha cerca de dois anos e meio,
começou a ter consciência de quando estava a fazer
cocó ou chichi e vinha muitas vezes dizer-me.
Compreendi rapidamente que tinha chegado o grande
momento de ele dar o grande passo de deixar a
fralda e usar cuecas.”
Crianças com
necessidades
ØEm crianças com necessidades especiais este é um
espaço decisivo para a sua autonomização.
ØPode levar mais tempo a uma criança com
dificuldades de aprendizagem ou de ordem física e
exigirá um grau de maior compreensão e de
paciência, como por exemplo, as crianças com
problemas auditivos terão mais dificuldade em
comunicar; as que revelam problemas de coordenação
terão dificuldade em aprender a vestir e a despir a
roupa.
Qual a melhor altura
para ensinar a
criança a usar o
bacio
ØA melhor altura para estimular a criança, é quando
ela mostrar sinais de que está preparada e quando
tiver uma rotina estabelecida e tranquila.
Um acontecimento perturbador na vida da criança pode
causar um recuo no que diz respeito na aprendizagem
do uso do bacio.
A d iar o u so do b aci o , s e a
c r ianç a e sti ver per ant e u m a
d e stas si tua ções :
ØQuando se vai para o infantário pela primeira vez;
ØQuando mudou de ama;
ØQuando houve mudança de casa;
ØQuando há o divórcio dos pais;
ØQuando há a perda de alguém que lhe é muito próximo;
ØQuando está previsto a chegada de um bebé;
Preparar a criança
ØEm primeiro lugar a criança tem de saber o que
é um bacio e para que serve, deve estar
familiarizada com o objecto num processo gradual.
Higiene do bacio
ØDeve colocar papel higiénico no fundo do bacio
antes de a criança utilizar para fazer cocó, pode
facilitar a sua limpeza, de seguida lave com água
e detergente.
Tácticas para
estimular o
interesse da
c orbacio
i a den çcoisas
a para de
ØLerem juntas um livro sobre bacios;
ØRodear entreter,
como por exemplo, brinquedos;
ØVer outras crianças a usar o bacio, pode ser
estimulante;
ØVer um vídeo quando está sentada no bacio;
Atitudes favoráveis
ØAceitar que o processo é gradual (a
criança só pode avançar quando estiver
preparada);
ØIncentiva-la muito (diga-lhe que se orgulha
muito dela, elogie-a);
ØPrepara-se para a probabilidade de haver
acidentes;
ØManter a serenidade;
Atitudes negativas
ØForçar a criança a permanecer no bacio
(isto apenas assustara e dificultara a sua
cooperação);
ØComentar com os outros os seus progressos
à sua frente;
ØPressiona-la (a criança evoluirá ao seu
próprio ritmo);
ØCastiga-la (se ela não estiver motivada
para utilizar o bacio só agrava a situação)
Formas de motivar
ØDar-lhes mais responsabilidade, como por
exemplo, ser ela ajudar a limpar o bacio;
ØPara outras crianças algumas recompensas
materiais resultam melhor.
ØAs recompensas devem ser pequenas:
•Desenhe um quadro num papel onde ela
possa por o autocolante cada vez que for
ao bacio;
•Dê-lhe um dos seus doces preferidos cada
vez que for bem sucedida.
O que deve e o que
não deve fazer para
evitar acidentes
ØConforte-a (molhar as cuecas fá-la desconfortável e
envergonhada)
ØSeja prática
ØMude-a (sem fazer comentários)
ØSeja persistente
ØNão se zangue
Causas possíveis
de acidentes
ØSe a criança tem acidentes frequentemente, pode
ser apenas porque ainda não está preparada para
usar o bacio.
ØCansaço (quando a criança tem sono, tem menos
consciência de que precisa de usar o bacio)
ØLentidão (algumas crianças esperam até ao último
minuto para procurar o bacio)
ØNervosismo ou excitação (se a criança está
perturbada com alguma coisa, pode perder o controlo
da bexiga. Ex. festas de aniversário ou fins de
semana fora)
ØConcentração (quando a criança está absorvida numa
actividade)
ØFalta de coordenação (Quando tem roupa difícil de
despir)
ØAnsiedade/Stress (qualquer mudança na vida da
criança, pode provocar um retrocesso no uso do bacio)
Conselhos para saídas
sem contratempos
ØLeve o bacio consigo (pode usa-lo no automóvel, no
parque, etc);
ØLeve uma muda de roupa;
ØProteger o assento do carro com uma toalha dobrada
ou com um saco de plástico;
ØEncoraje a criança antes de sair;
Noites sem fralda
ØVeja se ela está feliz por dormir sem
fralda;
ØDeve colocar um bacio perto da cama;
ØInstale uma luz de presença;
ØAntes de ir dormir deve de leva-lo à casa
de banho;
Conclusão
•Este trabalho enriqueceu-nos muito na relação
que a criança tem com o bacio;

•Percebemos que o bacio é uma elemento
essencial, para iniciar uma maior autonomia na
vida da criança;

•Concluímos também que não devemos forçar a
criança a faze-lo se não estiver preparada.

Interesses relacionados