Você está na página 1de 6

Instituto Federal Fluminense

Curso Técnico de Química


Análise Química Qualitativa

SÍNTESE DO IODOFÓRMIO

Milena Mesquita Godinho


Módulo III – Tarde
Prof. Sérgio
Campos dos Goytacazes, 27/05/11
Índice

1. Objetivos .......................................... Pág. ___

2. Fundamentos Teóricos ........................ Pág. ___

3. Materiais e Vidrarias ........................... Pág. ___

4. Equipamentos ................................... Pág. ___

5. Reagentes Usados ............................. Pág. ___

6. Procedimento .................................... Pág. ___

7. Reações ........................................... Pág. ___

8. Cálculos e Resultados ........................ Pág. ___

9. Conclusão ........................................ Pág. ___

10. Esquemas …....................................... Pág. ___

11. Referências bibliográficas .................... Pág. ___

12. Assinatura da autora do relatório .......... Pág. ___


SÍNTESE DO IODOFÓRMIO

1. Objetivo

- Sintetizar o iodofórmio em laboratório através da reação entre acetona, solução de


hipoclorito de sódio e iodeto de potássio.

2. Fundamentos Teóricos

O iodofórmio (CHI3) é uma substância que foi usada como antisséptico nos
hospitais (ainda é usada em áreas como a otorrinolaringologia), e ainda é
importante na odontologia (especialmente na endodontia). Apresenta-se sob a
forma de cristais amarelos e brilhantes. Tem pouca solubilidade em água,
relativamente solúvel ao álcool, muito solúvel em óleo de oliva e éter.

É equivalente ao clorofórmio mas com átomos de iodo.

Também é usada em sínteses orgânicas e no teste do iodofórmio (reação


halofórmica), para a detecção dos grupos CH3CO-, e na distinção entre cetonas (R-
CO-R) e metil-cetonas (RCOCH3).

O iodofórmio é utilizado em Endodontia há muitos anos com um alto índice de


sucesso. Seu mecanismo de ação está ligado à liberação de iodo, que é aumentada
na presença de compostos orgânicos em desintegração, na ausência de oxigênio e
luminosidade e em uma temperatura e pH ideais. A liberação do iodo propicia sua
capacidade antibacteriana, sua capacidade detergente e é capaz de ativar a
resposta imunológica estimulando a inflamação e conseqüentemente o reparo
apical. Ele foi colocado em desuso devido a algumas desvantagens apresentadas
como seu odor penetrante e desagradável, além da possibilidade de promover
alteração cromática dos dentes e desenvolvimento de reações adversas em
pacientes sensíveis ao iodo.

3. Materiais e vidrarias

- Becker de 250 mL (01);


- Becker de 100 mL (01).
- Provetas de 10 mL (02);
- Proveta de 50 mL (02);
- Vidro de relógio (01);
- Pissete (01);
- Barra magnética sem anel (01);
- Kitassato (02);
- Papel de filtro (01);
- Funil de Buchner (01);
- Rolha de silicone (02);
- Tubo em forma de L (01);
- Mangueiras de borracha (02).

4. Equipamentos

- Bomba a vácuo (110 v);


- Estufa de secagem (220 v);
- Balança de precisão (220 v);
- Agitador magnético (110 v);

5. Reagentes

- Água deionizada (H2O);


- Acetona P.A (C3H6O) - pureza 99,5% e densidade 0,79;
- Água sanitária comercial – composição: hipoclorito de sódio (NaClO), hidróxido de
sódio (NaOH) e água (H2O); teor de cloro ativo: 2% P/P;
- Iodeto de potássio P.A (KI);

6. Procedimentos

- Pesou-se cerca de 1 g de iodeto de potássio em o Becker de 250 mL e adicionou-


se 100 mL de água deionizada e 2 mL de acetona P.A;
- Manteve-se o sistema sob constante agitação utilizando o agitador magnético e a
barra magnética;
- Transferiu-se para o Becker de 100 mL cerca de 40 mL de solução de hipoclorito
de sódio;
- Transferiu-se 30 mL, em porções de 10 mL e em intervalos de 5 minutos, da
solução de hipoclorito de sódio para o Becker contendo iodeto de potássio e a
acetona com constante agitação;
- Após a adição dos 30 mL do hipoclorito de sódio, manteve-se o sistema em
agitação por 5 minutos e, em seguida, desligou-se o agitador;
- Deixou-se a solução em repouso por 5 minutos para que todo o iodofórmio
formado decante;
- Adicionaram-se gotas de hipoclorito de sódio para testar se há ou não a formação
de precipitado. Agitou-se a solução por mais 3 minutos após a confirmação do teste.
- Filtrou-se a solução a vácuo, utilizando água deionizada para a lavagem dos
cristais;
- Colocou-se o papel de filtro com o iodofórmio sobre um vidro de relógio e este foi
levado para a estufa de secagem a 60°C;
- Depois de seco, retirou-se o iodofórmio da estufa para esfriar em temperatura
ambiente;
- Pesou-se o papel de filtro com o iodofórmio;
- Calculou-se a produção de iodofórmio e o rendimento da reação e observou-se os
cristais de iodofórmio.
7. Reações

1) NaClO + 2 KI + H2O  NaCl + 2 KOH + I2


2) C3H6O + 3 I2  C3H3I3O + 3 HI
3) C3H3I3O + KOH  C2H3O2K + CHI3

8. Cálculos e resultados

8.1 – Produção de iodofórmio:


Massa de KI pesada: 1,02 g
Massa molar I2 = 254 g/mol
KI = 166 g/mol
C3H6O = 58 g/mol
C3H3I3O = 436 g/mol

2 mol KI  1 mol I2
332 g  254 g
1,02  x
x = 0,78 g de I2

3 mols de I2  1 mol de C3H3I3O


762 g  436 g
0,78 g  y
y = 0,446 g de C3H3I3O

1 mol de C3H3I3O  1 mol de CHI3


436 g  394 g
0,02 g  z
z = 0,403 g de CHI3

8.2 – Cálculo do rendimento


Massa do papel de filtro: 0,98 g
Massa de iodofórmio + papel de filtro: 1,00 g
Massa de iodofórmio produzida: 0,02 g

0,403 g CHI3  100 %


0,02 g CHI3  w
w = 4,96 % de rendimento
9. Conclusão

A partir dos experimentos, foi possível concluir que:


- a reação entre acetona, solução de hipoclorito de sódio e iodeto de potássio tem
como um dos produtos o iodofórmio: um sólido amarelo, cristalino, de odor forte e
insolúvel em água;
- o baixo rendimento da reação possivelmente se deve a falhas técnicas durante o
procedimento ou ao reagente hipoclorito de sódio, pois este não era um reagente
com alto grau de pureza;

10. Esquemas

11. Referências bibliográficas

http://pt.wikipedia.org/wiki/Iodof%C3%B3rmio
http://www.endonline.com.br/artigos/monografia/lucineide/lucineide.htm

12. Assinatura da autora do relatório

__________________________________
Milena Mesquita Godinho