Você está na página 1de 8

Wundt e a consciência

(1832- 1920)
Wilhelm Wundt nasceu em 1832, na Alemanha,
foi um médico, filósofo e psicólogo alemão. É
considerado um dos fundadores da moderna
psicologia experimental.
Fundou em 1879, o primeiro laboratório de
psicologia experimental, dando um passo
relevante no sentido de tornar a psicologia uma
ciência experimental.
Procurou assim romper com o passado filosófico
da psicologia e aproximar-se do modelo da física
e química.
Objecto de estudo
• Wundt propõe-se estudar a consciência, a
mente, os processos mentais conscientes
decompondo-os nos elementos mais simples:
as sensações puras.
• As sensações seriam como que
os______________da consciência.
Método
• É no contexto do seu laboratório
que Wundt vai procurar que os seus
colaboradores façam uma análise da
sua experiência consciente. Neste
sentido, recorre à introspecção
controlada: em condições bem
definidas, os sujeitos realizavam uma
auto-análise, descrevendo com a
maior objectividade possível o que
sentiam, por exemplo ao ver uma cor,
ao ouvir um som, ao experimentar um
sabor.
• A auto-observação descrita pelo sujeito era
analisada por um observador externo. Estaria
assim assegurado o estudo experimental dos
fenómenos psíquicos.
• O conjunto de concepções de Wundt estrutura
uma teoria que se designa por
associacionismo, dado que, considera que
consciência é uma associação de sensações
elementares. Esta concepção é também
designado de atomismo psicológico.
Método introspetivo

 A falta de rigor advêm-lhe:
 Da dificuldade de o observador se observar a si mesmo. Dada a mobilidade do
fenómeno psíquico, este nunca é coincidente no tempo com a sua observação.
Portanto, não efetuamos uma introspeção mas uma retrospeção.
 A tomada de consciência de um determinado fenómeno modifica esse mesmo
fenómeno. A análise racional de um facto psíquico elimina, em grande parte, os
componentes afetivos desse facto. August Comte, positivista, defende que é
impossível ao mesmo tempo sentirmos e analisarmos com clareza aquilo que
sentimos. Diz ele: " (...) ninguém pode estar à janela para se ver passar na rua".
Quer dizer, a tomada de consciência de um fenómeno modifica esse fenómeno.
.
 Outro problema do método introspetivo é o facto de, nele, o
paciente utilizar a linguagem verbal para explicar
sentimentos, emoções e estados de espírito em geral. Ora,
esta é, como todos sabemos, cheia de ambiguidades; por
vezes, queremos dizer uma coisa e dizemos outra, outras nem
sequer há palavras para explicar bem o que sentimos.
Por outro lado, quando o paciente explica o que sentiu, já é
outro momento, pode haver distorção. Assim, diz-se que não
é possível a verdadeira introspeção, apenas retrospeção
Limitações do método introspetivo
 Há ainda limites na aplicação deste método. Ele não pode ser
aplicado a crianças e doentes mentais que não se consigam
exprimir. Tem, então, limitações sérias no campo da psicologia
infantil, patológica e animal.

 Os que se introspeccionam apenas poderão observar e
descrever aquilo de que têm consciência . Todavia, a vida
psíquica do Homem é também constituída por fatos que
escapam à área consciente e que têm um papel relevante na
determinação da conduta humana.

Crítica
• Ao postular que o objecto de estudo da
psicologia era a consciência, direcciona a
psicologia para o campo da subjectividade.
• Os dados da experiência consciente só podem
ser conhecidos pelo próprio sujeito.