Você está na página 1de 77
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho MANUAL DE FORMAÇÃO D ESENVOLVIMENTO

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho MANUAL DE FORMAÇÃO D ESENVOLVIMENTO PESSOAL E
Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho MANUAL DE FORMAÇÃO D ESENVOLVIMENTO PESSOAL E

MANUAL DE FORMAÇÃO

DESENVOLVIMENTO PESSOAL E SOCIAL

UFCD 6669 HIGIENE E PREVENÇÃO NO

FORMADOR:
FORMADOR:
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Modalidade de Formação Aprendizagem

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Modalidade de Formação

Aprendizagem

Informação da Ação de Formação

Formador(a): Gualter Castro Público-alvo: Formandos do curso de técnico (a) de mecatrónica de automóvel Carga Horária: 50Horas Data: março 2017 Local de Realização: Mirandela

Área de Educação e Formação

Construção e reparação de veículos de motor

Ação de Formação

 

Unidade de Formação de Curta Duração

 

Objetivos

Alertar os formandos para a importância económica e social da prevenção dos riscos profissionais; Consciencializa-los para as vantagens económicas da melhoria das condições de trabalho Proporcionar aos formandos conhecimentos sobre assuntos gerais e específicos de Higiene e prevenção no trabalho

Conteúdos Programáticos

1. Saúde, doença e trabalho

2. Ergonomia

Recursos Físicos e Pedagógicos envolvidos

Físicos: Sala de Formação com mesas e cadeiras. Pedagógicos: Videoprojector; Quadro de Cerâmica/Flip-Chart; Computador Portátil.

Metodologias Pedagógicas

A metodologia baseia-se na dinâmica do grupo, tendo um cariz essencialmente prático:

Método Afirmativo (Expositivo e Interrogativo) com recurso a meios audiovisuais. Ativo com Partilha de Experiências; Exercícios de grupo; estudos de caso e debates. Será utilizada uma pedagogia ativa baseada em: Contribuições teóricas e metodológicas; Técnicas e instrumentos de trabalho; Exemplos de situações reais; Enquadramento sobre os aspetos regulamentares e legais; Manual concebido como um guia de referência sobre os pontos do programa, contendo as disposições atualizadas sobre esta matéria.

como um guia de referência sobre os pontos do programa, contendo as disposições atualizadas sobre esta
como um guia de referência sobre os pontos do programa, contendo as disposições atualizadas sobre esta
Índice Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Introdução 2 Higiene e

Índice

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Introdução

2

Higiene e prevenção no trabalho

3

Conceitos:

3

Condições de trabalho:

3

Risco profissional:

4

Prevenção:

4

Principais áreas de intervenção:

5

Saúde, doença e trabalho

6

Princípios gerais de prevenção:

6

Avaliação dos riscos:

7

Acidente de trabalho:

7

Causas estruturais ou organizacionais:

9

Causas humanas:

9

Causas materiais ou técnicas:

9

Conceitos de “perigo” e “risco”:

12

Relação custos diretos e custos indiretos de AT:

14

CAUSAS E CIRCUNSTÂNCIAS EM QUE OCORREU O ACIDENTE

20

Abordagem de cada um dos riscos:

25

Utilização de equipamentos de trabalho:

32

Fatores de riscos operativos:

33

Circulação de pessoas e máquinas:

33

Avaliação e controlo de riscos específicos

34

Prevenção e controlo dos riscos químicos:

35

Manuseamento de substâncias químicas - produtos químicos perigosos:

35

Conceitos Gerais:

36

Agentes químicos agressivos:

37

Acompanhamento e reavaliação:

38

Poeiras:

39

Origem biológica:

40

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Radiações: 41 Incêndio e explosão:

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Radiações:

41

Incêndio e explosão:

41

Riscos elétricos:

43

Ergonomia

45

CONCEPÇÃO DO ESPAÇO DE TRABALHO

47

Postos de trabalho de pé

48

Postos de trabalho sentado

49

Proteção coletiva e proteção individual:

50

Proteção coletiva:

50

EPC: Equipamento de proteção coletiva:

50

Equipamento de proteção individual:

52

MOVIMENTAÇÃO MANUAL DE CARGAS

55

Podem surgir ainda os seguintes problemas ou complicações:

56

Regras de boas práticas

57

Exemplos de procedimentos desadequados

58

Recomendações a adotar na movimentação manual de cargas

61

Postos de trabalho com ecrãs

64

RISCOS ERGONÓMICOS

66

Principais fatores de risco ergonómico

67

LMERT- Lesões Músculo Esqueléticas Relacionadas ao Trabalho

68

Bibliografia

71

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 1

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Introdução Todo o indivíduo procura

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Introdução

Todo o indivíduo procura sempre satisfazer necessidades de variada ordem, através, por exemplo, da alimentação, ou mesmo necessidades secundárias como, o reconhecimento social. Para atingir estes objetivos, cada indivíduo organiza o seu tempo do modo que lhe parece mais adequado, tendo para isso necessidade de exercer uma atividade profissional. Cerca de metade do tempo total da vida ativa de um indivíduo é passado no exercício da sua atividade profissional. Normalmente uma pessoa dorme em média oito horas por dia, trabalha em média outras oito horas e as restantes são utilizadas na alimentação, nas diversões, nos transportes, etc.

atividades profissionais,

nomeadamente das situações que podem potenciar risco e afetar a segurança e o bem-estar de todos

os indivíduos.

É no exercício destas atividades profissionais que o indivíduo está, por vezes, mais exposto ao risco e ao perigo e consequentemente à probabilidade de ocorrência de acidentes, os quais podem ocasionar nas vítimas lesões, uma invalidez temporária ou permanente, ou em casos limite, a morte.

Consequentemente reveste-se de grande importância a formação de ativos, na área de Higiene e Segurança do trabalho.

É, por isso, de grande importância a análise das várias

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Higiene e prevenção no trabalho

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Higiene e prevenção no trabalho

Conceitos:

Saúde: A OMS define saúde como “o estado de bem-estar físico, mental e social integral e não meramente a ausência de doença”.

Trabalho: Expressão da atividade humana, algo que põem em jogo as capacidades psicológicas, cognitivas, fisiológicas do homem… O “trabalho” é uma atividade que o indivíduo desempenha para satisfazer as suas necessidades de sobrevivência e que por meio dela desenvolve as suas capacidades físicas e intelectuais. Não deve, pois, ser considerado uma mera troca de esforços físicos e mentais por um salário. Pelo contrário, deve ter-se em conta a importância do trabalho com forma de relação social, de desenvolvimento e realização pessoal. Na medida que o trabalho favorece o desenvolvimento pessoal, podemos dizer que este condiciona positivamente a saúde, embora por outro lado, pode ter uma influência negativa quando é desenvolvido em condições que podem afetar a integridade do indivíduo.

Condições de trabalho: Conjunto de circunstâncias que determinam a realização de uma tarefa e que podem influir na saúde das pessoas que a executam.

Condições físicas:

Características dimensionais do espaço de trabalho;

Organização do espaço de trabalho;

Layout do espaço de trabalho;

Meios técnicos utilizados.

 Condições ambientais : Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 

Condições ambientais:

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Químicas: Poeiras, fumos, gases

Físicas: Ruído, vibrações, iluminação, ambiente térmico

Biológicas: resíduos infeciosos

Condições sociais:

Salário, nível hierárquico, regalias sociais

Risco profissional: Toda e qualquer situação que pode romper o equilíbrio físico, mental e social do indivíduo. Teoricamente distingue-se o risco potencial, ao qual está associado um determinado conteúdo energético superior ao da resistência da zona do corpo eventualmente atingida, do risco efetivo ou perigosidade, que resulta da interação Homem/risco potencial no espaço e no tempo. Alguns exemplos de danos para a saúde:

Lesões por acidente

Máquina desprotegida

Contacto elétrico

 

Inalação de substâncias tóxicas

Doença profissional

Exposição ao ruído

Exposição a poeiras

Fadiga muscular

Esforços excessivos

Postura inadequada

 

Esforços prolongados de atenção

Fadiga nervosa

Ritmo imposto

Fixação de prazos inadequados

Insatisfação

Tarefas repetitivas

Tarefas monótonas e sem interesse

Prevenção: Tem em vista a minimização dos efeitos negativos do trabalho e a criação de condições de trabalho que, além de não prejudicarem a saúde física, mental ou socialmente do trabalhador permitam o seu desenvolvimento integral.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Para isso será necessário proceder

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Para isso será necessário proceder à identificação e avaliação dos riscos laborais, procurar

a sua verdadeira origem e, com base nos problemas detetados, pôr em prática as medidas de prevenção adequadas. Essas medidas englobam não só as ações de natureza técnica que incidem sobre as instalações, os equipamentos e o meio ambiente como também as mudanças organizacionais e a atuação dirigida ao indivíduo.

A formação e a informação inserem-se nesta última, visando a alteração de

comportamentos. As ações de formação contribuem para que o trabalhador se torne mais

conhecedor e consciente dos riscos a que está sujeito e adquira uma maior prudência no

seu trabalho. A realização de campanhas de prevenção e a difusão de normas e regras de

segurança, através de folhetos, brochuras, cartazes e outro material de divulgação, constituem também um veículo importante para a sensibilização das pessoas.

Principais áreas de intervenção:

Segurança no trabalho: estuda as condições materiais que põem em perigo a integridade física dos trabalhadores. Prevenção dos acidentes de trabalho e, consequentemente, a diminuição da sinistralidade laboral é a sua grande missão. O papel da “segurança” é investigar as causas principais dos riscos de acidente, isto é, as que parecem ser mais determinantes na sua ocorrência, com vista à adoção das medidas de prevenção que as eliminem.

Higiene do trabalho: Estuda os contaminantes físicos, químicos e biológicos presentes

no ambiente de trabalho, que podem causar alterações de saúde, quer reversíveis ou

permanentes, em suma, é a “Prevenção de Doenças Profissionais”. O papel do higienista é efetuar medições e avaliações de determinados parâmetros como

o ruído, os níveis de iluminância e a humidade do ar, entre muitos outros, nos locais de trabalho, recorrendo a equipamento apropriado (sonómetros, luxímetros, etc.).

Medicina do trabalho: estuda as consequências das condições materiais e ambientais no trabalhador, efetuando a análise e acompanhamento do seu estado de saúde, através da identificação e controlo dos fatores laborais determinantes da capacidade física e psíquica.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho O papel do médico de

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

O papel do médico de trabalho passa pela realização de exames de saúde de admissão,

periódicos e ocasionais, o estudo e caracterização de situações de doença profissional e

de patologias do trabalho, etc.

Saúde, doença e trabalho

A industrialização e a especialização em diferentes atividades no mundo do trabalho,

deram origem a novos riscos que podem atingir a integridade física e causar danos na

saúde dos trabalhadores. Estes riscos não são muitas vezes identificados e controlados.

O avanço das novas tecnologias, além do bem-estar, conforto e elevado nível de vida que,

eventualmente, podem proporcionar ao homem, comportam em si novos riscos, pelo que é difícil a criação de postos de trabalho sem os mesmos e adaptados ao ser humano. Da análise dos fatores intervenientes num ambiente laboral, as consequências nocivas do trabalho são:

laboral, as consequências nocivas do trabalho são: Princípios gerais de prevenção: A atividade de

Princípios gerais de prevenção:

A

atividade de prevenção passou a ter uma matriz de referência, baseada num conjunto

de

princípios fundamentais, que são os seguintes:

Evitar os riscos;

Avaliar os riscos que não podem ser evitados;

Combater os riscos na origem;

Adaptar o trabalho ao homem, agindo sobre a conceção, a organização e os métodos de trabalho e de produção;

Realizar estes objetivos tendo em conta o estádio da evolução da técnica;

Substituir tudo o que é perigoso pelo que é isento de perigo ou menos perigoso;

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho  Integrar a prevenção dos

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Integrar a prevenção dos riscos num sistema coerente que abranja a

produção, a organização, as condições de trabalho e o diálogo social;

Adotar prioritariamente as medidas de proteção coletiva, recorrendo às

medidas de proteção individual, unicamente no caso de a situação

impossibilitar qualquer outra alternativa;

Formar e informar os trabalhadores e demais intervenientes na

prevenção.

Avaliação dos riscos:

A avaliação dos riscos assume um papel fundamental, porque é a partir deste processo que se devem determinar as abordagens preventivas, tendo em conta:

As prioridades de intervenção;

As necessidades de informação e de formação;

As medidas técnicas e organizacionais;

Controlo periódico das condições de trabalho;

Grau de exposição dos trabalhadores aos riscos;

As necessidades da vigilância da saúde dos trabalhadores.

Acidente de trabalho:

O que é um acidente de trabalho? A definição de Acidente de Trabalho constante no

Código do Trabalho Lei nº 99/2003 de 27 de Agosto diz o seguinte:

acidente de trabalho o sinistro, entendido como acontecimento

súbito e imprevisto, sofrido pelo trabalhador que se verifique no local e

no tempo de trabalho”.

Entende-se por:

Local de trabalho: Todo o lugar em que o trabalhador se encontra ou deva

dirigir-se em virtude do seu trabalho e em que esteja, direta ou indiretamente,

sujeito ao controlo do empregador.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Tempo de trabalho além do

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Tempo de trabalho além do período normal de trabalho: O que precede o seu início, em atos de preparação ou com ele relacionado, e o que se lhe segue, em atos também com ele relacionados, e ainda as interrupções normais ou forçosas de trabalho.

Considera-se também “acidente de trabalho” o ocorrido:

No trajeto de ida para o local de trabalho ou de regresso deste;

Na execução de serviços espontaneamente prestados e de que possa resultar proveito económico para o empregador;

No local de trabalho, quando no exercício do direito de reunião ou de atividade de representante dos trabalhadores;

No local de trabalho, quando em frequência de curso de formação profissional ou, fora do local de trabalho, quando exista autorização expressa do empregador para tal frequência;

Em atividade de procura de emprego durante o crédito de horas para tal concedido por lei aos trabalhadores com processo de cessação de contrato de trabalho em curso;

Fora do local ou do tempo de trabalho, quando verificado na execução de serviços determinados pelo empregador ou por estes consentidos.

Principais causas dos acidentes: A análise estatística prova que cerca de 80% das causas que dão origem a acidentes de trabalho são imputáveis a erros de gestão e não falhas da responsabilidade dos trabalhadores:

Causas estruturais ou organizacionais;

Causas humanas;

Causas materiais ou técnicas.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Causas estruturais ou organizacionais: 

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Causas estruturais ou organizacionais:

Uma empresa mal concebida;

Postos de trabalho distribuídos de forma anárquica (ex.: Um pintor a executar a sua tarefa junto de um soldador);

Falta de habilitações técnicas profissionais;

Mau ritmo de trabalho;

Má organização de trabalho.

Causas humanas:

Idade (reflexos);

Diminuição de funções (audição - visão);

Fadiga;

Falha súbita de um órgão ou função (desmaio, vertigem, síncope cárdia- respiratória);

Hábitos tóxicos (álcool - droga);

Causas psicológicas ou sociológicas. Emotividade (má relação colegas família);

Ansiedade e Stress;

Negligência ou distração;

Imprudência em face do perigo;

Rotina.

Causas materiais ou técnicas:

Deficiente proteção de máquinas;

Perigos inerentes à profissão (quando a matéria prima é insubstituível);

Quando a máquina não admite proteção eficaz (nestas situações, dever-se- ão utilizar EPI´S);

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho  Ausência de medidas de

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Ausência de medidas de segurança (má implantação de máquinas, falta de proteções e falta de EPI´S);

Causas fortuitas (catástrofes);

Condições de Trabalho Inadequadas.

(catástrofes);  Condições de Trabalho Inadequadas. A ocorrência de um “ acidente ” implica uma causa

A ocorrência de um “acidente” implica uma causa e um efeito.

Quando temos febre (efeito) isso é consequência de uma infeção determinada (causa). Não há febre sem uma causa, e quando eliminamos a causa (neste caso a infeção) desaparece o efeito (a febre).

Sendo, aparentemente, as coisas tão simples, por que razão é difícil eliminar as causas dos acidentes?

A principal razão para que isso não aconteça é o facto de cada acidente não ter habitualmente uma só causa, mas sim várias, o que torna mais complexa a forma eficaz de intervir. Para resolver este problema, importa numa primeira fase analisar todos os acidentes que ocorreram, determinar quais as suas causas e registá-las por forma a identificar as reincidentes. Numa segunda fase selecionar os postos de trabalho onde ocorreram os acidentes mais frequentes e ir ao terreno realizar uma análise do trabalho, de forma a compreender a razão da sua ocorrência e finalmente eliminá-los através de propostas de transformação do trabalho. Estas transformações vão no sentido da eliminação ou redução das causas dos acidentes

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho de trabalho , implicando pequenas

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

de trabalho, implicando pequenas alterações nos postos de trabalho, nos modos operatórios ou mesmo na organização do trabalho, sem que isso represente quaisquer custos para a Empresa. As causas dos acidentes estão intimamente ligadas aos diferentes fatores de risco a que o trabalhador se encontra exposto no seu local de trabalho. Para concluir, não podemos esquecer que todos os acidentes para além de terem uma origem, também têm uma consequência.

Atitudes comportamentais: Um dos aspetos mais importantes em toda esta problemática da Prevenção de Acidentes é que, apesar de tudo o que foi dito anteriormente, ainda persistem comportamentos tais como:

"Já trabalhamos assim há muitos anos e nunca houve azar"

ou "Não podemos perder tempo com isso, pois iríamos prejudicar a eficácia da produção"

Estas mentalidades materializam bem que não existe uma perceção generalizada de que um risco não detetado ou não controlado acabará por provocar custos mais elevados dos que resultariam da sua prevenção, tanto em termos puramente económicos, como em termos humanos. Essas situações de risco bem identificadas podem ter origem em causas técnicas, que resultam da atuação em condições inseguras ou ter origem em causas humanas, que resultam de um ato inseguro. Não podemos esquecer que umas influenciam as outras, pois quanto menos condições inseguras existirem, menor será a probabilidade de ocorrerem atos inseguros que pode evoluir em acidente. Retém-se como ideia principal que prevenir riscos custa menos que corrigir as consequências que estes originam.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Conceitos de “perigo” e “risco”:

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Conceitos de “perigo” e “risco”:

Perigo: Fonte ou situação com um potencial para o dano em termos de lesões ou ferimentos para o corpo humano ou de danos para a saúde, danos para o património, danos para o ambiente do local de trabalho, ou uma combinação destes.

Risco: Combinação da probabilidade e da(s) consequência(s) da ocorrência de um determinado acontecimento perigoso.

R = P x G

Legenda:

R

= Risco

P

= Perigo

G

= Gravidade

Normalmente, os termos "perigo" e "risco" são interpretados como tendo o mesmo significado. Como se pode verificar os conceitos são diferentes e, de modo algum, podem ser confundidos. O "perigo" é identificado, enquanto que o risco é avaliado, ou outra forma simples de identificar: o Perigo é a causa e o risco a Consequência. Exemplo 1:

Atividade: Abertura de caixas de cartão com X-atos; Perigo: Manuseamento de ferramentas cortantes; Risco: Corte. Exemplo 2:

Atividade: Soldadura de componentes; Perigo: Exposição / contacto com altas temperaturas; Risco: Queimaduras; Incêndio; Uma atividade pode ter vários perigos diferentes e, naturalmente diferentes riscos. Para se quantificar um risco valorizam-se, conjuntamente, a probabilidade de ocorrência de um dano e a sua gravidade.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Classes de riscos: podem-se individualizar

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Classes de riscos: podem-se individualizar diferentes famílias de Risco numa empresa, embora os possamos agrupar em 3 classes de risco:

empresa, embora os possamos agrupar em 3 classes de risco: Para uma eficaz “ Prevenção de

Para uma eficaz “Prevenção de Riscos”, torna-se necessário identificar e analisar todo o sistema de trabalho nas suas três vertentes:

O trabalhador: enquanto executante de tarefas, utilizando estratégias ou modos operatórios próprios (atividade de trabalho).

A organização: enquanto responsável pela definição de uma política empresarial própria, como sejam as metodologias de produção, critérios de qualidade, estratégia de recursos humanos, entre outros.

Os instrumentos de trabalho / ambiente de trabalho: nas suas imposições em termos de precauções, limitações e facilitações, exigências de aprendizagem, entre outros, relacionadas com máquinas, equipamentos ou outros instrumentos de trabalho e, ainda, o ambiente de trabalho.

Todos estes aspetos devem ser analisados conjuntamente de forma a evitar Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais.

Custos “Diretos” e “Indiretos” de acidentes de trabalho, doença profissional e absentismo:

Custos diretos de acidentes de trabalho: Estão diretamente associados à ocorrência do acidente. São Custos seguros cobertos por uma apólice de seguro. Encontram-se nesta categoria:

Remunerações;

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho  Indemnizações;  Despesas médicas

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Indemnizações;

Despesas médicas e ambulatórias.

Custos indiretos de acidentes de trabalho: São os custos não seguráveis. Encontram- se nesta categoria:

Tempo perdido na assistência ao sinistrado;

Paragem de linha produção;

Processo de averiguação das causas do acidente;

Seleção e formação de trabalhador substituto;

Falta de prática do trabalhador substituto;

Impacto psicológico sobre outros trabalhadores;

Reparações equipamento afetado pelo acidente;

Perda de níveis produção;

Relação custos diretos e custos indiretos de AT:

 … Relação custos diretos e custos indiretos de AT: Custos Diretos: pico visível, de menor

Custos Diretos: pico visível, de menor volume, do Iceberg. Custos Indiretos: massa de maior volume, submersa, não visível.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Doenças profissionais – custos diretos:

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Doenças profissionais custos diretos:

Trata-se da reparação dos danos emergentes da doença profissional. A avaliação, graduação e reparação das doenças profissionais diagnosticadas é da exclusiva responsabilidade do Centro Nacional de Proteção contra os Riscos Profissionais.

Doenças profissionais - custos indiretos:

Tempo perdido na assistência médica ao doente;

Processo de averiguação das causas da doença;

Seleção e formação de trabalhador substituto;

Falta de prática do trabalhador substituto;

Impacto psicológico sobre outros trabalhadores;

 Impacto psicológico sobre outros trabalhadores; Absentismo: Podemos identificar como os principais Custos

Absentismo:

Impacto psicológico sobre outros trabalhadores; Absentismo: Podemos identificar como os principais Custos Indiretos do

Podemos identificar como os principais Custos Indiretos do absentismo os seguintes:

Redução de níveis e ritmos de produção;

Perda da aptidão para desempenhar a função com a mesma taxa de sucesso;

Necessidade de substituição do trabalhador recrutamento, seleção e formação do novo RH.

– recrutamento, seleção e formação do novo RH. Podemos dizer que os custos diretos do absentismo

Podemos dizer que os custos diretos do absentismo são a diferença entre o que a organização economiza por não pagar a falta e o custo de realização do trabalho.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Em 2010 registou-se o número

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Em 2010 registou-se o número mais baixo

Em 2010 registou-se o número mais baixo de acidentes de trabalho desta série, tanto para o total de acidentes como para os mortais, respetivamente, 215 632 e 208. No entanto, relativizando os acidentes à população exposta ao risco, a taxa mais baixa desta série registou-se em 2009 para o total dos acidentes e em 2010 a mais baixa para os acidentes mortais (Q.2).

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 17

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

17
17
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 17
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 17
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 18

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

18
18
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 18
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 18
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 19

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 19
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 19
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho CAUSAS E CIRCUNSTÂNCIAS EM QUE

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

CAUSAS E CIRCUNSTÂNCIAS EM QUE OCORREU O ACIDENTE

Os quadros apresentados nesta secção são relativos às variáveis caracterizadoras do acidente de trabalho propriamente dito. Esta informação diz respeito às causas e circunstâncias em que ocorreram os acidentes e permitem perceber em que espaço de trabalho se encontrava a vítima, que atividade realizava, e mais detalhadamente, o modo segundo o qual se desenrolou o acontecimento ‘acidente’. Dado que as classificações das variáveis em análise apresentam um número elevado de desagregações (existem 13 'Tipo de local', 9 'Atividade física específica', 10 'Desvio' e 10 'Contacto', e 22 agentes materiais associados ao desvio e ao contacto), optou-se por identificar e apresentar apenas as classificações com concentração de acidentes de trabalho superior a 10 %, tanto para o total de acidentes, como para os acidentes mortais. Também se optou por apresentar a distribuição percentual dos resultados apenas para a informação conhecida. No caso da variável 'Agente material' a exclusão do grupo de informação '0000' para efeitos de contagem, retira não só a informação desconhecida, mas também o código utlizado para a indicação 'nenhum agente material'.

só a informação desconhecida, mas também o código utlizado para a indicação 'nenhum agente material'. 20
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho A maioria dos sinistrados, para

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

A maioria dos sinistrados, para os quais se conhece a informação ‘tipo de local’, no

momento do acidente encontrava-se em 'zona industrial' (36,7_%), 'estaleiro, construção, pedreira, mina a céu aberto' (22,1 %) e 'local de atividade terciária, escritório, entretenimento, diversos' (19,9 %), traduzindo os acidentes ocorridos nas atividades económicas 'indústrias transformadoras', 'construção' e 'comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos'. Cerca de 75 % dos sinistrados ou trabalhava com ferramentas de mão, ou realizava transporte manual ou movimentava-se

(Q.8).

No que respeita ao acontecimento desviante do normal, 29,9 % das vítimas sofreu 'movimento do corpo sujeito a constrangimento físico', 29,4_% perdeu total ou parcialmente o controlo de uma máquina, meio de transporte, ou de outro que manuseava e 19,5 % sofreu 'escorregamento ou hesitação com queda, queda de pessoa'. 34,0 % dos

agentes materiais associados ao desvio foram 'materiais, objetos, produtos, componente

de máquina - estilhaços, poeiras' (Q.8).

Os acontecimentos causadores diretos da lesão que registaram mais acidentes foram o 'constrangimento físico do corpo, constrangimento psíquico' (28,7 %) e o 'esmagamento em movimento vertical ou horizontal sobre/contra objeto imóvel (a vítima está em movimento) ‘ (26,3 %). Os agentes materiais associados ao contacto mais frequentes foram os 'materiais, objetos, produtos, componente de máquina - estilhaços, poeiras'. Na sinistralidade mais grave, sabe-se que cerca de 50 % das vítimas mortais estavam em 'estaleiro, construção, pedreira, mina a céu aberto' (28,0_%) e em 'local público' (28,0 %), enquanto que a atividade física mais frequente foi a 'condução/presença a bordo de um meio de transporte' para 36,1 % dos sinistrados (69 indivíduos) (Q.9). Na origem de 73 acidentes mortais esteve a 'perda total/parcial de controlo de máquina,

meio de transporte equipamento manuseado, ferramenta manual, objeto, animal' (36,5 %) e de 50 o 'escorregamento ou hesitação com queda, queda de pessoa' do

trabalhador (25,0 %). Os agentes materiais associados ao desvio mais frequentes foram

os 'veículos terrestres' (32,4 %) e os 'edifícios, construções, superfícies acima do solo' (23,4_%), que refletem a ocorrência dos acidentes de viação, em serviço, e as quedas em altura (Q.9).

O contacto que vitimou mais trabalhadores foi o 'esmagamento em movimento vertical

ou horizontal sobre/contra objeto imóvel (a vítima está em movimento) ‘ (45,9 %). No

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho que respeita ao agente material

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

que respeita ao agente material associado à causa da lesão, cerca de 60 % dos acidentes mortais envolveram 'veículos terrestres' (31,3 %) e 'edifícios, construções, superfícies acima do solo' (28,2 %) ficando também aqui evidenciados os acidentes de viação e as quedas em altura (Q.9).

acima do solo' (28,2 %) ficando também aqui evidenciados os acidentes de viação e as quedas
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 23

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 23
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Gráfico 14 Gráfico 15 24

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Gráfico 14
Gráfico 14
Gráfico 15
Gráfico 15
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Gráfico 14 Gráfico 15 24
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Gráfico 14 Gráfico 15 24

24

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Abordagem de cada um dos

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Abordagem de cada um dos riscos:

Os fatores de risco:

Estes fatores dividem-se em dois grandes grupos: fatores de riscos ambientais e fatores de risco operativos (ver esquema abaixo)

e fatores de risco operativos (ver esquema abaixo) Os fatores de riscos ambientais : Todos que

Os fatores de riscos ambientais:

Todos que existem no ambiente de trabalho provocados por agentes físicos como o ruído, vibrações, temperatura, humidade, radiações, iluminação; agentes químicos como as poeiras, gases e vapores, colorantes, solventes voláteis, agentes antirrugas, agentes anti micróbios, pesticidas; por agentes biológicos como as bactérias, os fungos (parasitas) e bacilos. Incluem-se neste grupo os riscos de origem ergonómica ou seja os relacionados posturas incorretas, “lay out’s” mal concebidos, etc.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Origem física : Ruído :

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Origem física:

Ruído:

Higiene e prevenção no trabalho Origem física : Ruído : O ruído é um som desagradável,

O ruído é um som desagradável, indesejado. O seu volume ou intensidade são normalmente medidos em decibéis. Há que ter muita atenção aos ruídos iguais ou superiores a 85 decibéis (dB), tendo em conta sua frequência, intensidade e tempo de exposição. A exposição a estes níveis de ruídos elevados pode conduzir (a longo prazo) à perda de audição e surdez e pode provocar stresse e problemas cardiovasculares.

Sempre que possível as empresas devem optar por eliminar ou controlar este risco através da implementação de medidas de proteção coletivas como encapsular as máquinas ou através de medidas de organização do trabalho reduzindo exposição das/os trabalhadores a este risco. Quando não for possível a aplicação de uma medida de prevenção coletiva a empresa deverá fornecer aos trabalhadores o EPI adequado, protetores para os ouvidos.

trabalhadores o EPI adequado, protetores para os ouvidos. Ilustração dos níveis de ruido produzidos em diversas

Ilustração dos níveis de ruido produzidos em diversas situações.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Vibrações : Em todo o

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Vibrações:

social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Vibrações : Em todo o tipo de atividades estamos

Em todo o tipo de atividades estamos expostos a vários tipos de vibrações com maior ou menor intensidade e conforme a sua intensidade estas podem causar perturbações no bem-estar e até mesmo na saúde das/os trabalhadores. A vibração está normalmente associada a desequilíbrios, tolerâncias e/ou folgas das partes constituintes da máquina e sempre que a/o trabalhador está em contacto com esta as vibrações transmitem-se ao corpo da/o trabalhador através dos seus membros. Assim deve-se fazer sempre os possíveis por controlar as vibrações produzidas por um equipamento através da redução das vibrações na fonte, do controlo da transmissão das vibrações e da proteção da/o trabalhador.

Riscos mecânicos:

Sempre que quaisquer partes do corpo entrem em contacto com partes móveis de equipamentos, máquinas ou estruturas, queda de materiais, equipamentos, arestas vivas cortantes / perfurantes, resultam acidentes dos quais os mais frequentes são:

Partes do corpo “apanhadas” entre, contra, dentro, sobre, ou sob partes móveis de mecanismos;

Devem-se muitas vezes ao movimento inesperado, brusco, involuntário, de parte móvel, que projeta ou arrasta peça, ferramenta, vestuário, corpo (robots).

Medidas de proteção recomendáveis:

Partes móveis enclausuradas;

Dispositivos de corte de energia;

Paragem emergência (botão, cabo);

Corte e travamento de fontes de energia durante intervenção;

Áreas acesso vedado (cabine robot).

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Ambiente térmico - humidade/temperatura :

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Ambiente térmico - humidade/temperatura:

no trabalho Ambiente térmico - humidade/temperatura : A saúde e bem-estar nos locais de trabalho depende,

A saúde e bem-estar nos locais de trabalho depende, entre outros fatores, do ambiente térmico no local de trabalho. O nosso organismo está constantemente a utilizar parte dos seus recursos energéticos na manutenção da temperatura corporal (homeotermia). Assim as variações térmicas ambientais, mais frio ou mais quente, obrigam a que o nosso organismo despenda mais energia na manutenção da temperatura corporal, consequentemente um maior cansaço e desgaste por parte da/o trabalhador na execução da sua atividade profissional. O desconforto térmico (demasiado calor ou demasiado frio) provoca nas/os trabalhadores vários reações como sudação demasiada, mal-estar generalizado, tonturas, desmaios, esgotamento… nos ambientes térmicos demasiado quentes; e frieiras, alterações circulatórias com efeitos sobretudo nas extremidades do corpo, arrefecimento excessivo dos pés, enregelamento… nos ambientes térmicos frios. As empresas devem tomar medidas para proporcionar condições ambientais segundo as normas aconselhadas em termos de temperatura (a ideal situa-se entre 21 e 26 graus centigrados), de humidade (entre 55% a 65%) e de velocidade do ar (cerca de 0,12 m/s).

Em muitos casos, as más conceções estruturais de muitas empresas (a insuficiência de janelas, portas ou outras aberturas necessárias a uma boa ventilação, por exemplo), provocam ambiente demasiado frio no Inverno ou demasiado quente no Verão, extremamente prejudiciais à saúde das/dos trabalhadores.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Fadiga visual - iluminação deficiente

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Fadiga visual - iluminação deficiente:

Qualquer atividade requer um certo de nível de iluminação para a sua realização. O valor de iluminação correto depende de fatores como o detalhe da operação, a nossa distância do objeto, o contraste entre o objeto e o fundo sobre o qual estamos a trabalhar, a rapidez do movimento requerido e até mesmo da pessoa que vai desenvolver a atividade. Assim uma iluminação adequada nos locais de trabalho é uma condição imprescindível para a obtenção de um bom ambiente de trabalho e desta forma reduzir o absentismo e aumentar a produtividade e também reduzir os acidentes de trabalho.

a produtividade e também reduzir os acidentes de trabalho. Um outro facto que pode potenciar este

Um outro facto que pode potenciar este risco é o trabalho prolongado com visores ou ecrãs de visualização que exige uma fixação maior da vista e, consequentemente, uma maior carga visual. Uma exposição prolongada a este risco pode provocar a médio e longo prazo dores de cabeça, irritação dos olhos, enfraquecimento da visão, fadiga estresse.

Origem ergonómica:

da visão, fadiga estresse. Origem ergonómica : Não é raro constatar que, muitas vezes, os postos

Não é raro constatar que, muitas vezes, os postos de trabalho não estão adaptados às características do/a operador/a, quer quanto à posição da máquina, quer quanto ao espaço disponível ou à posição de ferramentas e materiais a utilizar na respetiva função ou funções.

Para estudar a implicação destes problemas nas condições de trabalho, na saúde e segurança das/os trabalhadores e na produtividade da própria empresa, existe uma ciência chamada Ergonomia que procura um ajustamento mútuo entre as pessoas/trabalhadores e o seu ambiente de trabalho.

Os agentes ergonómicos presentes no ambiente de trabalho estão relacionados com várias exigências (esforço físico intenso, de produtividade), atividades (monótonas e repetitivas) e posturas (inadequadas).

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Posturas : Uma postura, no

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Posturas:

Uma postura, no que respeita ao trabalho, é a atitude ou a posição do corpo que adotamos quando trabalhamos. As posturas corretas são essenciais na prevenção dos inúmeros efeitos nocivos que o trabalho que executamos tem na coluna (e ainda mais se ele for monótono e repetitivo) como nos músculos, nas articulações e nos tendões.

como nos músculos, nas articulações e nos tendões. Milhares de trabalhadores são afetados por estas

Milhares de trabalhadores são afetados por estas perturbações devido ao ritmo de trabalho exigido, à monotonia do trabalho, à deficiente organização/conceção dos postos de trabalho e a outras causas físicas como movimentação manual e mecânica de cargas, posturas incorretas e movimentos repetitivos.

Executar as mesmas operações durante muitas horas seguidas, por vezes na mesma posição (de pé ou sentado) e a um ritmo demasiado rápido, provoca desmotivação

e fadiga, para além de outros problemas de saúde como ansiedade, tensão e angustia que podem levar ao stresse.

Assim, devemos movimentarmo-nos suavemente, adotar posturas corretas e devemos ter atenção quando elevamos ou transportamos cargas, puxamos ou empurramos os carrinhos de carga de modo a evitarmos posturas perigosas. Uma das coisas que devemos ter sempre presente é que a nossa coluna deve ser utilizada como suporte e nunca como uma articulação. O mesmo que dizer que quando, por exemplo, tivermos de mover uma carga de um sítio para outro não devemos girar a coluna sobre o seu eixo mas girar todo o corpo.

Trabalho monótono e repetitivo:

Executar as mesmas operações durante muitas horas seguidas, por vezes na

mesma posição (de pé ou sentado) e a um ritmo demasiado rápido, provoca desmotivação

e fadiga, para além, de outros problemas de saúde.

Os riscos provocados por agentes ergonómicos devem ser objeto verificação e prevenção por forma a erradicá-los, através de: correção de deficiências da organização do espaço de trabalho, de iluminação, de equipamentos e ou ferramentas, informação e

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho formação, rotação das/os trabalhadores,

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

formação, rotação das/os trabalhadores, pausas mais frequentes sobretudo nos trabalhos repetitivos, exames médicos periódicos.

Origem psicossocial:

Stresse:

O stresse é um risco emergente das sociedades modernas e no trabalho, é provocado por vários fatores, entre eles: alterações na conceção, organização e gestão do trabalho; insegurança no emprego; aumento da carga e ritmo de trabalho; falta de

equilíbrio entre a vida profissional e pessoal; e pelas relações interpessoais com colegas

de

trabalho bem como as chefias da empresa.

O

stresse afeta a saúde e segurança das/os trabalhadores, mas não só, afeta também a

produtividade das empresas e a economia.

O stresse deve ser uma preocupação para a empresa quando as queixas de “mal-estar” no

trabalho se multiplicam e quando os fatores que lhe estão na origem estão ligados ao trabalho (intensificação do trabalho, múltiplas pressões, exigências de produção…). O stresse, neste caso não é derivado de fragilidades individuais mas a manifestação de disfuncionamentos mais gerais na empresa. A prevenção do stresse inscreve-se no quadro geral da prevenção dos riscos profissionais. E o chefe da empresa deve velar pela proteção da saúde e segurança física e mental das/os trabalhadores. Assim, o stresse deve ser objeto de avaliação e de um programa de prevenção.

Assédio moral e sexual:

O Assédio Moral é um tipo específico de violência, pois não é física nem sexual. Trata-se de uma atuação sistemática, recorrente e prolongada no tempo entre indivíduos com poder assimétrico. O termo Assédio Moral no local de trabalho é o termo utilizado para definir um comportamento injustificado e continuado para com a/o trabalhador ou grupo de trabalhadores, suscetível de constituir um risco para a saúde e segurança uma vez que pode gerar ansiedade, depressão, problemas gástricos, perda de apetite, náuseas, agressividade, desconfiança, dificuldade de concentração, reduzida capacidade para resolução de problemas, isolamento e solidão. Normalmente o Assédio Moral está associado com o objetivo de intimidar, diminuir, humilhar e consumir

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho emocional e intelectualmente a vitima

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

emocional e intelectualmente a vitima com o objetivo de afastar a/o trabalhador da empresa/organização.

No Assédio Sexual, normalmente, as mulheres são as mais atingidas e muitas vezes pelos seus superiores hierárquicos. Normalmente o Assédio Sexual tem como objetivo intimidar, coagir e/ou humilhar o/a trabalhador/a e é particularmente grave quando o/a trabalhador/a se encontra em situação de dependência profissional, de desemprego, de trabalho precário e de falta de qualificação profissional. O Assédio Sexual manifesta-se quando o/a trabalhador/a é obrigado a suportar, contra a sua vontade: olhares ofensivos; alusões grosseiras, humilhantes e embaraçosas; convites constrangedores; gracejos ou conversas com segundo sentido; comentários, de mau gosta, à sua aparência física; exibição de fotografias constrangedoras; perguntas indiscretas sobre a sua vida privada; toques; gestos; abuso de autoridade para obter favores sexuais e, por vezes, agressões e violação. De acordo com o Código de Trabalho, Artigo 29º - Assédio (publicado em Diário da Republica, Iª Série, nº 30 de 12 de Fevereiro de 2009), “Constitui assédio sexual o comportamento indesejado de carácter sexual, sob a forma verbal, não-verbal ou física com o objetivo ou o efeito de perturbar ou constranger a pessoa, afetar a sua dignidade, ou de lhe criar um ambiente intimidativo, hostil, degradante, humilhante ou desestabilizador.”

Utilização de equipamentos de trabalho:

Uma máquina é definida por um conjunto, equipado ou destinado a ser equipado com um sistema de acionamento diferente da força humana ou animal diretamente aplicado, composto por peças ou componentes ligados entre si, dos quais pelo menos um é móvel, reunidos de forma solidária com vista a uma aplicação definida. Apesar das iniciativas encetadas pelos fabricantes que visam a integração da segurança, a utilização de máquinas comporta sempre determinados riscos para os respetivos utilizadores tais como: esmagamento; corte por cisalhamento; golpe ou decepamento; agarramento ou enrolamento; arrastamento ou aprisionamento; choque ou impacto; perfuração ou picadela; abrasão ou fricção; ejeção de fluido a alta pressão; queda de pessoas e/ou objetos; entalamentos; golpes e cortes; choques com ou contra; projeção de partículas, materiais e objetos; elétricos (contacto direto, indireto ou coma eletricidade estática); biológicos (vírus, bactérias, fungos ou parasitas); desrespeito dos princípios

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho ergonómicos (sobrecarga e sobre esforços,

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

ergonómicos (sobrecarga e sobre esforços, posturas de trabalho); psicossociais (monotonia, sobrecarga de trabalho e/ou de horário e stress); incêndio e/ou explosão; contacto com superfícies ou líquidos com temperaturas extremas (quentes ou frias); térmicos; exposição ao ruído; exposição a contaminantes químicos (fumos, poeiras, névoas, gases e vapores); exposição a radiações (ionizantes e/ou não ionizantes); vibrações; ambientes hiperbáricos; combinação de vários riscos.

Fatores de riscos operativos:

Os que podem originar acidentes de trabalho tais como circulação de máquina se pessoas, incêndio, máquinas e equipamentos defeituosos, inadequados ou sem proteção, movimentação de cargas, manuseamento de substâncias químicas, etc.

Movimentação manual e mecânica de cargas:

etc. Movimentação manual e mecânica de cargas : Milhares de trabalhadores são afetados por perturbações

Milhares de trabalhadores são afetados por perturbações músculo- esqueléticas devido ao ritmo de trabalho exigido, à monotonia do trabalho, à deficiente organização/conceção dos postos de trabalho e a outras causas físicas como movimentação manual e mecânica de cargas, posturas incorretas e movimentos repetitivos.

Mas, por vezes, não basta uma posição correta, é necessário ter em conta

o tipo de trabalho que fazemos

e como o fazemos.

Para além das medidas corretivas a implementar, neste campo, pelas empresas, as/os trabalhadores têm direito a informação e formação adequadas sobre a movimentação manual e mecânica de cargas.

Circulação de pessoas e máquinas:

Como o nome indica refere-se à movimentação das/os trabalhadores no trabalho e

à movimentação de máquinas nomeadamente movimentação mecânica de cargas, quer seja

de matérias-primas, de materiais em curso de fabrico, no armazenamento, na expedição e na manutenção. Por exemplo: a movimentação de empilhadoras, stacker’s, porta-paletes, de monocarris, se não for feita corretamente, pode provocar acidentes; se os pisos escorregadios não forem devidamente assinalados ou se as/os trabalhadores não estiverem devidamente protegidos, podem provocar quedas e lesões; se as zonas de perigo não

as/os trabalhadores não estiverem devidamente protegidos, podem provocar quedas e lesões; se as zonas de perigo
as/os trabalhadores não estiverem devidamente protegidos, podem provocar quedas e lesões; se as zonas de perigo

33

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho estiverem assinaladas e devidamente protegidas

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

estiverem assinaladas e devidamente protegidas com barreiras, são fonte de alto risco.

Avaliação e controlo de riscos específicos

Avaliação de riscos químicos:

Avaliar os riscos significa identificar as possíveis causas dos danos no intuito de tomar medidas preventivas. Uma avaliação adequada dos riscos é a chave de uma gestão eficaz dos mesmos. A formação dos trabalhadores fundamentada na avaliação dos riscos

visando ensinar-lhes práticas de trabalho seguras constitui uma parte importante da gestão dos riscos. Os trabalhadores que tenham frequentado ações de formação não só estão aptos a aplicar as regras, como trabalham de forma mais eficaz e promovem um ambiente de trabalho saudável e seguro. O nível de risco inerente a uma substância é determinado por dois fatores: as características da substância e o grau de exposição. A avaliação deverá incluir os incidentes e as atividades de manutenção previsíveis, assim como um plano das medidas a tomar em tais circunstâncias, nomeadamente medidas de primeiros socorros. Abordagem à avaliação dos riscos em quatro fases:

1. Realizar um inventário das substâncias utilizadas nos processos de trabalho

e também das substâncias geradas durante esses processos, tais como as poeiras da madeira e as emanações resultantes dos processos de soldadura.

2. Recolher informações sobre essas substâncias, ou seja, que danos podem

causar e de que forma. Uma importante fonte de informação são as fichas de dados de

segurança (FDS) a serem entregues pelos fornecedores de substâncias químicas. 3. Avaliar o grau de exposição às substâncias perigosas identificadas

considerando o tipo, a intensidade, a duração, a frequência e a ocorrência da exposição dos trabalhadores, sem esquecer os efeitos combinados das substâncias perigosas quando utilizadas em conjunto e os riscos inerentes.

4. Avaliar a gravidade dos riscos identificados. A lista pode depois ser utilizada

na elaboração de um plano de Acão visando a proteção dos trabalhadores.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Prevenção e controlo dos riscos

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Prevenção e controlo dos riscos químicos:

A legislação europeia estabelece uma hierarquia das medidas de controlo da exposição a serem tomadas sempre que um processo de avaliação dos riscos revele a existência de riscos.

No topo da hierarquia encontra-se a eliminação do risco através da alteração do

processo ou da substância.

Caso a eliminação não seja possível, o processo ou as substâncias perigosos deverão ser substituídos por outro (s) inócuo (s) ou menos perigoso (s). Iremos analisar esses dois pontos em maior detalhe na segunda parte deste volume.

Em caso de ausência de prevenção dos riscos para os trabalhadores, deverão ser

tomadas medidas de controlo com vista à eliminação ou redução dos riscos para a saúde dos trabalhadores.

As medidas de controlo deverão ser tomadas pela seguinte ordem:

1º - Conceber controlos e processos de trabalho e utilizar equipamento e materiais adequados no intuito de reduzir a libertação de substâncias perigosas; 2º - Aplicar medidas de proteção coletivas na origem do risco, como por exemplo ventilação e medidas organizacionais adequadas;

3º - Aplicar medidas individuais de proteção, nomeadamente equipamento de proteção individual, sempre que a exposição não possa ser evitada por outros meios.

O número de trabalhadores expostos deverá ser limitado ao mínimo,

paralelamente à duração e à intensidade da exposição, bem como a quantidade de substâncias perigosas utilizadas. Deverão ainda ser adotadas as medidas de higiene apropriadas.

Manuseamento de substâncias químicas - produtos químicos perigosos:

Os produtos químicos englobam as substâncias e preparações químicas. As substâncias são os elementos químicos e os seus compostos no estado natural ou obtidos por um qualquer processo de produção enquanto as preparações são as misturas ou soluções compostas por duas ou mais substâncias. Estes produtos têm efeitos específicos na vida humana (carcinogénicos, mutagénicos e com efeitos tóxicos na reprodução) bem como efeitos no ambiente. Os

na vida humana (carcinogénicos, mutagénicos e com efeitos tóxicos na reprodução) bem como efeitos no ambiente.
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho riscos associados à manipulação destas

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

riscos associados à manipulação destas substâncias e preparações químicas perigosas são devidos a vários fatores inerentes ao próprio produto mas também à sua embalagem, transporte, armazenamento e a forma como são manipulados.

De entre os problemas que a exposição e/ou manuseamento destes produtos pode causar salientamos alguns como irritações/alergias oculares e/ou cutâneas, problemas respiratórios/asma, problemas reprodutivos, problemas no sis tema nervoso, deficiências congénitas e cancro. Para evitar a exposição a estes riscos e garantir a saúde e segurança das/os trabalhadores no desempenho das suas atividades a empresa deverá fornecer aos trabalhadores os EPI’S adequados, tais como, máscaras, luvas, calçado e outros.

Conceitos Gerais:

A exposição a substâncias perigosas pode ocorrer a todo o momento no local de trabalho, quer estejamos a falar de um escritório, de uma fábrica, de uma obra, entre

muitos outros. As substâncias perigosas podem causar diversos tipos de danos, desde cancros a problemas da capacidade de reprodução ou deficiências congénitas. Outras substâncias podem causar danos cerebrais, danos no sistema nervoso, asma e problemas cutâneos. Os danos causados pelas substâncias perigosas podem ocorrer na sequência de uma única e curta exposição ou em resultado da acumulação a longo prazo de substâncias no organismo. Nos termos da legislação europeia, cabe às entidades patronais proteger a saúde e a segurança dos trabalhadores, através de:

Avaliação do risco, procedendo, quando necessário, a nova avaliação;

Eliminação do risco ou, quando tal não seja possível, redução do risco;

Monitorização, com o objetivo de garantir que as medidas de controlo

continuem a ser eficazes. Nesta primeira parte, iremos focar-nos nas substâncias químicas e os riscos que apresentam e o que é possível fazer para precaver e/ou proteger esses riscos. Na segunda parte, iremos concentrar-nos na eliminação e na substituição de substâncias perigosas e na comunicação da informação sobre essas substâncias.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Agentes químicos agressivos: Os agentes

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Agentes químicos agressivos:

Os agentes químicos agressivos podem ser encontrados através de duas formas:

No ar;

Em substâncias e preparados.

No ar encontramos:

Agentes químicos sólidos em suspensão (poeiras, fibras e fumos

normalmente designadas por pó, apenas distinguíveis quanto ao nível da sua inalação). As suas ações sobre o organismo humano podem ser, por exemplo, causadoras de lesões em um ou mais órgãos viscerais, ou de doenças graves nos pulmões, como é o caso do amianto;

Agentes químicos líquidos em suspensão

(aerossóis gotículas não visíveis - e neblinas gotículas visíveis).

Agentes químicos gasosos em suspensão (gases e vapores). Podem causar

efeitos irritantes, inflamando os tecidos com que entram em contacto (por exemplo, o Amoníaco ou o Cloro), asfixiantes (casos, por instância, do monóxido de carbono ou dos cianetos), narcóticos (éter etílico) ou tóxicos (por exemplo, o benzeno). As substâncias são elementos químicos e os seus compostos, no seu estado natural ou tal como são obtidos por qualquer processo de produção:

Os preparados, por seu turno, são misturas ou soluções compostas por duas ou mais substâncias. As características da preparação resultam da combinação das propriedades de cada componente. A classificação de substâncias e preparações perigosas é feita sempre no rótulo da embalagem do produto, como iremos ver mais à frente, e obedece a uma classificação que compila as principais características de perigosidades que um produto pode, ou não, ter.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Vias de penetração no organismo

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Vias de penetração no organismo:

Os agentes químicos agressivos têm três vias de entrada no organismo humano: a

via digestiva, a via percutânea (através da pele) e a via respiratória (através dos pulmões).

A entrada por via digestiva faz-se através da boca e habitualmente é uma ingestão

involuntária, que ocorre por acidente ou descuido. Tal pode suceder, por exemplo, quando um produto é transvasado para outro recipiente por aspiração, ou quando é armazenado num recipiente ou local destinado a alimentos ou bebidas.

Mais comum é a ingestão de um agente químico pela boca quando, após a manipulação desse agente, se levam as mãos à boca para fumar, comer ou mesmo secar os lábios. No que toca à via percutânea, determinados produtos, principalmente os com

características irritantes ou corrosivas, agem no local de contacto com a pele, as mucosas ou os olhos.

A possibilidade de penetração no organismo através da pele de certos produtos

pode ser muito perigosa: certos solventes orgânicos ou o benzeno, por exemplo, podem

atacar severamente os rins, o fígado ou o sistema nervoso.

A via de penetração mais comum é a respiratória, uma vez que os agentes

poluentes podem estar misturados com o ar que respiramos, como já observámos acima, penetrando nos pulmões em simultâneo com o ar inspirado.

É frequente a inspiração desses produtos em situações de manipulação de

solventes, tintas ou colas. O transporte dessas substâncias pelo sangue pode causar

problemas noutros órgãos, para além dos pulmões.

Acompanhamento e reavaliação:

A avaliação dos riscos deverá ser reexaminada sempre que se registem alterações

aos processos de trabalho, sejam introduzidas novas substâncias químicas ou adaptados processos, em caso de acidentes ou problemas de saúde, bem como periodicamente para

assegurar que os resultados da avaliação permanecem válidos. Uma vez aplicada uma medida de controlo a um processo, a sua eficácia deverá ser controlada.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho É necessária uma avaliação regular

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

É necessária uma avaliação regular da situação para detetar as situações de degradação progressiva (por exemplo, redução da eficácia dos sistemas de ventilação) e as alterações ao nível das práticas de trabalho. Os limites de exposição ocupacional às substâncias perigosas constituem uma fonte de informação importante para a avaliação e a gestão dos riscos. Não obstante, esses limites apenas foram estabelecidos em relação a um número limitado de substâncias presentemente utilizadas nos locais de trabalho. Os limites nacionais podem ser vinculativos (a respeitar obrigatoriamente) ou indicativos (recomendação relativa aos valores a atingir). A entidade patronal deverá assegurar que a exposição dos trabalhadores não ultrapasse os limites nacionais.

Poeiras:

trabalhadores não ultrapasse os limites nacionais. Poeiras: Ao falarmos de poeiras e vapores referimo-nos a

Ao falarmos de poeiras e vapores referimo-nos a concentrações de partículas muito reduzidas que se encontram suspensas no ar e que através da sua inalação podem prejudicar a saúde das/os trabalhadores. Entre outras doenças, as poeiras e os vapores podem prejudicar gravemente o funcionamento do sistema respiratório e causar problemas tais como dificuldades respiratórias, bronquites, asma e outros. É pertinente que na prevenção destes riscos se tente implementar medidas de proteção coletiva tais como o encapsulamento das máquinas que estão na origem das poeiras e vapores ou a colocação de aspiradores na secção que permitam a remoção das poeiras e vapores libertados no ar. Caso não seja possível a implementação de uma destas medidas cabe à empresa fornecer aos trabalhadores o EPI adequado como, por exemplo, as máscaras e aos trabalhadores a responsabilidade de utilizar o EPI.

Vapores: (contaminantes químicos gasosos)

São formas gasosas que, em condições normais estariam em estado líquido ou sólido. Os compostos químicos têm uma elevada volatibilidade. Entre eles encontramos os solventes utilizados para remoção de nódoas; produtos utilizados nos processos de pré

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho tratamento, tingimento e acabamento (por

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

tratamento, tingimento e acabamento (por exemplo água oxigenada, ácido acético, soda cáustica).

Origem biológica:

Os riscos de origem biológica estão ligados a micro organismos indesejáveis tais como fungos e bactérias. Em certas atividades os trabalhadores podem ser expostos a agentes biológicos (bactérias) como o antrax, clostridium tetani (agente que provoca o tétano) e coxiela burnetti (que provoca a febre Q). A exposição a agentes biológicos pode provocar, entre outras mais graves, alergias, perturbações respiratórias. (de OSHA, s/d).

A presença de agentes biológicos nos ambientes de trabalho deve ser objeto de verificação através da recolha de amostras do ar e da água a serem analisadas em laboratórios especializados. Entretanto, como estes microrganismos se desenvolvem preferencialmente em ambientes pouco limpos ou sujos, a higiene rigorosa dos locais de trabalho, os cuidados com a esterilização de roupas e equipamentos individuais, a ventilação adequada e permanente são medidas a tomar.

a ventilação adequada e permanente são medidas a tomar. Identificação obrigatória das substâncias e produtos

Identificação obrigatória das substâncias e produtos químicos e perigosos.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Reach : (Registration, Evaluation, Authorization

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Reach: (Registration, Evaluation, Authorization and Restriction of Chemicals)

É o regulamento relativo ao Registo, Avaliação, Autorização e Restrição das Substâncias Químicas utilizadas na indústria. Foi publicado no Jornal Oficial da União Europeia a 30 de Dezembro de 2006, sob a forma do Regulamento (CE) nº 1907/2006, entretanto retificado e publicado no Jornal Oficial do União Europeia, Lei 136 de 29 de Maio de 2007 e entrou em vigor a 1 de Junho de 2007. O REACH impõe às empresas produtoras ou importadoras a obrigação de reunir, produzir e difundir informações sobre as propriedades e os riscos de utilização das substâncias químicas para que sejam utilizadas com a máxima segurança. O objetivo deste novo Regulamento é assegurar um elevado nível de proteção da saúde humana e do ambiente.

Radiações:

de proteção da saúde humana e do ambiente. Radiações: No nosso dia-a-dia estamos constantemente expostos a

No nosso dia-a-dia estamos constantemente expostos a vários tipos de ondas eletromagnéticas provenientes do sol, rádio, televisão, telemóveis, bem como vários tipos de radiações provenientes de eletrodomésticos, aparelhos de raio, etc. O contacto com estes objetos e a exposição às radiações por eles emitidas não é prejudicial no dia-a-dia uma vez que a emissão destes é controlada e tem associados a si um conjunto de medidas de proteção que fazem com que estes não sejam danosos para nós. Assim, o risco associado às radiações não advém diretamente da nossa exposição a ela mas sim da duração e da intensidade de exposição a fontes emissoras de radiação.

Incêndio e explosão:

É uma combustão que se desenvolve sem controlo no tempo e no espaço, como consequência de diversos fatores. Para haver um incêndio tem de haver fogo, ou seja, tem de haver um carburante (o ar) + combustível (por exemplo fibras sintéticas, tecidos, peles…) + fonte de ignição (de origem térmica, elétrica, química). Existe risco de incêndio ou de explosão, por exemplo nas caldeiras utilizadas na geração de vapor.

química). Existe risco de incêndio ou de explosão, por exemplo nas caldeiras utilizadas na geração de
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Risco de incêndio: O fogo

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Risco de incêndio: O fogo é uma reação química exotérmica, vulgarmente representada por um triângulo, em que basta ser retirado qualquer um dos lados, a reação é interrompida, ou seja, não é possível existir fogo:

é interrompida, ou seja, não é possível existir fogo: Sem a presença simultânea de comburente, combustível

Sem a presença simultânea de comburente, combustível e energia de ativação, não existe fogo. Principais causas que dão origem a incêndio:

Operações a fogo nu (corte e soldadura);

Más condições de ordem e arrumação;

Cinzeiros / cigarros mal apagados;

Reação entre produtos químicos;

Sobreaquecimento instalações elétricas;

Picos” de energia;

Eletricidade estática;

Descarga atmosférica;

Radiações ionizantes, ultrassons, H-freq.

Conforme o combustível, assim se classificam os fogos:

A - Combustíveis Sólidos: Papel, cartão, madeira, pós, etc.;

B - Combustíveis Líquidos: Ex.: gasolina, éter, álcool, xileno, etc.;

C - Combustíveis Gasosos: Ex.: butano, acetileno, propano;

D - Metais Combustíveis: Ex.: sódio, potássio, magnésio, cálcio.

Existe ainda uma outra origem de incêndios, que são os fogos envolvendo equipamentos elétricos em carga, que naturalmente além do incêndio acrescenta também riscos elétricos.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Riscos elétricos: As instalações devem

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Riscos elétricos: As instalações devem estar devidamente

Riscos elétricos:

As instalações devem estar devidamente protegidas contra sobre intensidades. A proteção contra sobrecargas deve ser estabelecida de modo a impedir que sejam ultrapassadas as intensidades de corrente máxima admissível nas canalizações e nos aparelhos. A proteção contra curto-circuitos deve ser estabelecida de forma a garantir que a duração do curto-circuito seja limitada a um tempo suficientemente curto para não alterar de forma permanente as características das canalizações e dos aparelhos. De todas as formas de energia utilizadas atualmente, a eletricidade é, com toda a certeza, a que tem maior número de aplicações.

com toda a certeza, a que tem maior número de aplicações. As consequências dos acidentes de

As consequências dos acidentes de origem elétrica podem ser muito graves, quer ao nível material (incêndios, explosões), quer ao nível pessoal, podendo mesmo levar à morte do indivíduo. As medidas de controlo a adotar estão estabelecidas no Decreto-Lei n.º 226/2005, de 28 de Dezembro, e na Portaria n.º 949-A/2006, de 11 de Setembro

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho (Regras Técnicas de Instalações Elétricas

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

(Regras Técnicas de Instalações Elétricas de Baixa Tensão). Sempre que exista um circuito elétrico sob tensão em que:

O circuito esteja fechado ou possa fechar-se;

O corpo humano seja condutor;

Corpo humano faça parte do circuito;

Exista uma diferença de potencial.

Poderão ocorrer acidentes: Eletrização e Eletrocussão (mortal) cujas causas são:

Contacto ponte ativa sob tensão + Terra;

Contacto massa acidentalmente sob tensão + Terra;

Contacto 2 partes ativas sob tensão;

Contacto 1 parte ativa sob tensão + uma massa acidentalmente sob tensão;

Contacto 2 massas acidentalmente sob tensão.

Medidas de proteção recomendáveis:

Afastar partes ativas sob tensão;

Interpor obstáculos (contacto direto);

Recobrir partes ativas sob tensão;

Uso de tensão limite de segurança;

Proteção dispositivo diferencial.

O incêndio de origem elétrica, é sobretudo devido a:

Sobreaquecimento que conduz à combustão isolantes;

Arco Elétrico entre peças condutoras, sobretudo na rotura de isolantes;

Explosão resultante funcionamento anormal em atmosfera explosiva.

Ergonomia Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho O termo ergonomia deriva

Ergonomia

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

O termo ergonomia deriva de duas palavras gregas, ergos (trabalho) e nomos (estudo),

significa “os costumes, hábitos e leis do trabalho”, tendo sido criada com o objetivo de exprimir o estudo científico do homem e do seu trabalho. O termo ergonomia pode ser aplicado com significados diferentes: • Associado à cultura americana, onde se considera

a ergonomia como a “utilização da ciência e da técnica para melhorar as condições de trabalho do homem; • Associado à cultura europeia, mais recente, onde se considera a

ergonomia quase como a “ciência do trabalho”, pelo que se “estuda o trabalho do homem com a finalidade de o melhorar”. Atualmente, consideramos a ergonomia como o estudo

e a adaptação do meio envolvente às dimensões e às capacidades do homem, e forma a

que as máquinas, dispositivos, ferramentas e mobiliário sejam utilizados com o máximo

conforto e segurança. Os domínios da ergonomia passam por aspetos fisiológicos, anatómicos e psicológicos do homem e do seu ambiente de trabalho. Estes domínios podem ser abordados em dois momentos diferentes:

Ergonomia de conceção

• Tem início na fase de planeamento e conceção dos locais / postos / instrumentos de trabalho (ergonomia pró-ativa);

Ergonomia de correção

Quando intervém em situações já estabelecidas, de forma a corrigir as várias situações que influenciam a segurança e saúde dos trabalhadores, e em aspetos relacionados com a produção (ergonomia reativa).

O

sistema ergonómico é constituído por um conjunto de homens, máquinas, instrumentos

e

procedimentos, interagindo entre si, num determinado ambiente.

A eficiência e a segurança das combinações homem-máquina, homem-espaço de trabalho

e homem-ambiente, juntamente com o conforto e a satisfação dos indivíduos envolvidos.

Atualmente, não restam dúvidas quanto à relação entre condições de trabalho e produtividade, pelos custos diretos e indiretos dos acidentes de trabalho e do absentismo por doença, particularmente no que se refere a doenças profissionais. De uma maneira geral, não tem sido dada grande atenção às condições em que a atividade de trabalho é realizada, embora se saiba que um meio que exponha os trabalhadores a riscos graves

em que a atividade de trabalho é realizada, embora se saiba que um meio que exponha
em que a atividade de trabalho é realizada, embora se saiba que um meio que exponha

45

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho pode ser a causa direta

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

pode ser a causa direta de acidentes de trabalho e de doenças profissionais. Por outro lado, sabe-se que a insatisfação decorrente de condições de trabalho não adequadas pode afetar

a produtividade, em termos qualitativos e quantitativos, e determinar uma rotação

excessiva do pessoal e até um absentismo elevado. A Ergonomia assume uma importância particular, não só pelos objetivos que persegue, como pelas características das ações que preconiza. Os resultados da aplicação de critérios ergonómicos podem traduzir-se, ao nível dos operadores, por uma diminuição da carga de trabalho e, consequentemente, da fadiga, uma diminuição dos acidentes, uma melhoria do conforto no posto de trabalho,

uma organização do trabalho e uma estruturação das tarefas mais adequadas, e ao nível do sistema, por uma redução dos custos diretos e indiretos do absentismo e dos acidentes

e, de uma maneira geral, por um aumento da produtividade, em termos quantitativos e

qualitativos.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho CONCEPÇÃO DO ESPAÇO DE TRABALHO

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

CONCEPÇÃO DO ESPAÇO DE TRABALHO

O espaço de trabalho deve ser planeado na fase de conceção do projeto, tendo em

consideração as atividades e tarefas a executar, os processos de laboração, as dimensões

do corpo humano e as suas posturas, esforços musculares e movimentos.

os processos de laboração, as dimensões do corpo humano e as suas posturas, esforços musculares e
Postos de trabalho de pé Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Postos de trabalho de pé

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Esta é a posição mais comum nos sectores terciário, serviços e comércio, e é a aconselhada nas tarefas sujeitas a deslocações frequentes ou quando existe a necessidade de exercer forças significativas.

nas tarefas sujeitas a deslocações frequentes ou quando existe a necessidade de exercer forças significativas. 48
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Postos de trabalho sentado A

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Postos de trabalho sentado A posição sentada

Postos de trabalho sentado

A posição sentada diminuiu alguns dos inconvenientes dos postos de trabalho de pé, principalmente porque aumenta a superfície de apoio. Mas, mesmo esta posição de trabalho tem os seus inconvenientes.

porque aumenta a superfície de apoio. Mas, mesmo esta posição de trabalho tem os seus inconvenientes
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Proteção coletiva e proteção individual:

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Proteção coletiva e proteção individual:

Proteção coletiva:

EPC: Equipamento de proteção coletiva:

Designam as medidas, métodos e tecnologias que visam a proteção do conjunto de trabalhadores, afastando-os do risco ou interpondo barreiras entre estes e o risco. Poderão integrar medidas supra e infracitadas e têm primazia sobre as medidas de

proteção individual, uma vez que visam beneficiar todos os colaboradores indiferenciadamente para que os equipamentos de proteção coletiva (EPC’s) sejam eficazes na sua ação devem ser mantidos nas condições que os especialistas em segurança estabeleceram, devendo ser reparados sempre que apresentarem qualquer deficiência. A hierarquização do estudo, desenvolvimento e implementação das medidas de proteção coletiva é a seguinte:

1. Aplicar medidas que eliminem ou reduzam a utilização ou formação de agentes

prejudiciais à saúde;

2. Aplicar medidas que previnam a libertação ou disseminação dos agentes contaminantes no ambiente de trabalho;

3. Aplicar medidas que reduzam os níveis de concentração desses agentes no ambiente

de trabalho. A implementação dos EPC’s deve ser acompanhada da formação dos trabalhadores quanto aos procedimentos que assegurem a sua eficiência e de informação sobre as eventuais limitações da proteção. Por serem medidas que não implicam a participação do colaborador na sua implementação e por não suporem mal-estar físico durante a execução da tarefa, acabam

por ser geralmente, mais eficazes do que as medidas de proteção individual. Como exemplos de medidas de proteção coletiva tem-se, entre outros: corrimões, comando bi-manual, andaimes, guarda-corpos, resguardos, bailéus, redes de segurança, tapumes e a sua escolha prende-se com o tipo de risco a prevenir/controlar.

Corrimões: são fabricados com materiais rígidos e resistentes e têm uma altura mínima de 90 cm.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho  Comando bi-manual : para

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Comando bi-manual: para uma determinada operação, em vez de uma só botoneira existem duas que devem ser pressionadas em simultâneo. Isto obriga a que o trabalhador mantenha as duas mãos ocupadas evitando cortes e esmagamentos (e.g., guilhotinas, prensas).

Andaimes: os andaimes metálicos (figura 7) são constituídos por tubos metálicos de diversas secções transversais e acessórios de ligação adequados ou por elementos pré-fabricados que formam estruturas do tipo pórtico. Na sua seleção e montagem deve ter-se em conta:

A queda de trabalhadores causada pela ausência ou não utilização dos meios de acesso, ausência ou ineficácia das guardas de segurança, plataformas de largura insuficiente…;

Eventual derrube do andaime causado pela ineficácia das amarrações à construção, abatimento das bases, sobrecargas excessivas, materiais em mau estado, insuficiência de travessas e de diagonais de contravento,…;

Sistema de exaustão que elimina gases, vapores ou poeiras contaminantes do local de trabalho;

Enclausuramento de máquina ruidosa para livrar o ambiente do ruído excessivo;

Cabo de segurança para conter equipamentos suspensos sujeitos a esforços, caso venham a se desprender.

Este tipo de equipamento deverá ter sempre supremacia sobre os individuais e são utilizados para combater diretamente os riscos, procurando eliminá-lo ou minimizá-lo. Isolam partes de máquinas, instalações, equipamentos elétricos, etc…

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Equipamento de proteção individual: Todo

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Equipamento de proteção individual:

Todo o equipamento, bem como qualquer complemento ou acessório, destinado a ser

utilizado pelo trabalhador para se proteger dos riscos, para a sua segurança e para a sua saúde (D.L n, º348/93 de 1 de outubro).

Proteção dos olhos:

Projeção de partículas;

Salpicos de produtos químicos;

Salpicos de produtos de temperaturas extremas;

Projeção de limalhas, fibras, resíduos;

Poeiras e vapores…

de limalhas, fibras, resíduos;  Poeiras e vapores…  Proteção das mãos e dos pés: 

Proteção das mãos e dos pés:

Temperaturas extremas;

Compostos químicos;

Arestas vivas / cortantes;

Atrito / abrasão;

Queda de materiais;

Impacto;

Isolamento elétrico.

Proteção das vias respiratórias:

Poeiras / partículas em suspensão;

Gases, Fumos e Vapores.

Não protegem contra:

Oxigénio deficiente;

Temperaturas extremas.

 Gases, Fumos e Vapores.  Não protegem contra:  Oxigénio deficiente;  Temperaturas extremas. 52
 Gases, Fumos e Vapores.  Não protegem contra:  Oxigénio deficiente;  Temperaturas extremas. 52
 Proteção auricular: Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho O Ruído

Proteção auricular:

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

O Ruído torna-se extremamente perigoso quando ultrapassa os 85 dB (A) durante um período ininterrupto de 8 horas de trabalho. Nestes casos, devem ser utilizados protetores auriculares, que poderão ser de esponja

(internos), de casco (exteriores) ou combinação de ambos;

(internos), de casco (exteriores) ou combinação de ambos;  Proteção do rosto, cabeça, corpo: Viseiras,

Proteção do rosto, cabeça, corpo:

Viseiras, capacetes, fatos químicos (overall), aventais, Perneiras, (exemplo soldadura), cinto anti quedas, tapete isolante, Aparelho Respiração Autónoma (A.R.A.), etc.

isolante, Aparelho Respiração Autónoma (A.R.A.), etc.  Faixas refletoras: Tem como finalidade sinalizar o

Faixas refletoras:

Tem como finalidade sinalizar o trabalhador em locais mal iluminados ou onde existe o risco de colisão ou de atropelamento. Estas faixas deverão ser colocadas nas mangas, nas costas ou nas pernas consoante os lugares e atividades a desenvolver.

Os EPI devem ter, obrigatoriamente:

Marcação CE;

Declaração de conformidade;

Manual de Instruções;

Exame CE de tipo (alguns).

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho A utilização de EPI nunca

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

A utilização de EPI nunca deverá:

Prejudicar o desenvolvimento e aplicação de outras medidas de segurança;

Ser utilizado sem antes ter esgotado todas as possibilidades de eliminar o risco através da utilização de EPC, métodos ou processos de organização do trabalho.

“UMA VEZ QUE”

“As proteções pessoais não eliminam os riscos APENAS servem para minimizar as consequências.”

Os Eis não evitam os acidentes, como acontece de forma eficaz com a proteção coletiva. Apenas diminuem ou evitam lesões que podem decorrer de acidentes.

Os Eis deverão:

Estar conforme com as normas aplicáveis;

Ser adequados aos riscos a prevenir e às condições existentes no local de trabalho, sem implicar por si próprio um aumento de risco;

Atender às exigências ergonómicas e de saúde do trabalhador;

Ser cómodos, leves e adaptáveis - adequado ao trabalhador;

Em caso de uso simultâneo, devem ser compatíveis entre si e manter a sua eficácia;

Ser de uso pessoal (por razões de higiene);

Ser alvos de manutenção e verificação periódica.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho MOVIMENTAÇÃO MANUAL DE CARGAS A

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

MOVIMENTAÇÃO MANUAL DE CARGAS

A movimentação manual de cargas constitui causa de muitos acidentes graves em

diversas atividade, como sejam a armazenagem, transporte ou assemblagem de equipamentos, consequência de movimentos incorretos ou de esforços físicos exagerados,

de grandes distâncias de elevação, do abaixamento e transporte, bem como de períodos

insuficientes de repouso. O facto de um grande número de acidentes serem devidos a problemas da coluna vertebral, resulta desta parte do corpo ser a mais afetada por traumatismos consecutivos, originados na deficiente utilização do dorso. Qualquer que

seja a tarefa a executar, o trabalhador utiliza o seu corpo de diversas maneiras, tendo necessidade de o utilizar racionalmente, de acordo com os princípios biomecânicos de segurança.

A Diretiva 90/269/CEE estabelece as prescrições mínimas de segurança e de saúde

respeitantes à movimentação manual de cargas que comportem riscos, nomeadamente dorso-lombares, para os trabalhadores. Foi transcrita para o direito português, através do DL 330/93 de 25 de Setembro.

A “movimentação manual de cargas” pode ser definida como sendo: qualquer operação de

transporte ou sustentação de uma carga que, devido às suas características ou a condições ergonómicas desfavoráveis, comporte riscos para a segurança e saúde dos trabalhadores.

A movimentação manual de cargas está intrinsecamente associada a todos os sectores de atividade

(desde as PME às grandes empresas) no entanto, há alguns onde assume um papel de destaque,

como por exemplo: armazenamento, metalomecânica, indústria têxtil, construção civil, etc.

A movimentação manual de cargas pressupõe a utilização do corpo do trabalhador como próprio

“instrumento” de trabalho.

A movimentação manual de cargas é uma atividade suscetível de envolver vários riscos não só

adjacentes ao trabalho físico desenvolvido pelo trabalhador para movimentar as cargas, mas também relacionados com a própria composição dessas mesmas cargas muitas vezes constituídas por diversificados materiais, nem sempre completamente inócuos. Em termos biomecânicos, no processo de movimentação de cargas, os pesos dos segmentos corporais juntamente com a carga transportada correspondem à resistência e a força muscular exercida para realizar o trabalho corresponde à força de potência. Os trabalhos de transporte manual impõem a existência de uma carga estática a diversos músculos das goteiras verticais.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Consequências para a segurança e

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Consequências para a segurança e saúde, resultantes do desrespeito pelos princípios ergonómicos na movimentação manual de cargas

Cerca de 25% de todas as lesões que ocorrem na indústria estão diretamente relacionadas com o levantamento, transporte e deslocação de materiais.

Dores nas costas, hérnias, lesões nos pés e mãos são consequências normais dos levantamentos que estão para além da capacidade física dos trabalhadores ou ainda da aplicação de métodos de trabalho impróprios.

Podem surgir ainda os seguintes problemas ou complicações:

Aumento do número de acidentes e incidentes;

Aumento do absentismo;

Elevada incidência de traumatismos músculo-esqueléticos;

Aparecimento de patologias, nomeadamente:

Hérnias discais uma hérnia discal consiste numa rutura parcial do disco intervertebral (a substância mole do seu interior escapa-se através de uma área débil da camada exterior, que é dura), para fora do espaço entre as vértebras, podendo assim exercer um efeito de compressão sobre as raízes nervosas adjacentes, provocando dor.

Geralmente, as hérnias discais surgem na zona inferior das costas (coluna lombar) e costumam afetar somente uma perna. As hérnias discais na zona lombar costumam também provocar debilidade nas pernas e, por isso, a pessoa pode ter muita dificuldade em levantar a parte anterior do pé (pé pendente). Uma hérnia discal de grande dimensão localizada no centro da coluna costuma afetar os nervos que controlam a função intestinal e da bexiga urinária, alterando a capacidade de defecar ou de urinar.

Lumbagos - situação dolorosa da região lombar ocorrida após um esforço brusco. É muitas vezes considerada como a consequência do deslocamento do núcleo do disco intervertebral. Trata-se do segundo estádio de gravidade: à lombalgia junta-

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho se uma noção de esforço

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

se uma noção de esforço deslocante assim como uma noção de blocagem lombar, desencadeando uma atitude anti-dor (geralmente uma inclinação para a frente).

Ciática regra geral, a dor ciática é caracterizada pelo facto de ser muito intensa. Está situada ao longo do trajeto do nervo ciático e suas ramificações. Encontra-se portanto, por trás da coxa, depois atrás da rótula ou sobre o seu lado externo. A sua origem está na agressão do nervo ciático, geralmente por uma hérnia do disco intervertebral, quer entre a 4ª e a 5ª vértebra lombares, quer entre a 5ª lombar e a 1ª vértebra sagrada.

Distração e fadiga que podem desencadear vários erros. Isto acontece especialmente quando para além da incumbência de movimentação manual de cargas os trabalhadores também são solicitados para realizarem operações de comando de máquinas;

Regras de boas práticas

Quando numa empresa existe um ou mais trabalhadores responsáveis pela movimentação manual de cargas, é necessário tomar algumas medidas, no intuito de salvaguardar a segurança e saúde dos trabalhadores.

Assim sendo, é necessário ter em consideração os seguintes pontos:

a) Características e tipo de carga que é necessário movimentar / transportar:

Constituição da carga (material, forma, volume, etc.);

Localização da carga no contexto do espaço de trabalho;

Intensidade (peso da carga).

b) Esforço físico exigido na tarefa:

Intensidade das forças que é necessário exercer para vencer a resistência que a carga oferece;

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho  Tipo de músculos e

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Tipo de músculos e órgãos envolvidos na manipulação da carga;

Frequência do número de elevações e outros movimentos efetuados.

c) Condições físicas dos trabalhadores:

Sexo;

Idade;

Capacidade e condição física no momento;

Outras características individuais.

d) Exigências específicas de cada atividade em particular:

Condições ambientais do local / espaço de trabalho onde é efetuada a movimentação das cargas;

Duração e frequência dos ciclos de trabalho;

Percurso e deslocamentos que os trabalhadores têm de percorrer.

Exemplos de procedimentos desadequados

Como já foi referido, a movimentação manual de cargas pode acarretar uma série de riscos e patologias para os trabalhadores, caso as condições de trabalho não sejam as mais indicadas. Para que se possa compreender melhor, as situações de perigo e risco associadas à movimentação manual de cargas, apresentam-se a seguir, alguns exemplos de más práticas:

Carga mal equilibrada ou com conteúdo sujeito a oscilações;

Carga mal posicionada, de tal modo que tenha que ser mantida ou manipulada a grande distância do tronco ou com flexão / torção do tronco;

Carga suscetível, devido ao seu aspeto exterior e/ou à sua consistência, de provocar lesões no trabalhador, nomeadamente em caso de choque ou balanceamento;

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho  Carga demasiado pesada ou

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Carga demasiado pesada ou demasiado volumosa;

Carga muito pesada (inadequada às características fisiológicas do trabalhador) ou difícil de agarrar;

Inexistência de espaço suficiente para o trabalhador se movimentar juntamente com a carga;

Movimentação da carga a alturas inapropriadas ou adotando posturas incorretas;

Pavimento degradado com desníveis;

Movimentação de cargas a diversos níveis (ex. ter que transportar cargas entre diferentes pisos);

Pontos de apoio instáveis ex.: existência de tapetes ou carpetes não fixadas ao chão;

Condições ambientais desfavoráveis (temperatura, humidade, velocidade do ar);

Utilização de calçado inapropriado ex.: calçado com saltos altos;

Realização

de

esforços

que

solicitem,

demasiadamente prolongados;

a

coluna

vertebral

por

períodos

Tempo insuficiente de descanso fisiológico ou de recuperação quando se realizam tarefas que implicam esforços mais pesados;

Necessidade de movimentos de abaixamento ou elevação das cargas demasiado grandes;

Ritmos de trabalho excessivo sem possibilidade de os trabalhadores efetuarem pequenas pausas.

Caso alguma destas regras de más práticas seja identificada, convém que seja alvo de correção imediata. A sua continuidade ao longo do tempo pode provocar sérias lesões nos trabalhadores atingidos, ou ainda, determinados tipos de acidentes ou incidentes.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho A correção das referidas não

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

A correção das referidas não conformidades deve pautar-se pela correta aplicação dos vários princípios ergonómicos a fim de otimizar a compatibilidade entre o homem, as máquinas e o ambiente físico de trabalho. Isto conseguir-se-á através do equilíbrio entre as exigências das tarefas, das máquinas e as características anatómicas, fisiológicas, cognitivas e percepto-motoras do homem.

“É necessário ter sempre em conta que se deve tentar sempre proceder à adequação do trabalho ao Homem e não do Homem ao Trabalho.”

O conhecimento dos fatores de risco é importante, visando a prevenção das lombalgias.

A seguir, serão referidos alguns fatores intrinsecamente relacionados com os trabalhadores que é necessário ter em consideração, uma vez que podem limitar ou mesmo impedir a realização de trabalho movimentação manual de cargas:

Altura superior a 1,80 m no homem, e 1,70 m na mulher;

Obesidade;

Gravidez;

Alterações da estática da coluna, nomeadamente as escolioses, as hipercifoses dorsais e as hiperlordoses lombares. A hipercifose e a hiperlordose são exageros das curvas normais da coluna vertebral. As escolioses são desvios laterais da coluna, e nem sempre são patológicas.

Malformações da coluna vertebral;

Traumatismos diverso;

Trabalhos com máquinas ou utilização de ferramentas suscetíveis de provocar elevados níveis de vibrações;

Desportos violentos ou atividades radicais.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Recomendações a adotar na movimentação

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Recomendações a adotar na movimentação manual de cargas

Evitar manuseamento de cargas não adequadas em termos de volume ou peso de acordo o NIOSH (não superior a 23 Kg);

Conceber embalagens com formas e tamanhos apropriados ao tipo de objeto a manusear;

Procurar adaptar pegas ergonómicas na carga manuseada para facilitar o levantamento e transporte;

Usar técnicas adequadas em função do tipo e especificidade da carga evitar a utilização do tronco como alavanca, mantendo-o na posição vertical e procurar utilizar os membros inferiores como alavanca;

Sempre que possível, colocar as cargas em planos elevados relativamente ao solo (antes de proceder à elevação);

Evitar ao máximo “dobrar” a coluna; esta deve servir como suporte;

Aquando da movimentação e levantamento/abaixamento de cargas, o trabalhador deve evitar rir, tossir, falar ou efetuar outros movimentos bruscos;

Os movimentos de torção do tronco em torno do corpo devem ser sempre evitados;

As cargas transportadas devem ser suportadas pela coluna e membros inferiores, sendo a coluna apenas elemento estático de transmissão e nunca de articulação;

Suspender cargas iguais em cada uma das mãos (quando possível);

Ter em consideração os pesos a suspender, conforme a idade, constituição física e sexo do trabalhador;

Promover o exercício físico e o reforço muscular dos músculos que participam mais ativa na movimentação de cargas;

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho  A movimentação de cargas

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

A movimentação de cargas deve ser efetuada, em zonas, em que o pavimento se encontre devidamente nivelado e desobstruído de obstáculos, entulho, cabos e fios condutores de eletricidade.

Sempre que tecnicamente possível, utilizar meios auxiliares de elevação e transporte para movimentar as cargas;

As cargas a transportar devem estar devidamente acondicionadas e simetricamente distribuídas de modo a evitar oscilações e sobre esforços;

Se possível, proceder à deslocação das cargas por rolamento, ex. deslocação de barris de cerveja ou bidões;

Os braços devem estar posicionados junto ao corpo de uma forma descontraída;

Quando o tipo de trabalho implica movimentos muito repetitivos ou monótonos, deve- se procurar efetuar pequenas pausas acompanhadas de alguns exercícios, de forma a desentorpecer os músculos e articulações e melhorar a circulação.

É importante relembrar que apesar de todas estas recomendações, será necessário ter sempre em consideração que o desempenho de todos trabalhadores, vai depender diretamente da sua aptidão física e psíquica paralelamente à qualidade da formação que lhes é ministrada.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 63
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 63
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 63
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 63
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 63
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 63

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 63
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 63
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 63
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 63
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 63
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Postos de trabalho com ecrãs

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Postos de trabalho com ecrãs

Os postos de trabalho com ecrãs ou monitores são, nos dias de hoje, muito numerosos. Os equipamentos informáticos que são concebidos com preocupações ergonómicas, deveriam reduzir as doenças profissionais e o absentismo com elas relacionadas, aumentando, assim, a produtividade. Posto isto, os dispositivos de um posto de trabalho

Posto isto, os dispositivos de um posto de trabalho informatizado, monitores, teclados e outros, têm sido

informatizado, monitores, teclados e outros, têm sido alvo de aperfeiçoamento ergonómico. As duas primeiras advêm de posturas incorretas e prolongadas, daí que deve ser dada especial atenção à posição correta do corpo e à cadeira usada pelo trabalhador. Uma postura contínua e semelhante do corpo leva a perturbações estáticas dos músculos, logo, a uma má circulação sanguínea, resultando em fadiga e contrações musculares, daí que seja aconselhável modificar a posição com frequência.

resultando em fadiga e contrações musculares, daí que seja aconselhável modificar a posição com frequência .
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 65

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

65
65
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 65
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 65
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho P osturas do Trabalho: As

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Posturas do Trabalho: As curvaturas naturais da coluna devem ser “respeitadas” durante a execução do trabalho. Posturas anómalas ou movimentos bruscos podem lesar os discos intervertebrais, as articulações intervertebrais, os ligamentos ou nervos, provocando dor ou outras perturbações. Recomendações:

Evite longos períodos sentado, levantando-se e andando de vez em quando;

Ao sentar-se, apoie o tronco no encosto da cadeira, de modo que o ângulo tronco- coxas seja de aproximadamente 100 graus. Assim, você mantém a postura correta das costas e diminui a pressão sobre a coluna vertebral;

Uma cadeira de bom padrão ergonómico deve ser robusta, ajustável na altura e encosto, ter trava para que fique firme, possuir encosto envolvente que acompanhe a curvatura das costas, ter espuma com densidade adequada para distribuir o peso e ter borda anterior do assento arredondada;

Os pés devem estar sempre apoiados no chão ou em um suporte especial.

RISCOS ERGONÓMICOS

A ergonomia ou engenharia humana é uma ciência relativamente recente que estuda as relações entre o homem e seu ambiente de trabalho e definida pela Organização Internacional do Trabalho - OIT como "A aplicação das ciências biológicas humanas em conjunto com os recursos e técnicas da engenharia para alcançar o ajustamento mútuo, ideal entre o homem e o seu trabalho, e cujos resultados se medem em termos de eficiência humana e bem-estar no trabalho". Os riscos ergonómicos são os fatores que podem afetar a integridade física ou mental do trabalhador, proporcionando-lhe desconforto ou doença. São considerados riscos ergonômicos:

Esforço físico;

Levantamento de pesos;

Postura inadequadas;

Controlo rígido de produtividade;

Situações de stress geradas pelo ambiente de trabalho;

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho  Trabalhos em período noturno;

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Trabalhos em período noturno;

Jornadas de trabalho prolongadas;

Monotonia e repetitividade;

Imposição de rotinas intensas.

Os riscos ergonómicos podem gerar distúrbios psicológicos e fisiológicos e provocar sérios danos à saúde do trabalhador porque produzem alterações no organismo e estado emocional, comprometendo sua produtividade, saúde e segurança, tais como: LER (Lesões por Esforço Repetitivo) e as DORT (Distúrbios Osteomuscular Relacionado ao Trabalho), cansaço físico, dores musculares, hipertensão arterial, alteração do sono, diabetes, doenças nervosas, taquicardia, doenças do aparelho digestivo (gastrite e úlcera), tensão, ansiedade, problemas de coluna, etc. Para evitar que estes riscos comprometam as atividades e a saúde do trabalhador, é necessário um ajuste entre as condições de trabalho e o homem sob os aspetos de praticidade, conforto físico e psíquico por meio de: melhoria no processo de trabalho, melhores condições no local de trabalho, modernização de máquinas e equipamentos, melhoria no relacionamento entre as pessoas, alteração no ritmo de trabalho, ferramentas adequadas, postura adequada, entre outros.

Principais fatores de risco ergonómico

Podemos dizer que os principais fatores de risco relacionados com as Lesões Músculo Esqueléticas (LME´S) são:

Relacionados com as atividades de trabalho;

Individuais (Sexo, Idade, Obesidade, Patologias na coluna);

Organizacionais/Psicossociais (Organização dos postos de trabalho e dos turnos de trabalho, Iluminação. Máquinas e ferramentas de trabalho/ Relação entre chefias-colaborador, colaborador-colaborador)

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho LMERT- Lesões Músculo Esqueléticas

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho LMERT- Lesões Músculo Esqueléticas Relacionadas ao

LMERT- Lesões Músculo Esqueléticas Relacionadas ao Trabalho

Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho LMERT- Lesões Músculo Esqueléticas Relacionadas ao Trabalho
Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Prevenção Cabe ao empregador adotar

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Prevenção Cabe ao empregador adotar as medidas
Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Prevenção Cabe ao empregador adotar as medidas

Prevenção Cabe ao empregador adotar as medidas organizacionais, construtivas e de engenharia para minimizar ou evitar os riscos ergonómicos nos locais de trabalho. O trabalhador também tem um papel importante na minimização destes riscos. Ao utilizar os equipamentos mecânicos, ou pedindo ajuda a um colega para dividir a carga, evita esforços desnecessários.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 70

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho 70
Bibliografia Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho FREITAS, L., Gestão da

Bibliografia

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

FREITAS, L., Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho, (Volumes 1 e 2). Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias/IDICT, Lisboa, 2003.

LADOU, J., Current Occupational &Environmental Medicine. Lange, 3rd edition, McGraw Hill, New York, 2004. MIGUEL, A., Manual de Higiene e Segurança da Trabalho. Porto Editora, 3ª Edição, 1995. Norma Portuguesa nº 4397; Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do trabalho. 2008, Lisboa:

21p.

NUNES, F., Segurança e Higiene do Trabalho. Manual Técnico, Edições Gustave Eiffel, Amadora, 2006. OMS (2007) - Plano global de acção sobre Saúde dos Trabalhadores 2008-2017, Sexagésima Assembleia Mundial de Saúde. Geneva: OIT. PITÊ-MADEIRA, C., Manual de Higiene e Segurança do Laboratório de Saúde Pública, Região de Saúde de Setúbal. Trabalho final do Curso de Pós-graduação em Segurança e Higiene no Trabalho, 2006. PORTUGAL. Autoridade para as Condições de Trabalho. Resolução do Conselho de Ministros n.º 59/2008 de 12 de Março - Estratégia Nacional para a Segurança e Saúde no Trabalho. Lisboa: Ministério do Trabalho e Segurança Social, 2008. SOUSA UVA, A., Diagnóstico e gestão do risco em saúde ocupacional. Estudos/Segurança e Saúde no Trabalho, nº 17, ISHST, 2006.

SOUSA, J., Riscos dos agentes biológicos: manual de prevenção. Lisboa - 2ª Edição, IDICT, Lisboa, 2001.

Associação Empresarial Portuguesa (2008).Manual de Boas Práticas - Indústria Têxtil e do Vestuário - Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho. AEP Porto

Autoridade para as Condições do Trabalho (2010). Riscos emergentes e novas formas de prevenção num mundo de trabalho em mudança ACT Lisboa

BOIX, Pierre e VOGEL, Laurent; L’Evaluation des Risques sur le Lieux de Travail - Guide pour une Intervention Syndicale; Bureau Technique Syndical (BTS), Bruxelas, 1999

Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses - Intersindical (2009). A avaliação dos riscos no local de trabalho. Guia para uma intervenção sindical. CGTP-IN. Lisboa

Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses - Intersindical (s/d).Guia de Participação Consciente para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho. CGTP- IN. Lisboa

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Decreto Regulamentar nº 76/2007 de

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Decreto Regulamentar nº 76/2007 de 17 de Junho. Diário da República nº 136 - I Série. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social. Lisboa.

European Agency for Safety and Health at Work.(s/d).E-Facts nº 30 - A segurança e a saúde no Sector Têxtil. OSHA. Bruxelas

European Agency for Safety and Health at Work.(2008).Facts nº 81 Avaliação de Riscos: a chave para locais de trabalho seguros e saudáveis. OSHA. Bruxelas

European Agency for Safety and Health at Work.(2001).Facts nº 20 Como reduzir os acidentes no local de trabalho. OSHA. Bruxelas

European Agency for Safety and Health at Work.(2002).Facts nº 28 Como reduzir os acidentes no local de trabalho. OSHA. Bruxelas

European

Commission.(1996).Guidance

EC.Luxemburgo

on

Risk

assessment

at

work.

European Agency for Safety and Health at Work.(s/d).E-Facts nº 42 - Lista de controlo para a prevenção de lesões dos membros inferiores. OSHA. Bruxelas

European Agency for Safety and Health at Work.(s/d).E-Facts nº 45 - Lista de verificação para a prevenção de más posturas de trabalho. OSHA. Bruxelas

Inspecção Geral do Trabalho (2005). Aspectos Essenciais da Disciplina Legal da segurança e Saúde do Trabalho. IGT. Lisboa

Instituto de Desenvolvimento e Inspecção das Condições de Trabalho (2002). Algodoeira:

manual de prevenção dos riscos profissionais. IDICT. Porto

Instituto de Desenvolvimento e Inspecção das Condições de Trabalho (2001). Sector do Calçado: manual de prevenção. IDICT. Lisboa

Instituto de Desenvolvimento e Inspecção das Condições de Trabalho (2002). Vestuário:

manual de prevenção dos riscos profissionais. IDICT. Porto

Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo (s/d).Evaluación de Riesgos Laborales. INSHT.

Lei nº 7/2009 de 12 de Fevereiro. Diário da República nº 30 - I Série. Assembleia da República. Lisboa.

Lei nº 98/2009 de 4 de Setembro. Diário da República nº 172 - I Série. Assembleia da República. Lisboa.

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho Lei nº 102/2009 de 10

Desenvolvimento Pessoal e social, 6669 Higiene e prevenção no trabalho

Lei nº 102/2009 de 10 de Setembro. Diário da República nº 176 - I Série. Assembleia da República. Lisboa.

Organização Internacional do Trabalho (2007).Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Tornar o trabalho digno uma realidade. OIT. Lisboa

Organização Internacional do Trabalho (2005).Prevenção, uma estratégia global. OIT. Lisboa

Portaria nº 455/201 de 5 de Maio. Diário da República nº 104 - I Série-B. Ministé- rio do Trabalho e da Solidariedade Social. Lisboa.

Resolução do Parlamento Europeu sobre a promoção da saúde e segurança no local de trabalho 2004/2205 (INI) de 24 de Fevereiro. Jornal Oficial da União Europeia C 304 E/400. Parlamento Europeu. Bruxelas.