Você está na página 1de 4

ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS

CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS


COMPONENTE CURRICULAR: QUÍMICA ANALÍTICA I
ANO/SEMESTRE: 2018/01
ACADÊMICOS: ANA CAROLINA VIVAN, ANA MARIA E LAIZ MAZZON

PADRÃO PRIMÁRIO E SECUNDÁRIO

Solução padrão:

É uma solução de concentração conhecida, indispensável para realizar análises


volumétricas. É a solução que será usada para comparação das concentrações. A
concentração deve ser conhecida com grande exatidão. A exatidão da solução padrão
limita a exatidão do método analítico. Uma solução padrão pode ser obtida de duas
maneiras:

 Pelo uso de um padrão primário como soluto;


 Pela padronização de uma solução de concentração aproximadamente conhecida
(padrão secundário).

Padrão primário:

Definição: É composto com alto grau de pureza que serve como referência na titulação.

O padrão primário descreve um reagente puro o suficiente para ser usado


diretamente, isto é, o reagente é pesado com a maior precisão possível e dissolvido em
água destilada ou deionizada, sendo a diluição realizada a um volume definido em balão
volumétrico. Um composto que apresenta alto grau de pureza e serve como referência na
titulação. A precisão do método depende das propriedades deste composto.
Padrões primários são reagentes que preenchem todos os requisitos dos reagentes
analíticos além de conter uma quantidade conhecida sendo aproximadamente 100% da
substância principal. São frequentemente preparados e purificados por métodos especiais.
De acordo com diversas fontes, os padrões de referência primários são padrões
que encaixam na seguinte definição (em sua totalidade ou em algumas exceções,
parcialmente).
Requisitos para um padrão primário:

1. As substâncias devem ser de fácil obtenção, purificação, dessecação, conservação


e estável;
2. As impurezas devem ser facilmente identificáveis em ensaios qualitativos
conhecidos;
3. O teor de impurezas não deve ser superior a 0,01 – 0,02% (em alguns casos
0,04%);
4. A substância não deve ser higroscópica ou eflorescente;
5. A substância deve possuir elevado Kps, de modo a formar uma solução perfeita;
6. A substância deve possuir elevado peso molecular;
7. A substância deve ser sólida;
8. Baixo custo;
9. Rigoroso e preciso processo analítico validado, documentado e assegurado.

Exemplos: Oxalato de sódio (99,95 %), Ácido benzóico (99,985), Biftalato de potássio
(99,99 %); e Dicromato de potásssio (99,98 %).

Exemplo de padrões de referência farmacopéicos e primários:


 Padrões de Referência USP
 Padrões de Referência da Farmacopeia Brasileira (FB)
 Padrões de Referência da Farmacopeia Britânica (BP)
 Padrões de Referência da Farmacopeia Europeia (EP) – Padrões EDQM
 Padrões de Referência da Farmacopeia Japonesa (JP)
Exemplos de padrões de referência primário e não pertencentes a farmacopéias:
 Padrões TRC
 Padrões Clearsynth
 Padrões LGC
 Padrões TLC
 Padrões PGS
 Padrões Chromadex

O número de padrões primários é muito restrito e frequentemente tem se recorrer


aos padrões secundários. A concentração exata dessas soluções é determinada por
comparação com soluções de padrões primários, via titulação. Essa operação é
denominada padronização. Por isso, essas soluções podem ser preparadas sem muito rigor
com o uso de béqueres, provetas e balanças semi-analíticas.

Padrão secundário:

Definição: É um composto cuja pureza pode ser estabelecida por análise química e que
serve como referência na titulação.

São substâncias que tem sua concentração determinada por análise química e
também são utilizadas como referência em análises volumétricas. Quando não há
disponível um padrão primário, usa-se uma solução de um reagente (padrão secundário)
com concentração aproximada da desejada para titular uma massa conhecida de um
padrão primário.

Padronização é a titulação realizada para determinar a concentração do titulante a


ser utilizado para uma análise. Após a padronização, a solução preparada com o padrão
secundário é denominada solução padrão. Os padrões de referência secundários são
geralmente produzidos em laboratórios não certificados e padronizados com o auxílio dos
padrões primários, geralmente possuem:

1. Metodologia básica de análise;


2. Estudo de estabilidade;
3. Não demandam de rigoroso processo de produção e controle.

Exemplos: Nitrato de prata, Hidróxido de sódio, EDTA e Permanganato de potássio.


Referências:

[1] MATOS, Maria Auxiliadora Costa. INTRODUÇÃO A VOLUMETRIA: Juiz de


Fora, 2012. 29 slides, color, 25x20 cm. Disponível em:
<http://www.ufjf.br/nupis/files/2012/03/aula-3-Quimica-Analitica-IV-Curso-Farmácia-
2012.11.pdf>. Acesso em: 23 mar. 2018.

[2] CMS INSTRUMENTOS ANALÍTICOS (Cosmópolis). Cms Instrumentos Análiticos


(Comp.). Padrões de Refêrencia: Padrões Primários e Secundários. 2015. Disponível
em: <https://cmscientifica.com.br/padroes-de-referencia-padroes-primarios-e-
secundarios/>. Acesso em: 23 mar. 2018.