Você está na página 1de 3

SEMIOLOGIA NEUROLÓGICA – DR.

LÍVIA GITAÍ – 11-11-17 – HEPR


Década de 90 – revolução na imaginologia com foco na neurologia.
Paresia = diminuição de força muscular
Córtex – área motora primária  substância branca  cápsula interna  tronco encefálico  cruzamento
 medula espinal  sinapse com motoneurônio secundário  musculo efetor.
ANAMNESE
Dor – cefaleia é um dos sintomas mais frequentes vistos na prática clínica
 Prevalência em um ano – 50%
 Cefaleia crônica – 30%
Crise epilépticas
 Prevalência - 10%
 Epilepsia 1-2%= recorrência das crises epilépticas
 Todo déficit de surgimento súbito leva a pensar em trauma ou acidentes vasculares
Roteiro do Exame Físico Neurológico
 Consciência
o Nível
o Conteúdo
 Fácies
 Marcha
 Equilíbrio estático
 Coordenação
 Exame dos pares cranianos
 Força muscular
 Tônus muscular
 Reflexos tendinosos superficiais e profundos
 Trofismo muscular
 Sensibilidade superficial e profunda
 Sinais meníngeos
Disfunção do Sistema Nervoso
 Funções mentais superiores – cognitivas, afetivas, linguagem, pensamento abstrato, memória
 Motoras
 Sensitivas
 Autonômicas
Etapas necessárias
Há? / Qual é a disfunção do sistema nervoso?  diagnóstico sindrômico
Onde está a lesão?  diagnóstico topográfico
Qual a causa da lesão?  diagnóstico etiológico
Caso Clínico
Ângela, 34 anos, negra, casada, fundamental incompleto, dona de casa, natura e procedente de Rio Largo.
Refere dificuldade para andar, progressiva há 3 anos, constatada ao exame físico.
Diagnóstico: Paresia - força muscular grau IV. Hipertonia elástica ou aplástica da musculatura adutora de
MMII  Marcha “em tesoura”; Reflexo patelar policinético e com aumento da área reflexógena =
Hiperreflexia (grau IV); Clônus inesgotável bilateral; Reflexo cutâneo-plantar presente com Sinal de
Babinski
 Explicação: Tônus e reflexo são responsabilidade do neurônio motor inferior, que está sem a modulação
do neurônio motor superior
 Diagnóstico sindrômico  Trato córtico-espinal acometido = Síndrome Piramidal
 Diagnóstico topográfico  Medula espinal
 Diagnóstico etiológico  Mielopatia associada ao HTLV
OBS.: O reflexo cutâneo-plantar em extensão até os 2 anos é normal.
Paraparesia (só em membros inferiores) e tetraparesia - medula espinal
Hemiparesia - encéfalo
Tetraparesia – cérebro bilateral, tronco, músculo.
Monoparesia – investigar
Caso clínico 2
Paulo, 48 anos, dificuldade para segurar objetos com mão direita. Exame físico: fasciculações em MS
esquerdo. Paresia, hipotonia, atrofia e hiporreflexia.
Diagnóstico sindrômico: Síndrome do neurônio motor inferior
Diagnóstico topográfico: Medula espinal
Diagnóstico etiológico: Doença neurodegenerativa
OBS.: A fasciculação é presente geralmente quando o neurônio motor é lesado em região proximal à medula

Caso clínico 3
Angelina, 48 anos, dificuldade progressiva para andar. Exame físico – déficit de força simétrica bilateral –
Levantar miopático – manobra de Gowers.
Diagnóstico sindrômico – Síndrome miopática ou Síndrome motora deficitária
Diagnóstico topográfico – cintura escapular e pelve
Diagnóstico etiológico - ???

NMS NMI MIOPATIA


Força Diminuída Diminuída Diminuída
Tônus Aumentado Diminuído Diminuído
ROT Aumentado Diminuído - (depende do grau de
paresia)
Trofismo Diminuído (tardiamente, Diminuído Diminuído
por desuso)
Outros Clônus / Sinal de Fasciculações (na lesão -
Babinski + proximal)
Caso clínico 4
Amélia, 79 anos, acordou bem, mas logo depois apresentou dificuldade para andar e para falar, no hospital
foi observada hemiparesia direita e afasia motora (é um déficit de função mental superior em que se
perde a capacidade de compreender e expressar a linguagem, falada ou escrita). Disartria –
comprometimento motor da vocalização.
Diagnóstico Sindrômico  Síndrome motora deficitária (à direita) e síndrome cortical cognitiva.
Diagnóstico Topográfico  Cérebro – no hemisfério esquerdo – devido a hemiparesia direita e
acometimento da linguagem  na imagem do cérebro – área principal da fala
Diagnóstico Etiológico  Acometimento do território do ramo superior da artéria cerebral média por AVE
OBS.: Quando a síndrome é aguda no caso do AVE  diminuição do tônus, do reflexo.

Leandro, 51 anos, há 6 anos apresenta dificuldade progressiva para caminhar. Foi solicitado a andar com um
pé na frente do outro e houve desequilíbrio.
Diagnóstico Sindrômico  Síndrome atáxica cerebelar
Diagnóstico Topográfico  Vérmis Cerebelar.
Diagnóstico Etiológico  ??