Você está na página 1de 2

Análise do filme: “A Onda” sob a ótica da “Análise do Comportamento”

Baseado em questões sugeridas pelo professor após a exibição do filme “A Onda*” aos alunos do 2º período
diurno do curso de Psicologia do CES/JF
O que o contexto significa no processo de modelagem social?

O contexto (ambiente) oferece ocasião ao indivíduo para que se comporte. As consequências dos comportamentos
produzidos pelas contingências contextuais alteram o repertório comportamental do sujeito produzindo
modelagem (aprendizagem/repetição dos comportamentos). A modelagem social está relacionada também ao
comportamento verbal, uma vez que a comunidade verbal (sociedade) reforça ou pune os comportamentos do
sujeito.

Qual seria a relação entre modelação e massificação?

Primeiramente, massificação é tornar o ensino mais abrangente. Num processo de modelagem, as aproximações
sucessivas de um reforço fazem com que o indivíduo passe a repetir o comportamento alvo, até que ele seja
estabelecido no seu repertório comportamental. Quando a massificação pretende tornar um ensino mais
abrangente, ela vem ao encontro do significado da modelagem, pois esse ensino é passado para o indivíduo e faz
com que ele haja de acordo com o estabelecido. Como no caso do filme, em que os jovens são reforçados a abrir
esse ensino para outras pessoas (massificação) e são modelados a agir de acordo com esse grupo.

Fale sobre as relações entre modelagem social e individualidade.

Cada um que dos que estavam no grupo, possuia um repertório comportamental, isso fazia parte da
individualidade de cada um. Após o processo em que o professor aplicou a modelagem social (formou um grupo,
estabeleceu regras e reforçou cada comportamento considerado por ele positivo para o grupo), os membros desse
grupo passaram a se comportar de acordo com os padrões estabelecidos e não mais com sua individualidade. Num
processo de modelagem social, o repertório comportamental do grupo é mais reforçado pela comunidade verbal
do que o repertório comportamental individual.

Fale sobre a condição reforçadora da autocracia.

Para os jovens do grupo, o professor reforçava-os a participar e cada vez mais se envolverem com tal atividade,
mas mais do que isso, "a onda" era reforçadora para cada um, pois trazia algo que eles não conseguiam ter até o
momento. Alguns se sentiam marginalizados e outros eram bem integrados na sociedade, esse grupo fez com que
todos permanecessem unidos em busca de algo em comum: estabelecerem suas próprias regras e tornar aquilo
abrangente na comunidade em que estavam inseridos.

O que o contexto autocrático tem a ver com a habilidade social?

O contexto autocrático estabelecia as regras que os membros deveriam seguir. Segundo as definições, habilidade
social é se expressar livremente, causando o mínimo de incomodo possível aos outros e a si mesmo. Os membros
do grupo "a onda" não causavam incômodos entre si, uma vez que estavam em busca do mesmo objetivo:
estabelecer suas próprias regras na sociedade e tornar isso abrangente. E podiam expressar livremente suas
indignações e eram reforçados a isso. Tanto pelo professor, quanto pelos colegas.
Por que há refratários ao processo de modelagem?

Existem refratários (aqueles que não concordam, são rebeldes ou insubmissos) ao processo de modelagem, pois
esse processo é feito através de aproximações sucessivas de reforços. Para uns, esses podem ser reforços, para
outros pode não ser. A menina que se recusou a fazer parte do grupo não era reforçada pelas mesmas regras que
reforçavam os outros sujeitos, isso fez com que ela não fosse modelada como os outros.
Como podemos entender os fanáticos no processo de modelagem?

Os "fanáticos" trazem para seu repertório comportamental esses padrões estabelecidos, isso faz com que seus
outros comportamentos sejam modificados e também passam a agir conforme o que foi modelado. Os “fanáticos”
são indivíduos que resistem á extinção do repertório comportamental adquirido após a modelagem social e
retornar ao seu antigo repertório comportamental é extremamente punitivo para eles.

Por que é tão difícil desfazer certos processos de modelagem, ou seja, extingui-los?

Quando um comportamento é modelado, ele passa a fazer parte do seu repertório, então quando precisa ser
extinto, não será apenas mais um comportamento isolado, mas fará parte do seu comportamento como um todo.
Retornar ao repertório comportamental que antecedia a modelagem social, torna-se punitivo.

Fale das relações entre violência e modelagem.

Se o comportamento violento é reforçado pela comunidade verbal, tenderá a repetir-se. No filme, os jovens foram
modelados ao contexto autocrático, então passaram a pensar e a agir conforme esse padrão. Passaram então a
serem inconformados com os padrões da sociedade e tomaram atitudes extremas para tal, como por exemplo
"pichar as paredes da cidade com o símbolo do grupo "a onda". Tornaram-se violentos e foram reforçados.

*Filme: A Onda (Die Welle). 2008. Alemanha. Dennis Gansel.