Você está na página 1de 120

LÍNGUA PORTUGUESA A INTEGRAÇÃO DA HUMANIDADE

A UNIÃO DO HOMEM
Interpretação de Textos HOMEM + HOMEM = MUNDO
A MACACADA SE UNIU (SÁTIRA)
É muito comum, entre os candidatos a um cargo público a
preocupação com a interpretação de textos. Isso acontece
CONDIÇÕES BÁSICAS PARA INTERPRETAR
porque lhes faltam informações específicas a respeito desta
tarefa constante em provas relacionadas a concursos
Fazem-se necessários:
públicos.
a) Conhecimento Histórico – literário (escolas e gêneros
Por isso, vão aqui alguns detalhes que poderão ajudar no
literários, estrutura do texto), leitura e prática;
momento de responder as questões relacionadas a textos.
b) Conhecimento gramatical, estilístico (qualidades do
TEXTO – é um conjunto de idéias organizadas e
texto) e semântico;
relacionadas entre si, formando um todo significativo capaz
OBSERVAÇÃO – na semântica (significado das palavras)
de produzir INTERAÇÃO COMUNICATIVA (capacidade de
incluem-se: homônimos e parônimos, denotação e
CODIFICAR E DECODIFICAR).
conotação, sinonímia e antonimia, polissemia, figuras de
linguagem, entre outros.
CONTEXTO – um texto é constituído por diversas frases. Em
cada uma delas, há uma certa informação que a faz ligar-se
c) Capacidade de observação e de síntese e
com a anterior e/ou com a posterior, criando condições
para a estruturação do conteúdo a ser transmitido. A essa
d) Capacidade de raciocínio.
interligação dá-se o nome de CONTEXTO. Nota-se que o
relacionamento entre as frases é tão grande, que, se uma
frase for retirada de seu contexto original e analisada
ERROS DE INTERPRETAÇÃO
separadamente, poderá ter um significado diferente
daquele inicial.
É muito comum, mais do que se imagina, a ocorrência de
erros de interpretação. Os mais freqüentes são:
INTERTEXTO - comumente, os textos apresentam
a) Extrapolação (viagem)
referências diretas ou indiretas a outros autores através de
Ocorre quando se sai do contexto, acrescentado idéias que
citações. Esse tipo de recurso denomina-se INTERTEXTO.
não estão no texto, quer por conhecimento prévio do tema
quer pela imaginação.
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO - o primeiro objetivo de uma
interpretação de um texto é a identificação de sua idéia
b) Redução
principal. A partir daí, localizam-se as idéias secundárias, ou
É o oposto da extrapolação. Dá-se atenção apenas a um
fundamentações, as argumentações, ou explicações, que
aspecto, esquecendo que um texto é um conjunto de
levem ao esclarecimento das questões apresentadas na
idéias, o que pode ser insuficiente para o total do
prova.
entendimento do tema desenvolvido.
Normalmente, numa prova, o candidato é convidado a:
c) Contradição
Não raro, o texto apresenta idéias contrárias às do
1. IDENTIFICAR – é reconhecer os elementos fundamentais
candidato, fazendo-o tirar conclusões equivocadas e,
de uma argumentação, de um processo, de uma época
conseqüentemente, errando a questão.
(neste caso, procuram-se os verbos e os advérbios, os quais
definem o tempo).
OBSERVAÇÃO - Muitos pensam que há a ótica do escritor e
a ótica do leitor. Pode ser que existam, mas numa prova de
2. COMPARAR – é descobrir as relações de semelhança ou
concurso qualquer, o que deve ser levado em consideração
de diferenças entre as situações do texto.
é o que o AUTOR DIZ e nada mais.
3. COMENTAR - é relacionar o conteúdo apresentado com
COESÃO - é o emprego de mecanismo de sintaxe que
uma realidade, opinando a respeito.
relacionam palavras, orações, frases e/ou parágrafos entre
si. Em outras palavras, a coesão dá-se quando, através de
4. RESUMIR – é concentrar as idéias centrais e/ou
um pronome relativo, uma conjunção (NEXOS), ou um
secundárias em um só parágrafo.
pronome oblíquo átono, há uma relação correta entre o
que se vai dizer e o que já foi dito.
5. PARAFRASEAR – é reescrever o texto com outras
palavras.
OBSERVAÇÃO – São muitos os erros de coesão no dia-a-dia
e, entre eles, está o mau uso do pronome relativo e do
EXEMPLO:
pronome oblíquo átono. Este depende da regência do
verbo; aquele do seu antecedente. Não se pode esquecer
TÍTULO DO TEXTO PARÁFRASES também de que os pronomes relativos têm, cada um, valor
"O HOMEM UNIDO” A INTEGRAÇÃO DO MUNDO
Câmara Municipal de São Jerônimo 1 Motorista
semântico, por isso a necessidade de adequação ao se afirma. Outras vezes, a questão está voltada à ideia geral
antecedente. do texto.
Os pronomes relativos são muito importantes na 6: Realize uma nova leitura, desta vez sublinhando as
interpretação de texto, pois seu uso incorreto traz erros de palavras desconhecidas do texto.
coesão. Assim sendo, deve-se levar em consideração que 7: Seja curioso, utilize um dicionário e encontre o
existe um pronome relativo adequado a cada circunstância, significado das palavras que você sublinhou no texto.
a saber: 8: Voltar ao texto quantas vezes precisar.
QUE (NEUTRO) - RELACIONA-SE COM QUALQUER 9: Não permitir que prevaleçam suas ideias sobre as do
ANTECEDENTE. MAS DEPENDE DAS CONDIÇÕES DA FRASE. autor.
QUAL (NEUTRO) IDEM AO ANTERIOR. 10: Partir o texto em pedaços (parágrafos ou partes) para
QUEM (PESSOA) melhor compreensão.
CUJO (POSSE) - ANTES DELE, APARECE O POSSUIDOR E 11: Centralizar cada questão ao pedaço (parágrafo, parte)
DEPOIS, O OBJETO POSSUÍDO. do texto correspondente.
COMO (MODO) 12: Cuidado com os vocábulos: destoa, não, correta,
ONDE (LUGAR) incorreta, certa, errada, falsa, verdadeira, exceto, e outras;
QUANDO (TEMPO) palavras que aparecem nas perguntas e que, às vezes,
QUANTO (MONTANTE) dificultam a entender o que se perguntou e o que se pediu.
13: Quando duas alternativas lhe parecem corretas,
EXEMPLO: procurar a mais exata ou a mais completa.
Falou tudo QUANTO queria (correto) 14: Quando o autor apenas sugerir uma ideia, procurar um
Falou tudo QUE queria (errado - antes do QUE, deveria fundamento de lógica objetiva.
aparecer o demonstrativo O ). 15: Não se deve procurar a verdade exata dentro daquela
resposta, mas a opção que melhor se enquadre no sentido
• VÍCIOS DE LINGUAGEM – há os vícios de linguagem do texto.
clássicos (BARBARISMO, SOLECISMO,CACOFONIA...); no 16: Às vezes a etimologia ou a semelhança das palavras
dia-a-dia, porém , existem expressões que são mal denuncia a resposta.
empregadas, e, por força desse hábito cometem-se erros 17: Procure estabelecer quais foram as opiniões expostas
graves como: pelo autor, definindo o tema e a mensagem.
18: O autor defende ideias e você deve percebê-las.
- “ Ele correu risco de vida “, quando a verdade o risco era 19: Os adjuntos adverbiais e os predicativos do sujeito são
de morte. importantíssimos na interpretação do texto.
- “ Senhor professor, eu lhe vi ontem “. Neste caso, o 20: Aumente seu vocabulário e sua cultura. Além da leitura
pronome correto oblíquo átono correto é O . de textos, um bom exercício para ampliar seu
- “ No bar: “ME VÊ um café”. Além do erro de posição do conhecimento léxico, é fazer palavras cruzadas.
pronome, há o mau uso 21: Faça exercícios de palavras sinônimas e antônimas.
A dificuldade na compreensão e interpretação de textos
deve-se a falta do habito da leitura. Desenvolva o habito da EXERCÍCIOS:
leitura. Estabeleça uma meta de ler, pelo menos, um livro
por mês. Leia o que você mais gosta. Veja as dicas: 01. Considere o seguinte trecho:
1: Não se assuste com o tamanho do texto. Em vez do médico do Milan, o doutor José Luiz Runco, da
2: Ler todo o texto, procurando ter uma visão geral do Seleção, é quem deverá ser o responsável pela cirurgia de
assunto principal. Crie o hábito da leitura e o gosto por ela. Cafu. Foi ele quem operou o volante Edu e o atacante
Quando passamos a gostar de algo, compreendemos Ricardo Oliveira, dois jogadores que tiveram problemas
melhor seu funcionamento. Nesse caso, as palavras semelhantes no ano passado.O termo “ele”, em destaque
tornam-se familiares a nós mesmos. Não se deixe levar pela no texto, refere-se:
falsa impressão de que ler não faz diferença. a) Ao médico do Milan.
3: Se encontrar palavras desconhecidas, não interrompa a b) A Cafu.
leitura, vá até o fim, ininterruptamente. c) Ao doutor José Luiz Runco.
4: Ler, ler bem, ler profundamente, ou seja, ler o texto pelo d) Ao volante Edu.
menos duas vezes pois a primeira impressão pode ser falsa. e) Ao atacante Ricardo Oliveira.
É preciso paciência para ler outras vezes. Antes de
responder as questões, retorne ao texto para sanar as 02. Considere o seguinte diálogo:
dúvidas. A primeira leitura deve ser do tipo informativa, I. A: Por que você está triste?
isto é, você deverá buscar as palavras mais importantes de II. B: Porque ela me deixou.
cada parágrafo que constituem as palavras-chave do texto III. A: E ela fez isso por quê?
em torno das quais as outras se organizam para dar IV. B: Não sei o porquê. Tentei acabar com as causas da
significação e produzirem sentido. Já na segunda leitura, do crise por que passávamos.
tipo interpretativa, você deverá compreender, analisar e V. A: Ah! Você se perdeu nos porquês.
sintetizar as informações do texto. Do ponto de vista gramatical, os termos sublinhados estão
5: Ler o texto com perspicácia (observando os detalhes), corretamente empregados em:
sutileza, malícia nas entrelinhas. Atenção ao que se pede. a) IV somente.
Às vezes, a interpretação está voltada a uma linha do texto b) I, III e V somente.
e por isso você deve voltar ao parágrafo para localizar o que c) II e IV somente.
Câmara Municipal de São Jerônimo 2 Motorista
d) I, II, III, IV e V. a) Existe, aonde, mal.
e) II e V somente. b) Existem, onde, mau.
c) Há, aonde, mau.
03. “Você só precisa comprar a pipoca. O DVD é grátis.” d) Há, onde, mal.
Assinale a alternativa que apresenta a forma correta para e) Há, onde, mau.
juntar os dois períodos da propaganda acima num só.
a) Você só precisa comprar a pipoca, entretanto o DVD é 08. Considere as seguintes previsões astrológicas:
grátis. I. Tanto a Lua como Vênus _______ a semana mais propícia
b) Você só precisa comprar a pipoca, já que o DVD é grátis. a negociações. (deixar)
c) Você só precisa comprar a pipoca, inclusive o DVD é II. Calma e tranqüilidade _______ em seus
grátis. relacionamentos. (ajudar)
d) Você só precisa comprar a pipoca e o DVD é grátis. III. Discussões, contratempos financeiros, problemas
e) Você só precisa comprar a pipoca, cujo DVD é grátis. sentimentais, nada o ________ nesta semana. (atrapalhar)
Assinale a alternativa em que os verbos entre parênteses
04. Das alternativas abaixo, assinale aquela que NÃO está completam o texto do horóscopo acima de acordo com a
de acordo com a norma culta. norma culta.
a) Foi ele quem comprou o carro. a) deixará, ajudará, atrapalhará.
b) Alguns de nós seremos vitoriosos. b) deixarão, ajudará, atrapalhará.
c) A maior parte das pessoas faltou ao encontro. c) deixará, ajudarão, atrapalharão.
d) Os Estados Unidos importa muitos produtos brasileiros. d) deixarão, ajudarão, atrapalharão.
e) Cada um de nós fez o que pôde. Caindo na gandaia e) deixarão, ajudarão, atrapalhará.

O ex-campeão mundial dos pesos pesados Mike Tyson se 09. Considere o seguinte anúncio de jornal:
esbaldou na noite paulistana. Em duas noites, foi ao Café No próximo dia 20/03, às 7 horas, desembarcam no
Photo e ao Bahamas, casas freqüentadas por garotas de aeroporto de Guarulhos a dupla sertaneja Antenor e
programa. Na madrugada da quinta-feira, foi barrado com Secundino, onde excursionaram pela Europa, que fizeram
seis delas no hotel onde estava hospedado, deu gorjeta de grande sucesso se divulgando a nossa música sertaneja.
US$ 100 a cada uma e foi terminar a noite na boate Love Assinale a alternativa que reescreve o texto acima de
Story. Irritado com o assédio, Tyson agrediu um cinegrafista acordo com a norma culta.
e foi levado para a delegacia. Ele vai responder por lesões a) No próximo dia 20/03, às 7 horas, desembarca no
corporais, danos materiais e exercício arbitrário das aeroporto de Guarulhos a dupla de cantores Antenor e
próprias razões. Secundino, que excursionou pela Europa, com grande
(Época, n 391, nov. 2005.) sucesso na divulgação da nossa música sertaneja.
b) No próximo dia 20/03, às 7 horas, desembarcam no
05. Segundo o texto, é correto afirmar: aeroporto de Guarulhos a dupla de cantores Antenor e
a) Mike Tyson estava irritado com o assédio das garotas de Secundino, onde excursionaram pela Europa, em que
programa. fizeram grande sucesso e divulgando a nossa música
b) Mike Tyson foi preso em companhia das garotas. sertaneja.
c) Tyson foi liberado da delegacia por demonstrar exercício c) No próximo dia 20/03, às 7 horas, desembarcam no
arbitrário de suas razões. aeroporto de Guarulhos a dupla de cantores Antenor e
d) Mike Tyson, em duas noites, esteve em três boates e Secundino, cujos excursionaram pela Europa e fizeram
uma delegacia. grande sucesso, onde divulgaram a nossa música sertaneja.
e) Mike Tyson distribuiu US$ 100 em gorjetas e se esbaldou d) No próximo dia 20/03, às 7 horas, desembarcam no
na noite paulistana. aeroporto de Guarulhos a dupla de cantores Antenor e
Secundino, os quais excursionaram pela Europa com grande
06. Considere as seguintes sentenças: sucesso, se divulgando a nossa música sertaneja.
I. Ele sempre falou por meias palavras. e) No próximo dia 20/03, às 7 horas, desembarca no
II. É meio-dia e meio. aeroporto de Guarulhos a dupla de cantores Antenor e
III. Estava meia nervosa por causa da mãe. Secundino, que excursionaram pela Europa, inclusive que
IV. Quero meia maçã para a sobremesa. fizeram grande sucesso, onde divulgou a nossa música
V. Ficaram meio revoltados com a situação. sertaneja.
Do ponto de vista da gramática normativa, estão corretas
as sentenças: 10. Enquanto na fala muitas vezes nem todos os verbos e
a) III e IV somente. substantivos são flexionados, na escrita isso pode ser
b) II e V somente. considerado um erro. Considere as seguintes sentenças:
c) I, II e III somente. I. Saíram os resultados.
d) II e IV somente. II. Foi inaugurado as usina.
e) I, IV e V somente. III. Apareceu cinqüenta pessoas na festa.
IV. O time apresentou os jogadores.
07. _____________ fábricas _________ produtos são V. Saiu os nomes dos jogadores.
_________ feitos. VI. Também vieram os juízes.
Assinale a alternativa cujos termos completam as lacunas Seguem as normas da escrita padrão as sentenças:
de acordo com a norma culta.
Câmara Municipal de São Jerônimo 3 Motorista
a) I, IV e VI apenas. Papel → .
b) II, III e V apenas. Chuva → .
c) I, II e III apenas. Sorte → .
d) IV, V e VI apenas. Honesto → .
e) I, III e V apenas. Excesso → .
Maximo → .
Gabarito Fixo → .
1. C Companhia →
2. D Folha → .
3. B Campanha → .
4. D
5. D 2) Retire do texto abaixo as palavras que possuem mais
6. E letras que fonema:
7. D
8. E Trova
9. A Atirei um limão doce
10. A Na janela de meu bem:
Quando as mulheres não amam
FONEMAS E LETRAS Que sono as mulheres têm!
(Manuel Bandeiras)
Letra - É o sinal gráfico da escrita.
Exemplos: 3) Coloque V ou F para o número de letras e fonemas das
pipoca – tem 6 letras palavras abaixo:
hoje – tem 4 letras a) ( ) chimarrão 9L e 7F
b) ( ) proibido 8 L e 7 F
Fonema - É o som da fala. c) ( humanidade 10 L e 9 F
Exemplos: d) ( ) vogal 5 L e 5 F
pipoca – tem 6 fonemas
Hoje – tem 3 fonemas 4)Qual das alternativas abaixo possui palavras com mais
letras do que fonemas?
*Observe de acordo com os exemplos que o número de a)Caderno
letras e fonemas não precisam ter a mesma quantidade. b)Chapéu
Chuva – tem 5 letras e 4 fonemas, já que o “ch” tem um c)Flores
único som. d)Livro
Hipopótamo – tem 10 letras e 9 fonemas, já que o “h” não e) Disco
tem som.
Galinha – tem 7 letras e 6 fonemas, já que o “nh” tem um 5)Nas palavras alma, pinto e porque, temos,
único som. respectivamente:
Pássaro – tem 7 letras e 6 fonemas, já que o “ss” só tem um a) 4 fonemas - 5 fonemas - 6 fonemas.
único som. b) 5 fonemas - 5 fonemas - 5 fonemas.
Nascimento – 10 letras e 8 fonemas, já que não se c) 4 fonemas - 4 fonemas - 5 fonemas.
pronuncia o “s” e o “en” tem um único som. d) 5 fonemas - 4 fonemas - 6 fonemas.
Exceção – 7 letras e 6 fonemas, já que não tem som o “x”. e) 4 fonemas - 5 fonemas - 5 fonemas.
Táxi – 4 letras e 5 fonemas, já que o “x” tem som de “ks”.
Guitarra – 8 letras e 6 fonemas, já que o “gu” tem um único 6) A alternativa que apresenta uma incorreção é:
som e o “rr” também tem um único som. a) o fonema está diretamente ligado ao som da fala.
Queijo – 6 letras e 5 fonemas, já que o “qu” tem um único b) as letras são representações gráficas dos fonemas.
som. c) a palavra "tosse" possui quatro fonemas.
d) uma única letra pode representar fonemas diferentes. e)
Repare que através do exemplo a mudança de apenas uma a letra "h" sempre representa um fonema.
letra ou fonema gera novas palavras.
CAVALO 7) O vocábulo cujo número de letras é igual ao número de
CAVADO fonemas está em:
CALADO a) sucedida.
COLADO b) habitando.
SOLADO c) grandes.
d) espinhos.
Atividades
1) Quantas letras e quantos fonemas têm estas palavras. 8) Indique a palavra que tem 5 fonemas:
Margarida → . a)ficha.
Espelho → . b)molhado.
Ferro → . c)guerra.
Guincho → .
Câmara Municipal de São Jerônimo 4 Motorista
d)fixo. b) roeu – .
e) hulha. c) roupa –
d)Rússia – .
e) roia – .
Classificação dos fonemas f) Ramalho –

I – Vogal é o fonema produzido pelo ar que passa 10) Indique o número de fonemas e o número de letras das
livremente pela boca, isto é, encontrar nenhum obstáculo. seguintes palavras:
As vogais podem ser : a) meninos - .
b) quebrem - .
a) Orais: Quando a corrente de ar sai apenas pela boca. É o c) foguetes – .
caso de a, e, i, o, u. d) longas – .
Exemplos: e) Lua – .
Mata, teto, medo, mito, sobra, bolo, mudo f) Vão – .

b) Nasais: Quando a corrente de ar sai pela boca e também 11) Classifique os fonemas ( vogal, semivogal, consoante )
pelas fossas nasais. É o caso de ã, õ, que podem ser das palavras que seguem:
representadas na escrita por ,ã , an, am, em, en, in, im, õ, a) rua – .
um, um, .Exemplos: b) anjos - .
írmã, manta, samba, tento, lembro, minto, ímpar, põe, c) são - .
conde, sombra, fundo, z d) pudessem - .

c) Átonas: pronunciadas com menor intensidade. 12) As palavras “cambalacho”, “carretilha”,


Exemplo: “circunferência”, apresentam, respectivamente:
até, bola a) oito, nove e doze fonemas
d)Tônicas: pronunciadas com maior intensidade. b) oito, oito e onze fonemas;
Exemplo: c) oito, sete e treze fonemas;
até, bola d) sete, oito e doze fonemas;
e) oito, oito e doze fonemas.
As vogais também se classificam em:
13) As palavras “pandemônio”, “derreado” e “oxalá”
a) Abertas: quando ocorre uma abertura máxima da boca. É apresentam, respectivamente:
o caso da á, é, ó. a) nove, sete e cinco fonemas;
Exemplos: b) nove, sete e seis fonemas;
Guaraná, café, cipó c) oito, seis e cinco fonemas;
d) nove, oito e seis fonemas;
b) Fechadas: quando ocorre uma abertura mínima da boca. e) oito, oito e cinco fonemas.
Exemplos:
Lama, anda, tevê, menta, fadiga, linda, loba, bonde, furo, 14) As palavras “bilíngüe”, “derradeiro” e “complexo”
vagabundo apresentam respectivamente:
a) sete, oito e oito fonemas;
III – Semivogal b) sete, nove e sete fonemas;
Semivogal é o nome que se dá aos fonemas i e u c) oito, oito e oito fonemas;
quando, junto de uma vogal, formam com ela uma única d) sete, nove e oito fonemas;
sílaba. e) oito, oito e sete fonemas.
É importante observar que não se trata das letras i e u
, mas sim dos fonemas. Na escrita os fonemas i e u. podem 15) Assinale a alternativa em que todos os vocábulos
ser representados também pelas letras e e o. apresentam o mesmo número de fonemas de “carreata”:
Exemplos:
Mãe, Paes, irmão, são (pronunciadas geralmente desta a) elíptico - sexagenário - retângulo;
forma: mãi, pãis, irmãu , sãu). b) exagero - girassol - amígdala;
c) ovelheiro - exceder - enxaqueca;
III – Consoante d) miserando - excluso - fantasia;
Consoante é o fonema produzido graças aos e) groselha - brinquedo - misantropa.
obstáculos que impedem a livre passagem do ar.
As consoantes em português são pronunciadas pelas 16) Que alternativa apresenta compostos com o mesmo
seguintes letras: número de fonemas de “esquisitice”?
B , C , D, F , G, H , J ,L , M, N , P, Q, R, S , T, V, X , Z. a) irresoluto - framboesa - basilicão;
b) gargalhada - supressão - hamburguer;
Atividade c) pampulha - onomatopáico - hinduísta;
9) Nas palavras a seguir, separe os fonemas e dê sua d) consangüíneo - apropinquar - farisaísmo;
classificação: vogal, semivogal ou consoante. e) heterogênio - sortilégio - ostensório.
a) rato – ____ .
Câmara Municipal de São Jerônimo 5 Motorista
17) As palavras “quinqüênio”, “batráquio” e “miscelânea”, Letras – 5 fonemas 5
apresentam respectivamente: Letras – 7 fonemas 5
a) nove, nove e nove fonemas; Letras – 7 fonemas 6
b) nove, oito e nove fonemas; Letras – 5 fonemas 4
c) oito, nove e oito fonemas; Letras – 5 fonemas 5
d) oito, oito e nove fonemas; 2)
e) nove, nove e nove fonemas. 3) a) v
b) f
18) As palavras “profilaxia”, “translineação” e “cavalheiro” c) v
apresentam respectivamente: d) v
4) B
5) C
a) onze, doze e nove fonemas; 6) E
b) doze, doze e treze fonemas; 7) A
c) doze, onze e doze fonemas; 8) D
d) onze, dez e doze fonemas; 9) a) r: consoante; a: vogal; t: consoante; o: vogal
e) onze, onze e doze fonemas. b) r: consoante; o: vogal; e: vogal; u: semivogal
c) r: consoante; o: vogal; u: semivogal; p: consoante; a:
19) As palavras “putrescência”, “oscilógrafo” e vogal
“vitrescibilidade” apresentam, respectivamente: d) r: consoante; u: vogal; s: consoante; i: semivogal; a:
a) onze, onze e quinze fonemas; vogal
b) dez, onze e quatorze fonemas; e) r: consoante; o : vogal; m: consoante; a : vogal; lh:
c) dez, dez e quinze fonemas; consoante; o: vogal
d) onze, onze e quinze fonemas; 10) a) 7 fonemas, 7 letras
e) dez, doze e treze fonemas. b) 5 fonemas, 7 letras
c) 7 fonemas, 8 letras
20) As palavras “discussão”, “fissilíngüe” e “sanguessuga”, d) 5 fonemas, 6 letras
têm respectivamente: e) 3 fonemas, 3 letras
a) oito, oito e oito fonemas; f) 3 fonemas, 3 letras
b) oito, oito e nove fonemas; 11) a) r = cons : u = vogal a = vogal
c) nove, oito e nove fonemas; b) a = vogal : j = cons : o = vogal: s = cons
d) nove, nove e nove fonemas; c) s = cons : a = vogal : o = semivogal
e) oito, nove e oito fonemas. d) p = cons : u = vogal : d = cons : e = vogal: ss = cons
: em = vogal
21) (PUC-SP) Nas palavras enquanto, queimar, folhas, 12) E
hábil e grossa, constatamos a seguinte sequência de letras 13) A
e fonemas: 14) D
a) 8 - 7, 7 - 6, 6 - 5, 5 - 4, 6 - 5 15) B
b) 7 - 6, 6 - 5, 5 - 5, 5 - 5, 5 - 5 16) D
c) 8 - 6, 7 - 5, 6 - 4, 5 - 4, 5 - 4 17) B
d) 8 - 6, 7 - 6, 6 - 5, 5 - 4, 6 - 5 18) A
e) 8 - 5, 7 - 6, 6 - 5, 5 - 5, 5 - 5 19) C
20) E
22) (FAURGS-2004-Oficial Escrevente do TJRS) Considere os 21) B
fenômenos fonéticos a seguir: 22) A

(1) letra que representa mais de um fonema;


(2) letra que não representa nenhum fonema; ENCONTROS CONSONANTAIS
(3) correspondência total de fonemas e letras.
Observe as palavras “preferir”, “trabalho” e
Assinale a alternativa cujas palavras apresentam, na ordem “construo”. Podemos observar que em cada palavra
em que são citados, os fenômenos fonéticos acima. aparece na mesma sílaba, duas consoantes. Essas duas
(A) reflexões – hábito – executada consoantes juntas formam encontros consonantais. As
(B) herma – clássica – exceção consoantes são as demais palavras do nosso alfabeto,
(C) exceção –fachada – logradouros retirando as vogais.
(D) fachada – recorremos – reflexões Podemos observar na nossa língua, muitas palavras
(E) pontilhada – herma – clássica com encontros consonantais. Vamos ver alguns exemplos:
flauta, fraco, globo, grade, pluma, prato, trigo, atleta,
Respostas: trator, clima, braço, creme, pedra, e muitas outras.
1) letras – 9 fonemas 9 Podemos encontrar os encontros consonantais em
Letras – 7 fonemas 6 sílabas diferentes. Observe os seguintes exemplos: ad-je-ti-
Letras – 5 fonemas 4 vo, ob-je-to, ma-lig-no, rit-mo, rit-mi-co, etc.
Letras – 7 fonemas 5
Câmara Municipal de São Jerônimo 6 Motorista
Nos encontros consonantais, todas as letras são sufixos), quando incorporados à palavra, obedecem às
pronunciadas. Exemplos: livro, problema, placa, atropelar, regras gerais.
recreio, placa, etc. Exemplos: de-sa-ten-to, bi-sa-vô, tran-sa-tlân-ti-co...

DÍGRAFO Consoante não seguida de vogal permanece na sílaba


anterior. Quando isso ocorrer em início de palavra, a
Vamos observar o seguinte texto: consoante será anexa à sílaba seguinte.
“Para ter um sorriso bem bonito, devemos seguir alguns Exemplos: ad-je-ti-vo, tungs-tê-nio, psi-có-lo-go, gno-mo...
passos importantes:
 escovar os dentes para que fiquem brilhando;  ACENTUAÇÃO GRÁFICA
 usar fio dental em cada escovação; Baseiam-se na constatação de que, em nossa língua, as
 esquecer velhos hábitos de escovação; palavras mais numerosas são as paroxítonas, seguidas pelas
 usar enxaguante bucal, exceto os que contenham oxítonas. A maioria das paroxítonas termina em -a, -e, -o, -
álcool”. em, podendo ou não ser seguidas de "s". Essas paroxítonas,
As palavras que foram destacadas no texto possuem um por serem maioria, não são acentuadas graficamente. Já as
único som. Sendo assim, as palavras que possuem encontro proparoxítonas, por serem pouco numerosas, são sempre
de duas letras que representam um único som são acentuadas.
chamados de dígrafos. Os principais dígrafos são: ch, lh, nh,  Proparoxítonas
gu, qu,rr,ss,sc,sç,xc. Sílaba tônica: antepenúltima
Quando realizamos a separação de sílabas os dígrafos rr, ss As proparoxítonas são todas acentuadas graficamente.
, sc, sç e xc, embora representem um único som são sempre Exemplos:
separados. Exemplos: trágico, patético, árvore
 bairro – bair –ro  Paroxítonas
 cresçam – cres-çam Sílaba tônica: penúltima
 exceto – ex-ce-to Acentuam-se as paroxítonas terminadas em:
 piscina – pis-ci-na l fácil
 assado – as-as-do n pólen
Não podemos confundir os encontros consonantais com os
r cadáver
dígrafos. Nos dígrafos as letras dos encontros não são
pronunciadas, enquanto que nos encontros consonantais ps bíceps
todas as letras são pronunciadas. x tórax
us vírus
Divisão silábica
i, is júri, lápis
Sílaba é a unidade ou grupo de fonemas emitidos num só om, ons iândom, íons
impulso da voz. um, uns álbum, álbuns
órfã, órfãs,
Divisão silábica ã(s), ão(s)
órfão, órfãos
ditongo oral
A fala é o primeiro e mais importante recurso usado para a
(seguido ou jóquei, túneis
divisão silábica na escrita.
não de s)
Regra geral:
Observações:
Toda sílaba, obrigatoriamente, possui uma vogal. 1) As paroxítonas terminadas em "n" são acentuadas
(hífen), mas as que terminam em "ens", não (hifens,
Regras práticas: jovens).
2) Não são acentuados os prefixos terminados em "i "e "r"
Não se separam ditongos e tritongos. (semi, super).
Exemplos: mau, averiguei. 3) Acentuam-se as paroxítonas terminadas em ditongos
crescentes: ea(s), oa(s), eo(s), ua(s), ia(s), ue(s), ie(s), uo(s),
Separam-se as letras que representam os hiatos. io(s).
Exemplos: sa-í-da, vo-o... Exemplos:
várzea, mágoa, óleo, régua, férias, tênue, cárie,
Separam-se somente os dígrafos rr, ss, sc, sç, xc. ingênuo, início
Exemplos: pas-se-a-ta, car-ro, ex-ce-to...  Oxítonas
Sílaba tônica: última
Separam-se os encontros consonantais pronunciados Acentuam-se as oxítonas terminadas em:
separadamente.
Exemplo: car-ta. a(s): sofá, sofás
jacaré,
Os elementos mórficos das palavras (prefixos, radicais, e(s):
vocês

Câmara Municipal de São Jerônimo 7 Motorista


paletó, Hiatos
o(s): Acentuam-se o "i" e "u" tônicos quando formam hiato com
avós
a vogal anterior, estando eles sozinhos na sílaba ou
em, ninguém,
acompanhados apenas de "s", desde que não sejam
ens: armazéns
seguidos por "-nh".
Monossílabos Exemplos:
Os monossílabos, conforme a intensidade com que se
sa - í - e - go - ís -
proferem, podem ser tônicos ou átonos. sa - ú - de
da mo
Monossílabos Tônicos
Possuem autonomia fonética, sendo proferidos Não se acentuam, portanto, hiatos como os das palavras:
fortemente na frase onde aparecem. Acentuam-se os ru - ca -
ju - iz ra - iz
monossílabos tônicos terminados em: im ir
a(s): lá, cá Razão: -i ou -u não estão sozinhos nem acompanhados de -
e(s): pé, mês s na sílaba.
o(s): só, pó, nós, pôs
Monossílabos Átonos Observação: cabe esclarecer que existem hiatos
Não possuem autonomia fonética, sendo proferidos acentuados não por serem hiatos, mas por outras razões.
fracamente, como se fossem sílabas átonas do vocábulo a Veja os exemplos abaixo:
que se apoiam. po-é-ti-co: proparoxítona
Exemplos: bo-ê-mio: paroxítona terminada em ditongo
o(s), a(s), um, uns, me, te, se, lhe nos, de, em, e, crescente.
que, etc. ja-ó: oxítona terminada em "o".
Observações:
1) Os monossílabos átonos são palavras vazias de sentido, ESTRUTURA DAS PALAVRAS
vindo representados por artigos, pronomes oblíquos,
elementos de ligação (preposições, conjunções). Estudar a estrutura é conhecer os elementos formadores
2) Há monossílabos que são tônicos numa frase e átonos das palavras. Assim, compreendemos melhor o significado
em outras. de cada uma delas. Observe os exemplos abaixo:
Exemplos:
Você trouxe sua mochila para quê? (tônico) / Que tem
dentro da sua mochila? (átono)
Há sempre um mas para questionar. (tônico) / Eu sei seu
nome, mas não me recordo agora. (átono)
Saiba que:
Muitos verbos, ao se combinarem com pronomes
oblíquos, produzem formas oxítonas ou monossilábicas que
devem ser acentuadas por acabarem assumindo alguma art-ista brinc-a-mos
das terminações contidas nas regras. Exemplos:
A análise destes exemplos mostra-nos que as palavras
beijar + a = fez + o = fê- podem ser divididas em unidades menores, a que damos o
beijá-la lo nome de elementos mórficos ou morfemas.
dar + as = dá- fazer + o = Vamos analisar a palavra "cachorrinhas":
las fazê-lo Nessa palavra observamos facilmente a existência de
quatro elementos. São eles:
Regras Especiais cachorr - este é o elemento base da palavra, ou seja, aquele
Além das regras fundamentais, há um conjunto de regras que contém o significado.
destinadas a pôr em evidência alguns detalhes sonoros das inh - indica que a palavra é um diminutivo
palavras. Observe: a - indica que a palavra é feminina
Ditongos Abertos s - indica que a palavra se encontra no plural
Os ditongos éi, éu e ói, sempre que tiverem pronúncia Morfemas: unidades mínimas de caráter significativo.
aberta em palavras oxítonas (éi e não êi), são acentuados. Obs.: existem palavras que não comportam divisão em
Veja: unidades menores, tais como: mar, sol, lua, etc.
éi (s): anéis, fiéis, papéis São elementos mórficos:
éu (s): troféu, céus 1) Raiz, radical, tema: elementos básicos e significativos
ói (s): herói, constrói, caubóis 2) Afixos (prefixos, sufixos), desinência, vogal temática:
Obs.: os ditongos abertos ocorridos em palavras elementos modificadores da significação dos primeiros
paroxítonas NÃO são acentuados. 3) Vogal de ligação, consoante de ligação: elementos de
Exemplos: assembleia, boia, colmeia, Coreia, estreia, ligação ou eufônicos.
heroico, ideia, jiboia, joia, paranoia, plateia, etc.
Atenção: a palavra destróier é acentuada por ser uma Raiz
paroxítona terminada em "r" (e não por possuir ditongo É o elemento originário e irredutível em que se concentra a
aberto "ói"). significação das palavras, consideradas do ângulo histórico.

Câmara Municipal de São Jerônimo 8 Motorista


É a raiz que encerra o sentido geral, comum às palavras da  1.ª pessoa do singular - eu
mesma família etimológica. Observe o exemplo:  2.ª pessoa do singular - tu
Raiz noc [Latim nocere = prejudicar] tem a significação geral  3.ª pessoa do singular - ele, ela
de causar dano, e a ela se prendem, pela origem comum, as  1.ª pessoa do plural - nós
palavras nocivo, nocividade, inocente, inocentar, inócuo,  2.ª pessoa do plural - vós
etc.  3.ª pessoa do plural - eles, elas
Obs.: uma raiz pode sofrer alterações. Veja o exemplo: Exemplos:
at-o  Eu escrevi o texto.
at-or  Tu escreveste o texto.
at-ivo  Ele escreveu o texto.
aç-ão
 Nós escrevemos o texto.
ac-ionar
 Vós escrevestes o texto.
Radical
 Eles escreveram o texto.
Observe o seguinte grupo de palavras:
Para que se evitem repetições desnecessárias, pode ocorrer
livr- o a omissão do pronome pessoal do caso reto nos
livr- inho enunciados, uma vez que a pessoa do discurso é marcada
pela desinência verbal indicada pelos pronomes pessoais do
livr- eiro
caso reto.
livr- eco Exemplo:
Você reparou que há um elemento comum nesse grupo?  Cursei veterinária, mas nunca segui a profissão.
Você reparou que o elemento livr serve de base para o (eu)
significado? Esse elemento é chamado de radical (ou  Passeamos muito no domingo passado. (nós)
semantema).  Gostaste do jogo? (tu)
Radical: elemento básico e significativo das palavras, A principal função desses pronomes é substituir nomes. A
consideradas sob o aspecto gramatical e prático. É seguir, os pronomes e suas representações:
encontrado através do despojo dos elementos secundários Singular:
(quando houver) da palavra. Eu - a pessoa que fala;
Por Exemplo: Tu - com quem se fala;
cert-o Ela/Ela - de quem se fala;
cert-eza Plural:
in-cert-eza Nós - o grupo, no qual a pessoa que fala se inclui;
Afixos Vós - as pessoas, com as quais se fala;
Afixos são elementos secundários (geralmente sem vida Eles/Elas - pessoas das quais se fala.
autônoma) que se agregam a um radical ou tema para Cada pronome do caso reto tem um correspondente na
formar palavras derivadas. Sabemos que o acréscimo do forma oblíqua:
morfema "-mente", por exemplo, cria uma nova palavra a eu:
partir de "certo": certamente, advérbio de modo. De - me, mim, comigo
maneira semelhante, o acréscimo dos morfemas "a-" e "- tu:
ar" à forma "cert-" cria o verbo acertar. Observe que a- e - - te, ti, contigo
ar são morfemas capazes de operar mudança de classe ele/ela:
gramatical na palavra a que são anexados. - (ele/ela), o, a, se, si, lhe, consigo
Quando são colocados antes do radical, como acontece nós:
com "a-", os afixos recebem o nome de prefixos. Quando, -nos, conosco
como "-ar", surgem depois do radical, os afixos são vós:
chamados de sufixos. Veja os exemplos: - vos, convosco
eles/elas:
Prefixo Radical Sufixo - (eles/elas), os, as, se, si, lhes, consigo
in at ivo Pronomes do caso oblíquo - átonos e tônicos
em pobr ecer Átonos
Usados sem preposição:
inter nacion al  Singular:
me, te, lhe, o, a, se
PRONOMES  Plural:
nos, vos, lhes, os, as, se
Pronomes pessoais do caso reto são aqueles que Tônicos
substituem os substantivos, assumindo maioritariamente a Usados com preposição:
função de sujeito da oração. Podem, contudo, assumir  Singular:
também a função de predicativo do sujeito. Os pronomes mim (comigo), ti (contigo), ele, ela, si (consigo)
pessoais do caso reto indicam ainda as pessoas do discurso,  Plural:
ou seja, quem fala (eu e nós), com quem se fala (tu e vós) e nós (conosco), vós (convosco), si (consigo), eles,
de quem se fala (ele, ela, eles, elas). elas
Pronomes pessoais retos: Função desses pronomes na frase
Câmara Municipal de São Jerônimo 9 Motorista
 Pronomes do caso reto funcionam como sujeito: A contribuição greco-latina é responsável pela existência de
«Ele gosta de sorvete. numerosos pares de sinônimos:
 Pronomes do caso oblíquo funcionam como  adversário e antagonista;
complementos:  translúcido e diáfano;
«Paulo tirou a melhor nota em ciências, por isso o  semicírculo e hemiciclo;
seu pai o premiou.  contraveneno e antídoto;
Praticando:  moral e ética;
Nas frases abaixo, os pronome pessoais do caso reto  colóquio e diálogo;
identificados estão em itálico, e os do caso oblíquo, em  transformação e metamorfose;
negrito:  oposição e antítese.
«Aramis interrompeu-o. ANTONÍMIA: É a relação entre palavras de significado
Eu mesmo não posso afirmar que o aprecio muito. oposto
Considero-o de fato o meu Rei. Outras palavras, ainda, possuem significados
O Rei,[..], aguardava uma oportunidade para prendê-lo. completamente divergentes, de forma que um se opõe ao
Ele segurou o estribo para que o Rei apeasse. outro, ou nega-lhe o significado. Estas palavras são
Sinto-me apenas com sono. chamadas de antônimos.
Pareceu-me que o Rei o tratou com alguma frieza. Ex: direita / esquerda, preto / branco, alto / baixo, gordo /
De repente, voltou-se para o amigo: magro.
- Ocorreu-me uma idéia hoje à noite. Desta forma, ANTÔNIMOS são palavras que opõem-se no
... Assim que ele saiu, ... reconheceu-o... » seu significado.
Observação: A antonímia pode originar-se de um prefixo de
Pronomes possessivos: são palavras que, ao indicarem a sentido oposto ou negativo:
pessoa gramatical (possuidor), acrescentam a ela a idéia de  bendizer e maldizer;
posse de algo (coisa possuída).  simpático e antipático;
primeira pessoa do singular
meu, minha, meus, minhas  progredir e regredir;
teu, tua, teus, tuas  concórdia e discórdia;
segunda pessoa do singular
seu, sua, seus, suas  ativo e inativo;
terceira pessoa do singular  esperar e desesperar;
primeira pessoa do plural nosso, nossa, nossos,  comunista e anticomunista;
nossas  simétrico e assimétrico.
segunda pessoa do plural vosso, vossa, vossos, vossas
terceira pessoa do plural seu, sua, seus, suas SINAIS DE PONTUAÇÃO

Pronomes Demonstrativos 1. Vírgula (,)


Pronomes Demonstrativos são palavras que indicam, no É usada para:
espaço ou no tempo, a posição de um ser em relação às a) separar termos que possuem mesma função sintática na
pessoas do discurso. oração: O menino berrou, chorou, esperneou e, enfim,
dormiu.
Variáveis Invariáveis Nessa oração, a vírgula separa os verbos.
este, esta, estes, estas b) isolar o vocativo: Então, minha cara, não há mais o que
isto
esse, essa, esses, essas se dizer!
isso
aquele, aquela, aqueles, c) isolar o aposto: O João, ex-integrante da comissão, veio
aquilo
aquelas assistir à reunião.
d) isolar termos antecipados, como complemento ou
adjunto:
SINÔNIMOS E ANTÔNIMOS 1. Uma vontade indescritível de beber água, eu senti
quando olhei para aquele copo suado! (antecipação de
A Semântica é a parte da linguística que estuda o complemento verbal)
significado das palavras, a parte significativa do discurso. 2. Nada se fez, naquele momento, para que pudéssemos
Cada palavra tem seu significado específico, porém sair! (antecipação de adjunto adverbial)
podemos estabelecer relações entre os significados das e) separar expressões explicativas, conjunções e conectivos:
palavras, assemelhando-as umas às outras ou isto é, ou seja, por exemplo, além disso, pois, porém, mas,
diferenciando-as segundo seus significados. no entanto, assim, etc.
SINONÍMIA: Sinonímia é a divisão na Semântica que estuda f) separar os nomes dos locais de datas: Brasília, 30 de
as palavras sinônimas, ou aquelas que possuem significado janeiro de 2009.
ou sentido semelhante. g) isolar orações adjetivas explicativas: O filme, que você
Algumas palavras mantêm relação de significado entre si e indicou para mim, é muito mais do que esperava.
representam praticamente a mesma ideia. Estas palavras
são chamadas de sinônimos. 2. Pontos
Ex: certo, correto, verdadeiro, exato.
Sendo assim, SINÔNIMOS são palavras que possuem 2.1 - Ponto-final (.)
significados semelhantes. É usado ao final de frases para indicar uma pausa total:
Câmara Municipal de São Jerônimo 10 Motorista
a) Não quero dizer nada. - trigonometria;
b) Eu amo minha família. - financeira.
E em abreviaturas: Sr., a. C., Ltda., vv., num., adj., obs. b) separar um período que já se encontra dividido por
vírgulas: Ele não disse nada, apenas olhou ao longe, sentou
por cima da grama; queria ficar sozinho com seu cão.
2.2 - Ponto de Interrogação (?)
4. Dois-pontos (:)
O ponto de interrogação é usado para: É usado quando:
a) se vai fazer uma citação ou introduzir uma fala:
a) Formular perguntas diretas: Ele respondeu: não, muito obrigado!
b) se quer indicar uma enumeração:
Você quer ir conosco ao cinema? Quero lhe dizer algumas coisas: não converse com pessoas
Desejam participar da festa de confraternização? estranhas, não brigue com seus colegas e não responda à
professora.
b) Para indicar surpresa, expressar indignação ou atitude de
expectativa diante de uma determinada situação: 5. Aspas (“”)
São usadas para indicar:
O quê? não acredito que você tenha feito isso! (atitude de a) citação de alguém: “A ordem para fechar a prisão de
indignação) Guantánamo mostra um início firme. Ainda na edição, os 25
Não esperava que fosse receber tantos elogios! Será que anos do MST e o bloqueio de 2 bilhões de dólares do
mereço tudo isso? (surpresa) Oportunity no exterior” (Carta Capital on-line, 30/01/09)
Qual será a minha colocação no resultado do concurso? b) expressões estrangeiras, neologismos, gírias: Nada pode
Será a mesma que imagino? (expectativa) com a propaganda de “outdoor”.

2. 3 – Ponto de Exclamação (!) 6. Reticências (...)


Esse sinal de pontuação é utilizado nas seguintes São usadas para indicar supressão de um trecho,
circunstâncias: interrupção ou dar ideia de continuidade ao que se estava
falando:
a) Depois de frases que expressem sentimentos distintos, a) (...) Onde está ela, Amor, a nossa casa,
tais como: entusiasmo, surpresa, súplica, ordem, horror, O bem que neste mundo mais invejo?
espanto: O brando ninho aonde o nosso beijo
Será mais puro e doce que uma asa? (...)
Iremos viajar! (entusiasmo) b) E então, veio um sentimento de alegria, paz, felicidade...
Foi ele o vencedor! (surpresa) c) Eu gostei da nova casa, mas do quintal...
Por favor, não me deixe aqui! (súplica)
Que horror! Não esperava tal atitude. (espanto) 7. Parênteses ( )
Seja rápido! (ordem) São usados quando se quer explicar melhor algo que foi
dito ou para fazer simples indicações.
b) Depois de vocativos e algumas interjeições: Ele comeu, e almoçou, e dormiu, e depois saiu. (o e aparece
repetido e, por isso, há o predomínio de vírgulas).
Ui! que susto você me deu. (interjeição)
Foi você mesmo, garoto! (vocativo) 8. Travessão (–)
c) Nas frases que exprimem desejo: O travessão é indicado para:
Oh, Deus, ajude-me! a) Indicar a mudança de interlocutor em um diálogo:
- Quais ideias você tem para revelar?
Observações dignas de nota: - Não sei se serão bem-vindas.
* Quando a intenção comunicativa expressar, ao mesmo - Não importa, o fato é que assim você estará contribuindo
tempo, questionamento e admiração, o uso dos pontos de para a elaboração deste projeto.
interrogação e exclamação é permitido. Observe: b) Separar orações intercaladas, desempenhando as
Que que eu posso fazer agora?! funções da vírgula e dos parênteses:
Precisamos acreditar sempre – disse o aluno confiante –
* Quando se deseja intensificar ainda mais a admiração ou que tudo irá dar certo.
qualquer outro sentimento, não há problema algum em Não aja dessa forma – falou a mãe irritada – pois pode ser
repetir o ponto de exclamação ou interrogação. Note: arriscado.
Não!!! – gritou a mãe desesperada ao ver o filho em c) Colocar em evidência uma frase, expressão ou palavra:
perigo. O prêmio foi destinado ao melhor aluno da classe – uma
pessoa bastante esforçada.
3. Ponto e vírgula (;) Gostaria de parabenizar a pessoa que está discursando –
É usado para: meu melhor amigo.
a) separar itens enumerados:
A Matemática se divide em:
- geometria;
- álgebra;
Câmara Municipal de São Jerônimo 11 Motorista
FRASE: AFIRMATIVAS, NEGATIVAS, INTERROGATIVAS E MATEMÁTICA
EXCLAMATIVAS
NÚMEROS NATURAIS: OPERAÇÕES E PROPRIEDADES
Frases afirmativas e negativas
Neste material será feita uma revisão dos aspectos mais
Leia esta frases. importantes sobre as operações de adição, subtração,
"Bibila era uma tartaruguinha gentil e paciente." multiplicação e divisão com números inteiros.
As frases afirmativas afirmam, declaram alguma coisa.
"Não estou com muita pressa, posso ir com você." Adição
As frases negativas negam, declaram alguma coisa de Os termos da adição são chamadas parcelas e o resultado
maneira negativa. da operação de adição é denominado soma ou total.
1º parcela + 2º parcela = soma ou total
Frases interrogativas e exclamativas A ordem das parcelas nunca altera o resultado de uma
adição: a + b = b + a
Leia estas frases. O zero é elemento neutro da adição: 0 + a = a + 0
" __ Você gostaria dar um passeio conosco?"
As frases interrogativas indicam uma pergunta. Subtração
"O meu casco é tão duro!" O primeiro termo de uma subtração é chamado minuendo,
o segundo, subtraendo e o resultado da operação de
As frases exclamativas indicam admiração, espanto, subtração é denominado resto ou diferença.
alegria, etc. minuendo - subtraendo = resto ou diferença
P.S Agora é com vocês, vamos treinar por meio de
exercícios, sei que cada um de vocês são capazes, vamos A ordem dos termos pode alterar o resultado de uma
lá. subtração: a - b ≠ b - a (sempre que a ≠ b)

Atividades Se adicionarmos uma constante k ao minuendo, o resto


1) Escreva A para as frases afirmativas e N para as frases será adicionado de k.
negativas. Se adicionarmos uma constante k ao subtraendo, o resto
( ) Eu não posso comer chocolate. será subtraído de k.
( ) Ouço o canto dos pássaros. A subtração é a operação inversa da adição:
( ) O Carro avançou o sinal. M-S=R↔R+S=M
( ) Você não estudou a lição.
A soma do minuendo com o subtraendo e o resto é sempre
2)Transforme as frases afirmativas em negativas. igual ao dobro do minuendo.
a) A polícia segue o ladrão. M+S+R=2×M
____________________________________________
b) Mauro está estudando no quarto. Valor absoluto
____________________________________________ O Valor absoluto de um número inteiro indica a distância
c) Eu sinto, eu vejo, eu ouço! deste número até o zero quando consideramos a
____________________________________________ representação dele na reta numérica.
d) Eu gosto de ouvir os carros passando.
____________________________________________ Atenção: O valor absoluto de um número nunca é negativo,
pois representa uma distância.
3) Com as palavras abaixo, forme frases interrogativas e A representação do valor absoluto de um número n é | n |.
exclamativas. (Lê-se "valor absoluto de n" ou "módulo de n".)
Siga o modelo.
bola: De quem é esta bola? Números simétricos
Que bola suja!
a) caneta ______________________________________ Dois números a e b são ditos simétricos ou opostos
b) casa ________________________________________ quando: a + b = 0
c) presente _____________________________________
d) sorvete ______________________________________ Exemplos:
e) caderno ______________________________________ -3 e 3 são simétricos (ou opostos) pois (-3) + (3) = 0.
f) carro ________________________________________ 4 e -4 são simétricos (ou opostos) pois (4) + (-4) = 0.

O oposto de 5 é -5.
O simétrico de 6 é -6.
O oposto de zero é o próprio zero.

Dois números simétricos sempre têm o mesmo módulo.

Exemplo: |-3| = 3 e |3| = 3

Câmara Municipal de São Jerônimo 12 Motorista


 Se multiplicarmos um dos fatores por uma
Operações com números inteiros (Z) constante k, o produto será multiplicado por k: a ×
b = c ↔ (a × k) × b = k × c
Qualquer adição, subtração ou multiplicação de dois  Podemos distribuir um fator pelos termos de uma
números inteiros sempre resulta também um número adição ou subtração qualquer: a × (b ± c) = (a × b) ±
inteiro. Dizemos então que estas três operações estão bem (a × c)
definidas em Z ou, equivalentemente, que o conjunto Z é
fechado para qualquer uma destas três operações. Divisão inteira
As divisõs, as potenciações e as radiciações entre dois
números inteiros nem sempre têm resultado inteiro. Assim, Na divisão inteira de N por D ≠ 0, existirá um único par de
dizemos que estas três operações não estão bem definidas inteiros, Q e R, tais que:
no conjunto Z ou, equivalentemente, que Z não é fechado Q × D + R = N e 0 ≤ R < R < |D| (onde |D| é o valor absoluto
para qualquer uma destas três operações. de D)
A segunda condição significa que R (o resto) nunca pode
Adições e subtrações com números inteiros ser negativo.
Os quatro números envolvidos na divisão inteira são assim
Existe um processo que simplifica o cálculo de adições e denominados:
subtrações com números inteiros. Observe os exemplos N é o dividendo; D é o divisor (sempre diferente de zero);
seguintes: Q é o quociente; R é o resto (nunca negativo).

Exemplo1: Exemplos:
Calcular o valor da seguinte expressão: 1) Na divisão inteira de 60 por 7 o dividendo é 60, o divisor
10 - 7 - 9 + 15 - 3 + 4 é 7, o quociente é 8 e o resto é 4.
8 × 7 + 4 = 60 e 0 ≤ 4 < |7|
Solução: 2) Na divisão inteira de -60 por 7 o dividendo é -60, o
Faremos duas somas separadas divisor é 7, o quociente é -9 e o resto é 3.
 uma só com os números positivos: 10 + 15 + 4 = -9 × 7 + 3 = -60 e 0 ≤ 3 < |7|
+29  Quando ocorrer R = 0 na divisão de N por D,
 outra só com os números negativos: (-7) + (-9) + (- teremos Q × D = N e diremos que a divisão é exata
3) = -19 indicando-a como N ÷ D = Q.
Agora calcularemos a diferença entre os dois totais  Quando a divisão de N por D for exata diremos
encontrados: +29 - 19 = +10 que N é divisível por D e D é divisor de N ou,
equivalentemente, que N é múltiplo de D e D é
Atenção: É preciso dar sermpre ao resultado o sinal do fator de N.
número que tiver o maior valor absoluto!  O zero é divisível por qualquer número não nulo:
D ≠ 0 → 0 ÷ D = 0.
Exemplo2:  Todo número inteiro é divisível por 1: N ÷ 1 = N.
Calcular o valor da seguinte expressão: -10 + 4 - 7 - 8 + 3 - 2  Se multiplicarmos o dividendo (N) e o divisor (D)
1º passo: Achar os totais (+) e (-): de uma divisão por uma constante k ≠ 0, o
(+): +4 + 3 = +7 quociente (Q) não será alterado mas o resto (R)
(-): -10 - 7 - 8 - 2 = -27 ficará multiplicado por k, se R × k < D, ou será igual
2º passo: Calcular a diferença dando a ela o sinal do total ao resto da divisão de R × k por D, se R × k ≥ D.
que tiver o maior módulo: Multiplicação e divisões com números inteiros
-27 + 7 = - 20
Nas multiplicações e divisões de dois números inteiros é
Multiplicação preciso observar os sinais dos dois termos da operação:

Os termos de uma multiplicação são chamados fatores e o Exemplos:


resultado da operação de multiplicação é donominado
Sinais iguais Sinais
produto.
(+) opostos (-)
1º fator x 2º fator = produto
 O primeiro fator também pode ser chamado (+) × (+) = + (+) × (-) = -
multiplicando enquanto o segundo fator pode ser
(-) × (-) = + (-) × (+) = -
chamado multiplicador.
 A ordem dos fatores nunca altera o resultado de (+) ÷ (+) = + (+) ÷ (-) = -
uma multiplicação: a x b = b x a
(-) ÷ (-) = + (-) ÷ (+) = -
 O número 1 é o elemento neutro da multiplicação:
1xa=ax1=a
 Se adicionarmos uma constante k a um dos Números inteiros - Exercícios com gabarito
fatores, o produto será adicionado de k vezes o
outro fator: a x b = c ↔ (a + k) x b = c + (k x b) 1. Numa adição com três parcelas, o total era 58. Somando-
se 13 à primeira parcela, 21 à segunda e subtraindo-se 10

Câmara Municipal de São Jerônimo 13 Motorista


da terceira, qual será o novo total? 8. 110 litros
9. Cada menino recebeu 36 e cada menina, 48
2. Numa subtração a soma do minuendo com o subtraendo 10. Marta: R$ 110,00, Marisa: R$ 90,00 e Yara: R$ 75,00
e o resto resulto 412. Qual o valor do minuendo? 11. R$ 622,00
12. Renato: 15 e Flávia: 8
3. O produto de dois números é 620. Se adicionasse-mos 5
unidades a um de seus fatores, o produto ficaria Operações com números inteiros
aumentado de 155 unidades. Quais são os dois fatores? Nas operações com números inteiros, fazemos cálculos
que envolvem adição, subtração, divisão e multiplicação.
4. Numa divisão inteira, o divisor é 12, o quociente é uma Antes de tratarmos das operações com números inteiros,
unidade maior que o divisor e o resto, uma unidade menor devemos recordar quais elementos fazem parte desse
que o divisor. Qual é o valor do dividendo? conjunto. Pertencem ao conjunto dos números inteiros
todos os números positivos, negativos e o zero. Sendo
5. Certo prêmio será distribuído entre três vendedores de assim:
modo que o primeiro receberá R$ 325, 00; o segundo Z = {… - 3, - 4, - 3, - 2, - 1, 0, + 1, + 2, + 3, + 4...}
receberá R$ 60,00 menos que o primeiro; o terceiro As operações com números inteiros estão relacionadas com
receberá R$ 250,00 menos que o primeiro e o segundo a soma, subtração, divisão e multiplicação. Ao realizar
juntos. Qual o valor total do prêmio repartindo entre os alguma das quatro operações com esses números, devemos
três vendedores? também operar o sinal que os acompanha.
Adição e subtração de números inteiros sem a presença de
6. Um dicionário tem 950 páginas; cada página é dividida parênteses.
em 2 colunas; cada coluna tem 64 linhas; cada linha tem,
em média 35 letras. Quantas letras há nesse dicionário? 1ª propriedade → sinais iguais: soma e conserva o sinal.

7. Uma pessoa ganha R$ 40,00 por dia de trabalho e gasta 2ª propriedade → sinais diferentes: subtrai e conserva o
R$ 800,00 por mês. Quanto ela economizará em uma ano sinal do número de maior módulo.
se ela trabalhar, em média, 23 dias por mês?
+ 5 + 6 = + 11 →1ª propriedade
8. Um negociante comprou 8 barricas de vinho, todas com + 9 + 10 = +19 → 1ª propriedade
a mesma capacidade. Tendo pago R$ 7,00 o litro e vendido – 6 + 2 = – 4 → 2ª propriedade
a R$ 9,00, ele ganhou, ao todo, R$ 1.760,00. Qual era a + 9 – 7 = +2 → 2ª propriedade
capacidade de cada barrica? – 3 – 5 = –8 →1ª propriedade
–18 – 12 = –30 → 1ª propriedade
9. Em um saco havia 432 balinhas. Dividindo-as em três Adição e subtração de números inteiros com a presença de
montes iguais, um deles foi repartido entre 4 meninos e os parênteses.
dois montes restantes foram repartidos entre 6 meninas.
Quantas balinhas recebeu cada menino e cada menina? Para eliminarmos os parênteses devemos realizar um jogo
de sinal, observe:
10. Marta, Marisa e Yara têm, juntas, R$ 275, 00. Marisa
tem R$ 15,00 mais o que Yara e Marta possui R$ 20,00 mais +(+)=+
que Marisa. Quanto tem cada uma das três meninas? +(–)=–
–(+)=–
11. Do salário de R$ 3.302,00, Seu José transferiu uma –(–)=+
parte para uma conta de poupança. Já a caminho de casa,
Seu José considerou que se tivesse transferido o dobro Após a eliminação dos parênteses, basta aplicarmos a 1ª ou
daquele valor, ainda lhe restariam R$ 2.058,00 do seu a 2ª propriedade.
salário em conta corrente. De quanto foi o depósito feito?
+ (+9) + (–6) → + 9 – 6 → + 3
12. Renato e Flávia ganharam, ao todo, 23 bombons. Se
Renato comesse 3 bombons e desse 2 para Flávia, eles – (– 8) – (+6) → +8 – 6 → +2
ficariam com o mesmo número de bombons. Quantos + (– 14) – (– 8) → –14 + 8 → – 6
bombons ganhou cada um deles?
– (+ 22) − (– 7) → –22 + 7 → –15

Gabarito – ( + 9 ) + (– 12) → – 9 – 12 → – 21

1. 82 Adição de números inteiros: Na adição de números


2. 206 inteiros, somam-se as parcelas:
3. 20 e 31  Sinais iguais na soma ou na subtração: some os
4. 167 números e conserve o sinal.
5. R$ 930,00 Regra do sinal: (+) + (+) = +
6. 4.256.000 (–) + (–) = –
7. R$ 1.440 Exemplos:
Câmara Municipal de São Jerônimo 14 Motorista
+2+5=+7
+ 10 + 22 = + 32
–5–4=–9
– 56 – 12 = – 68 1,25 (sua leitura é um inteiro e vinte e cinco centésimos),
 Sinais diferentes: conserve o sinal do maior retirando a vírgula fica 125 no numerador, o denominador
número e subtraia. fica 100, pois as casas decimais estão em centésimos.
Regra do sinal:
(+) + (–) = – → Esse menos indica que a operação a
ser realizada é de subtração.
(–) + (+) = – → Esse menos indica que a operação a
ser realizada é de subtração.
Se dividirmos o numerador de cada fração acima pelo
Exemplos:
denominador correspondente, chegaremos ao valor
3 – 4 = – 1 → O maior número é o quatro; logo, o
decimal correspondente a ele.
sinal no resultado foi negativo.
– 15 + 20 = + 5 → O maior número é o vinte; logo,
Dízima periódica em fração
o sinal no resultado foi positivo.
Primeiro vamos falar o que é uma dízima periódica.
Multiplicação e divisão de números inteiros:
Dizima periódica é a parte decimal infinita (não tem fim),
 Sinais iguais na multiplicação ou na divisão sempre
pois repete igualmente. Por exemplo: 0,22222.... ;
resultam em sinal positivo.
2,5656565656.... ; 0,2555... .
Regra do sinal: (+) . (+) = (+) → Operação de
Multiplicação
Esses números podem ser escritos em forma de fração, mas
(–) . (–) = (+) → Operação de Multiplicação
apesar de serem números decimais na sua transformação
(+) : (+) = (+) → Operação de Divisão
utilizaremos um processo diferente. Acompanhe o
(–) : (–) = (+) → Operação de Divisão
raciocínio:
Exemplos:
(+ 2) . (+ 4) = + 8
Exemplo 1:
(- 4) . (- 10) = + 40
Vamos transformar 0,2222... em fração. Pra isso
(- 20) : (- 2) = + 10
chamaremos a dízima de X:
(+ 15) : (+ 3) = + 5
 Sinais diferentes na multiplicação ou na divisão
X = 0,2222... (I)
sempre resultam em sinal negativo.
Regra do sinal: (+) . (–) = (–) → Operação de
Devemos eliminar as casas decimais. Para isso andaremos
Multiplicação
com a vírgula para a direita uma casa decimal, pois apenas
(–) . (+) = (–) → Operação de Multiplicação
o 2 que repete. Isso é o mesmo que multiplicar o 0,2222...
(+) : (–) = (–) → Operação de Divisão
por 10. Ficando assim:
(–) : (+) = (–) → Operação de Divisão
Exemplos:
10 . X = 2,2222... (II)
(+ 6) . (– 7) = – 42
(– 12) . (+ 2) = – 24
Temos duas equações (I) e (II). Iremos subtrair as duas:
(+ 100) : (– 2) = – 50
(– 125) : (+ 5) = - 25
(II) – (I)
Em relação à multiplicação e à divisão, podemos
estabelecer a seguinte regra geral:
1 – Se os dois números possuírem o mesmo sinal, o
resultado será positivo.
2 – Se os dois números possuírem sinais diferentes, o
resultado será negativo.

NÚMEROS FRACIONÁRIOS E NÚMEROS DECIMAIS


Como X = 0,2222.... , então 0, 2222.... é o mesmo que
Se dividirmos 2 : 9 chegaremos a 0, 2222.... .
NÚMEROS DECIMAIS EM FRAÇÃO

Se pegarmos o número 0,2 (a leitura dele é dois décimos), é


Exemplo 2:
preciso lembrar que décimo vem de dez, assim como
Temos a dízima 0, 636363...
centésimos vem de cem e milésimo vem de mil, então para
transformar 0,2 em fração basta eliminar a vírgula ficando o
X = 0,636363.... (I) andando com a vírgula duas casas para a
número 2, assim o denominador será o número que
direita, pois o número que
representa a casa decimal, então:
repete nas casas decimais é o 63.

100 . X = 63,636363.... (II) andar duas casas para a direita é

Câmara Municipal de São Jerônimo 15 Motorista


o mesmo que multiplicar 326 + 18 = 656 + 756 = 1356, onde o denominador 56 foi
por 100. usado porque MMC 28, 8 = 56.

Subtraindo as duas equações (II) e (I) encontradas: Regra prática para calcular o MMC de dois números. Para
calcular o MMC entre 28 e 8, fazemos o seguinte:
1. Reduzimos a fração 288 aos seus menores termos:
288 = 72.
2. Multiplicamos em cruz a expressão obtida:
28 x 2 = 8 x 7 = 56
3. O valor obtido é o MMC procurado: MMC 28, 8 = 56.
Regra geral para calcular o MMC de dois ou mais números.
O procedimento geral para o cálculo do MMC envolve a
Como X = 0,636363... então 0,636363... é o mesmo que
decomposição primária de cada número. Por exemplo, para
calcular o MMC de 8, 12 e 28, fazemos o seguinte:
1. Realizamos a decomposição primária de cada número:
8 = 23
Exemplo 2: 12 = 22 ∙ 31
Temos a dízima 2,35555... nessa percebemos que na parte 28 = 22 ∙ 71
decimal temos apenas o 5. 2. Em seguida, multiplicamos cada fator primo elevado à
maior potência com que aparece nas fatorações. O
X = 2,35555... resultado é o MMC procurado:
MMC 8, 12, 28 = 23 ∙ 31 ∙ 71 = 168
Como o 3 não faz parte da dízima devemos multiplicar a
equação por 10 para que o número 3 passe pro outro lado Dispositivo prático para calcular o MMC de dois ou mais
deixando nas casas decimais apenas a dízima. números. O procedimento acima tem a seguinte forma
prática de execução:
10 . X = 23,5555... (I) 1. Alinhamos os três números, 8, 12 e 28, e dividimos todos
Agora, multiplicamos a equação (I) por 10 novamente para os números que podem ser divididos pelo primeiro primo 2.
que possamos cancelar a parte decimal. Na linha de baixo anotamos cada quociente obtido:

10 . 10 . X = 235,5555...
100 X = 235,5555... (II)
2. Repetimos esse procedimento sucessivamente com o 2,
Subtraindo as equações (II) e (I), teremos: depois com o 3 e, depois com o 7, até que a última linha só
contenha algarismos 1:

3. Agora, multiplicamos todos os fatores primos na coluna


da direita, obtendo o MMC procurado:
Como X = 2,35555... então 2,35555... é o mesmo que MMC 8, 12, 28 = 2 ∙ 2 ∙ 2 ∙ 3 ∙ 7 = 168
Propriedade fundamental do MMC. Todo múltiplo comum
de dois ou mais números inteiros é múltiplo do MMC
MÍNIMO MÚLTIPLO COMUM (MMC) destes números.

Os cálculos de MMC e MDC estão ligados aos múltiplos e Exemplo: os múltiplos comuns positivos de 8, 12 e 28 são
aos divisores de um número. Esse tipo de cálculo, exatamente os múltiplos positivos de 168, o seu MMC, ou
aprendido no ensino fundamental, é essencial para resolver seja, são 168, 336, 504,...
muitas questões e problemas no Enem.
Exemplo: encontre o menor número inteiro positivo de três
O mínimo múltiplo comum, ou MMC, de dois ou mais algarismos que é divisível, ao mesmo tempo, por 3, 4 e 15.
números inteiros é o menor múltiplo inteiro positivo
comum a todos eles. Por exemplo, o MMC de 6 e 8 é o 24, e Solução: pela propriedade fundamental do MMC, o número
denotamos isso por mmc 6, 8 = 24 Já o MMC de 5, 6 e 8 é o desejado será o menor número de três algarismos múltiplo
120, o que é denotado por MMC 5, 6, 8 = 120. do MMC de 3, 4 e 15. Como MMC 3, 4, 15 = 60, então o
O MMC é muito útil quando se adicionam ou subtraem menor múltiplo de três algarismos é o 120.
frações, pois é necessário um mesmo denominador comum
durante esses processos. Não é necessário que esse MÁXIMO DIVISOR COMUM (MDC)
denominador comum seja o MMC, mas a sua escolha O máximo divisor comum, ou MDC, de dois ou mais
minimiza os cálculos. Considere o exemplo: números inteiros é o maior divisor inteiro comum a todos
Câmara Municipal de São Jerônimo 16 Motorista
eles. Por exemplo, o m.d.c. de 16 e 36 é o 4, e denotamos Números primos entre si ou primos relativos. Dois
isso por MDC 16, 36 = 8. Já o MDC de 30, 54 e 72 é o 6, o números inteiros são ditos primos entre si, ou primos
que é denotado por MDC 30, 54, 72 = 6. relativos, se o m.d.c. entre eles é 1. É o caso de 10 e 21.
Regra geral para calcular o MDC de dois ou mais números. Como mdc (10, 21) = 1, então 10 e 21 são primos entre si.
O procedimento geral para o cálculo do MDC, como no caso
do MMC, envolve a decomposição primária de cada Propriedade fundamental do MDC. Todo divisor comum de
número. Por exemplo, para calcular o MMC de 30, 54 e 72, dois ou mais números inteiros é divisor do MDC destes
fazemos o seguinte: números.
1. Realizamos a decomposição primária de cada número:
30 = 21 ∙ 31∙ 51 Exemplo: 3 é divisor comum de 30, 36 e 72. Observe que 3
36 = 22 ∙ 32 também é divisor de 6, o MDC destes três números.
72 = 23 ∙ 32
2. Em seguida, multiplicamos os fatores primos comuns EXERCÍCIOS
elevados à menor potência com que cada um aparece nas (UEL) Três ciclistas percorrem um circuito saindo todos ao
fatorações. O resultado é o MDC procurado: mesmo tempo, do mesmo ponto, e com o mesmo sentido.
MMC 30, 36, 72 = 21 ∙ 31 = 6 O primeiro faz o percurso em 40 s, o segundo em 36 s e o
terceiro em 30 s. Com base nessas informações, depois de
quanto tempo os três ciclistas se reencontrarão novamente
Dispositivo prático para calcular o MDC de dois ou mais no ponto de partida, pela primeira vez, e quantas voltas
números. O procedimento acima tem a seguinte forma terá dado o primeiro, o segundo e o terceiro ciclistas,
prática de execução: respectivamente?
1. Alinhamos os três números, 30, 36 e 72, e dividimos
todos os números que podem ser divididos pelo primeiro (A) 5 minutos, 10 voltas, 11 voltas e 13 voltas.
primo 2. Na linha de baixo anotamos cada quociente (B) 6 minutos, 9 voltas, 10 voltas e 12 voltas.
obtido: (C) 7 minutos, 10 voltas, 11 voltas e 12 voltas.
(D) 8 minutos, 8 voltas, 9 voltas e 10 voltas.
(E) 9 minutos, 9 voltas, 11 voltas e 12 voltas.
2. Repetimos esse procedimento com o próximo primo que
divida os três quocientes e, assim, sucessivamente, até que Resposta
não hajam mais primos comuns: O MMC 30, 36, 40 = 360 s = 6 min é o menor tempo em que
os três se encontrarão novamente no ponto de partida. Por
eliminação, já podemos marcar a letra B. Mas como
encontrar o número de voltas de casa ciclista, basta dividir
3. Agora, multiplicamos todos os fatores primos na coluna o tempo de 360 segundos pelo período de uma volta de
da direita, obtendo o m.d.c. procurado: MDC 30, 36, 72 = 2 cada um deles:
∙3=6 1º ciclista = 36040 = 9 voltas; 2º ciclista = 36036 = 10 voltas;
3º ciclista = 36030 = 12 voltas
Resposta: letra B.
O algoritmo de Euclidade para o cálculo do MDC de dois
números ES PARA O CÁLCULO DO M.D.C. DE DOIS
NÚMEROS. Para o cálculo do MDC de dois números, existe CONHECIMENTOS GERAIS
um dispositivo extremamente rápido e econômico. Trata-se
do algoritmo de Euclides, que descrevemos, agora, para CONHECIMENTOS GERAIS SOBRE O MUNICÍPIO DE SÃO
calcular o MDC de 305 e 360. JERÔNIMO/RS

1. Dividimos o maior número, 360, pelo menor, 305, A cidade:


obtendo resto 55, posicionando o resto abaixo do Em outras épocas, esse município denominava-se "Passo
divisor:36030555 das Tropas". Atualmente liga-se ao fato de ter sido
2. Em seguida, transportamos o resto 55 para o lado direito encontrada a Imagem de São Jerônimo numa embarcação
de 305 e dividimos o 305 por 55, posicionando o novo resto ancorada na praia da povoação.
abaixo do 55: A origem predominante de seus habitantes foi luso-
brasileira.
São Jerônimo, após atingir grande desenvolvimento
3. Repetimos esse procedimento, transportando o novo econômico, consegue emancipar-se de Bom Jesus do
resto 30 para o lado direito de 55 e dividimos o 55 por 30, Triunfo.
posicionando o novo resto abaixo do 30. E continuamos São Jerônimo, uma cidade forjada pelo minério e a
assim, sucessivamente, até obter o primeiro resto 0: pecuária. As atividades pecuária e mineradora foram o
berço da riqueza de São Jerônimo. Às margens do Rio Jacuí
4. O penúltimo resto obtido, ou seja, o resto anterior ao surgiram as Charqueadas, que processavam a carne dos
primeiro resto 0, é o m.d.c. dos dois números iniciais: MDC gados abatidos nos campos do município. Aliada a
(305, 360) = resto anterior ao 0 = 5. prosperidade das estâncias, a exploração das jazidas de
carvão mineral contribuiu para o desenvolvimento da
cidade.
Câmara Municipal de São Jerônimo 17 Motorista
Originária de Triunfo, São Jerônimo foi elevada à categoria LEGISLAÇÃO
de município em 30 de setembro de 1861. Nesta data
comemora-se o aniversário do município e, também, o dia CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL
de São Jerônimo, santo conhecido como tradutor da Bíblia
do Grego e Hebraico para o Latim. Porém, a emancipação TÍTULO I
definitiva de São Jerônimo aconteceu em 02 de março de DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS
1938, após atingir um grande desenvolvimento econômico. Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela
A população de São Jerônimo é predominantemente de união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito
origem luso-brasileira, o que pode ser visto ainda hoje no Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e
centro da cidade e nos casarios de estilo açoriano-colonial, tem como fundamentos:
um verdadeiro patrimônio histórico da cidade. I - a soberania;
II - a cidadania;
Dados Gerais III - a dignidade da pessoa humana;
IV - os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;
População estimada em 2014: 23.399, de acordo com o V - o pluralismo político.
Censo Demográfico do IBGE (2010). Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o
exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente,
População em 2010: 22.134. nos termos desta Constituição.
Art. 2º São Poderes da União, independentes e harmônicos
Área de unidade territorial (Km²): 936.375 entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário.
Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República
Densidade Demográfica (Hab/Km²): 23.64 Federativa do Brasil:
I - construir uma sociedade livre, justa e solidária;
Gentílico: Jeronimense. II - garantir o desenvolvimento nacional;
III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as
Bandeira desigualdades sociais e regionais;
IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de
origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de
discriminação.
Art. 4º A República Federativa do Brasil rege-se nas suas
relações internacionais pelos seguintes princípios:
I - independência nacional;
II - prevalência dos direitos humanos;
III - autodeterminação dos povos;
IV - não-intervenção;
V - igualdade entre os Estados;
VI - defesa da paz;
VII - solução pacífica dos conflitos;
VIII - repúdio ao terrorismo e ao racismo;
Brasão IX - cooperação entre os povos para o progresso da
humanidade;
X - concessão de asilo político.
Parágrafo único. A República Federativa do Brasil buscará a
integração econômica, política, social e cultural dos povos
da América Latina, visando à formação de uma comunidade
latino-americana de nações.
TÍTULO II
DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS
CAPÍTULO I
DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de
qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos
estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à
vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade,
nos termos seguintes:
I - homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações,
nos termos desta Constituição;
II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer
alguma coisa senão em virtude de lei;
III - ninguém será submetido a tortura nem a tratamento
desumano ou degradante;
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o
anonimato;
Câmara Municipal de São Jerônimo 18 Motorista
V - é assegurado o direito de resposta, proporcional ao XXIV - a lei estabelecerá o procedimento para
agravo, além da indenização por dano material, moral ou à desapropriação por necessidade ou utilidade pública, ou
imagem; por interesse social, mediante justa e prévia indenização
VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, em dinheiro, ressalvados os casos previstos nesta
sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e Constituição;
garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a XXV - no caso de iminente perigo público, a autoridade
suas liturgias; competente poderá usar de propriedade particular,
VII - é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assegurada ao proprietário indenização ulterior, se houver
assistência religiosa nas entidades civis e militares de dano;
internação coletiva; XXVI - a pequena propriedade rural, assim definida em lei,
VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de desde que trabalhada pela família, não será objeto de
crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo penhora para pagamento de débitos decorrentes de sua
se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos atividade produtiva, dispondo a lei sobre os meios de
imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada financiar o seu desenvolvimento;
em lei; XXVII - aos autores pertence o direito exclusivo de
IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, utilização, publicação ou reprodução de suas obras,
científica e de comunicação, independentemente de transmissível aos herdeiros pelo tempo que a lei fixar;
censura ou licença; XXVIII - são assegurados, nos termos da lei:
X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a a) a proteção às participações individuais em obras
imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização coletivas e à reprodução da imagem e voz humanas,
pelo dano material ou moral decorrente de sua violação; inclusive nas atividades desportivas;
XI - a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela b) o direito de fiscalização do aproveitamento econômico
podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo das obras que criarem ou de que participarem aos
em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar criadores, aos intérpretes e às respectivas representações
socorro, ou, durante o dia, por determinação sindicais e associativas;
judicial; (Vide Lei nº 13.105, de 2015) XXIX - a lei assegurará aos autores de inventos industriais
(Vigência) privilégio temporário para sua utilização, bem como
XII - é inviolável o sigilo da correspondência e das proteção às criações industriais, à propriedade das marcas,
comunicações telegráficas, de dados e das comunicações aos nomes de empresas e a outros signos distintivos, tendo
telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas em vista o interesse social e o desenvolvimento tecnológico
hipóteses e na forma que a lei estabelecer para fins de e econômico do País;
investigação criminal ou instrução processual XXX - é garantido o direito de herança;
penal; (Vide Lei nº 9.296, de 1996) XXXI - a sucessão de bens de estrangeiros situados no País
XIII - é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou será regulada pela lei brasileira em benefício do cônjuge ou
profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei dos filhos brasileiros, sempre que não lhes seja mais
estabelecer; favorável a lei pessoal do "de cujus";
XIV - é assegurado a todos o acesso à informação e XXXII - o Estado promoverá, na forma da lei, a defesa do
resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao consumidor;
exercício profissional; XXXIII - todos têm direito a receber dos órgãos públicos
XV - é livre a locomoção no território nacional em tempo informações de seu interesse particular, ou de interesse
de paz, podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob
entrar, permanecer ou dele sair com seus bens; pena de responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo
XVI - todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em seja imprescindível à segurança da sociedade e do
locais abertos ao público, independentemente de Estado; (Regulamento) (Vide Lei nº 12.527,
autorização, desde que não frustrem outra reunião de 2011)
anteriormente convocada para o mesmo local, sendo XXXIV - são a todos assegurados, independentemente do
apenas exigido prévio aviso à autoridade competente; pagamento de taxas:
XVII - é plena a liberdade de associação para fins lícitos, a) o direito de petição aos Poderes Públicos em defesa de
vedada a de caráter paramilitar; direitos ou contra ilegalidade ou abuso de poder;
XVIII - a criação de associações e, na forma da lei, a de b) a obtenção de certidões em repartições públicas, para
cooperativas independem de autorização, sendo vedada a defesa de direitos e esclarecimento de situações de
interferência estatal em seu funcionamento; interesse pessoal;
XIX - as associações só poderão ser compulsoriamente XXXV - a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário
dissolvidas ou ter suas atividades suspensas por decisão lesão ou ameaça a direito;
judicial, exigindo-se, no primeiro caso, o trânsito em XXXVI - a lei não prejudicará o direito adquirido, o ato
julgado; jurídico perfeito e a coisa julgada;
XX - ninguém poderá ser compelido a associar-se ou a XXXVII - não haverá juízo ou tribunal de exceção;
permanecer associado; XXXVIII - é reconhecida a instituição do júri, com a
XXI - as entidades associativas, quando expressamente organização que lhe der a lei, assegurados:
autorizadas, têm legitimidade para representar seus filiados a) a plenitude de defesa;
judicial ou extrajudicialmente; b) o sigilo das votações;
XXII - é garantido o direito de propriedade; c) a soberania dos veredictos;
XXIII - a propriedade atenderá a sua função social;
Câmara Municipal de São Jerônimo 19 Motorista
d) a competência para o julgamento dos crimes dolosos LVIII - o civilmente identificado não será submetido a
contra a vida; identificação criminal, salvo nas hipóteses previstas em
XXXIX - não há crime sem lei anterior que o defina, nem lei; (Regulamento).
pena sem prévia cominação legal; LIX - será admitida ação privada nos crimes de ação
XL - a lei penal não retroagirá, salvo para beneficiar o réu; pública, se esta não for intentada no prazo legal;
XLI - a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos LX - a lei só poderá restringir a publicidade dos atos
direitos e liberdades fundamentais; processuais quando a defesa da intimidade ou o interesse
XLII - a prática do racismo constitui crime inafiançável e social o exigirem;
imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei; LXI - ninguém será preso senão em flagrante delito ou por
XLIII - a lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis ordem escrita e fundamentada de autoridade judiciária
de graça ou anistia a prática da tortura , o tráfico ilícito de competente, salvo nos casos de transgressão militar ou
entorpecentes e drogas afins, o terrorismo e os definidos crime propriamente militar, definidos em lei;
como crimes hediondos, por eles respondendo os LXII - a prisão de qualquer pessoa e o local onde se
mandantes, os executores e os que, podendo evitá-los, se encontre serão comunicados imediatamente ao juiz
omitirem; (Regulamento) competente e à família do preso ou à pessoa por ele
XLIV - constitui crime inafiançável e imprescritível a ação indicada;
de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem LXIII - o preso será informado de seus direitos, entre os
constitucional e o Estado Democrático; quais o de permanecer calado, sendo-lhe assegurada a
XLV - nenhuma pena passará da pessoa do condenado, assistência da família e de advogado;
podendo a obrigação de reparar o dano e a decretação do LXIV - o preso tem direito à identificação dos responsáveis
perdimento de bens ser, nos termos da lei, estendidas aos por sua prisão ou por seu interrogatório policial;
sucessores e contra eles executadas, até o limite do valor LXV - a prisão ilegal será imediatamente relaxada pela
do patrimônio transferido; autoridade judiciária;
XLVI - a lei regulará a individualização da pena e adotará, LXVI - ninguém será levado à prisão ou nela mantido,
entre outras, as seguintes: quando a lei admitir a liberdade provisória, com ou sem
a) privação ou restrição da liberdade; fiança;
b) perda de bens; LXVII - não haverá prisão civil por dívida, salvo a do
c) multa; responsável pelo inadimplemento voluntário e inescusável
d) prestação social alternativa; de obrigação alimentícia e a do depositário infiel;
e) suspensão ou interdição de direitos; LXVIII - conceder-se-á habeas corpus sempre que alguém
XLVII - não haverá penas: sofrer ou se achar ameaçado de sofrer violência ou coação
a) de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos em sua liberdade de locomoção, por ilegalidade ou abuso
termos do art. 84, XIX; de poder;
b) de caráter perpétuo; LXIX - conceder-se-á mandado de segurança para proteger
c) de trabalhos forçados; direito líquido e certo, não amparado por habeas corpus ou
d) de banimento; habeas data, quando o responsável pela ilegalidade ou
e) cruéis; abuso de poder for autoridade pública ou agente de pessoa
XLVIII - a pena será cumprida em estabelecimentos jurídica no exercício de atribuições do Poder Público;
distintos, de acordo com a natureza do delito, a idade e o LXX - o mandado de segurança coletivo pode ser impetrado
sexo do apenado; por:
XLIX - é assegurado aos presos o respeito à integridade a) partido político com representação no Congresso
física e moral; Nacional;
L - às presidiárias serão asseguradas condições para que b) organização sindical, entidade de classe ou associação
possam permanecer com seus filhos durante o período de legalmente constituída e em funcionamento há pelo menos
amamentação; um ano, em defesa dos interesses de seus membros ou
LI - nenhum brasileiro será extraditado, salvo o associados;
naturalizado, em caso de crime comum, praticado antes da LXXI - conceder-se-á mandado de injunção sempre que a
naturalização, ou de comprovado envolvimento em tráfico falta de norma regulamentadora torne inviável o exercício
ilícito de entorpecentes e drogas afins, na forma da lei; dos direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas
LII - não será concedida extradição de estrangeiro por inerentes à nacionalidade, à soberania e à cidadania;
crime político ou de opinião; LXXII - conceder-se-á habeas data:
LIII - ninguém será processado nem sentenciado senão pela a) para assegurar o conhecimento de informações relativas
autoridade competente; à pessoa do impetrante, constantes de registros ou bancos
LIV - ninguém será privado da liberdade ou de seus bens de dados de entidades governamentais ou de caráter
sem o devido processo legal; público;
LV - aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, b) para a retificação de dados, quando não se prefira fazê-
e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e lo por processo sigiloso, judicial ou administrativo;
ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes; LXXIII - qualquer cidadão é parte legítima para propor ação
LVI - são inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por popular que vise a anular ato lesivo ao patrimônio público
meios ilícitos; ou de entidade de que o Estado participe, à moralidade
LVII - ninguém será considerado culpado até o trânsito em administrativa, ao meio ambiente e ao patrimônio histórico
julgado de sentença penal condenatória; e cultural, ficando o autor, salvo comprovada má-fé, isento
de custas judiciais e do ônus da sucumbência;
Câmara Municipal de São Jerônimo 20 Motorista
LXXIV - o Estado prestará assistência jurídica integral e VIII - décimo terceiro salário com base na remuneração
gratuita aos que comprovarem insuficiência de recursos; integral ou no valor da aposentadoria;
LXXV - o Estado indenizará o condenado por erro judiciário, IX - remuneração do trabalho noturno superior à do
assim como o que ficar preso além do tempo fixado na diurno;
sentença; X - proteção do salário na forma da lei, constituindo crime
LXXVI - são gratuitos para os reconhecidamente pobres, na sua retenção dolosa;
forma da lei: (Vide Lei nº 7.844, de 1989) XI - participação nos lucros, ou resultados, desvinculada da
a) o registro civil de nascimento; remuneração, e, excepcionalmente, participação na gestão
b) a certidão de óbito; da empresa, conforme definido em lei;
LXXVII - são gratuitas as ações de habeas corpus e habeas XII - salário-família para os seus dependentes;
data, e, na forma da lei, os atos necessários ao exercício da XII - salário-família pago em razão do dependente do
cidadania. (Regulamento) trabalhador de baixa renda nos termos da lei;
LXXVIII - a todos, no âmbito judicial e administrativo, são (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)
assegurados a razoável duração do processo e os meios que XIII - duração do trabalho normal não superior a oito horas
garantam a celeridade de sua tramitação. diárias e quarenta e quatro semanais, facultada a
(Incluído pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004) compensação de horários e a redução da jornada, mediante
§ 1º As normas definidoras dos direitos e garantias acordo ou convenção coletiva de trabalho; (Vide
fundamentais têm aplicação imediata. Decreto-Lei nº 5.452, de 1943)
§ 2º Os direitos e garantias expressos nesta Constituição XIV - jornada de seis horas para o trabalho realizado em
não excluem outros decorrentes do regime e dos princípios turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociação
por ela adotados, ou dos tratados internacionais em que a coletiva;
República Federativa do Brasil seja parte. XV - repouso semanal remunerado, preferencialmente aos
§ 3º Os tratados e convenções internacionais sobre direitos domingos;
humanos que forem aprovados, em cada Casa do XVI - remuneração do serviço extraordinário superior, no
Congresso Nacional, em dois turnos, por três quintos dos mínimo, em cinqüenta por cento à do normal;
votos dos respectivos membros, serão equivalentes às (Vide Del 5.452, art. 59 § 1º)
emendas constitucionais. (Incluído pela XVII - gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos,
Emenda Constitucional nº 45, de 2004) (Atos um terço a mais do que o salário normal;
aprovados na forma deste parágrafo) XVIII - licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do
§ 4º O Brasil se submete à jurisdição de Tribunal Penal salário, com a duração de cento e vinte dias;
Internacional a cuja criação tenha manifestado XIX - licença-paternidade, nos termos fixados em lei;
adesão. (Incluído pela Emenda Constitucional XX - proteção do mercado de trabalho da mulher,
nº 45, de 2004) mediante incentivos específicos, nos termos da lei;
CAPÍTULO II XXI - aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo
DOS DIREITOS SOCIAIS no mínimo de trinta dias, nos termos da lei;
Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a XXII - redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio
alimentação, o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a de normas de saúde, higiene e segurança;
segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e XXIII - adicional de remuneração para as atividades
à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta penosas, insalubres ou perigosas, na forma da lei;
Constituição. (Redação dada pela Emenda XXIV - aposentadoria;
Constitucional nº 90, de 2015) XXV - assistência gratuita aos filhos e dependentes desde o
Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, nascimento até 5 (cinco) anos de idade em creches e pré-
além de outros que visem à melhoria de sua condição escolas; (Redação dada pela Emenda
social: Constitucional nº 53, de 2006)
I - relação de emprego protegida contra despedida XXVI - reconhecimento das convenções e acordos coletivos
arbitrária ou sem justa causa, nos termos de lei de trabalho;
complementar, que preverá indenização compensatória, XXVII - proteção em face da automação, na forma da lei;
dentre outros direitos; XXVIII - seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do
II - seguro-desemprego, em caso de desemprego empregador, sem excluir a indenização a que este está
involuntário; obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa;
III - fundo de garantia do tempo de serviço; XXIX - ação, quanto aos créditos resultantes das relações de
IV - salário mínimo , fixado em lei, nacionalmente unificado, trabalho, com prazo prescricional de cinco anos para os
capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de trabalhadores urbanos e rurais, até o limite de dois anos
sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, após a extinção do contrato de trabalho;
lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 28, de
com reajustes periódicos que lhe preservem o poder 25/05/2000)
aquisitivo, sendo vedada sua vinculação para qualquer fim; a) (Revogada). (Redação dada pela Emenda
V - piso salarial proporcional à extensão e à complexidade Constitucional nº 28, de 25/05/2000)
do trabalho; b) (Revogada). (Redação dada pela Emenda
VI - irredutibilidade do salário, salvo o disposto em Constitucional nº 28, de 25/05/2000)
convenção ou acordo coletivo; XXX - proibição de diferença de salários, de exercício de
VII - garantia de salário, nunca inferior ao mínimo, para os funções e de critério de admissão por motivo de sexo,
que percebem remuneração variável; idade, cor ou estado civil;
Câmara Municipal de São Jerônimo 21 Motorista
XXXI - proibição de qualquer discriminação no tocante a § 2º Os abusos cometidos sujeitam os responsáveis às
salário e critérios de admissão do trabalhador portador de penas da lei.
deficiência; Art. 10. É assegurada a participação dos trabalhadores e
XXXII - proibição de distinção entre trabalho manual, empregadores nos colegiados dos órgãos públicos em que
técnico e intelectual ou entre os profissionais respectivos; seus interesses profissionais ou previdenciários sejam
XXXIII - proibição de trabalho noturno, perigoso ou objeto de discussão e deliberação.
insalubre a menores de dezoito e de qualquer trabalho a Art. 11. Nas empresas de mais de duzentos empregados, é
menores de dezesseis anos, salvo na condição de aprendiz, assegurada a eleição de um representante destes com a
a partir de quatorze anos; (Redação dada pela finalidade exclusiva de promover-lhes o entendimento
Emenda Constitucional nº 20, de 1998) direto com os empregadores.
XXXIV - igualdade de direitos entre o trabalhador com CAPÍTULO III
vínculo empregatício permanente e o trabalhador avulso DA NACIONALIDADE
Parágrafo único. São assegurados à categoria dos Art. 12. São brasileiros:
trabalhadores domésticos os direitos previstos nos incisos I - natos:
IV, VI, VII, VIII, X, XIII, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XXI, XXII, XXIV, a) os nascidos na República Federativa do Brasil, ainda que
XXVI, XXX, XXXI e XXXIII e, atendidas as condições de pais estrangeiros, desde que estes não estejam a serviço
estabelecidas em lei e observada a simplificação do de seu país;
cumprimento das obrigações tributárias, principais e b) os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou mãe
acessórias, decorrentes da relação de trabalho e suas brasileira, desde que qualquer deles esteja a serviço da
peculiaridades, os previstos nos incisos I, II, III, IX, XII, XXV e República Federativa do Brasil;
XXVIII, bem como a sua integração à previdência c) os nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou de mãe
social. (Redação dada pela Emenda Constitucional brasileira, desde que sejam registrados em repartição
nº 72, de 2013) brasileira competente ou venham a residir na República
Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, Federativa do Brasil e optem, em qualquer tempo, depois
observado o seguinte: de atingida a maioridade, pela nacionalidade
I - a lei não poderá exigir autorização do Estado para a brasileira; (Redação dada pela Emenda
fundação de sindicato, ressalvado o registro no órgão Constitucional nº 54, de 2007)
competente, vedadas ao Poder Público a interferência e a II - naturalizados:
intervenção na organização sindical; a) os que, na forma da lei, adquiram a nacionalidade
II - é vedada a criação de mais de uma organização sindical, brasileira, exigidas aos originários de países de língua
em qualquer grau, representativa de categoria profissional portuguesa apenas residência por um ano ininterrupto e
ou econômica, na mesma base territorial, que será definida idoneidade moral;
pelos trabalhadores ou empregadores interessados, não b) os estrangeiros de qualquer nacionalidade, residentes na
podendo ser inferior à área de um Município; República Federativa do Brasil há mais de quinze anos
III - ao sindicato cabe a defesa dos direitos e interesses ininterruptos e sem condenação penal, desde que
coletivos ou individuais da categoria, inclusive em questões requeiram a nacionalidade brasileira. (Redação
judiciais ou administrativas; dada pela Emenda Constitucional de Revisão nº 3, de 1994)
IV - a assembléia geral fixará a contribuição que, em se § 1º Aos portugueses com residência permanente no País,
tratando de categoria profissional, será descontada em se houver reciprocidade em favor de brasileiros, serão
folha, para custeio do sistema confederativo da atribuídos os direitos inerentes ao brasileiro, salvo os casos
representação sindical respectiva, independentemente da previstos nesta Constituição. (Redação dada
contribuição prevista em lei; pela Emenda Constitucional de Revisão nº 3, de 1994)
V - ninguém será obrigado a filiar-se ou a manter-se filiado § 2º A lei não poderá estabelecer distinção entre
a sindicato; brasileiros natos e naturalizados, salvo nos casos previstos
VI - é obrigatória a participação dos sindicatos nas nesta Constituição.
negociações coletivas de trabalho; § 3º São privativos de brasileiro nato os cargos:
VII - o aposentado filiado tem direito a votar e ser votado I - de Presidente e Vice-Presidente da República;
nas organizações sindicais; II - de Presidente da Câmara dos Deputados;
VIII - é vedada a dispensa do empregado sindicalizado a III - de Presidente do Senado Federal;
partir do registro da candidatura a cargo de direção ou IV - de Ministro do Supremo Tribunal Federal;
representação sindical e, se eleito, ainda que suplente, até V - da carreira diplomática;
um ano após o final do mandato, salvo se cometer falta VI - de oficial das Forças Armadas.
grave nos termos da lei. VII - de Ministro de Estado da Defesa (Incluído pela
Parágrafo único. As disposições deste artigo aplicam-se à Emenda Constitucional nº 23, de 1999)
organização de sindicatos rurais e de colônias de § 4º - Será declarada a perda da nacionalidade do brasileiro
pescadores, atendidas as condições que a lei estabelecer. que:
Art. 9º É assegurado o direito de greve, competindo aos I - tiver cancelada sua naturalização, por sentença judicial,
trabalhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-lo e em virtude de atividade nociva ao interesse nacional;
sobre os interesses que devam por meio dele defender. II - adquirir outra nacionalidade, salvo nos casos:
§ 1º A lei definirá os serviços ou atividades essenciais e (Redação dada pela Emenda Constitucional de Revisão nº 3,
disporá sobre o atendimento das necessidades inadiáveis de 1994)
da comunidade.

Câmara Municipal de São Jerônimo 22 Motorista


a) de reconhecimento de nacionalidade originária pela lei § 8º O militar alistável é elegível, atendidas as seguintes
estrangeira; (Incluído pela Emenda condições:
Constitucional de Revisão nº 3, de 1994) I - se contar menos de dez anos de serviço, deverá afastar-
b) de imposição de naturalização, pela norma estrangeira, se da atividade;
ao brasileiro residente em estado estrangeiro, como II - se contar mais de dez anos de serviço, será agregado
condição para permanência em seu território ou para o pela autoridade superior e, se eleito, passará
exercício de direitos civis; (Incluído pela Emenda automaticamente, no ato da diplomação, para a
Constitucional de Revisão nº 3, de 1994) inatividade.
Art. 13. A língua portuguesa é o idioma oficial da República § 9º Lei complementar estabelecerá outros casos de
Federativa do Brasil. inelegibilidade e os prazos de sua cessação, a fim de
§ 1º São símbolos da República Federativa do Brasil a proteger a probidade administrativa, a moralidade para
bandeira, o hino, as armas e o selo nacionais. exercício de mandato considerada vida pregressa do
§ 2º Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão candidato, e a normalidade e legitimidade das eleições
ter símbolos próprios. contra a influência do poder econômico ou o abuso do
CAPÍTULO IV exercício de função, cargo ou emprego na administração
DOS DIREITOS POLÍTICOS direta ou indireta. (Redação dada pela Emenda
Art. 14. A soberania popular será exercida pelo sufrágio Constitucional de Revisão nº 4, de 1994)
universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para § 10 - O mandato eletivo poderá ser impugnado ante a
todos, e, nos termos da lei, mediante: Justiça Eleitoral no prazo de quinze dias contados da
I - plebiscito; diplomação, instruída a ação com provas de abuso do
II - referendo; poder econômico, corrupção ou fraude.
III - iniciativa popular. § 11 - A ação de impugnação de mandato tramitará em
§ 1º O alistamento eleitoral e o voto são: segredo de justiça, respondendo o autor, na forma da lei, se
I - obrigatórios para os maiores de dezoito anos; temerária ou de manifesta má-fé.
II - facultativos para: Art. 15. É vedada a cassação de direitos políticos, cuja perda
a) os analfabetos; ou suspensão só se dará nos casos de:
b) os maiores de setenta anos; I - cancelamento da naturalização por sentença transitada
c) os maiores de dezesseis e menores de dezoito anos. em julgado;
§ 2º Não podem alistar-se como eleitores os estrangeiros e, II - incapacidade civil absoluta;
durante o período do serviço militar obrigatório, os III - condenação criminal transitada em julgado, enquanto
conscritos. durarem seus efeitos;
§ 3º São condições de elegibilidade, na forma da lei: IV - recusa de cumprir obrigação a todos imposta ou
I - a nacionalidade brasileira; prestação alternativa, nos termos do art. 5º, VIII;
II - o pleno exercício dos direitos políticos; V - improbidade administrativa, nos termos do art. 37, § 4º.
III - o alistamento eleitoral; Art. 16. A lei que alterar o processo eleitoral entrará em
IV - o domicílio eleitoral na circunscrição; vigor na data de sua publicação, não se aplicando à eleição
V - a filiação partidária; Regulamento que ocorra até um ano da data de sua vigência.
VI - a idade mínima de: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 4, de 1993)
a) trinta e cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da CAPÍTULO V
República e Senador; DOS PARTIDOS POLÍTICOS
b) trinta anos para Governador e Vice-Governador de Art. 17. É livre a criação, fusão, incorporação e extinção de
Estado e do Distrito Federal; partidos políticos, resguardados a soberania nacional, o
c) vinte e um anos para Deputado Federal, Deputado regime democrático, o pluripartidarismo, os direitos
Estadual ou Distrital, Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de paz; fundamentais da pessoa humana e observados os seguintes
d) dezoito anos para Vereador. preceitos: Regulamento
§ 4º São inelegíveis os inalistáveis e os analfabetos. I - caráter nacional;
§ 5º O Presidente da República, os Governadores de Estado II - proibição de recebimento de recursos financeiros de
e do Distrito Federal, os Prefeitos e quem os houver entidade ou governo estrangeiros ou de subordinação a
sucedido, ou substituído no curso dos mandatos poderão estes;
ser reeleitos para um único período subseqüente. III - prestação de contas à Justiça Eleitoral;
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 16, de 1997) IV - funcionamento parlamentar de acordo com a lei.
§ 6º Para concorrerem a outros cargos, o Presidente da § 1º É assegurada aos partidos políticos autonomia para
República, os Governadores de Estado e do Distrito Federal definir sua estrutura interna e estabelecer regras sobre
e os Prefeitos devem renunciar aos respectivos mandatos escolha, formação e duração de seus órgãos permanentes e
até seis meses antes do pleito. provisórios e sobre sua organização e funcionamento e
§ 7º São inelegíveis, no território de jurisdição do titular, o para adotar os critérios de escolha e o regime de suas
cônjuge e os parentes consangüíneos ou afins, até o coligações nas eleições majoritárias, vedada a sua
segundo grau ou por adoção, do Presidente da República, celebração nas eleições proporcionais, sem obrigatoriedade
de Governador de Estado ou Território, do Distrito Federal, de vinculação entre as candidaturas em âmbito nacional,
de Prefeito ou de quem os haja substituído dentro dos seis estadual, distrital ou municipal, devendo seus estatutos
meses anteriores ao pleito, salvo se já titular de mandato estabelecer normas de disciplina e fidelidade
eletivo e candidato à reeleição. partidária. (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 97, de 2017)
Câmara Municipal de São Jerônimo 23 Motorista
§ 2º Os partidos políticos, após adquirirem personalidade Art. 4°. São símbolos do Município, a Bandeira, o Brasão, o
jurídica, na forma da lei civil, registrarão seus estatutos no Hino Municipal, representativos de sua cultura e história,
Tribunal Superior Eleitoral. além dos que forem estabelecidos por lei.
§ 3º Somente terão direito a recursos do fundo Parágrafo Único. São Feriados Municipais:
partidário e acesso gratuito ao rádio e à televisão, na forma a) 30 de Setembro (Dia do Município);
da lei, os partidos políticos que alternativamente: b) 08 de Dezembro (Dia da Imaculada Conceição);
c) Corpus Christi (Data Variável).
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 97, de 2017)
Art. 5º. A organização político-administrativa da República
I - obtiverem, nas eleições para a Câmara dos Federativa do Brasil compreende o Município, ente
Deputados, no mínimo, 3% (três por cento) dos votos autônomo, nos termos da Constituição da República
válidos, distribuídos em pelo menos um terço das unidades Federativa do Brasil.
da Federação, com um mínimo de 2% (dois por cento) dos
votos válidos em cada uma delas; ou (Incluído CAPÍTULO II – DA COMPETÊNCIA
pela Emenda Constitucional nº 97, de 2017) Art. 6°. Compete ao Município, no exercício de sua
autonomia, dispor sobre assuntos de interesse local,
II - tiverem elegido pelo menos quinze Deputados
cabendo-lhe entre outras, as seguintes atribuições:
Federais distribuídos em pelo menos um terço das unidades I - organizar-se administrativamente, observadas as
da Federação. (Incluído pela Emenda legislações federal e estadual;
Constitucional nº 97, de 2017) II - decretar suas leis, expedir decretos e atos relativos aos
§ 4º É vedada a utilização pelos partidos políticos de assuntos de seu peculiar interesse;
organização paramilitar. * Alterado pela Emenda a Lei Orgânica 001/2010, de
§ 5º Ao eleito por partido que não preencher os requisitos 30/11/2010.
previstos no § 3º deste artigo é assegurado o mandato e III - administrar seus bens, adquiri-los e aliená-los, aceitar
facultada a filiação, sem perda do mandato, a outro partido doações, legados e heranças e dispor de sua aplicação;
que os tenha atingido, não sendo essa filiação considerada IV - desapropriar, por necessidade ou utilidade pública, ou
para fins de distribuição dos recursos do fundo partidário e interesse social, nos casos previstos em Lei;
de acesso gratuito ao tempo de rádio e de V - conceder e permitir os serviços públicos locais e os que
televisão. (Incluído pela Emenda Constitucional nº lhe sejam concernentes;
97, de 2017) VI - organizar os quadros e estabelecer o regime jurídico de
seus servidores;
LEI ORGÂNICA SÃO JERÔNIMO VII - elaborar o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano
estabelecendo normas de edificação, de loteamentos, de
PREÂMBULO zoneamento, bem como diretrizes urbanísticas
Nós, representantes do povo Jeronimense, com os poderes convenientes à ordenação de seu território, preservando-se
delegados pelo voto e pela Constituição da República condições naturais de iluminação e ventilação;
Federativa do Brasil voltados para uma construção de uma VIII - estabelecer normas de prevenção e controle de ruído,
sociedade mais justa e igualitária, fundada nos princípios da da poluição do meio ambiente, do espaço aéreo e das
liberdade, de igualdade, da ética, da justiça e do pleno águas;
exercício da cidadania e da soberania popular, em que o IX - conceder e permitir os serviços de transporte coletivo,
Trabalho seja origem da relação social e econômica e a taxi, e outros, fixando as tarifas, itinerários, pontos de
democracia seja realmente a prática política em formas estacionamento e paradas.
cada vez mais participativas e representativas, vivenciando X - regulamentar a utilização dos logradouros públicos e
a realidade econômica e social de nossa comunidade, sinalizar as faixas de rolamento e zonas de silêncio;
PROMULGAMOS, sob a proteção de DEUS, esta Lei XI - disciplinar os serviços de cargas e descargas e a fixação
Orgânica do Município de São Jerônimo. de tonelagem máxima permitida;
XII – REVOGADO.
TÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO DO MUNICÍPIO XIII - regulamentar e fiscalizar a instalação e funcionamento
CAPÍTULO I – DISPOSIÇÕES PRELIMINARES dos elevadores;
Art. 1°. O Município de São Jerônimo, parte integrante da XIV - disciplinar a limpeza dos logradouros públicos, a
República Federativa do Brasil e do estado do Rio grande do remoção e destino do lixo domiciliar;
Sul organiza-se autônomo em tudo que respeite a seu XV - licenciar estabelecimentos industriais, comerciais, de
peculiar interesse, regendo-se por esta Lei Orgânica e prestação de serviços e outros e cassar os alvarás de licença
demais leis que adotar, respeitados os princípios dos que se tornarem danosos à saúde, à higiene, ao bem-
estabelecidos na Constituições Federal e Estadual. estar público e aos bons costumes;
Art. 2°. São poderes do Município, independentes e XVI - fixar o horário de funcionamento de estabelecimentos
harmônicos entre si, o legislativo, exercido pela Câmara comerciais, industriais, de prestação de serviços e outros;
Municipal, e o Executivo, exercido pelo Prefeito. XVII - legislar sobre o serviço funerário e cemitérios,
§ 1°. REVOGADO. fiscalizando os que pertencerem a entidades particulares;
§ 2°. REVOGADO. XVIII - interditar edificações em ruínas ou em condições de
Art. 3°. Os limites do território do Município só poderão ser insalubridade e fazer demolir construções que ameacem a
alterados por Lei Estadual, observados os requisitos segurança coletiva;
estabelecidos em lei complementar. XIX - regulamentar, autorizar e fiscalizar a fixação de
cartazes, anúncios, emblemas e quaisquer outros meios de
Câmara Municipal de São Jerônimo 24 Motorista
publicidade e propaganda nos locais sujeitos ao poder de lei, ressalvada as nomeações para cargo em comissão
polícia municipal; declarado em lei de livre nomeação e exoneração;
XX - regulamentar e fiscalizar as competições esportivas, os III - o prazo de validade do concurso público será de até
espetáculos e os divertimentos públicos; dois anos, prorrogável uma vez, por igual período;
XXI - legislar sobre a apreensão e depósito de semoventes, IV - durante o prazo improrrogável previsto no edital de
mercadorias e móveis em geral, no caso de transgressão de convocação, aquele aprovado em concurso público de
lei e demais atos municipais, bem como sobre a forma e provas ou de provas e títulos serão convocados com
condições de venda das coisas e bens apreendidos; prioridade sobre novos concursados para assumir cargo ou
Art. 7º. O Município poderá celebrar convênios e emprego, na carreira;
consórcios públicos com a União, o Estado e outros V - as funções de confiança, exercidas exclusivamente por
Municípios para a realização de obras ou serviços públicos servidores ocupantes de cargo efetivo, e os cargos em
de interesse comum, observado o disposto em lei. comissão, a serem preenchidos por servidores de carreira
Parágrafo único. Assinado o convênio, será dada ciência do nos casos, condições e percentuais mínimos previstos em
mesmo à Câmara Municipal. lei, destinam-se apenas às atribuições de direção, chefia e
Art. 8º. É competência comum da União, dos Estados, do assessoramento;
Distrito Federal e dos Municípios: VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre
I - zelar pela guarda da Constituição, das leis e das associação sindical;
instituições democráticas e conservar o patrimônio público; VII - o direito de greve será exercido nos termos e nos
II - cuidar da saúde e assistência pública, da proteção e limites definidos em lei específica;
garantia das pessoas portadoras de deficiência; VIII - a lei reservará percentual dos cargos e empregos
III - proteger os documentos, as obras e outros bens de públicos para as pessoas portadoras de deficiência e
valor histórico, artístico e cultural, os monumentos, as definirá os critérios de sua admissão;
paisagens naturais notáveis e os sítios arqueológicos; IX - a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo
IV - impedir a evasão, a destruição e a descaracterização de determinado para atender a necessidade temporária de
obras de arte e de outros bens de valor histórico, artístico excepcional interesse público;
ou cultural; X - a remuneração dos servidores públicos e o subsídio de
V - proporcionar os meios de acesso à cultura, à educação e que trata o § 4º do artigo 39 da Constituição Federal
à ciência; somente poderão ser fixados ou alterados por lei
VI - proteger o meio ambiente e combater a poluição em específica, observada a iniciativa privativa em cada caso,
qualquer de suas formas; assegurada revisão geral anual, sempre na mesma data e
VII - preservar as florestas, a fauna e a flora; sem distinção de índices;
VIII - fomentar a produção agropecuária e organizar o XI - a remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos,
abastecimento alimentar; funções e empregos públicos da administração direta,
IX - promover programas de construção de moradias e a autárquica e fundacional, dos membros de qualquer dos
melhoria das condições habitacionais e de saneamento Poderes do Município, dos detentores de mandato eletivo e
básico; dos demais agentes políticos e os proventos, pensões ou
X - combater as causas da pobreza e os fatores de outra espécie remuneratória, percebidas cumulativamente
marginalização, promovendo a integração social dos ou não, incluídas as vantagens pessoais ou de qualquer
setores desfavorecidos; outra natureza, não poderão exceder o limite estabelecido
XI - registrar, acompanhar e fiscalizar as concessões de no inciso XI do artigo 37 da Constituição Federal;
direitos de pesquisa e exploração de recursos hídricos e XII - os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo não
minerais em seus territórios; poderão ser superiores aos pagos pelo Poder Executivo;
XII - estabelecer e implantar política de educação para a XIII - é vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer
segurança do trânsito. espécies remuneratórias para o efeito de remuneração de
Parágrafo único. O Município poderá constituir mediante lei pessoal do serviço público;
consórcios com outros municípios para a realização de XIV - os acréscimos pecuniários percebidos por servidor
obras, atividades ou serviços específicos de interesse público não serão computados nem acumulados para fins
comum. de concessão de acréscimos ulteriores;
XV - o subsídio e os vencimentos dos ocupantes de cargos e
CAPÍTULO III – DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA empregos públicos são irredutíveis, ressalvado o disposto
Seção I - Disposições Gerais nos incisos XI e XIV deste artigo e nos artigos 39, § 4º, 150,
Art. 9º. A administração pública direta e indireta de II, 153, III, e 153, § 2º, I, da Constituição Federal;
qualquer dos Poderes do Município obedecerá aos XVI - é vedada a acumulação remunerada de cargos
princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, públicos, exceto, quando houver compatibilidade de
publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: horários, observado em qualquer caso o disposto no inciso
I - os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis XI:
aos brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos a) a de dois cargos de professor;
em lei, assim como aos estrangeiros, na forma da lei; b) a de um cargo de professor com outro, técnico ou
II - a investidura em cargo ou emprego público depende de científico;
aprovação prévia em concurso público de provas ou de c) a de dois cargos privativos de profissionais de saúde, com
provas e títulos, de acordo com a natureza e a profissões regulamentadas;
complexidade do cargo ou emprego, na forma prevista em XVII - a proibição de acumular estende-se a empregos e
funções e abrange autarquias, fundações, empresas
Câmara Municipal de São Jerônimo 25 Motorista
públicas, sociedades de economia mista, suas subsidiárias, I - a natureza, o grau de responsabilidade e a complexidade
e sociedades controladas, direta ou indiretamente, pelo dos cargos componentes de cada carreira;
poder público; II - os requisitos para a investidura;
XVIII - a administração fazendária e seus servidores fiscais III - as peculiaridades dos cargos.
terão, dentro de suas áreas de competência e jurisdição, § 2º. Aplica-se aos servidores ocupantes de cargo público o
precedência sobre os demais setores administrativos, na disposto no artigo 7º, IV, VII, VIII, IX, XII, XIII, XV, XVI, XVII,
forma da lei; XVIII, XIX, XX, XXII e XXX, da Constituição Federal podendo a
XIX - somente por lei específica poderá ser criada autarquia lei estabelecer requisitos diferenciados de admissão
e autorizada a instituição de empresa pública, de sociedade quando a natureza do cargo o exigir.
de economia mista e de fundação, cabendo à lei § 3º. O detentor de mandato eletivo e os Secretários
complementar, neste último caso, definir as áreas de sua Municipais serão remunerados exclusivamente por subsídio
atuação; fixado em parcela única, vedado o acréscimo de qualquer
XX - depende de autorização legislativa, em cada caso, a gratificação, adicional, abono, prêmio, verba de
criação de subsidiárias das entidades mencionadas no representação ou outra espécie remuneratória, obedecido,
inciso anterior, assim como a participação de qualquer em qualquer caso, o disposto no artigo 37, X e XI, da
delas em empresa privada; Constituição Federal.
XXI - ressalvados os casos especificados na legislação, as § 4º. Lei do Município poderá estabelecer a relação entre a
obras, serviços, compras e alienações serão contratados maior e a menor remuneração dos servidores públicos,
mediante processo de licitação pública que assegure obedecido, em qualquer caso, o disposto no artigo 37, XI,
igualdade de condições a todos os concorrentes, com da Constituição Federal.
cláusulas que estabeleçam obrigações de pagamento, § 5º. Os Poderes Executivo e Legislativo publicarão
mantidas as condições efetivas da proposta, nos termos da anualmente os valores do subsídio e da remuneração dos
lei, o qual somente permitirá as exigências de qualificação cargos e empregos públicos.
técnica e econômicas indispensáveis à garantia do § 6º. A remuneração dos servidores públicos organizados
cumprimento das obrigações. em carreira poderá ser fixada nos termos do § 3º.
§ 1º A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e Art. 20. São estáveis após três anos de efetivo exercício os
campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter servidores nomeados para cargo de provimento efetivo em
educativo, informativo ou de orientação social, dela não virtude de concurso público.
podendo constar nomes, símbolos ou imagens que § 1º. O servidor público estável só perderá o cargo:
caracterizem promoção pessoal de autoridades ou I - em virtude de sentença judicial transitada em julgado;
servidores públicos. II - mediante processo administrativo em que lhe seja
§ 2º A não observância do disposto nos incisos II e III assegurado ampla defesa;
implicará a nulidade do ato e a punição da autoridade III - mediante procedimento de avaliação periódica de
responsável, nos termos da lei. desempenho, na forma de lei complementar, assegurada
§ 3º As pessoas jurídicas de direito público e as de direito ampla defesa.
privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos § 2º. Invalidada por sentença judicial a demissão do
danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a servidor estável, será ele reintegrado, e o eventual
terceiros, assegurado o direito de regresso contra o ocupante da vaga, se estável, reconduzido ao cargo de
responsável nos casos de dolo ou culpa. origem, sem direito a indenização, aproveitado em outro
§ 4º É vedada a percepção simultânea de proventos de cargo ou posto em disponibilidade com remuneração
aposentadoria decorrentes dos artigos 40, 42 e 142 da proporcional ao tempo de serviço.
Constituição Federal com a remuneração de cargo, § 3º. Extinto o cargo ou declarada a sua desnecessidade, o
emprego ou função pública, ressalvados os cargos servidor estável ficará em disponibilidade, com
acumuláveis na forma desta Lei Orgânica, os cargos eletivos remuneração proporcional ao tempo de serviço, até seu
e os cargos em comissão declarados em lei de livre adequado aproveitamento em outro cargo.
nomeação e exoneração. § 4º. Como condição para a aquisição da estabilidade, é
Art. 10. REVOGADO. obrigatória a avaliação especial de desempenho por
Art. 11. REVOGADO. comissão instituída para essa finalidade.
Art. 12. REVOGADO. Art. 21. São direitos dos servidores públicos do Município
Art. 13. REVOGADO. além de outros previstos na Constituição Federal, nesta Lei
Art. 14. REVOGADO. Orgânica e nas Leis:
Art. 15. REVOGADO. I - irredutibilidade de salários;
Art. 16. REVOGADO. II - Décimo terceiro salário ou vencimentos igual à
Art. 17. REVOGADO. remuneração integral ou no valor dos proventos de
Art. 18. REVOGADO. aposentadoria;
III - Remuneração do trabalho noturno superior à do diurno
Seção II – Dos Servidores Públicos Municipais em idêntica função;
Art. 19. O Município instituirá, no âmbito de sua IV - Salário-família ou abono familiar para seus
competência, regime jurídico único e planos de carreira dependentes;
para os servidores da administração pública direta, das V - Duração do trabalho normal não superior a seis horas
autarquias e das fundações públicas. diárias e trinta horas semanais, facultada a composição de
§ 1º. A fixação dos padrões de vencimento e dos demais horários e a redução da jornada.
componentes do sistema remuneratório observará:
Câmara Municipal de São Jerônimo 26 Motorista
VI - Repouso semanal remunerado, preferencialmente aos V – a idade mínima de dezoito anos;
domingos; § 2º. São inelegíveis os inalistáveis e os analfabetos.
VII - Remuneração do serviço extraordinário, superior, no Art. 29. A Câmara Municipal reunir-se-á, anualmente, no
mínimo em cinquenta por cento do normal; Município, de 01 de março a 31 de dezembro.
VIII - Gozo de férias anuais remuneradas com pelo menos, Art. 30 - No primeiro ano de cada legislatura, cuja duração
um terço a mais do que a remuneração normal; coincide com a do mandato dos vereadores, a Câmara
IX - Licença à gestante, sem prejuízo do emprego e da reúne-se no dia 01 de janeiro para dar posse aos
remuneração, com a duração de cento e vinte dias; vereadores, Prefeito e ao Vice-Prefeito, bem como eleger
X - Licença - paternidade, nos termos fixados em lei; sua mesa, a Comissão Representativa e as Comissões
XI - Redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de Permanentes, entrando após, em recesso.
normas de saúde, higiene e segurança; Parágrafo Único - No término de cada sessão legislativa
XII - Adicional de remuneração para atividades penosas, ordinária, exceto a última da legislatura, na segunda sessão
insalubres ou perigosas, na forma da lei; ordinária do mês de dezembro serão eleitas a Mesa
XIV - Proibição de diferenças de remuneração, de exercício Diretora e as Comissões para a Sessão subsequente.
de funções e de critérios de admissão, por motivo de sexo, Art. 31. A convocação extraordinária da Câmara Municipal
idade, cor ou estado civil; far-se-á pelo Prefeito Municipal, pelo Presidente da Câmara
XV – Vale-Alimentação em valor a ser fixado por Lei Municipal ou a requerimento da maioria dos membros da
Municipal; e Casa, em caso de urgência ou interesse público relevante,
XV - Auxílio transporte correspondente à necessidade de em todas as hipóteses deste inciso com a aprovação da
deslocamento do servidor em atividade para seu local de maioria absoluta da Casa Legislativa.
trabalho, nos termos da legislação federal; Parágrafo Único – O Prefeito somente convocará a Câmara
Parágrafo Único. O adicional de remuneração de que trata Municipal no período de recesso.
o inciso 18 deverá ser calculado exclusivamente com base Art. 32 - Na composição da mesa e das Comissões será
nas características de trabalho e na área e grau de assegurada, tanto quanto possível, a representação
exposição ao risco, na forma da lei. proporcional dos Partidos.
Art. 22. Ao servidor público da administração direta, Art. 33. Salvo disposição orgânica em contrário, as
autárquica e fundacional, no exercício de mandato eletivo, deliberações da Câmara Municipal e de suas Comissões
aplicam-se as seguintes disposições: serão tomadas por maioria dos votos, presente a maioria
I - tratando-se de mandato eletivo federal, estadual ou absoluta de seus membros.
distrital, ficará afastado de seu cargo, emprego ou função; Parágrafo Único. O Presidente da Câmara vota somente
II - investido no mandato de Prefeito, será afastado do quando houver empate, quando a matéria exigir dois terços
cargo, emprego ou função, sendo-lhe facultado optar pela e nas votações secretas.
sua remuneração; Art. 34 - As Sessões da Câmara são públicas e o voto é
III - investido no mandato de Vereador, havendo aberto.
compatibilidade de horários, perceberá as vantagens de Parágrafo Único - REVOGADO.
seu cargo, emprego ou função, sem prejuízo da Art. 35. A fiscalização do Município será exercida pelo
remuneração do cargo eletivo, e, não havendo Poder Legislativo Municipal, mediante controle externo, e
compatibilidade, será aplicada a norma do inciso anterior; pelos sistemas de controle interno do Poder Executivo
IV - em qualquer caso que exija o afastamento para o Municipal, na forma da lei.
exercício de mandato eletivo, seu tempo de serviço será Parágrafo único. O parecer prévio, emitido pelo órgão
contado para todos os efeitos legais, exceto para promoção competente sobre as contas que o Prefeito deve
por merecimento; anualmente prestar, só deixará de prevalecer por decisão
V - para efeito de benefício previdenciário, no caso de de dois terços dos membros da Câmara Municipal.
afastamento, os valores serão determinados como se no Art. 36. As contas dos Municípios ficarão, durante sessenta
exercício estivesse. dias, anualmente, à disposição de qualquer contribuinte,
Art. 23. O servidor público titular de cargo de provimento para exame e apreciação, o qual poderá questionar-lhes a
efetivo será aposentado na forma prevista em lei. legitimidade, nos termos da lei.
Art. 24. REVOGADO. Art. 37. A Câmara Municipal, a requerimento da maioria de
Art. 25. REVOGADO. seus membros ou qualquer de suas Comissões, poderão
Art. 26. REVOGADO. convocar Secretario Municipal ou quaisquer titulares de
Art. 27. REVOGADO. órgãos diretamente subordinados à Prefeitura Municipal
para prestarem, pessoalmente, informações sobre assunto
TÍTULO II - DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES previamente determinado, importando em crime de
CAPÍTULO I – DO PODER LEGISLATIVO responsabilidade a ausência sem justificação adequada.
Seção I – Disposições Gerais § 1º. Os Secretários municipais poderão comparecer à
Art. 28. A Câmara Municipal é composta por onze Câmara Municipal, por sua iniciativa e mediante
vereadores, eleitos na forma da lei. entendimentos com a Mesa respectiva, para expor assunto
§ 1º São condições de elegibilidade para o mandato de de relevância de sua Secretaria.
Vereador: § 2º. A Mesa da Câmara Municipal poderá encaminhar
I – a nacionalidade brasileira; pedidos escritos de informação ao Prefeito Municipal, aos
II – o pleno exercício dos direitos políticos; Secretários Municipais ou a qualquer das pessoas referidas
III – o domicilio eleitoral na circunscrição; no caput deste artigo, importando em crime de
IV – a filiação partidária;
Câmara Municipal de São Jerônimo 27 Motorista
responsabilidade a recusa, ou o não atendimento, no prazo Parágrafo único. O legítimo deve ser reconhecido pela
de trinta dias, bem como a prestação de informações falsas. própria Câmara e o vereador declarado impedido será
Art. 38. As comissões parlamentares de inquérito, que considerado como em pleno exercício de seu mandato, sem
terão poderes de investigação próprios das autoridades direito à remuneração, com a convocação do suplente.
judiciais, além de outros previstos no regimento interno, Art. 44. REVOGADO.
serão criadas pela Câmara Municipal, mediante
requerimento de um terço de seus membros, para a Seção III – Das Atribuições da Câmara Municipal
apuração de fato determinado e por prazo certo, sendo Art. 45. Compete à Câmara Municipal, com a sanção do
suas conclusões, se for o caso, encaminhadas ao Ministério Prefeito, dispor sobre as matérias de competência do
Público, para que promova a responsabilidade civil ou Município e especialmente:
criminal dos infratores. I - Legislar sobre todas as matérias atribuídas ao Município
pelas Constituições da União e do Estado, e por esta Lei
Seção II – Dos Vereadores Orgânica;
Art. 39. Os Vereadores são invioláveis por suas opiniões, II - Votar;
palavras e votos no exercício do mandato e na circunscrição a) O plano plurianual;
do Município. b) As diretrizes orçamentárias;
Art. 40. Os Vereadores não poderão: c) Os orçamentos anuais;
I - desde a expedição do diploma: d) REVOGADO.
a) firmar ou manter contrato com pessoa jurídica de direito III - Decretar Leis;
público, autarquia, empresa pública, sociedade de IV - Legislar sobre tributos de competência Municipal;
economia mista ou empresa concessionária de serviço V – REVOGADO.
público, salvo quando o contrato obedecer a cláusulas VI - Votar leis que disponham sobre a alienação e aquisição
uniformes; de bens móveis;
b) aceitar ou exercer cargo, função ou emprego VII - Legislar sobre a concessão de serviços públicos do
remunerado, inclusive os de que sejam demissíveis ad Município;
nutum, nas entidades constantes da alínea anterior; VIII - Legislar sobre a concessão e permissão de uso de
II - desde a posse: próprios municipais;
a) ser proprietários, controladores ou diretores de empresa IX - Dispor sobre a divisão territorial do Município,
que goze de favor decorrente de contrato com pessoa respeitada a legislação federal e estadual;
jurídica de direito público, ou nela exercer função X – REVOGADO.
remunerada; XI - Deliberar sobre empréstimos e operações de crédito,
b) ocupar cargo ou função de que sejam demissíveis ad bem como a forma e os meios de seu pagamento;
nutum, nas entidades referidas no inciso I, a; XII - Transferir, temporária ou definitivamente, a sede do
c) patrocinar causa em que seja interessada qualquer das Município, quando o interesse público o exigir;
entidades a que se refere o inciso I, a; XII - Cancelar, nos termos da lei, a dívida ativa do
d) ser titulares de mais de um cargo ou mandato público Município, autorizar a suspensão de sua cobrança e a
eletivo. elevação de ônus e juros.
Art. 41. Sujeita-se à perda do mandato o vereador que: Art. 46 - É da competência exclusiva da Câmara Municipal:
I - Infringir qualquer das posições estabelecidas no artigo I - eleger a sua Mesa, elaborar seu regimento interno e
anterior; dispor sobre sua organização e polícia;
II - Utilizar-se do mandato para prática de atos de II - propor a criação e extinção dos cargos de seu quadro de
corrupção, de improbidade administrativa ou atentatória às pessoal e serviços, dispor sobre o provimento dos mesmos,
instruções vigentes; bem como fixar e alterar seus vencimentos e outras
III - Proceder de modo incompatível com a dignidade da vantagens;
Câmara ou faltar com o decoro na sua conduta pública; III - emendar a Lei Orgânica ou reformá-la;
IV - Quem deixar de comparecer, em cada período IV - representar, pela maioria de seus membros, para efeito
legislativo, na terça parte das Sessões Ordinárias da de intervenção no Município;
Câmara, salvo licença ou missão por esta autorizada; V - autorizar convênios e contratos de interesse municipal
V- Residir fora do Município; com entidades públicas ou particulares e consórcios com
§ 1°. As ausências não serão consideradas faltas quando outros Municípios;
acatadas pelo Plenário. VI - exercer a fiscalização da administração financeira e
§ 2°. É objeto de disposições regimentais o rito a ser orçamentária do Município, com auxílio do Tribunal de
seguido nos casos deste Artigo, respeitadas a legislação Contas do Estado, e julgar as contas do Prefeito;
Estadual e Federal. VII - sustar atos do poder executivo que exorbitem da sua
Art. 42. O vereador investido no Cargo de Secretário competência, ou se mostrem contrários ao interesse
Municipal, ou Diretoria equivalente, ou o que for exercer público;
cargo de confiança na esfera pública Estadual ou Federal, VIII – Os subsídios dos cargos eletivos do Município e dos
não perde o mandato, desde que se afaste do exercício da Secretários Municipais serão fixados nos termos e limites
vereança. previstos na Constituição Federal.
Art. 43. Nos casos do artigo anterior e nos de licença, XIX - autorizar o Prefeito e o Vice-Prefeito a afastar-se do
legítimo impedimento e vaga por morte ou renúncia, o Município por mais de quinze dias;
Vereador será substituído pelo suplente, convocado nos
termos da Lei.
Câmara Municipal de São Jerônimo 28 Motorista
X - convocar qualquer Secretário, titular de autarquia ou de III - receber petições, reclamações, representações ou
instituição de que participe o Município, para prestar queixas de qualquer pessoa contra atos ou omissões das
informações; autoridades ou entidades públicas;
XI - mudar temporária ou definitivamente a sua sede; IV - solicitar depoimento de qualquer autoridade ou
XII - solicitar informações por escrito ao Executivo sobre cidadão;
assuntos referentes à administração; V- apreciar programas de obras, planos nacionais, regionais,
XIII - dar posse ao Prefeito, bem como declarar extinto o e setoriais de desenvolvimento e sobre eles emitir parecer.
seu mandato nos casos previstos em lei; Art. 51. São leis complementares que depende da
XIV - conceder licença ao Prefeito; aprovação da maioria absoluta dos membros da Câmara:
XV - suspender a execução, no todo ou em parte, de I – código de obras;
qualquer ato, resolução ou regulamento municipal, que II – código de posturas;
haja sido, pelo Poder Judiciário, declarado infringente à III – código tributário;
Constituição, à Lei Orgânica ou às leis; IV – plano diretor;
XVI - criar Comissão Parlamentar de Inquérito; V – código do meio ambiente;
XVII - propor ao Prefeito a execução de qualquer obra ou VI – estatuto do servidor público;
medida que interesse à coletividade ou ao serviço público; VII - lei que trata da elaboração, redação, alteração e
XVIII - autorizar referendo e plebiscito; consolidação das leis.
XIX - Fica assegurado o pagamento de diárias aos § 1°. Observado o Regimento Interno da Câmara Municipal,
Vereadores que se deslocarem, a interesse da comunidade é facultada a realização de consulta pública aos projetos de
para outros Municípios e para fora do Estado, cujos valores lei complementares para recebimento de sugestões.
são estabelecidos por Lei específica. § 2°. A sugestão popular referida no § 1° deste artigo não
pode versar sobre assuntos com reserva de competência.
Seção IV – Das Comissões Art. 52. A iniciativa das leis complementares e ordinárias
Art. 47. A Comissão Representativa funciona no recesso da cabe ao Prefeito, a qualquer membro da comissão da
Câmara Municipal e tem as seguintes atribuições: Câmara, e aos cidadãos, observando o disposto nesta Lei.
I - zelar pelas prerrogativas do Poder Legislativo;
II - zelar pela observância da Lei Orgânica Seção V – Do Processo Legislativo
III - autorizar o prefeito a se ausentar do Município e do Subseção I – Disposições Gerais
Estado; Art. 53. O processo legislativo compreende a elaboração
IV - convocar extraordinariamente a Câmara; de:
V - tomar medidas urgentes de competência da Câmara I - emendas à Lei Orgânica;
Municipal. II - leis complementares;
Parágrafo Único: - As normas relativas ao desempenho das III - leis ordinárias;
atribuições da Comissão Representativa são estabelecidas IV - decretos legislativos;
no Regimento Interno da Câmara. V - resoluções.
Art. 48. A Comissão Representativa, constituída por número
ímpar de Vereadores, é composta pela Mesa e pelos Art. 54. REVOGADO.
demais membros eleitos com respectivos suplentes.
§ 1°. A Presidência da Comissão Representativa cabe ao Subseção II – Da Emenda à Lei Orgânica
Presidente da Câmara, cuja substituição se faz na forma Art. 55 - A Lei Orgânica pode der emendada mediante
regimental. proposta:
§ 2°. O número de membros eleitos da Comissão I - de um terço no mínimo de vereadores;
Representativa deve perfazer, no mínimo, a maioria II - do Prefeito;
absoluta da Câmara, observada, quanto possível, a § 1º Em qualquer dos casos deste artigo, a proposta será
proporcionalidade da representação partidária. discutida e votada pela Câmara em duas sessões, com
Art. 49. A Comissão Representativa deve apresentar interstício mínimo de dez dias, e aprovada por dois terços
relatório dos trabalhos por ela realizados, quando do dos membros da Câmara Municipal em ambas as votações.
reinicio do período do funcionamento do legislativo. § 2°- A emenda à Lei Orgânica será promulgada pela Mesa
Art. 50. A Câmara terá comissões permanentes e da Câmara Municipal, com respectivo número e ordem.
temporárias, constituídas na forma e com as atribuições
previstas no respectivo regimento ou no ato de que resultar Subseção III – Das Leis.
a sua criação. Art. 56. A iniciativa das leis, salvo nos casos de competência
§ 1°. Em cada comissão será assegurada, quando possível, a exclusiva, cabe a qualquer Vereador, ao Prefeito ou ao
representação proporcional dos partidos ou dos blocos eleitorado, que exercerá em forma de moção articulada,
parlamentares que participam da Câmara. subscrita, no mínimo por cinco por cento do Eleitorado do
§ 2º. As comissões em razão da matéria de sua Município, exigindo-se para o seu recebimento a
competência cabem: identificação dos assinantes mediante a indicação dos
I - realizar audiências públicas com as entidades da assinantes mediante a indicação de número do respectivo
sociedade civil; título eleitoral.
II - convocar Secretários Municipais para prestar Art. 57. No início ou em qualquer fase da tramitação de
informações sobre assuntos inerentes às suas atribuições; projeto de lei de iniciativa exclusiva do Prefeito, este
poderá solicitar à Câmara que o aprecie em trinta dias a
contar do pedido, que deverá ser devidamente motivado.
Câmara Municipal de São Jerônimo 29 Motorista
Parágrafo Único. O prazo deste artigo não correrá nos Parágrafo Único. As consultas referendarias e plebiscitárias
períodos de recesso da Câmara de Vereadores, nem se serão formuladas em termos de aprovação dos atos,
aplica aos projetos de lei complementar. autorizações ou concessões do poder executivo, bem como
Art. 58. Os projetos recebidos serão, na forma da sobre teor de matéria legislativa.
Constituição Federal e Estadual, colocados em votação,
após o prazo de 45 dias. Subseção V – Da Fiscalização Contábil, Financeira e
§1º. Se a Câmara Municipal não se manifestar, sobre o Orçamentária.
projeto no prazo estabelecido no “Caput” deste artigo, será Art. 66. A fiscalização contábil, financeira, orçamentária,
incluído na ordem do dia, sobrestando-se a deliberação operacional e patrimonial do Município e dos órgãos e
sobre os demais assuntos para que se ultime a decisão. entidades da administração direta e indireta, de quaisquer
§2º. A requerimento de Vereador, os projetos de lei, entidades constituídas ou mantidas pelo Município, quanto
decorridos trinta dias de seu recebimento, serão incluídos à legalidade, legitimidade, moralidade, publicidade,
na Ordem do Dia, mesmo sem parecer. eficiência, eficácia, economicidade, aplicação de
§3º. O projeto somente pode ser retirado da Ordem do Dia subvenções e renúncia de receitas, será exercida pela
a requerimento do autor, aprovado pelo Plenário. Câmara Municipal mediante controle externo e pelo
Art. 59. O projeto de lei com parecer contrário de todas as sistema de controle interno de cada um dos poderes,
Comissões é tiro como rejeitado. observando o disposto nos Art. 70 a 75 da Constituição
Art. 60. A matéria constante de projeto de lei rejeitado Federal.
somente poderá constituir objeto de novo projeto, na Parágrafo Único: Prestará contas qualquer pessoa física,
mesma sessão legislativa, mediante proposta da maioria jurídica ou entidade que utilize, arrecade, guarde, gerencie
absoluta de seus membros. ou administre dinheiros, bens e valores públicos pelos quais
Art. 61. A Câmara Municipal enviará o projeto de lei ao o município responda, ou que, em nome deste, assuma
Prefeito Municipal, que, aquiescendo, o sancionará. obrigações de natureza pecuniária.
§ 1º Se o Prefeito Municipal considerar o projeto, no todo Art. 67. O controle externo, o cargo da Câmara Municipal,
ou em parte, inconstitucional ou contrário ao interesse será exercido com auxílio do Tribunal de Contas, ao qual
público, vetá-lo-á total ou parcialmente, no prazo de quinze compete, além das atribuições previstas nos Arts. 71 e 96
dias úteis, contados da data do recebimento, e comunicará, da Constituição Federal adaptados ao Município, emitir
dentro de quarenta e oito horas, ao Presidente da Câmara parecer prévio sobre as contas que os Prefeitos Municipais
Municipal os motivos do veto. devem prestar anualmente.
§ 2º O veto parcial somente abrangerá texto integral de Parágrafo único. A Mesa ou as comissões da Câmara
artigo, de parágrafo, de inciso ou de alínea. Municipal poderão requisitar em caráter reservado,
§ 3º Decorrido o prazo de quinze dias, o silêncio do Prefeito informações sobre inspeções realizadas pelo Tribunal de
Municipal importará sanção. Contas, ainda que as conclusões não tenham sido julgadas
§ 4º O veto será apreciado em sessão conjunta, dentro de ou aprovadas.
trinta dias a contar de seu recebimento, só podendo ser
rejeitado pelo voto da maioria absoluta dos Vereadores, em CAPÍTULO II – DO PODER EXECUTIVO
escrutínio secreto. Seção I – Do Prefeito e do Vice-Prefeito
§ 5º Se o veto não for mantido, será o projeto enviado, para Art. 68. O Poder executivo é exercido pelo prefeito
promulgação, ao Prefeito Municipal. auxiliado pelos Secretários do Município.
§ 6º Esgotado sem deliberação o prazo estabelecido no § Art. 69. O Prefeito e o Vice-Prefeito serão eleitos para
4º, o veto será colocado na ordem do dia da sessão mandato de quatro anos, devendo a eleição realizar-se até
imediata, sobrestadas as demais proposições, até sua noventa dias antes do término do mandato daqueles a
votação final. quem devam suceder.
§ 7º Se a lei não for promulgada dentro de quarenta e oito Art. 70. O Prefeito e o Vice-Prefeito tomarão posse na
horas pelo Prefeito Municipal, nos casos dos §§ 3º e 5º, o sessão solene de instalação da Câmara Municipal, após a
Presidente da Câmara Municipal a promulgará, e, se este, posse dos Vereadores, e prestarão o compromisso de
não o fizer em igual prazo, caberá ao Vice-Presidente fazê- manter, defender e cumprir a Constituição observar as leis
lo. e administrar o Município, visando ao bem geral dos
Art. 62. Nos casos desta Lei Orgânica, considerar-se-á munícipes.
encerrada a elaboração do Decreto Legislativo e da Parágrafo único. Se o Prefeito e o Vice-Prefeito não
Resolução após a deliberação do Plenário, cabendo ao tomarem posse, decorridos dez dias da data fixada, salvo
Presidente da Câmara de Vereadores a promulgação e motivo de força maior, o cargo será declarado vago.
publicação. Art. 71. O Vice-Prefeito substituirá o Prefeito em seus
Art. 63. REVOGADO. impedimentos e ausências e suceder-lhe-á no caso de vaga.
Art. 64. A iniciativa popular será exercida mediante projeto Parágrafo único. Em caso de impedimento do Prefeito ou
de lei subscrito, no mínimo, por cinco por cento do do Vice-Prefeito, ou vacância dos respectivos cargos, serão
eleitorado do Município, e versar sobre interesse específico sucessivamente chamados ao exercício da chefia do
do Município, da cidade ou de bairros. Executivo Municipal, o presidente, o vice-presidente e o 1°
Art. 65. A Câmara Municipal, no âmbito de sua Secretário da Câmara Municipal.
competência, poderá promover consultas referendarias e Art. 72. Vagando os cargos de prefeito e vice-prefeito, far-
plebiscitárias, versando sobre atos, autorizações ou se-á eleição noventa dias depois de aberta a última vaga.
concessões do Poder Executivo e sobre matéria legislativa Parágrafo Único. Ocorrendo a vacância após cumpridos três
sancionada ou vetada. quartos do mandato do Prefeito, a eleição para ambos os
Câmara Municipal de São Jerônimo 30 Motorista
cargos será feita trinta dias depois da última vaga, pela XX - revogar atos administrativos por razões de interesse
Câmara Municipal de Vereadores. público e anulá-lo por vício de legalidade, observando o
devido processo legal;
Seção II – Das Atribuições do Prefeito XXI - administrar os bens e as rendas municipais, promover
Art. 73. Compete privativamente ao Prefeito: o lançamento, a fiscalização e a arrecadação de tributos;
I - representar o Município em juízo e fora dele, por XXII - providenciar sobre o ensino público;
intermédio da Procuradoria Geral do Município na forma XXIII - propor ao poder Legislativo o arrendamento, o
estabelecida em Lei especial; aforamento, ou a alienação de próprios municipais, bem
II - nomear e exonerar os secretários municipais, os como a aquisição de outros;
diretores de autarquias e departamentos, além de titulares XXIV - propor a divisão administrativa do Município de
de instituições de que participe o Município, na forma da acordo com a Lei;
Lei; XXV - fazer publicar os atos oficiais;
III - iniciar o processo legislativo na forma e nos casos XXVI - aplicar multas previstas em Lei e contratos, bem
previstos nesta Lei Orgânica; como relevá-las quando impostas irregularmente;
IV - sancionar, promulgar e fazer publicar as leis aprovadas XXVII - editar medidas provisórias com força de lei, nos
pela Câmara e expedir decretos e regulamentos para a sua termos desta Lei Orgânica;
fiel execução; XXVIII – REVOGADO.
V - vetar projetos de lei, total ou parcialmente na forma XXIX - decretar o Estado de Emergência quando for
prevista nesta Lei Orgânica; necessário a preservar ou prontamente restabelecer, em
VI - dispor sobre a organização e o funcionamento da locais determinados e restritos do Município, a ordem
Administração Municipal, na forma da Lei; pública;
VII - declarar a utilidade ou necessidade pública, ou o XXX - elaborar o Plano Diretor;
interesse social, de bens para fins de desapropriação ou Parágrafo Único - O Prefeito poderá delegar por decreto
servidão administrativa; aos Secretários Municipais, funções administrativas que
VIII - expedir decretos, portarias e outros atos próprios de não sejam de sua exclusiva competência.
sua atividade administrativa; Art. 74. São atribuições do Vice-Prefeito:
IX - contratar a prestação de serviços e obras, observando o I - exercer, mediante designação, cargo de Secretário de
processo licitatório; Governo;
X - planejar e promover a execução dos serviços públicos II - coordenar a execução de convênios e consórcios
municipais; intermunicipais;
XI - prover os cargos públicos e expedir os demais atos III - substituir o Prefeito em seus impedimentos e vacâncias;
referentes à situação funcional dos servidores; IV - praticar atos administrativos de gestão conforme os
XII - enviar ao Poder Legislativo o plano plurianual, o limites definidos em decreto;
projeto de lei de diretrizes orçamentárias e as propostas de V - atuar junto aos Conselhos Municipais intermediando a
orçamento previsto nesta lei; participação da sociedade junto ao Governo;
XIII - prestar, anualmente, ao Poder Legislativo, dentro de VI - auxiliar diretamente o Prefeito na execução de
sessenta dias, após a abertura do ano legislativo, as contas programas governamentais.
referentes ao exercício anterior e remetê-las, em igual
prazo, ao Tribunal de Contas do Estado. Seção III – Da responsabilidade do Prefeito
XIV – enviar à Câmara Municipal, no prazo de trinta dias, as Art. 75. Importa responsabilidade os atos do Prefeito ou do
informações sobre assunto previamente determinado, Vice-Prefeito que atentem contra a Constituição Federal,
importando em crime de responsabilidade a ausência sem Constituição Estadual e esta Lei Orgânica e, especialmente:
justificação adequada. I - o livre exercício dos poderes constituídos;
XV - colocar à disposição da Câmara Municipal, na forma da II - o exercício dos direitos individuais, políticos e sociais;
Lei Complementar 101, de 04 de maio de 2000, e do artigo III - a probidade na administração;
29-A da Constituição Federal, os recursos correspondentes IV - a Lei Orçamentária;
às dotações orçamentárias que lhes são próprias, V - o cumprimento das leis e das decisões judiciais.
compreendidos os créditos suplementares e especiais, até Parágrafo Único. O processo e julgamento do Prefeito e do
o dia vinte de cada mês; Vice-Prefeito obedecerão no que couber, ao disposto no
XVI - resolver sobre os requerimentos, reclamações ou Art. 86 da Constituição Federal.
representações que lhe forem dirigidos em matéria da
competência do Executivo Municipal; Seção IV – Dos Secretários do Município
XVII - oficializar, obedecidas as normas urbanísticas Art. 76. Os Secretários do Município, de livre nomeação e
aplicáveis, as vias e logradouros públicos sem prejuízo da demissão pelo Prefeito, são escolhidos dentre brasileiros,
competência concorrente do Poder Legislativo; maiores de 18 anos no gozo dos direitos políticos e estão
XVIII - aprovar projetos de edificações e planos de sujeitos, desde a posse, às mesmas incompatibilidades e
loteamento, arruamento e zoneamento urbano ou para fins proibições estabelecidas para os Vereadores, no que
urbanos; couber, exceção feita a obrigatoriedade de residência no
XIX - solicitar o auxílio da Polícia do Município, para a Município;
garantia do cumprimento de seus atos; bem como fazer uso Art. 77. Além das atribuições fixadas em Lei ordinária,
da guarda Municipal no que couber; compete aos Secretários do Município:

Câmara Municipal de São Jerônimo 31 Motorista


I - orientar, coordenar e executar as atividades dos órgãos e d) livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua
entidades da administração municipal, na área de sua impressão.
competência; § 1º. A vedação do inciso III, b, não se aplica aos impostos
II - referendar os atos e decretos do prefeito e expedir previstos nos artigos 153, I, II, IV e V, e 154, II, da
instruções para execução das leis, decretos e regulamentos Constituição Federal.
relativos aos assuntos de suas secretarias; § 2º. A vedação do inciso VI, a, é extensiva às autarquias e
III - apresentar ao Prefeito relatório anual dos serviços às fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, no
realizados por suas secretarias; que se refere ao patrimônio, à renda e aos serviços,
IV - comparecer à Câmara Municipal nos casos previstos vinculados a suas finalidades essenciais ou às leis
nesta Lei Orgânica; decorrentes.
V - praticar os atos pertinentes às atribuições que lhe forem § 3º. As vedações do inciso VI, a, e do parágrafo anterior
delegadas pelo Prefeito; não se aplicam ao patrimônio, à renda e aos serviços,
Parágrafo Único. Os decretos, atos e regulamentos relacionados com exploração de atividades econômicas
referentes aos serviços autônomos serão subscritos pelo regidas pelas normas aplicáveis a empreendimentos
Secretário de Administração. privados, ou em que haja contraprestação ou pagamento
Art. 78. Aplica-se aos titulares de autarquias e de de preços ou tarifas pelo usuário, nem exonera o
instituições de que participe o Município, o disposto nesta promitente comprador da obrigação de pagar imposto
Seção, no que couber. relativamente ao bem imóvel.
§ 4º. As vedações expressas no inciso VI, alíneas b e c,
TÍTULO III - DA TRIBUTAÇÃO, DAS FINANÇAS E DO compreendem somente o patrimônio, a renda e os
ORÇAMENTO. serviços, relacionados com as finalidades essenciais das
Art. 79. O Município poderá instituir os seguintes tributos: entidades nelas mencionadas.
I - impostos; § 5º. Qualquer subsídio ou isenção, redução de base de
II - taxas, em razão do exercício do poder de polícia ou pela cálculo, concessão de crédito presumido, anistia ou
utilização, efetiva ou potencial, de serviços públicos remissão, relativos a impostos, taxas ou contribuições, só
específicos e divisíveis, prestados ao contribuinte ou postos poderá ser concedido mediante lei específica, federal,
à sua disposição; estadual ou municipal, que regule exclusivamente as
III - contribuição de melhoria, decorrente de obras públicas. matérias acima enumeradas ou o correspondente tributo
IV – contribuição de iluminação pública ou contribuição, sem prejuízo do disposto no artigo 155, §
§ 1º. Sempre que possível, os impostos terão caráter 2º, XII, g, da Constituição Federal.
pessoal e serão graduados segundo a capacidade § 6º. A lei poderá atribuir a sujeito passivo de obrigação
econômica do contribuinte, facultado à administração tributária a condição de responsável pelo pagamento de
tributária, especialmente para conferir efetividade a esses imposto ou contribuição, cujo fato gerador deva ocorrer
objetivos, identificar, respeitados os direitos individuais e posteriormente, assegurada a imediata e preferencial
nos termos da lei, o patrimônio, os rendimentos e as restituição da quantia paga, caso não se realize o fato
atividades econômicas do contribuinte. gerador presumido.
§ 2º. As taxas não poderão ter base de cálculo própria de Art. 81. REVOGADO.
impostos.
Art. 80. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao Seção II – Dos Impostos Municipais
contribuinte, é vedado ao Município: Art. 82. Compete aos Municípios instituir impostos sobre:
I - exigir ou aumentar tributo sem lei que o estabeleça; I - propriedade predial e territorial urbana;
II - instituir tratamento desigual entre contribuintes que se II - transmissão inter vivos, a qualquer título, por ato
encontrem em situação equivalente, proibida qualquer oneroso, de bens imóveis, por natureza ou acessão física, e
distinção em razão de ocupação profissional ou função por de direitos reais sobre imóveis, exceto os de garantia, bem
eles exercida, independentemente da denominação jurídica como cessão de direitos a sua aquisição;
dos rendimentos, títulos ou direitos; III - serviços de qualquer natureza, não compreendidos no
III - cobrar tributos: artigo 155, II, da Constituição Federal, definidos em lei
a) em relação a fatos geradores ocorridos antes do início da complementar.
vigência da lei que os houver instituído ou aumentados; § 1º. Sem prejuízo da progressividade no tempo a que se
b) no mesmo exercício financeiro em que haja sido refere o artigo 182, § 4º, inciso II, da Constituição Federal, o
publicada a lei que os instituiu ou aumentou; imposto previsto no inciso I poderá:
IV - utilizar tributo com efeito de confisco; I - ser progressivo em razão do valor do imóvel, e
V - estabelecer limitações ao tráfego de pessoas ou bens, II - ter alíquotas diferentes de acordo com a localização e o
por meio de tributos interestaduais ou intermunicipais, uso do imóvel.
ressalvado a cobrança de pedágio pela utilização de vias § 2º. O imposto previsto no inciso II:
conservadas pelo Poder Público; I - não incide sobre a transmissão de bens ou direitos
VI - instituir impostos sobre: incorporados ao patrimônio de pessoa jurídica em
a) patrimônio, renda ou serviços, uns dos outros; realização de capital, nem sobre a transmissão de bens ou
b) templos de qualquer culto; direitos decorrente de fusão, incorporação, cisão ou
c) patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, extinção de pessoa jurídica, salvo se, nesses casos, a
inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos atividade preponderante do adquirente for a compra e
trabalhadores, das instituições de educação e de assistência venda desses bens ou direitos, locação de bens imóveis ou
social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei; arrendamento mercantil;
Câmara Municipal de São Jerônimo 32 Motorista
II - compete ao Município da situação do bem. § 8°. A abertura de créditos suplementares prevista no
§ 3º. Em relação ao imposto previsto no inciso III do caput parágrafo anterior, não poderá exceder a dez por cento da
deste artigo, caberá à lei complementar: receita orçada por rubrica.
I - fixar as suas alíquotas máximas e mínimas; Art. 87. Os Projetos de Lei sobre o plano plurianual,
II - excluir da sua incidência exportações de serviços para o diretrizes orçamentárias e orçamentos anuais, serão
exterior. enviados pelo Prefeito ao Poder Legislativo nos seguintes
III – regular a forma e as condições como: isenções, prazos:
incentivos e benefícios fiscais (concedidos e revogados). I - para o primeiro ano do mandato:
Art. 83. O Município poderá instituir contribuição, na forma a) o plano plurianual, até o dia 30 de junho e devendo ser
das respectivas leis, para o custeio do serviço de iluminação devolvido para sanção até o dia 31 de julho do mesmo ano;
pública, observado o disposto no art. 150, I e III da b) as diretrizes orçamentárias, com entrada até o dia 31 de
Constituição Federal. agosto e devendo ser devolvido para sanção até o dia 30 de
Parágrafo único. É facultada a cobrança da contribuição a setembro do mesmo ano;
que se refere o caput, na fatura de consumo de energia c) o orçamento anual, com entrada até o dia 31 de outubro
elétrica. e devendo ser devolvido para sanção até o até o dia 30 de
Art. 84. REVOGADO. novembro do mesmo ano;
II – para os demais anos do mandato:
CAPÍTULO II – DAS FINANÇAS PÚBLICAS a) diretrizes orçamentárias, com entrada até o dia 31 de
Seção I – Disposições Gerais agosto e devendo ser devolvido para sanção até o dia 30 de
Art. 85 – REVOGADO novembro de cada ano;
b) o orçamento anual, com entrada até o dia 31 de outubro
Seção II – Do Orçamento e devendo ser devolvido para sanção até o dia 30 de
Art. 86. Leis de iniciativa do Poder Executivo Municipal novembro de cada ano.
estabelecerão: §1º. O não envio dos projetos de leis de que tratam este
I - plano plurianual; artigo acarreta a responsabilidade do Prefeito Municipal.
II - as diretrizes orçamentárias; §2º. Caso o Poder Legislativo não aprecie os projetos de leis
III - os orçamentos anuais. no prazo previsto neste artigo, haverá o sobrestamento a
§ 1°. A Lei que instituir o plano plurianual estabelecerá as todas as demais deliberações legislativas até que a matéria
diretrizes, objetivos e metas da administração pública seja apreciada.
municipal para as despesas de capital e outras delas §3º. O não cumprimento de prazo para apreciação por
decorrentes e para as relativas aos programas de duração parte do Legislativo do plano plurianual e da lei de
continuada. diretrizes orçamentárias acarreta, em igual período, a
§ 2°. A lei de diretrizes orçamentárias compreenderá as postergação de prazo para o envio dos projetos da lei de
metas de prioridades da administração pública municipal, diretrizes e da lei orçamentária anual, conforme o caso.
incluindo as despesas de capital para o exercício financeiro Art. 88. Os projetos de lei que se referirem ao plano
subsequente, orientará a elaboração da lei orçamentária plurianual, à lei de diretrizes orçamentárias e à lei
anual e disporá sobre as alterações da legislação tributária. orçamentária anual serão apreciados pela Comissão de
§ 3°. O Poder Executivo publicará, até (30) dias após o Orçamentos, à qual caberá:
encerramento de cada bimestre, relatório da execução I – examinar e emitir parecer sobre os projetos referidos
orçamentária. neste artigo e sobre as contas apresentadas anualmente
§ 4°. Os planos e programas serão elaborados em pelo Prefeito;
consonância com o plano plurianual e apreciados pelo II – examinar e emitir parecer sobre os planos e programas
Poder Legislativo Municipal. nacionais, regionais e setoriais e exercer o
§ 5°. A lei orçamentária anual compreenderá: acompanhamento e a fiscalização orçamentária, sem
I - o orçamento fiscal referente aos poderes do Município, prejuízo da atuação das demais comissões do Poder
órgãos e entidades da administração direta e indireta, Legislativo, permanentes ou temporárias.
inclusive fundações instituídas e mantidas pelo Poder §1º. As emendas serão apresentadas na Comissão de
Público Municipal; Orçamento e Finanças, que sobre elas emitirá parecer, e
II - o orçamento de investimento das empresas em que o apreciadas, na forma regimental, pelo Plenário da Câmara.
Município, direta ou indiretamente, detenha a maioria do §2º. As emendas ao projeto de lei do orçamento anual ou
capital social com direito ao voto; aos projetos que o modifiquem somente podem ser
III - o projeto de lei orçamentária será acompanhado de aprovadas caso:
demonstrativo do efeito, sobre as receitas e despesas, I – sejam compatíveis com o plano plurianual e com a lei de
decorrentes de isenções, anistias, remissões, subsídios de diretrizes orçamentárias;
natureza financeira ou tributária; II – indiquem os recursos necessários, admitidos apenas os
§ 6º. Erro do Legislador (Não Existe). provenientes de anulação de despesa, excluídas as que
§ 7°. a lei orçamentária anual não conterá dispositivo incidam sobre:
estranho à previsão da receita e à fixação da despesa, não a) dotações para pessoal e seus encargos;
se incluindo na proibição, a autorização para a abertura de b) serviço da dívida;
créditos suplementares e contratação de operações de III – sejam relacionadas:
créditos, inclusive por antecipação de receita nos termos da a) com a correção de erros ou omissões, ou
lei. b) Com os dispositivos do texto do projeto de lei.

Câmara Municipal de São Jerônimo 33 Motorista


§3º. As emendas ao projeto de lei de diretrizes de recursos financeiros provenientes do orçamento
orçamentárias não poderão ser aprovadas quando subsequente, ao qual serão incorporados.
incompatíveis com o plano plurianual. §3o. A abertura de créditos extraordinários somente será
§4º. O Prefeito poderá enviar mensagem à Câmara para admitida para atender a despesas imprevisíveis e urgentes
propor modificação nos projetos a que se refere este artigo decorrentes de calamidade pública.
enquanto não iniciada a votação, na Comissão de Art. 90. Os recursos correspondentes às dotações
Orçamento e Finanças, da parte cuja alteração é proposta. orçamentárias, compreendidos os créditos suplementares e
§5º. Aplicam-se aos projetos mencionados neste artigo as especiais, destinados ao Poder Legislativo, ser-lhe-ão
demais normas previstas para o processo legislativo entregues até o dia 20 de cada mês, em duodécimos, na
comum, no que não contrariar as normas relativas ao forma da lei complementar a que se refere o art. 165, § 9º
processo legislativo especial previsto no Regimento Interno da Constituição Federal.
do Poder Legislativo. Art. 91. A despesa com pessoal ativo e inativo não poderá
§6º. Os recursos que, em decorrência de veto, emenda ou exceder os limites estabelecidos em Lei.
rejeição do projeto de lei orçamentária anual, ficarem sem Parágrafo único. A concessão de qualquer vantagem ou
despesas correspondentes poderão ser utilizados, aumento de remuneração, a criação de cargos ou alteração
conforme o caso, mediante créditos especiais ou de estrutura de carreira, bem como a admissão de pessoal,
suplementares, com prévia e específica autorização a qualquer título, pelos órgãos e entidades da
legislativa. administração direta ou indireta, inclusive fundações
§7º. Na elaboração e discussão dos projetos de leis de instituídas e mantidas pelo Poder Público, só poderão ser
orçamentos devem ser observadas as normas relativas às feitas:
finanças públicas e à gestão fiscal instituída por leis I – se houver prévia dotação orçamentária, suficiente para
complementares federais. atender as projeções de despesa de pessoal aos acréscimos
Art. 89. São vedados: dela decorrentes.
I – o início de programas ou ações não incluídos na lei II – se houver autorização específica na Lei de Diretrizes
orçamentária anual. Orçamentárias, ressalvadas as empresas públicas e as
II – a realização de despesas ou assunção de obrigações sociedades de economia mista.
diretas que excedam os créditos orçamentários ou III – se atendidas as disposições do art. 17 da Lei
adicionais. Complementar n° 101, de 4 de maio de 2000.
III – a realização de operações de créditos que excedam o Art. 92. As despesas com publicidade dos Poderes do
montante das despesas de capital, ressalvadas as Município deverão ser objeto de crédito orçamentário
autorizadas mediante créditos suplementares ou especiais específico.
com finalidade precisa, aprovados pelo Poder Legislativo, Art. 93. – REVOGADO.
por maioria absoluta. Art. 94. – REVOGADO.
IV – a vinculação de receitas de impostos e transferências a
órgão, fundo ou despesa, ressalvadas a destinação de TÍTULO IV – DA ORDEM PÚBLICA
recursos para a manutenção e desenvolvimento do ensino, CAPÍTULO I – DA SEGURANÇA PÚBLICA
às ações e serviços públicos de saúde, à garantia de débitos Art. 95. A segurança pública é dever do Município,
para com a União e com o Estado e a prestação de suplementando ao Estado, direito e responsabilidade de
garantias às operações de crédito por antecipação de todos, é exercido para preservação da ordem pública, das
receita. prerrogativas da cidadania, da incolumidade das pessoas e
V – a abertura de crédito suplementar ou especial, sem do patrimônio, através da Guarda Municipal, destinada à
prévia autorização legislativa e sem indicação dos recursos proteção dos bens, serviços e instalações municipais,
correspondentes. conforme dispuser a Lei.
VI – a transposição, o remanejamento ou a transferência de
recursos de uma categoria de programação para outra, ou TÍTULO V - DA ORDEM ECONÔMICA
de um órgão para outro, sem prévia autorização Legislativa. CAPÍTULO I – DISPOSIÇÕES GERAIS
VII – a concessão ou utilização de créditos ilimitados. Art. 96. Na organização de sua economia, em cumprimento
VIII – a utilização, sem autorização legislativa específica, de do que estabelecem a Constituição Federal e a Constituição
recursos do Município para suprir necessidades ou cobrir Estadual, o Município zelará pelos seguintes objetivos:
déficit de empresas ou qualquer entidade de que o I - promoção do bem-estar do homem com o fim essencial
Município participe. da produção e do desenvolvimento;
IX – a instituição de fundos de qualquer natureza, sem II - valorização econômica e social do trabalho e do
prévia autorização Legislativa. trabalhador, associada a uma política de expansão das
§1o. Nenhum investimento cuja execução ultrapasse um oportunidades de emprego e de humanização do processo
exercício financeiro poderá ser iniciado sem prévia inclusão social de produção, com a defesa dos interesses do povo;
no plano plurianual, ou sem lei que autorize a inclusão, sob III - democratização do acesso à propriedade dos meios de
pena de crime de responsabilidade. produção;
§2o. Os créditos especiais e extraordinários terão vigência IV - planificação do desenvolvimento, determinante para o
no exercício financeiro em que forem autorizados, salvo se setor público e indicativo para o setor privado;
o ato de autorização for promulgado nos últimos quatro V - integração e descentralização das ações públicas
meses daquele exercício, hipótese em que poderão ser setoriais;
reabertos nos limites de seus saldos mediante a indicação VI - proteção da natureza e ordenação territorial;

Câmara Municipal de São Jerônimo 34 Motorista


VII - condenação dos atos de exploração do homem pelo § 3º - As desapropriações de imóveis urbanos serão feitas
homem e de exploração predatória da natureza, com prévia e justa indenização em dinheiro.
considerando-se juridicamente indefensável qualquer § 4º - É facultado ao Poder Público municipal, mediante lei
ganho individual ou social auferido com bases neles; específica para área incluída no plano diretor, exigir, nos
VIII - integração das ações do Município com as da União e termos da lei federal, do proprietário do solo urbano não
do estado, no sentido de garantir a segurança social, edificado, subutilizado ou não utilizado, que promova seu
destinadas a tornar efetivos os direitos ao trabalho, à adequado aproveitamento, sob pena, sucessivamente, de:
educação, à cultura, ao desporto, ao lazer, à saúde, à I - parcelamento ou edificação compulsória;
habitação e à assistência social; II - imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana
IX - estímulo à participação da comunidade através de progressivo no tempo;
organizações representativas dela; III - desapropriação com pagamento mediante títulos da
X - preferência aos projetos de cunho comunitário nos dívida pública de emissão previamente aprovada pelo
financiamentos públicos e incentivos fiscais. Senado Federal, com prazo de resgate de até dez anos, em
Art. 97. A intervenção do Município no domínio econômico parcelas anuais, iguais e sucessivas, assegurados o valor
dar-se-á por meios previstos em lei, para orientar e real da indenização e os juros legais.
estimular a produção, corrigir distorções da atividade Art. 104. Aquele que possuir como sua área urbana de até
econômica e prevenir abusos do poder econômico. duzentos e cinquenta metros quadrados, por cinco anos,
Parágrafo Único. No caso de ameaça ou efetiva paralisação ininterruptamente e sem oposição, utilizando-a para sua
de serviço ou atividade essencial por decisão patronal, moradia ou de sua família, adquirir-lhe-á o domínio, desde
pode o Município intervir, tendo em vista o direito da que não seja proprietário de outro imóvel urbano ou rural.
população ao serviço ou atividade, respeitada a legislação § 1º - O título de domínio e a concessão de uso serão
federal e estadual e os direitos dos trabalhadores. conferidos ao homem ou à mulher, ou a ambos,
Art. 98. Na organização de sua economia, o Município independentemente do estado civil.
combaterá a miséria, o analfabetismo, o desemprego, a § 2º - Esse direito não será reconhecido ao mesmo
propriedade improdutiva, a marginalização do indivíduo, o possuidor mais de uma vez.
êxodo rural, a economia predatória e todas as formas de § 3º - Os imóveis públicos não serão adquiridos por
degradação da condição humana. usucapião.

CAPÍTULO II – DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO IV – DA POLÍTICA URBANA


MUNICIPAL Art. 105. Na elaboração do planejamento e na ordenação
Art. 99. Lei Municipal definirá normas de incentivo às de usos, atividades e funções de interesse social, o
formas associativas e cooperativas, a pequenas e Município visará a:
microunidades econômicas e às empresas que I - Melhorar a qualidade de vida da população;
estabelecerem participação dos trabalhadores nos lucros e II - promover a definição e a realização da função social da
na sua gestão. propriedade urbana:
Art. 100. O Município organizará sistemas e programas de III - promover a ordenação territorial, integrando as
prevenção e socorro nos casos de calamidade pública em diversas atividades e funções urbanas;
que a população tenha ameaçados os seus recursos, meios IV - prevenir e corrigir as disposições do crescimento
de abastecimento ou de sobrevivência. urbano;
Art. 101. Os planos de desenvolvimento econômico do V - distribuir os benefícios e encargos do processo de
Município terão o objetivo de promover a melhoria da desenvolvimento do Município, inibindo a especulação
qualidade de vida da população, a distribuição equitativa da imobiliária, os vazios urbanos e a excessiva concentração
riqueza produzida, o estímulo à permanência do homem no urbana;
campo e o desenvolvimento social e econômico VI - promover a integração, racionalizando a otimização da
sustentável. infra-estrutura urbana básica, priorizando os aglomerados
Art. 102. Os investimentos do Município, atenderão, em, de maior densidade populacional e as populações de menor
caráter prioritário, às necessidades básicas da população, e renda;
deverão estar compatibilizados com o plano de VII - impedir as agressões ao Meio Ambiente, estimulando
desenvolvimento econômico. ações preventivas e corretivas;
VIII - preservar os sítios, as edificações e os monumentos de
CAPÍTULO III – DA HABILITAÇÃO valor histórico, artístico e cultural;
Art. 103. A política de desenvolvimento urbano, executada IX - promover o desenvolvimento econômico local;
pelo Poder Público municipal, conforme diretrizes gerais X - preservar as zonas de proteção de aeródromos
fixadas em lei, tem por objetivo ordenar o pleno Art. 106. REVOGADO. - Revogado pela Emenda a Lei
desenvolvimento das funções sociais da cidade e garantir o Orgânica 001/2011, de 03/05/2011.
bem- estar de seus habitantes. Art. 107. Na aprovação de qualquer projeto para a
§ 1º - O plano diretor, aprovado pela Câmara Municipal, construção de conjuntos habitacionais, o Município exigirá
obrigatório para cidades com mais de vinte mil habitantes, a edificação, pelos incorporadores, de escola com
é o instrumento básico da política de desenvolvimento e de capacidade para atender à demanda gerada pelo conjunto.
expansão urbana. Art. 108. O Município assegurará a participação das
§ 2º - A propriedade urbana cumpre sua função social entidades comunitárias e das representativas da sociedade
quando atende às exigências fundamentais de ordenação civil organizada, legalmente constituída, na edificação do
da cidade expressas no plano diretor. plano diretor e das diretrizes gerais de ocupação de
Câmara Municipal de São Jerônimo 35 Motorista
território, bem como na elaboração e implementação dos I - proteção à família, à maternidade, à infância, à
planos, programas e projetos que lhes sejam concernentes. adolescência e à velhice;
II - amparo aos carentes e desassistidos;
CAPÍTULO V – DA POLÍTICA AGRICOLA E FUNDIÁRIA III - promoção das integração no mercado de trabalho;
Art. 109. O Município, no desempenho de sua organização IV - habilitação e reabilitação das pessoas portadoras de
econômica, planejará e executará políticas voltadas para a deficiência e promoção da integração na vida social e
agricultura e o abastecimento, especialmente quando: comunitária.
I - ao desenvolvimento da propriedade em todas as suas Art. 116. O Município definirá formas de participação na
potencialidades, a partir da vocação e da capacidade de uso política de combate ao uso de entorpecentes, objetivando a
do solo, levada em conta a proteção ao meio ambiente; educação preventiva e a assistência e recuperação dos
II - ao incentivo à produção agropecuária e a de alimentos dependentes de substâncias entorpecentes ou que
de consumo interno; determinem dependência física ou psíquica.
III - ao incentivo à agroindústria; Art. 117 - Lei Municipal estabelecerá normas de construção
IV - ao incentivo ao cooperativismo, ao sindicalismo e ao de logradouros e dos edifícios de uso público, a fim de
associativismo; garantir acesso adequado ás pessoas portadoras de
V - á implantação de cinturões-verdes; deficiência física.
VI - ao estímulo à criação de centrais de compras para Parágrafo Único - O Poder Executivo Municipal adaptará os
abastecimento de microempresas, microcomputadores logradouros e edifícios públicos ao acesso de deficientes
rurais e empresas de pequeno porte com vistas à físicos.
diminuição do preço final das mercadorias e produtos na
venda ao consumidor; CAPÍTULO II – DA EDUCAÇÃO
VII - ao incentivo, à ampliação e à conservação da rede de Seção I – Da Educação
estradas vicinais, e da rede de eletrificação rural. Art. 118. A educação, direitos de todos e dever do estado e
Art. 110. O Município manterá, em caráter complementar à da família, baseada na justiça social, na democracia e no
União e ao Estado, serviço oficial de assistência técnica e respeito aos direitos humanos, ao meio ambiente e aos
extensão rural; garantindo atendimentos prioritários aos valores culturais, visa ao desenvolvimento do educando
pequenos e médios produtores e suas formas associativas. como pessoa e a sua qualificação para o trabalho e o
Art. 111. O serviço de assistência técnica rural de que trata exercício da cidadania.
o Art. 110 será mantido com recursos financeiros do Art. 119. O ensino será ministrado com base nos seguintes
Município de forma complementar aos recursos da União e princípios:
do Estado. I - igualdade de condições para o acesso e permanência na
Parágrafo Único. Os recursos financeiros de que tratas o escola;
“caput” deste artigo constarão especialmente dos II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o
orçamentos anuais do Município. pensamento, a arte e o saber;
Art. 112. No âmbito de sua competência, o Município III - pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, e
definirá em harmonia com as políticas agrícolas da União e coexistência de instituições públicas e privadas de ensino;
do Estado, a sua política agrícola, abrangendo as atividades IV - gratuidade do ensino público nos estabelecimentos
agroindustriais agropecuárias, pesquisas e florestais, com a oficiais;
participação efetiva do setor de produção envolvendo os V - valorização dos profissionais do ensino;
produtores e trabalhadores rurais, bem como dos setores VI - gestão democrática de ensino público;
de comercialização, de armazenamento e de transporte. VII - garantia de padrão de qualidade.
Art. 120. O ensino é livre à iniciativa privada, atendidas as
TÍTULO VI - DA SEGURANÇA SOCIAL seguintes condições:
CAPÍTULO I – DISPOSIÇÕES GERAIS I - cumprimento das normas gerais da educação nacional;
Art. 113. A Segurança, pela qual o Município é tão II - autorização e avaliação de qualidade pelo Poder Público.
responsável quanto ao Estado, tem como base o primado Art. 121. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino
do trabalho e por objetivo o bem-estar e a justiça social. fundamental, de maneira a assegurar formação básica
Art. 114. A Segurança Social é garantida por um conjunto comum e respeito aos valores culturais e artísticos,
de ações do Município, do estado e da Sociedade, nacionais e regionais.
destinadas a tornar efetivos os direitos ao trabalho, à § 1º - O ensino religioso, de matrícula facultativa,
educação, à cultura, ao desporto, ao lazer, à saúde, à constituirá disciplina dos horários normais das escolas
habilitação e a assistência social, assegurados ao indivíduo públicas de ensino fundamental.
pela Constituição Federal, guardado as peculiaridades § 2º - O ensino fundamental regular será ministrado em
locais. língua portuguesa, assegurada às comunidades indígenas
§ 1°. Será estimulada e valorizada a população, através de também a utilização de suas línguas maternas e processos
organizações representativas, na integração e controle da próprios de aprendizagem.
execução das ações mencionadas neste artigo. Art. 122. Os Municípios atuarão prioritariamente no ensino
§ 2°. Os projetos de cunho comunitário terão preferência fundamental e na educação infantil.
nos financiamentos públicos e nos incentivos fiscais, além Art. 123. É assegurado aos professores, alunos e
de outros. funcionários organizarem-se em todos os estabelecimentos
Art. 115. O Município prestará assistência social, visando municipais de ensino, através de associações, grêmio e
entre outros os seguintes objetivos: outras formas.

Câmara Municipal de São Jerônimo 36 Motorista


Parágrafo Único – Será responsabilizada a autoridade III – a garantia de condições para a prática de educação
educacional que embaraçar ou impedir a organização ou o física, do lazer e do esporte ao deficiente físico, sensorial e
funcionamento das entidades referidas neste artigo. mental.
Art. 124. Os recursos públicos destinados à educação serão
aplicados no ensino público, podendo também ser dirigidos Seção IV – Do Turismo
às escolas comunitárias, desde que dentro de critérios Art. 132. Lei Municipal estabelecerá uma política de
estabelecidos no Plano Municipal de Educação. turismo para o Município, definindo diretrizes a observar
Art. 125. O Município aplicará vinte e cinco por cento, no nas ações públicas e provadas, como forma de promover o
mínimo, da receita resultante de impostos, compreendida a desenvolvimento social e econômico.
proveniente de transferências, na manutenção e Parágrafo Único – O Poder Executivo elaborará inventários
desenvolvimento do ensino. e regulamentação do uso, ocupação e fruição dos bens
Art. 126. A distribuição dos recursos públicos assegurará naturais e culturais de interesse turístico, observadas as
prioridade ao atendimento das necessidades do ensino competências da União e do Estado.
obrigatório, no que se refere a universalização, garantia de
padrão de qualidade e equidade, nos termos do plano CAPÍTULO III – DA SAÚDE E SANEAMENTO BÁSICO
nacional de educação. Seção I – Da saúde
Art. 127. O Município organizará seu sistema de Ensino em Art. 133. A saúde é um direito de todos os Municípios e
colaboração com o sistema Federal e Estadual de Ensino. dever do poder público, cabendo ao Município, juntamente
Parágrafo Único. O Sistema Municipal de ensino com o Estado e a União prover as condições indispensáveis
compreende as instituições de Educação pré-escolar e de à sua promoção, proteção e recuperação.
ensino fundamental e médio, da rede pública e os órgãos § 1º. Cabe ao Município definir uma política de saúde, de
do Poder executivo responsáveis pela formação da política saneamento básico, interligada com os programas da União
educacional e sua administração. e do Estado com o objetivo de preservar a saúde individual
Art. 128. A Lei estabelecerá o Plano Municipal de Educação, e coletiva.
duração plurianual, em consonância com o Plano Estadual § 2. Os recursos repassados e destinados à saúde não
visando a articulação e ao desenvolvimento do ensino, nos poderão ser utilizados em outras áreas.
diversos níveis à integração das ações desenvolvidas pelo § 3 º. O Município aplicará no mínimo 10% do seu
Poder Público que conduzam a: orçamento em programa de saúde com prioridade para os
I – erradicação do analfabetismo; locais mais necessitados, através de Lei.
II – universalização do atendimento escolar;
III – melhoria da qualidade de ensino Seção II – Do Saneamento Básico
IV – formação para o trabalho Art. 134. O Saneamento básico é serviço público essencial
V – promoção humanística, científica e tecnológica e, como atividade preventiva das ações de saúde e meio
Art. 129. As escolas públicas municipais contarão com ambiente tem abrangência regional.
Conselhos Escolares constituídos pela direção da Escola e § 1º. O saneamento básico compreende a captação, o
representantes dos segmentos de comunidade escolar, na tratamento e a distribuição de água potável, a coleta, o
forma da Lei. tratamento e a disposição final de esgotos cloacais e do
§ 1º. Os diretores de escolas pública municipais serão lixo, bem como drenagem urbana.
escolhidos mediante eleição direta e uni nominal, pela § 2º. É dever do Município e do Estado a extensão
comunidade escolar na forma da lei. progressiva do saneamento básico a toda população
§ 2º - Os estabelecimentos públicos municipais de ensino urbana e rural, como condição básica da qualidade de vida,
estarão a disposição da comunidade através de da proteção ambiental e do desenvolvimento social.
programações organizadas em comum. § 3º. A Lei disporá sobre o controle, a fiscalização, o
processamento, a destinação de lixo, dos resíduos urbanos,
Seção II – Da Cultura industriais, hospitalares e laboratoriais de pesquisa, de
Art. 130. O Município estimulará a cultura em suas análises clínicas e assemelhadas.
múltiplas manifestações, garantindo o pleno e efetivo Art. 135. O Município e o Estado de forma integrada,
exercício dos respectivos direitos, bem como, o acesso as formularão a política e o planejamento da execução das
suas fontes, apoiando e incentivando a produção, a ações de saneamento básico, respeitadas as diretrizes
valorização e a difusão das manifestações culturais. estaduais quanto ao meio ambiente, recursos hídricos e
Parágrafo Único. O Município, com a colaboração da desenvolvimento urbano.
comunidade, protegerá o patrimônio cultural, por meio de § 1º. Nos distritos industriais, os fluentes serão tratados e
inventários, registros, vigilância, tombamentos, reciclados de forma integrada pelas empresas através de
desapropriações e outras formas de acautelamento e condomínio de tratamento de resíduos.
preservação. § 2º. Cria-se o departamento municipal de saneamento
Art. 131. É dever do Município: incentivar e amparar o básico a ser regulado por Lei Complementar.
desporto, o lazer e recreação, como direito de todos,
observados: CAPÍTULO IV – DO MEIO AMBIENTE
I – a promoção prioritária do desporto educacional, em Art. 136. O Município, através da Lei compatibilizará suas
termos de recursos humanos, financeiros e materiais em ações em defesa do meio ambiente àqueles do Estado.
suas atividades meio e fim;
II – a dotação de instalações esportivas e recreativas para TÍTULO VII - DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS
as instituições escolares públicas;
Câmara Municipal de São Jerônimo 37 Motorista
Art. 1º. Fica assegurado aos Servidores públicos Art. 5º - Função gratificada é a instituída por lei para
estabilizados, nos termos do art. 19 dos Atos das atender a encargos de direção, chefia ou assessoramento,
Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição sendo privativa de detentor de cargo de provimento
Federal, a organização em quadro especial em extinção, efetivo, observados os requisitos para o exercício.
respeitado o regime jurídico de trabalho, com plano de
carreira e com vantagens e deveres dos servidores públicos Art. 6º - É vedado cometer ao servidor atribuições diversas
estatutários na forma da Lei. das de seu cargo, exceto encargos de direção, chefia ou
Parágrafo Único. No prazo de cento e oitenta dias de assessoramento e comissões legais.
promulgação desta Lei Orgânica, será editado Lei
Complementar que disporá sobre o estabelecimento neste TÍTULO II - DO PROVIMENTO E DA VACÂNCIA
artigo. CAPÍTULO I - DO PROVIMENTO
Art. 2º. Os terrenos da Prefeitura, bem como aqueles que SEÇÃO I - Disposições Gerais
estiverem sob seus domínios, serão cedidos para Art. 7º - São requisitos básicos para ingresso no serviço
construírem suas moradias exclusivamente para pessoas público municipal:
comprovadamente carentes, que não possuem outro I - ser brasileiro;
imóvel. Aqueles que possuírem terrenos da prefeitura, e II - ter idade mínima de dezoito anos;
que sejam proprietários de outros prédios, deverão III - estar quite com as obrigações militares e eleitorais;
entregar o terreno no prazo estipulado pelo órgão IV- gozar de boa saúde física e mental, comprovada
competente da Prefeitura. Não terão direito a qualquer mediante exame médico;
indenização quando da entrega do imóvel que de fato e de V - ter atendido a outras condições prescritas em lei.
direito pertence ao Município. Art. 8º - Os cargos públicos serão providos por:
Parágrafo Único. No prazo de um ano desta Lei Orgânica I - nomeação;
deverá se elaborada Lei Complementar regulando esta II - recondução;
matéria. III - readaptação;
IV - reversão;
São Jerônimo, 24 de Abril de 1990. V - reintegração;
VI - aproveitamento.

LEI MUNICIPAL N.º 1875 DE 16 DE JANEIRO DE 2001 SEÇÃO II - Do concurso público


Art. 9º - As normas gerais para realização de concurso
DISPÕE SOBRE O REGIME JURÍDICO DOS SERVIDORES serão estabelecidas em regulamento.
PÚBLICOS DO MUNICÍPIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Parágrafo único - Além das normas gerais, os concursos
URBANO KNORST, PREFEITO MUNICIPAL DE SÃO serão regidos por instruções especiais, constantes no edital,
JERÔNIMO que deverão ser expedidas pelo órgão competente, com
Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono ampla publicidade.
a seguinte Lei: Art. 10 - Os limites de idade para inscrição em concurso
público serão fixados em lei, de acordo com a natureza e a
TÍTULO I - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES complexidade de cada cargo.
Art. 1º - Esta Lei institui o regime jurídico dos servidores Parágrafo único - O candidato deverá comprovar que, na
públicos do Município de São Jerônimo. data de encerramento das inscrições, atingiu a idade
Art. 2º - Para os efeitos desta Lei servidor público é a mínima e não ultrapassou a idade máxima fixada para o
pessoa legalmente investida em cargo público. recrutamento, bem como preencheu todos os requisitos
Art. 3º - Cargo público é o criado em lei, em número certo, constantes na lei e no edital.
com denominação própria, remunerado pelos cofres Art. 11 - O prazo de validade do concurso será de até dois
municipais, ao qual corresponde um conjunto de anos, prorrogável, uma vez, por igual prazo.
atribuições e responsabilidades cometidas a servidor
público. SEÇÃO III - Da nomeação
Parágrafo único - Os cargos públicos serão de provimento
efetivo ou em comissão. Art. 12 - A nomeação é o ato de investidura em cargo
Art. 4º - A investidura em cargo público depende de público e será feita:
aprovação prévia em concurso público de provas ou de I - em comissão, quando se tratar de cargo que, em virtude
provas e títulos, de acordo com a natureza e a de lei, assim deva ser provido;
complexidade do cargo, na forma prevista em lei, II - em caráter efetivo, nos demais casos.
ressalvadas as nomeações para cargo em comissão Art. 13 - A nomeação em caráter efetivo obedecerá à
declarado em lei de livre nomeação e exoneração. ordem de classificação obtida pelos candidatos no concurso
§ 1º - A investidura em cargo do magistério municipal será público.
por concurso de provas e títulos.
§ 2º - Somente poderão ser criados cargos de provimento SEÇÃO IV - Da posse e do exercício
em comissão para atender encargos de direção, chefia ou Art. 14 - Posse é a aceitação expressa das atribuições,
assessoramento, e seu provimento, nos casos, condições e deveres e responsabilidades inerentes ao cargo público,
percentuais mínimos, será destinado aos servidores de com o compromisso de bem servir, formalizada com a
carreira. assinatura de termo pela autoridade competente e pelo
nomeado.
Câmara Municipal de São Jerônimo 38 Motorista
§ 1º - A posse dar-se-á no prazo de até dez dias contados da Art. 20 - O servidor nomeado para cargo de provimento
data de publicação do ato de nomeação, podendo, a efetivo em virtude de concurso público adquire
pedido, ser prorrogado por igual período. estabilidade após três (03) anos de efetivo exercício.
§ 1° A posse dar-se-á no prazo de até (10) dez dias, § 1º - O servidor estável só perderá o cargo:
contados da data da juntada ao processo administrativo da I - em virtude de sentença judicial transitada em julgado;
ciência do nomeado quanto ao ato de nomeação, podendo, II - mediante processo administrativo em que lhe seja
a pedido ser prorrogado por igual período. (Redação dada assegurada ampla defesa;
pela Lei Municipal nº 2883, de 29 de junho de 2006). III - mediante procedimento de avaliação periódica de
§ 1º B - A ciência poderá ser pessoal ou através de AR ou desempenho, na forma de lei complementar, assegurada
através de meio eletrônico. (Redação dada pela Lei ampla defesa.
Municipal nº 2883, de 29 de junho de 2006).
§ 1º C - Caso inexitosa a ciência do nomeado nas formas Art. 21 - Vide Lei Municipal nº 2310, de 18 agosto de 2004.
antes previstas, deverá a mesma ser promovida por edital
publicado em jornal local, com o prazo de dez (10) dias, SEÇÃO VI - Da recondução
findo o qual será convocado o próximo aprovado e Art. 23 - Recondução é o retorno do servidor estável ao
classificado no certame. (Redação dada pela Lei Municipal cargo anteriormente ocupado.
nº 2883, de 29 de junho de 2006). § 1º - A recondução decorrerá de:
§ 2º - No ato da posse o nomeado apresentará, a) falta de capacidade e eficiência no exercício de outro
obrigatoriamente, declaração sobre o exercício de outro cargo de provimento efetivo ou
cargo, emprego ou função pública e, nos casos que a lei b) reintegração do anterior ocupante.
indicar, declaração de bens e valores que constituam seu § 2º - A hipótese de recondução de que trata a alínea “a”
patrimônio. do parágrafo anterior, será apurada nos termos dos
Art. 15 - Exercício é o desempenho das atribuições do cargo parágrafos do art. 21 e somente poderá ocorrer no prazo
pelo servidor. do estágio probatório em outro cargo.
§ 1º - É de cinco dias o prazo para o servidor entrar em § 3º - Inexistindo vaga, serão cometidas ao servidor as
exercício, contados da data da posse. atribuições do cargo de origem, assegurados os direitos e
§ 2º - Será tornado sem efeito o ato de nomeação, se não vantagens decorrentes, até o regular provimento.
ocorrer a posse ou o exercício, nos prazos legais.
§ 3º - O exercício deve ser dado pelo chefe da repartição SEÇÃO VII - Da readaptação
para a qual o servidor for designado. Art. 24 - Readaptação é a investidura do servidor efetivo
Art. 16 - Nos casos de reintegração, reversão e em cargo de atribuições e responsabilidades compatíveis
aproveitamento, o prazo de que trata o § 1º do artigo com a limitação que tenha sofrido em sua capacidade física
anterior será contado da data da publicação do ato. ou mental, verificada em inspeção médica.
Art. 17 - A promoção, a readaptação e a recondução, não § 1º - A readaptação será efetivada em cargo de igual
interrompem o exercício. padrão de vencimento ou inferior.
Art. 18 - O início, a interrupção e o reinício do exercício § 2º - Realizando-se a readaptação em cargo de padrão
serão registrados no assentamento individual do servidor. inferior, ficará assegurado ao servidor vencimento
Parágrafo único - Ao entrar em exercício o nomeado correspondente ao cargo que ocupava.
apresentará, ao órgão de pessoal, os elementos necessários § 3º - Inexistindo vaga, serão cometidas ao servidor as
ao assentamento individual. atribuições do cargo indicado, até o regular provimento.
Art. 19 - O nomeado que, por prescrição legal, deva prestar
caução como garantia, não poderá entrar em exercício sem SEÇÃO VIII - Da reversão
prévia satisfação dessa exigência. Art. 25 - Reversão é o retorno do servidor aposentado por
§ 1º - A caução poderá ser feita por uma das modalidades invalidez à atividade no serviço público municipal,
seguintes: verificado, em processo, que não subsistem os motivos
I - depósito em moeda corrente; determinantes da aposentadoria.
II - garantia hipotecária; § 1º - A reversão far-se-á a pedido ou de ofício,
III - título de dívida pública; condicionada sempre à existência de vaga.
IV - seguro fidelidade funcional, emitido por instituição § 2º - Em nenhum caso poderá efetuar-se a reversão sem
legalmente autorizada. que, mediante inspeção médica, fique provada a
§ 2º - No caso de seguro, as contribuições referentes ao capacidade para o exercício do cargo.
prêmio serão descontadas do servidor segurado, em folha § 3º - Somente poderá ocorrer reversão para cargo
de pagamento. anteriormente ocupado ou, se transformado, no resultante
§ 3º - Não poderá ser autorizado o levantamento da caução da transformação.
antes de tomadas as contas do servidor. Art. 26 - Será tornada sem efeito a reversão e cassada a
§ 4º - O responsável por alcance ou desvio de material não aposentadoria do servidor que, dentro do prazo legal, não
ficará isento da ação administrativa, cível e criminal, ainda entrar no exercício do cargo para o qual haja sido revertido,
que o valor da caução seja superior ao montante do salvo motivo de força maior, devidamente comprovado.
prejuízo causado. Art. 27 - Não poderá reverter o servidor que contar setenta
anos de idade.
SEÇÃO V - Da estabilidade Art. 28 - A reversão dará direito à contagem do tempo em
que o servidor esteve aposentado, exclusivamente para
nova aposentadoria.
Câmara Municipal de São Jerônimo 39 Motorista
Parágrafo único - A destituição será aplicada como
SEÇÃO IX - Da reintegração penalidade, nos casos previstos nesta Lei.
Art. 29 - Reintegração é a investidura do servidor estável no
cargo anteriormente ocupado, quando invalidada a sua TÍTULO III - DAS MUTAÇÕES FUNCIONAIS
demissão por decisão judicial, com ressarcimento de todas CAPÍTULO I - DA SUBSTITUIÇÃO
as vantagens determinadas na sentença. Art. 39 - Dar-se-á a substituição de titular de cargo em
Parágrafo único - Reintegrado o servidor e não existindo comissão ou de função gratificada durante o seu
vaga, aquele que houver ocupado o cargo será reconduzido impedimento legal.
ao cargo de origem, sem direito a indenização, aproveitado § 1º - Poderá ser organizada e publicada no mês de janeiro
em outro cargo ou posto em disponibilidade. a relação de substitutos para o ano todo.
§ 2º - Na falta dessa relação, a designação será feita em
SEÇÃO X - Da disponibilidade e do aproveitamento cada caso.
Art. 30 - Extinto o cargo ou declarada a sua desnecessidade, Art. 40 - O substituto fará jus ao vencimento do cargo em
o servidor estável ficará em disponibilidade, com comissão ou do valor da função gratificada, se a
remuneração proporcional ao tempo de serviço, até seu substituição ocorrer por prazo superior a sete dias.
adequado aproveitamento em outro cargo.
Art. 31 - O retorno à atividade de servidor em CAPÍTULO II - DA REMOÇÃO
disponibilidade far-se-á mediante aproveitamento em Art. 41 - Remoção é o deslocamento do servidor de uma
cargo equivalente por sua natureza e retribuição àquele de para outra repartição.
que era titular. § 1º - A remoção poderá ocorrer:
Parágrafo único - No aproveitamento terá preferência o I - a pedido, atendida a conveniência do serviço;
servidor que estiver há mais tempo em disponibilidade e, II - de ofício, no interesse da administração.
no caso de empate, o que contar mais tempo de serviço Art. 42 - A remoção será feita por ato da autoridade
público municipal. competente.
Art. 32 - O aproveitamento de servidor que se encontrar Art. 43 - A remoção por permuta será precedida de
em disponibilidade há mais de doze meses dependerá de requerimento firmado por ambos os interessados.
prévia comprovação de sua capacidade física e mental, por
junta médica oficial. CAPÍTULO III - DO EXERCÍCIO DE FUNÇÃO DE CONFIANÇA
Parágrafo único - Verificada a incapacidade definitiva, o Art. 44 - A função de confiança a ser exercida
servidor em disponibilidade será aposentado. exclusivamente por servidor público efetivo, poderá ocorrer
Art. 33 - Será tornado sem efeito o aproveitamento e sob a forma de função gratificada.
cassada a disponibilidade se o servidor não entrar em Art. 45 - A função de confiança é instituída por lei para
exercício no prazo legal, contado da publicação do ato de atender atribuições de direção, chefia e assessoramento,
aproveitamento, salvo doença comprovada por inspeção que não justifiquem o provimento por cargo em comissão.
médica. Parágrafo único - A função gratificada poderá também ser
criada em paralelo com o cargo em comissão, como forma
SEÇÃO XI - Da promoção alternativa de provimento da posição de confiança,
Art. 34 - As promoções obedecerão às regras estabelecidas hipótese em que o valor da mesma não poderá ser superior
na lei que dispuser sobre os planos de carreira dos a cinqüenta por cento do vencimento do cargo em
servidores municipais. comissão.
Art. 46 - A designação para o exercício da função
CAPÍTULO II - DA VACÂNCIA gratificada, que nunca será cumulativa com o cargo em
Art. 35 - A vacância do cargo decorrerá de: comissão, será feita por ato expresso da autoridade
I - exoneração; competente.
II - demissão; Art. 47 - O valor da função gratificada será percebido
III - readaptação; cumulativamente com o vencimento do cargo de
IV - recondução; provimento efetivo.
V - aposentadoria; Art. 48 - O valor da função gratificada continuará sendo
VI - falecimento. percebido pelo servidor que, sendo seu ocupante, estiver
Art. 36 - Dar-se-á a exoneração: ausente em virtude de férias, casamento, licença para
I - a pedido; tratamento de saúde, licença à gestante ou paternidade,
II - de ofício quando: serviços obrigatórios por lei ou atribuições decorrentes de
a) se tratar de cargo em comissão; seu cargo ou função.
b) de servidor não estável nas hipóteses do art. 21, desta Art. 49 - Será tornada sem efeito a designação do servidor
Lei; que não entrar no exercício da função gratificada no prazo
c) ocorrer posse de servidor não estável em outro cargo de dois dias a contar da publicação do ato de investidura.
inacumulável, observado o disposto nos §§ 1º e 2º do art. Art. 50 - O provimento de função gratificada poderá recair
142 desta Lei. também em servidor ocupante de cargo efetivo de outra
Art. 37 - A abertura de vaga ocorrerá na data da publicação entidade pública posto à disposição do Município sem
da lei que criar o cargo ou do ato que formalizar qualquer prejuízo de seus vencimentos.
das hipóteses previstas no art. 35. Art. 51 - É facultado ao servidor efetivo do Município,
Art. 38 - A vacância de função gratificada dar-se-á por quando indicado para o exercício de cargo em comissão,
dispensa, a pedido ou de ofício, ou por destituição.
Câmara Municipal de São Jerônimo 40 Motorista
optar pelo provimento sob a forma de função gratificada corresponderá ao total da produção da semana, dividido
correspondente. pelos dias úteis da mesma semana.
Art. 52 - A lei indicará os casos e condições em que os § 3º - Consideram-se já remunerados os dias de repouso
cargos em comissão serão exercidos preferencialmente por semanal do servidor mensalista ou quinzenalista, cujo
servidores ocupantes de cargos de provimento efetivo. vencimento remunere trinta ou quinze dias,
respectivamente.
TÍTULO IV - DO REGIME DO TRABALHO Art. 61 - Perderá a remuneração do repouso o servidor que
CAPÍTULO I - DO HORÁRIO E DO PONTO tiver faltado, sem motivo justificado, ao serviço durante a
Art. 53 - O Prefeito determinará, quando não estabelecido semana, mesmo que em apenas um turno.
em lei ou regulamento, o horário de expediente das Parágrafo único - São motivos justificados as concessões,
repartições. licenças e afastamentos previstos em lei, nas quais o
Art. 54 - O horário normal de trabalho de cada cargo ou servidor continuará com direito ao vencimento normal,
função é o estabelecido na legislação específica, não como se em exercício estivesse.
podendo ser superior a oito horas diárias e a quarenta e Art. 62 - Nos serviços públicos ininterruptos poderá ser
quatro horas semanais. exigido o trabalho nos dias feriados civis e religiosos,
Art. 55 - Atendendo à conveniência ou à necessidade do hipótese em que as horas trabalhadas serão pagas com
serviço, e mediante acordo escrito, poderá ser instituído acréscimo de cinqüenta por cento, salvo a concessão de
sistema de compensação de horário, hipótese em que a outro dia de folga compensatória.
jornada diária poderá ser superior a oito horas, sendo o
excesso de horas compensado pela correspondente TÍTULO V - DOS DIREITOS E VANTAGENS
diminuição em outro dia, observada sempre a jornada CAPÍTULO I - DO VENCIMENTO E DA REMUNERAÇÃO
máxima semanal.
Art. 56 - A freqüência do servidor será controlada: Art. 63 - Vencimento é a retribuição paga ao servidor pelo
I - pelo ponto; efetivo exercício do cargo, correspondente ao valor fixado
II - pela forma determinada em regulamento, quanto aos em lei.
servidores não sujeitos ao ponto. Art. 64 - Remuneração é o vencimento acrescido das
§ 1º - Ponto é o registro, mecânico ou não, que assinala o vantagens permanentes, estabelecidas em lei.
comparecimento do servidor ao serviço e pelo qual se Art. 65 - Nenhum servidor poderá perceber mensalmente,
verifica, diariamente, a sua entrada e saída. a título de remuneração ou subsídio, importância maior do
§ 2º - Salvo nos casos do inciso II deste artigo, é vedado que a fixada como limite pela Constituição Federal, e sua
dispensar o servidor do registro do ponto e abonar faltas ao interpretação, segundo o Supremo Tribunal Federal.
serviço. Art. 66 - Excluem-se do teto de remuneração previsto no
art. 65 as diárias de viagem, o auxílio para diferença de
CAPÍTULO II - DO SERVIÇO EXTRAORDINÁRIO caixa e o acréscimo constitucional de 1/3 de férias.
Art. 57 - A prestação de serviços extraordinários só poderá Art. 67 - A lei fixará a relação de valores entre a maior e a
ocorrer por expressa determinação da autoridade menor remuneração dos servidores municipais.
competente, mediante solicitação fundamentada do chefe Art. 68 - O servidor perderá:
da repartição, ou de ofício. I - a remuneração dos dias que faltar ao serviço, bem como
§ 1º - O serviço extraordinário será remunerado por hora dos dias de repouso da respectiva semana, sem prejuízo da
de trabalho que exceda o período normal, com acréscimo penalidade disciplinar cabível;
de cinqüenta por cento em relação à hora normal. II - a parcela da remuneração diária, proporcional aos
§ 2º - Salvo nos casos excepcionais, devidamente atrasos, ausências e saídas antecipadas, iguais ou
justificados, não poderá o trabalho em horário superiores a trinta minutos, sem prejuízo da penalidade
extraordinário exceder a duas horas diárias. disciplinar cabível;
Art. 58 - O serviço extraordinário, excepcionalmente, III - metade da remuneração na hipótese prevista no
poderá ser realizado sob a forma de plantões para parágrafo único do art. 140.
assegurar o funcionamento dos serviços municipais Art. 69 - Salvo por imposição legal, ou mandado judicial,
ininterruptos. nenhum desconto incidirá sobre a remuneração ou
Parágrafo único - O plantão extraordinário visa a provento.
substituição do plantonista titular legalmente afastado ou Parágrafo único - Mediante autorização do servidor,
em falta ao serviço. poderá haver consignação em folha de pagamento em
Art. 59 - O exercício de cargo em comissão ou de função favor de terceiros, a critério da administração e com
gratificada, não sujeito ao controle de ponto, exclui a reposição de custos, até o limite de trinta por cento da
remuneração por serviço extraordinário. remuneração.
Art. 70 - As reposições devidas por servidor à Fazenda
CAPÍTULO III - DO REPOUSO SEMANAL Municipal poderão ser feitas em parcelas mensais, com
Art. 60 - O servidor terá direito a repouso remunerado, juros e correção monetária, e mediante desconto em folha
num dia de cada semana, preferencialmente aos domingos, de pagamento.
bem como nos dias feriados civis e religiosos. § 1º - O valor de cada parcela não poderá exceder a vinte
§ 1º - A remuneração do dia de repouso corresponderá a por cento da remuneração do servidor.
um dia normal de trabalho. § 2º - O servidor será obrigado a repor, de uma só vez, a
§ 2º - Na hipótese de servidores com remuneração por importância do prejuízo causado a Fazenda Municipal em
produção, peça ou tarefa, o valor do repouso
Câmara Municipal de São Jerônimo 41 Motorista
virtude de alcance, desfalque, ou omissão de efetuar o Parágrafo único - Na hipótese de o servidor retornar ao
recolhimento ou entradas nos prazos legais. Município em prazo menor do que o previsto para seu
Art. 71 - O servidor em débito com o Erário, que for afastamento, restituirá as diárias recebidas em excesso, em
demitido, exonerado, destituído do cargo em comissão, ou igual prazo.
que tiver a sua disponibilidade cassada, terá de repor a
quantia de uma só vez. Subseção II - Da ajuda de custo
Parágrafo único - A não quitação de débito implicará em Art. 78 - A ajuda de custo destina-se a cobrir as despesas de
sua inscrição em dívida ativa e cobrança judicial. viagem e instalação do servidor que for designado para
exercer missão ou estudo fora do Município.
CAPÍTULO II - DAS VANTAGENS Parágrafo único - A concessão da ajuda de custo ficará a
Art. 72 - Além do vencimento, poderão ser pagas ao critério da autoridade competente, que considerará os
servidor as seguintes vantagens: aspectos relacionados com a distância percorrida, o
I - indenização; número de pessoas que acompanharão o servidor e a
II - gratificações e adicionais; duração da ausência.
III – auxílio para diferença de caixa. Art. 79 - A ajuda de custo não poderá exceder o dobro do
§ 1º - As indenizações não se incorporam ao vencimento ou vencimento do servidor, salvo quando o deslocamento for
provento para qualquer efeito. para o exterior, caso em que poderá ser até de quatro
§ 2º - As gratificações, os adicionais, e os auxílios vezes o vencimento, desde que arbitrada justificadamente.
incorporam-se ao vencimento ou provento, nos casos e
condições indicados em lei. Subseção III - Do Transporte
Art. 73 - Os acréscimos pecuniários não serão computados Art. 80 - Conceder-se-á indenização de transporte ao
nem acumulados para fim de concessão de acréscimos servidor que realizar despesas com a utilização de meio
ulteriores. próprio de locomoção para execução de serviços externos,
por força das atribuições próprias do cargo, no termos de
SEÇÃO I - Das indenizações lei específica. (Incluído pela Lei Municipal nº 2078, de 24 de
Art. 74 - Constituem indenizações ao servidor: setembro de 2002).
I - diárias; §1º - Somente fará jus à indenização de transporte pelo seu
II - ajuda de custo; valor integral, o servidor que, no mês, haja efetivamente
III - Transporte. realizado serviço externo, durante pelo menos vinte dias.
(Incluído pela Lei Municipal nº 2078, de 24 de setembro de
Subseção I - Das diárias 2002).
Art. 75 - Ao servidor que, por determinação da autoridade §2º - Se o número de dias de serviço externo for inferior ao
competente, se deslocar eventual ou transitoriamente do previsto no parágrafo anterior, a indenização será devida
Município, no desempenho de suas atribuições, ou em na proporção de um vinte avos por dia de realização do
missão ou estudo de interesse da administração, serão serviço. (Incluído pela Lei Municipal nº 2078, de 24 de
concedidas, além do transporte, diárias para cobrir as setembro de 2002).
despesas de alimentação, estadia e locomoção urbana.
(Alterado pela Lei Municipal nº 2670, de 02 de abril de SEÇÃO II - Das gratificações e adicionais
2008). Art. 81 - Constituem gratificações e adicionais dos
§ 1 º - Nos casos em que o deslocamento não exigir servidores municipais:
pernoite fora da sede, mas exija pelo menos mais de meia I - gratificação natalina;
jornada de trabalho, as diárias serão pagas por metade, II - adicional por tempo de serviço;
mediante a apresentação de nota fiscal de refeição ou III - adicional pelo exercício de atividades em condições
documento comprobatório do local para onde o penosas, insalubres ou perigosas;
deslocamento ocorreu. (Alterado pela Lei Municipal nº IV - adicional noturno.
2670, de 02 de abril de 2008).
§ 2º - Revogado pela Lei Municipal nº 2339, de 30 de Subseção I - Da gratificação natalina
novembro de 2004. Art. 82 - A gratificação natalina corresponderá a um doze
§ 3º - Nos deslocamentos para fora do Estado, as diárias avos da remuneração a que o servidor fizer jus no mês de
serão acrescidas de cinqüenta por cento. dezembro, por mês de exercício, no respectivo ano.
§ 4º - O valor das diárias será calculado sobre a tabela de § 1º - Os adicionais de insalubridade, periculosidade,
vencimentos com base no nível 1, padrão A, com os penosidade e noturno, as gratificações e o valor de função
seguintes percentuais: (Alterado pela Lei Municipal nº gratificada, serão computados na razão de 1/12 de seu
2670, de 02 de abril de 2008). valor vigente em dezembro, por mês de exercício em que o
servidor percebeu a vantagem, no ano correspondente.
§ 2º - Quando o vencimento for pago por hora, com
jornadas variáveis, apurar-se-á a media do ano, aplicando-
se o valor do vencimento vigente em dezembro.
§ 3º - A fração igual ou superior a quinze dias de exercício
no mesmo mês será considerada como mês integral.
Art. 77 - O servidor que receber diárias e não se afastar da Art. 83 - A gratificação natalina será paga até o dia vinte do
sede, por qualquer motivo, ficará obrigado a restituí-las mês de dezembro de cada ano.
integralmente, no prazo de três dias.
Câmara Municipal de São Jerônimo 42 Motorista
Parágrafo único - Entre os meses de maio e novembro de § 3º - Nos horários mistos, assim entendidos os que
cada ano, o Município pagará, como adiantamento da abrangem períodos diurnos e noturnos, o adicional será
gratificação referida, de uma só vez, metade da pago proporcionalmente às horas de trabalho noturno.
remuneração percebida no mês anterior.
Art. 84 - Em caso de exoneração, falecimento ou SEÇÃO III – Do auxílio para diferença de caixa
aposentadoria do servidor, a gratificação natalina será Art. 93 - O servidor que, por força das atribuições próprias
devida proporcionalmente aos meses de efetivo exercício, de seu cargo, pagar ou receber em moeda corrente,
calculada sobre a remuneração do mês da exoneração, perceberá um auxílio para diferença de caixa, no montante
falecimento ou aposentadoria. de dez por cento do vencimento.
Art. 85 - A gratificação natalina não será considerada para § 1º - O servidor que estiver respondendo legalmente pelo
cálculo de qualquer vantagem pecuniária. tesoureiro ou caixa, durante os impedimentos legais deste,
fará jus ao pagamento do auxílio.
Subseção II - Do adicional por tempo de serviço § 2º - O auxílio de que trata este artigo só será pago
Art. 86 - O adicional por tempo de serviço é devido à razão enquanto o servidor estiver efetivamente executando
de um por cento por ano de serviço público ininterrupto serviços de pagamento ou recebimento e nas férias
prestado ao Município, incidente sobre o vencimento da regulamentares.
classe do servidor ocupante de cargo efetivo.
§ 1º - Computar-se-á para a vantagem o tempo de serviço CAPÍTULO III – DAS FÉRIAS
anteriormente prestado ao Município, sob qualquer forma SEÇÃO I - Do direito a férias e da sua duração
de ingresso, desde que sem solução de continuidade com o Art. 94 - O servidor terá direito anualmente ao gozo de um
atual. período de férias, sem prejuízo da remuneração.
§ 2º - O servidor fará jus ao adicional a partir do mês em Art. 95 - Após cada período de doze meses de vigência da
que completar o anuênio. relação entre o Município e o servidor, terá este direito a
férias, na seguinte proporção:
Subseção III -Dos adicionais de penosidade, insalubridade I - trinta dias corridos, quando não houver faltado ao
e periculosidade serviço mais de cinco vezes;
Art. 87 - Os Servidores que executarem atividades penosas, II - vinte e quatro dias corridos, quando houver tido de seis
insalubres ou perigosas, farão jus a um adicional incidente a quatorze faltas;
sobre o valor do menor padrão de vencimentos do quadro III - dezoito dias corridos, quando houver tido de quinze a
de servidores do Município. (Revogado pela Lei Municipal vinte e três faltas;
nº 1897, de 04 de abril de 2001). IV - doze dias corridos, quando houver tido de vinte e
Art. 87 - Os Servidores que executarem atividades quatro a trinta e duas faltas.
insalubres farão jus a um adicional incidente sobre o salário Parágrafo único - É vedado descontar, do período de férias,
mínimo, para as atividades penosas ou perigosas o as faltas do servidor ao serviço.
adicional incidirá sobre o salário base do servidor. (Alterado Art. 96 - Não serão consideradas faltas ao serviço as
pela Lei Municipal nº 1897, de 04 de abril de 2001). concessões, licenças e afastamentos previstos em lei, nos
Parágrafo único - As atividades penosas, insalubres ou quais o servidor continuar com direito ao vencimento
perigosas serão definidas em lei própria. normal, como se em exercício estivesse.
Art. 88 - O exercício de atividade em condições de Art. 97 - O tempo de serviço anterior será somado ao
insalubridade assegura ao servidor a percepção de um posterior para fins de aquisição do período aquisitivo de
adicional, respectivamente, de quarenta, vinte ou dez por férias nos casos de licenças previstas nos incisos II, III e V do
cento, segundo a classificação nos graus máximo, médio ou art. 104.
mínimo. Art. 98 - Não terá direito a férias o servidor que, no curso
Art. 89 - Os adicionais de periculosidade e de penosidade do período aquisitivo, tiver gozado licenças para
serão, respectivamente, de trinta e vinte por cento. tratamento de saúde, por acidente em serviço ou por
Art. 90 - Os adicionais de penosidade, insalubridade e motivo de doença em pessoa da família, isoladamente ou
periculosidade não são acumuláveis, cabendo ao servidor em conjunto por mais de seis meses, embora descontínuos,
optar por um deles, quando for o caso. e licença para tratar de interesses particulares por qualquer
Art. 91 - O direito ao adicional de penosidade, prazo.
insalubridade ou periculosidade, cessará com a eliminação Parágrafo único - Iniciar-se-á o decurso de novo período
das condições ou dos riscos que deram causa a sua aquisitivo, após a perda do direito a férias prevista neste
concessão, sendo sua concessão ou eliminação precedidas artigo, no primeiro dia em que o servidor retornar ao
de laudo pericial, realizado por Médico ou Engenheiro do trabalho.
Trabalho.
SEÇÃO II - Da concessão e do gozo das férias
Subseção IV - Do adicional noturno Art. 99: É obrigatório a concessão e gozo das férias nos dez
Art. 92 - O servidor que prestar trabalho noturno fará jus a meses subseqüentes à data em que o servidor tiver
um adicional de 20% sobre o vencimento do cargo. adquirido o direito. (Alterado pela Lei Municipal nº 2797,
§ 1º - Considera-se trabalho noturno, para efeito deste de 28 de outubro de 2009).
artigo, o executado entre as 22 horas de um dia e as 05 § 1° - As férias poderão ser parceladas em até duas etapas,
horas do dia seguinte. desde que assim requeridas pelo servidor, e no interesse da
§ 2º - A hora do trabalho noturno será computada como de administração pública. (Incluído pela Lei Municipal nº 2797,
52 minutos e 30 segundos. de 28 de outubro de 2009).
Câmara Municipal de São Jerônimo 43 Motorista
§ 2° - As férias somente poderão ser suspensas por motivo III - para concorrer a cargo eletivo;
de calamidade pública, comoção interna ou por motivo de IV - para tratar de interesses particulares;
superior interesse público, por ato administrativo V - para desempenho de mandato classista.
devidamente motivado. (Incluído pela Lei Municipal nº § 1º - O servidor não poderá permanecer em licença da
2797, de 28 de outubro de 2009). mesma espécie por período superior a vinte e quatro
meses, salvo nos casos dos incisos II, III, IV e V.
Art. 100 - A concessão das férias, mencionado o período de § 2º - A licença concedida dentro de sessenta dias do
gozo, será participado, por escrito, ao servidor, com término de outra da mesma espécie será considerada como
antecedência de, no mínimo, 15 dias, cabendo a este prorrogação.
assinar a respectiva notificação.
Art. 101 - Vencido o prazo mencionado no art. 99, sem que SEÇÃO II - Da licença por motivo de doença em pessoa da
a Administração tenha concedido as férias, incumbirá ao família
servidor, no prazo de dez dias, requerer o gozo de férias,
sob pena de perda do direito às mesmas. Art. 105 - Poderá ser concedida licença ao servidor
§ 1º - Recebido o requerimento, a autoridade responsável ocupante de cargo efetivo, por motivo de doença do
terá de despachar no prazo de quinze dias, marcando o cônjuge ou companheiro, do pai ou da mãe, do filho ou
período de gozo de férias, dentro dos sessenta dias enteado e de irmão, mediante comprovação médica oficial
seguintes. do Município.
§ 2º - Não atendido o requerimento pela autoridade § 1º - A licença somente será deferida se a assistência
competente no prazo legal, o servidor poderá ajuizar ação, direta do servidor for indispensável e não puder ser
pedindo a fixação, por sentença, da época do gozo de prestada simultaneamente com o exercício do cargo, o que
férias, hipótese em que as mesmas serão remuneradas em deverá ser apurado, através de acompanhamento pela
dobro. Administração Municipal.
§ 3º - No caso do parágrafo anterior, a autoridade infratora § 2º - A licença será concedida sem prejuízo da
será a responsável pelo pagamento da metade da remuneração, até um mês, e, após, com os seguintes
remuneração em dobro das férias, que será recolhida ao descontos:
erário, no prazo de cinco dias, a contar da data da I - de 1/3 (um terço), quando exceder a um mês e até dois
concessão das férias nessas condições. meses;
II - de 2/3 (dois terços), quando exceder a dois meses até
SEÇÃO III - Da remuneração das férias cinco meses;
Art. 102 - O servidor perceberá durante as férias a III - sem remuneração, a partir de sexto mês até o máximo
remuneração integral, acrescida de 1/3 (um terço). de dois anos.
§ 1º - As vantagens que não mais estejam sendo percebidas
no momento do gozo de férias serão computadas SEÇÃO III - Da licença para o serviço militar
proporcionalmente aos meses de exercício no período Art. 106 - Ao servidor ocupante de cargo efetivo que for
aquisitivo das férias, na razão de um doze avos por mês de convocado para o serviço militar ou outros encargos de
exercício ou fração superior a quatorze dias. segurança nacional, será concedida licença sem
§ 2º - Quando o vencimento for pago por hora, com remuneração.
jornadas variáveis, apurar-se-á a média do período § 1º - A licença será concedida à vista de documento oficial
aquisitivo, aplicando-se o valor do vencimento na data da que comprove a convocação.
concessão das férias. § 2º - O servidor desincorporado em outro Estado da
§ 3º - O pagamento da remuneração das férias, por Federação deverá reassumir o exercício do cargo dentro do
solicitação do servidor, será feito dentro dos cinco dias prazo de trinta dias; se a desincorporação ocorrer dentro
anteriores ao início do gozo. do Estado o prazo será de quinze dias.

SEÇÃO IV - Dos efeitos na exoneração, no falecimento e na SEÇÃO IV - Da licença para concorrer a cargo eletivo
aposentadoria Art. 107 - Salvo disposição diversa em lei federal, o servidor
Art. 103 - No caso de exoneração, falecimento ou ocupante de cargo efetivo fará jus a licença remunerada,
aposentadoria, será devida a remuneração correspondente com vencimentos integrais, a partir do registro de sua
ao período de férias cujo direito o servidor tenha adquirido candidatura a cargo eletivo perante a Justiça Eleitoral, até o
nos termos do art. 95. dia seguinte ao do pleito.
Parágrafo único - O servidor exonerado, falecido ou Parágrafo único - O servidor candidato a cargo eletivo no
aposentado após doze meses de serviço, além do disposto próprio Município e que exercer cargo ou função de
no “caput”, terá direito também à remuneração relativa ao direção, chefia, assessoramento, arrecadação ou
período incompleto de férias, na proporção de um doze fiscalização, dele será exonerado a partir do dia imediato ao
avos por mês de serviço ou fração superior a quatorze dias. registro de sua candidatura perante a Justiça Eleitoral, até o
dia seguinte ao do pleito.
CAPÍTULO IV - DAS LICENÇAS
SEÇÃO I - Disposições Gerais SEÇÃO V - Da licença para tratar de interesses particulares
Art. 104 - Conceder-se-á licença ao servidor ocupante de Art. 108 - A critério da administração, poderá ser concedida
cargo efetivo: ao servidor estável licença para tratar de assuntos
I - por motivo de doença em pessoa da família; particulares, pelo prazo de até dois anos consecutivos, sem
II - para o serviço militar obrigatório; remuneração.
Câmara Municipal de São Jerônimo 44 Motorista
§ 1º - A licença poderá ser interrompida a qualquer tempo, Art. 113 - A apuração do tempo de serviço será feita em
a pedido do servidor ou no interesse do serviço. dias.
§ 2º - A prorrogação prevista no “caput”, dependerá de Parágrafo único - O número de dias será convertido em
expressa autorização do Prefeito Municipal. anos, considerados de 365 dias.
§ 3º - Não se concederá nova licença antes de decorridos Art. 114 - Além das ausências ao serviço previstas no art.
dois anos do término ou interrupção da anterior, contados 111, são considerados como de efetivo exercício os
a partir da eventual prorrogação. (Revogado pela Lei afastamentos em virtude de:
Municipal nº 2164, de 18 de junho de 2003). I - férias;
§ 3º - Não se concederá nova licença antes de decorridos II - exercício de cargos em comissão, no Município;
30 (trinta) dias do término ou interrupção da anterior, III - convocação para o serviço militar;
contados a partir da eventual prorrogação. (Alterado pela IV - júri e outros serviços obrigatórios por lei;
Lei Municipal nº 2164, de 18 de junho de 2003). V - licença:
§ 4º - Não se concederá a licença a servidor nomeado ou a) à gestante, à adotante e à paternidade;
removido, antes de completar um ano de exercício no novo b) para tratamento de saúde, inclusive por acidente em
cargo ou repartição. serviço ou moléstia profissional; e
c) para tratamento de saúde de pessoa da família quando
SEÇÃO VI - Da licença para desempenho de mandato remunerada.
classista
Art. 109 - É assegurado ao servidor o direito a licença para Art. 115 - Contar-se-á apenas para efeito de aposentadoria
desempenho de mandato em confederação, federação ou o tempo:
sindicato representativo da categoria, sem remuneração. I - de contribuição no serviço público federal, estadual e
§ 1º - Somente poderão ser licenciados servidores eleitos municipal, inclusive o prestado às suas autarquias;
para cargos de direção ou representação nas referidas II - de licença para desempenho de mandato classista;
entidades, até o máximo de três, por entidade. III - de licença para concorrer a cargo eletivo e
§ 2º - A licença terá duração igual à do mandato, podendo IV - em que o servidor esteve em disponibilidade
ser prorrogada no caso de reeleição e por uma única vez. remunerada.
Parágrafo único - Para efeito de disponibilidade será
CAPÍTULO V - DO AFASTAMENTO PARA SERVIR A OUTRO computado o tempo de serviço público federal, estadual ou
ÓRGÃO OU ENTIDADE municipal.
Art. 110 - O servidor ocupante de cargo efetivo e estável Art. 116 - Para efeito de aposentadoria, será computado
poderá ser cedido para ter exercício em outro órgão ou também o tempo de contribuição na atividade privada e
entidade dos Poderes da União, dos Estados e dos rural, nos termos da legislação federal pertinente.
Municípios, nas seguintes hipóteses: Art. 117 - O tempo de afastamento para exercício de
I - para exercício de função de confiança; mandato eletivo será contado na forma das disposições
II - em casos previstos em leis específicas e constitucionais ou legais específicas.
III - para cumprimento de convênio. Art. 118 - É vedada a contagem acumulada de tempo de
Parágrafo único - Na hipótese do inciso I deste artigo, a serviço simultâneo.
cedência será sem ônus para o Município e, nos demais
casos, conforme dispuser a lei ou o convênio. CAPÍTULO VIII - DO DIREITO DE PETIÇÃO
Art. 119 - É assegurado ao servidor o direito de requerer,
CAPÍTULO VI - DAS CONCESSÕES pedir reconsideração, recorrer e representar, em defesa de
Art. 111 - Sem qualquer prejuízo, poderá o servidor direito ou de interesse legítimo.
ausentar-se do serviço: Parágrafo único - As petições, salvo determinação expressa
I - por um dia, em cada doze meses de trabalho, em lei ou regulamento, serão dirigidas ao Prefeito
para doação de sangue; Municipal e terão decisão no prazo de trinta dias.
II - até dois dias, para se alistar como eleitor; Art. 120 - O pedido de reconsideração deverá conter novos
III - até cinco dias consecutivos, por motivo de: argumentos ou provas suscetíveis de reformar o despacho,
a) casamento; a decisão ou ato.
b) falecimento do cônjuge, companheiro, pais, madrasta ou Parágrafo único - O pedido de reconsideração, que não
padrasto, filhos ou enteados e irmãos; poderá ser renovado, será submetido à autoridade que
IV - até dois dias consecutivos, por motivo de falecimento houver prolatado o despacho, proferido a decisão ou
de avô ou avó, sogro ou sogra. (Alterado pela Lei Municipal praticado o ato.
nº 2464 de 28 de dezembro de 2005) Art. 121 - Caberá recurso ao Prefeito, como última instância
Art. 112 - Poderá ser concedido horário especial ao servidor administrativa, sendo indelegável sua decisão.
estudante quando comprovada a incompatibilidade entre o Parágrafo único - Terá caráter de recurso o pedido de
horário escolar e o da repartição, desde que não haja reconsideração quando o prolator do despacho, decisão ou
prejuízo ao exercício do cargo. ato houver sido o Prefeito.
Parágrafo único - Para efeitos do disposto neste artigo, será Art. 122 - O prazo para interposição de pedido de
exigida a compensação de horários na repartição, reconsideração ou de recurso, é de trinta dias, a contar da
respeitada a duração semanal do trabalho. publicação ou da ciência, pelo interessado, da decisão
recorrida.
CAPÍTULO VII - DO TEMPO DE SERVIÇO

Câmara Municipal de São Jerônimo 45 Motorista


Parágrafo único - O pedido de reconsideração e o recurso Parágrafo único - Nas mesmas penas incorre o superior
não terão efeito suspensivo e, se providos, seus efeitos hierárquico que, recebendo denúncia ou representação a
retroagirão à data do ato impugnado. respeito de irregularidades no serviço ou falta cometida por
Art. 123 - O direito de reclamação administrativa servidor, seu subordinado, deixar de tomar as providências
prescreverá, salvo disposição legal em contrário, em um necessárias à sua apuração.
ano a contar do ato ou fato do qual se originar.
§ 1º - O prazo prescricional terá início na data da publicação CAPÍTULO II - DAS PROIBIÇÕES
do ato impugnado ou da data da ciência, pelo interessado, Art. 127 - É proibido ao servidor qualquer ação ou omissão
quando o ato não for publicado. capaz de comprometer a dignidade e o decoro da função
§ 2º - O pedido de reconsideração e o recurso interromperá pública, ferir a disciplina e a hierarquia, prejudicar a
a prescrição administrativa. eficiência do serviço ou causar dano à Administração
Art. 124 - A representação será dirigida ao chefe imediato Pública, especialmente:
do servidor que, se a solução não for de sua alçada, a I - ausentar-se do serviço durante o expediente, sem prévia
encaminhará a quem de direito. autorização do chefe imediato;
Parágrafo único - Se não for dado andamento à II - retirar, sem prévia anuência da autoridade competente,
representação, dentro do prazo de cinco dias, poderá o qualquer documento ou objeto da repartição;
servidor dirigi-la direta e sucessivamente às chefias III - recusar fé a documentos públicos;
superiores. IV - opor resistência injustificada ao andamento de
Art. 125 - É assegurado o direito de vistas do processo ao documento e processo, ou execução de serviço;
servidor ou representante legal, pelo prazo de cinco (05) V - promover manifestação de apreço ou desapreço no
dias. recinto da repartição;
VI - referir-se de modo depreciativo ou desrespeitoso às
TÍTULO VI - DO REGIME DISCIPLINAR autoridades públicas ou aos atos do Poder Público,
CAPÍTULO I - DOS DEVERES mediante manifestação escrita ou oral;
Art. 126 - São deveres do servidor: VII - cometer a pessoa estranha à repartição, fora dos casos
I - exercer com zelo e dedicação as atribuições do cargo; previstos em lei, o desempenho de encargo que seja de sua
II - lealdade às instituições a que servir; competência ou de seu subordinado;
III - observância das normas legais e regulamentares: VIII - compelir ou aliciar outro servidor no sentido de
IV - cumprimento às ordens superiores, exceto quando filiação à associação profissional ou sindical, ou a partido
manifestamente ilegais; político;
V - atender com presteza: IX - manter sob sua chefia imediata, cônjuge, companheiro
a) ao público em geral, prestando as informações ou parente até segundo grau civil, salvo se decorrente de
requeridas, ressalvadas as protegidas por sigilo; nomeação por concurso público;
b) à expedição de certidões requeridas para defesa de X - valer-se do cargo para lograr proveito pessoal ou de
direito ou esclarecimento de situações de interesse outrem, em detrimento da dignidade da função pública;
pessoal; e XI - atuar, como procurador ou intermediário, junto a
c) às requisições para a defesa da Fazenda Pública; repartições públicas, salvo quando se tratar de benefícios
VI - levar ao conhecimento da autoridade superior as previdenciários ou assistenciais de parentes até o segundo
irregularidades de que tiver ciência em razão do cargo; grau;
VII - zelar pela economia do material e conservação do XII - receber propina, comissão, presente ou vantagem de
patrimônio público; qualquer espécie, em razão de suas atribuições;
VIII - guardar sigilo sobre assuntos da repartição; XIII - aceitar comissão, emprego ou pensão de Estado
IX - manter conduta compatível com a moralidade estrangeiro, sem licença prévia nos ter mos da lei;
administrativa; XIV - praticar usura sob qualquer de suas formas;
X - ser assíduo e pontual ao serviço; XV - proceder de forma desidiosa no desempenho das
XI - tratar com urbanidade as pessoas; funções;
XII - representar contra ilegalidade ou abuso de poder; XVI - cometer a outro servidor atribuições estranhas às do
XIII - apresentar-se ao serviço em boas condições de asseio cargo que ocupa, exceto em situações de emergência e
e convenientemente trajado ou com o uniforme que for transitórias;
determinado; XVII - utilizar pessoal ou recursos materiais da repartição
XIV - observar as normas de segurança e medicina do em serviços ou atividades particulares; e
trabalho estabelecidas, bem como o uso obrigatório dos XVIII - exercer quaisquer atividades que sejam
equipamentos de proteção individual (EPI) que lhe forem incompatíveis com o exercício do cargo ou função e com o
fornecidos; horário de trabalho.
XV - manter espírito de cooperação e solidariedade com os Art. 128 - É lícito ao servidor criticar atos do Poder Público
colegas de trabalho; do ponto de vista doutrinário ou da organização do serviço,
XVI - freqüentar cursos e treinamentos instituídos para seu em trabalho assinado, respondendo porém civil ou
aperfeiçoamento e especialização; criminalmente na forma da legislação aplicável, se de sua
XVII - apresentar relatórios ou resumos de suas atividades conduta resultar delito penal ou dano moral.
nas hipóteses e prazos previstos em lei ou regulamento, ou
quando determinado pela autoridade competente; e CAPÍTULO III - DA ACUMULAÇÃO
XVIII - sugerir providências tendentes a melhoria ou
aperfeiçoamento do serviço.
Câmara Municipal de São Jerônimo 46 Motorista
Art. 132 - É vedada a acumulação remunerada de cargos Parágrafo único - No caso de infrações simultâneas, a
públicos, exceto, quando houver compatibilidade de maior absorve as demais, funcionando estas como
horários: agravantes na gradação da penalidade.
a) a de dois cargos de professor; Art. 139 - Observado o disposto nos artigos precedentes, a
b) a de um cargo de professor com outro, técnico ou pena de advertência ou suspensão será aplicada, a critério
científico; da autoridade competente, por escrito, na inobservância de
§ 1º - É vedada a percepção simultânea de proventos de dever funcional previsto em lei, regulamento ou norma
aposentadoria decorrente dos artigos 40, 42 e 142 da interna, nos casos de violação de proibição que não
Constituição Federal com a remuneração de cargos, tipifique infração sujeita à penalidade de demissão.
empregos ou função pública, ressalvados os cargos Art. 140 - A pena de suspensão não poderá ultrapassar a
acumuláveis na forma do “caput”, os cargos eletivos e os sessenta dias.
cargos em comissão declarados em lei de livre nomeação e Parágrafo único - Quando houver conveniência para o
exoneração. serviço, a penalidade de suspensão poderá ser convertida
§ 2º - A proibição de acumular estende-se a empregos e em multa, na base de cinqüenta por cento por dia de
funções e abrange autarquias, fundações, empresas remuneração, ficando o servidor obrigado a permanecer
públicas, sociedades de economia mista, suas subsidiárias, em serviço e a exercer suas atribuições legais.
e sociedades controladas, direta ou indiretamente, pelo Art. 141 - Será aplicada ao servidor a pena de demissão nos
poder público. casos de:
I - crime contra a administração pública;
CAPÍTULO IV - DAS RESPONSABILIDADES II - abandono de cargo;
Art. 130 - O servidor responde civil, penal e III - indisciplina ou insubordinação graves ou reiteradas;
administrativamente pelos atos praticados enquanto no IV - inassiduidade ou impontualidade habituais;
exercício do cargo. V - improbidade administrativa;
A responsabilidade civil decorre de ato omissivo ou VI - incontinência pública e conduta escandalosa;
comissivo, doloso ou culposo, de que resulte prejuízo ao VII - ofensa física contra qualquer pessoa, cometida em
Erário ou a terceiros. serviço, salvo em legítima defesa;
§ 1º - A indenização de prejuízo causado ao Erário poderá VIII - aplicação irregular de dinheiro público;
ser liquidada na forma prevista no art. 70. IX - revelação de segredo apropriado em razão do cargo;
§ 2º - Tratando-se de dano causado a terceiros responderá X - lesão aos cofres públicos e dilapidação do patrimônio
o servidor perante a Fazenda Pública em ação regressiva, municipal;
sem prejuízo de outras medidas administrativas e judiciais XI - corrupção;
cabíveis. XII - acumulação ilegal de cargos, empregos ou funções;
§ 3º - A obrigação de reparar o dano estende-se aos XIII - transgressão do art. 127, incisos X a XVI.
sucessores e contra eles será executada, até o limite do Art. 142 - A acumulação de que trata o inciso XII do artigo
valor da herança recebida. anterior acarreta a demissão de um dos cargos, empregos
Art. 132 - A responsabilidade penal abrange os crimes e ou funções, dando-se ao servidor o prazo de cinco dias para
contravenções imputados ao servidor. opção.
Art. 133 - A responsabilidade administrativa resulta de ato § 1º - Se comprovado que a acumulação se deu por má fé, o
omissivo ou comissivo praticado por servidor investido no servidor será demitido de ambos os cargos e obrigado a
cargo ou função pública. devolver o que houver recebido dos cofres públicos.
Art. 134 - As sanções civis, penais e administrativas § 2º - Na hipótese do parágrafo anterior, sendo um dos
poderão cumular-se, sendo independentes entre si. cargos, empregos ou funções exercido na União, nos
Art. 135 - A responsabilidade civil ou administrativa do Estados, no Distrito Federal ou em outro Município, a
servidor será afastada no caso de absolvição criminal demissão será comunicada ao outro órgão ou entidade
definitiva que negue a existência do fato ou a sua autoria. onde ocorre acumulação.
Art. 143 - A demissão nos casos dos incisos V, VIII e X do
CAPÍTULO V - DAS PENALIDADES art. 141 implicará em ressarcimento ao erário, sem prejuízo
Art. 136 - São penalidades disciplinares aplicáveis a servidor da ação penal cabível.
após procedimento administrativo em que lhe seja Art. 144 - Configura abandono de cargo a ausência
assegurado o direito de defesa: intencional ao serviço por mais de trinta dias consecutivos.
I - advertência; Art. 145 - A demissão por inassiduidade ou impontualidade
II - suspensão; somente será aplicada quando caracterizada a
III - demissão; habitualidade de modo a representar séria violação dos
IV - cassação de aposentadoria ou da disponibilidade; e deveres e obrigações do servidor, após anteriores punições
V - destituição de cargo ou função de confiança. por advertência ou suspensão.
Art. 137 - Na aplicação das penalidades serão consideradas Art. 146- O ato de imposição de penalidade mencionará
a natureza e a gravidade da infração cometida, os danos sempre o fundamento legal.
que dela provierem para o serviço público, as circunstâncias Art. 147 - Será cassada a aposentadoria e a disponibilidade
agravantes ou atenuantes e os antecedentes. se ficar provado que o inativo, quando na atividade:
Art. 138 - Não poderá ser aplicada mais de uma pena I - praticou falta punível com a pena de demissão.
disciplinar pela mesma infração. II - aceitou ilegalmente cargo ou função pública;
III - praticou usura, em qualquer das suas formas.

Câmara Municipal de São Jerônimo 47 Motorista


Art. 148 - A pena de destituição de função de confiança Art. 156 - A autoridade competente poderá determinar a
será aplicada: suspensão preventiva do servidor, até sessenta dias,
I - quando se verificar falta de exação no seu desempenho; prorrogáveis por mais trinta se, fundamentadamente,
II - quando for verificado que, por negligência ou houver necessidade de seu afastamento para apuração de
benevolência, o servidor contribuiu para que não se falta a ele imputada.
apurasse, no devido tempo, irregularidade no serviço. Art. 157 - O servidor fará jus à remuneração integral
Parágrafo único - A aplicação da penalidade deste artigo durante o período de suspensão preventiva.
não implicará em perda do cargo efetivo.
Art. 149 - O ato de aplicação de penalidade é de SEÇÃO III - Da sindicância
competência do Prefeito Municipal. Art. 158 - A sindicância será cometida a servidor ocupante
Parágrafo único - Poderá ser delegada competência aos de cargo efetivo, podendo este ser dispensado de suas
Secretários Municipais para aplicação da pena de atribuições normais até a apresentação do relatório.
suspensão ou advertência. Parágrafo único - A critério da autoridade competente,
Art. 150 - A demissão por infringência ao art. 127 incisos X considerando o fato a ser apurado, a função sindicante
e XI, incompatibilizará o ex-servidor para nova investidura poderá ser atribuída a uma comissão de servidores, até o
em cargo ou função pública do Município, pelo prazo de máximo de três.
cinco anos. Art. 159 - O sindicante ou a comissão efetuará, de forma
Parágrafo único - Não poderá retornar ao serviço público sumária, as diligências necessárias ao esclarecimento da
municipal o servidor que for demitido por infringência do ocorrência e indicação do responsável, apresentando, no
art. 141, inc. I, V, VIII, X e XI. prazo máximo de trinta dias, relatório a respeito.
Art. 151 - A pena de destituição de função de confiança § 1º - Preliminarmente, deverá ser ouvido o autor da
implicará na impossibilidade de ser investido em funções representação e o servidor implicado, se houver.
dessa natureza durante o período de cinco anos a contar do § 2º - Reunidos os elementos apurados, o sindicante ou
ato de punição. comissão traduzirá no relatório as suas conclusões,
indicando o possível culpado, qual a irregularidade ou
Art. 152 - As penalidades aplicadas ao servidor serão transgressão e o seu enquadramento nas disposições
registradas em sua ficha funcional. estatutárias.
Art. 153 - A ação disciplinar prescreverá: § 3º - O sindicante abrirá o prazo de cinco (05) dias para o
I - em cinco anos, quanto às infrações puníveis com indiciado apresentar defesa, antes de elaborar o relatório.
demissão, cassação de aposentadoria e disponibilidade, ou Art. 160 - A autoridade, de posse do relatório,
destituição de função de confiança; acompanhado dos elementos que instruíram o processo,
II - em dois anos, quanto à suspensão; e decidirá, no prazo de cinco dias úteis:
III - em cento e oitenta dias, quanto à advertência. I - pela aplicação de penalidade de advertência ou
§ 1º - A falta também prevista na lei penal como crime suspensão;
prescreverá juntamente com este. II - pela instauração de processo administrativo disciplinar,
§ 2º - O prazo de prescrição começará a correr da data em ou
que a autoridade tomar conhecimento da existência da III - arquivamento do processo.
falta. § 1º - Entendendo a autoridade competente que os fatos
§ 3º - A abertura de sindicância ou a instauração de não estão devidamente elucidados, inclusive na indicação
processo disciplinar interromperá a prescrição. do possível culpado, devolverá o processo ao sindicante ou
§ 4º - Na hipótese do parágrafo anterior, o prazo comissão, para ulteriores diligências, em prazo certo, não
prescricional recomeçará a correr novamente, no dia superior a cinco dias úteis.
imediato ao da interrupção. § 2º - De posse do novo relatório e elementos
complementares, a autoridade decidirá no prazo e nos
CAPÍTULO VI - DO PROCESSO DISCIPLINAR EM GERAL termos deste artigo.
SEÇÃO I -Disposições preliminares
Art. 154 - A autoridade que tiver ciência de irregularidade SEÇÃO IV - Do processo administrativo disciplinar
no serviço público é obrigada a promover a sua apuração Art. 161 - O processo administrativo disciplinar será
imediata, mediante sindicância ou processo administrativo conduzido por comissão de três servidores estáveis,
disciplinar sob pena de incorrer nas previsões do art. 126. designada pela autoridade competente que indicará,
Parágrafo único - Quando o fato denunciado, de modo dentre eles, o seu presidente.
evidente, não configurar infração disciplinar ou ilícito penal, Parágrafo único - A comissão terá como secretário, servidor
a denúncia será arquivada, por falta de objeto. designado pelo presidente, podendo a designação recair
Art. 155 - As irregularidades e faltas funcionais serão em um dos seus membros.
apuradas em processo regular com direito a plena defesa, Art. 162 - A comissão processante, sempre que necessário e
por meio de: expressamente determinado no ato de designação,
I - sindicância, quando não houver dados suficientes para dedicará todo o tempo aos trabalhos do processo, ficando
sua determinação ou para apontar o servidor faltoso; os membros da comissão, em tal caso, dispensados dos
II - processo administrativo disciplinar, quando a gravidade serviços normais da repartição.
da ação ou omissão torne o servidor passível de demissão, Art. 163 - O processo administrativo será contraditório,
cassação da aposentadoria ou da disponibilidade. assegurada ampla defesa ao acusado, com a utilização dos
meios e recursos admitidos em direito.
SEÇÃO II - Da suspensão preventiva
Câmara Municipal de São Jerônimo 48 Motorista
Art. 164 - Quando o processo administrativo disciplinar § 2º - Será indeferido o pedido de prova pericial, quando a
resultar de prévia sindicância, o relatório desta integrará os comprovação do fato independer de conhecimento especial
autos, como peça informativa da instrução. de perito.
Parágrafo único - Na hipótese do relatório da sindicância Art. 173 - As testemunhas serão intimadas a depor
concluir pela prática de crime, a autoridade competente mediante mandado expedido pelo presidente da comissão,
oficiará ao Ministério Público, e remeterá cópia dos autos, devendo a segunda via, com o ciente do intimado, ser
independente da imediata instauração do processo anexada aos autos.
administrativo disciplinar. Parágrafo único - Se a testemunha for servidor público, a
Art. 165 - O prazo para a conclusão do processo não expedição do mandado será imediatamente comunicada ao
excederá sessenta dias, contados da data do ato que chefe da repartição onde serve, com a indicação do dia e
constituir a comissão, admitida a prorrogação por mais hora marcados para a inquirição.
trinta dias, quando as circunstâncias o exigirem, mediante Art. 174 - O depoimento será prestado oralmente e
autorização da autoridade que determinou a sua reduzido a termo, não sendo lícito a testemunha trazê-lo
instauração. por escrito.
Art. 166 - As reuniões da comissão serão registradas em § 1º - As testemunhas serão ouvidas separadamente, com
atas que deverão detalhar as deliberações adotadas. prévia intimação do indiciado ou de seu procurador.
Art. 167 - Ao instalar os trabalhos da comissão, o § 2º - Na hipótese de depoimentos contraditórios ou que se
Presidente determinará a autuação da portaria e demais infirmem, proceder-se-á a acareação entre os depoentes.
peças existentes e designará o dia, hora e local para Art. 175 - Concluída a inquirição de testemunhas, poderá a
primeira audiência e a citação do indiciado. comissão processante, se julgar útil ao esclarecimento dos
Art. 168 - A citação do indiciado deverá ser feita fatos, reinterrogar o indiciado.
pessoalmente e contra-recibo, com, pelo menos, quarenta Art. 176 - Ultimada a instrução do processo, o indiciado
e oito horas de antecedência em relação à audiência inicial será intimado por mandado pelo presidente da comissão
e conterá dia, hora e local e qualificação do indiciado e a para apresentar defesa escrita, no prazo de dez dias,
falta que lhe é imputada, com descrição dos fatos. assegurando-se-lhe vista do processo na repartição, sendo
§ 1º - Caso o indiciado se recuse a receber a citação, deverá fornecida cópia de inteiro teor mediante requerimento e
o fato ser certificado, com assinatura de, no mínimo, duas reposição do custo.
testemunhas. Parágrafo único - O prazo de defesa será comum e de
§ 2º - Estando o indiciado ausente do Município, se quinze dias se forem dois ou mais os indiciados.
conhecido seu endereço, será citado por via postal, em Art. 177 - Após o decurso do prazo, apresentada a defesa
carta registrada, juntando-se ao processo o comprovante ou não, a comissão apreciará todos os elementos do
do registro e o aviso de recebimento. processo, apresentando relatório, no qual constará em
§ 3º - Achando-se o indiciado em lugar incerto e não relação a cada indiciado, separadamente, as irregularidades
sabido, será citado por edital, divulgado como os demais de que foi acusado, as provas que instruíram o processo e
atos oficiais do Município, com prazo de quinze dias. as razões de defesa, propondo, justificadamente, a
Art. 169 - O indiciado poderá constituir procurador para absolvição ou punição do indiciado, e indicando a pena
fazer a sua defesa. cabível e seu fundamento legal.
Parágrafo único - Em caso de revelia, o presidente da Parágrafo único - O relatório e todos os elementos dos
comissão processante designará, de ofício, um defensor. autos serão remetidos à autoridade que determinou a
Art. 170 - Na audiência marcada, a comissão promoverá o instauração do processo, dentro de dez dias, contados do
interrogatório do indiciado, concedendo-lhe, em seguida, o término do prazo para apresentação da defesa.
prazo de três dias para oferecer alegações escritas, Art. 178 - A comissão ficará à disposição da autoridade
requerer provas e arrolar testemunhas, até o máximo de competente, até a decisão final do processo, para prestar
cinco. esclarecimento ou providência julgada necessária.
§ 1º - Havendo mais de um indiciado, o prazo será comum e Art. 179 - Recebidos os autos, a autoridade que determinou
de seis dias, contados a partir da tomada de declarações do a instauração do processo:
último deles. I - dentro de cinco dias:
§ 2º - O indiciado ou seu advogado terão vista do processo a) pedirá esclarecimentos ou providências que entender
na repartição podendo ser fornecida cópia de inteiro teor necessários, à comissão processante, marcando-lhe prazo;
mediante requerimento e reposição do custo. b) encaminhará os autos à autoridade superior, se entender
Art. 171 - A comissão promoverá a tomada de que a pena cabível escapa à sua competência;
depoimentos, acareações, investigações e diligências II - despachará o processo dentro de dez dias, acolhendo ou
cabíveis, objetivando a coleta de prova, recorrendo, não as conclusões da comissão processante,
quando necessário, a técnicos e peritos de modo a permitir fundamentando o seu despacho se concluir diferentemente
a completa elucidação dos fatos. do proposto.
Art. 172 - O indiciado tem o direito de, pessoalmente ou Parágrafo único - Nos casos do inciso I deste artigo, o prazo
por intermédio de procurador, assistir aos atos probatórios para decisão final será contado, respectivamente, a partir
que se realizarem perante a comissão, requerendo as do retorno ou recebimento dos autos.
medidas que julgar convenientes. Art. 180 - Da decisão final, são admitidos os recursos
§ 1º - O presidente da comissão poderá indeferir pedidos previstos nesta Lei.
considerados impertinentes, meramente protelatórios ou Art. 181 - As irregularidades processuais que não
de nenhum interesse para o esclarecimento dos fatos. constituam vícios substanciais insanáveis, suscetíveis de

Câmara Municipal de São Jerônimo 49 Motorista


influírem na apuração da verdade ou na decisão do Art. 192 - Os contratos serão de natureza administrativa,
processo, não lhe determinarão a nulidade. ficando assegurados os seguintes direitos ao contratado:
Art. 182 - O servidor que estiver respondendo a processo I - remuneração equivalente à percebida pelos servidores
administrativo disciplinar só poderá ser exonerado a pedido de igual ou assemelhada função no quadro permanente do
do cargo, ou aposentado voluntariamente, após a Município;
conclusão do processo e o cumprimento da penalidade, II - jornada de trabalho, serviço extraordinário, repouso
acaso aplicada. semanal remunerado, adicional noturno e gratificação
Parágrafo único - Excetua-se o caso de processo natalina proporcional, nos termos desta Lei;
administrativo instaurado apenas para apurar o abandono III - férias proporcionais, ao término do contrato;
de cargo, quando poderá haver exoneração a pedido, a IV - inscrição no Regime Geral da Previdência Social.
juízo da autoridade competente.
TÍTULO VIII - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS, TRANSITÓRIAS E
SEÇÃO V - Da revisão do processo FINAIS
Art. 183 - A revisão do processo administrativo disciplinar CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS
poderá ser requerida a qualquer tempo, uma única vez, Art. 193 - O Dia do Servidor Público será comemorado a
quando: vinte e oito de outubro.
I - a decisão for contrária ao texto de lei ou à evidência dos Art. 194 - Os prazos previstos nesta Lei serão contados em
autos; dias corridos, excluindo-se o dia do começo e incluindo-se o
II - a decisão se fundar em depoimentos, exames ou do vencimento, ficando prorrogado, para o primeiro dia útil
documentos falsos ou viciados; seguinte, o prazo vencido em dia em que não haja
III - forem aduzidas novas provas, suscetíveis de atestar a expediente, salvo norma específica dispondo de maneira
inocência do interessado ou de autorizar diminuição da diversa.
pena. Art. 195 - Consideram-se da família do servidor, além do
Parágrafo único - A simples alegação de injustiça da cônjuge e filhos, quaisquer pessoas que vivam às suas
penalidade não constituirá fundamento para a revisão do expensas e constem de seu assentamento individual.
processo. Parágrafo Único – Equipara-se ao cônjuge a companheira
ou companheiro, com mais de cinco anos de vida em
Art. 184 - No processo revisional, o ônus da prova caberá comum ou por menor tempo, se da união houver prole.
ao requerente. Art. 196 - Do exercício de encargos ou serviços diferentes
Art. 185 - O processo de revisão será realizado por dos definidos em lei ou regulamento, como próprios de seu
comissão designada segundo os moldes das comissões de cargo ou função gratificada, não decorre nenhum direito ao
processo administrativo e correrá em apenso aos autos do servidor.
processo originário.
Art. 186 - As conclusões da comissão serão encaminhadas à CAPÍTULO II - DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS E FINAIS
autoridade competente, dentro de trinta dias, devendo a Art. 197 - As disposições desta Lei aplicam-se aos
decisão ser proferida, fundamentadamente, dentro de dez servidores dos Poderes Executivo e Legislativo, das
dias. autarquias e fundações públicas.
Art. 187 - Julgada procedente a revisão, será tornada Art. 198 - Os atuais servidores municipais, estatutários ou
insubsistente ou atenuada a penalidade imposta, celetistas admitidos mediante prévio concurso público
restabelecendo-se os direitos decorrentes dessa decisão. ficam submetidos ao regime desta Lei.
§ 1º - Os empregos ocupados pelos servidores celetistas de
TÍTULO VII - DA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE que trata este artigo ficam transformados em cargos na
EXCEPCIONAL data da publicação desta Lei.
INTERESSE PÚBLICO § 2º - Os contratos individuais de trabalho se extinguem
Art. 188 - Para atender a necessidades temporárias de automaticamente pela nomeação para cargo público.
excepcional interesse público, poderão ser efetuadas § 3º - No que pertine às férias, o servidor poderá optar,
contratações de pessoal por tempo determinado. mediante termo escrito, em recebê-las no termo de
Art. 189 - Consideram-se como de necessidade temporária quitação do contrato ou pela continuidade da contagem do
de excepcional interesse público, as contratações que tempo de serviço para posterior gozo no novo regime.
visam a:
I - atender a situações de calamidade pública; Art. 199 – São aplicáveis, também, ao Servidores Celetistas
II - combater surtos epidêmicos; os disposto na Subseção I referente as diárias e na
III - atender outras situações de emergência que vierem a Subseção II referente a ajuda de custo.
ser definidas em lei específica.
Art. 190 - As contratações de que trata este capítulo terão Art. 200 – Os adicionais por tempo de serviço já concedidos
dotação orçamentária específica e não poderão ultrapassar aos Servidores abrangidos por esta Lei ficam transformados
o prazo de um ano. em anuênios.
Art. 191 - É vedado o desvio de função de pessoa Parágrafo Único: Na hipótese de o valor percebido em
contratada, na forma deste título, bem como sua decorrência de adicionais por tempo de serviço ser superior
recontratação, antes de decorridos dois meses do término àquela resultante da transformação em anuênios, o excesso
do contrato anterior, sob pena de nulidade do contrato e será percebido como vantagem pessoal, alterável toda vez
responsabilidade administrativa e civil da autoridade que ocorrerem reajustes salariais.
contratante.
Câmara Municipal de São Jerônimo 50 Motorista
Art. 201 - Revogam-se as disposições em contrário, em I - a sua organização interna; II - a regulamentação de seus
especial a Lei Municipal nº 578/93 (Regime Jurídico Único). servidores; e III - a estruturação e direção de serviços
Art. 202 - Esta Lei entrará em vigor na data de sua auxiliares.
publicação. Artigo 3°- A Câmara exercerá suas funções com
independência e harmonia em relação ao Poder executivo,
URBANO KNORST deliberando sobre todas as matérias de sua competência,
PREFEITO MUNICIPAL na forma da Lei e deste Regimento Interno.

CAPÍTULO II – DA SEDE DA CÂMARA


RESOLUÇÃO Nº 18/98, DE 10 JUNHO DE 1998 Artigo 4° - A Câmara Municipal de São Jerônimo, tem sua
"Dispõe sobre o Regimento Interno da Câmara Municipal sede, localizada na Rua Osvaldo Aranha, n° 175, em São
de Vereadores de São Jerônimo”. Jerônimo, Estado do Rio Grande do Sul.
ESTEVÃO CARLOS FIGUEIRA ANTUNES, Presidente da Parágrafo 1° - Por requerimento de Vereador, aprovado
Câmara Municipal de Vereadores de São Jerônimo, pelo plenário, a Câmara poderá reunir-se em outro local do
FAÇO SABER, em cumprimento ao disposto no Art. 93, Município. (Alterado pelas Resoluções nº 02/2007 e
parágrafo único, inciso II, do regimento Interno da Câmara 04/2010).
de Vereadores aprovou e eu sanciono e promulgo a Parágrafo 2°- As dependências da Câmara Municipal
seguinte resolução: poderão ser utilizadas por partidos políticos e outras
entidades legalmente constituídas, mediante prévia
PARTE – DO PODER LEGISLATIVO MUNICIPAL autorização da Presidência.
CAPÍTULO I – DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
Artigo 1º - A Câmara Municipal é o Poder Legislativo do CAPÍTULO III- DA INSTALAÇÃO DA LEGISLATURA
Município e se compõe de vereadores eleitos de acordo Artigo 5°- A legislatura tem a duração do mandato os
com a legislação vigente. Parágrafo Único - Além de suas vereadores para ela eleitos e a sessão legislativa ordinária
atribuições especificamente legislativa, cabe à Câmara: compreende o período de 01 de março a 31 de dezembro.
I – administrar seus serviços; e Parágrafo Único – No primeiro ano de cada legislatura, não
II – exercer a fiscalização financeira e orçamentária do haverá recesso de 1° de janeiro a 31 de janeiro. (Revogado
Município mediante controle externo, com auxílio do pela Resolução nº 06/2000).
Tribunal de Contas do Estado. Artigo 6°- A Câmara Municipal no primeiro ano de cada
Artigo 2°-As funções da Câmara são: legislatura, reunir-se-á no dia 01 de janeiro com a presença
I - Legislativa; da maioria dos vereadores diplomados para dar-lhes posse,
II - assessoramento; eleger a mesa, a comissão representativa, as comissões
III - de fiscalização; permanentes e indicações das lideranças de bancadas.
IV - de julgamento; Artigo 7°- Nesta Reunião de instalação da legislatura, os
V - de administração. vereadores para ela eleitos e diplomados, reunir-se-ão em
Parágrafo 1° - A função legislativa é exercida pela Câmara reunião presidida e secretariada conforme estipula o Artigo
através de Projeto de: 8°.
I – Emenda à Lei Orgânica; Artigo 8°-A reunião de instalação da legislatura será
II – Lei Complementar à Lei Orgânica; presidida pelo Presidente imediatamente anterior, se
III – Lei Ordinária; reeleito e , na sua falta pelo Vice-Presidente, 1° Secretário
IV – Decreto Legislativo; e ou 2° Secretário, pela ordem se reeleito.
V – Resolução. Parágrafo 1°- Na falta de todos os vereadores indicados no
Parágrafo 2° - A função de assessoramento é exercida pela “caput” deste artigo, a reunião será presidida pelo vereador
Câmara através de: mais idoso,entre os eleitos.
I – Indicação; e Parágrafo 2°- O presidente designará um vereador de
II – Pedido de providências. partido diferente ao seu para secretariar os trabalhos.
Parágrafo 3° - A função de fiscalização é exercida pela Parágrafo 3°- O Secretário designado, dará posse o
Câmara através de: Vereador que presidir à reunião.
I-pedido de informação; Artigo 9° - Na reunião de instalação da legislatura e de
II – exame de Convênio; instalação a primeira reunião legislativa ordinária, a ordem
III - exames periciais tendentes a verificar a composição e a os trabalhos será a seguinte:
qualidade de bens de consumo público e de obras e I - entrega à mesa, pelos vereadores, de seus diplomas e
serviços da municipalidade; respectivas declarações de bens;
IV -convocação dos auxiliares diretos do Prefeito ou de II - prestação o comprimento legal dos vereadores;
órgãos equivalentes; e III - pose dos vereadores presentes;
Parágrafo 4 – A função de julgamento é exercida pela IV - eleição dos membros da mesa;
Câmara através: V - Indicação dos líderes de bancada;
I - julgamento de infrações política-adminitrativas; e VI - eleição e pose da comissão representativa, e das
II - apreciação da prestação de contas do Prefeito comissões permanentes;
Municipal, com o parecer prévio do Tribunal de Contas do VII - entrega à mesa, pelo Prefeito e Vice-Prefeito, de seus
Estado. diplomas e respectivas declarações de bens;
Parágrafo 5° - A função de Administração é restrita: VIII - prestação do compromisso legal o Prefeito e do Vice-
Prefeito;
Câmara Municipal de São Jerônimo 51 Motorista
IX - posse do Prefeito e do Vice-Prefeito. interesse manifesto na deliberação, sob pena de nulidade
Parágrafo 1°-O compromisso referido do item II deste da votação;
artigo será prestado da seguinte forma: IV- portar-se com respeito, decoro e compenetração e suas
a)o Presidente lerá a fórmula: “ PROMETO CUMPRIR ALEI responsabilidades como vereador.
ORGÂNICA DO MUNICIPIO DESÃO JERÕNIMO, DEFNDER A Artigo 13°-O Vereador que e portar de forma
AUTONOMIA MUNICIPAL E EXERCER COM HONRA, inconveniente, no recinto da Câmara, está sujeito,
LELADADE EDEDICAÇÃOOMANDATO QUE ME OI conforme a gravidade do ato ás seguintes sanções:
CONFERIDO PELO POVO”. I- advertência por escrito;
b)cada Vereador, chamado nominalmente deverá II- advertência em plenário;
responder: “ASSIMEU PROMETO” III- cassação da palavra;
c)prestado o compromisso por todos os vereadores, o IV- afastamento o plenário; e
Presidente dar-lhes-á posse com as seguintes palavras: V- cassação do mandato, obedecidos tramites legais.
“DECLARO EMPOSSADOS OS SENHORES VEREADORES QUE Parágrafo Único – A sanção prevista no inciso I, será
PRESTARAM COMPROMISSO”. aplicada pela Mesa diretiva, e as previstas nos incisos II, III e
Parágrafo 2° - O Vereador diplomado que não tomar posse IV, pelo Presidente, referente as atividades em plenário.
na data estabelecida em lei tem o prazo de trinta dias para Artigo 14°- Compete a Mesa tomar as providências
faze-lo, extinguindo-se automaticamente, o mandato necessárias à defesa dos direitos dos vereadores,
daquele que não o fizer, salvo por motivo de foca maior. decorrentes do exercício o mandato.
Parágrafo 3°- Não haverá posse por procuração.
Parágrafo 4°- Os vereadores ou suplentes que vierem a ser CAPÍTULO II- DA LICENÇA E SUBSTITUIÇÃO
empossados posteriormente prestarão uma única vez Artigo 15°- O Vereador poderá licenciar-se, mediante
idêntico compromisso durante a legislatura. requerimento dirigido à Câmara, nos seguintes casos:
Parágrafo 5°-O Prefeito e Vice-Prefeito prestarão, no ato da I- sem direito a remuneração:
posse, o seguinte compromisso: “PROMETO CUMPRIR E a) para desempenhar o cargo de Secretário Municipal, ou
FAZER CUMPRIR A LEI ORGÂNICA, AS LEIS DA UNIÃO, DO cargos de confiança nas esferas estadual e federal; b) para
ESTADO E DO MUNICIPIO E EXERCER O MANDATO QUE tratar de interesses particulares, por prazo determinado,
ME FOI CONFERIDO PELO POVO DE SÃO JERÔNIMO, NA nunca inferior a trinta dias.
DEFESA DA JUSTIÇA SOCIAL DA EQUIDADE DOS II – com direito a remuneração:
MUNICIPES” a) – para tratamento de saúde, pelo prazo recomendado,
Parágrafo 6°- Não havendo presença da maioria absoluta por escrito pelo médico.
dos vereadores, o Presidente da reunião de instalação da Parágrafo 1°- A mesa dará parecer nos requerimentos de
legislatura convocará reuniões sucessivas até que seja licença, salvo nos casos do inciso I, que será homologatório.
estabelecido o”quorum” exigido para a eleição da mesa, Parágrafo 2°- O requerimento de licença, será incluído na
que deverá ser eleita antes de iniciada a primeira legislativa ordem do dia para votação, com preferência sobre outras
ordinária. matérias.
Parágrafo 7°-O suplente, após prestação o compromisso Parágrafo 3 – O Vereador licenciado que se afastar do
legal, poderá fazer uso da palavra por dez minutos. Estado ou Território Nacional, deverá dar ciência a Câmara
de seu destino e endereço para comunicação.
TÍTULO II – DOS VEREADORES Artigo 16° - Aprovada a licença, o presidente a seguir
CAPÍTULO I-DOS DIREITOS, DEVERES E SANÇÕES convocará o suplente para assumir em substituição ao
Artigo 10°- Os Vereadores eleitos na forma da lei, gozam titular, durante o prazo em que este estiver licenciado,
das garantias que a mesma lhes assegura, pelas suas desde que a mesma seja superior a trinta dias.
opiniões, palavras e votos proferidos no exercício do Parágrafo Único-Durante o período de recesso
mandato. parlamentar, não haverá convocação de suplente.
Artigo 11°- Compete ao Vereador Artigo 17°- Será convocado o suplente quando o Presidente
I- participar das discussões e deliberações do plenário; exercer por prazo superior a trinta dias, o cargo de Prefeito,
II- votar na eleição: exceto no recesso.
a)da mesa;
b)da Comissão representativa; e CAPÍTULO III- DA VAGA DE VEREADOR
c)das comissões permanentes. Artigo 18°- A vaga do vereador dar-se-á por extinção ou
III - concorrer aos cargos da Mesa e das comissões; perda do mandato.
IV- usar a palavra em plenário; Parágrafo 1°- A extinção do mandato,dar-se-á por
V- apresentar proposições e projetos legislativos; falecimento ou renuncia escrita e nos demais casos
VI- cooperar com a Mesa para ordem eficiência dos previstos na Constituição Federal e Lei Orgânica.
trabalhos Parágrafo 2°-A perda do mandato, dar-se-á por cassação,
VII- usar os recursos previstos neste Regimento. nos casos previstos em Lei.
Artigo 12°- É dever o Vereador: Artigo 19°- A extinção do mandato torna-se efetiva só pela
I- apresentar-se decentemente trajado; declaração do Presidente, inserida em ata.
II- desempenhar os cargos para os quais foi eleito ou Parágrafo Único- O Presidente que deixar de declarar a
designado; extinção o mandato ficará sujeito ás sanções previstas em
III- votar as proposições e projetos, salvo quando ele Lei.
próprio ou parente consangüíneo, até o 3° grau tiver

Câmara Municipal de São Jerônimo 52 Motorista


CAPÍTULO IV - DA REMUNERAÇÃO E DAS DIÁRIAS OS comissão de inquérito, mediante a aprovação de uma lista
VEREADORES tríplice apresentada em conjunto pelos líderes de bancada,
Artigo 20° - Os Vereadores perceberão remuneração nos após consulta a esta.
termos da Legislação Federal. Parágrafo 3° - A destituição dos membros da mesa, em
Parágrafo 1° - Ao suplente convocado caberá remuneração conjunto ou isoladamente, dependerá de projeto de
durante ao exercício da vereança. resolução proposto por 1/3 (um terço) dos membros da
Artigo 21° - Será descontada ¼ (um quarto) da Câmara, e tendo a aprovação de maioria absoluta.
remuneração do Vereador que deixar de comparecer a
reunião ou dela se afastar durante a ordem , salvo escusa SEÇÃO I – DA ELEIÇÃO
legítima e justificada, por escrito ao Presidente da Câmara. Artigo 28° - A Mesa da Câmara para próxima Sessão
Parágrafo Único – O disposto neste artigo não se aplica ao Legislativa, excluída a primeira de cada legislatura, que será
vereador que estiver em representação da Câmara ou a escolhida conforme o Art.6° deste Regimento será eleita na
serviço desta, devidamente autorizado pelo Plenário ou última reunião ordinária do ano. Parágrafo Único – Exceto
pela Presidência. no caso da eleição dos membros da primeira Mesa de cada
Artigo 22° - O vereador afastado, pelo Presidente, de suas legislatura, se, por qualquer motivo, não se tiver realizado a
funções, de conformidade com a Lei, receberá eleição anual da nova Mesa, no dia estabelecido neste
normalmente o pagamento de sua remuneração, até o artigo, os trabalhos serão dirigidos pelo Vereador mais
julgamento final. idoso, até a eleição da Nova Mesa e posse dos respectivos
Artigo 23° - O vereador que se afastar do município a membros. Nesta hipótese, o Presidente convocará,
serviço ou em representação da Câmara, terá direito à obrigatoriamente, tantas reuniões, que não serão
diárias conforme determina o Artigo 46, inciso XIX da Lei remuneradas, quantas forem necessárias, com o intervalo
Orgânica. Artigo 24° - A remuneração doa vereadores e do de 3 (três) dias, uma da outra, até a eleição e posse na nova
Presidente do Legislativo Municipal será fixada por Lei Mesa.
Municipal, de por Lei Municipal, de conformidade com o Artigo 29° - A eleição dos membros da Mesa far-se-á por
estabelecimento pela Constituição Federal, bem como a votação secreta observada as seguintes normas: (Alterado
remuneração do Prefeito, Vice-Prefeito e Secretários pela Resolução nº 07/2001). I – a presença da maioria
Municipais. TÍTULO III – DOS ÓRGÃOS DA CÂMARA absoluta dos vereadores; II – emprego de cédula
CAPÍTULO I – DA MESA Artigo 25° - A Mesa é o órgão datilografadas; III – colocação da cédula na urna, à vista do
diretivo dos trabalhos da Câmara, e será constituída por um Plenário; IV – escrutínio dos votos e proclamação do
Presidente, um Vice-Presidente, 1° Secretário e 2° resultado; V – obtenção de maioria absoluta de votos em
Secretário. primeiro escrutínio VI – realização de segundo escrutínio
Parágrafo 1° - Ausente um dos Secretários, o Presidente entre os dois candidatos mais votados, quando, no
convidará qualquer Vereador para assumir a vaga na primeiro, nenhum deles tiver alcançado maioria absoluta;
Secretaria da Mesa. VII – maioria simples no segundo escrutínio; e VIII – escolha
Parágrafo 2° - Na hora determinada para início da sessão, do candidato mais idoso no caso de empate. Parágrafo 1° -
verificada a ausência dos membros da Mesa, assumirá a O presidente convidará um representante de cada chapa
Presidência o Vereador mais idoso dentre os presentes, que inscrita para procederem a apuração. Parágrafo 2° - Os
escolherá, para secretário, dois vereadores de partidos vereadores eleitos e empossados entrarão
diferentes, quando for o caso. automaticamente no exercício de seus respectivos cargos a
Parágrafo 3° - A Mesa assim composta dirigirá partir de 1° de janeiro do ano seguinte ao da eleição.
normalmente os trabalhos até o comparecimento de Artigo 30° - Vagando qualquer cargo da mesa, será
qualquer de seus membros efetivos. realizada eleição para seu preenchimento, no expediente
Artigo 26° - As funções de membro da mesa cessarão: da primeira sessão seguinte a verificação da vaga.
I – pela posse da Mesa eleita para nova Sessão Legislativa; Parágrafo Único – Em caso de renúncia, total da Mesa,
II – pelo término do mandato; proceder-se-á eleição dos membros da nova Mesa, na
III – pela renúncia apresentada por escrito à Câmara, sessão imediata àquela que se deu a renúncia, sob a
reputando-se aceita, independentemente de votação, presidência do Vereador mais idoso dentre os presentes.
desde que seja lido o ofício em reunião pública e conste na Artigo 31° - O Presidente da Câmara não poderá fazer parte
respectiva ata; das Comissões permanentes.
IV – pela destituição; Artigo 32° - A mesa, por convocação de seu presidente,
V – pela morte; reunir-se-á, no mínimo, uma vez por mês, a fim de deliberar
VI – pelos demais casos de extinção ou perda do mandato sobre todos os assuntos da Câmara sujeitos a seu exame,
previsto em Lei. lavrando-se ata de cada reunião realizada.
Artigo 27° - Os membros da mesa podem ser destituídos e
afastados por irregularidades cometidas e apuradas por SEÇÃO II – DA COMPETÊNCIA
Comissão de Inquérito. Artigo 33° - Compete à Mesa, além de outras atribuições
Parágrafo 1° - Se o membro da Mesa, sobre o qual recair a estabelecidas pela Lei Orgânica:
suspeita de irregularidade for o Presidente ou estiver no I – a administração da Câmara Municipal;
exercício da Presidência, deverá este declarar-se impedido II – propor, privativamente, a criação dos cargos
para nomear os membros da Comissão de Inquérito, necessários aos serviços administrativos do Poder
devendo seu substituto legal proceder tal nomeação. legislativo, a fixação ou alteração dos respectivos
Parágrafo 2° - Se a suspeita recair sobre todos os Membros estipêndios, obedecido o principio da paridade;
da Mesa, caberá ao plenário decidir sobre a composição da
Câmara Municipal de São Jerônimo 53 Motorista
III – elaborar o Regulamento dos serviços administrativos k) determinar ao 1º secretário a anotação do decidido pelo
da Câmara; Plenário, no Projeto competente;
IV – apresentar à Câmara, na última Reunião Ordinária do l) manter a ordem no recinto da Câmara, advertir os
ano, relatório dos trabalhos realizados, com sugestões que presentes, mandar evacuar o recinto, podendo solicitar a
entender conveniente; força necessária para esses fins;
V – tomar todas as providências necessárias à regularidade m) determinar, na primeira reunião, após sua entrada na
dos trabalhos legislativos; Câmara, a leitura das mensagens sob regime de urgência;
VI – dirigir os trabalhos e os serviços da Câmara de n) resolver sob os requerimentos que, por este regimento,
Vereadores durante as reuniões; são de sua alçada;
VII – propor créditos e verbas necessárias ao o) resolver, soberanamente, qualquer questão de ordem ou
funcionamento da Câmara e seus serviços; quando omisso o Regimento, submetê-la ao Plenário;
VIII – dirigir a polícia interna do edifício da Câmara; p) zelar pelo cumprimento dos prazos estabelecidos em
IX – organizar a ordem do dia da sessão subseqüente; e Lei; e
X – exercer as demais atribuições previstas neste q) na ordem do dia, manifestar sua opinião, somente se for
requerimento. preciso exercer o direito de voto, excetuando-se se a
Parágrafo 1º - O policiamento da Câmara compete, proposição for de sua autoria.
privativamente, à Mesa, sem intervenção de qualquer
outro Poder, sob a suprema direção do Presidente. II – Quando as atividades legislativas:
Parágrafo 2º - Se o recinto da Câmara for cometida a)cientificar os Vereadores
qualquer infração penal, a Mesa fará a prisão em flagrante, b) determinar, por requerimento do autor, a retirada de
apresentando o infrator à autoridade competente, para proposições e projetos de autoria deste, após consultado o
lavratura do auto de instauração de processo crime Plenário, antes de colocá-la em votação;
correspondente. Se não houver flagrante, o Presidente c) autorizar o arquivamento e o desarquivamento de
deverá comunicar o fato à autoridade policial competente proposições e projetos, nos termos deste regimento e da
para instauração de inquérito. Lei Orgânica;
Artigo 34º - Compete à Mesa elaborar e encaminhar, até 31 d) declarar a proposição prejudicada, em face de rejeição
de agosto de cada ano, a proposta orçamentária da ou aprovação de outra com o mesmo objetivo;
Câmara, a ser incluída na proposta orçamentária do e) não aceitar emenda ou substitutivo que não sejam
Município. pertinentes a proposição principal;
f) devolver a proposição em desacordo com a exigência
SEÇÃO III – DO PRESIDENTE regimental ou que contiver expressão anti-regimental;
Artigo 35º - O Presidente é o representante legal da g) expedir os projetos as comissões;
Câmara nas suas relações externas, cabendo-lhes as h) zelar pelos prazos do processo legislativo, bem como dos
funções administrativas e diretivas de todas as atividades concedidos às comissões e ao Prefeito;
internas, competindo-lhe privativamente, além das i) nomear os membros das comissões especiais e de
atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica. inquérito criadas pela Câmara, bem como das comissões de
I – quanto às atividades em Plenário: representação, ouvidos os líderes de bancada;
a) convocar, abrir, presidir, suspender e encerrar as j) convocar os suplentes na forma deste Regimento; e
reuniões; k) designar a hora do início das reuniões extraordinárias,
b) conceder ou negar a palavra aos Vereadores, nos termos após entendimento com os líderes de bancada.
deste Regimento; III – Quanto a administração da Câmara Municipal:
c) determinar ao Secretário a leitura da correspondência a) provimento e vacância dos cargos e demais atos de
recebida, proposições e projetos; efeito individuais relativos aos funcionários da Secretaria da
d) determinar de ofício ou a requerimento de Vereador, em Câmara;
qualquer fase dos trabalhos, a verificação de presença; b) superintender os serviços de Secretaria da Câmara e
e) declarar a hora destinada ao grande expediente e a expedir os atos competentes relativos aos assuntos de
Ordem do Dia e os prazos facultados aos oradores; caráter financeiro do legislativo;
f) anunciar a ordem do dia e submeter a discussão e c) mandar fixar, trimestralmente, nas dependências da
votação a matéria dela constante; Câmara, os balancetes relativos as verbas recebidas e as
g) conceder ou negar palavra aos Vereadores, nos termos despesas dos 3 (três) meses anteriores; e
do Regimento e não permitir divagação ou apartes d)mandar proceder as licitações para compras, obras e
estranhos ao assunto em discussão; serviços da Câmara de acordo com a legislação pertinente;
h)interromper o orador que ficar sem respeito devido à IV – Quanto às relações externas da Câmara:
Câmara ou qual quer de seus membros, advertindo-o, e, a)poderá dar audiências públicas na Câmara em dia e hora
em caso de insistência, cassando-lhe a palavra, podendo pré-fixados;
ainda suspender a sessão, quando não atendido e as b) representar a Câmara, judicial e extrajudicialmente, por
circunstâncias o exigirem iniciativa própria ou por deliberação do Plenário;
i) chamar a atenção do orador quando se esgotar o tempo a c)encaminhar ao Prefeito os pedidos de informação
que tem direito; formulados por Vereadores sobre fato relacionado com a
j) avisar com antecedência mínima de 1 (um) minuto, matéria em trâmite ou sobre fato sujeito à fiscalização da
quando o orador estiver prestes a findar o tempo Câmara;
regimental, ou quando tiver sido esgotada a hora destinada d)encaminhar ao Prefeito e aos secretários Municipais o
a matéria; pedido de convocação para prestar informações;
Câmara Municipal de São Jerônimo 54 Motorista
e)dar ciência ao Prefeito, em 48 (quarenta e oito) horas, V – anotar a decisão do plenário, em cada proposição ou
sempre que tenham esgotados os prazos previsto para a projeto;
apreciação de projetos do executivo, sem deliberação da VI – encaminhar os projetos ao exame das comissões
Câmara, ou rejeitados os mesmos na forma regimental; e permanentes, no mesmo dia de sua leitura;
f)promulgar as Resoluções e os decretos Legislativos, bem VII – organizar a redação da ata, resumindo-a
como as leis como sanção tácita e as cujo veto, rejeitado adequadamente e assiná-la juntamente com o Presidente;
pelo Plenário não tenham sido promulgadas pelo Prefeito VIII – assinar, com o Presidente, os atos da Mesa e os
no prazo legal. Decretos Legislativos, resoluções e leis promulgadas pela
Artigo 36º – Compete, ainda, ao Presidente: Presidência;
I – executar as deliberações do Plenário; IX – redigir e transcrever as atas das sessões secretas; e
II – assinar as portarias, os editais, as certidões, todo X – inspecionar os trabalhos da Secretaria e fazer que seja
expediente da Câmara e atos de sua competência privativa, observado o Regimento.
bem como, com o 1º secretário, as atas das reuniões; Artigo 45º - Ao segundo secretário compete auxiliar o 1º
III – dar andamento legal aos recursos interpostos contra Secretário em suas tarefas e substituí-lo quando este
atos seus, da Mesa ou da Câmara, e estiver impedido ou ausente.
IV – votar, quando o processo de cotação quando ser
verificar empate em votação nominal ou quando for exigida SEÇÃO VI – DOS LÍDERES DE BANCADA
a presença de 2/3 (dois terços) do Vereadores e quando se Artigo 46º - Cada Bancada na Câmara, indicará, no início de
tratar de veto. (Alterado pela Resolução nº 07/2001) cada legislatura um líder que falará oficialmente por ela.
Artigo 37º – Quando cabível e com a observância nas Artigo 47º - O líder, a qualquer momento da reunião,
disposições legais e regulamentares, o Presidente poderá exceto na ordem do dia, poderá usar a palavra para
delegar aos Vereadores, parte de suas atribuições comunicação urgente ou inadiável, declinando
administrativas e de relações externas. antecipadamente o assunto ao Presidente, que julgará de
Artigo 38º – O Presidente pode individualmente apresentar pronto o seu cabimento.
proposições previstas no Artigo 133, deste Regimento. Artigo 48º - Quando determinado assunto for colocado em
Artigo 39º - O Presidente quando falar da Mesa, não pode discussão com as lideranças partidárias, esta decisão terá
ser aparteado. de ser por maioria simples.
Artigo 40º - Para tomar parte em qualquer discussão, o
Presidente deixará a cadeira Presidencial, passando-a ao CAPÍTULO II – DAS COMISSÕES
seu substituto legal, e irá falar da Tribuna destinada aos SEÇÃO I – DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
oradores. Artigo 49º - As Comissões são órgãos técnicos constituídos
Artigo 41º - Quando o Presidente se omitir ou exorbitar das pelos próprios membros da Câmara, destinadas, em caráter
funções que lhe são atribuídas neste regimento, qualquer permanente ou transitório, a proceder estudos, emitir
Vereador poderá reclamar-lhe sobre o fato, cabendo a este pareceres especializados, realizar investigações e
recurso ao Plenário, na forma regimental. representar o Legislativo, conforme o caso. (Alterado pela
Parágrafo Único – Julgado o recurso, o Presidente deverá Resolução nº 06/2010)
cumprir a decisão do Plenário, sob pena de destituição. Artigo 50º - As Comissões segundo a sua natureza,
Artigo 42º - Nos casos de licença do Presidente, de seu classificam-se em:
impedimento ou ausência do Município, por mais de 10 I – Permanentes; e
(dez), o Vice-Presidente ficará investido das funções de II – Temporárias.
Presidente. Artigo 51º - Na constituição das Comissões será
assegurada, sempre que possível, a proporcionalidade dos
SEÇÃO IV – DO VICE-PRESDIENTE partidos.
Artigo 43º - Compete ao Vice-Presidente substituir o Artigo 52º - Com exceção das Comissões de representação,
Presidente em suas faltas ou impedimentos. as demais terão além do Presidente, um secretário e um
Parágrafo 1º - Ausente ou impedido o Vice-Presidente será relator, eleitos por seus membros em reunião presidida
substituído em todas as suas atribuições pelos Secretários, pelo Vereador mais idoso dentre os presentes, logo que
segundo a ordem de eleição. constituída.
Parágrafo 2º - Aos substitutos do Presidente, na direção Artigo 53º - As Comissões Especiais e as de Inquérito,
dos trabalhos nas reuniões, não lhes é conferida aplicam-se além do disposto na resolução que as constituir,
competência para outras atribuições, além das necessárias no que couber, as normas que regem o trabalho das
ao andamento dos respectivos trabalhos. Comissões Permanentes.
Artigo 54º - Nos casos de vaga, licença ou impedimento dos
SEÇÃOV – DOS SECRETÁRIOS membros da Comissão, caberá ao Presidente a designação
Artigo 44º - Ao 1º Secretário, além de substituir o Vice- de substituto, ouvido os demais membros da Comissão,
Presidente, no seu impedimento, compete: escolhido sempre que possível, dentro da mesma legenda
I – colher a assinatura dos vereadores presentes a reunião; partidária.
II – distribuir cópia da ata da reunião anterior, a todos os Artigo 55º - As Comissões deliberarão por maioria de votos,
vereadores, para que seja apreciada antes de colocada em considerando-se inexistentes o parecer da Comissão
votação pelo Presidente; quando não for atendida essa exigência.
III – ler, a correspondência recebida, proposições e Parágrafo Único – Quando algum integrante da Comissão
projetos; julgar-se impedido ou impossibilitado de dar parecer, o
IV – fazer a inscrição dos oradores;
Câmara Municipal de São Jerônimo 55 Motorista
Presidente desta solicitará ao Presidente da Câmara III – representar a Comissão nas relações com a Mesa e o
providências no sentido do preenchimento da vaga. Plenário;
Artigo 56º - O prazo para a Comissão exarar parecer será de IV – solicitar providências ao Presidente da Câmara para
30 (trinta) dias, a contar da data do recebimento da matéria preenchimento das vagas que se derem na comissão e para
pelo Presidente. substituição temporária de membros ocasionalmente
Artigo 57º - O parecer da Comissão a que for submetida a impedidos de funcionar.
proposição concluirá, sugerindo a sua aprovação ou
rejeição, bem como as emendas ou substitutivos que julgar SUBSEÇÃO I – DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA
necessários. Artigo 64º - Compete à Comissão de Constituição e Justiça
Parágrafo 1º - Sempre que o parecer da Comissão concluir opinar sobre o aspecto constitucional, legal e jurídico das
pela rejeição da proposição, deverá o plenário deliberar proposições;
primeiro sobre o parecer, antes de entrar na consideração
do Projeto, salvo o disposto no parágrafo seguinte. SUBSEÇÃO II – DA COMISSÃO DE FINANÇAS E
Parágrafo 2º - O projeto de Lei que receber, quando ao ORÇAMENTO
mérito, parecer contrário de todas as Comissões, será tido Artigo 65º - Compete à Comissão de Finanças e Orçamento,
como rejeitado. opinar sobre proposições de matéria financeira em geral, e
Artigo 58º - No exercício de suas atribuições, as Comissões de planejamento; (Alterado pelas Resoluções nº 05/2007 e
poderão convocar interessadas, tomar depoimentos, 01/2009)
solicitar informações e documentos e, proceder a todas as
diligências que julgarem necessárias ao esclarecimento do SEÇÃO III – DAS COMISSÕES TEMPORÁRIAS
assunto. Artigo 66º - As Comissões Temporárias destinam-se a
Artigo 59º - Poderão as comissões requisitar do Prefeito, e apreciar assunto relevante ou excepcional ou a representar
independentemente de votação e discussão em plenário, à Câmara, e serão constituídas de, no mínimo, 3 (três)
todas as informações que julgarem necessárias, ainda que membros, exceto quando se tratar de representação
não se refiram as proposições entregues à sua apreciação, pessoal.
desde que o assunto seja de competência da Comissão. Parágrafo Único – cada Vereador poderá fazer parte,
Parágrafo Único – Sempre que a Comissão solicitar simultaneamente, no máximo, de duas Comissões
informações do Prefeito para emissão de parecer, fica Temporárias.
interrompido o prazo a que se refere o Artigo 61, deste Artigo 67º - As Comissões Temporárias poderão ser:
Regimento, até o recebimento das informações solicitadas. I – especial;
Artigo 60º - Na última Reunião da Sessão Legislativa, todos II – de inquérito; e
os processos existentes nas Comissões serão devolvidos à III – de representação (externa).
Secretaria da Câmara. Artigo 68º - As Comissões Temporárias serão constituídas
Artigo 61º - É obrigatório o parecer da respectiva Comissão com atribuições e prazo de funcionamento definido.
Permanente sobre matéria de sua competência, não I – mediante requerimento de Vereador, aprovado em
podendo ser submetida à discussão e votação do Plenário plenário, quando se tratar de representação externa;
sem o parecer competente, salvo, se, decorridos 30 dias do II – mediante requerimento com subscrição de 1/3 dos
recebimento do projeto pela Câmara, ou seu presidente, a Vereadores, que será deferido de plano pelo Presidente,
requerimento de qualquer Vereador, mandar incluí-lo na quando se tratar de Comissão de Inquérito; e especial para
Ordem do dia, para ser discutido e votado, esmo sem apreciação de emendas à lei Orgânica ou para alterações no
parecer. Regimento Interno.

SEÇÃO II – DAS COMISSÕES PERMANENTES SUBSEÇÃO I – DA COMISSÃO ESPECIAL


Artigo 62º - A eleição das comissões permanentes será feita Artigo 69º - Será constituída Comissão Especial para
por maioria simples, presente a maioria absoluta dos examinar:
membros da Câmara, observados as normas estabelecidas I – emenda a Lei Orgânica;
neste Regimento. II – projeto de lei complementar;
Parágrafo 1º - Não podem ser votados os vereadores III – reforma ou alteração do regimento Interno;
licenciados e os suplentes. IV – assunto considerado pelo Plenário como relevante ou
Parágrafo 2º - O mesmo Vereador só poderá fazer parte de excepcional.
uma Comissão Permanente. (Alterado pela Resolução nº Parágrafo 1º - As Comissões Especiais previstas para os fins
04/2007). dos itens I e II serão constituídas pelo Presidente da
Parágrafo 3 º - O mandato dos membros das comissões Câmara, ouvidos os líderes de bancada e observados a
permanentes e de sua direção, terá a duração da respectiva proporcionalidade partidária.
sessão Legislativa prorrogado, automaticamente, no início Parágrafo 2º - As Comissões Especiais previstas no item IV
da sessão legislativa seguinte, enquanto não foram eleitos serão constituídas mediante requerimento aprovado pelo
os novos integrantes de cada comissão. Plenário.
Artigo 63º - Compete ao Presidente das Comissões: Artigo 70º - As Comissões Especiais terá prazo determinado
I – receber a matéria destinada à Comissão e designar-lhe para apresentarem suas conclusões que poderão se
relator, que poderá ser o próprio Presidente; traduzir em relatório ou concluir por Projeto de Lei, Decreto
II – zelar pela observância dos prazos concedidos à Legislativo ou de Resolução.
comissão; Artigo 71º - O Presidente da Câmara designará uma
Comissão de Vereadores para receber e introduzir no
Câmara Municipal de São Jerônimo 56 Motorista
Plenário, nos dias de reunião, os visitantes oficiais. Parágrafo 4º - As Comissões de Representação extinguem-
Parágrafo Único – Um Vereador, especialmente, designado se com a conclusão dos atos que determinam a sua
pelo Presidente da Câmara, fará a saudação oficial ao constituição.
visitante, que poderá discursar para respondê-la.
SEÇÃO IV – DA COMISSÃO REPRESENTATIVA
SUBSEÇÃO II – DAS COMISSÕES DE INQUÉRITO Artigo 74º - A Comissão Representativa terá a composição
Artigo 72º - A Comissão de Inquérito, constituída nos e as atribuições estabelecidas na Lei Orgânica do Município.
termos previstos na Lei Orgânica, a requerimento de 1/3 Artigo 75º - A Comissão Representativa é eleita
dos Vereadores e deferida de pronto pelo Presidente, anualmente, observadas as normas estabelecidas neste
destina-se a apurar fatos determinados que se constitua Regimento.
irregularidade praticada por agente administrativo ou Parágrafo 1º - A Comissão Representativa, eleita
Vereador. simultaneamente com a Mesa, funcionará no RECESSO
Parágrafo 1º - Na constituição da Comissão de Inquérito PARLAMENTAR, com atribuições inclusive de convocar
ficará esclarecida a amplitude das investigações a serem reuniões extraordinárias, nos casos previstos na Lei
feitas. Orgânica Municipal.
Parágrafo 2º - Deferida a Constituição da Comissão de Parágrafo 2º - Ao término de cada recesso, a Comissão
Inquérito, terá esta o prazo de 7 (sete) dias para se instalar representativa elaborará um relatório de suas atividades, o
e o de 60 (sessenta) dias, para apresentação de conclusões, qual será lido numa das reuniões ordinárias da Câmara, tão
podendo ser prorrogado por mais 60(sessenta) dias, desde logo reinicie os trabalhos.
que aprovado pelo Plenário. Parágrafo 3º - Qualquer outro Vereador poderá, sem
Parágrafo 3º - A Comissão que não se instalar dentro do direito a voz e voto, presenciar as reuniões, que serão
prazo fixado no parágrafo anterior, será declarada extinta. realizadas no Plenário da Câmara.
Parágrafo 4º - A Comissão de inquérito poderá determinar
diligências, ouvir acusados, inquirir testemunhas, requisitar SEÇÃO V – DOS PARECERES
informações, determinar perícia e tudo o mais que se fizer Artigo 76º - O parecer da Comissão deverá consistir de
necessário para esclarecimento dos fatos. relatório da matéria exame da mesma e opinião conclusiva.
Parágrafo 5º - Não poderão funcionar mais do que duas Parágrafo Único – O parecer da Comissão concluirá por: I –
Comissões de inquérito, simultaneamente. aprovação; II – rejeição.
Parágrafo 6º - As Comissões de Inquérito serão formadas, Artigo 77º - Havendo parecer contrário ao projeto, de
no mínimo, por 3(três) membros. ambas as Comissões, o mesmo é considerado rejeitado e
Parágrafo 7º - Acusados e testemunhas serão intimados arquivado. (Revogado pela Resolução nº 03/2007).
por funcionários da Câmara Municipal ou por intermédio
do Oficial de Justiça designado pelo juiz de Direito do Foro SEÇÃO VI – DAS, LICENÇAS E IMPEDIMENTOS
da Comarca onde deva ser cumprida a diligência. Artigo 78º - As vagas nas Comissões verificar-se-ão, com a
Parágrafo 8º - Membros da Comissão de Inquérito ou renúncia.
funcionários da Câmara Municipal poderão ser destacados Parágrafo 1º - A renúncia de qualquer membro da
para realizarem sindicâncias ou diligências. Comissão será ato acabado e definitivo, desde que
Parágrafo 9º - O resultado dos trabalhos da Comissão de manifestada, por escrito, à presidência da Câmara.
Inquérito constarão de relatório e se concluirão por Projeto Parágrafo 2º - O Presidente da Câmara preencherá, por
de Resolução ou por pedido de arquivamento. nomeação as vagas verificadas nas Comissões, de acordo
Parágrafo 10º - O projeto de Resolução será enviado ao com a indicação do líder do partido a que pertence o
Plenário com o resultado das investigações e o relatório. substituído.
Parágrafo 11º - Aplicam-se subsidiariamente às Comissões Artigo 79º - No caso de licença ou impedimento de
de Inquérito, no que couber, as normas da Legislação qualquer membro das Comissões Permanentes, caberá ao
Federal e do Código de Processo Penal. Presidente da Câmara a designação do substituto,
mediante indicação do líder do partido a que pertença o
SUBSEÇÃO III – DAS COMISSÕES DE REPRESENTAÇÃO lugar.
EXTERNA Parágrafo 1º - Tratando-se de licença do exercício do
Artigo 73º - As Comissões de representação têm por mandato de Vereador, a nomeação recairá,
finalidade representar a Câmara em atos externos e serão obrigatoriamente, no respectivo suplente que assumir a
constituídas através de ato do Presidente, por iniciativa da vereança.
Mesa ou a requerimento de qualquer membro da Câmara, Parágrafo 2º - A substituição perdurará enquanto persistir
com aprovação neste caso, do Plenário. a licença ou impedimento.
Parágrafo 1º - Ouvidos os líderes de Bancada, compete ao
Presidente da Câmara designar os membros dessas CAPÍTULO III – DO PLENÁRIO
Comissões, em número não superior a 5 (cinco), dentre os Artigo 80º - O Plenário é o órgão deliberativo da Câmara e
quais nomeará o respectivo Presidente. é constituído pela reunião dos Vereadores em exercício, na
Parágrafo 2º - O Presidente da Câmara, se desejar, forma e número legal para deliberar.
integrará automaticamente a comissão de representação Parágrafo 1º - A forma legal para deliberar é a estabelecida
Externa. na Lei Orgânica e neste Regimento.
Parágrafo 3º - A Comissão de representação Externa Parágrafo 2º - Número legal é o “quorum” determinado na
apresentará relatório de sai missão, na primeira reunião Lei Orgânica e neste Regimento para a realização das
ordinária da Câmara. reuniões e para deliberações da Câmara.
Câmara Municipal de São Jerônimo 57 Motorista
Artigo 81º - As deliberações do Plenário serão tomadas por administração o exigir, pelo Presidente da Câmara ou por
maioria simples, por maioria absoluta ou por maioria de 2/3 2/3 (dois terços) de seus membros.
(dois terços), conforme as determinações legais e Artigo 91º - Não será autorizado a publicação de
regimentais, expressas em cada caso. pronunciamentos que envolvam ofensas às instituições
Parágrafo Único – Sempre que não houver determinação Nacionais, propaganda de guerra, de subversão da ordem
expressa, as deliberações serão por maioria simples, política ou social, de preconceito de raça, de religião ou de
presente a maioria absoluta dos membros da Câmara. classe, configuram crimes contra a honra ou contenham
Artigo 82º - Ao plenário cabe deliberar sobre todas as incitamento à prática de crimes de qualquer natureza.
matérias de competência da Câmara Municipal, conforme Parágrafo Único – O autor de tais pronunciamentos será
determina a Lei Orgânica do Município. advertido para que se abstenha dos mesmos, e, persistindo,
Parágrafo Único – Compete à Câmara Municipal, com a terá a sua palavra cassada.
sanção do Prefeito dispor sobre todas as matérias Artigo 92º - Qualquer cidadão poderá assistir às reuniões
atribuídas explícita ou implicitamente ao Município pelas da Câmara, na parte do recinto que lhe é reservada, desde
constituições da república e do Estado, e especialmente que:
sobre as matérias estabelecidas na Lei Orgânica do I – esteja decentemente trajado
Município. II – não porte armas;
III – conserve-se em silêncio durante os trabalhos de modo
CAPÍTULO IV – DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS a não pertubá-los;
Artigo 83º - Os serviços administrativos da Câmara serão IV – respeite os Vereadores;
executados por sua Secretaria administrativa e reger-se-ão V – atenda às determinações da Mesa.
pelo regulamento expedido pela Mesa. Parágrafo Único – Pela observância destas disposições
Artigo 84º - A nomeação, exoneração, demissão e demais poderá o Presidente determinar a retirada do recinto de
atos de administração do funcionalismo da Câmara todos ou de qualquer assistente, sem prejuízo de outras
competem a Mesa, de conformidade com a legislação em medidas.
vigor e o Estatuto dos Funcionários Públicos Municipais. Artigo 93º - Para os efeitos deste Regimento, entende-se
Artigo 85º - Observado o disposto neste regimento e na Lei como comparecimento às reuniões, a participação efetiva
Orgânica, a criação e a extinção de cargos da Secretaria da do Vereador aos trabalhos da Câmara.
Câmara, bem como a fixação de seus vencimentos, Parágrafo 1º - Considerar-se-á não comparecimento, se o
dependerão de Projeto de Resolução da exclusiva iniciativa Vereador apenas assinou o livro de presença e se ausentou
da Mesa do Legislativo Municipal. sem participar da Ordem do dia.
Artigo 86º - Poderão os Vereadores indagar à Mesa sobre Parágrafo 2º - No livro de presença deverá constar, além da
serviços administrativos ou sobre a situação de respectivo assinatura, a hora em que o Vereador se retirar da reunião,
pessoal, ou apresentar sugestões sobre os mesmos, em antes de seu encerramento.
proposição encaminhada à Mesa, que deliberará sobre o Parágrafo 3º - Não poderá assinar o Livro de presença o
assunto. Vereador que chegar após a ordem do dia.
Artigo 87º - A correspondência oficial da Câmara se Artigo 94º - Durante as reuniões, além dos Vereadores,
processará por seus serviços administrativos, sob a permanecerão no recinto do plenário, a critério de
responsabilidade da Mesa. Presidente, os funcionários da Câmara necessários ao
andamento dos trabalhos.
TÍTULO IV – DAS REUNIÕES Parágrafo Único – A convite do Presidente, por iniciativa
CAPÍTULO I – DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES própria ou por sugestão de qualquer Vereador, poderão
Artigo 88º - As reuniões da Câmara serão: assistir aos trabalhos, no recinto do Plenário, autoridades
I – ordinárias, todas às segundas-feiras com início às 20 públicas federais, estaduais ou municipais e personalidades
horas; (Alterado pelas Resoluções nº 05/2000, 09/2005 e que se resolva homenagear, bem como representantes da
06/2007). imprensa devidamente credenciados.
II – extraordinárias, quando realizadas em dia ou horas Artigo 95º - Durante as Reuniões:
diversos dos fixados para as Reuniões Ordinárias; I – somente os Vereadores poderão usar a palavra, salvo
III – secretas; quando se tratar de visitante recepcionado ou de pessoa
IV – solenes, quando destinadas a comemoração ou convocada para prestar informações;
homenagem; II – a palavra só poderá ser concedida pelo Presidente;
V – especiais para fins não especificados neste Regimento. III – qualquer Vereador, ao falar, dirigir-se-á ao Presidente e
Artigo 89º - As reuniões serão públicas, salvo disposição ao Plenário;
legal ou regimental em contrário ou quando, ocorrendo IV – referindo-se ou dirigindo-se a colega, o Vereador dar-
motivo relevante, a Câmara deliberar que a Sessão seja lhe-á o tratamento de Excelência, declinando-lhe o nome se
secreta. for o caso.
Artigo 90º - A Câmara Municipal reunir-se-á em reuniões Artigo 96º - Quando houver orador da Tribuna, o Vereador
ordinárias, em cada Sessão Legislativa, anualmente, e só poderá solicitar a palavra para indignação, contestação
independentemente da convocação uma vez por semana, ou esclarecimento.
as segundas-feiras. (Alterado pela Resolução nº 05/2000).
Parágrafo Único – Nos períodos de recesso legislativo a CAPÍTULO II – DO “QUORUM”
câmara poderá reunir-se em convocação extraordinária, Artigo 97º - “Quorum” é o número mínimo de Vereadores
por iniciativa do Prefeito, quando o interesse da presentes para realização de reunião.

Câmara Municipal de São Jerônimo 58 Motorista


Artigo 98º - É necessário a presença de, pelo menos, um
terço de seus membros para que a Câmara se reúna, e da SEÇÃO II – DA DIVISÃO DA REUNIÃO ORDINÁRIA Artigo
maioria absoluta dos Vereadores para que delibere. 101º - A reunião ordinária será dividida como segue:
Parágrafo 1º - As deliberações serão tomadas pela maioria (Alterado pela Resolução nº 08/2005).
de votos presente, salvo os casos expressos nos parágrafos I – verificação de quorum e votação da ata da reunião
seguintes. anterior;
Parágrafo 2º -É exigida a presença de, pelo menos, dois II – leitura da correspondência, proposições e projetos
terços dos Vereadores em Plenário para votação: enviados a Mesa; (Alterada pela Resolução nº 06/2006).
I – do orçamento e suas alterações: III – grande expediente, com duração de 120 (cento e vinte)
II – de empréstimos e operações de crédito; minutos, no máximo sendo 10 minutos para cada orador,
III – de auxílio a empresa; inscrito antecipadamente, e na forma de rodízio alfabético
IV – de concessão de privilégio; nominal.
V – de matéria que verse sobre interesse particular; IV – ordem do dia: onde serão apreciados os
VI - de concessão de serviço público. requerimentos, proposições, projetos já examinados e
Parágrafo 3º - São exigidos dois terços de votos favoráveis prontos para apreciação e votação em plenário. ( Alterada
para: pela Resolução nº 06/2006).
I – Aprovação de: Parágrafo Único – O Presidente da Câmara usará a palavra
a)emenda a Lei Orgânica; e poderá discursar em quaisquer dos períodos da reunião,
b)alteração Regimento Interno; independentemente de inscrição, oportunidade em que
c)projeto de Decreto Legislativo, rejeitando o parecer convocará o Vice-Presidente para assumir a Presidência
prévio do Tribunal de Contas, quando as contas do Prefeito enquanto fizer o seu discurso.
Municipal. Artigo 102º - Aprovada a ata, o Presidente determinará ao
d)pedido de realização de reunião secreta. Secretário a leitura das correspondências, obedecendo a
II – Concessão de: seguinte ordem:
a)auxílio ou subvenção que não constem no respectivo I – expediente recebido do Prefeito;
plano; II – expediente recebido de diversos;
b)título de Cidadão e de Benemerência. III – expediente apresentado pelos Vereadores.
III – Cassação de mandato Parágrafo 1º -As proposições dos Vereadores deverão ser,
Parágrafo 4º - é exigida a maioria absoluta de votos para: antecipadamente, encaminhadas à secretaria da Câmara
I – Aprovação de: para recebimento, onde serão rubricadas, numeradas e
a)projeto de Lei tratando de Plano Diretor, Plano Plurianual, entregues ao Presidente.
Lei das Diretrizes Orçamentárias, Orçamento Anual; Parágrafo 2º - A leitura dessas proposições obedecerá a
b)projeto de Lei Complementar; seguinte ordem:
c)requerimento para alterar a ordem do dia; e d)apreciação I – proposição em rito especial;
do Veto do executivo. II – matéria em regime de urgência;
II – Eleição de membros da Mesa, em primeiro escrutínio; III – requerimento de comissão;
III – aprovação, com estipulação de condições, de IV – requerimento de Vereador;
arrendamento, aforamento, alienação, permuta ou V – projeto de lei;
hipoteca de próprios do Município, bem como aquisição de VI – projeto de Decreto Legislativo;
outros. VII – projeto de resolução;
IV – representação, para efeitos de intervenção no VIII – indicação e pedidos de providências;
Município, nos termos no Artigo 15 da Constituição IX – requerimentos;
Estadual. X – outras matérias.
Artigo 99º - A declaração de “quorum”, questionada ou Parágrafo 3º - Encerrada a leitura das proposições,
não, será feita pelo Presidente após a chamada nominal dos nenhuma outra matéria poderá ser apresentada,
Vereadores. Parágrafo Único – Verificada a falta de ressalvado o pedido de urgência, reconhecido pelo
“quorum” para votação da ordem do dia, a reunião será Plenário.
levantada, sendo descontado do Vereador ausente o Artigo 103º - Terminada a leitura e, pauta, o Presidente
previsto no artigo 21, deste Regimento Interno. declarará aberto o período do grande expediente.
Parágrafo 1º - As inscrições dos oradores para o grande
CAPÍTULO III – DAS REUNIÕES ORDINÁRIAS expediente serão feita, em livro especial de próprio punho.
SEÇÃO I – DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Parágrafo 2º - O Vereador que, inscrito para falar, não se
Artigo 100º - A reunião Ordinária destina-se às atividades achar presente na hora em que lhe for concedida a palavra,
normais de Plenário, Será realizada, semanalmente, perderá a vez.
conforme o estipulado no Art.88 no inciso I. Artigo 104º - No grande expediente, os Vereadores
Parágrafo 1º -Não havendo número para abrir a sessão, inscritos em lista própria terão a palavra pelo prazo máximo
decorridos quinze minutos da hora, o Presidente de 10 (dez) minutos, cada um, para tratar de assuntos de
comunicará o fato aos presentes e determinará a lavratura interesse público.
da ata declaratória, perdendo os ausentes o direito a
remuneração do dia. SUBSEÇÃO I – DA ORDEM DO DIA
Parágrafo 2º - Em qualquer hipótese, não poderá tomar o Artigo 105º - Findo o grande expediente, o Presidente
plenário qualquer deliberação sem a presença da maioria passará para a Ordem do Dia.
de seus membros.
Câmara Municipal de São Jerônimo 59 Motorista
Parágrafo 1º - Será realizada a verificação de presença e a Parágrafo 1º - Se não houver disposição legal ou regimental
reunião somente prosseguirá se estiver presente a maioria estabelecendo, que a reunião seja secreta, o requerimento
absoluta dos Vereadores. que a pedir será fundamentado e submetido à apreciação
Parágrafo 2º - Verificada a falta de “quorum” regimental, o do Plenário.
Presidente aguardará 15 (quinze) minutos antes de declarar Parágrafo 2º - Deliberada a reunião Secreta, ainda que para
encerrada a reunião. realizá-la se deva interromper a reunião pública, o
Artigo 106º - Nenhum projeto poderá ser posto em Presidente determinará a retirada do recinto de todos os
discussão sem que tenha sido incluído na Ordem do Dia, assistentes, assim como dos funcionários da Câmara e dos
com antecedência de até 24 horas do início da reunião. representantes da imprensa e do rádio, determinando
(Alterado pela Resolução nº 02/2006). também que se interrompa a gravação dos trabalhos.
Parágrafo 1º - A Secretaria fornecerá cópia dos pareceres Parágrafo 3º - A Ata será lavrada, lida e aprovada na
aos Vereadores dentro do prazo estabelecido neste artigo. mesma reunião, logo após lacrada, em envelope fechado e
Parágrafo 2º - Não se aplicam as disposições deste artigo e rubricado pela Mesa e arquivada.
do parágrafo anterior, às reuniões extraordinárias Parágrafo 4º - As atas assim lacradas só poderão ser
convocadas em regime de urgência e aos requerimentos de reabertas para exame em Reunião Secreta, sob pena de
urgência, assim considerados aqueles cujo adiamento torne responsabilidade criminal.
inútil a deliberação ou importe em grave prejuízo à Parágrafo 5º - Será permitido ao Vereador, que houver
coletividade. participado dos debates, reduzir seu discurso a escrito, para
Artigo 107º - O Secretário lerá a matéria que se houver de ser arquivado com a ata e os documentos referentes à
discutir e votar podendo a leitura ser dispensada a reunião.
requerimento verbal de qualquer Vereador, se aprovada Parágrafo 6º - Antes de encerrada a Reunião, a Câmara
pelo Plenário. resolverá, após discussão, se a matéria debatida poderá ser
Artigo 108º - A organização da pauta da Ordem do dia, publicada, no todo ou em parte.
obedecerá a seguinte classificação: Parágrafo 7º - Indeferido o pedido de reunião Secreta, será
I – votação das proposições apresentadas pelos Vereadores permitido a renovação do mesmo, em outra reunião
e que independem de parecer das comissões permanentes; ordinária.
II – requerimento de comissão;
III – requerimento de Vereador; CAPÍTULO VI – DAS REUNIÕES SOLENES
IV – veto; Artigo 112º - A reunião solene destina-se a comemoração
V – proposição de rito especial; ou homenagem e nela usarão da palavra, além do
VI – matéria em regime de urgência; Presidente, os Vereadores previamente inscritos, o Prefeito
VII – projeto de Lei do Executivo; e os homenageados.
VIII – projeto de Lei Legislativo; Parágrafo Único – Na reunião solene, não haverá
IX – projeto de Decreto Legislativo; expediente Enem prazo de duração. Porém sua convocação
X – projeto de resolução. será prévia e por escrito.
Parágrafo Único – A ordem do dia, será distribuída aos
Vereadores, no início da reunião, contendo as matérias a CAPÍTULO VII – DAS REUNIÕES ESPECIAIS
serem discutidas e votadas. Artigo 113º - As reuniões especiais destinam-se:
Artigo 109º - A disposição da matéria na ordem do dia só I – ao recebimento de relatório do Prefeito:
poderá ser alterada ou interrompida por motivo de II – a ouvir Secretário Municipal e Diretor de Autarquia ou
urgência, preferência, adiamento, solicitado por de órgão equivalente não subordinado a Secretaria;
requerimento e apresentado durante a discussão da III – a palestra relacionada com o interesse público;
matéria e aprovado pelo plenário. IV - a outros fins não previstos neste Regimento.

CAPÍTULO IV – DAS REUNIÕES EXTRAORDINÁRIAS CAPÍTULO VIII – DA ATA DAS REUNIÕES


Artigo 110º - As reuniões extraordinárias serão convocadas, Artigo 114º - A ata das reuniões ordinárias, extraordinárias,
por escrito, com a antecipação de 48 (quarenta e oito) secretas, solenes e especiais, é o resumo da gravação das
horas, pelo Presidente, por 1/3 dos Vereadores, pelo mesmas e será redigida pelo Secretário ou por funcionário
Prefeito e no período de recesso, também pela Comissão sob orientação, devendo ser xerocado para todos os
Representativa, quando houver assunto de relevância e Vereadores.
urgência para ser apreciado pelo Plenário. Artigo 115º - A ata da reunião ordinária anterior, será lida
Parágrafo 1º - Na convocação deverá constar o dia, hora, ao iniciar-se a seguinte; e com número regimental, o
da realização da reunião, bem como pauta da mesma Presidente a submeterá à discussão e votação.
(matéria a ser apreciada). Parágrafo 1º - A ata poderá ser retificada, por
Parágrafo 2º - A reunião Extraordinária, tal como a requerimento de qualquer Vereador ao Presidente,
ordinária, só poderá deliberar com a presença da maioria baseando-se na falta de conteúdo com relação à sua
absoluta dos Vereadores. participação ou mesmo por erro de redação.
Parágrafo 2º - Aprovada a Ata, será ela assinada pelos
CAPÍTULO V – DAS REUNIÕES SECRETAS Vereadores
Artigo 111º - A Câmara poderá realizar reuniões em caráter Parágrafo 3º - As fitas das gravações deverão ser
secreto, desde que aprovada por dois terços dos arquivadas pelo período de 5 (cinco) anos.
Vereadores.

Câmara Municipal de São Jerônimo 60 Motorista


CAPÍTULO IX – DA SUSPENSÃO DA REUNIÃO Artigo 116º - Parágrafo 1º - Em caso de empate, a votação será repetida
A reunião poderá ser suspensa, para: na Ordem do Dia seguinte, persistindo repetir-se-á a
I – manutenção da ordem; votação tanto as sessões quanto forem necessárias.
II – recepcionar visitantes ilustres e/ou convidados. Parágrafo 2º - A votação deixará de ser secreta, a
III – ouvir comissões; requerimento de líder, aprovado pelo Plenário. (Revogados
IV – esclarecimento de dúvida, da matéria em discussão. pela Resolução nº 07/2001).
Parágrafo Único – A reunião poderá ser suspensa, pelo
Presidente, ou por requerimento de Vereador, com SEÇÃO III – DO ADIAMENTO DA VOTAÇÃO
aprovação do Plenário. Artigo 123º - A votação poderá ser adiada pelo prazo
máximo de uma sessão ordinária, a requerimento de líder
PARTE II – DO PROCESSO LEGISLATIVO de bancada, aceita pelo Plenário.
TÍTULO I – DOS DEBATES E DELIBERAÇÕES Parágrafo Único – Não cabe adiamento de votação de:
CAPÍTULO I – DA DISCUSSÃO I – veto;
Artigo 117º - A discussão será objetiva e por matéria a ser II – proposição em regime de urgência.
votada, começando pelo autor, e seguindo-se pela ordem
de inscrição. (Alterado pela Resolução nº 04/2004). CAPÍTULO III – DA URGÊNCIA
Parágrafo 1º - Ao discutir a matéria na Ordem do Dia, o Artigo 124º - Urgência é a abreviação do Processo
Vereador não poderá desviar do assunto inerente à matéria Legislativo, devidamente aprovado pelo Plenário.
em discussão. Parágrafo Único – A urgência não dispensa:
Parágrafo 2º - Nas proposições previstas no Art. 142, I, só I – “quorum” específico;
será concedida palavra aos demais Vereadores, II – parecer das comissões.
excetuando-se o proponente, para justificar Voto contrário, Artigo 125º - Em caso de calamidade pública ou por medida
ou para acrescentar fato relevante a proposição em de segurança, o requerimento de urgência pode ser
questão. apresentado em qualquer momento da reunião e será
votado imediatamente.(Alterado pela resolução nº
CAPÍTULO II – DO PROCESSO DE VOTAÇÃO 07/2005).
SEÇÃO I – DISPOSIÇÃO PRELIMINARES Parágrafo Único – Exceto o disposto no “caput” deste
Artigo 118º - A votação será realizada após a discussão artigo, toda a matéria que envolva alteração patrimonial
sobre a matéria. para o município deverá tramitar, normalmente, nas
Parágrafo 1º - Nenhum Vereador poderá escusar-se de comissões permanentes, não se admitindo a urgência.
votar, sob pena de ser considerado ausente, salvo se fizer Artigo 126º - As comissões terão o prazo simultâneo de
declaração prévia de estar impedido ou, nas votações 5(cinco) dias consecutivos para emitir parecer sobre a
simbólicas declarar que se abstém de votar. matéria em urgência.
Parágrafo 2º - Tratando-se de causa com que se beneficie Parágrafo 1º - Esgotado esse prazo, a proposição, com ou
pessoalmente ou beneficie parente até o 3º (terceiro) grau, sem parecer, será incluída na Ordem do Dia ou em Sessão
pessoa ou empresa que seja procurador, Vereador está Extraordinária especificamente convocada para apreciá-la.
impedido de votar.
CAPÍTULO IV – DA PREFERÊNCIA
SEÇÃO II – DA VOTAÇÃO Artigo 127º - Terão preferência as proposições relativas às
Artigo 19º - A votação será: seguintes matérias:
I – simbólica; I – vetos;
II – secreta, nos casos previstos neste regimento ou a II – propostas de emendas Constitucionais;
requerimento de líder, aprovado pelo plenário; (Revogado III – orçamento.
pela Resolução nº 07/2001)
III – Nominal e aberta, por ordem de inscrição, a CAPÍTILO V – DA REDAÇÃO FINAL
requerimento de líder, aprovado pelo Plenário. Artigo 28º - Terminada a votação o projeto e as emendas
Artigo 120º - Na votação simbólica, o Vereador que estiver aprovadas serão encaminhadas à Secretaria da Câmara
a favor da proposição permanecerá sentado. para sua redação final, que receberá a assinatura do
Parágrafo 1º - Qualquer Vereador poderá pedir verificação Presidente da Câmara, e após remetido ao executivo no
de votação. prazo regimental.
Parágrafo 2º -É nula a votação realizada sem existência de
“quorum”, devendo a matéria ser transferida para a Ordem CAPÍTULO VI – DO VETO
do Dia seguinte. Artigo 129º - Veto é a recusa total ou parcial, pelo Prefeito,
Artigo 121º - A votação secreta será feita por meio de da sanção a projeto de Lei aprovado pela Câmara
cédula rubricada pelo Presidente, e recolhida à urna à vista Artigo 130º - Recebido o veto, a Câmara terá o prazo do
do Plenário. (Alterado pela Resolução nº 07/2001). Artigo 61, parágrafo 2º da Lei Orgânica do Município, para
Artigo 122º - Far-se-á votação secreta nos casos de: apreciá-lo, cabendo ao Presidente encaminhá-lo às
I – eleição da Mesa; Comissões competentes.
II – na apreciação de veto; Parágrafo Único – O silêncio da Câmara, esgotado o prazo
III – na apreciação do parecer prévio do Tribunal de Contas, para apreciação significa aceitação do veto.
referente as contas dos Prefeitos Municipais; Artigo 131º - Apreciado o Veto, caberá a Câmara:
IV – na concessão de título de cidadão de benemerência de I – se aceito, arquivar o projeto;
São Jerônimo.
Câmara Municipal de São Jerônimo 61 Motorista
II – se rejeitado, devolver o projeto ao Prefeito para que o Artigo 136º - O autor poderá requerer a retirada da
promulgue. proposição:
Parágrafo Único – No caso de veto parcial, aceito ou I – ao Presidente, antes de haver recebido parecer;
rejeitado, o projeto será encaminhado ao executivo para II – ao plenário, se houver parecer.
promulgação. Artigo 137º - As proposições não votadas até o fim da
Sessão Legislativa serão arquivadas, exceto as da
CAPÍTULO VII – DA PROMULGAÇÃO competência da Comissão representativa ou de iniciativa
Artigo 132º - A fórmula para a promulgação de Lei, do Executivo.
Resolução ou Decreto Legislativo pelo Presidente da Parágrafo Único - Na Sessão Legislativa, seguinte, somente
Câmara é a seguinte: a requerimento do Vereador será desarquivada a
I – Leis: proposição, prosseguindo sua tramitação, ouvidas sempre
a)sanção tácita: “FAÇO SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL às Comissões competentes.
DE VEREADORES APROVOU E EU PROMULGO, NOS TERMOS
DO ARTIGO 61, PARÁGRAFO 4º, DA LEI ORGÂNICA DO CAPÍTULO II - DOS PROJETOS
MUNICIPIO A SEGUINTE LEI”. Artigo 138º - O projeto em geral terá a seguinte tramitação:
b) veto total rejeitado “FAÇO SABER QUE A CÂMARA I – apregoado na apresentação a Mesa;
MUNICIPAL DE VEREADORES MANTEVE E EU PROMULGO, II – envio às Comissões;
NOS TERMOS DO ARTIGO 61 PARÁGRAFO 4º, DA LEI III – inclusão na Ordem do Dia.
ORGÂNICA DO MUNICIPIO, A SEGUINTE LEI. c)veto parcial
rejeitado “FAÇO SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL DE CAPÍTULO III – DOS PROCEDIMENTOS ORDINÁRIOS
VEREADORES MANTEVE E EU PROMULGO, NOS TERMOS
DO ARTIGO 61, PARÁGRAFO 4º, DA LEI ORGÂNICA DO Artigo 139º - Projeto de Lei Ordinária a proposição, sujeita
MUNICIPIO, OS SEGUINTES DISPOSITIVOS DA PRESENTA a sanção do Prefeito, que disciplina matéria da
LEI”. competência do município.
II – Resoluções e decretos Legislativos: “FAÇO SABER QUE A Artigo 140º - Projeto de decreto Legislativo é a proposição
CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES APROVOU E EU que disciplina matéria da exclusiva competência da Câmara.
PROMULGO O SEGUINTE DECRETO LEGISLATIVO (ou a Parágrafo 1º - São objetos de Decreto Legislativo, entre
seguinte Resolução)”. outros: I – suspensão, no todo ou em parte, de qualquer
ato declarado pelo Poder Judiciário infringente à
TÍTULO II – DOS PROCESSOS EM GERAL Constituição, à Lei Orgânica ou às Leis;
CAPÍTULO I – DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES II – decisão sobre as contas do Prefeito;
Artigo 133º - São proposições: III – cassação de mandato;
I – projeto de emenda a lei Orgânica; IV – denominação de ruas e praças públicas.
II – projeto de Lei Complementar a Lei Orgânica; Artigo 141º - Projeto de Resolução é a proposição referente
III – projeto de Lei Ordinária; a assuntos de economia interna da Câmara.
IV – projeto de Decreto Legislativo; Parágrafo Único – São objeto de Projeto de resolução,
V – projeto de Resolução; entre outros:
VI – proposições simples; I - o regimento Interno e suas alterações;
VII – indicação; II – a organização dos serviços administrativos da Câmara;
VIII – requerimentos; III – destituição de membros da Mesa;
IX – pedido de providências; IV – conclusões da Comissão de Inquérito quando for o
X – pedido de informações; caso;
XI – emenda; V – prestação de contas da Câmara.
XII – substitutivo; Artigo 142 – Proposições simples é toda matéria elaborada
XIII – subemenda; por Vereadores, que independem de parecer das
XIV – recurso. Comissões permanentes, e sujeitas à deliberação do
Artigo 134º - O Presidente da Câmara devolverá ao autor Plenário na mesma reunião em que for lida. (Alterado pelas
da proposição: Resoluções nº 12/2005 e 07/2007).
I – alheia à competência da Câmara; Parágrafo 1º - As proposições, quando entendidas como
II – manifestamente inconstitucional; inconstitucionais pelo Presidente, serão encaminhadas às
Parágrafo Único – Cabe recurso ao plenário da decisão do comissões para exame e se considerada como
Presidente que tiver recusado, liminarmente, qualquer Constitucionais, entrarão em discussão e deliberação do
proposição. plenário na reunião seguinte.
Artigo 135º - É considerado autor da proposição o primeiro Parágrafo 2º - O autor da proposição, se assim entender,
signatário, sendo simples manifestação de apoio as ates de sua discussão poderá requerer a retirada da
assinaturas que lhe seguirem. mesma.
Parágrafo 1º - A proposição será organizada em forma de
processo pela administração da Câmara. CAPÍTULO V – DA INDICAÇÃO
Parágrafo 2º - Quando, por extravio ou retenção indevida, Artigo 143º - Indicação é a proposição contendo sugestões
não for possível o andamento de qualquer proposição, o a união, ao Estado ou ao Município e terá a seguinte
Presidente, a requerimento de Vereador, ou de ofício tramitação:
reconstituirá o processo. I – leitura na apresentação à Mesa;
II – remessa ao destinatário, se aprovada pelo Plenário.
Câmara Municipal de São Jerônimo 62 Motorista
Parágrafo 2º - A modificação proposta à emenda é
CAPÍTULO VI – DOS REQUERIMENTOS denominada subemenda e obedecerá a normas aplicadas a
Artigo 144º - Requerimento é a proposição oral ou escrita emenda.
contendo pedido ao Presidente da Câmara sobre assunto Artigo 149º - Não será admitida emenda que não seja
determinado. rigorosamente pertinente ao projeto. Parágrafo Único –
Parágrafo 1º - Salvo disposição expressa deste regimento, Cabe recurso ao Plenário da decisão do Presidente que
os requerimentos orais serão decididos imediatamente indefira recebimento de emenda.
pelo Presidente e os escritos que dependem de deliberação Artigo 150º - A apresentação de emenda far-se-á por:
do Plenário, serão votados na mesma reunião. I – Vereador;
Parágrafo 2º - O requerimento que dependa de deliberação II – Líder de bancada.
do Plenário, não sofrerá discussão, sendo dado tempo para
se manifestação do autor. TITULO III – DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS
Parágrafo 3º - Deverão ser escritos, entre outros, os CAPÍTULO I – DOS ORÇAMENTOS
requerimentos que solicitem: Artigo 151º - Na apreciação do Projeto de Lei orçamentária
I – voto de pesar, dando ciência a quem de direito; envaida pelo Executivo, que deverá ter amplo exame das
II – adiamento de votação; comissões permanentes, terá seu trâmite, discussão e
III – licença de Vereador; votação segundo determina a lei Orgânica do município.
IV – realização de reunião extraordinária, solene, especial Parágrafo 1º - A Câmara, por iniciativa da Mesa deverá
ou secreta. enviar ao Executivo com antecedência, o seu orçamento
V – urgência, adiamento ou retirada de urgência; para ser incluído no projeto de lei do mesmo no que se
VI – convocação de Secretário Municipal ou de Órgão não refere ao orçamento anual do ano seguinte.
subordinado a Secretaria; Parágrafo 2º - Até o dia trinta de novembro será
VII – renúncia de membro da Mesa; encaminhado a redação final do Projeto de Lei
VIII – constituição de comissão temporária; Orçamentária ao Executivo.
IX – reunião conjunta das comissões;
X – informações sobre atos da Mesa ou da Câmara; CAPÍTULO II – DAS CONTAS DOS PREFEITOS
XI – voto de congratulações. Artigo 152º - A prestação de contas, com o referido parecer
Artigo 145º - Durante a Ordem do Dia, só será admitido prévio do Tribunal de Contas, será apreciado pelas
requerimento que diga respeito estritamente à matéria Comissões, e posteriormente será elaborado em Decreto
nela incluída. Legislativo a ser votado pela Câmara Municipal.
Parágrafo 1º - Será votado antes da proposição o Artigo 153º - Só por decisão secreta de 2/3 (dois terços)
requerimento a ela pertinente. dos membros da Câmara Municipal, deixará de prevalecer o
parecer prévio emitido pelo Tribunal de Contas do Estado.
CAPÍTULO VII – DO PEDIDO DE INFORMAÇÕES E (Alterado pela Resolução nº 07/2001).
PROVIDÊNCIAS Artigo 154º - A Câmara enviará ao Tribunal de Contas do
Artigo 146º - Pedido de informações é a proposição Estado e a Promotoria Pública cópia do decreto Legislativo
solicitando esclarecimento ou dados relativos à que aprovou ou rejeitou as contas do Prefeito.
administração municipal.
Parágrafo 1º - As informações serão solicitadas a CAPÍTULO III – DA PERDA DO MANDATO
requerimento escrito de Vereador, após a aprovação em SEÇÃO I – DO MANDATO DO PREFEITO
Plenário, encaminhadas ao Prefeito pelo Presidente da Artigo 155º - O processo de cassação de mandato do
Câmara. Prefeito pela Câmara, por infrações político administrativas,
Parágrafo 2º - Se a resposta não satisfazer o autor, o obedecerá às normas estabelecidas pela legislação
pedido poderá ser reiterado mediante novo requerimento. pertinente.
Parágrafo 3º - Esgotado o prazo para resposta, o Presidente
reiterará o pedido, acentuando essa circunstância, dando SEÇÃO II – DO MANDATO DO VEREADOR
conhecimento ao Plenário e remetendo a documentação a Artigo 156º - Perderá o mandato o Vereador que infringir
Comissão de Constituição e Justiça para que proceda nos qualquer dispositivo previsto nos Artigos 40 e 41 da Lei
termos da Lei. Orgânica do Município.
Parágrafo 4º - Prestadas as informações, serão elas Artigo 157º - O processo de cassação de mandato do
entregues por cópias ao solicitante e apregoado o seu Vereador é o estabelecido pela legislação pertinente.
recebimento no Expediente. Artigo 158º - O Presidente da Câmara poderá afastar de
Artigo 147º - Pedido de providências é a proposição dirigida suas funções o Vereador acusado, desde que a denúncia
ao Prefeito, solicitando medidas de caráter político- seja recebida pela maioria absoluta da Casa, convocando o
admistrativo. respectivo suplente até o julgamento final.
Parágrafo Único – O Suplente convocado não intervirá nem
CAPÍTULO VIII – DAS EMANDAS, SUBEMENDAS E DOS votará nos atos do processo de cassação.
SUBSTITUTIVOS Artigo 159º - Extingue-se o mandato do Vereador e assim
Artigo 148º - Emenda é a proposição acessória, que visa será declarado pelo Presidente da Câmara quando:
modificar a principal e pode ser apresentada por Vereador, I – ocorrer o falecimento ou apresentar renúncia por
nos termos deste regimento. escrito;
Parágrafo 1º - A emenda global é denominado substitutivo. II – deixar de tomar posse, sem motivo justo aceito pela
Câmara, dentro do prazo estabelecido em lei;
Câmara Municipal de São Jerônimo 63 Motorista
III – cassação do mandato, nos casos estabelecidos em Lei. CAPITULO VII – DA REFORMA DO REGIMENTO INTERNO
Parágrafo Único - Ocorrido e comprovado o ato ou fato Artigo 166º - Este Regimento Interno só poderá ser
extintivo do mandato, o Presidente, na Primeira reunião alterado por proposta da Mesa ou de um terço dos
imediata, comunicará ao plenário e ao Tribunal regional Vereadores, no mínimo, e deverá ser votado em duas
Eleitoral, fazendo constar da ata a declaração da extinção sessões e ter-se-á por aprovado se em ambas as votações
do mandato. obtiver 2/3 (dois terços) dos votos favoráveis.

CAPÍTULO IV – DA CRIAÇÃO DE CARGOS PARTE III – DAS DISPOSIÇÕES GERAIS, TRANSITÓRIAS E


Artigo 160º - Os decretos Legislativos que criam cargos na FINAIS
Câmara, cujo provimento deve ser feito através de TÍTULO I – DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
concurso público, serão aprovados pela maioria absoluta de CAPÍTULO I – DO REGIMENTO INTERNO
seus membros e votados em duas reuniões. SEÇÃO I – DAS QUESTÕES DE ORDEM
Artigo 167º - Considera-se questões de ordem toda dúvida
CAPÍTULO V – DA REFORMA DA LEI ORGÂNICA surgida sobre a interpretação deste regimento e sob a sua
Artigo 161º - A Lei Orgânica pode ser emendada mediante observância.
proposta: Artigo 168º - As questões de Ordem devem ser iniciadas
I – de no mínimo um terço dos Vereadores; pela indicação da disposição que pretenda elucidar, sob
II – do Prefeito; pena de ser cassada a palavra do orador.
III – subscrita no mínimo por 5 (cinco) por cento dos Parágrafo 1º - Formulada a questão de ordem e facultada a
eleitores do Município sua contestação a um dos Vereadores, será ela
Parágrafo 1º - A proposta será discutida e votada em conclusivamente decidida pelo Presidente.
2(duas) sessões, dentro de 60 (sessenta) dias, a contar de Parágrafo 2º - Não será permitido criticar de questão de
sua apresentação ou recebimento, e ter-se-á por aprovada ordem na mesma reunião em que a decisão for proferida.
quando obtiver em ambas votações, dois terços dos votos Parágrafo 3º - Inconformado com a decisão, poderá o
dos membros da câmara Municipal. Vereador requerer, por escrito, sua reconsideração, ouvida
Parágrafo 2º - A matéria constante de proposta de emenda a Comissão de Constituição e justiça.
rejeitada ou havida por prejudicada não poderá ser objeto Artigo 169º - Durante a Ordem do Dia, não poderá ser
de nova proposta na mesma Sessão Legislativa. suscitada questão de ordem que não seja pertinente à
Parágrafo 3º - Dentre a 1ª (primeira) e a 2ª (segunda) matéria em discussão e votação.
votação, deverá ser observado o intervalo mínimo de 10
(dez) dias. SEÇÃO II – DO APARTE
Parágrafo 4º - Não será admitida emenda em segunda Artigo 170º - Aparte é a interrupção do discurso, permitida
discussão e votação. pelo orador, breve e oportuna, para indagação, contestação
Artigo 162º - Aprovada a redação final, a Mesa promulgará ou esclarecimento sobre a matéria em questão, no período
a emenda dentro de 72 (setenta e duas) horas, com o do grande expediente.
respectivo número de ordem, e afará publicar. Parágrafo Único – Se o orador se dispuser previamente
contrariamente a concessão do aparte, este não será
CAPÍTULO VI – DAS LEIS COMPLEMENTARES permitido.
Artigo 163º - São objetos de Lei Complementar, entre
outros: SEÇÃO III – DAS VISTAS
I – código de obras; Artigo 171º - Projeto que tramita do Legislativo Municipal,
II – código administrativo; que já esteja incluído na ordem o dia, até o momento da
III – código tributário e fiscal; votação, poderá ser requerido vistas, pelo prazo de 30
IV – lei do Plano Diretor; (trinta) dias, por parte de qualquer Vereador.
V – estatuto do Servidor Público Parágrafo 1º - Nos projetos que tramitam em regime de
Parágrafo 1º - Os Projetos de Lei Complementar serão Urgência, o prazo para vistas será de 7 (sete) dias,
examinados por uma Comissão Especial. improrrogáveis.
Parágrafo 2º - Dos Projetos de Códigos e respectivas Parágrafo 2º - Os projetos apreciados em Sessão
exposições de motivos, antes de submetidos à discussão, Extraordinária, o prazo para vistas será de 5 (cinco) dias.
será dada divulgação com a maior amplitude possível. Artigo 172º - Decorridos os prazos previstos no artigo
Parágrafo 3º - Dentro de 15 (quinze) dias, contados da data anterior, o projeto será incluído na ordem do dia da reunião
da divulgação de tais projetos, qualquer cidadão ou seguinte, a requerimento de qualquer Vereador.
entidade, poderá apresentar sugestões ao Presidente da Artigo 173º - No período de recesso, o projeto que for
Câmara, que encaminhará à Comissão Especial. pedido vistas na reunião extraordinária, deverá ser
Artigo 164º - Os projetos de lei complementar somente apreciado em nova reunião extraordinária, convocada num
serão aprovados se obtiverem o voto da maioria absoluta prazo de 5(cinco) dias, sendo esta última sem remuneração.
da Câmara, observadas as demais disposições deste Parágrafo Único – Caso neste período seja convocada nova
Regimento referente à votação dos Projetos de lei reunião pelo executivo, este poderá ser incluído na pauta.
Orçamentária.
Artigo 165º - O Projeto de Lei complementar ou dispõe SEÇÃO IV – DOS PRAZOS
sobre a mesma matéria terá o rito dos projetos de lei Artigo 174º - Para os prazos previstos neste regimento,
complementar. serão considerados os dias corridos e não correrão nos

Câmara Municipal de São Jerônimo 64 Motorista


períodos de recesso da Câmara, ressalvadas as exceções
previstas neste Regimento. SEÇÃO III – DAS INFRAÇÕES POLÍTICO-ADMINISTRATIVAS
Parágrafo 1º - Na contagem dos prazos regimentais, Artigo 180º - São infrações político-administrativas e como
excluir-se-á o dia de seu início, incluindo-se do respectivo tais sujeitas ao julgamento da Câmara e sancionadas como
vencimento. cassação do mandato, as previstas nos incisos I a X do
Parágrafo 2º - Considera-se prorrogado o prazo até o Artigo 4º do Decreto-Lei federal nº 201, de 27 de fevereiro
primeiro dia útil, se o seu vencimento recair em feriado, ou de 1967.
em dia que não houver expediente na Câmara, ou em que Parágrafo Único – O processo seguirá a tramitação indicada
este for encerrado antes de seu horário normal. no artigo 5º do mesmo Decreto-Lei acima citado.

SEÇÃO V – DA INTERPRETAÇÃO E DOS PRECEDENTES CAPÍTULO III – DA CONVOCAÇÃO EXTRAORDINÁRIA DA


Artigo 175º - As interpretações do regimento, feitas pelo CÂMARA
Presidente da Câmara, em assunto controverso, Artigo 181º - A Câmara poderá ser convocada
constituirão precedentes, desde que a presidência assim o extraordinariamente pelo Prefeito, indicados no ato da
declare, por iniciativa própria ou a requerimento de convocação, a matéria a ser apreciada e votada.
qualquer vereador, após a aprovação pelo Plenário.
Parágrafo Único – Os precedentes regimentais serão CAPÍTULO IV – DA CONVOCAÇÃO DE SECRETÁRIOS
anotados em livro próprio, para orientação na solução dos MUNICIPAIS
casos análogos. Artigo 182º - O Secretário municipal ou de órgão não
Artigo 176º - Os casos não previstos neste regimento, serão subordinado a secretaria, poderá ser convocado pela
resolvidos soberanamente, pelo Plenário, e as soluções Câmara ou por comissão para prestar informações sobre o
constituirão precedentes regimentais. assunto administrativo de sua responsabilidade.
Parágrafo Único – A convocação será comunicada ao
CAPÍTULO II – DO PREFEITO E DO VICE-PREFEITO Prefeito pelo Presidente, mediante ofício, com indicação
SEÇÃO I – DAS LICENÇAS precisa e clara das questões a serem respondidas.
Artigo 177º - A licença do cargo de prefeito será concedida Artigo 183º - O convocado terá o prazo de 1 (uma) hora
pela Câmara mediante solicitação expressa do chefe do para fazer sua exposição, atendendo-se exclusivamente ao
Executivo. assunto da convocação.
Parágrafo 1º - A licença será concedida ao Prefeito nos
seguintes casos: CAPÍTULO V – DOS VISITANTES OFICIAIS
I – para ausentar-se do estado ou do país; Artigo 184º - Os visitantes oficiais, nos dias de reunião,
II – para ausentar-se do Município por mais de 10 (dez) serão recebidos e introduzidos no Plenário por uma
dias; Comissão de Vereadores, designada pelo Presidente.
III – para tratamento de saúde; Parágrafo 1º - A saudação oficial ao visitante será feita, em
IV – em gozo de férias; nome da Câmara por Vereador que o Presidente designar
V – para tratar de interesses particulares. para este fim.
Parágrafo 2º - A autorização, que conceder a licença para o Parágrafo 2º - Os visitantes oficias poderão discursar, a
Prefeito ausentar-se do Município ou afastar-se do cargo convite da Presidência.
disporá sobre o direito a percepção dos subsídios quando:
I – para tratamento de saúde, devidamente comprovado; CAPÍTULO VI – DOS RECURSOS
II – a serviço ou em missão de representação do Município. Artigo 185º - Os recursos contra atos do presidente serão
Artigo 178º - Somente pelo voto de 2/3 (dois terços) dos interpostos dentro do prazo improrrogável de 10(dez) dias,
Vereadores é que poderá ser rejeitado o pedido de licença contados da data da ocorrência, por simples petição a ele
do Prefeito, nos casos em que haverá o recebimento dos dirigida.
subsídios. Parágrafo 1º - O recurso será encaminhado pelo Presidente
SEÇÃO II – DAS INFORMAÇÕES dentro de 24 (vinte e quatro) horas à Comissão de
Artigo 179º - Compete a Câmara solicitar ao Prefeito Constituição e Justiça, para opinar e elaborar projeto de
quaisquer informações sobre assuntos referentes à resolução, dentro de 5(cinco) dias, a contar da data de seu
administração Municipal. recebimento.
Parágrafo 1º - As informações serão solicitadas por Artigo 186º - O projeto de resolução com o devido parecer
requerimento proposto por qualquer Vereador e aprovado será submetido a uma única discussão e votação na ordem
pelo Plenário. do dia da primeira reunião ordinária subseqüente.
Parágrafo 2º - Os pedidos de informações serão
encaminhados ao Prefeito, que terá o prazo de 30 (trinta) TÍTULO II – DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS E FINAIS
dias, contados da data do recebimento, para prestar as Artigo 187º - Ficam revogados todos os precedentes
informações. regimentais, anteriormente firmados.
Parágrafo 3º - Pode o prefeito solicitar à Câmara Artigo 188º - A mesa providenciará a impressão deste
prorrogação de prazo, sendo o pedido sujeito à aprovação regimento com índice alfabético e remissivo.
do plenário. Artigo 189º - Nos dias de reunião e durante o expediente
Parágrafo 4º - Os pedidos de informações poderão ser da repartição, deverão estar hasteadas, no edifício e no
reiterados, se não satisfizerem ao autor, mediante novo Plenário, as bandeiras Brasileiras, do Rio Grande do Sul e do
requerimento, que deverá seguir tramitação regimental, Município.
contando-se novo prazo.
Câmara Municipal de São Jerônimo 65 Motorista
Artigo 190º - A Mesa regulamentará a utilização do Seção I
auditório do Plenário observado o disposto neste Disposições Gerais
regimento. Art. 5º O Sistema Nacional de Trânsito é o conjunto de
Artigo 191º -Este Regimento entrará em vigor na data de órgãos e entidades da União, dos Estados, do Distrito
sua publicação revogando-se as disposições em contrário. Federal e dos Municípios que tem por finalidade o exercício
São Jerônimo, 10 de junho de 1998 das atividades de planejamento, administração,
normatização, pesquisa, registro e licenciamento de
Estevão Carlos Figueira Antunes veículos, formação, habilitação e reciclagem de condutores,
Presidente educação, engenharia, operação do sistema viário,
policiamento, fiscalização, julgamento de infrações e de
LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. recursos e aplicação de penalidades.
Art. 6º São objetivos básicos do Sistema Nacional de
Institui o Código de Trânsito Brasileiro Trânsito:
I - estabelecer diretrizes da Política Nacional de
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Trânsito, com vistas à segurança, à fluidez, ao conforto, à
Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: defesa ambiental e à educação para o trânsito, e fiscalizar
CAPÍTULO I seu cumprimento;
DISPOSIÇÕES PRELIMINARES II - fixar, mediante normas e procedimentos, a
Art. 1º O trânsito de qualquer natureza nas vias padronização de critérios técnicos, financeiros e
terrestres do território nacional, abertas à circulação, rege- administrativos para a execução das atividades de trânsito;
se por este Código. III - estabelecer a sistemática de fluxos permanentes de
§ 1º Considera-se trânsito a utilização das vias por informações entre os seus diversos órgãos e entidades, a
pessoas, veículos e animais, isolados ou em grupos, fim de facilitar o processo decisório e a integração do
conduzidos ou não, para fins de circulação, parada, Sistema.
estacionamento e operação de carga ou descarga. Seção II
§ 2º O trânsito, em condições seguras, é um direito de Da Composição e da Competência do Sistema Nacional de
todos e dever dos órgãos e entidades componentes do Trânsito
Sistema Nacional de Trânsito, a estes cabendo, no âmbito Art. 7º Compõem o Sistema Nacional de Trânsito os
das respectivas competências, adotar as medidas seguintes órgãos e entidades:
destinadas a assegurar esse direito. I - o Conselho Nacional de Trânsito - CONTRAN,
§ 3º Os órgãos e entidades componentes do Sistema coordenador do Sistema e órgão máximo normativo e
Nacional de Trânsito respondem, no âmbito das respectivas consultivo;
competências, objetivamente, por danos causados aos II - os Conselhos Estaduais de Trânsito - CETRAN e o
cidadãos em virtude de ação, omissão ou erro na execução Conselho de Trânsito do Distrito Federal - CONTRANDIFE,
e manutenção de programas, projetos e serviços que órgãos normativos, consultivos e coordenadores;
garantam o exercício do direito do trânsito seguro. III - os órgãos e entidades executivos de trânsito da
§ 4º (VETADO) União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios;
§ 5º Os órgãos e entidades de trânsito pertencentes ao IV - os órgãos e entidades executivos rodoviários da
Sistema Nacional de Trânsito darão prioridade em suas União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios;
ações à defesa da vida, nela incluída a preservação da V - a Polícia Rodoviária Federal;
saúde e do meio-ambiente. VI - as Polícias Militares dos Estados e do Distrito
Art. 2º São vias terrestres urbanas e rurais as ruas, as Federal; e
avenidas, os logradouros, os caminhos, as passagens, as VII - as Juntas Administrativas de Recursos de Infrações
estradas e as rodovias, que terão seu uso regulamentado - JARI.
pelo órgão ou entidade com circunscrição sobre elas, de Art. 7o-A. A autoridade portuária ou a entidade
acordo com as peculiaridades locais e as circunstâncias concessionária de porto organizado poderá celebrar
especiais. convênios com os órgãos previstos no art. 7o, com a
Parágrafo único. Para os efeitos deste Código, são interveniência dos Municípios e Estados, juridicamente
consideradas vias terrestres as praias abertas à circulação interessados, para o fim específico de facilitar a autuação
pública, as vias internas pertencentes aos condomínios por descumprimento da legislação de trânsito.
constituídos por unidades autônomas e as vias e áreas de (Incluído pela Lei nº 12.058, de 2009)
estacionamento de estabelecimentos privados de uso § 1o O convênio valerá para toda a área física do
coletivo. (Redação dada pela Lei nº 13.146, de 2015) porto organizado, inclusive, nas áreas dos terminais
(Vigência) alfandegados, nas estações de transbordo, nas instalações
Art. 3º As disposições deste Código são aplicáveis a portuárias públicas de pequeno porte e nos respectivos
qualquer veículo, bem como aos proprietários, condutores estacionamentos ou vias de trânsito internas.
dos veículos nacionais ou estrangeiros e às pessoas nele (Incluído pela Lei nº 12.058, de 2009)
expressamente mencionadas. § 2o (VETADO) (Incluído pela Lei nº 12.058, de
Art. 4º Os conceitos e definições estabelecidos para os 2009)
efeitos deste Código são os constantes do Anexo I. § 3o (VETADO) (Incluído pela Lei nº 12.058, de
CAPÍTULO II 2009)
DO SISTEMA NACIONAL DE TRÂNSITO Art. 8º Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios
organizarão os respectivos órgãos e entidades executivos
Câmara Municipal de São Jerônimo 66 Motorista
de trânsito e executivos rodoviários, estabelecendo os VII - zelar pela uniformidade e cumprimento das
limites circunscricionais de suas atuações. normas contidas neste Código e nas resoluções
Art. 9º O Presidente da República designará o complementares;
ministério ou órgão da Presidência responsável pela VIII - estabelecer e normatizar os procedimentos para a
coordenação máxima do Sistema Nacional de Trânsito, ao aplicação das multas por infrações, a arrecadação e o
qual estará vinculado o CONTRAN e subordinado o órgão repasse dos valores arrecadados; (Redação dada pela
máximo executivo de trânsito da União. Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
Art. 10. O Conselho Nacional de Trânsito (Contran), IX - responder às consultas que lhe forem formuladas,
com sede no Distrito Federal e presidido pelo dirigente do relativas à aplicação da legislação de trânsito;
órgão máximo executivo de trânsito da União, tem a X - normatizar os procedimentos sobre a
seguinte composição: (Redação dada pela Lei nº aprendizagem, habilitação, expedição de documentos de
12.865, de 2013) condutores, e registro e licenciamento de veículos;
I - (VETADO) XI - aprovar, complementar ou alterar os dispositivos
II - (VETADO) de sinalização e os dispositivos e equipamentos de trânsito;
III - um representante do Ministério da Ciência e XII - apreciar os recursos interpostos contra as decisões
Tecnologia; das instâncias inferiores, na forma deste Código;
IV - um representante do Ministério da Educação e do XIII - avocar, para análise e soluções, processos sobre
Desporto; conflitos de competência ou circunscrição, ou, quando
V - um representante do Ministério do Exército; necessário, unificar as decisões administrativas; e
VI - um representante do Ministério do Meio Ambiente XIV - dirimir conflitos sobre circunscrição e
e da Amazônia Legal; competência de trânsito no âmbito da União, dos Estados e
VII - um representante do Ministério dos Transportes; do Distrito Federal.
VIII - (VETADO) XV - normatizar o processo de formação do candidato à
IX - (VETADO) obtenção da Carteira Nacional de Habilitação,
X - (VETADO) estabelecendo seu conteúdo didático-pedagógico, carga
XI - (VETADO) horária, avaliações, exames, execução e fiscalização.
XII - (VETADO) (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
XIII - (VETADO) Art. 13. As Câmaras Temáticas, órgãos técnicos
XIV - (VETADO) vinculados ao CONTRAN, são integradas por especialistas e
XV - (VETADO) têm como objetivo estudar e oferecer sugestões e
XVI - (VETADO) embasamento técnico sobre assuntos específicos para
XVII - (VETADO) decisões daquele colegiado.
XVIII - (VETADO) § 1º Cada Câmara é constituída por especialistas
XIX - (VETADO) representantes de órgãos e entidades executivos da União,
XX - um representante do ministério ou órgão dos Estados, ou do Distrito Federal e dos Municípios, em
coordenador máximo do Sistema Nacional de Trânsito; igual número, pertencentes ao Sistema Nacional de
XXI - (VETADO) Trânsito, além de especialistas representantes dos diversos
XXII - um representante do Ministério da Saúde. segmentos da sociedade relacionados com o trânsito, todos
(Incluído pela Lei nº 9.602, de 1998) indicados segundo regimento específico definido pelo
XXIII - 1 (um) representante do Ministério da CONTRAN e designados pelo ministro ou dirigente
Justiça. (Incluído pela Lei nº 11.705, de 2008) coordenador máximo do Sistema Nacional de Trânsito.
XXIV - 1 (um) representante do Ministério do § 2º Os segmentos da sociedade, relacionados no
Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; parágrafo anterior, serão representados por pessoa jurídica
(Incluído pela Lei nº 12.865, de 2013) e devem atender aos requisitos estabelecidos pelo
XXV - 1 (um) representante da Agência Nacional de CONTRAN.
Transportes Terrestres (ANTT). (Incluído pela Lei nº § 3º Os coordenadores das Câmaras Temáticas serão
12.865, de 2013) eleitos pelos respectivos membros.
§ 1º (VETADO) § 4º (VETADO)
§ 2º (VETADO) I - (VETADO)
§ 3º (VETADO) II - (VETADO)
Art. 11. (VETADO) III - (VETADO)
Art. 12. Compete ao CONTRAN: IV - (VETADO)
I - estabelecer as normas regulamentares referidas Art. 14. Compete aos Conselhos Estaduais de Trânsito -
neste Código e as diretrizes da Política Nacional de Trânsito; CETRAN e ao Conselho de Trânsito do Distrito Federal -
II - coordenar os órgãos do Sistema Nacional de CONTRANDIFE:
Trânsito, objetivando a integração de suas atividades; I - cumprir e fazer cumprir a legislação e as normas de
III - (VETADO) trânsito, no âmbito das respectivas atribuições;
IV - criar Câmaras Temáticas; II - elaborar normas no âmbito das respectivas
V - estabelecer seu regimento interno e as diretrizes competências;
para o funcionamento dos CETRAN e CONTRANDIFE; III - responder a consultas relativas à aplicação da
VI - estabelecer as diretrizes do regimento das JARI; legislação e dos procedimentos normativos de trânsito;
IV - estimular e orientar a execução de campanhas
educativas de trânsito;
Câmara Municipal de São Jerônimo 67 Motorista
V - julgar os recursos interpostos contra decisões: I - cumprir e fazer cumprir a legislação de trânsito e a
a) das JARI; execução das normas e diretrizes estabelecidas pelo
b) dos órgãos e entidades executivos estaduais, nos CONTRAN, no âmbito de suas atribuições;
casos de inaptidão permanente constatados nos exames de II - proceder à supervisão, à coordenação, à correição
aptidão física, mental ou psicológica; dos órgãos delegados, ao controle e à fiscalização da
VI - indicar um representante para compor a comissão execução da Política Nacional de Trânsito e do Programa
examinadora de candidatos portadores de deficiência física Nacional de Trânsito;
à habilitação para conduzir veículos automotores; III - articular-se com os órgãos dos Sistemas Nacionais
VII - (VETADO) de Trânsito, de Transporte e de Segurança Pública,
VIII - acompanhar e coordenar as atividades de objetivando o combate à violência no trânsito,
administração, educação, engenharia, fiscalização, promovendo, coordenando e executando o controle de
policiamento ostensivo de trânsito, formação de ações para a preservação do ordenamento e da segurança
condutores, registro e licenciamento de veículos, do trânsito;
articulando os órgãos do Sistema no Estado, reportando-se IV - apurar, prevenir e reprimir a prática de atos de
ao CONTRAN; improbidade contra a fé pública, o patrimônio, ou a
IX - dirimir conflitos sobre circunscrição e competência administração pública ou privada, referentes à segurança
de trânsito no âmbito dos Municípios; e do trânsito;
X - informar o CONTRAN sobre o cumprimento das V - supervisionar a implantação de projetos e
exigências definidas nos §§ 1º e 2º do art. 333. programas relacionados com a engenharia, educação,
XI - designar, em caso de recursos deferidos e na administração, policiamento e fiscalização do trânsito e
hipótese de reavaliação dos exames, junta especial de outros, visando à uniformidade de procedimento;
saúde para examinar os candidatos à habilitação para VI - estabelecer procedimentos sobre a aprendizagem
conduzir veículos automotores. (Incluído pela Lei nº e habilitação de condutores de veículos, a expedição de
9.602, de 1998) documentos de condutores, de registro e licenciamento de
Parágrafo único. Dos casos previstos no inciso V, veículos;
julgados pelo órgão, não cabe recurso na esfera VII - expedir a Permissão para Dirigir, a Carteira
administrativa. Nacional de Habilitação, os Certificados de Registro e o de
Art. 15. Os presidentes dos CETRAN e do Licenciamento Anual mediante delegação aos órgãos
CONTRANDIFE são nomeados pelos Governadores dos executivos dos Estados e do Distrito Federal;
Estados e do Distrito Federal, respectivamente, e deverão VIII - organizar e manter o Registro Nacional de
ter reconhecida experiência em matéria de trânsito. Carteiras de Habilitação - RENACH;
§ 1º Os membros dos CETRAN e do CONTRANDIFE são IX - organizar e manter o Registro Nacional de Veículos
nomeados pelos Governadores dos Estados e do Distrito Automotores - RENAVAM;
Federal, respectivamente. X - organizar a estatística geral de trânsito no território
§ 2º Os membros do CETRAN e do CONTRANDIFE nacional, definindo os dados a serem fornecidos pelos
deverão ser pessoas de reconhecida experiência em demais órgãos e promover sua divulgação;
trânsito. XI - estabelecer modelo padrão de coleta de
§ 3º O mandato dos membros do CETRAN e do informações sobre as ocorrências de acidentes de trânsito e
CONTRANDIFE é de dois anos, admitida a recondução. as estatísticas do trânsito;
Art. 16. Junto a cada órgão ou entidade executivos de XII - administrar fundo de âmbito nacional destinado à
trânsito ou rodoviário funcionarão Juntas Administrativas segurança e à educação de trânsito;
de Recursos de Infrações - JARI, órgãos colegiados XIII - coordenar a administração do registro das
responsáveis pelo julgamento dos recursos interpostos infrações de trânsito, da pontuação e das penalidades
contra penalidades por eles impostas. aplicadas no prontuário do infrator, da arrecadação de
Parágrafo único. As JARI têm regimento próprio, multas e do repasse de que trata o § 1º do art. 320;
observado o disposto no inciso VI do art. 12, e apoio (Redação dada pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
administrativo e financeiro do órgão ou entidade junto ao XIV - fornecer aos órgãos e entidades do Sistema
qual funcionem. Nacional de Trânsito informações sobre registros de
Art. 17. Compete às JARI: veículos e de condutores, mantendo o fluxo permanente de
I - julgar os recursos interpostos pelos infratores; informações com os demais órgãos do Sistema;
II - solicitar aos órgãos e entidades executivos de XV - promover, em conjunto com os órgãos
trânsito e executivos rodoviários informações competentes do Ministério da Educação e do Desporto, de
complementares relativas aos recursos, objetivando uma acordo com as diretrizes do CONTRAN, a elaboração e a
melhor análise da situação recorrida; implementação de programas de educação de trânsito nos
III - encaminhar aos órgãos e entidades executivos de estabelecimentos de ensino;
trânsito e executivos rodoviários informações sobre XVI - elaborar e distribuir conteúdos programáticos
problemas observados nas autuações e apontados em para a educação de trânsito;
recursos, e que se repitam sistematicamente. XVII - promover a divulgação de trabalhos técnicos
Art. 18. (VETADO) sobre o trânsito;
Art. 19. Compete ao órgão máximo executivo de XVIII - elaborar, juntamente com os demais órgãos e
trânsito da União: entidades do Sistema Nacional de Trânsito, e submeter à
aprovação do CONTRAN, a complementação ou alteração

Câmara Municipal de São Jerônimo 68 Motorista


da sinalização e dos dispositivos e equipamentos de mês a mês, os dados estatísticos para os fins previstos no
trânsito; inciso X.
XIX - organizar, elaborar, complementar e alterar os § 4º (VETADO). (Incluído pela Lei nº 13.281, de
manuais e normas de projetos de implementação da 2016) (Vigência)
sinalização, dos dispositivos e equipamentos de trânsito Art. 20. Compete à Polícia Rodoviária Federal, no
aprovados pelo CONTRAN; âmbito das rodovias e estradas federais:
XX – expedir a permissão internacional para conduzir I - cumprir e fazer cumprir a legislação e as normas de
veículo e o certificado de passagem nas alfândegas trânsito, no âmbito de suas atribuições;
mediante delegação aos órgãos executivos dos Estados e II - realizar o patrulhamento ostensivo, executando
do Distrito Federal ou a entidade habilitada para esse fim operações relacionadas com a segurança pública, com o
pelo poder público federal; (Redação dada pela lei nº objetivo de preservar a ordem, incolumidade das pessoas, o
13.258, de 2016) patrimônio da União e o de terceiros;
XXI - promover a realização periódica de reuniões III - aplicar e arrecadar as multas impostas por
regionais e congressos nacionais de trânsito, bem como infrações de trânsito, as medidas administrativas
propor a representação do Brasil em congressos ou decorrentes e os valores provenientes de estada e remoção
reuniões internacionais; de veículos, objetos, animais e escolta de veículos de cargas
XXII - propor acordos de cooperação com organismos superdimensionadas ou perigosas;
internacionais, com vistas ao aperfeiçoamento das ações IV - efetuar levantamento dos locais de acidentes de
inerentes à segurança e educação de trânsito; trânsito e dos serviços de atendimento, socorro e
XXIII - elaborar projetos e programas de formação, salvamento de vítimas;
treinamento e especialização do pessoal encarregado da V - credenciar os serviços de escolta, fiscalizar e adotar
execução das atividades de engenharia, educação, medidas de segurança relativas aos serviços de remoção de
policiamento ostensivo, fiscalização, operação e veículos, escolta e transporte de carga indivisível;
administração de trânsito, propondo medidas que VI - assegurar a livre circulação nas rodovias federais,
estimulem a pesquisa científica e o ensino técnico- podendo solicitar ao órgão rodoviário a adoção de medidas
profissional de interesse do trânsito, e promovendo a sua emergenciais, e zelar pelo cumprimento das normas legais
realização; relativas ao direito de vizinhança, promovendo a interdição
XXIV - opinar sobre assuntos relacionados ao trânsito de construções e instalações não autorizadas;
interestadual e internacional; VII - coletar dados estatísticos e elaborar estudos sobre
XXV - elaborar e submeter à aprovação do CONTRAN as acidentes de trânsito e suas causas, adotando ou indicando
normas e requisitos de segurança veicular para fabricação e medidas operacionais preventivas e encaminhando-os ao
montagem de veículos, consoante sua destinação; órgão rodoviário federal;
XXVI - estabelecer procedimentos para a concessão do VIII - implementar as medidas da Política Nacional de
código marca-modelo dos veículos para efeito de registro, Segurança e Educação de Trânsito;
emplacamento e licenciamento; IX - promover e participar de projetos e programas de
XXVII - instruir os recursos interpostos das decisões do educação e segurança, de acordo com as diretrizes
CONTRAN, ao ministro ou dirigente coordenador máximo estabelecidas pelo CONTRAN;
do Sistema Nacional de Trânsito; X - integrar-se a outros órgãos e entidades do Sistema
XXVIII - estudar os casos omissos na legislação de Nacional de Trânsito para fins de arrecadação e
trânsito e submetê-los, com proposta de solução, ao compensação de multas impostas na área de sua
Ministério ou órgão coordenador máximo do Sistema competência, com vistas à unificação do licenciamento, à
Nacional de Trânsito; simplificação e à celeridade das transferências de veículos e
XXIX - prestar suporte técnico, jurídico, administrativo de prontuários de condutores de uma para outra unidade
e financeiro ao CONTRAN. da Federação;
XXX - organizar e manter o Registro Nacional de XI - fiscalizar o nível de emissão de poluentes e ruído
Infrações de Trânsito (Renainf). (Incluído pela Lei nº produzidos pelos veículos automotores ou pela sua carga,
13.281, de 2016) (Vigência) de acordo com o estabelecido no art. 66, além de dar
§ 1º Comprovada, por meio de sindicância, a apoio, quando solicitado, às ações específicas dos órgãos
deficiência técnica ou administrativa ou a prática constante ambientais.
de atos de improbidade contra a fé pública, contra o Art. 21. Compete aos órgãos e entidades executivos
patrimônio ou contra a administração pública, o órgão rodoviários da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
executivo de trânsito da União, mediante aprovação do Municípios, no âmbito de sua circunscrição:
CONTRAN, assumirá diretamente ou por delegação, a I - cumprir e fazer cumprir a legislação e as normas de
execução total ou parcial das atividades do órgão executivo trânsito, no âmbito de suas atribuições;
de trânsito estadual que tenha motivado a investigação, até II - planejar, projetar, regulamentar e operar o trânsito
que as irregularidades sejam sanadas. de veículos, de pedestres e de animais, e promover o
§ 2º O regimento interno do órgão executivo de desenvolvimento da circulação e da segurança de ciclistas;
trânsito da União disporá sobre sua estrutura III - implantar, manter e operar o sistema de
organizacional e seu funcionamento. sinalização, os dispositivos e os equipamentos de controle
§ 3º Os órgãos e entidades executivos de trânsito e viário;
executivos rodoviários da União, dos Estados, do Distrito IV - coletar dados e elaborar estudos sobre os
Federal e dos Municípios fornecerão, obrigatoriamente, acidentes de trânsito e suas causas;

Câmara Municipal de São Jerônimo 69 Motorista


V - estabelecer, em conjunto com os órgãos de e VIII do art. 24, notificando os infratores e arrecadando as
policiamento ostensivo de trânsito, as respectivas diretrizes multas que aplicar;
para o policiamento ostensivo de trânsito; VII - arrecadar valores provenientes de estada e
VI - executar a fiscalização de trânsito, autuar, aplicar remoção de veículos e objetos;
as penalidades de advertência, por escrito, e ainda as VIII - comunicar ao órgão executivo de trânsito da
multas e medidas administrativas cabíveis, notificando os União a suspensão e a cassação do direito de dirigir e o
infratores e arrecadando as multas que aplicar; recolhimento da Carteira Nacional de Habilitação;
VII - arrecadar valores provenientes de estada e IX - coletar dados estatísticos e elaborar estudos sobre
remoção de veículos e objetos, e escolta de veículos de acidentes de trânsito e suas causas;
cargas superdimensionadas ou perigosas; X - credenciar órgãos ou entidades para a execução de
VIII - fiscalizar, autuar, aplicar as penalidades e medidas atividades previstas na legislação de trânsito, na forma
administrativas cabíveis, relativas a infrações por excesso estabelecida em norma do CONTRAN;
de peso, dimensões e lotação dos veículos, bem como XI - implementar as medidas da Política Nacional de
notificar e arrecadar as multas que aplicar; Trânsito e do Programa Nacional de Trânsito;
IX - fiscalizar o cumprimento da norma contida no art. XII - promover e participar de projetos e programas de
95, aplicando as penalidades e arrecadando as multas nele educação e segurança de trânsito de acordo com as
previstas; diretrizes estabelecidas pelo CONTRAN;
X - implementar as medidas da Política Nacional de XIII - integrar-se a outros órgãos e entidades do
Trânsito e do Programa Nacional de Trânsito; Sistema Nacional de Trânsito para fins de arrecadação e
XI - promover e participar de projetos e programas de compensação de multas impostas na área de sua
educação e segurança, de acordo com as diretrizes competência, com vistas à unificação do licenciamento, à
estabelecidas pelo CONTRAN; simplificação e à celeridade das transferências de veículos e
XII - integrar-se a outros órgãos e entidades do Sistema de prontuários de condutores de uma para outra unidade
Nacional de Trânsito para fins de arrecadação e da Federação;
compensação de multas impostas na área de sua XIV - fornecer, aos órgãos e entidades executivos de
competência, com vistas à unificação do licenciamento, à trânsito e executivos rodoviários municipais, os dados
simplificação e à celeridade das transferências de veículos e cadastrais dos veículos registrados e dos condutores
de prontuários de condutores de uma para outra unidade habilitados, para fins de imposição e notificação de
da Federação; penalidades e de arrecadação de multas nas áreas de suas
XIII - fiscalizar o nível de emissão de poluentes e ruído competências;
produzidos pelos veículos automotores ou pela sua carga, XV - fiscalizar o nível de emissão de poluentes e ruído
de acordo com o estabelecido no art. 66, além de dar apoio produzidos pelos veículos automotores ou pela sua carga,
às ações específicas dos órgãos ambientais locais, quando de acordo com o estabelecido no art. 66, além de dar
solicitado; apoio, quando solicitado, às ações específicas dos órgãos
XIV - vistoriar veículos que necessitem de autorização ambientais locais;
especial para transitar e estabelecer os requisitos técnicos a XVI - articular-se com os demais órgãos do Sistema
serem observados para a circulação desses veículos. Nacional de Trânsito no Estado, sob coordenação do
Parágrafo único. (VETADO) respectivo CETRAN.
Art. 22. Compete aos órgãos ou entidades executivos Art. 23. Compete às Polícias Militares dos Estados e do
de trânsito dos Estados e do Distrito Federal, no âmbito de Distrito Federal:
sua circunscrição: I - (VETADO)
I - cumprir e fazer cumprir a legislação e as normas de II - (VETADO)
trânsito, no âmbito das respectivas atribuições; III - executar a fiscalização de trânsito, quando e
II - realizar, fiscalizar e controlar o processo de conforme convênio firmado, como agente do órgão ou
formação, aperfeiçoamento, reciclagem e suspensão de entidade executivos de trânsito ou executivos rodoviários,
condutores, expedir e cassar Licença de Aprendizagem, concomitantemente com os demais agentes credenciados;
Permissão para Dirigir e Carteira Nacional de Habilitação, IV - (VETADO)
mediante delegação do órgão federal competente; V - (VETADO)
III - vistoriar, inspecionar quanto às condições de VI - (VETADO)
segurança veicular, registrar, emplacar, selar a placa, e VII - (VETADO)
licenciar veículos, expedindo o Certificado de Registro e o Parágrafo único. (VETADO)
Licenciamento Anual, mediante delegação do órgão federal Art. 24. Compete aos órgãos e entidades executivos de
competente; trânsito dos Municípios, no âmbito de sua
IV - estabelecer, em conjunto com as Polícias Militares, circunscrição: (Redação dada pela Lei nº 13.154, de
as diretrizes para o policiamento ostensivo de trânsito; 2015)
V - executar a fiscalização de trânsito, autuar e aplicar I - cumprir e fazer cumprir a legislação e as normas de
as medidas administrativas cabíveis pelas infrações trânsito, no âmbito de suas atribuições;
previstas neste Código, excetuadas aquelas relacionadas II - planejar, projetar, regulamentar e operar o trânsito
nos incisos VI e VIII do art. 24, no exercício regular do Poder de veículos, de pedestres e de animais, e promover o
de Polícia de Trânsito; desenvolvimento da circulação e da segurança de ciclistas;
VI - aplicar as penalidades por infrações previstas neste III - implantar, manter e operar o sistema de
Código, com exceção daquelas relacionadas nos incisos VII sinalização, os dispositivos e os equipamentos de controle
viário;
Câmara Municipal de São Jerônimo 70 Motorista
IV - coletar dados estatísticos e elaborar estudos sobre XX - fiscalizar o nível de emissão de poluentes e ruído
os acidentes de trânsito e suas causas; produzidos pelos veículos automotores ou pela sua carga,
V - estabelecer, em conjunto com os órgãos de polícia de acordo com o estabelecido no art. 66, além de dar apoio
ostensiva de trânsito, as diretrizes para o policiamento às ações específicas de órgão ambiental local, quando
ostensivo de trânsito; solicitado;
VI - executar a fiscalização de trânsito em vias XXI - vistoriar veículos que necessitem de autorização
terrestres, edificações de uso público e edificações privadas especial para transitar e estabelecer os requisitos técnicos a
de uso coletivo, autuar e aplicar as medidas administrativas serem observados para a circulação desses veículos.
cabíveis e as penalidades de advertência por escrito e § 1º As competências relativas a órgão ou entidade
multa, por infrações de circulação, estacionamento e municipal serão exercidas no Distrito Federal por seu órgão
parada previstas neste Código, no exercício regular do ou entidade executivos de trânsito.
poder de polícia de trânsito, notificando os infratores e § 2º Para exercer as competências estabelecidas neste
arrecadando as multas que aplicar, exercendo iguais artigo, os Municípios deverão integrar-se ao Sistema
atribuições no âmbito de edificações privadas de uso Nacional de Trânsito, conforme previsto no art. 333 deste
coletivo, somente para infrações de uso de vagas Código.
reservadas em estacionamentos; (Redação dada pela Art. 25. Os órgãos e entidades executivos do Sistema
Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência) Nacional de Trânsito poderão celebrar convênio delegando
VII - aplicar as penalidades de advertência por escrito e as atividades previstas neste Código, com vistas à maior
multa, por infrações de circulação, estacionamento e eficiência e à segurança para os usuários da via.
parada previstas neste Código, notificando os infratores e Parágrafo único. Os órgãos e entidades de trânsito
arrecadando as multas que aplicar; poderão prestar serviços de capacitação técnica, assessoria
VIII - fiscalizar, autuar e aplicar as penalidades e e monitoramento das atividades relativas ao trânsito
medidas administrativas cabíveis relativas a infrações por durante prazo a ser estabelecido entre as partes, com
excesso de peso, dimensões e lotação dos veículos, bem ressarcimento dos custos apropriados.
como notificar e arrecadar as multas que aplicar; CAPÍTULO III
IX - fiscalizar o cumprimento da norma contida no art. DAS NORMAS GERAIS DE CIRCULAÇÃO E CONDUTA
95, aplicando as penalidades e arrecadando as multas nele Art. 26. Os usuários das vias terrestres devem:
previstas; I - abster-se de todo ato que possa constituir perigo ou
X - implantar, manter e operar sistema de obstáculo para o trânsito de veículos, de pessoas ou de
estacionamento rotativo pago nas vias; animais, ou ainda causar danos a propriedades públicas ou
XI - arrecadar valores provenientes de estada e privadas;
remoção de veículos e objetos, e escolta de veículos de II - abster-se de obstruir o trânsito ou torná-lo
cargas superdimensionadas ou perigosas; perigoso, atirando, depositando ou abandonando na via
XII - credenciar os serviços de escolta, fiscalizar e objetos ou substâncias, ou nela criando qualquer outro
adotar medidas de segurança relativas aos serviços de obstáculo.
remoção de veículos, escolta e transporte de carga Art. 27. Antes de colocar o veículo em circulação nas
indivisível; vias públicas, o condutor deverá verificar a existência e as
XIII - integrar-se a outros órgãos e entidades do boas condições de funcionamento dos equipamentos de
Sistema Nacional de Trânsito para fins de arrecadação e uso obrigatório, bem como assegurar-se da existência de
compensação de multas impostas na área de sua combustível suficiente para chegar ao local de destino.
competência, com vistas à unificação do licenciamento, à Art. 28. O condutor deverá, a todo momento, ter
simplificação e à celeridade das transferências de veículos e domínio de seu veículo, dirigindo-o com atenção e cuidados
de prontuários dos condutores de uma para outra unidade indispensáveis à segurança do trânsito.
da Federação; Art. 29. O trânsito de veículos nas vias terrestres
XIV - implantar as medidas da Política Nacional de abertas à circulação obedecerá às seguintes normas:
Trânsito e do Programa Nacional de Trânsito; I - a circulação far-se-á pelo lado direito da via,
XV - promover e participar de projetos e programas de admitindo-se as exceções devidamente sinalizadas;
educação e segurança de trânsito de acordo com as II - o condutor deverá guardar distância de segurança
diretrizes estabelecidas pelo CONTRAN; lateral e frontal entre o seu e os demais veículos, bem
XVI - planejar e implantar medidas para redução da como em relação ao bordo da pista, considerando-se, no
circulação de veículos e reorientação do tráfego, com o momento, a velocidade e as condições do local, da
objetivo de diminuir a emissão global de poluentes; circulação, do veículo e as condições climáticas;
XVII - registrar e licenciar, na forma da legislação, III - quando veículos, transitando por fluxos que se
veículos de tração e propulsão humana e de tração animal, cruzem, se aproximarem de local não sinalizado, terá
fiscalizando, autuando, aplicando penalidades e preferência de passagem:
arrecadando multas decorrentes de infrações; a) no caso de apenas um fluxo ser proveniente de
(Redação dada pela Lei nº 13.154, de 2015) rodovia, aquele que estiver circulando por ela;
XVIII - conceder autorização para conduzir veículos de b) no caso de rotatória, aquele que estiver circulando
propulsão humana e de tração animal; por ela;
XIX - articular-se com os demais órgãos do Sistema c) nos demais casos, o que vier pela direita do
Nacional de Trânsito no Estado, sob coordenação do condutor;
respectivo CETRAN; IV - quando uma pista de rolamento comportar várias
faixas de circulação no mesmo sentido, são as da direita
Câmara Municipal de São Jerônimo 71 Motorista
destinadas ao deslocamento dos veículos mais lentos e de adotando os cuidados necessários para não pôr em perigo
maior porte, quando não houver faixa especial a eles ou obstruir o trânsito dos veículos que ultrapassou;
destinada, e as da esquerda, destinadas à ultrapassagem e XII - os veículos que se deslocam sobre trilhos terão
ao deslocamento dos veículos de maior velocidade; preferência de passagem sobre os demais, respeitadas as
V - o trânsito de veículos sobre passeios, calçadas e nos normas de circulação.
acostamentos, só poderá ocorrer para que se adentre ou se XIII - (VETADO). (Incluído pela Lei nº 13.281, de
saia dos imóveis ou áreas especiais de estacionamento; 2016) (Vigência)
VI - os veículos precedidos de batedores terão § 1º As normas de ultrapassagem previstas nas alíneas
prioridade de passagem, respeitadas as demais normas de a e b do inciso X e a e b do inciso XI aplicam-se à
circulação; transposição de faixas, que pode ser realizada tanto pela
VII - os veículos destinados a socorro de incêndio e faixa da esquerda como pela da direita.
salvamento, os de polícia, os de fiscalização e operação de § 2º Respeitadas as normas de circulação e conduta
trânsito e as ambulâncias, além de prioridade de trânsito, estabelecidas neste artigo, em ordem decrescente, os
gozam de livre circulação, estacionamento e parada, veículos de maior porte serão sempre responsáveis pela
quando em serviço de urgência e devidamente segurança dos menores, os motorizados pelos não
identificados por dispositivos regulamentares de alarme motorizados e, juntos, pela incolumidade dos pedestres.
sonoro e iluminação vermelha intermitente, observadas as Art. 30. Todo condutor, ao perceber que outro que o
seguintes disposições: segue tem o propósito de ultrapassá-lo, deverá:
a) quando os dispositivos estiverem acionados, I - se estiver circulando pela faixa da esquerda,
indicando a proximidade dos veículos, todos os condutores deslocar-se para a faixa da direita, sem acelerar a marcha;
deverão deixar livre a passagem pela faixa da esquerda, II - se estiver circulando pelas demais faixas, manter-se
indo para a direita da via e parando, se necessário; naquela na qual está circulando, sem acelerar a marcha.
b) os pedestres, ao ouvir o alarme sonoro, deverão Parágrafo único. Os veículos mais lentos, quando em
aguardar no passeio, só atravessando a via quando o fila, deverão manter distância suficiente entre si para
veículo já tiver passado pelo local; permitir que veículos que os ultrapassem possam se
c) o uso de dispositivos de alarme sonoro e de intercalar na fila com segurança.
iluminação vermelha intermitente só poderá ocorrer Art. 31. O condutor que tenha o propósito de
quando da efetiva prestação de serviço de urgência; ultrapassar um veículo de transporte coletivo que esteja
d) a prioridade de passagem na via e no cruzamento parado, efetuando embarque ou desembarque de
deverá se dar com velocidade reduzida e com os devidos passageiros, deverá reduzir a velocidade, dirigindo com
cuidados de segurança, obedecidas as demais normas deste atenção redobrada ou parar o veículo com vistas à
Código; segurança dos pedestres.
VIII - os veículos prestadores de serviços de utilidade Art. 32. O condutor não poderá ultrapassar veículos em
pública, quando em atendimento na via, gozam de livre vias com duplo sentido de direção e pista única, nos trechos
parada e estacionamento no local da prestação de serviço, em curvas e em aclives sem visibilidade suficiente, nas
desde que devidamente sinalizados, devendo estar passagens de nível, nas pontes e viadutos e nas travessias
identificados na forma estabelecida pelo CONTRAN; de pedestres, exceto quando houver sinalização permitindo
IX - a ultrapassagem de outro veículo em movimento a ultrapassagem.
deverá ser feita pela esquerda, obedecida a sinalização Art. 33. Nas interseções e suas proximidades, o
regulamentar e as demais normas estabelecidas neste condutor não poderá efetuar ultrapassagem.
Código, exceto quando o veículo a ser ultrapassado estiver Art. 34. O condutor que queira executar uma manobra
sinalizando o propósito de entrar à esquerda; deverá certificar-se de que pode executá-la sem perigo para
X - todo condutor deverá, antes de efetuar uma os demais usuários da via que o seguem, precedem ou vão
ultrapassagem, certificar-se de que: cruzar com ele, considerando sua posição, sua direção e sua
a) nenhum condutor que venha atrás haja começado velocidade.
uma manobra para ultrapassá-lo; Art. 35. Antes de iniciar qualquer manobra que
b) quem o precede na mesma faixa de trânsito não implique um deslocamento lateral, o condutor deverá
haja indicado o propósito de ultrapassar um terceiro; indicar seu propósito de forma clara e com a devida
c) a faixa de trânsito que vai tomar esteja livre numa antecedência, por meio da luz indicadora de direção de seu
extensão suficiente para que sua manobra não ponha em veículo, ou fazendo gesto convencional de braço.
perigo ou obstrua o trânsito que venha em sentido Parágrafo único. Entende-se por deslocamento lateral
contrário; a transposição de faixas, movimentos de conversão à
XI - todo condutor ao efetuar a ultrapassagem deverá: direita, à esquerda e retornos.
a) indicar com antecedência a manobra pretendida, Art. 36. O condutor que for ingressar numa via,
acionando a luz indicadora de direção do veículo ou por procedente de um lote lindeiro a essa via, deverá dar
meio de gesto convencional de braço; preferência aos veículos e pedestres que por ela estejam
b) afastar-se do usuário ou usuários aos quais transitando.
ultrapassa, de tal forma que deixe livre uma distância Art. 37. Nas vias providas de acostamento, a conversão
lateral de segurança; à esquerda e a operação de retorno deverão ser feitas nos
c) retomar, após a efetivação da manobra, a faixa de locais apropriados e, onde estes não existirem, o condutor
trânsito de origem, acionando a luz indicadora de direção deverá aguardar no acostamento, à direita, para cruzar a
do veículo ou fazendo gesto convencional de braço, pista com segurança.

Câmara Municipal de São Jerônimo 72 Motorista


Art. 38. Antes de entrar à direita ou à esquerda, em Art. 43. Ao regular a velocidade, o condutor deverá
outra via ou em lotes lindeiros, o condutor deverá: observar constantemente as condições físicas da via, do
I - ao sair da via pelo lado direito, aproximar-se o veículo e da carga, as condições meteorológicas e a
máximo possível do bordo direito da pista e executar sua intensidade do trânsito, obedecendo aos limites máximos
manobra no menor espaço possível; de velocidade estabelecidos para a via, além de:
II - ao sair da via pelo lado esquerdo, aproximar-se o I - não obstruir a marcha normal dos demais veículos
máximo possível de seu eixo ou da linha divisória da pista, em circulação sem causa justificada, transitando a uma
quando houver, caso se trate de uma pista com circulação velocidade anormalmente reduzida;
nos dois sentidos, ou do bordo esquerdo, tratando-se de II - sempre que quiser diminuir a velocidade de seu
uma pista de um só sentido. veículo deverá antes certificar-se de que pode fazê-lo sem
Parágrafo único. Durante a manobra de mudança de risco nem inconvenientes para os outros condutores, a não
direção, o condutor deverá ceder passagem aos pedestres e ser que haja perigo iminente;
ciclistas, aos veículos que transitem em sentido contrário III - indicar, de forma clara, com a antecedência
pela pista da via da qual vai sair, respeitadas as normas de necessária e a sinalização devida, a manobra de redução de
preferência de passagem. velocidade.
Art. 39. Nas vias urbanas, a operação de retorno Art. 44. Ao aproximar-se de qualquer tipo de
deverá ser feita nos locais para isto determinados, quer por cruzamento, o condutor do veículo deve demonstrar
meio de sinalização, quer pela existência de locais prudência especial, transitando em velocidade moderada,
apropriados, ou, ainda, em outros locais que ofereçam de forma que possa deter seu veículo com segurança para
condições de segurança e fluidez, observadas as dar passagem a pedestre e a veículos que tenham o direito
características da via, do veículo, das condições de preferência.
meteorológicas e da movimentação de pedestres e ciclistas. Art. 45. Mesmo que a indicação luminosa do semáforo
Art. 40. O uso de luzes em veículo obedecerá às lhe seja favorável, nenhum condutor pode entrar em uma
seguintes determinações: interseção se houver possibilidade de ser obrigado a
I - o condutor manterá acesos os faróis do veículo, imobilizar o veículo na área do cruzamento, obstruindo ou
utilizando luz baixa, durante a noite e durante o dia nos impedindo a passagem do trânsito transversal.
túneis providos de iluminação pública e nas rodovias; Art. 46. Sempre que for necessária a imobilização
(Redação dada pela Lei nº 13.290, de 2016) (Vigência) temporária de um veículo no leito viário, em situação de
II - nas vias não iluminadas o condutor deve usar luz emergência, deverá ser providenciada a imediata
alta, exceto ao cruzar com outro veículo ou ao segui-lo; sinalização de advertência, na forma estabelecida pelo
III - a troca de luz baixa e alta, de forma intermitente e CONTRAN.
por curto período de tempo, com o objetivo de advertir Art. 47. Quando proibido o estacionamento na via, a
outros motoristas, só poderá ser utilizada para indicar a parada deverá restringir-se ao tempo indispensável para
intenção de ultrapassar o veículo que segue à frente ou embarque ou desembarque de passageiros, desde que não
para indicar a existência de risco à segurança para os interrompa ou perturbe o fluxo de veículos ou a locomoção
veículos que circulam no sentido contrário; de pedestres.
IV - o condutor manterá acesas pelo menos as luzes de Parágrafo único. A operação de carga ou descarga será
posição do veículo quando sob chuva forte, neblina ou regulamentada pelo órgão ou entidade com circunscrição
cerração; sobre a via e é considerada estacionamento.
V - O condutor utilizará o pisca-alerta nas seguintes Art. 48. Nas paradas, operações de carga ou descarga e
situações: nos estacionamentos, o veículo deverá ser posicionado no
a) em imobilizações ou situações de emergência; sentido do fluxo, paralelo ao bordo da pista de rolamento e
b) quando a regulamentação da via assim o junto à guia da calçada (meio-fio), admitidas as exceções
determinar; devidamente sinalizadas.
VI - durante a noite, em circulação, o condutor § 1º Nas vias providas de acostamento, os veículos
manterá acesa a luz de placa; parados, estacionados ou em operação de carga ou
VII - o condutor manterá acesas, à noite, as luzes de descarga deverão estar situados fora da pista de rolamento.
posição quando o veículo estiver parado para fins de § 2º O estacionamento dos veículos motorizados de
embarque ou desembarque de passageiros e carga ou duas rodas será feito em posição perpendicular à guia da
descarga de mercadorias. calçada (meio-fio) e junto a ela, salvo quando houver
Parágrafo único. Os veículos de transporte coletivo sinalização que determine outra condição.
regular de passageiros, quando circularem em faixas § 3º O estacionamento dos veículos sem abandono do
próprias a eles destinadas, e os ciclos motorizados deverão condutor poderá ser feito somente nos locais previstos
utilizar-se de farol de luz baixa durante o dia e a noite. neste Código ou naqueles regulamentados por sinalização
Art. 41. O condutor de veículo só poderá fazer uso de específica.
buzina, desde que em toque breve, nas seguintes situações: Art. 49. O condutor e os passageiros não deverão abrir
I - para fazer as advertências necessárias a fim de evitar a porta do veículo, deixá-la aberta ou descer do veículo sem
acidentes; antes se certificarem de que isso não constitui perigo para
II - fora das áreas urbanas, quando for conveniente eles e para outros usuários da via.
advertir a um condutor que se tem o propósito de Parágrafo único. O embarque e o desembarque devem
ultrapassá-lo. ocorrer sempre do lado da calçada, exceto para o condutor.
Art. 42. Nenhum condutor deverá frear bruscamente Art. 50. O uso de faixas laterais de domínio e das áreas
seu veículo, salvo por razões de segurança. adjacentes às estradas e rodovias obedecerá às condições
Câmara Municipal de São Jerônimo 73 Motorista
de segurança do trânsito estabelecidas pelo órgão ou I - vias urbanas:
entidade com circunscrição sobre a via. a) via de trânsito rápido;
Art. 51. Nas vias internas pertencentes a condomínios b) via arterial;
constituídos por unidades autônomas, a sinalização de c) via coletora;
regulamentação da via será implantada e mantida às d) via local;
expensas do condomínio, após aprovação dos projetos pelo II - vias rurais:
órgão ou entidade com circunscrição sobre a via. a) rodovias;
Art. 52. Os veículos de tração animal serão conduzidos b) estradas.
pela direita da pista, junto à guia da calçada (meio-fio) ou Art. 61. A velocidade máxima permitida para a via será
acostamento, sempre que não houver faixa especial a eles indicada por meio de sinalização, obedecidas suas
destinada, devendo seus condutores obedecer, no que características técnicas e as condições de trânsito.
couber, às normas de circulação previstas neste Código e às § 1º Onde não existir sinalização regulamentadora, a
que vierem a ser fixadas pelo órgão ou entidade com velocidade máxima será de:
circunscrição sobre a via. I - nas vias urbanas:
Art. 53. Os animais isolados ou em grupos só podem a) oitenta quilômetros por hora, nas vias de trânsito
circular nas vias quando conduzidos por um guia, rápido:
observado o seguinte: b) sessenta quilômetros por hora, nas vias arteriais;
I - para facilitar os deslocamentos, os rebanhos c) quarenta quilômetros por hora, nas vias coletoras;
deverão ser divididos em grupos de tamanho moderado e d) trinta quilômetros por hora, nas vias locais;
separados uns dos outros por espaços suficientes para não II - nas vias rurais:
obstruir o trânsito; a) nas rodovias de pista dupla: (Redação dada pela
II - os animais que circularem pela pista de rolamento Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
deverão ser mantidos junto ao bordo da pista. 1. 110 km/h (cento e dez quilômetros por hora) para
Art. 54. Os condutores de motocicletas, motonetas e automóveis, camionetas e motocicletas; (Redação
ciclomotores só poderão circular nas vias: dada pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
I - utilizando capacete de segurança, com viseira ou 2. 90 km/h (noventa quilômetros por hora) para os
óculos protetores; demais veículos; (Redação dada pela Lei nº 13.281, de
II - segurando o guidom com as duas mãos; 2016) (Vigência)
III - usando vestuário de proteção, de acordo com as 3. (revogado); (Redação dada pela Lei nº 13.281, de
especificações do CONTRAN. 2016) (Vigência)
Art. 55. Os passageiros de motocicletas, motonetas e b) nas rodovias de pista simples: (Redação dada
ciclomotores só poderão ser transportados: pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
I - utilizando capacete de segurança; 1. 100 km/h (cem quilômetros por hora) para
II - em carro lateral acoplado aos veículos ou em automóveis, camionetas e motocicletas; (Invcluído
assento suplementar atrás do condutor; pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
III - usando vestuário de proteção, de acordo com as 2. 90 km/h (noventa quilômetros por hora) para os
especificações do CONTRAN. demais veículos; (Invcluído pela Lei nº 13.281, de
Art. 56. (VETADO) 2016) (Vigência)
Art. 57. Os ciclomotores devem ser conduzidos pela c) nas estradas: 60 km/h (sessenta quilômetros por
direita da pista de rolamento, preferencialmente no centro hora). (Invcluído pela Lei nº 13.281, de 2016)
da faixa mais à direita ou no bordo direito da pista sempre (Vigência)
que não houver acostamento ou faixa própria a eles § 2º O órgão ou entidade de trânsito ou rodoviário com
destinada, proibida a sua circulação nas vias de trânsito circunscrição sobre a via poderá regulamentar, por meio de
rápido e sobre as calçadas das vias urbanas. sinalização, velocidades superiores ou inferiores àquelas
Parágrafo único. Quando uma via comportar duas ou estabelecidas no parágrafo anterior.
mais faixas de trânsito e a da direita for destinada ao uso Art. 62. A velocidade mínima não poderá ser inferior à
exclusivo de outro tipo de veículo, os ciclomotores deverão metade da velocidade máxima estabelecida, respeitadas as
circular pela faixa adjacente à da direita. condições operacionais de trânsito e da via.
Art. 58. Nas vias urbanas e nas rurais de pista dupla, a Art. 63. (VETADO)
circulação de bicicletas deverá ocorrer, quando não houver Art. 64. As crianças com idade inferior a dez anos
ciclovia, ciclofaixa, ou acostamento, ou quando não for devem ser transportadas nos bancos traseiros, salvo
possível a utilização destes, nos bordos da pista de exceções regulamentadas pelo CONTRAN.
rolamento, no mesmo sentido de circulação regulamentado Art. 65. É obrigatório o uso do cinto de segurança para
para a via, com preferência sobre os veículos automotores. condutor e passageiros em todas as vias do território
Parágrafo único. A autoridade de trânsito com nacional, salvo em situações regulamentadas pelo
circunscrição sobre a via poderá autorizar a circulação de CONTRAN.
bicicletas no sentido contrário ao fluxo dos veículos Art. 66. (VETADO)
automotores, desde que dotado o trecho com ciclofaixa. Art. 67. As provas ou competições desportivas,
Art. 59. Desde que autorizado e devidamente inclusive seus ensaios, em via aberta à circulação, só
sinalizado pelo órgão ou entidade com circunscrição sobre poderão ser realizadas mediante prévia permissão da
a via, será permitida a circulação de bicicletas nos passeios. autoridade de trânsito com circunscrição sobre a via e
Art. 60. As vias abertas à circulação, de acordo com sua dependerão de:
utilização, classificam-se em:
Câmara Municipal de São Jerônimo 74 Motorista
I - autorização expressa da respectiva confederação atendimento demandados, desde que não haja
desportiva ou de entidades estaduais a ela filiadas; comprometimento da segurança rodoviária. (Incluído
II - caução ou fiança para cobrir possíveis danos pela Lei nº 13.103, de 2015) (Vigência)
materiais à via; § 3o O condutor é obrigado, dentro do período de 24
III - contrato de seguro contra riscos e acidentes em (vinte e quatro) horas, a observar o mínimo de 11 (onze)
favor de terceiros; horas de descanso, que podem ser fracionadas, usufruídas
IV - prévio recolhimento do valor correspondente aos no veículo e coincidir com os intervalos mencionados no §
custos operacionais em que o órgão ou entidade 1o, observadas no primeiro período 8 (oito) horas
permissionária incorrerá. ininterruptas de descanso. (Incluído pela Lei nº
Parágrafo único. A autoridade com circunscrição sobre 13.103, de 2015) (Vigência)
a via arbitrará os valores mínimos da caução ou fiança e do § 4o Entende-se como tempo de direção ou de
contrato de seguro. condução apenas o período em que o condutor estiver
CAPÍTULO III-A efetivamente ao volante, em curso entre a origem e o
(Incluído Lei nº 12.619, de 2012) (Vigência) destino. (Incluído pela Lei nº 13.103, de 2015)
DA CONDUÇÃO DE VEÍCULOS POR MOTORISTAS (Vigência)
PROFISSIONAIS § 5o Entende-se como início de viagem a partida do
Art. 67-A. O disposto neste Capítulo aplica-se aos veículo na ida ou no retorno, com ou sem carga,
motoristas profissionais: (Redação dada pela Lei nº considerando-se como sua continuação as partidas nos dias
13.103, de 2015) (Vigência) subsequentes até o destino. (Incluído pela Lei nº
I - de transporte rodoviário coletivo de passageiros; 13.103, de 2015) (Vigência)
(Incluído pela Lei nº 13.103, de 2015) (Vigência) § 6o O condutor somente iniciará uma viagem após o
II - de transporte rodoviário de cargas. (Incluído cumprimento integral do intervalo de descanso previsto no
pela Lei nº 13.103, de 2015) (Vigência) § 3o deste artigo. (Incluído pela Lei nº 13.103, de
§ 1o (Revogado). (Redação dada pela Lei nº 2015) (Vigência)
13.103, de 2015) (Vigência) § 7o Nenhum transportador de cargas ou coletivo de
§ 2o (Revogado). (Redação dada pela Lei nº passageiros, embarcador, consignatário de cargas,
13.103, de 2015) (Vigência) operador de terminais de carga, operador de transporte
§ 3o (Revogado). (Redação dada pela Lei nº multimodal de cargas ou agente de cargas ordenará a
13.103, de 2015) (Vigência) qualquer motorista a seu serviço, ainda que subcontratado,
§ 4o (Revogado). (Redação dada pela Lei nº que conduza veículo referido no caput sem a observância
13.103, de 2015) (Vigência) do disposto no § 6o. (Incluído pela Lei nº 13.103, de
§ 5o (Revogado). (Redação dada pela Lei nº 2015) (Vigência)
13.103, de 2015) (Vigência) Art. 67-D. (VETADO). (Incluído Lei nº 12.619, de
§ 6o (Revogado). (Redação dada pela Lei nº 2012) (Vigência)
13.103, de 2015) (Vigência) Art. 67-E. O motorista profissional é responsável por
§ 7o (Revogado). (Redação dada pela Lei nº controlar e registrar o tempo de condução estipulado no
13.103, de 2015) (Vigência) art. 67-C, com vistas à sua estrita observância.
§ 8o (VETADO). (Incluído Lei nº 12.619, de (Incluído pela Lei nº 13.103, de 2015) (Vigência)
2012) (Vigência) § 1o A não observância dos períodos de descanso
Art 67-B. VETADO). (Incluído Lei nº 12.619, estabelecidos no art. 67-C sujeitará o motorista profissional
de 2012) (Vigência) às penalidades daí decorrentes, previstas neste Código.
Art. 67-C. É vedado ao motorista profissional dirigir (Incluído pela Lei nº 13.103, de 2015) (Vigência)
por mais de 5 (cinco) horas e meia ininterruptas veículos de § 2o O tempo de direção será controlado mediante
transporte rodoviário coletivo de passageiros ou de registrador instantâneo inalterável de velocidade e tempo
transporte rodoviário de cargas. (Redação dada pela e, ou por meio de anotação em diário de bordo, ou
Lei nº 13.103, de 2015) (Vigência) papeleta ou ficha de trabalho externo, ou por meios
§ 1o Serão observados 30 (trinta) minutos para eletrônicos instalados no veículo, conforme norma do
descanso dentro de cada 6 (seis) horas na condução de Contran. (Incluído pela Lei nº 13.103, de 2015)
veículo de transporte de carga, sendo facultado o seu (Vigência)
fracionamento e o do tempo de direção desde que não § 3o O equipamento eletrônico ou registrador deverá
ultrapassadas 5 (cinco) horas e meia contínuas no exercício funcionar de forma independente de qualquer interferência
da condução. (Incluído pela Lei nº 13.103, de 2015) do condutor, quanto aos dados registrados.
(Vigência) (Incluído pela Lei nº 13.103, de 2015) (Vigência)
§ 1o-A. Serão observados 30 (trinta) minutos para § 4o A guarda, a preservação e a exatidão das
descanso a cada 4 (quatro) horas na condução de veículo informações contidas no equipamento registrador
rodoviário de passageiros, sendo facultado o seu instantâneo inalterável de velocidade e de tempo são de
fracionamento e o do tempo de direção. (Incluído responsabilidade do condutor. (Incluído pela Lei nº
pela Lei nº 13.103, de 2015) (Vigência) 13.103, de 2015) (Vigência)
§ 2o Em situações excepcionais de inobservância CAPÍTULO IV
justificada do tempo de direção, devidamente registradas, DOS PEDESTRES E CONDUTORES DE VEÍCULOS NÃO
o tempo de direção poderá ser elevado pelo período MOTORIZADOS
necessário para que o condutor, o veículo e a carga Art. 68. É assegurada ao pedestre a utilização dos
cheguem a um lugar que ofereça a segurança e o passeios ou passagens apropriadas das vias urbanas e dos
Câmara Municipal de São Jerônimo 75 Motorista
acostamentos das vias rurais para circulação, podendo a mesmo em caso de mudança do semáforo liberando a
autoridade competente permitir a utilização de parte da passagem dos veículos.
calçada para outros fins, desde que não seja prejudicial ao Art. 71. O órgão ou entidade com circunscrição sobre a
fluxo de pedestres. via manterá, obrigatoriamente, as faixas e passagens de
§ 1º O ciclista desmontado empurrando a bicicleta pedestres em boas condições de visibilidade, higiene,
equipara-se ao pedestre em direitos e deveres. segurança e sinalização.
§ 2º Nas áreas urbanas, quando não houver passeios CAPÍTULO V
ou quando não for possível a utilização destes, a circulação DO CIDADÃO
de pedestres na pista de rolamento será feita com Art. 72. Todo cidadão ou entidade civil tem o direito de
prioridade sobre os veículos, pelos bordos da pista, em fila solicitar, por escrito, aos órgãos ou entidades do Sistema
única, exceto em locais proibidos pela sinalização e nas Nacional de Trânsito, sinalização, fiscalização e implantação
situações em que a segurança ficar comprometida. de equipamentos de segurança, bem como sugerir
§ 3º Nas vias rurais, quando não houver acostamento alterações em normas, legislação e outros assuntos
ou quando não for possível a utilização dele, a circulação de pertinentes a este Código.
pedestres, na pista de rolamento, será feita com prioridade Art. 73. Os órgãos ou entidades pertencentes ao
sobre os veículos, pelos bordos da pista, em fila única, em Sistema Nacional de Trânsito têm o dever de analisar as
sentido contrário ao deslocamento de veículos, exceto em solicitações e responder, por escrito, dentro de prazos
locais proibidos pela sinalização e nas situações em que a mínimos, sobre a possibilidade ou não de atendimento,
segurança ficar comprometida. esclarecendo ou justificando a análise efetuada, e, se
§ 4º (VETADO) pertinente, informando ao solicitante quando tal evento
§ 5º Nos trechos urbanos de vias rurais e nas obras de ocorrerá.
arte a serem construídas, deverá ser previsto passeio Parágrafo único. As campanhas de trânsito devem
destinado à circulação dos pedestres, que não deverão, esclarecer quais as atribuições dos órgãos e entidades
nessas condições, usar o acostamento. pertencentes ao Sistema Nacional de Trânsito e como
§ 6º Onde houver obstrução da calçada ou da proceder a tais solicitações.
passagem para pedestres, o órgão ou entidade com CAPÍTULO VI
circunscrição sobre a via deverá assegurar a devida DA EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO
sinalização e proteção para circulação de pedestres. Art. 74. A educação para o trânsito é direito de todos e
Art. 69. Para cruzar a pista de rolamento o pedestre constitui dever prioritário para os componentes do Sistema
tomará precauções de segurança, levando em conta, Nacional de Trânsito.
principalmente, a visibilidade, a distância e a velocidade § 1º É obrigatória a existência de coordenação
dos veículos, utilizando sempre as faixas ou passagens a ele educacional em cada órgão ou entidade componente do
destinadas sempre que estas existirem numa distância de Sistema Nacional de Trânsito.
até cinqüenta metros dele, observadas as seguintes § 2º Os órgãos ou entidades executivos de trânsito
disposições: deverão promover, dentro de sua estrutura organizacional
I - onde não houver faixa ou passagem, o cruzamento ou mediante convênio, o funcionamento de Escolas
da via deverá ser feito em sentido perpendicular ao de seu Públicas de Trânsito, nos moldes e padrões estabelecidos
eixo; pelo CONTRAN.
II - para atravessar uma passagem sinalizada para Art. 75. O CONTRAN estabelecerá, anualmente, os
pedestres ou delimitada por marcas sobre a pista: temas e os cronogramas das campanhas de âmbito
a) onde houver foco de pedestres, obedecer às nacional que deverão ser promovidas por todos os órgãos
indicações das luzes; ou entidades do Sistema Nacional de Trânsito, em especial
b) onde não houver foco de pedestres, aguardar que o nos períodos referentes às férias escolares, feriados
semáforo ou o agente de trânsito interrompa o fluxo de prolongados e à Semana Nacional de Trânsito.
veículos; § 1º Os órgãos ou entidades do Sistema Nacional de
III - nas interseções e em suas proximidades, onde não Trânsito deverão promover outras campanhas no âmbito
existam faixas de travessia, os pedestres devem atravessar de sua circunscrição e de acordo com as peculiaridades
a via na continuação da calçada, observadas as seguintes locais.
normas: § 2º As campanhas de que trata este artigo são de
a) não deverão adentrar na pista sem antes se caráter permanente, e os serviços de rádio e difusão sonora
certificar de que podem fazê-lo sem obstruir o trânsito de de sons e imagens explorados pelo poder público são
veículos; obrigados a difundi-las gratuitamente, com a freqüência
b) uma vez iniciada a travessia de uma pista, os recomendada pelos órgãos competentes do Sistema
pedestres não deverão aumentar o seu percurso, demorar- Nacional de Trânsito.
se ou parar sobre ela sem necessidade. Art. 76. A educação para o trânsito será promovida na
Art. 70. Os pedestres que estiverem atravessando a via pré-escola e nas escolas de 1º, 2º e 3º graus, por meio de
sobre as faixas delimitadas para esse fim terão prioridade planejamento e ações coordenadas entre os órgãos e
de passagem, exceto nos locais com sinalização semafórica, entidades do Sistema Nacional de Trânsito e de Educação,
onde deverão ser respeitadas as disposições deste Código. da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios,
Parágrafo único. Nos locais em que houver sinalização nas respectivas áreas de atuação.
semafórica de controle de passagem será dada preferência Parágrafo único. Para a finalidade prevista neste artigo,
aos pedestres que não tenham concluído a travessia, o Ministério da Educação e do Desporto, mediante
proposta do CONTRAN e do Conselho de Reitores das
Câmara Municipal de São Jerônimo 76 Motorista
Universidades Brasileiras, diretamente ou mediante da respectiva faixa de domínio, a obrigação prevista no art.
convênio, promoverá: 77-B estende-se à propaganda de qualquer tipo de produto
I - a adoção, em todos os níveis de ensino, de um e anunciante, inclusive àquela de caráter institucional ou
currículo interdisciplinar com conteúdo programático sobre eleitoral. (Incluído pela Lei nº 12.006, de 2009).
segurança de trânsito; Art. 77-D. O Conselho Nacional de Trânsito (Contran)
II - a adoção de conteúdos relativos à educação para o especificará o conteúdo e o padrão de apresentação das
trânsito nas escolas de formação para o magistério e o mensagens, bem como os procedimentos envolvidos na
treinamento de professores e multiplicadores; respectiva veiculação, em conformidade com as diretrizes
III - a criação de corpos técnicos interprofissionais para fixadas para as campanhas educativas de trânsito a que se
levantamento e análise de dados estatísticos relativos ao refere o art. 75. (Incluído pela Lei nº 12.006, de 2009).
trânsito; Art. 77-E. A veiculação de publicidade feita em
IV - a elaboração de planos de redução de acidentes de desacordo com as condições fixadas nos arts. 77-A a 77-D
trânsito junto aos núcleos interdisciplinares universitários constitui infração punível com as seguintes sanções:
de trânsito, com vistas à integração universidades- (Incluído pela Lei nº 12.006, de 2009).
sociedade na área de trânsito. I – advertência por escrito; (Incluído pela Lei nº
Art. 77. No âmbito da educação para o trânsito caberá 12.006, de 2009).
ao Ministério da Saúde, mediante proposta do CONTRAN, II – suspensão, nos veículos de divulgação da
estabelecer campanha nacional esclarecendo condutas a publicidade, de qualquer outra propaganda do produto,
serem seguidas nos primeiros socorros em caso de acidente pelo prazo de até 60 (sessenta) dias; (Incluído pela Lei
de trânsito. nº 12.006, de 2009).
Parágrafo único. As campanhas terão caráter III - multa de R$ 1.627,00 (mil, seiscentos e vinte e sete
permanente por intermédio do Sistema Único de Saúde - reais) a R$ 8.135,00 (oito mil, cento e trinta e cinco reais),
SUS, sendo intensificadas nos períodos e na forma cobrada do dobro até o quíntuplo em caso de
estabelecidos no art. 76. reincidência. (Redação dada pela Lei nº 13.281, de
Art. 77-A. São assegurados aos órgãos ou entidades 2016) (Vigência)
componentes do Sistema Nacional de Trânsito os § 1o As sanções serão aplicadas isolada ou
mecanismos instituídos nos arts. 77-B a 77-E para a cumulativamente, conforme dispuser o regulamento.
veiculação de mensagens educativas de trânsito em todo o (Incluído pela Lei nº 12.006, de 2009).
território nacional, em caráter suplementar às campanhas § 2o Sem prejuízo do disposto no caput deste artigo,
previstas nos arts. 75 e 77. (Incluído pela Lei nº qualquer infração acarretará a imediata suspensão da
12.006, de 2009). veiculação da peça publicitária até que sejam cumpridas as
Art. 77-B. Toda peça publicitária destinada à exigências fixadas nos arts. 77-A a 77-D. (Incluído pela
divulgação ou promoção, nos meios de comunicação social, Lei nº 12.006, de 2009).
de produto oriundo da indústria automobilística ou afim, Art. 78. Os Ministérios da Saúde, da Educação e do
incluirá, obrigatoriamente, mensagem educativa de trânsito Desporto, do Trabalho, dos Transportes e da Justiça, por
a ser conjuntamente veiculada. (Incluído pela Lei nº intermédio do CONTRAN, desenvolverão e implementarão
12.006, de 2009). programas destinados à prevenção de acidentes.
§ 1o Para os efeitos dos arts. 77-A a 77-E, consideram- Parágrafo único. O percentual de dez por cento do
se produtos oriundos da indústria automobilística ou total dos valores arrecadados destinados à Previdência
afins: (Incluído pela Lei nº 12.006, de 2009). Social, do Prêmio do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais
I – os veículos rodoviários automotores de qualquer causados por Veículos Automotores de Via Terrestre -
espécie, incluídos os de passageiros e os de carga; DPVAT, de que trata a Lei nº 6.194, de 19 de dezembro de
(Incluído pela Lei nº 12.006, de 2009). 1974, serão repassados mensalmente ao Coordenador do
II – os componentes, as peças e os acessórios utilizados Sistema Nacional de Trânsito para aplicação exclusiva em
nos veículos mencionados no inciso I. (Incluído pela programas de que trata este artigo.
Lei nº 12.006, de 2009). Art. 79. Os órgãos e entidades executivos de trânsito
§ 2o O disposto no caput deste artigo aplica-se à poderão firmar convênio com os órgãos de educação da
propaganda de natureza comercial, veiculada por iniciativa União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios,
do fabricante do produto, em qualquer das seguintes objetivando o cumprimento das obrigações estabelecidas
modalidades: (Incluído pela Lei nº 12.006, de 2009). neste capítulo.
I – rádio; (Incluído pela Lei nº 12.006, de 2009). CAPÍTULO VII
II – televisão; (Incluído pela Lei nº 12.006, de DA SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO
2009). Art. 80. Sempre que necessário, será colocada ao longo
III – jornal; (Incluído pela Lei nº 12.006, de 2009). da via, sinalização prevista neste Código e em legislação
IV – revista; (Incluído pela Lei nº 12.006, de 2009). complementar, destinada a condutores e pedestres,
V – outdoor. (Incluído pela Lei nº 12.006, de 2009). vedada a utilização de qualquer outra.
§ 3o Para efeito do disposto no § 2o, equiparam-se ao § 1º A sinalização será colocada em posição e
fabricante o montador, o encarroçador, o importador e o condições que a tornem perfeitamente visível e legível
revendedor autorizado dos veículos e demais produtos durante o dia e a noite, em distância compatível com a
discriminados no § 1o deste artigo. (Incluído pela Lei nº segurança do trânsito, conforme normas e especificações
12.006, de 2009). do CONTRAN.
Art. 77-C. Quando se tratar de publicidade veiculada
em outdoor instalado à margem de rodovia, dentro ou fora
Câmara Municipal de São Jerônimo 77 Motorista
§ 2º O CONTRAN poderá autorizar, em caráter Art. 90. Não serão aplicadas as sanções previstas neste
experimental e por período prefixado, a utilização de Código por inobservância à sinalização quando esta for
sinalização não prevista neste Código. insuficiente ou incorreta.
§ 3º A responsabilidade pela instalação da sinalização § 1º O órgão ou entidade de trânsito com circunscrição
nas vias internas pertencentes aos condomínios sobre a via é responsável pela implantação da sinalização,
constituídos por unidades autônomas e nas vias e áreas de respondendo pela sua falta, insuficiência ou incorreta
estacionamento de estabelecimentos privados de uso colocação.
coletivo é de seu proprietário. (Incluído pela Lei nº § 2º O CONTRAN editará normas complementares no
13.281, de 2016) (Vigência) que se refere à interpretação, colocação e uso da
Art. 81. Nas vias públicas e nos imóveis é proibido sinalização.
colocar luzes, publicidade, inscrições, vegetação e CAPÍTULO VIII
mobiliário que possam gerar confusão, interferir na DA ENGENHARIA DE TRÁFEGO, DA OPERAÇÃO, DA
visibilidade da sinalização e comprometer a segurança do FISCALIZAÇÃO E DO POLICIAMENTO OSTENSIVO DE
trânsito. TRÂNSITO
Art. 82. É proibido afixar sobre a sinalização de trânsito Art. 91. O CONTRAN estabelecerá as normas e
e respectivos suportes, ou junto a ambos, qualquer tipo de regulamentos a serem adotados em todo o território
publicidade, inscrições, legendas e símbolos que não se nacional quando da implementação das soluções adotadas
relacionem com a mensagem da sinalização. pela Engenharia de Tráfego, assim como padrões a serem
Art. 83. A afixação de publicidade ou de quaisquer praticados por todos os órgãos e entidades do Sistema
legendas ou símbolos ao longo das vias condiciona-se à Nacional de Trânsito.
prévia aprovação do órgão ou entidade com circunscrição Art. 92. (VETADO)
sobre a via. Art. 93. Nenhum projeto de edificação que possa
Art. 84. O órgão ou entidade de trânsito com transformar-se em pólo atrativo de trânsito poderá ser
circunscrição sobre a via poderá retirar ou determinar a aprovado sem prévia anuência do órgão ou entidade com
imediata retirada de qualquer elemento que prejudique a circunscrição sobre a via e sem que do projeto conste área
visibilidade da sinalização viária e a segurança do trânsito, para estacionamento e indicação das vias de acesso
com ônus para quem o tenha colocado. adequadas.
Art. 85. Os locais destinados pelo órgão ou entidade de Art. 94. Qualquer obstáculo à livre circulação e à
trânsito com circunscrição sobre a via à travessia de segurança de veículos e pedestres, tanto na via quanto na
pedestres deverão ser sinalizados com faixas pintadas ou calçada, caso não possa ser retirado, deve ser devida e
demarcadas no leito da via. imediatamente sinalizado.
Art. 86. Os locais destinados a postos de gasolina, Parágrafo único. É proibida a utilização das ondulações
oficinas, estacionamentos ou garagens de uso coletivo transversais e de sonorizadores como redutores de
deverão ter suas entradas e saídas devidamente velocidade, salvo em casos especiais definidos pelo órgão
identificadas, na forma regulamentada pelo CONTRAN. ou entidade competente, nos padrões e critérios
Art. 86-A. As vagas de estacionamento regulamentado estabelecidos pelo CONTRAN.
de que trata o inciso XVII do art. 181 desta Lei deverão ser Art. 95. Nenhuma obra ou evento que possa perturbar
sinalizadas com as respectivas placas indicativas de ou interromper a livre circulação de veículos e pedestres,
destinação e com placas informando os dados sobre a ou colocar em risco sua segurança, será iniciada sem
infração por estacionamento indevido. (Incluído pela permissão prévia do órgão ou entidade de trânsito com
Lei nº 13.146, de 2015) (Vigência) circunscrição sobre a via.
Art. 87. Os sinais de trânsito classificam-se em: § 1º A obrigação de sinalizar é do responsável pela
I - verticais; execução ou manutenção da obra ou do evento.
II - horizontais; § 2º Salvo em casos de emergência, a autoridade de
III - dispositivos de sinalização auxiliar; trânsito com circunscrição sobre a via avisará a
IV - luminosos; comunidade, por intermédio dos meios de comunicação
V - sonoros; social, com quarenta e oito horas de antecedência, de
VI - gestos do agente de trânsito e do condutor. qualquer interdição da via, indicando-se os caminhos
Art. 88. Nenhuma via pavimentada poderá ser alternativos a serem utilizados.
entregue após sua construção, ou reaberta ao trânsito após § 3º O descumprimento do disposto neste artigo será
a realização de obras ou de manutenção, enquanto não punido com multa de R$ 81,35 (oitenta e um reais e trinta e
estiver devidamente sinalizada, vertical e horizontalmente, cinco centavos) a R$ 488,10 (quatrocentos e oitenta e oito
de forma a garantir as condições adequadas de segurança reais e dez centavos), independentemente das cominações
na circulação. cíveis e penais cabíveis, além de multa diária no mesmo
Parágrafo único. Nas vias ou trechos de vias em obras valor até a regularização da situação, a partir do prazo final
deverá ser afixada sinalização específica e adequada. concedido pela autoridade de trânsito, levando-se em
Art. 89. A sinalização terá a seguinte ordem de consideração a dimensão da obra ou do evento e o prejuízo
prevalência: causado ao trânsito. (Redação pela Lei nº 13.281, de
I - as ordens do agente de trânsito sobre as normas de 2016) (Vigência)
circulação e outros sinais; § 4º Ao servidor público responsável pela
II - as indicações do semáforo sobre os demais sinais; inobservância de qualquer das normas previstas neste e
III - as indicações dos sinais sobre as demais normas de nos arts. 93 e 94, a autoridade de trânsito aplicará multa
trânsito. diária na base de cinqüenta por cento do dia de vencimento
Câmara Municipal de São Jerônimo 78 Motorista
ou remuneração devida enquanto permanecer a Art. 98. Nenhum proprietário ou responsável poderá,
irregularidade. sem prévia autorização da autoridade competente, fazer ou
CAPÍTULO IX ordenar que sejam feitas no veículo modificações de suas
DOS VEÍCULOS características de fábrica.
Seção I Parágrafo único. Os veículos e motores novos ou
Disposições Gerais usados que sofrerem alterações ou conversões são
Art. 96. Os veículos classificam-se em: obrigados a atender aos mesmos limites e exigências de
I - quanto à tração: emissão de poluentes e ruído previstos pelos órgãos
a) automotor; ambientais competentes e pelo CONTRAN, cabendo à
b) elétrico; entidade executora das modificações e ao proprietário do
c) de propulsão humana; veículo a responsabilidade pelo cumprimento das
d) de tração animal; exigências.
e) reboque ou semi-reboque; Art. 99. Somente poderá transitar pelas vias terrestres
II - quanto à espécie: o veículo cujo peso e dimensões atenderem aos limites
a) de passageiros: estabelecidos pelo CONTRAN.
1 - bicicleta; § 1º O excesso de peso será aferido por equipamento
2 - ciclomotor; de pesagem ou pela verificação de documento fiscal, na
3 - motoneta; forma estabelecida pelo CONTRAN.
4 - motocicleta; § 2º Será tolerado um percentual sobre os limites de
5 - triciclo; peso bruto total e peso bruto transmitido por eixo de
6 - quadriciclo; veículos à superfície das vias, quando aferido por
7 - automóvel; equipamento, na forma estabelecida pelo CONTRAN.
8 - microônibus; § 3º Os equipamentos fixos ou móveis utilizados na
9 - ônibus; pesagem de veículos serão aferidos de acordo com a
10 - bonde; metodologia e na periodicidade estabelecidas pelo
11 - reboque ou semi-reboque; CONTRAN, ouvido o órgão ou entidade de metrologia legal.
12 - charrete; Art. 100. Nenhum veículo ou combinação de veículos
b) de carga: poderá transitar com lotação de passageiros, com peso
1 - motoneta; bruto total, ou com peso bruto total combinado com peso
2 - motocicleta; por eixo, superior ao fixado pelo fabricante, nem
3 - triciclo; ultrapassar a capacidade máxima de tração da unidade
4 - quadriciclo; tratora.
5 - caminhonete; § 1º Os veículos de transporte coletivo de passageiros
6 - caminhão; poderão ser dotados de pneus extralargos. (Incluído
7 - reboque ou semi-reboque; pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
8 - carroça; § 2º O Contran regulamentará o uso de pneus
9 - carro-de-mão; extralargos para os demais veículos. (Incluído pela Lei
c) misto: nº 13.281, de 2016) (Vigência)
1 - camioneta; § 3º É permitida a fabricação de veículos de transporte
2 - utilitário; de passageiros de até 15 m (quinze metros) de
3 - outros; comprimento na configuração de chassi 8x2. (Incluído
d) de competição; pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
e) de tração: Art. 101. Ao veículo ou combinação de veículos
1 - caminhão-trator; utilizado no transporte de carga indivisível, que não se
2 - trator de rodas; enquadre nos limites de peso e dimensões estabelecidos
3 - trator de esteiras; pelo CONTRAN, poderá ser concedida, pela autoridade com
4 - trator misto; circunscrição sobre a via, autorização especial de trânsito,
f) especial; com prazo certo, válida para cada viagem, atendidas as
g) de coleção; medidas de segurança consideradas necessárias.
III - quanto à categoria: § 1º A autorização será concedida mediante
a) oficial; requerimento que especificará as características do veículo
b) de representação diplomática, de repartições ou combinação de veículos e de carga, o percurso, a data e
consulares de carreira ou organismos internacionais o horário do deslocamento inicial.
acreditados junto ao Governo brasileiro; § 2º A autorização não exime o beneficiário da
c) particular; responsabilidade por eventuais danos que o veículo ou a
d) de aluguel; combinação de veículos causar à via ou a terceiros.
e) de aprendizagem. § 3º Aos guindastes autopropelidos ou sobre
Art. 97. As características dos veículos, suas caminhões poderá ser concedida, pela autoridade com
especificações básicas, configuração e condições essenciais circunscrição sobre a via, autorização especial de trânsito,
para registro, licenciamento e circulação serão com prazo de seis meses, atendidas as medidas de
estabelecidas pelo CONTRAN, em função de suas segurança consideradas necessárias.
aplicações.

Câmara Municipal de São Jerônimo 79 Motorista


Art. 102. O veículo de carga deverá estar devidamente III - encosto de cabeça, para todos os tipos de veículos
equipado quando transitar, de modo a evitar o automotores, segundo normas estabelecidas pelo
derramamento da carga sobre a via. CONTRAN;
Parágrafo único. O CONTRAN fixará os requisitos IV - (VETADO)
mínimos e a forma de proteção das cargas de que trata este V - dispositivo destinado ao controle de emissão de
artigo, de acordo com a sua natureza. gases poluentes e de ruído, segundo normas estabelecidas
Seção II pelo CONTRAN.
Da Segurança dos Veículos VI - para as bicicletas, a campainha, sinalização noturna
Art. 103. O veículo só poderá transitar pela via quando dianteira, traseira, lateral e nos pedais, e espelho retrovisor
atendidos os requisitos e condições de segurança do lado esquerdo.
estabelecidos neste Código e em normas do CONTRAN. VII - equipamento suplementar de retenção - air bag
§ 1º Os fabricantes, os importadores, os montadores e frontal para o condutor e o passageiro do banco
os encarroçadores de veículos deverão emitir certificado de dianteiro. (Incluído pela Lei nº 11.910, de 2009)
segurança, indispensável ao cadastramento no RENAVAM, § 1º O CONTRAN disciplinará o uso dos equipamentos
nas condições estabelecidas pelo CONTRAN. obrigatórios dos veículos e determinará suas especificações
§ 2º O CONTRAN deverá especificar os procedimentos técnicas.
e a periodicidade para que os fabricantes, os importadores, § 2º Nenhum veículo poderá transitar com
os montadores e os encarroçadores comprovem o equipamento ou acessório proibido, sendo o infrator
atendimento aos requisitos de segurança veicular, sujeito às penalidades e medidas administrativas previstas
devendo, para isso, manter disponíveis a qualquer tempo neste Código.
os resultados dos testes e ensaios dos sistemas e § 3º Os fabricantes, os importadores, os montadores,
componentes abrangidos pela legislação de segurança os encarroçadores de veículos e os revendedores devem
veicular. comercializar os seus veículos com os equipamentos
Art. 104. Os veículos em circulação terão suas obrigatórios definidos neste artigo, e com os demais
condições de segurança, de controle de emissão de gases estabelecidos pelo CONTRAN.
poluentes e de ruído avaliadas mediante inspeção, que será § 4º O CONTRAN estabelecerá o prazo para o
obrigatória, na forma e periodicidade estabelecidas pelo atendimento do disposto neste artigo.
CONTRAN para os itens de segurança e pelo CONAMA para § 5o A exigência estabelecida no inciso VII do caput
emissão de gases poluentes e ruído. deste artigo será progressivamente incorporada aos novos
§ 1º (VETADO) projetos de automóveis e dos veículos deles derivados,
§ 2º (VETADO) fabricados, importados, montados ou encarroçados, a
§ 3º (VETADO) partir do 1o (primeiro) ano após a definição pelo Contran
§ 4º (VETADO) das especificações técnicas pertinentes e do respectivo
§ 5º Será aplicada a medida administrativa de retenção cronograma de implantação e a partir do 5o (quinto) ano,
aos veículos reprovados na inspeção de segurança e na de após esta definição, para os demais automóveis zero
emissão de gases poluentes e ruído. quilômetro de modelos ou projetos já existentes e veículos
§ 6º Estarão isentos da inspeção de que trata o caput, deles derivados. (Incluído pela Lei nº 11.910, de 2009)
durante 3 (três) anos a partir do primeiro licenciamento, os § 6o A exigência estabelecida no inciso VII do caput
veículos novos classificados na categoria particular, com deste artigo não se aplica aos veículos destinados à
capacidade para até 7 (sete) passageiros, desde que exportação. (Incluído pela Lei nº 11.910, de 2009)
mantenham suas características originais de fábrica e não Art. 106. No caso de fabricação artesanal ou de
se envolvam em acidente de trânsito com danos de média modificação de veículo ou, ainda, quando ocorrer
ou grande monta. (Incluído pela Lei nº 13.281, de substituição de equipamento de segurança especificado
2016) (Vigência) pelo fabricante, será exigido, para licenciamento e registro,
§ 7º Para os demais veículos novos, o período de que certificado de segurança expedido por instituição técnica
trata o § 6º será de 2 (dois) anos, desde que mantenham credenciada por órgão ou entidade de metrologia legal,
suas características originais de fábrica e não se envolvam conforme norma elaborada pelo CONTRAN.
em acidente de trânsito com danos de média ou grande Art. 107. Os veículos de aluguel, destinados ao
monta. (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) transporte individual ou coletivo de passageiros, deverão
(Vigência) satisfazer, além das exigências previstas neste Código, às
Art. 105. São equipamentos obrigatórios dos veículos, condições técnicas e aos requisitos de segurança, higiene e
entre outros a serem estabelecidos pelo CONTRAN: conforto estabelecidos pelo poder competente para
I - cinto de segurança, conforme regulamentação autorizar, permitir ou conceder a exploração dessa
específica do CONTRAN, com exceção dos veículos atividade.
destinados ao transporte de passageiros em percursos em Art. 108. Onde não houver linha regular de ônibus, a
que seja permitido viajar em pé; autoridade com circunscrição sobre a via poderá autorizar,
II - para os veículos de transporte e de condução a título precário, o transporte de passageiros em veículo de
escolar, os de transporte de passageiros com mais de dez carga ou misto, desde que obedecidas as condições de
lugares e os de carga com peso bruto total superior a segurança estabelecidas neste Código e pelo CONTRAN.
quatro mil, quinhentos e trinta e seis quilogramas, Parágrafo único. A autorização citada no caput não
equipamento registrador instantâneo inalterável de poderá exceder a doze meses, prazo a partir do qual a
velocidade e tempo; autoridade pública responsável deverá implantar o serviço
regular de transporte coletivo de passageiros, em
Câmara Municipal de São Jerônimo 80 Motorista
conformidade com a legislação pertinente e com os Supremo Tribunal Federal, dos Ministros de Estado, do
dispositivos deste Código. (Incluído pela Lei nº 9.602, de Advogado-Geral da União e do Procurador-Geral da
1998) República.
Art. 109. O transporte de carga em veículos destinados § 3º Os veículos de representação dos Presidentes dos
ao transporte de passageiros só pode ser realizado de Tribunais Federais, dos Governadores, Prefeitos,
acordo com as normas estabelecidas pelo CONTRAN. Secretários Estaduais e Municipais, dos Presidentes das
Art. 110. O veículo que tiver alterada qualquer de suas Assembléias Legislativas, das Câmaras Municipais, dos
características para competição ou finalidade análoga só Presidentes dos Tribunais Estaduais e do Distrito Federal, e
poderá circular nas vias públicas com licença especial da do respectivo chefe do Ministério Público e ainda dos
autoridade de trânsito, em itinerário e horário fixados. Oficiais Generais das Forças Armadas terão placas especiais,
Art. 111. É vedado, nas áreas envidraçadas do veículo: de acordo com os modelos estabelecidos pelo CONTRAN.
I - (VETADO) § 4o Os aparelhos automotores destinados a puxar
II - o uso de cortinas, persianas fechadas ou similares ou a arrastar maquinaria de qualquer natureza ou a
nos veículos em movimento, salvo nos que possuam executar trabalhos de construção ou de pavimentação são
espelhos retrovisores em ambos os lados.
sujeitos ao registro na repartição competente, se
III - aposição de inscrições, películas refletivas ou não,
painéis decorativos ou pinturas, quando comprometer a transitarem em via pública, dispensados o licenciamento e
segurança do veículo, na forma de regulamentação do o emplacamento. (Redação dada pela Lei nº 13.154,
CONTRAN. (Incluído pela Lei nº 9.602, de 1998) de 2015) (Vide)
Parágrafo único. É proibido o uso de inscrição de § 4o-A. Os tratores e demais aparelhos automotores
caráter publicitário ou qualquer outra que possa desviar a destinados a puxar ou a arrastar maquinaria agrícola ou a
atenção dos condutores em toda a extensão do pára-brisa e executar trabalhos agrícolas, desde que facultados a
da traseira dos veículos, salvo se não colocar em risco a
transitar em via pública, são sujeitos ao registro único, sem
segurança do trânsito.
Art. 112. (Revogado pela Lei nº 9.792, de 1999) ônus, em cadastro específico do Ministério da Agricultura,
Art. 113. Os importadores, as montadoras, as Pecuária e Abastecimento, acessível aos componentes do
encarroçadoras e fabricantes de veículos e autopeças são Sistema Nacional de Trânsito. (Redação dada pela Lei
responsáveis civil e criminalmente por danos causados aos nº 13.154, de 2015) (Vide)
usuários, a terceiros, e ao meio ambiente, decorrentes de § 5º O disposto neste artigo não se aplica aos veículos
falhas oriundas de projetos e da qualidade dos materiais e de uso bélico.
equipamentos utilizados na sua fabricação. § 6º Os veículos de duas ou três rodas são dispensados
Seção III da placa dianteira.
Da Identificação do Veículo § 7o Excepcionalmente, mediante autorização
Art. 114. O veículo será identificado obrigatoriamente específica e fundamentada das respectivas corregedorias e
por caracteres gravados no chassi ou no monobloco, com a devida comunicação aos órgãos de trânsito
reproduzidos em outras partes, conforme dispuser o competentes, os veículos utilizados por membros do Poder
CONTRAN. Judiciário e do Ministério Público que exerçam
§ 1º A gravação será realizada pelo fabricante ou competência ou atribuição criminal poderão
montador, de modo a identificar o veículo, seu fabricante e temporariamente ter placas especiais, de forma a impedir a
as suas características, além do ano de fabricação, que não identificação de seus usuários específicos, na forma de
poderá ser alterado. regulamento a ser emitido, conjuntamente, pelo Conselho
§ 2º As regravações, quando necessárias, dependerão Nacional de Justiça - CNJ, pelo Conselho Nacional do
de prévia autorização da autoridade executiva de trânsito e Ministério Público - CNMP e pelo Conselho Nacional de
somente serão processadas por estabelecimento por ela Trânsito - CONTRAN. (Incluído pela Lei nº 12.694, de
credenciado, mediante a comprovação de propriedade do 2012)
veículo, mantida a mesma identificação anterior, inclusive o § 8o Os veículos artesanais utilizados para trabalho
ano de fabricação. agrícola (jericos), para efeito do registro de que trata o § 4o-
§ 3º Nenhum proprietário poderá, sem prévia A, ficam dispensados da exigência prevista no art. 106.
permissão da autoridade executiva de trânsito, fazer, ou (Incluído pela Lei nº 13.154, de 2015)
ordenar que se faça, modificações da identificação de seu § 9º As placas que possuírem tecnologia que permita a
veículo. identificação do veículo ao qual estão atreladas são
Art. 115. O veículo será identificado externamente por dispensadas da utilização do lacre previsto no caput, na
meio de placas dianteira e traseira, sendo esta lacrada em forma a ser regulamentada pelo Contran. (Incluído
sua estrutura, obedecidas as especificações e modelos pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
estabelecidos pelo CONTRAN. Art. 116. Os veículos de propriedade da União, dos
§ 1º Os caracteres das placas serão individualizados Estados e do Distrito Federal, devidamente registrados e
para cada veículo e o acompanharão até a baixa do licenciados, somente quando estritamente usados em
registro, sendo vedado seu reaproveitamento. serviço reservado de caráter policial, poderão usar placas
§ 2º As placas com as cores verde e amarela da particulares, obedecidos os critérios e limites estabelecidos
Bandeira Nacional serão usadas somente pelos veículos de pela legislação que regulamenta o uso de veículo oficial.
representação pessoal do Presidente e do Vice-Presidente Art. 117. Os veículos de transporte de carga e os
da República, dos Presidentes do Senado Federal e da coletivos de passageiros deverão conter, em local
Câmara dos Deputados, do Presidente e dos Ministros do
Câmara Municipal de São Jerônimo 81 Motorista
facilmente visível, a inscrição indicativa de sua tara, do peso consulares de carreira, de representações de organismos
bruto total (PBT), do peso bruto total combinado (PBTC) ou internacionais e de seus integrantes.
capacidade máxima de tração (CMT) e de sua lotação, Art. 123. Será obrigatória a expedição de novo
vedado o uso em desacordo com sua classificação. Certificado de Registro de Veículo quando:
CAPÍTULO X I - for transferida a propriedade;
DOS VEÍCULOS EM CIRCULAÇÃO INTERNACIONAL II - o proprietário mudar o Município de domicílio ou
Art. 118. A circulação de veículo no território nacional, residência;
independentemente de sua origem, em trânsito entre o III - for alterada qualquer característica do veículo;
Brasil e os países com os quais exista acordo ou tratado IV - houver mudança de categoria.
internacional, reger-se-á pelas disposições deste Código, § 1º No caso de transferência de propriedade, o prazo
pelas convenções e acordos internacionais ratificados. para o proprietário adotar as providências necessárias à
Art. 119. As repartições aduaneiras e os órgãos de efetivação da expedição do novo Certificado de Registro de
controle de fronteira comunicarão diretamente ao Veículo é de trinta dias, sendo que nos demais casos as
RENAVAM a entrada e saída temporária ou definitiva de providências deverão ser imediatas.
veículos. § 2º No caso de transferência de domicílio ou
§ 1º Os veículos licenciados no exterior não poderão residência no mesmo Município, o proprietário comunicará
sair do território nacional sem o prévio pagamento ou o o novo endereço num prazo de trinta dias e aguardará o
depósito, judicial ou administrativo, dos valores novo licenciamento para alterar o Certificado de
correspondentes às infrações de trânsito cometidas e ao Licenciamento Anual.
ressarcimento de danos que tiverem causado ao § 3º A expedição do novo certificado será comunicada
patrimônio público ou de particulares, independentemente ao órgão executivo de trânsito que expediu o anterior e ao
da fase do processo administrativo ou judicial envolvendo a RENAVAM.
questão. (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) Art. 124. Para a expedição do novo Certificado de
(Vigência) Registro de Veículo serão exigidos os seguintes
§ 2º Os veículos que saírem do território nacional sem documentos:
o cumprimento do disposto no § 1º e que posteriormente I - Certificado de Registro de Veículo anterior;
forem flagrados tentando ingressar ou já em circulação no II - Certificado de Licenciamento Anual;
território nacional serão retidos até a regularização da III - comprovante de transferência de propriedade,
situação. (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) quando for o caso, conforme modelo e normas
(Vigência) estabelecidas pelo CONTRAN;
CAPÍTULO XI IV - Certificado de Segurança Veicular e de emissão de
DO REGISTRO DE VEÍCULOS poluentes e ruído, quando houver adaptação ou alteração
Art. 120. Todo veículo automotor, elétrico, articulado, de características do veículo;
reboque ou semi-reboque, deve ser registrado perante o V - comprovante de procedência e justificativa da
órgão executivo de trânsito do Estado ou do Distrito propriedade dos componentes e agregados adaptados ou
Federal, no Município de domicílio ou residência de seu montados no veículo, quando houver alteração das
proprietário, na forma da lei. características originais de fábrica;
§ 1º Os órgãos executivos de trânsito dos Estados e do VI - autorização do Ministério das Relações Exteriores,
Distrito Federal somente registrarão veículos oficiais de no caso de veículo da categoria de missões diplomáticas, de
propriedade da administração direta, da União, dos repartições consulares de carreira, de representações de
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, de qualquer organismos internacionais e de seus integrantes;
um dos poderes, com indicação expressa, por pintura nas VII - certidão negativa de roubo ou furto de veículo,
portas, do nome, sigla ou logotipo do órgão ou entidade em expedida no Município do registro anterior, que poderá ser
cujo nome o veículo será registrado, excetuando-se os substituída por informação do RENAVAM;
veículos de representação e os previstos no art. 116. VIII - comprovante de quitação de débitos relativos a
§ 2º O disposto neste artigo não se aplica ao veículo de tributos, encargos e multas de trânsito vinculados ao
uso bélico. veículo, independentemente da responsabilidade pelas
Art. 121. Registrado o veículo, expedir-se-á o infrações cometidas;
Certificado de Registro de Veículo - CRV de acordo com os IX - Registro Nacional de Transportadores Rodoviários,
modelos e especificações estabelecidos pelo CONTRAN, no caso de veículos de carga; (Revogado pela Lei nº
contendo as características e condições de 9.602, de 1998)
invulnerabilidade à falsificação e à adulteração. X - comprovante relativo ao cumprimento do disposto
Art. 122. Para a expedição do Certificado de Registro no art. 98, quando houver alteração nas características
de Veículo o órgão executivo de trânsito consultará o originais do veículo que afetem a emissão de poluentes e
cadastro do RENAVAM e exigirá do proprietário os ruído;
seguintes documentos: XI - comprovante de aprovação de inspeção veicular e
I - nota fiscal fornecida pelo fabricante ou revendedor, de poluentes e ruído, quando for o caso, conforme
ou documento equivalente expedido por autoridade regulamentações do CONTRAN e do CONAMA.
competente; Art. 125. As informações sobre o chassi, o monobloco,
II - documento fornecido pelo Ministério das Relações os agregados e as características originais do veículo
Exteriores, quando se tratar de veículo importado por deverão ser prestadas ao RENAVAM:
membro de missões diplomáticas, de repartições I - pelo fabricante ou montadora, antes da
comercialização, no caso de veículo nacional;
Câmara Municipal de São Jerônimo 82 Motorista
II - pelo órgão alfandegário, no caso de veículo § 3º Ao licenciar o veículo, o proprietário deverá
importado por pessoa física; comprovar sua aprovação nas inspeções de segurança
III - pelo importador, no caso de veículo importado por veicular e de controle de emissões de gases poluentes e de
pessoa jurídica. ruído, conforme disposto no art. 104.
Parágrafo único. As informações recebidas pelo Art. 132. Os veículos novos não estão sujeitos ao
RENAVAM serão repassadas ao órgão executivo de trânsito licenciamento e terão sua circulação regulada pelo
responsável pelo registro, devendo este comunicar ao CONTRAN durante o trajeto entre a fábrica e o Município
RENAVAM, tão logo seja o veículo registrado. de destino.
Art. 126. O proprietário de veículo irrecuperável, ou § 1o O disposto neste artigo aplica-se, igualmente, aos
destinado à desmontagem, deverá requerer a baixa do veículos importados, durante o trajeto entre a alfândega ou
registro, no prazo e forma estabelecidos pelo Contran, entreposto alfandegário e o Município de destino.
vedada a remontagem do veículo sobre o mesmo chassi de (Renumerado do parágrafo único pela Lei nº 13.103, de
forma a manter o registro anterior. (Redação dada pela 2015) (Vigência)
Lei nº 12.977, de 2014) (Vigência) § 2o (Revogado pela Lei nº 13.154, de 2015)
Parágrafo único. A obrigação de que trata este artigo é Art. 133. É obrigatório o porte do Certificado de
da companhia seguradora ou do adquirente do veículo Licenciamento Anual.
destinado à desmontagem, quando estes sucederem ao Parágrafo único. O porte será dispensado quando, no
proprietário. momento da fiscalização, for possível ter acesso ao devido
Art. 127. O órgão executivo de trânsito competente só sistema informatizado para verificar se o veículo está
efetuará a baixa do registro após prévia consulta ao licenciado. (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016)
cadastro do RENAVAM. (Vigência)
Parágrafo único. Efetuada a baixa do registro, deverá Art. 134. No caso de transferência de propriedade, o
ser esta comunicada, de imediato, ao RENAVAM. proprietário antigo deverá encaminhar ao órgão executivo
Art. 128. Não será expedido novo Certificado de de trânsito do Estado dentro de um prazo de trinta dias,
Registro de Veículo enquanto houver débitos fiscais e de cópia autenticada do comprovante de transferência de
multas de trânsito e ambientais, vinculadas ao veículo, propriedade, devidamente assinado e datado, sob pena de
independentemente da responsabilidade pelas infrações ter que se responsabilizar solidariamente pelas penalidades
cometidas. impostas e suas reincidências até a data da comunicação.
Art. 129. O registro e o licenciamento dos veículos de Parágrafo único. O comprovante de transferência de
propulsão humana e dos veículos de tração animal propriedade de que trata o caput poderá ser substituído
obedecerão à regulamentação estabelecida em legislação por documento eletrônico, na forma regulamentada pelo
municipal do domicílio ou residência de seus proprietários. Contran. (Incluído pela Lei nº 13.154, de 2015)
(Redação dada pela Lei nº 13.154, de 2015) Art. 135. Os veículos de aluguel, destinados ao
Art. 129-A. O registro dos tratores e demais aparelhos transporte individual ou coletivo de passageiros de linhas
automotores destinados a puxar ou a arrastar maquinaria regulares ou empregados em qualquer serviço
agrícola ou a executar trabalhos agrícolas será efetuado, remunerado, para registro, licenciamento e respectivo
sem ônus, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e emplacamento de característica comercial, deverão estar
Abastecimento, diretamente ou mediante convênio. devidamente autorizados pelo poder público concedente.
(Incluído pela Lei nº 13.154, de 2015) CAPÍTULO XIII
CAPÍTULO XII DA CONDUÇÃO DE ESCOLARES
DO LICENCIAMENTO Art. 136. Os veículos especialmente destinados à
Art. 130. Todo veículo automotor, elétrico, articulado, condução coletiva de escolares somente poderão circular
reboque ou semi-reboque, para transitar na via, deverá ser nas vias com autorização emitida pelo órgão ou entidade
licenciado anualmente pelo órgão executivo de trânsito do executivos de trânsito dos Estados e do Distrito Federal,
Estado, ou do Distrito Federal, onde estiver registrado o exigindo-se, para tanto:
veículo. I - registro como veículo de passageiros;
§ 1º O disposto neste artigo não se aplica a veículo de II - inspeção semestral para verificação dos
uso bélico. equipamentos obrigatórios e de segurança;
§ 2º No caso de transferência de residência ou III - pintura de faixa horizontal na cor amarela, com
domicílio, é válido, durante o exercício, o licenciamento de quarenta centímetros de largura, à meia altura, em toda a
origem. extensão das partes laterais e traseira da carroçaria, com o
Art. 131. O Certificado de Licenciamento Anual será dístico ESCOLAR, em preto, sendo que, em caso de veículo
expedido ao veículo licenciado, vinculado ao Certificado de de carroçaria pintada na cor amarela, as cores aqui
Registro, no modelo e especificações estabelecidos pelo indicadas devem ser invertidas;
CONTRAN. IV - equipamento registrador instantâneo inalterável
§ 1º O primeiro licenciamento será feito de velocidade e tempo;
simultaneamente ao registro. V - lanternas de luz branca, fosca ou amarela dispostas
§ 2º O veículo somente será considerado licenciado nas extremidades da parte superior dianteira e lanternas de
estando quitados os débitos relativos a tributos, encargos e luz vermelha dispostas na extremidade superior da parte
multas de trânsito e ambientais, vinculados ao veículo, traseira;
independentemente da responsabilidade pelas infrações VI - cintos de segurança em número igual à lotação;
cometidas. VII - outros requisitos e equipamentos obrigatórios
estabelecidos pelo CONTRAN.
Câmara Municipal de São Jerônimo 83 Motorista
Art. 137. A autorização a que se refere o artigo anterior órgão, devendo o condutor preencher os seguintes
deverá ser afixada na parte interna do veículo, em local requisitos:
visível, com inscrição da lotação permitida, sendo vedada a I - ser penalmente imputável;
condução de escolares em número superior à capacidade II - saber ler e escrever;
estabelecida pelo fabricante. III - possuir Carteira de Identidade ou equivalente.
Art. 138. O condutor de veículo destinado à condução Parágrafo único. As informações do candidato à
de escolares deve satisfazer os seguintes requisitos: habilitação serão cadastradas no RENACH.
I - ter idade superior a vinte e um anos; Art. 141. O processo de habilitação, as normas relativas
II - ser habilitado na categoria D; à aprendizagem para conduzir veículos automotores e
III - (VETADO) elétricos e à autorização para conduzir ciclomotores serão
IV - não ter cometido nenhuma infração grave ou regulamentados pelo CONTRAN.
gravíssima, ou ser reincidente em infrações médias durante § 1º A autorização para conduzir veículos de propulsão
os doze últimos meses; humana e de tração animal ficará a cargo dos Municípios.
V - ser aprovado em curso especializado, nos termos da § 2º (VETADO)
regulamentação do CONTRAN. Art. 142. O reconhecimento de habilitação obtida em
Art. 139. O disposto neste Capítulo não exclui a outro país está subordinado às condições estabelecidas em
competência municipal de aplicar as exigências previstas convenções e acordos internacionais e às normas do
em seus regulamentos, para o transporte de escolares. CONTRAN.
CAPÍTULO XIII-A Art. 143. Os candidatos poderão habilitar-se nas
DA CONDUÇÃO DE MOTO-FRETE categorias de A a E, obedecida a seguinte gradação:
(Incluído pela Lei nº 12.009, de 2009) I - Categoria A - condutor de veículo motorizado de
Art. 139-A. As motocicletas e motonetas destinadas ao duas ou três rodas, com ou sem carro lateral;
transporte remunerado de mercadorias – moto-frete – II - Categoria B - condutor de veículo motorizado, não
somente poderão circular nas vias com autorização emitida abrangido pela categoria A, cujo peso bruto total não
pelo órgão ou entidade executivo de trânsito dos Estados e exceda a três mil e quinhentos quilogramas e cuja lotação
do Distrito Federal, exigindo-se, para tanto: (Incluído não exceda a oito lugares, excluído o do motorista;
pela Lei nº 12.009, de 2009) III - Categoria C - condutor de veículo motorizado
I – registro como veículo da categoria de aluguel; utilizado em transporte de carga, cujo peso bruto total
(Incluído pela Lei nº 12.009, de 2009) exceda a três mil e quinhentos quilogramas;
II – instalação de protetor de motor mata-cachorro, IV - Categoria D - condutor de veículo motorizado
fixado no chassi do veículo, destinado a proteger o motor e utilizado no transporte de passageiros, cuja lotação exceda
a perna do condutor em caso de tombamento, nos termos a oito lugares, excluído o do motorista;
de regulamentação do Conselho Nacional de Trânsito – V - Categoria E - condutor de combinação de veículos
Contran; (Incluído pela Lei nº 12.009, de 2009) em que a unidade tratora se enquadre nas Categorias B, C
III – instalação de aparador de linha antena corta- ou D e cuja unidade acoplada, reboque, semi-reboque ou
pipas, nos termos de regulamentação do Contran; articulada, tenha seis mil quilogramas ou mais de peso
(Incluído pela Lei nº 12.009, de 2009) bruto total, ou cuja lotação exceda a oito lugares, ou, ainda,
IV – inspeção semestral para verificação dos seja enquadrado na categoria trailer.
equipamentos obrigatórios e de segurança. (Incluído V - Categoria E - condutor de combinação de veículos
pela Lei nº 12.009, de 2009) em que a unidade tratora se enquadre nas categorias B, C
§ 1o A instalação ou incorporação de dispositivos para ou D e cuja unidade acoplada, reboque, semirreboque,
transporte de cargas deve estar de acordo com a trailer ou articulada tenha 6.000 kg (seis mil quilogramas)
regulamentação do Contran. (Incluído pela Lei nº 12.009, ou mais de peso bruto total, ou cuja lotação exceda a 8
de 2009) (oito) lugares. (Redação dada pela Lei nº 12.452, de
§ 2o É proibido o transporte de combustíveis, produtos 2011)
inflamáveis ou tóxicos e de galões nos veículos de que trata § 1º Para habilitar-se na categoria C, o condutor deverá
este artigo, com exceção do gás de cozinha e de galões estar habilitado no mínimo há um ano na categoria B e não
contendo água mineral, desde que com o auxílio de side- ter cometido nenhuma infração grave ou gravíssima, ou ser
car, nos termos de regulamentação do Contran. reincidente em infrações médias, durante os últimos doze
(Incluído pela Lei nº 12.009, de 2009) meses.
Art. 139-B. O disposto neste Capítulo não exclui a § 2o São os condutores da categoria B autorizados a
competência municipal ou estadual de aplicar as exigências conduzir veículo automotor da espécie motor-casa, definida
previstas em seus regulamentos para as atividades de nos termos do Anexo I deste Código, cujo peso não exceda
moto-frete no âmbito de suas circunscrições. (Incluído a 6.000 kg (seis mil quilogramas), ou cuja lotação não
pela Lei nº 12.009, de 2009) exceda a 8 (oito) lugares, excluído o do motorista.
CAPÍTULO XIV (Incluído pela Lei nº 12.452, de 2011)
DA HABILITAÇÃO § 3º Aplica-se o disposto no inciso V ao condutor da
Art. 140. A habilitação para conduzir veículo automotor combinação de veículos com mais de uma unidade
e elétrico será apurada por meio de exames que deverão tracionada, independentemente da capacidade de tração
ser realizados junto ao órgão ou entidade executivos do ou do peso bruto total. (Renumerado pela Lei nº 12.452,
Estado ou do Distrito Federal, do domicílio ou residência do de 2011)
candidato, ou na sede estadual ou distrital do próprio Art. 144. O trator de roda, o trator de esteira, o trator
misto ou o equipamento automotor destinado à
Câmara Municipal de São Jerônimo 84 Motorista
movimentação de cargas ou execução de trabalho agrícola, candidatos apenas no exame referente à primeira
de terraplenagem, de construção ou de pavimentação só habilitação. (Redação dada pela Lei nº 10.350, de
podem ser conduzidos na via pública por condutor 2001)
habilitado nas categorias C, D ou E. § 4º Quando houver indícios de deficiência física,
Parágrafo único. O trator de roda e os equipamentos mental, ou de progressividade de doença que possa
automotores destinados a executar trabalhos agrícolas diminuir a capacidade para conduzir o veículo, o prazo
poderão ser conduzidos em via pública também por previsto no § 2º poderá ser diminuído por proposta do
condutor habilitado na categoria B. (Redação dada perito examinador. (Incluído pela Lei nº 9.602, de
pela Lei nº 13.097, de 2015) 1998)
Art. 145. Para habilitar-se nas categorias D e E ou para § 5o O condutor que exerce atividade remunerada ao
conduzir veículo de transporte coletivo de passageiros, de veículo terá essa informação incluída na sua Carteira
escolares, de emergência ou de produto perigoso, o Nacional de Habilitação, conforme especificações do
candidato deverá preencher os seguintes requisitos: Conselho Nacional de Trânsito – Contran. (Incluído
I - ser maior de vinte e um anos; pela Lei nº 10.350, de 2001)
II - estar habilitado: Art. 147-A. Ao candidato com deficiência auditiva é
a) no mínimo há dois anos na categoria B, ou no assegurada acessibilidade de comunicação, mediante
mínimo há um ano na categoria C, quando pretender emprego de tecnologias assistivas ou de ajudas técnicas em
habilitar-se na categoria D; e todas as etapas do processo de habilitação. (Incluído pela
b) no mínimo há um ano na categoria C, quando Lei nº 13.146, de 2015) (Vigência)
pretender habilitar-se na categoria E; § 1o O material didático audiovisual utilizado em aulas
III - não ter cometido nenhuma infração grave ou teóricas dos cursos que precedem os exames previstos no
gravíssima ou ser reincidente em infrações médias durante art. 147 desta Lei deve ser acessível, por meio de
os últimos doze meses; subtitulação com legenda oculta associada à tradução
IV - ser aprovado em curso especializado e em curso de simultânea em Libras. (Incluído pela Lei nº 13.146, de
treinamento de prática veicular em situação de risco, nos 2015) (Vigência)
termos da normatização do CONTRAN. § 2o É assegurado também ao candidato com
Parágrafo único. A participação em curso especializado deficiência auditiva requerer, no ato de sua inscrição, os
previsto no inciso IV independe da observância do disposto serviços de intérprete da Libras, para acompanhamento em
no inciso III. (Incluído pela Lei nº 12.619, de aulas práticas e teóricas. (Incluído pela Lei nº 13.146, de
2012) (Vigência) 2015) (Vigência)
§ 2o (VETADO). (Incluído pela Lei nº 13.154, de Art. 148. Os exames de habilitação, exceto os de
2015) direção veicular, poderão ser aplicados por entidades
Art. 145-A. Além do disposto no art. 145, para conduzir públicas ou privadas credenciadas pelo órgão executivo de
ambulâncias, o candidato deverá comprovar treinamento trânsito dos Estados e do Distrito Federal, de acordo com as
especializado e reciclagem em cursos específicos a cada 5 normas estabelecidas pelo CONTRAN.
(cinco) anos, nos termos da normatização do Contran. § 1º A formação de condutores deverá incluir,
(Incluído pela Lei nº 12.998, de 2014) obrigatoriamente, curso de direção defensiva e de
Art. 146. Para conduzir veículos de outra categoria o conceitos básicos de proteção ao meio ambiente
condutor deverá realizar exames complementares exigidos relacionados com o trânsito.
para habilitação na categoria pretendida. § 2º Ao candidato aprovado será conferida Permissão
Art. 147. O candidato à habilitação deverá submeter-se para Dirigir, com validade de um ano.
a exames realizados pelo órgão executivo de trânsito, na § 3º A Carteira Nacional de Habilitação será conferida
seguinte ordem: ao condutor no término de um ano, desde que o mesmo
I - de aptidão física e mental; não tenha cometido nenhuma infração de natureza grave
II - (VETADO) ou gravíssima ou seja reincidente em infração média.
III - escrito, sobre legislação de trânsito; § 4º A não obtenção da Carteira Nacional de
IV - de noções de primeiros socorros, conforme Habilitação, tendo em vista a incapacidade de atendimento
regulamentação do CONTRAN; do disposto no parágrafo anterior, obriga o candidato a
V - de direção veicular, realizado na via pública, em reiniciar todo o processo de habilitação.
veículo da categoria para a qual estiver habilitando-se. § 5º O Conselho Nacional de Trânsito - CONTRAN
§ 1º Os resultados dos exames e a identificação dos poderá dispensar os tripulantes de aeronaves que
respectivos examinadores serão registrados no apresentarem o cartão de saúde expedido pelas Forças
RENACH. (Renumerado do parágrafo único pela Lei nº Armadas ou pelo Departamento de Aeronáutica Civil,
9.602, de 1998) respectivamente, da prestação do exame de aptidão física e
§ 2º O exame de aptidão física e mental será preliminar mental. (Incluído pela Lei nº 9.602, de 1998)
e renovável a cada cinco anos, ou a cada três anos para Art. 148-A. Os condutores das categorias C, D e E
condutores com mais de sessenta e cinco anos de idade, no deverão submeter-se a exames toxicológicos para a
local de residência ou domicílio do examinado. (Incluído habilitação e renovação da Carteira Nacional de
pela Lei nº 9.602, de 1998) Habilitação. (Incluído pela Lei nº 13.103, de 2015)
§ 3o O exame previsto no § 2o incluirá avaliação (Vigência)
psicológica preliminar e complementar sempre que a ele se § 1o O exame de que trata este artigo buscará aferir o
submeter o condutor que exerce atividade remunerada ao consumo de substâncias psicoativas que,
veículo, incluindo-se esta avaliação para os demais comprovadamente, comprometam a capacidade de direção
Câmara Municipal de São Jerônimo 85 Motorista
e deverá ter janela de detecção mínima de 90 (noventa) § 1º Na comissão de exame de direção veicular, pelo
dias, nos termos das normas do Contran. (Incluído menos um membro deverá ser habilitado na categoria igual
pela Lei nº 13.103, de 2015) (Vigência) ou superior à pretendida pelo candidato.
§ 2o Os condutores das categorias C, D e E com Carteira § 2º Os militares das Forças Armadas e os policiais e
Nacional de Habilitação com validade de 5 (cinco) anos bombeiros dos órgãos de segurança pública da União, dos
deverão fazer o exame previsto no § 1o no prazo de 2 (dois) Estados e do Distrito Federal que possuírem curso de
anos e 6 (seis) meses a contar da realização do disposto no formação de condutor ministrado em suas corporações
caput. (Incluído pela Lei nº 13.103, de 2015) (Vigência) serão dispensados, para a concessão do documento de
§ 3o Os condutores das categorias C, D e E com Carteira habilitação, dos exames aos quais se houverem submetido
Nacional de Habilitação com validade de 3 (três) anos com aprovação naquele curso, desde que neles sejam
deverão fazer o exame previsto no § 1o no prazo de 1 (um) observadas as normas estabelecidas pelo Contran.
ano e 6 (seis) meses a contar da realização do disposto no (Redação dada pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
caput. (Incluído pela Lei nº 13.103, de 2015) (Vigência) § 3º O militar, o policial ou o bombeiro militar
§ 4o É garantido o direito de contraprova e de recurso interessado na dispensa de que trata o § 2º instruirá seu
administrativo no caso de resultado positivo para o exame requerimento com ofício do comandante, chefe ou diretor
de que trata o caput, nos termos das normas do da unidade administrativa onde prestar serviço, do qual
Contran. (Incluído pela Lei nº 13.103, de 2015) constarão o número do registro de identificação,
(Vigência) naturalidade, nome, filiação, idade e categoria em que se
§ 5o A reprovação no exame previsto neste artigo terá habilitou a conduzir, acompanhado de cópia das atas dos
como consequência a suspensão do direito de dirigir pelo exames prestados. (Redação dada pela Lei nº 13.281,
período de 3 (três) meses, condicionado o levantamento da de 2016) (Vigência)
suspensão ao resultado negativo em novo exame, e vedada § 4º (VETADO)
a aplicação de outras penalidades, ainda que Art. 153. O candidato habilitado terá em seu
acessórias. (Incluído pela Lei nº 13.103, de 2015) prontuário a identificação de seus instrutores e
(Vigência) examinadores, que serão passíveis de punição conforme
§ 6o O resultado do exame somente será divulgado regulamentação a ser estabelecida pelo CONTRAN.
para o interessado e não poderá ser utilizado para fins Parágrafo único. As penalidades aplicadas aos
estranhos ao disposto neste artigo ou no § 6o do art. 168 da instrutores e examinadores serão de advertência,
Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo suspensão e cancelamento da autorização para o exercício
Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943. (Incluído da atividade, conforme a falta cometida.
pela Lei nº 13.103, de 2015) (Vigência) Art. 154. Os veículos destinados à formação de
§ 7o O exame será realizado, em regime de livre condutores serão identificados por uma faixa amarela, de
concorrência, pelos laboratórios credenciados pelo vinte centímetros de largura, pintada ao longo da
Departamento Nacional de Trânsito - DENATRAN, nos carroçaria, à meia altura, com a inscrição AUTO-ESCOLA na
termos das normas do Contran, vedado aos entes públicos: cor preta.
(Incluído pela Lei nº 13.103, de 2015) (Vigência) Parágrafo único. No veículo eventualmente utilizado
I - fixar preços para os exames; (Incluído pela Lei para aprendizagem, quando autorizado para servir a esse
nº 13.103, de 2015) (Vigência) fim, deverá ser afixada ao longo de sua carroçaria, à meia
II - limitar o número de empresas ou o número de altura, faixa branca removível, de vinte centímetros de
locais em que a atividade pode ser exercida; e (Incluído largura, com a inscrição AUTO-ESCOLA na cor preta.
pela Lei nº 13.103, de 2015) (Vigência) Art. 155. A formação de condutor de veículo
III - estabelecer regras de exclusividade territorial. automotor e elétrico será realizada por instrutor autorizado
(Incluído pela Lei nº 13.103, de 2015) (Vigência) pelo órgão executivo de trânsito dos Estados ou do Distrito
Art. 149. (VETADO) Federal, pertencente ou não à entidade credenciada.
Art. 150. Ao renovar os exames previstos no artigo Parágrafo único. Ao aprendiz será expedida
anterior, o condutor que não tenha curso de direção autorização para aprendizagem, de acordo com a
defensiva e primeiros socorros deverá a eles ser submetido, regulamentação do CONTRAN, após aprovação nos exames
conforme normatização do CONTRAN. de aptidão física, mental, de primeiros socorros e sobre
Parágrafo único. A empresa que utiliza condutores legislação de trânsito. (Incluído pela Lei nº 9.602, de
contratados para operar a sua frota de veículos é obrigada 1998)
a fornecer curso de direção defensiva, primeiros socorros e Art. 156. O CONTRAN regulamentará o credenciamento
outros conforme normatização do CONTRAN. para prestação de serviço pelas auto-escolas e outras
Art. 151. No caso de reprovação no exame escrito entidades destinadas à formação de condutores e às
sobre legislação de trânsito ou de direção veicular, o exigências necessárias para o exercício das atividades de
candidato só poderá repetir o exame depois de decorridos instrutor e examinador.
quinze dias da divulgação do resultado. Art. 157. (VETADO)
Art. 152. O exame de direção veicular será realizado Art. 158. A aprendizagem só poderá realizar-se:
perante comissão integrada por 3 (três) membros (Vide Lei nº 12.217, de 2010) Vigência
designados pelo dirigente do órgão executivo local de I - nos termos, horários e locais estabelecidos pelo
trânsito. (Redação dada pela Lei nº 13.281, de órgão executivo de trânsito;
2016) (Vigência) II - acompanhado o aprendiz por instrutor autorizado.
§ 1º Além do aprendiz e do instrutor, o veículo
utilizado na aprendizagem poderá conduzir apenas mais um
Câmara Municipal de São Jerônimo 86 Motorista
acompanhante. (Renumerado do parágrafo único pela Parágrafo único. As infrações cometidas em relação às
Lei nº 12.217, de 2010). resoluções do CONTRAN terão suas penalidades e medidas
§ 2o Parte da aprendizagem será obrigatoriamente administrativas definidas nas próprias resoluções.
realizada durante a noite, cabendo ao CONTRAN fixar-lhe a Art. 162. Dirigir veículo:
carga horária mínima correspondente. (Incluído pela I - sem possuir Carteira Nacional de Habilitação,
Lei nº 12.217, de 2010). Permissão para Dirigir ou Autorização para Conduzir
Art. 159. A Carteira Nacional de Habilitação, expedida Ciclomotor: (Redação dada pela Lei nº 13.281, de
em modelo único e de acordo com as especificações do 2016) (Vigência)
CONTRAN, atendidos os pré-requisitos estabelecidos neste Infração - gravíssima; (Redação dada pela Lei nº
Código, conterá fotografia, identificação e CPF do condutor, 13.281, de 2016) (Vigência)
terá fé pública e equivalerá a documento de identidade em Penalidade - multa (três vezes); (Redação dada
todo o território nacional. pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
§ 1º É obrigatório o porte da Permissão para Dirigir ou Medida administrativa - retenção do veículo até a
da Carteira Nacional de Habilitação quando o condutor apresentação de condutor habilitado; (Incluído pela
estiver à direção do veículo. Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
§ 2º (VETADO) II - com Carteira Nacional de Habilitação, Permissão
§ 3º A emissão de nova via da Carteira Nacional de para Dirigir ou Autorização para Conduzir Ciclomotor
Habilitação será regulamentada pelo CONTRAN. cassada ou com suspensão do direito de dirigir:
§ 4º (VETADO) (Redação dada pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
§ 5º A Carteira Nacional de Habilitação e a Permissão Infração - gravíssima; (Redação dada pela Lei nº
para Dirigir somente terão validade para a condução de 13.281, de 2016) (Vigência)
veículo quando apresentada em original. Penalidade - multa (três vezes); (Redação dada
§ 6º A identificação da Carteira Nacional de Habilitação pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
expedida e a da autoridade expedidora serão registradas no Medida administrativa - recolhimento do documento de
RENACH. habilitação e retenção do veículo até a apresentação de
§ 7º A cada condutor corresponderá um único registro condutor habilitado; (Incluído pela Lei nº 13.281, de
no RENACH, agregando-se neste todas as informações. 2016) (Vigência)
§ 8º A renovação da validade da Carteira Nacional de III - com Carteira Nacional de Habilitação ou Permissão
Habilitação ou a emissão de uma nova via somente será para Dirigir de categoria diferente da do veículo que esteja
realizada após quitação de débitos constantes do conduzindo: (Redação dada pela Lei nº 13.281, de
prontuário do condutor. 2016) (Vigência)
§ 9º (VETADO) Infração - gravíssima; (Redação dada pela Lei nº
§ 10. A validade da Carteira Nacional de Habilitação 13.281, de 2016) (Vigência)
está condicionada ao prazo de vigência do exame de Penalidade - multa (duas vezes); (Redação dada
aptidão física e mental. (Incluído pela Lei nº 9.602, de pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
1998) Medida administrativa - retenção do veículo até a
§ 11. A Carteira Nacional de Habilitação, expedida na apresentação de condutor habilitado; (Redação dada
vigência do Código anterior, será substituída por ocasião do pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
vencimento do prazo para revalidação do exame de aptidão IV - (VETADO)
física e mental, ressalvados os casos especiais previstos V - com validade da Carteira Nacional de Habilitação
nesta Lei. (Incluído pela Lei nº 9.602, de 1998) vencida há mais de trinta dias:
Art. 160. O condutor condenado por delito de trânsito Infração - gravíssima;
deverá ser submetido a novos exames para que possa Penalidade - multa;
voltar a dirigir, de acordo com as normas estabelecidas pelo Medida administrativa - recolhimento da Carteira
CONTRAN, independentemente do reconhecimento da Nacional de Habilitação e retenção do veículo até a
prescrição, em face da pena concretizada na sentença. apresentação de condutor habilitado;
§ 1º Em caso de acidente grave, o condutor nele VI - sem usar lentes corretoras de visão, aparelho
envolvido poderá ser submetido aos exames exigidos neste auxiliar de audição, de prótese física ou as adaptações do
artigo, a juízo da autoridade executiva estadual de trânsito, veículo impostas por ocasião da concessão ou da renovação
assegurada ampla defesa ao condutor. da licença para conduzir:
§ 2º No caso do parágrafo anterior, a autoridade Infração - gravíssima;
executiva estadual de trânsito poderá apreender o Penalidade - multa;
documento de habilitação do condutor até a sua aprovação Medida administrativa - retenção do veículo até o
nos exames realizados. saneamento da irregularidade ou apresentação de
CAPÍTULO XV condutor habilitado.
DAS INFRAÇÕES Art. 163. Entregar a direção do veículo a pessoa nas
Art. 161. Constitui infração de trânsito a inobservância condições previstas no artigo anterior:
de qualquer preceito deste Código, da legislação Infração - as mesmas previstas no artigo anterior;
complementar ou das resoluções do CONTRAN, sendo o Penalidade - as mesmas previstas no artigo anterior;
infrator sujeito às penalidades e medidas administrativas Medida administrativa - a mesma prevista no inciso III
indicadas em cada artigo, além das punições previstas no do artigo anterior.
Capítulo XIX.

Câmara Municipal de São Jerônimo 87 Motorista


Art. 164. Permitir que pessoa nas condições referidas Medida administrativa - retenção do veículo até que a
nos incisos do art. 162 tome posse do veículo automotor e irregularidade seja sanada.
passe a conduzi-lo na via: Art. 169. Dirigir sem atenção ou sem os cuidados
Infração - as mesmas previstas nos incisos do art. 162; indispensáveis à segurança:
Penalidade - as mesmas previstas no art. 162; Infração - leve;
Medida administrativa - a mesma prevista no inciso III Penalidade - multa.
do art. 162. Art. 170. Dirigir ameaçando os pedestres que estejam
Art. 165. Dirigir sob a influência de álcool ou de atravessando a via pública, ou os demais veículos:
qualquer outra substância psicoativa que determine Infração - gravíssima;
dependência: (Redação dada pela Lei nº 11.705, de Penalidade - multa e suspensão do direito de dirigir;
2008) Medida administrativa - retenção do veículo e
Infração - gravíssima; (Redação dada pela Lei nº recolhimento do documento de habilitação.
11.705, de 2008) Art. 171. Usar o veículo para arremessar, sobre os
Penalidade - multa (cinco vezes) e suspensão do direito pedestres ou veículos, água ou detritos:
de dirigir por 12 (doze) meses; (Redação dada pela Lei Infração - média;
nº 11.705, de 2008) Penalidade - multa.
Penalidade - multa (dez vezes) e suspensão do direito Art. 172. Atirar do veículo ou abandonar na via objetos
de dirigir por 12 (doze) meses. (Redação dada pela Lei ou substâncias:
nº 12.760, de 2012) Infração - média;
Medida administrativa - recolhimento do documento Penalidade - multa.
de habilitação e retenção do veículo, observado o disposto Art. 173. Disputar corrida: (Redação dada pela Lei
no § 4o do art. 270 da Lei no 9.503, de 23 de setembro de nº 12.971, de 2014) (Vigência)
1997 - do Código de Trânsito Brasileiro. (Redação dada Infração - gravíssima;
pela Lei nº 12.760, de 2012) Penalidade - multa (dez vezes), suspensão do direito de
Parágrafo único. Aplica-se em dobro a multa prevista dirigir e apreensão do veículo; (Redação dada pela Lei
no caput em caso de reincidência no período de até 12 nº 12.971, de 2014) (Vigência)
(doze) meses. (Redação dada pela Lei nº 12.760, de Medida administrativa - recolhimento do documento
2012) de habilitação e remoção do veículo.
Art. 165-A. Recusar-se a ser submetido a teste, exame Parágrafo único. Aplica-se em dobro a multa prevista
clínico, perícia ou outro procedimento que permita no caput em caso de reincidência no período de 12 (doze)
certificar influência de álcool ou outra substância meses da infração anterior. (Incluído pela Lei nº
psicoativa, na forma estabelecida pelo art. 277: 12.971, de 2014) (Vigência)
(Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência) Art. 174. Promover, na via, competição, eventos
Infração - gravíssima; (Incluído pela Lei nº 13.281, organizados, exibição e demonstração de perícia em
de 2016) (Vigência) manobra de veículo, ou deles participar, como condutor,
Penalidade - multa (dez vezes) e suspensão do direito sem permissão da autoridade de trânsito com circunscrição
de dirigir por 12 (doze) meses; (Incluído pela Lei nº sobre a via: (Redação dada pela Lei nº 12.971, de
13.281, de 2016) (Vigência) 2014) (Vigência)
Medida administrativa - recolhimento do documento de Infração - gravíssima;
habilitação e retenção do veículo, observado o disposto no Penalidade - multa (cinco vezes), suspensão do direito
§ 4º do art. 270. (Incluído pela Lei nº 13.281, de de dirigir e apreensão do veículo;
2016) (Vigência) Penalidade - multa (dez vezes), suspensão do direito de
Parágrafo único. Aplica-se em dobro a multa prevista no dirigir e apreensão do veículo; (Redação dada pela Lei
caput em caso de reincidência no período de até 12 (doze) nº 12.971, de 2014) (Vigência)
meses (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) Medida administrativa - recolhimento do documento
(Vigência) de habilitação e remoção do veículo.
Art. 166. Confiar ou entregar a direção de veículo a § 1o As penalidades são aplicáveis aos promotores e
pessoa que, mesmo habilitada, por seu estado físico ou aos condutores participantes. (Incluído pela Lei nº
psíquico, não estiver em condições de dirigi-lo com 12.971, de 2014) (Vigência)
segurança: § 2o Aplica-se em dobro a multa prevista no caput em
Infração - gravíssima; caso de reincidência no período de 12 (doze) meses da
Penalidade - multa. infração anterior. (Incluído pela Lei nº 12.971, de
Art. 167. Deixar o condutor ou passageiro de usar o 2014) (Vigência)
cinto de segurança, conforme previsto no art. 65: Art. 175. Utilizar-se de veículo para demonstrar ou
Infração - grave; exibir manobra perigosa, mediante arrancada brusca,
Penalidade - multa; derrapagem ou frenagem com deslizamento ou
Medida administrativa - retenção do veículo até arrastamento de pneus: (Redação dada pela Lei nº
colocação do cinto pelo infrator. 12.971, de 2014) (Vigência)
Art. 168. Transportar crianças em veículo automotor Infração - gravíssima;
sem observância das normas de segurança especiais Penalidade - multa (dez vezes), suspensão do direito de
estabelecidas neste Código: dirigir e apreensão do veículo; (Redação dada pela Lei
Infração - gravíssima; nº 12.971, de 2014) (Vigência)
Penalidade - multa;
Câmara Municipal de São Jerônimo 88 Motorista
Medida administrativa - recolhimento do documento Medida administrativa - remoção do veículo;
de habilitação e remoção do veículo. III - afastado da guia da calçada (meio-fio) a mais de um
Parágrafo único. Aplica-se em dobro a multa prevista no metro:
caput em caso de reincidência no período de 12 (doze) Infração - grave;
meses da infração anterior. (Incluído pela Lei nº Penalidade - multa;
12.971, de 2014) (Vigência) Medida administrativa - remoção do veículo;
Art. 176. Deixar o condutor envolvido em acidente com IV - em desacordo com as posições estabelecidas neste
vítima: Código:
I - de prestar ou providenciar socorro à vítima, Infração - média;
podendo fazê-lo; Penalidade - multa;
II - de adotar providências, podendo fazê-lo, no sentido Medida administrativa - remoção do veículo;
de evitar perigo para o trânsito no local; V - na pista de rolamento das estradas, das rodovias,
III - de preservar o local, de forma a facilitar os das vias de trânsito rápido e das vias dotadas de
trabalhos da polícia e da perícia; acostamento:
IV - de adotar providências para remover o veículo do Infração - gravíssima;
local, quando determinadas por policial ou agente da Penalidade - multa;
autoridade de trânsito; Medida administrativa - remoção do veículo;
V - de identificar-se ao policial e de lhe prestar VI - junto ou sobre hidrantes de incêndio, registro de
informações necessárias à confecção do boletim de água ou tampas de poços de visita de galerias subterrâneas,
ocorrência: desde que devidamente identificados, conforme
Infração - gravíssima; especificação do CONTRAN:
Penalidade - multa (cinco vezes) e suspensão do direito Infração - média;
de dirigir; Penalidade - multa;
Medida administrativa - recolhimento do documento Medida administrativa - remoção do veículo;
de habilitação. VII - nos acostamentos, salvo motivo de força maior:
Art. 177. Deixar o condutor de prestar socorro à vítima Infração - leve;
de acidente de trânsito quando solicitado pela autoridade e Penalidade - multa;
seus agentes: Medida administrativa - remoção do veículo;
Infração - grave; VIII - no passeio ou sobre faixa destinada a pedestre,
Penalidade - multa. sobre ciclovia ou ciclofaixa, bem como nas ilhas, refúgios,
Art. 178. Deixar o condutor, envolvido em acidente ao lado ou sobre canteiros centrais, divisores de pista de
sem vítima, de adotar providências para remover o veículo rolamento, marcas de canalização, gramados ou jardim
do local, quando necessária tal medida para assegurar a público:
segurança e a fluidez do trânsito: Infração - grave;
Infração - média; Penalidade - multa;
Penalidade - multa. Medida administrativa - remoção do veículo;
Art. 179. Fazer ou deixar que se faça reparo em veículo IX - onde houver guia de calçada (meio-fio) rebaixada
na via pública, salvo nos casos de impedimento absoluto de destinada à entrada ou saída de veículos:
sua remoção e em que o veículo esteja devidamente Infração - média;
sinalizado: Penalidade - multa;
I - em pista de rolamento de rodovias e vias de trânsito Medida administrativa - remoção do veículo;
rápido: X - impedindo a movimentação de outro veículo:
Infração - grave; Infração - média;
Penalidade - multa; Penalidade - multa;
Medida administrativa - remoção do veículo; Medida administrativa - remoção do veículo;
II - nas demais vias: XI - ao lado de outro veículo em fila dupla:
Infração - leve; Infração - grave;
Penalidade - multa. Penalidade - multa;
Art. 180. Ter seu veículo imobilizado na via por falta de Medida administrativa - remoção do veículo;
combustível: XII - na área de cruzamento de vias, prejudicando a
Infração - média; circulação de veículos e pedestres:
Penalidade - multa; Infração - grave;
Medida administrativa - remoção do veículo. Penalidade - multa;
Art. 181. Estacionar o veículo: Medida administrativa - remoção do veículo;
I - nas esquinas e a menos de cinco metros do bordo do XIII - onde houver sinalização horizontal delimitadora
alinhamento da via transversal: de ponto de embarque ou desembarque de passageiros de
Infração - média; transporte coletivo ou, na inexistência desta sinalização, no
Penalidade - multa; intervalo compreendido entre dez metros antes e depois do
Medida administrativa - remoção do veículo; marco do ponto:
II - afastado da guia da calçada (meio-fio) de cinqüenta Infração - média;
centímetros a um metro: Penalidade - multa;
Infração - leve; Medida administrativa - remoção do veículo;
Penalidade - multa; XIV - nos viadutos, pontes e túneis:
Câmara Municipal de São Jerônimo 89 Motorista
Infração - grave; V - na pista de rolamento das estradas, das rodovias,
Penalidade - multa; das vias de trânsito rápido e das demais vias dotadas de
Medida administrativa - remoção do veículo; acostamento:
XV - na contramão de direção: Infração - grave;
Infração - média; Penalidade - multa;
Penalidade - multa; VI - no passeio ou sobre faixa destinada a pedestres,
XVI - em aclive ou declive, não estando devidamente nas ilhas, refúgios, canteiros centrais e divisores de pista de
freado e sem calço de segurança, quando se tratar de rolamento e marcas de canalização:
veículo com peso bruto total superior a três mil e Infração - leve;
quinhentos quilogramas: Penalidade - multa;
Infração - grave; VII - na área de cruzamento de vias, prejudicando a
Penalidade - multa; circulação de veículos e pedestres:
Medida administrativa - remoção do veículo; Infração - média;
XVII - em desacordo com as condições regulamentadas Penalidade - multa;
especificamente pela sinalização (placa - Estacionamento VIII - nos viadutos, pontes e túneis:
Regulamentado): Infração - média;
Infração - grave; (Redação dada pela Lei nº 13.146, Penalidade - multa;
de 2015) (Vigência) IX - na contramão de direção:
Penalidade - multa; Infração - média;
Medida administrativa - remoção do veículo; Penalidade - multa;
XVIII - em locais e horários proibidos especificamente X - em local e horário proibidos especificamente pela
pela sinalização (placa - Proibido Estacionar): sinalização (placa - Proibido Parar):
Infração - média; Infração - média;
Penalidade - multa; Penalidade - multa.
Medida administrativa - remoção do veículo; Art. 183. Parar o veículo sobre a faixa de pedestres na
XIX - em locais e horários de estacionamento e parada mudança de sinal luminoso:
proibidos pela sinalização (placa - Proibido Parar e Infração - média;
Estacionar): Penalidade - multa.
Infração - grave; Art. 184. Transitar com o veículo:
Penalidade - multa; I - na faixa ou pista da direita, regulamentada como de
Medida administrativa - remoção do veículo. circulação exclusiva para determinado tipo de veículo,
XX - nas vagas reservadas às pessoas com deficiência exceto para acesso a imóveis lindeiros ou conversões à
ou idosos, sem credencial que comprove tal condição: direita:
(Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência) Infração - leve;
Infração - gravíssima; (Incluído pela Lei nº 13.281, Penalidade - multa;
de 2016) (Vigência) II - na faixa ou pista da esquerda regulamentada como
Penalidade - multa; (Incluído pela Lei nº 13.281, de de circulação exclusiva para determinado tipo de veículo:
2016) (Vigência) Infração - grave;
Medida administrativa - remoção do veículo. Penalidade - multa.
(Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência) III - na faixa ou via de trânsito exclusivo, regulamentada
§ 1º Nos casos previstos neste artigo, a autoridade de com circulação destinada aos veículos de transporte
trânsito aplicará a penalidade preferencialmente após a público coletivo de passageiros, salvo casos de força maior
remoção do veículo. e com autorização do poder público competente:
§ 2º No caso previsto no inciso XVI é proibido (Incluído pela Lei nº 13.154, de 2015)
abandonar o calço de segurança na via. Infração - gravíssima; (Incluído pela Lei nº 13.154,
Art. 182. Parar o veículo: de 2015)
I - nas esquinas e a menos de cinco metros do bordo do Penalidade - multa e apreensão do veículo;
alinhamento da via transversal: (Incluído pela Lei nº 13.154, de 2015)
Infração - média; Medida Administrativa - remoção do veículo.
Penalidade - multa; (Incluído pela Lei nº 13.154, de 2015)
II - afastado da guia da calçada (meio-fio) de cinqüenta Art. 185. Quando o veículo estiver em movimento,
centímetros a um metro: deixar de conservá-lo:
Infração - leve; I - na faixa a ele destinada pela sinalização de
Penalidade - multa; regulamentação, exceto em situações de emergência;
III - afastado da guia da calçada (meio-fio) a mais de um II - nas faixas da direita, os veículos lentos e de maior
metro: porte:
Infração - média; Infração - média;
Penalidade - multa; Penalidade - multa.
IV - em desacordo com as posições estabelecidas neste Art. 186. Transitar pela contramão de direção em:
Código: I - vias com duplo sentido de circulação, exceto para
Infração - leve; ultrapassar outro veículo e apenas pelo tempo necessário,
Penalidade - multa; respeitada a preferência do veículo que transitar em
sentido contrário:
Câmara Municipal de São Jerônimo 90 Motorista
Infração - grave; Infração - grave;
Penalidade - multa; Penalidade - multa.
II - vias com sinalização de regulamentação de sentido Art. 196. Deixar de indicar com antecedência, mediante
único de circulação: gesto regulamentar de braço ou luz indicadora de direção
Infração - gravíssima; do veículo, o início da marcha, a realização da manobra de
Penalidade - multa. parar o veículo, a mudança de direção ou de faixa de
Art. 187. Transitar em locais e horários não permitidos circulação:
pela regulamentação estabelecida pela autoridade Infração - grave;
competente: Penalidade - multa.
I - para todos os tipos de veículos: Art. 197. Deixar de deslocar, com antecedência, o
Infração - média; veículo para a faixa mais à esquerda ou mais à direita,
Penalidade - multa; dentro da respectiva mão de direção, quando for manobrar
Art. 188. Transitar ao lado de outro veículo, para um desses lados:
interrompendo ou perturbando o trânsito: Infração - média;
Infração - média; Penalidade - multa.
Penalidade - multa. Art. 198. Deixar de dar passagem pela esquerda,
Art. 189. Deixar de dar passagem aos veículos quando solicitado:
precedidos de batedores, de socorro de incêndio e Infração - média;
salvamento, de polícia, de operação e fiscalização de Penalidade - multa.
trânsito e às ambulâncias, quando em serviço de urgência e Art. 199. Ultrapassar pela direita, salvo quando o
devidamente identificados por dispositivos regulamentados veículo da frente estiver colocado na faixa apropriada e der
de alarme sonoro e iluminação vermelha intermitentes: sinal de que vai entrar à esquerda:
Infração - gravíssima; Infração - média;
Penalidade - multa. Penalidade - multa.
Art. 190. Seguir veículo em serviço de urgência, Art. 200. Ultrapassar pela direita veículo de transporte
estando este com prioridade de passagem devidamente coletivo ou de escolares, parado para embarque ou
identificada por dispositivos regulamentares de alarme desembarque de passageiros, salvo quando houver refúgio
sonoro e iluminação vermelha intermitentes: de segurança para o pedestre:
Infração - grave; Infração - gravíssima;
Penalidade - multa. Penalidade - multa.
Art. 191. Forçar passagem entre veículos que, Art. 201. Deixar de guardar a distância lateral de um
transitando em sentidos opostos, estejam na iminência de metro e cinqüenta centímetros ao passar ou ultrapassar
passar um pelo outro ao realizar operação de bicicleta:
ultrapassagem: Infração - média;
Infração - gravíssima; Penalidade - multa.
Penalidade - multa (dez vezes) e suspensão do direito Art. 202. Ultrapassar outro veículo:
de dirigir. (Redação dada pela Lei nº 12.971, de 2014) I - pelo acostamento;
(Vigência) II - em interseções e passagens de nível;
Parágrafo único. Aplica-se em dobro a multa prevista no Infração - gravíssima; (Redação dada pela Lei nº
caput em caso de reincidência no período de até 12 (doze) 12.971, de 2014) (Vigência)
meses da infração anterior. (Incluído pela Lei nº 12.971, Penalidade - multa (cinco vezes). (Redação dada pela
de 2014) (Vigência) Lei nº 12.971, de 2014) (Vigência)
Art. 192. Deixar de guardar distância de segurança Art. 203. Ultrapassar pela contramão outro veículo:
lateral e frontal entre o seu veículo e os demais, bem como I - nas curvas, aclives e declives, sem visibilidade
em relação ao bordo da pista, considerando-se, no suficiente;
momento, a velocidade, as condições climáticas do local da II - nas faixas de pedestre;
circulação e do veículo: III - nas pontes, viadutos ou túneis;
Infração - grave; IV - parado em fila junto a sinais luminosos, porteiras,
Penalidade - multa. cancelas, cruzamentos ou qualquer outro impedimento à
Art. 193. Transitar com o veículo em calçadas, passeios, livre circulação;
passarelas, ciclovias, ciclofaixas, ilhas, refúgios, V - onde houver marcação viária longitudinal de divisão
ajardinamentos, canteiros centrais e divisores de pista de de fluxos opostos do tipo linha dupla contínua ou simples
rolamento, acostamentos, marcas de canalização, contínua amarela:
gramados e jardins públicos: Infração - gravíssima; (Redação dada pela Lei nº
Infração - gravíssima; 12.971, de 2014) (Vigência)
Penalidade - multa (três vezes). Penalidade - multa (cinco vezes). (Redação dada pela
Art. 194. Transitar em marcha à ré, salvo na distância Lei nº 12.971, de 2014) (Vigência)
necessária a pequenas manobras e de forma a não causar Parágrafo único. Aplica-se em dobro a multa prevista
riscos à segurança: no caput em caso de reincidência no período de até 12
Infração - grave; (doze) meses da infração anterior. (Incluído pela Lei nº
Penalidade - multa. 12.971, de 2014) (Vigência)
Art. 195. Desobedecer às ordens emanadas da Art. 204. Deixar de parar o veículo no acostamento à
autoridade competente de trânsito ou de seus agentes: direita, para aguardar a oportunidade de cruzar a pista ou
Câmara Municipal de São Jerônimo 91 Motorista
entrar à esquerda, onde não houver local apropriado para Infração - grave;
operação de retorno: Penalidade - multa.
Infração - grave; Art. 214. Deixar de dar preferência de passagem a
Penalidade - multa. pedestre e a veículo não motorizado:
Art. 205. Ultrapassar veículo em movimento que I - que se encontre na faixa a ele destinada;
integre cortejo, préstito, desfile e formações militares, II - que não haja concluído a travessia mesmo que
salvo com autorização da autoridade de trânsito ou de seus ocorra sinal verde para o veículo;
agentes: III - portadores de deficiência física, crianças, idosos e
Infração - leve; gestantes:
Penalidade - multa. Infração - gravíssima;
Art. 206. Executar operação de retorno: Penalidade - multa.
I - em locais proibidos pela sinalização; IV - quando houver iniciado a travessia mesmo que não
II - nas curvas, aclives, declives, pontes, viadutos e haja sinalização a ele destinada;
túneis; V - que esteja atravessando a via transversal para onde
III - passando por cima de calçada, passeio, ilhas, se dirige o veículo:
ajardinamento ou canteiros de divisões de pista de Infração - grave;
rolamento, refúgios e faixas de pedestres e nas de veículos Penalidade - multa.
não motorizados; Art. 215. Deixar de dar preferência de passagem:
IV - nas interseções, entrando na contramão de direção I - em interseção não sinalizada:
da via transversal; a) a veículo que estiver circulando por rodovia ou
V - com prejuízo da livre circulação ou da segurança, rotatória;
ainda que em locais permitidos: b) a veículo que vier da direita;
Infração - gravíssima; II - nas interseções com sinalização de regulamentação
Penalidade - multa. de Dê a Preferência:
Art. 207. Executar operação de conversão à direita ou à Infração - grave;
esquerda em locais proibidos pela sinalização: Penalidade - multa.
Infração - grave; Art. 216. Entrar ou sair de áreas lindeiras sem estar
Penalidade - multa. adequadamente posicionado para ingresso na via e sem as
Art. 208. Avançar o sinal vermelho do semáforo ou o precauções com a segurança de pedestres e de outros
de parada obrigatória: veículos:
Infração - gravíssima; Infração - média;
Penalidade - multa. Penalidade - multa.
Art. 209. Transpor, sem autorização, bloqueio viário Art. 217. Entrar ou sair de fila de veículos estacionados
com ou sem sinalização ou dispositivos auxiliares, deixar de sem dar preferência de passagem a pedestres e a outros
adentrar às áreas destinadas à pesagem de veículos ou veículos:
evadir-se para não efetuar o pagamento do pedágio: Infração - média;
Infração - grave; Penalidade - multa.
Penalidade - multa. Art. 218. Transitar em velocidade superior à máxima
Art. 210. Transpor, sem autorização, bloqueio viário permitida para o local, medida por instrumento ou
policial: equipamento hábil, em rodovias, vias de trânsito rápido,
Infração - gravíssima; vias arteriais e demais vias: (Redação dada pela Lei nº
Penalidade - multa, apreensão do veículo e suspensão 11.334, de 2006)
do direito de dirigir; I - quando a velocidade for superior à máxima em até
Medida administrativa - remoção do veículo e 20% (vinte por cento): (Redação dada pela Lei nº 11.334,
recolhimento do documento de habilitação. de 2006)
Art. 211. Ultrapassar veículos em fila, parados em Infração - média; (Redação dada pela Lei nº 11.334,
razão de sinal luminoso, cancela, bloqueio viário parcial ou de 2006)
qualquer outro obstáculo, com exceção dos veículos não Penalidade - multa; (Redação dada pela Lei nº
motorizados: 11.334, de 2006)
Infração - grave; II - quando a velocidade for superior à máxima em mais
Penalidade - multa. de 20% (vinte por cento) até 50% (cinqüenta por cento):
Art. 212. Deixar de parar o veículo antes de transpor (Redação dada pela Lei nº 11.334, de 2006)
linha férrea: Infração - grave; (Redação dada pela Lei nº 11.334,
Infração - gravíssima; de 2006)
Penalidade - multa. Penalidade - multa; (Redação dada pela Lei nº
Art. 213. Deixar de parar o veículo sempre que a 11.334, de 2006)
respectiva marcha for interceptada: III - quando a velocidade for superior à máxima em
I - por agrupamento de pessoas, como préstitos, mais de 50% (cinqüenta por cento): (Incluído pela Lei nº
passeatas, desfiles e outros: 11.334, de 2006)
Infração - gravíssima; Infração - gravíssima; (Incluído pela Lei nº 11.334,
Penalidade - multa. de 2006)
II - por agrupamento de veículos, como cortejos,
formações militares e outros:
Câmara Municipal de São Jerônimo 92 Motorista
Penalidade - multa [3 (três) vezes], suspensão imediata Infração - grave;
do direito de dirigir e apreensão do documento de Penalidade - multa;
habilitação. (Incluído pela Lei nº 11.334, de 2006) Medida administrativa - retenção do veículo para
Art. 219. Transitar com o veículo em velocidade inferior regularização.
à metade da velocidade máxima estabelecida para a via, Art. 224. Fazer uso do facho de luz alta dos faróis em
retardando ou obstruindo o trânsito, a menos que as vias providas de iluminação pública:
condições de tráfego e meteorológicas não o permitam, Infração - leve;
salvo se estiver na faixa da direita: Penalidade - multa.
Infração - média; Art. 225. Deixar de sinalizar a via, de forma a prevenir
Penalidade - multa. os demais condutores e, à noite, não manter acesas as
Art. 220. Deixar de reduzir a velocidade do veículo de luzes externas ou omitir-se quanto a providências
forma compatível com a segurança do trânsito: necessárias para tornar visível o local, quando:
I - quando se aproximar de passeatas, aglomerações, I - tiver de remover o veículo da pista de rolamento ou
cortejos, préstitos e desfiles: permanecer no acostamento;
Infração - gravíssima; II - a carga for derramada sobre a via e não puder ser
Penalidade - multa; retirada imediatamente:
II - nos locais onde o trânsito esteja sendo controlado Infração - grave;
pelo agente da autoridade de trânsito, mediante sinais Penalidade - multa.
sonoros ou gestos; Art. 226. Deixar de retirar todo e qualquer objeto que
III - ao aproximar-se da guia da calçada (meio-fio) ou tenha sido utilizado para sinalização temporária da via:
acostamento; Infração - média;
IV - ao aproximar-se de ou passar por interseção não Penalidade - multa.
sinalizada; Art. 227. Usar buzina:
V - nas vias rurais cuja faixa de domínio não esteja I - em situação que não a de simples toque breve como
cercada; advertência ao pedestre ou a condutores de outros
VI - nos trechos em curva de pequeno raio; veículos;
VII - ao aproximar-se de locais sinalizados com II - prolongada e sucessivamente a qualquer pretexto;
advertência de obras ou trabalhadores na pista; III - entre as vinte e duas e as seis horas;
VIII - sob chuva, neblina, cerração ou ventos fortes; IV - em locais e horários proibidos pela sinalização;
IX - quando houver má visibilidade; V - em desacordo com os padrões e freqüências
X - quando o pavimento se apresentar escorregadio, estabelecidas pelo CONTRAN:
defeituoso ou avariado; Infração - leve;
XI - à aproximação de animais na pista; Penalidade - multa.
XII - em declive; Art. 228. Usar no veículo equipamento com som em
XIII - ao ultrapassar ciclista: volume ou freqüência que não sejam autorizados pelo
Infração - grave; CONTRAN:
Penalidade - multa; Infração - grave;
XIV - nas proximidades de escolas, hospitais, estações Penalidade - multa;
de embarque e desembarque de passageiros ou onde haja Medida administrativa - retenção do veículo para
intensa movimentação de pedestres: regularização.
Infração - gravíssima; Art. 229. Usar indevidamente no veículo aparelho de
Penalidade - multa. alarme ou que produza sons e ruído que perturbem o
Art. 221. Portar no veículo placas de identificação em sossego público, em desacordo com normas fixadas pelo
desacordo com as especificações e modelos estabelecidos CONTRAN:
pelo CONTRAN: Infração - média;
Infração - média; Penalidade - multa e apreensão do veículo;
Penalidade - multa; Medida administrativa - remoção do veículo.
Medida administrativa - retenção do veículo para Art. 230. Conduzir o veículo:
regularização e apreensão das placas irregulares. I - com o lacre, a inscrição do chassi, o selo, a placa ou
Parágrafo único. Incide na mesma penalidade aquele qualquer outro elemento de identificação do veículo
que confecciona, distribui ou coloca, em veículo próprio ou violado ou falsificado;
de terceiros, placas de identificação não autorizadas pela II - transportando passageiros em compartimento de
regulamentação. carga, salvo por motivo de força maior, com permissão da
Art. 222. Deixar de manter ligado, nas situações de autoridade competente e na forma estabelecida pelo
atendimento de emergência, o sistema de iluminação CONTRAN;
vermelha intermitente dos veículos de polícia, de socorro III - com dispositivo anti-radar;
de incêndio e salvamento, de fiscalização de trânsito e das IV - sem qualquer uma das placas de identificação;
ambulâncias, ainda que parados: V - que não esteja registrado e devidamente licenciado;
Infração - média; VI - com qualquer uma das placas de identificação sem
Penalidade - multa. condições de legibilidade e visibilidade:
Art. 223. Transitar com o farol desregulado ou com o Infração - gravíssima;
facho de luz alta de forma a perturbar a visão de outro Penalidade - multa e apreensão do veículo;
condutor: Medida administrativa - remoção do veículo;
Câmara Municipal de São Jerônimo 93 Motorista
VII - com a cor ou característica alterada; depósito, judicial ou administrativo, da multa. (Incluído
VIII - sem ter sido submetido à inspeção de segurança pela Lei nº 13.103, de 2015) (Vigência)
veicular, quando obrigatória; Art. 231. Transitar com o veículo:
IX - sem equipamento obrigatório ou estando este I - danificando a via, suas instalações e equipamentos;
ineficiente ou inoperante; II - derramando, lançando ou arrastando sobre a via:
X - com equipamento obrigatório em desacordo com o a) carga que esteja transportando;
estabelecido pelo CONTRAN; b) combustível ou lubrificante que esteja utilizando;
XI - com descarga livre ou silenciador de motor de c) qualquer objeto que possa acarretar risco de
explosão defeituoso, deficiente ou inoperante; acidente:
XII - com equipamento ou acessório proibido; Infração - gravíssima;
XIII - com o equipamento do sistema de iluminação e Penalidade - multa;
de sinalização alterados; Medida administrativa - retenção do veículo para
XIV - com registrador instantâneo inalterável de regularização;
velocidade e tempo viciado ou defeituoso, quando houver III - produzindo fumaça, gases ou partículas em níveis
exigência desse aparelho; superiores aos fixados pelo CONTRAN;
XV - com inscrições, adesivos, legendas e símbolos de IV - com suas dimensões ou de sua carga superiores
caráter publicitário afixados ou pintados no pára-brisa e em aos limites estabelecidos legalmente ou pela sinalização,
toda a extensão da parte traseira do veículo, excetuadas as sem autorização:
hipóteses previstas neste Código; Infração - grave;
XVI - com vidros total ou parcialmente cobertos por Penalidade - multa;
películas refletivas ou não, painéis decorativos ou pinturas; Medida administrativa - retenção do veículo para
XVII - com cortinas ou persianas fechadas, não regularização;
autorizadas pela legislação; V - com excesso de peso, admitido percentual de
XVIII - em mau estado de conservação, tolerância quando aferido por equipamento, na forma a ser
comprometendo a segurança, ou reprovado na avaliação estabelecida pelo CONTRAN:
de inspeção de segurança e de emissão de poluentes e Infração - média;
ruído, prevista no art. 104; Penalidade - multa acrescida a cada duzentos
XIX - sem acionar o limpador de pára-brisa sob chuva: quilogramas ou fração de excesso de peso apurado,
Infração - grave; constante na seguinte tabela:
Penalidade - multa; a) até 600 kg (seiscentos quilogramas) - R$ 5,32 (cinco
Medida administrativa - retenção do veículo para reais e trinta e dois centavos); (Redação dada pela Lei
regularização; nº 13.281, de 2016) (Vigência)
XX - sem portar a autorização para condução de b) de 601 (seiscentos e um) a 800 kg (oitocentos
escolares, na forma estabelecida no art. 136: quilogramas) - R$ 10,64 (dez reais e sessenta e quatro
Infração - grave; centavos); (Redação dada pela Lei nº 13.281, de
Penalidade - multa e apreensão do veículo; 2016) (Vigência)
XXI - de carga, com falta de inscrição da tara e demais c) de 801 (oitocentos e um) a 1.000 kg (mil quilogramas)
inscrições previstas neste Código; - R$ 21,28 (vinte e um reais e vinte e oito centavos);
XXII - com defeito no sistema de iluminação, de (Redação dada pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
sinalização ou com lâmpadas queimadas: d) de 1.001 (mil e um) a 3.000 kg (três mil quilogramas) -
Infração - média; R$ 31,92 (trinta e um reais e noventa e dois centavos);
Penalidade - multa. (Redação dada pela Lei nº 13. 281, de 2016) (Vigência)
XXIII - em desacordo com as condições estabelecidas no e) de 3.001 (três mil e um) a 5.000 kg (cinco mil
art. 67-C, relativamente ao tempo de permanência do quilogramas) - R$ 42,56 (quarenta e dois reais e cinquenta
condutor ao volante e aos intervalos para descanso, e seis centavos); (Redação dada pela Lei nº 13.281, de
quando se tratar de veículo de transporte de carga ou 2016) (Vigência)
coletivo de passageiros: (Redação dada pela Lei nº 13.103, f) acima de 5.001 kg (cinco mil e um quilogramas) - R$
de 2015) (Vigência) 53,20 (cinquenta e três reais e vinte centavos);
Infração - média; (Redação dada pela Lei nº 13.103, de (Redação dada pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
2015) (Vigência) Medida administrativa - retenção do veículo e
Penalidade - multa; (Redação dada pela Lei nº 13.103, transbordo da carga excedente;
de 2015) (Vigência) 'VI - em desacordo com a autorização especial,
Medida administrativa - retenção do veículo para expedida pela autoridade competente para transitar com
cumprimento do tempo de descanso aplicável. (Redação dimensões excedentes, ou quando a mesma estiver
dada pela Lei nº 13.103, de 2015) (Vigência) vencida:
XXIV- (VETADO). (Incluído pela Lei nº 12.619, de Infração - grave;
2012) (Vigência) Penalidade - multa e apreensão do veículo;
§ 1o Se o condutor cometeu infração igual nos últimos Medida administrativa - remoção do veículo;
12 (doze) meses, será convertida, automaticamente, a VII - com lotação excedente;
penalidade disposta no inciso XXIII em infração grave. VIII - efetuando transporte remunerado de pessoas ou
(Incluído pela Lei nº 13.103, de 2015) (Vigência) bens, quando não for licenciado para esse fim, salvo casos
§ 2o Em se tratando de condutor estrangeiro, a de força maior ou com permissão da autoridade
liberação do veículo fica condicionada ao pagamento ou ao competente:
Câmara Municipal de São Jerônimo 94 Motorista
Infração - média; Infração - gravíssima;
Penalidade - multa; Penalidade - multa e apreensão do veículo;
Medida administrativa - retenção do veículo; Medida administrativa - remoção do veículo.
IX - desligado ou desengrenado, em declive: Art. 239. Retirar do local veículo legalmente retido para
Infração - média; regularização, sem permissão da autoridade competente
Penalidade - multa; ou de seus agentes:
Medida administrativa - retenção do veículo; Infração - gravíssima;
X - excedendo a capacidade máxima de tração: Penalidade - multa e apreensão do veículo;
Infração - de média a gravíssima, a depender da Medida administrativa - remoção do veículo.
relação entre o excesso de peso apurado e a capacidade Art. 240. Deixar o responsável de promover a baixa do
máxima de tração, a ser regulamentada pelo CONTRAN; registro de veículo irrecuperável ou definitivamente
Penalidade - multa; desmontado:
Medida Administrativa - retenção do veículo e Infração - grave;
transbordo de carga excedente. Penalidade - multa;
Parágrafo único. Sem prejuízo das multas previstas nos Medida administrativa - Recolhimento do Certificado
incisos V e X, o veículo que transitar com excesso de peso de Registro e do Certificado de Licenciamento Anual.
ou excedendo à capacidade máxima de tração, não Art. 241. Deixar de atualizar o cadastro de registro do
computado o percentual tolerado na forma do disposto na veículo ou de habilitação do condutor:
legislação, somente poderá continuar viagem após Infração - leve;
descarregar o que exceder, segundo critérios estabelecidos Penalidade - multa.
na referida legislação complementar. Art. 242. Fazer falsa declaração de domicílio para fins
Art. 232. Conduzir veículo sem os documentos de porte de registro, licenciamento ou habilitação:
obrigatório referidos neste Código: Infração - gravíssima;
Infração - leve; Penalidade - multa.
Penalidade - multa; Art. 243. Deixar a empresa seguradora de comunicar
Medida administrativa - retenção do veículo até a ao órgão executivo de trânsito competente a ocorrência de
apresentação do documento. perda total do veículo e de lhe devolver as respectivas
Art. 233. Deixar de efetuar o registro de veículo no placas e documentos:
prazo de trinta dias, junto ao órgão executivo de trânsito, Infração - grave;
ocorridas as hipóteses previstas no art. 123: Penalidade - multa;
Infração - grave; Medida administrativa - Recolhimento das placas e dos
Penalidade - multa; documentos.
Medida administrativa - retenção do veículo para Art. 244. Conduzir motocicleta, motoneta e ciclomotor:
regularização. I - sem usar capacete de segurança com viseira ou
Art. 234. Falsificar ou adulterar documento de óculos de proteção e vestuário de acordo com as normas e
habilitação e de identificação do veículo: especificações aprovadas pelo CONTRAN;
Infração - gravíssima; II - transportando passageiro sem o capacete de
Penalidade - multa e apreensão do veículo; segurança, na forma estabelecida no inciso anterior, ou
Medida administrativa - remoção do veículo. fora do assento suplementar colocado atrás do condutor ou
Art. 235. Conduzir pessoas, animais ou carga nas partes em carro lateral;
externas do veículo, salvo nos casos devidamente III - fazendo malabarismo ou equilibrando-se apenas
autorizados: em uma roda;
Infração - grave; IV - com os faróis apagados;
Penalidade - multa; V - transportando criança menor de sete anos ou que
Medida administrativa - retenção do veículo para não tenha, nas circunstâncias, condições de cuidar de sua
transbordo. própria segurança:
Art. 236. Rebocar outro veículo com cabo flexível ou Infração - gravíssima;
corda, salvo em casos de emergência: Penalidade - multa e suspensão do direito de dirigir;
Infração - média; Medida administrativa - Recolhimento do documento
Penalidade - multa. de habilitação;
Art. 237. Transitar com o veículo em desacordo com as VI - rebocando outro veículo;
especificações, e com falta de inscrição e simbologia VII - sem segurar o guidom com ambas as mãos, salvo
necessárias à sua identificação, quando exigidas pela eventualmente para indicação de manobras;
legislação: VIII – transportando carga incompatível com suas
Infração - grave; especificações ou em desacordo com o previsto no § 2o do
Penalidade - multa; art. 139-A desta Lei; (Incluído pela Lei nº 12.009, de
Medida administrativa - retenção do veículo para 2009)
regularização. IX – efetuando transporte remunerado de mercadorias
Art. 238. Recusar-se a entregar à autoridade de em desacordo com o previsto no art. 139-A desta Lei ou
trânsito ou a seus agentes, mediante recibo, os com as normas que regem a atividade profissional dos
documentos de habilitação, de registro, de licenciamento mototaxistas: (Incluído pela Lei nº 12.009, de 2009)
de veículo e outros exigidos por lei, para averiguação de sua Infração – grave; (Incluído pela Lei nº 12.009, de
autenticidade: 2009)
Câmara Municipal de São Jerônimo 95 Motorista
Penalidade – multa; (Incluído pela Lei nº 12.009, de Penalidade - multa.
2009) Art. 250. Quando o veículo estiver em movimento:
Medida administrativa – apreensão do veículo para I - deixar de manter acesa a luz baixa:
regularização. (Incluído pela Lei nº 12.009, de 2009) a) durante a noite;
§ 1º Para ciclos aplica-se o disposto nos incisos III, VII e b) de dia, nos túneis providos de iluminação pública e
VIII, além de: nas rodovias; (Redação dada pela Lei nº 13.290, de
a) conduzir passageiro fora da garupa ou do assento 2016) (Vigência)
especial a ele destinado; c) de dia e de noite, tratando-se de veículo de
b) transitar em vias de trânsito rápido ou rodovias, transporte coletivo de passageiros, circulando em faixas ou
salvo onde houver acostamento ou faixas de rolamento pistas a eles destinadas;
próprias; d) de dia e de noite, tratando-se de ciclomotores;
c) transportar crianças que não tenham, nas II - deixar de manter acesas pelo menos as luzes de
circunstâncias, condições de cuidar de sua própria posição sob chuva forte, neblina ou cerração;
segurança. III - deixar de manter a placa traseira iluminada, à
§ 2º Aplica-se aos ciclomotores o disposto na alínea b noite;
do parágrafo anterior: Infração - média;
Infração - média; Penalidade - multa.
Penalidade - multa. Art. 251. Utilizar as luzes do veículo:
§ 3o A restrição imposta pelo inciso VI do caput deste I - o pisca-alerta, exceto em imobilizações ou situações
artigo não se aplica às motocicletas e motonetas que de emergência;
tracionem semi-reboques especialmente projetados para II - baixa e alta de forma intermitente, exceto nas
esse fim e devidamente homologados pelo órgão seguintes situações:
competente. (Incluído pela Lei nº 10.517, de 2002) a) a curtos intervalos, quando for conveniente advertir
Art. 245. Utilizar a via para depósito de mercadorias, a outro condutor que se tem o propósito de ultrapassá-lo;
materiais ou equipamentos, sem autorização do órgão ou b) em imobilizações ou situação de emergência, como
entidade de trânsito com circunscrição sobre a via: advertência, utilizando pisca-alerta;
Infração - grave; c) quando a sinalização de regulamentação da via
Penalidade - multa; determinar o uso do pisca-alerta:
Medida administrativa - remoção da mercadoria ou do Infração - média;
material. Penalidade - multa.
Parágrafo único. A penalidade e a medida Art. 252. Dirigir o veículo:
administrativa incidirão sobre a pessoa física ou jurídica I - com o braço do lado de fora;
responsável. II - transportando pessoas, animais ou volume à sua
Art. 246. Deixar de sinalizar qualquer obstáculo à livre esquerda ou entre os braços e pernas;
circulação, à segurança de veículo e pedestres, tanto no III - com incapacidade física ou mental temporária que
leito da via terrestre como na calçada, ou obstaculizar a via comprometa a segurança do trânsito;
indevidamente: IV - usando calçado que não se firme nos pés ou que
Infração - gravíssima; comprometa a utilização dos pedais;
Penalidade - multa, agravada em até cinco vezes, a V - com apenas uma das mãos, exceto quando deva
critério da autoridade de trânsito, conforme o risco à fazer sinais regulamentares de braço, mudar a marcha do
segurança. veículo, ou acionar equipamentos e acessórios do veículo;
Parágrafo único. A penalidade será aplicada à pessoa VI - utilizando-se de fones nos ouvidos conectados a
física ou jurídica responsável pela obstrução, devendo a aparelhagem sonora ou de telefone celular;
autoridade com circunscrição sobre a via providenciar a Infração - média;
sinalização de emergência, às expensas do responsável, ou, Penalidade - multa.
se possível, promover a desobstrução. VII - realizando a cobrança de tarifa com o veículo em
Art. 247. Deixar de conduzir pelo bordo da pista de movimento: (Incluído pela Lei nº 13.154, de 2015)
rolamento, em fila única, os veículos de tração ou Infração - média; (Incluído pela Lei nº 13.154, de
propulsão humana e os de tração animal, sempre que não 2015)
houver acostamento ou faixa a eles destinados: Penalidade - multa. (Incluído pela Lei nº 13.154,
Infração - média; de 2015)
Penalidade - multa. Parágrafo único. A hipótese prevista no inciso V
Art. 248. Transportar em veículo destinado ao caracterizar-se-á como infração gravíssima no caso de o
transporte de passageiros carga excedente em desacordo condutor estar segurando ou manuseando telefone
com o estabelecido no art. 109: celular. (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016)
Infração - grave; (Vigência)
Penalidade - multa; Art. 253. Bloquear a via com veículo:
Medida administrativa - retenção para o transbordo. Infração - gravíssima;
Art. 249. Deixar de manter acesas, à noite, as luzes de Penalidade - multa e apreensão do veículo;
posição, quando o veículo estiver parado, para fins de Medida administrativa - remoção do veículo.
embarque ou desembarque de passageiros e carga ou Art. 253-A. Usar qualquer veículo para,
descarga de mercadorias: deliberadamente, interromper, restringir ou perturbar a
Infração - média; circulação na via sem autorização do órgão ou entidade de
Câmara Municipal de São Jerônimo 96 Motorista
trânsito com circunscrição sobre ela: (Incluído pela Lei IV - apreensão do veículo; (Revogado pela Lei nº
nº 13. 281, de 2016) 13.281, de 2016) (Vigência)
Infração - gravíssima; (Incluído pela Lei nº 13.281, V - cassação da Carteira Nacional de Habilitação;
de 2016) VI - cassação da Permissão para Dirigir;
Penalidade - multa (vinte vezes) e suspensão do direito VII - freqüência obrigatória em curso de reciclagem.
de dirigir por 12 (doze) meses; (Incluído pela Lei nº § 1º A aplicação das penalidades previstas neste
13.281, de 2016) Código não elide as punições originárias de ilícitos penais
Medida administrativa - remoção do veículo. decorrentes de crimes de trânsito, conforme disposições de
(Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) lei.
§ 1º Aplica-se a multa agravada em 60 (sessenta) vezes § 2º (VETADO)
aos organizadores da conduta prevista no caput. § 3º A imposição da penalidade será comunicada aos
(Incluído pela Lei nº 13. 281, de 2016) órgãos ou entidades executivos de trânsito responsáveis
§ 2º Aplica-se em dobro a multa em caso de pelo licenciamento do veículo e habilitação do condutor.
reincidência no período de 12 (doze) meses. (Incluído Art. 257. As penalidades serão impostas ao condutor,
pela Lei nº 13.281, de 2016) ao proprietário do veículo, ao embarcador e ao
§ 3º As penalidades são aplicáveis a pessoas físicas ou transportador, salvo os casos de descumprimento de
jurídicas que incorram na infração, devendo a autoridade obrigações e deveres impostos a pessoas físicas ou jurídicas
com circunscrição sobre a via restabelecer de imediato, se expressamente mencionados neste Código.
possível, as condições de normalidade para a circulação na § 1º Aos proprietários e condutores de veículos serão
via. (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) impostas concomitantemente as penalidades de que trata
Art. 254. É proibido ao pedestre: este Código toda vez que houver responsabilidade solidária
I - permanecer ou andar nas pistas de rolamento, em infração dos preceitos que lhes couber observar,
exceto para cruzá-las onde for permitido; respondendo cada um de per si pela falta em comum que
II - cruzar pistas de rolamento nos viadutos, pontes, ou lhes for atribuída.
túneis, salvo onde exista permissão; § 2º Ao proprietário caberá sempre a responsabilidade
III - atravessar a via dentro das áreas de cruzamento, pela infração referente à prévia regularização e
salvo quando houver sinalização para esse fim; preenchimento das formalidades e condições exigidas para
IV - utilizar-se da via em agrupamentos capazes de o trânsito do veículo na via terrestre, conservação e
perturbar o trânsito, ou para a prática de qualquer inalterabilidade de suas características, componentes,
folguedo, esporte, desfiles e similares, salvo em casos agregados, habilitação legal e compatível de seus
especiais e com a devida licença da autoridade condutores, quando esta for exigida, e outras disposições
competente; que deva observar.
V - andar fora da faixa própria, passarela, passagem § 3º Ao condutor caberá a responsabilidade pelas
aérea ou subterrânea; infrações decorrentes de atos praticados na direção do
VI - desobedecer à sinalização de trânsito específica; veículo.
Infração - leve; § 4º O embarcador é responsável pela infração relativa
Penalidade - multa, em 50% (cinqüenta por cento) do ao transporte de carga com excesso de peso nos eixos ou
valor da infração de natureza leve. no peso bruto total, quando simultaneamente for o único
VII - (VETADO). (Incluído pela Lei nº 13.281, de remetente da carga e o peso declarado na nota fiscal,
2016) fatura ou manifesto for inferior àquele aferido.
§ 1º (VETADO). (Incluído pela Lei nº 13.281, de § 5º O transportador é o responsável pela infração
2016) relativa ao transporte de carga com excesso de peso nos
§ 2º (VETADO). (Incluído pela Lei nº 13.281, de eixos ou quando a carga proveniente de mais de um
2016) embarcador ultrapassar o peso bruto total.
§ 3º (VETADO). (Incluído pela Lei nº 13.281, de § 6º O transportador e o embarcador são
2016) solidariamente responsáveis pela infração relativa ao
Art. 255. Conduzir bicicleta em passeios onde não seja excesso de peso bruto total, se o peso declarado na nota
permitida a circulação desta, ou de forma agressiva, em fiscal, fatura ou manifesto for superior ao limite legal.
desacordo com o disposto no parágrafo único do art. 59: § 7º Não sendo imediata a identificação do infrator, o
Infração - média; proprietário do veículo terá quinze dias de prazo, após a
Penalidade - multa; notificação da autuação, para apresentá-lo, na forma em
Medida administrativa - remoção da bicicleta, que dispuser o CONTRAN, ao fim do qual, não o fazendo,
mediante recibo para o pagamento da multa. será considerado responsável pela infração.
CAPÍTULO XVI § 8º Após o prazo previsto no parágrafo anterior, não
DAS PENALIDADES havendo identificação do infrator e sendo o veículo de
Art. 256. A autoridade de trânsito, na esfera das propriedade de pessoa jurídica, será lavrada nova multa ao
competências estabelecidas neste Código e dentro de sua proprietário do veículo, mantida a originada pela infração,
circunscrição, deverá aplicar, às infrações nele previstas, as cujo valor é o da multa multiplicada pelo número de
seguintes penalidades: infrações iguais cometidas no período de doze meses.
I - advertência por escrito; § 9º O fato de o infrator ser pessoa jurídica não o
II - multa; exime do disposto no § 3º do art. 258 e no art. 259.
III - suspensão do direito de dirigir; Art. 258. As infrações punidas com multa classificam-
se, de acordo com sua gravidade, em quatro categorias:
Câmara Municipal de São Jerônimo 97 Motorista
I - infração de natureza gravíssima, punida com multa multa respectiva deverá ser paga antes de sua saída do
no valor de R$ 293,47 (duzentos e noventa e três reais e País, respeitado o princípio de reciprocidade.
quarenta e sete centavos); (Redação dada pela Lei nº Art. 261. A penalidade de suspensão do direito de
13.281, de 2016) (Vigência) dirigir será imposta nos seguintes casos: (Redação
II - infração de natureza grave, punida com multa no dada pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
valor de R$ 195,23 (cento e noventa e cinco reais e vinte e I - sempre que o infrator atingir a contagem de 20
três centavos); (Redação dada pela Lei nº 13.281, de (vinte) pontos, no período de 12 (doze) meses, conforme a
2016) (Vigência) pontuação prevista no art. 259; (Incluído pela Lei nº
III - infração de natureza média, punida com multa no 13.281, de 2016) (Vigência)
valor de R$ 130,16 (cento e trinta reais e dezesseis II - por transgressão às normas estabelecidas neste
centavos); (Redação dada pela Lei nº 13.281, de Código, cujas infrações preveem, de forma específica, a
2016) (Vigência) penalidade de suspensão do direito de dirigir. (Incluído
IV - infração de natureza leve, punida com multa no pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
valor de R$ 88,38 (oitenta e oito reais e trinta e oito § 1º Os prazos para aplicação da penalidade de
centavos). (Redação dada pela Lei nº 13.281, de suspensão do direito de dirigir são os seguintes:
2016) (Vigência) (Redação dada pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
§ 1º (Revogado). (Redação dada pela Lei nº I - no caso do inciso I do caput: de 6 (seis) meses a 1
13.281, de 2016) (Vigência) (um) ano e, no caso de reincidência no período de 12 (doze)
§ 2º Quando se tratar de multa agravada, o fator meses, de 8 (oito) meses a 2 (dois) anos; (Incluído pela
multiplicador ou índice adicional específico é o previsto Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
neste Código. II - no caso do inciso II do caput: de 2 (dois) a 8 (oito)
§ 3º (VETADO) meses, exceto para as infrações com prazo descrito no
§ 4º (VETADO) dispositivo infracional, e, no caso de reincidência no
Art. 259. A cada infração cometida são computados os período de 12 (doze) meses, de 8 (oito) a 18 (dezoito)
seguintes números de pontos: meses, respeitado o disposto no inciso II do art. 263.
I - gravíssima - sete pontos; (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
II - grave - cinco pontos; § 2º Quando ocorrer a suspensão do direito de dirigir, a
III - média - quatro pontos; Carteira Nacional de Habilitação será devolvida a seu titular
IV - leve - três pontos. imediatamente após cumprida a penalidade e o curso de
§ 1º (VETADO) reciclagem.
§ 2º (VETADO) § 3o A imposição da penalidade de suspensão do
§ 3o (VETADO). (Incluído pela Lei nº 12.619, de direito de dirigir elimina os 20 (vinte) pontos computados
2012) (Vigência) para fins de contagem subsequente. (Incluído pela Lei
§ 4o Ao condutor identificado no ato da infração será nº 12.547, de 2011)
atribuída pontuação pelas infrações de sua § 4o (VETADO). (Incluído pela Lei nº 12.619, de
responsabilidade, nos termos previstos no § 3 o do art. 257, 2012) (Vigência)
excetuando-se aquelas praticadas por passageiros usuários § 5º O condutor que exerce atividade remunerada em
do serviço de transporte rodoviário de passageiros em veículo, habilitado na categoria C, D ou E, poderá optar por
viagens de longa distância transitando em rodovias com a participar de curso preventivo de reciclagem sempre que,
utilização de ônibus, em linhas regulares intermunicipal, no período de 1 (um) ano, atingir 14 (quatorze) pontos,
interestadual, internacional e aquelas em viagem de longa conforme regulamentação do Contran. (Redação dada
distância por fretamento e turismo ou de qualquer pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
modalidade, excetuadas as situações regulamentadas pelo § 6o Concluído o curso de reciclagem previsto no § 5 o, o
Contran a teor do art. 65 da Lei no 9.503, de 23 de condutor terá eliminados os pontos que lhe tiverem sido
setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro. atribuídos, para fins de contagem subsequente.
(Incluído pela Lei nº 13.103, de 2015) (Vigência) (Incluído pela Lei nº 13.154, de 2015)
Art. 260. As multas serão impostas e arrecadadas pelo § 7º O motorista que optar pelo curso previsto no § 5º
órgão ou entidade de trânsito com circunscrição sobre a via não poderá fazer nova opção no período de 12 (doze)
onde haja ocorrido a infração, de acordo com a meses. (Redação dada pela Lei nº 13.281, de 2016)
competência estabelecida neste Código. (Vigência)
§ 1º As multas decorrentes de infração cometida em § 8o A pessoa jurídica concessionária ou permissionária
unidade da Federação diversa da do licenciamento do de serviço público tem o direito de ser informada dos
veículo serão arrecadadas e compensadas na forma pontos atribuídos, na forma do art. 259, aos motoristas que
estabelecida pelo CONTRAN. integrem seu quadro funcional, exercendo atividade
§ 2º As multas decorrentes de infração cometida em remunerada ao volante, na forma que dispuser o Contran.
unidade da Federação diversa daquela do licenciamento do (Incluído pela Lei nº 13.154, de 2015)
veículo poderão ser comunicadas ao órgão ou entidade § 9º Incorrerá na infração prevista no inciso II do art.
responsável pelo seu licenciamento, que providenciará a 162 o condutor que, notificado da penalidade de que trata
notificação. este artigo, dirigir veículo automotor em via pública.
§ 3º (Revogado pela Lei nº 9.602, de 1998) (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
§ 4º Quando a infração for cometida com veículo § 10. O processo de suspensão do direito de dirigir
licenciado no exterior, em trânsito no território nacional, a referente ao inciso II do caput deste artigo deverá ser
instaurado concomitantemente com o processo de
Câmara Municipal de São Jerônimo 98 Motorista
aplicação da penalidade de multa. (Incluído pela Lei nº dentro de sua circunscrição, deverá adotar as seguintes
13.281, de 2016) (Vigência) medidas administrativas:
§ 11. O Contran regulamentará as disposições deste I - retenção do veículo;
artigo. (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) II - remoção do veículo;
(Vigência) III - recolhimento da Carteira Nacional de Habilitação;
Art. 262. (Revogado pela Lei nº 13.281, de 2016) IV - recolhimento da Permissão para Dirigir;
(Vigência) V - recolhimento do Certificado de Registro;
Art. 263. A cassação do documento de habilitação dar- VI - recolhimento do Certificado de Licenciamento
se-á: Anual;
I - quando, suspenso o direito de dirigir, o infrator VII - (VETADO)
conduzir qualquer veículo; VIII - transbordo do excesso de carga;
II - no caso de reincidência, no prazo de doze meses, IX - realização de teste de dosagem de alcoolemia ou
das infrações previstas no inciso III do art. 162 e nos arts. perícia de substância entorpecente ou que determine
163, 164, 165, 173, 174 e 175; dependência física ou psíquica;
III - quando condenado judicialmente por delito de X - recolhimento de animais que se encontrem soltos
trânsito, observado o disposto no art. 160. nas vias e na faixa de domínio das vias de circulação,
§ 1º Constatada, em processo administrativo, a restituindo-os aos seus proprietários, após o pagamento de
irregularidade na expedição do documento de habilitação, multas e encargos devidos.
a autoridade expedidora promoverá o seu cancelamento. XI - realização de exames de aptidão física, mental, de
§ 2º Decorridos dois anos da cassação da Carteira legislação, de prática de primeiros socorros e de direção
Nacional de Habilitação, o infrator poderá requerer sua veicular. (Incluído pela Lei nº 9.602, de 1998)
reabilitação, submetendo-se a todos os exames necessários § 1º A ordem, o consentimento, a fiscalização, as
à habilitação, na forma estabelecida pelo CONTRAN. medidas administrativas e coercitivas adotadas pelas
Art. 264. (VETADO) autoridades de trânsito e seus agentes terão por objetivo
Art. 265. As penalidades de suspensão do direito de prioritário a proteção à vida e à incolumidade física da
dirigir e de cassação do documento de habilitação serão pessoa.
aplicadas por decisão fundamentada da autoridade de § 2º As medidas administrativas previstas neste artigo
trânsito competente, em processo administrativo, não elidem a aplicação das penalidades impostas por
assegurado ao infrator amplo direito de defesa. infrações estabelecidas neste Código, possuindo caráter
Art. 266. Quando o infrator cometer, complementar a estas.
simultaneamente, duas ou mais infrações, ser-lhe-ão § 3º São documentos de habilitação a Carteira Nacional
aplicadas, cumulativamente, as respectivas penalidades. de Habilitação e a Permissão para Dirigir.
Art. 267. Poderá ser imposta a penalidade de § 4º Aplica-se aos animais recolhidos na forma do
advertência por escrito à infração de natureza leve ou inciso X o disposto nos arts. 271 e 328, no que couber.
média, passível de ser punida com multa, não sendo Art. 270. O veículo poderá ser retido nos casos
reincidente o infrator, na mesma infração, nos últimos doze expressos neste Código.
meses, quando a autoridade, considerando o prontuário do § 1º Quando a irregularidade puder ser sanada no local
infrator, entender esta providência como mais educativa. da infração, o veículo será liberado tão logo seja
§ 1º A aplicação da advertência por escrito não elide o regularizada a situação.
acréscimo do valor da multa prevista no § 3º do art. 258, § 2o Não sendo possível sanar a falha no local da
imposta por infração posteriormente cometida. infração, o veículo, desde que ofereça condições de
§ 2º O disposto neste artigo aplica-se igualmente aos segurança para circulação, poderá ser liberado e entregue a
pedestres, podendo a multa ser transformada na condutor regularmente habilitado, mediante recolhimento
participação do infrator em cursos de segurança viária, a do Certificado de Licenciamento Anual, contra
critério da autoridade de trânsito. apresentação de recibo, assinalando-se prazo razoável ao
Art. 268. O infrator será submetido a curso de condutor para regularizar a situação, para o que se
reciclagem, na forma estabelecida pelo CONTRAN: considerará, desde logo, notificado. (Redação dada pela
I - quando, sendo contumaz, for necessário à sua Lei nº 13.160, de 2015)
reeducação; § 3º O Certificado de Licenciamento Anual será
II - quando suspenso do direito de dirigir; devolvido ao condutor no órgão ou entidade aplicadores
III - quando se envolver em acidente grave para o qual das medidas administrativas, tão logo o veículo seja
haja contribuído, independentemente de processo judicial; apresentado à autoridade devidamente regularizado.
IV - quando condenado judicialmente por delito de § 4º Não se apresentando condutor habilitado no local
trânsito; da infração, o veículo será removido a depósito, aplicando-
V - a qualquer tempo, se for constatado que o se neste caso o disposto no art. 271. (Redação dada
condutor está colocando em risco a segurança do trânsito; pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
VI - em outras situações a serem definidas pelo § 5º A critério do agente, não se dará a retenção
CONTRAN. imediata, quando se tratar de veículo de transporte
CAPÍTULO XVII coletivo transportando passageiros ou veículo
DAS MEDIDAS ADMINISTRATIVAS transportando produto perigoso ou perecível, desde que
Art. 269. A autoridade de trânsito ou seus agentes, na ofereça condições de segurança para circulação em via
esfera das competências estabelecidas neste Código e pública.

Câmara Municipal de São Jerônimo 99 Motorista


§ 6º Não efetuada a regularização no prazo a que se § 11. Os custos dos serviços de remoção e estada
refere o § 2o, será feito registro de restrição administrativa prestados por particulares poderão ser pagos pelo
no Renavam por órgão ou entidade executivo de trânsito proprietário diretamente ao contratado. (Incluído pela
dos Estados e do Distrito Federal, que será retirada após Lei nº 13.281, de 2016)
comprovada a regularização. (Incluído pela Lei nº § 12. O disposto no § 11 não afasta a possibilidade de
13.160, de 2015) o respectivo ente da Federação estabelecer a cobrança por
§ 7o O descumprimento das obrigações estabelecidas meio de taxa instituída em lei. (Incluído pela Lei nº
no § 2o resultará em recolhimento do veículo ao depósito, 13.281, de 2016)
aplicando-se, nesse caso, o disposto no art. 271. § 13. No caso de o proprietário do veículo objeto do
(Incluído pela Lei nº 13.160, de 2015) recolhimento comprovar, administrativa ou judicialmente,
Art. 271. O veículo será removido, nos casos previstos que o recolhimento foi indevido ou que houve abuso no
neste Código, para o depósito fixado pelo órgão ou período de retenção em depósito, é da responsabilidade do
entidade competente, com circunscrição sobre a via. ente público a devolução das quantias pagas por força
§ 1o A restituição do veículo removido só ocorrerá deste artigo, segundo os mesmos critérios da devolução de
mediante prévio pagamento de multas, taxas e despesas multas indevidas. (Incluído pela Lei nº 13.281, de
com remoção e estada, além de outros encargos previstos 2016)
na legislação específica. (Incluído pela Lei nº 13.160, de Art. 272. O recolhimento da Carteira Nacional de
2015) Habilitação e da Permissão para Dirigir dar-se-á mediante
§ 2o A liberação do veículo removido é condicionada recibo, além dos casos previstos neste Código, quando
ao reparo de qualquer componente ou equipamento houver suspeita de sua inautenticidade ou adulteração.
obrigatório que não esteja em perfeito estado de Art. 273. O recolhimento do Certificado de Registro
funcionamento. (Incluído pela Lei nº 13.160, de 2015) dar-se-á mediante recibo, além dos casos previstos neste
§ 3º Se o reparo referido no § 2º demandar Código, quando:
providência que não possa ser tomada no depósito, a I - houver suspeita de inautenticidade ou adulteração;
autoridade responsável pela remoção liberará o veículo II - se, alienado o veículo, não for transferida sua
para reparo, na forma transportada, mediante autorização, propriedade no prazo de trinta dias.
assinalando prazo para reapresentação. (Redação Art. 274. O recolhimento do Certificado de
dada pela Lei nº 13. 281, de 2016) Licenciamento Anual dar-se-á mediante recibo, além dos
§ 4º Os serviços de remoção, depósito e guarda de casos previstos neste Código, quando:
veículo poderão ser realizados por órgão público, I - houver suspeita de inautenticidade ou adulteração;
diretamente, ou por particular contratado por licitação II - se o prazo de licenciamento estiver vencido;
pública, sendo o proprietário do veículo o responsável pelo III - no caso de retenção do veículo, se a irregularidade
pagamento dos custos desses serviços. (Redação dada não puder ser sanada no local.
pela Lei nº 13. 281, de 2016) Art. 275. O transbordo da carga com peso excedente é
§ 5o O proprietário ou o condutor deverá ser condição para que o veículo possa prosseguir viagem e será
notificado, no ato de remoção do veículo, sobre as efetuado às expensas do proprietário do veículo, sem
providências necessárias à sua restituição e sobre o prejuízo da multa aplicável.
disposto no art. 328, conforme regulamentação do Parágrafo único. Não sendo possível desde logo
CONTRAN. (Incluído pela Lei nº 13.160, de 2015) atender ao disposto neste artigo, o veículo será recolhido
§ 6º Caso o proprietário ou o condutor não esteja ao depósito, sendo liberado após sanada a irregularidade e
presente no momento da remoção do veículo, a autoridade pagas as despesas de remoção e estada.
de trânsito, no prazo de 10 (dez) dias contado da data da Art. 276. Qualquer concentração de álcool por litro de
remoção, deverá expedir ao proprietário a notificação sangue ou por litro de ar alveolar sujeita o condutor às
prevista no § 5º, por remessa postal ou por outro meio penalidades previstas no art. 165. (Redação dada pela
tecnológico hábil que assegure a sua ciência, e, caso reste Lei nº 12.760, de 2012)
frustrada, a notificação poderá ser feita por edital. Parágrafo único. O Contran disciplinará as margens de
(Redação dada pela Lei nº 13.281, de 2016) tolerância quando a infração for apurada por meio de
§ 7o A notificação devolvida por desatualização do aparelho de medição, observada a legislação
endereço do proprietário do veículo ou por recusa desse de metrológica. (Redação dada pela Lei nº 12.760, de
recebê-la será considerada recebida para todos os 2012)
efeitos (Incluído pela Lei nº 13.160, de 2015) Art. 277. O condutor de veículo automotor envolvido
o
§ 8 Em caso de veículo licenciado no exterior, a em acidente de trânsito ou que for alvo de fiscalização de
notificação será feita por edital. (Incluído pela Lei nº trânsito poderá ser submetido a teste, exame clínico,
13.160, de 2015) perícia ou outro procedimento que, por meios técnicos ou
§ 9o Não caberá remoção nos casos em que a científicos, na forma disciplinada pelo Contran, permita
irregularidade puder ser sanada no local da infração. certificar influência de álcool ou outra substância psicoativa
(Incluído pela Lei nº 13.160, de 2015) que determine dependência. (Redação dada pela Lei
§ 10. O pagamento das despesas de remoção e nº 12.760, de 2012)
estada será correspondente ao período integral, contado § 1o (Revogado). (Redação dada pela Lei nº
em dias, em que efetivamente o veículo permanecer em 12.760, de 2012)
depósito, limitado ao prazo de 6 (seis) meses. (Incluído § 2o A infração prevista no art. 165 também poderá ser
pela Lei nº 13.281, de 2016) caracterizada mediante imagem, vídeo, constatação de
sinais que indiquem, na forma disciplinada pelo Contran,
Câmara Municipal de São Jerônimo 100 Motorista
alteração da capacidade psicomotora ou produção de Parágrafo único. O auto de infração será arquivado e
quaisquer outras provas em direito admitidas. seu registro julgado insubsistente:
(Redação dada pela Lei nº 12.760, de 2012) I - se considerado inconsistente ou irregular;
§ 3º Serão aplicadas as penalidades e medidas II - se, no prazo máximo de trinta dias, não for expedida
administrativas estabelecidas no art. 165-A deste Código ao a notificação da autuação. (Redação dada pela Lei nº
condutor que se recusar a se submeter a qualquer dos 9.602, de 1998)
procedimentos previstos no caput deste artigo. Art. 282. Aplicada a penalidade, será expedida
(Redação dada pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência) notificação ao proprietário do veículo ou ao infrator, por
Art. 278. Ao condutor que se evadir da fiscalização, não remessa postal ou por qualquer outro meio tecnológico
submetendo veículo à pesagem obrigatória nos pontos de hábil, que assegure a ciência da imposição da penalidade.
pesagem, fixos ou móveis, será aplicada a penalidade § 1º A notificação devolvida por desatualização do
prevista no art. 209, além da obrigação de retornar ao endereço do proprietário do veículo será considerada
ponto de evasão para fim de pesagem obrigatória. válida para todos os efeitos.
Parágrafo único. No caso de fuga do condutor à ação § 2º A notificação a pessoal de missões diplomáticas,
policial, a apreensão do veículo dar-se-á tão logo seja de repartições consulares de carreira e de representações
localizado, aplicando-se, além das penalidades em que de organismos internacionais e de seus integrantes será
incorre, as estabelecidas no art. 210. remetida ao Ministério das Relações Exteriores para as
Art. 279. Em caso de acidente com vítima, envolvendo providências cabíveis e cobrança dos valores, no caso de
veículo equipado com registrador instantâneo de multa.
velocidade e tempo, somente o perito oficial encarregado § 3º Sempre que a penalidade de multa for imposta a
do levantamento pericial poderá retirar o disco ou unidade condutor, à exceção daquela de que trata o § 1º do art.
armazenadora do registro. 259, a notificação será encaminhada ao proprietário do
CAPÍTULO XVIII veículo, responsável pelo seu pagamento.
DO PROCESSO ADMINISTRATIVO § 4º Da notificação deverá constar a data do término
Seção I do prazo para apresentação de recurso pelo responsável
Da Autuação pela infração, que não será inferior a trinta dias contados
Art. 280. Ocorrendo infração prevista na legislação de da data da notificação da penalidade. (Incluído pela Lei
trânsito, lavrar-se-á auto de infração, do qual constará: nº 9.602, de 1998)
I - tipificação da infração; § 5º No caso de penalidade de multa, a data
II - local, data e hora do cometimento da infração; estabelecida no parágrafo anterior será a data para o
III - caracteres da placa de identificação do veículo, sua recolhimento de seu valor. (Incluído pela Lei nº 9.602,
marca e espécie, e outros elementos julgados necessários à de 1998)
sua identificação; Art. 282-A. O proprietário do veículo ou o condutor
IV - o prontuário do condutor, sempre que possível; autuado poderá optar por ser notificado por meio
V - identificação do órgão ou entidade e da autoridade eletrônico se o órgão do Sistema Nacional de Trânsito
ou agente autuador ou equipamento que comprovar a responsável pela autuação oferecer essa opção.
infração; (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
VI - assinatura do infrator, sempre que possível, § 1º O proprietário ou o condutor autuado que optar
valendo esta como notificação do cometimento da pela notificação por meio eletrônico deverá manter seu
infração. cadastro atualizado no órgão executivo de trânsito do
§ 1º (VETADO) Estado ou do Distrito Federal. (Incluído pela Lei nº
§ 2º A infração deverá ser comprovada por declaração 13.281, de 2016) (Vigência)
da autoridade ou do agente da autoridade de trânsito, por § 2º Na hipótese de notificação por meio eletrônico, o
aparelho eletrônico ou por equipamento audiovisual, proprietário ou o condutor autuado será considerado
reações químicas ou qualquer outro meio notificado 30 (trinta) dias após a inclusão da informação no
tecnologicamente disponível, previamente regulamentado sistema eletrônico. (Incluído pela Lei nº 13.281, de
pelo CONTRAN. 2016) (Vigência)
§ 3º Não sendo possível a autuação em flagrante, o § 3º O sistema previsto no caput será certificado
agente de trânsito relatará o fato à autoridade no próprio digitalmente, atendidos os requisitos de autenticidade,
auto de infração, informando os dados a respeito do integridade, validade jurídica e interoperabilidade da
veículo, além dos constantes nos incisos I, II e III, para o Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-
procedimento previsto no artigo seguinte. Brasil). (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016)
§ 4º O agente da autoridade de trânsito competente (Vigência)
para lavrar o auto de infração poderá ser servidor civil, Art. 283. (VETADO)
estatutário ou celetista ou, ainda, policial militar designado Art. 284. O pagamento da multa poderá ser efetuado
pela autoridade de trânsito com jurisdição sobre a via no até a data do vencimento expressa na notificação, por
âmbito de sua competência. oitenta por cento do seu valor.
Seção II § 1º Caso o infrator opte pelo sistema de notificação
Do Julgamento das Autuações e Penalidades eletrônica, se disponível, conforme regulamentação do
Art. 281. A autoridade de trânsito, na esfera da Contran, e opte por não apresentar defesa prévia nem
competência estabelecida neste Código e dentro de sua recurso, reconhecendo o cometimento da infração, poderá
circunscrição, julgará a consistência do auto de infração e efetuar o pagamento da multa por 60% (sessenta por
aplicará a penalidade cabível. cento) do seu valor, em qualquer fase do processo, até o
Câmara Municipal de São Jerônimo 101 Motorista
vencimento da multa. (Incluído pela Lei nº 13.281, de a) em caso de suspensão do direito de dirigir por mais
2016) (Vigência) de seis meses, cassação do documento de habilitação ou
§ 2º O recolhimento do valor da multa não implica penalidade por infrações gravíssimas, pelo CONTRAN;
renúncia ao questionamento administrativo, que pode ser b) nos demais casos, por colegiado especial integrado
realizado a qualquer momento, respeitado o disposto no § pelo Coordenador-Geral da JARI, pelo Presidente da Junta
1º. (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência) que apreciou o recurso e por mais um Presidente de Junta;
§ 3º Não incidirá cobrança moratória e não poderá ser II - tratando-se de penalidade imposta por órgão ou
aplicada qualquer restrição, inclusive para fins de entidade de trânsito estadual, municipal ou do Distrito
licenciamento e transferência, enquanto não for encerrada Federal, pelos CETRAN E CONTRANDIFE, respectivamente.
a instância administrativa de julgamento de infrações e Parágrafo único. No caso da alínea b do inciso I,
penalidades. (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) quando houver apenas uma JARI, o recurso será julgado por
(Vigência) seus próprios membros.
§ 4º Encerrada a instância administrativa de julgamento Art. 290. A apreciação do recurso previsto no art. 288
de infrações e penalidades, a multa não paga até o encerra a instância administrativa de julgamento de
vencimento será acrescida de juros de mora equivalentes à infrações e penalidades.
taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Art. 290. Implicam encerramento da instância
Custódia (Selic) para títulos federais acumulada administrativa de julgamento de infrações e
mensalmente, calculados a partir do mês subsequente ao penalidades: (Redação dada pela Lei nº 13.281, de
da consolidação até o mês anterior ao do pagamento, e de 2016) (Vigência)
1% (um por cento) relativamente ao mês em que o I - o julgamento do recurso de que tratam os arts. 288 e
pagamento estiver sendo efetuado. (Incluído pela Lei 289; (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016)
nº 13.281, de 2016) (Vigência) (Vigência)
Art. 285. O recurso previsto no art. 283 será interposto II - a não interposição do recurso no prazo legal; e
perante a autoridade que impôs a penalidade, a qual (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
remetê-lo-á à JARI, que deverá julgá-lo em até trinta dias. III - o pagamento da multa, com reconhecimento da
§ 1º O recurso não terá efeito suspensivo. infração e requerimento de encerramento do processo na
§ 2º A autoridade que impôs a penalidade remeterá o fase em que se encontra, sem apresentação de defesa ou
recurso ao órgão julgador, dentro dos dez dias úteis recurso. (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016)
subseqüentes à sua apresentação, e, se o entender (Vigência)
intempestivo, assinalará o fato no despacho de Parágrafo único. Esgotados os recursos, as penalidades
encaminhamento. aplicadas nos termos deste Código serão cadastradas no
§ 3º Se, por motivo de força maior, o recurso não for RENACH.
julgado dentro do prazo previsto neste artigo, a autoridade CAPÍTULO XIX
que impôs a penalidade, de ofício, ou por solicitação do DOS CRIMES DE TRÂNSITO
recorrente, poderá conceder-lhe efeito suspensivo. Seção I
Art. 286. O recurso contra a imposição de multa Disposições Gerais
poderá ser interposto no prazo legal, sem o recolhimento Art. 291. Aos crimes cometidos na direção de veículos
do seu valor. automotores, previstos neste Código, aplicam-se as normas
§ 1º No caso de não provimento do recurso, aplicar-se- gerais do Código Penal e do Código de Processo Penal, se
á o estabelecido no parágrafo único do art. 284. este Capítulo não dispuser de modo diverso, bem como a
§ 2º Se o infrator recolher o valor da multa e Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, no que couber.
apresentar recurso, se julgada improcedente a penalidade, § 1o Aplica-se aos crimes de trânsito de lesão corporal
ser-lhe-á devolvida a importância paga, atualizada em UFIR culposa o disposto nos arts. 74, 76 e 88 da Lei no 9.099, de
ou por índice legal de correção dos débitos fiscais. 26 de setembro de 1995, exceto se o agente
Art. 287. Se a infração for cometida em localidade estiver: (Renumerado do parágrafo único pela Lei nº
diversa daquela do licenciamento do veículo, o recurso 11.705, de 2008)
poderá ser apresentado junto ao órgão ou entidade de I - sob a influência de álcool ou qualquer outra
trânsito da residência ou domicílio do infrator. substância psicoativa que determine dependência; (Incluído
Parágrafo único. A autoridade de trânsito que receber pela Lei nº 11.705, de 2008)
o recurso deverá remetê-lo, de pronto, à autoridade que II - participando, em via pública, de corrida, disputa ou
impôs a penalidade acompanhado das cópias dos competição automobilística, de exibição ou demonstração
prontuários necessários ao julgamento. de perícia em manobra de veículo automotor, não
Art. 288. Das decisões da JARI cabe recurso a ser autorizada pela autoridade competente; (Incluído pela Lei
interposto, na forma do artigo seguinte, no prazo de trinta nº 11.705, de 2008)
dias contado da publicação ou da notificação da decisão. III - transitando em velocidade superior à máxima
§ 1º O recurso será interposto, da decisão do não permitida para a via em 50 km/h (cinqüenta quilômetros
provimento, pelo responsável pela infração, e da decisão de por hora). (Incluído pela Lei nº 11.705, de 2008)
provimento, pela autoridade que impôs a penalidade. § 2o Nas hipóteses previstas no § 1o deste artigo,
Art. 289. O recurso de que trata o artigo anterior será deverá ser instaurado inquérito policial para a investigação
apreciado no prazo de trinta dias: da infração penal. (Incluído pela Lei nº 11.705, de 2008)
I - tratando-se de penalidade imposta pelo órgão ou Art. 292. A suspensão ou a proibição de se obter a
entidade de trânsito da União: permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor
pode ser imposta isolada ou cumulativamente com outras
Câmara Municipal de São Jerônimo 102 Motorista
penalidades. (Redação dada pela Lei nº 12.971, de 2014) segurança ou o seu funcionamento de acordo com os
(Vigência) limites de velocidade prescritos nas especificações do
Art. 293. A penalidade de suspensão ou de proibição fabricante;
de se obter a permissão ou a habilitação, para dirigir VII - sobre faixa de trânsito temporária ou
veículo automotor, tem a duração de dois meses a cinco permanentemente destinada a pedestres.
anos. Art. 299. (VETADO)
§ 1º Transitada em julgado a sentença condenatória, o Art. 300. (VETADO)
réu será intimado a entregar à autoridade judiciária, em Art. 301. Ao condutor de veículo, nos casos de
quarenta e oito horas, a Permissão para Dirigir ou a Carteira acidentes de trânsito de que resulte vítima, não se imporá a
de Habilitação. prisão em flagrante, nem se exigirá fiança, se prestar
§ 2º A penalidade de suspensão ou de proibição de se pronto e integral socorro àquela.
obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo Seção II
automotor não se inicia enquanto o sentenciado, por efeito Dos Crimes em Espécie
de condenação penal, estiver recolhido a estabelecimento Art. 302. Praticar homicídio culposo na direção de
prisional. veículo automotor:
Art. 294. Em qualquer fase da investigação ou da ação Penas - detenção, de dois a quatro anos, e suspensão
penal, havendo necessidade para a garantia da ordem ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para
pública, poderá o juiz, como medida cautelar, de ofício, ou dirigir veículo automotor.
a requerimento do Ministério Público ou ainda mediante § 1o No homicídio culposo cometido na direção de
representação da autoridade policial, decretar, em decisão veículo automotor, a pena é aumentada de 1/3 (um terço)
motivada, a suspensão da permissão ou da habilitação para à metade, se o agente: (Incluído pela Lei nº 12.971, de
dirigir veículo automotor, ou a proibição de sua obtenção. 2014) (Vigência)
Parágrafo único. Da decisão que decretar a suspensão I - não possuir Permissão para Dirigir ou Carteira de
ou a medida cautelar, ou da que indeferir o requerimento Habilitação; (Incluído pela Lei nº 12.971, de 2014)
do Ministério Público, caberá recurso em sentido estrito, (Vigência)
sem efeito suspensivo. II - praticá-lo em faixa de pedestres ou na calçada;
Art. 295. A suspensão para dirigir veículo automotor ou (Incluído pela Lei nº 12.971, de 2014) (Vigência)
a proibição de se obter a permissão ou a habilitação será III - deixar de prestar socorro, quando possível fazê-lo
sempre comunicada pela autoridade judiciária ao Conselho sem risco pessoal, à vítima do acidente; (Incluído pela
Nacional de Trânsito - CONTRAN, e ao órgão de trânsito do Lei nº 12.971, de 2014) (Vigência)
Estado em que o indiciado ou réu for domiciliado ou IV - no exercício de sua profissão ou atividade, estiver
residente. conduzindo veículo de transporte de passageiros.
Art. 296. Se o réu for reincidente na prática de crime (Incluído pela Lei nº 12.971, de 2014) (Vigência)
previsto neste Código, o juiz aplicará a penalidade de Art. 303. Praticar lesão corporal culposa na direção de
suspensão da permissão ou habilitação para dirigir veículo veículo automotor:
automotor, sem prejuízo das demais sanções penais Penas - detenção, de seis meses a dois anos e
cabíveis. (Redação dada pela Lei nº 11.705, de 2008) suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a
Art. 297. A penalidade de multa reparatória consiste no habilitação para dirigir veículo automotor.
pagamento, mediante depósito judicial em favor da vítima, Parágrafo único. Aumenta-se a pena de 1/3 (um terço)
ou seus sucessores, de quantia calculada com base no à metade, se ocorrer qualquer das hipóteses do § 1o do art.
disposto no § 1º do art. 49 do Código Penal, sempre que 302. (Redação dada pela Lei nº 12.971, de 2014)
houver prejuízo material resultante do crime. (Vigência)
§ 1º A multa reparatória não poderá ser superior ao Art. 304. Deixar o condutor do veículo, na ocasião do
valor do prejuízo demonstrado no processo. acidente, de prestar imediato socorro à vítima, ou, não
§ 2º Aplica-se à multa reparatória o disposto nos arts. podendo fazê-lo diretamente, por justa causa, deixar de
50 a 52 do Código Penal. solicitar auxílio da autoridade pública:
§ 3º Na indenização civil do dano, o valor da multa Penas - detenção, de seis meses a um ano, ou multa, se
reparatória será descontado. o fato não constituir elemento de crime mais grave.
Art. 298. São circunstâncias que sempre agravam as Parágrafo único. Incide nas penas previstas neste artigo
penalidades dos crimes de trânsito ter o condutor do o condutor do veículo, ainda que a sua omissão seja suprida
veículo cometido a infração: por terceiros ou que se trate de vítima com morte
I - com dano potencial para duas ou mais pessoas ou instantânea ou com ferimentos leves.
com grande risco de grave dano patrimonial a terceiros; Art. 305. Afastar-se o condutor do veículo do local do
II - utilizando o veículo sem placas, com placas falsas ou acidente, para fugir à responsabilidade penal ou civil que
adulteradas; lhe possa ser atribuída:
III - sem possuir Permissão para Dirigir ou Carteira de Penas - detenção, de seis meses a um ano, ou multa.
Habilitação; Art. 306. Conduzir veículo automotor com capacidade
IV - com Permissão para Dirigir ou Carteira de psicomotora alterada em razão da influência de álcool ou
Habilitação de categoria diferente da do veículo; de outra substância psicoativa que determine
V - quando a sua profissão ou atividade exigir cuidados dependência: (Redação dada pela Lei nº 12.760, de
especiais com o transporte de passageiros ou de carga; 2012)
VI - utilizando veículo em que tenham sido adulterados
equipamentos ou características que afetem a sua
Câmara Municipal de São Jerônimo 103 Motorista
Penas - detenção, de seis meses a três anos, multa e quem, por seu estado de saúde, física ou mental, ou por
suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a embriaguez, não esteja em condições de conduzi-lo com
habilitação para dirigir veículo automotor. segurança:
§ 1o As condutas previstas no caput serão constatadas Penas - detenção, de seis meses a um ano, ou multa.
por: (Incluído pela Lei nº 12.760, de 2012) Art. 310-A. (VETADO) (Incluído pela Lei nº
I - concentração igual ou superior a 6 decigramas de 12.619, de 2012) (Vigência)
álcool por litro de sangue ou igual ou superior a 0,3 Art. 311. Trafegar em velocidade incompatível com a
miligrama de álcool por litro de ar alveolar; ou segurança nas proximidades de escolas, hospitais, estações
(Incluído pela Lei nº 12.760, de 2012) de embarque e desembarque de passageiros, logradouros
II - sinais que indiquem, na forma disciplinada pelo estreitos, ou onde haja grande movimentação ou
Contran, alteração da capacidade psicomotora. concentração de pessoas, gerando perigo de dano:
(Incluído pela Lei nº 12.760, de 2012) Penas - detenção, de seis meses a um ano, ou multa.
§ 2o A verificação do disposto neste artigo poderá ser Art. 312. Inovar artificiosamente, em caso de acidente
obtida mediante teste de alcoolemia ou toxicológico, automobilístico com vítima, na pendência do respectivo
exame clínico, perícia, vídeo, prova testemunhal ou outros procedimento policial preparatório, inquérito policial ou
meios de prova em direito admitidos, observado o direito à processo penal, o estado de lugar, de coisa ou de pessoa, a
contraprova. (Redação dada pela Lei nº 12.971, de fim de induzir a erro o agente policial, o perito, ou juiz:
2014) (Vigência) Penas - detenção, de seis meses a um ano, ou multa.
§ 3o O Contran disporá sobre a equivalência entre os Parágrafo único. Aplica-se o disposto neste artigo,
distintos testes de alcoolemia ou toxicológicos para efeito ainda que não iniciados, quando da inovação, o
de caracterização do crime tipificado neste artigo. procedimento preparatório, o inquérito ou o processo aos
(Redação dada pela Lei nº 12.971, de 2014) (Vigência) quais se refere.
Art. 307. Violar a suspensão ou a proibição de se obter Art. 312-A. Para os crimes relacionados nos arts. 302 a
a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor 312 deste Código, nas situações em que o juiz aplicar a
imposta com fundamento neste Código: substituição de pena privativa de liberdade por pena
Penas - detenção, de seis meses a um ano e multa, com restritiva de direitos, esta deverá ser de prestação de
nova imposição adicional de idêntico prazo de suspensão serviço à comunidade ou a entidades públicas, em uma das
ou de proibição. seguintes atividades: (Incluído pela Lei nº 13.281, de
Parágrafo único. Nas mesmas penas incorre o 2016) (Vigência)
condenado que deixa de entregar, no prazo estabelecido no I - trabalho, aos fins de semana, em equipes de resgate
§ 1º do art. 293, a Permissão para Dirigir ou a Carteira de dos corpos de bombeiros e em outras unidades móveis
Habilitação. especializadas no atendimento a vítimas de trânsito;
Art. 308. Participar, na direção de veículo automotor, (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
em via pública, de corrida, disputa ou competição II - trabalho em unidades de pronto-socorro de hospitais
automobilística não autorizada pela autoridade da rede pública que recebem vítimas de acidente de
competente, gerando situação de risco à incolumidade trânsito e politraumatizados; (Incluído pela Lei nº
pública ou privada: (Redação dada pela Lei nº 12.971, 13.281, de 2016) (Vigência)
de 2014) (Vigência) III - trabalho em clínicas ou instituições especializadas
Penas - detenção, de 6 (seis) meses a 3 (três) anos, na recuperação de acidentados de trânsito; (Incluído
multa e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
a habilitação para dirigir ve íc u lo automotor. IV - outras atividades relacionadas ao resgate,
(Redação dada pela Lei nº 12.971, de 2014) (Vigência) atendimento e recuperação de vítimas de acidentes de
§ 1o Se da prática do crime previsto no caput resultar trânsito. (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016)
lesão corporal de natureza grave, e as circunstâncias (Vigência)
demonstrarem que o agente não quis o resultado nem CAPÍTULO XX
assumiu o risco de produzi-lo, a pena privativa de liberdade DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS
é de reclusão, de 3 (três) a 6 (seis) anos, sem prejuízo das Art. 313. O Poder Executivo promoverá a nomeação
outras penas previstas neste artigo. (Incluído pela Lei dos membros do CONTRAN no prazo de sessenta dias da
nº 12.971, de 2014) (Vigência) publicação deste Código.
§ 2o Se da prática do crime previsto no caput resultar Art. 314. O CONTRAN tem o prazo de duzentos e
morte, e as circunstâncias demonstrarem que o agente não quarenta dias a partir da publicação deste Código para
quis o resultado nem assumiu o risco de produzi-lo, a pena expedir as resoluções necessárias à sua melhor execução,
privativa de liberdade é de reclusão de 5 (cinco) a 10 (dez) bem como revisar todas as resoluções anteriores à sua
anos, sem prejuízo das outras penas previstas neste publicação, dando prioridade àquelas que visam a diminuir
artigo. (Incluído pela Lei nº 12.971, de 2014) o número de acidentes e a assegurar a proteção de
(Vigência) pedestres.
Art. 309. Dirigir veículo automotor, em via pública, sem Parágrafo único. As resoluções do CONTRAN,
a devida Permissão para Dirigir ou Habilitação ou, ainda, se existentes até a data de publicação deste Código,
cassado o direito de dirigir, gerando perigo de dano: continuam em vigor naquilo em que não conflitem com ele.
Penas - detenção, de seis meses a um ano, ou multa. Art. 315. O Ministério da Educação e do Desporto,
Art. 310. Permitir, confiar ou entregar a direção de mediante proposta do CONTRAN, deverá, no prazo de
veículo automotor a pessoa não habilitada, com habilitação duzentos e quarenta dias contado da publicação,
cassada ou com o direito de dirigir suspenso, ou, ainda, a estabelecer o currículo com conteúdo programático
Câmara Municipal de São Jerônimo 104 Motorista
relativo à segurança e à educação de trânsito, a fim de Art. 324. (VETADO)
atender o disposto neste Código. Art. 325. As repartições de trânsito conservarão por,
Art. 316. O prazo de notificação previsto no inciso II do no mínimo, 5 (cinco) anos os documentos relativos à
parágrafo único do art. 281 só entrará em vigor após habilitação de condutores, ao registro e ao licenciamento
duzentos e quarenta dias contados da publicação desta Lei. de veículos e aos autos de infração de trânsito.
Art. 317. Os órgãos e entidades de trânsito concederão (Redação dada pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
prazo de até um ano para a adaptação dos veículos de § 1º Os documentos previstos no caput poderão ser
condução de escolares e de aprendizagem às normas do gerados e tramitados eletronicamente, bem como
inciso III do art. 136 e art. 154, respectivamente. arquivados e armazenados em meio digital, desde que
Art. 318. (VETADO) assegurada a autenticidade, a fidedignidade, a
Art. 319. Enquanto não forem baixadas novas normas confiabilidade e a segurança das informações, e serão
pelo CONTRAN, continua em vigor o disposto no art. 92 do válidos para todos os efeitos legais, sendo dispensada,
Regulamento do Código Nacional de Trânsito - Decreto nº nesse caso, a sua guarda física. (Incluído pela Lei nº
62.127, de 16 de janeiro de 1968. 13.281, de 2016) (Vigência)
Art. 319-A. Os valores de multas constantes deste § 2º O Contran regulamentará a geração, a tramitação,
Código poderão ser corrigidos monetariamente pelo o arquivamento, o armazenamento e a eliminação de
Contran, respeitado o limite da variação do Índice Nacional documentos eletrônicos e físicos gerados em decorrência
de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no exercício da aplicação das disposições deste Código. (Incluído
anterior. (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência)
(Vigência) § 3º Na hipótese prevista nos §§ 1º e 2º, o sistema
Parágrafo único. Os novos valores decorrentes do deverá ser certificado digitalmente, atendidos os requisitos
disposto no caput serão divulgados pelo Contran com, no de autenticidade, integridade, validade jurídica e
mínimo, 90 (noventa) dias de antecedência de sua interoperabilidade da Infraestrutura de Chaves Públicas
aplicação. (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016) Brasileira (ICP-Brasil). (Incluído pela Lei nº 13.281, de
(Vigência) 2016) (Vigência)
Art. 320. A receita arrecadada com a cobrança das Art. 326. A Semana Nacional de Trânsito será
multas de trânsito será aplicada, exclusivamente, em comemorada anualmente no período compreendido entre
sinalização, engenharia de tráfego, de campo, 18 e 25 de setembro.
policiamento, fiscalização e educação de trânsito. Art. 327. A partir da publicação deste Código, somente
§ 1º O percentual de cinco por cento do valor das poderão ser fabricados e licenciados veículos que
multas de trânsito arrecadadas será depositado, obedeçam aos limites de peso e dimensões fixados na
mensalmente, na conta de fundo de âmbito nacional forma desta Lei, ressalvados os que vierem a ser
destinado à segurança e educação de trânsito. regulamentados pelo CONTRAN.
(Redação dada pela Lei nº 13.281, de 2016) (Vigência) Parágrafo único. (VETADO)
§ 2º O órgão responsável deverá publicar, Art. 328. O veículo apreendido ou removido a qualquer
anualmente, na rede mundial de computadores (internet), título e não reclamado por seu proprietário dentro do prazo
dados sobre a receita arrecadada com a cobrança de multas de sessenta dias, contado da data de recolhimento, será
de trânsito e sua destinação. (Incluído pela Lei nº avaliado e levado a leilão, a ser realizado preferencialmente
13.281, de 2016) (Vigência) por meio eletrônico. (Redação dada pela Lei nº 13.160,
Art. 320-A. Os órgãos e entidades do Sistema Nacional de 2015)
de Trânsito poderão integrar-se para a ampliação e § 1o Publicado o edital do leilão, a preparação
aprimoramento da fiscalização de trânsito, inclusive por poderá ser iniciada após trinta dias, contados da data de
meio do compartilhamento da receita arrecadada com a recolhimento do veículo, o qual será classificado em duas
cobrança das multas de trânsito. (Incluído pela Medida categorias: (Incluído pela Lei nº 13.160, de 2015)
Provisória nº 699, de 2015) I – conservado, quando apresenta condições de
Art. 320-A. Os órgãos e as entidades do Sistema segurança para trafegar; e (Incluído pela Lei nº 13.160,
Nacional de Trânsito poderão integrar-se para a ampliação de 2015)
e o aprimoramento da fiscalização de trânsito, inclusive por II – sucata, quando não está apto a trafegar.
meio do compartilhamento da receita arrecadada com a (Incluído pela Lei nº 13.160, de 2015)
cobrança das multas de trânsito. (Incluído pela Lei nº § 2o Se não houver oferta igual ou superior ao valor
13.281, de 2016) da avaliação, o lote será incluído no leilão seguinte, quando
Art. 321. (VETADO) será arrematado pelo maior lance, desde que por valor não
Art. 322. (VETADO) inferior a cinquenta por cento do avaliado. (Incluído
Art. 323. O CONTRAN, em cento e oitenta dias, fixará a pela Lei nº 13.160, de 2015)
metodologia de aferição de peso de veículos, § 3o Mesmo classificado como conservado, o veículo
estabelecendo percentuais de tolerância, sendo durante que for levado a leilão por duas vezes e não for arrematado
este período suspensa a vigência das penalidades previstas será leiloado como sucata. (Incluído pela Lei nº 13.160,
no inciso V do art. 231, aplicando-se a penalidade de vinte de 2015)
UFIR por duzentos quilogramas ou fração de excesso. § 4o É vedado o retorno do veículo leiloado como
Parágrafo único. Os limites de tolerância a que se sucata à circulação. (Incluído pela Lei nº 13.160, de
refere este artigo, até a sua fixação pelo CONTRAN, são 2015)
aqueles estabelecidos pela Lei nº 7.408, de 25 de novembro
de 1985.
Câmara Municipal de São Jerônimo 105 Motorista
§ 5o A cobrança das despesas com estada no contar da data de recolhimento, conforme regulamentação
depósito será limitada ao prazo de seis meses. do CONTRAN. (Incluído pela Lei nº 13.160, de 2015)
(Incluído pela Lei nº 13.160, de 2015) § 14. Se identificada a existência de restrição policial ou
§ 6o Os valores arrecadados em leilão deverão ser judicial sobre o prontuário do veículo, a autoridade
utilizados para custeio da realização do leilão, dividindo-se responsável pela restrição será notificada para a retirada do
os custos entre os veículos arrematados, bem do depósito, mediante a quitação das despesas com
proporcionalmente ao valor da arrematação, e destinando- remoção e estada, ou para a autorização do leilão nos
se os valores remanescentes, na seguinte ordem, para: termos deste artigo. (Redação dada pela Lei nº 13.281,
(Incluído pela Lei nº 13.160, de 2015) de 2016) (Vigência)
I – as despesas com remoção e estada; (Incluído § 15. Se no prazo de 60 (sessenta) dias, a contar da
pela Lei nº 13.160, de 2015) notificação de que trata o § 14, não houver manifestação
II – os tributos vinculados ao veículo, na forma do § da autoridade responsável pela restrição judicial ou policial,
10; (Incluído pela Lei nº 13.160, de 2015) estará o órgão de trânsito autorizado a promover o leilão
III – os credores trabalhistas, tributários e titulares do veículo nos termos deste artigo. (Incluído pela Lei
de crédito com garantia real, segundo a ordem de nº 13.281, de 2016) (Vigência)
preferência estabelecida no art. 186 da Lei no 5.172, de 25 § 16. Os veículos, sucatas e materiais inservíveis de
de outubro de 1966 (Código Tributário Nacional); bens automotores que se encontrarem nos depósitos há
(Incluído pela Lei nº 13.160, de 2015) mais de 1 (um) ano poderão ser destinados à reciclagem,
IV – as multas devidas ao órgão ou à entidade independentemente da existência de restrições sobre o
responsável pelo leilão; (Incluído pela Lei nº 13.160, de veículo. (Incluído pela Lei nº 13.281, de 2016)
2015) (Vigência)
V – as demais multas devidas aos órgãos integrantes § 17. O procedimento de hasta pública na hipótese do
do Sistema Nacional de Trânsito, segundo a ordem § 16 será realizado por lote de tonelagem de material
cronológica; e (Incluído pela Lei nº 13.160, de 2015) ferroso, observando-se, no que couber, o disposto neste
VI – os demais créditos, segundo a ordem de artigo, condicionando-se a entrega do material arrematado
preferência legal. (Incluído pela Lei nº 13.160, de aos procedimentos necessários à descaracterização total do
2015) bem e à destinação exclusiva, ambientalmente adequada, à
§ 7o Sendo insuficiente o valor arrecadado para reciclagem siderúrgica, vedado qualquer aproveitamento
quitar os débitos incidentes sobre o veículo, a situação será de peças e partes. (Incluído pela Lei nº 13.281, de
comunicada aos credores. (Incluído pela Lei nº 13.160, 2016) (Vigência)
de 2015) § 18. Os veículos sinistrados irrecuperáveis
§ 8o Os órgãos públicos responsáveis serão queimados, adulterados ou estrangeiros, bem como
comunicados do leilão previamente para que formalizem a aqueles sem possibilidade de regularização perante o órgão
desvinculação dos ônus incidentes sobre o veículo no prazo de trânsito, serão destinados à reciclagem,
máximo de dez dias. (Incluído pela Lei nº 13.160, de independentemente do período em que estejam em
2015) depósito, respeitado o prazo previsto no caput deste artigo,
§ 9o Os débitos incidentes sobre o veículo antes da sempre que a autoridade responsável pelo leilão julgar ser
alienação administrativa ficam dele automaticamente essa a medida apropriada. (Incluído pela Lei nº 13.281,
desvinculados, sem prejuízo da cobrança contra o de 2016) (Vigência)
proprietário anterior. (Incluído pela Lei nº 13.160, de Art. 329. Os condutores dos veículos de que tratam os
2015) arts. 135 e 136, para exercerem suas atividades, deverão
§ 10. Aplica-se o disposto no § 9o inclusive ao débito apresentar, previamente, certidão negativa do registro de
relativo a tributo cujo fato gerador seja a propriedade, o distribuição criminal relativamente aos crimes de
domínio útil, a posse, a circulação ou o licenciamento de homicídio, roubo, estupro e corrupção de menores,
veículo. (Incluído pela Lei nº 13.160, de 2015) renovável a cada cinco anos, junto ao órgão responsável
§ 11. Na hipótese de o antigo proprietário reaver o pela respectiva concessão ou autorização.
veículo, por qualquer meio, os débitos serão novamente Art. 330. Os estabelecimentos onde se executem
vinculados ao bem, aplicando-se, nesse caso, o disposto nos reformas ou recuperação de veículos e os que comprem,
§§ 1o, 2o e 3o do art. 271. (Incluído pela Lei nº 13.160, vendam ou desmontem veículos, usados ou não, são
de 2015) obrigados a possuir livros de registro de seu movimento de
§ 12. Quitados os débitos, o saldo remanescente entrada e saída e de uso de placas de experiência,
será depositado em conta específica do órgão responsável conforme modelos aprovados e rubricados pelos órgãos de
pela realização do leilão e ficará à disposição do antigo trânsito.
proprietário, devendo ser expedida notificação a ele, no § 1º Os livros indicarão:
máximo em trinta dias após a realização do leilão, para o I - data de entrada do veículo no estabelecimento;
levantamento do valor no prazo de cinco anos, após os II - nome, endereço e identidade do proprietário ou
quais o valor será transferido, definitivamente, para o vendedor;
fundo a que se refere o parágrafo único do art. 320. III - data da saída ou baixa, nos casos de desmontagem;
(Incluído pela Lei nº 13.160, de 2015) IV - nome, endereço e identidade do comprador;
§ 13. Aplica-se o disposto neste artigo, no que V - características do veículo constantes do seu
couber, ao animal recolhido, a qualquer título, e não certificado de registro;
reclamado por seu proprietário no prazo de sessenta dias, a VI - número da placa de experiência.

Câmara Municipal de São Jerônimo 106 Motorista


§ 2º Os livros terão suas páginas numeradas Art. 337. Os CETRAN terão suporte técnico e financeiro
tipograficamente e serão encadernados ou em folhas dos Estados e Municípios que os compõem e, o
soltas, sendo que, no primeiro caso, conterão termo de CONTRANDIFE, do Distrito Federal.
abertura e encerramento lavrados pelo proprietário e Art. 338. As montadoras, encarroçadoras, os
rubricados pela repartição de trânsito, enquanto, no importadores e fabricantes, ao comerciarem veículos
segundo, todas as folhas serão autenticadas pela repartição automotores de qualquer categoria e ciclos, são obrigados
de trânsito. a fornecer, no ato da comercialização do respectivo veículo,
§ 3º A entrada e a saída de veículos nos manual contendo normas de circulação, infrações,
estabelecimentos referidos neste artigo registrar-se-ão no penalidades, direção defensiva, primeiros socorros e
mesmo dia em que se verificarem assinaladas, inclusive, as Anexos do Código de Trânsito Brasileiro.
horas a elas correspondentes, podendo os veículos Art. 339. Fica o Poder Executivo autorizado a abrir
irregulares lá encontrados ou suas sucatas ser apreendidos crédito especial no valor de R$ 264.954,00 (duzentos e
ou retidos para sua completa regularização. sessenta e quatro mil, novecentos e cinqüenta e quatro
§ 4º As autoridades de trânsito e as autoridades reais), em favor do ministério ou órgão a que couber a
policiais terão acesso aos livros sempre que o solicitarem, coordenação máxima do Sistema Nacional de Trânsito, para
não podendo, entretanto, retirá-los do estabelecimento. atender as despesas decorrentes da implantação deste
§ 5º A falta de escrituração dos livros, o atraso, a Código.
fraude ao realizá-lo e a recusa de sua exibição serão Art. 340. Este Código entra em vigor cento e vinte dias
punidas com a multa prevista para as infrações gravíssimas, após a data de sua publicação.
independente das demais cominações legais cabíveis. Art. 341. Ficam revogadas as Leis nºs 5.108, de 21 de
§ 6o Os livros previstos neste artigo poderão ser setembro de 1966, 5.693, de 16 de agosto de 1971, 5.820,
substituídos por sistema eletrônico, na forma de 10 de novembro de 1972, 6.124, de 25 de outubro de
regulamentada pelo Contran. (Incluído pela Lei nº 1974, 6.308, de 15 de dezembro de 1975, 6.369, de 27 de
13.154, de 2015) outubro de 1976, 6.731, de 4 de dezembro de 1979, 7.031,
Art. 331. Até a nomeação e posse dos membros que de 20 de setembro de 1982, 7.052, de 02 de dezembro de
passarão a integrar os colegiados destinados ao julgamento 1982, 8.102, de 10 de dezembro de 1990, os arts. 1º a 6º e
dos recursos administrativos previstos na Seção II do 11 do Decreto-lei nº 237, de 28 de fevereiro de 1967, e os
Capítulo XVIII deste Código, o julgamento dos recursos Decretos-leis nºs 584, de 16 de maio de 1969, 912, de 2 de
ficará a cargo dos órgãos ora existentes. outubro de 1969, e 2.448, de 21 de julho de 1988.
Art. 332. Os órgãos e entidades integrantes do Sistema Brasília, 23 de setembro de 1997; 176º da
Nacional de Trânsito proporcionarão aos membros do Independência e 109º da República.
CONTRAN, CETRAN e CONTRANDIFE, em serviço, todas as FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
facilidades para o cumprimento de sua missão, fornecendo- Iris Rezende
lhes as informações que solicitarem, permitindo-lhes Eliseu Padilha
inspecionar a execução de quaisquer serviços e deverão Este texto não substitui o publicado no DOU de 24.9.1997 e
atender prontamente suas requisições. retificado em 25.9.1997
Art. 333. O CONTRAN estabelecerá, em até cento e
vinte dias após a nomeação de seus membros, as ANEXO I
disposições previstas nos arts. 91 e 92, que terão de ser DOS CONCEITOS E DEFINIÇÕES
atendidas pelos órgãos e entidades executivos de trânsito e Para efeito deste Código adotam-se as seguintes
executivos rodoviários para exercerem suas competências. definições:
§ 1º Os órgãos e entidades de trânsito já existentes ACOSTAMENTO - parte da via diferenciada da pista de
terão prazo de um ano, após a edição das normas, para se rolamento destinada à parada ou estacionamento de
adequarem às novas disposições estabelecidas pelo veículos, em caso de emergência, e à circulação de
CONTRAN, conforme disposto neste artigo. pedestres e bicicletas, quando não houver local apropriado
§ 2º Os órgãos e entidades de trânsito a serem criados para esse fim.
exercerão as competências previstas neste Código em AGENTE DA AUTORIDADE DE TRÂNSITO - pessoa, civil
cumprimento às exigências estabelecidas pelo CONTRAN, ou policial militar, credenciada pela autoridade de trânsito
conforme disposto neste artigo, acompanhados pelo para o exercício das atividades de fiscalização, operação,
respectivo CETRAN, se órgão ou entidade municipal, ou policiamento ostensivo de trânsito ou patrulhamento.
CONTRAN, se órgão ou entidade estadual, do Distrito AR ALVEOLAR - ar expirado pela boca de um indivíduo,
Federal ou da União, passando a integrar o Sistema originário dos alvéolos pulmonares. (Incluído pela Lei
Nacional de Trânsito. nº 12.760, de 2012)
Art. 334. As ondulações transversais existentes AUTOMÓVEL - veículo automotor destinado ao
deverão ser homologadas pelo órgão ou entidade transporte de passageiros, com capacidade para até oito
competente no prazo de um ano, a partir da publicação pessoas, exclusive o condutor.
deste Código, devendo ser retiradas em caso contrário. AUTORIDADE DE TRÂNSITO - dirigente máximo de
Art. 335. (VETADO) órgão ou entidade executivo integrante do Sistema
Art. 336. Aplicam-se os sinais de trânsito previstos no Nacional de Trânsito ou pessoa por ele expressamente
Anexo II até a aprovação pelo CONTRAN, no prazo de credenciada.
trezentos e sessenta dias da publicação desta Lei, após a BALANÇO TRASEIRO - distância entre o plano vertical
manifestação da Câmara Temática de Engenharia, de Vias e passando pelos centros das rodas traseiras extremas e o
Veículos e obedecidos os padrões internacionais.
Câmara Municipal de São Jerônimo 107 Motorista
ponto mais recuado do veículo, considerando-se todos os ESTACIONAMENTO - imobilização de veículos por
elementos rigidamente fixados ao mesmo. tempo superior ao necessário para embarque ou
BICICLETA - veículo de propulsão humana, dotado de desembarque de passageiros.
duas rodas, não sendo, para efeito deste Código, similar à ESTRADA - via rural não pavimentada.
motocicleta, motoneta e ciclomotor. ETILÔMETRO - aparelho destinado à medição do teor
BICICLETÁRIO - local, na via ou fora dela, destinado ao alcoólico no ar alveolar. (Incluído pela Lei nº 12.760,
estacionamento de bicicletas. de 2012)
BONDE - veículo de propulsão elétrica que se move FAIXAS DE DOMÍNIO - superfície lindeira às vias rurais,
sobre trilhos. delimitada por lei específica e sob responsabilidade do
BORDO DA PISTA - margem da pista, podendo ser órgão ou entidade de trânsito competente com
demarcada por linhas longitudinais de bordo que delineiam circunscrição sobre a via.
a parte da via destinada à circulação de veículos. FAIXAS DE TRÂNSITO - qualquer uma das áreas
CALÇADA - parte da via, normalmente segregada e em longitudinais em que a pista pode ser subdividida,
nível diferente, não destinada à circulação de veículos, sinalizada ou não por marcas viárias longitudinais, que
reservada ao trânsito de pedestres e, quando possível, à tenham uma largura suficiente para permitir a circulação de
implantação de mobiliário urbano, sinalização, vegetação e veículos automotores.
outros fins. FISCALIZAÇÃO - ato de controlar o cumprimento das
CAMINHÃO-TRATOR - veículo automotor destinado a normas estabelecidas na legislação de trânsito, por meio do
tracionar ou arrastar outro. poder de polícia administrativa de trânsito, no âmbito de
CAMINHONETE - veículo destinado ao transporte de circunscrição dos órgãos e entidades executivos de trânsito
carga com peso bruto total de até três mil e quinhentos e de acordo com as competências definidas neste Código.
quilogramas. FOCO DE PEDESTRES - indicação luminosa de
CAMIONETA - veículo misto destinado ao transporte de permissão ou impedimento de locomoção na faixa
passageiros e carga no mesmo compartimento. apropriada.
CANTEIRO CENTRAL - obstáculo físico construído como FREIO DE ESTACIONAMENTO - dispositivo destinado a
separador de duas pistas de rolamento, eventualmente manter o veículo imóvel na ausência do condutor ou, no
substituído por marcas viárias (canteiro fictício). caso de um reboque, se este se encontra desengatado.
CAPACIDADE MÁXIMA DE TRAÇÃO - máximo peso que FREIO DE SEGURANÇA OU MOTOR - dispositivo
a unidade de tração é capaz de tracionar, indicado pelo destinado a diminuir a marcha do veículo no caso de falha
fabricante, baseado em condições sobre suas limitações de do freio de serviço.
geração e multiplicação de momento de força e resistência FREIO DE SERVIÇO - dispositivo destinado a provocar a
dos elementos que compõem a transmissão. diminuição da marcha do veículo ou pará-lo.
CARREATA - deslocamento em fila na via de veículos GESTOS DE AGENTES - movimentos convencionais de
automotores em sinal de regozijo, de reivindicação, de braço, adotados exclusivamente pelos agentes de
protesto cívico ou de uma classe. autoridades de trânsito nas vias, para orientar, indicar o
CARRO DE MÃO - veículo de propulsão humana direito de passagem dos veículos ou pedestres ou emitir
utilizado no transporte de pequenas cargas. ordens, sobrepondo-se ou completando outra sinalização
CARROÇA - veículo de tração animal destinado ao ou norma constante deste Código.
transporte de carga. GESTOS DE CONDUTORES - movimentos convencionais
CATADIÓPTRICO - dispositivo de reflexão e refração da de braço, adotados exclusivamente pelos condutores, para
luz utilizado na sinalização de vias e veículos (olho-de-gato). orientar ou indicar que vão efetuar uma manobra de
CHARRETE - veículo de tração animal destinado ao mudança de direção, redução brusca de velocidade ou
transporte de pessoas. parada.
CICLO - veículo de pelo menos duas rodas a propulsão ILHA - obstáculo físico, colocado na pista de rolamento,
humana. destinado à ordenação dos fluxos de trânsito em uma
CICLOFAIXA - parte da pista de rolamento destinada à interseção.
circulação exclusiva de ciclos, delimitada por sinalização INFRAÇÃO - inobservância a qualquer preceito da
específica. legislação de trânsito, às normas emanadas do Código de
CICLOMOTOR - veículo de duas ou três rodas, provido Trânsito, do Conselho Nacional de Trânsito e a
de um motor de combustão interna, cuja cilindrada não regulamentação estabelecida pelo órgão ou entidade
exceda a cinqüenta centímetros cúbicos (3,05 polegadas executiva do trânsito.
cúbicas) e cuja velocidade máxima de fabricação não INTERSEÇÃO - todo cruzamento em nível,
exceda a cinqüenta quilômetros por hora. entroncamento ou bifurcação, incluindo as áreas formadas
CICLOVIA - pista própria destinada à circulação de por tais cruzamentos, entroncamentos ou bifurcações.
ciclos, separada fisicamente do tráfego comum. INTERRUPÇÃO DE MARCHA - imobilização do veículo
CONVERSÃO - movimento em ângulo, à esquerda ou à para atender circunstância momentânea do trânsito.
direita, de mudança da direção original do veículo. LICENCIAMENTO - procedimento anual, relativo a
CRUZAMENTO - interseção de duas vias em nível. obrigações do proprietário de veículo, comprovado por
DISPOSITIVO DE SEGURANÇA - qualquer elemento que meio de documento específico (Certificado de
tenha a função específica de proporcionar maior segurança Licenciamento Anual).
ao usuário da via, alertando-o sobre situações de perigo LOGRADOURO PÚBLICO - espaço livre destinado pela
que possam colocar em risco sua integridade física e dos municipalidade à circulação, parada ou estacionamento de
demais usuários da via, ou danificar seriamente o veículo.
Câmara Municipal de São Jerônimo 108 Motorista
veículos, ou à circulação de pedestres, tais como calçada, atrapalhando o trânsito, prestando socorros imediatos e
parques, áreas de lazer, calçadões. informações aos pedestres e condutores.
LOTAÇÃO - carga útil máxima, incluindo condutor e PARADA - imobilização do veículo com a finalidade e
passageiros, que o veículo transporta, expressa em pelo tempo estritamente necessário para efetuar
quilogramas para os veículos de carga, ou número de embarque ou desembarque de passageiros.
pessoas, para os veículos de passageiros. PASSAGEM DE NÍVEL - todo cruzamento de nível entre
LOTE LINDEIRO - aquele situado ao longo das vias uma via e uma linha férrea ou trilho de bonde com pista
urbanas ou rurais e que com elas se limita. própria.
LUZ ALTA - facho de luz do veículo destinado a iluminar PASSAGEM POR OUTRO VEÍCULO - movimento de
a via até uma grande distância do veículo. passagem à frente de outro veículo que se desloca no
LUZ BAIXA - facho de luz do veículo destinada a mesmo sentido, em menor velocidade, mas em faixas
iluminar a via diante do veículo, sem ocasionar distintas da via.
ofuscamento ou incômodo injustificáveis aos condutores e PASSAGEM SUBTERRÂNEA - obra de arte destinada à
outros usuários da via que venham em sentido contrário. transposição de vias, em desnível subterrâneo, e ao uso de
LUZ DE FREIO - luz do veículo destinada a indicar aos pedestres ou veículos.
demais usuários da via, que se encontram atrás do veículo, PASSARELA - obra de arte destinada à transposição de
que o condutor está aplicando o freio de serviço. vias, em desnível aéreo, e ao uso de pedestres.
LUZ INDICADORA DE DIREÇÃO (pisca-pisca) - luz do PASSEIO - parte da calçada ou da pista de rolamento,
veículo destinada a indicar aos demais usuários da via que o neste último caso, separada por pintura ou elemento físico
condutor tem o propósito de mudar de direção para a separador, livre de interferências, destinada à circulação
direita ou para a esquerda. exclusiva de pedestres e, excepcionalmente, de ciclistas.
LUZ DE MARCHA À RÉ - luz do veículo destinada a PATRULHAMENTO - função exercida pela Polícia
iluminar atrás do veículo e advertir aos demais usuários da Rodoviária Federal com o objetivo de garantir obediência às
via que o veículo está efetuando ou a ponto de efetuar uma normas de trânsito, assegurando a livre circulação e
manobra de marcha à ré. evitando acidentes.
LUZ DE NEBLINA - luz do veículo destinada a aumentar PERÍMETRO URBANO - limite entre área urbana e área
a iluminação da via em caso de neblina, chuva forte ou rural.
nuvens de pó. PESO BRUTO TOTAL - peso máximo que o veículo
LUZ DE POSIÇÃO (lanterna) - luz do veículo destinada a transmite ao pavimento, constituído da soma da tara mais
indicar a presença e a largura do veículo. a lotação.
MANOBRA - movimento executado pelo condutor para PESO BRUTO TOTAL COMBINADO - peso máximo
alterar a posição em que o veículo está no momento em transmitido ao pavimento pela combinação de um
relação à via. caminhão-trator mais seu semi-reboque ou do caminhão
MARCAS VIÁRIAS - conjunto de sinais constituídos de mais o seu reboque ou reboques.
linhas, marcações, símbolos ou legendas, em tipos e cores PISCA-ALERTA - luz intermitente do veículo, utilizada
diversas, apostos ao pavimento da via. em caráter de advertência, destinada a indicar aos demais
MICROÔNIBUS - veículo automotor de transporte usuários da via que o veículo está imobilizado ou em
coletivo com capacidade para até vinte passageiros. situação de emergência.
MOTOCICLETA - veículo automotor de duas rodas, com PISTA - parte da via normalmente utilizada para a
ou sem side-car, dirigido por condutor em posição circulação de veículos, identificada por elementos
montada. separadores ou por diferença de nível em relação às
MOTONETA - veículo automotor de duas rodas, calçadas, ilhas ou aos canteiros centrais.
dirigido por condutor em posição sentada. PLACAS - elementos colocados na posição vertical,
MOTOR-CASA (MOTOR-HOME) - veículo automotor fixados ao lado ou suspensos sobre a pista, transmitindo
cuja carroçaria seja fechada e destinada a alojamento, mensagens de caráter permanente e, eventualmente,
escritório, comércio ou finalidades análogas. variáveis, mediante símbolo ou legendas pré-reconhecidas
NOITE - período do dia compreendido entre o pôr-do- e legalmente instituídas como sinais de trânsito.
sol e o nascer do sol. POLICIAMENTO OSTENSIVO DE TRÂNSITO - função
ÔNIBUS - veículo automotor de transporte coletivo exercida pelas Polícias Militares com o objetivo de prevenir
com capacidade para mais de vinte passageiros, ainda que, e reprimir atos relacionados com a segurança pública e de
em virtude de adaptações com vista à maior comodidade garantir obediência às normas relativas à segurança de
destes, transporte número menor. trânsito, assegurando a livre circulação e evitando
OPERAÇÃO DE CARGA E DESCARGA - imobilização do acidentes.
veículo, pelo tempo estritamente necessário ao PONTE - obra de construção civil destinada a ligar
carregamento ou descarregamento de animais ou carga, na margens opostas de uma superfície líquida qualquer.
forma disciplinada pelo órgão ou entidade executivo de REBOQUE - veículo destinado a ser engatado atrás de
trânsito competente com circunscrição sobre a via. um veículo automotor.
OPERAÇÃO DE TRÂNSITO - monitoramento técnico REGULAMENTAÇÃO DA VIA - implantação de
baseado nos conceitos de Engenharia de Tráfego, das sinalização de regulamentação pelo órgão ou entidade
condições de fluidez, de estacionamento e parada na via, competente com circunscrição sobre a via, definindo, entre
de forma a reduzir as interferências tais como veículos outros, sentido de direção, tipo de estacionamento,
quebrados, acidentados, estacionados irregularmente horários e dias.

Câmara Municipal de São Jerônimo 109 Motorista


REFÚGIO - parte da via, devidamente sinalizada e VEÍCULO DE COLEÇÃO - aquele que, mesmo tendo sido
protegida, destinada ao uso de pedestres durante a fabricado há mais de trinta anos, conserva suas
travessia da mesma. características originais de fabricação e possui valor
RENACH - Registro Nacional de Condutores Habilitados. histórico próprio.
RENAVAM - Registro Nacional de Veículos VEÍCULO CONJUGADO - combinação de veículos, sendo
Automotores. o primeiro um veículo automotor e os demais reboques ou
RETORNO - movimento de inversão total de sentido da equipamentos de trabalho agrícola, construção,
direção original de veículos. terraplenagem ou pavimentação.
RODOVIA - via rural pavimentada. VEÍCULO DE GRANDE PORTE - veículo automotor
SEMI-REBOQUE - veículo de um ou mais eixos que se destinado ao transporte de carga com peso bruto total
apóia na sua unidade tratora ou é a ela ligado por meio de máximo superior a dez mil quilogramas e de passageiros,
articulação. superior a vinte passageiros.
SINAIS DE TRÂNSITO - elementos de sinalização viária VEÍCULO DE PASSAGEIROS - veículo destinado ao
que se utilizam de placas, marcas viárias, equipamentos de transporte de pessoas e suas bagagens.
controle luminosos, dispositivos auxiliares, apitos e gestos, VEÍCULO MISTO - veículo automotor destinado ao
destinados exclusivamente a ordenar ou dirigir o trânsito transporte simultâneo de carga e passageiro.
dos veículos e pedestres. VIA - superfície por onde transitam veículos, pessoas e
SINALIZAÇÃO - conjunto de sinais de trânsito e animais, compreendendo a pista, a calçada, o acostamento,
dispositivos de segurança colocados na via pública com o ilha e canteiro central.
objetivo de garantir sua utilização adequada, possibilitando VIA DE TRÂNSITO RÁPIDO - aquela caracterizada por
melhor fluidez no trânsito e maior segurança dos veículos e acessos especiais com trânsito livre, sem interseções em
pedestres que nela circulam. nível, sem acessibilidade direta aos lotes lindeiros e sem
SONS POR APITO - sinais sonoros, emitidos travessia de pedestres em nível.
exclusivamente pelos agentes da autoridade de trânsito nas VIA ARTERIAL - aquela caracterizada por interseções
vias, para orientar ou indicar o direito de passagem dos em nível, geralmente controlada por semáforo, com
veículos ou pedestres, sobrepondo-se ou completando acessibilidade aos lotes lindeiros e às vias secundárias e
sinalização existente no local ou norma estabelecida neste locais, possibilitando o trânsito entre as regiões da cidade.
Código. VIA COLETORA - aquela destinada a coletar e distribuir
TARA - peso próprio do veículo, acrescido dos pesos da o trânsito que tenha necessidade de entrar ou sair das vias
carroçaria e equipamento, do combustível, das ferramentas de trânsito rápido ou arteriais, possibilitando o trânsito
e acessórios, da roda sobressalente, do extintor de incêndio dentro das regiões da cidade.
e do fluido de arrefecimento, expresso em quilogramas. VIA LOCAL - aquela caracterizada por interseções em
TRAILER - reboque ou semi-reboque tipo casa, com nível não semaforizadas, destinada apenas ao acesso local
duas, quatro, ou seis rodas, acoplado ou adaptado à ou a áreas restritas.
traseira de automóvel ou camionete, utilizado em geral em VIA RURAL - estradas e rodovias.
atividades turísticas como alojamento, ou para atividades VIA URBANA - ruas, avenidas, vielas, ou caminhos e
comerciais. similares abertos à circulação pública, situados na área
TRÂNSITO - movimentação e imobilização de veículos, urbana, caracterizados principalmente por possuírem
pessoas e animais nas vias terrestres. imóveis edificados ao longo de sua extensão.
TRANSPOSIÇÃO DE FAIXAS - passagem de um veículo VIAS E ÁREAS DE PEDESTRES - vias ou conjunto de vias
de uma faixa demarcada para outra. destinadas à circulação prioritária de pedestres.
TRATOR - veículo automotor construído para realizar VIADUTO - obra de construção civil destinada a
trabalho agrícola, de construção e pavimentação e transpor uma depressão de terreno ou servir de passagem
tracionar outros veículos e equipamentos. superior.
ULTRAPASSAGEM - movimento de passar à frente de
outro veículo que se desloca no mesmo sentido, em menor
velocidade e na mesma faixa de tráfego, necessitando sair e
retornar à faixa de origem.
UTILITÁRIO - veículo misto caracterizado pela
versatilidade do seu uso, inclusive fora de estrada.
VEÍCULO ARTICULADO - combinação de veículos
acoplados, sendo um deles automotor.
VEÍCULO AUTOMOTOR - todo veículo a motor de
propulsão que circule por seus próprios meios, e que serve
normalmente para o transporte viário de pessoas e coisas,
ou para a tração viária de veículos utilizados para o
transporte de pessoas e coisas. O termo compreende os
veículos conectados a uma linha elétrica e que não circulam
sobre trilhos (ônibus elétrico).
VEÍCULO DE CARGA - veículo destinado ao transporte
de carga, podendo transportar dois passageiros, exclusive o
condutor.

Câmara Municipal de São Jerônimo 110 Motorista


DIREÇÃO DEFENSIVA: EDUCANDO COM VALORES Custa caro para a sociedade brasileira pagar os prejuízos
dos acidentes: estima-se em 10 bilhões de reais, todos os
O trânsito é feito pelas pessoas. E, como nas outras anos, que poderiam ser aproveitados, por exemplo, na
atividades humanas, quatro princípios são importantes para construção de milhares de casas populares para melhorar a
o relacionamento e a convivência social no trânsito. vida de muitos brasileiros.
O primeiro deles é a dignidade da pessoa humana, do Por isso, é fundamental a capacitação dos motoristas
qual derivam os Direitos Humanos e os valores e atitudes para o comportamento seguro no trânsito, atendendo a
fundamentais para o convívio social democrático, como o diretriz da “preservação da vida, da saúde e do meio
respeito mútuo e o repúdio às discriminações de qualquer ambiente” da Política Nacional de Trânsito.
espécie, atitude necessária à promoção da justiça. E esta ocasião é uma excelente oportunidade que você
O segundo princípio é a igualdade de direitos. Todos tem para ler com atenção este material didático e conhecer
têm a possibilidade de exercer a cidadania plenamente e, e aprender como evitar situações de perigo no trânsito,
para isso, é necessário ter eqüidade, isto é, a necessidade diminuindo as possibilidades de acidentes.
de considerar as diferenças das pessoas para garantir a Estude-a bem. Aprender os conceitos da Direção
igualdade o que, por sua vez, fundamenta a solidariedade. Defensiva vai ser bom para você, para seus familiares, para
Um outro é o da participação, que fundamenta a seus amigos e também para seu país.
mobilização da sociedade para organizar-se em torno dos Direção defensiva, ou direção segura, é a melhor
problemas de trânsito e de suas conseqüências. maneira de dirigir e de se comportar no trânsito, porque
Finalmente, o princípio da co-responsabilidade pela vida ajuda a preservar a vida, a saúde e o meio ambiente. Mas, o
social, que diz respeito à formação de atitudes e ao que é a direção defensiva?
aprender a valorizar comportamentos necessários à É a forma de dirigir, que permite a você reconhecer
segurança no trânsito, à efetivação do direito de antecipadamente as situações de perigo e prever o que
mobilidade a todos os cidadãos e a exigir dos governantes pode acontecer com você, com seus acompanhantes, com
ações de melhoria dos espaços públicos. o seu veículo e com os outros usuários da via.
Comportamentos expressam princípios e valores que a Para isso, você precisa aprender os conceitos da direção
sociedade constrói e referenda e que cada pessoa toma defensiva e usar este conhecimento com eficiência. Dirigir
para si e leva para o trânsito. Os valores, por sua vez, sempre com atenção, para poder prever o que fazer com
expressam as contradições e conflitos entre os segmentos antecedência e tomar as decisões certas para evitar
sociais e mesmo entre os papéis que cada pessoa acidentes.
desempenha. Ser “veloz”, “esperto”, “levar vantagem” ou A primeira coisa a aprender é que acidente não
“ter o automóvel como status”, são valores presentes em acontece por acaso, por obra do destino ou por azar. Na
parte da sociedade. Mas são insustentáveis do ponto de grande maioria dos acidentes, o fator humano está
vista das necessidades da vida coletiva, da saúde e do presente, ou seja, cabe aos condutores e aos pedestres
direito de todos. É preciso mudar. uma boa dose de responsabilidade.
Mudar comportamentos para uma vida coletiva com Toda ocorrência trágica, quando previsível, é evitável.
qualidade e respeito exige uma tomada de consciência das Os riscos e os perigos a que estamos sujeitos no trânsito
questões em jogo no convívio social, portanto na estão relacionados com:
convivência no trânsito. É a escolha dos princípios e dos ■ Os Veículos;
valores que irá levar a um trânsito mais humano, ■ Os Condutores;
harmonioso, mais seguro e mais justo. ■ As Vias de Trânsito;
■ O Ambiente;
Riscos, perigos e acidentes ■ O Comportamento das pessoas.
Em tudo o que fazemos há uma dose de risco: seja no Vamos examinar separadamente os principais riscos e
trabalho, quando consertamos alguma coisa em casa, perigos.
brincando, dançando, praticando um esporte ou mesmo Seu veículo dispõe de equipamentos e sistemas
transitando pelas ruas da cidade. importantes para evitar situações de perigo que possam
Quando uma situação de risco não é percebida, ou levar a acidentes, como freios, suspensão, sistema de
quando uma pessoa não consegue visualizar o perigo, direção, iluminação, pneus e outros.
aumentam as chances de acontecer um acidente. Outros equipamentos são destinados a diminuir os
Os acidentes de trânsito resultam em danos aos impactos causados em casos de acidentes, como os cintos
veículos e suas cargas e geram lesões em pessoas. Nem é de segurança, o “air-bag” e a carroçaria.
preciso dizer que eles são sempre ruins para todos. Mas Manter esses equipamentos em boas condições é
você pode ajudar a evitá-los e colaborar para diminuir: importante para que eles cumpram suas funções.
■ o sofrimento de muitas pessoas, causados por mortes Manutenção Periódica e Preventiva
e ferimentos, inclusive com seqüelas físicas e/ou mentais, Todos os sistemas e componentes do seu veículo se
muitas vezes irreparáveis; desgastam com o uso. O desgaste de um componente pode
■ prejuízos financeiros, por perda de renda e prejudicar o funcionamento de outros e comprometer a sua
afastamento do trabalho; segurança.
■ constrangimentos legais, por inquéritos policiais e Isso pode ser evitado, observando a vida útil e a
processos judiciais, que podem exigir o pagamento de durabilidade definida pelos fabricantes para os
indenizações e até mesmo prisão dos responsáveis. componentes, dentro de certas condições de uso.
Para manter seu veículo em condições seguras, crie o
hábito de fazer periodicamente a manutenção preventiva.
Câmara Municipal de São Jerônimo 111 Motorista
Ela é fundamental para minimizar o risco de acidentes de Cinto de segurança
trânsito. O cinto de segurança existe para limitar a
Respeite os prazos e as orientações do manual do movimentação dos ocupantes de um veículo, em casos de
proprietário e, sempre que necessário, use profissionais acidentes ou numa freada brusca. Nestes casos, o cinto
habilitados. impede que as pessoas se choquem com as partes internas
Uma manutenção feita em dia evita quebras, custos do veículo ou sejam lançados para fora dele, reduzindo
com consertos e, principalmente, acidentes. assim a gravidade das possíveis lesões.
Funcionamento do veículo Para isso, os cintos de segurança devem estar em boas
Você mesmo(a) pode observar o funcionamento de seu condições de conservação e todos os ocupantes devem usá-
veículo, seja pelas indicações do painel, ou por uma los, inclusive os passageiros dos bancos traseiros, mesmo as
inspeção visual simples: gestantes e as crianças.
■ Combustível: veja se o indicado no painel é suficiente Faça sempre uma inspeção dos cintos:
para chegar ao destino; ■ Veja se os cintos não têm cortes, para não se
■ Nível de óleo de freio, do motor e de direção romperem numa emergência;
hidráulica: observe os respectivos reservatórios, conforme ■ Confira se não existem dobras que impeçam a perfeita
manual do proprietário; elasticidade;
■ Nível de óleo do sistema de transmissão (câmbio): ■ Teste o travamento para ver se está funcionando
para veículos de transmissão automática, veja o nível do perfeitamente;
reservatório. Nos demais veículos, procure vazamentos sob ■ Verifique se os cintos dos bancos traseiros estão
o veículo; disponíveis para utilização dos ocupantes.
■ Água do radiador: nos veículos refrigerados a água, Uso correto do cinto:
veja o nível do reservatório de água; ■ Ajuste firmemente ao corpo, sem deixar folgas;
■ Água do sistema limpador de pára-brisa: verifique o ■ A faixa inferior deverá ficar abaixo do abdome,
reservatório de água; sobretudo para as gestantes.
■ Palhetas do limpador de pára-brisa: troque, se ■ A faixa transversal deve vir sobre o ombro,
estiverem ressecadas; atravessando o peito, sem tocar o pescoço;
■ Desembaçador dianteiro e traseiro (se existirem): ■ Não use presilhas. Elas anulam os efeitos do cinto de
verifique se estão funcionando corretamente; segurança.
■ Funcionamento dos faróis: verifique visualmente se Transporte as crianças com até dez anos de idade só no
todos estão acendendo (luzes baixa e alta); banco traseiro do veículo, e acomodadas em dispositivo de
■ Regulagem dos faróis: faça através de profissionais retenção afixado ao cinto de segurança do veículo,
habilitados; adequado à sua estatura, peso e idade.
■ Lanternas dianteiras e traseiras, luzes indicativas de Alguns veículos não possuem banco traseiro.
direção, luz de freio e luz de ré: inspeção visual. Excepcionalmente, e só nestes casos, você poderá
Pneus transportar crianças menores de 10 anos no banco
Os pneus têm três funções importantes: impulsionar, dianteiro, utilizando o cinto de segurança. Dependendo da
frear e manter a dirigibilidade do veículo. Confira sempre: idade, elas deverão ser colocadas em cadeiras apropriadas,
■ Calibragem: siga as recomendações do fabricante do com a utilização do cinto de segurança.
veículo, observando a situação de carga (vazio e carga Se o veículo tiver “air bag” para o passageiro, é
máxima). Pneus murchos têm sua vida útil diminuída, recomendável que você o desligue, enquanto estiver
prejudicam a estabilidade, aumentam o consumo de transportando a criança.
combustível e reduzem a aderência em piso com água. O cinto de segurança é de utilização individual.
■ Desgaste: o pneu deverá ter sulcos de, no mínimo, 1,6 Transportar criança, no colo, ambos com o mesmo cinto,
milímetros de profundidade. A função dos sulcos é permitir poderá acarretar lesões graves e até a morte da criança.
o escoamento de água para garantir perfeita aderência ao As pessoas, em geral, não têm a noção exata do
piso e a segurança, em caso de piso molhado. significado do impacto de uma colisão no trânsito.
■ Deformações na carcaça: veja se os pneus não têm Saiba que, segundo as leis da física, colidir com um
bolhas ou cortes. Estas deformações podem causar um poste, ou com um objeto fixo semelhante, a 80 quilômetros
estouro ou uma rápida perda de pressão. por hora, é o mesmo que cair de um prédio de 9 andares.
■ Dimensões irregulares: não use pneus de modelo ou Suspensão
dimensões diferentes das recomendadas pelo fabricante A finalidade da suspensão e dos amortecedores é
para não reduzir a estabilidade e desgastar outros manter a estabilidade do veículo. Quando gastos, podem
componentes da suspensão. causar a perda de controle do veículo e seu capotamento,
Você pode identificar outros problemas de pneus com especialmente em curvas e nas frenagens. Verifique
facilidade. Vibrações do volante indicam possíveis periodicamente o estado de conservação e o
problemas com o balanceamento das rodas. O veículo funcionamento deles, usando como base o manual do
puxando para um dos lados indica um possível problema fabricante e levando o veículo a pessoal especializado.
com a calibragem dos pneus ou com o alinhamento da Direção
direção. Tudo isso pode reduzir a estabilidade e a A direção é um dos mais importantes componentes de
capacidade de frenagem do veículo. segurança do veículo, um dos responsáveis pela
Não se esqueça que todas estas recomendações dirigibilidade. Folgas no sistema de direção fazem o veículo
também se aplicam ao pneu sobressalente (estepe), nos “puxar’ para um dos lados, podendo levar o condutor a
veículos em que ele é exigido. perder o seu controle. Ao frear, estes defeitos são
Câmara Municipal de São Jerônimo 112 Motorista
aumentados. Você deve verificar periodicamente o A sua posição correta ao dirigir evita desgaste físico e
funcionamento correto da direção e fazer as revisões contribui para evitar situações de perigo. Siga as
preventivas nos prazos previstos no manual do fabricante, orientações:
com pessoal especializado. ■ Dirija com os braços e pernas ligeiramente dobrados,
Sistema de Iluminação evitando tensões;
O sistema de iluminação de seu veículo é fundamental, ■ Apóie bem o corpo no assento e no encosto do banco,
tanto para você enxergar bem o seu trajeto, como para ser o mais próximo possível de um ângulo de 90 graus;
visto por todos os outros usuários da via e assim, garantir a ■ Ajuste o encosto de cabeça de acordo com a altura
segurança no trânsito. Sem iluminação, ou com iluminação dos ocupantes do veículo, de preferência na altura dos
deficiente, você poderá ser causa de colisão e de outros olhos;
acidentes. Confira e evite as principais ocorrências: ■ Segure o volante com as duas mãos, como os
■ Faróis queimados, em mau estado de conservação ou ponteiros do relógio na posição de 9 horas e 15 minutos.
desalinhados: reduzem a visibilidade panorâmica e você Assim você enxerga melhor o painel, acessa melhor os
não consegue ver tudo o que deveria; comandos do veículo e, nos veículos com “air bag”, não
Suspensão impede o seu funcionamento;
A finalidade da suspensão e dos amortecedores é ■ Procure manter os calcanhares apoiados no assoalho
manter a estabilidade do veículo. Quando gastos, podem do veículo e evite apoiar os pés nos pedais, quando não os
causar a perda de controle do veículo e seu capotamento, estiver usando;
especialmente em curvas e nas frenagens. Verifique ■ Utilize calçados que fiquem bem fixos aos seus pés,
periodicamente o estado de conservação e o para que você possa acionar os pedais rapidamente e com
funcionamento deles, usando como base o manual do segurança;
fabricante e levando o veículo a pessoal especializado. ■ Coloque o cinto de segurança, de maneira que ele se
Direção ajuste firmemente ao seu corpo. A faixa inferior deve
A direção é um dos mais importantes componentes de passar pela região do abdome e a faixa transversal passar
segurança do veículo, um dos responsáveis pela sobre o peito e não sobre o pescoço;
dirigibilidade. Folgas no sistema de direção fazem o veículo ■ Fique em posição que permita enxergar bem as
“puxar’ para um dos lados, podendo levar o condutor a informações do painel e verifique sempre o funcionamento
perder o seu controle. Ao frear, estes defeitos são de sistemas importantes como, por exemplo, a
aumentados. Você deve verificar periodicamente o temperatura do motor.
funcionamento correto da direção e fazer as revisões Uso correto dos retrovisores
preventivas nos prazos previstos no manual do fabricante, Quanto mais você enxerga o que acontece à sua volta
com pessoal especializado. enquanto dirige, maior a possibilidade de evitar situações
Sistema de Iluminação de perigo.
O sistema de iluminação de seu veículo é fundamental, Nos veículos com o retrovisor interno, sente-se na
tanto para você enxergar bem o seu trajeto, como para ser posição correta e ajuste-o numa posição que dê a você uma
isto por todos os outros usuários da via e assim, garantir a visão ampla do vidro traseiro. Não coloque bagagens ou
segurança no trânsito. Sem iluminação, ou com iluminação objetos que impeçam sua visão através do retrovisor
deficiente, você poderá ser causa de colisão e de outros interno;
acidentes. Confira e evite as principais ocorrências: Os retrovisores externos, esquerdo e direito, devem ser
■ Faróis queimados, em mau estado de conservação ou ajustados de maneira que você, sentado na posição de
desalinhados: reduzem a visibilidade panorâmica e você direção, enxergue o limite traseiro do seu veículo e com
não consegue ver tudo o que deveria; isso reduza a possibilidade de “pontos cegos” ou sem
■ Disco e pastilhas gastos: verifique com profissional alcance visual. Se não conseguir eliminar esses “pontos
habilitado; cegos”, antes de iniciar uma manobra, movimente a cabeça
■ Lonas gastas: verifique com profissional habilitado. ou o corpo para encontrar outros ângulos de visão pelos
Quando você atravessa locais encharcados ou com espelhos externos, ou através da visão lateral. Fique atento
poças de água, utilizando veículo com freios a lona, pode também aos ruídos dos motores dos outros veículos e só
ocorrer a perda de eficiência momentânea do sistema de faça a manobra se estiver seguro de que não vai causar
freios. Observando as condições do trânsito no local, acidentes.
reduza a velocidade e pise no pedal de freio algumas vezes O problema da concentração: telefones, rádios e
para voltar à normalidade. outros mecanismos que diminuem sua atenção ao dirigir
Nos veículos dotados de sistema ABS (central eletrônica Como tomamos decisões no trânsito?
que recebe sinais provenientes das rodas e que gerencia a Muitas das coisas que fazemos no trânsito são
pressão no cilindro e no comando dos freios, evitando o automáticas, feitas sem que pensemos nelas. Depois que
bloqueio das rodas) verifique, no painel, a luz indicativa de aprendemos a dirigir, não mais pensamos em todas as
problemas no funcionamento. coisas que temos que fazer ao volante. Este automatismo
Ao dirigir, evite utilizar tanto as freadas bruscas, como acontece após repetirmos muitas vezes os mesmos
as desnecessárias, pois isto desgasta mais rapidamente os movimentos ou procedimentos.
componentes do sistema de freios. É só dirigir com Isso, no entanto, esconde um problema que está na
atenção, observando a sinalização, a legislação e as base de muitos acidentes. Em condições normais, nosso
condições do trânsito. cérebro leva alguns décimos de segundo para registrar as
Como evitar desgaste físico relacionado à maneira de imagens que enxergamos. Isso significa que, por mais
sentar e dirigir atento que você esteja ao dirigir um veículo, vão existir,
Câmara Municipal de São Jerônimo 113 Motorista
num breve espaço de tempo, situações que você não É muito importante para você, conhecer as regras de
consegue observar. trânsito, a técnica de dirigir com segurança e saber como
Os veículos em movimento mudam constantemente de agir em situações de risco. Procure sempre revisar e
posição. Por exemplo, a 80 quilômetros por hora, um carro aperfeiçoar seus conhecimentos sobre tudo isso.
percorre 22 metros, em um único segundo. Se acontecer Dirigindo ciclomotores e motocicletas
uma emergência, entre perceber o problema, tomar a Um grande número de motociclistas precisa alterar
decisão de frear, acionar o pedal e o veículo parar urgentemente sua forma de dirigir. Mudar constantemente
totalmente, vão ser necessários, pelo menos, 44 metros. de faixa, ultrapassar pela direita, circular em velocidades
Se você estiver pouco concentrado ou não puder se incompatíveis com a segurança, circular entre veículos em
concentrar totalmente na direção, seu tempo normal de movimento e sem guardar distância segura têm resultado
reação vai aumentar, transformando os riscos do trânsito num preocupante aumento no número de acidentes
em perigos no trânsito. Alguns dos fatores que diminuem a envolvendo motocicletas em todo o país. São muitas
sua concentração e retardam os reflexos: mortes e ferimentos graves que causam invalidez
■ Consumir bebida alcóolica; permanente e que poderiam ser evitados, simplesmente
■ Usar drogas; com uma direção mais segura. Se você dirige uma
■ Usar medicamento que modifica o comportamento, motocicleta ou um ciclomotor, pense nisso e não deixe de
de acordo com seu médico; seguir as orientações abaixo:
■ Ter participado, recentemente, de discussões fortes Regras de segurança para condutores de motocicletas e
com familiares, no trabalho, ou por qualquer outro motivo; ciclomotores:
■ Ficar muito tempo sem dormir, dormir pouco ou ■ É obrigatório o uso de capacete de segurança para o
dormir muito mal; condutor e o passageiro;
■ Ingerir alimentos muito pesados, que acarretam ■ É obrigatório o uso de viseiras ou óculos de proteção;
sonolência. ■ É proibido transportar crianças com menos de 7 anos
Ingerir bebida alcoólica ou usar drogas, além de reduzir de idade;
a concentração, afeta a coordenação motora, muda o ■ É obrigatório manter o farol aceso quando em
comportamento e diminui o desempenho, limitando a circulação, de dia ou de noite;
percepção de situações de perigo e reduzindo a capacidade ■ As ultrapassagens devem ser feitas sempre pela
de ação e reação. esquerda;
Outros fatores que reduzem a concentração, apesar de ■ A velocidade deve ser compatível com as condições e
muitos não perceberem isso: circunstâncias do momento, respeitando os limites fixados
■ Usar o telefone celular ao dirigir, mesmo que seja pela regulamentação da via;
viva-voz; ■ Não circule entre faixas de tráfego;
■ Assistir televisão a bordo ao dirigir; ■ Utilize roupas claras, tanto o condutor quanto o
■ Ouvir aparelho de som em volume que não permita passageiro;
ouvir os sons do seu próprio veículo e dos demais; ■ Solicite ao “carona” que movimente o corpo da
■ Transportar animais soltos e desacompanhados no mesma maneira que o condutor para garantir a
interior do veículo; estabilidade nas curvas;
■ Transportar, no interior do veículo, objetos que ■ Segure o guidom com as duas mãos.
possam se deslocar durante o percurso. Regras de segurança para ciclomotores:
Nós não conseguimos manter nossa atenção ■ O condutor de ciclomotor (veículo de duas rodas,
concentrada durante o tempo todo enquanto dirigimos. motorizados, de até 50 cilindradas) deve conduzir este tipo
Constantemente somos levados a pensar em outras coisas, de veículo pela direita da pista de rolamento,
sejam elas importantes ou não. preferencialmente no centro da faixa mais à direita ou no
Force a sua concentração no ato de dirigir, bordo direito da pista sempre que não houver acostamento
acostumando-se a observar sempre e alternadamente: ou faixa própria a ele destinada;
■ As informações no painel do veículo, como velocidade, ■ É proibida a circulação de ciclomotores nas vias de
combustível, sinais luminosos; trânsito rápido e sobre as calçadas das vias urbanas.
■ Os espelhos retrovisores; VIA DE TRÂNSITO
■ A movimentação de outros veículos à sua frente, à sua Via pública é a superfície por onde transitam veículos,
traseira ou nas laterais; pessoas e animais, compreendendo a pista, a calçada, o
■ A movimentação dos pedestres, em especial nas acostamento, a ilha e o canteiro central. Podem ser
proximidades dos cruzamentos; urbanas ou rurais (estradas ou rodovias).
■ A posição de suas mãos no volante. Cada via tem suas características, que devem ser
O constante aperfeiçoamento observadas para diminuir os riscos de acidentes.
O ato de dirigir apresenta riscos e pode gerar grandes Fixação da Velocidade
conseqüências, tanto físicas, como financeiras. Por isso, Você tem a obrigação de dirigir numa velocidade
dirigir exige aperfeiçoamento e atualização constantes, compatível com as condições da via, respeitando os limites
para a melhoria do desempenho e dos resultados. de velocidade estabelecidos.
Você dirige um veículo que exige conhecimento e Embora os limites de velocidade sejam os que estão nas
habilidade, passa por lugares diversos e complexos, nem placas de sinalização, há determinadas circunstâncias
sempre conhecidos, onde também circulam outros momentâneas nas condições da via – tráfego, condições do
veículos, pessoas e animais. Por isso, você tem muita tempo, obstáculos, aglomeração de pessoas – que exigem
responsabilidade sobre tudo o que faz no volante. que você reduza a velocidade e redobre sua atenção, para
Câmara Municipal de São Jerônimo 114 Motorista
dirigir com segurança. Quanto maior a velocidade, maior é Para ultrapassar, acione a seta para esquerda, mude de
o risco e mais graves são os acidentes e maior a faixa a uma distância segura do veículo à sua frente e só
possibilidade de morte no trânsito. retorne à faixa normal de tráfego quando puder enxergar o
O tempo que se ganha utilizando uma velocidade mais veículo ultrapassado pelo retrovisor.
elevada não compensa os riscos e o estresse. Por exemplo, Nos declives, as velocidades de todos os veículos são
a 80 quilômetros por hora você percorre uma distância de muito maiores. Para ultrapassar, tome cuidado adicional
50 quilômetros em 37 minutos e a 100 quilômetros por com a velocidade necessária para a ultrapassagem. Lembre-
hora você vai demorar 30 minutos para percorrer a mesma se que você não pode exceder a velocidade máxima
distância. permitida naquele trecho da via.
Curvas Outros veículos podem querer ultrapassá-lo. Não
Ao fazermos uma curva, sentimos o efeito da força dificulte a ultrapassagem, mantendo a velocidade do seu
centrífuga, a força que nos “joga” para fora da curva e exige veículo ou até mesmo reduzindo-a ligeiramente.
um certo esforço para não deixar o veículo sair da Estreitamento de pista
trajetória. Quanto maior a velocidade, mais sentimos essa Qualquer estreitamento de pista aumenta riscos. Pontes
força. Ela pode chegar ao ponto de tirar o veículo de estreitas ou sem acostamento, obras, desmoronamento de
controle, provocando um capotamento ou atravessia na barreiras, presença de objetos na pista, por exemplo,
pista, com colisão com outros veículos ou atropelamentode provocam estreitamentos.
pedestres e ciclistas. Assim que você enxergar a sinalização ou perceber o
A velocidade máxima permitida numa curva leva em estreitamento, redobre sua atenção, reduza a velocidade e
consideração aspectos geométricos de construção da via. a marcha e, quando for possível a passagem de apenas um
Para sua segurança e conforto, acredite na sinalização e veículo por vez, aguarde o momento oportuno, alternando
adote os seguintes procedimentos: a passagem com os outros veículos que vêm em sentido
■ Diminua a velocidade, com antecedência, usando o oposto.
freio e, se necessário, reduza a marcha, antes de entrar na Acostamento
curva e de iniciar o movimento do volante; É uma parte da via, mas diferenciada da pista de
■ Comece a fazer a curva com movimentos suaves e rolamento, destinada à parada ou estacionamento de
contínuos no volante, acelerando gradativamente e veículos em situação de emergência, à circulação de
respeitando a velocidade máxima permitida. À medida que pedestres e de bicicletas, neste último caso, quando não
a curva for terminando, retorne o volante à posição inicial, houver local apropriado.
também com movimentos suaves; É proibido trafegar com veículos automotores no
■ Procure fazer a curva, movimentando o menos que acostamento, pois isso pode causar acidentes com outros
puder o volante, evitando movimentos bruscos e oscilações veículos parados ou atropelamentos de pedestres ou de
na direção. ciclistas.
Declives Pode ocorrer em trechos da via um desnivelamento do
Você percebe que à frente tem um declive acentuado: acostamento em relação à pista de rolamento, um
antes que a descida comece, teste os freios e mantenha o “degrau” entre um e outro. Nestes casos, você deve
câmbio engatado numa marcha reduzida durante a descida. redobrar sua atenção. Concentre-se no alinhamento da via
Nunca desça com o veículo desengrenado. Porque, em e permaneça a uma distância segura do seu limite, evitando
caso de necessidade, você não vai ter a força do motor para que as rodas caiam no acostamento e isso possa causar um
ajudar a parar ou a reduzir a velocidade e os freios podem descontrole do veículo.
não ser suficientes. Se precisar parar no acostamento, procure um local
Não desligue o motor nas descidas. Com ele desligado, onde não haja desnível ou ele esteja reduzido. Se for
os freios não funcionam adequadamente, e o veículo pode extremamente necessário parar, primeiro reduza a
atingir velocidades descontroladas. Além disso, a direção velocidade, o mais suavemente possível para não causar
poderá travar, se você desligar o motor. acidente com os veículos que venham atrás e sinalize com a
Ultrapassagem seta. Após parar o veículo, sinalize com o triângulo de
Onde há sinalização proibindo a ultrapassagem, não segurança e o pisca-alerta.
ultrapasse. A sinalização é a representação da lei e foi Condições do piso da pista de rolamento
implantada por pessoal técnico que já calculou que naquele Ondulações, buracos, elevações, inclinações ou
trecho não é possível a ultrapassagem, porque há perigo de alterações do tipo de piso podem desestabilizar o veículo e
acidente. provocar a perda do controle.
Nos trechos onde houver sinalização permitindo a Passar por buracos, depressões ou lombadas pode
ultrapassagem, ou onde não houver qualquer tipo de causar desequilíbrio em seu veículo, danificar componentes
sinalização, só ultrapasse se a faixa do sentido contrário de ou ainda fazer você perder a dirigibilidade. Ainda você pode
fluxo estiver livre e, mesmo assim, só tome a decisão agravar o problema se usar incorretamente os freios ou se
considerando a potência do seu veículo e a velocidade do fizer um movimento brusco com a direção.
veículo que vai à frente. Ao perceber antecipadamente estas ocorrências na
Nas subidas só ultrapasse quando já estiver disponível a pista, reduza a velocidade, usando os freios. Mas, evite
terceira faixa, destinada a veículos lentos. Não existindo acioná-los durante a passagem pelos buracos, depressões e
esta faixa, siga as mesmas orientações anteriores, mas lombadas, porque isso vai aumentar o desequilíbrio de
considere que a potência exigida do seu veículo vai ser todo o conjunto.
maior que na pista plana. Trechos escorregadios

Câmara Municipal de São Jerônimo 115 Motorista


O atrito do pneu com o solo é reduzido pela presença ■ Se não houver sinalização, a preferência de passagem
de água, óleo, barro, areia ou outros líquidos ou materiais é do veículo que se aproxima do cruzamento pela direita;
na pista e essa perda de aderência pode causar ■ Se houver a placa PARE, no seu sentido de direção,
derrapagens e descontrole do veículo. você deve parar, observar se é possível atravessar e só aí
Fique sempre atento ao estado do pavimento da via e movimentar o veículo;
procure adequar sua velocidade a essa situação. Evite ■ Numa rotatória, a preferência de passagem é do
mudanças abruptas de velocidade e frenagens bruscas, que veículo que já estiver circulando na mesma;
tornam mais difícil o controle do veículo nessas condições. ■ Havendo sinalização por semáforo, o condutor deverá
Sinalização