Você está na página 1de 4

1

Roteiro: A Instituição Escolar

LOBO NETO, Otávio Camargo. Roteiro: A Instituição Escolar Curitiba: 2010.

Baseado no texto de Marilda Iwaya: A Instituição Escolar. (Marilda Iwaya A Instituição Escolar in
Sociologia. Curitiba, SEED-PR, 2006. )

Parte Cena Narrativa e textos.


Em primeiro plano aparece o
C título do livro didático público. Produção, direção, pesquisa, voz e roteiro por Otávio
I
R Nesta cena aparece a saída Lobo
N
É da sala dos professores ao fim
I
D do intervalo, onde se mostra
C
I todo o caminho desta até a Baseado no texto de Marilda Iwaya: A Instituição
I
T sala de aula. A trilha sonora Escolar.
A
O Ramones “Rock'n'Roll High
I
S School”. Sobem os créditos
S
no decorrer da cena. Até a A Instituição Escolar
chegada do título do curta.
É mostrado o pai da educação Narrador (N): - A escola, tal como conhecemos hoje,
moderna bem como o intitulada pelos historiadores da educação como Escola
frontispício de sua obra Moderna, começou a se configurar em fins do século
P pedagógica. XVI e ao longo do século XVII. Antes disso, nas
R sociedades antigas e medievais, já havia a
O Aparecem fotos que preocupação com a educação de seus jovens, os quais
B representam a educação estudavam ou individualmente, sob a orientação de um
L antiga e medieval. mestre, ou em pequenos grupos, independentes de
E idade ou seriação. Adultos e crianças freqüentavam a
M Escorregam o primeiro à mesma classe durante o tempo que desejassem ou
A esquerda para a direita, e o precisassem, e isso não era considerado um problema.
segundo em sentido oposto, As teorias da psicologia da aprendizagem, que
as fotos de Lev Vigostky e estabelecem etapas para o desenvolvimento humano,
Jean Piaget. virão muitos anos depois. Mas o olhar que damos hoje
à educação passa longe da análise sociológica.
Aparecem em primeiro plano Pensem comigo: em termos de Senso Comum, como
“Senso Comum” e vemos a educação?
I
“Educação?”
N
Nesta cena aparece uma série
T
C de notícias e fotografias
R
L mostrando como a grande
O
I mídia enxerga a educação. A
D
P música de fundo (O Fortuna
U
E dos Carmina Burana) imprime
Ç
ritmo à passagem das
Ã
notícias/ fotografias.
O
Escorregam cenas de chaves (N)Vejam que se nos baseássemos no que diz o senso
e da Escolinha do prof. comum a escola seria pouca coisa além de um
Raimundo. repositório de violência e absurdo. E não raro uma
mistura entre os dois.
Mostra-se fotos que Então percebam: Um dos principais objetivos do estudo
O representem o capitalismo. da Sociologia é auxiliar a “desnaturalizar” os fatos
B sociais, a desconstruir alguns conceitos que, de tão
J Fotos de Intelectuais. repetidos que foram, parecem ser os únicos
E verdadeiros. Assim, desnaturalizar a instituição escolar
2
T significa saber que ela foi pensada e construída por
I pessoas como professores, religiosos ou governantes
V que tinham interesses e necessidades próprias daquele
O momento histórico. E que, antes desse modelo escolar,
S existiram outras formas criadas pelas sociedades para
transmitirem às suas crianças e jovens os saberes
necessários para a vida social.
Para compreender o que estou dizendo, vamos olhar a
Bem como a de Durkheim e escola que você estuda e, a partir daí, ver duas teorias
de Adorno sociológicas que tentam compreender o que seja isto: a
escola.
(N) A escola tem as seguintes características que
estamos cansados de saber:
a preocupação em separar os alunos em classes
seriadas, de acordo com a faixa etária a divisão
D sistemática dos programas de acordo com cada série;
C
E os níveis de estudos passam a ter um encadeamento: a
A
S escola elementar (ler, escrever e contar), com a escola
R
E média ou profissional e os estudos superiores;
A
N Fotos de Livros de chamada, o tempo para o estudo e para o cumprimento dos
C
V livros didáticos, etc. programas para uma determinada série também
T
O passam a ser preestabelecidos. Não será mais o ritmo
E
L de aprendizado do aluno que dirá de quanto tempo ele
R
V necessita para aprender, mas sim o ritmo imposto pela
I
I instituição.
S
M Outros elementos muito comuns em nossa prática
T
E escolar também passaram a ser utilizados, como o
I
N registro das aulas, o controle de freqüência (chamada),
C
T a elaboração de textos simplificados para cada
A
O disciplina (livros didáticos). Junto com isso teremos
S
maior rigor disciplinar, com a criação de normas e
regimentos de conduta. Enfim, são práticas que têm a
função de organizar, disciplinar e controlar.
Mas por que isso? Qual seria o interesse para uma
sociedade em organizar, disciplinar e controlar os mais
jovens?
Escorrega à direita alguém (N) Pensem na seguinte hipótese: você está em casa
D jogando guitar Hero. E à Tranquilo. E tem duas possibilidades: ou estuda ou joga
E esquerda alguém estudando. vídeo game. Qual dessas possibilidades você estaria
S mais inclinado à fazer?
E Parte de vocês iria imediatamente ao vídeo-game sem
N D pestanejar.
V U Então percebam: Estes que foram jogar vídeo-game
O R estão mais preocupados em se divertir, ou seja, se
L K guiar pelo próprio prazer do que se preocupar com o
V H próprio futuro.
I E Mostra-se a foto e as data de Por esse exemplo, nós conseguimos compreender a
M I nascimento e morte de perspectiva de Durkheim.
E M Durkheim. Segundo ele, a escola, assim como as demais
N instituições sociais, tem a função de imprimir sobre as
T novas gerações valores morais e disciplinares que
O visam à perpetuação da sociedade tal como ela está
organizada quanto à ordem e no respeito aos valores
dominantes.
Durkheim trata a sociedade como se essa fosse uma
3
Trechos de Vídeos retirados entidade externa aos indivíduos, acima dos conflitos
do filme Capitalism: A Love sociais, das lutas por interesses diversos. A sociedade
story de Michel Moore é assim entendida como um corpo harmônico, com
valores e à qual só nos resta a adaptação. Pois bem!
Para Durkheim a escola não é alvo de críticas, pois
funciona adequadamente à sociedade na qual está
inserida. Para ele, todos os indivíduos e instituições
têm uma função a cumprir, que uma vez, bem
Foto de Durkheim e o escrito desempenhada contribuirá para o progresso e à
“Teoria Funcionalista” harmonia social. Os conflitos sociais não resultam das
deslizam em primeiro plano. desigualdades provindas da sociedade de classes, mas
são espécies de “doenças”, e como tais devem ser
“tratadas”.
Sua tese fica conhecida como Teoria Funcionalista,
porque entende a escola como uma função dentro do
corpo social. A função da escola segundo ele seria
então, organizar os jovens com vistas à, discipliná-los
nos valores sociais correntes e controlar os impulsos
que seriam contrários à ordem social vigente.

(N) Então pensemos assim: a escola consegue


Algumas fotos de “harmonia” controlar todos esses impulsos e, portanto, condicionar
em sala de aula. todos os homens a seguirem esses valores sociais.
Mas se a sociedade se guiar por valores que não sejam
os melhores?
Pior: e se esses valores forem criminosos?
Como vocês já sabem ocorreu no século XX um
sistema político social que era flagrantemente
criminoso: O totalitarismo Nacional Socialista Alemão.
Quando o nazismo toma o poder da Alemanha em
D 1933, eles tomam conta não só da máquina do estado
E Trechos extraídos do como pretendem controlar os corações e mentes de
S Arquitetura da Destruição de sua população.
I
E Peter Cohen. Para tanto Hitler e seus asseclas utilizaram de critérios
T
N pseudo-científicos para a manipulação da massa.
E
V Segundo o ideário nazista, a raça ariana seria uma das
R
O três grandes raças humanas, e este termo (ariano)
M
L serviria para designar a raça branca, descendente das
E
V antigas tribos que se originaram numa região ao sul do
Z
I que hoje é a Rússia, há cerca de sete ou oito mil anos,
Z
M Trechos extraídos do Triunfo e se expandiram por toda a Europa no curso da
O
E da Vontade de Leni história. Mas para além de um discurso, a intenção era
N Riefenstahl. educar toda a população nestes valores arianos.
T Então vejam, para que isso funcionasse Hitler foi
O diretamente aos mais jovens para pregar seu novo
sistema social. Esses estudantes foram conhecidos
como Juventude Hitlerista. Sua pretensão da
nazificação da cultura alemã, ou seja, de moldar a
Alemanha segundo sua ideia de sociedade e de
homem, passava por uma “higienização” da Alemanha.
Daí a “necessidade” de exterminar os não-arianos.
Trechos extraídos do O resto vocês já sabem: segue-se a construção dos
Documentário da BBC: campos de concentração com vista ao extermínio das
Auschwitz – Nazis and the raças inferiores, o projeto que ficou conhecido como: a
final solution solução final.
4
Fotos de Adorno. (N) O mais famoso desses campos foi o de Auschwitz.
D Theodor Adorno escreve um texto intitulado “Educação
E após Auschwitz”.
S Neste ensaio, Adorno vincula a educação como
E instrumento de formação de pessoas que podem
A
N cometer atrocidades a serviço de um sistema
D
V Fotos de campos de xenofóbico. Para Adorno, a principal tarefa da
R
O concentração da segunda educação é evitar um novo Auschwitz.
O
L guerra mundial. Ou seja, temos que discutir o que significa organizar,
R
V disciplinar e controlar em sala de aula. Porque afinal, a
N
I barbárie Nazista fez exatamente isso. Organizou a
O
M sociedade segundo sua ideologia. Disciplinou
E militarmente a sociedade alemã. E por fim controlou-a.
N Para que possamos evitar um novo Auschwitz é
T Cena retirada do filme necessário que se eduque criticamente. Com vistas não
O Triumph des Willens de Leni ao confronto, mas à conciliação.
Riefenstahl.
Aparecem imagens relativas (N) Em Another Brick in the Wall do grupo Pink Floyd, o
ao clipe que será mostrado ao vídeo-clipe nos dará a chave para compreendermos os
final. dilemas da educação. É mostrado ali a história de como
C as humilhações vividas pelo personagem geram sua
O revolta. A tal ponto, que ele destruiria sem pestanejar o
N sistema que possibilita essas humilhações. Também é
C representado no vídeo, o próprio sistema educacional.
L Que retira dos estudantes sua expressividade mais
U singular. O sistema é então representado por uma
S máquina de moer carne. Já a perda da identidade, é
A Aparece gradualmente o representada pelas máscaras utilizadas pelos
O vídeo-clipe da música Another escolares. O que nos mostra o próprio dilema da
Brick in the wall (part II) educação hoje: “Como educar a tal ponto onde as
legendado. crianças sejam guiadas por valores, mas que
consigamos fazê-las críticas a esses valores”.

Ao som de Ramones Textos: Marilda Iwaya A Instituição Escolar in


“Rock'n'Roll High School” Sociologia. Curitiba, SEED-PR, 2006. Theodor Adorno
(legendado). Onde aparecerá Educação após Auschwitz in Educação e
C
em primeiro plano o clipe 1 Emancipação. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1995.
R
desta música. Este clipe torna- Produção, direção, pesquisa, voz e roteiro por Otávio
É
se menor até ocupar o canto Lobo. Filmagens dos estudantes e professores foi
D
inferior esquerdo, quando realizada no Colégio Dona Branca do Nascimento
I
subirão os créditos finais. No Miranda no dia de Novembro de 2010. Prof. Otávio
T
canto superior direito Lobo em sua respectiva residência. Trechos dos filmes:
O
aparecerá um trecho retirado Capitalism: A Love Story de Michel Moore; Triumph des
S
de um filme com o mesmo Willens - Leni Riefenstahl; Auschwitz – Nazis and the
nome da música. Ao final do final solution – BBC; Arquitetura da Destruição - Peter
F
clipe 1, este sairá de cena e o Cohen. Trechos de vídeos Guitar Hero III: You Tube
I
clipe 2 ocupará todo o Imagens variadas: Google Imagens. Músicas O Fortuna
N
enquadramento. Nos instantes - Carmina Burana - Carl Orff Por Seiji Ozawa e Berliner
A
finais este começará a Philharmoniker. Another Brick in the Wall (part II) Pink
I
desaparecer, sobrevindo o Floyd Retirado do Filme The Wall de Alan Parker.
S
fim. Baseado na obra homônima do grupo Pink Floyd.
Rock'n'Roll High School The Ramones Clipes
www.youtube.com Tradução: letras.terra.com.br/