P. 1
Plano Semestral de Trabalho Docente - 1as Séries do Curso Formação de Docentes - IEPPEP

Plano Semestral de Trabalho Docente - 1as Séries do Curso Formação de Docentes - IEPPEP

|Views: 5.198|Likes:
Publicado porkid_ota1218
Plano Semestral de Trabalho Docente feito para as 1as Séries do Curso Formação de Docentes. Aulas Ministradas no Instituto de Educação do Paraná Professor Erasmo Pilotto.
Plano Semestral de Trabalho Docente feito para as 1as Séries do Curso Formação de Docentes. Aulas Ministradas no Instituto de Educação do Paraná Professor Erasmo Pilotto.

More info:

Categories:Types, Letters
Published by: kid_ota1218 on Aug 17, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC or read online from Scribd
See more
See less

03/10/2013

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DO PARANÁ PROFESSOR ERASMO PILOTTO PLANO DE DISCIPLINA SEMESTRAL Curso: Formação de Docentes da Educação infantil e anos

Iniciais do Ensino Fundamental – com aproveitamento de estudos. Disciplina: Fundamentos Filosóficos da Educação. Professor: Otávio Camargo Lobo Neto Série: 1ª série. PRESSUPOSTOS TEÓRICOS Desde seu nascimento, a filosofia aparece como modalidade discursiva acerca do sentido do real. Sua estrutura dialógica se afasta de outras formas de discurso – científicas, religiosas, míticas e as do senso comum – graças à sua rigorosidade, radicalidade e crítica. Embora credora do real e de seus fenômenos, a atitude filosófica investiga as essências que subjazem ao real dado. Nesse sentido, o foco das Filosofias da Educação é justamente a busca do sentido do educar, bem como dos processos pelos quais é possível o conhecer. O fio de Ariadne de nossa tradição de pensamento sobre educação tem como acorde fundamental a pergunta platônica: “É possível ensinar a virtude?” Deste modo, no primeiro bimestre, a intenção é mostrar o nascimento desta tradição entre os gregos. Dado que ela nasce em contraposição à insuficiência do discurso (logos) mítico, nasce, portanto, como uma forma de discurso onde a lógica e a coerência interna do “eu” reflexivo coloca em questão a mediação poética do mito. Trocando em miúdos, o modelo de educação (paidéia) para a virtude (areté) repassada pela tradição mítica, não mais se sustenta diante do pensamento filosófico. A ideia, portanto, é repassar o conceito educativo da Grécia Arcaica expressa na polaridade da areté “cavalheiresca” homérica e a areté “campesina” hesiódica. Objetivando a crítica platônica ao modo de expressão poético. Crítica que inicia nossa tradição de pensamento sobre educação no ocidente exposta na pergunta supracitada. No segundo bimestre pretende-se mostrar a nova concepção de homem – em detrimento ao paradigma medieval. As revalorizações da cultura greco-romana bem como os descobrimentos científicos realizados neste período trouxeram novas questões desconfortáveis ao modo escolástico de investigação. A passagem à um novo modelo compreende dois momentos que, embora distintos, são complementares: o Renascimento e o Iluminismo. No Renascimento, a reflexão sobre educação para um novo mundo foi um dos enfoques no pensamento de Michel de Montaigne como crítico do paradigma educativo que coloca a memorização em primeiro plano, ao invés de se educar ao mesmo tempo “a alma e o corpo”. Para além do campo exclusivamente filosófico, a efervescência cultural do Renascimento gera em seu seio a Reforma Protestante. Martinho Lutero ao traduzir a bíblia, trouxe a verdade 1 Carga Horária Semanal: 2 horas semanais.

revelada para mais perto daquele que crê. O que, além de resultar numa proposta educativa mais abrangente, pressupõe um novo quadro epistemológico de conteúdos a serem ministrados às crianças. Em resposta ao pensamento renascentista e ao reformista, a Igreja Católica por meio dos Jesuítas publica seu Ratio Studiorum, que procura defender não só os dogmas católicos, mas preservar seu método educativo baseado na memorização e na tradição. A meio caminho entre Renascimento e Iluminismo, surge a Filosofia Moderna que, entusiasmada pelo desenvolvimento invulgar das Ciências da Natureza, clamam por um novo paradigma epistemológico para elas. Assim, as figuras de René Descartes e John Locke encampam duas posições inconciliáveis. O racionalismo inatista cartesiano e o empirismo lockiano. Enquanto o primeiro defende que todo o conhecimento surge a partir de ideias inatas corroboradas pela razão. O segundo, mostra que estas ideias surgem das sensações, ou das reflexões, ou da combinação entre elas, que correspondem à uma realidade que existe em si e por si mesma. Assim, o conhecimento só se inicia após a experiência sensível. O iluminismo, por seu turno, deseja que o homem chegue à sua maioridade. Acentuando o movimento pela liberdade intelectual do homem. Nesse sentido, dois pensadores se destacam como avatares desse movimento: Jean-Jacques Rousseau e Immanuel Kant. Rousseau resgata a relação entre educação e política, perdida desde os gregos. E foca, pela primeira vez, a educação na criança. Onde a educação não deve tratá-la como um adulto em miniatura, mas deve centrar a educação na própria vida da criança. Epistemologicamente falando, Kant supera a contradição entre o cartesianismo e o empirismo lockiano, ao afirmar que algumas ideias eram inatas – como o espaço e o tempo – e que outras são apresentadas pelos sentidos. A estas considerações, interpõe Kant a sua preocupação pedagógica uma vez que “o ser humano é a única criatura que precisa ser educada” ( Kant, 1988, p. 441). Pois segundo ele, o homem não pode se tornar um verdadeiro homem senão pela educação, sendo o indivíduo aquilo que a educação o torna. Profundamente influenciado por Rousseau, a pedagogia kantiana também tem seu foco na criança e no seu modo de ser diante o mundo com vistas à autonomia do pensar (a maioridade), porém sempre em relação à sociedade que a circunscreve, pois “À liberdade de pensar opõe-se em primeiro lugar a coação civil (...) Em segundo lugar, a liberdade de pensar é também tomada no sentido de que se opõe a toda coação à consciência moral (...) Em terceiro lugar, a liberdade de pensamento significa que a razão não se submete a qualquer outra lei senão àquela que dá a si própria”( Kant, 1974, p. 92, 94)

CONTEÚDOS ESTRUTURANTES E SEUS DESDOBRAMENTOS 1º Bimestre – Os desdobramentos da paidéia grega • O discurso mítico. o O sentido da Paidéia homérica e hesiódica. • “É possível ensinar a virtude?” 2

o  

Platão e o problema do conhecimento; A República – a "Alegoria da caverna"; A República – o "Mito de Er".

2º Bimestre – O Humanismo e a educação • O renascimento. o Michel de Montaigne: A educação das Crianças; o Martinho Lutero: A educação Protestante; o Os Jesuítas: A Ratio Studiorum. • A modernidade o René Descartes: A educação da razão pela razão; o John Locke: Tudo se aprende, não há ideias inatas. • o  cidadão republicano; o da razão. OBJETIVOS DA DISCIPLINA • Contribuir para o desenvolvimento de uma prática educativa contextualizada e socialmente responsável para que o(a) educador(a) compreenda os processos filosóficos subjacentes ao à história, nas transformações e mudanças dos paradigmas educativos. • Refletir filosoficamente sobre a educação – suas finalidades, conteúdos e principalmente sua interação com o contexto histórico – possibilita uma maior compreensão da educação atual e pode contribuir de forma eficaz para o desenvolvimento de um sistema educacional mais justo. METODOLOGIA A metodologia será trabalhada numa perspectiva histórica, de forma problematizadora, ou seja, estabelecendo a relação entre a prática e a teoria, entre o conhecimento que o aluno já possui e os conteúdos que precisam ser incorporados para que ele alcance autonomia em seu sentido mais amplo. As novas tecnologias de informação – computador, internet e seus derivados – também serão utilizados como ponte metodológica aos Objetivos propostos e como incentivo ao uso destas tecnologias. Ainda que seu uso nesta disciplina seja secundário – como apoio aos conteúdos ministrados em sala – e relativamente tímido – graças às limitações materiais da instituição de ensino e dos alunos – não se pode furtar de tal utilização, já que as prerrogativas da cidadania em termos hodiernos passam necessariamente pela inclusão digital. O portal de internet utilizado será o sítio: http://professorotaviolobo.blogspot.com/ Assim, a metodologia envolverá o diálogo, a contextualização e a problematização de conteúdos levando em consideração o ponto de partida do conhecimento do aluno e o ponto a que se deseja chegar, instigando o aluno à pesquisa, ao trabalho cooperativo, à reflexão, análises, sínteses e comparações. Onde a preocupação com o estabelecimento dialógico será o locus privilegiado para o devido equacionamento entre a reflexão filosófica às perspectivas dos estudantes. AVALIAÇÃO 3 O iluminismo. Educação e cidadania Rousseau. A descoberta da infância e a formação do O conhecimento como ousadia - Kant e os inimigos

A avaliação seguirá o que dispõe o Capítulo III do Regimento Escolar deste Estabelecimento de Ensino. Ressalta-se a importância da prevalência dos aspectos qualitativos sobre quantitativos, da relevância à atividade critica, à capacidade de síntese e à elaboração pessoal, devendo a verificação do aproveitamento escolar incidir sobre o desempenho do aluno, no mínimo, em três experiências de aprendizagem (debates, seminários, relatórios, testes de aproveitamento orais e escritos, trabalhos de criação, observações etc.), durante cada bimestre. ESTRATÉGIAS DE RECUPERAÇÃO CONCOMITANTE E PARALELA Serão utilizadas práticas diferenciadas considerando as características dos alunos, para melhor intervenção pedagógica e apropriação do conteúdo. O momento mais importante para a recuperação deve ocorrer no período de aula. A revisão diária dos conteúdos, explicações complementares, atividades extraclasse, correção de exercícios e testes de verificação, entre outras são procedimentos que atuarão preventivamente, contribuindo para a aprendizagem do aluno. São estratégias também: a) atividades diversificadas oferecidas durante a aula, b) atividades extra-classe, c) planos de estudos. REFERÊNCIAS BÁSICAS CHAUÍ, Marilena. O conceito Marxista de Ideologia in O que é Ideologia? São Paulo: Brasiliense, 1980. pp. 87 e ss. _______. Estado de Natureza, contrato social, Estado Civil na filosofia de Hobbes, Locke e Rousseau in Filosofia Ed. Ática, São Paulo, ano 2000, pág. 220-223. DESCARTES, René. Discurso sobre o Método. Tradução Enrico Corvisieri. Disponível em http://www.scribd.com/doc/8913091/Descartes-Discurso-do-Metodo Acesso em: 10 de agosto de 2010. FERREIRA, André. O Conhecer e o Educar em Platão: A Anamnesis apresentada No “Menôn” como condição de possibilidade da Paidéia apresentada na "República". Disponível em http://www.anped.org.br/reunioes/32ra/arquivos/trabalhos/GT17-5879--Int.pdf Acesso em 10 de Agosto de 2010. JAEGER, Werner. Homero como Educador in Paidéia: A Formação do Homem Grego. 3ª edição. São Paulo: Martins Fontes, 1995. pp. 61-84. Hesíodo e a vida no campo. in Paidéia: A Formação do Homem Grego. 3ª edição. São Paulo: Martins Fontes, 1995. pp. 85-105. KANT, I. Fundamentação da Metafísica dos Costumes. Trad. por Paulo Quintela. Lisboa: Edições 70, 1988. _______.. Textos Seletos. Trad. Raimundo Vier. Petrópolis: Vozes, 1974. MARROU, Henri Irénée. A Educação Espartana. in História da Educação na Antiguidade. São Paulo: E.P.U., Ed. Da Universidade de São Paulo, 1973. pp 34-50. PLATÃO. A Alegoria da Caverna in A República: Livro VII, 514a-521b. Lisboa: Ed. Fundação Calouste Gulbenkian, 1990. Adaptado. _______. O mito de Er in A República: Livro X . Disponível em www.scribd.com/doc/27630032/Platao-A-republica-Livro-X Acesso: 10 de Agosto de 2010. ROUSSEAU, Jean-Jacques. Discurso sobre a origem da desigualdade entre os homens. Tradução: Maria Lacerda de Moura. Disponível em 4

http://www.scribd.com/doc/7302343/Rousseau-Discurso-Sobre-a-Origem-DaDesigualdade-Entre-Os-Homens Acesso em: 10 de agosto de 2010. SEED-PR. Filosofia – Livro Didático Público. Curitiba, 2ª ed. SEED-PR, 2006. SEED-PR. Sociologia – Livro Didático Público. Curitiba, 2ª ed. SEED-PR, 2006.

5

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->