Você está na página 1de 15

...............................................................................................................................

Izabella Alves Rihs – RM: 3555


Isadora Pereira Leite – RM: 4956
Ketelyn da Silva Veiga – RM: 5757
Beatriz Patricia Garcia Neri – RM: 5111

Hibridização do Carbono

.............................................................................................................................................
Guarulhos
2019
Izabella Alves Rihs – RM: 3555
Isadora Pereira Leite – RM: 4956
Ketelyn da Silva Veiga – RM: 5757
Beatriz Patricia Garcia Neri – RM: 5111

Hibridização do Carbono

Trabalho bimestral apresentado ao Colégio


Guarulhos para a obtenção da nota bimestral
de Química.
Ensino Médio – 1º A
Professor (a): Willian Gandolfi

.............................................................................................................................................
Guarulhos
2019
Sumário
1. Introdução.............................................................................................................4
2. Carbono.................................................................................................................4
2.1. Hibridização do Carbono....................................................................................4
3. Hibridização sp.....................................................................................................5
3.1. HCN....................................................................................................................6
3.2. Acetileno.............................................................................................................7
4. Hibridização sp2....................................................................................................7
4.1. CH2O...................................................................................................................7
4.2. C2H4....................................................................................................................8
4.3. Grafite.................................................................................................................9
5. Hibridização sp3..................................................................................................10
5.1. Testosterona.....................................................................................................10
5.2. Isoctano............................................................................................................10
5.3. Metilbenzeno....................................................................................................11
5.4. Diamante..........................................................................................................11
5.5. CH4...................................................................................................................12
6. Conclusão...........................................................................................................13
7. Referências.........................................................................................................14
1. Introdução

Neste trabalho iremos abordar de maneira aprofundada a hibridização do


carbono. Sabemos que a hibridização deste elemento é um fenômeno que ocorre
por meio da ação de energia externa, unindo orbitais atômicos incompletos – que
possui apenas um elétron em seu orbital – e fazendo com que o carbono possa
realizar quatro ligações químicas. Iremos aprender quais são seus compostos, que
tipo de ligações eles realizam e qual a influência que isso exerce sobre a molécula, e
o que surge através dela.

2. Carbono

O carbono é um elemento químico extremamente importante, por ser


indispensável à existência da vida - seja ela animal e vegetal - sem falar dos
compostos minerais constituídos pelo elemento em questão. O elemento não-
metálico tetravalente carbono, está localizado na família 4A da tabela periódica,
apresenta o número atômico 6 e massa atômica 12, e símbolo C.
Foi descoberto na antiguidade, a sua união com outros elementos para
formação de compostos e moléculas é chamada de ligação covalente, ou seja, o
carbono compartilha seus elétrons com os demais elementos ligando-se
tetraedricamente com os quais tem afinidade eletrônica, exceto em algumas
ocasiões. Sua presença na natureza ocorre em duas formas alotrópicas: o diamante
e a grafite. O diamante é um sólido covalente que apresenta dureza e ponto de
ebulição bastante elevado e o material mais duro existente enquanto que a grafite é
menos resistente.
Normalmente a maior parte do carbono presente na natureza está na forma
de compostos, principalmente nos compostos orgânicos que apresentam o
esqueleto de suas cadeias compostas por este elemento. O carbono é tão essencial
para existência de vida que o DNA, as proteínas e outros compostos importantes
para a vida são formados por cadeias carbônicas, entre outros compostos
amplamente estudados pela bioquímica.

2.1. Hibridização do Carbono

Define-se como hibridização a união de orbitais atômicos incompletos. Um


orbital é classificado como incompleto quando ele apresenta apenas um elétron em
seu interior em vez de dois. A hibridização é um fenômeno natural que ocorre com
alguns elementos químicos, como o Fósforo, o Enxofre, o Carbono etc. A
hibridização do Carbono permite que os átomos desse elemento sejam capazes de
realizar quatro ligações químicas, ou seja, o carbono só realiza quatro ligações após
sofrer o fenômeno da hibridização.
Distribuição eletrônica desse elemento:

4
Na distribuição eletrônica do carbono, percebemos que o subnível 1s está
completo (com dois elétrons), o 2s está completo (com dois elétrons) e o subnível 2p
está incompleto (o subnível p suporta seis elétrons, mas há somente dois).
Distribuindo os elétrons do 2p de forma representativa, temos que:

O subnível p apresenta três orbitais – no caso do carbono, dois deles estão


incompletos e um está vazio. Por essa razão, esse elemento deveria realizar apenas
duas ligações, já que o número de orbitais incompletos sempre determina o número
de ligações.
No entanto, ao receber energia do meio externo, os elétrons presentes no
Carbono são excitados. Assim, um dos elétrons presentes no subnível 2s desloca-se
para o orbital do subnível p que estava vazio:

Assim sendo, o carbono fica com quatro orbitais incompletos no seu segundo
nível. Em seguida, o orbital do subnível 2s une-se aos três orbitais p, o que configura
o fenômeno de hibridização.

3. Hibridização sp

A hibridização do carbono do tipo Sp acontece somente quando ele realiza


duas ligações pi (π) e duas ligações sigma (σ).

5
Há, nesse caso, então, duas possibilidades: o carbono pode fazer duas
ligações duplas ou uma ligação simples e uma tripla. No caso da hibridização do tipo
sp, sabemos que duas ligações serão pi; essas ocorrem nos orbitais “p” puros,
enquanto que os outros dois orbitais, que são híbridos do tipo sp, realizarão as
ligações sigma restantes.

A representação espacial dessa hibridização entre um orbital s e um p,


originando um orbital híbrido sp, pode ser representada da seguinte forma:

Na figura acima fica bem claro que há dois orbitais puros que realizarão as
ligações pi.

3.1. HCN

Para você entender como isso ocorre, vamos pegar como exemplo uma
molécula do gás cianídrico (HCN), usado nos Estados Unidos em câmaras de gás
para detentos condenados à pena de morte. Sua fórmula estrutural é dada por:

Quanto ao carbono, já foram mostrados os seus orbitais atômicos, agora veja


os orbitais do hidrogênio e do nitrogênio:

Observe que o orbital desemparelhado do hidrogênio, que realizará a ligação


sigma, é o “s”, que é representado espacialmente por um círculo; e os orbitais do
nitrogênio são do tipo “p”, representados por três duplos ovoides (cada um em um
campo espacial: x, y, z). Assim, a estrutura da molécula de HCN é representada da
seguinte maneira:

6
3.2. Acetileno

Como o acetileno tem uma tripla ligação entre os carbonos e uma simples
ligação entre cada carbono e um hidrogênio, podemos dizer o seguinte sobre essas
ligações.
H – Apresenta um orbital do tipo s; C – Apresenta hibridização sp.
Cada carbono se liga ao outro por uma tripla ligação, uma delas é do tipo
sigma sp-sp (σ sp-sp) e as outras duas são do tipo pi p-p (π p-p) (lembre-se que
uma segunda ou terceira ligação entre dois átomos sempre é do tipo π p-p) entre
cada carbono e o "seu" hidrogênio a ligação é do tipo sigma s-sp (σ s-sp).
Assim a fórmula estrutural desse composto é: H - C ≡ C – H.

4. Hibridização sp2

A hibridização do carbono do tipo sp 2 ocorre quando ele apresenta uma


ligação dupla e duas ligações simples ou uma ligação pi (π) e três ligações sigma
(σ).
Na realidade, a hibridização sp2 é ocasionada entre os átomos que
estabelecem a ligação dupla.

4.1. CH2O

Um exemplo de molécula assim é a do formol (CH 2O). Observe sua estrutura


abaixo:

A hibridização do carbono ocorre quando um elétron do subnível 2s recebe


energia e é “transportado” para o subnível 2p e, desse modo, originam-se 4 orbitais
hibridizados a partir da “mistura” de orbitais atômicos puros.
No caso do formol, sabemos que haverá uma ligação pi, portanto, um desses
orbitais hibridizados é reservado para essa ligação, enquanto que os outros três
realizam as ligações sigma:

7
Os átomos de hidrogênio que realizam a ligação simples com o carbono,
realizam-na com o seu orbital s:

O orbital p “puro” que restou realiza a ligação dupla com o átomo de oxigênio
e a molécula de formol fica com a seguinte estrutura:

4.2. C2H4
O etileno, um hidrocarboneto simples, é um hormônio vegetal gasoso cuja
descoberta ocorreu no século XIX. Nessa época, o gás produzido pela queima do
carvão era empregado nas lâmpadas para iluminação das ruas. Uma queda mais
intensa nas folhas foi observada nas árvores que permaneciam próximas a essas
lâmpadas que nas demais. O pesquisador Dimitry Neljubov descobriu que o etileno
era o componente do gás que causava a desfoliação. Ele notou que plantas de
ervilha mantidas no escuro (estioladas) e tratadas com etileno apresentavam
sintomas clássicos, que mais tarde foram denominados de tríplice resposta: redução

8
do crescimento longitudinal, engrossamento do sistema caulinar e mudança na
orientação do crescimento vertical para o horizontal.
Este hormônio é produzido em quase todos os tecidos vegetais em resposta
ao estresse, especialmente em tecidos senescentes ou em amadurecimento. Como
é um gás, move-se por difusão a partir do seu local de síntese. Apresenta dois
átomos de carbono realizando ligação do tipo sp 2.

4.3. Grafite

O grafite conduz eletricidade e o diamante não, a resposta está no tipo de


ligação existente entre os carbonos e no arranjo cristalino dos átomos no espaço .
No grafite os átomos de carbono formam anéis hexagonais contidos num
mesmo espaço plano, formando lâminas que se mantêm juntas por forças de
atração mútua. Essas lâminas se sobrepõem umas às outras, permitindo uma
espécie de deslizamento ou deslocamento dos planos. Isso explica por que o grafite
possui pouca dureza, pois essa propriedade facilita o desgaste do sólido. Em virtude
dessa propriedade, o grafite é usado como lubrificante em engrenagens e
rolamentos. Veja a seguir a sua estrutura:

Observe os anéis hexagonais formados. Neles está a resposta de por que o


grafite conduz eletricidade: nos anéis hexagonais existem duplas ligações, ou
ligações pi (π), conjugadas, que permitem a migração dos elétrons. Além disso, os
carbonos assumem uma hibridização sp 2 (plana), formando, como já dito, folhas
superpostas como "colmeias", isto é, que estão paralelas; e ligações em planos
diferentes, que são mais fracas, permitindo a movimentação de elétrons entre os
planos, ou seja, ocorre a transferência da eletricidade.

9
5. Hibridização sp3

Hibridização sp3 do carbono é um fenômeno físico no qual os três subníveis


do tipo p, localizados no segundo nível, unem-se a um subnível do tipo s, também
localizado no segundo nível.
A hibridização sp3 é comum em moléculas nas quais o carbono está
realizando 4 ligações sigmas com outros quatro átomos (independente do
elemento), como, por exemplo, na molécula de metano.

5.1. Testosterona

A testosterona é o principal hormônio sexual masculino e um esteroide


anabolizante. Em humanos e animais do sexo masculino, a testosterona
desempenha um papel fundamental no desenvolvimento de tecidos reprodutores
masculinos, como testículos e próstata, bem como a promoção de características
sexuais secundárias, como o aumento da massa muscular, aumento e maturação
dos ossos e o crescimento do cabelo corporal. Sua forma molecular é C 19H28O2,
possui 16 átomos de carbono com orbitais híbridos do tipo sp 3. A estrutura desse
composto é:

5.2. Isoctano

É um composto orgânico que tem o nome oficial 2,2,4-trimetilpentano é um


alcano de cadeia ramificada, isômero do octano. Ele é o padrão (100) na escala de
octanagem, e é impropriamente conhecido por iso-octano (porque existem outros
isômeros do octano). Possuem 7 átomos de carbono com orbitais híbridos do tipo
sp3.

10
5.3. Metilbenzeno

Tolueno ou metilbenzeno é a matéria-prima a partir da qual se obtêm


derivados do benzeno, caprolactama, sacarina, medicamentos, corantes, perfumes,
TNT e detergentes. É adicionado aos combustíveis (como antidetonante) e como
solvente para pinturas, revestimentos, borrachas, resinas, diluente em lacas
nitrocelulósicas e em adesivos. É a matéria-prima na fabricação do fenol, benzeno,
cresol e uma série de outras substâncias. Apresenta apenas um átomo de carbono
que realiza hibridização sp3. Sua fórmula molecular é CH7H8 ou C6H5CH3.

5.4. Diamante

O diamante é um alótropo de Carbono, que não conduz eletricidade


diferentemente do grafite, a resposta para isso está no tipo de ligação, cada átomo
de carbono está ligado a outros quatro átomos desse mesmo elemento químico, não
contidos em um mesmo plano
O diamante não possui ligações duplas, mas os seus carbonos possuem
hibridização sp3 (tetraédrica), portanto seus cristais são arranjos desses tetraedros,
cuja conformação atômica dificulta o trânsito dos elétrons de modo linear e, portanto,
torna o diamante um mau condutor de eletricidade.
Outro ponto é que, o diamante tem uma estrutura com poucas falhas e muito
bem "amarrada", por assim dizer, ele conduz a energia cinética – expressa pelo calor
– com uma velocidade muito alta; por isso, ele é um bom condutor térmico e mau
condutor elétrico.

11
5.5. CH4

Esse tipo de hibridização ocorre na molécula do metano (CH 4). São quatro
ligações covalentes idênticas entre o carbono, que é o elemento central, e quatro
hidrogênios.
Como cada hidrogênio possui um orbital do tipo s incompleto, é necessário
receber mais um elétron, ou seja, cada um realiza apenas uma ligação covalente
com o carbono. Por isso o carbono precisa estar com quatro orbitais incompletos.
Quando um elétron do orbital 2s absorve energia, ele passa para o orbital 2p
que está vazio. Assim, dizemos que esse salto do elétron do subnível 2s para o 2p é
uma “promoção” do elétron. Desse modo, o carbono fica em seu estado excitado ou
ativado, com quatro orbitais hibridizados, disponíveis para realizar as ligações
covalentes.
Desse modo, ocorre a ligação entre o orbital s de cada um dos quatro átomos
de hidrogênio com esses quatro orbitais hibridizados do carbono.
A molécula do metano apresenta uma estrutura de tetraedro regular, com as quatro
nuvens eletrônicas em cada vértice e ângulos adjacentes de 109º28’. Visto que a
ligação foi realizada entre um orbital s de cada hidrogênio e um orbital hibridizado
sp3 para cada ligação, temos então que são quatro ligações sigma s-sp 3 (σs-sp3).

12
6. Conclusão

Com o desenvolvimento do trabalho feito, podemos concluir que o fenômeno


da hibridização de orbitais consiste na transferência de elétrons entre os orbitais s e
p de um átomo. O carbono em específico pode ocorrer de três maneiras, sendo eles:
sp, sp2 e sp3, cada tipo de ligação a sua maneira influencia nas ligações e estruturas
dando resultado a diferentes compostos.
O elemento em seu estado normal só pode realizar duas ligações, mas em
seu estado hibridizado realiza quatro ligações, podendo compartilhar um elétron por
orbital com outro átomo que precisa estabilizar sua camada de valência. Esse
fenômeno como vimos é de muita importância para as ligações carbônicas e a regra
do octeto, e não menos importante para a origem de muitos compostos presentes de
diferentes formas no dia a dia.

13
7. Referências

<https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/quimica/hibridizacao-sp3-carbono.htm>
Acesso no dia 21 de junho de 2019 às 13:11.
<https://brasilescola.uol.com.br/quimica/hibridizacao-tipo-sp.htm> Acesso no dia 21
de junho de 2019 às 17:16.
<https://brasilescola.uol.com.br/quimica/hibridizacao-tipo-sp2.htm> Acesso no dia 21
de junho de 2019.
<https://www.infoescola.com/quimica/etileno/> Acesso no dia 21 de junho 2019 às
19:13.
<https://pt.slideshare.net/mobile/maristasegundod/hibridizao-orbitais> Acesso no dia
22 de junho de 2019 às 14:18.
<https://www.infoescola.com/elementos-quimicos/carbono/> Acesso no dia 21 de
junho de 2019 às 00:45.
<https://brasilescola.uol.com.br/quimica/hibridizacao-carbono.htm> Acesso no dia 21
de junho de 2019 às 00:50.
<https://www.trabalhosfeitos.com/ensaios/Isoctano/51490292.html> Acesso no dia
22 de junho de 2019 às 11:00.
<https://pt.wikipedia.org/wiki/Testosterona> Acesso no dia 22 de junho de 2019 às
11:15.
<https://www.dicionarioinformal.com.br/metilbenzeno/> Acesso no dia 22 de junho de
2019 às 12:06.
<https://pt.wikipedia.org/wiki/Tolueno> Acesso no dia 22 de junho de 2019 às 12:34.
<https://educacao.uol.com.br/disciplinas/quimica/alotropos-de-carbono-diamante-
grafite-fulerenos-negro-de-fumo-etc.htm> Acesso no dia 22 de junho de 2019 às
12:41.
<https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/quimica/por-que-grafite-conduz-corrente-
eletrica-diamante-nao.htm> Acesso no dia 22 de junho de 2019 às 12:53.
<https://brasilescola.uol.com.br/quimica/hibridizacao-tipo-sp3.htm> Acesso no dia 23
de junho de 2019 às 15:11.

14
15