Você está na página 1de 4

<Capa>

<Expediente>
<Sumário>

Capítulo 16 - A opinião (tornada) pública.


Número de aulas sugerido: 6 aulas
Objetivos do capítulo:
Reconhecer marcadores avaliativos em textos de opinião.
Identificar a estruturação de textos opinativos: tese, argumentação e conclusão.
Identificar, analisar e empregar recursos distintos de argumentação.
Reconhecer e analisar o papel discursivo-argumentativo do gênero editorial.
Analisar os elementos argumentativos em editoriais e cartas de leitor.

Planejamento de aulas do capítulo


BNCC Aula Descrição
Apresentação do capítulo – Discussão/Problematização a respeito do título
(EM13LGG104) Utilizar as
diferentes linguagens, levando em do capítulo e da opção por manter o termo “tornada” entre parênteses.
conta seus funcionamentos, para a
Leitura do texto introdutório do capítulo e análise da imagem apresentada.
compreensão e produção de textos
e discursos em diversos campos de Leitura e discussão do fragmento teórico “Argumentação”, de José Luiz
1–
atuação social. Fiorin.
(EM13LGG402) Empregar, nas
interações sociais, a variedade e o Produção de respostas para as perguntas apresentadas na introdução.
estilo de língua adequados à Registro coletivo das conclusões apresentadas pela classe acerca da
situação comunicativa, ao(s)
importância da argumentação na contemporaneidade.
interlocutor(es) e ao gênero do
discurso, respeitando os usos das Leitura do texto introdutório da seção “As sequências e os gêneros textuais
línguas por esse(s) interlocutor(es) argumentativos”
e combatendo situações de
preconceito linguístico.
Sistematização da composição estrutural de textos de caráter
(EM13LP01) Relacionar o texto, argumentativo.
tanto na produção como na Leitura compartilhada e analítica do artigo de opinião “Livro aberto”, de
leitura/escuta, com suas condições
2 Vitor Tavares da Silva Filho.
de produção e seu contexto sócio-
histórico de circulação Análise dos componentes apresentados: introdução, desenvolvimento e
(leitor/audiência previstos, conclusão.
objetivos, pontos de vista e
Estudo do hibridismo de sequências textuais que compõem o texto
perspectivas, papel social do autor,
época, gênero do discurso etc.), de
argumentativo.
forma a ampliar as possibilidades
Realização, correção e discussão da Seção “Enem em foco”.
de construção de sentidos e de
análise crítica e produzir textos Realização e correção dos exercícios apresentados na seção “Pratique”.
adequados a diferentes situações.
(EM13LP02) Estabelecer relações Estudo do gênero Editorial. Apresentação das características.
entre as partes do texto, tanto na
3 Leitura analítica do editorial “Racismo não é esporte”, da Folha de S.
produção como na leitura/escuta,
considerando a construção Paulo.
composicional e o estilo do gênero, Sistematização e análise de elementos essenciais aos textos de caráter
usando/reconhecendo argumentativo: marcadores e sentenças avaliativas.
adequadamente elementos e
recursos coesivos diversos que Realização da seção “Investigação” – leitura comparativa de editorias que
contribuam para a coerência, a 4 abordam a mesma temática.
continuidade do texto e sua
progressão temática, e Seção “Pratique” – realização de exercícios e correção.
organizando informações, tendo
Estudo do gênero carta do leitor.
em vista as condições de produção
e as relações lógico-discursivas Leitura e análise da carta “Gastos dos parlamentares”.
envolvidas (causa/efeito ou
consequência; tese/argumentos;
5
problema/solução; Boxe “Amplie” – leitura e análise de posicionamento argumentativo.
definição/exemplos etc.).
(EM13LP11) Fazer curadoria de Discussão sobre argumentação e cidadania.
informações, tendo em vista
Seção “Pratique” – realização de exercícios e correção.
Seção “Desenvolvendo habilidades” – Argumentação à favor do discurso
de ódio.

Revisão dos elementos estudados no capítulo.

Seção “Amplie” – Atividades complementares.

Orientações para realização da seção Diálogos BNCC*

diferentes propósitos e projetos 6


discursivos.
(EM13LP32) Selecionar
informações e dados necessários
para uma dada pesquisa (sem
excedê-los) em diferentes fontes
(orais, impressas, digitais etc.) e
comparar autonomamente esses
conteúdos, levando em conta seus
contextos de produção, referências
e índices de confiabilidade, e
percebendo coincidências,
complementaridades, contradições,
erros ou imprecisões conceituais e
de dados, de forma a compreender
e posicionar-se criticamente sobre
esses conteúdos e estabelecer
recortes precisos. (EM13LP36)
Analisar os interesses que movem o
campo jornalístico, os impactos das
novas tecnologias digitais de Orientações para realização da seção Meu projeto de vida **
informação e comunicação e da
* A seção pode ser trabalhada por qualquer professor da área do conhecimento ou por todos em conjunto. Caso não haja essa
possibilidade, para este capítulo indicamos que o trabalho seja feito pelo professor de XXX.
** A seção pode ser trabalhada por qualquer professor da área do conhecimento ou por todos em conjunto. Caso não haja essa
possibilidade, para este capítulo indicamos que o trabalho seja feito pelo professor de XXX.

Orientações para o capítulo


O capítulo 16 apresenta enquanto tema um fator de urgente discussão na atualidade: a opinião que se torna
pública. Com a intenção de problematizar e iluminar a questão, a seção de abertura apresenta uma protagonista jovem
sueca, Greta Thumberg, ativista pelo meio ambiente, discursando no Fórum Econômico Mundial. Ainda, por meio do
fragmento de José Luiz Fiorin, acrescenta-se a importância da argumentação para a vida sociedade e, sobretudo, do
dever cívico que tem aquele que procura persuadir alguém.
Essa será a tônica do capítulo: analisar textos de caráter argumentativo, bem como os elementos estruturais
essenciais que o compõem, considerando, a todo momento, a postura responsável de quem argumenta.
Após a problematização inicial, em que se pensa a importância da argumentação em sociedade, o capítulo
apresenta as sequências e os gêneros textuais argumentativos, chamando a atenção para os elementos composicionais:
introdução, desenvolvimento e conclusão. O texto apresentado para análise tratará de políticas que dificultam o acesso
aos livros, bem como fará proposições de medida que facilitem o acesso.
Neste momento, é possível reforçar com os estudantes o hibridismo textual presente nos textos
argumentativos, uma vez que esses se valem de sequências descritivas, narrativas, dentre outras, enquanto elementos
para persuasão. A seção "Enem em foco" virá ao encontro desse propósito apresentando um exercício que se vale de
sequência textual híbrida para a criação de uma estratégia persuasiva.
Com a finalidade de reforça os elementos apresentados nesse tópico, a seção "Pratique" apresenta uma
sequência de exercícios com a finalidade de retomar os aspectos até aqui estudados.
Dois gêneros argumentativos serão estudados mais detidamente no interior do capítulo: o editorial e a carta de
leitor. O editorial apresentará para análise o texto "Racismo não é esporte", da Folha de S. Paulo, associado a uma
análise detida dos marcadores e das sequências avaliativas será apresentada, assim como de estratégias argumentativas
como menções, exemplificações e estratégias de causa e consequência. No entanto, dado a universalidade do assunto
tratado, é possível aprofundar a discussão sobre o racismo estrutural no Brasil. É importante discutir a atualidade do
tema considerando a lei 10.639/09 que entrevê que a figura do afrodescendente não deve ser vista somente como peça
de trabalho, associada à temáticas como escravidão e tráfico negreiro, mas como cidadão passível de direitos e
inserido em uma sociedade que precisa se rever em relação temáticas e posturas preconceituosas.
Nesse momento, é precisa estar atento aos relatos de estudantes que podem ter vivenciado questões como as
apresentadas no editorial e acolhê-los em suas colocações, garantindo a pluralidade de falas e o respeito a todas elas.
A seção investigação aprofundará a análise de editoriais, uma vez que apresenta dois pontos de vistas distintos
a respeito do futuro. A leitura de tais textos garantirá a discussão prevista na habilidade EM13LP38 da BNCC, em que
se pretende aprofundar o olhar para os diferentes graus de parcialidade/imparcialidade em textos noticiosos
comparando relatos de diferentes fontes e analisando o recorte feito para os fatos.
O tópico carta do leitor apresentará as características do gênero e trará para a leitura analítica um texto em que
o autor se posiciona diante do orçamento anual para gastos parlamentares. Na sequência, a seção "Pratique" permitira
que o aluno coloque em prática os aspectos estudados até então.
O capítulo finaliza com a seção "Amplie", conjunto de exercícios que revisitam todas as temáticas
apresentadas no capítulo, bem como oferece ao estudante a possibilidade de aprofundamento.

Orientações para as seções comuns à área do conhecimento


Seção Desenvolvendo habilidades
A seção desenvolvendo habilidades proporá o diálogo entre a responsabilidade exigida nos posicionamentos
apresentados na internet. O artigo de opinião, do historiador Leandro Karnal, jogará luz para o discurso de ódio
produzido, sobretudo em redes sociais, e da possibilidade de identificação existentes nesses espaços.
Trata-se de um momento em que o estudante será convidado a refletir a respeito da criação de efeitos de
sentido, tendo em mente o contexto de produção oriundo dos espaços digitais.
O boxe Amplie, associado à atividade, complementa a ideia de que os discursos produzidos no universo online
não são passíveis de total anonimato, uma vez que a legislação brasileira produziu um marco regulatório: o Marco
Civil da Internet. Faz-se válido a leitura compartilhada desse importante documento, que tem por finalidade mediar e
responsabilizar os usuários da rede por seus atos.

Materiais complementares
Os gêneros argumentativos são constantes temas de estudo, seja por sua atualidade, seja pela importância
social que possuem. Alguns estudos de referência podem auxiliar na abordagem metodológica dos gêneros junto aos
estudantes.
José Luis Fiorin (2017), em sua obra “Argumentação”, apresenta um estudo aprofundado a respeito dos mais
diversos tipos de argumentos, ademais da abordagem teórica, exemplos práticos são oferecidos para que, em sala de
aula, sirvam de componente de análise para os estudantes.
Dado, sobretudo às problemáticas que envolvem desinformação e responsabilidade com o discurso público,
discutir com os estudantes sobre argumentação e cidadania vai ao encontro da Base Nacional Curricular Comum,
logo, o artigo de Sírio Possenti (1995), “A linguagem politicamente correta e a análise do discurso”, oferecerá recurso
que enriquecerão a discussão acerca da responsabilidade cívica nos processos de persuasão.
Ademais das características textuais em si, o gênero argumentativo está associado ao debate e troca de ideias
de temas atuais. No capítulo 16, o preconceito racial será discutido por meio de um editorial. Sugere-se a leitura de
textos que possibilitem uma abordagem plural em sala de aula, como o artigo de Fabiane Lucimar da Silva Gonçalves
(2015), em que se discute o papel da escola na desconstrução do racismo; os portes teóricos de autores referências nas
questões étnico-raciais, como Kabengele Munanga no livro “Usos e Sentidos” (2020); Oracy Nogueira no artigo
“Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem” 1998).

Referências bibliográficas
FIORIN, José Luiz. Argumentação. São Paulo: Contexto, 2017.
GONÇALVES, Fabiane Lucimar da Silva Gonçalves. O papel da escola na desconstrução do racism, preconceito e
discriminação. Seduc. Formação de educadores. Disponível em: <https://escoladigital.seduc.ro.gov.br/odas/o-papel-
da-escola-na-desconstrucao-do-racismo-preconceito-e-discriminacao-a-fomentacao-profissional-dos-educadores-da-
escola-estadual-de-ensino-fundamental-presidente-castelo-branco-55413>. Acesso em 09 nov. 2020.
MUNAGA, Kabengele. Negritude - Usos e Sentidos. São Paulo: Autêntica, 2020.
NOGUEIRA, Oracy. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem. São Paulo: Edusp, 1998.
POSSENTI, Sírio. A linguagem politcamente correta e a análise do discurso. Revista de Estudos da
Linguagem. Belo Horizonte, ano 4. v.2. p. 125-142. Disponível em: <
http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/view/1016/1127>. Acesso em 06 nov. 2020.