Você está na página 1de 6

ATIVIDADE PRÁTICA SUPERVISIONADA Implantação 20181

EDUCAÇÃO INCLUSIVA

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM COMPETÊNCIAS RELACIONADAS


1. Relacionar os temas trabalhados em sala de aula, as leituras que I, II, III, IV, VI, VII, VIII, X e XI
fundamentaram teoricamente e apresentam o contexto brasileiro, com a
sociedade e os fatos sociais representados nos filmes escolhidos para a
crítica.
2. Reconhecer a importância da defesa dos direitos das pessoas com
deficiências, aproximando os dilemas por eles vividos através dos
personagens apresentados.
3. Expressar-se por meio de texto dissertativo, exercitando o uso de
referencial teórico para fundamentar a defesa de seu ponto de vista.
4. Desenvolver reflexão crítica sobre Sociedade, educação e para
necessidades especiais.

ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS


As Atividades Práticas Supervisionadas - APS têm seu detalhamento publicado no ambiente virtual de aprendizagem (Blackboard)
da disciplina. São publicadas na primeira quinzena de aulas e devem ser realizadas pelos estudantes até o limite do prazo do grau B,
em conformidade com o calendário acadêmico.
As APS devem ser realizadas pelos estudantes no próprio ambiente virtual de aprendizagem (Blackboard) ou ter seu upload realizado
lá, onde também serão corrigidas pelo docente, ficando registradas em sua integralidade.

Desenvolvimento
Seleção de um filme que aborde de um dos aspectos que caracterizam os aspectos: cultura, diversidade, cidadania, identidade e
educação em relação a pessoas com deficiências e analisar o filme a partir dos pressupostos teóricos estudados.
O trabalho será desenvolvido em duplas e/ou trios de alunos.

Etapas:
1. Leituras e estudos teóricos sobre o tema.
2. Assistir ao filme escolhido.
3. Produção escrita do trabalho utilizando aplicativos da informática, os estudos teóricos da disciplina, os motivos que justificam
a escolha do referido filme e os aspectos apresentados em relação à cultura, diversidade, cidadania, identidade e educação
em relação a pessoas com deficiências.

AVALIAÇÃO
A avaliação das APS será baseada em um padrão de correção conhecido como rubrica, que confere transparência às expectativas
em relação à performance do estudante. São esses padrões que o professor utilizará ao corrigir sua APS (peso 1) que, é um dos
instrumentos avaliativos que compõem o grau B.

RUBRICA DE AVALIAÇÃO

Critérios
0–3 4-5 6-7 8-9 10
avaliados
1. Descreve aunidade
que compõe o contexto

Descreve menos da Descreve apenas


Descreve claramente Descreve
da atividade

metade dos tópicos parte dos tópicos


Descreve todos os os tópicos solicitados, claramente e de
solicitados. Nota-se solicitados. Empenho
tópicos solicitados de mas deixa de tratar maneira completa
baixo empenho em insuficiente na busca
maneira burocrática. alguns aspectos todos os tópicos
buscar informações de informações
solicitados. solicitados.
solicitadas. solicitadas.
A organização do
Texto incoerente,

2. Comunicação Escrita:
Texto muito vago, texto nem sempre é
apresentando falta Texto organizado de
incoerente, coerente, Texto organizado
de sentido e forma coerente e
apresentando falta apresentando falta de forma coerente
Estrutura de sentido e
articulação entre as
de sentido e
bem estruturado.
e bem estruturado.
partes, em vários Apenas algumas
articulação entre as articulação entre as Apresenta sentido
momentos do texto, partes apresentam
partes, de modo que partes em alguns e articulação em
de modo que a falta de sentido e
a compreensão fica momentos, mas a sua integralidade.
compreensão fica articulação.
bastante prejudicada. comunicação se
prejudicada.
estabelece.
Texto apresenta
O texto apresenta O texto apresenta O texto apresenta Apresenta domínio
3. Comunicação Escrita: Norma

inúmeros problemas,
diversos problemas alguns problemas poucos problemas da norma padrão
de forma
quanto ao domínio quanto ao domínio quanto ao domínio da língua
generalizada, quanto
da norma padrão da da norma padrão da da norma padrão da portuguesa,
ao domínio da norma
língua portuguesa, língua portuguesa, língua portuguesa, ligados à
Padrão

padrão da língua
ligados à pontuação, ligados à pontuação, ligados à pontuação, pontuação,
portuguesa, ligados à
organização da frase, organização da frase, organização da frase, organização da
pontuação,
concordância verbal concordância verbal concordância verbal frase, concordância
organização da frase,
e nominal, ortografia e nominal, ortografia e nominal, ortografia verbal e nominal,
concordância verbal
ou acentuação ou acentuação ou acentuação ortografia ou
e nominal, ortografia
gráfica. gráfica. gráfica. acentuação gráfica.
e acentuação gráfica.
4. Utilização das normas de

O texto segue em
O texto apresenta
grande parte as
formstsçção ABNT

O texto não segue as vários problemas no O texto segue as O texto segue as


normas de
normas de que se refere as normas de normas de
formatação e
formatação e nem de normas de formatação, mas formatação e
apresentação
apresentação formatação, e apresenta algumas apresentação
conforme a ABNT,
conforme a ABNT. apresenta algumas incoerências quanto conforme a ABNT.
apresentando
incoerências quanto às regras da ABNT.
algumas incorreções.
às regras da ABNT.
5. Articulação dos dados coletados
com os estudos teóricos

O texto apresenta
O texto apresenta O texto apresenta os O texto apresenta os
O texto apresenta os articulação entre
parcialmente os aspectos observados, aspectos observados,
aspectos observados os aspectos
aspectos observados, porém alguns destes porém alguns destes
sem articulação observados e as
não havendo não estão articulados não estão articulados
destes com reflexões reflexões teóricas a
articulação com com reflexões com reflexões
teóricas. partir dos estudos
reflexões teóricas. teóricas. teóricas.
realizados.
INSTRUÇÕES E ROTEIRO DE ANÁLISE

Caro estudante, a análise de filmes permite levantarmos hipóteses a respeito de temas


importantes para a sua formação social uma vez que ao assisti-los, como observador poderá acompanhar
a trajetória do ponto de vista de quem viveu os fatos e assim vivenciar as emoções junto com os
personagens. Dessa perspectiva é mais fácil exercer a empatia e fazer o exercício de se colocar no lugar
do outro, entender e aprovar (ou não) comportamentos e atitudes que passam a fazer mais sentido a
partir daquele novo ponto de vista – que é do personagem, mas que daquele momento em diante, passa
a ser um pouco seu também. Isso já acontece em uma ficção, entretanto, quando o filme é baseado em
fatos reais, o impacto das emoções causadas por aquela história é ainda maior.
Nesta disciplina, propomos que assista alguns filmes que vão te ajudar a mergulhar no universo
das pessoas com necessidades especiais, permitindo que tenha a oportunidade de ver através dos olhos
deles: como enfrentam a vida em sociedade, quais são seus talentos, desejos, angustias e de que modo
encaram seus desafios.
Como futuros educadores, que chegam a estes filmes depois de refletido a questão da Educação
Inclusiva, peço que analisem as histórias como quem está diante de fragmentos de fatos/cenários sociais.
Eles trarão pistas sobre o “mundo real” e sobre temas tratados durante o curso, permitindo assim, que
você tenha mais propriedade para discutir o roteiro de análise que propomos abaixo.
Traga pontos positivos e pontos negativos. Está será a sua crítica, portanto deixe claro o seu
ponto de vista, intelectualmente falando.

Por favor, observe o filme tendo os preceitos de inclusão como ponto chave e descreva o que foi
possível analisar a respeito da:

 Necessidade especial do personagem, causas e implicações do quadro.


 Organização e funcionamento da sociedade; como estas pessoas se relacionam em família e nas
instituições? (a escola, a igreja, o estado - por exemplo).
 Do ponto de vista da legislação brasileira, que estabelece direitos da pessoa com necessidades
especiais, descreva se eles foram garantidos ou não no enredo do filme;
 Do ponto de vista dos princípios da Escola Democrática, como são oferecidas as oportunidades
de ensino e garantidos o desenvolvimento da identidade e da autonomia desses indivíduos?;
 Notou se houve amparo para o desenvolvimento de um cidadão pleno de conhecimento?;
 Notou se havia valorização do ensino e como a tecnologia apoiou este processo?;
 Enquanto educador, o que você aprendeu com esta experiência?;
 Deseja propor alguma intervenção ou consegue dizer como a escola deve se posicionar?.
 Desenvolva sua opinião baseada em uma boa análise do filme integrando os conhecimentos
obtidos nas leituras da disciplina e nas discussões que fizemos em sala de aula.

UMA LIÇÃO DE AMOR

Dirigido por Jessie Nelson. Com: Sean Penn, Dakota Fanning, Michelle Pfeiffer, Dianne Wiest, Richard
Schiff, Laura Dern, Mary Steenburgen, Brent Spiner, Brad Allan Silverman, Joseph Rosenberg, Stanley
DeSantis e Doug Hutchison.
Conta a história de Sam que torna-se pai solteiro de uma linda garotinha, depois de passar uma única
noite com uma mulher que o seduziu como forma de encontrar um lugar para morar.
Extremamente ligados um ao outro, pai e filha estabelecem uma relação sadia e repleta de amor – até
que, certo dia, Sam é preso em um mal-entendido e acaba chamando a atenção de uma assistente social,
que o julga incapaz de cuidar de uma criança. Por que? É aí que reside a singularidade da história: Sam é
um deficiente mental com tendências autistas, possuindo a idade mental de uma pessoa de sete anos.
Disposto a tudo para recuperar a guarda de Lucy (Fanning), ele consegue o auxílio de Rita (Pfeiffer), uma
advogada egocêntrica, mas bem-sucedida.
A atuação de Sean Penn não se limita simplesmente a criar maneirismos para compor Sam, ele assume
com tamanha dedicação a realidade de seu personagem que o resultado final se torna muito convincente.
O desempenho de Penn é tão surpreendente que os produtores escalaram dois deficientes mentais reais
para os papéis de amigos de seu personagem neste filme.
Apesar de tentar convencer o público de que Lucy deveria ficar com o pai, o filme acaba alcançando um
resultado oposto em razão da argumentação do promotor.
O filme lança a questão como um verdadeiro impasse e conclui com um final improvável. Diga o que pensa
a respeito da problemática apresentada e o tratamento dado no filme para estas questões.
Assistir filme completo dublado em português no endereço:
https://www.youtube.com/watch?v=U5nyyeN4c8w

DIVERTIDA MENTE

Você já olhou para uma pessoa e imaginou o que se passa na cabeça dela? O universo de emoções é o
principal foco dessa animação, que mostra como seriam nossos sentimentos, caso cada um deles tivesse
vida própria. De uma forma engraçada, cativante e alto-astral, Divertida Mente mostra como as emoções
convivem em nossa cabeça.
O desenho foi dirigido pelo americano Pete Docter, que procurou ajuda de psicólogos e neurologistas na
preparação do roteiro.
Essas emoções foram transformadas em personagens que foram assim descritas no site:
http://filmes.disney.com.br/divertida-mente/personagens:
Alegria - Seu objetivo é garantir que Riley esteja sempre feliz. É alegre, otimista e determinada. Vê os
desafios da vida como oportunidades.
Tristeza - Ela adoraria ser mais otimista e útil para a felicidade Riley, mas acha muito difícil ser positiva.
Raiva - Tende a explodir quando as coisas não saem como planejadas. É impulsivo e tem pouca paciência
para as imperfeições da vida.
Medo - Sua principal função é proteger Riley e mantê-la em segurança. Está sempre atento para identificar
possíveis perigos, quedas e riscos.
Nojinho - Tem personalidade forte, é sincera e atenta a tudo que Riley entra em contato – seja brócolis
ou a tendência de moda do ano passado.

No site mundo da psicologia, o filme suscitou debates e a matéria esclarece que:


As emoções são como um pacote organizado de respostas de vários subsistemas do organismo:
• Cognitivo – emoções alteram o foco da atenção para aspectos importantes, além de ativar
lembranças relevantes da memória de longo prazo.
• Fisiológico – preparam o organismo para uma resposta efetiva e condizente com a situação
apresentada pelo ambiente (expressões faciais, tom de voz, alterações musculares, etc).
• Comportamental – produzem comportamentos expressivos que veiculam informação para as
outras pessoas.
Três aspectos importantes caracterizam as emoções. O primeiro é a sua funcionalidade e adaptação,
sendo reações evolutivas no cérebro para enfrentar situações-problema. O segundo está ligado às reações
condizentes com o enfrentamento da situação disparadas pelas emoções. E o terceiro é o processamento
da emoção, que ocorre em estruturas primitivas do cérebro de forma automática e inconsciente,
percebendo mudanças ambientais sensíveis e disparando o pacote de reações emocionais.
http://mundodapsi.com/divertida-mente-psicologia-e-o-seu-estudo-sobre-emocoes/
A Revista Saúde, também publicou uma matéria relacionada ao filme e listou 9 coisas que aprendemos
nesta animação e que são confirmadas pela ciência. Leia: O segredo para o regresso da harmonia psíquica
de Riley. Disponível em https://saude.abril.com.br/bem-estar/9-coisas-que-o-filme-divertida-mente-nos-
ensina-sobre-o-cerebro-e-as-emocoes/
Veja o filme, leia a matéria e faça sua análise.
OS INTOCÁVEIS

Direção e roteiro: Olivier Nakache, Eric Toledano


Elenco: François Cluzet, Omar Sy, Anne Le Ny, Audrey Fleurot, Joséphine de Meaux, Clotilde Mollet, Alba
Gaïa Kraghede Bellugi, Cyril Mendy, Salimata Kamate, Absa Diatou Toure, régoire Oestermann
https://vimeo.com/168446276
Um milionário tetraplégico contrata um homem da periferia para ser o seu acompanhante, apesar de sua
aparente falta de preparo. No entanto, a relação que antes era profissional cresce e vira uma amizade
que mudará a vida dos dois.
A crítica publicada pelo site https://omelete.uol.com.br/filmes/criticas/intocaveis/?key=69839
Comenta que “Dos seus inúmeros contrastes - riqueza/ pobreza, negro/ branco, clássico/ moderno,
drama/ comédia, realidade/fantasia - surge a harmonia responsável pelo sucesso.
Baseado nas memórias do empresário Philippe Pozzo di Borgo sobre sua amizade com o argelino Abdel
Yasmin Sellou, o filme une o rico aristocrata tetraplégico Philippe (François Cluzet) ao problemático
imigrante senegalês contratado como auxiliar, Driss (Omar Sy), criando um humor honesto sobre
desigualdades (físicas e sociais). Nenhuma dessas questões, contudo, chega a ser abordada em
profundidade no roteiro. O que importa é a relação entre Philippe e Driss. Não há questionamento, apenas
troca - do porte físico e do bom humor do enfermeiro, da cultura e do dinheiro do empresário.
Como o enfermeiro cuida do empresário. Como lida com sua deficiência?
Que pontos positivos e que pontos negativos você destaca deste filme. Consegue fazer ligação entre ficção
e realidade? O que foi exagero, verdade, humor e humanidade.
Como avalia a questão de falta de treinamento prático para esse tipo de cuidado que no filme foi
compensada pela amizade e uma forma de tratamento livre de preconceitos e estereótipos para com o
outro. Ao pensar em situações cotidianas, como você interpreta as atitudes “politicamente incorretas”
vistas neste filme?

A COR DO PARAÍSO

(Rang-e khoda, no original, e The Color of Paradise, título alternativo em inglês) é um filme do Irã de 1999.
Elenco: Hossein Mahjoub – Hashem; Mohsen Ramezani – Mohammad, Salime Feizi - Avó

O filme iraniano conta a história de um menino cego, que busca o sentido da vida nas mínimas coisas, nos
sons mais singelos da natureza e na sensibilidade do toque. Ele vive em um colégio interno apenas para
garotos cegos. Nas férias precisa ir para sua casa, mas seu pai (Hashem) é o último a chegar para buscá-
lo. O pai e o professor conversam, pois o pai do garoto não quer levá-lo embora, dizendo não saber como
cuidar dele depois que sua esposa morreu.
Diante da impossibilidade de deixar o garoto na escola, o pai o leva consigo, pretendendo, no entanto
mantê-lo oculto dos olhos dos moradores de sua cidade, pensando que o filho pode impedi-lo de realizar
seu casamento que já está programado com uma jovem de tradicional família islâmica.
O garoto, que se chama Mohammad, encontra carinho e compreensão com a avó e as irmãs mas, com
seu pai a relação é difícil.

Geralmente associamos os processos de aprendizagem humana a percepção visual graças ao papel


preponderante deste sentido que nos ajuda a fazer contato com a realidade, nos dando referencia de
onde estamos, quem somos, como parecemos. Os olhos captam muitos tipos de estímulos que nos
ajudam a interpretar e classificar coisas e conceitos.
Mas o que acontece no caso de uma pessoa cega? Será que ela se imagina alguém incapaz de ser
autônomo.
A Secretaria de Educação Especial indica que é necessária uma avaliação psicopedagógica, a fim de avaliar
as possibilidades de ajustamento, tanto da criança aos métodos de ensino-aprendizagem como destes
últimos à criança, levando-se em consideração possíveis adaptações (Secretaria de Educação Especial,
1995, p.17).
E em relação à família, como orientar os pais acerca de aspectos referentes à condição do filho?
COMO EU ERA ANTES DE VOCÊ

Diretor: Thea Sharrock


Elenco: Emilia Clarke, Sam Claflin, Janet McTeer
País de origem: Reino Unido
Ano de produção: 2016

Louisa Clark (Emilia Clarke) vive em uma cidade de campo inglesa. Sem direção certa em sua vida, a criativa
garota de 26 anos vai de um emprego a outro, até que seu jeito alegre é colocado à prova quando aceita
um trabalho no "castelo" da cidade. Ela se torna cuidadora de Will Traynor (Claflin), um banqueiro jovem
e rico que se tornou cadeirante após um acidente ocorrido dois anos antes, no qual sofreu uma lesão
medular grave e agora é tetraplégico. Ao longo de seis meses, Louisa conquista Will e os dois acabam se
apaixonando.
Na trama, Will decide pelo suicídio assistido mesmo com as tentativas de sua mãe e de Louisa em dissuadi-
lo.

Na época do lançamento, o ator Zack Weinstein fez críticas a partir do seu ponto de vista, uma vez que
ficou tetraplégico em 2005. Ele disse que "A mensagem do filme é que é melhor para essa pessoa morrer
do que precisar de um serviço que a ajude a viver".

Traga sua contribuição, reflita sobre como construir uma sociedade que garanta os direitos e a dignidade
das necessidades especiais.