Farmacologia Digestiva: Distúrbios Motores
1. 2. 3. 4. Antieméticos Procinéticos Antidiarréicos Laxantes

O esôfago é responsável pelo transporte do alimento deglutido até o estômago

O relaxamento parece ser devido: ON – VIP .dopamina .

ACALASIA 1. 2. Não vence a resistência Transtorno neurogênico do esôfago de causa desconhecida Pode ocorrer em qualquer idade mas em geral inicia-se entre os 2040 anos desordem motora carac-terizada por severa ↓↓ ou ausência completa da peristalse 3. .

Consequência da acalasia Alimentos deglutidos .

.

cirúrgica 2.TOXINA BOTULÍNICA .NITRATOS ORGÂNICOS (hoje menos usados) . Farmacológico: 80% dos casos apresentam refluxo após a cirurgia . Não farmacológica: .dilatação pneumática .ANTAGONISTAS DOS CANAIS DE CÁLCIO .ABORDAGEM TERAPÊUTICA 1.

Drogas empregadas nos distúrbios motores do trato digestivo em especial refluxo gastro esofágico e gastroparesias • • • • • Domperidona Metoclopramida Cisaprida Neostigmina Betanecol ORDEM DE IMPORTÂNCIA .

MECANISMO DE AÇÃO .

NOME METOCLOPRAMIDA ( PLASIL ) BROMOPRIDA 1. AMPOLAS (INJETÁVEL) 1. METOCLOPRAMIDA: * NO SNC SE DESTACA SUA AÇÃO NA ZONA DO GATILHO E NOS LOCAL DE AÇÃO NÚCLEOS DA BASE (RESPONDE POR REAÇÕES ADVERSAS) * NA PERIFERIA ESTIMULA SECREÇÃO DE ACH NO PLEXO MIOENTÉRICO (atua como pró-cinético) 2. BROMOPRIDA: * ATRAVESSA MAL A BARREIRA HEMATO-ENCEFÁLICA * ATUA NA ZONA DO GATILHO * NA PERIFERIA ATUA COMO A METOCLOPRAMIDA . COMPRIMIDOS (VO) FORMA FARMACEUTICA 2.

Exercem ação prócinética * Aumentam tonus esfincter cárdico (evita o refluxo) * Aumentam atividade motora gástrointestinal 4. Estimulam a liberação de ach no plexo mioentérico 3. Por ação central (zona do gatilho) exercem também uma eficaz e útil ação antiemética . Bloqueiam receptores D2 da dopamina 2.METOCLOPRAMIDA & BROMOPRIDA: 1.

FACILITAR ENDOSCOPIA . 4. 2.NOME METOCLOPRAMIDA ( PLASIL ) BROMOPRIDA INDICAÇÕES 1. 3. ESOFAGITE DE REFLUXO – GASTROPARESIA DIABÉTICA ANTI EMÉTICO (NÃO SÃO ÚTEIS NA CINETOSE) FACILITAR PROCEDIMENTOS RADIOLÓGICOS DO TUBO GI 5.

2. 6. . 4. 5. 3. 7. Efeitos adversos Em altas doses reações distônicas (tipo extrapiramidal) Convulsão em recém nascidos Hiperprolactinemia Ginecomastia (+ galactorréia) Diarréia Sonolência Aumenta secreção de catecolaminas em pacientes portadores de feocromocitoma.Metoclopramida • 1.

diminui taxa absorção de drogas que são absorvidas no estômago 5. ansiolíticos. acelerar absorção de drogas que são absorvidas no intestino . parassimpaticolíticos inibem seus efeitos no sistema digestivo 2. efeitos sinérgicos (potencializa os efeitos sedativos do álcool. hipnoanalgésicos (idem) 3.Metoclopramida • Interações farmacológicas 1. hipnóticos ) 4.

CISAPRIDA: MECANISMO DE AÇÃO ESTIMULA RCEPTORES SEROTONINÉRGICO PRESENTES EM NEURÔNIOS COLINÉRGICOS DOS PLEXOS INTRAMURAIS AUMENTA ATIVIDADE AMPc ACH .

CISAPRIDA: INDICAÇÕES 1. 4. vômitos e dor ou queimação epigástrica. . vagotomia ou gastrectomia parcial. na constipação intestinal crônica. Distúrbios ocasionados por retardo no esvaziamento gástrico (gastroparesia) de origem idiopática ou conseqüente à neuropatia diabética. Refluxo gastroesofágico acompanhado ou não de esofagite. Síndrome de desconforto digestivo alto. distensão abdominal. 2. Restabelecimento da motilidade propulsiva do cólon. eructações em excesso. Como tratamento. com radiologia ou endoscopia negativas (dispepsia não ulcerosa) caracterizada por sensação de saciedade precoce. 3. náusea. em longo prazo. anorexia nervosa. plenitude pósprandial.

A REAÇÃO ADVERSA + IMPORTANTE É O PROLONGAMENTO DO INTERVALO QT (TORSADES DE POINTS ( ARRITMIAS FATAIS) 2. 3. Em alguns países foi retirada do mercado. PELA ACELERAÇÀO DO TRÂNSITO GI DIMINUI A TAXA DE ABSORÇÀO DE OUTROS FÁRMACOS .CISAPRIDA – REAÇÕES ADVERSAS 1.

Há relatos isolados de efeitos sobre SNC como convulsões e reações extrapiramidais. 6. 7. 4. Quando a diarréia ocorrer em crianças pequenas. . 3. 5.CISAPRIDA – REAÇÕES ADVERSAS 1. Os sintomas que ocorrem. apatia e atonia. Superdosagem: em casos de ingestão acidental. Excepcionalmente. Cefaléia discreta tem sido relatada ocasionalmente. com ou sem colestase. 8. a dose diária deve ser reduzida. 2. recomenda-se a administração de carvão ativado e cuidadosa observação do paciente. também foram observadas sedação. são cólicas abdominais e aumento na frequência de eliminação das fezes. Em crianças. mais frequentemente. borborigmo e diarréia de caráter transitório podem ocorrer durante o tratamento. foram relatados casos de alterações da função hepática. Como conseqüência da aceleração do peristaltismo GI: cólicas abdominais.

.

Emesis (palavra de origem grega EMEO) Vômito (palavra de latina VOMERE) REPRESENTA UMA AÇÃO COORDENADA DO QUAL PARTICIPAM O SNC. O TRATO GASTROINTESTINAL. O TRATO REPIRATÓRIO E OS MÚSCULOS ABDOMINAIS MEDIANTE O QUAL O CONTEÚDO GÁSTRICO É ELIMINADO .

Substâncias tóxicas exógenas ingeridas 2. Redíduos metabólicos tóxicos endógenos EM GERAL O VÔMITO É PRECEDIDO DE NÁUSEAS .EMESIS REPRESENTA UM MECANISMO DE DEFESA ATRAVÉS DO QUAL O ORGANISMO REMOVE OU TENTA REMOVER 1. Conteúdo gástrico refluido do intestino 3.

REGULAÇÃO O reflexo do vômito. 2. Motora (centro do vômito . Quimioreceptora (zona do gatilho). representa uma cadeia fisiológica de acontecimentos que está é controlada por uma… 1.

NÁUSEAS SENSAÇÃO ALTAMENTE SUBJETIVA E PARTICULARMENTE DESAGRADÁVEL NORMALMENTE É SENTIDA NA GARGANTA E ESTÔMAGO E REFERIDA COMO ENJÔO EL QUE EM GERAL É ALIVIADA COM O VÔMITO .

NÁUSEAS (sinais e sintomas) A náuseas normalmente é acompanhada de… 1. Relaxamento do esôfago e músculos abdominais 4. Distúrbios vasomotores causando palidez 2. Salivação . Sudorese 3.

AUMENTO DA SALIVAÇÃO 2. CONTRAÇÃO PILORO E RELAXAMENTO ESTOMACAL 4. NÁUSEAS 3. EJEÇÃO PELO AUMENTO DA PRESSÃO INTRA-GÁSTRICA CAUSADA POR UMA INSPIRAÇÃO PROFUNDA E CONTRAÇÃO DOS MÚSCULOS ABDOMINAIS . RELAXAMENTO DO CÁRDIA E ESÔFAGO 5.MECANISMO DO VÔMITO 1.

.ARCADA A arcada (movimento de flexão do tronco) acompanhada de uma contração espasmódica do diafragma e dos músculos da parede toracoabdominal que acontece com ou sem expulsão do conteúdo gástrico.

DROGAS INDUTORAS: Quimioterapia do câncer Opiáceos + Nicotina + Antibióticos Radioterapia CAUSAS ENDÓCRINAS gravidez AUMENTO DA PRESSÃO intracraniana Hemorragia Meningitis DE ORIGEM DO APARELHO VESTIBULAR (LABIRINTO) Locomoção (cinetose) Doença de Menière INFECÇÕES Gastroenteritis E labirintite viral PÓS-OPERATÓRIO P/ uso de Anestésicos . Analgésicos e pelos procedimentos CAUSAS NEUROLÓGICAS migraine (enxaqueca) Bulimia nervosa .

TOXINAS EXÓGENAS E ENDÓGENAS * induzem liberação de substâncias emetogênicas ( serotonina – prostanóides radicais livres –outros) 4. ESTÍMULOS DO FARINGE E ESTÔMAGO .ORIGEM DO ESTÍMULO 1. APARELHO VESTIBULAR * CINETOSE ( movimentos) 3. CENTRAL * ODORES – VISÕES DESAGRADÁVEIS * EMOCIONAIS * AUMENTO PRESSÃO INTRACRANEANA * TUMORES 2.

EMETOGÊNICAS 5HT3 – PROSTANÓIDES – RADICAIS LIVRES ESTÍMULOS QUÍMICOS OU MECÂNICOS NO ESTÔMAGO OU FARINGE AFERENTES VISCERAIS vagais 5HT3 NÚCLEO TRATO SOLITÁRIO 5HT3 M1 H1 D2 .ESTÍMULO DOR VISÃO ODORES EMOÇÕES ENTRADA AFERENTES SENSORIAIS E VIAS MOTORAS CENTRAIS NÚCLEOS VESTIBULARES H1 M INTEGRAÇÃO SAIDA CENTROS SUPERIORES náuseas CINETOSE DROGAS TOXINA EXÓGENA ENDÓGENA CENTRO VÔMITO M NERVOS MOTORES SOMÁTICOS E VISCERAIS LABIRINTO VIII par craneano ZONA GATILHO D2 5HT3 M1 SANGUE LIBERAÇÃO DE S.

Utilidade dos Antieméticos CONTROLAR O VÔMITO REPRESENTA UMA MEDIDA DE SUMA IMPORTÂNCIA PARA OS PACIENTES NAS MAIS DIFERENTES SITUAÇÕES O VÔMITO NÃO CONTROLADO PODE LEVAR • • • • • • EXAUSTÃO DESIDRATAÇÃO ALTERAÇÕES DO EQUILÍBRIO ÁCIDO-BASICO LESÕES GASTRO-ESOFÁGICAS COMA PNEUMONIA POR ASPIRAÇÀO .

SÍTIO DE AÇÃO DOS PRINCIPAIS FÁRMACOS .

Input sensorial: dor – paladar .odor Anti histamínicos anti muscarínicos antagonistas dopamina canabinóides Quimioterapia anestésicoa opióides Centros corticais superiores Memória – medo antecipação benzodiazepínicos Quimiorreceptores (zona do gatilho) área prostrema quarto ventrículo ANTAGONISTAS SEROTONINA CENTRO DO VÔMITO BULBAR REFLEXO DO VÔMITO Escopolamina dimenidrato QUIMIOTERAPIA CIRURGIA RADIOTERAPIA ESTÔMAGO INTESTINO DELGADO LABIRINTO CIRURGIA MODULADORES ESFINCTERIANOS VIA NEURONAL CAUSA VÔMITO ANTI EMÉTICO PROCINÉTICOS .

Comparação da potência anti-emética BAIXA Ondansetron Granisetron metroclopramida Halloperidol Dexametazona canabinóides Dimenidrinato Escopolamina benzodiazepínicos MODERADA ALTA .

Oral 2.ESCOPOLAMINA Mecanismo de açào: Antagonista muscarínico competitivo. Patch.transdérmico Indicações: Cinetose + vertigem + pós-operaório Reações adversas mais importantes: Boca seca + cicloplegia + sedaçào + constipaçào . Devem reduzir a excitabilidade dos receptores do labirinto e diminuir a condução neuronal das vias labirintocerebelar Via de administração: 1.

Dimenidrinato (dramine) / prometazina (fenergan) Mecanismo de açào: Antagonista HISTAMÍNICO competitivo Via de administração: 1. Patch. Oral 2.transdérmico Indicações: Cinetose + vertigem + vômito matinal Reações adversas mais importantes: Sedação + efeitos anticolinérgicos .

transdérmico / EV / IM Indicações: Drogas / radiações / uremia / dor/ emocional / pós-operatório / irritaçào GI / quimioterapia Reações adversas mais importantes: Sedação + reações extrapiramidais agudas . do centro do vômito Via de administração: Oral / Patch. trato GI e alguns recept.metoclopramida (plasil) Mecanismo de açào: Bloqueia receptores dopaminérgicos da zona do gatilho.

THC) (não comercializado no Brasil) Mecanismo de açào: Canabinóide extraído da maconha Mecanismo de ação desconhecido Via de administração: Oral / EV / IM Indicações: Profilaxia na radioterapia / quimioterapia do câncer Reações adversas mais importantes: Ações no SNC complexas / proeminente atividade simpaticomimética (taquicardia. insônia) . hiperemia conjuntival) / alucinações / com a retirada síndrome de abstinência (irritabilidade.dronabinol (Marinol.

tontura – fotofobia – elevaçào transitória de enzimas hepáticas) .odansetron (Zofran) / granisetron (kytril) Mecanismo de açào: Bloqueia receptores serotoninérgicos (5HT3) viscerais – núcleo do trato solitário e zona do gatilho Via de administração: Oral / EV / IM (profilaxia) Indicações: radiações / quimioterapia do câncer Reações adversas mais importantes: Geralmente bem tolerado (cefaléia – sensação de calor – sedaçãoconstipação.

dexametazona Mecanismo de açào: Provavelmente por supressão da inflamação peritumoral e consequante produção de PGLs Via de administração: Oral / EV / IM (profilaxia) Indicações: Coadjuvante útil no tratamento de náuseas observadas no câncer disseminado e no tratamento (radiações / quimioterapia do câncer) Reações adversas mais importantes: Comuns ao uso de glicocorticóides .

benzodiazepínicos Mecanismo de açào: Aumenta a afinidade do GABA ao seu receptor Os BZP não são são anti-eméticos mas seu efeito sedativo e amnésico podem ser úteis na redução do componente antecipatório de náuseas e vômitos Via de administração: Oral / EV / IM (profilaxia) Indicações: Coadjuvante útil no tratamento de náuseas e vômoitos que não respondem bem ao tratamento Reações adversas mais importantes: Comuns ao uso de glicocorticóides .

Ondansetron ou granisetron ($ caro) . metoclopramida sozinha 2.NO VÔMITO INDUZIDO PELA QUIMIO E/OU RADIOTERAPIA 1. Metoclopramida combinada com: • dexamethazone • diphenhydramine • lorazepam 3.

Causas variadas: * infecções – má digestão – elevado teor de gorduras – mal absorção – tumores . Conceito: Eliminação fecal com excessiva frequência. DISTÚRBIO BÁSICO: * reduzida absorção de água ou aumentada secreção .drogas 3. diminuida consistência e/ou fluida 2.Diarréia 1.

200 ml (PEQUENOS AUMENTOS CAUSAM DIARRÉIA NA MAIORIA DAS PESSOAS) .Origem da água presente na luz do TGI ORIGEM Dietética Saliva Suco gástrico Bile Suco Pancreático Intestino delgado TOTAL LITROS 2 1 2 1 2 1 9 litros por dia PERDA MÉDIA PELAS FEZES POR DIA 100 .

consequência A diarréia aguda e severa leva: • Desidratação • Desequilíbrio hidroeletrolítico • Principalmente hipocalemia .

TERAPIA RACIONAL DA DIARRÉIA • DIARRÉIA COMO UM SINTOMA – Tratar a causa – Diarréia crônica é uma causa de preocupação – Terapia antidiaddéica em geral está contraindicada nas intoxicações alimentares • Averiguar a possibilidade do uso de drogas relacionas com a diarréia • ATENÇÃO: redobrada com crianças e idosos 47 .

Em geral não empregar anti-diarréicos 3. DIARRÉIA COMUM EM GERAL SÃO AUTOLIMITADAS E NÃO REQUEREM TRATAMENTO * manter a alimentação normal (evitar excesso de gorduras ou alimentos que favorecem o trânsito gastrointestinal) * hidratar bem o paciente por via oral (soro caseiro ) ou por via endovenosa 2.CONDUTA 1. Se necessário: antidiarréicos .

sanguíneas? .Anamnese 1. Mudou seus hábitos alimentares recentemente? 7. Fez o uso de drogas antiarréicas? 5. Ingeriu recentemente água não tratada de rios – lagos ou ingeriu verduras frescas? 9. Toma algum medicamento rotineiramente? Qual? 10. Qual a idade do paciente? 6. Suas fezes contém sangue? 4. Fez alguma viagem recentemente? 8. digestivas. Como se iniciou? Como se diferencia da eliminação fecal usual? 3. Há quanto tempo está com diarréia? 2. doenças cardiovasculares. É portador de diabetes.

Sais de subsalicilato de Bismuto – Ação antibacteriana – Reduz secreção de fluídos – Exercem efeitos citoprotetores (anti-ulceroso) 3. Opióides: * Loperamide (imosec) * Difenoxilato (lomotil) * Elixir paregórico (hoje controlado –risco de dependência e abuso) – Atuam nos receptores opióides do tipo (µ) junto aos neurônios entéricos para reduzir a motilidade – Atuam na mucosa (receptores δ ) e reduzem a secreção 2. Gel adsorventes – Silicato de alumínio – kaolin – fibras ( pectina – metilcelulose – carvão ativado) .Drogas Antidiarréicas 1.

(elixir paregórico) . Geralmente empregado como solução hidroalcoólica que contém 2mg/5 ml. Ação antidiarréica ocorre com doses menores do que as necessárias para o efeito analgésico 3. analgésico – de uso muito comum 2.Opióides: morfina 1. problema: risco de abuso 4.

OPIÓIDES: mecanismos
• Diminui o esvaziamento gástico – Reduz a taxa de quimo apresentado ao intestino – Diminuição do peristaltismo intestinal aumenta o tempo para a absorção maisa eficaz de água • A diminuição do peristaltismo decorre: – Da diminuida liberaçào de acetilcolina pela fbras colinérgicas pós ganglionares do tubo GI – Reduz o trânsito no intestino delgado e grosso • Promove um nítido aumento da absorção de eletrólitos e água

Difenoxilato (Lomotil)
• Opióide sintético • Apresenta relativamente baixa capacidade de causar abuso e dependência – Com doses terapêutica atravessa pouco a BHE – Por não ser hidrossolúvel não pode ser empregado por via EV – Quantidades subterapêuticas de atropina são empregadas na intoxicação em pacientes depoendentes

Difenoxilato (Lomotil)
• • • • Forma metabólitos ativos: ( difenoxina) Metade é excretada nas fezes Ação relativamente curta Reações adversa: - iguais as da morfina e atropina • Mecanismo de ação: - iguais aos da morfina

Loperamida (imosec)
• Pouca ou nenhuma capacidade de penetrar no SNC • Não é hidrossolúvel • Ação prolongada ( t1/2 de 7 to 14 hrs.) • Reações adversas: boca sêca, náuseas e vômito, tonturas • Mecanismo de ação: iguais aos da morfina

Adsorventes • principal agente – subsalicilato bismuto • mecanismo: desconhecido. deve adsorver substâncias tóxicas na luz do tubo GI • toxicidade: geralmente mínima • Atenção: subsalicilato bismuto não deve ser dado a pessôas que sejam alérgicas a aspirina .

Laxantes • Definição: * drogas que promovem a eliminação fecal • Sinônimos: * Catárticos (fezes Apresentam uma consistência mais normal) * Purgantes (quando as fezes se apresentam mais liquefeitas .

.

6. Portadores de hemorróidas Diminuir o esforço ao defecar (pode representar um risco: eg. Doenças cardíacas graves) Favorecer a eliminação de parasitas mortos (áscaris – tênias) Reduzir a absorção de substância tóxicas Redução de peso ( prática inapropriada) 2. Preparo do paciente: * antes de cirurgias – exames radiológicos colonoscopia. 5. O maior uso de laxantes ocorre sem prescriçào médica por pessoas preocupadas pela regularidade dos hábitos intestinais . 3.Usos dos Laxantes 1. 4.

Terapia Racional • Muito poucas indicações já citadas anteriormente • A maioria das constipações são evitadas – Mudanças dos hábitos alimentares – Ingesta de alimentos ricos em fibras – Atividade física .

Terapia Racional • Se crônica: investigar e tratar a causa • Se aguda: pesquisar e tratar brevemente • Atenção: contraindicado em pacientes com sinais de obstruçào. sinais de apendicite e dor abdominal de causa desconhecida. . náuseas e vômitos.

Formadores de massa * colóides hidrofílicos: farelo – fibras (metilcelulose –pectina) – psyssilium (extraída da semente de plantago) 3. Emolientes ou lubrificantes * agentes emolientes: docusato – óleo mineral 2. Agentes com atividade na luz intestinal: 1.Laxantes: classificação I. Laxantes osmóticos ou salinos * sais ou açúcares orgânicos não absorvíveis: sais de magnésio e fosfato de sódio (fleet enema) .

Estimulantes ou irritantes inespecíficos: (atuam tanto sobre a secreção quanto na motilidade) 1. Óleo de rícino 2. Derivados difenilmetano * fenolftaleína (carcinogênico foi retirado do mercado em muitos países) * bisacodil ( dulcolax) * picossulfol (dulcolax) 3.II. Derivados da antraquinona * ( sena – cáscara sagrada) .

devem exercer pressão osmótica .Ao serem metabolizadas por bactérias formam pequenas mléculas que atuam osmoticamente retendo água na luz intestinal .Principais laxantes laxantes efeito Formadores Laxante • massa 12-24 h • especialidade Metilcelulose Semente de plantago psyllium ( metamucil) • As fibras atraem as moléculas de águas • Algumas também ligam sais biliares – sais biliares inibem a absorção de água e eletrólitos no cólon .

• USOS ADICIONAIS: – Doença diverticular – Síndrome colon irritável – Redução do colesterol plasmático • CONTRA-INDICAÇÕES PARA PACIENTES: – Sinais de obstruçào intestinal – Mecacólon – Megarreto – produtos com policarbofil são ricos em cálcio e devem ser evitados em pacientes com hipercalcemias – Produtos sem açucar apresentam aspartame e devem ser evitados em pacientes com fenilcetonúria .

• EFEITOS COLATERAIS MAIS COMUM: – Distensão abdominal – Dor abdominal .

sabor desagadável – hidróxido – citrato • Fosfato de sódio (Fleets) na forma de fleet enema de uso retal Ação: em 3-6 horas .Laxantes Osmóticos • Sais de magnésio – sulfato (sal de Epsom).

Laxantes osmóticos: propriedades • Relativamente não absorvidos • Efeitos adversos: – Sobrecarga de sódio – Toxicidade pelo magnésio em pacientes com insuficiência renal .

Laxantes Osmóticos • Lactulose e Sorbitol parecem ser bastante eficazes na prisão de ventre causada por opiáceos e na prisão de ventre em idosos São administrados em soluções a 70% (15-30 ml) à noite ou até 60ml em doses fracionadas Os efeitos podem não ser observados em até 24-48h • Desconforto ou distensão abdominal são efeitos comuns • Sabor desagradável pode ser minimisado se misturado a sucos de frutas • Lactulose também pode ser administrado em pacientes com encefalopatia hepática lactato ( lacto-purga) • Glicerina (álcool não absorvível) só é empregado por via retal na forma de supositório e líquida em uma solução de enema a 80% .

Docusatos ( de cálcio .potássio * reduzem tensão superficial de modo a permitir a mistura de substâncias aquosas e gorduras que amolecem as fezes * estes agentes também estimulam a secreção possivelmente aumentando a produção de AMPc 2.Hidratantes e emolientes 1.sódio . Óleo mineral mistura de hidrocarbonetos obtidos do petróleo não digerível e pouco absorvido Não deve ser tomado ao deitar ( risco de pneumonite por aspiração) AÇÃO EM 24-48 H .

Estimulantes Irritantes .

ricinoléico • Acido ricinoléico (ác.3 h .Óleo de Rícino • Extraído das favas da mamona é um triglicerídeos de ác. graxo de longa cadeia) é metabolizado por lipases liberando glicerol e age na mucosa do intestino delgado estimulando a secreção de eletrólitos e água além de aumentar a velocidade do trânsito intestinal. • Apenas 4ml em jejum promove efeito laxante em de 1.

Produto natural: encontrado na sena – aloé e na cáscara sagrada . Contém antroquinona que ao ser metabolizado por bactérias libera o princípio ativo que estimula a motilidade colônica 3.ruibarbo 2. Estudos histológicos mostra perda de neurônios e atrofia muscular . Não deve ser utilizado por tempo prolongado pois ainda não se sabe se antraquinona produz o cólon catártico em que o intestino grosso se mostra dilatado e sem haustrações. Quando tomados cronicamente produz pelo acúmulo de mastócitos ou por destruição celular pigmentação melanócita da mucosa do cólon.Derivados da antroquinona 1. 4. Ë reversível.

URSODIOL: SUPRIME A ENZIMA 7-ALFA-HIDROXILASE . QUENODIOL: INIBE A ENZIMA QUE CONVERTE O COLESTEROL EM SAL BILIAR ( em 30% dos pacientes produz diarréia) 2.FÁRMACOS UTILIZADOS PARA DISSOLVER CÁLCULOS BILIARES Os cálculos biliares se formam quando acontece um excesso de colestrol que rompe com o equilíbrio entre sal biliar colesterol lecitina MECANISMO DE AÇÃO 1.

Láctico. Acético e outros ácidos orgânicos o que facilitaria a captação de íons amônio . Alguns sugerem uma modificação da flora 2. Outros que a lactulose ao ser metabolizada produz ác. ác.Encefalopatia portossistêmica: • Neomicina •Lactulose O mecanismo de ação é incerto 1.

. A HIPÓTESE MAIS ACEITA SERIA UMA DOENÇA AUTOIMUNE. DIAGNÓSTICO: DIFÍCIL POIS SINTOMAS SÃO SEMELHANTES AOS OBSERVADOS NA SÍNDROME DO COLON IRRITÁVEL E COLITE ULCERATIVA 4.DOENÇA DE CROHN 1. PREFERENCIALMENTE DO INTESTINO DELGADO ( mais comum no íleo) 2. ETIOLOGIA: DESCONHECIDA. SINTOMAS: A INFLAMAÇÃO PODE CAUSAR DOR E DIARRÉIA 3. CONCEITO: DOENÇA INFLAMATÓRIA.

. A DROGA MAIS ANTIGA NO TRATAMENTO É A SULFASSALAZINA ( SULFONAMIDA + ÁC.DIARRÉIA E CEFALÉIA 2. 3. 5-AMINOSSALICÍLICO) Glicocorticóides também podem ser úteis REAÇÕES ADVERSAS: INCLUI NÁUSEAS – VÔMITOS – PIROSE . CORRIGIR AS DEFICIÊNCIAS NUTRICIONAIS E ALIVIAR A DOR E DIARRÉIA 1. DERIVADO MAIS NOVO USADA COMO ANTINFLAMATÓRIO INTESTINAL E A MESALAZINA(= ÁC. AMINOSSALICÍCICO) NÃO É EFICAZ NA CRISE MAIS É EFICIENTE NA PROFILAXIA.TRATAMENTO SINTOMÁTICO VISA CONTROLAR A INFLAMAÇÃO.

INDICAÇÃO: REDUÇÃO DOS SINAIS E SINTOMAS DA .ESPONDILITE ANQUILOSANTE .ARTRITE REUMATÓIDE .DOENÇA DE CROHN .INFLIXIMAB ( REMICADE) 1.

MECANISMO DE AÇÃO: É UM ANTICORPO MONOCLONAL QUE INIBE A ATIVIDADE DO FATOR DE NECROSE TUMORAL (TNF-alfa) reduz também s níveis circulantes de marcadores como proteína C reativa e a infiltrações de células nas áreas inflamadas .INFLIXIMAB ( REMICADE) 2.

Disciplina de Farmacologia .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful