Você está na página 1de 38

METODOLOGIA DO TREINO

PRINCÍPIOS DO TREINO

Princípios ou Leis do treino – são um


conjunto de princípios (biológicos,
metodológicos, pedagógicos) a que os
exercícios de treino devem obedecer, que
têm por objetivo fundamental direcionar,
orientar e controlar a atividade prática de
forma a conferir uma maior eficácia na
sua aplicação.
PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 1
METODOLOGIA DO TREINO
PRINCÍPIOS BIOLÓGICOS

 Princípio da sobrecarga
 Princípio da especificidade

 Princípio da reversibilidade

 Princípio da heterocronia

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 2
METODOLOGIA DO TREINO
Princípio da Sobrecarga

- O exercício de treino só poderá provocar


modificações no organismo dos praticantes
melhorando a sua capacidade de
rendimento, desde que seja executado numa
duração e intensidade suficientes que
provoque uma ativação ótima dos
mecanismos informacionais, energéticos e
afetivos.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 3
METODOLOGIA DO TREINO
- Segundo Burk ”as adaptações que beneficiam
a actividade humana só se produzem quando
respondem a tensões aplicadas a níveis
superiores aos limites, mas sempre dentro dos
limites de tolerância. Os níveis abaixo destas
tensões aos quais o organismo se adaptou não
são suficientes para produzir adaptação ao
treino”

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 4
METODOLOGIA DO TREINO
Cargas de fraca intensidade - provocam uma
atrofia e perda de capacidades (diminuição
da actividade do organismo);

Cargas de média intensidade - mantém o


mesmo nível estrutural e de capacidade de
rendimento (não têm consequências no
treino);

Cargas de intensidade forte - provocam uma


melhoria funcional (têm efeito de treino);
PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 5
METODOLOGIA DO TREINO
Cargas de intensidade demasiado fortes
- provocam o esgotamento e a perda de
capacidades.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 6
METODOLOGIA DO TREINO
Princípio da Especificidade
- Matveiev “ este princípio estabelece que a
concentração de tempo e esforço numa
determinada modalidade desportiva é uma
condição objetiva e necessária para se poder
alcançar resultados elevados”.
- Neste contexto, as modificações que se
produzem no organismo através do treino têm
um caráter perfeitamente dirigido a objetivos
concretos.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 7
METODOLOGIA DO TREINO
- O conceito de especificidade do exercício é
reforçado pelo facto de existirem fontes
específicas de energia, dentro de cada
músculo que respondem a exercícios
específicos. Ou seja, existe uma diferença
entre os tipos de produção de energia
necessária para as diferentes atividades
físicas.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 8
METODOLOGIA DO TREINO
Princípio da Reversibilidade
- As alterações do organismo adquiridas ao
longo das atividades inerentes aos exercícios
de treino são transitórias. Mas também, não
podemos afirmar o desaparecimento total da
adaptação, até aos níveis iniciais.
Neste contexto, pode-se afirmar:
- Cargas de grande volume e baixa
intensidade têm um efeito de treino +
prolongado;

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 9
METODOLOGIA DO TREINO
- Cargas de grande intensidade e baixo
volume têm um efeito mais breve;

- As aquisições que levam mais tempo a ser


obtidas, mantêm-se durante mais tempo;

- Os decréscimos dos efeitos da adaptação


da carga, será tanto maior quanto + recente
e menos consolidados forem os níveis de
adaptação.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 10
METODOLOGIA DO TREINO
Princípio da Heterocronia

- Entre o momento em que se executa os


exercícios de treino e o aparecimento
do correspondente processo de
adaptação existe um desfasamento
temporal.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 11
METODOLOGIA DO TREINO
- Com efeito, depois da aplicação de um ou
série de exercícios de treino surge inicialmente
uma perda de capacidades que são devidas
à utilização dos recursos informacionais e
energéticos e que se traduzem num estado
denominado de fadiga.
- O organismo, como que numa atitude de
auto-defesa às “agressões” regenera-se
ultrapassando o nível inicial consubstanciando
momentaneamente uma maior capacidade
do praticante.
PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 12
METODOLOGIA DO TREINO
PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS

 Princípio da relação ótima entre


exercício e repouso
 Princípio da continuidade da aplicação
do exercício de treino
 Princípio da progressão da carga de
treino

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 13
METODOLOGIA DO TREINO
 Princípio da individualização do
exercício de treino
 Princípio da alternância ou ciclicidade
do exercício de treino
 Princípio da multilateralidade ou da
relação ótima entre a preparação geral
e específica.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 14
METODOLOGIA DO TREINO
Princípio da relação ótima entre exercício
e repouso

- O estudo do princípio da relação


óptima entre o exercício e o repouso
centra-se fundamentalmente no
organismo do praticante, sendo regido
por leis biológicas.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 15
METODOLOGIA DO TREINO

Assim, surgem 2 questões essenciais que é


necessário equacionar:
- a determinação do exercício ótimo;
- a determinação do momento ótimo de
aplicação de um novo exercício.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 16
METODOLOGIA DO TREINO
Determinação do exercício ótimo

- A determinação do estado das estruturas


informacionais, energéticas e afetivas dos
praticantes, constitui o factor decisivo na
seleção e aplicação do exercício ótimo, que
visa a obtenção de um determinado efeito,
concordante com os objectivos traçados.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 17
METODOLOGIA DO TREINO
- A avaliação do praticante e a determinação
do exercício ótimo é uma questão de
capacidade e experiência do treinador, em
relação à especificidade da modalidade
desportiva em causa.
- Quanto mais componentes do exercício de
treino se aproximam do valor ótimo relativo à
capacidade do praticante “no momento da
carga ”, melhor se processa a adaptação. Ao
contrário quanto maior for a diferença em
relação a esse valor ótimo menos eficiente
será a adaptação.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 18
METODOLOGIA DO TREINO
Determinação do momento ótimo de
aplicação de um novo exercício

- O tempo de recuperação entre a aplicação


das cargas de treino é determinada pela
mútua relação entre os processos de fadiga e
o restabelecimento das capacidades
funcionais do organismo.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 19
METODOLOGIA DO TREINO
- A aplicação de cargas em intervalos ótimos,
provoca a melhoria progressiva das
potencialidades do praticante. Isto deverá
acontecer, quando a nova unidade de
treino é aplicada no momento, em que
ainda não desapareceram todas as sequelas
do treino precedente.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 20
METODOLOGIA DO TREINO
Princípio da continuidade da aplicação
do exercício de treino

- Para existir adaptação, os exercícios de treino


devem ser aplicados regularmente, isto é, a
sistematização do trabalho programado não
deverá permitir uma quebra de continuidade
da aplicação da carga.

- A interrupção demasiado prolongada do


processo de treino, leva a um retrocesso de
capacidades de rendimento do atleta
(princípio
PAFD
M2
da reversibilidade). 21
PRINCÍPIOS DO TREINO
METODOLOGIA DO TREINO
O princípio da continuidade assenta em 3
pressupostos:
1 - o treino desportivo consiste, na realidade, num
encadeamento de máximo efeito da especialização
desportiva;
2 - a ligação entre vários elos desse encadeamento é
garantida na base da continuidade dos efeitos de
treino imediatos, atrasados e acumulados;
3 - os intervalos entre as sessões de treino são
mantidos entre os limites que asseguram, como
tendência geral, um desenvolvimento constante do
nível de preparação.
PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 22
METODOLOGIA DO TREINO
- Continuidade significa igualmente repetição
sistemática das diferentes actividades
consubstanciadas pelo exercício, na medida
que esta repetição é essencial para que os
efeitos de treino “não se percam”.
- Contudo, esta repetição não se processa ao
acaso mas devidamente adaptada às
circunstâncias e objectivos a atingir.
- A eficiência das “respostas” depende da
fixação e integração, as quais por sua vez,
dependem de uma periodicidade mínima na
execução dessas actividades.
PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 23
METODOLOGIA DO TREINO
Princípio da progressão do exercício de
treino

- Para que o organismo possa suportar o regime


de intensidade preconizada, sem perigo para
a saúde e normal desenvolvimento das
capacidades, tem de se definir esse regime
de modo progressivo e de acordo com a
melhoria da adaptação funcional.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 24
METODOLOGIA DO TREINO
- O aumento da carga de treino sem que
tenha em conta esta adaptação, pode
representar um estímulo excessivo e conduzir
a uma diminuição das capacidades para
além de outros efeitos prejudiciais.

- Logo, a progressão das cargas deve respeitar


os mecanismos de regeneração, ou seja a
capacidade que o indivíduo possui de
recuperar do esforço.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 25
METODOLOGIA DO TREINO
Princípio da individualização do exercício
de treino
- A eficiência funcional de cada praticante é
diferente ( cada praticante reage e adapta-
se de forma diferente aos estímulos), logo, a
aplicação de qualquer exercício de treino
requer uma estreita individualização dos
meios e métodos a utilizar, os quais deverão
corresponder às capacidades individuais dos
praticantes tendo em conta os aspectos
orgânicos, adaptativos e os seus ritmos de
evolução (aprendizagem, aperfeiçoamento).
PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 26
METODOLOGIA DO TREINO
Princípio da alternância ou ciclicidade do
exercício de treino

- O aumento das capacidades funcionais do


praticante, que corresponderá ao
melhoramento do seu rendimento, tem um
caráter essencialmente cíclico (alternância),
assim como a estrutura (objetivos, conteúdo,
forma, nível de performance) dos exercícios
ou séries de exercícios que constituem as
unidades de treino necessárias para o atingir.
PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 27
METODOLOGIA DO TREINO
- Cada ciclo sucessivo é uma repetição parcial
do anterior, exprimindo as tendências da
evolução do processo de treino, difere assim
do anterior, pelo seu conteúdo renovado,
pela modificação parcial de meios e métodos
utilizados, pelo incremento das cargas.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 28
METODOLOGIA DO TREINO
Principio da multilateralidade ou da
relação ótima entre preparação geral e
específica
Existem 3 proposições fundamentais na unidade
da preparação geral e da preparação
específica dos praticantes:
1 – A inseparabilidade da preparação geral e da
específica;
2 – O intercondicionalismo do conteúdo da preparação
geral e da específica;
3 – A incompatibilidade da preparação geral e
específica

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 29
METODOLOGIA DO TREINO
1 – A inseparabilidade da preparação geral e
da específica

- A especialização desportiva não exclui o


desenvolvimento múltiplo do praticante. Pelo
contrário, o progresso máximo num
determinado desporto só é viável, através do
desenvolvimento múltiplo das possibilidades
técnicas, tácticas, físicas e psicológicas.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 30
METODOLOGIA DO TREINO

- Este princípio é explicado, pela unidade do


organismo que consiste na
interdependência orgânica de todos os
seus elementos, sistemas e funções no
processo da actividade e no seu
desenvolvimento.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 31
METODOLOGIA DO TREINO
2 – O intercondicionalismo do conteúdo da
preparação geral e da específica

- O conteúdo da preparação especial depende


dos pré-requisitos criados pela preparação
geral. Todavia, o conteúdo da preparação
geral adquire particularidades que são
determinadas pela especialização desportiva.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 32
METODOLOGIA DO TREINO
3 – A incompatibilidade da preparação geral e
específica

- A preparação geral e específica tem de ser


compreendidas como uma unidade, logo
isto levanta um problema de combinação
ótima da p. geral com a p. específica, ou
seja, a medida da sua correlação.
Ex. um volume excessivo de pg acarreta a
diminuição da pe, influenciando os resultados
do treino, sucedendo o mesmo de forma
inversa.
PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 33
METODOLOGIA DO TREINO
PRINCÍPIOS PEDAGÓGICOS

 Princípio da atividade consciente


 Princípio da sistematização

 Princípio da actividade apreensível

 Principio de estabilidade e
desenvolvimento das capacidades do
praticante

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 34
METODOLOGIA DO TREINO
Princípio da atividade consciente

- A atividade deve ser organizada visando o


empenhamento ativo e consciente dos
praticantes na execução das exigências
determinadas pelo exercício de treino, o que
pressupõe a compreensão clara dos objetivos
operacionais, dos conteúdos para a
concretização destes, e os níveis de
performance, isto é, da avaliação dos
resultados positivos.
PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 35
METODOLOGIA DO TREINO
Princípio da sistematização

- Para a aquisição de uma capacidade


específica, os praticantes passam por um
conjunto de etapas traduzidas pela
aplicação de um conjunto de exercícios de
treino aplicados de forma sistematizada e
integrados num todo. Neste sentido, para se
atingir um objetivo mais elevado devemos
estabelecer um processo de progressão
pedagógica, previsto antecipadamente.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 36
METODOLOGIA DO TREINO
Princípio da atividade apreensível

- Este princípio estabelece um compromisso


entre a complexidade e a dificuldade dos
exercícios de treino, com a capacidade
(habilidade) dos praticantes. As exigências
do exercício deverá estabelecer-se do
simples para o complexo, do conhecido
para o desconhecido, do pouco para o
muito, do concreto para o abstracto.
PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 37
METODOLOGIA DO TREINO
Princípio da estabilidade e desenvolvimento das
capacidades do praticante

- Para que o exercício tenha êxito é necessário


que os praticantes passem por um ciclo de:
aquisição – estabilização – desenvolvimento,
sem o qual a evolução da capacidade de
rendimento será irremediavelmente
equacionada.

PAFD
M2 PRINCÍPIOS DO TREINO 38