Você está na página 1de 24

SUJEITOS DA RELAÇÃO

TRIBUTÁRIA
Jefferson Andrade
Sujeição passiva

•   Art. 121. Sujeito passivo da obrigação


principal é a pessoa obrigada ao pagamento
de tributo ou penalidade pecuniária.
Classificação dos sujeitos passivos
•  Parágrafo único. O sujeito passivo da
obrigação principal diz-se:
•         I - contribuinte, quando tenha relação
pessoal e direta com a situação que constitua
o respectivo fato gerador;
•         II - responsável, quando, sem revestir a
condição de contribuinte, sua obrigação
decorra de disposição expressa de lei.
• É(São) Sujeito(s) ativo(s) da obrigação tributária:

 a) aqueles que devem pagar o tributo, podendo ser contribuinte ou


responsável.

 b) os contribuintes visto que são os devedores diretos que têm relação
pessoal e direta com o fato gerador (art. 121, I, CTN).

 c) qualquer empresa ou cidadão que deve ao ente público e


consequentemente deve ser considerado como um ativo.

 d) o responsável que é o devedor indireto que, embora não sendo


contribuinte, deve responder pela obrigação tributária, por força de lei
(art. 121, II, CTN).

 e) a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, os quais detêm


a competência tributária, podendo legislar sobre tributos e exigi-los,
dentro de suas respectivas esferas.
• Gabarito letra E 
• Vejamos, 
•  
•  
• O Sujeito ativo da relação tributária é o credor da
obrigação, tendo as prerrogativas de editar normas
complementares neceessárias à fiscalização e à cobrança,
exercer a fiscalização, constituir o crédito tributário
mediante lançamento, isncrevê-lo em dívida ativa e exigir o
seu pagamento, se necessário, mediante o ajuizamento de
execução fiscal. 
• De acordo com as disposições relativas ao Sujeito Ativo e Sujeito Passivo
do Código Tributário Nacional, assinale a alternativa INCORRETA.

 a) Sujeito ativo da obrigação é a pessoa jurídica de direito público titular


da competência para exigir seu cumprimento. 

 b) O sujeito passivo da obrigação principal é a pessoa obrigada ao


pagamento de tributo ou penalidade tributária.  

 c) O sujeito passivo da obrigação principal, de pagar um tributo ou


penalidade, pode ser o contribuinte ou o responsável, por terem relação
pessoal e direta com a situação que constitua o respectivo fato gerador.

 d) Havendo previsão expressa em lei, as disposições particulares relativas


à responsabilidade pelo pagamento de tributos podem ser opostas à
Fazenda Pública para modificar a definição legal do sujeito passivo das
obrigações tributárias correspondentes. 
•  c) sujeito passivo da obrigação principal, de
pagar um tributo ou penalidade, pode ser o
contribuinte ou o responsável, por terem
relação pessoal e direta com a situação que
constitua o respectivo fato gerador.
• Tendo como referência o disposto no CTN, assinale a opção correta.

a) A capacidade tributária passiva é plena e independe da


capacidade civil.

 b) Não haverá incidência tributária sobre atividades ilícitas.

 c) A obrigação tributária principal nasce com o lançamento do fato


gerador.

 d) Fato gerador corresponde ao momento abstrato previsto em lei


que habilita o início da relação jurídico-tributária.

 e) A denominação do tributo e a destinação legal do produto de sua


arrecadação são essenciais para qualificá-lo.
Capacidade tributária

• gabarito A

Capacidade Tributária
Art. 126. A capacidade tributária passiva independe:
        I - da capacidade civil das pessoas naturais;
        II - de achar-se a pessoa natural sujeita a medidas que
importem privação ou limitação do exercício de atividades civis,
comerciais ou profissionais, ou da administração direta de seus
bens ou negócios;
        III - de estar a pessoa jurídica regularmente constituída,
bastando que configure uma unidade econômica ou profissiona
• A capacidade tributária passiva independe

I. da capacidade civil das pessoas jurídicas.


II. de achar-se a pessoa natural sujeita a medidas que importem
privação ou limitação do exercício de atividades civis, comerciais ou
profissionais, ou da administração direta de seus bens ou negócios.
III. de estar a pessoa jurídica regularmente constituída, bastando
que configure uma unidade econômica ou profissional.
• Marque a opção que indica a(s) afirmativa(s) CORRETA(S). 

 a) I.
 b)II.
 c) III.
 d) II – III.
e)I – II – III.
“E”
No que diz respeito ao Código Tributário Nacional, assinale
com V (verdadeiro) ou F (falso) as afirmações abaixo. 

( ) Dois irmãos proprietários de um mesmo imóvel urbano desde


2010, recebido por doação dos pais em antecipação da legítima,
havendo inadimplemento, não responderão solidariamente em
relação ao crédito de IPTU cujo fato gerador ocorreu em 2014.

( ) Um menor de 16 anos que tenha recebido por doação um imóvel


urbano, escriturado e registrado onde necessário, possuirá
capacidade tributária passiva em relação ao IPTU.

( ) Uma pessoa, na hipótese de ser solidariamente obrigada por


expressa designação por lei, poderá alegar o benefício de ordem,
desde que nomeie bens do devedor, sitos no mesmo município, livres
e desembaraçados, quantos bastem para solver o débito.
F, V, F
CUIDADO !

• Art. 123. Salvo disposições de lei em


contrário, as convenções particulares,
relativas à responsabilidade pelo pagamento
de tributos, não podem ser opostas à
Fazenda Pública, para modificar a definição
legal do sujeito passivo das obrigações
tributárias correspondentes.
• Em havendo um contrato celebrado por instrumento público, devidamente registrado no
Ofício de Títulos e Documentos, as partes convencionam obrigações recíprocas e, dentre
elas, a de atribuir responsabilidade solidária aos contratantes pelo pagamento dos
tributos incidentes sobre o objeto do contrato. Com os fatos apresentados, o contrato

 a) celebrado por instrumento público e registrado em cartório tem força para alterar a
capacidade tributária passiva, atribuindo-a a terceiras pessoas, sendo oponível ao Fisco.

 b) celebrado por instrumento público tem força de ato público e como tal é suficiente para
transferir para terceiros a capacidade tributária passiva.

 c) não tem qualquer eficácia perante o Fisco, salvo se houver lei do ente competente
autorizando convenção particular alterar a capacidade tributária passiva.

 d) é nulo por ser vedado expressamente por lei a convenção entre as partes que disponha
sobre responsabilidade tributária solidária entre os contratantes, pois só a lei pode assim
dispor.
 
e) mesmo que não seja aquele definido em lei como o sujeito passivo da obrigação
tributária, em razão da convenção de solidariedade passiva entre os contratantes, o Fisco
pode optar por cobrar a integralidade do crédito de apenas de um dos contratantes.
• “ C”
Art. 123. Salvo disposições de lei em contrário, as
convenções particulares, relativas à
responsabilidade pelo pagamento de tributos, não
podem ser opostas à Fazenda Pública, para
modificar a definição legal do sujeito passivo das
obrigações tributárias correspondentes.
• Sobre a configuração dos sujeitos ativo e passivo da obrigação tributária e da
responsabilidade tributária, é incorreto afirmar que

a)o sujeito passivo na obrigação tributária principal pode ser configurado como
“contribuinte” ou como “responsável tributário”.

b)sujeito ativo tributário é aquele a quem a lei destina o resultado da arrecadação dos
valores pecuniários da correspondente obrigação tributária principal.

 c)Na definição da sujeição passiva, as convenções particulares, ainda que configuradas


mediante instrumento público ou decorrentes de ato homologado judicialmente, são
inoponíveis à Fazenda Pública.

 d)na responsabilidade por sucessão, a sociedade que resultar de fusão de outra é


responsável pelos tributos que, até a data do ato correspondente, sejam devidos pela
pessoa jurídica fusionada.

e) na responsabilidade de terceiros, os pais respondem solidariamente pelos tributos


devidos por atos de seus filhos menores quando, cumulativamente, os pais forem
omissos em atos de sua responsabilidade e for impossível a exigência do cumprimento da
obrigação principal pelo próprio filho contribuinte.
• “B”

• sujeito ativo tributário é aquele a quem a lei


destina o resultado da arrecadação dos
valores pecuniários da correspondente
obrigação tributária principal.
Responsabilidade Tributária
Art. 128. Sem prejuízo do disposto neste capítulo,

a lei pode atribuir de modo expresso a responsabilidade


pelo crédito tributário a terceira pessoa,

vinculada ao fato gerador da respectiva obrigação,

excluindo a responsabilidade do contribuinte ou


atribuindo-a a este em caráter supletivo do cumprimento
total ou parcial da referida obrigação.
Responsabilidade por substituição
Responsabilidade por substituição: quando a lei
determina que o responsável (substituto) ocupe o
lugar do contribuinte (substituído), desde a
ocorrência do fato gerador, de tal sorte que, desde o
nascimento da obrigação tributária, aquele – o
responsável – já é o sujeito passivo.

Assim, “o contribuinte é logo esquecido, não sendo


ele nem sequer indicado sujeito passivo, pois o
legislador já o ‘substitui’ pelo responsável
Responsabilidade por transferência
Responsabilidade por transferência: quando, por
expressa previsão legal, a ocorrência de um fato,
posterior ao surgimento da obrigação, transfere a
um terceiro a condição de sujeito passivo da
obrigação tributária, que até então era ocupada pelo
contribuinte.
Nesse caso, “o contribuinte não é ignorado, havendo
a mudança do sujeito passivo em momento posterior
Responsabilidade dos Sucessores
• Art. 130. Os créditos tributários relativos a
impostos cujo fato gerador seja a propriedade, o
domínio útil ou a posse de bens imóveis, e bem
assim os relativos a taxas pela prestação de
serviços referentes a tais bens, ou a
contribuições de melhoria, subrogam-se na
pessoa dos respectivos adquirentes, salvo
quando conste do título a prova de sua quitação.
• Art. 131. São pessoalmente responsáveis:
I - o adquirente ou remitente, pelos tributos
relativos aos bens adquiridos ou remidos;       
(Redação dada pelo Decreto Lei nº 28, de 1966)
II - o sucessor a qualquer título e o cônjuge
meeiro, pelos tributos devidos pelo de cujus até
a data da partilha ou adjudicação, limitada esta
responsabilidade ao montante do quinhão do
legado ou da meação;
III - o espólio, pelos tributos devidos pelo de
cujus até a data da abertura da sucessão.
TRESPASSE