Você está na página 1de 3

9

PROPRIEDADES FÍSICAS DOS LÍQUIDOS E SÓLIDOS

Castellan, Cap. 5, Algumas propriedades dos líquidos e sólidos

Genericamente as fases sólidas e líquidas são chamadas de fases condensadas.


Este nome decorre do fato de ambas terem alta densidade relativa quando comparada
com a fase gasosa. A razão entre ambas as densidades líquido-vapor é da ordem de
1000:1. Depende das condições de pressão e temperatura. Esta razão indica que a
massa de uma substância no estado sólido ou no estado líquido, que ocupa um volume
de 1L, no estado gasoso passará a ocupar um volume próximo de 1000L.

Pelo exemplo abaixo, pode-se perceber esta particularidade. A densidade da


água a 4° C é por atribuição igual 1 kg/litro. A densidade do vapor de água a 100°C
(considerando-o teoricamente um gás perfeito), pode ser calculada pela aplicação da
equação de estado para os gases perfeitos pV = nRT onde n=m/M, e m/V= ρ, que
substituídos na equação, resulta em PM/RT = ρ

1atm ×18 g / mol


ρ= = 0,59 g / litro  0,59 × 10−3 kg / litro
0, 082atm.litro / mol.K × 373K

Dilatação térmica. A dependência entre o volume de um sólido ou de um líquido, à


pressão constante é expressa pela equação
V = V0 + V0α T (12)

onde α é o coeficiente de dilatação térmica. Esta equação é praticamente a mesma para


os gases, diferindo apenas no valor de α. Enquanto α é praticamente o mesmo para
todos os gases, os sólidos e líquidos tem seus valores específicos para cada substância,
ou seja, cada substancia tem diferentes valores de α para o estado líquido e para o
estado sólido. Para gases e sólidos α é sempre positivo, enquanto que para líquidos é
usualmente positivo. O volume também é dependente da pressão. Experimentalmente, a
relação entre o volume e a temperatura é dada por

V0 = V00 [1 + κ ( p − 1)] (13)

onde V00 é o volume de referência tomado a 0°C sob a pressão p. κ é coeficiente de


compressibilidade, específico para cada substância e constante dentro de um grande
intervalo de pressão

Calor específico. Existem dois. cv e cp. O primeiro chamado de calor específico a


volume constante representa a variação da energia necessária para variar a temperatura
do corpo em grau infinitesimal mantendo-se o volume do corpo constante. Sabe-se que,
quando um corpo é aquecido, ele sofre dilatação. Para evitar essa dilatação, o corpo
deve estar submetido a uma pressão mais elevada. Se o corpo não sofre a dilatação
térmica, então a energia fornecida é toda ela transformada em aumento de temperatura.
O segundo, chamado de calor específico a pressão constante, corresponde à situação
mais comum, do aquecimento do corpo incluindo a dilatação térmica. Neste caso, parte
da energia fornecida é usada para promover essa dilatação, resultando num menor
10

aquecimento. Para aumentar o mesmo infinitésimo de grau, comparativamente a cv, o


valor de cp é maior. Em termos físicos...

⎛ dU ⎞
cv ≡ ⎜ ⎟ (14)
⎝ dT ⎠V

⎛ dH ⎞
cp ≡ ⎜ ⎟ (15)
⎝ dT ⎠ p

A diferença entre ambos é dada pela equação de Meyer.


c p − cv = R (16)

Considerando a Eq. 16, percebe-se que R representa o trabalho realizado pela


expansão de um mol de um gás quando aquecido em 1 grau.
Em termos médios tanto cv como cp designam a quantidade de calor média
necessária para elevar em 1 grau centígrado a temperatura do corpo dentro de intervalo
de temperatura escolhido. Os valores dos calores específicos se encontram normalmente
já tabelados.

Calor latente de fusão, calor latente de vaporização. As mudanças de estado ocorrem à


temperatura e pressão constantes, mas isto não significa que a substância não necessita
de calor para mudar de estado. Ao contrário, o calor exigido para a mudança de estado é
geralmente muito maior do que o calor sensível para o simples aquecimento. A
passagem do estado sólido para o estado líquido requer o calor necessário à fusão
chamado de calor latente de fusão. A transformação inversa requer teoricamente a
mesma quantidade de calor, porém em vez de ser fornecido à substância, deve ser
retirado. Na transformação do estado líquido para o estado gasoso, este calor recebe o
nome de calor latente de vaporização. A passagem do estado sólido diretamente para o
estado gasoso requer um calor que é teoricamente igual à soma dos calores latentes de
fusão e de vaporização, chamado de calor latente de sublimação.

Pressão de vapor. A pressão de vapor de uma substância no estado líquido ou no estado


sólido é uma propriedade que mede o afastamento que a substância se encontra do ponto
de ebulição. A pressão de vapor aumenta com o aumento da temperatura. Quando a
pressão de vapor se iguala à pressão do meio (ambiente) inicia a ebulição. Esta
propriedade serve como parâmetro para se comparar a volatilidade das várias
substâncias conhecidas. Quanto mais volátil, maior é a sua pressão de vapor. Sólidos
com elevada pressão de vapor, que se igualam à pressão atmosférica antes de atingir o
ponto de ebulição, sublimam à temperatura ambiente.

Viscosidade. Também chamado de coeficiente de viscosidade é a propriedade de um


líquido que mede a sua resistência ao escoamento. A viscosidade é estudada mais
detalhadamente em mecânica de fluidos. ;

Tensão superficial. Uma molécula no interior de um líquido é atraída pelas suas


vizinhas de modo aproximadamente igual e, num intervalo grande de tempo, não
experimenta nenhum desbalanceamento das forças em qualquer direção particular. Nas
moléculas junto à superfície é diferente. Elas possuem moléculas semelhantes apenas
abaixo dela, e nos lados, configurando uma situação de maior energia a estas moléculas.
11

Para remover uma partícula do interior do líquido para a superfície, há necessidade de


fornecer energia. Como a presença de outra molécula na superfície aumenta a área
superficial, segue-se que é necessário um fornecimento de energia para aumentar a área
superfície líquida. Em termos unitários esta energia é chamada de tensão superficial do
líquido e representa a força que as moléculas exercem contra o aumento da área
superficial líquida;

Exercícios
1º. A 25° C, um recipiente rígido e selado é completamente cheio com água (líquido).
Se a temperatura subir em 10°C, qual será a pressão que se desenvolverá no recipiente?
Porque na prática a pressão interna pode não ser igual ao valor determinado?
α = 2,07x10-4 K-1 e κ = 4,5 x 10-5 atm-1
2º. O calor de vaporização da água é de 44,016kJ/mol. O ponto normal de ebulição
(1atm) é de 100°C. Calcule o valor da constante p∞ e a pressão de vapor.
3º. Qual é o argumento que pode ser dado para o fato de que o naftaleno tem uma
pressão mensurável à temperatura ambiente?
4º. Porque se usam líquidos e não gases para fazer teste de resistência mecânica em
tubulações e equipamentos de processos?

Anotações de aula