Você está na página 1de 55

1

FACULDADES INTEGRADAS TIBIRIÇÁ

CONTABILIDADE - B

Prof. José Divanil Spósito Berbel


2

Pensamento:

Onde há entendimento, há: compreensão, tolerância e facilidades.


Onde não há entendimento, há: dúvidas, desconfiança e
dificuldades.

Prezados Alunos (as)

Como resultado do processo de avanço do conhecimento e dos segmentos produtivos da


sociedade em todo o mundo, surgem novas oportunidades empreendedoras em todos os
setores e a conseqüente necessidade de desenvolvimento de novos mecanismos de
controles, mensuração e informações para avaliação de desempenho e tomada de decisões.
Estamos vivenciando o “mundo empreendedor” em sua plenitude; todo investimento é
viabilizado levando-se em conta, em primeiro lugar, o retorno que pode oferecer.

Estamos, também, numa fase em que todas as atividades são executadas dentro do menor
tempo disponível para sua realização. O relógio tornou-se um acessório importantíssimo na
atualidade. Qualquer iniciativa, seja ela qual for, é sempre decidida, prioritariamente, em
função do menor tempo disponível para a sua realização.

Por estar sempre em contacto com esta dura realidade, onde ninguém dispõem de muito tempo,
anteriormente como Estudante, e atualmente como Profissional e Professor de Contabilidade;
resolvi escrever esta apostila com o intuito de facilitar na medida do possível a vida dos
Alunos(as) que estão expostos(as) a esse estressante cenário.

A tendência de abordagem histórica, excesso de informações e linguagem complicada não


foram consideradas neste trabalho.

Desfrutem,

Prof. Berbel
3

PLANO DE CONTAS

O Plano de contas é um elenco ou “rol” de contas destinado ao registro das operações ocorridas em
uma entidade. É composto de quatro grupos:

• ATIVO - CONTAS DEVEDORAS


• PASSIVO - CONTAS CREDORAS
• DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS
• RECEITAS - CONTAS CREDORAS

Estes grupos por sua vez também se dividem em sub grupos, os quais passaremos a analisar:

CIRCULANTE (Bens e direitos realizáveis num prazo inferior a 360 dias)


ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO (Idem, num prazo superior a 360 dias)
PERMANENTE (Investimentos e bens destinados à produção)

Como já vimos anteriormente o ATIVO representa a fonte de investimentos (BENS E


DIREITOS).

CIRCULANTE (Obrigações exigíveis num prazo inferior a 360 dias)


PASSIVO EXIGÍVEL A LONGO PRAZO (Idem, num prazo superior a 360 dias)
RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (Receitas recebidas antecipadamente)
PATRIMÔNIO LÍQUIDO (Capitais próprios)

Como já vimos anteriormente o PASSIVO representa a fonte de financiamentos


(OBRIGAÇÕES).

ADMINISTRATIVAS
DESPESAS: FINANCEIRAS
De VENDAS
DESPESAS NÃO OPERACIONAIS

Despesas: Todo gasto empregado na atividade da empresa.

VENDAS
RECEITAS: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS
FINANCEIRAS
RECEITAS NÃO OPERACIONAIS

Receitas: Todo valor obtido decorrente da venda dos produtos e serviços da sua atividade.
4

MODELO DE UM PLANO DE CONTAS

ATIVO

CIRCULANTE (até 360 dias)


Caixa
Bancos c/ Movimento
Duplicatas a Receber
Títulos a Receber
Aplicações financeiras
Adiantamento a terceiros
Adiantamento a empregados
Mercadorias - Estoque
Despesas do exercício seguinte

REALIZÁVEL A LONGO PRAZO (acima de 360 dias)


Títulos a Receber
Adiantamentos a terceiros
Títulos e valores mobiliários

PERMANENTE
Investimentos
Ações de outras companhias
Terrenos e Imóveis para futura utilização
Imóveis não de uso

Imobilizado
Móveis e Utensílios
Máquinas e Equipamentos
Instalações
Veículos
(-) Depreciação Acumulada

Diferido
Gastos pré - operacionais
Gastos de Implantação de Sistemas e Métodos
Gastos de Reorganização
(-) Amortização Acumulada

PASSIVO

CIRCULANTE (até 360 dias)


Títulos a Pagar
Financiamentos Bancários a curto prazo
Duplicatas a Pagar
Imposto s/ serviços a Recolher
INSS a Recolher
Imposto de Renda a pagar
FGTS a recolher
Ordenados a Pagar
PIS a Pagar

EXIGÍVEL A LONGO PRAZO (acima de 360 dias)


Empréstimos Bancários
Credores Hipotecários
5

Títulos a Pagar

RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS


Receitas de exercícios futuros
( - ) Custos e Despesas correspondentes às Receitas

PATRIMÔNIO LÍQUIDO
Capital
Capital Social
(-) Capital a Integralizar

Reservas de capital
Reserva para aumento de Capital
Doações e Subvenções

Reservas de lucros
Reserva legal
Reservas Estatutárias

Lucros ou prejuízos acumulados


Lucros ou Prejuízos Acumulados

DESPESAS
DESPESAS ADMINISTRATIVAS
Salários e Ordenados
Férias
13° Salário
INSS
F.G.T.S.
Aviso Prévio e Indenizações
Assistência Médica
Seguro Vida em grupo
Seguro Acidente do Trabalho
Honorários da Diretoria
Aluguel
Energia Elétrica
Água
Telefone
Correios
Seguros
Fretes e Carretos
Viagens e Representações
Material de Escritório
Revistas e Publicações
Donativos
Serviços Profissionais de Terceiros

DESPESAS DE VENDAS
Comissões Sobre Vendas
Promoção de Vendas

DESPESAS FINANCEIRAS
Descontos concedidos
Despesas bancárias
Juros pagos

DESPESAS NÃO OPERACIONAIS


Perdas de Capital - Alienação de Imobilizado
6

Perdas de Capital - Alienação de Investimentos

RECEITAS
RECEITAS OPERACIONAIS
Vendas de Mercadorias
Receitas de Serviços
Comissões de Representações

(-) Deduções da Receita


Devoluções e Abatimentos
Impostos sobre Vendas

(-) Custo das Mercadorias e Serviços


Custo das Mercadorias vendidas
Custo dos Serviços prestados

RECEITAS FINANCEIRAS
Descontos Obtidos
Juros Recebidos

RECEITAS NÃO OPERACIONAIS


Ganhos de Capital - Alienação de Imobilizado
Ganhos de Capital - Alienação de Investimentos
Recuperação de Despesas.

Obs. Assim como o construtor precisa de uma planta para fazer uma casa, o contador precisa do plano
de contas para fazer a contabilidade.

EXERCÍCIO
Do plano de contas da Cia “A” constavam as contas abaixo relacionadas. Classifique-as em contas do ATIVO,
do PASSIVO, de RECEITAS, de DESPESAS.

CONTAS CONTAS
Imóveis não de uso Mercadorias - Estoque
Capital Fretes e Carretos
Contas a Pagar Donativos
Vendas de Mercadorias Juros Recebidos
Descontos Obtidos Juros Pagos
Salários e Ordenados Reserva Legal
Financiamento Bancário a Curto Prazo INSS
Títulos a Receber (até 360 dias) Recuperação de Despesas
Duplicatas a Pagar Ordenados a Pagar
Instalações FGTS a Recolher
Descontos Concedidos Bancos c/ Movimento
Duplicatas a Receber Material de Escritório
Caixa Prestação de Serviços
Lucros Acumulados Prejuízos Acumulados
Credores Hipotecários Despesas do Exercício Seguinte
Móveis e Utensílios PIS a Pagar
7

Imposto de Renda a Pagar Férias

LANÇAMENTOS CONTÁBEIS
O registro de uma operação no livro diário denomina-se Partida de Diário ou Lançamento contábil. Ao conjunto dos
lançamentos denominamos ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL.

ELEMENTOS ESSENCIAIS DO LANÇAMENTO:


1. Local e data
2. Conta devedora
3. Conta credora, precedida da preposição “a”
4. Histórico
5. Valor

FÓRMULAS DE LANÇAMENTOS:
1. Uma conta devedora e uma credora
2. Uma conta devedora e mais de uma credora
3. Mais de uma devedora e uma credora
4. Mais de uma devedora e mais de uma credora.

NOÇÕES DE DÉBITO E CRÉDITO


Alertamos os alunos iniciantes, para não confundir termos da linguagem comum, quando usados na terminologia contábil.

Débito na linguagem popular, significa:


- dívida
- situação negativa
- alguém devendo para alguém, etc.

Quando falarmos na palavra débito procure não ligar o seu significado do ponto de vista técnico com o que ela representa na
linguagem comum.

Na terminologia contábil, essa palavra tem significado antagônico. Quando o aluno principiante não se conscientiza disso,
dificilmente aceita que débito pode representar elementos positivos, o que prejudica sensivelmente a aprendizagem.
Portanto, muito cuidado com a terminologia.

Crédito na linguagem coloquial, significa:


- Situação positiva.
- Possuir crédito na praça, poder comprar a prazo, etc.

Na terminologia contábil, a palavra crédito também possui significado oposto. As mesmas observações que fizemos para a
palavra débito aplicam-se à palavra crédito.
8

MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS


FREI LUCA PACIOLI
1494 - VENEZA – ITÁLIA

POSTULADO
“Não poder haver um devedor sem um credor”.
“A cada débito contrapõem-se um crédito”.
“Sempre que surgir um devedor surgirá um credor”.

O princípio é de fácil compreensão; imaginemos que João deve $1.000 a alguém que é o credor; assim temos que: João deve
$1.000 a Pedro. Como se vê, o princípio sobre o qual se assenta o método das partidas dobradas é de fácil compreensão, de
comprovação simples e ao alcance de todos.

Toda vez que debitarmos uma conta, estará ocorrendo uma das seguintes situações:
• Aquisição de direitos;
• Cessação de obrigações;
• Registro de uma despesa;
• Entrada de bens materiais.

Toda vez que creditarmos uma conta, estará ocorrendo uma das seguintes situações:
• Aquisição de obrigações;
• Cessação de direitos;
• Registro de uma receita;
• Saída de bens materiais

Representação gráfica:
DÉBITO: DIREITOS Ø DESPESAS ENTRADA DE BENS MATERIAIS
CRÉDITO: O D RECEITAS SAÍDA DE BENS MATERIAIS

A) EXEMPLOS: Pela constituição de uma empresa= capital $100.000,00


1. Entrada de dinheiro = Caixa = Debitada
2. Aquisição de Obrigação = Capital = Creditado

B) Venda de mercadorias a prazo: $50.000,00


1. Aquisição de direitos - Duplicatas a Receber - Debitada
2. Saída de mercadorias - Vendas - Creditada

C) Pagamento da Duplicata 001 - $20.000,00


1. Cessação de Obrigação - Fornecedores - Debitada
2. Saída de dinheiro - Caixa - Creditada

D) Folha de Pagamento - $20.000,00


1. Despesa - Salário e Ordenados - Debitada
2. Aquisição de Obrigação - Salários a Pagar - Creditada
9

EXERCÍCIO
Efetuar os lançamentos abaixo, justificando o porque das contas devedoras e credoras.
a) Pagamento ao Contador (autônomo) - $2.000,00
b) Depósito junto ao Banco do Brasil S/A - $50.000,00
c) Emissão do cheque 001 - $1.000,00 - reforço de caixa
d) Investimento Fundo de Curto Prazo - Bradesco - $10.000,00
e) Recebimento de comissões através de crédito em conta corrente junto ao Banco do Brasil - $1.000,00
f) Compra de um micro computador a prazo - $2.500,00
g) Compra de mercadorias, à vista - $60.000,00
h) Venda de mercadorias, à vista - $100.000,00
i) Pagamento de duplicata - $25.000,00
j) Compra de mercadorias, a prazo - $30.000,00
k) Recebimento de duplicata - $30.000,00
l) Venda de mercadoria, a prazo - $40.000,00
m) Recebimento por serviços prestados - $80.000,00
n) Pagamento de ordenados - $120.000,00

EXERCÍCIO
Dado os lançamentos abaixo, pede-se informar o fato ocorrido.
a) Caixa
a Bancos c/ Movimento
a Banco do Brasil S/A 5.000,00

b) Fornecedores
a Caixa 2.000,00

c) Ordenados
a Caixa 25.000,00

d) Caixa
a Aluguéis Ativos 10.000,00

e) F.G.T.S.
a Bancos c/ Movimento
a Banco do Brasil S/A 1.000,00

f) Caixa
a Duplicatas a Receber 20.000,00

g) Móveis e Utensílios
a Fornecedores 8.000,00

h) Ações
a Bancos c/ Movimento
a Banco do Brasil S/A 40.000,00

i) Bancos c/ Movimento
a Caixa 20.000,00
10

RESULTADO DO EXERCÍCIO

O resultado do exercício pode ser positivo ou negativo. Se as receitas superarem as despesas houve, no exercício,
um resultado positivo, houve lucro; mas se a soma das despesas for maior que a das receitas então o resultado será
negativo; houve prejuízo.
Assim podemos dizer que RESULTADO DO EXERCÍCIO, é a diferença entre a Receita e a Despesa.
As Receitas constituem os componentes positivos do resultado e as Despesas os negativos.

APURAÇÃO DO RESULTADO

A apuração do resultado é saber se houve lucro ou prejuízo ao final de um período, faz-se através de uma conta
especial denominada “Apuração do Resultado”; para ela devem ser transferidos os saldos de todas as contas de
resultado.
A natureza do saldo da conta de “Apuração do Resultado”, indicará se houve lucro ou prejuízo; se o saldo for credor
houve lucro; se for devedor houve prejuízo.

TRANSFERÊNCIA DAS CONTAS DE DESPESAS PARA APURAÇÃO DE RESULTADOS

As contas de despesas do exercício serão encerradas transferindo-se o saldo de cada conta para “Apuração de
Resultado”.

TRANSFERÊNCIA DAS CONTAS DE RECEITAS PARA APURAÇÃO DE RESULTADOS

As contas de receitas do exercício serão encerradas transferindo-se o saldo de cada conta para “Apuração de
Resultado”.

EXEMPLO:

Vamos supor a seguinte relação de saldos de contas no final do exercício, quando se deseja apurar o resultado do período:

CONTAS SALDOS

DEVEDORES CREDORES
Prestação de Serviços 18.000
Juros Ativos 150
Descontos obtidos 650
Receitas eventuais 200
Ordenados 950
Aluguéis passivos 1.200
Previdência Social 120
Seguro Acidente Trabalho 230
Impostos 300
Despesas diversas 100

A transferência das contas de receitas para a conta “Apuração de Resultados”, faz-se mediante o seguinte lançamento:

São Paulo, 31 de dezembro de 20X0


Diversos
a Apuração de Resultados
Transferência para a conta Apuração de Resultados, dos saldos credores, das seguintes contas de receita:

Prestação de Serviços 18.000


Juros Ativos 150
Descontos obtidos 650
Receitas Eventuais 200 19.000
11

A transferência das contas de despesas para a conta de Apuração de Resultados, faz-se mediante o seguinte lançamento:

São Paulo, 31 de dezembro de 20X0


Apuração de Resultado
a Diversos
Transferência para conta de Apuração de Resultados, dos saldos devedores, das seguintes contas de Despesas:

a ordenados 950
a Aluguéis Passivos 1.200
a Previdência Social 120
a Seguro Acidente de Trabalho 230
a Impostos 300
a Despesas Gerais 100 2.900

Registrando esses dois lançamentos nas respectivas contas de Razão, as contas de despesa e de receita encerrar-se-ão pois
seus saldos foram transferidos para a conta Apuração de Resultados, esta por sua vez apresentará a seguinte posição:

Apuração de Resultados

Diversos (Despesas) 2.900 Diversos (Receitas) 19.000

Lucro 16.100

Pela natureza e valor do saldo, vemos que houve um lucro de $ 16.100.

A ordem dos lançamentos não importa, tanto faz transferir primeiro as despesas como as receitas.

A conta Apuração de Resultado deve ser encerrada também; seu saldo será transferido para uma conta patrimonial de Lucro
ou Prejuízos Acumulados, que pertence ao grupo de Patrimônio Líquido.

EXEMPLO:
São Paulo, 31 de dezembro de 20X0
Apuração de Resultados
a Lucros Acumulados
Valor do lucro líquido apurado neste exercício 16.100

Apuração de Resultado Lucros Acumulados

16.100 16.100 (s.a) 16.100


12

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

Receitas
Prestação de Serviços 18.000
Juros Ativos 150
Descontos obtidos 650
Receitas eventuais 200
19.000
Despesas
Ordenados 950
Aluguéis passivos 1.200
Previdência Social 120
Seguro Acidente Trabalho 230
Impostos 300
Despesas diversas 100
2.900
Resultado do Exercício
16.100

QUADROS RECAPITULATIVOS

O SALDO DA CONTA DE APURAÇÃO DE RESULTADOS

CONTA APURAÇÃO DE SIGNIFICA MOTIVO NO BALANÇO


RESULTADO COM PATRIMONIAL FIGURA
SALDO NO

RECEITA MAIOR QUE


CREDOR LUCRO PATRIMÔNIO LÍQUIDO
DESPESA
RECEITA MENOR QUE PATRIMÔNIO LÍQUIDO
DEVEDOR PREJUÍZO
DESPESA (NEGATIVO)
RESULTADO RECEITA IGUAL A __
ZERO
NULO DESPESA
13

CONTAS NATUREZA DOS SALDOS

DO ATIVO DEVEDORA
DO PASSIVO CREDORA
DE DESPESAS DEVEDORA
DE RECEITAS CREDORA

EXERCÍCIOS

1. Apure o resultado, fazendo os lançamentos adequados, à vista dos elementos abaixo; depois transfira o resultado apurado
para a conta patrimonial apropriada, após preencha a DRE:

Prestação de Serviços 6.500


Juros Ativos 780
Aluguéis Ativos 1.875
Descontos obtidos 145
Ordenados 1.240
Seguros 260
Impostos 450
Aluguéis Passivos 670
Previdência Social 380
Despesas Gerais 100
Gratificações 600
Consumo de luz 80
Consumo de Água 20

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

Receitas

Despesas

Resultado do Exercício
14

Apenas uma alternativa é correta.Identifique-a:

2. A Demonstração do Resultado do Exercício é um relatório contábil que reflete:


a) A variação da situação financeira entre dois momentos diferentes e sua distribuição.
b) O patrimônio líquido em determinado momento e sua distribuição.
c) As despesas e as receitas incorridas entre dois momentos diferentes e consecutivos.
d) As despesas pagas e as receitas recebidas entre dois momentos diferentes e consecutivos e sua distribuição.

3. O Balancete levantado em 31/12 apresenta a seguinte posição: Receitas de Serviços $ 1.400; Despesas de Salários $ 200;
Despesas de Impostos $ 200; Despesas de Material para Escritório $ 200; Despesas de Energia $ 100; Despesas Diversas $
300; Receitas Financeiras $ 100; Descontos Concedidos $ 100.

O encerramento das contas de Receita e Despesa informará que houve:


a) 100 de lucro líquido.
b) 300 de lucro líquido.
c) 400 de lucro líquido.
d) 900 de lucro líquido.
e) 100 de prejuízo.

4. O encerramento de todas as contas de receitas e despesas tem por finalidade a determinação:


a) Do aumento do ativo.
b) Do aumento do passivo.
c) Do lucro bruto.
d) Do lucro líquido.

5 No caso de se apurar um prejuízo no fim do período ( t0..... t1), uma das contas abaixo poderá ser DEBITADA na destinação
desse prejuízo. Assinale-a:
a) Dividendos a Pagar.
b) Imposto de Renda.
c) Receitas Diferidas.
d) Caixa.
e) Lucros Acumulados.

6. No caso de se apurar um lucro no fim do período (t0....t1), uma das contas abaixo poderá ser DEBITADA, na destinação
desse lucro. Assinale-a:
a) Dividendos a Pagar
b) Capital
c) Prejuízos a Amortizar
d) Apuração do Resultado do Exercício
e) Lucros Acumulados

O BALANÇO PATRIMONIAL

É à vista das informações constantes do balancete de verificação que se levanta o Balanço Patrimonial. As contas
patrimoniais com saldos devedores representam os componentes patrimoniais ativos e as contas com saldos credores
representam os componentes patrimoniais passivos. Assim, com os dados do Balancete de Verificação levantado em 31 de
março, pode-se montar o Balanço Patrimonial, classificando cada conta no respectivo grupo, assim:

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MARÇO DE 20X0

ATIVO PASSIVO
15

Os dados do Balanço serão sempre obtidos a partir do Balancete de Verificação, pois os elementos são tirados de suas
colunas. Se o Balanço não “bater”, as causas poderão ser as seguintes:

a) erro nas somas parciais dos grupos do balanço;


b) erro nas somas gerais do balanço;
c) erro na transcrição de importâncias do Balancete para o Balanço.

EXERCÍCIO
Levantar o balancete de verificação das seguintes contas:

Bcos c/ Movimento Móveis e Utensílios Capital

3.000 1.000 5.000


600
1.600

Estoque de Mercadorias Duplicatas a Pagar Duplicatas a Receber

6.000 2.200 6.000 1.300 400


1.300 1.000 900
6.000 3.500 7.000
2.500

Caixa

5.000 600
2.200 3.000
400
7.600 3.600
4.000

BALANCETE DE VERIFICAÇÃO EM 30 DE ABRIL DE 20X0

MOVIMENTO DO MÊS SALDOS


CONTAS
DÉBITO CRÉDITO DEVEDOR CREDOR
16

EXERCÍCIO

Levante o Balanço Patrimonial à vista do Balancete de verificação levantado em 30 de abril de 20X0:

BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE ABRIL DE 20X0

ATIVO PASSIVO

A empresa é obrigada a elaborar um Balanço por ano; o empresário pode, entretanto, além desse Balanço anual, levantar
quantos Balanços quiser durante o ano e nas épocas que quiser.

Recapitulando tudo o que até aqui foi explicado, podemos concluir que o roteiro da escrituração contábil, desde o
documento da operação, até o Balanço Patrimonial, é o seguinte:

DOCUMENTOS

DIÁRIO

RAZÃO

BALANCETE DE VERIFICAÇÃO

BALANÇO

Esse é o roteiro da escrituração contábil de uma empresa; e é exatamente nessa ordem que ela deve ser executada: a
operação é registrada no Diário à vista do documento comprovante; do Diário os elementos são transcritos para o Razão; do
Razão extrai-se o Balancete de Verificação e pelo Balancete, arma-se o Balanço Patrimonial.

CONSIDERAÇÕES SOBRE O BALANÇO

O Balanço consiste em se verificar o equilíbrio existente entre o Ativo e o Passivo de um determinado patrimônio.
O patrimônio pode apresentar-se sobre dois aspectos:

a) Aspecto Dinâmico: quando se acha em movimento durante a gestão do exercício.

b) Aspecto Estático: quando se encontra parado para fins de verificação.


17

Exercício: Procedimentos Contábeis Básicos

Para cada pergunta abaixo propomos várias respostas das quais uma só é a correta. Identifique-a:

1. O Balanço é uma peça contábil que reflete uma situação:


a) Dinâmica.
b) Estática.
c) Estático-dinâmica.
d) Nenhuma delas.

2. Qual dos itens a seguir indica o correto funcionamento do mecanismo do débito e do crédito nas contas de Patrimônio
Líquido?
a) Os aumentos são registrados por créditos e as diminuições por débitos.
b) Os aumentos são registrados por débitos e as diminuições por créditos.
c) Os prejuízos são registrados por créditos e os lucros por débitos.
d) Tudo que “entra” debita, tudo que “sai” credita.

3. As fontes do Patrimônio Líquido são:


a) Os investimentos e os dividendos pagos.
b) O capital inicial e os novos investimentos.
c) Os investimentos dos proprietários e os lucros.
d) O capital inicial e os lucros.

4. Os Balancetes de Verificação são úteis porque:


a) Permitem verificar a correção matemática das contas do Razão.
b) Relacionam todas as contas movimentadas com os respectivos saldos.
c) Evidenciam as faltas de registros de operações.
d) Evidenciam erros de debitar e creditar uma conta em vez de outra.

5. O lançamento de débito na conta de Móveis e Utensílios é efetuado para refletir:


a) Uma diminuição do Passivo.
b) Um aumento do Passivo.
c) Um aumento do Ativo.
d) Uma diminuição do Ativo.

6. Um débito numa conta de Ativo e um crédito simultâneo de igual valor numa conta de Patrimônio Líquido podem
indicar:
a) Contração de uma dívida.
b) Compra de um veículo.
c) Aumento do capital social.
d) Redução de capital.

7. O Patrimônio de uma entidade é definido como conjunto de:


a) Bens, Direitos e Obrigações da entidade.
b) Ativo, Passivo e Situação Líquida da entidade.
c) Débitos e Créditos.
d) Ativo, Passivo, Despesa e Receitas.

8. Um adiantamento de salário concedido a empregado pode ser contabilizado da seguinte forma:


a) Adiantamento a Empregados
a Salários a Pagar

b) Salários a Pagar
18

a Caixa
c) Adiantamentos a Empregados
a Caixa (Bancos)

d) Caixa
a Salários a Pagar

9. O saldo da conta é determinado:


a) Pela soma dos valores debitados.
b) Pela soma dos valores creditados.
c) Pelo valor do último lançamento.
d) Pela diferença entre os valores debitados e creditados.

10. Uma empresa possui Passivo a Descoberto quando:


a) Seu índice de liquidez seco for menor que um.
b) Apresentar má situação financeira.
c) Seu Ativo for menor que o Passivo.
d) O Imobilizado for menor que o Exigível.

11. O Balancete de Verificação da Empresa Gaivota em 31.12.X1 apresentava os saldos das seguintes contas (em $ mil):
Bancos 10; Clientes 20; Capital a Realizar 50; Capital 100; Salários a Pagar 10; Caixa 15; Mercadorias 40; Empréstimos
Obtidos 40; Prejuízos Acumulados 20; Fornecedores 5. Indicar o total do:
a) Balancete de Verificação.
b) Ativo.
c) Passivo.
d) Patrimônio Líquido.

Exercício: Estática Patrimonial

Para cada pergunta abaixo propomos várias respostas das quais uma só é a correta. Identifique-a:

1. A utilização de Lucros Acumulados para aumento do Capital Social da empresa:


a) Aumenta o Patrimônio Líquido.
b) Diminui o Patrimônio Líquido.
c) Não aumenta nem diminui o Patrimônio Líquido.
d) Aumenta o Passivo e/ou diminui o Ativo.
e) Aumenta o Ativo e/ou diminui o Passivo.

2. Qual a alternativa que indica o Capital à disposição da empresa?


a) Capital.
b) Duplicatas a Pagar.
c) Capital + Duplicatas a Pagar.
d) Capital + Lucros Acumulados.
e) Capital + Duplicatas a Pagar + Lucros Acumulados.

3. Determine o Capital de Terceiros:


a) Capital.
b) Duplicatas a Pagar.
c) Capital + Duplicatas a Pagar.
d) Capital + Lucros Acumulados.
19

e) Capital + Duplicatas a Pagar + Lucros Acumulados.

4. Os bens que a empresa possui são representados por contas de:


a) Ativo.
b) Passivo.
c) Compensação.
d) Receita.
e) Despesa.

5. No lado direito do Balanço da Cia. “X”, encontramos as seguintes contas:


Capital, Lucros Acumulados e Duplicatas a Pagar. Qual é o Capital Próprio da Cia “X” ?
a) Capital.
b) Duplicatas a Pagar.
c) Capital + Duplicatas a Pagar.
d) Capital + Lucros Acumulados.
e) Capital + Duplicatas a Pagar + Lucros Acumulados.

6. A liquidação de uma dívida é uma operação que:


a) Diminui o Passivo e o Patrimônio Líquido e aumenta o Ativo.
b) Diminui o Passivo e o Ativo.
c) Aumenta o Ativo e diminui o Passivo.
d) Diminui o Ativo e o Passivo e aumenta o Patrimônio Líquido.
e) Diminui e aumenta o Patrimônio Líquido.

7. Qual das alterações a seguir é determinada pela compra de um veículo a prazo, na soma do Balanço Patrimonial?
a) Aumento do Ativo e diminuição do Passivo.
b) Aumento do Passivo e diminuição do Ativo.
c) Aumento do Ativo e aumento do Passivo.
d) Diminuição do Ativo e diminuição do Passivo.
e) Não altera a soma do Ativo nem a do Passivo.

8. A ocorrência de um desfalque de caixa é um evento que afeta o patrimônio da seguinte forma:


a) Diminui o Ativo e aumenta o Ativo.
b) Diminui o Ativo e diminui o Passivo.
c) Aumenta o Passivo e diminui o Patrimônio Líquido.
d) Diminui o Ativo e diminui o Patrimônio Líquido.
e) Diminui o Patrimônio Líquido e diminui o Passivo.

9. A empresa Calamares Ltda. Possuía entre seus ativos um veículo cujo valor contábil era de $ 50.000. Referido veículo foi
roubado e, ao se pegar a apólice de seguro nos arquivos para solicitar indenização à Seguradora, descobriu-se que a
mesma estava vencida e que não foi renovada por uma falha nos controles. A empresa havia comprado esse veículo a
prazo e ainda devia $ 18.000 relativos a essa aquisição. O efeito desse evento no Balanço da empresa é:

No Ativo: Aumento/redução de $ ______________

No Passivo: Aumento/redução de $ ______________

No Patrimônio Líquido: Aumento/redução de $ ______________


20

10. A empresa Comercial Horizonte Azul Ltda. Foi constituída por três sócios, que
integralizaram de imediato o capital de $ 250.000, como segue:

João da Silva - $ 100.000


Pedro Pereira - $ 50.000
José Araújo - $ 100.000
$ 250,000
=======
Após determinado período, o histórico de resultados da empresa era o seguinte: Lucros
auferidos nas operações: $ 200.000, dos quais apenas $ 50.000 foram distribuídos e pagos aos
sócios. Os restantes $ 150.000, por decisão dos próprios sócios, foram reinvestidos na empresa
(considere-se que estão registrados numa conta intitulada Reserva para Aumento de Capital e
que o Patrimônio Líquido no dia 31-12-20x5 é de $ 400.000, formado exclusivamente pela
conta Capital e essa Reserva).
Nessa oportunidade, Pedro Pereira decide retirar-se da sociedade, vendendo sua participação
aos dois outros sócios, pelo valor patrimonial.

Pede-se informar:

a) Qual o valor que o Sr. Pedro Pereira deve receber pela venda de sua participação na
sociedade?

b) Qual o valor do Patrimônio Líquido da empresa após a retirada do sócio Pedro Pereira?
21

11. O balancete de verificação da Oficina Mecânica São José Ltda., em 30-11-20x9, era
composto pelas seguintes contas:

Caixa 6.900 Receita de Serviços 1.600


Peças p/ reparo (estoque) 3.500 Despesas de Salários 800
Capital 8.000 Despesas Gerais 200
Contas a Pagar 1.300 Despesas de Publicidade 100
Receitas Antecipadas (REF) 600

A empresa em questão, no mês de dezembro, realizou as seguintes operações:

Dia:
01 - Comprou veículos, a vista, por $ 1.600;
05 - Liquidou contas a pagar, no valor de $ 300;
10 - Pagou antecipadamente despesas de publicidade, no valor de $ 200;
22 - Recebeu receitas de serviços, no valor de $ 600;
30 - Pagou despesas gerais, no valor de $ 100.

Os dados para ajustes, referentes ao mês de dezembro, são os seguintes;


1 - Serviços prestados a receber, $ 400;
2 - Despesas de salários a pagar, $ 200;
3 - Das despesas pagas antecipadamente, $ 50 são despesas de publicidade do mês;
4 - Das receitas antecipadas (REF), $ 200 referem-se ao exercício.

Pede-se:
1. Transportar os saldos de 30/11/20x9 para os razonetes;
2. Lançar no diário e razonetes a movimentação de dezembro e ajustes, bem como
providenciar as partidas de encerramento;
3. Preparar a Demonstração do Resultado do exercício para o período de 20x9 e o Balanço
Patrimonial em 31.12.20x9.

Obs.
Além das que compõem o balancete inicial, utilizar as seguintes contas: Despesas pagas
antecipadamente, Veículos, Contas a Receber, Salários a Pagar, Apuração do Resultado do Exercício
(ARE), Lucros ou Prejuízos Acumulados (LPA).
22

REGIME DE COMPETÊNCIA E REGIME DE CAIXA


O regime de competência vincula-se à incorrência dos fatos, já o regime de caixa do recebimento ou pagamento dos
mesmos.

DESPESAS INCORRIDAS E NÃO PAGAS

Por ocasião do balanço geral, ou mensalmente, deve-se apropriar todas as despesas incorridas, embora não pagas, de
competência do período. Tal modalidade é uma exigência de ordem fiscal, outrossim, tem por finalidade também
apresentar a realidade econômica empresarial. Quando se fala em apropriação, deve-se entender que os valores
apropriados serão obrigatoriamente contabilizados.

EXEMPLO:
São Paulo, 31 de dezembro de 20X0
Ordenados
a Ordenados a Pagar
vr. folha pagto deste mês 50.000,00

EXERCÍCIO

Apropriar os seguintes fatos de dezembro a serem pagos em janeiro:


⇒ Aluguel
⇒ Imposto sobre serviço
⇒ Honorários do Contador
⇒ Conta de telefone

DESPESAS PAGAS E NÃO INCORRIDAS

Despesas pagas e não incorridas, da mesma forma que as despesas incorridas e não pagas, deve-se apropriar e
conseqüentemente contabilizar os valores de competência do exercício, excluindo-se a parcela correspondente a
exercícios futuros. Quando se fala em exclusão quer se entender que será transportado da despesa efetiva do exercício
para uma conta que indicará tratar-se de despesa do exercício seguinte pago antecipadamente.

EXEMPLO:
São Paulo, 01 de julho de 20X0
Despesa de Seguros
a Caixa
Pago a Cia Paulista, prêmio constante da apólice X, para o período de 01.07.X0 a 30.06.X1 12.000,00

Despesa de Seguros Caixa

12.000 12.000

São Paulo, 31 de dezembro de 20X0


Despesas do Exercício seguinte
a Despesa de Seguros
vr. de 6/12 do seguro contra incêndio ref. apólice da Cia Paulista a vencer em 30.06.X1 6.000,00
23

Despesa de Seguros Despesa do Exercício Seguinte

(sd) 12.000 6.000 6.000

RECEITAS INCORRIDAS E NÃO RECEBIDAS

Para encerramento do Balanço geral, ou mensalmente, deve-se apropriar todas as receitas incorridas e não recebidas de
competência do exercício que se está encerrando. Essas receitas, como é óbvio deverão ser contabilizadas para que o
Balanço traduza a realidade empresarial.

EXEMPLO:
São Paulo, 31 de dezembro de 20X0
Contas a Receber
a Aluguéis Ativos
vr. Aluguel do imóvel X, deste mês 5.000,00

EXERCÍCIO

Apropriar os seguintes fatos incorridos em dezembro a ser recebido em janeiro.


♦ Comissões
♦ Juros
♦ Serviços prestados

RECEITAS RECEBIDAS E NÃO INCORRIDAS

Antes do encerramento do Balanço, deve-se contabilizar todas as receitas recebidas e não incorridas, caso estas por
qualquer equívoco não tenham sido contabilizadas.

São Paulo, 31 de dezembro de 20X0


Caixa
a Resultado de Exercícios futuros
vr. recebido do Sr. Leão Passarinho ref. ao mês de janeiro de 20X1 1.500,00

Entretanto se foram contabilizadas como receitas do exercício que se está encerrando dever-se-a fazer a apropriação da
parte que pertence ao exercício vincendo e ao exercício vencido. A parte a vencer deverá ser classificada como
resultado de exercício futuro.

São Paulo, 31 de dezembro de 20X0


Caixa
a Juros Ativos
vr. recebido do Sr. Issac da Silva ref. aos meses de dez/X0 e jan/X1, a razão de 5.000,00, ao mês 10.000,00

AJUSTE

São Paulo, 31 de dezembro de 20X0


Juros Ativos
a Resultado de Exercícios Futuros
Transferência para efeito de balanço do valor recebido do Sr. Issac da Silva,
ref. ao mês de janeiro de 20X1 5.000,00

EXERCÍCIO
Efetuar os lançamentos com base nas seguintes situações:
• O aluguel do mês de dezembro/X0 incorrido e não pago $3.000;
24

• Da despesa de seguros, $2.000,00; pertencem ao exercício seguinte;


• Comissões do mês de dezembro/X0, incorridas porém não recebidas $6.000;
• Da receita de juros, $5.000,00, pertencem ao exercício seguinte.

Apenas uma alternativa é correta. Identifique-a:

1. Materiais adquiridos no período n° 1, pagos no período n° 2 e gastos no período n° 3 serão apropriados na


“Demonstração de Resultado” do:
a) Período n° 1.
b) Período n° 2.
c) Período n° 3.
d) Nenhum deles.

2. A partida de Diário “Despesas de Salários a Salários a Pagar” caracteriza:


a) Uma despesa antecipada e não paga.
b) Uma despesa incorrida e paga.
c) Uma despesa incorrida e não paga.
d) Nenhuma das alternativas anteriores.

3. Receita Antecipada deve ser entendida como uma receita:


a) Ganha e ainda não contabilizada.
b) Ganha e ainda não recebida.
c) Recebida e ainda não contabilizada.
d) Recebida e ainda não ganha.

5. Os lançamentos de ajustes, no fim do período, são efetuados:


a) Porque são obrigatórios.
b) Para que os demonstrativos contábeis reflitam, o mais corretamente possível, a verdadeira situação da empresa.
c) Para satisfazer o regime de competência e de caixa.
d) Para reduzir o imposto a pagar.

6. A firma que encerra seu exercício em 31 de dezembro e efetua o pagamento dos salários de dezembro somente em
janeiro, deixando de efetuar o lançamento de ajuste, pelo regime de competência de exercícios, terá como conseqüência:
a) Aumento de lucro no exercício.
b) Aumento de saldo do caixa.
c) Aumento das obrigações.
d) Diminuição do saldo de caixa.
e) Diminuição do lucro no exercício.

7. As despesas incorridas, mas não pagas dentro do exercício, provocam, para a empresa que contabiliza suas operações
pelo regime de caixa:
a) Um passivo maior que o real e lucro maior que o real.
b) Um passivo menor que o real e lucro maior que o real.
c) Um ativo maior que o real e lucro maior que o real.
d) Um ativo maior que o real e lucro menor que o real
e) Um ativo maior que o real e um passivo menor que o real
25

DEPRECIAÇÃO
Como o Imobilizado, com exceção dos terrenos, tem vida limitada: Máquinas, veículos e prédios, torna-se necessário
transformá-lo gradualmente em despesa.
A depreciação é um processo de conversão do equipamento técnico, em custo. A depreciação é efetuada para atender o
desgaste e obsolescência do bem. O desgaste decorre do uso; a obsolescência da evolução tecnológica que faz com que o
equipamento perca valor.
O Regulamento do Imposto de Renda (R.I.R), estabelece um máximo de 10%, para a depreciação anual de Móveis e
Utensílios, Instalações, Máquinas, etc, e de 20% para veículos.
Em casos especiais estas taxas podem ser aumentadas mediante comprovação perante a Secretaria da Receita Federal.

EXEMPLO: VALOR TAXA DEPRECIAÇÃO

Móveis e Utensílios 120.000,00 X 10% 12.000,00

LANÇAMENTO
São Paulo, 31 de dezembro de 20X1
Despesa de Depreciação
a Depreciação Acumulada
Pela depreciação de móveis e utensílios a razão de 10% s/ o saldo da conta 12.000,00

Obs. Se a empresa adquirir bens patrimoniais no meio do exercício a depreciação deverá ser calculada proporcionalmente.

EXERCÍCIO
Calcular e contabilizar a depreciação dos seguintes bens em 31.12.20X0.
• Instalações adquiridas em janeiro/X0 = $80.000,00
• Veículos adquiridos em mar/X0 = $200.000,00
• Mov. e Utensílios adquirida em jul./X0 = $10.000,00

AMORTIZAÇÃO
A amortização quantifica a perda de valor dos bens incorpóreos ou intangíveis.
As patentes de invenção e os direitos autorais são exemplos de bens intangíveis.
Suponhamos uma patente que cairá em domínio público num prazo de 6 anos. Tal patente foi adquirida por $120.000,00.
Anualmente será deduzida da conta Marcas e Patentes a importância de $20.000,00 (120.000 ÷ 6 anos).
É importante frisar que os bens intangíveis pertencem ao imobilizado pois são investimentos feitos em caráter permanente.
Os gastos pré-operacionais ou as chamadas despesas de instalação são também amortizadas. Tais contas constam do Ativo
Diferido, posto que tem caráter de despesas diferidas.

EXEMPLO
São Paulo, 31 de julho de 20X0
Gastos pré-operacionais
a Caixa
Despesas c/ legalização de nossa empresa conforme comprovantes 2.400,00

PELA AMORTIZAÇÃO
São Paulo, 31 de dezembro de 20X0
Despesas de Amortização
a Amortização acumulada
Amortização de 10%, sobre os gastos com legalização de empresa e na base de 1/12, nos termos da lei 20,00
26

EXERCÍCIO
Calcular e contabilizar a amortização anual do direito de uso de uma determinada invenção, a saber:
- custo $150.000,00 - prazo de 10 anos.
EXAUSTÃO
A exaustão se refere à redução de RECURSOS NATURAIS.
A exaustão é utilizada em jazidas de minério, poços de petróleo, reservas florestais, etc.

EXEMPLIFICANDO
• Valor de custo de uma jazida de minério de ferro - $1.000.000,00.
• Estimativa da reserva da jazida = 10.000.000 toneladas.

CÁLCULOS:
$1.000.000,00 ÷ 10.000.000 t = $ 0,10 por tonelada.

Assim, cada tonelada extraída reduzirá o valor da jazida em $0,10; a exaustão virá refletir estas reduções.
Se em determinado período forem extraídas 500.000 t. a quota de exaustão para aquele exercício será de:
500.000 X 0,10 = $50.000,00

EXEMPLO
São Paulo, 31 de outubro de 20X0
Direito de Exploração de Recursos Naturais
a Bancos Conta Movimento
Aquisição do Direito de exploração de Recursos Naturais 1.000.000,00

PELA AMORTIZAÇÃO
São Paulo, 31 de dezembro de 20X0
Despesas de Exaustão
a Exaustão acumulada
Pela exaustão decorrente da extração de 500.000 toneladas do produto X. 50.000,00

EXERCÍCIO
Calcular, contabilizar a exaustão anual do direito de exploração de recursos naturais.
• Valor de custo de uma jazida de minério de ferro - $2.000.000,00.
• Estimativa da reserva da jazida = 10.000.000 toneladas.

CÁLCULOS:
$ ÷ t = $ por tonelada.

Assim, cada tonelada extraída reduzirá o valor da jazida em $ ; a exaustão virá refletir estas reduções.
Se em determinado período forem extraídas 500.000 t. a quota de exaustão para aquele exercício será de:
t X $ = $

Contabilização:
27

A Contabilidade necessita transformar em despesa toda perda de valor. Daí a necessidade de:
Depreciar - (Bens Tangíveis)
Amortizar - (Bens Intangíveis)
Exaurir - (Recursos Naturais)
OPERAÇÕES COM MERCADORIAS

Empresa Comercial:

COMPR VEND
A E

RESULTADO BRUTO COM MERCADORIAS

O RCM é a diferença total entre as Receitas obtidas pelas Vendas e o Custo dessas mercadorias que
foram vendidas. Essa diferença denomina-se “Lucro Bruto”. Após levarmos em consideração as demais
Receitas e Despesas da Cia., obtemos o “Resultado Líquido do Exercício”.

Resultado com Mercadorias = Vendas – Custo das Mercadorias Vendidas

Resultado Líquido do Exercício = (Resultado com Mercadorias + Outras Receitas –


Outras Despesas)

Exemplo:
Demonstração do Resultado do Exercício de 20x3
Vendas 200.000
(-) Custo das Mercadorias Vendidas (150.000)
(=) Resultado Com mercadorias 50.000 Lucro Bruto
(+) Receitas de Aluguéis 1.000
51.000
Despesas:
Administrativas 18.000
Financeiras 3.000 (21.000)
Resultado Líquido do Exercício 30.000 Lucro Líquido

Obviamente que se o Resultado Bruto for favorável, isto é, as Vendas forem maiores do que o Custo
das Mercadorias Vendidas, teremos Lucro Bruto com Mercadorias. Se for desfavorável, teremos
Prejuízo com Mercadorias.

No final, após considerarmos as demais Receitas e Despesas, será obtido o Resultado Líquido do
Exercício que pode ser Lucro líquido ou Prejuízo do Exercício.

O INVENTÁRIO
28

Inventário é a verificação da existência física de todos os bens, direitos e obrigações que compõe o
patrimônio de uma determinada empresa.
O inventário pode ser geral ou parcial.
O Geral abrange todos os bens, direitos e obrigações e é usado por ocasião do balanço geral.
O Inventário Parcial quando abrange uma ou algumas das partes do patrimônio, e é usado para fins de
auditoria.
O Inventário compõe-se das seguintes etapas:

1° INVESTIGAÇÃO: consiste na verificação física feita “in loco”, da existência do que se vai
inventariar.

2° APONTAMENTOS: consiste na elaboração de listas (relações) dos valores inventariados,


discriminando-se a unidade, a quantidade e a qualidade.

3° AVALIAÇÃO: consiste em colocar o valor de cada um dos bens inventariados, apurando-se em


seguida o total de cada item e o total geral do inventário.

Classificação:
- Inventário Periódico;
- Inventário Permanente.

INVENTÁRIO PERIÓDICO
Ocorre quando efetuamos as vendas sem ter controle paralelo do nosso estoque, portanto sem controlar
o Custo das Mercadorias Vendidas.
Quando formos apurar o R.C.M. (Resultado Bruto com Mercadorias ou Resultado com Mercadorias),
obtemos o CMV (Custo das Mercadorias Vendidas) pela diferença entre as mercadorias disponíveis
para venda e nosso estoque final na época.

Exemplo:

E.I (Estoque Inicial) = $ 18


C (Compras) = $ 10
V (Vendas) = $ 20
E.F. (Estoque Final) = $ 12

APURANDO O CMV

CMV = (EI + C – EF)


CMV = (18 + 10 – 12)
CMV = 16
29

CONTABILIZAÇÃO

1- Transportar para CVM o Estoque Inicial de Mercadorias

CVM
a Mercadorias (estoque) .....................................................$ 18

2- Transportar o saldo de Compras para CVM

CVM
a Compras ..........................................................................$ 10

3- Transportar para a conta de Estoque de Mercadorias o EF. Que será o inicial do exercício seguinte,
subtraindo do CMV., pois não foram vendidas.

Mercadorias (estoque)
a CVM ...............................................................................$ 12

APURANDO O RCM

RCM = (V – CMV)

RCM = (20 – 16)

RCM = 4

CONTABILIZAÇÃO

4 - Transportar o saldo da conta Vendas para RCM

Vendas
a RCM ............................................................................... $ 20

5 - Transportar o saldo da conta CMV para RCM

RCM
a CMV ................................................................................$ 16

OBS.
6 – A conta RCM é uma conta de resultado, que deverá ser encerrada no final do exercício, na conta
ARE (Apuração do Resultado do Exercício).

RCM
a ARE ................................................................................$ 4
30

EXERCÍCIOS
1. A Cia Comercial Perdizes Ltda., apresentou os seguintes dados no final do exercício:

A) Mercadorias:
Estoque Inicial $ 67.000,
Compras $ 123.000,
Vendas $ 98.000,
Estoque Final $ 105.000,

B) Outras Receitas e Despesas:


Receita Financeira $ 5.000,
Despesa de Salários $ 10.000,
Despesa de Aluguel $ 3.000,
Despesa de Condução $ 300,
Despesa de Juros $ 200,
Despesa de Água $ 1.500,

Pede-se:
Calcular o CMV
Calcular o RCM
Montar a Demonstração do Resultado na forma dedudiva.

2. Identificar a resposta correta para as várias que propomos a seguir:

A Metalúrgica Invertida Ltda., que utiliza o sistema de Inventário Periódico com três contas
básicas, as quais têm os seguintes saldos: Mercadorias $ 12.000, Compras $ 127.000 e Vendas
$ 237.000, apurou um Lucro Bruto de $ 98.000.

Qual o Estoque Final apurado extra-contabilmente (inventário) ?


a) Nulo (não há estoque).
b) $ 498.000.
c) $ 122.000.
d) $ 139.000.
e) Os dados fornecidos não permitem apurar o estoque final.
31

INVENTÁRIO PERMANENTE

Esta prática consiste em se controlar o inventário de forma contínua, dando-lhe baixa, em cada venda,
pelo custo dessas Mercadorias Vendidas (CMV).
Esse controle é efetuado permanentemente sobre as Mercadorias que estiverem à disposição para
venda. Isto é, esse controle é efetuado sobre as Mercadorias Vendidas (CMV) e sobre as Mercadorias
que não foram vendidas (Estoque Final). Pela Soma dos Custos de todas as Vendas, teremos o Custo
das Mercadorias Vendidas.
Este sistema é muito utilizado principalmente pelas empresas de porte.

Contabilização:
Esse sistema parte da premissa que deveremos registrar todas as compras diretamente na conta
Mercadorias Estoque.

Contabilização na compra:

Mercadorias Estoque
a Caixa

Na venda, porém, há necessidade de dois lançamentos:

Caixa
a Venda (pelo valor da Nota Fiscal)

Custo das Mercadorias Vendidas


a Mercadorias

Após cada operação de Venda e sua contabilização, teremos a conta de Vendas atualizada, a de CMV
com o total do custo acumulado até a data e a de Mercadorias refletindo o valor exato do estoque.

Exemplo: Uma empresa possui estoque de Mercadorias no valor de $ 20.000, e vende a metade dele
por $ 15.000, a vista, temos:

a) Caixa
a Vendas ................................................................... 15.000,

b) Custo das Mercadorias Vendidas


a Mercadorias ............................................................ 10.000,
32

Registro de Estoque

O Sistema de Inventário Permanente permite que o controle de estoque de Mercadorias pode ser
simplificado com o uso de uma Ficha de Estoque.
Imaginemos a seguinte movimentação de Mercadorias:

01/10/20x2 - Estoque Inicial de Mercadorias de $ 10.000, – dez unidades a $ 1.000, cada.


08/10/20x2 - Venda de seis unidades por $ 8.000,
14/10/20x2 - Compra de quatro unidades a $ 1.000, cada uma
21/10/20x2 - Venda de seis unidades por $ 8.500,

Vejamos como ficariam os registros na Ficha de Estoque:

Ficha de Controle de Estoque


Produto: X
Código: y
Entrada Saída Saldo
Data Quanti- Vr. Total Quanti- Vr. Total Quanti- Vr. Total
20X2 dade Unitário dade Unitário dade Unitário
01/10 10 1.000 10.000,
08/10 6 1.000, 6.000, 4 1.000 4.000,
14/10 4 1.000 4.000, 8 1.000 8.000,
21/10 6 1.000, 6.000, 2 1.000 2.000,
Total 4 4.000, 12 12.000, 2 2.000,

Utilizando a ficha, além de termos o Estoque final a qualquer momento, podemos também lançar o
custo das mercadorias vendidas uma única vez, pelo total da ficha.

CMV
a Mercadorias Estoque ..................................................... 12.000,
33

EXERCÍCIO

A Cia Marítima realizou as seguintes operações com mercadorias:

O estoque inicial estava constituído por 300 unidades a $ 100 cada uma.

1 . Compra de 200 unidades a $ 100 cada uma;


2 . Venda de 250 unidades a $ 200 cada uma;
3 . Compra de 300 unidades a $ 100 cada uma;
4 . Venda de 400 unidades a $ 220 cada uma;

Pede-se:
• Preencher a Ficha e Calcular o valor do Estoque.

Ficha de Controle de Estoque


Método: PEPS (Fifo)
Produto: X
Entrada Saída Saldo
Opera- Quanti- Vr. Total Quanti- Vr. Total Quanti- Vr. Total
ção dade Unitário dade Unitário dade Unitário
EI 300 80, 24.000,
C

Totais
34

Compras
A empresa poderá adquirir mercadorias de várias espécies. Essas mercadorias ficam estocados no
almoxarifado. Assim, nas compras, debita-se uma conta representativa da compra e credita-se a Conta
Patrimonial correspondente (caixa, bancos, fornecedores etc.).

Exemplo:
A Comércio de Móveis São João adquiriu do fornecedor Madeiras Brasil S/A, 100 estantes de mogno,
por R$ 90.000,00 pagou mais $ 6.000,00 de Frete e $ 4.000,00 de Seguro.

Contabilização no livro Diário:


Compras de Mercadorias
a Bancos Conta Movimento
Pagto NF 4.580, do fornecedor Madeiras Brasil S/A ,
a 100 estantes de mogno ................................................. 90.000,00
Pagto do Frete .................................................................. 6.000,00
Pagto do Seguro ............................................................... 4.000,00 100.000,00

Obs. As despesas acessórias, tais como: frete, seguro, imposto de importação, taxas alfandegárias e
outros impostos não recuperáveis, etc., devem ter seus valores considerados no estoque, somado ao
valor dos materiais adquiridos.

Devolução de Compras

Ao chegar a mercadoria, constatou-se que oito estantes estavam foram das especificações do pedido, $
8.000,00; cinco estavam avariadas, sendo que o fornecedor concedeu um abatimento de $ 2.000,00.

Contabilização no livro Diário:

Bancos Conta Movimento


a Devolução de Compras............................................................ 8.000,00

Vendas
A empresa normalmente vende mercadorias de várias espécies. Essas mercadorias saem do estoque e
são entregue aos clientes. Assim, nas vendas, debita-se uma conta do Ativo Circulante (caixa, Clientes,
Duplicatas a Receber) e credita-se a Conta de Vendas.

Exemplo:
A Comercial Ipiranga vendeu para sua cliente Cia J. Moralez, 200 aparelhos de Som, no valor de $
1.000,00 cada, total $ 200.000,00.

Contabilização no livro Diário:

Bancos Conta Movimento


a Venda de Mercadorias
Rcto NF 3.450, do cliente Cia J. Moralez........................................... 200.000,00
35

Devolução de Vendas
Quando as mercadorias chegaram na Loja da Cia J. Moralez, foi constatado que vinte aparelhos
estavam em desacordo com a especificação do pedido, $ 20.000,00.
Dez estavam avariadas, sendo que foi concedido um abatimento de, $ 3.000,00.

Lançamento no livro Diário:

Devolução de Vendas
a Bancos Conta Movimento........................................................... 20.000,00

Impostos incidentes sobre as compras e vendas


Devem ser excluídos dos valores dos materiais adquiridos os valores dos impostos que forem
recuperáveis por ocasião da venda dos produtos.

ICMS – Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre a Prestação de


Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação.
É um imposto de competência estadual. É considerado imposto por dentro, porque o seu valor está
incluído no valor das mercadorias. Para a maioria das mercadorias, nas operações realizadas dentro do
estado a alíquota está em torno de 17%.

Exemplo:
A empresa Industrial Itaberaba Ltda, comprou da empresa Comercial Perdizes S/A, 2.000 caixas para
acondicionar seus produtos, tendo pago R$ 1.000,00 conforme NF 234, com ICMS incluso no valor de
R$ 170,00.

Corpo da Nota Fiscal:


Descrição das mercadorias Valor IPI

2.000 caixas de papelão 1.000,00 -

Sub-total 1.000,00 -

Total 1.000,00

ICMS incluído no preço da mercadoria 170,00


36

Contabilização no livro Diário:

Diversos
a Caixa
Compra de material de embalagem conforme NF 234,
da Comercial Perdizes S/A
Estoque de Materiais de Embalagem
Valor líquido referente a 2.000 caixas.......................... 830,00
ICMS a Recuperar
17% conforme NF 234 ................................................. 170,00 1.000,00

Suponhamos que, nesse mesmo mês, a empresa Industrial Itaberaba Ltda. tenha efetuado apenas
a seguinte venda:

Venda de mercadorias, conforme Nota Fiscal nº 435, à vista, no valor de R$ 4.000, ICMS destacado na
NF. $ 680.

Contabilização no livro Diário:

Caixa
a Vendas
Nossa NF nº 435 ........................................................................................ 4.000,00

ICMS Sobre Vendas


a ICMS a Recolher
Valor do ICMS incidente conforme NF 435 ............................................. 680,00

No final do mês verificamos que a Conta ICMS a Recuperar ficou com um saldo credor de $ 510, o
qual deverá ser recolhido. Nesse caso deveremos transferir este valor para a conta de ICMS a Recolher

ICMS a Recuperar
a ICMS a Recolher
Transferência efetuada tendo em vista o valor de ICMS a ser
recolhido ao Governo Estadual, conf. livro Registro de Apu-
ração do ICMS, Fl. 15.................................................................................. 510,00
37

IPI – Imposto Sobre Produtos Industrializados.


É um imposto de competência federal exigido principalmente das empresas industriais. É considerado
imposto por fora, pois o seu cálculo é feito sobre o valor dos produtos ao qual é adicionado.
O IPI é calculado mediante aplicação de uma alíquota sobre o valor dos produtos. Essa alíquota varia
em função do tipo do produto.

Exemplo:
A Indústria Metalúrgica Londrina Ltda., efetuou uma compra de Bobinas de aço do fornecedor Cia
Vale do Rio Doce, conf. NF 122.
O valor das mercadorias foi de R$ 100.000,00. Com IPI calculado pela alíquota de 10%, importando o
total da NF em R$ 110.000,00. O ICMS destacado na Nota foi de R$ 17.000, Pagamento à vista
através de cheque.

Corpo da Nota Fiscal:


Descrição das mercadorias Valor IPI

1.500 maços de pregos 100.000,00 10.000,00

Sub-total 100.000,00 10.000,00

Total 110.000,00

ICMS incluído no preço da mercadoria 17.000,00

Contabilização no livro Diário:

Diversos
a Bancos Conta Movimento
Nossa Compra de bobinas de aço da Cia Vale do Rio Doce,
conf. NF 122:
Estoque de Mercadorias
Valor líquido .................................................................... 83.000,00
ICMS a Recuperar
17% conf. NF supra .......................................................... 17.000,00
IPI a Recuperar
10% conf. NF supra .......................................................... 10.000,00 110.000,00
38

Imaginemos agora que a Indústria Metalúrgica Londrina Ltda., tenha efetuado esta venda:

Valor dos produtos: $ 120.000,00


IPI cobrado: $ 12.000,00
Valor total da NF: $ 132.000,00
ICMS incluso: $ 20.400,00

Contabilização no livro Diário:

Caixa
a Diversos
a Venda
Valor da receita bruta de vendas ............................................ 120.000,00
a IPI a Recolher
Valor do IPI conforme NF supra ........................................... 12.000,00

ICMS s/ Vendas
a ICMS a Recolher
17% sobre o valor da venda .................................................. 20.400,00

Analisando as duas operações constatamos que:

• Temos um saldo Devedor na Conta ICMS a Recuperar de $ 17.000,00 e um saldo Credor na


Conta ICMS a Recolher de 20.400,00. Isto quer dizer que a empresa deverá recolher ao
Governo Estadual a diferença de $ 3.400,00. Nesse caso deveremos fazer o seguinte lançamento
contábil:

ICMS a Recolher
A ICMS a Recuperar
Transferência do valor para apuração do valor a ser recolhido
Ao Governo Estadual, conf. Livro de apuração de ICMS fl. 37 ..........17.000,00

• Temos um saldo Devedor na Conta IPI a Recuperar de $ 10.000,00 e um saldo Credor na Conta
IPI a Recolher de $ 12.000,00. Isto quer dizer que a empresa deverá recolher ao Governo
Federal a diferença de $ 2.000,00. Nesse caso deveremos fazer o seguinte lançamento contábil:

IPI a Recolher
a IPI a Recuperar
Transferência do valor para apuração do valor a ser recolhido
ao Governo Federal, conf. livro de apuração de IPI, fl. 15 ......... 10.000,00
39

EXERCÍCIOS

A Cia Santa Marina S/A., efetuou uma compra de Vidro do fornecedor Cia Ubatuba Ltda, conforme
NF 888.
O valor das mercadorias foi de R$ 1.000.000,00. Com IPI calculado pela alíquota de 8%, importando o
total da NF em R$ 1.080.000,00. O ICMS destacado na Nota foi de R$ 170.000, Pagamento à vista
através de cheque.

Imaginemos que a Cia Santa Marina S/A., tenha efetuado esta venda:
Valor dos produtos: $ 1.400.000,00
IPI calculado e cobrado: $ 112.000,00
Valor total da NF: $ 1.512.000,00
ICMS incluso: $ 238.000,00

Pede-se:
• Contabilizar as duas operações efetuadas pela Cia Santa Marina S/A.
• Demonstre através de Razonetes “T” o valor do ICMS e IPI a ser recolhido aos cofres
públicos.
40

Apenas uma alternativa é correta.Identifique-a:

1. A empresa Pardal apresentou o seguinte movimento de mercadorias:

Estoque Inicial $ 1.200


Compras $ 1.500
Devolução de Vendas $ 100
Estoque Final $ 1.400
Devolução de Compras $ 200
Vendas $ 1.600

O Lucro Bruto foi de:

a) $ 100.
b) $ 200.
c) $ 300.
d) $ 400.
e) $ 500.

2. Calcule o Lucro Líquido de uma empresa que apresenta os seguintes registros contábeis em seu
movimento mercantil: Estoque Inicial $ 1.200; Compras $ 1.500; Devolução de Vendas $ 100;
Estoque Final $ 1.400; Devolução de Compras $ 200; Vendas $ 1.600; Despesas Administrativas $
40; Despesas Financeiras $ 60.

a) $ 100.
b) $ 200.
c) $ 300.
d) $ 400.
e) $ 500.

3. O lucro bruto é definido como:

a) O excesso das Receitas sobre as Despesas.


b) A diferença entre o valor das Vendas e o das Despesas.
c) O excesso das Vendas sobre o Custo das Mercadorias Vendidas.
d) A diferença entre as Receitas e o Custo das Mercadorias Vendidas.
e) O excesso do valor das Vendas e o das Compras de Mercadorias.

4. Identificar o Lucro Bruto, sabendo-se que, ao final do exercício, foram apurados os seguintes saldos
nos registros contábeis de uma empresa que exerce “controle permanente” dos estoques: Estoque
Inicial $ 100; Estoque Final $ 200; Custo das Mercadorias Vendidas $ 300; Vendas $ 500.

a) $ 500.
b) $ 400.
c) $ 300.
d) $ 200.
41

e) $ 100.

SIMULADO

1. O que é um inventário?

2. O inventário pode ser Geral ou Parcial. Qual a utilidade destas duas modalidades?

3. Como se classifica o inventário?

4. Quais as principais características do sistema de Inventário Periódico?

5. Cite 2 (dois) seguimentos mercadológicos para os quais o Inventário Periódico é o mais


recomendado?

6. Quais as fórmulas para se apurar o Custo das Mercadorias Vendidas (CMV), o Resultado
com Mercadorias (RCM).

7. A empresa Ipiranga apresentou os seguintes saldos no balancete de Dez/X9:


Estoque Inicial $ 2.400
Compras $ 2.600
Estoque Final $ 2.800
Vendas $ 3.000
Despesas Administrativas $ 200
Despesas Financeiras $ 100

Pede-se: calcular o CMV, o RCM e o Lucro Líquido.

8. Cite 3 (três) atividades empresariais, para as quais a adoção do Inventário permanente é a


mais indicada?

PROVISÃO PARA DEVEDORES DUVIDOSOS

Consiste em um valor provisionado no final de cada exercício social para cobrir, no exercício
seguinte, perdas decorrentes do não recebimento de direitos da empresa.
O valor da provisão é obtido mediante a aplicação de um percentual sobre os direitos existentes na
época do levantamento do balanço.
As contas que devem servir de base para o cálculo dessa provisão são as que registram direitos
provenientes de vendas a prazo de mercadorias e de serviços. Essas contas são normalmente
denominadas Clientes ou Duplicatas a Receber.
O percentual a ser aplicado para o cálculo dessa provisão deve resultar de estudos efetuados pela
empresa com base nas perdas efetivamente ocorridas pelo não recebimento de seus direitos. Pode ser
utilizada a média aritmética das perdas ocorridas nos três últimos exercícios.
42

Exemplo

Suponhamos que determinada empresa, no exercício x1, tenha deixado de receber 4% do valor das
duplicatas que tinha para receber em 1° de janeiro do mesmo ano; no exercício x2, essa perda
correspondeu a 5%; no exercício de x3, a 3%. Faremos:

4% + 5% + 3% = 4%
3

Assim, em 31 de dezembro de x4, o percentual a ser aplicado para fins de cálculo desta provisão será
de 4%.

a) Constituição

Suponhamos que, em 31 de dezembro de x1, determinada empresa possua em seu Ativo Circulante a
conta Duplicatas a Receber, com saldo de R$ 800.000. Imaginemos que o percentual obtido para
cálculo da provisão tenha sido de 4%. A constituição da provisão será efetuada através do seguinte
lançamento:

D - Despesas com Créditos de Liquidação Duvidosa


C – Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa
Provisão que se constitui na base de 4% sobre duplicatas
a receber, conforme cálculos........................................................32.000

b) Utilização

Suponhamos que no mês de março de x2, R$ 12.000 de duplicatas tenham sido consideradas
incobráveis. A baixa dessas duplicatas será efetuada através do seguinte lançamento:

D – Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa


C – Duplicatas a Receber
Baixa de duplicatas consideradas incobráveis...........................12.000

c) Reversão

No último dia do exercício de x2 a empresa deverá constituir nova provisão com base no novo saldo
da conta Duplicatas a Receber. Como há saldo remanescente da provisão constituída no exercício
anterior, ele deve ser revertido para Receita através de seguinte lançamento:

D – Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa


C – Resultado do Exercício
Reversão que se processa do saldo não utilizado........................20.000
43

Após efetuada a reversão, faz-se o novo cálculo para constituição da provisão de x2. A nova provisão
poderá ser constituída pelo método da compensação, ou seja, o valor a ser contabilizado será obtido
pela diferença entre o valor da nova provisão e o saldo remanescente na conta de Provisão.

BAIXA DE CRÉDITOS NÃO LIQUIDADOS

1. CRÉDITOS QUE PODEM SER BAIXADOS COMO PERDAS

Desde o ano de 1997, em substituição à provisão para créditos de liquidação duvidosa (que não
é mais admitida para efeitos fiscais), a pessoa jurídica tributada pelo lucro real poderá considerar
dedutíveis, como despesa operacional, os valores contabilizados como perdas de créditos decorrentes
das atividades da empresa:

I. em relação aos quais tenha havido a declaração de insolvência do devedor, em sentença emanada do
Poder Judiciário;

II. sem garantia de valor;

a) até R$ 5.000,00 (cinco mil reais), por operação, vencidos há mais de seis meses,
independentemente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento;

b) acima de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) até R$ 30.000,00 (trinta mil reais) por operação,
vencidos há mais de um ano, independentemente de iniciados os procedimentos judiciais
para o recebimento, porém, mantida a cobrança administrativa;

c) superior a R$ 30.000,00 (trinta mil reais), vencidos há mais de um ano, desde que iniciados e
mantidos os procedimentos judiciais para o seu recebimento;

III. com garantia, vencidos há mais de dois anos, desde que iniciados e mantidos os procedimentos
judiciais para o seu recebimento ou arresto das garantias; para esse fim, considera-se crédito
garantido o proveniente de vendas com reserva de domínio, de alienação fiduciária em garantia ou
de operações com outras garantias reais;

IV. contra devedor declarado falido ou pessoa jurídica declarada concordatária, relativamente à
parcela que exceder o valor que esta tenha se comprometido a pagar, observado o seguinte:

a) a dedução da perda será admitida a partir da data de decretação da falência ou da concessão


da concordata, desde que a credora tenha adotado os procedimentos judiciais necessários
para o recebimento do crédito;

b) a parcela do crédito. cujo compromisso de pagar não houver sido honrado pela empresa
concordatária, poderá também ser deduzido como perda, nas condições tratada neste item.
44

FOLHA DE PAGAMENTO:

Os gastos com pessoal ocorrem em função do pessoal admitido para trabalhar na empresa. Estes gastos
compreendem a contraprestação da empresa pelo esforço dos seus empregados na manutenção da sua
atividade produtiva. Alguns destes ônus compõem a folha de pagamento, sendo que outros não a
integram.

A folha de pagamento é um documento elaborado pelas empresas onde deve constar os dados dos
funcionários e os valores das remunerações a que cada um tem direito, os descontos efetuados, e o
valor líquido a ser pago.

Remunerações:
Compreende os salários, horas extras, comissões, seguros, alimentação, treinamento, transporte,
moradia, assistência médica, etc. A somatória de todas as remunerações a serem pagas, normalmente é
conhecido como valor bruto da folha de pagamento.

Descontos:
Os descontos legais correspondem à contribuição previdenciária, contribuição sindical, imposto de
renda na fonte, adiantamentos concedidos, faltas ao serviço, etc. Existem também os descontos de
contribuição assistencial, assistência médica suplementar, cesta básica, vale refeição, etc. que são
efetuados por força do acordo sindical da categoria.

Valor líquido:
Este valor é obtido pela soma algébrica do total das remunerações diminuído do total dos descontos
efetuados.

Outros Encargos da Empresa


Alem dos encargos que a empresa paga diretamente aos seus empregados, existem os encargos com o
pessoal calculado diretamente sobre o total da folha de pagamento, e que é, por força de lei, de
responsabilidade exclusiva da empresa, são eles:
- Contribuição previdenciária parte da empresa;
- Fundo de Garantia do Tempo de Serviço;
- Seguro Acidente do Trabalho;
45

A empresa elabora a folha de pagamento de forma analítica, entretanto sob o ponto de vista do registro contábil e
sigilo das informações, interessa, neste momento, apenas o resumo da folha, que hipoteticamente passamos a
apresentar:

Empresa - Alimentos Ideal


Ltda
Folha de pagamento- Mês X

Vencimentos Descontos
Salários 6.500,00
Adicional por tempo de Serviço 200,00
Horas extras 650,00
INSS 420,00
IRF 530,00
Adiantamentos 1.000,00
Vale refeição 55,00
Cesta Básica 32,00
Seguro de Vida em grupo 13,00

Líquido 5.300,00

Totais 7.350,00 7.350,00

Outras informações:

INSS - Parte empresa 1.500,00


FGTS 588,00
Seguro acidente do trabalho 73,50

Lançamentos:
46

EXERCÍCIO

Dado o Resumo da Folha de pagamento:

Vencimentos Descontos
Salários 10.000,00
Horas extras 1.500,00
INSS 950,00
IRF 1.300,00
Adiantamentos 2.500,00

Líquido 6.750,00

Totais 11.500,00 11.500,00

Outras informações:
INSS - Parte empresa 3.000,00
FGTS 960,00
Seguro acidente do trabalho 150,00

Pede se:
Fazer os lançamentos contábeis.
47

EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

1. Indique a natureza das contas, com adoção da letra (D) para Devedoras, e (C) para Credoras:

( ) Instalações
( ) Fornecedores
( ) Caixa
( ) Duplicatas a Pagar
( ) Móveis e Utensílios
( ) Veículos
( ) Capital
( ) Equipamentos
( ) Títulos a Pagar
( ) Títulos a Receber
( ) Aplicações Financeiras
( ) Contas a Receber
( ) Imóveis
( ) INSS a Recolher
( ) Clientes
( ) Credores Imobiliários
( ) Salários a Pagar
( ) Bancos Conta Movimento
( ) Estoque de Mercadorias
( ) Dividendos a Pagar
( ) Estoque de Peças para Reparos
( ) Estoque de Materiais para Escritório
( ) FGTS a Recolher
( ) Imposto de Renda Retido na fonte a Recolher
( ) Devedores Imobiliários
( ) Semoventes
( ) Investimentos em Ações
48

2. LANÇAMENTOS CONTÁBEIS

1) Compra de Móveis e Utensílios a prazo representa :


( ) Diminuição de Passivo (obrigações) e diminuição do Ativo (Bens e direitos);
( ) Diminuição do Ativo e aumento de lucro;
( ) Aumento do Ativo e aumento do Passivo.

2) Uma compra a prazo de mercadorias é registrada por :


( ) Aumento do Ativo e diminuição do Passivo;
( ) Um débito a Mercadorias e crédito a Fornecedores;
( ) Um aumento de bens e uma diminuição de obrigações.

3) Venda de mercadorias a prazo é registrada por :


( ) Aumento no Ativo e diminuição no Passivo;
( ) Um débito a Duplicatas a Receber e crédito a Mercadorias;
( ) Um aumento de bens e uma diminuição de direitos.

4) Compra de Mercadorias a vista representa :


( ) Aumento do Ativo e diminuição no próprio Ativo (Mercadorias a Caixa);
( ) Diminuição do Ativo e aumento do Passivo;
( ) Aumento do Ativo e aumento no Passivo (Mercadorias e Fornecedores).

5) Pagamento de uma obrigação representa :


( ) Aumento no Ativo e diminuição no Passivo;
( ) Diminuição do Ativo e do Passivo respectivamente;
( ) Aumento do Ativo e do Passivo ao mesmo tempo.

6) Recebimento no caixa de um direito é representado por :


( ) Aumento do Ativo e diminuição do Passivo;
( ) Aumento do Ativo e um aumento de receitas;
( ) Aumento de Bens e uma diminuição de direitos.

7) Pagamento de uma despesa representa :


( ) Aumento de Receitas e aumento do Ativo;
49

( ) Aumento de Despesas e Diminuição do Ativo;


( ) Aumento do Passivo e diminuição de despesas.

8) Pagamento de Fornecedores com cheque do Banco do Brasil S/A :


( ) Bancos c/ Movimento a Fornecedores;
( ) Fornecedores a Bancos c/ Movimento;
( ) Fornecedores a Caixa.

9) Recebimento de dividendos creditados em nossa conta no Banco Itaú S/A :


( ) Bancos c/ Movimento a Dividendos;
( ) Bancos c/ Movimento a Despesas com Investimentos;
( ) Dividendos a Bancos c/ Movimento.

10) Recebimento de Aluguel :


( ) Aluguel Ativo a Caixa;
( ) Caixa a Aluguel Passivo;
( ) Caixa a Aluguel Ativo.

11) Compra de Prateleiras para a Loja (à vista) :


( ) Caixa a Instalações;
( ) Material para reforma (despesa) a Caixa;
( ) Instalações a Caixa.

12) Pago honorários ao Contador mediante cheque do Banco do Brasil S/A :


( ) Honorários Profissionais a Bancos c/ Movimento;
( ) Honorários Profissionais a Ordenados;
( ) Bancos c/ Movimento a Honorários Profissionais.

13) Provisionamento de ordenados a ser pago no próximo exercício :


( ) Ordenados a receber a caixa;
( ) Ordenados a Ordenados a Pagar;
( ) Ordenados a Bancos c/ Movimento.

14) Pagamento de Mercadorias Adquiridas a prazo :


( ) Fornecedores a Caixa;
50

( ) Caixa a Fornecedores;
( ) Dividendos a Caixa.

15) Recebimento de Vendas efetuadas a prazo :


( ) Duplicatas a Receber a caixa;
( ) Bancos c/ Movimento a Vendas;
( ) Caixa a Duplicatas a Receber.

16) Considerando os lançamentos abaixo enumerados, assinale nos parênteses o número que
corresponda ao fato ocorrido :

1. Bancos C/ Movimento
a Caixa

2. Salários e Ordenados
a Bancos C/ Movimento

3. Caixa
a Duplicatas a Receber

4. Caixa
a Capital

5. Mercadorias
a Fornecedores

( ) Compra de Mercadorias a Prazo;


( ) Recebimento de Duplicata;
( ) Constituição de Uma Empresa;
( ) Pagamento de Ordenados;
( ) Depósito Efetuado no Banco.
51

3. Identificar as operações que foram dando origem às situações patrimoniais adiante representadas:

ATIVO PASSIVO

a) Caixa 4.000 Capital 8.000


Materiais 4.000 ____
8.000 8.000

b) Caixa 4.000 Fornecedores 2.000


Materiais 4.000 Capital 8.000
Móveis e utensílios 2.000 -------
10.000 10.000

c) Caixa 5.000 Fornecedores 2.000


Materiais 4.000 Capital 9.000
Móveis e utensílios 2.000 -------
11.000 11.000

d) Caixa 4.000 Fornecedores 2.000


Materiais 4.000 Capital 9.000
Móveis e utensílios 2.000
Instalações 1.000 -------
11.000 11.000

e) Caixa 3.000 Fornecedores 1.000


Materiais 4.000 Capital 9.000
Móveis e utensílios 2.000
Instalações 1.000 -------
10.000 10.000

a)

b)

c)
52

d)

e)

4. A “Cia Campos de Materiais Ltda” foi organizada em 1º de janeiro de 20x0. O balanço abaixo foi
preparada depois de realizadas 4 (quatro) transações. Analise e prepare a lista das quatro transações
que você julga terem ocorrido.

Balanço Patrimonial

ATIVO PASSIVO

Caixa 2.000 Fornecedores 1.000


Mercadorias 1.000 Títulos a Pagar 3.000
Terrenos 5.000 Capital 4.000
8.000 8.000

Resposta:

A)

B)

C)

D)

5. O Balancete de Verificação da “Transportadora Freitas” em 31.12.X1 apresentava os saldos das


seguintes contas: Bancos 10; Duplicatas a Receber 20; Capital a Realizar 50; Capital 100; Salários a
Pagar 10; Caixa 15; Mercadorias (Estoque) 40; Empréstimos a Pagar 40; Prejuízos Acumulados 20;
Duplicatas a Pagar 5.

Indicar o total do:


53

e) Balancete de Verificação.
f) Ativo.
g) Passivo.
h) Patrimônio Líquido.

6. A Contabilidade da Cia São Judas Ltda apresentava as seguintes contas com os seus respectivos
saldos, em 31/12/x3:

CONTAS SALDOS
Devedores Credores
Bancos Conta Movimento 1.500
Caixa 500
Capital 145.000
Capital a Integralizar 40.000
Fornecedores 18.000
Contas a Receber 13.000
Títulos a Receber 15.000
Edifícios 20.000
Instalações 2.000
Duplicatas a Receber 38.000
Aplicações financeiras 15.000
Contas a Pagar 5.000
Terrenos 8.000
Impostos a Pagar 6.000
Outras Contas a Receber 10.000
Máquinas e Equipamentos 44.000
Móveis e Utensílios 3.000
Mercadorias – Estoque 32.000
Obrigações a Pagar no país 60.000
Veículos 10.000
Salários a Pagar 10.000
Contribuições a Recolher 8.000
Totais 252.000 252.000

Pede-se: Levantar o Balanço Patrimonial da Cia São Judas.


54

7. A Eletronic-Som Representações Ltda., dedica-se à representação de uma grande indústria de


televisores, videocassetes e aparelhos de som. Recebe comissão sobre as vendas efetuadas e cobra
dos clientes pelos serviços de reparos e manutenção prestados.

Seu Balancete em 30-11-X1 apresentava os seguintes saldos: Caixa 32.000; Bancos C/ Movimento
176.000; Fornecedores 88.000; Clientes 218.000; Terrenos 290.000; Veículos 60.000; Contas a Pagar
20.000; Despesa de Água e Energia Elétrica 9.000; Desp. de Conservação e Manutenção de Veículos
10.000; Desp. com Materiais p/ Reparos 15.000; Desp. de Aluguel 40.000; Receitas de Comissões
220.000; Receitas de Serviços 160.000; Lucros Acumulados 42.000; Capital _____________.
Obs. O Aluno deverá descobrir, por dedução, o valor da conta Capital.

Durante dezembro/X1 ocorreram as seguintes transações:


03/12 – compra de materiais a prazo, no valor de $ 10.000, para estoque;
07/12 – recebimento de $ 18.000 de seus clientes (em dinheiro);
09/12 – pagamento de despesas de conservação de veículos $ 2.000 (cheque Nº 028 do Banco ABC S/A);
12/12 – pagamento de despesas de energia elétrica $ 500 (cheque nº 029 do Banco ABC S/A);
15/12 – compra a vista de móveis e utensílios no valor de $ 20.000 (cheque nº 030 do Banco ABC S/A);
18/12 – recebimento de receitas de comissões pelas vendas efetuadas no mês $ 50.000 (em cheque);
20/12 – recebimento de $ 33.000, referente a serviços prestados no mês (cheque);
21/12 – pagamento efetuado a fornecedores, $ 28.000 (cheque nº 031, do Banco ABC S/A)
27/12 – depósito no Banco ABC S/A , comprovante nº 087, $ 20.000;
30/12 – pagamento dos salários do mês. $ 12.000 (cheque nº 032 do Banco ABC S/A).

Pede-se:
a) abrir razonetes com os saldos de 30/11/X1 e preparar o Balancete de Verificação;
b) registrar no Livro Diário e transportar para os razonetes as transações de dezembro/X1, indicando-as com
números;
c) elaborar o balancete de Verificação em 31/12/X1 (antes do encerramento);
d) fazer os lançamentos de encerramento no Diário e transportá-los para os razonetes, indicando-os com letras;
e) transferir o resultado apurado para a conta Lucros Acumulados;
f) elaborar o Balancete de Verificação após a apuração de resultado;
g) elaborar a Demonstração de Resultado do Exercício de X1 e o Balanço Patrimonial em 31/12/X1;
h) com base no Balanço Patrimonial de 31/12/X1, informe:
- O capital à disposição da Eletronic-Som é de: $ _____________
- O capital de terceiros é de: $ _____________
- O capital próprio é de: $ _____________
- Qual o nível de endividamento da empresa,
isto é, qual o percentual de dívidas em relação
aos recursos totais? _____________%
55

Respostas: (a) Lucro do exercício $ 374.500; (b) Total do Balanço $ 826.500.

BIBLIOGRAFIA:

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA
Equipe de Professores da FEA/USP
Editora: Atlas

CONTABILIDADE EMPRESARIAL
José Carlos Marion
Editora: Atlas

CONTABILIDADE GERAL FÁCIL


Osni Moura Ribeiro
Editora: Saraiva

Parabéns! Mais uma etapa vencida.