Você está na página 1de 17

6 razões

para cuidar
do Controle
Interno da
Qualidade
Controle Interno
da Qualidade no
Laboratório Clínico

Publicado por
Este conteúdo 6 razões para cuidar do Controle Interno da Qualidade

é adequado para mim?


Prof. Silvio de Almeida Basques
é médico, com Residência e Pós-
Graduação pela Universidade Federal
Iniciante Este conteúdo! de Minas Gerais. Recebeu Título de
Especialista pela Sociedade Brasileira
Conteúdo destinado a profissionais que estão iniciando o de Patologia Clínica. É Professor
os trabalhos de controle da qualidade. Conteúdos com essa Aposentado do Departamento de
classificação geralmente incluem dicas e passo-a-passo para o Clínica Médica da Faculdade de
aprendizado de conceitos básicos e fundamentais. Medicina da UFMG e Ex-Professor de
Informática Médica da UFMG.
Implantou o Sistema de Informática

Intermediário Laboratorial do Hospital dos


Servidores do Estado de Minas Gerais
Prof Silvio de A. Basques
basques@qualichart.com.br

(HGIP).
Conteúdo destinado a profissionais que já estão familiarizados
com o controle da qualidade e têm experiência na execução do
Criou e orienta sistemas de
processo. Conteúdos assim geralmente incluem conceitos e 6 razões para cuidar do
informática para o Controle Interno
teorias para um entendimento mais completo do assunto. Controle Interno da Qualidade
da Qualidade, além de Sistema para
Auditoria Interna em Laboratórios.
Apresenta o Programa Sábado às 11,
Avançado para laboratórios. Criou e dirigiu o
LABConsult – Tecnologia e Informação
Os conteúdos assim classificados são dirigidos a profissionais mais para Laboratórios Clínicos.
experientes no controle da qualidade. Geralmente incluem conceitos Produziu e cooperou em várias
pouco usuais e que ainda não são de domínio geral. São indicados edições de cursos para o Controle da
também para profissionais que desejam lecionar sobre o assunto. Qualidade em Laboratórios.

com partilh e ess e conteúdo co mpart ilh e esse co nteúd o


página 2 www.qualichart.com.br www.qualichart.com.br página 3
Sumário
Introdução pág. 5
Por que e para que fazer o Controle da Qualidade pág. 10
• Profissionalismo pág. 12
• Avanços tecnológicos favoráveis pág. 18
• Gerenciamento do laboratório pág. 20
• Ética pág. 22
• Acreditação do laboratório pág. 24
• Conformidade legal pág. 28
Benefícios e vantagens do CIQ pág. 30
Conclusão e recursos adicionais pág. 32

com partilh e ess e conteúdo co mpart ilh e esse co nteúd o


página 4 www.qualichart.com.br www.qualichart.com.br página 5
6 razões para cuidar do Controle Interno da Qualidade

Você pode às vezes se perguntar:


Por que eu devo fazer o Controle da
Qualidade, se vejo tantos profissionais que
abreviam essa tarefa, simplificando-a e,
às vezes, nem realizando-a? Eu tenho todo
esse trabalho!

Já ouvimos indagação como esta, controle da qualidade. Apresentava


que felizmente foram poucas vezes opinião de dois renomados
desde que trabalhamos com software profissionais da área, conhecedores
para o CIQ. Nossa relação tem sido do panorama dos laboratórios
muito produtiva com mais de 1.000 clínicos. Esse foi o quadro descrito,
laboratórios e três vezes mais de de cores tristes, mas na realidade
profissionais. Somos otimistas o problema pode ser ainda pior. Há
quanto à preocupação de milhares profissionais que “acreditam” estarem

Introdução
de profissionais com a qualidade fazendo o Controle da Qualidade,
dos seus resultados. Mas, como quando de fato trabalham de forma
cidadãos e como profissionais da equivocada. Usam apenas “correr o
saúde, acreditamos que devemos controle e comparar com uma faixa”,
refletir sobre as dúvidas de alguns e ou realizar comparações com valores
sobre o que foi publicado pelo Jornal de bula.
Folha de São Paulo em 26.03.2012,
quando divulgou que apenas metade Nossa proposta de trabalho tem
dos laboratórios brasileiros realiza o sido colocar na pauta de todos

co mpart ilh e esse co nteúd o


www.qualichart.com.br página 7
6 razões para cuidar do Controle Interno da Qualidade 6 razões para cuidar do Controle Interno da Qualidade

os profissionais de laboratório fazer algo mais simples.


o pensamento sobre o CIQ. Nós defendemos que o Controle da
Modestamente endereçamos as Qualidade é coisa séria e deve ser
reflexões que fazemos neste artigo encarado da forma correta e com
para a outra metade, a que não realiza eficácia. Fazer apenas por fazer é
o controle da qualidade. Gostaríamos perda de tempo. Fazer de forma
de poder debater esse assunto, incorreta é perda de tempo e de
criando substrato de aprendizado para dinheiro e significa desrespeito para
as novas gerações, para os estudantes com o cliente.
de graduação em ciências da vida, que
estarão envolvidos de alguma forma Já está bastante debatido que
A qualidade não ocorre
com a atividade diagnóstica, na sua em grande parte das análises por acaso. Ela é resultado
futura atividade profissional. em um laboratório a qualidade é de um esforço inteligente.
quantificável e investir esforços Ruskin
Para os iniciantes pode parecer a inteligentes nesse aspecto é inerente
princípio que cuidar da qualidade à prática diária. É imprescindível
significa muito esforço e que por cuidar da qualidade dos resultados e
ser a qualidade algo abstrato, talvez considerar que a grandeza do papel
pudesse ser dispensada, ou praticada de cada profissional na sociedade
por meios mais empíricos e menos torna insignificantes os esforços
“dispendiosos”. Alguns acreditam que para se obtê-la e para dar a mais
cuidar do controle pode ser uma coisa honesta e valiosa contribuição para
simples, parcial, com meias medidas a excelência dos diagnósticos e
e meios controles. Querem sempre condutas médicas.

com partilh e ess e conteúdo co mpart ilh e esse co nteúd o


página 8 www.qualichart.com.br www.qualichart.com.br página 9
6 razões para cuidar do Controle Interno da Qualidade

Essa pergunta pode ter dois enfoques com diferenças sutis.


1. O que nos impele, o que nos induz ou nos obriga a
realizar o CIQ?
2. Quais os benefícios e vantagens para mim e meu

Por que e para


laboratório quando implanto e realizo de fato o CIQ?

que devo fazer


Listamos os itens que consideramos os mais significativos,
para estabelecer as bases racionais porque o profissional da
área de laboratório clínico deve se engajar de forma intensa

o Controle da
em atividades pela qualidade do fruto do seu trabalho.
Estudiosos do tema podem apresentar mais razões e
benefícios, com maior ou menor relevância. Colocamo-nos

Qualidade?
em campo para o debate, para reunirmos diferentes ideias,
mas com um mesmo princípio: a melhor atenção para com
a saúde das pessoas que nos distinguem, procurando nosso
trabalho.

co mpart ilh e esse co nteúd o


www.qualichart.com.br página 11
6 razões para cuidar do Controle Interno da Qualidade

Quem atua em laboratórios clínicos que almeja ser. Nesse período em


é um profissional muito diferenciado que se capacita, ele assume nítida
e é um provedor de informação. posição assimétrica na formação do
Sua formação o fez assim. Seu conhecimento, em relação aos demais
papel principal é usar a informação membros da sociedade: ele passa a
especializada, atender o cliente e deter informação e conhecimento de
obter amostras adequadas, analisar sua área, elementos fundamentais
com boas metodologias os materiais para a atividade futura.
biológicos e entregar informação
de qualidade. Para isso usa muito a O também cidadão vai se tornar um
informação específica, própria do seu PROFISSIONAL daquela área.
contexto de trabalho. No segmento da saúde os
profissionais se esforçam muito, para
Em nossa experiência de professor aprimorar o recebimento e a busca de
universitário, ressaltamos sempre informações contextualizadas, para
o impacto diferenciador do período construírem o conhecimento. Com
de faculdade na formação dos esse conhecimento, o qual reforça
profissionais, para a utilização da a diferença e assimetria para com
informação. Isso tem ainda mais demais membros da sociedade, ele se
importância nesse universo de valoriza como o cidadão dedicado ao
conhecimento acumulado em que trabalho bastante especializado e com
a informação cresce em proporção a responsabilidade de realizá-lo da
geométrica. Discutíamos o aspecto melhor forma possível. É o profissional
da diferenciação do indivíduo que em quem a sociedade confiará, porque
assume se graduar, desenvolvendo ele se preparou para isso.
1. Profissionalismo as características do profissional

com partilh e ess e conteúdo co mpart ilh e esse co nteúd o


página 12 www.qualichart.com.br www.qualichart.com.br página 13
6 razões para cuidar do Controle Interno da Qualidade 6 razões para cuidar do Controle Interno da Qualidade

A sequência DICE da informação Dado


É o elemento primário no processo de formação do conhecimento e é
A humanidade esteve nos seus laudo dos exames que realiza. geralmente um número. É desprovido de referencial explicativo e não possibilita
primórdios na luta pela sobrevivência Ele constrói a informação a a tomada de decisão. É o insumo básico dos computadores e das ferramentas
e nos tempos modernos, no partir de dados brutos, obtidos estatísticas. Isoladamente pode ser sem significado, mas a qualidade desse
aperfeiçoamento das sociedades de metodologias de análises que dado determinará o valor da informação que ele poderá compor. No laboratório
humanas. Ter informação representou cuida de manter estáveis e com clínico, o dado pode ser o resultado de uma análise. Exemplo: 136
um componente fundamental e de desempenho reconhecido. O bom
grande utilidade, para grupos sociais desenvolvimento desses processos
Informação
resistirem e para se aperfeiçoarem. envolvidos é que garante a qualidade
A informação é palavra mais usada dos seus resultados e do seu É o dado contextualizado. Possui um da respectiva área do conhecimento.
nesse contexto da experiência trabalho. referencial, ou seja, o que significa
humana, que veio acumulando aquele número. A informação é Com a internet, apresentando alta
dados com o sofrimento, esforços e Vamos abordar a seqüência de o grande oceano acumulado pela disponibilidade, difusão e liberdade
aprendizado conseqüente e crescente. significado dos termos que ajudam humanidade em toda a sua existência, de acesso, todos os pacientes têm
Informação é poder. a compreender a informação e como disponível de forma volumosa acesso às Informações Sobre Saúde
Nós entendemos que o profissional se enquadra o profissional de nível pela internet e acessível a todos (ISS), mas, por conceito, não saberão
de laboratório é um provedor de superior, no que chamamos equação que são no mínimo alfabetizados o que fazer com a maioria delas, ou
informação, representada pelo DICE: em tecnologia. É possível obter podem se confundir.
informações em diferentes fontes e
com muita facilidade, o que pode ser Existem muitos estudos sobre
uma questão benéfica, ou maléfica. o uso das ISS por parte dos
Sim porque ai se exige caracterização pacientes, confrontando às vezes os
da qualidade da fonte, além de profissionais em suas condutas. Lidar
critérios de julgamento por parte de com propriedade com as informações,
quem vai usar a informação. Essa respeitando os limites pessoais é um
tarefa é complexa, mas pode ser bem desafio para todos e é uma realidade
feita por quem tem formação para tal, que deve ser enfocada também pelo
ou seja, profissionais de nível superior, lado bom: o paciente bem informado

com partilh e ess e conteúdo co mpart ilh e esse co nteúd o


página 14 www.qualichart.com.br www.qualichart.com.br página 15
6 razões para cuidar do Controle Interno da Qualidade 6 razões para cuidar do Controle Interno da Qualidade

pode ser um aliado no cuidado da sua Exemplo: Glicose (soro): 136 mg/dl
saúde e da de seus familiares. (Valores de referência: 60 – 99 mg/dl)
O laboratório clínico tem por função Observem que o dado anteriormente O médico solicitante avaliará o resultado e, pelos conhecimentos que possui dos
sintomas e sinais do paciente, dos critérios da Organização Mundial da Saúde e dos critérios
entregar informação e o faz na apresentado faz parte da informação,
estabelecidos por comitês e obtidos em outros contextos, tratará com zelo profissional
forma de laudos de exames. Essa ganhou contexto neste laudo, de tal
essa informação. Deverá solicitar novo exame, com intervalo de 10 dias e, se o resultado for
informação é de grande importância forma que permite interpretação e também superior a 126mg/dl, deverá firmar o diagnóstico de diabetes. A partir daí ampliará
e pode ser decisiva muitas vezes para tomada de decisão. Mas, adverte-se o diagnóstico, juntando mais conhecimentos e, sobretudo, baseando-se na sua Experiência
o indivíduo que cedeu sua amostra que isso deve ser feito por parte de Profissional, para estabelecer condutas propedêuticas, terapêuticas e educativas.
biológica, a pedido de um outro quem tem formação para tal.
profissional. Diferentes pessoas farão diferentes
leituras dessa informação:

Podemos perceber que há dois melhor reunir as informações


profissionais envolvidos na avaliação clínicas e laboratoriais, integrando-
O profissional do laboratório considerará que o resultado representa uma anormalidade
para o paciente, porque sabe que a amostra foi colhida em condições de jejum definido, foi
do laudo, além do paciente, que fica as no contexto diagnóstico, ou de
processada adequadamente, analisada em um sistema estável e sob controle interno e que numa posição intermediária e um acompanhamento.
até ao final, no resultado impresso, não houve erro. Ele deve ser capaz de empregar todo tanto passiva, naturalmente. A ele
o seu conhecimento e assegurar, por meio do seu sistema de Gestão da Qualidade, que o cabe confiar nos dois profissionais A melhor atitude do profissional de
resultado é o mais próximo da realidade do paciente, considerada a variabilidade inerente aos
a quem recorreu: um, que detém laboratório o obriga a assegurar a
sistemas analíticos. Isso é o que esperam dele, paciente e médico assistente.
conhecimento, experiência e qualidade da informação que entrega
metodologias para obter a melhor e assim contribuir para a excelência
medida daquela grandeza no material da prática do médico. Para o médico,
O paciente que receber esse laudo vai de imediato classificar seu resultado como alterado, biológico apropriado e assegurar que a melhor atitude está na cuidadosa
baseado na informação fornecida pelo laboratório, que diz que para aquele método a faixa de
o resultado é a melhor expressão aplicação da informação e a tomada
referência é de 60-99 mgdl. Em conversas com pessoas concluirá que “está diabético”. Vale
aí a observação importante e freqüente que é prudentemente acrescentada na maioria dos
da realidade do paciente; o outro, de decisões para o benefício do
resultados dos laboratórios: “Somente o seu médico tem condições de avaliar esse resultado que detém o conhecimento para paciente.
de forma adequada”. Muito apropriada essa ressalva. Ao tirar suas próprias conclusões o
paciente errará muito.

com partilh e ess e conteúdo co mpart ilh e esse co nteúd o


página 16 www.qualichart.com.br www.qualichart.com.br página 17
6 razões para cuidar do Controle Interno da Qualidade

Quando nos dispusemos a iniciar o quanto a eventuais desvios. O


desenvolvimento de software para controle interno quantitativo é parte
o Controle Interno da Qualidade, do gerenciamento da qualidade no
tínhamos recebido sugestão do Dr. laboratório e é uma grande motivação
José Carlos Basques, um grande para o emprego de tecnologia.
estudioso do tema, que percebia a O profissional de laboratório, dentre
falta de ferramentas para a prática aqueles que atuam na área da saúde,
do Controle Estatístico de Processos. é privilegiado por poder contar com
Estávamos no início de 1998 e os instrumentos de aferição validados
computadores já tinham se revelado estatisticamente, apoiados pela
excelentes instrumentos para cálculos estatística e pelos computadores,
e estavam bastante disponíveis tendo como objetivo assegurar a
para uso geral. Já havia também qualidade do seu trabalho. É um
metodologias estatísticas aplicáveis, privilégio também dispor e analisar
suficientemente valiosas para auxiliar materiais de referência estáveis
o profissional na prática do controle para acompanhar a estabilidade de
interno: o gráfico de Levey-Jennings, seus sistemas analíticos. Contudo,
as Regras Múltiplas do Controle devemos enfatizar que para ter os
(Regras de Westgard) e o cálculo do benefícios que a tecnologia oferece,
Coeficiente de Variação, como medida há que fazer o controle certo, do modo
da variabilidade analítica. Surgiu certo. Deve-se usar o método de
então o primeiro software brasileiro controle correto e validado, ou haverá
de Controle Estatístico dos Processos apenas a crença que se está fazendo
Analíticos, para o Controle Interno da o CIQ, não o real..
Qualidade. Dessa forma, usar os recursos
tecnológicos disponíveis constitui

2. Avanços tecnológicos favoráveis É preciso pensar a qualidade em uma das razões para se fazer o
termos quantitativos, o que propicia Controle da Qualidade no laboratório
mais objetividade no julgamento Clínico.

com partilh e ess e conteúdo co mpart ilh e esse co nteúd o


página 18 www.qualichart.com.br www.qualichart.com.br página 19
6 razões para cuidar do Controle Interno da Qualidade

A prática do controle interno, Muitas vezes o profissional é


por ser quotidiana e abrangente, convencido por vendedores a adotar
possibilita um aprofundamento no outra linha de reagentes de menor
conhecimento da técnica analítica preço, substituindo uma anterior
e constatação de melhor ou pior que apresentava estabilidade. O CIQ
desempenho de equipamentos, pode ajudar a constatar vantagens e
reagentes, calibradores e operadores. desvantagens dessa substituição nas
É possível detectar de forma evidências sobre o que é fundamental:
quantitativa, ou seja, por meio a qualidade dos seus resultados.
de indicadores, o desempenho Gerenciar os sistemas analíticos é
de um sistema, as necessidade uma atribuição do profissional de
de calibrações, as necessidade laboratório e ele deve procurar faze-lo
de manutenções e até mesmo no máximo possível respaldado por
a necessidade de substituição dados e informações.
do sistema por outro de melhor
tecnologia e estabilidade. Tudo isso O CIQ é um importante aliado para o
respaldado por números que darão gerenciamento quanto à manutenção,
suporte aos seus argumentos nas ou substituição de um sistema
discussões com seus superiores analítico.
e ordenadores de despesas e com
potenciais fornecedores.

O que não pode ser medido,


não pode ser gerenciado.
3. Gerenciamento do Laboratório Peter Drucker

com partilh e ess e conteúdo co mpart ilh e esse co nteúd o


página 20 www.qualichart.com.br www.qualichart.com.br página 21
Incluímos esse quesito porque
entendemos que uma prática
ética é componente inseparável do
trabalho do profissional e lhe confere
engrandecimento. A ética requer
estudos filosóficos aprofundados,
debates e compreensões sobre a
atuação responsável e profissional,
mas é também, no nosso modesto
entendimento, um respeito ao
próximo, ao outro e a nós mesmos.
Atuar de forma ética é estabelecer
critérios, processos e atitudes que
representem o mais elevado sentido
daquilo que nos propomos fazer, do
melhor que podemos fazer, do melhor
que esperam que façamos e pela
maior satisfação final com o nosso
trabalho. Dedicar-se a realizar o
controle da qualidade dos exames é
um dos grandes compromissos éticos
no nosso tempo.

4. Ética

com partilh e ess e conteúdo co mpart ilh e esse co nteúd o


página 22 www.qualichart.com.br www.qualichart.com.br página 23
6 razões para cuidar do Controle Interno da Qualidade

Acreditação é o reconhecimento própria certificação em saúde, a


formal por um organismo Organização Nacional de Acreditação
independente especializado em (ONA).
normas técnicas daquele setor
de que uma instituição atende a A definição de acreditação contida
requisitos previamente definidos na norma 17011:2005 significa
e demonstra ser competente que organismos independentes
para realizar suas atividades com (organismos acreditadores) executam
segurança. As acreditações na área uma verificação imparcial da
da saúde certificam as instituições competência dos OACs (Organismos
que demonstram possuir ações e de Avaliação da Conformidade) para
processos que priorizem a segurança executarem atividades de avaliação
e qualidade no atendimento ao da conformidade, transmitindo
paciente baseados nas melhores confiança para o comprador e às
práticas internacionais vigentes. A autoridades reguladoras sobre os
mais antiga e respeitada acreditadora produtos, processos ou serviços
em saúde é a Joint Commission avaliados.
International (JCI), representada no
Brasil pelo Consórcio Brasileiro de Segundo a norma ABNT NBR ISO/
Acreditação (CBA). O Brasil tem sua IEC 17011:2005 - Avaliação de

5. Acreditação do laboratório

com partilh e ess e conteúdo co mpart ilh e esse co nteúd o


página 24 www.qualichart.com.br www.qualichart.com.br página 25
6 razões para cuidar do Controle Interno da Qualidade

conformidade – Requisitos gerais Sociedade Brasileira de Patologia


para organismos de acreditação; a Clínica/Medicina Laboratorial e o DICQ
definição de acreditação é “atestação Sistema Nacional de Acreditação,
de terceira-parte relacionada a da Sociedade Brasileira de Análises
um organismo de avaliação da Clínicas. A adesão é uma atitude

Hoje a palavra acreditação


conformidade, comunicando a voluntária, o que em todo o mundo
demonstração formal da sua é uma forte característica dos
competência para realizar tarefas programas de acreditação. entrou definitivamente
para a agenda nacional, e
específicas de avaliação da Sugerimos a visita aos sítios
conformidade. Fonte: Wikipedia. dos respectivos programas para
informações mais completas. temos todas as evidências,
partindo inclusive de
Na área de laboratório clínico há Saber-se reconhecido por terceiras
dois programas de acreditação, partes é fator de satisfação
patrocinados pelas respectivas profissional. Investir em esforços na compradores de serviços, de
que o reconhecimento de um
sociedades profissionais. O Programa busca da acreditação é uma forte
de Acreditação de Laboratórios razão para cuidar da qualidade.
Clínicos – PALC, conduzido pela prestador se fará na medida
de sua qualificação.
Luisane Vieira

com partilh e ess e conteúdo co mpart ilh e esse co nteúd o


página 26 www.qualichart.com.br www.qualichart.com.br página 27
6 razões para cuidar do Controle Interno da Qualidade

O atendimento à legislação e a baseiam para aferir se o laboratório


busca da conformidade legal são possui as condições consideradas
fundamentais para um laboratório mínimas para seu funcionamento
cumprir a sua responsabilidade e a prestação dos serviços a que
social. Diferentemente do processo se propõe. Habitualmente os
de acreditação, aqui a participação profissionais de laboratório se
não é voluntária e, caso não sejam referem a esse regulamento técnico
atendidos os requisitos legais, a pela denominação abreviada RDC
autoridade sanitária pode punir 302/2005.
com severidade o laboratório que
descumpra as normas. O Regulamento Técnico é amplo e
de enfoque em diversas situações
O instrumento normativo mais e obrigações dos laboratórios. Há
importante que os laboratórios devem requisitos que tratam da qualidade,
observar é o Regulamento Técnico do controle interno e do controle
para Funcionamento de Laboratórios externo.
Clínicos, aprovado pela Diretoria
Colegiada da Agência Nacional de O atendimento à conformidade
Vigilância Sanitária – ANVISA-MS, legal é uma importante atuação do
de número 302/2005. É com base profissional do laboratório e, além
nesse documento que os agentes de obrigatório, é fator positivo para o
sanitários municipais e estaduais se ganho da qualidade.

6. Conformidade Legal

com partilh e ess e conteúdo co mpart ilh e esse co nteúd o


página 28 www.qualichart.com.br www.qualichart.com.br página 29
6 razões para cuidar do Controle Interno da Qualidade

Contribui para assegurar qualidade ao serviço que você presta, resultando em


benefício para os pacientes e reconhecimento do seu trabalho.

Auxilia a gerenciar o desempenho dos sistemas analíticos, recolhendo


elementos indicadores para aprovar, ou para contestar equipamentos e
reagentes.

É fator importante para aumentar sua segurança e sua tranqüilidade na


realização do seu trabalho profissional de contribuição diagnóstica.

Desenvolve a cultura da qualidade entre seus colaboradores, propiciando


compreensão dos processos de análises, desenvolvendo uma linguagem clara e
uniforme entre eles e provocando seus crescimentos profissionais.

Benefícios e Dá respaldo para ter convicção em assegurar aos clínicos o valor do resultado
do teste que você entrega, quando surgirem questionamentos sobre eles.

vantagens do Pode um dia acrescentar respaldo legal para sua defesa em casos de
questionamentos judiciais.

CIQ Contribui para sua boa participação nos programas de acreditação e na


relação com agentes da Vigilância Sanitária o que eleva o patamar em que se
situa seu laboratório.

É importante para continuar competindo no mercado

co mpart ilh e esse co nteúd o


www.qualichart.com.br página 31
Conclusão e Recursos Adicionais

Há um notável movimento pela ser tratadas pelos profissionais de

Desenvolva o controle
qualidade no setor saúde e o que laboratório de modo a aumentar o
se espera é que cada profissional gerenciamento da qualidade. Devem-
puxe para si a responsabilidade de se buscar mais e melhores recursos
aplicar as melhores práticas para
obtenção dos seus resultados. As
para que os esforços empregados
se traduzam em melhorias interno da qualidade no
seu laboratório.
Especificações da Qualidade, que são estruturadoras e duradouras para
mais amplas que o somente Controle a plenitude do trabalho na área
Estatístico de Processos, devem diagnóstica em saúde.

Qualidade não é um ato, é um hábito.


Aristóteles

Gostou? Compa rtilhe esse conteúdo

Acesse outros materiais científicos

Publicado em Julho de 2012

Bibliografia

1. Cline RJ, Haynes KM. Consumer health information seeking on the Internet: the state of the art.
Health Educ Res. 2001 Dec;16(6):671-92.
2. Renahy E, Chauvin P. Internet uses for health information seeking: A literature review. Rev
www.qualichart.com.br
Epidemiol Sante Publique. 2006 Jun;54(3):263-75.
3. Purcell, Gretchen P.;Wilson, Petra.; Delamothe, Tony. The quality of health information on the
C o m e c e a g o ra c o m
internet. BMJ. 2002 Mar 9;324(7337):557–8
4. Basques, JCA. Usando Controles no Laboratório Clínico. Labtest Diagnóstica, 2009.
o p la n o g ra t u it o
5. CLSI C24-A3. Statistical Quality Control for Quantitative Measurement Procedures: Principles
and Definitions; Aproved Guidelines-Third Edition. Clinical and Laboratory Standards Institute, 940
West Valley Road, Suite
com 1400,
partilh e essWayne, PA , USA, 2006.
e conteúdo
6. Westgard JO and cols. Basic QC Practices 3nd ed. Madison WI:Westgard QC, 2010.
página 32 www.qualichart.com.br www.qualichart.com.br