Você está na página 1de 8

I Seminário de História: Caminhos da Historiografia Brasileira Contemporânea

Universidade Federal de Ouro Preto


http://www.ichs.ufop.br/seminariodehistoria

Difusão e Controle de armas em Mariana (MG): 1707-1736

Izabella Fátima Oliveira de Sales

O objetivo de nosso trabalho é analisar a difusão e o controle de armas no termo


de Mariana, entre 1707 a 1736. Esse período é marcado por várias revoltas e pela
instauração de instituições representativas do poder reinol.
Pretendemos constatar de que forma a metrópole tentou evitar que seus vassalos
se armassem para as lutas contra a ordem estabelecida e impedir que o sistema
escravista fosse ameaçado por escravos armados. Poderemos conferir, também, se o
controle do porte de armas tinha a finalidade outra de diminuir o número de possíveis
revoltas. A partir daí, nosso trabalho foi constatar se as leis eram ou não respeitadas
pela população da Vila de Nossa Senhora do Carmo e região.
Para a realização desse trabalho utilizamos como fonte: inventários post morten
e processos crime, que se encontram na Casa Setecentista de Mariana; autos de
Devassas eclesiásticas, que pertencem ao acervo da Arquidiocese de Mariana; ordens
régias e bandos de governadores que dizem respeito ao porte de armas, publicados na
Revista do Arquivo Público Mineiro e documentos diversos que tratam sobre a
questão encontrados no Arquivo Histórico Ultramarino e no Códice Costa Matoso.

Em nosso trabalho analisamos a difusão e o controle das armas em Mariana,


tendo como objetivo verificar se, no período que vai de 1707 a 1736, as autoridades que
representaram a coroa tentavam restringir o uso de armas pela população. Dentro desse
contexto, privilegiamos os instrumentos criados especificamente como meio de ataque
ou defesa; com exceção das facas, já que apesar de serem objetos destinados a outros
fins, são muito utilizadas nas agressões físicas. A partir daí, nos detivemos nos
mecanismos que a metrópole utilizava para controlar o porte de armas entre livres e
escravos, com o intuito de evitar que eles se armassem, podendo colocar em risco a
ordem estabelecida; ademais, essas medidas tinham como finalidade diminuir os crimes
praticados na colônia. E, finalmente, verificamos se essas leis foram ou não respeitadas
pela sociedade.
As armas são utilizadas desde os primórdios da humanidade. Servem para
caçar animais ou para se defender deles; são usadas como instrumentos de ataque e

1
I Seminário de História: Caminhos da Historiografia Brasileira Contemporânea
Universidade Federal de Ouro Preto
http://www.ichs.ufop.br/seminariodehistoria

defesa entre os próprios homens e de agressão, tanto na fundamentação de hierarquias


sociais como na conquista de povos. Por isso mesmo, não é de se estranhar que as
armas de fogo tenham sido um dos principais elementos utilizados pelos europeus, para
a conquista do Novo Mundo.
Na luta contra os animais selvagens e contra os povos locais, os colonizadores
empregaram regularmente as armas de fogo. Os efeitos desses “instrumentos” são
discutidos pelos historiadores. Inicialmente, as tribos indígenas se aterrorizavam com o
estouro e com o fato de o projétil ser invisível; depois as armas tornaram-se objetos
comuns aos próprios nativos, que as empregaram contra os invasores.
Quando nos voltamos para a análise da tentativa da coroa em controlar a
difusão, circulação e uso de armas, no seio da população em geral, é marcante a
preocupação com os acontecimentos ocorridos durante a Guerra dos Emboabas. Ao se
preocuparem com a revolta, as autoridades metropolitanas tinham suas razões: vários
documentos consultados revelaram que, durante o referido conflito, o uso de armas foi
mais generalizado. Em 1750, um autor anônimo, por ordem do ouvidor Costa Matoso,
relembrava o início da ocupação de Minas Gerais, afirmando que nas minas (...) ouro
era aos montes, mas também as mortes a chumbo(...) eram muitas, todos os dias. 1
Além disso, era comum (principalmente em momentos de revoltas) que os
senhores armassem seus escravos, gerando uma contradição, pois, durante o período
colonial, garantir a permanência do sistema escravista, através da restrição das armas
aos escravos, era uma preocupação tanto da coroa portuguesa quanto dos senhores. Nas
ordenações, leis extravagantes, cartas régias e determinações expedidas pelas
autoridades locais existiam constantes menções à repressão aos quilombos, à proibição
de ajuda aos fugitivos, assim como indicação das medidas que deveriam ser tomadas
quanto aos roubos, brigas e assassinatos praticados pelos cativos.

CONCLUSÃO
Ao estudarmos a difusão e o controle das armas em Mariana, concluímos que,
para as autoridades da época, era muito difícil controlar o porte de armas na região,
visto que o uso desses instrumentos era comum na sociedade portuguesa, prática que se
difundiu também no Brasil colonial. Mas, as armas não eram utilizadas somente por

1
Códice Costa Matoso. p. 219

2
I Seminário de História: Caminhos da Historiografia Brasileira Contemporânea
Universidade Federal de Ouro Preto
http://www.ichs.ufop.br/seminariodehistoria

uma questão de status; para a ocupação do sertão seu uso foi indispensável. Após o
surgimento das vilas e arraiais, a difusão das armas entre a população se tornou cada vez
mais necessária.
No início da ocupação do sertão, a disseminação, o uso de armas tornou-se
indiscriminado porque as instituições administrativas, judiciais e policiais da colônia
ainda não estavam efetivamente instaladas, o que permitia aos senhores fazerem sua
própria defesa e a de seu patrimônio, favorecendo até mesmo o recurso de armar seus
escravos; a Guerra dos Emboabas prova bem esse fato.
Constatamos que para a coroa era extremamente difícil legislar sobre a posse,
o porte e a utilização de armas no Brasil. Inicialmente, o Estado Português tentou
impedir o uso de armas por parte dos escravos, pois, esses instrumentos se constituíam
em elementos de definição da condição social e, com eles, a rebeldia escrava contra os
senhores se tornava bem mais ameaçadora. Entretanto, desde o início da ocupação das
minas, os homens brancos armavam seus escravos para garantir a defesa deles mesmos,
os brancos, e a de suas propriedades. É nesse fato que se encontra uma das grandes
contradições do sistema escravista, além do que os cativos eram armados para combater
outros cativos.
Nos processos crimes, devassas eclesiásticas e consultas ao Conselho
Ultramarino, percebemos que a circulação de armas foi bastante significativa entre a
população em geral, e entre os escravos em particular. Os negros tinham acesso às
mesmas, através da autorização dos próprios senhores, do roubo e do contrabando. Os
delitos praticados por essa camada da população, especialmente pelos quilombolas,
eram sempre freqüentes, mas não chegavam a ameaçar o sistema escravista.
Quando a coroa resolveu proibir o porte e uso de armas pelas pessoas de toda e
qualquer condição, a população não aceitou, sob argumentos de que armas eram
indispensáveis para conter os insultos e a rebeldia dos escravos. Além disso, os próprios
brancos cometiam crimes até mesmo com armas proibidas, desrespeitando a lei.
A aplicação das leis era complicada; quase sempre servia aos interesses dos
senhores e à manutenção do sistema escravista; relembramos aqui o caso do menino
escravo, citado no capítulo II, que matou o cavalo de alguém com uma facada – o
corregedor da comarca tentou resolver a situação da forma que teria sido mais benéfica
ao senhor.

3
I Seminário de História: Caminhos da Historiografia Brasileira Contemporânea
Universidade Federal de Ouro Preto
http://www.ichs.ufop.br/seminariodehistoria

A pesquisa indicou que a coroa portuguesa tentou de todas as formas conter o


uso de armas no Brasil colonial, mas em vão. Nem o aparato legal rígido, como as
Ordenações Filipinas, nem a organização administrativa, judicial ou policial
conseguiram impedir que a população, incluindo os cativos, usasse armas. Através do
aparato legal que dizia respeito à questão das armas, vimos que o maior temor da coroa
não eram os motins e revoltas organizadas pela população livre, mas sim as fugas,
crimes e rebeliões praticados pelos negros, pois a metrópole preocupava-se com o risco
de que as armas nas mãos destes últimos ameaçassem a ordem escravista.

FONTES PRIMÁRIAS
1. FONTES MANUSCRITAS
AEAM:
- Livro de Devassas (1º) 1722-23
AHCSM
- Inventários post- mortem- 1713-1736
- Processos crime
1.3 - AHU
- Consultas feitas ao Conselho Ultramarino.
1.4 – APM
Livro (1) 1709 – 1721, fl. 21v
2 - FONTES IMPRESSAS
2.1- Códice Costa Matoso. Coleção das notícias dos primeiros descobrimentos das
minas na América que fez o doutor Caetano da Costa Matoso sendo ouvidor-geral das
do Ouro Preto, de que tomou posse em fevereiro de 1749 e vários papéis.Belo
Horizonte: Fundação João Pinheiro, Centro de Estudos Históricos e Culturais, 1999.
Coord. Geral – Luciano Raposo de Almeida Figueiredo e Maria Verônica Campos,
estudo crítico Luciano Figueiredo.
2.2- RAPM

- “Coleção sumária das próprias leis, cartas régias, avisos e ordens... Título22: Armas e
uso delas. vol. XVI, 1, 1911, pp 460-461.
2.3- Ordenações Filipinas. Lisboa: Fundação Caloute Gulbenkiam.1985. Livros III, IV e
V

4
I Seminário de História: Caminhos da Historiografia Brasileira Contemporânea
Universidade Federal de Ouro Preto
http://www.ichs.ufop.br/seminariodehistoria

FONTES ELETRÔNICAS
Internet - disponível em: <http://www.joppert.hpg.ig.com.br/sociedade>. Acesso em:
29/05/04
- disponível em: <http:// www.emporiosaber.com.br>. Acesso em: 29/05/04
- disponível em: http://www.bivirt.futuro.usp.br/imagem/arte/terceiro.html> Acesso em:
10/06/04
- disponível em: <museuhistoriconacional.br> Acesso em : 10/06/04
- disponível em: <www.geocites.com/armas> Acesso em: 19/06/04

Bibliografia

ANASTASIA, Carla Maria Junho. Vassalos rebeldes: violência coletiva nas minas na
primeira metade do século XVIII. Belo Horizonte: C/Arte, 1998

BARBOSA, Valdemar de Almeida. Negros e quilombos em Minas Gerais. Belo


Horizonte, 1972.

BARBOSA, Waldemar de Almeida. História de Minas. Belo Horizonte: Comunicação,


1979. 3v. BARREIROS, Eduardo Canabrava. A guerra dos emboabas. In: Episódios da
guerra dos emboabas e sua geografia.Belo Horizonte: Itatiaia, 1984

BATALHA, Cláudio Henrique da Moraes. A história social em questão. In: História:


Questões e Debates, ano9, nº17, Curitiba, 1988.
BOXER, C.R. A idade de ouro do Brasil: dores de crescimento de uma sociedade
colonial. 2 ed. São Paulo: Editor.1969.

BROCKWELL, Charles. The natural and political history of Portugal. Lisboa. 1726

DONATO, Hermani. Dicionário das batalhas brasileiras: dos conflitos com indígenas
às guerrilhas políticas urbanas e rurais. São Paulo: Ibrasa,1987.

5
I Seminário de História: Caminhos da Historiografia Brasileira Contemporânea
Universidade Federal de Ouro Preto
http://www.ichs.ufop.br/seminariodehistoria

FERREIRA. Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário Aurélio da Língua


Portuguesa, Editora Nova Fronteira, 2ª Edição, 1986

FURTADO, João Pinto. Historiografia das revoltas setecentistas mineiras- o caso da


“Inconfidência Mineira”. In: LPH: Revista de História. Nº6,1996

GONÇALVES, Andréa Lisly. Algumas perspectivas da historiografia sobre minas


gerais dos séculos XVIII e XIX. In: Termo de Mariana
Grande Dicionário Larousse Cultural da Língua Portuguesa. São Paulo: Ed. Nova
Cultural

GUIMARÃES, Carlos Magno. Uma negação da ordem escravista: quilombos em


Minas Gerais no século XVIII. São Paulo: Ícone, 1988.

GUIMARÃES, Carlos Magno. Mineração, quilombos e Palmares – MG no século


XVIII. In: Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. org: REIS, João José
e GOMES, Flávio dos Santos. Santos. São Paulo: Compainha das Letras, 1996.

HOBBES, Thomas. Leviatã ou matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil;


tradução de João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Niza da Silva. 2 ed. São Paulo: Abril
Cultural, 1979. Coleção “Os pensadores”

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Caminhos e fronteiras. 3 ed. São Paulo: Compainha
das Letras, 1994.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Extremo oeste. São Pulo: Brasiliense, 1986.

JOSÉ, Oiliam. Quilombos mineiros. In: A abolição em Minas. BH: Itatiaia.

LARA, Sílvia Hunold. Campos da violência: escravos e senhores na capitania do Rio


de Janeiro, 1750 - 1808. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

6
I Seminário de História: Caminhos da Historiografia Brasileira Contemporânea
Universidade Federal de Ouro Preto
http://www.ichs.ufop.br/seminariodehistoria

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. Memória e cultura material: documentos pessoais e


espaço público. In: Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol.11, nº21, 1998

PAIVA, Eduardo Fonceca. Os inventários mineiros: fontes para a história colonial. In:
Caderno de Filosofia e Ciências Humanas. Ano 1, nº1, Faculdades Integradas Newton
Paiva

PICCOLO, Helga Iracema. O sistema escravista no RS: os inventários como fonte


para pesquisa histórica. In: História em Revista/ Universidade Federal de Pelotas.
Pelotas: Editora da UFPEL, v3, 1997

RAMINELLI, Ronald. Viagens e Inventários. Tipologia para o período colonial. In:


Historia: Questões e Debates. Ano17, nº32, Curitiba: Editora da UFPR. 2000.

RAMOS, Donald. O quilombo e o sistema escravista em Minas Gerais no século XVIII.


In: Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. org: REIS, João José e
GOMES, Flávio dos Santos. Santos. São Paulo: Compainha das Letras, 1996.

RUSSELL – WOOD. Autoridades ambivalentes: o Estado do Brasil e contribuição


africana para “a boa ordem na república”. In: SILVA, Maria Beatriz Nizza da (org.).
Brasil: colonização e escravidão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000

SALLES JR. R. de A. Código penal interpretado, 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2000

SILVA, Helenice Rodriguez da. A violência na História e a legitimidade de


Desobediência civil. In: História: Questões e Debates. Ano18, nº35. Curitiba: Editora
da UFPR. 2000.

SOUZA. Laura de Mello e. Desclassificados do Ouro: A pobreza mineira no século


XVIII. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2º ed, 1986.

7
I Seminário de História: Caminhos da Historiografia Brasileira Contemporânea
Universidade Federal de Ouro Preto
http://www.ichs.ufop.br/seminariodehistoria

SILVA, Kalina Vanderley p. Dos criminosos, vadios e de outros elementos


incômodos:uma reflexão do recrutamento e as origens sociais dos militares coloniais.
In: LOCUS: revista de História. Juiz de Fora: Editora da UFJF, v8, nº1,2002.
WEBER, Max. Economia e Sociedade. Brasília:UnB, 1991.