Você está na página 1de 4

Terceirização

Esqueleto – Spin de Notícias


Bom dia e bem vindos a mais Spin de Notícias, o seu giro diário de informações científicas... em escala
sub-atômica. Meu nome é Thiago Brandão, sou sociólogo, mas especificamente sociólogo do trabalho, e
hoje, dia 25 Irísian do calendário Dekatrian e dia 7 de setembro do calendário gregoriano falaremos
sobre a Terceirização do trabalho no Brasil.
E no programa de hoje
Veremos A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal decidiu, nesta quinta-feira 30,
que a terceirização irrestrita é constitucional.
Com a decisão, a terceirização de atividades centrais das empresas passa a ter aval da
Justiça, após ser sancionada em lei por Michel Temer em 2017. Antes da sanção do Temer, as
companhias só podiam terceirizar as chamadas atividades-meio.
Entao toca a vinheta pra gente discutir isso em detalhes.

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal decidiu que a terceirização irrestrita é
constitucional.
Com isso, a terceirização de atividades centrais das empresas passa a ter aval da Justiça.
Mas o que é a terceirização?

É quando uma empresa contrata outra empresa, ou uma cooperativa, enfim, é quando uma empresa
transfere para outra pessoa jurídica algumas de suas atribuições.

Até 2017, a terceirização não tinha previsão em lei. Ela era regida a partir de uma súmula do Tribunal
Superior do Trabalho que limitava a terceirização apenas para a atividade meio, vetando, portato, as
terceirizações para atividade fim. O que isso quer dizer?

Imaginemos uma montadora de carros, no ABC paulista, nos anos 80.

A finalidade de uma montadora de carros é, montar carros.

Uma montadora nos anos 80 envolvia empregava milhares de trabalhadores para funcionar. Quer dizer,
além dos operários em geral, ela também empregava

A) Segurança.
B) Alimentação.
C) Administraçao.
d) Limpeza

Ou seja, até o final dos anos 80, a montadora tinha na sua folha de pagamento engenheiros,
técnicos, metalúrgicos, operadores, seguranças, cozinheiros, o pessoal do almoxarifado, etc. Lembra que
eu falei que a terceirização era uma empresa contratando outra? Entao, o que ocorre é que agora, a
montadora do nosso exemplo contratam empresas prestadoras de serviços. Entao contrata-se uma
empresa de segurança para cuidar da segurança, empresa que cuida da alimentação, da limpeza. Com
isso, a montadora matou 2 coelhos com uma cajadada só. Desmobilizou boa parte dos filiados aos
sindicatos dos metalúrgicos, afinal, o trabalhador era cozinheiro, mas como trabalhava na montadora,
ele se filiava ao mesmo sindicato dos operários. Agora ele deve se filiar ao sindicato dos cozinheiros, ao
sindicato dos cozinheiros terceirizados, etc. E o segundo coelho foi que a montadora conseguiu reduzir
os custos da sua folha de pagamento.

Eu quero me deter um pouco sobre a questão dos custos, para falar sobre um problema que a
terceirização trás.

Vamos fazer um exercício hipotético para ver como os trabalhadores terceirizados recebem menos que
os não terceirizados.

Imaginem a montadora tem 10 funcionários de da limpeza ganhando 1000 reais cada.

O custo total é 10 mi reais.

So vale a pena para a montadora contratar uma terceirizada se for por menos de 10 mil reais, portanto.

A montadora encontra uma Terceirizada que oferece por 9000.

Pra a terceirizada oferecer esse valor para a montadora, os salários das pessoas da limpeza precisam ser
de 900.

Mas e o lucro da terceirizada?

Entao digamos que a terceirizada pegue 1000 de lucro. Sobram 8000 para pagar os 10 trabalhadores
que ficam com 800 reais cada de salario.

Essa é uma explicação baseada apenas na logica, para entendermos porque, majoritariamente, os
terceirizados ganham menos que os trabalhadores não-terceirizados, mesmo exercendo a mesma
função. Mas precisamos ver se essa lógica de raciocino ocorre em estado prático. Pra isso, invoco um
relatório do DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e estudos sócio econômicos).

Terceirização e precarização das condições de trabalho. Condições de trabalho e remuneração em


atividades tipicamente terceirizadas e contratantes.

- revela que os terceirizados recebem salários 24,7% menores que os trabalhadores efetivos,
permanecem no emprego pela metade do tempo, ou seja, são realocados ou demitidos com
muito mais frequência que os não terceirizados, e possuem jornadas de trabalho maiores. E E
ainda sofrem Discriminação dos trabalhadores efetivos dentro do local de trabalho e recebem
Benefícios inferiores da categoria...

Ao menos uma boa noticia. No julgamento, os ministros do STF mantiveram um


outro entendimento do TST – o de que a empresa que terceirizar será
responsabilizada em caso de não pagamento de direitos trabalhistas pela
empresa fornecedora da mão-de-obra.
E porque isso é importante? Porque é da prática da terceirizada, fechar,
demitir os trabalhadores, abrir um novo CNPJ, e contratar outros
trabalhadores.

Trajetória típica. A construção da sociedade do trabalho no Brasil.

1) Ingresso na escola.
2) Evasão escolar para ajudar em casa
3) Primeiro emprego precário. 50% dos trabalhadores recebem menos que 1 salário mínimo.
4) Ajuste de expectativas.
5) Reingresso na escola, ensino profissionalizante, ou, no máximo, ingresso em uma Universidade
de baixa qualidade.
6) Retorno ao emprego precário.

E nesse ponto que entra a terceirização. Ela aumenta em muito a rotatividade do trabalho, porque é
comum uma terceirizada decretar falência para não pagar suas despesas, e então, o dono da
terceirizada abre outra empresa com um cnpj direferente e recontrata esses trabalhadores
novamente que ficam rodando de emprego precário para emprego precário, sendo demitido e
recontratado.....

7) Aos 35 anos o trabalhador perde emprego e já não tem mais idade para ser recontratado.
8) O trabalhador vai trabalhar pro conta própria, abrindo uma lojinha, virando motorista de
aplicativo, vendendo salgado, comida, etc, normalmente como informal e não conseguindo mais
entrar no mercado de trabalho e ocupar nele os melhores postos de trabalho.

Também contrária às terceirizações, Rosa Weber afirmou: "Não se cogita de Estado social ou
Estado Democrático de Direito que não se assente em sólida proteção ao trabalho e equilíbrio
entre os valores sociais do trabalho e a livre iniciativa".
E por hoje é só! Lembro que todos os links comentados estão no post e deixe lá também seu
comentário, elogio ou crítica. Lembro ainda que esse podcast só é possível acontecer por conta de seu
apoio no patronato do SciCast, tanto no Patreon quanto no Padrim. Um grande abraço, lembrem-se de
beber agua e até amanhã!