Você está na página 1de 76

De onde surgiram os brancos?

setembro 11, 2013 / Ana Burke

A Galerie Hilaneh von Kories apresentou uma coleção de imagens pelo artista Andreas
DEFFNER que conquistou pessoas na Índia com o raro distúrbio genético em uma nova
luz.

Os seus retratos, na exposição »Branco, muito branco”, motraram pessoas afetadas pelo
albinismo. Estas imagens foram exibidas nas salas da Galeria em Hamburgo de 24 de
agosto até 15 de dezembro de 2006.

O albinismo é considerado como sendo a primeira doença genética já reconhecida. Ela é


causada pela falta de capacidade de formar o pigmento melanina do corpo. A
pigmentação da íris e coróide também podem ser deficientes, o que permite que a luz
penetre diretamente através das estruturas do olho, em vez de apenas através da pupila –
a principal razão para uma maior sensibilidade para a exposição à luz solar.

Foi um encontro com uma pessoa com albinismo a partir de Pondicherry, no sul da Índia,
que inspirou Andreas DEFFNER a estudar e nos dar uma mostra deste notável esforço
artístico. Ele passou quatro anos encontrando pessoas de diferentes esferas e tomando
suas imagens em estúdios a luz do dia móveis, sendo estas pessoas também entrevistadas
pelo sociólogo indiano Tejas Joseph.

O visual das fotos coloridas na exposição »Branco, muito branco”, algumas dos quais
estavam em formato grande, eram extremamente vivas e ousadas. O homem de pele clara,
forte, com uma escovinha e olhos brilhantes: Ele é um índiano?

A menina com olhar etéreo com cabelo branco encaracolado loiro com aparência nórdica,
ou o menino com olhos azuis e pele leitosa: eles se parecem com indianos também?

E o que dizer da velha senhora loira com uma aparência cativante e a pele manchada de
branco e aparência estranha?

Estamos autorizados a nos maravilhar com sua beleza e sua coragem, e estudar o
personagem alienígena com sua pele manchada e sentindo a sensibilidade de seus olhos,
que são preenchidos com dor.
Andreas DEFFNER explica o objetivo por trás de seu projeto: »Eu queria mostrar como
a aparência física torna-se o centro do palco, quando eu, como fotógrafo, reconheco e
respeito essa pessoa. Mudei o meu ponto de vista a respeito das pessoas com
albinismo. Normalmente, elas estão sendo analisadas. Em minha mente, a fotografia
pode ajudar na sensibilização para as minorias, os problemas que estão enfrentando, e que
a maioria das pessoas não tem idéia. “
Todas as pessoas acima são indianos. Percebe-se que os albinos são totalmente diferentes
dos indianos normais. O cruzamentos entre estes albinos vão originar outros albinos ou
pessoas brancas da mesma forma como foram originadas as pessoas brancas atuais.

Estas são as pessoas “originais” da Índia – O “dravidianos”.


.

Estes são os “Albinos” do povo “original” da Índia – O “Dravidianos”.


.

A tribo Bhatti do Paquistão ainda produz Albinos idênticos aos germânicos originais
(ver suas descrições nos escritos do historiador romano Tácito). (Nota: o Paquistão era
originalmente parte da Índia).
.

Olhando a foto abaixo, poderíamos afirmar que a menina branca tem semelhanca com suas irmãs
indianas? Ou poderíamos nos confundir, estando ela isolada, e afirmar que a mesma seria caucasiana?
.

Verdadeiro negro africano


.

Projeto Genográfico (BBC)

O “Projeto Genográfico” da National Geographic é uma tentativa ambiciosa em responder a perguntas


fundamentais sobre de onde viemos e como chegamos a povoar a Terra. O Projeto Genográfico é uma
iniciativa de pesquisa de vários anos liderada pela National Geographic Explorer-in-Residence Dr. Spencer
Wells. Dr. Wells e uma equipe de renomados cientistas internacionais estão usando tecnologias genéticas
e computacionais de ponta para analisar os padrões históricos de DNA dos participantes ao redor do mundo
para entender melhor as nossas raízes genéticas humanas.
Nota: O “Período de Migração” referenciado acima, reflete apenas os movimentos de “Os
europeus ALBINOS modernos”: ele não reflete as incursões dos primeiros Albinos da
Ásia Central (cerca de 1200 aC), que se tornou uma parte das civilizações grega e negra
romana.

A genética traça claramente os dravidianos, e seus Albinos, saindo da África, indo


para a Índia, e, finalmente, chegando na Europa. (No haplogrupo há
predominancia do Branco / Albino europeus que é Y-DNA haplogrupo “R”).

Como podemos ver abaixo os indianos e comparando com a foto dos albinos indianos
nos início, a disparidade de características é muito grande. Os albinos não tem nenhuma
semelhanca com a sua família de origem e, a partir do cruzamento entre estes albinos
teremos um outro povo totalmente diferente do povo original. Mesmo que este povo
original já tenha sofrido alguma forma de clareamento devido a cruzamentos com
albinos.
.
TURCOS MODERNOS
ÁRABES

Nota: Assim como a cultura cristã moderna está muito longe da antiga cultura hebraica –
agora ela é cultura europeia. Assim também é a cultura árabe moderna. Ela está longe da
cultura árabe original – é agora a cultura turca. Durante o tempo do Império Turco
Otomano (1299 – 1922), o Islã não era conhecido como a religião árabe, era conhecido
como a religião turca.

O thawb (vestes árabes) emblemático da cultura árabe, não é árabe em tudo. Os árabes
originais, como os egípcios, berberes, mesopotâmicos, elamitas / persas: tinham a pele
preta e por isso eles não precisavam se cobrir da cabeça aos pés para se protegerem contra
o sol, o que o thawb proporciona. Não se sabe quem inventou o thawb, mas sabe-se que,
apesar de os turcos terem governado Bagdá, odiavam ir para lá por causa do clima quente
e da luz do sol que queimava. Sendo que os turcos originalmente tinham a pele muito
pálida e, precisando se proteger do sol, provávelmente inventaram a thawb.

O homem moderno da etnia turca em uma thawb


.

SOBRE OS ÁRABES

François Auguste Mariette Ferdinand (1821 – 1881) estudioso francês, Arqueólogo,


egiptólogo e fundador do Museu Egípcio, no Cairo.

“Esboços da história do Egito antigo”

Traduzido e editado, com notas, por Mary Brodrick


Notas introdutórias por William C. Winslow, DD, DCL
LL.D, Vice-Presidente do Fundo de Exploração do Egito para os Estados Unidos

SONS CHARLES Scribner, New York, 1892 – Page 28

Citação:

“Quantas vezes não vemos nas monarquias orientais e mesmo em países europeus uma
diferença de origem entre a classe dominante, à qual pertence a família real, e a massa do
povo, e não precisamos deixar Egito e Ásia Ocidental para encontrarmos lá turcos
governando nações que a eles não pertencem, embora tenham adotado a sua religião. Da
mesma forma como os turcos de Bagdá, que são os finlandeses, e agora reinam sobre os
semitas, e reis turanianos poderiam ser levados para o Egito e governar a população de
origem mista, onde os semitas eram maioria. Se considerarmos a mistura de raças que
tiveram lugar na Mesopotâmia, em tempos remotos, as invasões que o país sofreu, os
conflitos repetidos de que era o teatro, não há nada de extraordinário que as populações
que saíram desta terra apresentassem uma variedade de raças e origens “.

“Os habitantes desta parte da Arábia quase todos pertencem à raça dos Himyar. Sua pele
é quase tão negra como a pele dos abissínios “- Barão von Maltzan, ‘Geografia do sul da
Arábia” (1872)

“Hamidas são pequenos seres coloridos de chocolate, atrofiados e finos … com tufos de
cabelo espesso … barba rala, olhos ferozes, sobrancelhas franzidas… armados com
bainha pendurada no ombro e punhais Janbiyyah …” um povo “da grande tribo Hejazi
que manteve o seu sangue puro para os últimos 13 séculos … “- Sir Richard Burton (1879)

“O povo de DHUFAR são da tribo Qahtan, filhos de Joctan mencionado em Gênesis: eles
são de tipos Camitas ou Africanos, em vez de árabes …” – Arnold Wilson, The Journal
geográfica (1927)

“A tribo mais próspera de todo o grupo dos Camitas, possuíam inúmeros camelos,
rebanhos de gado e incenso. Assemelham-se a tribo de Bisharin do deserto da
Núbia. Homens de ossos grandes, eles têm rostos longo e com mandíbulas longas e
estreitas, narizes longos e cabelos crespos refinavam e pele morena “-. Richmond Palmer
(1929)

“Mahra é o nome árabe para as tribos beduínas que são diferentes em aparência de outros
árabes, com os rostos quase sem barba, cabelos difusos e pigmentação escura – como o
Qarra, Mahra e Harasis … e também” … o Qarra, Mahra e Harasis e partes de outras
tribos. O idioma é derivado da linguagem dos sabeus, Minaeans e Himiaritas. O Mahra
com outros povos árabes do sul parecem alinhados com os Camiticos do nordeste da
África … Acredita-se que os Mahra são descendentes dos Habasha, que colonizaram a
Etiópia no primeiro milênio antes de Cristo “- David Phillips, Povos em Movimento
(2001)

“Observadores europeus acreditam que herdaram grande parte de sua semelhança física
do povo da somália e etíopes, mas não há nenhuma evidência histórica de todas as
conexões.” – E. Peterson, “Diverse Society de Oman: Southern Oman”

“Baldwin faz uma distinção marcante entre a população semita moderna Maometana da
Arábia e a etíope, camita, ou antecessores etíopes. Os primeiros, diz ele, “são
relativamente modernos na Arábia, ‘eles’ se apropriaram da reputação da velha raça”, e
têm indevidamente ocupado a atenção dos estudiosos modernos “-. Charles Hardwick
(1872)

Muitas vezes, as características dos árabes mais negróides são derivadas dos Dravidianos
da Índia, em vez de ser heranças dos Camitas da África. Embora o árabe de hoje é
nitidamente diferenciado do Negro de África, no entanto, deve ter havido um momento
em que ambos foram representados por um único ancestral, de outra maneira não poderia
ter prevalecido neles certos traços negróides dos nativos da Arábia . “- Henry Field,
Antropologia Memoirs Volume 4 (1902)

“Há uma massa considerável de provas mostrando que houve uma semelhança muito
estreita entre proto-egípcios e árabes antes ou se misturarem com elementos raciais
Armenoid.” – Elliot Smith, que os antigos egípcios e as Origens da Civilização (1923)

“Na Arábia os primeiros habitantes eram, provavelmente, de pele escura e se situavam


entre os Camitas africanos e os dravidianos da Índia formando um único cinto asiático
Africano com estes.” – Manual dos territórios que formam o Teatro de Operações do
Iraque Petroleum Company Limited e empresas associadas.

Todas as pessoas das regiões do deserto, do Oceano Atlântico até o Golfo Pérsico,
apresentam tipos físico similares, cor da pele negra (pessoas de pele branca não
iriam sobreviver muito tempo no deserto – As esposas dos turcos ficam nas tendas),
estilo de vida e cultura.
.

TROPAS ASSÍRIAS PERSEGUINDO ÁRABES EM CAMELOS


.

Os negros nas terras governadas pelos turcos, tiveram suas identidades roubadas
pelos turcos, e seus mulatos, após a dissolução do Império Otomano.
Tal como acontece com os berberes, egípcios, etc após a dissolução do Império Otomano
após a Primeira Guerra Mundial, e a concessão da independência aos países após a
Segunda Guerra Mundial, os árabes viram a sua identidade roubada por brancos
(principalmente turcos e seus mulatos) e outras pessoas de raça mista . Assim, o Egito é
“A República Árabe do Egipto” A Síria é “A República Árabe da Síria” A Líbia é “A
Grande Popular Socialista Líbia” A Jordânia é “O Reino Hachemita da Jordânia”
(Hachemita é a versão Latinada da transliteração árabe de Hāšimī ) e tradicionalmente se
refere àqueles pertencentes ao Banu Hashim árabes, ou “clã de Hashim”, um clã dentro
da grande tribo coraixitas árabe. Ela também se refere a uma dinastia árabe cuja força
original surgiu da rede de alianças tribais e lealdades de sangue na região de Hejaz da
Arábia, junto ao Mar Vermelho.

Apenas um deles é um verdadeiro árabe

Estudo de DNA árabe confirma relatos históricos do que aconteceu na Arábia.


Disponível em:

http://www.biomedcentral.com/1471-2148/8/45
.
.

EUROPEUS
Teste revela que é improvável que os antepassados dos antigos etruscos sejam os
Toscanos modernos.

Notícia da Science Daily – Pela primeira vez, pesquisadores da Universidade de Stanford


usaram modelos de computador para simular processos estatísticos demográficos que
afetam a população da região da Toscana da Itália ao longo de um período de tempo de
2.500 anos. Rigorosos testes utilizados pelos pesquisadores descartaram a possibilidade
de uma ligação genética entre os antigos etruscos, os habitantes originais da região central
da Itália, e modernos residentes atuais da região.

Os resultados indicam (como é óbvio a partir dos retratado artefatos) , que os etruscos
antigos tinham pouco em comum com as pessoas que mais tarde vieram a Itália, disse
Joanna Mountain, professora assistente de ciências antropológicas. Os resultados
documentados indicam uma relação genealógica fraca entre etruscos e Toscanos
modernos. O estudo foi publicado em 15 de maio de 2006 na versão online da National
Academy of Sciences.

Até à data, os etruscos são a única população européia pré-clássica, que foi geneticamente
analisada, disse Mountain. Dois anos atrás, os geneticistas italianos extraíram DNA
mitocondrial herdado da mãe a partir dos ossos de 27 pessoas chamadas etruscos
encontradas em seis diferentes necrópoles (cemitérios) na Toscana. A linhagem feminina
foi investigada porque, ao contrário do cromossoma Y do sexo masculino, várias cópias
de DNA mitocondrial são encontradas em cada célula, e são, portanto, mais fácil de
extrair, explicou Montanha. A descoberta é importante porque questiona a suposição
comum de que os moradores de um determinado local são descendentes de seus habitantes
anteriores, afirmou Mountain.
Nota: Esta história foi adaptada a partir de um comunicado de imprensa emitido pela
Universidade de Stanford.

OS GREGOS
A linhagem dos gregos antigos é sempre fonte de controvérsia.

Nas Histórias de Heródoto, ele identifica claramente a linhagem de cada principal tribo
grega. Estes livros são considerados em uma das obras seminais da história da literatura
ocidental. Escrito a partir da 450 a 420s a. C., no dialeto jônico do grego clássico. Aqui
foram extraídas citações de Histórias de Heródoto que define claramente a etnia de cada
tribo dos gregos antigos. Ver mais neste link:

Pesquise em:
<http://realhistoryww.com./world_history/ancient/Misc/Lineage_of_the_Ancient_Greek
s/Lineage_of_the_Ancient_Greeks.htm&gt;

Nota: A partir do link acima, podemos ver claramente que os helenos não eram brancos,
eles só aceitaram os brancos no meio deles. Heródoto refere-se aos brancos como
bárbaros, mas, se for usado esse termo, seria confuso para aqueles que conhecem os
helenos como brancos.
.

ZEUS
.

HERCULES
.

ALEXANDRE, O GRANDE (Única imagem existente)


.
.

ROMANOS

Sacro Imperador Romano: Otto I


.

AFRODITE E ADONIS
.

APOLO
.
.

IMPERADOR AUGUSTO
.

IMPERADOR ROMANO VITÉLIO(Abaixo)


.

IMPERADOR ROMANO CARACALLA(Abaixo)


.

MICHELÂNGELO (Abaixo)

– Michelangelo di Lodovico Buonarroti Simoni – 6 March 1475 – 18 February


1564.
.

EUROPEUS MODERNOS

CHINESES
Um estudo genético feito por pesquisadores de todo o mundo: China, Japão, USAUK e
outros países, e publicado em 2001; responde de forma definitiva à questão das origens
chinesas. As conclusões foram que o original chinês era 100% puro Negro Africano, com
absolutamente nenhuma mistura vinda de fora – Mas estamos falando sobre o original
negro chinês, sendo que os chineses modernos são bastante diferentes, o que será
explicado mais tarde. Para ver mais
consulte:http://www.sciencemag.org/content/292/5519/1151.abstract

.
.
Dinastia Qin – Guerreiros de terracota

MODERNOS CHINESES
.

JAPONESES
.

JAPONESES MODERNOS

CORÉIA
.

OS HUNOS

Embora não seja possível determinar com exatidão as maquinações raciais da China
antiga. Algumas inferências podem ser tiradas a partir dos tempos do Império Huno, eo
grande império mongol de Genghis Khan .

Os hunos eram um povo pastoril nômade da Ásia Oriental, que invadiu a Europa em cerca
de 370 d. C. e criou um enorme império, que chegou até a Alemanha. Eles foram,
possivelmente, os descendentes do Xiongnu que tinham sido vizinhos no norte da China,
300 anos antes.
Os hunos pode ter estimulado a Grande Migração, um fator que contribuiu para o colapso
do Império Romano. Eles formaram um império unificado sob Átila, o Huno, que morreu
em 453 d. C. Com o seu império se separando no ano seguinte.

Jordanes – O historiador romano, escreveu um livro sobre a história dos godos chamados
“Getica” (cerca de 551 AD). Em seu livro, ele descreve os hunos da seguinte forma: Eles
fizeram os seus inimigos fogirem horrorizadas porque pele negra tinha um aspecto que
dava medo, e eles tinham, se é que posso chamá-los assim, uma espécie de caroço
horrível, não uma cabeça, com furinhos em vez de olhos. Eles cortavam as bochechas dos
machos com uma espada, de modo que, antes de receber o alimento com leite, eles
deveriam aprender a suportar as feridas. Daí eles envelheciam sem barba e os seus jovens
não eram bonitos, pois tinham sulcos e cicatrizes provocados pelos ferimentos da
espada. Diz-se também que um outro costume comum dos hunos era a colocar uma
correia nos narizes achatados de seus filhos desde tenra idade, a fim de ampliar os seus
rostos, aumentando assim o terror que sua aparência provocava nos seus inimigos.

OS MONGÓIS

Genghis Khan chegou ao poder, unindo muitas das tribos nômades do nordeste da
Ásia. Depois de fundar o Império Mongol e ser proclamado “Genghis Khan”, iniciou as
invasões mongóis e invasões de Kara-Khitan Canato, Cáucaso, Império Khwarezmid, Xia
Ocidental e dinastias Jin, e na Europa, chegando até a Polônia e Hungria.
Kublai Khan foi o quinto Grande Khan do Império Mongol 1260-1294 e fundador da
dinastia Yuan. Como o segundo filho de Tolui e Sorghaghtani Beki e um neto de Genghis
Khan. Na época de Kublai Khan, os chineses já começam a assumir a aparência dos
chineses modernos. Acima, à direita, podemos ver que a esposa de Kublai Khan é muito
pálida. E observando o lado esquerdo acima, podemos ver que dos oito representantes das
diversas tribos, apenas dois deles são homens negros puros. A pintura localizada no
Palácio do Museu Nacional em Taipei.
.

PEQUENO ACRÉSCIMO

Egípcios, sumérios, Mohenjo-daroans, harappanos e cretenses, elamitas e Nubios,


foram alfabetizados 3.000 anos, 4.000 anos, quem sabe quantos milhares de anos,
antes que o mundo jtenha ouvido falar dos gregos ou romanos. E há ampla
evidência de sua alfabetização.

No entanto, não há uma única entrada descrevendo qualquer uma das pessoas de
sua época, quer se trate de amigos, inimigos ou invasores: ou ainda mais incrédulo,
não há uma única entrada descrevendo invasores brancos, em qualquer de sua
literatura.

Contraste isso com os escritos gregos e romanos, em que essas pessoas recém-
alfabetizadas, depois de sofrer com a “Idade das Trevas” causadas pela invasão dos
Albinos, descrevem tudo e todos – exceto a si mesmos!
Estas discrepâncias são, naturalmente, não acidental, nem por falta de material.
Felizmente, o homem branco tem simplesmente retido este material, e não a
destruiu.
REFERÊNCIAS

http://realhistoryww.com./world_history/ancient/Dobruja_Thrace_1.htm#albino

The-European-Created-fragments-fossil-face-forbears-35-000-years-ago Leia mais aqui:


http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-1177123/The-European-Created-
fragments-fossil-face-forbears-35-000-years-ago.html

Primeiros humanos modernos na europa: Leia mais aqui:


http://realhistoryww.com./world_history/ancient/Misc/Prehistoric_Art/Grimaldi.htm

Neanderthal & Cro-Magnon. Leia mais aqui:


http://realhistoryww.com./world_history/ancient/cro_magnon_Homo_sapien.htm

Etruscan Tomb Paintings. Ver mais em:


http://realhistoryww.com./world_history/ancient/Misc/Med/Etruscan_tomb_painting1.ht
m

Photos of the Ancient Etruscans; Ver mais em:


http://realhistoryww.com./world_history/ancient/Misc/Med/Etruscan2.htm

Click here for mixed-race Tomb paintings from the early Greco-Roman city of Paestum:
CAUTION – some are of an extremely erotic nature!
http://realhistoryww.com./world_history/ancient/Misc/Med/Paestum/Paestum.htm

Click here for mixed-race Tomb paintings from early White Rome >>>

Click here for mixed Etruscan artifacts >>>


Click here for mixed-race Tomb paintings from the early Greco-Roman city of Paestum:
CAUTION – some are of an extremely erotic nature! >>>

Click here for mixed-race White Greece >>>

Click here for mixed-race White Greece -2 >>>

Classical Greece. Ver mais:

http://realhistoryww.com./world_history/ancient/Misc/Common/Mediterranean/Mediter
ranean_2.htm

Additional Greek and Cretan Pictures. Ver mais:


http://realhistoryww.com./world_history/ancient/Misc/Med/Greek2.htm

A Draft Sequence of the Neandertal Genome. Leia mais aqui:


http://www.sciencemag.org/content/328/5979/710.full

http://www.livescience.com/28954-ancient-europeans-mysteriously-vanished.html

Neolithic mitochondrial haplogroup H genomes and the genetic origins of Europeans.


Ver mais: http://www.nature.com/ncomms/journal/v4/n4/full/ncomms2656.html

Herodotus Quotes – Lineage of the Ancient Greeks. Confira neste endereco:


http://realhistoryww.com./world_history/ancient/Misc/Lineage_of_the_Ancient_Greeks
/Lineage_of_the_Ancient_Greeks.htm

Human and Neanderthal interbreeding questioned. Ver mais em:


http://www.newscientist.com/article/dn22168-human-and-neanderthal-interbreeding-
questioned.html#.Uj6QKWR4ZvA

Higher Levels of Neanderthal Ancestry in East Asians Than in Europeans. Ver mais
em: http://www.genetics.org/content/early/2013/02/04/genetics.112.148213.short?rss=1

THE ARABS – WHO IS AN ARAB? Veja mais em:


http://www.realhistoryww.com/world_history/ancient/Misc/True_Negros/The_True_Ne
gro_2.htm

Mitochondrial DNA structure in the Arabian Peninsula (This is a study of FEMALE


Mt-dna) Disponível em:

http://www.biomedcentral.com/1471-2148/8/45

http://www.mei.edu/content/hamidas-story-female-agents-change

Herodotus Quotes Lineage of the Ancient Greeks. Disponível em:


http://www.realhistoryww.com/world_history/ancient/Misc/Lineage_of_the_Ancient_G
reeks/Lineage_of_the_Ancient_Greeks.htm
Persas e Gregos. Disponível em:
http://www.realhistoryww.com/world_history/ancient/Misc/Elam/Persepolis.htm

Fonte: http://www.galeriehilanehvonkories.de/en/deffner/white-too-white/

FONTE (FOTOS): http://www.realhistoryww.com/index.htm

http://realhistoryww.com/world_history/ancient/Misc/Data/European_languages.htm