Você está na página 1de 2
O que é a SIDA? Sintomas da SIDA Agrupamento de Escolas Artur Gonçalves de Torres
O que é a SIDA?
Sintomas da SIDA
Agrupamento de
Escolas Artur Gonçalves
de Torres Novas
Disciplina
Ciências Naturais
Gonçalves de Torres Novas Disciplina Ciências Naturais A SIDA (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) é uma

A SIDA (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) é uma Doença que é provocada pelo Vírus da VIH, que ataca o sistema imunológico do nosso organismo, destruindo-lhe a capacidade de defesa em relação a muitas doenças, vulgarmente conhecida por como «infecções oportunistas».

O dia Mundial contra a SIDA comemora-se no dia 1 de Dezembro.vulgarmente conhecida por como «infecções oportunistas». Como se transmite Secreções Sexuais: Nas relações

Como se transmite

a SIDA comemora-se no dia 1 de Dezembro. Como se transmite Secreções Sexuais: Nas relações sexuais

Secreções Sexuais: Nas relações sexuais com penetração vaginal ou anal sem protecção, assim como existem feridas ou lesões.

Sangue: Através da partilha de agulhas, seringas, escova de dentes e outros objectos cortantes que estejam em contacto com o sangue.

Da mãe infectada para o filho: Se a mãe estiver infectada pode transmitir ao bebé através do leite e também durante a gravidez.

ao bebé através do leite e também durante a gravidez. Algumas pessoas apresentam sintomas semelhantes aos
ao bebé através do leite e também durante a gravidez. Algumas pessoas apresentam sintomas semelhantes aos
ao bebé através do leite e também durante a gravidez. Algumas pessoas apresentam sintomas semelhantes aos

Algumas pessoas apresentam sintomas semelhantes aos de uma gripe como febre, suores, dor de cabeça, de estômago, nos músculos e nas articulações, fadiga, dificuldades em engolir, gânglios linfáticos inchados. Calcula-se que pelo menos 50 por cento dos infectados tenham

estes sintomas.

também perdem peso e outras, ocasionalmente, podem perder a mobilidade dos braços e pernas, mas recuperam-na passado pouco tempo.

dos braços e pernas, mas recuperam-na passado pouco tempo. Algumas pessoas Como se previne a SIDA

Algumas pessoas

Como se previne a SIDA

passado pouco tempo. Algumas pessoas Como se previne a SIDA A melhor forma de prevenir a

A melhor forma de prevenir a SIDA é usar sempre o preservativo masculino ou feminino.

a SIDA é usar sempre o preservativo masculino ou feminino. Professora Carla Moniz Trabalho Elaborado por:

Professora Carla Moniz Carla Moniz

preservativo masculino ou feminino. Professora Carla Moniz Trabalho Elaborado por: Rui Pedro Oliveira N.º 5364 Rute
Trabalho Elaborado por:
Trabalho Elaborado por:

Rui Pedro Oliveira N.º 5364 Rute Antunes N.º 5512

Ano/Turma: 9.ºD

Ano/Turma: 9.ºD

Ano Lectivo: 2008/2009

Ano Lectivo: 2008/2009

Como não se transmite a SIDA Forma de tratamento da SIDA Vírus transmissor da SIDA
Como não se transmite a
SIDA
Forma de tratamento
da SIDA
Vírus transmissor
da SIDA
Partilhar Comida,
Talheres e Roupa;
Picadas de
Mosquitos
Apertos de mãos
Uso de Casas de
Banho
Tosse e espirros
Beijos e abraços
Trabalho em
equipa
O Vírus da Imunodeficiência
Humana (VIH) é um lentivírus da
família dos retrovírus. É constituído
por moléculas de ácido ribonucleico.
Os retrovírus infectam
predominantemente animais
vertebrados. São conhecidos outros
retrovírus que provocam síndromes de
imunodeficiência adquirida noutras
espécies de vertebrados,
nomeadamente, o Vírus da
Imunodeficiência dos Felinos e o Vírus
da Imunodeficiência dos Símios.
Consequências para a
Saúde
Não foi ainda encontrada uma cura
ou seja um modo eficaz de eliminar
totalmente o VIH do organismo. Os
tratamentos existentes, são mais do
que um medicamento, mas apenas
reduz o vírus e atrasam os danos que
o vírus pode provocar no organismo.
Com a toma dos medicamentos
existentes, a quantidade de vírus no
sangue começa a descer ao fim de
alguns dias. Na maioria da pessoa que
faz os tratamentos, 99% do vírus
presente no sangue é eliminado ao
fim de quatro semanas e, ao fim de
seis meses, a maior parte passará a
ter VIH não detectável no sangue. No
entanto, o vírus permanece no
organismo e mantém-se o risco de
transmissão da infecção a outras
pessoas.
Os tratamentos anti-retrovíricos
permitem preservar e recuperar
parcialmente a função imunológica
do organismo, podendo os
seropositivos levar uma vida normal
ou muito próxima do normal, desde
que tomem as devidas precauções e
que estejam informados sobre os
perigos de determinados
comportamentos e actividades.