Você está na página 1de 47

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO – UFMA

CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS – CCSO


DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO II

B. F. SKINNER

Prof. Dr. José Carlos de Melo


SÃO LUÍS
2019
B. F SKINNER
DISCENTES:
▪ Airan Fonseca Pereira – 2018042864
▪ Alexandre Lincoln J. Nascimento -
2017067134
▪ Ana Favila Lima Rolim – 2018042677
▪ Andreia Nazaré Pereira da Costa -
2018051166
▪ Jonathas Silva Reis - 2014061899
▪ Juliana Hashimoto – 2017066191
▪ Taís de Almeida Lopes - 2018042828
▪ Sharon Silva Borges - 2018068762
SUMÁRIO
I. Vida – Quem foi Skinner?
II. Obras deixadas por B. F. Skinner
III. Na Língua Materna
IV. Tecnologia do Ensino
V. Resultados Da Pesquisa No Banco De Dados Da Capes – Dissertações E Tese
VI. Teoria e Aprofundando teórico
VII. Contribuições de Skinner para a Psicologia e Educação
VIII. Observação da aplicação da teoria em uma escola
IX. Microaula baseada na teoria
X. Referências
I. VIDA – QUEM FOI SKINNER?
▪ Escritor e psicólogo do ▪ Seu trabalho influencia ▪ Defendia um sistema
comportamento humano; muitos psicólogos americanos empírico, derivado de
e de vários países aonde a experiências cotidianas,
▪ O mais importante dos psicologia americana tem que provem de tentativas,
behavioristas que grande penetração, como no erros e acertos;
sucedem Watson; Brasil;
▪ A teoria de Skinner se ▪ Dedicava-se aos estudo
apoia na ideia de que o das respostas. Ele se
aprendizado tem a função preocupava em descrever
de mudança do e não explicar o
comportamento; comportamento.
VIDA – QUEM FOI SKINNER?

 ORIGEM
▪ Nasceu em 20 de março de 1904, Pensilvânia, estados unidos;
▪ De família presbiteriana, seu pai era advogado e sua mão
dona de casa;

 FIM DA VIDA
▪ Skinner continuou produzindo até os 86 anos de idade;
▪ No porão de sua casa construiu a caixa de Skinner.
VIDA – QUEM FOI SKINNER?
 INFÂNCIA
▪ Teve infância tradicional, seu ambiente era estável, e não
lhe faltou afeto;

▪ Gostava de construir coisas, chegou a construir uma espécie


de canhão a vapor para atirar pedaços de cenoura e batata
sobre o telhado;

▪ Gostava de ler sobre animais e mantinha diversas espécies


de tartarugas, cobras, lagartos, sapos e esquilos.
VIDA – QUEM FOI SKINNER?
 ESTUDOS
▪ Formou-se em Letras
▪ Em seguida decidiu tornar-se escritor, mas escreveu pouco
▪ Sua produção desde o período que ele chamou de “ano negro”,
consistia de uma dúzia de pequenos artigos de jornais e alguns modelos
de veleiros;
▪ Com 24 anos matriculou-se no curso de pós – graduação no
departamento de psicologia da universidade de Harvard;
▪ Embora não houvesse frequentado qualquer curso na área da psicologia,
obteve o PhD em 3 anos.
II. OBRAS DEIXADAS
POR B. F. SKINNER
ABOUT BEHAVIORISM, 1974.
PARTICULARS OF MY LIFE, 1976.
REFLECTIONS ON BEHAVIORISM AND SOCIETY, 1978.

THE SHAPING OF A BEHAVIORIST, 1979.


III. PART TWO OF AN AUTOBIOGRAPHY, 1979.
NA LÍNGUA NOTEBOOKS, 1980.
MATERNA SKINNER FOR THE CLASSROOM, 1982.
(21 LIVROS) ENJOY OLD AGE, 1983
A MATTER OF CONSEQUENCES, 1983.

UPON FURTHER REFLECTION, 1987.


RECENT ISSUES IN THE ANALYSIS OF BEHAVIOR, 1989.
THE BEHAVIOR OF ORGANISMS, 1938.

WALDEN TWO, 1948.

SCIENCE AND HUMAN BEHAVIOR, 1953.

HOW TO TEACH ANIMALS, 1951

NA LÍNGUA SCHEDULES OF REINFORCEMENT, 1957.

MATERNA VERBAL BEHAVIOR, 1957.

(21 LIVROS) CUMULATIVE RECORD, 1961.

THE ANALYSIS OF BEHAVIOR, 1961.

THE TECHNOLOGY OF TEACHING, 1968.

CONTINGENCIES OF REINFORCEMENT, 1979.

BEYOND FREEDOM AND DIGNITY, 1971.


O COMPORTAMENTO VERBAL, 1957.

CIÊNCIA E COMPORTAMENTO HUMANO, 1953.

TRADUZIDOS O MITO DA LIBERDADE, 1971.


EM PORTUGUÊS
(6 LIVROS) SOBRE O BAHAVIORISMO, 1974.

TECNOLOGIA DO ENSINO, 1968.

A ANÁLISE DO COMPORTAMENTO, 1992.


IV. A TECNOLOGIA DO ENSINO, 1968.
▪ Capítulo I – A Etimologia do Ensinar
▪ Capítulo II – A Ciência da Aprendizagem e a Arte de ensinar
▪ Capítulo III – Máquinas de Ensinar
▪ Capítulo IV – A Tecnologia do Ensino
▪ Capítulo V– Por que os Professores Fracassam
▪ Capítulo VI – Ensinar a Pensar
▪ Capítulo VII – A Motivação do Estudante
▪ Capítulo VIII – O Estudante Criativo
▪ Capítulo IX – Disciplina, Comportamento Ético e Autocontrole
▪ Capítulo X – Uma Revisao do Ensino
▪ Capítulo XI – O Comportamento do Sistema
V. RESULTADOS DA PESQUISA NO BANCO DE
DADOS DA CAPES – DISSERTAÇÕES E TESE

Fundada em 11 de julho de 1951, a CAPES tem como missão, segundo o site da


instituição, a “[...] expansão e consolidação da pós-graduação stricto sensu
(mestrado e doutorado) em todos os estados da Federação. [...]” e também, em
2007, começou atuar na formação de professores da educação básica, dando
alcance as suas ações na formação de pessoal qualificado tanto no Brasil, quanto
no exterior. Tendo como atividades principais:
▪ Avaliação da pós-graduação scricto sens;
▪ Acesso e divulgação da produção científica;
▪ Investimentos na formação de recursos de alto nível no país e exterior;
▪ Promoção cooperação científica internacional;
▪ Indução e fomento da formação inicial e continuada de professores para a educação
básica nos formatos presencial e a distância.
Segundo a CAPES, houveram pesquisas defendidas,
explorando os conceitos de Skinner, desde de 1987,
resultando no total de 94.264 defesas, sendo 61.847
dissertações e 28.331 teses.

ENTRE 2008 A 2018

DISSERTAÇÕES (MESTRADO) 28.167

TESES (DOUTORADO) 13.180

TABELA 01 – NÚMEROS TOTAIS DE DISSERTAÇÕES E TESES DE ACORDO COM A CAPES (2019).


Dissertações elaboradas com uma perspectiva ou
conceituada pelos pensamentos do autor B. F. Skinner,
segundo a CAPES entre os anos de 2008 a 2018.
DISSERTAÇÕES ENTRE 2008 A 2018
2008 2.479
2009 2.532
2010 2.569
2011 2.900
2012 3.267
2013 3.619
2014 3.570
2015 3.557
2016 3.668
2017 3.635
2018 3.531
TOTAL 35.337
TABELA 02 – NÚMEROS TOTAIS DE DISSERTAÇÕES DE ACORDO COM A CAPES (2019)
O número de dissertações sobre um víeis voltado para as Ciências
Humanas e Sociais, incluindo temáticas como Educação, Ensino,
Aprendizagem e Interdisciplinaridade, também a Teologia
resultam em um total de 9.385 trabalhos. Entre os anos 2008 a
2018.

DISSERTAÇÕES ENVOLVENDO EDUCAÇÃO


2013 258
2014 259
2015 267
2016 299
2017 287
2018 291

TABELA 03 – NÚMEROS RELACIONADOS A DISSERTAÇÕES ENVOLVENDO EDUCAÇÃO COMO TEMA PRINCINPAL, SEGUNDO A CAPES
(2019).
Só a partir do ano de 2013, houveram estudos
voltados à educação, de acordo com a CAPES,
contabilizando até o ano de 2018, 1.660 defesas.
Sendo 50 delas, envolvendo a Psicologia e a
Educação e 14 diretamente ligadas a Psicologia da
Educação. E, curiosamente, possui uma defesa de
mestrado abrangendo o autor e a temática,
executada na Universidade Federal do Maranhão,
defendida por Yuri Jorge Almeida Da Silva em
2018 na área de concentração: Ensino de Ciências
e Matemática e tendo como linha de pesquisa:
Ensino, Aprendizagem e Formação de Professores
de Ciências e Matemática.
Teses elaboradas com uma perspectiva ou conceituada
pelos pensamentos do autor B. F. Skinner, segundo a
CAPES entre os anos de 2008 a 2018.
TESES ENTRE 2008 A 2018
2008 1.145
2009 1.169
2010 1.122
2011 1.250
2012 1.326
2013 1.634
2014 1.736
2015 1.819
2016 1.974
2017 2.164
2018 2.162
TOTAL 17.509
TABELA 04 – NÚMEROS TOTAIS DE TESES DE ACORDO COM A CAPES (2019)
O número de teses sobre um víeis voltado para as Ciências
Humanas e Sociais, incluindo temáticas como Educação, Ensino,
Aprendizagem e Interdisciplinaridade, resultam em um total de
3.692 trabalhos. Entre os anos 2008 a 2018.
TESES ENVOLVENDO EDUCAÇÃO
2013 80
2014 88
2015 109
2016 108
2017 149
2018 141

TABELA 05 – NÚMEROS RELACIONADOS A TESES ENVOLVENDO EDUCAÇÃO COMO TEMA PRINCINPAL, SEGUNDO A CAPES (2019).

Só a partir do ano de 2013, houveram estudos voltados à educação,


de acordo com a CAPES, contabilizando até o ano de 2018, 818
defesas. Sendo 33 delas, envolvendo a Psicologia e a Educação e
oito diretamente ligadas a Psicologia da Educação.
Sobre as defesas voltadas ao objeto de estudo do autor,
que é análise do comportamento:
DEFESAS ENVOLVENDO ANÁLISE COMPORTAMENTAL
DISSERTAÇÕES (TOTAL) 136
TESES (TOTAL) 70
DISSERTAÇÕES (ANÁLISE
71
COMPORTAMENTAL)
TESES (ANÁLISE COMPORTAMENTAL) 22
DISSERTAÇÕES (TEORIA DE SKINNER) 25
TESES (TEORIA DE SKINNER) 18

TABELA 06: NÚMEROS DE DISSERTAÇÕES E TESES RELACIONADAS A ANÁLISE COMPORTAMENTAL SEGUNDO A TEORIA DE B. F.
SKINNER, DE ACORDO COM A CAPES (2019).
VI. TEORIA
Burrhus Frederic Skinner
(1904-1990)

Fonte: All posters. Disponível em: https://www.allposters.com/-


INTRODUÇÃO AO BEHAVIORISMO

▪ Behavior;

▪ Behaviorismo  John B. Watson, em artigo


publicado em 1913

▪ Consistência  um objeto observável, mensurável,


cujos experimentos poderiam ser reproduzidos em
diferentes;

▪ Psicologia alcança o status de ciência, rompendo


definitivamente com a sua tradição filosófica;
Interações entre as ações do indivíduo
(RESPOSTAS) e o ambiente (ESTÍMULOS).

1 - Razão Metodológica: Analistas experimentais do


comportamento tomaram, como modo preferencial de
investigação, um método experimental e analítico;

2 - Razão Histórica: Termos escolhidos e popularizados,


que foram mantidos posteriormente por outros
estudiosos do comportamento, devido ao seu uso
generalizado.
Fonte: Cartoon Stock. Disponível em: www.cartoonstock.com. Acesso em 28 de Maio de 2019.
A ANÁLISE EXPERIMENTAL DO COMPORTAMENTO
▪ Behaviorismo radical, termo cunhado pelo próprio
Skinner, em 1945, para designar uma filosofia da
Ciência do Comportamento;

▪ Análise Experimental do Comportamento;

▪ Comportamento Operante é a base da corrente


skinneriana e está na formulação;

▪ Compreensão das noções de comportamento


reflexo ou respondente;
Fonte: Bumpy Brains. Disponível em: http://skinnercafeeufgd.blogspot.com. Acesso em 28 de Maio de 2019
COMPORTAMENTO RESPONDENTE OU REFLEXO

Chamamos de “não-voluntário” e inclui as respostas


que são “produzidas” por estímulos antecedentes do
ambiente.

A - São interações estímulo-


resposta (ambiente-sujeito)
incondicionadas;
B - Certos eventos ambientais
A B confiavelmente produzem certas
Fonte: Claudio de Almeida. Disponível em: http://www.institutocftv.com.br. Acesso em 28 de Maio de 2049
respostas do organismo que
independem de “aprendizagem”;
“PULO DO GATO”
▪ Interações também podem ser provocadas por estímulos
que, originalmente, não produziam respostas em
determinado organismo;

▪ Estímulos temporalmente pareados com estímulos


eliciadores podem, em certas condições, eliciar respostas
semelhantes às destes;
▪ A essas novas interações chamamos também de reflexos, que agora são condicionados
devido a uma história de pareamento, o qual levou o organismo a responder a estímulos
que antes não respondia;

▪ No início dos anos 30 em Harvard, Skinner começou o estudo do comportamento


justamente pelo comportamento respondente, que se tornara a unidade básica de
análise, ou seja, o fundamento para a descrição das interações indivíduo-ambiente.
COMPORTAMENTO OPERANTE

“Inclui todos os movimentos de um


organismo dos quais se possa dizer que, em
algum momento, têm efeito sobre ou fazem
algo ao mundo em redor. O comportamento
operante opera sobre o mundo, por assim
dizer, quer direta, quer indiretamente” ( F. S.
Keller. Op. cit. p. 10.)

Esta Foto de Autor Desconhecido está licenciado em CC BY-SA


REFORÇAMENTO

▪ Chamamos de Reforço a toda


consequência que, seguindo uma
resposta, altera a probabilidade futura de
ocorrência dessa resposta;
Autor desconhecido. Disponível em: www.cursosescon.com.br

▪ O reforço pode ser Positivo ou Negativo;


Marilyna. Disponível em: www.todaon.com.br.
▪ REFORÇOS PRIMÁRIOS – Reforçadores
para toda uma espécie, como, por exemplo,
água, alimento e afeto;

▪ REFORÇOS SECUNDÁRIOS - Possuem


função quando pareados temporalmente com
os primários. Alguns destes reforçadores
secundários, quando emparelhados com
muitos outros, tornam-se REFORÇADORES
GENERALIZADOS, como o dinheiro e a
aprovação social.

Getty Images. Disponível em: www.bbc.com.


www.spaodontologico.com.br.
Autor desconhecido. Disponível em:
No reforçamento negativo
 ESQUIVA e FUGA.
 A esquiva  Estímulos aversivos
condicionados e incondicionados:
separados por um intervalo de
tempo;

 Permitindo um comportamento
que previna a ocorrência ou reduza
a magnitude do segundo estímulo.
Autor desconhecido. Disponível em: www.spaodontologico.com.br.

Autor desconhecido. Disponível em: www.spaodontologico.com.br.


A fuga  comportamento reforçado é aquele que termina com
um estímulo aversivo em andamento.

Fonte: Calvin & Haroldo (Calvin & Hobbes, no idioma original). Disponível em: www.pioneiro.com.br. Acesso em: 28 de Maio de 2019

▪ Ex.: Se posso colocar as mãos nos ouvidos para não escutar o estrondo do rojão,
este comportamento é de esquiva, pois estou evitando o segundo estímulo antes
que ele aconteça. Mas, se os rojões começam a pipocar e só depois apresento um
comportamento para evitar o barulho que incomoda, seja fechando a porta, seja
indo embora ou mesmo tapando os ouvidos, pode-se falar em fuga.
▪ Extinção  Uma resposta deixa abruptamente
de ser reforçada;
▪ A resposta diminuirá de frequência e até mesmo
poderá deixar de ser emitida;
▪ O tempo necessário para que a resposta deixe
OUTROS de ser emitida dependerá da história e do valor
PROCESSOS: do reforço envolvido.

Fonte: Pixabay. Disponível em: www.revistagalileu.globo.com. Acesso em 28 de Maio de 2019


▪ A Punição  Envolve a conseqüenciação
de uma resposta quando há apresentação
de um estímulo aversivo ou remoção do

Fonte: Depositphotos. Disponível em: www.gobernarelmundo.com. Acesso em 28 de Maio de 2019


reforçador positivo;

OBS.: A supressão do comportamento


punido só é definitiva se a punição for
extremamente intensa, isto porque as razões
que levaram à ação — que se pune — não são
alteradas com a punição. Punir ações leva à
supressão temporária da resposta sem,
contudo, alterar a motivação.
Fonte: Flaticon. Disponível em: www.flaticon.com
BEHAVIORISMO RADICAL: SUA APLICAÇÃO
Fonte: Arquivo pessoal. Crédito: Juliana Hashimoto
VII. Contribuições de Skinner para a Educação e Psicologia

O papel da educação é o diálogo cultural, de modo a “[...]


maximizar as oportunidades da cultura, não só de lidar com seus
problemas, mas de aumentar constantemente sua capacidade de
fazê-lo [...]” (p. 232).
 MÉTODO
▪ Arranjo das contingências. Para Skinner, a melhor maneira de arranjar
contingências é através do planejamento do material de ensino.
▪ Sistema Individualizado; melhores condições de ensino que respeitam
o individualismo do aluno.
▪ Avalição; acompanhamento individual de cada aluno,vê-lo passo a
passo. A avaliação é praticamente natural, pois o professor estará
arranjando condições de sala de aula (contingências),e a correção será
feita no calor do ensino.
▪ Aprender; para Skinner tem que ser suave,gostoso e agradável. Ensinar
é arranjar contingências de reforçamento.
 Modelo de Seleção pelas Consequências
(comportamento operante)
▪ Filogenético; repertórios compartilhados por uma mesma espécie, o
qual é determinado pela história evolutiva da mesma. (biológico)

▪ Ontogenético; reportório particular de cada indivíduo ou organismo, o


qual é determinado pelo seu história de vida ou histórico de
reforçamento. (psicológico)

▪ Cultural; reportório compartilhado por indivíduos de uma mesma


cultura, sendo este de maior importância para o comportamento
humano. (social)
ESCOLA ▪ É aquela onde o aluno é atraído por
IDEAL PARA encontrar fortes razões para se manter
aprendendo.
SKINNER
XVII.

ESCOLA
AMIGOS DA PAZ

▪ Localizacão;
▪ 30 alunos;
▪ 2 turmas;
▪ 5 funcionários.
 INFRAESTRUTURA;

Fonte: Arquivo pessoal, Sharon Borges.


 RECURSOS; VISITA À ESCOLA
▪ Dramatizacão;
▪ Brinquedos;
▪ Audição e leitura de historinhas;
▪ Músicas infantis;
▪ Jogos educativos.
VISITA
APRENDIZAGEM
À
ESCOLA
Fonte: Arquivo pessoal, Jonathas Reis.

“...Na reunião
eu falei: - Gente, eu não quero
nada apagado!!! Do jeito que eles fizerem,
deixem...Que é pra gente saber a evolução...”
Profª Silvia Rodrigues
. MICROAULA
IX
X. REFERÊNCIAS
BOCK, Ana Mercês Bahia; FURTADO, Odair; TEIXEIRA, Maria de Lourdes
Trassi. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. 14. Ed. São Paulo: Saraiva,
2008.

TODOROV, João Claudio; HANNA, Elenice S. Análise do comportamento no Brasil.


Psic.: Teor. e Pesq. vol.26 no.spe Brasília 2010. Disponível em:
<http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722010000500013>. Acesso em 28 de Maio de
2019.

OGASAWARA, Jenifer Satie Vaz. O conceito de aprendizagem de skinner e vygotsky:


um dialógo possível. Monografia. Universidade Do Estado Da Bahia, Salvador - BA,
2009. Disponível em: <http://www.uneb.br/salvador/dedc/files/2011/05/Monografia-
Jenifer-Satie-Vaz-Ogasawara.pdf>. Acesso em 28 de Maio de 2019.
REFERÊNCIAS
Banco de Teses. CAPES. Disponível em:<https://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-
teses/>. Acesso em: 4 jun. 2019.

História. Fundação CAPES. Disponível em:<https://www.capes.gov.br/historia-e-missao>.


Acesso em: 19 maio. 2019.

FERRARI, Márcio. B. F. Skinner, O cientista do comportamento e do aprendizado, 01 de


Outubro de 2008, Disponível em: <https://novaescola.org.br/conteudo/1917/b-f-skinner-o-
cientista-do-comportamento-e-do-aprendizado>. Acesso em: 31 de maio de 2019.

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO - PENSADORES DA


EDUCAÇÃO – SKINNER, Gestão Escolar. Disponível em:
<http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=3
43> Acesso em: 30 de maio de 2019.
REFERÊNCIAS
BILL E. Forisha, Frank Milhollan. Skinner X Rogers: Maneiras contrastes de encarar a
educação. 8 ed. São Paulo: Summus, 1978. p. 196.

SCHULTZ D.P. Schultz S.E. História da Psicologia Moderna. São Paulo: Cultrix, 1992.

BUTTERFIELD, Letícia. Vida e obra de B. F. Skinner, 2018. Disponível: <


http://discipulosdapsi.blogspot.com/2018/05/vida-e-obra-de-b-f-skinner.html> Acesso em: 02
de junho de 2019.

B. F. SKINNER. FOUDATION, Books by Skinner, 2016. Disponível em:


<https://www.bfskinner.org/publications/books/> Acesso em: 27 de maio de 2019.
REFERÊNCIAS

MATOS, Maria Amélia. Obra de Skinner vai além. Disponível


em:<https://www.ufrgs.br/psicoeduc/behaviorismo/obra-de-skinner-vai-alem-2/>
Acesso em: 30 de maio de 2019.