Você está na página 1de 7

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS

DISCIPLINA DE ANATOMIA CLÍNICA


EXAME ESCRITO

REGIÃO ________________________________________________
CASO ________________________________________________
DURAÇÃO: 90 MINUTOS
1. Identifique-se (Nome e Grupo em letras MAIUSCULAS e LEGIVEIS) no início do Teste
em cada folha que compõe o Teste.
2. Não é permitido o porte de TELEMÓVEL, LAPTOP ou qualquer livro ou outro papel.
3. Não são autorizados a conversar, pedir ou trocar qualquer material.

( Há 4 casos Clínicos, Um de cada Região )


Em cada caso clínico:
A ) Identifique as Estruturas afectadas
B ) Indique as respectivas funções da Estruturas afectadas justificando os
Sintomas e Sinais.

Cotação para A 1 valor

Cotação para B 2 valor


Caso 13- Aneurisma da artéria carótida interna
Região: Cabeça e pescoço
a) Identifique as Estruturas afectadas
 Artéria carótida interna a nível bifurcação carotídea
 Nervo vago
 Laringe (nervo laríngeo recorrente)
 Globo ocular (pupila)

b) Indique as respectivas funções da Estruturas afectadas justificando os Sintomas e


Sinais.
1. Tosse: foi causada por impulsos neurais aferentes que passam das vias respiratórias,
principalmente pelo nervo vago até ao bulbo, onde sequência automática de eventos é
desencadeada por circuitos neuronais locais, resultando o reflexo da tosse.

2. Disfonia: deveu-se a compressão do nervo vago mais precisamente ao nível do seu


ramo nervo laríngeo recorrente que faz a inervação motora dos músculos da laringe,
neste caso, a lesão do nervo laríngeo recorrente resultou na rouquidão e disfonia por
paralisia das cordas vocais, devido a dilatação aneurismática da artéria carótida
interna.

3. Náusea: foi devido a estímulos irritativos causados pela dilatação aneurismática às


fibras nervosas aferentes vagais e simpáticas no tronco cerebral, estes enviaram
impulsos excitatórios que excitaram centro de vómito, visto que os núcleos vagais
encontram-se próximos ou adjacentes aos núcleos do centro de vómito, entretanto a
crescimento progressivo da dilatação aneurismática levou ao aumento da compressão
dos núcleos adjacentes (sendo um destes os do centro de vomito, situados a no tronco
cerebral).

4. Miose: foi devido ao aneurisma da artéria carótida interna que causou uma
compressão das fibras simpáticas e, com isso, uma interrupção dos nervos simpáticos
do olho. Esta interrupção dos nervos simpáticos ocorreu na cadeia simpática cervical,
e então para o músculo dilatador da pupila levou uma superexcitação parassimpática e
com isso a pupila continua persistentemente contraída apresentando diâmetro menor
que do olho contra-lateral.

5. Enoftalmia: devido ao crescimento progressivo do aneurisma que levou a compressão


e abaulamento dos ramos simpáticos cervicais das fibras pré-ganglionares que inervam
o músculo de Horner (Músculo orbicular das pálpebras), na direcção do crescimento
aneurismático, visto que tais ramos estão intimamente associados com os nervos e
músculos do globo ocular, estes também foram puxados na direcção do crescimento
aneurismático provocando deste modo a enoftalmia.
Caso 11- Enfisema pulmonar

REGIÃO: Tórax

a) Identifique as Estruturas afectadas


 Pulmão
 Coração
 Membros inferiores

b) Justificacao dos sinais e sintomas


1. Tosse produtiva: devida a irritação constante das vias aéreas (receptores laríngeos,
traqueais e brônquicos) por substancias tóxicas presentes no tabaco (nicotina), ao
longo do tempo a mucosa respiratória foi perdendo a capacidade de adaptação, passou
a produzir excessivamente o muco com mecanismo de defesa perante a agressão
permanente e constante.

2. Edema nos membros inferires: porque no enfisema pulmonar ocorre uma destruição
dos septos alveolares onde existe os capilares pulmonares para astrocas gasosas
(hematose pulmonar), os capilares pulmonares ficam comprimidos e estreitos que
impede o fluxo normal de sangue proveniente do ventrículo direito, causando uma
insuficiência ventricular direita que levou a uma dilatação da parede cardiaca que
reduziu ainda mais a sua função resultando em diminuição do retorno venoso e
aumento da pressão hidrostática nos capilares periféricos (principalmente nas porções
distais), culminando no edema nessas regiões.

3. Cianose: desequilíbrio da ventilação/perfusão a nível dos septos alvéolos. Houve


aumento dos espaços respiratórios (bronquíolo respiratório, ductos alvéolos, alvéolos)
e destruição dos septos alveolares, o sangue venoso proveniente do ventrículo direito é
parcialmente oxigenado e este passa para ventrículo esquerdo que o distribuirá para
todas partes do corpo com baixo teor de oxigénio. Neste caso o sangue arterial não
fornecera oxigénio suficiente para os tecidos periféricos e isso manifesta na coloração
esverdeada na pele e nas mucosas.

4. Roncos: o paciente apresentava roncos devido a presença de muco excessivo


produzido pelas células do epitélio respiratório para envolver as substâncias tóxicas
presentes no tabaco que agrediam o trato respiratório a mais de 50 anos. Esse muco
também esta envolvido no surgimento da tosse que o paciente expulsava com
expectoração
Caso 11- Tetraplegia por causa da secção total da medulla espinhal ao nível
da segunda vértebra cervical

Região: Medula espinhal e Membros

a) Identifique as Estruturas afectadas

 Vértebras cervicais 2 e 3;
 Medula espinhal;
 Artérias vertebrais;
 Pele, tecido subcutâneo e músculos pré-vertebrais;
 Membros superiores e inferiores.

b) Indique as respectivas funções da Estruturas afectadas justificando os Sintomas


e Sinais.

Vértebras: protegem a medula espinhal e dão sustentação a cabeça

Medula espinhal é responsável transmissão de impulsos da periferia para o córtex e


vice-versa e pela elaboração de respostas motoras reflexas.

1. Medula espinhal: lesão desta é responsável pela perda da sensibilidade e motricidade


dos 4 membros, visto que houve secção completa da medula, todas as vias ascendentes
e descendentes fica interrompidas a nível da lesão e não há transmissão de impulsos
sensitivos para o 3° neurónio assim como a transmissão de impulsos motores para o
segundo neurónio e de seguida para os órgãos efectores.

2. As artérias vertebrais: ramos das artérias subclávias, transportam o sangue para a


irrigação de estruturas do sistema nervoso central, formando parte do polígono de
Willis ao se anastomosarem entre si. O trauma das artérias é responsável pela
hemorragia que se fez presente no caso em questão.

3. A pele, tecido celular subcutâneo e os músculos pré-vertebrais: Lesão traumática


levou a perda de continuidade dos tecidos moles superficiais e profundos da região
cervical, ou seja, a ferida profunda.
Caso 3- Hérnia inguinal esquerda

Região: Abdômen

a) Identifique as Estruturas afectadas


 Canal inguinal;

 Músculos
 Fáscias musculares
b) Indique as respectivas funções das Estruturas afectadas justificando os Sintomas e
Sinais.
Músculos e fáscias : a principal função dos músculos e das fáscias desta região e de
assegurar as vísceras na cavidade abdominal evitando uma herniação para outros locais.
 Abaulamento- aparece devido ao enfraquecimento e/ou rompimento dos
músculos e das respectivas fáscias fazendo com que haja protrusão das alças
intestinais para a região inguinal causando o aparecimento de uma massa sempre
que ha um esforço.
ANATOMIA IV, SUBGRUPO L, P3 2019

REGIÃO CASO
Cabeça e pescoço Caso 13- Aneurisma da artéria carótida
interna.

Tórax Caso 12- Enfisema pulmonar.

Abdómen Caso 3- Hérnia inguinal esquerda.

Medula espinal e membros Caso 11-Quadriplegia por causa da secção


da medula espinal medula espinal a nível
da segunda vértebra cervical.