Você está na página 1de 6

Revista Científica FAEMA. Faculdade de Educação e Meio Ambiente.

DOI: http://dx.doi.org/10.31072. ISSN: 2179-4200.

Revisão de Literatura (Farmácia)

A TERAPIA HORMONAL NO PROCESSO DE TRANSEXUALIZAÇÃO


HORMONAL THERAPY IN THE TRANSEXUALIZATION PROCESS

https://doi.org/10.31072/rcf.v9iedesp.627
Gabriela Aline Campana
Discente do curso de Farmácia da Faculdade de Educação e Meio Ambiente - FAEMA. E-mail: gabriela-
campana@hotmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-4675-441X.
Camila Pereira Zambon
Discente do curso de Farmácia da Faculdade de Educação e Meio Ambiente - FAEMA. E-mail:
camilapereirazambom@hotmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-1427-7321.
Lurian Marieni Rodrigues Tiegs
Discente do curso de Farmácia da Faculdade de Educação e Meio Ambiente - FAEMA. E-mail: luriantiegs@gmail.com. ORCID:
http://orcid.org/0000-0002-4769-6012.
Clóvis Appratto Cardoso Júnior
Mestre em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal de Santa Maria, Docente da Faculdade de Educação e Meio
Ambiente (FAEMA). E-mail: cloviscardosojr@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-7886-6512.
Submetido em: 30 maio 2018. Aprovado em: 07 jun. 2018. Publicado em: 15 jun. 2018.
Descritores (DeCS)1: RESUMO: A experiência transexual é marcada por diversas transformações e conflitos
Transexualidade que envolvem diferentes conceitos e definições sobre corpo, sexo, gênero e sexualidade.
Identidade de gênero O artigo trata-se de uma revisão de literatura baseado em livros e artigos científicos, o
Hormônio estudo tem com objetivo discutir sobre a transexualidade e a terapia hormonal, além
Comportamento disso, os efeitos adversos e os riscos causados pelo uso da testosterona. Tem a finalidade
psicossexual de abordar o possível transtorno com a identidade de gênero em questão, ao preconceito
de mudança de sexo no qual o indivíduo se isola devido a exclusão sofrida pela sociedade.
Conclui-se então que o indivíduo busca por meio ao uso da testosterona como forma de
solucionar toda a sua insatisfação.

Descriptors: ABSTRACT: The transsexual experience is marked by diverse transformations and


Transsexuality conflicts that involve different concepts and definitions about body, sex, gender and
Gender identity sexuality. The article is about a literature review based on books and scientific articles,
Hormone the aim of the study is to discuss transsexuality and hormone therapy in addition to the
Psychosexual behavior adverse effects and risks caused by the use of testosterone. Its purpose is to address the
possible disorder with the gender identity in question, the prejudice of gender change
in which the individual isolates due to exclusion suffered by society. It is concluded that
the individual searches through the use of testosterone as a way to solve all their
dissatisfaction.

INTRODUÇÃO apresentam genitálias em estado perfeito, porém estas não


são desejáveis (3).
Indivíduos transexuais apresentam Transtorno de A não identificação com o gênero de nascimento causa
Identidade Sexual, o qual é responsável pela não angústia no indivíduo e exige a ação de uma equipe
identificação com o sexo biológico, mas com o sexo multidisciplinar para desenvolver capacidades para o
psicológico, o que causa sofrimento a esses indivíduos. Essa diagnóstico e tratamento adequado. Transexuais
inadequação corporal ocasiona o desejo de um corpo que comumente expressam seu desejo de serem aceitos na
corresponda à sua identidade de gênero, pois é causado um sociedade como apenas mais um membro desta, entretanto,
desconforto obstinado com o próprio gênero concedido (1,2). enfrentam obstáculos e discriminações, além de estarem
Segundo o endocrinologista americano Harry Benjamin, tomados por diversas emoções e desconforto em relação ao
a expressão “transexual” surgiu para designar a seu sexo biológico (4,5).
inconformidade de indivíduos com seu sexo biológico e que A transexualidade é considerada por muitos algo
desejam obter a troca de gênero, ou seja, indivíduos que incomum, e os transexuais seres desconhecidos, havendo
rejeição por parte da sociedade. Atualmente, o governo de

1
Descritores em Saúde (DeCS). Vide http://decs.bvs.br.

Rev Cient FAEMA: Revista da Faculdade de Educação e Meio Ambiente - FAEMA, Ariquemes, v. 9, n. ed esp, p. 526-531,
526
maio-jun, 2018.
A terapia hormonal no processo de transexualização.

São Paulo possui leis e constituições, como a lei nº 10.948, existência da disforia de gênero e as opções de tratamento
(12).
de 5 de novembro de 2001, que garante os direitos de
igualdade e não discriminação, sem diferenciação por motivo Transexuais deixam claro que não se sentem à vontade
de gênero, orientação sexual ou identidade de gênero (6). com a presença do órgão sexual com o qual nasceram,
A testosterona é o principal hormônio utilizado no sendo este sentimento acompanhado de tristeza e
tratamento hormonal, obtém metabolismo rápido no fígado, infelicidade com seu corpo. Devido a isso, transexuais
tem o propósito de permitir características físicas masculinas recorrem ao tratamento hormonal, a fim de tornar seu corpo
que vai desde o aumento de massa até a perda de libido (7). proporcional ao gênero com o qual se identifica, e não com
O presente estudo tem o intuito de compreender a aquele designado no nascimento (4,13,14,15).
transexualidade e a terapia hormonal por eles utilizada. De nada adianta alterar a realidade morfológica e
Sabe-se que o uso de hormônios sintéticos pode acarretar psíquica, se o indivíduo continua vivendo a angústia e
danos e agravos à saúde de quem os usa, dessa forma, este constrangimento de em seus documentos, estar como um
estudo visa discorrer sobre os possíveis riscos a que os indivíduo pertencente ao gênero com o qual não se identifica.
transexuais estão expostos, visto que estes utilizarão os Ignorar o direito de o transexual se apresentar e ser visto
hormônios por um longo período, quando não utilizado por como deseja, é considerá-lo um cidadão inacabado,
toda a vida. contraditando o direito a ser integrado na sociedade, é
desconsiderar direitos excessivamente pessoais, essenciais
2 METODOLOGIA e inerentes à natureza humana (6,16).
Transexuais costumam passar por diversas situações
Este estudo se define como uma revisão de literatura, desagradáveis, como assédio e violência, além de enfrentar
para a qual buscou-se um total de 37 artigos analisando-os dificuldades em conseguir um emprego, bem como
em bases de dados como Scielo, Repositório Lumes, BVS habitação, educação e acesso aos serviços de saúde.
(Biblioteca Virtual de Saúde), entre outros. Com os Ademais, pode sofrer abusos físico e psicológico, agressões
descritores: testosterona transexualidade, transexualidade, e xingamentos advindos de pessoas próximas, como pais e
terapia hormonal transexualidade e terapia hormonal riscos. colegas, que têm atitudes intolerantes (1,17).
A análise e escolha das literaturas utilizadas foi realizada Os indivíduos que possui transtorno de identidade de
através das seguintes características: ser uma literatura gênero, se sentem como um desconforto ou angústia por
relativamente nova e confiável, bem como possuir apresentar um corpo por eles não desejável. Com isto,
informações relevantes para a confecção deste estudo. dependendo da forma e do grau que tem seu acolhimento
Quanto aos critérios de exclusão, obras que não se sua disforia de gênero pode suceder isolamento social,
relacionavam ao tema ou que se apresentavam publicadas tentativa de suicídio, ansiedade, oligofrenia, depressão,
há mais de dez anos. automutilação quando a pessoa tem agressão direta ao
próprio corpo, como queimaduras, cortes entre outros
3 REVISÃO DE LITERATURA intencionalmente. Por isto, é importante o acompanhamento
de uma equipe multidisciplinar composta por psicólogos,
pediatras, médicos psiquiatras, para discorrer o diagnóstico
3.1. Transexualidade médico de transexualidade, cirurgião, assistência social os
quais vão analisar o nível de feminilidade e masculinidade do
A transexualidade é a discrepância entre o gênero (a) mesmo (a) (5,18,19).
biológico e o gênero psicológico do indivíduo, causando A automedicação é apontada como o principal fator sobre
desconforto neste em relação ao seu próprio corpo. Dessa a medicação da testosterona, pois ingere o medicamento
forma, estes indivíduos não se identificam com o gênero e sem acompanhamento clínico ou um profissional qualificado,
genital designados em seu nascimento (8,9). É onde os onde acaba ocorrendo a administração em doses maiores,
indivíduos transexuais comumente recorrem à terapia ou seja, excessiva, ou até mesmo doses insuficientes,
hormonal. A testosterona é prescrita para homens podendo acarretar sua saúde e acabar colocando em risco
transexuais, de forma a induzir mudanças físicas para seu desenvolvimento físico, trazendo efeitos indesejáveis.
simular o sexo masculino desejado pelo paciente (12). Em um estudo observado em 2013 foram acompanhados
Mulheres transexuais são pessoas designadas como 1.331 transexuais em processo de transição, o que houve um
masculinas ao nascimento, mas que se identificam como aumento de 51% na taxa de mortalidade em junção a
mulheres e desejam usar estrogênios para desenvolver população geral. Tendo em vista, um grande aumento cada
características femininas, enquanto homens transexuais são vez maior no índice de mortalidade por automedicação da
indivíduos designadas como pertencentes ao sexo feminino testosterona (4,20).
no nascimento, mas que se identificam como masculinas e Indivíduos transexuais comumente recorrem à terapia
querem usar testosterona para desenvolver características hormonal. A testosterona é prescrita para homens
masculinas (10). transexuais, de forma a induzir mudanças físicas para
A transexualidade como acontecimento social causa uma simular o sexo masculino desejado pelo paciente (12).
variedade de fenômenos sociais que podem gerar sofrimento
psíquico e emocional. Grande parte se reconhece como 3.2. A testosterona
transexual muito cedo, e caso não recebam orientação e
acompanhamento apropriado, pode acabar por comprar A testosterona é um hormônio esteroide, cuja a sua
hormônios e usá-los sem acompanhamento médico (11). comercialização é controlada pela Portaria nº 344 de 12 de
Recentemente houve um aumento na conscientização maio de 1998. É produzido pelas células de Leydig,
pública acerca de indivíduos transexuais devido à mídia de encontradas nos testículos, que quando estimuladas pelo
celebridades, com a atleta Caitlyn Jenner e na série de TV hormônio luteinizante produzem o hormônio testosterona. A
Orange Is The New Black, com a atriz Laverne Cox. O testosterona circula no sangue controlando as atividades dos
aumento da visibilidade também pode aumentar a órgãos, induzindo a vários fatores como aumento da libido,
consciência da população através da educação sobre a
Rev Cient FAEMA: Revista da Faculdade de Educação e Meio Ambiente - FAEMA, Ariquemes, v. 9, n. ed esp, p. 526-531,
527
maio-jun, 2018.
Campana GA, Zambon CP, Tiegs LMR, Cardoso Júnior CA.

mudança de voz, início do desenvolvimento de pelos e Via pouco usada devido ao risco de
músculos, aumento da força, e diminuição de gordura no hepatotoxicidade. O undecanoato de
corpo. (13,21,22). testosterona é o composto mais
A testosterona é o principal substrato para o estrogênio seguro para ingestão oral, mas é
menos eficaz e mais caro que a
em homens e mulheres. Portanto, tem um efeito que não é
testosterona transdérmica. Além
visível principalmente em relação à saúde e aos efeitos que disso, foi demonstrado que a
o uso da testosterona pode causar. A testosterona é uma biodisponibilidade do undecanoato
forma de se alcançar melhorias tanto na representação de testosterona é afetada pelo
sexual do indivíduo, quanto na mental e emocional. Os Via Oral conteúdo de gordura alimentar e
homens cis (que nasceram com a genitália masculina e se dietética, uma vez que a
identificam como homens) que a utilizam desejam uma boa testosterona circulante aumenta à
forma física, já os homens transexuais desejam o físico medida que a quantidade de
gordura dietética na refeição
masculino (23, 24).
aumenta. Logo, se o indivíduo
Segundo os autores Fabris; Bernardi e Trombetta (25), a tomando undecanoato de
testosterona pode ser administrada por diferentes vias, como testosterona oral comer uma dieta
por via injeções intramusculares, preparações rica em gordura, ele pode precisar
transdérmicas, via transbucal, via oral e implantes de uma redução da dose.
subcutâneos. Conforme pode-se observar no quadro abaixo.
Os implantes de testosterona
cristalina podem ser inseridos no
Quadro 1 - Características das diferentes vias.
tecido subcutâneo para manter os
Via de Administração Características níveis séricos de testosterona
Implante Subcutâneo adequados por até 6 meses. As
Principal via de administração da
testosterona em transexuais, são desvantagens dessa rota incluem
administrados ésteres de extrusão de pellets, infecção e leves
testosterona. Ésteres de sangramentos.
testosterona injetáveis não sofrem Fonte: Fabris, Bernardi e Trombetta (25).
metabolismo de primeira passagem,
logo, não causam hepatotoxicidade. 3.3 Terapia
Injeção Intramuscular Entretanto, injeções de testosterona
geralmente levam a altos níveis de
hormônios nos primeiros dias após a A Terapia Hormonal (TH) apesar de não isenta de riscos,
injeção e a baixos níveis de manifesta-se como uma forma de aliviar os sintomas
hormônios nos últimos dias que causados pela queda de hormônios em ambos os gêneros.
precedem a dose seguinte. Já em homens transexuais auxilia na aquisição de um corpo
compatível com seu gênero psicológico (26,27). Apesar de os
A testosterona transdérmica está indivíduos transexuais estarem cada vez mais acessando o
disponível em adesivos ou géis, sistema de saúde buscando a terapia hormonal, pouco se
que, uma vez aplicados na pele, sabe sobre desfechos e prevalência de perturbações
produzem um depósito temporário metabólicas na transcomunidade (12).
de drogas a partir do qual a A TH geralmente começa após a definição do gênero,
testosterona é absorvida. Promovem
níveis normais de testosterona
onde os hormônios irão assegurar a integridade do gênero
Preparações melhor que as injeções definido, o paciente terá que comparecer a 20 sessões de
transdérmicas intramusculares, com os picos de terapia, para poder afirmar sua transição. Por isto a TH é
testosterona após 4 horas, e fundamental, pois esclarece uma decisão que irá definir seu
diminuem lentamente durante o recomeço (28,29). A importância do diagnóstico propicia a
resto do dia. Contudo, preparações melhoria da vida do transexual, e tem se evidenciado, pois o
transdérmicas costumam ser menos tratamento com hormônios, realizado com acompanhamento
eficazes na indução rápida e profissional altera as características do gênero biológico
completa da amenorréia. (30,31,32).

Espera-se que haja amenorréia, aumento dos pelos


A testosterona também pode ser
corporais e faciais, agravamento da voz e redistribuição da
administrada através de
comprimidos bucais, que a liberam composição corporal (7).
como excipientes que são O uso da testosterona tem efeitos colaterais metabólicos,
hidratados na boca. Os sistemas o que faz com que muitos médicos se sintam desconfortáveis
bucais liberam testosterona de com o uso da terapia hormonal, independente se usada por
forma pulsátil, semelhante à indivíduos cisgênero (se identificam com o sexo de
secreção de testosterona endógena. nascimento) ou transexuais (12).
Os níveis de pico de testosterona
Via Transbucal são atingidos rapidamente e o
3.4. Riscos da terapia hormonal
estado estacionário é atingido pela
segunda dose. As vantagens desta
via de administração incluem evitar Alguns indivíduos fazem o uso da testosterona sem
o metabolismo de primeira orientação profissional, visualizando somente os resultados,
passagem e adesão do paciente, visando poder modificar o corpo e alcançar uma imagem
uma vez que é bem tolerado, corporal de acordo com o que se deseja (33).
embora seu uso em pessoas O tratamento hormonal tem sido largamente utilizado,
transexuais seja bastante limitado. entretanto, estudos acerca de seus efeitos a longo prazo
iniciaram somente há pouco tempo. Certos autores sugerem

Rev Cient FAEMA: Revista da Faculdade de Educação e Meio Ambiente - FAEMA, Ariquemes, v. 9, n. ed esp, p. 526-531,
528
maio-jun, 2018.
A terapia hormonal no processo de transexualização.

que a terapia hormonal com testosterona em homens associada ao aumento do IMC. O IMC basal mediano
transexuais é segura e se associa a poucos efeitos adversos elevado em homens transexuais foi consistente com outros
e baixos riscos. Entretanto, outros estudos têm apontado estudos que encontraram prevalência aumentada de
hipertensão, aumento da eritropoiese, diminuição do distúrbios metabólicos e síndrome dos ovários policísticos
colesterol HDL e aumento do LDL, bem como elevação de nesta população. Além disso, houve persistência da
enzimas hepáticas, obesidade e acne (7). menstruação nesses homens transexuais.
A testosterona pode aumentar o risco de doença Após acompanharem por 18 meses homens transexuais
cardiovascular, hipertensão e policitemia. A toxicidade que estavam iniciando a terapia hormonal, Fernandez (12),
hepática possui maior associação com a administração oral observou aumentos significativos no índice de massa
do que parenteral, mas continua sendo uma preocupação corporal, creatinina, hemoglobina e hematócrito.
potencial (12). Além disso, pode causar apneia de sono,
fraqueza, fadiga, tonturas, obstrução urinária, amnésia, 4 CONCLUSÃO
aumento no IMC, aumento ou diminuição na pressão arterial
sistólica e diastólica, aumento ou diminuição do colesterol e
A busca dos transexuais é enfrentada por momentos de
triglicerídeos, bem como diminuição dos níveis de LDL.
(34,35,36). sofrimento e incertezas, visto que o indivíduo pode encarar
preconceitos vindos da sociedade, bem como de sua família,
Dados acerca da pressão arterial não são contraditórios,
além de viver angústias por não se identificar com seu corpo
alguns estudos indicam aumento da pressão arterial
físico, e para tentar resolver isso, recorrem a tratamentos
sistólica; aumento na pressão arterial diastólica, diminuição
psicológicos e hormonais. Dessa forma, o indivíduo começa
na pressão arterial sistólica e diastólica. Enquanto estudos
a levar uma vida normal, se sentindo bem com sua nova
apontam a ausência de mudanças significativas na pressão
realidade.
arterial diastólica e sistólica (7).
Através das informações encontradas durante a pesquisa
Pode-se citar também a possibilidade de ocorrerem
realidade, percebe-se que o tratamento hormonal é
alterações psicológicas, como alteração do humor e
acompanhado por efeitos colaterais, como o aparecimento
alterações ou prejuízos significativos na capacidade de inferir
de acne, calvíce, alterações na pressão arterial, aumento da
emoções e demais estados mentais, além disso, são citados
hemoglobina e creatinina, entre outros. Entretanto, há dados
quadros depressivos e demais distúrbios psicológicos. Além
contraditórios, logo, deve-se realizar maiores pesquisas e
disso, pode haver o aparecimento de acnes, calvície e
acompanhamentos do tratamento hormonal com
insônia (37).
testosterona, para se ter um real entendimento acerca das
Trinta e um homens transexuais foram acompanhados
consequências deste.
durante 6 meses de terapia hormonal por Deutsch (10). Ao fim
dos 6 meses, o valor basal e os valores médios de pressão
sanguínea, bem como os valores lipídicos estavam dentro de
uma faixa clínica normal. A terapia com testosterona foi

outubro de 2017]. Disponível em


REFERÊNCIAS https://periodicos.ifsc.edu.br/index.php/rtc/article/viewFile/12
44/788
1. Sampaio LLP, Coelho MTAD. A transexualidade na
atualidade: Discurso científico, político e histórias de vida. 6. Moreira JAC. Histórias de vida e representações sociais
2013. [Monografia]. Salvador (BA): Universidade do Estado do sexo, corpo, gênero e sexualidade entre pessoas
da Bahia; 2013. [citado em: 28 novembro 2017]. Disponível transexuais do Brasil, Canadá e Costa Rica. [Tese].
em Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina;
https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/15770/1/A%20TRAN 2016. [citado em 30 de novembro 2017]. Disponível em
SEXUALIDADE%20NA%20ATUALIDADE.pdf https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789
/169225/344028.pdf?sequence=1&isAllowed=y
2. Lattanzio FF, Ribeiro PC. Transexualidade, psicose e
feminilidade originária: entre psicanálise e teoria feminista. 7. Velho I. Efeitos da terapia hormonal com testosterona
Psicologia USP, [Internet], 2017; 28(1):72-82. [citado em 22 sobre imc, pressão arterial e perfil laboratorial em homens
de maio de 2018]. Disponível em transgêneros: Uma revisão sistemática e meta-análise.
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010 [Monografia]. Porto Alegre (SP): Universidade Federal do Rio
365642017000100072&lng=pt&tlng=pt Grande do Sul Faculdade de Medicina; 2016. [citado em 02
de março de 2018]. Disponível em
3. Lopes ACV. Transexualidade: Reflexos da Redesignação
https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/157944/0
Sexual. Rio de Janeiro (RJ), 2009. [citado em 15 de setembro
01012926.pdf?sequence=1
2017]. Disponível em
http://www.ibdfam.org.br/_img/congressos/anais/229.pdf 8. Bento B. Nome social para pessoas trans: cidadania
[citado em 15 de setembro 2017]. precária e gambiarra legal. Rev. Contemporânea, [Internet],
2014; 4(1):165-182. [citado em 29 de maio de 2018].
4. Lara LAS, Abdo CHN, Romão APMS. Transtornos da
Disponível em
identidade de gênero: o que o ginecologista precisa saber
http://www.contemporanea.ufscar.br/index.php/contempora
sobre transexualismo. Rev Bras de GO, [Internet], 2013;
nea/article/view/197/101>.
35(6):239-242. [citado em 07 de novembro 2017]. Disponível
em http://www.scielo.br/pdf/rbgo/v35n6/v35n6a01.pdf 9. Schmidt EB. Transexuais e a alteração do nome e do sexo
no registro civil. [Tese]. Curitiba (PR): Universidade Tuiuti do
5. Benedet AM; Almeida C, Machado IM. Psicologia e
Paraná; 2014. [citado em 15 de setembro 2017]. Disponível
transtorno de identidade de gênero. [Monografia]. Criciúma
em
(SC): Escola Superior de Criciúma, 2013. [citado em 21 de
http://tcconline.utp.br/media/tcc/2014/08/TRANSEXUAIS-E-
Rev Cient FAEMA: Revista da Faculdade de Educação e Meio Ambiente - FAEMA, Ariquemes, v. 9, n. ed esp, p. 526-531,
529
maio-jun, 2018.
Campana GA, Zambon CP, Tiegs LMR, Cardoso Júnior CA.

A-ALTERACAO-DO-NOME-E-DO-SEXO-NOREGISTRO- Disponível em http://www.pgpsa.uerj.br/wp-


CIVIL.pdf content/uploads/2016/07/Dissertação-Barbara-Zenicola.pdf
10. Deutsch MB, Bhakri V, Kubicek K. Effects of Cross-Sex 20. Osorio LFB. Os esteroides anabolizantes e a sociedade.
Hormone Treatment on Transgender Women and Men. [Monografia]. Brasília (DF): Universidade de Brasília; 2011.
Obstetrics & Gynecology, [Internet], 2015; 125(3):605-610. [citado em: 28 de maio de 2018]. Disponível em
[citado em 28 de maio de 2018]. Disponível em http://bdm.unb.br/bitstream/10483/1724/1/2011_LuisFelipeB
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25730222 aumotteOsorio.pdf
11. Galli RA, Vieira EM, Giami A, Santos MA. Corpos 21. Lab Testes Online. [citado em 24 de maio de 2018].
Mutantes, Mulheres Intrigantes. Corpos Mutantes, Mulheres Disponível em
Intrigantes: Transexualidade e Cirurgia de Redesignação https://www.labtestsonline.org.br/tests/testosterona
Sexual. Rev Psic: Teor e Pesqu, [Internet], 2013; 29(4):447-
457. [citado em 11 de setembro de 2017]. Disponível em 22. Oviedo EAA. As Consequências do uso indevido dos
http://www.scielo.br/pdf/ptp/v29n4/v29n4a11.pdf esteroides anabolizantes androgênicos nas esferas civil,
penal e administrativa: Conhecer, prevenir, fiscalizar e punir.
12. Fernandez JD, Tannock LR. Metabolic effects of hormone [Monografia]. Brasília (DF): Universidade de Brasília; 2013.
therapy in transgender patients. Endocrine Practice, [citado em 19 de maio de 2018]. Disponível em
[Internet], 2016; 22(4):383-388. [citado em 28 de maio de http://bdm.unb.br/bitstream/10483/5848/1/2013_EddieAlfons
2018]. Disponível em oAlmarioOviedo.pdf
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26574790
23. Reis SLB. Benefícios e riscos da testosterona para
13. Ávila SN. FTM, transhomem, homem trans, trans, tratamento de desejo sexual hipoativo de mulheres: uma
homem: a emergência de transmasculinidades no Brasil revisão crítica da literatura referente às décadas pré e após
contemporâneo. [Tese]. Florianópolis (SC): Universidade o edvento dos inibidores da fosfodiesterase tipo 5. [Teses]
Federal de Santa Catarina; 2014. [citado em 18 de abril de São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 2013. [citado
2018]. Disponível em: em 27 de novembro 2017]. Disponível em
https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/1290 www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5160/tde-08112013-
50/329117.pdf?sequence=1 105531/en.php
14. Maksoud FR, Passos XS, Pegoraro RF. Reflexões 24. Thiago CC, Russo JA, Camargo Júnior KR. Hormônios,
acerca do transtorno de identidade de gênero frente aos sexualidade e envelhecimento masculino: um estudo de
serviços de saúde: Revisão Bibliográfica. Rev Psic e Saúde, imagens em websites. Interface - Comunicação, Saúde,
[Internet], 2014; 6(2):47-55. [citado em 12 março de 2018]. Educação, [Internet], 2016; 20(56):37-50. DOI:
Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622014.0031. [citado em:
http://www.gpec.ucdb.br/pssa/index.php/pssa/article/view/35 24 de maio de 2018]. Disponível em
6/462 http://www.scielo.br/pdf/icse/v20n56/1807-5762-icse-20-56-
0037.pdf
15. Cambaúva FD. Diversidade sexual e identidade “trans”:
Modificação do prenome e adequação do estado sexual 25. Fabris B, Bernardi S, Trombetta C. Cross-sex hormone
como proteção jurídica à identidade de gênero. Rev therapy for gender dysphoria. Journal Of Endocrinological
Liberdades, [Internet], 2016; 23:116-135, 2016. [citado em 30 Investigation, [Internet], 2014; 38(3):269-282. [citado em 28
novembro de 2017]. Disponível em de maio de 2018]. Disponível em
http://www.revistaliberdades.org.br/site/outrasEdicoes/outra https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25403429
sEdicoesExibir.php?rcon_id=292
26. Albernaz AP, Maia YLM. Hormônios: Da prescrição
16. Militão FT. Transexualidade masculina: A trajetória e as médica à terapia individualizada. 2012. [citado em 06 de abril
consequências jurídicas. 2011. [citado em 29 de maio de de 2018]. Disponível em
2018]. Disponível em http://www.cpgls.pucgoias.edu.br/8mostra/Artigos/SAUDE E
http://domtotal.com/direito/uploads/pdf/06651ffbb6025c2619 BIOLOGICAS/Hormonios da prescricao medica a terapia
139d6ea323ed82.pdf individualizada.pdf
17. Silva GWDS, Souza EFL, Sena RCFD, Moura IBDL, 27. Pardini D. Terapia de reposição hormonal na
Sobreira MVS, Miranda FA. Situações de violência contra menopausa. [Monografia]. São Paulo (SP): Universidade
travestis e transexuais em um município do nordeste Federal de São Paulo; 2013. [citado em 27 de novembro de
brasileiro. Rev Gaúcha de Enferm, [Internet], 2016; 37(2):1- 2017]. Disponível em
7. [citado em 21 de maio de 2018]. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/abem/v58n2/0004-2730-abem-58-2-
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S198 0172.pdf
3-14472016000200404
28. Méllo RP, Sampaio JV. Corpos intersex borrando
18. Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Departamento fronteiras do discurso médico. Rev. do NUFEN, [Internet],
Científico de Adolescência. Disforia de Gênero. [s.l.], 2017; 4(1):4-19. [citado em 28 de maio de 2018]. Disponível em
(4):18. [citado em 28 maio 2018]. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rnufen/v4n1/a02.pdf
http://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/19706c-GP_-
_Disforia_de_Genero.pdf 29. Zuffo AR, Selhorst D, Lara EMSC. Transexualidade e
transgênero: uma visão clínica. [Monografia]. Joinville (SC):
19. Almeida BZ. Do transexualismo à transexualidade. Universidade da Região de Joinville; 2016. [citado em 28 de
[Monografia]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade do Estado maio de 2018]. Disponível em http://files.revista-academica-
do Rio de Janeiro; 2015. [citado em 18 de abril 2018]. online.webnode.com/200000216-
abe39acdf3/TRANSSEXUALIDADE E TRANSGNERO .pdf

Rev Cient FAEMA: Revista da Faculdade de Educação e Meio Ambiente - FAEMA, Ariquemes, v. 9, n. ed esp, p. 526-531,
530
maio-jun, 2018.
A terapia hormonal no processo de transexualização.

30. Couto JCGC. Transexualidade: Passado, presente e Disponível em http://www.besins-


futuro. [Monografia]. Porto – Portugal: Universidade do Porto; healthcare.com.br/besins/pdf/bula_androgel.pdf
s.a. [citado em 18 de abril de 2018]. Disponível em
https://repositorio- 35. Manica D; Nucci M. Sob a pele: implantes subcutâneos,
aberto.up.pt/bitstream/10216/70771/3/30444.pdf hormônios e gênero. Rev Horizontes Antropológicos,
[Internet], 2017; 23(47):93-129. [citado em 22 de maio de
31. Arán M, Murta D, Lionço T. Transexualidade e saúde 2018]. Disponível em
pública no Brasil. Ciênc & Saúde Coletiva, [Internet], 2009; http://www.scielo.br/pdf/ha/v23n47/0104-7183-ha-23-47-
14(4):1141-1149. [citado em 18 de abril de 2018]. Disponível 0093.pdf
em http://www.scielo.br/pdf/csc/v14n4/a15v14n4.pdf
36. Rodrigues Filho JS, Rodrigues HS, Silva DC. Benefícios
32. Camargos AL, Nascimento E. Terapia de reposição e riscos da reposição hormonal no distúrbio androgênico do
hormonal e desempenho cognitivo na terceira idade. envelhecimento masculino: Uma revisão da literatura.
[Monografia]. Campinas (SP): Universidade Presidente [Monografia] Salvador (BA): Universidade do Estado da
Antônio Carlos; 2009. [citado em 11 de setembro de 2017]. Bahia; 2014. [citado em 19 de maio de 2018]. Disponível em
Disponível em http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v26n4/04.pdf http://www.uesb.br/revista/rsc/v10/v10n3a08.pdf
33. Moraes DR, Castiel LD, Ribeiro APPGA. “Não” para 37. Carvalho MP. O uso da testosterona como anabolizante
jovens bombados, “sim” para velhos empinados: o discurso e seus efeitos colaterais. [Monografia]. Ariquemes (RO):
sobre anabolizantes e saúde em artigos da área biomédica. Faculdade de Educação e Meio Ambiente; 2011. [citado em:
Cadernos de Saúde Pública, [Internet], 2015; 31(6):1131- 28 de maio de 2018]. Disponível em
1140. [citado em 22 de maio de 2018]. Disponível em http://repositorio.faema.edu.br:8000/bitstream/123456789/7
http://www.scielo.br/pdf/csp/v31n6/0102-311X-csp-31-6- 22/1/CARVALHO%2c%20M.%20P.%20-
1131.pdf. %20O%20USO%20DA%20TESTOSTERONA%20COMO%
20ANABOLIZANTE%20E%20SEUS%20EFEITOS%20COL
34. Besins Healthcare Brasil. ANDROGEL: Testosterona, ATERAIS.pdf
Bula de remédio; 2014. [citado em 22 de maio de 2018].

Como citar (Vancouver)


Campana GA, Zambon CP, Tiegs LMR, Cardoso Júnior CA. A terapia hormonal no processo de transexualização. Rev Cient
Fac Educ e Meio Ambiente [Internet]. 2018;9(ed esp): 526-531. doi: https://doi.org/10.31072/rcf.v9iedesp.627

Rev Cient FAEMA: Revista da Faculdade de Educação e Meio Ambiente - FAEMA, Ariquemes, v. 9, n. ed esp, p. 526-531,
531
maio-jun, 2018.