Você está na página 1de 27

Caso Clínico

Débora Souza
Lombalgia
• Definição: Dor localizada abaixo da margem das últimas
costelas(margem costal) e acima das linhas glúteas inferiores com
ou sem dor nos membros inferiores;

• Fatores desencadeantes: Posturas, condições de trabalho, hérnia


de disco, osteoartrose, síndrome miofascial, espodilolistese,
espondilite anquilosante, artrite reumatóide, fibrose, aracnoidite,
obesidade, tumor ou infecção.
Lombalgia
• Hábitos relacionados a doença: Permanência na posição de pé ou
sentada por tempo prolongado, obesidade, flacidez e distensão da
parede abdominal

• Classificação: Aguda, Subaguda, Crônica ou recorrente;


Lombalgia
• Prevalência 60-85% durante a sobrevida dos indivíduos;
• Maior incidência em mulheres;
• Muito comum em mulheres com idade entre 50 e 65 anos;
• Entre 15-20% dos adultos têm lombalgia;
• 90% são inespecíficas;
• Ocorre em todas as faixas etárias;
Hiperlordose Lombar
• Inclinação e anteversão pélvica, alteração de forças musculares;

• Fatores de risco: gênero feminino, raça negra, aumento do IMC,


diminuição da atividade física e movimento de extensão da coluna

lombar;

• Hiperlordose lombar mais frequente:

• Hiperlordose lombar postural ( Constitucional ou atitude


Caso Clínico

• Data da avaliação: 03/04/2018;


• Nome dos avaliadores(as): Adriele Caldeira e Débora Souza;
Anamnese
• Hipótese diagnóstica: Lombalgia crônica;

• Queixa principal: "Minha coluna dói o tempo todo" (SIC);


Histórico do paciente
• História da doença atual: Dores persistentes há 5 anos, porém
no dia da avaliação a paciente relatou ausência de dor;

• Durante atividades domésticas a dor se intensifica, sendo que a


posição deitada diminui a sensação dolorosa;

• Fatores agravantes: Colchão e posição para dormir;


Histórico do paciente
• Hábitos de vida: Ex- fumante ( há 22 anos), não bebe(SIC);
• Sedentária;
• Alimentação regular;
• Participação social (CIF): Igreja;
Histórico do paciente
• Doenças associadas: Hiperprolactenemia; Hipertensão arterial;
• Medicamentos em uso: Cabergolina : 0,5mg ;1 cápsula por
semana;

• Exames complementares: Radiografia da coluna cervical AP e


perfil, RX coluna torácica e RX lombo-sacra. Resultado:
Pinçamento posterior dos espaços discais C3 e C7, presença de
osteófitos C5 e C7, aguçamento da uncus de C5 e C7. Acentuação
Exame físico
• PA: 140/ 80 mmHg;
• Avaliação postural: Ombro direito elevado, joelho direito
hiperextendido e arco plantar direito desabado.
Exame Físico
• Inspeção: Ausência de edemas, rubores e cicatrizes na região
lombar. Acentuação da curvatura lombar acentuada, apresentando
uma anteversão pélvica, acompanhada de uma hiperlorse lombar.

• Palpação: Sem presença de dores, rigidez, pontos gatilhos ou


alterações nas posições das vertebras.
Exame físico
• Ausculta pulmonar: Múrmurios vesiculares presentes sem ruídos
adventícios;

• Exame de força muscular: Teste não pode ser validado pois foi
feito de maneira incorreta;

• Testes específicos: Teste de schober: Negativo; Teste de Laségue:


Negativo
Exame físico
• Marcha: Durante a fase de apoio inicial paciente utiliza o calcanhar,
seguido do apoio médio e apoio final pelo antepé. Durante a
marcha paciente realiza rotação externa de quadril. Na fase de
balanço inicial paciente realiza flexão de quadril, e rotação lateral
seguida de flexão do joelho e rotação lateral da tíbia. Ao final da
fase de balanço ocorre extensão quase completa e discreta
rotação lateral da tíbia e discreta supinação do pé.
Diagnóstico Fisioterapêutico
• N.M.A, 56 anos, com hipótese diagnóstica de lombalgia. Ao exame
físico paciente apresenta curvatura lombar acentuada,
acompanhada de uma anteversão pélvica caracterizando uma
hiperlordose lombar. Resultando em uma dor na região lombar que
apesar de não limitar as atividades diárias piora com algumas
atividades específicas como limpar casa e lavar roupas no mesmo
dia.
Condutas Fisioterapêuticas:
• Objetivos: Reduzir o quadro álgico;
• Condutas: Orientação do uso de gelo e repouso quando a dor
estiver intensa;

• Convite para participar do grupo Saúde e Movimento;


• Orientação da postura correta para dormir;
Como a avaliação poderia ter
sido realizada
• Na anamnese:
• Mecanismo da lesão;
• Tipo de sapato;
• Percepção do paciente de alguma fraqueza ou diminuição de
força;
Como a avaliação poderia ter
sido realizada
• Parestesia ou anestesia;
• Antes da lesão já executou alguma atividade repetitiva ou de alto
estresse;

• Dificuldade miccional;
• Escala EVA;
Exame físico
• Testes de músculos posturais estáticos e dinâmicos;
• Teste de Trendeleburg;
• Teste de equilíbrio;
• Avaliação postural mais detalhada (goniometria);
Plano de tratamento
• Objetivos: Fortalecer mm. Multífidos, Transverso abdominais
• Condutas:
• Exercícios para casa;
Identificação dos músculos
Exercícios para casa

Fortalecimento do
Transverso do
Abdome
Exercícios para casa
Fortalecimento do transverso
abdominal
Exercícios para casa

Fortalecimento de
Multífidos
Exercícios para casa

Fortalecimento de
Multífidos
OBRIGADA!
Referências
• MAGEE, D.J. Avaliação musculoesquelética. 5 ed Barueri-
SP;Manoele, 2010.
• BARBOSA, J et al. Hiperlordose Lombar.Rev Spmfr, v 20, n 2,
2011.
• BRAZIL, AV. et al. Diagnóstico e tratamento das lombalgias e
lombociatalgias. Rev Bras Reumatol, v 44, n 6, 2004
• LIZIER, D.T et al.Exercícios para Tratamento de Lombalgia
Inespecífica. Rev Bras Anestesiol, v 62, n 6, 2012.