Você está na página 1de 3

Livre-arbítrio 2º AULA: Determinismo Rígido

Conteúdo: Método:
1. Revisão (2 minutos) 1. Exposição
2. Determinismo causal e problema de livre arbítrio 2. Atividade em grupo pequeno
(30 minutos: aula 10 minutos, atividade 10 minutos, 3. Leitura / Debate
palestra 10 minutos) 4. Discussão
3. Caso de determinismo difícil (10 minutos)
4. Discussão: a sociedade deve punir os criminosos?
(8 minutos)

Introdução do Professor: os objetivos de hoje são explicar o problema do livre arbítrio e apresentar a primeira posição
que se pode assumir, o determinismo rígido. Na verdade, a estratégia será, basicamente, fazer com que os alunos vejam
o problema da livre vontade, argumentando pelo determinismo difícil. Ao contrário das posições posteriores, as críticas
específicas do determinismo rígido não serão apontadas nessa lição, porque a maneira como as pessoas argumentam
contra o determinismo rígido normalmente é argumentar por uma das outras posições ao invés de apontar falhas nele.

Objetivos e conceitos-chave:

1. Os alunos devem entender o problema do livre arbítrio e por que é importante.


2. Os alunos devem entender a posição do determinismo rígido e o argumento geral para isso.
3. Os alunos devem entender a gama de respostas possíveis ao problema do livre arbítrio, incluindo o Compatibilismo
(determinismo suave) e o libertário
4. Conceitos-chave: livre arbítrio (princípio da livre vontade, problema do livre arbítrio), determinismo (causal),
indeterminismo, determinismo rígido, incompatibilismo, Compatibilismo, Determinismo suave, Libertarianismo

1. Revisão
Em breve, peça aos alunos para recapitular os principais pontos da discussão de ontem sobre as circunstâncias sob as
quais as pessoas podem ter ou ter uma responsabilidade moral. Certifique-se de que "poderia ter feito o contrário" é dito.

2. O problema do livre arbítrio

Exposição
Intuito, levar um debate interativo para apresentar o problema do livre arbítrio. Explicar o Objetivo que queremos
alcançar: pensar se os requisitos para as pessoas terem responsabilidade moral podem ser cumpridos, seja, o que
poderíamos realmente ter feito de outra forma?

Em termos muito simples, a maioria das pessoas tem fortes intuições de que os dois princípios seguintes são verdadeiros:

1. Livre vontade - nós escolhemos nossas ações.


2. Determinismo (ou determinismo causal) - todos os eventos são causalmente determinados.

Por vontade livre, queremos dizer basicamente que nos parece que decidimos realmente quais ações vamos tomar.
(Normalmente, isso nos leva a pensar que somos moralmente responsáveis por nossas ações também, mas não vamos
nos antecipar!)
O determinismo causal não é tão óbvio, mas basicamente é a teoria de que o passado determina o futuro. Se acreditamos
nas leis da ciência, torna-se bastante intuitivo. O determinismo não significa que, a nível pessoal, não contemplemos
nossas decisões ou sintamos que somos obrigados a fazer algo. Mas, dadas as nossas experiências passadas, é
determinado que façamos uma escolha especial. Portanto, não perdemos o nosso senso de liberdade, mesmo que o nosso
futuro seja determinado.
Mas alguma reflexão nos leva a pensar que, se o determinismo é correto, e parece ser, essa sensação de liberdade é
apenas uma ilusão. Claro, parece que estou decidindo, mas a decisão já foi determinada! Nesse caso, eu realmente não
tenho vontade livre (e não posso ser moralmente responsável por minhas ações). Este é o problema da vontade livre -
esses dois princípios aparentemente ou obviamente verdadeiros parecem ser incompatíveis entre si.
Na verdade, o incompatibilismo é o nome da visão de que os dois princípios estão realmente em conflito entre si. Por
outro lado, o Compatibilismo é a visão que esses princípios podem coexistir, que a aparente contradição entre eles é
uma confusão semântica. Exploraremos o leque de respostas possíveis ao problema do livre arbítrio em breve. Primeiro,
porém, note que chegamos a este ponto, primeiro aceitando intuitivamente ambos os princípios, refletindo o suficiente
para perceber que o determinismo é verdadeiro parece levar-nos a pensar que o princípio do livre arbítrio é ilusório. E
o determinismo ainda parece perfeitamente plausível. Em outras palavras, uma primeira revisão natural de nossas
intuições é aceitar o princípio do determinismo e rejeitar o princípio da vontade livre. Esta é essencialmente a posição
do determinismo rígido. Nesse sentido, está discutindo o determinismo rígido que nos leva a reconhecer o problema do
livre arbítrio.

Atividade
Dividir a classe em pequenos grupos. Peça a cada grupo que tente descobrir quais são as respostas possíveis ao problema
do livre arbítrio. Eles podem não conhecer os nomes das posições, mas trabalhando nas possibilidades (aceitar um
princípio e rejeitar o outro, depois inverter isso, tentar reconciliá-los, possivelmente rejeitar os dois), eles devem ser
capazes de chegar às posições gerais e entender o que eles implicam. Este trabalho em grupo deve dividir a leitura,
permitir-lhes ter uma compreensão mais profunda das posições possíveis (uma vez que eles descobrem as posições por
conta própria) e ser um bom exercício no raciocínio lógico / filosófico.

Debate
Tendo completado a atividade de trabalho em grupo, podemos, obviamente, tornar este um debate muito interativo,
pedindo aos alunos que contribuam com possíveis respostas para o problema do livre arbítrio que acabaram de funcionar
(novamente, o problema do livre arbítrio é a aparente incompatibilidade entre o princípio de livre vontade e princípio
do determinismo). Podemos analisar as possíveis respostas como uma espécie de fluxograma. Primeiro, precisamos
decidir se os dois princípios são realmente incompatíveis. Se pensarmos que são, como prima facie parece ser o caso,
estamos no território do Incompatibilismo, o que diz que o livre arbítrio só pode existir se o determinismo for falso, pois
não podemos acreditar em ambos os princípios. Se aceitarmos o determinismo, devemos rejeitar o princípio do livre
arbítrio. Esta posição é DETERMINISMO RÍGIDO. Nesta visão, o futuro é causalmente determinado pelo passado e o
livre arbítrio é uma ilusão. Por outro lado, podemos rejeitar o princípio do determinismo. Aqui, na verdade, temos duas
escolhas. Um é simplesmente dizer que nem todos os eventos são causalmente determinados, de modo que o passado
tem apenas uma influência limitada no futuro e, portanto, o futuro não é determinado e corrigido pelo passado. Podemos
chamar essa posição de Indeterminismo. Como veremos abaixo, isso realmente não nos ajuda muito, porque apenas a
introdução de aleatoriedade não nos proporciona o livre arbítrio. Em certo sentido, isso é basicamente apenas desistir
de ambos os princípios, o que não é muito gratificante. A última opção no lado Incompatibilista é rejeitar o princípio do
determinismo e abraçar o princípio do livre arbítrio. Esta posição é conhecida como libertarianismo. Os libertários
acreditam que os agentes têm poderes causais especiais que lhes conferem controle sobre ações indeterminadas. Em
outras palavras, as pessoas são especiais, ao contrário de outras coisas, e podem iniciar ou causar uma ação.
Se voltarmos ao começo, a outra decisão que podemos tomar é argumentar que os princípios do livre arbítrio e do
determinismo são realmente compatíveis entre si. Esta posição geral é, portanto, chamado de Compatibilismo (às vezes
também conhecido como DETERMINISMO SUAVE). Compatibilistas argumentam que a aparente incompatibilidade
entre os princípios é uma confusão semântica, e que pode haver livre vontade mesmo que o futuro seja determinado
pelo passado; O determinismo é compatível com o livre arbítrio e a responsabilidade. Aproximadamente, um ato pode
ser livre se for causado no caminho certo, onde a última coisa na cadeia causal é a vontade da pessoa. Existem dois tipos
de Compatibilismo. Compatibilismo tradicional diz que os atos são gratuitos, desde que o agente possa fazer o que ele
quer fazer sem ser limitado por forças externas (como a coerção). Autocompatibilismo profundo sustenta que um agente
é livre se ele ou ela atua em desejos com os quais ele deseja realmente agir. (Os detalhes dessas posições além do
determinismo rígido serão abordados nas próximas lições).

Então, obtemos as seguintes posições principais que os filósofos podem realizar em resposta ao problema do livre
arbítrio:

1. Determinismo difícil: aceita o princípio do determinismo (com uma qualificação sobre aleatoriedade que será
explicada abaixo) e rejeita o princípio do livre arbítrio. O livre arbítrio é uma ilusão, e as pessoas não são (sempre)
moralmente responsáveis por suas ações.
2. Libertarianismo: aceita o princípio do livre arbítrio e rejeita o princípio do determinismo. Os agentes têm poderes
especiais para causar ações, e assim as pessoas são (geralmente) moralmente responsáveis por suas ações.
3. Compatibilismo (ou determinismo suave): aceita o princípio do determinismo e o princípio do livre arbítrio. As
pessoas estão decididas a agir como elas, mas isso é realmente compatível com o livre arbítrio e a responsabilidade
moral.

Destes, o determinismo rígido e o libertarianismo são agrupados como visões incompatibilistas, embora acabem nos
extremos opostos em termos de conseqüências, porque concordam que os princípios de livre vontade e determinismo
são incompatíveis.

3. Determinismo difícil
Conforme descrito anteriormente, os deterministas rígido aceitam o determinismo e concordam que o futuro
determinado pelo passado é incompatível com o livre arbítrio. Então, eles argumentam que crença no livre arbítrio é
como acreditar no Papai Noel; é uma ilusão infantil. O caso do determinismo rígido gira em torno da causalidade.
Em geral, as pessoas acreditam que eventos específicos causam outros eventos. É como uma linha de dominós. A
primeira queda faz com que o segundo caia, o que faz com que o terceiro caia, e assim por diante. Quando se trata de
causalidade, 1) a causa de um evento acontece antes do efeito; e 2) uma vez que a causa aconteceu, o efeito também
deve acontecer. É assim que os eventos passados moldam o futuro. Então nossas ações também são causadas?
Certamente parece assim. Nossas personalidades são causadas pela genética e por nossas experiências passadas.
Respondemos a estímulos. E, em geral, tendemos a pensar que sempre há causas para eventos. Se um avião falhar, talvez
não possamos saber por que, de imediato, assumimos que existe uma causa. Existe um princípio filosófico, o princípio
da razão suficiente, que afirma que tudo o que acontece faz isso por uma razão definida.

Então, temos o seguinte argumento para Determinismo Rígido:

1. Todos os eventos têm causas.


2. Todas as nossas ações são eventos.
3. Todos os eventos causados são determinados pelo passado.
Assim sendo:
4. Todas as nossas ações são determinadas pelo passado.
5. Se todas as nossas ações forem determinadas pelo passado, então não temos poder para agir além do fato de realmente
agirmos.
6. Se não temos poder para agir além do fato de nós de fato agirmos, então não temos livre arbítrio.

Assim sendo:
7. Não temos livre arbítrio.

Podemos evitar o determinismo rígido através do indeterminismo? Alguns estudantes podem sugerir que a física
moderna (física quântica em particular) é indeterminista. Então, talvez o princípio do determinismo não seja estritamente
verdadeiro, economizando livre arbítrio. Infelizmente, isso não nos ajuda no que queremos. Suponha que meu braço às
vezes se mova indeterministicamente - aleatoriamente, sem nada que cause os movimentos. Se esse desenvolvimento
surpreendente fosse verdade e meu braço, ocasionalmente, pegou um cubo e golpeou uma pessoa na cabeça com ele,
não diriamos que eu era responsável. Ninguém deve ser responsabilizado por algo que acontece aleatoriamente. Nós
podemos realizar ações responsáveis apenas agindo por boas razões. Uma vez que pode haver uma boa razão para pensar
que existe alguma indeterminação fundamental no mundo, podemos querer dizer que ao invés de ser estritamente
determinista, o mundo é mecanicista (segue leis científicas gerais, mas talvez com alguma aleatoriedade). Mas, no que
diz respeito ao argumento do determinismo rígido, isso realmente não muda as coisas.

Não há realmente críticas específicas do determinismo rígido. No entanto, existe um argumento geral que muitas vezes
é dado contra ele:

1. Se o determinismo rígido é verdadeiro, então nós, pessoas, não temos livre arbítrio.
2. Se as pessoas não têm livre arbítrio, as pessoas não são responsáveis por suas ações.
3. As pessoas são responsáveis por suas ações.
Assim sendo:
4. O determinismo rígido é falso.

Muitas pessoas acham esse argumento persuasivo. Mas, como o argumento do determinismo rígido parece perfeitamente
válido, o fardo é sobre eles para fornecer bons argumentos para uma visão alternativa. São as tentativas que serão
abordadas nas próximas duas lições.

4. Discussão
Dirija uma discussão guiada: suponha que os deterministas rígidos são corretos e o livre arbítrio é uma ilusão. A
sociedade deve parar de punir as pessoas por crimes cometidos? Por que sim ou por que não?

THE READING:
Rauhut, Ultimate Questions: Thinking about Philosophy pages 88 to 97.