Você está na página 1de 13

Desenvolvimento Humano na

adolescência: aspectos físicos,


emocionais, profissionais e sexualidade
Psicóloga Patricia Sousa
CRP: 0542201
Adolescência: um mundo de
possibilidades
Objetivo Geral:
Desenvolver uma proposta de intervenção que
possa contribuir para a apropriação dos
conteúdos por parte de cada participante, além
de estimular que cada um(a) reflita e assuma,
tanto para sua vida cotidiana pessoal como na
escola, as implicações do que está realizando
nos encontros.
Adolescência: um mundo de
possibilidades
Objetivos Específicos:
- Contribuir para a formação de uma autoimagem positiva que possibilite à
criança e ao jovem vivenciar sua sexualidade de forma mais espontânea ,
enquanto possibilidade e manifestação de vida em cada um de nós.
- Contribuir na desmistificação de preconceitos e no esclarecimento de
crenças que permeiam informações sobre nosso corpo, diminuindo assim
as ansiedades que costumam acompanhar essas questões.
- Promover a reflexão sobre os sentimentos ligados às descobertas
envolvendo o corpo/sexualidade, criando condições para o diálogo
respeitoso sobre opiniões e valores.
- Explicitar a originalidade de cada sexo, evitando comparações que
enfatizem a supremacia , depreciação ou inferioridade de um sobre outro e
que reforcem a rigidez das estereotipias de gênero.
Contextualizando a adolescência
● A palavra adolescência para a atual sociedade refere-se a uma categoria
que a define como fase preparatória para a entrada no mundo adulto,
comumente caracterizada por alterações corporais e hormonais,
psicológicas, cognitivas e sociais, que proporcionam um
amadurecimento:
►sexual: capacidade de reprodução
►produtivo: capacidade de trabalha
► cognitivo: capacidade de pensar abstratamente
► político: capacidade de decidir e agir por conta própria
● Ao final do processo, o jovem passa a reconhecer-se e ser reconhecido
como um adulto, entendido como um ser social autônomo frente ao meio
em que se convive.
Contextualizando a adolescência
● As características psicológicas da adolescência:
1- Busca de si mesmo e de sua identidade
2- Tendência grupal
3- Necessidade de intelectualizar e fantasiar
4- Crises religiosas
5- Deslocamento temporal
6- Evolução sexual do autoerotismo á heterossexualidade
7- Atitude social reivindicatória
8- Contradições sucessivas em todas as manifestações de conduta
9- Separação progressiva dos pais
10- Constantes flutuações do humor
A adolescência no nosso país
● Diversificada

Podemos falar em adolescência marcada por diferenças e desigualdades
econômicas, culturais, educacionais, entre outras.
● Segundo a Unicef as diferentes experiências de ser adolescente, sejam físicas,
sociais ou psíquicas, podem definir oportunidades de exercício de direitos em
relação á saúde, á educação, á proteção integral, etc. Isso em razão:
► do lugar onde se vive
►das oportunidades de participação e das relações estabelecidas na comunidade
►de ser pobre, rico, branco, negro ou indígena.
►de viver em determinadas regiões
► de possuir algum tipo de deficiência ou
► do fato de ser menino ou menina
A adolescência em nosso país
● Fatores como esses fragilizam as possibilidades de
aprendizagem e de desenvolvimento de muitos adolescentes ,
como fenômenos sociais, politicos, econômicos e culturais que
comprometem gravemente o desenvolvimento de muitos jovens
brasileiros.
Assim o significado do que é ser adolescente depende dos
valores associados ao grupo de idade definido como tal e dos
ritos que marcam a passagem.
Atuação do psicólogo junto á escola
e ao aluno
● Os psicólogos educacionais desenvolvem seu trabalho em conjunto
com os educadores de forma a tornar o processo de aprendizagem
mais efetivo e significativo para o educando, principalmente no que
diz respeito à motivação e as dificuldades de aprendizagem, focam
sua atenção nas necessidades da criança na escola, no
desenvolvimento das capacidades e nas dificuldades de
aprendizagem, como no caso da desordem por deficit de atenção,
hiperatividade, problemas emocionais, problemas comportamentais
etc.
● Uma das tarefas concernentes ao psicólogo no contexto escolar
Desenvolver ações sobre desenvolvimento humano, prevenção ao
uso de drogas, sexualidade, agressividade, ética junto com o corpo
docente direcionadas ao esclarecimento da comunidade.
Justificativa e Método
Os programas para adolescentes em sexualidade devem, antes
de mais nada, levar em conta os aspectos sociais, culturais e
econômicos do país e da região em que se inserem.
Além disso, é preciso ouvir e conhecer o mundo dos/ as
adolescentes: as pressões e os constrangimentos podem nos dar
pistas das dificuldades que eles/as enfrentam na hora de optar e
usar um método contraceptivo.
Método:
O projeto de intervenção foi desenvolvido em quatro encontros,
realizados quinzenalmente, com duração de 40 minutos cada.
Desenvolvimento do Projeto
Encontro n*1 (15/08/2017): “Ser Homem e Ser Mulher” - Vamos falar sobre Gênero?
O objetivo deste encontro e seu maior desafio é sensibilizar os/as jovens para que possam
ultrapassar as limitações impostas a cada gênero. Que cada um seja capaz de ajudar o outro a se
libertar das amarras culturais, de modo que todos possam viver com mais igualdade e
solidariedade.
Inicialmente foram feitos combinações verbais sobre construção das regras para a realização
destas atividades, tais como sigilo, respeito com os colegas, etc. Posteriormente foi apresentado
um quatro dividido em quatro partes. Na primeira divisão escreve meninas e na segundo meninas.
A seguir, explica para os/as alunos/as que todos/as vão trabalhar o relacionamento entre homens
e mulheres, começando pelas diferenças entre as meninas e os meninos. Pede que todos/as
falem das diferenças que eles/as acham que existem. A psicóloga diz que algumas daquelas
diferenças são culturais, isto é, a sociedade espera que seja assim, e que outras são biológicas.
Na 3* divisão, escreve Biológicas e na 4* Culturais, separando com o grupo o que é de um e o que
é de outro. Quando terminarem, a psicóloga atenta para o fato de que muitas das diferenças que a
maioria das pessoas acha inerentes ao homem ou à mulher são culturais e que é preciso aprender
a gostar das pessoas pelas suas características e não pelo que a sociedade acredita como certo.
Desenvolvimento do Projeto
Encontro 2 (29/08/17): “O que você quer ser quando crescer?” - Orientação Profissional
Objetivo: A criança desde muito cedo apresenta grande interesse pela vida do adulto, e desse
modo que as profissões aparecem com frequência em suas brincadeiras do faz de conta.
Enquanto as crianças brincam, elaboram e reelaboram as profissões colocando no lugar dos pais
ou do professor. Explorar esse tema dentro do ambiente escolar foi muito importante porque
possibilita ampliar o conhecimento dos alunos com relação às diversas profissões e também
colaboram para que toda desenvolva atitudes de respeito e cooperação com as pessoas em suas
diferentes funções. Por isso o objetivo desse encontro é Mostrar às crianças as diversas profissões
e sua importância para a sociedade, despertando a curiosidades das crianças com em relação às
profissões dos seus pais e seus colegas através das profissões valorizarem e respeitar as demais
profissões e também desenvolver o raciocínio lógico a expressão oral e a corporal, coordenação
motora, percepção auditiva e visual da criança.
Atividade: “Sonhos: O que você quer ser quando crescer?”
Materiais: vídeo sobre o tema, slides sobre as profissões, questionário sobre orientação
profissional.
Desenvolvimento: A psicóloga iniciará o encontro com o vídeo “O que você quer ser quando
crescer?”. Logo após explicará sobre as profissões existentes na sociedade e aplicará um
questionário sobre orientação profissional.
Fechamento: Após a aplicação do questionário a psicóloga explicará A todo o momento fazemos
escolhas, portanto escolher é uma das tarefas rotineiras da vida. Diariamente escolhemos o que
comer, qual roupa vestir, quais cores usar, quais músicas ouvir, vídeos e filmes assistir, livros para
ler, pesquisamos sobre aquilo que nos interessa e muitas vezes sem perceber adotamos critérios
para fazer essas e tantas outras escolhas.
Desenvolvimento do Projeto
● Encontro 3: Retratos: Como você se vê?
Objetivo: Informar e conscientizar os alunos sobre as modificações
do corpo e as modificações afetivas que acontecem na puberdade.
Processo: A psicóloga solicita que os alunos falam 4 grupos e
informa que vai distribuir a cada grupo uma tira com a descrição de
um menino ou de uma menina. A partir das instruções , eles devem
fazer em grupo um retrato dessa pessoa que foi descrita.
● Quando todos terminarem os retratos, solicita que mostrem os
desenhos aos outros grupos e que digam o que está acontecendo
com o personagem.
● Informa que aqueles desenhos exploram algumas das modificações
que ocorrem na puberdade.
Desenvolvimento do Projeto
Encontro 4 (26/09/2017): “Drogas: Tô fora!”

ATIVIDADE 1 – Iniciando o diálogo…


A psicóloga iniciará o encontro dividindo a sala em grupos de 5 pessoas e apresentando aos
alunos/as a seguinte situação:
Renata e Marcelo estudam em uma escola pública e cursam o sétimo ano. Todos dois têm treze
anos. Foram pegos usando drogas no banheiro da escola, ela no banheiro feminino e ele no banheiro
masculino. Seus colegas de sala ficaram sabendo deste fato e foi um alvoroço dentro de sala. Cada
um dava uma opinião diferente. Alguns defendiam os colegas tentando justificar o comportamento
deles, alegando que talvez os dois estivessem enfrentando problemas em suas respectivas casas,
outros ficaram indignados e falavam que os colegas deveriam ser expulsos da escola. Tendo como
base a história narrada, proponha a discussão destas questões:
1) Por que as pessoas usam drogas?
2) Nem todos os usuários tornam dependentes. Como saber quem será dependente?
3) As drogas oferecem riscos apenas para quem as utiliza?
4) Elabore uma lista de coisas que um dependente químico pode fazer e que coloquem em risco a
sua própria vida e a vida alheia.
5) Pensando nestas questões abordadas anteriormente, vale a pena experimentar a droga? Justifique
sua resposta.

ATIVIDADE 2: Filme e slide sobre os tipos de drogas e o que são drogas

ATIVIDADE 3: Fechamento