Você está na página 1de 1

Universidade Anhembi Morumbi

Nome: Renan Guerreiro Mandarino


Curso: Design de Games
Campus: Paulista 2
Período: Noturno
RA: 21238902

Resenha crítica - Círculo Mágico

O texto presente no capítulo 9 do livro Regras do Jogo Fundamentos do Design de Jogos Volume
1 escrito por Katie Salen e Eric Zimmerman, aborda o conceito de círculo mágico baseado no
livro Homo Ludens de Johan Huizinga (um dos maiores filósofos no século XX).

Os autores então, ao se basear nesse livro definem o Quadro, ou seja, a relação entre o mundo
artificial de um jogo e os contextos com a vida real que ele cruza e responsável por passar
segurança e conforto para o jogador. Para desenvolver esse conceito eles estabeleceram que
os jogos são sistemas, podendo ser um sistema fechado sem troca de informação, nem matéria
ou energia, ou um sistema aberto, sendo possível o intercâmbio entre o ambiente e o quadro.

Para classificar se o jogo tem um sistema abeto ou fechado deve ser levado em consideração
as regras, a interação lúdica ou cultura. Além disso, os autores explicam que quando uma pessoa
aceita uma dessas limitações, ela consequentemente toma uma “atitude lúdica” e se enquadra
na “interação lúdica significativa” de um jogo dando um significado novo.

Para Huizinga quando jogamos criamos uma realidade onde coisas podem se diferenciar como
normalmente conhecemos, como a física, biologia, matemática e até as pessoas, pois agimos
de forma diferente quando estamos jogando. Para entender essa nova realidade introduzimos o
círculo mágico que deixa de lado nossa realidade para imergir em um outro universo.

Ao adentrar nesse novo universo as coisas ganham um novo significado e podem interagir e se
comportar de forma diferente e por meio de uma de uma experiência lúdica apresentamos novas
informações diferentes do que existe na nossa realidade. Ao sairmos, alteramos todo o nosso
conhecimento pelo assunto devido a imersão e pelas experiências vivenciadas dentro dele. Por
exemplo, no mundo real o ato de chutar uma bola a uma rede é apenas uma ação, já no Círculo
Mágico isso seria marcar um gol, ou seja, um novo significado foi criado. Por fim, para entender
por completo o Círculo Mágico devemos recorrer a limites. Nos jogos esses limites devem ser
criados por meio do espaço e regras claras e que devem ser aceitas pelo jogador, pois como diz
ele “regras especiais se impõem”.

Partindo desse ideal podemos prever que a ideia de “jogo” pode estar presente em diferentes
lugares da cultura humana, por isso Huizinga aponta que muito mais que o Homo Sapiens, o ser
humano é também o Homo Ludens, e apesar de ter sido escrito em 1938 o livro serve de apoio
básico para os profissionais da área de games.

Ademais, a fácil linguagem e os argumentos concretos utilizados pelos autores nesse livro
ajudam os desenvolvedores mais experientes quanto os menos experientes a trabalharem em
seus projetos de uma forma mais agradável e correta possível.