Você está na página 1de 2

Módulo

Incidência e Crédito Tributário


Seminário II – Crédito Tributário, Lançamento e
Espécies de lançamento.

Marcelo Farina de Medeiros.

Respostas às questões do seminário II:

01. Lançamento tributário é o ato administrativo que constitui o crédito


tributário. Segundo a doutrina as espécies diferenciam os procedimentos
prévios ao lançamento, seja ele iniciado mediante declaração do contribuinte e
cálculo da autoridade administrativa da fazenda pública; seja ele feito por
autolançamento e cálculo do contribuinte, mediante homologação da
autoridade administrativa da fazenda pública; seja ele feito de ofício pela
autoridade administrativa da fazenda pública, contudo, o lançamento em si é o
ato administrativo que põe fim a tal procedimento. Tanto o lançamento por
homologação, como o por declaração são lançamentos, pois tornam exigíveis
os respectivos créditos tributários e não dá margem à repetição de indébito.
Eventual erro do contribuinte pode ser corrigido pela autoridade administrativa
da fazenda pública, quando da homologação, ou determinação de correção.
Tal entendimento fica evidenciado na súmula 436, do STJ.

02. a) No auto, objeto da questão, embora seja formalmente seja um


documento, substancialmente traz dois atos administrativos distintos: O
lançamento da cobrança do tributo não pago e a imposição da infração. As
normas individuais são: saída de mercadorias do estabelecimento do
contribuinte, para o lançamento, e falta de pagamento tempestivo do imposto,
para o auto de infração.

b) i) O documento auto de infração é ato constitutivo da exigibilidade da


penalidade; ii) O ato administrativo de imposição de multa é ato vinculado da
autoridade administrativa da fazenda pública, tendo presunção de legitimidade
e exigibilidade, que pressupõe uma infração anterior do contribuinte; iii) O ato
administrativo de lançamento é ato administrativo vinculado autoridade
administrativa da fazenda pública, tendo presunção de legitimidade e
exigibilidade, que declara a relação jurídica tributária (preenchimento dos
pressupostos da RMIT) e constitui a exigibilidade do crédito tributário; iv) O ato
de notificação é ato administrativo de ciência, seja do lançamento de um
tributo, seja da imposição de uma infração, do qual prevê o prazo e as
condições de pagamento.

c) Apesar de parte da doutrina, pautada na redação do artigo 142 do CTN,


ensinar que o lançamento tributário tem natureza híbrida, de declarar a
existência da obrigação tributária e constituir o crédito tributário, penso que tal
assertiva seja incoerente, pois é equivocado dizer haver “obrigação” sem a
existência do crédito. Assim, tenho como correta a natureza híbrida, mas que
declara a existência de uma relação jurídica tributária e constitui a obrigação e
o crédito tributário.

03. Sim, apesar de não haver ato administrativo explícito, houve a entrega da
declaração do contribuinte ao fisco, reconhecendo o débito fiscal, que se
entende tacitamente homologado quando da execução fiscal, conforme
enunciado 436, da súmula do STJ. Caso tenha sido realizado o auto de
infração e a respectiva notificação ao contribuinte, a resposta será a mesma no
que diz respeito a juros e penalidades.

04. a) Homologação é o lançamento por meio de ato administrativo da


autoridade da fazenda pública que aceita, no todo, ou em parte, o
“autolançamento” do contribuinte e que constitui o crédito tributário. Homologa-
se a norma individual e concreta posta pelo contribuinte.

b) A homologação expressa se verifica quando do ato da autoridade


competente que homologa a atividade que antecedeu ao cumprimento do
dever advindo da obrigação tributária pelo contribuinte, ou seja, homologa as
informações que constituem a norma jurídica individual e concreta, após
verificação contábil, através de termo de encerramento de fiscalização. Há a
possibilidade de pagamento antecipado ao lançamento, porém, sob condição
resolutória deste para a extinção do crédito tributário (art. 150, § 1º, CTN).

05. Sim, por disposição constitucional, advindo da Emenda Constitucional nº


45/2004, o artigo 114, VIII, norma hierarquicamente superior ao artigo 142 do
CTN, prevê a possibilidade de constituição do crédito tributário por ato do
magistrado da Justiça do Trabalho, de ofício, das contribuições sociais
decorrentes das sentenças que proferir. Tal crédito pode ser entendido como
lançado de ofício pela autoridade judicial, por autorização constitucional. O
contraditório e a ampla defesa são oportunizados na fase de conhecimento da
reclamação trabalhista.

06. a) Não, a doutrina e a jurisprudência entendem que a mudança de critério


jurídico, ou até mesmo de orientação jurisprudencial constituem erros de
direito, insusceptível de oportunizar revisão do lançamento tributário. Já o erro
de fato, em contrapartida, autoriza a revisão do lançamento tributário.

b) A alteração da base de cálculo, quando advinda de erro de fato, autoriza a


retificação do lançamento. Eleição errônea da sistemática de apuração do
tributo configura-se como erro de direito, não tendo o condão de anular o
lançamento, haja vista se tratar de falha na apuração da regra matriz.