Você está na página 1de 4

Conteúdo: Figuras Musicais

1. Método: Dalcroze (6 a 10 anos)

Objetivo: Perceber as figuras rítmicas e vivencia-las através do seu próprio


corpo segundo a relação de espaço e tempo.
Descrição: Nesta atividade, o professor divide a sala em dois grupos. O primeiro
grupo marca a pulsação do compasso batendo os pés como em marcha,
enquanto o outro grupo após ouvir a frase rítmica tocada no instrumento, a
executa marchando na sala. Depois, os dois grupos mudam de posição.

2. Método: Kodály (a partir dos 6 anos)

Objetivo: Solfejar as figuras rítmicas representadas por símbolos.


Descrição: O professor irá apresentar as figuras rítmicas semínimas e colcheias.
Os símbolos devem ser desenhados em uma placa. Cada placa representará um
compasso quaternário. Para a semínima (I) os alunos devem pronunciar a sílaba
“ti” e para a colcheia (II) “ti-ti”. A atividade terá início com a contagem de um
compasso em branco sendo marcados por palmas, na sequencia o professor
apresenta as placas que serão solfejadas pelos alunos, utilizando a voz.

3. Método: Orff (a partir dos 4 anos)

Objetivo: Identificar as figuras rítmicas por meio de desenhos realizando o


solfejo rítmico.
Descrição: Os desenhos serão de dois tamanhos diferentes. O maior
representará uma semínima e o menos uma colcheia. Ao solfejar a semínima,
os alunos devem utilizar palmas e nas colcheias, bater os pés. A atividade deve
ser realizada com os alunos dispostos em círculo.
Conteúdo: Propriedades do som

1. Método: Dalcroze (6 a 10 anos)

Objetivo: reconhecer a altura do som através de exercícios de solfejo.


(Desenvolver a acuidade auditiva, a atenção e a destreza do raciocínio;
estimular a expressão corporal e a criatividade;)
Descrição:
As crianças fazem uma meia lua; o professor tocará o piano em diferentes
alturas; os alunos ao reconhecer o som (grave ou agudo) irão movimentar
corporalmente e emitir o som dado.
O professor pode trabalhar com notas soltas e, posteriormente, fazer escalas
pentatônicas, assim os alunos representarão a sequência corporalmente
subindo e descendo com solfejo.

2. Método: Kodály (7 a 10 anos)

Objetivo: Diferenciar a intensidade através do canto de uma música folclórica.


(Borboletinha)
Descrição: As crianças formam um círculo e sentadas cantam uma música
folclórica. O professor dará indicações durante o canto com gestos que
indiquem para cantar com mais ou menos intensidade; (gestos: levantar a mão
para aumentar a altura da nota; abaixar a mão para diminuir a intensidade;
palmas para frente irão fazer o som durar.)

3. Método: Orff (7 a 11 anos)

Objetivo: Identificar a duração dos sons por meio da sílaba rítmica;


Descrição: O professor escolhe os instrumentos; cada aluno pega um
instrumento e ao comando do professor irão reproduzir a duração do som.
Conteúdo: Sons da Natureza

1. Método: Dalcroze (8 a 11 anos)

Objetivo: Interpretar os elementos sonoros da natureza através dos movimentos


corporais.
Descrição: (a atividade exige concentração)
Os alunos ficarão dispostos em semicírculos e o professor deverá escolher um
aluno para ficar no centro. Assim, o professor disponibilizará de um equipamento
de som que emita os sons da natureza (vento, raio, chuva, animais, etc,...) onde
o aluno escolhido ficará responsável de expressar através do corpo. Os demais
repetirão de forma organizada enfatizando a expressão corporal.

2. Método: Kodály (8 a 11 anos)

Objetivo: Desenvolver a prática vocal através de canções folclóricas.


Descrição: O professor ficará responsável de selecionar canções que remetam
os sons da natureza e animais, tais como, “Seu Lobato tinha um sítio”, “atirei o
pau no gato”, etc, após a seleção aplicar em sala de aula com os alunos
dispostos em semicírculos. O professor deverá cantar a música de maneira que
os alunos compreendam a altura e participem emitindo o som dos animais.

3. Método: Orff (15 a 17 anos)

Objetivo: Aplicar o som dos animais na leitura de solfejo rítmico


Descrição: O professor apresentará uma sequencia rítmica e através de cada
símbolo nomeará com palavras que representem o som dos animais
(onomatopeia): mu-mu, au-au, miau, etc... e assim os alunos presentes
solfejarão conforme a demonstração do professor. Após o bom desenvolvimento
da turma dividi-los em grupos.
Conteúdo: Notas Musicais

1. Método: Dalcroze (a partir dos 7 anos)

Objetivo: Estimular o aprendizado e a memorização da criança ao aprender as


notas musicais.
Descrição: As crianças fazem uma meia lua e juntas irão reproduzir as notas
musicais (que será ensinado pelo professor) corporalmente; em seguida, todos
irão reproduzir os movimentos rítmicos corporais enquanto cantam as notas
musicais de uma música folclórica (ex. Dona Aranha, Sítio do Seu Lobato).

2. Método: Kodály (a partir dos 8 anos)

Objetivo: Solfejar as notas musicais por meio da monossofa.


Descrição: O professor irá apresentar as notas musicais por meio da
monossofa, solfejando as alturas das notas juntamente com os alunos. Em
seguida, o professor realiza somente a monossofa e os alunos solfejam a alturas
das notas. E para encerrar será executada a canção “o cravo e a rosa” em
monossofa pelo professor, enquanto os alunos solfejam melodicamente.

3. Método: Orff (13 a 17 anos)

Objetivo: Desenvolver o solfejo melódico através de ostinatos.


Descrição: O professor deve selecionar uma canção com partituras e padrão
melódico repetitivo (ex. Dona Nobis) e aplicar em sala de aula. Logo após, o
professor deverá dividi-los em 4 grupos, onde os grupos farão os ostinatos em
sequencia determinada pelo professor, de forma organizada.