Você está na página 1de 98

PROGRAMA DE AÇÃO - DECOE

NOME DA ESCOLA
NOME:
Diretor:
Vice-Diretor:
PCAs da respectiva área:
PCG:

VIGÊNCIA: ÚLTIMA REVISÃO::

1 - RELATO SOBRE A ESCOLA E A COMUNIDADE EM QUE ESTÁ INSERIDA


Fazer um breve relato sobre o contexto da escola, analisando a comunidade, os resultados de aprendizagem dos alunos (histórico do IDESP).
Sugerimos que esses dados sejam observados na ferramenta de gestão (planilha – prioridades da escola)

2 - RELATO INDIVIDUAL SOBRE O EXERCÍCIO DA SUA FUNÇÃO (Caso exerça mais de uma função registre as atribuições das funções separadamente)

Página 1
Considerando o contexto em que a escola está inserida, fazer um breve relato sobre a(s) função(ões) que você exercerá na escola, suas expectativas, analisando as
condições enfrentadas no passado em relação aos resultados de aprendizagem dos alunos, à relação estabelecida com os pais/responsáveis, à comunidade, aos órgãos da
SEE e aos parceiros.
PROF
PCA

3- PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO (Caso exerça mais de uma função registre as atribuições das funções separadamente)
PROFESSOR

Página 2
PCA

4 – ALINHAMENTOS ENTRE ATRIBUIÇÕES (Caso exerça mais de uma função registre os alinhamentos entre as atribuições separadamente)

Considerar as atribuições dos profissionais que atuam na escola (professor, PCA, PCG, vice, diretor, PCNP e Supervisor de Ensino) e os respectivos alinhamentos horizontal
e vertical que dela derivam e apontar os alinhamentos.

Reunião de ATPCG Encontro de ATPOE


Reunião de ATPCA Alinhamento TECNOLO
Reunião de ATPV Alinhamento de ELETIVA
Reunião de ATPJ
Outros alinhamentos:

Preenchimento exclusivo para Coordenadores e Equipe Gestora:


Reunião semanal com a equipe gestora
Reunião do Coordenador com os coordenadores de área
Reunião entre os coordenadores de áreas PCG + PCA

5 - COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NECESSÁRIAS PARA DESEMPENHAR AS ATRIBUIÇÕES (Caso exerça mais de uma função registre as competências e
habilidades necessárias separadamente)

Preencha nos campos abaixo as competências necessárias para o exercício da sua função que ainda precisam ser desenvolvidas.
Vide Caderno do Gestor - Modelo de Gestão de Desempenho das Equipes Escolares, páginas 35 à 50, disponível na Intranet e na versão impressa.
Os profissionais que já elaboraram o seu Plano Individual de Aperfeiçoamento e Formação devem considerar as competências a serem desenvolvidas apontadas no plano.
PREMISSAS

COMPETÊNCIAS DESCREVER AS COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS POR PREMISSA

IAF PIAF
1. PROTAGONISMO: Promove o protagonismo juvenil, ajudando a
formar pessoas autônomas, solidárias e competentes e sendo
protagonista também de sua própria atuação.
ONISMO

Página 3
PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF
PROTAGONISMO 2. DOMÍNIO DO CONHECIMENTO E CONTEXTUALIZAÇÃO:
Domínio de sua área de conhecimento, sendo capaz de comunicá-
la e contextualizá-la, relacionando-a com a realidade do aluno, à
prática, às disciplinas da Base Nacional Comum, à parte
diversificada, às atividades complementares e aos Projetos de Vida.
FORMAÇAO CONTINUADA

3. DISPOSIÇÃO AO AUTODESENVOLVIMENTO CONTÍNUO:


Busca contínua da aprendizagem e do desenvolvimento como
pessoa e profissional, apresentando predisposição para reavaliar
suas práticas, tecnologias, ferramentas e formas de pensar.

4. COMPROMETIMENTO COM O PROCESSO E RESULTADO:


Demonstra determinação para planejar, executar e rever ações, de
forma a atingir os resultados planejados.
EXCELÊNCIA EM

5. RELACIONAMENTO E CORRESPONSABILIDADE: Desenvolve


GESTÃO

relacionamentos positivos com alunos, professores, funcionários,


direção, pais e responsáveis e atua de forma corresponsável tendo
em vista o desenvolvimento dos alunos e profissionais da escola.
CORRESPONS
ABILIDADE

6. SOLUÇÃO E CRIATIVIDADE: Tem visão crítica e foca em


solucionar os problemas que identifica, criando caminhos
alternativos sempre que necessário.
REPLICABILIDADE

7. DIFUSÃO E MULTIPLICAÇÃO: Difunde e compartilha boas


práticas, considerando a própria atividade como parte integrante de
uma rede.

6 – Prioridades, Causas, Resultado Esperado e Descrição da Atividade na Função e Premissas.

Página 4
Preencher os campos abaixo em consonância com o Plano de Ação da escola (Ferramenta de Gestão). Os dados de Prioridades, Causas e Resultado Esperado
encontram-se no ícone “Elaboração do Plano de Ação”. A descrição da atividade na função são as ações que cada profissional irá desenvolver de acordo com sua função
para atingir o resultado esperado pela escola.

IDESP da escola 2019

Ensino Fundamental Ensino Médio

Meta simulada do IDESP da Escola 2020

Ensino Fundamental Ensino Médio

Resultado
Prioridades da escola Causas Descrição da atividade na função
esperado

7- Ações - A partir da descrição de suas atividades na função, aponte as ações correspondentes a cada Premissa.

Disciplinas da BASE
PREMI COMPET MACROINDI
SSA ÊNCIA CADOR MICROINDICADOR DESCREVA SUA AÇÃO (Como a ação será realizada?)

• Busca conhecer os alunos em sua


individualidade

individualidade (Projeto de Vida,


interesses, dificuldades e
potencialidades).

Página 5
1.1. Respeito à individu
• Promove um ambiente de respeito
às diferenças individuais dos alunos e
dos profissionais da escola (por
exemplo: diferenças de
personalidade, gênero, orientação
sexual, raciais, socioeconômicas,
religiosas)

• Promove práticas que potencializam


a realização dos Projetos de Vida dos
1.2. Promoção do Protagonismo Juvenil

alunos.
PROTAGONISMO

1. Protagonismo

• Propicia o espaço para que o aluno


seja o sujeito principal da ação (por
exemplo: propostas de atividades da
disciplina, gestão de sua
aprendizagem, acompanhamento dos
Guias de Aprendizagem etc.).

• Mostra-se aberto a ouvir e apoia os


alunos em seu processo de formação
pessoal, acadêmica e profissional
(por exemplo: dúvidas da disciplina,
aspectos pessoais, Projeto de Vida)
1.3. Protagonismo sênior

• Reflete sobre o seu propósito de


atuação, relacionando-o ao seu papel
como professor

Página 6
1.3. Protagon
• Atua como modelo a ser seguido
pelos alunos e profissionais da escola

• Demonstra domínio do Currículo do


Estado de São Paulo em sua
disciplina.
2.1. Domínio do conhecimento

• Conhece os princípios do Currículo


do Estado de São Paulo e sua
relação com o Programa Ensino
Integral

• Domina o uso dos instrumentos de


apoio ao ensino e gestão de suas
atividades (computadores, lousa
2. Domínio do conhecimento e contextualização

digital/projetor interativo, notebooks,


planilhas, documentos digitais etc.)

• Utiliza práticas de
ensino‑aprendizagem que facilitam a
aprendizagem pelo aluno (apresenta
2.2. Didática

o conhecimento com clareza

• Realiza avaliações coerentes com o


que foi trabalhado nas aulas (provas,
trabalhos, nível de exigência na
correção).

• Consegue relacionar os conceitos


da disciplina à realidade prática
(contexto do aluno, Projeto de Vida
ontextualização

etc.).
ONTINUADA

Página 7
2.3. Contextualiz
FORMAÇÃO CONTINUA
• Explora as disciplinas da Parte
Diversificada como forma de
aprofundar o entendimento dos
conceitos do Currículo.

• Relaciona o conteúdo de sua


disciplina com o de outras disciplinas
da Base Nacional Comum.

• Participa frequentemente de cursos


de formação a fim de aprimorar o
3.1. Formação contínua

exercício de sua função (temas


específicos à função ou ao Modelo
Pedagógico e de Gestão do
Programa Ensino Integral).
3. Disposição ao autodesenvolvimento contínuo

• Busca proativamente aprendizados


adicionais para sua prática (Horas de
Trabalho Pedagógico Coletivo,
leituras, palestras, feiras e outros
meios).

• Busca a devolutiva da sua atuação


3.2. Devolutivas

com os alunos, professores,


coordenadores e gestores para se
desenvolver (conversas dentro e fora
da sala de aula, análise crítica dos
resultados das avaliações aplicadas
de sua disciplina etc.)

• Escuta abertamente as devolutivas


3.3. Disposição
para mudança

recebidas e reavalia seus


comportamentos e práticas

• Consegue colocar em prática os


aprendizados adquiridos nas
formações

Página 8
4. Comprometimento com o processo e o resultado
• Elabora o planejamento de suas

4.1. Planejamento
ações de forma a contribuir para o
alcance das metas do Plano de Ação
da escola (identifica as necessidades
de aprendizagem dos alunos e usa os
EXCELÊNCIA EM GESTÃO

instrumentos necessários: Programa


de Ação, Guias de Aprendizagem e
Planos de Aula).
Execução

• Executa as ações planejadas no seu


4.2.

Programa de Ação.
Reavaliação

• Revisa sua prática para atingir


4.3.

melhores resultados de
aprendizagem.

• Mostra-se próximo e constrói


5.1. Relacionamento e colaboração

vínculo positivo com os alunos e


profissionais da escola, estando
disponível dentro e fora da sala de
aula.

• É capaz de ouvir e valorizar outras


pessoas.
orresponsabilidade

• Colabora com os outros


profissionais da escola no dia a dia
(apoia e oferece ajuda).
ABILIDADE

Página 9
5. Relacionamento e Corresponsab
CORRESPONSABILIDADE
• Busca construir projetos
pedagógicos em conjunto com alunos
e outros professores.

5.2. Corresponsabilidade

• Orienta pais e responsáveis sobre o


desempenho escolar dos alunos,
incentivando sua participação como
corresponsáveis.

• Apoia o trabalho e a formação dos


demais profissionais da escola, tendo
em vista melhorar os resultados
conjuntos (Horas de Trabalho
Pedagógico Coletivo, conversas
individuais etc.).

• Mostra-se disponível e orienta pais e


responsáveis sobre o desempenho
escolar dos alunos, incentivando sua
participação como corresponsáveis.

• Tem visão crítica, sendo capaz de


identificar avanços e pontos de
melhoria.
6.1. Visão crítica

• Pondera suas colocações, tendo em


vista o contexto (avalia o que é viável
e criatividade (Replicabilidade)

ou não dentro da realidade dos


alunos e da escola; leva em
consideração o momento mais
adequado)
em solução
6.2. Foco

• Quando identifica um ponto de


melhoria, propõe e implementa ações
para melhorar os resultados

Página 10
6. Solução e criativi
• Disposição para testar novas
práticas e atividades de modo a
desenvolver o aluno (organização da

6.3. Criatividade
sala de aula, forma de avaliação,
novas estratégias de ensino como
debates, grupos colaborativos).
REPLICABILIDADE

• Ao identificar um problema que não


pode ser solucionado por vias
comuns, é capaz de criar soluções
alternativas
7.1. Registro de
boas práticas

• Documenta as boas práticas


adotadas, possibilitando o seu
compartilhamento (experiências e
ferramentas).
7. Difusão e multiplicação (Replicabilidade)

• Compartilha as boas práticas


7.2. Difusão

adotadas por ele e outros professores


junto a outros profissionais da escola
(novas estratégias de ensino, ações
de melhoria de aprendizagem, ações
de apoio ao nivelamento etc.).

• Dissemina as boas práticas


7.3. Multiplicação

adotadas na escola com professores


de outras escolas.

• Difunde positivamente o Programa


Ensino Integral, sendo um
embaixador para a rede e a
comunidade

DIRETOR DE ESCO DATA DA ELABORAÇÃO:


SUPERVISOR DE ENSINO:
Página 11
DIRIGENTE REGIONAL DE ENSINO (no caso do Diretor): DATA DA REVISÃO:

Página 12
PROGRAMA DE AÇÃO

NOME DA ESCOLA
NOME: 0
Diretor: 0
Vice-Diretor: 0
PCG: 0

VIGÊNCIA: 0 ÚLTIMA REVISÃO::

7- Ações - A partir da descrição de suas atividades na função, aponte as ações correspondentes a cada Premissa.

Disciplinas da PARTE DIVERSIFICADA


PREMI COMPET MACROINDI
SSA ÊNCIA CADOR MICROINDICADOR DESCREVA SUA AÇÃO (Como a ação será realizada?)

• Busca conhecer os alunos em sua


1.1. Respeito à individualidade

individualidade (Projeto de Vida,


interesses, dificuldades e
potencialidades).

Página 13
1.1. Respeito à individualid
• Promove um ambiente de respeito
às diferenças individuais dos alunos e
dos profissionais da escola (por
exemplo: diferenças de
personalidade, gênero, orientação
sexual, raciais, socioeconômicas,
religiosas)

• Promove práticas que potencializam


1.2. Promoção do Protagonismo Juvenil

a realização dos Projetos de Vida dos


alunos.
PROTAGONISMO

1. Protagonismo

• Propicia o espaço para que o aluno


seja o sujeito principal da ação (por
exemplo: propostas de atividades da
disciplina, gestão de sua
aprendizagem, acompanhamento dos
Guias de Aprendizagem etc.).

• Mostra-se aberto a ouvir e apoia os


alunos em seu processo de formação
pessoal, acadêmica e profissional
(por exemplo: dúvidas da disciplina,
aspectos pessoais, Projeto de Vida)
1.3. Protagonismo sênior

• Reflete sobre o seu propósito de


atuação, relacionando-o ao seu papel
como professor

Página 14
1.3. Protagonismo sê
• Atua como modelo a ser seguido
pelos alunos e profissionais da escola

• Demonstra domínio do Currículo do


Estado de São Paulo em sua
disciplina.
2.1. Domínio do conhecimento

• Conhece os princípios do Currículo


do Estado de São Paulo e sua
relação com o Programa Ensino
Integral

• Domina o uso dos instrumentos de


apoio ao ensino e gestão de suas
2. Domínio do conhecimento e contextualização

atividades (computadores, lousa


digital/projetor interativo, notebooks,
planilhas, documentos digitais etc.)

• Utiliza práticas de
ensino‑aprendizagem que facilitam a
aprendizagem pelo aluno (apresenta
2.2. Didática

o conhecimento com clareza

• Realiza avaliações coerentes com o


que foi trabalhado nas aulas (provas,
trabalhos, nível de exigência na
correção).

Página 15
DA
2. Domínio do conheci

• Consegue relacionar os conceitos


da disciplina à realidade prática
(contexto do aluno, Projeto de Vida
FORMAÇÃO CONTINUADA

2.3. Contextualização

etc.).

• Explora as disciplinas da Parte


Diversificada como forma de
aprofundar o entendimento dos
conceitos do Currículo.

• Relaciona o conteúdo de sua


disciplina com o de outras disciplinas
da Base Nacional Comum.

• Participa frequentemente de cursos


de formação a fim de aprimorar o
3.1. Formação contínua

exercício de sua função (temas


específicos à função ou ao Modelo
Pedagógico e de Gestão do
Programa Ensino Integral).
ição ao autodesenvolvimento contínuo

• Busca proativamente aprendizados


adicionais para sua prática (Horas de
Trabalho Pedagógico Coletivo,
leituras, palestras, feiras e outros
meios).

Página 16
3. Disposição ao autodesenvolvim • Busca a devolutiva da sua atuação

3.2. Devolutivas
com os alunos, professores,
coordenadores e gestores para se
desenvolver (conversas dentro e fora
da sala de aula, análise crítica dos
resultados das avaliações aplicadas
de sua disciplina etc.)

• Escuta abertamente as devolutivas


3.3. Disposição
para mudança

recebidas e reavalia seus


comportamentos e práticas

• Consegue colocar em prática os


aprendizados adquiridos nas
formações
4. Comprometimento com o processo e o resultado

• Elabora o planejamento de suas


4.1. Planejamento

ações de forma a contribuir para o


alcance das metas do Plano de Ação
da escola (identifica as necessidades
de aprendizagem dos alunos e usa os
EXCELÊNCIA EM GESTÃO

instrumentos necessários: Programa


de Ação, Guias de Aprendizagem e
Planos de Aula).
Execução

• Executa as ações planejadas no seu


4.2.

Programa de Ação.
Reavaliação

• Revisa sua prática para atingir


4.3.

melhores resultados de
aprendizagem.

Página 17
• Mostra-se próximo e constrói

5.1. Relacionamento e colaboração


vínculo positivo com os alunos e
profissionais da escola, estando
disponível dentro e fora da sala de
aula.

• É capaz de ouvir e valorizar outras


pessoas.
5. Relacionamento e Corresponsabilidade

• Colabora com os outros


profissionais da escola no dia a dia
(apoia e oferece ajuda).
CORRESPONSABILIDADE

• Busca construir projetos


pedagógicos em conjunto com alunos
e outros professores.
5.2. Corresponsabilidade

• Orienta pais e responsáveis sobre o


desempenho escolar dos alunos,
incentivando sua participação como
corresponsáveis.

• Apoia o trabalho e a formação dos


demais profissionais da escola, tendo
em vista melhorar os resultados
conjuntos (Horas de Trabalho
Pedagógico Coletivo, conversas
individuais etc.).

Página 18
5.2. Co
• Mostra-se disponível e orienta pais e
responsáveis sobre o desempenho
escolar dos alunos, incentivando sua
participação como corresponsáveis.

• Tem visão crítica, sendo capaz de


identificar avanços e pontos de
melhoria.
6.1. Visão crítica

• Pondera suas colocações, tendo em


vista o contexto (avalia o que é viável
ou não dentro da realidade dos
6. Solução e criatividade (Replicabilidade)

alunos e da escola; leva em


consideração o momento mais
adequado)
em solução
6.2. Foco

• Quando identifica um ponto de


melhoria, propõe e implementa ações
para melhorar os resultados

• Disposição para testar novas


práticas e atividades de modo a
desenvolver o aluno (organização da
6.3. Criatividade

sala de aula, forma de avaliação,


novas estratégias de ensino como
debates, grupos colaborativos).

• Ao identificar um problema que não


REPLICABILIDADE

pode ser solucionado por vias


comuns, é capaz de criar soluções
alternativas

Página 19
REPLICABILIDADE

7.1. Registro de
boas práticas
• Documenta as boas práticas
adotadas, possibilitando o seu
compartilhamento (experiências e
ferramentas).
7. Difusão e multiplicação (Replicabilidade)

• Compartilha as boas práticas


7.2. Difusão

adotadas por ele e outros professores


junto a outros profissionais da escola
(novas estratégias de ensino, ações
de melhoria de aprendizagem, ações
de apoio ao nivelamento etc.).

• Dissemina as boas práticas


7.3. Multiplicação

adotadas na escola com professores


de outras escolas.

• Difunde positivamente o Programa


Ensino Integral, sendo um
embaixador para a rede e a
comunidade

DIRETOR DE ESCO 0 DATA DA ELABORAÇÃO:


SUPERVISOR DE ENSINO: 0
DIRIGENTE REGIONAL DE ENSINO (no caso do Diretor): 0 DATA DA REVISÃO:

Página 20
PROGRAMA DE AÇÃO

NOME: 0
Diretor: 0
Vice-Diretor: 0
PCG: 0
VIGÊNCIA: 0 ÚLTIMA REVISÃO::

7- Ações - A partir da descrição de suas atividades na função, aponte as ações correspondentes a cada Premissa.

PCA
PREMI COMPET MACROINDI
SSA ÊNCIA CADOR MICROINDICADOR DESCREVA SUA AÇÃO (Como a ação será realizada?)

Busca conhecer os professores de


sua área em sua individualidade
(Programa de Ação, pontos fortes e
de desenvolvimento).
1.1. Respeito à individualidade

Incentiva os professores de sua área


a conhecer os alunos em sua
individualidade (Projeto de Vida,
interesses, dificuldades e
potencialidades).

Página 21
1.1. Respeito à i
Incentiva os professores de sua área
a promover um ambiente de respeito
às diferenças individuais (por
exemplo: diferenças de
personalidade, gênero, orientação
sexual, raciais, socioeconômicas,
religiosas).

Orienta os professores de sua área


sobre como promover práticas que
potencializem a realização dos
1.2. Promoção do Protagonismo Juvenil
PROTAGONISMO

Projetos de Vida dos alunos.


1. Protagonismo

Orienta os professores a propiciar o


espaço para que o aluno seja o
sujeito principal da ação (por
exemplo: propostas de atividades da
disciplina, gestão de sua
aprendizagem, acompanhamento dos
Guias de Aprendizagem etc.).

Orienta os professores no apoio à


formação dos alunos pessoal,
acadêmica e profissionalmente

Página 22
Reflete sobre o seu propósito de

1.3. Protagonismo sênior


atuação, relacionando-o ao seu papel
como PCA.

Atua como modelo a ser seguido


pelos professores de sua área.
2.1. Domínio do conhecimento

Demonstra ter domínio do Currículo


do Estado de São Paulo em relação
às disciplinas de sua área.

Demonstra ter domínio da


mínio do conhecimento e contextualização

interdisciplinaridade das disciplinas de


sua área.

Orienta professores sobre como


utilizar práticas de ensino
aprendizagem que facilitem a
2.2. Didática

aprendizagem pelo aluno (didática).

Página 23
2. Domínio do conhecimento e c

2.2. Didática
É didático em suas orientações.

Orienta professores sobre como


2.3. Contextualização

relacionar os conceitos da disciplina à


realidade prática (contexto do aluno,
Projeto de Vida etc.).

Orienta os professores sobre como


FORMAÇÃO CONTINUADA

relacionar o conteúdo de sua


disciplina com o de outras disciplinas.

Participa frequentemente de cursos


de formação a fim de aprimorar o
exercício de sua função como PCA.
3.1. Formação contínua

Incentiva e orienta os professores de


sua área na busca proativa de
autodesenvolvimento contínuo

aprendizados adicionais para sua


prática (Horas de Trabalho
Pedagógico Coletivo, leituras,
palestras, congressos e outros
meios).

Página 24
3.1. F
3. Disposição ao autodesenvolvimento
Realiza a formação dos professores
de sua área.
3.2. Devolutivas

Busca a devolutiva da sua atuação


com os professores da área, PCA e
gestores para se desenvolver

Escuta abertamente as devolutivas


3.3. Disposição
para mudança

recebidas e reavalia seus


comportamentos e práticas

Consegue colocar em prática os


aprendizados adquiridos nas
formações

Elabora o planejamento de suas


ações de forma a contribuir para o
alcance das metas do Plano de Ação
da escola.
4.1. Planejamento
ocesso e o resultado
GESTÃO

Página 25
4.1. Planejament
4. Comprometimento com o processo e o resultado
Orienta os professores de sua área
no planejamento com vistas a garantir
a articulação das ações com o Plano
de Ação da escola
EXCELÊNCIA EM GESTÃO

Executa as ações planejadas no seu


4.2. Execução

Programa de Ação.

Acompanha e orienta a execução das


ações planejadas pelos professores
da área

Revisa sua prática para atingir


4.3. Reavaliação

melhores resultados.

Reavalia as práticas empregadas


pelos professores da área em
conjunto com eles e os apoia de
forma a sempre buscar melhores
resultados.

Página 26
Relacionamento e
colaboração
Auxilia na integração e no bom
5.1. relacionamento entre os professores
da área.
5. Relacionamento e Corresponsabilidade
CORRESPONSABILIDADE

Incentiva a construção de projetos


conjuntos pelos professores da área
com alunos e outros professores.
5.2. Corresponsabilidade

Busca construir projetos conjuntos


com outros PCAs.

Mostra-se aberto a ouvir e apoia os


profissionais da escola em seu
processo de formação acadêmica e
profissional, tendo em vista melhorar
os resultados conjuntos.

Incentiva os professores da área a


desenvolver visão crítica.
6.1. Visão crítica

Página 27
ade)
6.1. Visão crítica
Incentiva os professores da área a
ponderar suas colocações, tendo em
vista o contexto.
6. Solução e criatividade (Replicabilidade)

Incentiva os professores da área a


desenvolver a postura de foco em
solução (não foca o problema, mas
6.2. Foco em solução

sua solução).

Quando identifica uma dificuldade ou


ponto de melhoria em sua área,
propõe e implementa ações para
melhorar os resultados (alocação de
professores, criação de grupos
colaborativos etc.)

Disposição para testar novas práticas


(estratégias inovadoras de ensino, de
6.3. Criatividade

gestão pedagógica e de formação


dos pares).
REPLICABILIDADE

Incentiva os professores da área a


testar novas práticas e atividades

Página 28
REPLI
Incentiva os professores da área a

7.1. Registro de boas práticas


documentar as boas práticas
adotadas, tendo em vista o seu
compartilhamento (experiências e
ferramentas).
7. Difusão e multiplicação (Replicabilidade)

Organiza as boas práticas adotadas


pelos professores da área, tendo em
vista o seu compartilhamento

Incentiva o compartilhamento das


boas práticas adotadas pelos
professores da área com outros
7.2. Difusão

profissionais da escola.

Compartilha as boas práticas


adotadas por ele e pelos professores
da área.
Multiplicação

Incentiva os professores a multiplicar


as boas práticas e difundir
7.3.

positivamente o Programa Ensino


Integral.

DIRETOR DE ESCO 0 DATA DA ELABORAÇÃO:


SUPERVISOR DE ENSINO: 0
DIRIGENTE REGIONAL DE ENSINO (no caso do Diretor): 0 DATA DA REVISÃO:

Página 29
PROGRAMA DE AÇÃO - DECOE

EE (nome da escola)
NOME:
Diretor:
Vice-Diretor:
PCAs da respectiva área:
PCG:

VIGÊNCIA: ÚLTIMA REVISÃO::

1 - RELATO SOBRE A ESCOLA E A COMUNIDADE EM QUE ESTÁ INSERIDA


Fazer um breve relato sobre o contexto da escola, analisando a comunidade, os resultados de aprendizagem dos
Sugerimos que esses dados sejam observados na ferramenta de gestão (planilha – prioridades

2 - RELATO INDIVIDUAL SOBRE O EXERCÍCIO DA SUA FUNÇÃO (Caso exerça mais de uma função registre as atrib

Considerando o contexto em que a escola está inserida, fazer um breve relato sobre a(s) função(ões) que você exercerá na e
condições enfrentadas no passado em relação aos resultados de aprendizagem dos alunos, à relação estabelecida com os pais/
SEE e aos parceiros.
PSL
3- PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO (Caso exerça mais de uma função registre as atribuições das
As atribuições e atividades definidas serão todas as descritas na lei (LC nº 1.164/2012 e LC nº 1
PROFESSOR DA SALA DE LEITURA

4 – ALINHAMENTOS ENTRE ATRIBUIÇÕES (Caso exerça mais de uma função registre os alinhamentos entre a

Considerar as atribuições dos profissionais que atuam na escola (professor, PCA, PCG, vice, diretor, PCNP e Supervisor de Ensin
e vertical que dela derivam e apontar os alinhamentos.

Reunião de ATPCG Encontro de ATPOE


Reunião de ATPCA Alinhamento TECNOLO
Reunião de ATPV Alinhamento de ELETIVA
Reunião de ATPJ
Outros alinhamentos:

Preenchimento exclusivo para Coordenadores e Equipe Gestora


Reunião semanal com a equipe gestora
Reunião do Coordenador com os coordenadores de área
Reunião entre os coordenadores de áreas PCG + PCA

5 - COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NECESSÁRIAS PARA DESEMPENHAR AS ATRIBUIÇÕES (Caso exerça mais de u


habilidades necessárias separadamente)

Preencha nos campos abaixo as competências necessárias para o exercício da sua função que ainda precis

Vide Caderno do Gestor - Modelo de Gestão de Desempenho das Equipes Escolares, páginas 35 à 50, disponível

Os profissionais que já elaboraram o seu Plano Individual de Aperfeiçoamento e Formação devem considerar as competências a
PREMISSAS

COMPETÊNCIAS DESCREVER AS COMPETÊNCIAS A SEREM


1. PROTAGONISMO: Promove o protagonismo juvenil, ajudando a
formar pessoas autônomas, solidárias e competentes e sendo
protagonista também de sua própria atuação.
PROTAGONISMO

2. DOMÍNIO DO CONHECIMENTO E CONTEXTUALIZAÇÃO:


Domínio de sua área de conhecimento, sendo capaz de comunicá-
la e contextualizá-la, relacionando-a com a realidade do aluno, à
prática, às disciplinas da Base Nacional Comum, à parte
diversificada, às atividades complementares e aos Projetos de Vida.
FORMAÇAO CONTINUADA

3. DISPOSIÇÃO AO AUTODESENVOLVIMENTO CONTÍNUO:


Busca contínua da aprendizagem e do desenvolvimento como
pessoa e profissional, apresentando predisposição para reavaliar
suas práticas, tecnologias, ferramentas e formas de pensar.

4. COMPROMETIMENTO COM O PROCESSO E RESULTADO:


Demonstra determinação para planejar, executar e rever ações, de
forma a atingir os resultados planejados.
EXCELÊNCIA EM

5. RELACIONAMENTO E CORRESPONSABILIDADE: Desenvolve


GESTÃO

relacionamentos positivos com alunos, professores, funcionários,


direção, pais e responsáveis e atua de forma corresponsável tendo
em vista o desenvolvimento dos alunos e profissionais da escola.
CORRESPONS
ABILIDADE

6. SOLUÇÃO E CRIATIVIDADE: Tem visão crítica e foca em


solucionar os problemas que identifica, criando caminhos
alternativos sempre que necessário.
REPLICABILIDADE

7. DIFUSÃO E MULTIPLICAÇÃO: Difunde e compartilha boas


práticas, considerando a própria atividade como parte integrante de
uma rede.

6 – Prioridades, Causas, Resultado Esperado e Descrição da Atividade na Função e Pre

Preencher os campos abaixo em consonância com o Plano de Ação da escola (Ferramenta de Gestão). Os dados de Priorid
encontram-se no ícone “Elaboração do Plano de Ação”. A descrição da atividade na função são as ações que cada profissional
para atingir o resultado esperado pela escola.

IDESP da escola

Ensino Fundamental Ensino Médio


Meta simulada do IDESP da Escola

Ensino Fundamental Ensino Médio

Resultado
Prioridades da escola Causas Descrição d
esperado

7- Ações - A partir da descrição de suas atividades na função, aponte as ações correspondentes a c

Sala de LEITURA
PREMIS COMPET MACROINDI
SA ÊNCIA CADOR MICROINDICADOR DESCREVA SUA AÇÃO (Como a açã

Busca conhecer os alunos em sua


1.1. Respeito à individualidade

individualidade (Projeto de Vida,


interesses, dificuldades e
potencialidades).

Respeita as diferenças individuais dos


alunos e dos profissionais da escola
(por exemplo: diferenças de
personalidade, gênero, orientação
sexual, raciais, socioeconômicas,
religiosas).
ROTAGONISMO

1. Protagonismo
Promove a prática da leitura e da
pesquisa que potencializam a
1.2. Promoção do Protagonismo Juvenil realização dos Projetos de Vida dos
PROTAGONISMO

alunos.
1. Protagonismo

Propicia o espaço para que o aluno


seja o sujeito principal da ação (por
exemplo: projetos, atividades etc.).

Mostra-se aberto a ouvir e apoia os


alunos em seu processo de formação
pessoal, acadêmica e profissional.
1.3. Protagonismo sênior

Reflete sobre seu propósito de


atuação, relacionando-o ao seu papel
como professor de sala de leitura.

Atua como modelo a ser seguido


pelos alunos e profissionais da
escola.

Demonstra pleno conhecimento do


acervo da sala de leitura.
2.1. Domínio do conhecimento

Conhece os princípios do Currículo


do Estado de São Paulo e sua
relação com o Programa Ensino
conhecimento e contextualização

Integral.
2.1. Domínio do con
2. Domínio do conhecimento e contextualização Domina o uso dos instrumentos de
apoio ao ensino e gestão de suas
atividades (computadores, lousa
digital/projetor interativo, notebooks,
planilhas, documentos digitais etc.).
2.2. Didática

É claro em suas orientações de


leitura, pesquisa e uso dos
instrumentos de tecnologia.
2.3. Contextualização

Incentiva a leitura e a pesquisa como


formas de aprofundar o entendimento
das disciplinas.
FORMAÇÃO CONTINUADA

Mostra como os recursos de


tecnologia podem ser usados para
facilitar o processo de ensino-
aprendizagem

Participa frequentemente de cursos


3.1. Formação contínua

de formação a fim de aprimorar o


exercício de sua função.
3. Disposição ao autodesenvolvimento contínuo

Busca proativamente aprendizados


adicionais para sua prática (Horas de
Trabalho Pedagógico Coletivo,
leituras, palestras, feiras e outros
meios).
3.2. Devolutivas

Busca a devolutiva da sua atuação


com os alunos, professores,
coordenadores e gestores para se
desenvolver.
3. Disposição
Escuta abertamente as devolutivas

3.3. Disposição
para mudança
recebidas e reavalia seus
comportamentos e práticas.

Consegue colocar em prática os


aprendizados adquiridos nas
formações
4. Comprometimento com o processo e o resultado

4.1. Planejamento

Elabora o planejamento de suas


ações de forma a contribuir para o
alcance das metas do Plano de Ação
EXCELÊNCIA EM GESTÃO

da escola
Execução

Executa as ações planejadas no seu


4.2.

Programa de Ação.
Reavaliação

Revisa sua prática para aumentar a


leitura e pesquisa pelos alunos e
4.3.

atingir melhores resultados de


aprendizagem
5.1. Relacionamento e colaboração

Busca se relacionar com os alunos e


profissionais da escola, construindo
com eles um vínculo positivo.
5. Relacionamento e Corresponsabilidade

É capaz de ouvir e valorizar outras


pessoas.
CORRESPONSABILIDADE

Colabora com profissionais da escola


no dia a dia (apoia e oferece ajuda).
CORRESPONSABILI

5. Relacionamento e Corres
Busca construir projetos pedagógicos

5.2. Corresponsabilidade
em conjunto com alunos e outros
professores por meio da promoção da
leitura e dos recursos de tecnologia.

Apoia o trabalho e a formação dos


demais profissionais da escola, tendo
em vista melhorar os resultados
conjuntos (Horas de Trabalho
Pedagógico Coletivo, conversas
individuais etc.).

Tem visão crítica, sendo capaz de


identificar avanços e pontos de
melhoria.
6.1. Visão crítica

Pondera suas colocações, tendo em


vista o contexto (avalia o que é viável
6. Solução e criatividade (Replicabilidade)

ou não dentro da realidade dos


alunos e da escola; leva em
consideração o momento mais
adequado)
em solução
6.2. Foco

Quando identifica um ponto de


melhoria, propõe e implementa ações
para melhorar os resultados.

Disposição para testar novas práticas


6.3. Criatividade

e atividades para o exercício da


leitura.

Ao identificar um problema que não


REPLICABILIDADE

pode ser solucionado por vias


comuns, é capaz de criar soluções
alternativas.
7.1. Registro de
boas práticas

Documenta as boas práticas


adotadas, possibilitando o seu
compartilhamento (experiências e
ferramentas).
(Replicabilidade)
7. Difusão e multiplicação (Replicabilidade)

7.2. Difusão
Compartilha as boas práticas
adotadas por ele e outros professores
junto a outros profissionais da escola

Dissemina as boas práticas adotadas


7.3. Multiplicação

na escola com professores de outras


escolas.

Difunde positivamente o Programa


Ensino Integral, sendo um
embaixador para a rede e a
comunidade

DIRETOR DE ESCO DATA DA ELABORAÇÃO:


SUPERVISOR DE ENSINO:
DIRIGENTE REGIONAL DE ENSINO (no caso do Diretor): DATA DA REVISÃO:
OE OBSERVAÇÔES:

---------------------------------------------------
ITEM 5 - COMPETÊNCIAS E HABILIDADES
NECESSÁRIAS PARA DESEMPENHAR AS
ATRIBUIÇÕES (Caso exerça mais de uma função
registre as competências e habilidades
necessárias separadamente)

Além das atividades a serem realizadas na PIAF,


anotar nos semestres subsequentes, quais ações
foram realizadas, conforme exemplo:

FORMAÇAO CONTINUADA
2. DOMÍNIO DO CONHECIMENTO E
CONTEXTUALIZAÇÃO:
*** Ações realizadas ***
E ESTÁ INSERIDA 2º SEMESTRE/2016: 2.1 - Aprimorar o
de aprendizagem dos alunos (histórico do IDESP). conhecimento referente a parte diversificada: 2.1.2
planilha – prioridades da escola) 1º SEMESTRE/2017: 2.2 – Didática: 2.2.1
1º SEMESTRE/2017: 2.3 – Contextualização:2.3.1
---------------------------------------------------
ITEM 6 – Prioridades, Causas, Resultado
Esperado e Descrição da Atividade na Função e
Premissas.

Aguardando adeuqações para monitoramento das


ações por meio do MMR (Método de Melhoria de
Resultado)
--------------------------------------------------

ção registre as atribuições das funções separadamente)

ue você exercerá na escola, suas expectativas, analisando as


belecida com os pais/responsáveis, à comunidade, aos órgãos da
e as atribuições das funções separadamente)
1.164/2012 e LC nº 1.191/2012)

alinhamentos entre as atribuições separadamente)

e Supervisor de Ensino) e os respectivos alinhamentos horizontal


entos.

Equipe Gestora:

so exerça mais de uma função registre as competências e


)

nção que ainda precisam ser desenvolvidas.

35 à 50, disponível na Intranet e na versão impressa.

ar as competências a serem desenvolvidas apontadas no plano.

TÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS POR PREMISSA


PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF

ade na Função e Premissas.

. Os dados de Prioridades, Causas e Resultado Esperado


e cada profissional irá desenvolver de acordo com sua função
a.

2019

Médio
2020

Médio

Descrição da atividade na função

s correspondentes a cada Premissa.

Cumprimento
Competência

do programa
VERIFICAÇÃO
RA Deve ser preenchido pelo PCA conforme
impacto da ação (valor 1 )

Nota
AÇÃO (Como a ação será realizada?) 3.57 7.14 10.71 14.29 ###

%
0.00
0.00

0.00
3.13 6.25
9.38 12.50
0.00 0.00 100.00
0.00 0.00 0.00 0.00 0.00
%
0.00 0.00
5.00 10.00 15.00 20.00

0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00


%
0.00 0.00
0.00
0.0
3.57 7.14 10.71 14.29
8.33 16.67 25.00 33.33

0.00 0.00 0.00 100.00 0.00 0.00 0.00 100.00


0.00 0.00
% %
0.00 0.00
0.00
0.0
6.25 12.50 18.75 25.00
5.00 10.00 15.00 20.00

0.00 100.000.00 0.00 0.00 0.00 0.00


100.00 0.00 0.00
% %
0.00 0.00
0.00

0.00
0.00
0.00
ELABORAÇÃO:

DA REVISÃO:
EE
NOME:
Diretor:
Vice-Diretor:
PCAs da respectiva área:
PCG:
VIGÊNCIA: ÚLTIMA REVISÃO::

1 - RELATO SOBRE A ESCOLA E A COMUNIDADE EM QUE ESTÁ INSERIDA


Fazer um breve relato sobre o contexto da escola, analisando a comunidade, os resultados de aprendizagem dos
Sugerimos que esses dados sejam observados na ferramenta de gestão (planilha – prioridades

2 - RELATO INDIVIDUAL SOBRE O EXERCÍCIO DA SUA FUNÇÃO (Caso exerça mais de uma função registre as atrib

Considerando o contexto em que a escola está inserida, fazer um breve relato sobre a(s) função(ões) que você exercerá na e
condições enfrentadas no passado em relação aos resultados de aprendizagem dos alunos, à relação estabelecida com os pais/
SEE e aos parceiros.
PCG
3- PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO
(Caso exerça mais de uma função registre as atribuições das funções separadame
PCG

4 – ALINHAMENTOS ENTRE ATRIBUIÇÕES (Caso exerça mais de uma função registre os alinhamentos entre a

Considerar as atribuições dos profissionais que atuam na escola (professor, PCA, PCG, vice, diretor, PCNP e Supervisor de Ensin
e vertical que dela derivam e apontar os alinhamentos.

Reunião de ATPCG Encontro de ATPOE


Reunião de ATPCA Encontro de TECNOLOGIA
Reunião de ATPV Alinhamento de Eletiva
Reunião de ATPJ
Outros alinhamentos:

Preenchimento exclusivo para Coordenadores e Equipe Gestora


Reunião semanal com a equipe gestora
Reunião do Coordenador com os coordenadores de área
Reunião entre os coordenadores de áreas

5 - COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NECESSÁRIAS PARA DESEMPENHAR AS ATRIBUIÇÕES (Caso exerça mais de u


habilidades necessárias separadamente)
Preencha nos campos abaixo as competências necessárias para o exercício da sua função que ainda precis

Vide Caderno do Gestor - Modelo de Gestão de Desempenho das Equipes Escolares, páginas 35 à 50, disponível

Os profissionais que já elaboraram o seu Plano Individual de Aperfeiçoamento e Formação devem considerar as competências a
PREMISSAS

COMPETÊNCIAS DESCREVER AS COMPETÊNCIAS A SEREM

1. PROTAGONISMO: Promove o protagonismo juvenil, ajudando a


formar pessoas autônomas, solidárias e competentes e sendo
protagonista também de sua própria atuação.
PROTAGONISMO

2. DOMÍNIO DO CONHECIMENTO E CONTEXTUALIZAÇÃO:


Domínio de sua área de conhecimento, sendo capaz de comunicá-
la e contextualizá-la, relacionando-a com a realidade do aluno, à
prática, às disciplinas da Base Nacional Comum, à parte
diversificada, às atividades complementares e aos Projetos de Vida.
FORMAÇAO CONTINUADA

3. DISPOSIÇÃO AO AUTODESENVOLVIMENTO CONTÍNUO:


Busca contínua da aprendizagem e do desenvolvimento como
pessoa e profissional, apresentando predisposição para reavaliar
suas práticas, tecnologias, ferramentas e formas de pensar.

4. COMPROMETIMENTO COM O PROCESSO E RESULTADO:


Demonstra determinação para planejar, executar e rever ações, de
forma a atingir os resultados planejados.
EXCELÊNCIA EM

5. RELACIONAMENTO E CORRESPONSABILIDADE: Desenvolve


GESTÃO

relacionamentos positivos com alunos, professores, funcionários,


direção, pais e responsáveis e atua de forma corresponsável tendo
em vista o desenvolvimento dos alunos e profissionais da escola.
CORRESPONSABILIDAD

6. SOLUÇÃO E CRIATIVIDADE: Tem visão crítica e foca em


solucionar os problemas que identifica, criando caminhos
E

alternativos sempre que necessário.


REPLICABILIDADE

7. DIFUSÃO E MULTIPLICAÇÃO: Difunde e compartilha boas


práticas, considerando a própria atividade como parte integrante de
uma rede.

6 – Prioridades, Causas, Resultado Esperado e Descrição da Atividade na Função e Pre

Preencher os campos abaixo em consonância com o Plano de Ação da escola (Ferramenta de Gestão). Os dados de Priorid
encontram-se no ícone “Elaboração do Plano de Ação”. A descrição da atividade na função são as ações que cada profissional
para atingir o resultado esperado pela escola.

IDESP da escola

Ensino Fundamental Ensino Médio

Meta simulada do IDESP da Escola

Ensino Fundamental Ensino Médio

Resultado
Prioridades da escola Causas Descrição d
esperado

7- Ações - A partir da descrição de suas atividades na função, aponte as ações correspondentes a c

PCG
PCG
PREMI COMPET MACROINDI
SSA ÊNCIA CADOR MICROINDICADOR DESCREVA SUA AÇÃO (Como a açã

Busca conhecer os alunos e os
profissionais da escola em sua
individualidade (por exemplo: Projeto
de Vida, Programa de Ação, pontos
1.1. Respeito à individualidade

fortes e de desenvolvimento).

Incentiva os PCA a conhecer os


alunos e os professores de sua área
em sua individualidade (por exemplo:
Projeto de Vida, interesses,
dificuldades e potencialidades)

Promove um ambiente de respeito às


diferenças individuais dos alunos e
dos profissionais da escola (por
exemplo: de personalidade, gênero,
orientação sexual, raciais,
socioeconômicas, religiosas).

Orienta os professores e os PCA


sobre como promover práticas que
potencializem a realização dos
Projetos de Vida dos alunos.
PROTAGONISMO

1.2. Promoção do Protagonismo Juvenil


1. Protagonismo

Estimula os PCA a orientar os


professores sobre como propiciar o
espaço para que o aluno seja o
sujeito principal da ação (propostas
de atividades da disciplina, gestão de
sua aprendizagem, acompanhamento
dos Guias de Aprendizagem etc.)

Mostra-se aberto a ouvir e apoia os


alunos em seu processo de formação
pessoal, acadêmica e profissional

Orienta os PCA e professores no


apoio à formação dos alunos pessoal,
acadêmica e profissionalmente
Reflete sobre seu propósito de

1.3. Protagonismo sênior


atuação, relacionando-o ao seu papel
como PCG.

Atua como modelo a ser seguido


pelos alunos e profissionais da escola

Conhece os princípios do Currículo


do Estado de São Paulo e sua
relação com o Programa Ensino
Integral.
2.1. Domínio do conhecimento

Demonstra ter domínio da


interdisciplinaridade do Currículo do
Estado de São Paulo

Demonstra ter domínio da Parte


Diversificada da matriz curricular do
Programa Ensino Integral.

Domina o uso dos instrumentos de


apoio ao ensino e gestão de suas
atividades (computadores, lousa
2. Domínio do conhecimento e contextualização

digital/projetor interativo, notebooks,


planilhas, documentos digitais etc.).

É didático em suas orientações (nas


reuniões de ATPC, nas orientações
aos professores e aos PCA, nas
orientações aos pais ou responsáveis
etc.)
2.2. Didática

Orienta professores e PCA sobre


como utilizar práticas de ensino
aprendizagem que facilitem a
aprendizagem pelo aluno (didática).

Orienta professores e PCA na


realização de avaliações coerentes
com o que foi trabalhado nas aulas
(provas, trabalhos, nível de exigência
na correção).
ADA
2. Do
Incentiva os PCA a orientar os
professores a relacionar os conceitos
da disciplina à realidade prática
(contexto do aluno, Projeto de Vida
2.3. Contextualização
FORMAÇÃO CONTINUADA

etc.).

Auxilia na utilização da Parte


Diversificada como forma de
aprofundar os conceitos das
disciplinas

Incentiva os PCA a orientar os


professores a relacionar o conteúdo
de sua disciplina com o de outras
disciplinas da Base Nacional Comum

Participa frequentemente de cursos


de formação a fim de aprimorar o
exercício de sua função (temas
específicos à função ou ao Modelo
Pedagógico e de Gestão do
Programa Ensino Integral).

Busca proativamente aprendizados


3.1. Formação contínua

adicionais através de leituras,


palestras, congressos e outros meios.
3. Disposição ao autodesenvolvimento contínuo

Participa das formações e


orientações sobre o Programa Ensino
Integral

Incentiva e orienta professores e PCA


na busca frequente do
autodesenvolvimento (Horas de
Trabalho Pedagógico Coletivo,
leituras, palestras, congressos e
outros meios)

Realiza a formação dos PCA e dos


professores

Busca a devolutiva da sua atuação


3.2. Devolutivas

com os alunos, professores e


gestores para se desenvolver
(conversas individuais ou em grupo,
devolutiva dos trabalhos nas Horas
de Trabalho Pedagógico Coletivo
etc.).
3
Escuta abertamente as devolutivas

3.3. Disposição
para mudança
recebidas e reavalia seus
comportamentos e prática
Consegue colocar em prática os
aprendizados adquiridos nas
formações

Elabora o planejamento de suas


4.1. Planejamento

ações de forma a contribuir para o


alcance das metas do Plano de Ação
4. Comprometimento com o processo e o resultado

da escola

Orienta os professores e os PCA no


planejamento com vistas a garantir a
EXCELÊNCIA EM GESTÃO

articulação das ações com o Plano de


Ação da escola
4.2. Execução

Executa as ações planejadas no seu


Programa de Ação
Acompanha e orienta a execução
das ações planejadas pelos PCA e
professores
Revisa sua prática para atingir
4.3. Reavaliação

melhores resultados

Reavalia as práticas empregadas


pelos professores em conjunto com
eles e PCA e os apoia de forma a
sempre buscar melhores resultados
de aprendizagem

Busca se relacionar com os alunos e


profissionais da escola, construindo
5.1. Relacionamento e

vínculos positivos
colaboração

É capaz de ouvir e valorizar outras


pessoas
5. Relacionamento e Corresponsabilidade

Colabora com os outros profissionais


da escola no dia a dia (apoia e
CORRESPONSABILIDADE

oferece ajuda)

Busca construir projetos pedagógicos


em conjunto com alunos e outros
professores
5.2. Corresponsabilidade
CORRESPONSABILI

5. Relacionamento e Corres

5.2. Corresponsabilidade
Mostra-se aberto a ouvir e apoia os
professores e coordenadores em seu
processo de formação acadêmica e
profissional, tendo em vista melhorar
os resultados conjuntos.

Mostra-se disponível e orienta pais


e/ou responsáveis sobre o
desempenho escolar dos alunos,
incentivando sua participação como
corresponsáveis

Tem visão crítica, sendo capaz de


identificar avanços e pontos de
melhoria

Pondera suas colocações, tendo em


6.1. Visão crítica

vista o contexto (avalia o que é viável


ou não dentro da realidade dos
alunos e da escola; leva em
consideração o momento mais
adequado

Incentiva os profissionais da escola a


desenvolver visão crítica e ponderar
suas colocações, tendo em vista o
6. Solução e criatividade (Replicabilidade)

contexto
6.2. Foco em solução

Quando identifica um ponto de


melhoria, propõe e implementa ações
para melhorar os resultados

Incentiva os professores a
desenvolver a postura de foco em
solução (propor e implementar ações
para melhorar os resultados)

Disposição para testar novas práticas


(estratégias inovadoras de ensino, de
gestão pedagógica e de formação
dos pares)

Promove a integração entre os


6.3. Criatividade

professores e os PCA, propiciando a


criação de estratégias inovadoras de
ensino.

Incentiva os professores e os PCA a


testar novas práticas e atividades
PLICABILIDADE
6.3. C
REPLICABILIDADE
Ao identificar um problema que não
pode ser solucionado por vias
comuns, é capaz de criar soluções
alternativas

Documenta as boas práticas


adotadas, possibilitando o seu
7.1. Registro de boas práticas

compartilhamento (experiências e
ferramentas).

Incentiva os professores e os PCA a


documentar as boas práticas
adotadas, tendo em vista o seu
compartilhamento.
7. Difusão e multiplicação (Replicabilidade)

Organiza as boas práticas adotadas


pelos professores, tendo em vista o
seu compartilhamento

Compartilha as boas práticas


adotadas por ele junto a outros
7.2. Difusão

profissionais da escola

Incentiva o compartilhamento das


boas práticas pelos PCA e
professores junto a outros
profissionais da escola.

Dissemina as boas práticas adotadas


na escola com professores de outras
escolas
7.3. Multiplicação

Difunde positivamente o Programa


Ensino Integral, sendo um
embaixador para a rede e a
comunidade
Incentiva os professores a multiplicar
as boas práticas com outras escolas
da rede

DIRETOR DE ESCO Monica Anda Vidal DATA DA ELABORAÇÃO:


SUPERVISOR DE ENSINO: Teresa Ap. Hernandez Baldo Ferreira
DIRIGENTE REGIONAL DE ENSINO (no caso do Diretor): Admir Schiavo DATA DA REVISÃO:
E ESTÁ INSERIDA
de aprendizagem dos alunos (histórico do IDESP).
planilha – prioridades da escola)

ção registre as atribuições das funções separadamente)

ue você exercerá na escola, suas expectativas, analisando as


belecida com os pais/responsáveis, à comunidade, aos órgãos da
O
unções separadamente)

alinhamentos entre as atribuições separadamente)

e Supervisor de Ensino) e os respectivos alinhamentos horizontal


entos.

Equipe Gestora:

so exerça mais de uma função registre as competências e


)
nção que ainda precisam ser desenvolvidas.

35 à 50, disponível na Intranet e na versão impressa.

ar as competências a serem desenvolvidas apontadas no plano.

TÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS POR PREMISSA

F PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF
ade na Função e Premissas. PIAF PIAF PIAF PIA
. Os dados de Prioridades, Causas e Resultado Esperado
e cada profissional irá desenvolver de acordo com sua função
a.

2019

Médio

2020

Médio

Descrição da atividade na função

s correspondentes a cada Premissa.


AÇÃO (Como a ação será realizada?)
ELABORAÇÃO: 5/20/2019

DA REVISÃO:
PROGRAMA DE AÇÃO
EE
NOME:
Diretor:
Vice-Diretor:
PCAs da respectiva área:
PCG:

VIGÊNCIA: ÚLTIMA REVISÃO::

1 - RELATO SOBRE A ESCOLA E A COMUNIDADE EM QUE ESTÁ INSERIDA

Fazer um breve relato sobre o contexto da escola, analisando a comunidade, os resultados de aprendizagem dos

Sugerimos que esses dados sejam observados na ferramenta de gestão (planilha – prioridades

2 - RELATO INDIVIDUAL SOBRE O EXERCÍCIO DA SUA FUNÇÃO (Caso exerça mais de uma função registre as atrib

Considerando o contexto em que a escola está inserida, fazer um breve relato sobre a(s) função(ões) que você exercerá na e
condições enfrentadas no passado em relação aos resultados de aprendizagem dos alunos, à relação estabelecida com os pais/
SEE e aos parceiros.
Diretor

3- PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO


(Caso exerça mais de uma função registre as atribuições das funções separadame
As atribuições e atividades definidas serão todas as descritas na lei (LC nº 1.164/2012 e LC nº 1
Diretor

4 – ALINHAMENTOS ENTRE ATRIBUIÇÕES (Caso exerça mais de uma função registre os alinhamentos entre a

Considerar as atribuições dos profissionais que atuam na escola (professor, PCA, PCG, vice, diretor, PCNP e Supervisor de Ensin
e vertical que dela derivam e apontar os alinhamentos.

Reunião de ATPCG Alinahmento

Reunião de ATPCA Alinahmento

Reunião de ATPV Alinahmento

Reunião de ATPJ Alinahmento


Outros alinhamentos:

Preenchimento exclusivo para Coordenadores e Equipe Gestora


Reunião semanal com a equipe gestora
Reunião do Coordenador com os coordenadores de área
Reunião entre os coordenadores de áreas

5 - COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NECESSÁRIAS PARA DESEMPENHAR AS ATRIBUIÇÕES (Caso exerça mais de u


habilidades necessárias separadamente)
Preencha nos campos abaixo as competências necessárias para o exercício da sua função que ainda precis

Vide Caderno do Gestor - Modelo de Gestão de Desempenho das Equipes Escolares, páginas 35 à 50, disponível

Os profissionais que já elaboraram o seu Plano Individual de Aperfeiçoamento e Formação devem considerar as competências a
ISSAS
PREM

COMPETÊNCIAS DESCREVER AS COMPETÊNCIAS A SEREM

1. PROTAGONISMO: Promove o protagonismo juvenil, ajudando a


formar pessoas autônomas, solidárias e competentes e sendo
PROTAGONISMO

protagonista também de sua própria atuação.

2. DOMÍNIO DO CONHECIMENTO E CONTEXTUALIZAÇÃO:


Domínio de sua área de conhecimento, sendo capaz de comunicá-
la e contextualizá-la, relacionando-a com a realidade do aluno, à
prática, às disciplinas da Base Nacional Comum, à parte
diversificada, às atividades complementares e aos Projetos de Vida.
3. DISPOSIÇÃO AO AUTODESENVOLVIMENTO CONTÍNUO:
Busca contínua da aprendizagem e do desenvolvimento como
CONTINUADA
FORMAÇAO

pessoa e profissional, apresentando predisposição para reavaliar


suas práticas, tecnologias, ferramentas e formas de pensar.

4. COMPROMETIMENTO COM O PROCESSO E RESULTADO:


Demonstra determinação para planejar, executar e rever ações, de
forma a atingir os resultados planejados.
CORRESP EXCELÊNCI

5. RELACIONAMENTO E CORRESPONSABILIDADE: Desenvolve


GESTÃO

relacionamentos positivos com alunos, professores, funcionários,


A EM

direção, pais e responsáveis e atua de forma corresponsável tendo


em vista o desenvolvimento dos alunos e profissionais da escola.
ONSABILI

6. SOLUÇÃO E CRIATIVIDADE: Tem visão crítica e foca em


DADE

solucionar os problemas que identifica, criando caminhos


alternativos sempre que necessário.
REPLICAB
ILIDADE

7. DIFUSÃO E MULTIPLICAÇÃO: Difunde e compartilha boas


práticas, considerando a própria atividade como parte integrante de
uma rede.

6 – Prioridades, Causas, Resultado Esperado e Descrição da Atividade na Função e Pre

Preencher os campos abaixo em consonância com o Plano de Ação da escola (Ferramenta de Gestão). Os dados de Priorid
encontram-se no ícone “Elaboração do Plano de Ação”. A descrição da atividade na função são as ações que cada profissional
para atingir o resultado esperado pela escola.

IDESP da escola

Ensino Fundamental Ensino Médio

Meta simulada do IDESP da Escola


Ensino Fundamental Ensino Médio

Resultado
Prioridades da escola Causas Descrição d
esperado

7- Ações - A partir da descrição de suas atividades na função, aponte as ações correspondentes a c


PREMI COMPET MACROINDI
Diretor
SSA ÊNCIA CADOR MICROINDICADOR DESCREVA SUA AÇÃO (Como a açã

Busca conhecer os alunos, os


professores e os gestores em sua
individualidade (Projeto de Vida,
Programa de Ação, pontos fortes e de
1.1. Respeito à individualidade

melhoria).

Incentiva os profissionais da escola a


conhecer os alunos e os demais
profissionais em sua individualidade
(Projeto de Vida, interesses,
dificuldades e potencialidades).

Promove um ambiente de respeito às


diferenças individuais dos alunos e
dos profissionais da escola (por
exemplo: diferenças de
personalidade, gênero, orientação
sexual, racial, socioeconômicas,
religiosa).
Orienta os professores e gestores
PROTAGONISMO

sobre como promover práticas que


1. Protagonismo

potencializem a realização dos


Projetos de Vida dos alunos.
1.2. Promoção do Protagonismo Juvenil

Propicia o espaço para que os alunos


sejam o sujeito principal da ação
(Líder de Turma, Grêmio Estudantil,
Clubes Juvenis, nas atividades e
propostas de solução aos problemas
da escola, projetos etc).

Mostra-se aberto a ouvir e apoia os


alunos em seu processo de formação
pessoal, acadêmica e profissional.

• Garante a formação e
desenvolvimento dos Clubes Juvenis,
do Grêmio Estudantil e dos Líderes
de Turma como forma de promover o
protagonismo juvenil (tempo, espaço,
materiais etc). pessoais, Projeto de
Vida)
Reflete sobre o seu propósito de
Protagonismo

atuação, relacionando-o ao seu papel


sênior

como diretor.
1.3.
Protagonismo
sênior
1.3.
Atua como modelo a ser seguido
pelos alunos e profissionais da
escola.

Conhece os princípios do Currículo


do Estado de São Paulo e sua
relação com o modelo do Programa
2.1. Domínio do conhecimento

Ensino Integral.
Domina os processos e conhece os
documentos da parte administrativa e
financeira.

Domina o Modelo de Gestão do


Programa.
2. Domínio do conhecimento e contextualização

Domina o uso dos instrumentos de


apoio ao ensino e gestão de suas
atividades (computadores, lousa
digital/projetor interativo, netbooks,
planilhas, documentos digitais etc).

É didático em suas orientações (nas


2.2. Didática

reuniões da equipe gestora, nas


orientações aos funcionários e
demais profissionais da escola, nas
orientações aos pais ou responsáveis
etc

Orienta professores e gestores a


considerar o contexto (realidade) dos
alunos na condução de suas
atividades.
2.3. Contextualização
FORMAÇÃO CONTINUADA

Orienta alunos, professores e


gestores sobre como fazer uso das
disciplinas, projetos e recursos da
escola em prol da realização dos
Projetos de Vida.

Apoia os Clubes Juvenis mostrando


aos alunos a sua relação com o
exercício do protagonismo e com a
realização de seus Projetos de Vida.

• Participa frequentemente de cursos


de formação a fim de aprimorar o
exercício de sua função (temas
3.1. Formação contínua

específicos à função ou ao Modelo


envolvimento contínuo

Pedagógico e de Gestão do
Programa Ensino Integral).
3.1. Formação contínua
3. Disposição ao autodesenvolvimento contínuo
Busca proativamente aprendizados
adicionais através de leituras,
palestras, congressos e outros
meios).
Incentiva os professores e gestores
na busca frequente do
autodesenvolvimento

Busca devolutiva da sua atuação com


Devolutivas

os alunos, pais de alunos e


3.2.

responsáveis, professores, gestores e


outros profissionais da escola para se
desenvolver
Escuta abertamente as devolutivas
3.3. Disposição
para mudança

recebidas e reavalia seus


comportamentos e práticas.
Consegue colocar em prática os
aprendizados adquiridos nas
formações.

Lidera a elaboração do Plano de Ação


da escola alinhado ao Plano de Ação
do Programa Ensino Integral,
incentivando e viabilizando a
4.1. Planejamento

participação de toda a comunidade


4. Comprometimento com o processo e o resultado

escolar.
Elabora o planejamento de suas
ações de forma a contribuir para o
alcance das metas do Plano de Ação
EXCELÊNCIA EM GESTÃO

da escola.
Orienta os gestores no planejamento
com vistas a garantir a articulação
das ações com o Plano de Ação da
escola.
4.2. Execução

Executa as ações planejadas no seu


Programa de Ação.

Acompanha e orienta a execução das


ações planejadas pelos gestores.

Revisa sua prática para atingir


4.3. Reavaliação

melhores resultados.

Reavalia as práticas empregadas na


escola e apoia alunos, professores e
gestores de forma a sempre buscar
melhores resultados
Busca se relacionar com os alunos e

5.1. Relacionamento e
profissionais da escola, construindo
vínculos positivos.

colaboração É capaz de ouvir e valorizar outras


pessoas.
5. Relacionamento e Corresponsabilidade

Colabora com os outros profissionais


da escola no dia a dia (apoia e
oferece ajuda).
CORRESPONSABILIDADE

Promove a participação democrática,


ouvindo genuinamente as
contribuições de todos e tomando
decisões em prol dos objetivos do
Programa.
5.2. Corresponsabilidade

Incentiva toda a comunidade escolar


a trabalhar conjuntamente em prol de
objetivos comuns.

Mostra-se aberto ao ouvir e apoia os


profissionais da escola em seu
processo de formação acadêmica e
profissional tendo em vista melhorar
os resultados conjuntos

Mostra-se disponível e orienta pais e


responsáveis sobre o desempenho
escolar dos alunos, incentivando sua
participação como corresponsáveis.

Tem visão crítica, sendo capaz de


identificar avanços e pontos de
melhoria.
Pondera suas colocações, tendo em
6.1. Visão crítica

vista o contexto (avalia o que é viável


ou não dentro da realidade dos
alunos e da escola; leva em
consideração o momento mais
6. Solução e criatividade (Replicabilidade)

adequado)
Incentiva os profissionais da escola a
desenvolver visão crítica e ponderar
suas colocações, tendo em vista o
contexto
Quando identifica um ponto de
melhoria, propõe e implementa ações
6.2. Foco em

para melhorar os resultados


solução

Incentiva os professores a
desenvolver a postura de foco em
solução (propor e implementar ações
para melhorar os resultados).
6. Solução e criat
Disposição para testar novas práticas.
o Incentiva alunos e profissionais da

6.3. Criatividade
escola a testar novas práticas,
valorizando as diferentes sugestões e
reconhecendo as boas ideias.

Ao identificar um problema que não


pode ser solucionado por vias
comuns, é capaz de criar soluções
alternativas.
REPLICABILIDADE

Documenta as boas práticas


adotadas possibilitando o seu
7.1. Registro de boas práticas

compartilhamento (gestão escolar,


gestão dos Clubes Juvenis, Grêmios
e Líderes de Turma).

Incentiva alunos e profissionais da


escola a documentarem as boas
práticas adotadas tendo em vista o
seu compartilhamento (experiências e
7. Difusão e multiplicação (Replicabilidade)

ferramentas).

Organiza as boas práticas adotadas


pelos profissionais da escola tendo
em vista o seu compartilhamento.

Compartilha as boas práticas


adotadas por ele junto a outros
7.2. Difusão

profissionais da escola.
Incentiva o compartilhamento das
boas práticas adotadas pelos
professores e gestores junto a outros
profissionais da escola
Dissemina as boas práticas adotadas
na escola com professores e gestores
de outras escolas.
7.3. Multiplicação

Difunde positivamente o Programa


Ensino Integral, sendo um
embaixador para rede e para a
comunidade.
Incentiva os profissionais da escola a
multiplicar as boas práticas e difundir
positivamente o Programa Ensino
Integral.

DIRETOR DE ESCO DATA DA ELABORAÇÃO:


SUPERVISOR DE ENSINO:
DIRIGENTE REGIONAL DE ENSINO (no caso do Diretor): DATA DA REVISÃO:
OBSERVAÇÔES:

---------------------------------------------------
ITEM 5 - COMPETÊNCIAS E HABILIDADES
NECESSÁRIAS PARA DESEMPENHAR AS
ATRIBUIÇÕES (Caso exerça mais de uma função
registre as competências e habilidades necessárias
separadamente)

Além das atividades a serem realizadas na PIAF, anotar nos


semestres subsequentes, quais ações foram realizadas,
conforme exemplo:

FORMAÇAO CONTINUADA
2. DOMÍNIO DO CONHECIMENTO E
CONTEXTUALIZAÇÃO:
*** Ações realizadas ***
E ESTÁ INSERIDA 2º SEMESTRE/2016: 2.1 - Aprimorar o conhecimento
referente a parte diversificada: 2.1.2
de aprendizagem dos alunos (histórico do IDESP). 1º SEMESTRE/2017: 2.2 – Didática: 2.2.1
1º SEMESTRE/2017: 2.3 – Contextualização:2.3.1
planilha – prioridades da escola) ---------------------------------------------------
ITEM 6 – Prioridades, Causas, Resultado Esperado e
Descrição da Atividade na Função e Premissas.

Aguardando adeuqações para monitoramento das ações


ção registre as atribuições das funções separadamente) por meio do MMR (Método de Melhoria de Resultado)
--------------------------------------------------
ue você exercerá na escola, suas expectativas, analisando as
belecida com os pais/responsáveis, à comunidade, aos órgãos da

O
unções separadamente)
1.164/2012 e LC nº 1.191/2012)
alinhamentos entre as atribuições separadamente)

e Supervisor de Ensino) e os respectivos alinhamentos horizontal


entos.

Equipe Gestora:

so exerça mais de uma função registre as competências e


F PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF

)
nção que ainda precisam ser desenvolvidas.

35 à 50, disponível na Intranet e na versão impressa.

ar as competências a serem desenvolvidas apontadas no plano.

TÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS POR PREMISSA


PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PI

ade na Função e Premissas.

. Os dados de Prioridades, Causas e Resultado Esperado


e cada profissional irá desenvolver de acordo com sua função
a.

2019
Médio

2020
Médio

Descrição da atividade na função

s correspondentes a cada Premissa.


VERIFICAÇÃO

% Cumpri
Compe

progra
mento
% tência

ma
do
Deve ser preenchido pelo PCA conforme
impacto da ação (valor 1 )

AÇÃO (Como a ação será realizada?) 2.78 5.56 8.33 11.11 77.78

0.00
0.00
0.00
0.00
0.00

0.00
0.00
0.00
0.00
0.00
3.13 6.25

4.17 8.33 12.50 16.67


9.38 12.50

0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00

0 0.00
3.57 7.14 10.71 14.29
3.57 7.14 10.71 14.29

0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00

0.00 0.00
0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 3.57 7.14 10.71 14.29 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00

0.00 0.00
ELABORAÇÃO:
3.13 6.25
9.38 12.50

0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00

0.00
DA REVISÃO:
S
S
a função
ecessárias

PIAF, anotar nos


m realizadas,

hecimento

o:2.3.1

Esperado e
missas.

nto das ações


Resultado)
Cumpri
mento
do
Not progra
0.0 a ma
PROGRAMA DE AÇÃO OBSERVAÇÔES:

EE ---------------------------------------------------
ITEM 5 - COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NECESSÁRIAS
NOME: PARA DESEMPENHAR AS ATRIBUIÇÕES (Caso exerça mais
Diretor: de uma função registre as competências e habilidades
necessárias separadamente)
Vice-Diretor:
Além das atividades a serem realizadas na PIAF, anotar nos
PCAs da respectiva área: semestres subsequentes, quais ações foram realizadas,
conforme exemplo:
PCG:
FORMAÇAO CONTINUADA
2. DOMÍNIO DO CONHECIMENTO E CONTEXTUALIZAÇÃO:
VIGÊNCIA: ÚLTIMA REVISÃO:: *** Ações realizadas ***
2º SEMESTRE/2016: 2.1 - Aprimorar o conhecimento referente
a parte diversificada: 2.1.2
1 - RELATO SOBRE A ESCOLA E A COMUNIDADE EM QUE ESTÁ INSERIDA 1º SEMESTRE/2017: 2.2 – Didática: 2.2.1
1º SEMESTRE/2017: 2.3 – Contextualização:2.3.1
Fazer um breve relato sobre o contexto da escola, analisando a comunidade, os resultados de aprendizagem dos alunos (histórico do IDESP). ---------------------------------------------------
ITEM 6 – Prioridades, Causas, Resultado Esperado e
Sugerimos que esses dados sejam observados na ferramenta de gestão (planilha – prioridades da escola) Descrição da Atividade na Função e Premissas.

Aguardando adeuqações para monitoramento das ações por


meio do MMR (Método de Melhoria de Resultado)
--------------------------------------------------
2 - RELATO INDIVIDUAL SOBRE O EXERCÍCIO DA SUA FUNÇÃO (Caso exerça mais de uma função registre as atribuições das funções separadamente)

Considerando o contexto em que a escola está inserida, fazer um breve relato sobre a(s) função(ões) que você exercerá na escola, suas expectativas, analisando as
condições enfrentadas no passado em relação aos resultados de aprendizagem dos alunos, à relação estabelecida com os pais/responsáveis, à comunidade, aos órgãos da
SEE e aos parceiros.
Vice-diretor

3- PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO


(Caso exerça mais de uma função registre as atribuições das funções separadamente)
As atribuições e atividades definidas serão todas as descritas na lei (LC nº 1.164/2012 e LC nº 1.191/2012)
Vice-diretor

4 – ALINHAMENTOS ENTRE ATRIBUIÇÕES (Caso exerça mais de uma função registre os alinhamentos entre as atribuições separadamente)
Considerar as atribuições dos profissionais que atuam na escola (professor, PCA, PCG, vice, diretor, PCNP e Supervisor de Ensino) e os respectivos alinhamentos horizontal
e vertical que dela derivam e apontar os alinhamentos.

Reunião de ATPCG Alinhamento

Reunião de ATPCA Alinhamento

Reunião de ATPV Alinhamento

Reunião de ATPJ Alinhamento


Outros alinhamentos:

Preenchimento exclusivo para Coordenadores e Equipe Gestora:


Reunião semanal com a equipe gestora
Reunião do Coordenador com os coordenadores de área
Reunião entre os coordenadores de áreas

5 - COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NECESSÁRIAS PARA DESEMPENHAR AS ATRIBUIÇÕES (Caso exerça mais de uma função registre as competências e
habilidades necessárias separadamente)
Preencha nos campos abaixo as competências necessárias para o exercício da sua função que ainda precisam ser desenvolvidas.

AF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF PIAF


Vide Caderno do Gestor - Modelo de Gestão de Desempenho das Equipes Escolares, páginas 35 à 50, disponível na Intranet e na versão impressa.

Os profissionais que já elaboraram o seu Plano Individual de Aperfeiçoamento e Formação devem considerar as competências a serem desenvolvidas apontadas no plano.
ISSAS
PREM

COMPETÊNCIAS DESCREVER AS COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS POR PREMISSA

1. PROTAGONISMO: Promove o protagonismo juvenil, ajudando a


formar pessoas autônomas, solidárias e competentes e sendo
PROTAGONISMO

protagonista também de sua própria atuação.

2. DOMÍNIO DO CONHECIMENTO E CONTEXTUALIZAÇÃO:


Domínio de sua área de conhecimento, sendo capaz de comunicá-
la e contextualizá-la, relacionando-a com a realidade do aluno, à
prática, às disciplinas da Base Nacional Comum, à parte
diversificada, às atividades complementares e aos Projetos de Vida.

3. DISPOSIÇÃO AO AUTODESENVOLVIMENTO CONTÍNUO:


Busca contínua da aprendizagem e do desenvolvimento como
CONTINUADA
FORMAÇAO

pessoa e profissional, apresentando predisposição para reavaliar


suas práticas, tecnologias, ferramentas e formas de pensar.

4. COMPROMETIMENTO COM O PROCESSO E RESULTADO:


Demonstra determinação para planejar, executar e rever ações, de
forma a atingir os resultados planejados.
EXCELÊNCIA
EM GESTÃO

5. RELACIONAMENTO E CORRESPONSABILIDADE: Desenvolve


relacionamentos positivos com alunos, professores, funcionários,
direção, pais e responsáveis e atua de forma corresponsável tendo
em vista o desenvolvimento dos alunos e profissionais da escola.
CORRESP
ONSABILI

6. SOLUÇÃO E CRIATIVIDADE: Tem visão crítica e foca em


DADE

solucionar os problemas que identifica, criando caminhos


alternativos sempre que necessário.
PIAF PIAF PIAF PI
REPLICAB
ILIDADE

7. DIFUSÃO E MULTIPLICAÇÃO: Difunde e compartilha boas


práticas, considerando a própria atividade como parte integrante de
uma rede.

6 – Prioridades, Causas, Resultado Esperado e Descrição da Atividade na Função e Premissas.

Preencher os campos abaixo em consonância com o Plano de Ação da escola (Ferramenta de Gestão). Os dados de Prioridades, Causas e Resultado Esperado
encontram-se no ícone “Elaboração do Plano de Ação”. A descrição da atividade na função são as ações que cada profissional irá desenvolver de acordo com sua função
para atingir o resultado esperado pela escola.

IDESP da escola 2019


Ensino Fundamental Ensino Médio

Meta simulada do IDESP da Escola 2020


Ensino Fundamental Ensino Médio

Resultado
Prioridades da escola Causas Descrição da atividade na função
esperado

7- Ações - A partir da descrição de suas atividades na função, aponte as ações correspondentes a cada Premissa.

VERIFICAÇÃO
Vice-diretor

% Cumpri
Compe

progra
mento
% tência

ma
do
Deve ser preenchido pelo PCA conforme
impacto da ação (valor 1 )

Not
PREMI COMPET MACROINDI
MICROINDICADOR DESCREVA SUA AÇÃO (Como a ação será realizada?) 2.78 5.56 8.33 11.11 77.78

a
SSA ÊNCIA CADOR

Busca conhecer os alunos e os
profissionais da escola em sua

0.00
individualidade (por exemplo: Projeto
de Vida, Programa de Ação, pontos
.1. Respeito à individualidade

fortes e de desenvolvimento).

Compartilha os pontos  relevantes

0.00
dos Projetos de Vida dos alunos com
os professores e coordenadores.
1.1. Res
Promove um ambiente  de respeito
às diferenças individuais dos alunos e

0.00
dos profissionais da escola (por
exemplo: de personalidade, gênero,
orientação sexual, raciais,
socioeconômicas, religiosas).

Apoia e orienta os  alunos na

0.00
PROTAGONISMO

1. Protagonismo

construção e realização de seus

0.00
Projetos de Vida.
1.2. Promoção do Protagonismo Juvenil

Propicia o espaço para  que os
alunos sejam o sujeito principal da
ação (Líderes de Turma, Grêmio

0.00
Estudantil, Clubes Juvenis, nas
atividades e propostas de solução
aos problemas da escola, projetos
etc.).

Mostra-se aberto a  ouvir e apoia os

0.00
alunos em seu processo de formação
pessoal, acadêmica e profissional.

Orienta os pais e responsáveis a

0.00
contribuir para a atuação protagonista
dos alunos, recorrendo aos Projetos
de Vida.
1.3. Protagonismo

Reflete sobre seu  propósito de

0.00 0.00
atuação, relacionando-o ao seu papel
como Vice-Diretor.
sênior

Atua como modelo a ser seguido


pelos alunos e profissionais da
escola.
4.17 8.33 12.50 16.67
Conhece os princípios do Currículo

0.00
do Estado de São Paulo e sua
relação com o Programa Ensino
2.1. Domínio do conhecimento

Integral.

0.00 0.00
Domina técnicas de prevenção e
mediação de conflitos
ínio do conhecimento e contextualização

Domina os processos e conhece os
documentos da parte administrativa e
financeira
Domina o uso dos instrumentos de
apoio ao ensino e gestão de suas

0.00
atividades (computadores, lousa
digital, netbooks, planilhas,

0.00
documentos digitais etc.).

 É didático em suas orientações (nas


2.2. Didática

reuniões da equipe gestora, nas

0.00
orientações aos funcionários e
demais profissionais da escola, nas
orientações aos pais e responsáveis
etc.).
2. Domín
Orienta professores e  alunos a

2.3. Contextualização
como explorar atividades internas e
FORMAÇÃO CONTINUADA

externas à escola em prol da


realização dos Projetos de Vida

0.00
(disciplinas e atividades
complementares, atividades e
projetos escolares diversos, eventos
educacionais externos, processos
seletivos etc.).
4.17 8.33 12.50 16.67
Participa frequentemente de cursos
de formação a fim de aprimorar o

0.00
exercício de sua função (temas
3.1. Formação contínua

específicos à função ou ao Modelo


3. Disposição ao autodesenvolvimento contínuo

Pedagógico e de Gestão do
Programa Ensino Integral)

Busca proativamente aprendizados

0.00
adicionais através de leituras,
palestras, congressos e outros meios.

0.00
Incentiva os professores e gestores

0.00
na busca frequente do
autodesenvolvimento

Busca a devolutiva da sua atuação


Devolutivas

com os alunos, pais de alunos e

0.00
3.2.

responsáveis, professores, gestores e


outros profissionais da escola para se
desenvolver.
Escuta abertamenteas devolutivas
3.3. Disposição

0.00 0.00
para mudança

recebidas e reavalia seus comporta-


mentos e prática
Consegue colocar em prática os
aprendizados adquiridos nas
formações
6.25 12.50 18.75 25.00

0.00
0.0
Planejamento

Elabora o planeja mento de suas


4. Comprometimento com o processo e o

0.00
ações de forma a contribuir para o
4.1.

alcance das metas do Plano de Ação


EXCELÊNCIA EM GESTÃO

da escola
Execução

0.00

0.00
Executa as ações pla‑nejadas no seu
resultado

4.2.

Programa de Ação

0.00
Revisa sua prática para atingir
4.3. Reavaliação

melhores resultados

Reavalia as práticas empregadas na

0.00
escola e apoia alunos, professores e
gestores de forma a sempre buscar
melhores resultados.
4.17 8.33 12.50 16.67
Busca se relacionar com os alunos e

0.00 0.00 0.00


5.1. Relacionamento e
profissionais da escola, construindo
vínculos positivos.

colaboração
É capaz de ouvir e valo‑rizar outras
pessoas
5. Relacionamento e Corresponsabilidade

Colabora com os outros profissionais


da escola no dia a dia (apoia e
CORRESPONSABILIDADE

oferece ajuda)

Busca construir projetos pedagógicos

0.00

0.00
em conjunto com alunos e outros
professores
5.2. Corresponsabilidade

Mostra-se aberto a  ouvir e apoia os


profis‑ sionais da escola em seu

0.00
processo de formação acadêmica e
profissional, tendo em vista melhorar
os resultados conjuntos.

Mostra-se disponível e orienta pais e/

0.00
ou responsáveis dos alunos,
incentivando sua participação como
corresponsáveis.

3.13 6.25 9.38 12.50


Tem visão crítica, sendo capaz de

0.00
identificar avanços e pontos de
melhoria.
Pondera suas colocações, tendo em
6.1. Visão crítica

vista o contexto (avalia o que é viável

0.00
ou não dentro da realidade dos
alunos e da escola; leva em
consideração o momento mais
adequado).
Incentiva os profissionais da escola

0.00
a desenvolver visão crítica e ponderar
6. Solução e criatividade (Replicabilidade)

suas colocações, tendo em vista o


contexto.
Quando identifica  um ponto de

0.00
melhoria, propõe e implementa ações
6.2. Foco em

para melhorar os resultados.


solução

0.00
Incentiva os professores a

0.00
desenvolver a postura de foco em
solução (propor e implementar ações
para melhorar os resultados)

Disposição para testar novas

0.00
práticas (processos administrativos e
financeiros e mediação de conflitos).
6.3. Criatividade

Incentiva alunos e profissionais da

0.00
escola a testar novas práticas,
valorizando as diferentes sugestões e
DADE

reconhecendo as boas ideias


6. Soluçã

6.3. Criatividade
REPLICABILIDADE

Ao identificar um  problema que não

0.00
pode ser solucionado por vias
comuns, é capaz de criar soluções
alternativas.
4.17 8.33 12.50 16.67
7.1. Registro de
boas práticas

Documenta as boas práticas


adotadas, possibilitando o seu

0.00
compartilhamento (gestão do Projeto
de Vida, prevenção e mediação de
conflitos e gestão escolar).
7. Difusão e multiplicação (Replicabilidade)

Compartilha as boas práticas


adotadas por ele junto a outros

0.00
profissionais da escola (prevenção e
7.2. Difusão

mediação de conflitos e práticas de


gestão

Compartilha as iniciativas adotadas

0.00
0.00
por ele e outros professores em prol
dos Projetos de Vida junto a outros
profissionais da escola.

Dissemina as boas práticas adotadas

0.00
na escola com professores e gestores
de outras escolas
7.3. Multiplicação

Difunde positivamente o Programa

0.00
Ensino Integral, sendo um
embaixador para a rede e a
comunidade.
Incentiva os profissionais da escola a

0.00
multiplicar as boas práticas e difundir
positivamente o Programa Ensino
Integral.

DIRETOR DE ESCO DATA DA ELABORAÇÃO:


SUPERVISOR DE ENSINO:
GENTE REGIONAL DE ENSINO (no caso do Diretor): DATA DA REVISÃO: