Você está na página 1de 1

Boa tarde Marilúcia.

Segundo as informações que você passou, pude


perceber algumas complicações que podem vir a acontecer com a sua saúde e a do
bebê. As dores no corpo que você relatou são muito comuns durante a gravidez,
porque os seus ligamentos e articulações ficam ainda mais frágeis, então todo
esforço fará a dor aparecer. Agora, em relação aos enjôos, a causa pode ser da
ansiedade que você vivenciou durante o período gestacional e também por causa
do hormônio progesterona. Normalmente medicamentos antieméticos ajudam
bastante no alívio dos enjôos, mas necessitam de prescrição médica.
Nos casos de sensibilidade emocional e quadro depressivo, também podem
ter sido causados pela soma da ansiedade e pelos sustos que voçê levou durante a
gestação, talvez até pelo modo que o seu marido a convenceu de não realizar o
aborto e também por conta das alterações hormonais que acontecem na gestação.
Por conta dessas alterações hormonais, gostaria de te encaminhar a um
endocrinologista, para que você possa fazer uso de medicamentos fitoterápicos e
antidepressivos. Também gostaria que você fizesse acompanhamento com um
psicólogo durante e após a gestação.
Em relação ao ganho excessivo de peso que você citou, há a possibilidade
de surgir uma diabete gestacional, que é prejudicial tanto a mãe, quanto ao bebê.
Por isso acho necessário a realização de um teste de diabetes, além de um
acompanhamento com nutricionista, para que haja um cuidado e manutenção de um
peso que seja saudável para o seu período gestacional.
Agora, se tratando da Síndrome do X frágil, é importante ressaltar que como
o histórico vem da parte do pai da criança, se o bebê for menino, você não precisará
se preocupar com o surgimento da doença, por o pai apenas doará o gameta Y.
Caso o sexo do bebê seja feminino, então serão necessários alguns cuidados após
o nascimento, como a realização de um teste molecular (para ver se a criança
realmente apresenta a síndrome) e acompanhamento com pediatra, neurologista,
psiquiatra, fonoaudiólogo, psicoterapeuta, pedagogo e terapeuta ocupacional, para
o cuidado do desenvolvimento mental e social da criança.
O caso de Rubéola e o uso da maconha são dois fatores que podem afetar o
desenvolvimento do bebê, podendo causar, no caso da rubéola: surdez, catarata,
defeitos cardíacos. E no caso do uso da maconha durante a gestação: menor
estatura, desenvolvimento cognitivo mais lento, tremores, problemas no sono e
letargia.
Então por causas da possibilidades de tantas implicações de saúde para
você e para o seu bebê, a sua gravidez é considerada de risco. Não sendo
aconselhável um parto em casa, mas ao invés, acredito que seja mais seguro um
parto com o acompanhamento de uma equipe médica e em um local especializado
(como o hospital), onde você terá mais segurança caso haja qualquer complicação
durante o parto.