Você está na página 1de 23

EQUILÍBRIOS QUÍMICOS

CONCEITO DE PROCESSO REVERSÍVEL


Considere os seguintes processo:

V1 : Velocidade de evaporação
V2 : Velocidade de condensação

Reação 1 - DIRETA

Reação 2 - INVERSA
H2O (g) H2O (g)

Num processo reversível há


sempre duas reações simultâneas V1 V2

H2O (l) H2O (l)


H2O (l) H2O (g)
O EQUILÍBRIO É UM ESTADO ATINGIDO
POR REAÇÕES REVERSÍVEIS
1
Velocidade das reações H2O (l) H2O (g)
2

Velocidade da Em T temos que:


reação direta (V1)
V1 = V2

H2O (g) H2O (g)

H2O (l) H2O (l)


Velocidade da
reação inversa (V2)

SISTEMA EM EQUILÍBRIO
T Tempo
QUÍMICO
AS CARACTERÍSTICAS DE UM SISTEMA EM
EQUILÍBRIO
• No equilíbrio as reações direta e inversa continuam
ocorrendo ininterruptamente.
• As velocidades das reações direta e inversa são
iguais.
• As concentrações de todos os participantes
(reagentes e produtos) tornam-se constantes e não
necessariamente iguais.
• Esse tipo de equilíbrio somente ocorre em sistemas
fechados (onde não há troca de matéria com o
ambiente).
A CONSTANTE DE EQUILÍBRIO
1
1 N2O4 (g) 2 NO2 (g)
2
VREAÇÃO = kVELOCIDADE x [REAGENTE] a

V1 = k1 x [N2O4]1 V2 = k2 x [NO2]2

No equilíbrio temos V1 = V2

k1x [N2O4]1 = k2x [NO2]2


A CONSTANTE DE EQUILÍBRIO

aA + bB cC + dD

A constante de equilíbrio é igual à razão entre as concentrações de


produtos e reagentes, elevados as seus coeficientes estequiométricos
EXERCÍCIO : ESCREVER E EXPRESSÃO DA
CONSTANTE DE EQUILÍBRIO

H2 (g) + I2 (g) 2 HI (g)

3 H2 (g) + N2 (g) 2NH3 (g)

Fe(s) + 3 Ag+ (aq) Fe+3 (aq) + 3 Ag (s)


Sólidos não
participam do cálculo
da constante
KP : APENAS PARA SISTEMAS COM GASES

H2 (g) + I2 (g) 2 HI (g)

Numa mistura gasosa, as pressões parciais dos gases são proporcionais às suas concentrações
em mol/L

Constante em termos de concentrações (Kc ) Constante em termos de pressões parciais (KP)


“TABELINHA” PARA CÁLCULO DA
CONSTANTE DE EQUILÍBRIO:
Considere um sistema fechado à temperatura de 100 OC , com volume de 1 litro, onde são
adicionados 10 mols de N2O4

Calcule o valor da constante de equilíbrio dessa reação sabendo-se que, ao final do processo
foram produzidos 4 mols de NO2

1 N2O4 (g) 2 NO2 (g)

Reação N2O4 NO2 Concentração (mol/L)


10
INÍCIO 10 mol/L 0 mol/L
8
2 mol/L 4 mol/L
REAÇÃO CONSUMIDOS FORMADOS 4

EQUILÍBRIO 8 mol/L 4 mol/L


Tempo
“TABELINHA” PARA CÁLCULO DA
CONSTANTE DE EQUILÍBRIO:
DESLOCAMENTO DE EQUILÍBRIO
PRINCÍPIO DE Le Chatelier
DESLOCAMENTO DE EQUILÍBRIO OCORRE QUANDO AS
VELOCIDADES DOS PROCESSOS DIRETO E INVERSO SÃO
ALTERADAS

DIRETA
3 H2 (g) + N2 (g) 2NH3 (g)
INVERSA

Se VDIRETA = VINVERSA SISTEMA EM EQUILÍBRIO CONCENTRAÇÃO DAS ESPÉCIES É


CONSTANTE

Se VDIRETA > VINVERSA EQUILÍBRIO DESLOCADO PARA O SENTIDO DOS PRODUTOS

Se VDIRETA < VINVERSA EQUILÍBRIO DESLOCADO PARA O SENTIDO DOS REAGENTES


COMO PODEMOS DESLOCAR UM EQUILÍBRIO?

Estudaremos alguns fatores que podem (ou não) provocar deslocamentos em equilíbrios

1 - TEMPERATURA

2 – PRESSÃO DE SISTEMAS COM GASES

3– ALTERAÇÕES DA CONCENTRAÇAO DE REAGENTES

4 – EFEITOS DO CATALISADOR
PRINCÍPIO DE LE CHATELIER
PRINCÍPIO DA FUGA ANTE A FORÇA

1 – TODO SISTEMA REVERSÍVEL TENDE AO ESTADO DE EQUILÍBRIO

2 – UMA VEZ ATINGIDO O ESTADO DE EQUILÍBRIO, ESTE É MANTIDO A


MENOS QUE SE PROVOQUE ALGUMA ALTERAÇÃO NO SISTEMA

3 – QUANDO SE PROVOCA UMA ALTERAÇÃO NUM SISTEMA EM


EQUILÍBRIO, ESTE REAGE NO SENTIDO DE ANULAR O EFEITO DESSA
ALTERAÇÃO. DESSA FORMA O SISTEMA TENDE A RETORNAR A UM
NOVO ESTADO DE EQILÍBRIO
EFEITO DA TEMPERATURA
DIRETA
3 H2 (g) + N2 (g) 2NH3 (g) ∆H < 0
INVERSA

Energia
SISTEMA TEMPERATURA

CALOR

∆H
FAVORECIMENTO DA REAÇÃO ENDOTÉRMICA

SISTEMA TEMPERATURA
Caminho
de CALOR
Reação
FAVORECIMENTO DA REAÇÃO EXOTÉRMICA
A CONSTANTE DE EQUILÍBRIO DEPENDE DA
TEMPERATURA
DIRETA
3 H2 (g) + N2 (g) 2NH3 (g) ∆H < 0
INVERSA

Constante de equilíbrio

Quando T aumenta
K1

K2 K diminui

Diminui a concentração de produtos


T1 T2 Temperatura (K)
EFEITO DA PRESSÃO EM SISTEMAS COM
GASES
DIRETA
3 H2 (g) + N2 (g) 2NH3 (g)
INVERSA

4 mols de gases 2mols de gases

SISTEMA PRESSÃO DESLOCAMENTO PARA A MENOR QUANTIDADE DE GASES

SISTEMA PRESSÃO DESLOCAMENTO PARA A MAIOR QUANTIDADE DE GASES


EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DOS REAGENTES
GLICOSE FRUTOSE
O HO
CH CH2
HO HC O C
CH OH CH OH
HO HC HO HC
CH OH CH OH
H2C H2C
OH OH

VDIRETA = kDIRETA x [GLICOSE] VINVERSA= kINVERSA x [FRUTOSE]

VDIRETA > VINVERSA DESLOCAMENTO PARA A DIREITA


ADIÇÃO DE GLICOSE

VDIRETA < VINVERSA DESLOCAMENTO PARA A ESQUERDA


ADIÇÃO DE FRUTOSE
EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DOS REAGENTES
GLICOSE FRUTOSE
O HO
CH CH2
HO HC O C
CH OH CH OH
HO HC HO HC
CH OH CH OH
H2C H2C
OH OH

VDIRETA = kDIRETA x [GLICOSE] VINVERSA= kINVERSA x [FRUTOSE]

DIMINUIÇÃO DE GLICOSE VDIRETA < VINVERSA DESLOCAMENTO PARA A ESQUERDA

DIMINUIÇÃO DE FRUTOSE VDIRETA > VINVERSA DESLOCAMENTO PARA A DIREITA


EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DOS REAGENTES
CONSIDERE UM SISTEMA FECHADO ONDE [CrO4 -2 ] > [Cr2O4-2]

2 CrO4 - 2 (aq) + 2 H\+ (aq) Cr2O7 – 2 (aq) + H2O (l)


AMARELO ALARANJADO

ADIÇÃO DE ÍONS H+ (MEIO ÁCIDO)

DESLOCAMENTO PARA A “DIREITA”


EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DOS REAGENTES
CONSIDERE UM SISTEMA FECHADO ONDE [CrO4 -2 ] < [Cr2O4-2]

2 CrO4 - 2 (aq) + 2 H\+ (aq) Cr2O7 – 2 (aq) + H2O (l)


AMARELO ALARANJADO
ADIÇÃO DE ÍONS OH - (MEIO ALCALINO)

H + (aq) + OH – (aq) → H2O (l)

DESLOCAMENTO PARA A “ESQUERDA”


O CATALISADOR NÃO DESLOCA EQUILÍBRIOS
Considere uma reação genérica:

A + B C + D; ∆H < 0
Energia

ENERGIA DE ATIVAÇÃO DA REAÇÃO DIRETA SEM


CATALISADOR

A + B ENERGIA DE ATIVAÇÃO DA REAÇÃO DIRETA COM


CATALISADOR
∆H
C + D

O CATALISADOR AUMENTA A
VELOCIDADE DA REAÇÃO DIRETA

Caminho de Reação
O CATALISADOR NÃO DESLOCA EQUILÍBRIOS
Considere uma reação genérica:

A + B C + D; ∆H < 0
Energia

ENERGIA DE ATIVAÇÃO DA REAÇÃO INVERSA SEM


CATALISADOR

A + B ENERGIA DE ATIVAÇÃO DA REAÇÃO INVERSA COM


CATALISADOR
∆H
C + D

O CATALISADOR AUMENTA A
VELOCIDADE DA REAÇÃO INVERSA

Caminho de Reação