Você está na página 1de 10

Judith K Spielbauer - Oxford, Ohio, USA

(ISS 10)

Introdução
A identidade tornou-se cada vez mais popular como um termo expressivo para
a necessidade de encontrar estabilidade e ordem em um mundo em rápida mudança. A
consciência recente das possíveis implicações para as relações socioculturais e
ambientais incorporadas no conceito de identidade reflete. Eu espero. uma mudança de
poder, uma consciência que terá um impacto significativo na direção do
desenvolvimento do museu como uma instituição social dentro de uma esfera de
responsabilidade crescente.
Muito do que foi escrito sobre identidade se concentrou na manutenção das
conexões culturais do passado encontradas na identidade étnica e na etnia na
sociedade contemporânea. Contudo. o passado acumulado não é suficiente para
abarcar o conceito. Identidade é uma corrente. fenômeno contemporâneo e dinâmico.
Como se tornará claro, eu espero, na discussão seguinte. Eu considero a dimensão
temporal da identidade como sendo apenas um aspecto de um sistema complexo
amplo, cujos focos primários são o indivíduo que admite, os grupos e as categorias em
que ele é membro, as ramificações que tal associação tem para o físico. vida
comportamental e intelectual. e as consequências que as ações resultantes têm para o
mundo cultural e natural. agora e no futuro. Como tal, tomo uma perspectiva de
orientação humana que começa com a suposição básica de que os mundos natural e
cultural interagem em uma relação de laço recíproco, cada um influenciando o outro em
um processo contínuo de reajuste. Nessa relação as percepções humanas da natureza
definem a identidade natural. Enquanto a identidade natural é frequentemente vista
como autônoma, ela é identidade natural em oposição à natureza. baseia-se na
percepção humana e é parte integrante dos sistemas complexos de identidade em que
cada pessoa participa. A identidade torna-se então um mecanismo para se adaptar a si
mesmo, às próprias experiências e ao ambiente em que aspectos sociais, tecnológicos
e naturais.
Com a ampla gama de variação da sensibilidade e percepção humana (Bloor
Hamill 1985, Maruyama 1980, Schelleken 1979) e em experiências históricas,
encontrando um único conjunto de critérios para definir a identidade aplicável Para
todas as condições, será necessária uma estrutura muito geral. Vou, portanto, me
concentrar em algumas ideias básicas. deixar que os outros, falando mais do que eu,
apresentem problemas e situações específicos emanando do impacto da identidade na
sociedade humana e na natureza. Como qualquer definição é estruturada, em parte,
pelo seu uso, os componentes do conceito de identidade aqui discutidos são aqueles
que, penso eu, dizem respeito principalmente a museus, museologia e suas
responsabilidades na sociedade. Para esclarecer a discussão a seguir, a sociedade de
tele é usada para se referir a um grupo de indivíduos que é unido por interesses mútuos
investidos em coisas como uma linguagem comum, ideologia e padrões de
comportamento na política, redes sociais, econômicas e econômicas, todas elas
mantidas com autossuficiência básica, muitas vezes, embora nem sempre, através de
gerações evolutivas. Uma sociedade pode ser pequena e relativamente homogênea ou
grande, com múltiplos subgrupos. O conceito de cuida aqui usado refere-se a esses
mecanismos de ligação. esses comportamentos, expectativas e crenças comumente
compartilhados e estruturados, bem como seus produtos tangíveis, que formam uma
combinação única de atributos associados a um grupo específico de pessoas, uma
sociedade.
Identidade não é sinônimo de sociedade ou cultura. Identidade é um conceito
multifacetado. que se manifesta na autoimagem, na conscientemente compartilhada
cotidianidade e consciência, na pertença (De Vos, 1975), no reconhecimento do
passado, do presente e, possivelmente, do futuro. em percepções de diferenças,
fronteiras (Barth, 1979) e o ambiente natural, e em um sistema de afiliações
contextualmente determinadas. Este conceito deve incluir considerações de fenômenos
reais e idealizados, de seletividade e de forças externas que afetam a formação e
reconhecimento de identidade.
Para o indivíduo, a identidade de uma pessoa é a auto percepção de quem ela
é em relação ao mundo cultural e natural e o concomitante senso de pertencimento. É
uma declaração do lugar e das posições de alguém nesses mundos. e a aceitação dos
direitos, responsabilidades, comportamentos, crenças, expectativas e símbolos
associados a esses cargos. Identidade é essa aura do eu que é expressa na rede de
relacionamentos e ações resultantes que existem entre o indivíduo, as categorias ou
grupos em que alguém é membro e aqueles nos quais não se é membro. A identidade
pode ser um fenômeno dinâmico ou fluido que muda ao longo da vida com o acúmulo
de novas afiliações, a perda potencial ou a rejeição de antigas afiliações. Algumas
afiliações são atribuídas, como membros da família, e outras são escolhidas, como o
ICOFON.
Como tal, a identidade de um indivíduo não é uma única entidade homogênea,
mas sim um composto mutável de identidades, cada uma definida e determinada por
um conjunto distinto de critérios, e cada um estabelecendo um conjunto específico de
relacionamentos com outros, com a natureza e com a tecnologia. Por exemplo, existe
identidade nacional, identidade territorial, identidade histórica. identidade étnica (a
conneção do passado ao presente através dos laços de parentesco percebidos -
consangüíneo, afim e fictício - associados a uma combinação específica reconhecida de
atributos culturais selecionados), identidade social (as relações interpessoais
estruturantes contemporâneas e mutáveis). identidade familiar, identidade religiosa,
identidade societal ou cultural e identidade humana. Esta lista não é inclusiva, nem é
necessário que um indivíduo mantenha ou reconheça todas as categorias possíveis.
Várias categorias, na maioria dos casos, coincidem, e os parâmetros de muitos são
tipicamente, mas nem sempre, congruentes. cuja afiliação ou combinação é mais
necessária para determinar o comportamento depende dos condicionamentos
situacionais no momento. Isso é especialmente evidente quando a interação envolve
membros não pertencentes ao grupo.
Enquanto a identidade combinada total é única, a própria essência do
pertencimento e da afiliação requer o reconhecimento do grupo e o compartilhamento
das expressões exteriores de coesão. A importância de reconhecer o indivíduo como o
elemento básico da identidade reside no fato de que, embora um grupo seja
frequentemente representado como uniforme e consistente, sempre existe variação
dentro do grupo e, portanto, o ímpeto potencial de mudança e ajuste às circuncisões.
Reconhecendo a variabilidade potencial em qualquer grupo e que o indivíduo é o
meio real através do qual a ação ooours, é possível considerar o grupo como uma
entidade e discursar as ramificações da não-associação, o ideal e o real, a seletividade
e os símbolos. Eu uso o termo grupo em um sentido muito geral para identificar uma
coleção obsessiva de pessoas sem ter que indicar qualquer conjunto particular de
críticas usadas na formação e na definição de adesão.
A formação ou aceitação da participação em um grupo resulta imediatamente no
reconhecimento de não-grupo, na criação de símbolos de associação e no
estabelecimento e operação de mecanismos de manutenção de fronteiras (Barth, 1969)
que estabelecem padrões de relações intergrupais. Enquanto um grupo cria uma
imagem auto-definida de si mesmo, ele também cria sua própria imagem dos outros
grupos. Essas identidades raramente ou nunca coincidem. Normalmente, não nos
vemos como os outros nos veem, nem vemos os outros como eles se veem. embora o
que pensamos de nós mesmos seja frequentemente influenciado por outros pensam em
nós.
Parte da razão para isso está no sistema de valores de um grupo. Esse sistema
fornece o modelo pelo qual o grupo seleciona, como símbolos, tais características
desvalorizaram comportamentos, crenças e objetos para definir sua própria essência.
Da mesma maneira, usando seu próprio sistema de valores e percepções próprias do
comportamento real dos outros, o grupos seleciona os critérios para definir as
identidades impostas do grupo correspondente. A natureza seletiva da identidade é
mais facilmente vista na percepção do passado. como identidade étnica ou histórica.
Aqui os elementos, fatos, eventos, ideias e símbolos acumulados que compõem o
arcabouço da identidade são escolhidos ou enfatizados com base nos sistemas de
valores atuais, não aqueles que operaram no passado, e na necessidade de usar tal
identidade em apoio ao grupo. manutenção diante das interações internas e externas
contemporâneas condições. Na tentativa de manter a integridade do grupo, busca-se
comunidade na ênfase de atributos comportamentais e ideacionais autoportantes e
selecionados que respondem melhor à natureza comparativa e às vezes não
competitiva das relações intergrupais. As especificidades destes, é claro, são únicas
para cada grupo e situação. Contudo. em princípio, eles representam a autoavaliação e
a descrição dos sistemas de valores atuais e a percepção da realidade como
condicionada por esses valores dentro das circunstâncias externas previsíveis.

Enquanto os elementos de identidade costumam ser internamente satisfatórios


e sustentáveis. para ele eficaz dentro de uma esfera maior de interação. alguns
elementos precisam ser visualmente aparentes. Isso é realizado através do uso de
símbolos: objetos, rituais, decorações, adornos, comportamentos, propriedade,
linguagem, direitos. responsabilidades, entre outras possibilidades. Símbolos anunciam
identidade. Eles informam ou comunicam aos membros e não membros quem é e quem
não faz parte do grupo. O reconhecimento de tais símbolos produz uma resposta. Se
esta resposta é ou não apropriada da perspectiva do grupo simbolizado. depende das
circunstâncias imediatas e do grau em que as identidades internamente derivadas e
externamente impostas correspondem.
A identidade deve ser eficaz internamente na manutenção da integração do
grupo, atendendo às necessidades e interesses dos membros e, externamente, ao
apaziguar quaisquer forças que possam tender a agir contra. Enquanto tais forças
permanecerem em equilíbrio através de ligeiros reajustes constantes, a mudança é
gradual e não disruptiva. Quando, no entanto, pressões internas ou externas aumentam
além do alcance da reconciliação fácil, a identidade fica em risco.

Museus e identidades
O museu tem vários papéis a desempenhar dentro do quadro gerado pelo
conceito de identidade. porque o museu é simultaneamente um símbolo de uma
configuração de identidade específica e uma ferramenta usada na criação e
manutenção da identidade. Desejo enfatizar aqui que eu entre a identidade como uma
autodefinição interna, fenômeno mental a partir do processo de identificar, classificar,
definir e categorizar a percepção da “realidade” que produz uma identidade imposta aos
outros. embora esses conceitos sejam frequentemente considerados sinônimos.
Eu concordo com Taborsky (1982) isso. como tradicionalmente definido. o
museu desenvolveu-se como parte integrante de um sistema cultural específico que é
amplamente europeu na tradição. Ao longo das várias centenas de anos de
desenvolvimento de museus, esse sistema cultural experimentou uma ampla gama de
subgrupos e subdivisões variados. Se você olhar para essa sequência histórica em
termos de identidades variadas e do conceito de museu como um dos elementos da
identidade que foi usado para representar valores. o museu aparece primeiro como um
símbolo de identidade de grupo dentro do reino da elite. a elite sendo definida em
termos de riqueza. poder e conhecimento. De lá. o museu, juntamente com sua
natureza simbólica, foi incorporado à estrutura identitária de um grupo cada vez mais
inclusivo. O Museu. dotados de elementos dos sistemas de valores desses subgrupos
incorporados. tornou-se uma parte funcional das relações intra e intergrupos e, portanto,
um fator na formação da identidade. Essa mudança da elite através do público em geral
para a tentativa consciente de ser relevante (ou de impor relevância) a todos os
segmentos da sociedade provocou (ou resultou de) mudanças nas funções percebidas
da instituição e nas responsabilidades enfatizadas. Esse processo simbólico se
estendeu além das percepções estruturadas internamente para incluir a imposição de
museus. sua filosofia. e sua percepção imposta dos outros em grupos externos.
forçando-os no processo de ajuste em face do contato cultural.
É nessa natureza dual de identidade. o interno e o externo ou imposto. que
museus fazem parte. Os museus têm sido essencialmente unilaterais em sua
abordagem à coleta seletiva dos símbolos de identidade. A coleta e os critérios usados
na seleção são baseados no sistema de valores atual do grupo de coleta e são um
reflexo da identidade autopercebida. Este foi o caso. w, se "objetos" foram coletados
dentro do grupo ou de fora. Ao usar o museu como uma declaração de identidade. o
grupo de colecionadores viu a si mesmo como queria ser visto e viu outros como queria
vê-los. A natureza seletiva da identidade. quando materializado em museus. tem
tipicamente apresentado uma visão idealizada de si e uma visão da natureza e de
forasteiros que irão apoiar. substanciar e racionalizar essa autoimagem. Esta imagem
de grupos externos, seja como subgrupos dentro da sociedade maior ou como outras
entidades culturais. não. claro. coincidem com a imagem igualmente seletiva e
idealizada que esses grupos externos mantêm de si mesmos. Do ponto de vista da
identidade. tanto interno quanto imposto, é crucial perceber que os museus não operam
em um mundo de verdade absoluta.
Mesmo que isso exista para ser percebido humanamente, a identidade apresentada nos
museus é uma versão auto-estruturada da realidade.
Uma perspectiva de tempo produz o mesmo fenômeno. O passado. como um
aspecto da maioria, senão de todas as identidades. é sempre visto a partir do presente
em termos de compreensão atual. consciência e conhecimento e é estruturado pelo
sistema de valores de hoje. Nossa visão do passado. tanto a nossa como a dos outros.
é tão seletiva quanto a nossa visão do mundo contemporâneo. Assumimos a mesma
visão de apoio ao selecionarmos os melhores (pelos padrões de hoje) e
racionalizarmos. se não ignorar completamente. o pior. Enquanto isso é certamente
mais evidente em museus que trabalham diretamente com a história. é um aspecto de
toda a apresentação e preservação do museu.
No estado atual de consciência e sensibilidade. identidade imposta tem fortes
conotações negativas. Do ponto de vista da autoimagem orientada internamente.
Contudo. os museus têm sido uma instituição cada vez mais positiva e de apoio.
Museus expressando os valores e ideias de identidade através de coisas coletadas e as
maneiras pelas quais elas são apresentadas fornecem um foco no processo de
socialização. Huseums confrontam o indivíduo com percepções estruturadas e
informações sobre si mesmo. seu passado. suas afiliações de grupo. e seu mundo. às
vezes com mais eficácia do que outros. que produzem uma resposta nele baseada em
suas próprias experiências pessoais. A essência dessa resposta é potencialmente
incorporada em sua compreensão do que significa ser quem ele é.
Os museus de hoje estão lentamente se tornando conscientes da
incongruência da identidade, passada e presente, como retratada em sua estrutura
institucional. e estão começando a enfrentar as realidades da identidade imposta e os
efeitos que tal imposição tem sobre as pessoas, tanto membros quanto não-membros.
Muitas vezes. no reforço da auto-imagem. a instituição do museu como representante
do grupo atuou à custa de outros grupos, tanto no processo de coleta quanto na
interpretação dos objetos coletados. Isto teve efeitos incalculáveis, para o indivíduo,
tanto interno como externo, e seu senso de identidade e. portanto. para relações
interculturais. As pessoas interagem com base no que sabem (o que sabem é um
aspecto fundacional da formação da identidade) e o que aprenderam nos museus sobre
outros é mais frequentemente do que não. inapropriado. O limite (ou grupo) que
mantém mecanismos de identidade que estabelecem relações intergrupais é construído
de premissas falsas ou distorcidas.
É um dos papéis da museologia fornecer diretrizes para mediar o impacto que
esses aspectos da identidade, como acentuados nos museus, têm sobre o estado atual
do mundo.

Museologia e Identidade
Inicialmente, deixe - me definir museologia como a teoria organizacional e relacional de.
o conhecimento necessário para o conhecimento. e os métodos e enquadramento
metodológico necessário para tornar a preservação um participante integrativo ativo na
experiência humana. Embora essa definição abranja todas as funções e atividades da
instituição do museu, talvez seja muito ampla para alguns. Faço-o, no entanto, para
facilitar a crescente conscientização da responsabilidade pessoal e institucional que
está gradualmente aparecendo na consciência humana e encorajar o crescimento
criativo e o desenvolvimento do conceito e da forma dos museus dentro de um contexto
cultural mais amplo. Começo com a premissa de que a mudança é a principal influência
da experiência humana, bem como do mundo natural e de todas as sociedades.
passado e presente. são parte integrante dessa experiência. Todas as sociedades
mudam. Enquanto a preservação é o processo de retendo elementos do passado
dentro do presente e para o futuro. a essência da preservação é a documentação da
mudança. O passado já foi o presente, pois o presente se tornará o passado. A
essência da museologia é encontrada. Eu acho que. em usar o entendimento obtido
com o processo de preservação. tanto filosoficamente e como fato. de uma forma que
influencia diretamente o futuro, afetando o presente.
A identidade é um fator muito importante na preservação, no presente, nos
museus e na museologia, mas não é o único fator nem a única abordagem. Identidade e
museologia devem se entrelaçar em um nível muito fundamental, o de facilitar a
preservação integrativa através do desenvolvimento da identidade em sua mais
completa variedade. Museus individuais. Por razões políticas, econômicas, ideológicas
ou práticas, adote uma abordagem limitada ou particular à identidade. Acredito que uma
das principais funções da museologia é expandir essa abordagem particulada sem
perder o significado da preservação e dos museus para a comunidade local ou limitar a
importância de coleções especificamente focadas. Concordar ou não comigo depende,
em parte, de termos ou não as mesmas premissas. (1) Existe uma necessidade
universal fundamental no mundo de hoje para valorizar a diversidade humana e
promover o respeito a essas diferenças nas relações humanas. (2) Existe uma
tendência humana básica de buscar auto-estima - em detrimento de outros e que todas
as sociedades humanas possuem - os elementos do etnocentrismo. (3) Existe
conhecimento e experiência acumulados suficientes para indicar a necessidade de
desenvolver uma apreciação e uma aceitação do autocontrole na interação dos mundos
cultural e natural.
Se assim for, então a museologia pode ser vista como uma forma
potencialmente eficaz de facilitar a consciência ou consciência da identidade humana e
a aceitação dos direitos, obrigações e responsabilidades para com outros membros e
para o mundo natural que acompanhar tal afiliação.
A museologia, como preservação integradora, e o museu, como ferramenta
básica nesse processo, se deparam com responsabilidades no enfrentamento dos
problemas de identidade acentuados pelo próprio museu, como instituição sociocultural
específica e também como estado dos assuntos humanos. A museologia deve começar
por reconhecer as forças ideológicas políticas, econômicas e áridas que impactam o
museu e o processo de preservação. Com o conhecimento, espero, virá a compreensão
e a capacidade de acomodar essas influências.
A coleta deve então ser feita com sensibilidade à implicação inerente à estrutura
da identidade interna e imposta. Ênfase na auto-restrição e uma visão de mundo na
coleta de outros é aparente. Eu esperaria ver colecionar museologicamente estruturado
evoluir para um procedimento de troca entre grupos. Isso acabaria por quebrar algumas
das barreiras impostas por uma visão particular da identidade, ao mesmo tempo em que
apoiava a integridade básica da identidade.
Da mesma forma, a apresentação, a exibição e a interpretação do que é
preservado da identidade devem ser feitas com a mesma sensibilidade e consciência.
As ações passadas não são mais adequadas ou aceitáveis à luz do entendimento atual,
e a identidade imposta deve ser entendida dentro dessa estrutura.
A apresentação das identidades de qualquer grupo deve enfatizar cada vez mais
a experiência humana mais ampla, cultural, tecnológica e natural, e reconhecer a
necessidade de ser honesto na auto-avaliação, aceitando o ideal e o real, o bem e o
mal na história, a mudança tecnológica e o impacto humano na natureza. A
apresentação, incorporação ou comparação de identidade através da manipulação dos
símbolos disso deve ser feita dentro de uma perspectiva mais ampla, moderando o
interesse próprio com responsabilidade. As realidades práticas da política, do dinheiro,
da ideologia e do etnocentrismo tornam difícil o acaso do ideal, se não impossível. Cada
grupo deve ter a oportunidade de se expressar honestamente nos outros de maneira
que seja significativo para si mesmo e, ao mesmo tempo, compreensível para os outros.
Infelizmente, nem todos os fenômenos culturais são traduzíveis em outra estrutura
cultural.
A instituição museológica tradicionalmente estruturada também não é
necessariamente adequada para uma preservação integrativa eficaz, porque faz parte
de um desenvolvimento cultural específico. É sobrecarregado por uma epistemologia
específica e sistema de valores. A museologia precisa criar e fomentar uma relação
simbiótica entre as realidades da preservação e os mecanismos culturais variáveis que
farão com que formas de preservação fundamentais sejam significativas vida, bem
como a identidade.
Novas formas já estão se desenvolvendo dentro das sociedades industrializadas
e por tais sociedades para grupos incorporados (Crispi e Greenberg, 1986). O insight
criativo e o ímpeto devem vir de diferentes tradições culturais se a museologia se
estender além dos limites impostos pela tradição em que ela cresceu. O apoio e a
manutenção da identidade em toda a sua magnífica e dinâmica diversidade deve ser
um esforço universal. Não é da exclusiva responsabilidade do museus ou da
museologia. No final, devemos retornar ao indivíduo e as ramificações que sua
compreensão de identidade tem em sua ação. É a resposta do indivíduo às informações
apresentadas nos museus e a efetiva integração da preservação em sua vida, que tem
o potencial de afetar os inter-relacionamentos, modificando a auto percepção da
identidade.
Palavras são (relativamente) fáceis de produzir; a ação é muito mais difícil.
generalizações e ideais generalizados podem ser auto-satisfatórios. as realidades da
vida dificultam a sua realização. Não acredito que os problemas do mundo de hoje,
grandes ou pequenos, possam ser reduzidos a simples declarações de identidade. No
entanto, o reconhecimento do impacto da identidade nas relações interpessoais e
interculturais e os efeitos que os museus e a museologia têm sobre esse impacto não
podem ser ignorados.