Você está na página 1de 5

Sobre Diferença e Repetição de Deleuze

e Ensaio sobre as noções de estrutura e


existência em matemática de Albert
Lautman

Devemos falar de uma dialética do cálculo e não de uma metafísica. Por "dialética", não
queremos dizer qualquer tipo de circulação de representações opostas que as faça coincidir na
identidade de um conceito, mas o elemento problemático, na medida em que isso pode ser
distinguido do elemento propriamente matemático das soluções. Seguindo a tese geral de Lautman,
um problema tem três aspectos: sua diferença de tipo das soluções; sua transcendência em relação
às soluções que ele engendra com base em suas próprias condições determinantes; e sua imanência
nas soluções que o cobrem, sendo o problemaquanto melhor resolvido, mais é determinado. Assim,
as conexões ideais constitutivas da Idéia problemática (dialética) são encarnadas nas relações
reais que são constituídas por teorias matemáticas e transportadas para problemas na forma de
soluções(Gilles Deleuze, Diferença e Repetição . Trans. Paul Patton. New York: Columbia, 1994. p.
178.).

Seguindo o trabalho de Lautman e Vuillemin sobre matemática, o "estruturalismo" parece-


nos o único meio pelo qual um método genético pode alcançar suas ambições. É suficiente entender
que a gênese ocorre no tempo não entre um termo real, por menor que seja, e outro termo real, mas
entre o virtual e sua efetivação - em outras palavras, vai da estrutura para a encarnação, das
condições de um problema aos casos de solução, desde os elementos diferenciais e suas conexões
ideais até termos reais e relações reais diversas que constituem em cada momento a realidade do
tempo. Trata-se de uma gênese sem dinamismo, evoluindo necessariamente no elemento de supra-
historicidade, uma gênese estática que pode ser entendida como o correlato da noção de síntese
passiva,e que por sua vez ilumina essa noção. Não foi o erro da interpretação moderna do cálculo
condenar suas ambições genéticas sob o pretexto de ter descoberto uma "estrutura" que dissociou o
cálculo de quaisquer considerações dinâmicas ou econômicas? Há idéias que correspondem a
relações e realidades matemáticas, outras que correspondem a leis e fatos físicos. Há outros que, de
acordo com sua ordem, correspondem a organismos, estruturas psíquicas, línguas e
sociedades; suas correspondências sem semelhança são de natureza genético-estrutural. Assim
como a estrutura é independente de qualquer princípio de identidade, a gênese é independente de
uma regra de semelhança. No entanto, uma Idéia com todas as suas aventuras emerge na medida
em que já satisfaz certas condições estruturais e genéticas, e não outras.(Gilles Deleuze, Diferença e
Repetição . Trans. Paul Patton. Nova York: Columbia, 1994, p. 183-84.).

Albert Lautman indicou claramente essa diferença de gênero entre a existência e a


distribuição de pontos singulares que se referem ao elemento-problema, e a especificação desses
mesmos pontos que se refere ao elemento-solução: Le probleme du temps,Paris: Hermann, 1946,
p. 42. Ele enfatiza, a partir de então, o papel dos pontos singulares em sua função
problematizadora, que rege as soluções: '1. permitindo a determinação de um sistema fundamental
de soluções que pode ser analiticamente estendido ao longo de todo caminho que não encontre
singularidades; 2 ... seu papel é dividir um domínio para que a função que garante a representação
possa ser definida nesse domínio; 3. permitem a passagem da integração local das equações
diferenciais para a caracterização global das funções analíticas, que são as soluções dessas
equações: Essay sur les notions de structure et d'existence en mathématiques, Paris: Hermann,
1938, p. vol. II, p. 138.(Gilles Deleuze, Diferença e Repetição. Trans. Paul Patton. New York:
Columbia, 1994. nota de rodapé 9, p. 324.)

O problema é ao mesmo tempo transcendente e imanente em relação às suas


soluções. Transcendente, porque consiste em um sistema de ligações ideais ou relações diferenciais
entre elementos genéticos. Imanente, porque essas ligações ou relações encarnam-se nas relações
reais que não se assemelham a elas e são definidas pelo campo da solução. Em nenhum lugar
melhor do que no admirável trabalho de Albert Lautman foi mostrado como os problemas são as
primeiras Ideias Platônicas ou ligações ideais entre noções dialéticas, relativas a 'situações
eventuais do existente'; mas também como eles são realizados dentro da verdadeira relações
constitutivo da solução desejada dentro de um matemático, físicoou outro campo. É nesse sentido,
segundo Lautman, que a ciência sempre participa de uma dialética que aponta para além dela - em
outras palavras, em um poder meta-matemático e extra-proposicional - ainda que as ligações
dessa dialética sejam encarnadas apenas em efetivos avanços científicos. proposições e teorias. Os
problemas são sempre dialéticos. É por isso que, sempre que a dialética "esquece" sua relação
íntima com as Idéias na forma de problemas, sempre que se contenta em rastrear problemas a
partir de proposições, perde seu verdadeiro poder e cai sob o poder do negativo, necessariamente
substituindo para a objetividade ideal da problemáticaum simples confronto entre proposições
opostas, contrárias ou contraditórias. Essa longa perversão começa com a própria dialética e
atinge sua forma extrema no hegelianismo. Se é verdade, contudo, que são problemas, em
princípio, dialéticos, e suas soluções, científicas, devemos distinguir completamente entre os
seguintes: o problema como instância transcendental; o campo simbólico no qual o movimento
imanente do problema é encarnado, e em termos do qual o simbolismo precedente é definido. A
relação entre esses elementos será especificável apenas por uma teoria geral dos problemas e pela
síntese ideal correspondente (Gilles Deleuze, Difference and Repetition . Trans. Paul Patton. New
York: Columbia, 1994, p. 163-64.).

O que se segue é a Introdução ao Essai sobre as noções de estrutura e


deexistência em mathématiques de Albert Lautman : Les schémas de structure . Paris,
Hermann & Cle Ed., 1938. p. 7-15. Tradução original de Taylor Adkins em 16/10/07.

Este livro nasce do sentimento de que, no desenvolvimento da matemática, continua uma


realidade que a filosofia matemática tem como função reconhecer e descrever. O espetáculo da
maioria das teorias modernas da filosofia matemática é extremamente desapontador a esse
respeito. Geralmente, a análise da matemática revela apenas coisas muito pequenas e coisas muito
pobres, como a pesquisa da identidade ou o caráter tautológico das proposições [1] . É verdade que
em Meyersona aplicação da identidade racional a várias matemáticas supõe uma realidade que
resiste à identificação; parece que há, portanto, a indicação de que a natureza dessa realidade é
diferente do diagrama simplista demais com o qual se tenta descrevê-la; por outro lado, o
desenvolvimento do conceito de tautologia eliminou completamente da escola de Russell a ideia de
uma realidade adequada para a matemática.

Para Wittgenstein e Carnap , a matemática nada mais é do que uma linguagem indiferente aos
conteúdos que ela expressa. Apenas as propostas empíricas se refeririam a uma realidade objetiva, e a
matemática seria apenas um sistema de transformações formais, possibilitando a conexão de uns aos
outros com os dados da física. Se alguém tentar entender as razões para esse desvanecimento
progressivo da realidade matemática, pode-se concluir que resulta do uso do método
dedutivo. Querer construir todas as noções matemáticas a partir de um pequeno número de noções e
proposições lógicas primitivas faz perder de vista o caráter qualitativo e integral das teorias
constituídas.

No entanto, o que esta matemática nos permite esperar com o filósofo é uma verdade que
apareceria na harmonia de seus edifícios, e neste campo, assim como outros, a pesquisa das noções
primitivas deve render lugar para um estudo sintético do todo . Parece-nos a este respeito em uma
conexão bastante estranha, que depois de ter realizado as investigações mais completas sobre as
teorias relativas ao espaço e número, Poirier queria ver na matemática apenas um conjunto de
símbolos sem sentido [2]. Ele parece ter abordado esses símbolos com a intenção de pedir-lhes que
enriquecessem as indicações que sugerem a realidade da percepção externa ou do sentido interno. A
realidade é para ele, antes de mais nada, a experiência imediata, e as teorias abstratas não nos dão
nenhuma compreensão. Poirier quase censura essas teorias pela grandeza de sua perfeição. A
facilidade com que essas teorias correspondem dá ao aspecto de cada um deles um caráter
possivelmente arbitrário, assim como outros. Nenhum deles impõe ao espírito o sentimento de uma
necessidade que resultaria da natureza das coisas, e nunca se encontra nada além de processos
formais, que não respondem a uma "classificação natural e intuitiva" de seus objetos.
Acreditamos que é possível chegar a conclusões menos negativas, e a filosofia matemática
contemporânea permanece envolvida em dois caminhos diferentes, cada um com um estudo positivo
da realidade matemática. Essa realidade pode, de fato, ser caracterizada pela maneira pela qual é
permitida ser apreendida e organizada; também pode ser visto de maneira intrínseca, do ponto de
vista de sua própria estrutura. Em primeiro lugar, vamos tentar resumir rapidamente as ideias
fundamentais de ambos os métodos.
Não há filósofo hoje que desenvolveu mais do que Leon Brunschvicg a idéia de que a
objetividade da matemática era o trabalho da inteligência, em seu esforço para triunfar sobre as
resistências que a matéria sobre a qual ela trabalha se opõe. Esta questão não é fácil nem
uniforme; tem suas dobras, suas bordas, suas irregularidades e nossos desenhos nada mais são que
um arranjo provisório que permite ao espírito continuar. A matemática foi constituída como
física; Para explicá-lo, temos que examinar a história dos paradoxos que o progresso da reflexão
tornou compreensível através de uma constante renovação do sentido dessas noções essenciais. Os
números irracionais, o infinitamente pequeno, as funções contínuas sem derivada, a transcendência
de ee п, e o transfinito foi admitido por uma necessidade incompreensível de fato antes de se ter uma
teoria dedutiva deles. Já se acreditou que o destino de certas constantes físicas como c ou h era
essencial de uma maneira incompreensível nos campos mais divergentes, até que o gênio de Maxwell,
Planck ou Einstein soubesse ver na constância de seu valor a conexão de eletricidade e luz, luz e
energia. Entende-se, assim, a desconfiança de Brunschvicg em relação a todas as tentativas que
gostariam de deduzir a unidade da matemática a partir de um pequeno número de princípios
iniciais. Brunschvicg também se opôs, em Les Etapes de la philosophie mathématique, a redução da
matemática à lógica, contra a ideia de que poderia haver princípios gerais em matemática como o
princípio de continuidade de Poncelet ou o princípio da permanência nas leis formais
de Hankel . Qualquer esforço de dedução a priori tende a reverter a ordem natural do espírito na
descoberta matemática. Não se deve, contudo, interpretar a filosofia matemática de Brunschvicg
como uma pura psicologia da invenção criativa. "Entre as aventuras da invenção", ele escreve,
que interessa apenas uma consciência individual, e as formas de discurso que se
relacionam especialmente com a tradição pedagógica, (filosofia matemática) delimitará
o terreno onde ocorreu a aquisição coletiva do conhecimento, reconhecerá as estradas
reais que traçaram a inteligência criativa .

Entre a psicologia do matemático e a dedução lógica, deve haver um lugar para uma
caracterização intrínseca da realidade. É necessário que ele participe ao mesmo tempo do movimento
da inteligência e do rigor lógico, sem se fundir com um ou outro, e será nossa tarefa testar essa
síntese.

O ponto de vista estrutural ao qual devemos nos referir também é o da meta-matemática


de Hilbert . Sabemos a diferença que separa o desenho de matemática de Hilbert do do
Principia Mathematica.de Russell e Whitehead. Hilbert substitui o método de definições genéticas
pelas definições axiomáticas, e longe de querer reconstruir toda a matemática a partir da lógica, ele
introduz, ao contrário, ao passar da lógica para a aritmética e da aritmética para a análise, novas
variáveis e novas axiomas que ampliam o campo de consequências de cada vez. Aqui, por exemplo,
segundo Bernays, que publicou na edição dos trabalhos completos de Hilbert um estudo geral do
trabalho de Hilbert sobre os fundamentos da matemática, tudo o que é necessário dar para formalizar
a aritmética: o cálculo de proposições, os axiomas da igualdade, o axiomas aritméticos da função do
“seguinte” ( um+ I), as equações de recorrência para adição e multiplicação e finalmente uma certa
forma do axioma de escolha. Para formalizar a análise, é necessário poder aplicar o axioma de
escolha, não apenas com variáveis numéricas, mas com uma categoria maior de variáveis, na qual as
variáveis são funções de números. Assim, a matemática surge como sínteses sucessivas, em que cada
estágio é irredutível ao estágio anterior. Além disso, e isso é o mais importante, uma teoria assim
formalizada é incapaz de trazer consigo a prova de sua coerência interna; A meta-matemática deve
ser sobreposta como aquela que toma a matemática formalizada como um objeto e a estuda do ponto
de vista duplo da não-contradição e da conclusão. A dualidade de planos que Hilbert estabelece entre
a matemática formalizada e o estudo meta-matemático desse formalismo tem como conseqüência o
fato de que os conceitos de não-contradição e completamento governam um formalismo dentro do
qual eles não aparecem como conceitos definidos neste formalismo. É para expressar este papel
dominando conceitos meta-matemáticos em comparação com a matemática formalizada que Hilbert
escreve[3] :
Axiomas e proposições demonstráveis, isto é, as fórmulas que nascem do
conjunto dessas ações recíprocas (ou seja, a dedução formal e a adição de novos
axiomas), são as imagens dos pensamentos que constituem os processos comuns da
matemática desenvolvida até agora, mas são não as verdades no sentido absoluto. As
verdades no sentido absoluto são completamente as visões ( Einsichten ) que dão à minha
teoria da demonstração o que diz respeito à resolutividade e à não contradição desses
sistemas de fórmulas.

A teoria matemática recebe seu valor das propriedades meta matemáticas que sua estrutura
assim encarna.

O projeto estrutural e o projeto dinâmico da matemática parecem, em primeiro lugar, opor-se


a si mesmos: o de fato tende a considerar uma teoria matemática como um todo completo,
independente do tempo, o outro, ao contrário, não separa os estágios temporais de seu
desenvolvimento; para os primeiros, as teorias são como seres qualitativamente distintos um do
outro, enquanto o último vê em cada um um poder infinito de expansão além de seus limites e
conexão com os demais, porque se afirma como a unidade da inteligência. Gostaríamos, no entanto,
nas páginas seguintes, de tentar desenvolver um projeto de realidade matemática onde a fixidez das
noções lógicas fosse combinada com o movimento que vive através dessas teorias.

Na meta-matemática de Hilbert, propõe-se examinar teorias matemáticas do ponto de vista


dos conceitos lógicos de não-contradição e completude, mas existe apenas um ideal para o qual a
pesquisa é dirigida, e se sabe em que ponto ideal realmente parece difícil de alcançar [4]. Pode-se,
portanto, considerar a metamatemática a ideia de certas estruturas perfeitas, eventualmente
realizáveis por teorias matemáticas efetivas (independentemente de saber se existem teorias que
apreciam as propriedades em questão, porque se pode simplesmente ter a declaração de um
problema lógico sem ter por qualquer meio os meios matemáticos para resolvê-lo.Essa distinção
entre a posição de um problema lógico e sua solução matemática às vezes parece dificilmente fértil,
porque o essencial não é saber se uma teoria pode ser não-contraditória, mas que é capaz de decidir
efetivamente se é ou não é.

No entanto, parece-nos possível considerar outras noções lógicas, provavelmente também


possivelmente ligadas entre si dentro de uma teoria matemática e que são tais que, ao contrário dos
casos anteriores, as soluções matemáticas dos problemas que elas representam podem compreendem
um número infinito de graus. Os resultados parciais, as aproximações pararam no meio do caminho,
os testes que ainda se assemelham a mudanças, são organizados sob a unidade de um tema comum e
vemos em seu movimento uma conexão que toma forma entre certas idéias abstratas, que nos
propomos chamar de dialética. Matemática, e especialmente matemática moderna, álgebra, teoria de
grupos, topologia [5], assim nos pareceu recontar, misturado com construções em que o matemático
está interessado, outra história, mais disfarçada, e feita para o filósofo.

Uma ação dialética é constantemente apresentada em segundo plano e é para esclarecer que
nossos seis capítulos convergirão neste ponto. Os três primeiros capítulos tratam especialmente de
noções matemáticas desestruturadas. Estudamos no capítulo I (o local e o global) a solidariedade
quase orgânica que empurra as partes para serem organizadas em um todo e o todo para ser refletido
nelas; examinamos então no capítulo II (Propriedades intrínsecas e propriedades indutivas) se é
possível trazer de volta as relações que um ser matemático suporta com um meio ambiente, nas
propriedades inerentes características deste ser. Mostramos no capítulo III (ascensão para
conclusão) como a estrutura de um ser imperfeito pode às vezes pré-forma a existência de um ser
perfeito no qual qualquer imperfeição desapareceu. Então os três capítulos relacionados ao conceito
de existência vêm. Tentamos desenvolver no capítulo IV (Essência e Existência) uma nova teoria das
relações de essência e existência onde se vê a estrutura de um ser a ser interpretado em termos de
existência para outros seres que não o ser de que se estuda a estrutura. O Capítulo V (o Misto)
descreve certas Misturas intermediárias entre diferentes tipos de Seres e cuja consideração é
frequentemente necessária para operar a passagem de um tipo de ser para outro tipo de ser; nosso
capítulo final (Do caráter excepcional da existência) finalmente descreve os processos pelos quais um
ser pode ser distinguido dentro de um infinito dos outros. Tentamos desenvolver no capítulo IV
(Essência e Existência) uma nova teoria das relações de essência e existência onde se vê a estrutura
de um ser a ser interpretado em termos de existência para outros seres que não o ser de que se estuda
a estrutura. O Capítulo V (o Misto) descreve certas Misturas intermediárias entre diferentes tipos de
Seres e cuja consideração é frequentemente necessária para operar a passagem de um tipo de ser
para outro tipo de ser; nosso capítulo final (Do caráter excepcional da existência) finalmente descreve
os processos pelos quais um ser pode ser distinguido dentro de um infinito dos outros. Tentamos
desenvolver no capítulo IV (Essência e Existência) uma nova teoria das relações de essência e
existência onde se vê a estrutura de um ser a ser interpretado em termos de existência para outros
seres que não o ser de que se estuda a estrutura. O Capítulo V (o Misto) descreve certas Misturas
intermediárias entre diferentes tipos de Seres e cuja consideração é frequentemente necessária para
operar a passagem de um tipo de ser para outro tipo de ser; nosso capítulo final (Do caráter
excepcional da existência) finalmente descreve os processos pelos quais um ser pode ser distinguido
dentro de um infinito dos outros. O Capítulo V (o Misto) descreve certas Misturas intermediárias
entre diferentes tipos de Seres e cuja consideração é frequentemente necessária para operar a
passagem de um tipo de ser para outro tipo de ser; nosso capítulo final (Do caráter excepcional da
existência) finalmente descreve os processos pelos quais um ser pode ser distinguido dentro de um
infinito dos outros. O Capítulo V (o Misto) descreve certas Misturas intermediárias entre diferentes
tipos de Seres e cuja consideração é frequentemente necessária para operar a passagem de um tipo de
ser para outro tipo de ser; nosso capítulo final (Do caráter excepcional da existência) finalmente
descreve os processos pelos quais um ser pode ser distinguido dentro de um infinito dos outros.

Gostaríamos de mostrar que as idéias que estão à frente de cada capítulo e que nos parecem
dominar o movimento de certas teorias matemáticas, para serem concebidas independentemente da
matemática, não são, no entanto, passíveis de serem abordadas em um estudo direto. Eles existem
apenas em comparação com uma questão que eles penetram na inteligência, mas pode-se dizer que,
por outro lado, eles são aqueles que conferem à matemática seu valor filosófico eminente. O método
que vamos seguir é, portanto, principalmente um método descritivo de análise; as teorias
matemáticas constituem para nós um dado no qual nos empenharemos em liberar a realidade ideal
da qual esse assunto participa.

[1] Cf. essa passagem de Russell: “Eles (proposições matemáticas) têm todas as características
que, um momento atrás, era aconselhável chamar de tautologia. Isso combinado com o fato de que
eles podem ser expressos usando variáveis ou constantes lógicas, fornecerá a definição de lógica ou
matemática pura ”.
[2] Cf. René Poirier,Essências sobre as caractéres das noções de espaço e de temps.
[3] Hilbert,Die logischen Grundlagen der Mathematik.
[4] Cf. Jean Cavaillès,Méthode axiomatique et formalisme. Essai sur le problème du
fondement des mathématiques.
[5] Nós expomos isso em nossa tese complementar:Essai sur l'unité des sciences
mathématiques dans leur développement actuel,certos aspectos que tornam possível distinguir a
matemática moderna da matemática clássica.