Você está na página 1de 23

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

INSTITUTO DE LETRAS E LINGUÍSTICA


ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE LÍNGUA INGLESA 1

CAROLINA SILVA DE ALMEIDA

MODELO DE RELATÓRIO DE ESTAGIO.


ESTE É UM RELATÓRIO DE OUTRO CURSO. APENAS PARA QUE VC
TENHA UM EXEMPLO.
ADAPTE-O AO NOSSO “ROTEIRO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO” E ÀS
ESPECIFICIDADES DO RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICAS EM


TRADUÇÃO

Uberlândia
2017
Sumário

Introdução......................................................................................................................... 3
Observações de aula.......................................................................................................... 4
Considerações sobre as observações de aula......................................................... 7
Curso elaborado para o estágio. No nosso caso: Curso observado no
estágio............................................................................................................................... 8
Aulas planejadas. No nosso caso: Conteúdos e metodologias das aulas
observadas....................................................................................................................... 8
Cronograma do curso............................................................................................. 9
Materiais utilizados............................................................................................... 9
Considerações finais........................................................................................................ 11
Bibliografia..................................................................................................................... 12
Anexos............................................................................................................................
Anexo I – Planos de aula.................................................................................. 17
Anexo II – Materiais utilizados......................................................................... 20
Introdução

Este relatório foi produzido como condição obrigatória para a aprovação da disciplina
Estágio Supervisionado de Práticas em Tradução, oferecido no segundo semestre de 2016.
A disciplina foi dividida em aulas teóricas, estágio divido entre observações de aula e
regência na escola, e elaboração do relatório e artigo para a conclusão da disciplina.

Durante o estágio na escola, tivemos que observar seis aulas e, pelo tempo reduzido
devido às manifestações do final de 2016, ministramos apenas três aulas. É importante
mencionar que, originalmente, essa estrutura de relatório foi pensada para duplas de
alunos, mas tive de fazê-lo sozinha, por isso onde deveriam haver observações sobre a
aula do parceiro existem apenas três diários críticos de minha própria prática.

Na parte teórica da disciplina, tivemos a apresentação e discussão de textos sobre o papel


da tradução no ensino-aprendizagem de língua inglesa. Um dos objetivos desta disciplina
foi desmistificar a tradução como ferramenta instrumental e ultrapassada, e entende-la
como uma habilidade que faz parte do processo natural de aquisição de uma língua
estrangeira.

A confecção deste relatório deve contemplar a experiência deste estágio, a reflexão crítica
sobre a prática observada e realizada, percebendo o contraste da teoria vista até agora
durante a graduação à prática de docência exercida neste estágio de tradução.

Em seu relatório acrescente, na INTRODUÇÃO um subitem com


TODAS as informações sobre a ESCOLA:

- História da escola
- Descrição do espaço físico
- Descrição do público alvo
- Descrição da estrutura administrativa e pedagógica
- Considerações sobre a escola como um todo (a partir da experiência de
observação)

3
Observações de Aula

Em seu relatório, descreva as 12 observações

Como exigência para o estágio, observamos uma quantidade mínima de três aulas em
uma das turmas. As turmas que escolhi para observar as aulas foram o 9º ano 15 e o 9º
ano 17, que tinham aulas às segundas e sextas-feiras. As observações foram feitas com
base na ficha de observação de aula 1 e as considerações sobre as aulas assistidas nas
discussões durante as aulas da disciplina de Estágio de Tradução.

Observação 1 – 14/11

O professor Havia pedido aos alunos que apresentassem cartazes sobre personagens do
Halloween e do folclore em geral. Ele iniciou a aula me apresentando e em seguida pediu
para que os grupos se apresentassem. O principal foco da aula foi a cultura de países de
língua inglesa.

A atividade prosseguiu bem organizada (aqueles que não apresentaram teriam até a
semana seguinte para fazê-lo), a atividade foi interessante para os alunos e gerou bastante
interesse da turma. Entretanto, todas as partes da aula foram feitas em português. Tanto
as apresentações quanto os cartazes foram feitos em língua materna e em nenhum
momento o professor usou a língua inglesa para instruir os alunos.

Ao final da aula, uma pequena quantidade do tempo sobrou, e o professor permitiu que
os alunos conversassem, lessem ou jogassem em seus celulares.

Observação 2 – 18/11

O professor deu sequência às atividades dos cartazes, com novos grupos se apresentando.
Alguns alunos admitiram terem mudado o trabalho após ver que os colegas haviam
escolhido o mesmo personagem, mas outros seguiram apresentando versões diferentes
dos mesmos personagens.

1
Anexo X

4
Dessa vez, o professor utilizou o tempo extra para realizar uma dinâmica com os alunos.
Nesta dinâmica, ele pediu que os alunos desenhassem em uma folha de caderno o animal
que eles gostariam de ser, e, após isso, perguntou sobre os animais escolhidos e os
associou à traços de personalidade.

Depois, o professor pediu para que os alunos amassassem as folhas e arremessassem em


direção ao cesto de lixo da sala, sem saírem do lugar. Ele usou essa parte da dinâmica
para mostrar aos alunos que, aqueles que estão mais longe de seus objetivos tem muitas
dificuldades para atingi-los.

Observação 3 – 21/11

O professor finalizou a atividade de avaliação dos cartazes. Pelo pequeno número de


alunos que ainda tinham que apresentar-se, o professor pode fazer mais intervenções,
perguntando e incitando os alunos a falarem mais sobre os personagens escolhidos.

O professor também incentivou que outros alunos falassem sobre a apresentação dos
colegas, o que não teve muitas reações positivas ou críticas construtivas. Os alunos
pareceram desmotivado com a mesma atividade seguir por tanto tempo, aqueles que
apresentaram anteriormente estavam dispersos e não aparentavam interesse.

No tempo restante da aula, o professor instruiu brevemente os alunos sobre o conteúdo


da prova bimestral e, após isso, os alunos puderam realizar outras atividades e trabalhos
de outras disciplinas.

Observação 4 – 14/11

O professor Havia pedido aos alunos que apresentassem cartazes sobre personagens do
Halloween e do folclore em geral. Ele iniciou a aula me apresentando e em seguida pediu
para que os grupos se apresentassem. O principal foco da aula foi a cultura de países de
língua inglesa.

Os alunos se mostravam mais inquietos, e criticavam os colegas durante a exposição dos


trabalhos. Nessa turma, apenas três grupos se apresentaram, deixando uma grande parte
da aula livre, onde os alunos ficaram basicamente sem supervisão, com instruções apenas

5
para não fazerem barulho demais. Alguns alunos ficaram intrigados com minha presença,
me fazendo perguntas sobre o estágio.

Todas as atividades e instruções foram dadas em português. Os cartazes e as discussões


dos alunos também estavam em português e não houve momentos específicos para o uso
da língua-alvo.

Observação 5 – 14/11

O professor deu sequência às atividades dos cartazes, com novos grupos se apresentando.
A turma se envolveu mais com a atividade, apontando semelhanças entre os trabalhos
apresentados, sempre em português;

Dessa vez, o professor utilizou o tempo extra para realizar uma dinâmica com os alunos.
Nesta dinâmica, ele pediu que os alunos desenhassem em uma folha de caderno o animal
que eles gostariam de ser, e, após isso, perguntou sobre os animais escolhidos e os
associou à traços de personalidade.

Depois, o professor pediu para que os alunos amassassem as folhas e arremessassem em


direção ao cesto de lixo da sala, sem saírem do lugar. Ele usou essa parte da dinâmica
para mostrar aos alunos que, aqueles que estão mais longe de seus objetivos tem muitas
dificuldades para atingi-los.

Observação 6 – 21/11

O professor finalizou a atividade de avaliação dos cartazes. Ele pediu para que os alunos
recontassem algumas das histórias e perguntou sobre a veracidade delas, não confirmando
ou desmistificando nenhuma, mas buscando fazer com que os alunos definissem o que
era real. Os resultados não foram muito positivos.

Os alunos puderam utilizar os celulares para buscar informações sobre as criaturas


fantásticas que trabalharam e dividir com os colegas. O professor mostrou à turma um
vídeo sobre sereias e sobre o chupa-cabra como exemplo para a atividade.

6
No tempo restante da aula, o professor instruiu brevemente os alunos sobre o conteúdo
da prova bimestral e, após isso, os alunos puderam realizar outras atividades e trabalhos
de outras disciplinas.

Considerações sobre a observação de aula

Para elaborar as considerações, utilize nossos textos de aula, e também


tenha em mente os objetivos do relatório, expostos no roteiro de
elaboração de Relatório final.

Durante estas observações, pude perceber uma perspectiva muito negativa das aulas de
língua inglesa no ensino público. Embora acredite que existam muitos profissionais bem
preparados, que desenvolvem bons trabalhos no ensino de base das escolas públicas,
como vemos acompanhando pesquisas nessa área, o cenário que presenciei não poderia
ser mais desanimador.

Mesmo o professor tendo formação em letras (diferentemente de muitas escolas), ele não
estava bem preparado durante as aulas observadas. As atividades não possuíam nenhum
objetivo claro, e não levaram à nenhuma aprendizagem sobre a língua inglesa. Segundo
o programa fornecido pelo professor2, o foco trabalhado com os alunos do 9º ano seria o
cotidiano de países anglófonos e expressões cotidianas. Também seria trabalhada a
diversidade cultural global.

Apesar da proposta curricular ser interessante, o professor não parece ter dedicado muito
tempo à pesquisa, pois trouxe conceitos confusos e ultrapassados para os alunos ao
discutir sobre personagens do halloween e como são criadas lendas, por exemplo. As
aulas foram todas ministradas em português com pouco ou nenhum estímulo da língua
alvo, o que impossibilita a aprendizagem de qualquer língua estrangeira.

Entretanto, a aula teve muitos momentos positivos, principalmente na dinâmica entre


professor e aluno. O professor gerava muita empatia com os alunos, controlava a turma
sem ser rude e sem depreciar os alunos, deu inúmeras chances para aqueles que

2
Este programa de curso não está anexado por questões de privacidade da identidade do professor e da
escola em questão.

7
precisavam de nota e se esforçavam, incentivou os alunos a colocarem suas posições,
corrigindo-as quando necessário de maneira sensível.

A ideia de trabalhar com gêneros literários (sobretudo gêneros ligados ao fantástico), veio
após perceber o grande interesse dos alunos pelas figuras folclóricas e mitológicas, e por
perceber que eles não conseguiam distinguir as diferenças entre os gêneros e, portanto, a
compreensão do personagem era prejudicada. Pensei também que os gêneros literários
seriam um interessante ponto de partida para trabalhar tradução com os alunos.

Curso Elaborado Para o Estágio/ Curso observado no estágio

Para o início do estágio, definimos um plano de curso, com uma proposta didática,
metodologia e objetivos que seriam almejados ao longo das três aulas do período do
estágio. O planejamento do curso antecedeu e orientou os planos de aula utilizados. O
curso se voltava para a habilidade de leitura, diferenciação de gêneros literários, aquisição
de estruturas textuais e tradução dos textos literários.

As atividades de leitura e tradução poderiam ser desenvolvidas de forma individual ou


em grupos, pela quantidade de alunos e pela duração da aula. Pelo tempo limitado do
curso, não pudemos nos estender nem trabalhar muito mais do que foi desenvolvido.

Aulas Planejadas No nosso caso: Aulas observadas

A primeira aula teve como objetivo apresentar aos alunos o plano com o qual
trabalharíamos e ligar as últimas aulas com o curso proposto. Nesta aula, trabalharíamos
apenas com um gênero literário e como reconhecer suas estruturas através da tradução
delas. Esta atividade seria importante para a segunda aula.

Na segunda aula seriam trabalhados dois gêneros, os mitos e as lendas. Primeiro, era
necessário diferenciar os dois, depois, observar como os alunos compreenderam o
conceito. A atividade da segunda aula tinha como objetivo testar a identificação de um

8
texto em certo gênero literário, metade da turma tinha um mito, outra metade, uma lenda.
Nesta aula, a tradução seria feita com o auxílio de dicionários.

A última aula do plano de curso original, entretanto, foi adaptada para se adequar à
necessidade dos alunos, e ao invés de outra atividade com comparação de gêneros
literários, optamos por uma atividade com música que comparasse a letra original com
uma tradução para podermos introduzir conceitos ligados às classes de palavras
(substantivos, adjetivos e verbos).

Cronograma do curso

Pela própria proposta do estágio,

Materiais Utilizados

Os textos utilizados foram retirados da internet e adaptados para os alunos. As adaptações


foram apenas no tamanho dos excertos, uma vez que, originalmente, eram grandes demais
para serem trabalhados em uma aula de 50 minutos. O vocabulário b

Diários Críticos

Aqui, você pode elaborar um texto corrido, destacando as questões pontuais da


prática do professor, analisando-as uma a uma. Ex: Relação com teoria e método;
Relação com ensino-aprendizagem; Relação com a pesquisa; Relação com a
construção do pensamento crítico; Relação com os materiais didáticos…

Neste exemplo abaixo, a aluna da Letras descreveu a prática dela; no caso do Relatório

de Observação da História, você irá descrever e analisar, a prática do professor.

Os dados críticos aqui apresentados são os diários reflexivos feitos por mim após minhas
próprias aulas na turma do 9ºano 15. O diário crítico tem a função não só de documentar
a experiência docente, mas de permitir reflexão sobre minha própria prática ao escrevê-
la. Apesar do tempo necessário para escrever o diário, este procedimento permite também
que o professor veja os pontos fortes de seu método e que busque soluções para suas
debilidades.

9
Aula 1 – 25/11

Comecei a aula apresentando o curso, perguntando aos alunos sobre os monstros e


personagens que os grupos haviam apresentado, e comecei a explicar a diferença entre os
gêneros que trabalharíamos (contos de fadas, mito e lenda), destacando os contos de fada.
Para a atividade, deixei os alunos formarem as duplas, o que não foi muito proveitoso,
pois as duplas de amigos passaram mais tempo conversando do que fazendo a atividade.
Perdi muito tempo entre os exercícios, tanto distribuindo os handouts quanto corrigindo-
os, não consegui explicar para todos e tive problemas para controlar a turma. Houve
alguma divergência na compreensão do texto e das atividades entre os alunos.

Aula 2 – 28/11

A atividade do início da aula interessou os alunos, e foi proveitosa, ao meu ver, para
deixar clara a diferença entre lenda e mito. Seguindo a orientação da professora
supervisora, separei as duplas por números, os resultados durante as atividades foram
melhores, mas tive que discutir para que os alunos formassem as duplas. Pedi para que os
alunos traduzissem um trecho dos textos e respondessem às perguntas.

Após a atividade, percebi que os textos eram muito difíceis e longos. Os alunos não
compreendiam a leitura e, mesmo utilizando dicionário, alguns termos não se
encontravam lá. A atividade exigiu conhecimentos prévios que eles não possuíam, e, pelo
tempo gasto não pude corrigir os exercícios e dar feedback à eles

Aula 3 – 09/12

Retomei conteúdo de língua materna: classes gramaticais, poucos dos alunos se


lembravam do conteúdo. Expliquei, alternando inglês e português a função de Adjetivos
Substantivos e Verbos e fiz os alunos pronunciarem “adjective” “nouns” e “verbs” várias
vezes. Novamente separei as duplas por números, dessa vez houve menos resistência,
distribuí a letra da música com os exercícios.

Passei a música uma vez inteira e outra vez pausando a cada dois versos. Distribuí a
tradução e orientei os alunos a fazer a atividade, lendo as perguntas com eles. Alguns
entenderam que deveriam usar a tradução como ponto de partida, outros precisaram ouvir
a explicação primeiro. Aguardei 5 minutos para que eles concluíssem as atividades, em
seguida comentamos brevemente a música. Perguntei alternadamente para vários alunos

10
sobre suas respostas das questões de vocabulário, perguntei para a turma se haviam
divergências e escrevi as respostas no quadro.

Para a segunda parte da atividade, perguntei sobre a função de um pronome e a diferença


entre pronomes pessoais e pronomes possessivos. Junto com os alunos, escrevi um quadro
com os pronomes pessoais e seus pronomes possessivos correspondentes e inglês
(Perguntei os pronomes e, conforme as respostas dos alunos, fui preenchendo o quadro,
houve apenas um caso em que os alunos não souberam o pronome correto). Pedi que os
alunos lessem cada um, um verso da música e dissessem se havia algum pronome e qual
era. Escrevi as respostas na lousa para que eles pudessem copiar.

Considerações Finais

Durante esse estágio, percebi a relevância de aulas bem estruturadas, com objetivos claros,
e atividades bem planejadas. Por mais que pareça óbvio, como graduanda, uma das
minhas maiores dificuldades era estabelecer objetivos claros, concisos e possíveis de
serem realizados para minhas aulas. Vale à pena mencionar que, por várias razões, nesse
estágio acabei responsável não apenas por uma turma, mas por todas as cinco que o
professor regia. Mesmo tendo ministrado uma quantidade pequena de aulas em cada uma,
pude perceber como é essencial que as aulas estejam bem elaboradas.

Também percebi que é realmente impossível que todas as turmas estejam no mesmo nível,
mesmo porque dentro das turmas há uma grande discrepância no nível dos alunos.
Entretanto, isso faz parte da docência na disciplina de língua estrangeira, e não é um
problema em si, apenas exige que o professor se adapte rapidamente ao contexto no qual
se encontra no momento da aula.

Apesar da acuidade no planejamento da aula, percebi que por si só, um plano bem
elaborado não garante que a aula vá acontecer como planejado. Além de interferências
normais como o ritmo da turma e dúvidas que possam surgir, há muitas interferências
externas como reuniões extraordinárias, avisos que precisam ser feitos em sala, atividades
de outras disciplinas que exigem que alguns alunos se ausentem (todas aconteceram

11
comigo durante este estágio). É inegável afirmar que tais insurgências prejudiquem a
aprendizagem, mas pensar uma escola regular sem elas seria utópico.

Antes de começar o estágio, imaginava que haveria uma grande discrepância entre a teoria
estudada e a prática observada. Apesar de acreditar que no ensino público regular
houvesse uma preocupação com a tradução, descobri que as aulas são simplesmente em
língua materna, não fazendo sentido o uso da técnica de tradução, ou empregando
nenhuma estratégia de leitura.

Deixo claro que essas considerações são voltadas apenas às aulas que assisti durante esse
estágio, não podendo afirmar de maneira geral o estado do uso da tradução em escolas do
país. Pelo que tive contato, o cenário da prática dos professores é um apego ao
tradicionalismo do ensino de gramática (com pouca ou nenhuma) tradução nas
metodologias, mas uma exaltação da oralidade e da comunicação no discurso sobre a
língua inglesa.

Fiquei satisfeita com os resultados das minhas aulas. Cometi vários erros, e aprendi
muito nesta experiência, sobretudo como podemos partir de conhecimentos à cerca de
gênero que os alunos já possuem em língua materna para trabalhar a leitura numa língua
estrangeira, e como é interessante trabalhar a habilidade de tradução juntamente com a
habilidade de leitura. Gostaria de ter tido mais tempo para desenvolver mais as
atividades com os alunos, pois senti que havia preparado um material difícil de
acompanhar, apesar do engajamento dos alunos ter sido ótimo. Acredito que, no geral, a
experiência foi muito positiva, principalmente pelo contato com a regência e pelo uso da
tradução como ferramenta e como habilidade durante as aulas.

Bibliografia

LIBERALLI, F. O diário como ferramenta para a reflexão crítica. 1999. 179f. Tese de
Doutorado em Linguística Aplicada ao Ensino de Línguas. Pontifícia Universidade
Católica de São Paulo, São Paulo 1999.

SOUZA, José Pinheiro de. Tradução e ensino de línguas. Revista do GELNE, Ceará, v.1,
n1, p.141-151, 1999.

CHECCIA, R. L.T. O Retorno do que nunca foi: O papel da tradução no ensino e


aprendizagem do inglês como língua estrangeira. 2002. Dissertação de Mestrado em

12
Lingüística Aplicada. Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução. Universidade
de Brasília, Brasília 2002.

GOMES, A.A.A. A tradução no cenário do ensino de línguas estrangeiras. Cultura &


Tradução, João Pessoa, v.1, n.1, 2011.

Textos usados nas aulas:

ANDERSEN, Hans Christian. The Princess and the Pea. East of Web shortstories.
http://www.eastoftheweb.com/short-stories/UBooks/PriPea.shtml

“BLUE PANTHER”. The Moon Story – Inuit. RootsWeb, 2016.


http://archiver.rootsweb.ancestry.com/th/read/CHEROKEE/2016-04/1460067695

SCHLOSSER, S.E. Blood Mary. American Folklore, 2009.


http://americanfolklore.net/folklore/2009/10/bloody_mary.html

13
ANEXO I
Aula 1 -

PLANO DE AULA
Estagiária: Carolina Almeida
Local do estágio: Escola Estadual Segismundo Pereira
Disciplina: Inglês
Duração da aula: 50 min Turno: Tarde

Objetivos:
- Identificar a estrutura dos contos de fadas
- Reconhecer expressões específicas características do gênero

Recursos:
- Quadro e pincel
- Fotocópias com as atividades

Metodologia:

Início da aula
A estagiária irá se apresentar e começar a apresentar o assunto da aula, fazendo um
gancho com as últimas aulas do professor, voltadas para o Halloween e os monstros
que compõe o imaginário desta data. Serão feitas perguntas sobre as histórias dos
monstros, e se elas se configuram como lendas, mitos ou contos de fadas, e em
seguida, o que caracteriza cada um desses gêneros.
Gêneros Literários
Contos de fadas: Começaremos lendo um excerto de conto de fadas em inglês com
expressões chave em destaque no texto e isoladas, compondo um glossário.
Os alunos devem ler o texto e responder perguntas de interpretação em português
sobre ele, do que ele se trata, quem são as personagens, quando se passa.
Atividade
Os alunos serão estimulados a estabelecer comparações entre a estrutura do conto de
fadas em inglês e português e devem completar o glossário, preenchendo com suas
traduções o significado das expressões em destaque.

14
Aula 2 – Myth or Legend

PLANO DE AULA
Estagiária: Carolina Almeida
Local do estágio: Escola Estadual Segismundo Pereira
Disciplina: Inglês
Duração da aula: 50 min Turno: Tarde

Objetivos:
- Identificar a estrutura dos mitos e lendas
- Diferenciar mitos e lendas baseados em sua estrutura
- Reconhecer expressões específicas características dos gêneros

Recursos:
- Quadro e pincel
- Fotocópias com as atividades

Metodologia:
Início da aula
A estagiária lembrará os alunos da aula passada e voltará com o questionamento da
diferença entre “myth” e “legend”. Os alunos deverão dizer histórias que eles acreditam
que se configuram como cada um.
Gêneros Literários
A estagiária explicará, em inglês e depois em português, a diferença entre os gêneros
literários, e pedirá para que os alunos reclassifiquem as histórias que escolheram como
mitos ou lendas.
Lendas: Estão ligados a tradições populares. Folclore, lendas urbanas. Presença de
criaturas sobrenaturais.
Mitos: Estão ligados à cultos religiosos. Mitos de criação, mitos de origem. Presença de
deuses.
Atividade
Os alunos se organizarão em duplas. Uma parte da sala receberá a folha de exercícios
com um mito, e outra parte receberá a mesma folha de exercício com uma lenda. Os
alunos deverão ler o texto e identifica-lo como lenda ou mito, justificando sua resposta.
Depois, os alunos circularão as palavras mais importantes que identificaram no texto.
Na correção da atividade, as palavras serão retomadas e traduzidas.

15
Aula 3 – Song Translation

PLANO DE AULA
Estagiária: Carolina Almeida
Local do estágio: Escola Estadual Segismundo Pereira
Disciplina: Inglês
Duração da aula: 50 min Turno: Tarde

Objetivos:
- Identificar substantivos, pronomes e verbos em um texto em inglês;
- Analisar a tradução para o português de substantivos, pronomes e verbos;
- Comparar a tradução para o português de uma música com a letra original em inglês.

Recursos:
- Quadro e pincel
- Fotocópias com as atividades
- Notebook
- Caixas de som
Música: It’s my life – Bon Jovi

Metodologia:
Atividade
Os alunos receberão um handout com a letra da música “It’s my life”, com certos verbos,
pronomes e substantivos destacados. Em seguida, a professora irá tocar a música uma
vez, com os alunos lendo a letra original. Em seguida, os alunos serão questionados
sobre a compreensão da música e receberão uma folha com a letra traduzida. A seguir,
os alunos deverão responder perguntas sobre o texto e a tradução.
Correção da atividade
Durante a correção, a professora fará breves análises da função sintática dos elementos
selecionados (substantivos, verbos e pronomes).
Nos primeiros exercícios, os alunos serão orientados a usar a tradução para responder
as perguntas. Na última questão, durante a correção, a professora separará os
pronomes entre possessivos e pessoais explicando a diferença entre seu uso com o
auxílio da tradução.

16
ANEXO II

Activities: Fairy Tales


Read the fairy tale bellow:

The Princess and the Pea

Once upon a time, in a kingdom far far away there was a prince who wanted to marry
a princess; but she would have to be a real princess. He travelled all over the world to
find one, but nowhere could he get what he wanted. There were princesses enough, but
it was difficult to find out whether they were real ones. There was always something
about them that was not as it should be. So he came home again and was sad, for he
would have liked very much to have a real princess.

One evening a terrible storm came on; there was thunder and lightning, and the rain
poured down in torrents. Suddenly a knocking was heard at the city gate, and the old
king went to open it: It was a princess standing out there in front of the gate. But the rain
and the wind had made her look really bad. The water ran down from her hair and
clothes; it ran down into the toes of her shoes and out again at the heels. And yet she
said that she was a real princess.

“Well, we'll soon find that out”, thought the old queen. But she said nothing, went into
the bedroom, took all the bedding off the bedstead, and laid a pea on the bottom; then
she took twenty mattresses and laid them on the pea. On this, the princess had to lie
all night. In the morning she was asked how she had slept.

"Oh, very badly!" said she. "Heaven only knows what was in the bed, but I was lying
on something hard, so that I am black and blue all over my body. It's horrible!"

Now they knew that she was a real princess because she had felt the pea right
through the twenty mattresses. Nobody but a real princess could be as sensitive as
that. So the prince took her for his wife, for now he knew that he had a real princess;
and the pea was put in the museum, and they lived happily ever after.

1) After reding the text, try to translate the expressions below:

Once upon a time ______________________________

Far far away ______________________________

One evening ______________________________

And yet ______________________________

On this ______________________________

Happily ever after ______________________________

17
2) Answer the questions bellow in Portuguese:

a) What is the story about?

_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________

b) Where does the story happens? Is it a real place?

_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________

c) Who are the characters of the tale?

_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________

18
Activities: Legend or Myth?

Read the story bellow and answer the questions:

Mary lived deep in the forest in a tiny cottage and sold herbal remedies for a living.
Folks living in the town nearby called her Bloody Mary, and said she was a witch. Then,
little girls in the village began to disappear, one by one. No one could find out where they
had gone. Grief-stricken families searched the woods, the local buildings, and all the
houses and barns, but there was no sign of the missing girls.

Bloody Mary denied any knowledge of the disappearances. Still, it was noted that her
haggard appearance had changed. She looked younger, more attractive. The
neighbours were suspicious, but they could find no proof that the witch had taken their
young ones. Then came the night when the daughter of the miller rose from her bed and
walked outside, following an enchanted sound no one else could hear. The miller's was
sitting up in the kitchen when her daughter left the house. She screamed for her husband
and followed the girl out of the door. The miller came running in his nightshirt. Together,
they tried to restrain the girl, but she kept breaking away from them and heading out of
town.

A few townsmen followed them out into the field and saw Bloody Mary standing beside
a large oak tree, holding a magic wand that was pointed towards the miller's house. She
was glowing with an unearthly light as she set her evil spell upon the miller's daughter.
The townsmen grabbed their guns and their pitchforks and ran toward the witch. When
she heard the commotion, Bloody Mary broke off her spell and fled back into the woods.
The angry townsmen leapt upon her and carried her back into the field, where they built
a huge bonfire and burned her at the stake.

As she burned, Bloody Mary screamed a curse at the villagers: If anyone mentioned her
name aloud before a mirror, she would send her spirit to revenge herself upon them for
her terrible death. From that day to this, anyone foolish enough to chant Bloody Mary's
name three times before a darkened mirror will summon the spirit of the witch. It is said
that the souls of these unfortunate ones will burn in torment as Bloody Mary once was
burned, and they will be trapped forever in the mirror.

Questions

1) Is this story a Legend or a Myth? Why?

_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________

2) Circle the words you believe that are more important.

19
Activities: Legend or Myth?

Read the story bellow and answer the questions:

Kanak, on fleeing from mankind, felt himself lifted up from the ground and following the
way of the dead. He soon lost all understanding of where he was and when.

When he once again knew he still was, he found himself in front of the house where the
spirit of the moon lived. The spirit of the moon helped him inside - a perilous undertaking,
for the entrance was very large and guardedby a terrible dog. The moon spirit then
breathed upon Kanak to ease the pain that racked his limbs, and, having restored him to
health, said, "No man has ever returned by the way you came. This is the way you must
take." And he opened a door and showed him a hole in the floor, from which he could
see the surface of the earth and the dwelling places of man. He then gave him food,
brought in and served by a woman whose back was that of a skeleton.
Kanak became afraid, but the moon spirit said, "The old woman will appear who takes
out the entrails of all she can tempt to laugh. If you can not hold back your smiles, scratch
your leg with the nail of your littlest finger."

Soon the old hag began to dance and whirl, licking her own back absurdly, but when
Kanak scratched his leg she gasped, and the moon spirit opened the door and threw her
down the hole. Then a voice said, "She has left her knife and platter, and if she does not
get both she will overthrow the pillars of heaven." The moon spirit opened the door and
threw down the knife and platter. Then he once again opened the door and, blowing
through a great pipe, showed Kanak how he made it snow upon the earth.

At last the moon spirit said, "Now it is time to leave me, but do not be afraid or you will
never regain life." He then pushed Kanak down the hole. Kanak again lost all knowledge
of where he was, and when, but then heard the voice of his grandmother whose spirit
had followed him and taken care of him, and he finally reached the earth's surface. He
returned to his home and became a celebrated angakok or wise man.

Questions

3) Is this story a Legend or a Myth? Why?

_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________

4) Circle the words you believe that are more important.

20
Lyrics and Translation

Listen to the song and read the lyrics bellow to answer the questions.

It’s my life – Bon Jovi


This ain't a song for the broken-hearted
Nor silent prayer for faith-departed
I ain'tgonna be just a face in the crowd
You're gonna hear my voice
When I shout it out loud

(Chorus)
It's my life
It's now or never
I ain'tgonna live forever
I just want to live while I'm alive
(It's my life)
My heart is like an open highway
Like Frankie said
I did it my way
I just wanna live while I'm alive
It's my life

This is for the ones who stood their ground


For Tommy and Gina who never backed down
Tomorrow's getting harder make no mistake
Luck ain't even lucky
Got to make your own breaks

(Chorus)

Better stand tall when they're calling you out


Don't bend, don't break, baby, don't back down

(Chorus)

1) Do you like the song? What is the song about?


_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________

Now, compare the translation with the original lyrics and answer the questions.

21
1) The word “break” can be a noun or a verb. In the sentence, “Got to make your own
breaks“, what function does it have?

__________________________________________________________________

2) What is the difference on the meaning of the words “Luck” and “Lucky”?

___________________________________________________________________

3) There are nouns and pronouns highlighted in the lyrics. Put them accordingly in
the boxes below.

Nouns Pronouns

22
É a Minha Vida

Esta não é uma canção para quem tem o coração partido


Não é uma oração para quem perdeu a fé
Eu não serei só um rosto na multidão
Você vai ouvir minha voz
Quando eu gritar bem alto

(Refrão)
É a minha vida
É agora ou nunca
Eu não vou viver para sempre
Eu só quero viver enquanto eu estou vivo
(É a minha vida)
Meu coração é como uma rodovia aberta
Como Frankie disse
Eu fiz do meu jeito
Eu só quero viver enquanto eu estou vivo
É a minha vida

Isto é para aqueles que fizeram seu caminho


Para Tommy e Gina que nunca desistiram
Amanhã está ficando difícil não cometer nenhum erro
A sorte ainda não é sortuda
Tem de fazer suas próprias regras

(Refrão)

É melhor estar alerta quando eles estão chamando por você


Não se curve, não quebre, querida, não desista

(Refrão)

23