Você está na página 1de 7

Cosmetologia e

Perfumaria
MATÉRIAS-PRIMAS
UTILIZADAS

cálcio e magnésio na resina. No final, as


resinas são saturadas de novo com iões
 Água
de sódio e ficam novamente disponíveis
 Álcoois e soluções alcoólicas para a descalcificação da água.
 Compostos lipídicos
 Compostos glicídicos
 Compostos nitrogenados
 Hidrocarbonetos
 Compostos moleculares Como ocorre a purificação da água?
sintéticos
 Compostos de origem mineral
 Vitaminas
 Extratos biológicos
 Corantes
 Conservantes
 Substâncias aromáticas

Água
 Loções e géis aquosos: 95%
 Emulsões: 60-85% e até 90%
 Xampus: 90-94%
Durante a descalcificação da água, os
iões de cálcio e magnésio responsáveis
pela dureza da água são permutados por
Necessita ser purificada para ser
iões de sódio (Na+). Esta permuta
utilizada nos produtos cosméticos.
realiza-se nas resinas de permutação de
iões carregadas previamente com iões de
sódio.
A regeneração consiste na “lavagem
“das resinas com água salgada
(salmoura). Os iões de sódio
Após a passagem de uma determinada
concentrados contidos na salmoura
quantidade de água dura pelo
permutam gradualmente os iões de
descalcificador, as resinas do
permutador estão saturadas de iões de
 HIDROSSOLÚVEIS
cálcio e magnésio. Para readquirir a sua
eficácia, estas resinas têm de ser - Até 6 átomos de carbonos
“regeneradas”.
- São solventes e são miscíveis com a
água.

Quais os tipos de purificação da  LIPOSSOLÚVEIS


água?
- Mais que 6 átomos de carbono.
1. Água descalcificada
2. Água desmineralizada - Mais utilizados: etílico,
3. Água esterilizada isopropílico e benzílico.
4. Desinfecção por meios químicos

Quais são as propriedades da água? Soluções


1. Solvente. Por que?
Porque é muito abundante na Terra e é
capaz de dissolver grande parte das
Alcoólica
substancias conhecidas. Se
percebermos na água cor, cheiro ou  Diluir perfumes
sabor, isso se deve a substâncias  Preparar loções pós-barba e
(líquidos, sólidos ou gases) nela loções tônicas.
presentes, dissolvidas ou não.  Etanol em concentração maior
que 20% em loções ou gel:
conservante microbiano.
2. Componente principal da fase  Álcool nos géis: facilita a
aquosa das emulsões. penetração cutânea dos ativos.
3. Componente principal dos géis e
das loções.
4. Hidratante, quando utilizada
com componentes que
lentificam sua evaporação. Glicólis
Álcoois O que são?
Apresentam 2 moléculas orgânicas do
grupamento -OH não ionizado ligado a
Como é caracterizado a função um átomo de carbono (C).
ÁLCOOL?
- Etilenoglicol: solvente.
pela presença em uma molécula orgânica
do grupamento OH não ionizado ligado - Propilenoglicol: solvente e
a um átomo de carbono (C). umectante.
 São insolúveis na água, solúveis
Polióis nos solventes orgânicos (hexano,
éter etílico).
 Formam emulsões na presença
Apresentam várias moléculas orgânicas de um tensoativo.
do grupamento -OH não ionizado ligado
 São utilizados na fase oleosa das
a um átomo de carbono (C).
formulações de emulsões O/A e
- Glicerol ou glicerina: 3 – OH; A/O.
Umectante; Hidratante.

- Sorbitol: 6 –OH
Ácidos
Umectante; hidratante.
- Fenoxetol: uma das –OH está
graxos
implicada na função éter –O- São ácidos orgânicos que se
Conservante; Fixador de perfume; encontram nos lipídios
repelente.
 São ácidos carboxílicos (radical
–COOH na sua molécula) com
cadeia de C +- longa (C4 a C30)

Composto 
que podem ser saturadas ou
insaturadas.
Insolúveis na água e miscíveis

s lipídicos 
entre si (mistura homogênea).
Ácidos graxos saturados são
sólidos e os insaturados são
 Ácidos graxos líquidos à temperatura ambiente.
 Álcoois graxos
 Ésteres graxos
 Óleos vegetais SATURADO – Animal
 Óleos animais
 Óleos modificados
 Óleos sintéticos INSATURADO – Vegetal
 Insaponificáveis
Pode ser:
 Manteigas
 Ceras - Cis: dupla ligação (insaturação)
 Fosfolipídios
Hidrogênios do mesmo lado
- Trans: dupla ligação (insaturação)
O que são?
Hidrogênios de lados opostos.
 São substâncias gordurosas de
origem natural e sintética.
 Estão presentes nos lipídios do São álcoois com cadeia de C + - longa
organismo, especialmente na por vezes presentes em estado livre
pele. nas gorduras de animais e vegetais.
 Participam na fabricação e na
 São insolúveis na água, mas a
composição de matérias-primas
presença de uma –OH lhes
(TA, bases auto emulsionantes,
confere uma fraca afinidade pela
ésteres graxos, óleos vegetais e
água.
animais, ceras, óleos sintéticos,
 São sólidos quando a cadeia de
lipoproteínas.
C é saturada e suficientemente
 São utilizados como substância
longa (maior que C10): são
ativa (ácido linolênico).
substâncias do tipo oclusivo em
 Agente de consistência (ácido
relação à pele.
esteárico).
 Os álcoois graxos com cadeia
de C + - curta são líquidos.
Na cosmetologia:
 Álcool cetílico (C16), estearílico
ácido láurico
(C18) e cetoestearílico (C16 +
ácido esteárico
C18) são empregados como
ácido oleico
agentes de consistência para
espessar a fase oleosa de
emulsões.
Como se baseia a denominação
 Álcoois graxos insaturados ou
química?
com cadeia de C curta são os
No nº de átomos de carbono na cadeia solventes. Ex. álcool oleico;
alquila expresso sobre a base latina  São utilizados na síntese de TA
(hexa, octa, deca...) acompanhada da e dos ésteres graxos.
terminação “oico” para os ácidos graxos
saturados, ou “enoico” para os
insaturados. Ésteres
Exemplos:
Ácido láurico (saturado) com 12 C: Graxos
Ácido dodecanoico;
São substâncias filmogênicas,
Ácido oleico (insaturado) com 18 C: emolientes, empregadas em
Ácido octadecenoico; substituição aos óleos minerais muito
oclusivos e de caráter muito
gorduroso.

Álcoois 

São as bases das formulações.
Alguns podem ser super
engordurantes (lanolato de

Graxos isopropila), outros, ao contrário,


matificantes (benzoatos de
álcoois graxos).
 As ceras vegetais e animais são
compostas de ésteres graxos
ditos superiores, porque
resultam da condensação de
- Ésteres ativos:
ácido graxo e de álcool graxo de
cadeia longa.  Palmitato de retinila
 Os ésteres graxos líquidos são  Acetato de tocoferila
obtidos a partir de ácidos graxos
de cadeia longa condensados - Ésteres tensoativos
com álcool graxo de cadeia  Monoestearato de glicerila
curta.  Estearato de sorbitano
Regra geral de Escarificação:  Laurato de sorbitano
 Oleato de glicerila PEG 7

Óleos
Vegetais
São obtidos a partir de sementes ou
de frutos por pressão e/ou por
extração com ajuda de solventes.
 São compostos principalmente
de triglicerídeos que são ésteres
triplos de ácidos graxos e de
glicerol.
 Óleo de jojoba não é um
triglicerídeo, mas um éster graxo
Ésteres emolientes: terminação (ácido)
linear resultante da condensação
ATO (álcool) ILA
de um ácido graxo insaturado em
Ex: Miristato de isopropila C20 – C22 e de um álcool graxo
do mesmo comprimento.
Miristato de miristila
 Óleo de rícino (castor oil): óleo
Palmitato de octila especial – Ácido ricinoleico que
o constitui, é um ácido graxo em
Estearato de octila
C18 que tem uma –OH em sua
Adipato de dibutila molécula.
 São insolúveis na água, mas
podem ser emulsionados.
Ésteres fotoprotetores  São muito oxidáveis e devem ser
protegidos por antioxidantes.
Quais são?
 Geralmente, são miscíveis entre
 Salicilato de octila si e as outras substâncias
 Metoxicinamato de octila lipofílicas.
 Alguns são muito ricos em ácido  Seu uso está cada vez mais
oleico (óleo de girassol) e contestado pelas organizações
outros, em ácido linolênico (óleo de proteção aos animais.
de borago).
 Óleos de amendoim, de girassol
e de soja são bases de cremes e
de leites.
 Óleos ricos em ácidos graxos
poli-insaturados (AGPI) são
utilizados como ativos nas
formulações de emulsão para
pele seca para restaurar os
lipídios cutâneos.
 Óleo de rícino é utilizado em
grande quantidade (até 50%) nos
batons, como plastificante e
aglutinante.

Óleos
Animais
São extratos da gordura de alguns
animais: óleo de tartaruga marinha,
de vison e de esqualo.
 São constituídos por
triglicerídeos à base de ácidos
graxos insaturados.
 Óleo de tartaruga contém um
hidrocarboneto (HC) saturado
particular.
 Óleo de esqualo contém
esqualeno, HC em C30 com 6
ligações duplas.
 Óleo de vison contém grande
proporção de ácido
palmitoleico.
 2 a 3% nas emulsões muito
protetoras.
 Não são utilizados como bases
de formulação.