Você está na página 1de 344

fotografia sem fronteiras

fotografia sem fronteiras


Título Transversalidades 2020 – fotografia sem fronteiras

Coordenação Rui Jacinto

Júri do Concurso António Pedro Pita | Clara Moura

Jorge Pena | Lúcio Cunha | María Isabel Jimenez

Pedro Baltazar | Rui Jacinto | Santiago Santos | Susana Paiva

Valentín Cabero | Victorino García

Textos Ariovaldo Umbelino de Oliveira

Arlete Moyses Rodrigues | Bartolomeu Israel de Souza

Cláudio Zanotelli | Fernando Oliveira Baptista

Maria Eugénia Soares de Albergaria Moreira

Paulo Nuno Nossa | Rui Jacinto | Valentín Cabero Diéguez

Produção Alexandra Isidro | Ana Sofia Martins

Concepção e desenho da exposição Santiago Santos

Revisão Ana Sofia Martins | Ana Margarida Proença

Montagem da exposição António Freixo | Renato Coelho

Catálogo:

Organização de conteúdos João Pedro Cochofel | Rui Jacinto

Design e pré-impressão João Pedro Cochofel

Impressão e acabamento Pride Color - Comércio e Comunicação, Lda

Tiragem 1000 ex.

Depósito legal 335972/11

ISBN 978-989-8676-27-6

Edição Centro de Estudos Ibéricos

R. Soeiro Viegas, 8 | 6300-758 Guarda | www.cei.pt

O Centro de Estudos Ibéricos respeita os originais dos textos, não se

responsabilizando pelos conteúdos, forma e opiniões neles expressos.

A opção ou não pelas regras do Novo Acordo Ortográfico é da

responsabilidade dos autores.


fotografia sem fronteiras
Índice 37 menções honrosas
Patrimônio natural, biodiversidade

46
e alterações da paisagem na Caatinga
Bartolomeu Israel de Souza
Geografias do Olhar:

6
“Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara”
Rui Jacinto
50 Fotografias a concurso

14 melhor portfólio 75 tema 2


espaços rurais, agricultura e povoamento

76 prémio tema

23 tema 1 83
Espaços rurais – três percursos
Fernando Oliveira Baptista
património natural, paisagens e biodiversidade

87 menções honrosas
24 prémio tema
Conflitos no campo do brasil entre campo-

96
neses, quilombolas, indígenas e grileiros
Ariovaldo Umbelino de Oliveira

Património natural e conservação

31 102
da fitodiversidade urbana
Maria Eugénia Soares de Albergaria Moreira Fotografias a concurso
Desigualdades socioterritoriais na gestão

123 tema 3 183


da pandemia por COVID19
Paulo Nuno Nossa
cidade e processos de urbanização

190 menções honrosas


O governo neoliberal por meio da guerra
124 prémio tema 199
no Brasil
Cláudio Zanotelli

Las pequeñas ciudades fronterizas:


nuevo protagonismo en la vertebración y
206 Fotografias a concurso

131
cohesión territorial de la raya ibérica
Valentín Cabero Diéguez

139 menções honrosas 245 rumores do mundo


Pessoas, lugares, outros olhares

148
Direito à moradia – uma luta sem tréguas
Arlete Moyses Rodrigues

152 Fotografias a concurso

175 tema 4
cultura e sociedade: diversidade cultural 312 Comentários
e inclusão social

334 Premiados

176 prémio tema 338 Participantes


transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Geografias do Olhar:
“Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara”
Rui Jacinto *

“o olho que vê a fotografia, justamente por ser atingiria nessa altura um certo esplendor ao exe-
fotografia o que vê, não é o mesmo, ainda que o cutar mapas cada vez mais rigorosos. A fotografia
mesmo seja, que olhou e viu uma parte do mun- e o mapa tornaram-se, a partir de então, técnicas
do para fotografá-la” — José Saramago (1995) — inseparáveis e complementares que se juntaram ao
Cadernos de Lanzarote. Diário III: 25. desenho e à pintura na representação de paisagens
e na leitura e interpretação de territórios.
Geografias do Olhar: (d)escrever a terra
com um raio de luz A proliferação de fotografias e de mapas, em to-
das as escalas e nos mais variados estilos e supor-
O momento único e irrepetível registado numa tes, ajudaram a democratizar as viagens virtuais a
qualquer fotografia, lapso de tempo subtraído lugares nunca alcançados e a difundir uma cultura
às efémeras geografias que a cada instante nos visual que foi fundamental para a promoção do
escapam, pode não se resumir a uma circunscrita conhecimento dos territórios e a construção
bidimensionalidade. Extravasar a anónima contem- duma nova perceção do mundo. A aproximação
plação nas duas dimensões duma folha de papel, fotográfica, contudo, ganhou vantagem ao po-
tela de computador ou ecrã do telefone depende pularizar a visualização de lugares remotos e abrir
da transcendência do tema que representa, das novas perspetivas à investigação por cruzar a
razões que lhe deram origem, do percurso que ve- interpretação objetiva de análise científica com a
nha a conhecer ou das camadas de informação, por sensibilidade fotográfica do observador. Não ad-
vezes simbólicas, que a imagem incorpora. mira, pois, que os pioneiros da moderna Geografia
tenham lançado a ideia, tão generosa quanto
O progresso científico e a revolução industrial per- utópica, de criar um atlas visual do mundo, projeto
mitiriam, no decurso do século XIX, a produção em que teve como principal animador Jean Brunhes
massa de vários tipos de imagens, onde se incluí a (1869-1930), o geografo que mais cedo utilizou a
fotografia, através de distintos processos que tive- fotografia, em larga escala, para ilustrar a sua pro-
ram aplicações em diferentes domínios, da saúde à dução científica.
propaganda, da guerra ao uso lúdico. Os geógrafos,
como os cultores doutras disciplinas, reconhece- Jean Brunhes acabou por dirigir entre 1912 e 1930
ram desde cedo o potencial científico, pedagógico, aquele projeto, Archives de la Planète, patrocinado
documental e estético da fotografia. Também a pelo banqueiro Albert Kahn (1860-1940), financiador
cartografia, herdeira duma tradição mais antiga, de expedições e da recolha de imagens para os

6
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

arquivos. Esta parceria, que denuncia o casamento vivacidade dos elementos descritos e não neces-
entre o interesse científico de um e o pragmatismo sariamente precisaríamos de imagens gráficas para
iluminado do outro, mostra como, ontem como ilustrar o texto”. Não podemos estranhar, portanto,
hoje, o conhecimento do mundo é estratégico que na primeira edição do Tableau de la Géographie
para apoiar a decisão, informação que a geografia de la France não há imagens, enquanto na segunda
continua a fornecer à economia, à sociedade e à já existam diversas fotografias a ilustram o texto
administração pública. (Paulo César, 2012).

A conceção deste puzzle imagético, representa- Outra obra angular de Vidal de la Blache, Princípios
tivo do mundo visível, que hoje designaríamos por de Geografia de Geografia Humana, que o seu gen-
banco de imagens, foi ensaiado quando a Geogra- ro Emmanuel de Martonne publicou postumamen-
fia dava os primeiros passos e tinha “como campo te em 1921, não incluiu as numerosas figuras que o
próprio o estudo da obra dos homens sobre a autor havia planeado, como referiu no prefácio: “a
Terra; da obra visível, tangível, nós diríamos, em ilustração é mais pobre do que a teria querido Vidal
Geografia, a obra Paisagística”, como refere Pierre de la Blache, mas, ainda assim, pudemos reprodu-
Deffontaines, no prefácio da edição brasileira da zir os quatros grandes planisférios que ele próprio
Geografia Humana de Jean Brunhes (1962 [1ª ed. havia estudados até aos últimos pormenores”. Al-
1910]). fredo Fernandes Martins, que fez a tradução desta
obra editada mais tarde em Portugal (Edições
O seu mestre Paul Vidal de la Blache (1845-1918), Cosmos, 1954), justificaria porque a ilustrou com
fundador da escola francesa de Geografia, na apre- 84 figuras, criteriosamente selecionadas, incluindo
sentação desta mesma obra, em 1911, refere-se alguns admiráveis desenhos e 4 planisférios, feitos
assim a Jean Brunhes: “um excelente observador, pelo seu próprio punho, a que acrescentou 61 foto-
dotado de um sentido estético que parece aguçar grafias: “embora correndo o risco de discordância
a sagacidade crítica: “Não vê quem quer”, disse êle, com o plano de ilustração gráfica foi aumentada
em algum lugar. Viu a Espanha, a África do Norte, com alguns mapas, vários desenhos e fotografias.
a Palestina, o Cáucaso, e assim soube reunir um Não teriam sido esses os documentos escolhidos
tesouro de imagens características do qual nos por La Blache? Ainda assim afigura-se-me conve-
faz participar”. O empenho de Jean Brunhes em niente dá-los à estampa, pois sublinham passa-
documentar com intuitos didáticos, científicos e gens do texto, contemplando-as pela imagem, e
memorialistas a diversidade do mundo e as mudan- permitem “ver” paisagens e factos evocados pelo
ças aceleradas que o estavam a percorrer, levou-o autor”.
a superar os mestres que se limitavam, neste
particular, a contemplar e descrever o “labirinto A geração dos pioneiros influenciada pela chama-
das formas”. Recorriam a verbos como “olhar, ver, da “escola francesa de geografia” recorreu com
mostrar, perceber, contemplar” para descrever os intensidade à imagem, tendo por inspiração o
roteiros feitos durante o trabalho de campo e as manual Géographie Humaine, de Jean Brunhes,
observações anotadas. “A descrição feita por Vidal em dois volumes, sendo o segundo inteiramente
é fortemente impregnada desse olhar geográfico, ocupado por fotografias. Formados nesta matriz,
o texto se transforma assim em imagem pela as primeiras gerações de geógrafos fizeram a sua

7
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

aprendizagem a exercitar e desenvolver o que aca- e como produto de uma ideologia falsificadora.
bou por ficar consagrado como “olhar geográfico” Até mesmo os mapas, tão valorizados em geral
(Paulo César, 2012). Seguindo os mesmos percursos na Geografia, foram vistos com muita suspeição”
metodológicos, anotavam laboriosamente nos (Paulo César, 2012).
cadernos de campo observações, croquis e esbo-
ços a par da recolha de fotografias. O terreno era Assim se explica a desvalorização e perda de
parte importante da investigação cujos trabalhos, centralidade da imagem nos trabalhos científicos
quando publicados, eram ilustrados com figuras, realizados pela comunidade geográfica, sobretudo
mapas e fotografias. Os pioneiros da investigação entre os mais focados na vertente humana, a partir
e da consolidação da Geografia nas Universidades dos anos 70, onde o uso da fotografia e do próprio
portuguesas, onde se destacam Aristides de Amo- mapa está, por vezes, ausente ou utilizado com
rim Girão (1895-1960), Orlando Ribeiro (1911-1997) e desconfiança e parcimónia. A retoma da imagem
Alfredo Fernandes Martins (1916-1982), não só se- vai acontecer mais tarde com a exigência “que esse
guiram aqueles métodos como as suas obras e os olhar e as formas que ele contemplava deveriam ser
respetivos espólios evidenciam a cabal importância formalizadas, geometrizadas ou matematizadas.
que deram à fotografia. Os esquemas gráficos passaram ser cada vez mais
abstratos e formais entrando em rutura com a lin-
A relação da Geografia com imagem muda quando guagem natural”. A proposta dos coremas feita por
a fotografia, como o mapa, deixa de ser pacífica Roger Brunet, que se enquadra neste paradigma,
por razões teóricas, conceptuais, ideológicas vai no sentido desse processo de generalização
e políticas. A suspeita do poder intrínseco que formal, sugerindo “uma verdadeira gramática de
carrega, mas, também, a desconfiança de poder formas geométricas que traduziriam relações e
induzir simulacros e forjar falsificações leva à per- fluxos espaciais”. Importa salientar que “os geó-
da do consenso existente em torno da imagem. grafos não se cansam de chamar a atenção para
Em termos religiosos, aliás, sempre existiu uma a diferença entre a “fraudulenta” maneira como
relação complexa por causa das representações, as coisas se apresentam e a forma que efetivamen-
ao ponto de alguns movimentos religiosos, muitas te elas seriam, o que é interpretado como uma
vezes, estarem na origem de grandes cruzadas exitosa estratégia para esconder os problemas
iconoclastas. A atitude crítica face à imagem foi reais. Mesmo alguns dos estudos muito eruditos
reforçada pela forte influência de algumas corren- que se concentraram na análise de imagens, têm
tes da filosofia nas ciências humanas (Foucault, destacado como resultado principal a construção
Lefèbvre, Derida, etc.) “que rejeitaram, de uma for- de ideologias” (Paulo César, 2012).
ma ou de outra, a ordem visual moderna, acusada
de ter sido estabelecida pelos poderes sociais que A falta de confiança na pesquisa com imagens
eles denunciam”. A grande repercussão que tive- só muito recentemente se começa a esvanecer
ram a par da difusão da bibliografia anglo-saxônica com o retorno da valorização da ideia “de um olhar
foi muito importante no desenvolvimento da geográfico, que seria um importante formador ou
geografia em geral. É natural constatar, por isso, a conformador epistemológico para os geógrafos”.
relutância de muitos geógrafos em relação às ima- Subsiste, no entanto, uma pergunta fundamental
gens, tendência que as concebe como “distorção para apreciar “o estatuto do olhar para o conhe-

8
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

cimento é aquela de saber se há preeminência do A literatura, que revela uma capacidade ímpar de
olhar sobre a compreensão ou da compreensão fornecer coordenadas para a leitura e a interpreta-
sobre o olhar? Em outros termos, devemos refletir ção do mundo, quando se conjuga com a imagem,
e nos indagar”, seguindo os que acreditam que sobretudo com a fotografia, não só reforça a
“ver é compreender” ou os que estão convencidos memória como ajuda a moldar a identidade das
que “só vemos o que compreendemos”. Importa pessoas e dos lugares. Esta cumplicidade, presente
distinguir na configuração do olhar geográfico “o na obra de muitos autores, é paradigmática em al-
papel diverso que concedemos às imagens. Se gumas passagens da escrita de Mia Couto, onde se
elas servem para ilustrar ou mostrar significa que encontram fragmentos que nos nos dão perspeti-
estão ontologicamente separadas do processo de vas e ângulos de observação muito peculiares. Re-
pensar. Refletimos antes e só depois procuramos cordemos algumas passagens onde se recorre aos
as formas que ilustram os elementos ou as conclu- múltiplos significados da fotografia para reavivar
sões dessa reflexão. É possível, aliás, constatar fa- memórias, lutar contra o esquecimento, balsamos
cilmente que essa é a tônica na Geografia. Seria, no para a terapia da alma 1:
entanto, possível pensar com as imagens? Refletir
junto com elas? (Paulo César, 2012). — “Na parede húmida estava ainda uma fotografia
sua, em moldura de madeira. Aquela era sua
única imagem. Por isso, lhe ocorreu levar a
foto consigo. Quando a retirava viu que, no
“Os olhos não vêem coisas mas sim figuras de papel amarelecido, ela já não estava sozinha.
coisas que significam outras coisas”. Italo Calvi- Em redor do rosto dela estavam desenhadas
no (1990) — As cidades invisíveis: 18. figurinhas várias, tantas que pareciam mover-
se e trocarem de posição. Sorriu, decidida a
Fotografia, literatura e as leituras do devolver a moldura à parede. Aquela era obra de
mundo: procurar legendas para o atlas Virginha, pondo vida em seu retrato. (…) / Quero
imagético pôr os tempos, em sua mansa ordem, confor-
me esperas e sofrências. Mas as lembranças
A perda de visão que se difundia entre as pessoas desobedecem, entre a vontade de serem nada
com a progressão da hipotética pandemia imagi- e o gosto de me roubarem do presente” (Mia
nada por José Saramago levou o autor do Ensaio Couto, 1992).
sobre a Cegueira a enfatizar a importância do olhar
ao ponto de colocar, na portada deste romance, — “Ficava na janela olhando o país que inexistia,
uma citação lapidar: “Se podes olhar, vê. Se podes desenhando em geografia da saudade. Sobre
ver, repara”. A acreditar na convicção de Saramago velhas fotografias, com um lápis, a velha por-
que ”a cegueira também é isso, viver num mundo tuguesa desenhava outras imagens. Às vezes,
onde se tenha acabado a esperança”, olhar com recortava-as com uma tesourinha e colava as
olhos de ver o que se passa à nossa volta pode ser, figuras de umas fotos nas outras. Era como se
também, uma forma de resistir àquela fatalidade, movesse o passado dentro do presente (…) Tal
de questionar a persistência de tais invisibilidades e parente jamais estivera em África. Mas Farida
de tamanhas desigualdades. nem ousava desmentir. As fotos recompostas

9
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

traziam novas verdades a uma vida feita de à chamada “parede dos ausentes”. No corredor
mentiras (Mia Couto, 1992). exibiam-se as fotos dos familiares defuntos.
No chão, um balde recolhia as lágrimas dos
— “Eram papéis em branco. /– Não está nada es- falecidos. (…) E estivesse ou não estivesse cho-
crito aqui. /– Exatamente. E veja as fotos!/ Eram vendo, todos os domingos Constança retirava
papéis de fotografia, mas em branco. Era esse as molduras da parede e conduzia as imagens
o mistério – aqueles papéis e aquelas imagens dos falecidos a passear pela vila. Se alguém a
não eram virgens. Até ali estavam maculados questionasse sobre a inusitada procissão, ela
por letras, por imagens gravadas” (Mia Couto, O repositava:/ – Não é de flores que os mortos
último voo do flamingo, 2005). necessitam. Carecem é de companhia” (Mia
Couto, 2006).
— “Agora, meu neto, me chegue aquele álbum. /
Aponta um velho álbum de fotografias pousado — “À noite, Mwadia sentou-se na varanda. Olhou
na poeira do armário. Era ali que, às escondidas, o horizonte como um fundo esboroado, uma
ela vinha tirar vingança do tempo. Naquele livro espécie de parede escura, ponteada de rostos.
a Avó visitava lembranças, doces revivências. Ergueu-se como que para ganhar precisão e foi
/ Mas quando o álbum se abre em seu colo caminhando até distinguir as fotografias, uma
eu reparo, espantado, que não há fotografia por uma, expostas nesse paredão de ardósia.
nenhuma. As páginas de desbotada cartolina (…) Como se caminhasse dentro de si mesma,
estão vazias. Ainda se notam as marcas onde, foi passando a revista aos retratos e reparou
antes, estiveram coladas fotos. / – Vá. Sente que, no fundo, havia um espaço branco, uma
aqui que eu lhe mostro. / Finjo que acompanho, moldura ainda sem imagem. Naquele momento,
cúmplice da mentira. / – Está ver aqui seu pai, sentiu que trazia algo em suas mãos. Era uma
tão novo, tão clarinho até parece mulato? / E vai fotografia. Com passo vagaroso, se encaminhou
repassando as folhas vazias, com aqueles seus para o fim do paredão para colocar na moldura a
dedos sem aptidão, a voz num fio como se não imagem. A foto do último ausente” (Mia Couto,
quisesse despertar os fotografados. / – Aqui, 2006).
veja bem, aqui está sua mãe. E olhe nesta, você,
tão pequeninho! Vê como está bonita consigo Este exercício de memória é semelhante ao que
no colo? / Me comovo, tal é a convicção que resta aos lugares e grupos sociais que se encon-
deitava em suas visões, a ponto de meus dedos tram submersos sob o manto diáfano da invisibili-
serem chamados a tocar o velho álbum. Mas dade confrontados com o paradoxo embaraçoso
Dulcineusa corrige-me. / – Não passe a mão pe- dum apagão visual em tempos que se caracterizam
las fotos que se estragam. Elas são o contrário pela omnipresença da imagem. Este fatalismo,
de nós: apagam-se quando recebem carícias” análogo ao da metafórica cegueira, é o fardo que
(Mia Couto, 2003). carregam, que os condena ao esquecimento e
coarta a esperança num futuro mais promissor.
— “A fotografia estendida na mão de Dona Isto acontece no mesmo momento em que se
Constança era um modo de deitar leveza no insinuam, discretamente, perante os nossos olhos,
momento. (…) Pegou na imagem e conduziu-a insinuam-se imagens que são manipulações inten-

10
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

cionais, distorções grosseiras ou, mesmo, mentiras A captação de imagens, diretamente pela retina ou
descaradas. É uma situação que, não sendo nova, por algum interposto instrumento, é indispensável
atingiu enormes proporções, facto que valida a para o desenvolvimento duma cultura territorial
convicção dos que vinham avisando não ser possí- assertiva. A viagem, como o acervo de informação
vel continuar a depositar fé absoluta nas imagens, que pode proporcionar, fundamental neste proces-
que a fotografia não passava duma grotesca imita- so, é decisiva para o contínuo desenho do nosso
ção da realidade. “Ver para crer” ou “uma imagem mapa mental. Sob pena de se revelar inútil, o mapa
vale mais que mil palavras” são expressões que que resulta desta geografia vivida, nunca poderá
viraram, cada vez mais, simples retórica. coincidir com o mundo real, pela mesma razão
que, como alguém advertiu, uma fotografia grande
Percorrer os labirintos que nos levam para além do não é, necessariamente, uma grande fotografia.
invisível, escondido sob a névoa das aparências, é Dispensar a necessária intermediação que as cir-
uma tarefa exigente, morosa e persistente. Foi o cunstâncias impõem seria cair numa armadilha sem
que nos ensinou Italo Calvino, mestre na arte de ter aprendido a lição de Jorge Luís Borges sobre o
perscrutar o invisível, que nos devemos demorar pretenso rigor da ciência: “Naquele Império, a Arte
enquanto “o olhar percorre as ruas como páginas da Cartografia logrou tal perfeição que o mapa de
escritas: a cidade diz tudo o que devemos pensar, uma única Província ocupava toda uma Cidade,
faz-nos repetir o seu discurso, e enquanto julgamos e o mapa do Império, toda uma Província. Com o
visitar Tamara limitamo-nos a registar os nomes tempo, esses Mapas Desmedidos não satisfizeram
com que ela se define a si mesma e todas as suas mais e os Colégios de Cartógrafos levantaram um
partes”. (…) “Entra-se nela por ruas pejadas de Mapa do Império, que tinha o tamanho do Império e
letreiros que sobressaem das paredes. Os olhos coincidia pontualmente com ele. Menos dedicadas
não vêem coisas mas sim figuras de coisas que ao Estudo da Cartografia, as Gerações Seguintes
significam outras coisas: a tenaz indica a casa do entenderam que esse dilatado Mapa era Inútil e
arranca-dentes, a garrafa a taverna, a alabarda o não sem Impiedade o entregaram às Inclemências
corpo da guarda, a balança romana a ervanária” do Sol e dos Invernos. Nos desertos do Oeste per-
(Italo Calvino, 1990: 18). Viajar nesses meandros duram despedaçadas Ruínas do Mapa, habitadas
perdidos é recuperar o tempo perdido e a sucessão por Animais e por Mendigos; em todo o País não há
de imagens por ele inscritas até ficarem retidas outra relíquia das Disciplinas Geográficas” (Jorge
na memória: “Mas não por ela deixar como outras Luís Borges, Do rigor na ciência, 1946).
cidades memoráveis uma imagem fora do comum
nas recordações. Zora tem a propriedade de ficar A incessante procura de legendas para o atlas
na memória ponto por ponto, na sucessão das imagético que nos ajude a ler o mundo tem de con-
ruas, e das casas ao longo das ruas, e das portas e siderar as observações pertinentes feitas por Mia
das janelas das casas, embora não apresentando Couto, que “os lugares não se encontram, cons-
nelas belezas ou raridades particulares. O seu se- troem-se (2003), que “os fatos só são verdadeiros
gredo é o modo como a vista percorre figuras que depois de serem inventados”, que “o mundo não é
se sucedem como numa partitura musical em que o que existe, mas o que acontece” (2005). Sem nos
não se pode mudar ou deslocar nenhuma nota” (ob. esquecermos que “o importante não é a casa onde
cit.: 19). moramos. Mas onde, em nós, a casa mora”, nem

11
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

que “quem parte de um lugar tão pequeno, mesmo representativa da diversidade geográfica, do pa-
que volte, nunca retorna” (2003). Por isso, “se um trimónio, dos usos da terra, dos modos de vida, da
dia me arriscar num outro lugar, hei de levar comigo biodiversidade natural, das atividades, das culturas.
a estrada que não me deixa sair de mim” (1992). Cada imagem incluída no catálogo é, pois, o “frag-
mento de um todo ou da sua aparência, cada fo-
tografia, por sua vez, é fragmento de fragmentos,
e, por um movimento de aproximação e expansão
“Ao ler as imagens destes fotógrafos dou-me em todas as direções, ao mesmo tempo que pelo
conta de que, para além da visão, outros sen- movimento contrário de conversão ao ponto de
tidos são convocados. Eu não apenas vejo. Eu resolução que finalmente é, torna-se, na imagem
ouço a fotografia. O contacto visual acorda em única que apresenta, leitura múltipla do mundo
mim sons que deveriam ter rodeado o momento (José Saramago, 1996).
fixado em imagem. Apto apenas para inscrever
a imagem, o papel não foi capaz de expulsar as As imagens, como as palavras, sucedem-se em
vozes” — Mia Couto (2005) — Pensatempos: 75. vagas com intensidade e impacto variáveis, que
evoluem ao sabor de modas e agendas mediáticas,
Transversalidades: observar os subtis com um ritmo tão veloz quanto a rapidez com que,
rumores do mundo no momento imediato, caem no esquecimento.
Quem não se lembra, por exemplo, do menino
A importância da imagem nas sociedades con- imigrante na praia, arrastado pelas ondas do mar,
temporâneas, correlativa da intensidade com que quando se encontrava nas margens da redenção:
proliferam, não é compatível com as assimetrias a eleição de imagens feita anualmente parece fluir
imagéticas, pela notória desigualdade na distribui- ao ritmo das estações do ano. A observação das
ção espacial dos lugares e das pessoas retratadas. imagens que dão corpo a este livro, como a qual-
Como a história é sempre feita pelos vencedores quer outro livro de fotografia, apenas torna mais
e mais competitivos também os mais frágeis, firme a convicção que “a imagem é tanto mais bela
remotos e longínquos são menos fotografados quanto ela for auditiva, evocando sonoridades do
e, portanto, permanecem invisíveis e com menor momento. A escrita (e a foto enquanto um modo
representação. Esta constatação foi um dos mo- de escrita) é vencida por uma outra lógica. Neste
tivos que levou ao lançamento do projeto Trans- jogo de miragens e ilusões, África desnuda-se
versalidades. Fotografia sem Fronteiras destinado para melhor se ocultar. Aqueles que acreditam ter
a alertar para a invisibilidade de vastas regiões do focado essências apenas tocaram aparências em
nosso país e do mundo. Na presunção que promo- movimento” (Mia Couto, 2005).
ver a coesão também passa por dar visibilidade às
pessoas e aos territórios mais excluídos e margi- Aqui chegado, resta apenas continuar a dar a
nalizados. palavras aos mestres: “Espalhamos as fotografias
diante de nós, dispomo-las por temas, assuntos,
As imagens submetidas a concurso, oriundas de afinidades, queremos que umas façam perguntas
dezenas de países de todos os continentes, em- e outras respondam, desejaríamos que contassem
bora não invertam tal tendência, são uma montra uma história, mesmo que breve, mesmo que não

12
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

viéssemos a conhecer-lhe o fim. Mas parece ser do si mesma mas também de todas as decifrações
natural das imagens, ainda quando colhidas de um possíveis do espaço invisível que a rodeia, dessa
mesmo objecto e num período mínimo de tempo, ausência representada pela brancura das margens.
resistirem a perder a sua identidade: cada uma de- O que a fotografia não pode mostrar é precisamen-
las quererá ser, por supostas e exclusivas virtudes te o que emprestaria sentido de realidade ao que
suas, o alfa e o ómega, não só da compreensão de estiver mostrando” (José Saramago, 1996).

1 Dobras Visuais (https://www.dobrasvisuais.com.br/tag/mia-couto/). Algumas citações foram recolhidas neste endereço; os anos remetem
obras referenciadas no final.

Referências Italo Calvino (2006 [1990]): As cidades invisíveis. Editorial Teorema,


Lisboa.
Jean Brunhes (1962 [1ª ed. 1910]) - Geografia Humana. Editora Fundo
de Cultura, Rio de Janeiro. Jorge Luis Borges: Do rigor na ciência (1946); publicado originalmen-
te na primeira edição de História Universal de la Infâmia.
Paul Vidal de la Blache (1954 [1921]) - Princípios de Geografia de Geo-
grafia Humana. Edições Cosmos, Lisboa. José Saramago: Ensaio sobre a Cegueira (1995): Cadernos de Lanza-
rote. Diário III (1996)
Paulo C. da Costa Gomes (2012) - O lugar do olhar: Elementos para
uma geografia da visibilidade, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil. Ver Mia Couto: Terra Sonâmbula (1992); Um rio chamado tempo, uma
ainda, deste autor, A longa constituição do olhar geográfico. Revis- casa chamada terra (2003); O último voo do flamingo (2005); O
ta GeoUECE, v. 1, nº 1, p. 1-7, dez. 2012. http://seer.uece.br/geouece outro pé da sereia (2006). E ainda: Pensatempos. Textos de Opinião
(2005).

* Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território (CEGOT. Coimbra)

13
melhor portfólio
Antonio Pérez
Espanha

14
Antonio Pérez, Espanha | 001 (El mar nos mueve) Jakob Makafui | Fuvemeh, Greater Accra (Ghana), 2020 (1)*
002 (El mar nos mueve) Alix Vormawor | Fuvemeh, Greater Accra (Ghana), 2020 (2)* 15
transversalidades 2020 melhor portfolio

Antonio Pérez

16
transversalidades 2020 melhor portfolio

18 Antonio Pérez, Espanha | 003 (El mar nos mueve) Seth Zormelo | Fuvemeh, Greater Accra (Ghana), 2020 (3)*
transversalidades 2020 melhor portfolio

Antonio Pérez, Espanha | 004 (El mar nos mueve) Dzieedzorm Vormawor | Fuvemeh, Greater Accra (Ghana), 2020 (4)* 19
transversalidades 2020 melhor portfolio

20 Antonio Pérez, Espanha | 005 (El mar nos mueve) Bebli Adzotor | Fuvemeh, Greater Accra (Ghana), 2020 (5)*
transversalidades 2020 melhor portfolio

Antonio Pérez, Espanha | 006 (El mar nos mueve) Angela Gbologa | Fuvemeh, Greater Accra (Ghana), 2020 (6)* 21
tema 1
património natural, paisagens
e biodiversidade
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

prémio tema
Mark Anthony Agtay
Emirados Árabes Unidos

Time of Sands
24 Sharjah, (Emirados Árabes Unidos), 2018 (7)*
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

26 Mark Anthony Agtay, Emirados Árabes Unidos | Time of Sands | Sharjah (Emirados Árabes Unidos), 2018 (8)*
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

Mark Anthony Agtay, Emirados Árabes Unidos | Time of Sands | Sharjah (Emirados Árabes Unidos), 2018 (9)* 27
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

28 Mark Anthony Agtay, Emirados Árabes Unidos | Time of Sands | Sharjah (Emirados Árabes Unidos), 2018 (10)*
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

Mark Anthony Agtay, Emirados Árabes Unidos | Time of Sands | Sharjah (Emirados Árabes Unidos), 2018 (11)* 29
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

30 Mark Anthony Agtay, Emirados Árabes Unidos | Time of Sands | Sharjah (Emirados Árabes Unidos), 2018 (12)*
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

PaTRIMÓNIO NATURAL E CONSERVAÇÃO DA FITODIVERSIDADE URBANA


Maria Eugénia Soares de Albergaria Moreira *

O equilíbrio do recife de coral, porque não tinha recolhido mais


búzios, já que havia tantos. A resposta, com um
Entre a Natureza e a Cultura existem relações de sorriso (sábio, e talvez indulgente) foi, ao abrir a
interdependência entre o espaço de vida (biótopo) mão fechada onde estavam os cinco pequenos
e os elementos vivos desse espaço (biocenoses), búzis: “estes são para hoje, amanhã venho buscar
certamente desde os povos colectores mais an- outros para dar gosto ao caril de amanhã; e todos
cestrais. Somos contemporâneos de colectores os dias eles vão crescer e dar mais…”. Nunca, nunca
que não produzem outros recursos alimentares ou mais vou esquecer esse momento, em que me
de vestuário, de colectores que recolhem parte do ensinaram, olhos nos olhos, o que é, na realidade, a
que se alimentam, de colectores que vendem o que não exploração dos recursos e a sustentabilidade
recolhem na Natureza, e de colectores lúdicos que que permite um modo de vida humano e a conser-
recolhem produtos silvestres para reconhecerem o vação das espécies, tendo em conta o equilíbrio
momento do prazer ancestral da sua integração na entre a densidade da população consumidora e a
Natureza. abundância dos recursos naturais consumidos.

A atitude ambiental destes diversos tipos de co- Na história dos Povos, a recolha sistemática dos
lectores perante aquilo que recolhem, é diferente, mesmos seres vivos, leva ao nomadismo, à deser-
na conservação do recurso que a Natureza lhe tificação, e pode terminar na extinção desses e
oferece e do qual dependem para a sobrevivência de outros seres que com ele vivem naturalmente
do dia-a-dia (uma banana e uma folha para a assar associados. Tanto nas cadeias alimentares vegetal
na brasas - não longe de Manaus, em 1998; cinco e animal.
pequenos búzios para fazer um caril familiar - Ilha
de Moçambique, em 2004), ou da do colector que Na história da Terra, sucessivos fenómenos natu-
vende o excedente dos “frutos-do-mato” de que se rais (variações climáticas globais e regionais, dife-
alimenta, à beira de um caminho da Mata Atlântica rentes composições químicas da atmosfera, fogos
(Estado de S. Paulo, perto de Santos, 1998). Não há naturais, pragas) levaram à extinção de espécies,
exploração nem desperdício do património natural antes de os humanos surgirem, e mesmo durante
do seu biótopo. Eu própria, defensora da conser- os milhões de anos das suas pequenas populações
vação dos recursos, fiquei envergonhada comigo e fracas capacidades tecnológicas de intervenção
própria, por ter perguntado à vizinha africana que ambiental. Os fósseis conhecidos testemunham
caminhava a meu lado, na retirada da plataforma isso. As figuras rupestres gravadas nas cavernas, de

31
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

certo modo, também ajudam, quando existe a re- diosa, mas além do valor ornamental, também
petição sistemática do motivo (em regra animais). eram a grande fonte dos remédios, e, portanto, o
interesse medicinal, já teorizado por Hipócrates
(cinco séculos antes da Era Comum), levou ao seu
cultivo em jardins de mosteiros, onde os alquimis-
O desequilíbrio e a revolução tecnológica tas e os monges se dedicavam ao estudo químico
dos componentes das plantas. Juntaram-se-lhes
A descoberta do fogo e da fusão dos metais, que as plantas exóticas trazidas nas viagens transo-
consumiu florestas e os animais que as habitavam, ceânicas renascentistas, também com possível
levou à primeira destruição do equilíbrio entre o uso farmacêutico e alimentar. E passaram a ser
ser humano e o património natural do seu biótopo. reunidas e estudadas em jardins de mosteiros e da
Depois, as revoluções agrícola e, sobretudo, indus- nobreza rica e informada, que contratava médicos
trial, que progressivamente integraram poluentes, (físicos) para as investigar. Nem todas as plantas
levaram à desertificação de alguns biótopos. As trazidas se adaptavam às condições do clima onde
experiências nucleares, a aviação e a disrupção da chegavam, e a necessidade de as proteger criou a
atmosfera, tal como o uso de químicos letais nas moda das estufas, as chamadas “orangeries” (para
guerras dos séculos XX e XXI. O aumento da popu- cultivar citrinos), na Europa (Inglaterra, França e
lação e a necessidade de espaço saudável para pro- Alemanha); eram monumentais estufas, de elevada
duzir alimentos suficientes, destruiu os biótopos de beleza arquitectónica, para cultivar e aclimatar as
muitos seres vivos que actualmente se encontram espécies exóticas vindas de climas mais quentes.
em perigo ou em vias de extinção. As colecções botânicas dos jardins palacianos
eram tão famosas e cobiçadas, que se realizavam
viagens de cientistas para descobrir e trazer novas
espécies de plantas e de animais. Os ingleses fo-
O reequilíbrio no enriquecimento da ram pioneiros e mestres nessas viagens de estudo,
biodiversidade onde reuniam os seus mais famosos naturalistas, e
botânicos da Suécia, Alemanha e França. Darwin, e
Por outro lado, as migrações globais dos povos, a sua viagem no Beagle, é a mais famosa.
milenares, contribuíram para o aumento da biodi-
versidade e para o conhecimento e a difusão de As colecções botânicas, conventuais e palacianas,
muitas espécies animais e vegetais desconhecidas por necessidade de estudiosos e espaços de expe-
em outras latitudes, regiões e continentes. E, os rimentação, transformam-se em jardins botânicos,
mais raros e os mais úteis, ao chegarem, foram inicialmente apenas espaços de estudo, que foram
sendo plantados em espaços onde eram protegi- sendo anexados às universidades, responsáveis
dos, aclimatados, e estudados os seus hábitos e o pela investigação e pela organização científica dos
seu uso. jardins. Foi o caso do Jardim Botânico de Lisboa,
que, pertença do Colégio Jesuíta da Quinta da Co-
Desde a Antiguidade Clássica, os jardins eram (e tovia, foi entregue à Escola Politécnica de Lisboa
ainda são!), pelo exotismo das suas plantas, sinais que o (re)criou segundo a classificação binominal de
exteriores de riqueza. A sua aquisição era dispen- Lineu, no século XVIII, e o organizou como espaço

32
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

de investigação e de educação botânica. Ainda Himalaia, dos Andes, dos Alpes, dos Pirinéus, e dos
sobrevivem duas oliveiras do pomar do Colégio Je- ambientes Árcticos. É o Jardim Botânico do Círculo
suíta, integradas no Arboreto. Foram contratados Polar Árctico.
arquitectos para delinear a paisagem de acordo
com as normas sistemáticas da classificação de Em Doha, no Qatar, sob uma estrutura climati-
Lineu, entre os quais Vandelli, que traça a disposi- zada, de lazer, há poucos anos (2006) foi criado o
ção das plantas nos Jardins Botânicos de Coimbra chamado Jardim Botânico do Trópico de Câncer,
e de Lisboa, estes no Alto da Cotovia e na Ajuda. O ou Jardim Botânico Aspire, um espaço com uma
mesmo plano do Jardin des Plantes, em Paris. colecção botânica das regiões tropicais e subtropi-
cais do hemisfério norte (Índia, China, Havai, México
Outro modelo de Jardim Botânico, já criado com e Antilhas, e Sahel Africano, entre a Mauritânia e o
essa função, agrupa as plantas pelas formações Egipto). Não é propriamente um jardim botânico,
vegetais e áreas geográficas donde provinham, mas sim um espaço de lazer com uma colecção
recriando os seus ecossistemas naturais (desertos botânica temática, que demonstra uma louvável
arenosos, desertos rochosos, frios e quentes; flo- preocupação estética e educativa.
restas tropicais do Sudeste da Ásia, do Brasil, etc).
Além de vastos espaços, necessitam de enormes Além de um espaço destinado ao estudo da Botâni-
estufas quentes, temperadas e frias para conservar ca, um jardim botânico, que é um museu vivo (com
as plantas desses climas. Os famosos Jardins Reais as espécies identificadas por placas descritivas),
de Kew, no Sudoeste de Londres, são referência pressupõe uma unidade de investigação que apoia
mundial desde o século XVIII, pela sua extensão (120 a conservação da flora mundial, com a criação e
ha), fitodiversidade e diversidade geográfica, pelos manutenção de reservas reprodutivas, e com a
estilos arquitectónicos de jardins diversos, pela multiplicação artificializada das espécies em perigo
grandiosidade e beleza das estufas e dos espaços ou em risco de extinção, e mesmo de algumas que,
abertos, plantados ao ar livre, pela qualidade da sua ainda cultivadas em raros jardins, já se encontram
escola de jardinagem (criação de híbridos e cultiva- extintas na Natureza.
res). Também pelo seu herbário e a sua investiga-
ção, genética (banco de germoplasma). São espaços de estudo, mas abertos à sociedade,
também como espaços de lazer, ainda que com
Consoante a localização geográfica, existem jar- condicionantes no uso. Alguns são espaços de
dins botânicos temáticos, mais modernos (século aclimatação natural, porque reúnem espécies de
XX), cujas plantas pertencem aos ecossistemas ecossistemas vários, que, plantadas a céu aberto,
ambientais climax, existentes em diferentes par- se reproduzem naturalmente, originando novas
tes do Mundo; vivem plantadas a céu aberto, na plantas, que se designam por naturalizadas. Um
sucessão das estações do ano, tal como acontece exemplo, é o Jardim Botânico de Lisboa (antigo
na Natureza. Um exemplo magnífico é o Jardim Bo- Jardim da Faculdade de Ciências de Lisboa), onde o
tânico Árctico-Alpino de Tromso, administrado pelo pinheiro-de-são-tomé (Afrocarpus mannii), oriundo
Museu da Universidade de Tromso, na Noruega; é da floresta de coníferas equatorial (1500m de alti-
o Jardim Botânico mais setentrional da Terra, que tude) floresce, frutifica, as sementes germinam e
reúne espécies do andar alpino das montanhas do originam mudas que são envasadas e replantadas.

33
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

A fitodiversidade urbana e a resiliência da escorre a água e se acumulam poeiras que funcio-


vegetação natural nam como solo. São chamados de ecossistemas
ruderais.

Para além dos jardins botânicos, os jardins urbanos,


Muros de pedra e muralhas seculares, no centro
públicos ou de acesso ao público, e até os privados,
de cidades, ficam cobertas de musgos, fetos e
são espaços de conhecimento, lazer e conservação
gramíneas e outras plantas ruderais, entre as quais
de muitas espécies nativas e introduzidas.
a hera, em ambientes sombrios e húmidos (na
muralha fernandina de Lisboa). No limite, crescem
As cidades e demais aglomerados urbanos não têm pequenas árvores nas fendas. As figueiras (Ficus
só espécies cultivadas. Têm vegetação nativa e até carica), são frequentes por aqui. Figueiras-de
infestante introduzida, que nasce onde encontra -bengala (Ficus benghalensis), por exemplo, em
condições para isso. De todos os níveis taxonómi- ambientes tropicais húmidos, são estranguladoras,
cos, das algas simples às angiospérmicas de flores e instalam-se em ruínas de palacetes seculares,
mais complexas. São o quebra-cabeça das autar- alguns que em tempos até foram portugueses,
quias, mas a sua existência e diversidade indicam nos arredores de Kuala Lumpur, ou em Cochim e
que o meio urbano não é, naturalmente, estéril, Colombo. Aqui, são especialmente cuidados e va-
e suporta ecossistemas específicos de elevada lorizados no Jardim Botânico de Colombo (Jardins
resiliência. Reais de Ceilão/Sry-lanka). Admiro, com fascínio,
estes países e povos que valorizam todos os mo-
Nas cidades, as lavagens e desinfecções químicas mentos da sua História, com a sapiência inata da
tendem a eliminar a flora dos pavimentos e bermas sua refinada cultura ancestral, milenar!
dos passeios. E são eficazes, especialmente nos
invernos secos e em pavimentos sem calçada Nas cidades portuguesas, nos espaços devolutos,
portuguesa e sem empedrados. Nos aglomerados na Primavera, crescem outros sistemas ruderais,
urbanos mais pequenos usava-se sal. Ainda se usa, com graminhais, margaridas e papoilas que compe-
sazonalmente, em espaços que prezam a sustenta- tem com muitos jardins. São, vulgarmente chama-
bilidade das águas que se infiltram. das de ervas daninhas. Muitas chegaram de longe,
porque as suas sementes vieram misturadas com
Os sistemas urbanos são implantados em sistemas sementes de plantas de cultivo. Um exemplo, em
naturais primários ou já transformados, povoados Setúbal: na junção do pavimento com os passeios,
por uma flora própria, em equilíbrio com as condi- e destes com algumas casas ou armazéns, em qual-
ções climáticas e edáficas locais. Em regra, esta quer fenda, nasce uma planta herbácea, chamada
flora que é destruída na fase de construção, é de botões-de-latão (pelas suas flores amarelas,
tão resiliente que renasce entre o empedrado dos reunidas em capítulos hemisféricos com forma
pavimentos, nos muros descuidados, nos edifícios de botão) a Cotula coronopilfolia, cujas sementes
abandonados, nas paredes dos edifícios com vieram da África do Sul, misturadas com sementes
revestimentos desgastados (crescem líquenes e de arroz, e que ainda infesta os muros das salinas e
musgos), nos beirais e depressões dos telhados (daí entra pelo sapal e pelos salgados.
o nome de arroz-dos-telhados para o Sedum album
que aí se instala), nas bermas dos passeios por onde

34
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

A vegetação introduzida (diversidade e de extinção, por perda dos territórios do habitat


naturalização) natural. Os parques e, especialmente as colecções
botânicas, em regra privadas, contribuem muito
Porém, tradicionalmente, quando o tema versa para o aumento da fitodiversidade.
fitodiversidade urbana, é, sem dúvida, a flora intro-
duzida que assume maior relevância. Nos jardins Os jardins privados têm um significado diferente, e
públicos e privados, nos arruamentos e pracetas, especial. A dimensão, a flora, e o posicionamento
nos cemitérios, nos parques que ligam os corredo- do jardim em relação à casa, dependem da riqueza
res verdes. Mesmo assim, entre as espécies alócto- dos bairros, e do estatuto social dos moradores.
nes, são plantadas muitas espécies da flora local, Refiro-me a moradias, excluindo os espaços verdes
não infestante. Em regra, são restos das árvores dos condomínios, e os alegretes dos prédios. No
cultivadas em quintas envolvidas pelo crescimento caso de Lisboa, de um modo geral, quando há jar-
urbano - oliveiras (em Lisboa, a oliveira é a mais fre- dim, este localiza-se em frente à casa, e a função
quente), freixos e salgueiros, raras e mal medradas pode ser só de embelezamento, com arbustos
alfarrobeiras. No entanto, a introdução de espécies apenas ornamentais e relvados (bairros com a casa
autóctones na vegetação ornamental de jardins em evidência), plantas de flor sazonais, sem plantas
e parques corresponde a uma escola paisagística utilitárias; o jardim das traseiras tem árvores de
que pretende valorizar a paisagem natural e a flora sombra ou é um pátio. Um exemplo é a parte mais
local (Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian, em nova do Restelo. Não há limoeiros (o mais frequente
Lisboa), que estando adaptada às condições eda- nos jardins de Lisboa) nem laranjeiras (Alvalade). Po-
fo-climáticas, tem melhores condições de adap- rém, num bairro como Alvalade, no sector oriental
tação ecológica e, acredita-se ter, menor custo de do bairro, do fim de 1950 e década de 1950-60, cujos
manutenção. donos eram funcionários do ministério da Agricul-
tura, em Angola, o jardim está na frente da casa,
Os jardins urbanos sempre foram e continuam a ser que mal se vê da rua, escondida por enormes e
espaços de embelezamento, públicos ou privados, frondosas abacateiras, bananeiras e até goiabeiras
de lazer, de relaxamento e de meditação (mostei- e mangueiras (estas não frutificam). No jardim de
ros, templos, cemitérios). Destes últimos, apenas trás, o quintal, há, sim, limoeiro, laranjeira, nespe-
me recordo (com saudade) do Jardim do Penedo da reira e uma horta. O similar, na relação do dono com
Meditação, em Coimbra, e (com sagrado respeito) a terra de origem, e sem comparação com o nível
do Cemitério Anglicano, em Lisboa. económico deste bairro, era um pequeno bairro so-
cial que já não existe, no Rego, por trás dos edifícios
Nos jardins públicos existem espaços destinados do Tridente, onde as casinhas de madeira e todos os
ao conhecimento da flora local ou regional, mas materiais, feitas pelos próprios, tinham, na frente
as espécies exóticas dominam, desde as conífe- um jardim-quintal, de um a dois metros de largura,
ras nórdicas, às figueiras tropicais. Muitos são, com cana-de-açúcar, papaieiras, videiras , um ou
apesar de espaços de lazer, jardins com elevada outro limoeiro espalmado, vasos com salsa e um ou
fitodiversidade, e de conservação de espécimes an- outro pé de tabaco ou de mandioca.. Os moradores
tigos, grandiosos, verdadeiros monumentos vivos. eram cabo-verdianos chegados nos anos sessenta
Recentemente cultivam-se espécies em perigo do século passado. Os jardins maiores e mais anti-

35
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

gos, à volta de mansões, ficavam no Alto da Ajuda A fitodiversidade, em si, é baixa, apesar da troca de
e na Lapa. A parte frontal do jardim tinha arbustos espécies entre os vizinhos, e os jardineiros comuns.
ornamentais, um ou outro topiado, e muitas flores Mas o significado social, incomparável. Apenas o
sazonais. Buganvíleas nos muros laterais, gran- reencontrei na Nova Inglaterra (USA), nas casas dos
des árvores ornamentais e de sombra nos pátios bairros de americanos e de imigrantes açorianos e
traseiros, com Ficus, magnólias, abetos, sobreiros cabo-verdianos. Qualquer que seja a cidade, pelo
e oliveiras antigas (restos da quinta), e jardins-de- jardim, por menor que seja, se identifica o carácter
cheiros e outros de flores de corte. Os proprietários, e a proveniência do dono. Em todas as cidades,
idosos (avós), eram lisboetas e alentejanos, vaido- qualquer jardim é um espaço de paz.
sos e fruidores dos seus jardins. Com muita razão!
Duas dessas propriedades, actualmente são hotéis
de luxo, e três são propriedades de embaixadas. 12 de Março de 2021

* Professora Catedrática de Geografia Físicada, Faculdade de Letras de Universidade de Lisboa

36
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

menção honrosa
Niloufar Sharifi, Países Baixos

A cow | Amol (Irão), 2018 (13)*


A dog | Amol (Irão), 2018 (14)* 37
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Niloufar Sharifi, Países Baixos

A child | Amol (Irão), 2017 (15)*


38 Lonely tree | Amol (Irão), 2017 (16)*
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

Niloufar Sharifi, Países Baixos

Man and sheep | Amol (Irão), 2017 (17)*


Sisyphus | Amol (Irão), 2018 (18)* 39
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

menção honrosa
Mikhail Levinsky, Rússia

Small Sea Geometry | Baikal (Rússia), 2020 (19)*


40 Small Sea Geometry | Baikal (Russia), 2020 (20)*
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

Mikhail Levinsky, Rússia

Small Sea Geometry | Baikal (Rússia), 2020 (21)*


Small Sea Geometry | Baikal (Rússia), 2020 (22)* 41
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Mikhail Levinsky, Rússia

Small Sea Geometry | Baikal (Rússia), 2020 (23)*


42 Small Sea Geometry | Baikal (Rússia), 2020 (24)*
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

menção honrosa
Luís Pedro Sobral de Carvalho Loureiro, Portugal

The salt pond keepers of Maras | Maras, Cusco (Perú), 2019 (25)*
The salt pond keepers of Maras | Maras, Cusco (Perú), 2019 (26)* 43
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Luís Pedro Sobral de Carvalho Loureiro, Portugal

The salt pond keepers of Maras | Maras, Cusco (Perú), 2019 (27)*
44 The salt pond keepers of Maras | Maras, Cusco (Perú), 2019 (28)*
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

Luís Pedro Sobral de Carvalho Loureiro, Portugal

The salt pond keepers of Maras | Maras, Cusco (Perú), 2019 (29)*
The salt pond keepers of Maras | Maras, Cusco (Perú), 2019 (30)* 45
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Patrimônio natural, biodiversidade e alterações da paisagem


na Caatinga
Bartolomeu Israel de Souza *

Introdução mílias tradicionais e seus descendentes se lamen-


taram pelo declínio econômico da região, enquanto
Grandes depressões interplanálticas onde pon- os menos favorecidos financeiramente tiveram de
tualmente vemos inselbergues e alguma serras de deixar sua vida no campo e migraram para as gran-
altitude mais expressiva (acima dos 600 metros); des metrópoles do Centro-Sul do Brasil, deixando
vegetação esparsa, sem folhas a maior parte do seu local de nascimento para tentar a sobrevivência
ano, onde sobressaem muitas Cactáceas, con- em lugares alheios, fugindo de um espaço em crise,
ferindo a muitos lugares a aparência de deserto; lembrado por muitos como uma perda dolorosa
contraste marcante entre as secas dominantes para onde, tão logo as condições financeiras permi-
(capazes de durar anos) e as chuvas tão esperadas tissem, retornariam, seja nas férias anuais ou como
pela população, criando, a seu tempo, paisagens aposentado.
barbaramente estéreis e maravilhosamente exube-
rantes, na visão de Cunha (1995); gado morto pela Exclusiva dessa parte do Brasil, a Caatinga é um
fome, praticamente mumificado diante da incle- bioma que abrange grande parte da Região Nordes-
mência do calor; casas de taipa; pobreza. te e um pequeno trecho da Região Sudeste do país,
ocupando cerca de 845.000km2 (IBGE, 2004), o que
Esses são os cenários que ainda hoje passam pela equivale a quase 10% do território nacional, onde
cabeça de muitas pessoas quando houvem falar existe uma elevada diversidade de paisagens, es-
do semiárido brasileiro, o que também é em grande tando aí incluídas fisionomias vegetais de extrema
parte divulgado pela televisão, livros e Internet. heterogeneidade.
Essas paisagens, sem deixarem de ser parcialmen-
te reais, começaram a se consolidar no imaginário
popular somente a partir do início do Séc. XX,
através da literatura, música, televisão, teatro, ci- A vegetação como expressão da diversi-
nema e também por muitos políticos regionais que dade de paisagens na Caatinga
fortaleciam essa visão para obterem benefícios
econômicos, como ainda hoje muitos o fazem. Até o momento são reconhecidas 3347 espécies
vegetais, sendo 962 gêneros e 153 famílias, das
Também é o espaço da saudade, como defende quais 526 espécies e 29 gêneros são consideradas
Albuquerque Júnior (2011), onde tantos filhos de fa- endêmicas (FERNANDES et al., 2020), números

46
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

que fazem da Caatinga a floresta tropical sazonal- da elevada importância biológica e hídrica atual,
mente seca mais extensa e ecologicamente mais constituem partes importantes da paisagem que
diversa do mundo (LESSA et al., 2019). ainda resguardam elementos fundamentais ligados
a história da evolução da Caatinga, constituindo-se
A flora da Caatinga apresenta biodiversidade dire- assim como rugosidades de valor inestimável no
tamente relacionada aos elementos chuva e solos. que diz respeito a compreensão de dinâmicas natu-
O primeiro, no que diz respeito a quantidade e dis- rais passadas, em algum momento dominantes de
tribuição espacial, o que nos remete diretamente a forma mais generalizada.
dinâmica regional das massas de ar nessa parte do
Brasil, assim como as influências locais ligadas ao Fazendo parte dessa heterogeneidade, consideran-
relevo. O segundo, quanto a capacidade de acumu- do todo o bioma, também encontramos diversos
lar recursos hídricos, além de sua fertilidade. encraves com tipos de vegetação estabelecidos
em microclimas subúmidos à úmidos de abrangên-
Nesse último caso, a estrutura geológica apresenta cia espacial mais ampla, como resultado de fatores
papel fundamental, fazendo com que se apresen- ligados ao relevo no que diz respeito ao posiciona-
tem conjuntos de paisagens distribuídos, de forma mento de suas vertentes em relação à direção das
generalizada, entre terrenos cristalinos, sedimen- massas de ar úmidas, além da altitude, estabele-
tares e inselbergs, criando padrões de diversidade cendo-se disjunções da Mata Atlântica (Brejos de
de espécies e paisagens heterogêneas (MORO et Altitude) e do Cerrado, além de Campos Rupestres,
al., 2016a). embora não venham a se constituir como ecossis-
temas pertencentes à Caatinga.
Como regra, solos derivados de rochas cristalinas
são mais ricos em nutrientes, embora também
sejam rasos e pedregosos, o que limita a retenção
de água, enquanto solos derivados de rochas sedi- Ameaças e possíveis soluções à degrada-
mentares são pobres em nutrientes, apresentando ção da Caatinga
maior profundidade, portanto, capacidade mais
elevada de retenção de água que os primeiros. Nos Todo esse rico e ainda pouco conhecido patrimô-
inselbergs, os solos estão diretamente relaciona- nio vem passando historicamente por diversas
dos a topografia (MORO et al., 2014; MORO et al., ameaças. Mais recentemente, Antongiovanni et. al.
2016b), havendo grande diversidade de microhabi- (2018) identificaram que 90% dos remanescentes
tats onde, em alguns casos, ocorre maior concen- vegetais da Caatinga apresentam tamanho inferior
tração de sedimentos e água o suficiente para se a 500 ha., submetidos a elevada pressão antrópica,
estabelecer uma vegetação do tipo arbustivo-ar- onde se destacam o extrativismo vegetal e a ex-
bórea (POREMBSKI, 2007), incluindo espécies vege- pansão da agropecuária.
tais que na literatura constam como pertencentes
a biomas de climas úmidos e subúmidos, como Em 1818, ao atravessar parte do sertão da Bahia,
Mata Atlântica, Floresta Amazônica e Cerrado. Martius comentou que a Caatinga, denominada
por ele de Hamadryades e de silva aestu aphylla,
Nesse caso, essas áreas de inselbergues, para além em função da aparência de morte da maioria das

47
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

espécies vegetais, devido a ausência de folhas na do total de propriedades dessa região tinham áreas
estação seca, estava contida em uma região pobre de tamanho inferior a 20 hectares e, dentre estas,
de água e com florestas ralas, descrevendo uma 50,2% apresentavam tamanho inferior a 5 hectares
natureza de grande hostilidade, a ponto de também (IBGE, 2017), o que as caracteriza como minifúndios
denominá-la de silva horrida (LAHMEYER, 2017). e torna praticamente impossível, nas condições
climáticas e socioeconômicas dominantes, o de-
Essa foi a primeira descrição de impacto dessa re- senvolvimento de práticas agropecuárias susten-
gião a ser levada mundo afora, o que causou grande táveis (BUAINAIN; GARCIA, 2020) que, por sua vez,
curiosidade no mundo acadêmico e popular, sendo também compromete a recuperação dos recursos
também decisivo na criação de uma impressão até vegetais nativos a ser efetuada por qualquer inter-
certo ponto estereotipada, ainda hoje dominante. venção que possa vir a ocorrer, já que normalmente
isso acarreta a interrupção, por diversos anos,
Entretanto, baseado no que já comentamos sobre do uso direto da terra, ação que esses pequenos
o conhecimento atual desse bioma, é provável proprietários não tem como efetuar, sem que isso
que as paisagens observadas por Martius e do seu ameace ainda mais a sua subsistência.
parceiro Spix tivessem sido submetidas anos antes
a elevadas taxas de desmatamento, devido ao uso No caso da criação oficial de áreas protegidas
histórico da madeira para a produção de cercas das para diminuir os impactos das ações humanas na
propriedades, carvão, lenha, uso na construção Caatinga, também nesse quesito a situação da
civil e principalmente para expandir as lavoras de Caatinga é crítica. De acordo com Hoeffel et al.
algodão, do qual o semiárido brasileiro foi grande (2010), somente 1% desse bioma está protegida
produtor desde o século XVIII até a metade do XX como unidade de conservação integral, onde não
(JOFFILY, 1902; 1910; LUETZELBURG, 1922). é permitido o uso econômico direto, enquanto 6%
são unidades de uso sustentável, destacando-se a
Esse conjunto de ações acabou fazendo com que, categoria Área de Proteção Ambiental - APA, onde
basicamente nas áreas de relevo com topografia são permitidas essas atividades. Particularmente
mais íngreme e solos com elevada pedregosidade nas APAs, entre o que existe na lei e o que se prati-
e rochosidade, ao dificultarem o uso mais intenso ca, a distância é muito grande, já que a sua gestão
dos recursos naturais, venham a se constituir a ocorre em propriedades privadas, o que geralmente
muito tempo como os poucos lugares em que ain- intensifica conflitos sem precedentes (HOEFFEL et
da sobrevivem os maiores remanescentes de uma al., 2010), ficando pouco do que de fato poderíamos
Caatinga mais original, compondo verdadeiramen- considerar de sustentável nos usos dessas terras.
te uma mata de aparência esbranquiçada (dado o
xerofilismo dominante e os caules de cor clara de A última observação acima ratifica a idéia de
várias plantas), conforme o significado desse nome Kremen; Merenlender (2018), para quem a criação
indígena. de unidades de conservação pode apresentar resul-
tados positivos reduzidos, quando efetuado sem
Contribuindo decisivamente para esse quadro, estar atrelado a outras ações, relacionadas a ges-
temos mais recentemente a questão fundiária. De tão dessas terras e das propriedades que estão no
acordo com o último Censo Agropecuário, 75,1% seu entorno, criando estratégias de conservação

48
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

das áreas utilizadas na agropecuária para amenizar A reintrodução maciça de espécies vegetais na-
e reduzir as ameaças que se expandem para além tivas já conhecidas pela Ciência poderia ser uma
das que estão sob a proteção do Estado, como a alternativa para dar início a um processo de recu-
perda de biodiversidade, mudança climática e uso peração dessas áreas degradadas nesse bioma,
insustentável dos solos. embora as dificuldades econômicas possam tornar
tal ação parcialmente impraticável, pelo menos em
Pensar em alternativas para a problemática da de- grandes áreas, dado o volume de capital necessário
gradação e da desertificação no semiárido brasileiro para esse empreendimento. Portanto, para além
não é uma tarefa fácil e nem simples, envolvendo dos entraves econômicos, isso nos levar a discutir,
questões de ordem ecológica, social e financeira. obrigatoriamente, até que ponto a sociedade civil e
Desses três, apesar do pouco conhecimento sobre os governantes consideram importante que ações
os processos de restauração natural da Caatinga, em desse tipo, entre outras possíveis e conhecidas,
comparação a outros ecossistemas de climas secos sejam empreendidas e o quanto de Ciência e ações
(MATESANZ; VALLADARES, 2007), as maiores dificul- estamos dispostos a promover nessa parte do
dades estão ligadas a questão social e financeira. Brasil.

Referências Bibliográficas JOFFILY, I. Notas sobre a Parahyba. Rio de Janeiro: Typographia do


Jornal do Commercio, 1892.
ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M. A invenção do Nordeste e outras
artes. São Paulo: Cortez, 2011. JOFFILY, I. Notas de viagem da villa de São João do Cariri a do Mon-
teiro. Revista do Instituto Histórico e Geográphico Parahybano,
ANTONGIOVANNI, M.; VENTICINQUE, E. M.; FONSECA, C. R. Frag- 1910, ano II, vol. 2.
mentation patterns of the Caatinga drylands. Landscape Ecology,
2018, v. 33, n. 8, p. 1353 – 1367. KREMEN, C.; MERENLENDER, A. M. Landscapes that work for biodi-
versity and people. Science, Oct. 2018, 362 (6412).
BUAINAIN, A. M.; GARCIA, J. R. Desenvolvimento rural do semiárido
brasileiro: transformações recentes, desafios e perspectivas. LAHMEYER, L. F. (trad.). Spix; Martius. Viagem pelo Brasil, 1817-
Confins, 2013, 19. Disponível em: http://journals.openedition.org/ 1820. Brasília: Edições do Senado Federal, 2017.
confins/8633. Consulta em 20 de fevereiro de 2020. LESSA, T.; SANTOS, J. W.; CORREIA, R. A.; LADLE, R. J.; MALHADO,
CUNHA, E. Os sertões. 37ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Francisco Alves, A. C. M. Known unknowns: Filling the gaps in scientific knowledge
1995. production in the Caatinga. Plos One, 2019, 14(7): e0219359.

FERNANDES, M. F.; CARDOSO, D.; QUEIROZ, L. P. An updated plant LUETZELBURG, P. V. Estudo Botânico do Nordeste. 2ª. ed. Rio de
checklist of the Brazilian Caatinga seasonally dry forests and Janeiro: Ministério da Viação e Obras Públicas/IFOCS, 1922.
woodlands reveals high species richness and endemism. Journal of MATESANZ, S.; VALLADARES, F. Improving revegetation of gypsum
Arid Environments, v. 74, 2020, p. 104079, https://doi.org/10.1016/j. slopes is not a simple matter of adding native species: insights
jaridenv.2019.104079. from a multiespecies experimente. Ecol. Eng., 2007, 30, p. 67 – 77.
HOEFFEL, J. L. M.; FADINI, A. A. B.; SEIXAS, S. R. C. Sustentabili- MORO, M. F.; LUGHADHA, E.; FILER, D. L.; ARAÚJO, F. S.; MARTINS,
dade, qualidade de vida e identidade local – olhares sobre as APA F. R.; A catalogue of the vascular plants of the Caatinga Phytogeo-
Cantareira, SP e Fernão Dias, MG. São Carlos: RiMa Editora/FAPESP, graphical Domain: a synthesis of floristic and phytosociological
2010. surveys. Phytotaxa, 2014, 160, p. 1 – 118.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa de bio- MORO, M. F.; LUGHADHA, E. M. N.; ARAÚJO, F. S.; MARTINS, F. R. A
mas e de vegetação. 2004. Disponível em <http:www.ibge.gov.br/ phytogeographical metaanalysis of the semiarid Caatinga Domain
home/presidência/notícias/210522004biomahtml.shtm>. Consulta in Brazil. The Botanical Review, 2016a, 82: 91 - 148.
em 15 de dezembro de 2019. MORO, M. F.; SILVA, I. A.; ARAÚJO, F. S.; LUGHADHA, E. N.; MEA-
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agrope- GHER, T. R. MARTINS, F. R. The role of edaphic environment and cli-
cuário. Rio de Janeiro: IBGE, 2017. Disponível em < https://censos. mate in structuring phylogenetic pattern in Seasonally Dry Tropical
ibge.gov.br/agro/2017/>. Consulta em 26 de fevereiro de 2021. plant communities. Plos One, 2016b, 10(3): e0119166.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agrope- POREMBSKI, S. Tropical inselbergs: habitat types, adptative strate-
cuário. Rio de Janeiro: IBGE, 2017. Disponível em < https://censos. gies and iversity patterns. Brazilian Journal of Botany, 2007, v. 30,
ibge.gov.br/agro/2017/>. Consulta em 26 de fevereiro de 2021. n. 4, http://dx.doi.org/10.1590/S0100-84042007000400004.

* Professor na Universidade Federal de Paraíba (UFPB/Brasil)

49
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Babak Mehrafshar, Irão | Magnificence of the desert 2 | Isfahan (Irão), 2019 (31)*
Babak Mehrafshar, Irão | Magnificence of desert 1 | Isfahan (Irão), 2019 (32)*
Mohammad Shafai, Irão | Desert 5 | Isfahan (Irão), 2018 (33)*
50 Mohammad Shafai, Irão | Desert 4 | Isfahan (Irão), 2017 (34)*
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

107 3.1.5.jpg Edgardo Izcovich, Argentina | Contraste | Puna, Tolar Grande, Salta (Argentina), 2019 (35)*
108 3.1.6.jpg Edgardo Izcovich, Argentina | Mar | Puna, Tolar Grande, Salta (Argentina), 2019 (36)*
109 274.1.4.jpg Javier Yárnoz Sánchez, Espanha | Flora de invierno en paisajes erosionados n.º 4 | Bardenas Reales, Navarra (Espanha), 2020 (37)*
110 274.1.3.jpg Javier Yárnoz Sánchez, Espanha | Flora de invierno en paisajes erosionados n.º 3 | Bardenas Reales, Navarra (Espanha), 2020 (38)* 51
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Alberto Cob, Espanha | Inmensidad | Sierra de Madrid (Espanha), 2018 (39)*


Alberto Cob, Espanha | Inmensidad | Jotunheimen (Noruega), 2017 (40)*
Tanya, Federação Russa | Fog in Long Mountines | Orenburg region (Federação Russa), 2020 (41)*
52 Tanya, Federação Russa | in Long Mountines | Orenburg region (Federação Russa), 2020 (42)*
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

Fabio Gálvez, Espanha | Monstruos de Arena | Zaragoza (Espanha), 2015 (43)*


Fabio Gálvez, Espanha | El Despliegue | Navarra (Espanha), 2015 (44)*
Nazanin Kazemi Nava, Irão | Homeland | Iran, Mazandaran, Chelav (Irão), 2020 (45)* 53
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Dolly Kabaria, Índia | Hues V | Arizona (Estados Unidos), 2016 (46)*


Dolly Kabaria, Índia | Hues VI | Arizona (Estados Unidos), 2016 (47)*
João Maia, Portugal | Hamersley Gorge | Hamersley Gorge, Karijini National Park, WA (Austrália), 2020 (48)*
54 Elisa Fernanda Batista Mendonça, Portugal | 4- A Piscina | Vila Viçosa (Portugal), 2020 (49)*
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

Yevhen Samuchenko, Ucrânia | Flying above the Pink planet | Kherson (Ucrânia), 2019 (50)*
Yevhen Samuchenko, Ucrânia | White profile | Kherson (Ucrânia), 2019 (51)*
Henrique Murta, Brasil | Lago de Basalto | Lanzarote / Islas Canarias (Espanha), 2019 (52)*
Henrique Murta, Brasil | Tierra Imperfecta | Lanzarote / Islas Canarias (Espanha), 2019 (53)* 55
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Rodolfo Gil, Portugal | Terras da Meia-Luz 6 | Açores (Portugal), 2019 (54)*


Inga Stenka, Rússia | Sem título | (Islândia), 2019 (55)*
María Victoria Robledo, Argentina | Territorio en Lucha | Comodoro Rivadavia (Argentina), 2018 (56)*
56 Antonina Anapolska, Espanha | Natural abrasion platform and beach Arnia | Cantabria (Espanha ), 2019 (57)*
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

Yuri Pritisk, Rússia | Steller’s cow (Hydrodamalis gigas) | Black Sea (Rússia), 2018 (58)*
Yuri Pritisk, Rússia | Aurochs (Bos primigenius) | Chuvashia (Rússia), 2018 (59)*
Alfonso Bejar Manda, Espanha | Delta del Ebro 4 | Tarragona (Espanha), 2017 (60)*
Alfonso Bejar Manda, Espanha | Delta del Ebro 5 | Tarragona (Espanha), 2017 (61)* 57
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Mario Llorca Lourerio, Espanha | A Spider from a far away place | Nazca (ICA) (Perú), 2019 (62)*
Mario Llorca Lourerio, Espanha | A whale in the desert | Nazca (ICA) (Perú), 2019 (63)*
Yoong Wah Alex Wong, Malásia | Vanishing White_06 | Lake Baikal (Rússia), 2019 (64)*
58 Yoong Wah Alex Wong, Malásia | Vanishing White_05 | Lake Baikal (Rússia), 2019 (65)*
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

João Galamba, Portugal | Ria de Aveiro II | Ria de Aveiro (Portugal), 2020 (66)*
João Galamba, Portugal | Ria de Aveiro IV | Ria de Aveiro (Portugal), 2020 (67)*
Farzane Esteki, Irão | Untitled | Near Kharaji; Chaharmahal and Bakhtiari Province (Irão), 2019 (68)*
Akram Kazemipour Khabbazi, Irão | Rahmanloo Port | Urmia Lake (Irão), 2019 (69)* 59
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Nimai Chandra Ghosh, Índia | Loan Boat Man | West Bengal (Índia), 2019 (70)*
Nimai Chandra Ghosh, Índia | Mid Day Nap | West Bengal (Índia), 2019 (71)*
60 Marcos Bauza, Espanha | TR1 | Dzanga-Sangha National Park (República Centro-Africana), 2019 (72)*
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

Shamil, Rússia | The village Qays | Kulu valley (Índia), 2019 (73)*
Shamil, Rússia | View of one of the villages of the Kullu valley, called Kais | Kulu valley (Índia), 2019 (74)*
Lívia Vaqueira, Portugal | Capela de Nossa Senhora da Estrela e a Buraca | Serra de Sicó, Pombal (Portugal), 2020 (75)*
Nunes, França | Le moulin de Chambeuil | Cantal / Région d’Auvergne (França), 2019 (76)* 61
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Armando Rojas Florez, Colômbia | Las huellas del mar. Del tiempo... | La Barra, Buenaventura (Colômbia), 2017 (77)*
Joaquim Fernando Valente Garrido, Portugal | Rapa das Bestas - desparatização cavalos selvagens | San Lourenzo de Sabucedo, Pontevedra (Espanha), 2018 (78)*
Deba Prasad Roy, Índia | Workers of the Stone Chip Industry_04 | Village - Pakur, State - Jharkhand (Índia), 2013 (79)*
62 Deba Prasad Roy, Índia | Workers of the Stone Chip Industry_06 | Village - Pakur, State - Jharkhand (Índia), 2011 (80)*
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

Leyla Emektar, Turquia | Hot springs and buffaloes-2 | Van/Guroymak (Turquia), 2019 (81)*
Leyla Emektar, Turquia | Hot springs and buffaloes-3 | Van/Guroymak (Turquia), 2019 (82)*
Musa, Turquia | Natural spring water and life | Natural spring water and life (Turquia), 2012 (83)*
Musa, Turquia | Cleaning from natural water source | Cleaning from natural water source (Turquia), 2012 (84)* 63
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Le Minh Quat, Vietname | 2-Round Boat catching shrimp and fish | Phan Thiet (Vietname), 2017 (85)*
Enrique Balenzategui Arbizu, Espanha | YoffTonghor_01 | Dakar (Senegal), 2019 (86)*
64 Flavio de Aquino Carvalho, Brasil | Salina Garcia | Porto do Mangue, Northeast Brazil (Brasil), 2020 (87)*
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

João Coutinho, Portugal | História do Mar | Costa da Caparica (Portugal), 2012 (88)*
João Coutinho, Portugal | História do Mar | Costa da Caparica (Portugal), 2011 (89)*
Hasan Rahmani, Irão | Bread and Water | Amirkiasar, Gilan Province (Irão), 2019 (90)*
Gaston Juan Ramseyer, Brasil | Pescador do Río Imbassaí | Bahia (Brasil), 2019 (91)* 65
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Mehrdad Vahed Yousefabad, Irão | Lake or desert | Urmia Lake (Irão), 2019 (92)*
Marina, Bielo-Rússia | Turov Ringing Station | Gomel Region (Bielo-Rússia), 2015 (93)*
Carolina Alberton Leipnitz, Portugal | Microvisão da Tempestade | Leça da Palmeira (Portugal), 2019 (94)*
66 Dmitriy Dzyubin, Rússia | Echo of irresponsibility | Bogorodskoye village, Chernsky district, Tula region (Rússia), 2017 (95)*
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

Ekaterina Vasilyeva, Rússia | Neva. River for people, people for river | St. Petersburg and Leningrad region (Rússia), 2016 (96)*
Raquel Rivas Navas, Reino Unido | CocaCola I, Hiking towards Chame and Jagat | Jagat (Nepal), 2019 (97)*
Shahab Naseri, Irão | Neighborhood | Kurdistan (Irão), 2020 (98)* 67
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

José Carlos Nero, Portugal | Alentejo Dreams | Alentejo (Portugal), 2017 (99)*
Olmo Mezquita, Espanha | Dehesa salmantina | Traguntía, Salamanca (Espanha), 2020 (100)*
Hugo Jorge Pires Ferreira, Portugal | Água é Vida 6 | Mata do Buçaco, Mealhada, Aveiro (Portugal), 2017 (101)*
68 Olmo Mezquita, Espanha | Dehesa salmantina | Traguntía, Salamanca (Espanha), 2020 (102)*
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

Ana Filipa Scarpa, Portugal | Vista a perder de vista | Serra da Estrela (Portugal), 2015 (103)*
Alexander Vodolazsky, Ucrânia | Apocalyptic landscape | Donbass (Ucrânia), 2014 (104)*
João Paulo de Sousa Cabral, Portugal | Salgueiro | Mazouco (Portugal), 2020 (105)*
Nastassia Kurbyka, Bielo-Rússia | Miracle in December | Minsk, Victory Park (Bielo-Rússia), 2019 (106)* 69
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Nafis Ameen, Bangladesh | Beauty of the Haor | Kishoregonj (Bangladesh), 2017 (107)*
Katya Evdokimova, Reino Unido | Gray Zone 1 | The Baltic States (Letônia), 2017 (108)*
Jose Manuel Maiquez Mijares, Espanha | El bosque de cobre 6 | Genalguacil / Málaga (Espanha), 2019 (109)*
70 Stanislav Zarechansky, Rússia | Magic property of winter | Siberia (Rússia), 2018 (110)*
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

Alexey Sergovantcev, Rússia | Touchpoint 5 | Smolenskaya Oblast (Rússia), 2019 (111)*


Roberto Conde, Espanha | Desde el claro | San Lorenzo de El Escorial (Espanha), 2019 (112)*
Lara Zanardi, Itália | Fog3 | Po Valley, Verona (Itália), 2019 (113)*
Roberto Conde, Espanha | Elementales | San Lorenzo de El Escorial (Espanha), 2019 (114)* 71
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Paulo Rocha Monteiro, Portugal | Chapim-azul | Rosmaninhal, Idanha-a-Nova (Portugal), 2019 (115)*
Paulo Rocha Monteiro, Portugal | Felosa-comum | Rosmaninhal, Idanha-a-Nova (Portugal), 2019 (116)*
Eduardo dos Santos Franco Flor, Portugal | Alvéola-cinzenta | Guarda (Portugal), 2016 (117)*
72 Jorge Ruiz del Olmo, Espanha | Great Woodpecker | Huesca (Espanha), 2017 (118)*
tema 1 património natural, paisagens e biodiversidade

Oscar Colín Resendiz, México | Recolección de néctar | Guanajuato (México), 2019 (119)*
Rodrigo de Oliveira, Brasil | Singularidades da Natureza | Ceará (Brasil), 2018 (120)*
Oleg Kugaev, Rússia | Gecko | Aralkum Desert (Uzbequistão), 2019 (121)*
João Pedro dos Santos Vitorino, Portugal | Preservar a Natureza 1 | Lagares da Beira (Portugal), 2020 (122)* 73
tema 2
espaços rurais, agricultura
e povoamento
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

prémio tema
Alireza Memariani
Irão

Opening
76 Baloochistan (Irão), 2020 (123)*
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

78 Alireza Memariani, Irão | Mourning | Baloochistan (Irão), 2020 (124)*


tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

Alireza Memariani, Irão | Livestock | Baloochistan (Irão), 2020 (125)* 79


transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

80 Alireza Memariani, Irão | House of sludge | Baloochistan (Irão), 2020 (126)*


tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

Alireza Memariani, Irão | School | Baloochistan (Irão), 2020 (127)* 81


transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

82 Alireza Memariani, Irão | Hole | Baloochistan (Irão), 2020 (128)*


tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

Espaços rurais – três percursos


Fernando Oliveira Baptista *

Os espaços rurais têm tempos de mudança, com coincidir com o rural, mas começava a debater-se o
contornos distintos de um país a outro, mas nas seu contributo para a industrialização do país.
últimas décadas tiveram um destino comum: per-
deram centralidade na definição das suas próprias Esta foi-se impondo e a análise da agricultura foi
configurações. No entanto, entre eles têm diferen- mudando de referencial. Do abastecimento e das
ças e semelhanças que, por vezes, vão para além condições de vida, passou-se aos temas do desen-
do aparente. Seguem-se três notas sobre estes volvimento e da modernização. Em 1963, Castro
percursos de espaços rurais. Caldas evidencia as diferenças existentes nos
níveis de desenvolvimento agrícola dos territórios
do Continente e, no ano seguinte, Sedas Nunes
distingue duas faces no país: “expansão industrial e
1. estagnação agrícola”; “economia moderna e econo-
Espaço rural: um percurso – Portugal mia tradicional”; “civilização moderna e civilização
século XX, o declínio da hegemonia da tradicional”.
agricultura
Assistiu-se, depois, a grandes transformações no
Há mais de um século, Sertório do Monte Pereira espaço rural. Inicialmente, foram as consequências
associava a diversidade do espaço rural à geografia do grande êxodo da década de sessenta, uma maior
dos cereais de pão: trigo, milho e centeio. Rural e abertura da economia do país e a crescente moder-
agricultura eram sinónimos e esta hegemonizava nização da agricultura. Depois, os acontecimentos
a utilização do espaço. O abastecimento público dos anos pós 1974, nomeadamente a Reforma
era a função da agricultura e os estudiosos come- Agrária e a contra-Reforma Agrária, e, sobretudo,
çavam a interessar-se pelas condições de vida da a acção das autarquias democraticamente eleitas.
população rural. Registam-se, ainda, desde meados dos anos oiten-
ta, os efeitos da integração na União Europeia.
Quase meio século depois, Orlando Ribeiro renova
a leitura da diversidade do espaço rural: mantém Neste percurso, o espaço agroflorestal deixou
a referência aos cereais mas, alargando o âmbito, de ser hegemonizado pela agricultura, e desta
centra-se nos sistemas agrários, relacionando-os foi-se também separando progressivamente a
com as influências climáticas e enraizando-os na economia da população rural. Neste contexto,
sua própria história. A agricultura continuava a apesar da influência social e cultural da agricultura,

83
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

a diversidade do espaço rural deixou de decorrer Estas mudanças associaram-se, geralmente, a


das características dos sistemas agrários. Passou outros aspetos, nomeadamente à transformação
a ser marcada pela densidade populacional e pela tecnológica da agricultura, a uma maior abertura ao
influência relativa dos diferentes sectores de ac- mercado das vilas e aldeias, a movimentos popula-
tividade económica. Impuseram-se ainda, desde cionais e à influência crescente do mundo urbano
os anos noventa, as preocupações ambientais e nos modelos de consumo e nas atitudes e com-
foram também crescendo procuras associadas à portamentos. Tanto a dissociação, antes referida,
valorização económica dos recursos naturais e do como estes factores repercutiram-se fortemente
património rural, e às actividades territoriais (caça, no espaço rural, em particular nas suas estruturas
lazer, desporto,...). sociais e económicas, onde as consequências foram
muito distintas de um país a outro e, muitas vezes,
Da classificação dos espaços rurais associada aos mesmo entre regiões. São algumas destas diferen-
cereais de pão – trigo, milho e centeio – passou-se ças que se vão apresentar de seguida, muito esque-
a outra nomenclatura: rural urbano (muito marcado maticamente, recorrendo a quatro exemplos.
pela influência da malha das cidades), da industria e
serviços (dependente do mercado de trabalho dos Nestas notas, a designação espaço rural não remete
sectores secundário e terciário, frequentemente para qualquer especificidade sociológica, mas
associado a migrações pendulares e quotidianas), permite apenas a identificação de um espaço so-
de baixa densidade (onde não houve alternativas ao ciopolítico associado a um padrão de povoamento
êxodo) e, nalgumas manchas, mantêm-se ainda o marcado por aglomerados de pequena dimensão
que se pode considerar como um rural agrícola. e onde se delimita a fronteira entre o campo e a
cidade. É um referencial empírico e diferente nos
quatro casos que se vão referir, nos quais a similitu-
de decorre apenas de, em cada caso, se estabelecer
2. uma delimitação entre o que se entende por rural e
Espaço rural: uma comparação – a perda por urbano.
da centralidade
Referem-se, de seguida, os factores que contribuí-
Como antes se referiu, ao espaço rural corres- ram decisivamente para modificar as configurações
pondia tradicionalmente uma função produtiva do rural, nos quatro casos antes referidos. O
agrícola, assegurada pela população rural, e de primeiro, e mais determinante, foi a modernização
cujo desempenho dependiam as suas economia e tecnológica da agricultura que permitiu um notável
condições de vida. Foi uma situação que veio a ser aumento da produção e da produtividade, aumento
abalada pelas grandes mutações que foram mol- esse que favoreceu mesmo uma baixa tendencial
dando a agricultura na sequência dos processos do preço dos alimentos que se verificou na se-
de industrialização e urbanização, e das dinâmicas gunda metade do século XX. Simultaneamente,
da fase atual da economia mundial. São processos contribuiu para a dissociação da agricultura moder-
que, em muitos países e regiões, têm conduzido a nizada das dinâmicas do território e para a perda
que a economia da população rural se dissocie do de relevância da agricultura tradicional, que era a
abastecimento do mercado em produtos agrícolas. base económica do tecido social do rural. Foi o que

84
tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

aconteceu, ainda que com matizes diferentes, em As consequências destes movimentos levaram, no
França, na península ibérica e no Brasil. rural profundo da península ibérica, a um progres-
sivo declínio da população, dado que as estruturas
Dada a crescente liberalização dos fluxos comer- tradicionais se tinham esboroado e não houve con-
ciais – é o segundo fator – esta baixa repercutiu-se dições de procura urbana, que permitissem outra
mesmo em muitos países em que se mantiveram economia. Em França, como já se notou, houve pri-
as estruturas agrícolas tradicionais, mas em que meiro um ajustamento em baixa e, posteriormente,
estas foram afetadas pela entrada de produtos im- com a nova economia, restabeleceu-se um nível
portados a um preço inferior ao que seria possível demográfico sustentável.
com a produção nacional. Foi a situação de Angola
em que, por um lado, se manteve a agricultura Em Angola, com um acentuado crescimento
tradicional mas, por outro, esta mesma agricultura, populacional, não se deparam à população rural al-
dada a sua debilidade, tornou-se irrelevante para ternativas favoráveis fora das suas aldeias. Assim, a
alimentar as cidades, face à concorrência dos pro- uma economia agrícola irrelevante para o mercado,
dutos importados. acresce uma população desnecessária para o siste-
ma económico do país.
O terceiro fator decorreu da existência de um siste-
ma urbano cuja procura de bens e serviços não-agrí- Finalmente, no Brasil, apesar do dinamismo secto-
colas no espaço rural permite a constituição de uma rial do agronegócio, do fortalecimento de alguma
economia não assente na produção agrícola, a que agricultura familiar e da emergência das atividades
se associa uma população, ainda que com baixa den- não-agrícolas, persiste no rural um amplo contin-
sidade, mas com sustentabilidade demográfica. Foi gente de famílias sem terra ou com diminutas e
o que ocorreu em França onde, primeiro, um amplo fragilizadas unidades agrícolas. A sua existência
êxodo rural ajustou o nível da população ao desman- decorre de um continuado crescimento popula-
telamento da agricultura tradicional e, posterior- cional e da impossibilidade de uma saída para as
mente, a nova economia se associou a um patamar cidades, mas também das debilidades, em muitas
de população sustentável. No Brasil, alguns autores regiões, da agricultura familiar e, sobretudo, das
defendem a existência de movimentos similares a atividades não-agrícolas. É uma realidade que se
este modelo mas, de qualquer modo, têm apenas impôs e que, de algum modo, diluiu a relevância de
expressão nalgumas regiões e não emergiram como outras dinâmicas.
uma alternativa na estruturação económica do rural.
As apreciações anteriores não visam qualquer ge-
As dinâmicas populacionais são o quarto fator. neralização, mas apenas evidenciar que o rural que
Tanto em França como na península ibérica, os que se confundia com a agricultura, tanto na economia
sobraram da transformação tecnológica da agricul- como na vida social, passou a ser moldado ou
tura puderam abandonar os campos, indo para as bloqueado – como no caso de Angola – por fatores
cidades ou emigrando. Este ajustamento foi muito que são exteriores às suas vilas e aldeias. Identifica-
facilitado pela tendência, que entretanto se insta- ram-se alguns destes fatores, mas, o que sobretu-
lou nestes países, de uma baixa taxa de crescimen- do importa destacar é a perda de centralidade do
to, ou mesmo de uma quebra populacional. rural, na definição da sua própria configuração.

85
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

3. comunidades dos Andes. Constatou que havia


Espaço rural: semelhanças e diferenças tantas semelhanças entre o comunero de Sayago e
o andino que lhe causava “um absurdo assombroso
Insista-se, por último, na precaução a ter na compa- quando (os de Sayago), em vez desse castelhano
ração dos espaços rurais. José Maria Arguedas, an- puríssimo, não se expressavam em quechua”. Acres-
tropólogo e escritor peruano, num estudo publicado centava, no entanto, uma diferença decisiva: “Já
inicialmente em 1968, comparou a zona espanhola não existe entre eles (os de Sayago) o vínculo mágico
de Sayago – que faz fronteira com Portugal – com que une o comunero índio com a natureza”.

* Professor aposentado do Instituto Superior de Agronomia (Universidade de Lisboa)

86
tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

menção honrosa
Dibakar Roy, Índia

Dragging gold | West Bengal (Índia), 2020 (129)*


Making yellow stripe | West Bengal (Índia), 2020 (130)* 87
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Dibakar Roy, Índia

Walk on the yellow stripe | West Bengal (Índia), 2020 (131)*


88 Yellow painting | West Bengal (Índia), 2020 (132)*
tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

Dibakar Roy, Índia

Yellow stripe | West Bengal (Índia), 2020 (133)*


Pattern creation | West Bengal (Índia), 2020 (134)* 89
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

menção honrosa
Andi Nursam Adiputra, Indonésia

Climb Coconut | Kabupaten Selayar, Sulawesi selatan (Indonésia), 2017 (135)*


90 Peel the coconut | Kabupaten Selayar, Sulawesi selatan (Indonésia), 2020 (136)*
tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

Andi Nursam Adiputra, Indonésia

Coconut is dried | Kabupaten Selayar, Sulawesi selatan (Indonésia), 2020 (137)*


Portrait of the copra farmer | Kabupaten Selayar, Sulawesi selatan (Indonésia), 2020 (138)* 91
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Andi Nursam Adiputra, Indonésia

The expression of copra farmers | Kabupaten Selayar, Sulawesi selatan (Indonésia), 2018 (139)*
92 Copra is ready for sale | Kabupaten Selayar, Sulawesi selatan (Indonésia), 2020 (140)*
tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

menção honrosa
Helen McLain, USA

In a ditch... | Arizona, Along Route 66 (USA), 2017 (141)*


Abandoned Land | Arizona, Route 66 (USA), 2017 (142)* 93
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Helen McLain, USA

No mail today... | Arizona, Along Route 66 (USA), 2017 (143)*


94 Pegasus | Missouri, Along Route 66 (USA), 2017 (144)*
tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

Helen McLain, USA

Dreams | Arizona, Along Route 66 (USA), 2017 (145)*


Life stopped | Illinois, Along Route 66 (USA), 2016 (146)* 95
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

CONFLITOS NO CAMPO DO BRASIL ENTRE CAMPONESES, QUILOMBOLAS,


INDÍGENAS E GRILEIROS 1

Ariovaldo Umbelino de Oliveira *

O capitalismo mergulhou, a partir de 2008, numa estabelecimentos que não possuíam a propriedade
crise profunda. Os países não conseguem mais se da terra, ou seja, os arrendatários, os parceiros e os
reerguerem com as mesmas facilidades de outrora. ocupantes.
Soma-se a crise estrutural, a situação grave da
pandemia da Covid-19. No Brasil fala-se claramente Esse número associado a estrutura violentamente
em como sair dela, como superá-la. concentrada da terra no país, mostrou de que lado
estão os muitos funcionários públicos que lá tra-
Assim, o país vai sendo tragado pelo avanço desco- balham. Estão do lado dos grileiros e dos homens
munal da dívida pública interna que não apresenta, mais ricos de nossa sociedade.
sequer pequenos números, que indiquem uma
diminuição de seu tamanho. Em 2019, o Brasil tinha Aliás, ao lado dos grileiros, pois, no curto período
a dívida pública interna era de R$ 4,248 trilhões. O de dois anos o vice que virou presidente, Michael
que equivale a dizer, que o país atingiu o percentual Temer, enviou ao Congresso a MP 759 que tratou
de 90,2% do total. Ou seja, a previsão para 2023, de resolver juridicamente o problema da grilagem
será de 96,3%, e, por volta de 2025, o total será de terras no país. Este documento virou a Lei no
100%. Os sinais do futuro são negros para todos os 13.465, em 11 de julho de 2017, e que teve o Decreto
brasileiros. no 9.310 em 15 de março de 2018 que a regulamen-
tou. Dessa forma, via legal, os grileiros de terras
Soma-se a essa questão do endividamento interno, vão regularizando seus grilos, até 2.500 hectares.
a questão dos dados do Censo Agropecuário de Aquelas propriedades griladas que excediam esta
2017, que indicou para o país 5.073.324 estabeleci- dimensão vão aguardando outra “oportunidade”.
mentos contra um total de 5.175.636 que havia em
2006, período do último censo. Uma diminuição de Depois que passou este curto governo de dois
102.312 estabelecimentos, ou seja, de menos de anos, iniciou-se outro em 2019, o de Jair Bolsonaro
1,98%. Porém, esta diminuição no número de esta- eleito para quatro anos, que tratou de empossar no
belecimentos não significa que esteja diminuindo o cargo de secretário especial da Secretaria Especial
número dos proprietários, pois, estes aumentaram de Assuntos Fundiários - SEAF/MAPA, ninguém
de 3.946.411, em 2006, para 4.108.639 proprietários, mais ninguém menos do que Luiz Antônio Nabhan
em 2017, ou seja, um total de 162.228 estabeleci- Garcia, que se apresentou com um currículo onde
mentos a mais que 2006, ou 4,11% de aumento. encontrava-se o cargo que ocupava antes de
Lembre-se que a diminuição ocorreu entre aqueles assumir a Secretaria: “Presidente da União Demo-

96
tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

crática Ruralista – UDR – Brasília – DF- período: 30 do Estado, Direito do Cidadão. Ou este outro, por
de março de 2013 a 31 de dezembro de 2018” 2. Esta exemplo: Reforma Agrária é o instrumento de Polí-
pessoa é o responsável pelas ações do governo tica Pública para se fazer Cumprir a Função Social
federal atual com relação as medidas fundiárias. da Propriedade Privada da Terra no Brasil. É como
É uma espécie de uma “raposa tomando conta do não se pudesse ser dito mais, mas, tudo o que es-
galinheiro”. tão fazendo contra a Reforma Agrária, não merece
esse silêncio impostos pelos meios de comuni-
É por isso que no governo federal atual não se fala cação de massa, pelos órgãos governamentais, e
mais em reforma agrária, é como se o Capítulo III – por muita gente mesmo. Por isso é necessário dar
Da Política Agricola e Fundiária e da Reforma Agrá- um basta nesse silêncio sepulcral instalado por
ria, e os artigos 184, 185, 186, 187, 188, 189, 190 e 191 todos os lados no país. Chega de tanta hipocrisia e
da Constituição Federal estivesse desaparecido, silêncio, abramos nosso peito e gritemos bem alto:
não existissem mais. E lembrar que o artigo 184 diz o governo atual está cometendo um crime contra
que “compete à União desapropriar por interesse a Constituição Federal de 1988, particularmente,
social, para fins de reforma agrária, o imóvel rural porque não faz mais a Reforma Agrária.
que não esteja cumprindo sua função social”, e, o
artigo 186 diz que “a função social é cumprida quan- Foi por todos estes atos e fatos que os conflitos no
do a propriedade rural atende, simultaneamente, campo e sua companheira inseparável a violência,
segundo critérios e graus de exigência estabeleci- não pararam de aumentar. E ela vem acompanhada
dos em lei”. do número de pessoas assassinadas, que vão pin-
tando com cores vermelhas os conflitos no campo
Mais, muito mais, a obrigação do governo federal brasileiro.
fazer o PNRA (Plano Nacional de Reforma Agrária),
previsto na Constituição Federal do Brasil, e, antes
dela, prevista na Lei que criou o Estatuto da Terra,
a lei 4.504 de 30/11/1964. Todas elas exigiam, porém, 1.
não se tornou realidade pelos governos militares Os conflitos no campo no Brasil
(65/84): O governo Sarney 85/89 fez o I PNRA.
Entretanto, os governos Collor/Itamar 90/94, e o Os conflitos no campo no Brasil alcançaram 1.834
governo FHC 95/98 e 99/02, não o fizeram. O go- conflitos em 2019. Destes, foi o primeiro lugar em
verno Lula 03/06 fez o II PNRA, mas, o governo Lula conflitos por terra já registrado no Brasil, que foi
07/10 não o fez, nem o governo Dilma 11/14, e muito de 1.207 em 2019. Outros dados são importantes
menos o governo de 15/16. O governo Temer 16/18 e estão presentes no gráfico 01 e são relativos a
não fez, e, o governo Bolsonaro 19/22, também, ocupações/retomadas e novos acampamentos
ainda não fez. que foram mais expressivos em 1998 e 1999 para os
primeiros, e, 2003 e 2004 para o segundo.
Assim, a paciência já esgotou faz muito tempo,
só há um rumo a seguir, aquele da contestação, Levando em consideração o número de famílias
do grito sem parar. É por isso que se precisa de envolvidas nos conflitos no campo apresentaram
lemas como este a seguir: Reforma Agrária, Dever dados um pouco diferente, pois, traziam o período

97
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

do primeiro governo pós período governado pelos orientação política no ano de 2007. E trocou seu
militares, ou seja, o governo Sarney, quando apre- histórico lema de luta pela reforma agrária já, pelo
sentou dados expressivos (133.435 famílias em lema da luta pela reforma socialista para o futuro.
1987) entre 1985 e 1988. É bom lembrar que este foi Foi o que sucedeu deste período até hoje, despen-
o período do I Plano Nacional de Reforma Agrária, cou o número de ocupação/retomada e de novos
e um dos mais violentos conflitos por terra. acampamentos, e, no inverso, aumentou o número
de conflitos por terra no Brasil. Foram os seguin-
Depois, o período do primeiro mandato de Lula tes dados em 2008, o número de famílias envol-
na presidência da república, ou seja, entre 2003 e vidas em conflitos por terra foi de 42.531, sendo
2006, foi o tempo mais significativo dos conflitos que aquelas envolvidas nas ocupações/retomadas
no campo. Neste período, foi quando, em 2003, foram de 25.559 famílias, e, aquelas relacionadas
chegou-se à presença de mais 100 mil famílias en- nos novos acampamentos foram apenas 2.755
volvidas em conflitos por terra no Brasil. Foi neste famílias. E, comparando-se com os dados de 2019,
período que, pela segunda vez, o país conheceu ocorreu o total de 144.537 famílias envolvidas em
o II Plano Nacional de Reforma Agrária. Mas, quis conflitos por terra, e, somente 3.476 famílias entre
a verdade que o país conhecesse a derrocada da aquelas das ocupações/retomadas, e, apenas
reforma agrária, pois, foram, no segundo governo 1.064 entre aquelas dos novos acampamentos.
de Lula, e, nos dois de Dilma que o país conheceu
“o final da reforma agrária”. É o final de um tempo em que se lutava pela refor-
ma agrária tendo como esteio o Movimento dos
Entretanto, não foi somente do governo do Sem Terra, agora, segue-se a luta pela reforma
Partido dos Trabalhadores que partiu este lema agrária, mas, sem um movimento que dê o norte
antirreformista, mas, foi também, do principal ao processo geral. Mas, uma coisa é certa, a luta
movimento popular de luta pela reforma agrária, pela reforma agrária continua cada dia mais forte.
que veio a segunda derrota. Sim, foi do agora
Movimento dos Sem Terra, que havia mudado sua Visando, melhor mostrar, esta mudança na orien-
tação política que o MST
Gráfico 01 conheceu nos últimos treze
BRASIL - NÚMERO DE CONFLITOS NO CAMPO - 1985/2019
FONTE: CPT ORG.: OLIVEIRA, A.U.
anos, apresento, agora, os

2000
dados sobre conflitos em
1800 um gráfico de curvas sobre
1600 cada um dos três dados
1400
básicos. Observando-se o
1200

1000
gráfico 02, verifica-se que a
800 curva dos conflitos por terra
600
tem uma trajetória comple-
400

200
tamente diferente das duas
0
1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019
outras: ocupações/retoma-

CONFLITOS POR TERRA OCUPAÇÕES/RETOMADAS NOVOS ACAMPAMENTOS TRABALHO ESCRAVO


das e novos acampamentos.
SUPEREXPLORAÇÃO CONFLITOS POR ÁGUA OUTROS Esta trajetória se inicia com

98
tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

o destaque dos 636 conflitos por terra em 1985. É curioso observar que de 1996 a 2000 foi um
Este período foi aquele do início do governo Sarney período de domínio do MST no campo brasileiro,
após mais de 20 anos do governo militar. Naqueles pois, ele atingiu no primeiro ano (1996) o total de
tempos, o Brasil conheceu a elaboração do I Plano 653 conflitos no campo com 255 conflitos por terra
Nacional de Reforma Agrária, e, junto com ele, a e 398 ocupações/retomadas. Essa hegemonia do
fundação da União Democrática Ruralista (UDR) MST no campo no país, continuou em 1997 com 658
liderada pelo médico de Goiás, Ronaldo Caiado. Foi conflitos no campo, sendo que 195 conflitos por
terra e 463 ocupações/retomadas; em 1998 os nú-
um tempo dos maiores assassinatos no campo bra-
meros foram 751 conflitos no campo e 152 conflitos
sileiro. Depois deste período veio os anos noventa
por terra e 599 ocupações/retomadas; em 1999 fo-
e a eleição de Fernando Henrique Cardoso, e, com
ram 870 conflitos no campo, sendo que foram 277
ele o início da alavancagem do crescimento do MST
conflitos por terra e 593 ocupações/retomadas; e,
como movimento de massa na luta pela reforma
no ano 2000 foram 558 conflitos no campo, sendo
agrária. Cabe salientar que neste período ocorre-
que foram 168 conflitos por terra e 390 ocupações/
ram as repercussões em nível nacional e interna-
retomadas.
cional provocados pelos massacres de Corumbiara
e Eldorado dos Carajás, que desencadearam uma Depois, veio dois anos de baixa geral motivada pe-
grande onda de protestos contra a impunidade das las medidas anti-movimentos feita nos dois últi-
forças policiais envolvidas e a necessidade de se fa- mos anos do governo Fernando Henrique, a saber,
zer a reforma agrária urgentemente. Isso sem falar aumentou a criminalização das ocupações de terra
da tensão crescente no Pontal do Paranapanema, proibindo que as mesmas, fossem vistoriadas
em decorrência da violência dos latifundiários, e, a por dois anos, suspendendo qualquer negociação
Marcha Nacional por Reforma Agrária, Emprego e em caso de ocupação de prédios públicos pelos
Justiça que reuniu 100 mil pessoas até Brasília em envolvidos no processo de desapropriação. Além,
1997. dessa medida, o governo de Fernando Henrique
Gráfico 02 fez o projeto de reforma
agrária sem reformar nada:
BRASIL - No DE CONFLITOS POR TERRA - 1985/2019 a famosa “reforma agrária”
FONTE: CPT ORG.: OLIVEIRA, A.U.

1400
pelos Correios, que não fez
reforma alguma.
1200 1207

1079

1000
989 964
No primeiro mandato de Lula
surgiu esperança de se fazer
816 793
777 805
800
761 771

636
634
659
752

638
763
a reforma agrária no país.
615
600 599 593
Ledo engano, pois, o desejo
582
550
528
495 496
463 459

de se fazer a reforma agrária


420 437
400 398 390 391 384
351 366 364
306 272
280
294 290
morreu no ninho, pois, o presi-
277 285
260 255 252 238 230 210
194 200
200 200 194
169
184 150 180
146 195 143
dente Lula matou a reforma,
119 152 168
89 65 90 67
71 80 77 81 64 48 40 36 35 43
50 30 13 20 27 22 17
14 10
0 5
1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019
fazendo com que a equipe
CONFLITOS POR TERRA OCUPAÇÕES/RETOMADAS NOVOS ACAMPAMENTOS liderada por Plinio de Arruda

99
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Sampaio, tivesse o plano da reforma feito, porém, duas outras curvas: a de ocupações/retomadas
só que não seria seguido. Fez uma meia reforma, e e a de novos acampamentos que passaram a cair
chegou ao final do primeiro mandato com um núme- rapidamente. Mas, quis a verdade que os conflitos
ro de novos assentamentos pouco mais de 155 mil. por terra seguiram a mesma tendência até 2008,
Mas, foi o período que mais se fez reforma agrária para depois, em 2009, iniciarem uma descolagem
nos quatorze anos dos governos petistas no país. das duas outras curvas, ou seja, da de ocupações/
retomadas e de novos acampamentos.
No ano de 2007, o MST fez seu 5º Congresso
Nacional em Brasília, e neste evento iniciou o pro- E, a partir daí a curva de conflitos por terra ganhou
cesso de mudança na sua história. Abandonou sua projeção e atingiu em 2019 o total de 1.207 conflitos
trajetória de mais de 20 anos de luta pela reforma com um número de famílias envolvidas de 565.992,
agrária, e, passou a lutar para se constituir em um constituindo-se no maior número de conflitos e de
“partido político”. Por isso, passou a lutar por “re- famílias envolvidas nos conflitos por terra até hoje
forma agrária popular” que seria correspondente no país. Esse aumento do número de conflitos por
a uma reforma agrária socialista. Esse processo terra entre 2008 e 2019, foi de 163%, e, no número
culminou em 2019, com um total de 28 ações de de famílias foi de 166%. Ou seja, um aumento de
luta pela reforma agrária com o envolvimento de mais de uma vez e meia, quer no número, quer
apenas e tão somente, 2.353 famílias envolvidas. no número de famílias envolvidas. Cabe ressaltar
que o número de famílias envolvidas em conflitos
Este processo de retirada do MST da luta pela por terra apresentou os maiores índices em 1986,
reforma agrária, iniciado em 2007, ocasionou uma quando chegou a mobilizar 594.448 famílias, e,
mudança na curva de conflitos por terra no campo particularmente em 1987, quando atingiu o total de
brasileiro, pois, os dois gráficos 02 e gráfico 03, 667.177 famílias. Em 2019, o resultado foi de 565.992
apresentaram um comportamento conjunto das famílias envolvidas em conflitos por terra.

Gráfico 03

BRASIL - No FAMÍLIAS - CONFLITOS POR TERRA - 1985/2019


FONTE: CPT ORG.: OLIVEIRA, A.U.

160000

144537
133435
140000

118890
120000 112580
110038
104883
100000 91773
89289 95389
89110
86027
81091 76482 81602
80000 78258 79591

70394 69193
64497 66358 65552 66943
63080 61136
60000 5826656036 59082 65742
51604
54427 49158
48451 49950
30076 42531
40000 30476 44364
22477 15307 37155
33218
36915 31355 33216 28986 22824 2279922799 21126
26984 26958 27278 22783
2432926120 21778 19321
25559
20000 20516 17233 16858
22063 17748
16030 1553819092 10269
10353 11524 10750
8234 6299 2755 4176 3579 4570 4263 3011 1222
10031 3210 857 3055 3476
0 27861064
1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019

CONFLITOS POR TERRA OCUPAÇÕES/RETOMADAS NOVOS ACAMPAMENTOS

100
tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

2. assassinatos em conflitos no campo. Estes núme-


Os assassinatos no campo ros demonstram a violência com que os conflitos
se dão no campo brasileiro.
Um dos pontos mais trágicos dos acontecimen-
tos envolvendo os movimentos socioterritoriais Dessa forma, os assassinados/as tiveram a seguin-
no campo brasileiro são os assassinatos. Eles te distribuição regional: região Norte 1.097 pessoas
têm ocorrido em grande quantidade e por isso ou 42,6%; região Centro Oeste 3l2 pessoas ou
apresentaram o dado de 2.576 assassinatos 12,1%; região Nordeste 793 pessoas ou 30,8%; re-
em conflitos no campo de 1964 a 2019. Desse gião Sudeste 243 pessoas ou 9,4%; e, região Sul 131
total, ocorreram durante o período da ditadura pessoas ou 5,1%.
militar 687 assassinatos em conflitos no campo
brasileiro. Durante o governo Sarney foram 605 Assim, o processo histórico vai sendo escrito por
assassinatos; no governo Collor/Itamar foram ou- aqueles que lutam e buscam no futuro um lugar
tros 311 assassinatos; no governo FHC foram 292 para que possam produzir, e de outro, aqueles que
assassinatos; no governo Lula foram 304 assassi- nunca fizeram nada, buscam indicar o caminho da
natos; no governo Dilma foram 246 assassinatos; reação e do conformismo. Portanto, antes que
no governo Temer foram 99 assassinatos; e, no seja tarde demais, à luta companheiros, porque ela
primeiro ano (2019) do governo Bolsonaro foram 32 está se ampliando no campo brasileiro!

1 A grilagem de terras é a falsificação de documentos para, ilegal- cular mediante falsificação de documentos de propriedade da área.
mente, tomar posse de terras devolutas ou de terceiros, bem como Os agentes de tal atividade são chamados grileiros..
de prédios ou prédios indivisos. O termo também designa a venda 2 http://www.agricultura.gov.br/acesso-a-informacao/institucional/
de terras pertencentes ao poder público ou de propriedade parti- quem-e-quem/secretari

Bibliografia

CHAYANOV, A. V. La organización de la unidad económica campesi- violência e mundialização, in AMAZÔNIA REVELDA, CNPQ, Brasília,
na - Ed. Nueva Visión - Buenos Aires - 1974. 2005, p. 67 a 184.
ENGELS, F. A Origem da família, da propriedade privada e do Estado, OLIVEIRA, A.U. A Questão Agrária no Brasil: Não Reforma e
Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 1987. (http://www.marxismo. Contra-Reforma Agrária no governo LULA, in Os Anos LULA
org.br/uploads/205092007112811.pdf) contribuições para um balanço crítico 2003-2010”, Rio de Janeiro,
FERNANDES, B. M. A Formação do MST no Brasil, Ed. Vozes, Petró- Garamond, 2010, p.287/328.
polis, 2000. OLIVEIRA, A.U. Os Posseiros voltam a assumir o Protagonismo da
IEA/USP, Desenvolvimento Rural (dossiê) - EDUSP, São Paulo, 2001. Luta Camponesa pela Terra no Brasil, in CPT Comissão Pastoral
da Terra. (Org.) Conflitos no Campo Brasil 2010. 18 ed. São Paulo:
KAUTSKY K. A Questão Agrária - Proposta Editorial - São Paulo 1980. Expressão Popular, 2011.
LENIN, V. I. O Desenvolvimento do capitalismo na Rússia - Abril OLIVEIRA. A.U. A Mundialização da Agricultura Brasileira, Iãnde Edi-
Cultural - São Paulo - 1982. torial, São Paulo, 2016. (http://www.geografia.fflch.usp.br/inferior/
MARTINS, J. S. O Cativeiro da Terra, Ed. Ciências Humanas, São laboratorios/agraria/publicações.htm)
Paulo, 1979. OLIVEIRA. A.U. A Fronteira Amazônica Matogrossense: grilagem,
MARTINS, J.S. Os Camponeses e a Política no Brasil - Vozes, Petró- corrupção e violência, Iãnde Editorial, São Paulo, 2016.
polis, 1981. (http://www.geografia.fflch.usp.br/inferior/laboratorios/agraria/
MARTINS, J. S. O Poder do Atraso - Hucitec - São Paulo, 1996. publicações.htm)

MARX, K, “O Capital” - Col. Os Economistas - Nova Cultural, São PAULINO, E.T. et alli (org.) Campesinato e Territórios em disputa,
Paulo, 1985. Expressão Popular, São Paulo, 2008.

OLIVEIRA, A.U. Modo capitalista de Produção, Agricultura e Refor- SHANIN, T. La classe incomoda - Alianza Editorial - Madrid - 1993.
ma Agrária, Labur Edições, São Paulo, 2007. (http://www.fflch.usp. STÉDILE, J. P. (Org.) A Questão Agrária Hoje, Editora da URGS/ANCA
br/dg/gesp/baixar/livro_aviovaldo.pdf) -1994.
OLIVEIRA, A.U. BR-163 – Cuiabá-Santarém: geopolítica, grilagem, WOLF, E. R. Guerras Camponesas do Século XX, Global, São Paulo, 1984.

* Professor Sênior Departamento de Geografia – FFLCH - USP

101
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Md Shafiul Islam, Bangladesh | Planting of paddy seedlings | Kurigram (Bangladesh), 2020 (147)*
Md Shafiul Islam, Bangladesh | Potato cultivation | Gaibandha (Bangladesh), 2017 (148)*
Rajesh Dhar, Índia | Daily life of farming hardship | West Bengal (Índia), 2019 (149)*
102 Rajesh Dhar, Índia | Farmer with his golden fibre | West Bengal (Índia), 2019 (150)*
tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

Barun Rajgaria, Índia | Helping hand 5 | Purulia (Índia), 2018 (151)*


Barun Rajgaria, Índia | Helping hand 3 | Purulia (Índia), 2018 (152)*
Samsul Huda Patgiri, Índia | Cultivation at Nenreu_1 | Benreu Village,Nagaland (Índia), 2014 (153)*
Anish Chandra Prakash, Índia | Son of the Earth | Shrirampur/Bihar (Índia), 2018 (154)* 103
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Ashraful Islam Shimul, Bangladesh | All fishermen catch fishing | Natore (Bangladesh), 2018 (155)*
Lloyd Ericson Castro Rodriguez, Filipinas | Proud Catch | Pampanga, Central Luzon (Filipinas), 2018 (156)*
Ashraful Islam Shimul, Bangladesh | Fishing | Sirajgong, Rajshahi (Bangladesh), 2019 (157)*
104 Lloyd Ericson Castro Rodriguez, Filipinas | On His Way Home | Pampanga, Central Luzon (Central Luzon) (Filipinas), 2018 (158)*
tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

Froilan Robas, Filipinas | The Drying Process | Bulacan Province (Filipinas), 2018 (159)*
Eduardo Moody Silveira, Brasil | Palafitas | Alcântara, Maranhão (Brasil), 2018 (160)*
Froilan Robas, Filipinas | Bountiful | Bulacan Province (Filipinas), 2018 (161)*
Eduardo Moody Silveira, Brasil | Feira livre | Pindaré Mirim, Maranhão (Brasil), 2018 (162)* 105
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Behmaram Mohammadreza, Irão | Wheat harvesting 2 | East Azarbaijan-Ahar-Dizbin village (Irão), 2019 (163)*
Behmaram Mohammadreza, Irão | Wheat harvesting 5 | East Azarbaijan-Ahar-Dizbin village (Irão), 2019 (164)*
Behmaram Mohammadreza, Irão | Wheat harvesting 3 | East Azarbaijan-Ahar-Dizbin village (Irão), 2019 (165)*
106 Hasrullah Arifin, Indonésia | (166)*
tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

Víctor, Espanha | Tierra de Campos 02 | Palencia (Espanha ), 2019 (167)*


Mohammad Moridvand, Irão | Old and firm | Kamazan (Irão), 2016 (168)*
Gabriel Almeida, Portugal | Ruínas Rurais 6 | Cardigos (Portugal), 2020 (169)* 107
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Claiton Luis Moraes, Brasil | Plantação de Milho X Metrópole Urbana | Cascavel, Paraná (Brasil), 2020 (170)*
Claiton Luis Moraes, Brasil | Plantação de Milho X Metrópole Urbana | Cascavel, Paraná (Brasil), 2020 (171)*
Pinkesh Bhati, Índia | Woman in red field | Jodhpur, Rajasthan (Índia), 2020 (172)*
108 Pinkesh Bhati, Índia | Walk | Jodhpur, Rajasthan (Índia), 2017 (173)*
tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

Budanova Mary, Rússia | Grandfather Kolya | Volgograd region, Pallasovsky district, Prudent farm (Rússia), 2019 (174)*
Maryam Alemomen Dehkordi, Irão | The myths of the Bakhtiari people | Bazoft (Irão), 2019 (175)*
Dyachinskaya Tatiana, Rússia | Rustic potatoes | Tver region (Rússia), 2019 (176)*
Dyachinskaya Tatiana, Rússia | Little piglets | Tver region (Rússia), 2017 (177)* 109
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

João Gonçalves Roque, Portugal | Gentes das Terras de Sicó | Venda do Brasil - Ansião (Portugal), 2018 (178)*
Roberto Serra, Itália | 02 Sardinian Village | Sardinia (Itália), 2013 (179)*
Darya, Rússia | Devotion | Kemerovo (Brasil), 2017 (180)*
110 Walter Castro Veliz, Argentina | Don Lula, el criancero | Cinco Saltos (Argentina), 2010 (181)*
tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

Roberto Serra, Itália | 06 Sardinian Village | Sardinia (Itália), 2018 (182)*


José Tomás Rojas, Espanha | Vida de un Pueblo 5 | Granada (Espanha), 2018 (183)*
António Manuel Conde Falcão, Portugal | Descanso Merecido | Trás-os-Montes (Portugal), 1990 (184)*
António Manuel Conde Falcão, Portugal | Subsistência | Trás-os-Montes (Portugal), 1990 (185)* 111
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Evgeny Ivanov, Rússia | Abandoned place nº2 | Orenburg region (Rússia), 2020 (186)*
Evgeny Ivanov, Rússia | Abandoned place nº6 | Orenburg region (Rússia), 2020 (187)*
Matheus Hobold Sovernigo, Brasil | Lobuche - 4900 m | Khumjung (Nepal), 2019 (188)*
112 Matheus Hobold Sovernigo, Brasil | Acampamento Base do Everest - 5350 m | Khumjung (Nepal), 2019 (189)*
tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

Alessandro Zoccarato, Itália | Rice Paddies02 | Piedmont (Itália), 2019 (190)*


Inés García Ruiz, Espanha | Palomares, la tierra guarda secretos 3 | Palencia (Espanha), 2017 (191)*
Alessandro Zoccarato, Itália | Rice Paddies03 | Piedmont (Itália), 2019 (192)*
Alessandro Zoccarato, Itália | Rice Paddies04 | Piedmont (Itália), 2019 (193)* 113
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Paula Louise Fernandes Silva, Brasil | Cultura do açúcar: O engenho canavieiro | Campestre, Alagoas (Brasil), 2016 (194)*
Nuno Moreira, Portugal | Geometries of Silence | Alentejo (Portugal), 2017 (195)*
José Maria Penacho de Sousa, Portugal | Plantação de Chá | Ilha de São Miguel, Açores (Portugal), 2015 (196)*
114 José Maria Penacho de Sousa, Portugal | Traje tradicional das apanhadoras de chá | Ilha de São Miguel, Açores (Portugal), 2018 (197)*
tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

Javier Andrés Pérez, Argentina | Tierra del fuego 1 | Tierra del Fuego (Argentina), 2020 (198)*
Javier Andrés Pérez, Argentina | Tierra del fuego 5 | Tierra del Fuego (Argentina), 2020 (199)*
Facundo Luque, Argentina | El jack, puesto de estancia, la cocina | Patagonia (Argentina), 2015 (200)*
Facundo Luque, Argentina | El rincon, puesto de estancia | Patagonia (Argentina), 2015 (201)* 115
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Valerii Shablovskii, Rússia | Forsaken house | Jiaozuo, Henan (China), 2010 (202)*
Valerii Shablovskii, Rússia | Outdoors still-life | Jiaozuo, Henan (China), 2010 (203)*
Milad Hemadi, Irão | Suger land | Asia (Irão), 2019 (204)*
116 Beatrice Schuett Moumdjian, Alemanha | Adit opening “Grube Gottes Geschick”, close to Schwarzenberg | Ore Mountains (Alemanha), 2019 (205)*
tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

Samsul Huda Patgiri, Índia | Traditional Murong House at Benreu village | Benreu village, Nagaland (Índia), 2014 (206)*
Rhedel Sy, Filipinas | Badjao Settlers | Batangas province (Filipinas), 2020 (207)*
Yaser Mohamad Khani, Irão | Life | The village of Sir Agha Seyed Shahrekord (Irão), 2019 (208)*
Yaser Mohamad Khani, Irão | Family | The village of Sir Agha Seyed Shahrekord (Irão), 2019 (209)* 117
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Seyedmohamad Tabrizi, Irão | Baloch girls | Sistan and Baluchestan province of Iran (Irão), 2019 (210)*
Somayeh, Irão | Morning sun | Abyaneh (Irão), 2019 (211)*
Seyedmohamad Tabrizi, Irão | Miss Moon Girls | Sistan and Baluchestan Province of Iran (Irão), 2019 (212)*
118 Mkhululi Sibanda, Zimbábue | Kitchen | The Matopos (Zimbábue), 2O2O (213)*
tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

Raul Micheleto Coca dos Santos, Brasil | Sem título | Alta Floresta, Mato Grosso (Brasil), 2020 (214)*
Ismail Odetola, Nigéria | Indoor | Ekiti State (Nigéria), 2019 (215)*
Mauro Bersanker, Espanha | Raíces | Amazónia (Brasil), 2017 (216)*
Mauro Bersanker, Espanha | Raíces | Amazónia (Brasil), 2017 (217)* 119
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Saiful Islam, Bangladesh | Happy-Go-Lucky | Cumilla (Bangladesh), 2020 (218)*


Saiful Islam, Bangladesh | Ready Set Go! | Cumilla, (Bangladesh), 2020 (219)*
Nayeem Hossain Khan, Bangladesh | Making art | Dhaka (Bangladesh), 2019 (220)*
120 Nayeem Hossain Khan, Bangladesh | Worker | Dhaka (Bangladesh), 2019 (221)*
tema 2 espaços rurais, agricultura e povoamento

Abhishek Purohit, Índia | Settlement | Rajasthan (Índia), 2018 (222)*


Abhishek Purohit, Índia | Single Step | Rajasthan (Índia), 2016 (223)*
Abhijit Dey, Índia | Boiling the cocoon | West Bengal (Índia), 2019 (224)*
Abhijit Dey, Índia | Women reeling the silk | West Bengal (Índia), 2018 (225)* 121
tema 3
cidade e processos de urbanização
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

prémio tema
Luís Ramos
Portugal

Lisboa Revisitada
124 Lisboa (Portugal), 2019/2020 (226)*
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

126 Luís Ramos, Portugal | Lisboa Revisitada | Lisboa (Portugal), 2019/2020 (227)*
tema 3 cidade e processos de urbanização

Luís Ramos, Portugal | Lisboa Revisitada | Lisboa (Portugal), 2019/2020 (228)* 127
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

128 Luís Ramos, Portugal | Lisboa Revisitada | Lisboa (Portugal), 2019/2020 (229)*
tema 3 cidade e processos de urbanização

Luís Ramos, Portugal | Lisboa Revisitada | Lisboa (Portugal), 2019/2020 (230)* 129
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

130 Luís Ramos, Portugal | Lisboa Revisitada | Lisboa (Portugal), 2019/2020 (231)*
tema 3 cidade e processos de urbanização

LAS PEQUEÑAS CIUDADES FRONTERIZAS: NUEVO PROTAGONISMO EN


LA VERTEBRACIÓN Y COHESIÓN TERRITORIAL DE LA RAYA IBÉRICA
Valentín Cabero Diéguez *

Las crisis sucesivas que vivimos en las primeras dé- sividad de los procesos de polarización urbana, que
cadas del siglo XXI, nos llevan a una reflexión nece- observamos con particular magnitud e intensidad
saria sobre el significado tan decisivo que cumplen en la grandes metrópolis como Madrid y en menor
las pequeñas ciudades, y también algunas medias o grado Lisboa, sobre todo si valoramos el consumo
intermedias, en la vertebración y cohesión territo- de bienes comunes, energías y recursos humanos.
rial de un entorno tan complejo como es la ancha y
larga franja de la Raya Ibérica, con amplios espacios Así pues, en estos tiempos de tantos riesgos
dominados por las bajas densidades y la despobla- ambientales, de incertidumbres en la salud pública
ción. La pandemia tan cruel y grave que estamos y de ruinas económicas, desde el Centro de Estu-
viviendo en estos momentos, 2020/2021, ha puesto dios Ibéricos apoyamos y defendemos la capaci-
un gran freno a las relaciones de intercambio y de dad que ofrecen las pequeñas ciudades transfron-
cooperación entre España y Portugal, entre Europa terizas para la vertebración y cohesión territorial,
y la Península Ibérica, con cierres y confinamientos con unas potencialidades físicas y endógenas
prolongados, pero también nos ha evidenciado la indudables a la hora de afrontar la construcción /
capacidad de las pequeñas villas y ciudades para ar- recuperación de un futuro incierto que ha de estar
ticular con sus servicios esenciales y de proximidad lleno de esperanzas y equidad, capaz de no dejar
los entornos rurales y rayanos. Con su presencia a nadie atrás o en la marginación de los confines y
y función integradora han aliviado y mitigado los extremos de una frontera de 1234 Km. de longitud.
efectos tan negativos de la pandemia. Quizás sea una utopía, al igual que el sueño de un
mundo rural vivo. Sería una insensatez renunciar
Por otro lado, cuando todos los programas y agen- a sus posibilidades y herencias urbanas. Tras sus
das que escuchamos se enmarcan, de algún modo, resistencias a los grandes procesos migratorios de
en los objetivos de desarrollo sostenible previstos la segunda mitad del siglo XX, a la pérdida de cen-
para el 2030, teniendo como horizonte fundamen- tralidad comarcal, su capacidad de adaptación,
tal las mudanzas tan graves del cambio climático y resiliencia y sus funciones vertebradoras merecen
las virtudes que conllevan una economía más verde, un fuerte amparo y aliento por parte de las políti-
inteligente y respetuosa con el buen manejo de los cas públicas tanto regionales como nacionales y
recursos renovables, las pequeñas ciudades raya- europeas.
nas se convierten en alternativa razonable como
ámbitos de vida y de trabajo; y muestran bondades Naturalmente, la frontera sigue existiendo y mar-
de acogida y bienestar frente a la voracidad y agre- cando con sus hitos y límites una soberanía relativa

131
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

e identidad propia y diferenciada entre España y encrucijadas de custodia y de paso que velaban y
Portugal, pero con la integración europea de Es- vigilan así por la seguridad, por los intercambios
paña y Portugal en 1986, las relaciones fronterizas mercantiles, por los movimientos migratorios y de
han cambiado de signo y se han ido ajustando a trabajo, o por el manejo de los recursos naturales
nuevas dinámicas de intercambio y movilidad (1990, estratégicos como el agua.
1995, 2002), marcadas por la cooperación y por la
atenuación de las desigualdades y diferencias a uno A pesar de los controles históricos impuestos por
y otro lado de la raya. Como nos señalan distintos las soberanías nacionales, la movilidad y las inte-
estudios acerca de las ciudades y lugares centrales racciones existentes entre las ciudades o entre los
fronterizos, son algunos nodos y corredores más pueblos vecinos dan sentido territorial e identidad
urbanos los que concentran los flujos y movi- a los espacios transfronterizos, que desde una
mientos de personas y bienes, mientras amplios mirada cultural y antropológica definimos como
territorios permanecen en condiciones marginales “rayanos”; detrás de las palabras raya y rayano se
y se muestran como verdaderos “cul de sac”, án- expresa un sentido geográfico que va más allá
gulos muertos y calcañales entre valles encajados del límite fronterizo, a la vez que se manifiesta un
y relieves abruptos y accidentados. Aunque la au- sentimiento de pertenencia e identidad con un
sencia de núcleos urbanos competitivos nos hable territorio de intersección, promiscuo, compartido
de áreas periféricas, de bajísimas densidades y de por españoles y portugueses; la mayor o menor
difícil cohesión territorial, tenemos aquí asenta- permeabilidad siempre existió, y nos recuerda sobre
mientos humanos y villas de indudable significado todo historias de escasez, aislamientos, pobrezas,
geográfico e histórico, en las que se apoyan las re- y de contrabandos transgresivos y solidarios en las
laciones económicas, sociales y medioambientales relaciones transfronterizas.
de proximidad, apuntalando las condiciones de vida
y la supervivencia de estas tierras y paisajes. Son otros tiempos, pues cabe recordar que en
los momentos del gran éxodo rural (1960 – 1975)
las tierras rayanas pierden más del 40 % de su
población, dejando desoladas a las poblaciones y
Unas redes urbanas desiguales y marca- en una situación difícil a numerosos núcleos y villas
das por los límites históricos de la raya que mantenían funciones y servicios claves en
aquellos espacios rurales de borde. Desde enton-
Sin descender a un análisis pormenorizado y con- ces y hasta nuestra integración en Europa (1986), el
ceptual de las redes y modelos de poblamiento área fronteriza y sus centros urbanos se debaten
urbano, digamos que las pequeñas ciudades de la entre el abandono, las nuevas formas de vida y la
franja transfronteriza en el Oeste peninsular vienen renovación que traen los emigrantes en Europa, o la
cumpliendo una función histórica de intermedia- oportunidades que brinda un mercado desigual con
ción en entornos rurales marcados por la lejanía, ventajas para los vecinos españoles que acuden de
la posición interior, la excentricidad respecto a los compras en fines de semana, festivos y vacacio-
grandes núcleos urbanos, y por la percepción de nales a las ciudades rayanas (Valença do Minho,
los límites (borderlanders) o del propio control de Chaves, Miranda do Douro, Elvas, Vila Real de Santo
los bienes y personas que se entrecruzan; unas Antonio) y a los mercadillos mensuales (Vilar For-

132
tema 3 cidade e processos de urbanização

moso, Portalegre), acompañadas de cierto turismo inteligencia lo endógeno y lo exógeno a partir de un


gastronómico. policentrismo urbano capaz de integrar las poten-
cialidades regionales, tanto naturales como patri-
Los trabajos de J. Gaspar, F. Guichard y L. López moniales y culturales. Los estudios de J. Gaspar, C.
Trigal nos han analizado desde los años noventa las Cavaco y A. Campesino reflexionan precisamente
transformaciones y mudanzas fronterizas de la red sobre el desarrollo territorial de las áreas periféricas
urbana, condicionadas por los ajustes sucesivos y acerca de la articulación urbana en esta línea de
de la integración europea y por las nuevas formas pensamiento y de cooperación, teniendo como
de movilidad; y se pone de manifiesto que, al lado escenario principal las relaciones Alentejo-Extre-
de las relaciones locales y regionales, los mayores madura.
contrastes vienen señalados sobre todo por las
relaciones trasnacionales e internacionales, pues En buena medida tales propuestas se habían im-
los flujos económicos y humanos se concentran en pulsado en Portugal, al reforzarse las capitales del
algunos corredores y nodos urbanos. Los datos de
interior con centros de enseñanza superior, a la par
movilidad anteriores a la crisis de la pandemia nos
que se mejoraban las comunicaciones (IP y IC, Au-
lo confirman. Como recoge el Observatorio Trans-
toestradas), beneficiándose también las cabeceras
fronterizo España-Portugal (OTEP), de los 64 pasos
de concelhos rayanos y más rurales. La localización
transfronterizos sólo 15 registran una IMD superior
de centros de enseñanza superior se impulsa a
a los 1.000 vehículos/ día; son los que concentran
partir de los años 1979-1980, cuando se crean la
el 89 % del tráfico que cruza la frontera, más de
mayoría de los Institutos Politécnicos o Escuelas
87.604 vehículos al día (2017). Sus nombres y loca-
Superiores (Beja, Portalegre, Castelo Branco, Guar-
lización, de norte a sur, son reveladores: Vilanova
da, Bragança) o se fundan algunas universidades
de Cerveira-Goián, Valença do Minho-Tuy (puente
en Faro, Universidad del Algarbe (1979), en Covilhã,
nuevo), Valença do Minho-Tuy (puente viejo),
Universidad de Beira Interior (1979), o se refunda
Monçao-Salvaterra do Minho, Vila Verde Raia-Verín
la vieja Universidad de Évora (1979), en el Alentejo,
(N 532), Vila Verde Raia-Verín (A 75), Quintanilha-San
sobre de la existencia de un Instituto Universitario
Martín de Pedroso (Puente Internacional), Vilar
(1973). Se completa el proceso con la Universidad
Formoso-Fuentes de Oñoro, Marvão-Valencia de
Alcántara, Campomaior-Badajoz, Caia-Badajoz, Vila de Tras-os-Montes e Alto Douro (UTAD), 1986, con

V. Ficalho-Rosal de la Frontera, Monte Fco. (VRS sede en Vila Real y extensiones en Chaves y Miranda
Antonio)-Ayamonte 1. En claro contraste, los 34 de Douro. Anteriormente, había nacido de iure en
pasos fronterizos que registran menos de 250 vehí- 1973 la Universidad do Minho, y de facto en 1975/6,
culos al día apenas representan el 2,3 % del tráfico con sede principal en Braga y campus también en
diario, vinculándose a los numerosos extremos de la Guimarães. Es cierto que algunos de estos centros
raya despoblados y solitarios. se han convertido en excelentes referencias de
estudio e investigación, y la presencia de miles de
Ya en los años noventa, tras la despoblación rural estudiantes de distinta procedencia (c.100.000)
y las expectativas depositadas ilusionadamente en estos campus y ciudades incorpora energías
en la cooperación transfronteriza, se apuesta por renovadas y compromisos sociales y políticos con
un desarrollo territorial en el que se conjuguen con las regiones del interior y con sus gentes.

133
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

No obstante, los procesos de polarización no se nos, o mostrarnos ejemplos barrocos y neoclásicos;


han detenido y han llevado a una concentración de algunas nos asombran con sus bastiones, fuertes,
la población en el litoral y en las áreas metropoli- muros y baluartes, fosos y revellines de los siglos
tanas de Lisboa y Oporto, donde vive el 45 % de la XVII y XVIII, siguiendo el modelo Vauban; y no faltan
población portuguesa continental. De ahí que de aquellos conjuntos vinculados al ferrocarril, a la in-
nuevo aparezcan los desafíos políticos para facilitar dustria moderna y al modernismo que nos acercan
la atracción y permanencia de los jóvenes en el in- a los tiempos contemporáneos, cuando las ciuda-
terior y luchar contra el abandono, sobre todo des- des medias y pequeñas abren sus puertas, calles y
pués de haber vivido incendios pavorosos y trágicos avenidas hacia el exterior e inician las reformas de
en pueblos y tierras despobladas. Se anuncia así sus centros tradicionales.
por parte del Gobierno actual, presidido por A. Cos-
ta, la descentralización de Secretarias de Estado En los emplazamientos y localizaciones funda-
hacia ciudades del interior y claves en la vertebra- cionales de numerosos núcleos y de pequeñas
ción de los distritos fronterizos; la Secretaría de Va- ciudades aparece con frecuencia la referencia a la
lorización del Interior se asentará en Braganza, la de fortaleza y al “Castelo”, a la posición defensiva y
Acción Social pasa a Guarda, y la de Conservación rocosa, o al lugar estratégico a orillas de un camino
de la Naturaleza, los Bosques y el Ordenamiento del histórico o de un curso fluvial que dibuja y delimita
Territorio se desplaza a Castelo Branco. ¿Será sólo con sus aguas compartidas la raya húmeda. En
un gesto o el comienzo de una auténtica y decidida mayor o menor grado, sus secuencias o tramas
descentralización en favor de la cohesión territorial históricas y el genius loci que conservan nos invitan
y de la lucha contra las incertidumbres climáticas y a su descubrimiento. Y por supuesto, al reconoci-
los riesgos ambientales? miento de sus valores urbanísticos, morfológicos,
culturales y paisajísticos, con espacios públicos y
civiles bien integrados en la malla urbana, con calles
empedradas con sentido artístico y ecológico, o
Una geografía urbana transfronteriza con con jardines y espacios verdes que favorecen la
grandes enseñanzas: emplazamientos convivencia ciudadana.
estratégicos y herencias patrimoniales
armoniosas Entre las huellas y memorias urbanas ocupa un
lugar representativo el legado judío o sefardí, al
Las pequeñas ciudades fronterizas o próximas a la convertirse la raya en un refugio en los momentos
raya están llenas de enseñanzas. Son monumenta- tan difíciles de su persecución y expulsión de la
les y hermosas. En las piezas patrimoniales que las península (siglos XV y XVI). La judería de Badajoz,
fundamentan nos muestran conjuntos monumen- por ejemplo, se desmantela en 1493. Un itinerario
tales armoniosos que pueden partir de evidentes transversal de norte a sur, siguiendo la raya y sus
raíces y trazas romanas, mantener grandiosas contornos, nos traslada en el tiempo a lugares
construcciones medievales como las murallas, y a plantas urbanas históricas, cuya relación nos
castillos y las catedrales románicas o góticas, permite un conocimiento del tejido urbano o se-
enseñarnos nobles edificios, conventos e iglesias miurbano con testimonios de la presencia de judíos
renacentistas con estilos platerescos o manueli- o de aljamas, algunas de ellas con gran relevancia:

134
tema 3 cidade e processos de urbanização

Tuy, Rivadavia, Puebla de Sanabria, Zamora, Toro, dades abaluartadas en la Raya Ibérica, con trabajos
Bragança, Freixo de Espada a Cinta, Torre de Mon- in situ reveladores (Badajoz, Olivenza, Castelo Vide,
corvo, Figueira de Castelo Rodrigo, Almeida, Meda, Alburquerque, Borba, …) que le llevan a proponerlas
Pinhel, Trancoso, Vila Nova de Foz Côa, Guarda, como Patrimonio de la Humanidad a la UNESCO a
Sabugal, Manteigas, Seía, Gouveia, Béjar, Hervás, través de ICOMOS; reconocimiento otorgado ya a
Plasencia, Coria, Valencia de Alcántara, Cáceres, las fortalezas tan imponentes de Elvas (2012).
Belmonte, Covilhã, Fundão, Penamacor, Idan-
ha-a-Nova, Castelo Branco, Alburquerque, Olivenza, Un ejemplo simbólico para ambos lados y países es
Alconchel, Barcarrota, Jerez de los Caballeros, Fre- Olivenza, con su indiscutible identidad alentejana
genal de la Sierra, Portalegre, Castelo Vide, Elvas, – extremeña, y con unas políticas municipales
Évora, Reguengos de Monsaraz, Monsaraz, Moura, tempranas y ejemplares en favor de la recuperación
Beja, Serpa, Mértola, Portimão, Niebla, o Faro. y conservación del patrimonio urbano y cultural. Lo
mismo podríamos decir de las acciones realizadas
En los palimpsestos urbanos son bien visibles las en otros núcleos de mayor o menor rango urbano
huellas musulmanas, sobre todo al sur del Sistema en el lado portugués como las llevadas a cabo en
Central, que nos hablan de su larga y decisiva pre- Castelo Branco y en Idanha-a- Nova; precisamente
sencia en la organización del poblamiento o en los aquí, en la microciudad de Idanha-a–Nova y en
usos del suelo hasta los tiempos de la reconquista. su extenso municipio, extremo y fronterizo, con
Más de quinientos años que se superpondrán a las bajísimas densidades y elevado envejecimiento, el
estructuras visigóticas. Ahí están para atestiguarlo futuro comienza a verse con cierta esperanza; gra-
la Alcazaba o ciudadela almohade de Badajoz con cias a una política activa en favor de la naturaleza,
su torre de la Atalaya, las murallas almohades o el del patrimonio, de la cultura, de los buenos servi-
aljibe de la Casa de las Veletas (siglos X-XI-XII) de cios desde la infancia, de las semillas biológicas
Cáceres (Ciudad Patrimonio de la Humanidad, 1986; (Sementes vivas), de la agricultura ecológica (green
Ciudad Vieja y Monumental en el casco antiguo de waley) se ha iniciado una reversión en el proceso de
Cáceres), o las calles laberínticas de Mértola y su abandono, en fijar a la población y en dar contenido
antigua mezquita convertida en iglesia cristiana. Y real a la cohesión social.
son muchos los topónimos en el entorno fronterizo
como el propio río Guadiana(wadi-ana), Alcántara Siguiendo el corredor inmediato y más urbano de
(Al Qantarat, El puente) o Monsaraz (Munt Sharish, la Autoestrada das Beiras, A 23, Guarda - Covilhã -
xaras, jaras, estevas) que nos confirman estas he- Fundão - Castelo Branco, y sus enlaces contiguos,
rencias culturales. descubrimos la red de Aldeas Históricas: Almeida,
Belmonte, Castelo Mendo, Castelo Novo, Castelo
Nos asombran y admiran a lo largo de la raya las Rodrigo, Idanha-a-Velha, Linhares da Beira, Marial-
construcciones y fortalezas defensivas, levantadas va, Monsanto, Piódão, Sortelha y Trancoso, casi
sobre todo después de los conflictos y guerras siempre sobre emplazamientos rocosos y escondi-
entre españoles y portugueses de 1640 a 1668. Al dos que nos muestran bellas lecciones históricas y
respecto subrayamos las aportaciones interdisci- geográficas, llenas de misterios y enseñanzas. Cada
plinares coordinadas por A. Campesino acerca del lugar nos habla mágicamente con sus piedras, sus
conocimiento y significado tan relevante de las ciu- muros, sus casas, sus ruinas y sus paisajes. No pue-

135
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

de extrañarnos que se hayan convertido en un des- a la propia raya, como en el más extenso a escala
tino turístico primordial a escala ibérica y el primero regional con ciudades poderosas y de referencia
de Portugal en recibir la certificación Biosphere como Porto, Vila Nova de Gaia, Vigo o Santiago de
destination, o de reforzarse durante la pandemia Compostela.
(2020) como una red segura y sostenible, y en un
recorrido cultural de calidad (GR22); una tendencia Y cabe señalar al respecto que, junto a las accio-
favorable que podrá consolidarse tras la superación nes de las propias administraciones regionales,
de la pandemia y los cierres y confinamientos, la asociación de municipios ligada al Eje Atlántico
acompañada – esperemos - de nuevos comporta- comparte estrategias y acciones comunes que
mientos y formas de viajar, ver, saber y conocer. afortunadamente ponen el acento en los objetivos
marcados en la Agenda 2030 para el Desarrollo
Sostenible. Desde esta organización que agrupa
a 39 entidades locales se trabaja por una agenda
Los retos inmediatos y el fortalecimiento urbana transfronteriza bien integrada y comprome-
de la vertebración territorial en la Raya y tida con el medio rural, bajo principios transversales
en el Interior de sostenibilidad, innovación, política social, políti-
ca económica y regeneración urbana.
En este contexto de renovación de las pautas de
relación y de las políticas públicas cobran un signifi- En este contexto y entorno a las tierras del río Miño,
cado sobresaliente las propuestas de cooperación con una gran movilidad de mercancías y de trabaja-
urbana que apuestan por “gobernanzas comparti- dores, las asociaciones de eurociudades nos ofre-
das”, por la “sostenibilidad”, por la “proximidad” de cen unas masas críticas razonables y alternativas
los servicios, o por los valores patrimoniales y cultu- renovadas para la vida transfronteriza: Cerveira –
rales que fortalecen sus funciones y sus posiciones Tomiño, con unos 23.000 habitantes; Tuy – Valença
territoriales a escala regional, ibérica y europea. do Mihno, con unos 31.000 habitantes; o Monção
Frente a la desterritorialización impuesta por un – Salvaterra do Miño, con unos 29.000 habitantes.,
mercado global y los grandes ejes de comunicación, que se integran a su vez en la AECT Río Minho,
frente a la polarización y la concentración metropo- constituida en Valença do Minho en el año 2018.
litana, o frente a un turismo agresivo y especulativo
de sol y playa, las pequeñas ciudades y villas de la Es reseñable y destacable como espacio común de
raya responden con propuestas revitalizadoras y cooperación el proyecto de eurociudad Chaves-Ve-
vertebradoras, justamente cuando han sido gol- rín (55.000 habitantes), a orillas del río Tâmega,
peadas por los controles y cierres impuestos por la bajo la figura de Agrupación Europea de Coopera-
pandemia . 2
ción Territorial, que a partir de 2008 apuesta por
el protagonismo de dos centros urbanos próximos
Así, entre el Norte de Portugal y Galicia se ha y bien comunicados en la propia raya y hacia el
puesto un gran empeño por parte de los muni- exterior, fortaleciendo un ámbito de vida común y
cipios y ciudades vecinas en el fortalecimiento transfronterizo en el interior gallego y trasmonta-
de la cohesión territorial a partir del sistema no. Los fondos Interreg han favorecido, sin duda,
urbano transfronterizo, tanto en el más próximo las acciones conjuntas y complementarias en favor

136
tema 3 cidade e processos de urbanização

de la integración ciudadana, la mejora de servicios eurociudad del Guadiana, Ayamonte – Vila Real de
compartidos como la salud, y el impulso de la Santo Antonio – Castro Marín, con unos 50.000
creatividad en sus entornos comarcales próximos e habitantes, apuesta por acciones comunes para
incluso mucho más allá, aprovechando las ventajas la ancha desembocadura fluvial, centrándose
de accesibilidad (A 52, A 75) y los ricos recursos pa- en la gobernanza transfronteriza, en la agenda y
trimoniales y ambientales existentes en el entorno gestión urbana, en la movilidad y accesibilidad,
como las aguas termales y medicinales. o en un turismo más permanente, más cultural y
natural en las costas meridionales de Andalucía y
Los caminos nos pueden llevar desde aquí hacia del Algarbe (Destino Frontera). El viejo e histórico
Vila Real, Mirandela, Bragança y Miranda do Douro, Guadiana y el joven Puente Internacional se con-
pequeñas ciudades transmontanas cargadas de vierten ahora en símbolos de alianza y compromiso
patrimonio y con funciones regionales integra- de cooperación.
doras, que nos acercan a tres parques naturales
representativos: el Parque Natural de Alvão, el En la raya más central y más abierta tenemos
Parque Natural de Montesinho y el Parque Natural también un buen ejemplo, la eurociudad EUROBEC,
del Duero Internacional. Incluso, al lado, en la raya Badajoz – Elvas - Campo Maior, con unos 190.000
zamorana, descubrimos la villa monumental y con- habitantes, en el eje de comunicación Madrid con
junto arquitectónico de Puebla de Sanabria (BIC, Lisboa, que pretende revitalizar y renovar proyectos
1994), con su poderoso castillo, sus murallas, su Pla- de intercambio y acciones comunes de proximi-
za de Armas, su Plaza del Azogue, o sus baluartes, dad en un entorno de gran movilidad cotidiana y
que pugna con esfuerzo y persistencia política por de transporte internacional. Las estructuras de
vertebrar estos bordes fronterizos con los vecinos cooperación entre las tres ciudades y municipios
transmontanos. En su ámbito inmediato contamos se centran en acciones favorables para la cohesión
con dos espacios naturales sobresalientes: la ciudadana y en la mejora de movilidad laboral trans-
Reserva Regional de Caza de la Sierra de la Culebra fronteriza. De este modo, las fortificaciones teme-
(1973), con la mayor presencia de lobo ibérico, y el rosas de ayer y el patrimonio histórico se transmu-
Parque Natural del Lago de Sanabria y sus alrede- tan en recursos evocadores para el turismo, junto a
dores (1978), uno de los ejemplos más significativos la cultura, la naturaleza y la gastronomía.
de glaciarismo cuaternario de la península y muy
visitado por los vecinos portugueses. Desde hace Más al norte, en otro gran eje de comunicación ibé-
años, transmontanos, sanabreses y leoneses rico y europeo, la autovía E 80, se está conforman-
vienen reclamando como estrategia ibérica y do la eurociudad “Puerta de Europa” (5 de mayo
transfronteriza una vía rápida Braganza – León, con de 2020), Almeida – Fuentes de Oñoro – Ciudad
conexión fundamental en Puebla de Sanabria (A 52, Rodrigo, con unos 20.000 habitantes; por su posi-
N 525, ZA 925, ZA 921, ZA 104); una infraestructura ción estratégica espera beneficiarse de los fondos
necesaria en una frontera tan mal comunicada, y de recuperación con una oferta logística adecuada
una oportunidad para unir el Norte de Portugal con y de servicios para el transporte internacional e
el Norte de España y la costa cantábrica. ibérico, compartiendo iniciativas y acciones revi-
talizadoras en un ámbito rayano de baja densidad;
Asimismo, en el otro extremo de la raya ibérica, la cuenta en su entorno con un patrimonio mundial

137
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

único como las “gravuras de Siega Verde y Foz desertificação, corrigir assimetrias e abrir portas a
Coa”, o con la ruta de las fortificaciones de la que todos 3.”
tenemos excelentes ejemplos en la propia Ciudad
Rodrigo y en la imponente Almeida. Con buenas palabras, todos los proyectos nos
hablan de un deseo análogo e inmediato: un creci-
Y allí cerca, ante un futuro más prometedor para el miento y desarrollo “más inteligente, sostenible e
Interior fronterizo, en el camino transversal ibérico integrador”. Es el momento de darle sentido real a
y europeo (E 80), la “forte y fermosa” ciudad de los acuerdos firmados entre España y Portugal bajo
Guarda presenta su candidatura a Capital Europea una esperanzadora “Estrategia Común de Desarrollo
de la Cultura 2027, con un proyecto atractivo y Transfronterizo” (2020) o bajo las proposiciones de
bien asentado en el territorio y en los recursos los respectivos Planes de Recuperación y Resiliencia
patrimoniales, “participado por 17 municipios, que (2020) en el marco del Cuadro Comunitario y la
pretende desenvolver a Beira Interior a partir de Agenda 2030, que tienen como objetivo funda-
una dimensão Cultural”. “Pretende-se revitalizar, mental la cohesión territorial y social. Ahí están las
desenvolver, inovar, envolver, provocar e afirmar. pequeñas ciudades fronterizas, sus valiosos patri-
Com esta Candidatura queremos criar condições monios olvidados y sus infraestructuras rotas, es-
para o desenvolvimento artístico e cultural, social, perando la “mano de nieve que sepa arrancarles” su
económico e sustentável. Podemos contrariar a verdadera música en el concierto ibérico y europeo.

1 Observatorio transfronterizo España-Portugal (OTEP). Documento 2 Ver Manifiesto Eurociudades de la Raya Hispano-Lusa (Chaves-Ve-
Nº 9 (Datos 2017), julio 2020. Secretaría General de Transportes y rín, 14 de maio de 2020)
Movilidad, Ministerio de Transportes, Movilidad y Agenda Urbana / 3 Ver Guarda 2027 pt, 03/03/2021: O Apelo do Interior
Ministério da Economia (Portugal), Año de edición: 2020.

* Universidad de Salamanca; Centro de Estudios Ibéricos

138
tema 3 cidade e processos de urbanização

menção honrosa
Massimiliano Maddalena, Espanha

The Port of Dhaka | Tenerife (Espanha), 2020 (232)*


Eating lunch in the middle of busyness | Tenerife (Espanha), 2020 (233)* 139
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Massimiliano Maddalena, Espanha

Small business | Tenerife (Espanha), 2020 (234)*


140 Pollution next to prosperity | Tenerife (Espanha), 2020 (235)*
tema 3 cidade e processos de urbanização

Massimiliano Maddalena, Espanha

Life for small car dealers | Tenerife (Espanha), 2020 (236)*


Source of drinking water | Tenerife (Espanha), 2020 (237)* 141
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

menção honrosa
Manolo Espaliú, Espanha

Welcome to the Paradise 01 | Pardis, Teherán (Espanha), 2019 (238)*


142 Welcome to the Paradise 02 | Pardis, Teherán (Espanha), 2019 (239)*
tema 3 cidade e processos de urbanização

Manolo Espaliú, Espanha

Welcome to the Paradise 03 | Pardis, Teherán (Espanha), 2019 (240)*


Welcome to the Paradise 04 | Pardis, Teherán (Espanha), 2019 (241)* 143
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Manolo Espaliú, Espanha

Welcome to the Paradise 05 | Pardis, Teherán (Espanha), 2019 (242)*


144 Welcome to the Paradise 06 | Pardis, Teherán (Espanha), 2019 (243)*
tema 3 cidade e processos de urbanização

menção honrosa
Soumyabrata Roy, Índia

The Port of Dhaka | Sadarghat, Gabtoli Rd, Dhaka (Bangladesh), 2019 (244)*
Eating lunch in the middle of busyness | Sadarghat, Gabtoli Rd, Dhaka (Bangladesh), 2019 (245)* 145
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Soumyabrata Roy, Índia

Small business | Sadarghat, Gabtoli Rd, Dhaka (Bangladesh), 2019 (246)*


146 Pollution next to prosperity | Sadarghat, Gabtoli Rd, Dhaka (Bangladesh), 2019 (247)*
tema 3 cidade e processos de urbanização

Soumyabrata Roy, Índia

Life for small car dealers | Sadarghat, Gabtoli Rd, Dhaka (Bangladesh), 2019 (248)*
Source of drinking water | Sadarghat, Gabtoli Rd, Dhaka (Bangladesh), 2019 (249)* 147
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Direito à moradia — uma luta sem tréguas


Arlete Moyses Rodrigues

Pensar a cidade no século XXI impõe averiguar a Nas cidades se concentram as mais diversas
permanência da importância da terra sobre a qual mercadorias, pessoas, infraestruturas rodoviárias,
a cidade se edifica. Terra que num passe de mágica ferroviárias, aeroportuárias, equipamentos de
se torna “imóvel”, uma mercadoria com valor de uso consumo coletivo públicos e/ou privados, edifica-
e troca, cujo acesso é delimitado por leis, normas e ções em um espaço parcelado em glebas, lotes,
principalmente pela capacidade de pagar. Na crôni- terrenos, imóveis. As edificações para habitação,
ca As Terras José Saramago diz: Como um ser vivo, de formas e conteúdos variados, ocupam a maior
as cidades crescem à custa do que as rodeia. O parte da cidade. Significam o abrigo fundamental

grande alimento das cidades é a terra, que, tomada para a vida. Em algum lugar é preciso abrigar-se das
intempéries e exercer atividades como cozinhar,
no seu imediato sentido de superfície limitada,
comer, dormir, banhar-se e realizar outras ações
ganha o nome de terreno, no qual, feita essa ope-
indispensáveis à reprodução da vida. Ninguém vive
ração linguística, passa a ser possível construir. E
sem ocupar espaço, dois corpos não ocupam o
enquanto vamos ali comprar o jornal, o terreno de-
mesmo espaço ao mesmo tempo e o abrigo é es-
saparece e, em seu lugar, surge o imóvel. Houve um
sencial para viver. Mesmo no limite da sobrevivência
tempo em que a cidade cresceu devagar (...). Hoje,
não é possível “pedir” um pedaço da casa para mo-
a cidade cresce tão rapidamente que deixa para
rar, um leito para dormir algumas horas, um banhei-
trás, sem remédio, as infâncias, as comunidades
ro para necessidades fisiológicas ou higiênicas, um
(Saramago, 1996: 69-70).
fogão ou mesmo panelas para cozinhar. A casa não
A cidade torna-se oca, sugada pelas constru-
é uma mercadoria fracionável, não se pode morar
ções onde antes era o núcleo e a vida cotidiana.
um dia e no outro não (Rodrigues, 1988).
Descobre-se, porém, que as terras no interior da
cidade denominadas como terrenos/ imóveis, são a A ocupação do espaço para moradia no capitalismo
base para construir os abrigos para morar. Mas de precisa ser entendida com a produção de espaço
quem é a terra? Quem paga por ela? Quem obtêm e reprodução das condições gerais de existência,
renda advinda da produção coletiva da cidade? O para se compreender as desigualdades socioespa-
que se esconde quando apenas se visualizam as ciais. Para morar é preciso uma casa localizada num
edificações que estão sobre ela? Como obter uma lugar com infraestrutura e equipamentos coletivos
moradia digna? que estejam de acordo com os padrões modernos,
os quais dependem de leis e normas dos diferentes

148
tema 3 cidade e processos de urbanização

Estados, na lógica da propriedade privada da terra. e como lugar de proteção contra a pandemia da
As cidades crescem, espalham-se pelas chamadas COVID 19. A casa torna-se além de abrigo, lugar de
periferias sem infraestrutura para atender aos trabalhos e estudos “remotos”. Isto para quem tem
interesses do setor imobiliário. Mas é sempre a ter- casa com características físicas e dimensões ade-
ra, mercadoria do modo de produção capitalista, quadas para o tamanho da família. E para quem não
que é a base sobre a qual se edifica a cidade em tem? Políticas públicas são necessárias, mas uma
sua totalidade. De modo geral, não se contesta a casa não se constrói do dia para noite, exceto as
necessidade de morar. Contesta-se a precariedade improvisadas. A pandemia tornou mais visível a de-
de unidades que individualmente, ou em conjunto, sigualdade socioespacial e a impossibilidade de uma
propiciariam a “contaminação” de doenças e de parcela considerável da população ter o essencial
costumes, de acordo com as políticas higienistas, para sobreviver e pagar pela mercadoria terra/casa.
vigentes até a atualidade. A questão de fundo é
que a ocupação das terras/casas contesta, mesmo A pandemia mostrou também a importância de
sem ser este o objetivo, a propriedade. O que inte- políticas públicas de moradia popular. A visibili-
ressa para o capital é o título de propriedade que dade da carência de moradia tornou impossível
permite obter rendas. Trata-se do predomínio do negar que tem muita gente sem casa ou que mora
valor de troca. Não se permite a terra como valor de muito mal e que há muita casa vazia. Mostrou a
uso o que explica as políticas higienistas. importância de políticas públicas de construção
de moradia popular, de regularização fundiária de
O debate sobre o direito à moradia surge na De- interesse social para garantir permanência nas ter-
claração Universal dos Direitos Humanos em 1948, ras ocupadas. Apesar de constar da Constituição
seguido de forma mais direta pelo princípio da fun- brasileira de 1988 o direito à moradia, os despejos
ção social da propriedade e da cidade, na Agenda violentos continuam a ocorrer, dado o interesse
Habitat I em 1976. Porém, o direito à moradia, como do setor imobiliário pela terra infraestruturada. Foi
direito humano e com perspectiva universal, só necessário organizar-se para diminuir os despejos
vai constar da Agenda Habitat II em 1996. Embora realizados de modo violento mesmo durante a
políticas de moradia para os trabalhadores existam pandemia (Campanha Despejo Zero – 2020). A
em vários países desde períodos anteriores, em Covid 19 retirou as flores que recobriam as corren-
especial após a segunda guerra mundial, é apenas tes e impediam ver que o acesso à moradia digna
ao final da década de 1990 que o princípio do direito é negado para uma grande parcela da população
é explicitado. Este princípio é importante para lutar urbana atual.
contra as barbáries da especulação imobiliária, que
não cessam mesmo em período de grandes pro- A essência da questão da falta de moradia ade-
blemas sociais, como averiguamos na pandemia da quada é que a terra e as edificações sobre ela, são
Covid 19. O princípio do direito à moradia permite a mercadorias do modo de produção capitalista.
articulação de movimentos que lutam pelo fim de Quem é o responsável por prover uma moradia ade-
despejos forçados. quada? Quem pode pagar por ela? Em 1872 Frederic
Engels demonstra que a sociedade capitalista não
Desde 2020 vivenciamos, de modo mais evidente, o pode existir sem a crise de habitação pois são os
demonstrativo da necessidade da casa como abrigo trabalhadores que, com seus parcos salários, têm

149
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

que arcar com o pagamento de seu abrigo (Engels, A moradia é uma necessidade, mas é uma merca-
2015). A produção de moradia vincula-se aos inte- doria que precisa ser paga. Como uma mercadoria
resses do capital fundiário e do setor imobiliário pode ser um direito? É um direito teórico, como
que intensifica a rápida transformação expansão todos demais direitos que constam das Declara-
das áreas das cidades. Mas cabe ao trabalhador, ções Universais. Mas são fundamentais, ainda que
ao receber seus salários, cuidar da sua precária teóricos, e apontam possibilidades para as lutas
reprodução, numa cidade que se expande com pelo direito à moradia digna. Para minimizar a ca-
preços que aumentam a cada nova produção da e rência de moradias adequadas, que interessam ao
na cidade. capital e as necessidades sociais que interessam
aos trabalhadores, o Estado capitalista, dentro das
A “necessidade” de ter um abrigo não se vincula suas normas e funções, é que deveria suprir mora-
à reprodução da vida, mas à produção de valor. O dias para parcelas de trabalhadores que não podem
trabalhador não é proprietário da terra, não tem os pagar por ela. Ao atuar na produção de moradias,
meios de produção para poder construir. Tem que o Estado também propicia a valorização do valor
pagar pela mercadoria terra/casa. E só tem seus e aumento do preço da terra e das edificações,
salários, nem sempre suficientes, para suprir essa tornando assim contraditoriamente, mais cara e
necessidade fundamental. Morar adequadamente inacessível para outras parcelas de trabalhadores
é necessidade fundamental. Agnes Heller, ao ana- o atendimento de uma necessidade vital para a so-
lisar a teoria da necessidade em Marx, aponta que brevivência. Esta é uma contradição real. Cabe ao
a necessidade está imbricada com a produção de Estado atuar para propiciar acumulação de capital
valor (Heller, 1978). A moradia é uma necessidade e ao mesmo tempo atender a uma necessidade bá-
para a acumulação do capital, mas quem paga por sica para o capital e para o trabalho. Desse modo,
ela são os trabalhadores para quem morar é funda- a intervenção do Estado, em políticas públicas
mental para sobreviver. de moradia é essencial para suprir necessidades
gerais, embora sempre insuficientes. Não atingem
Dentro da lógica da produção e consumo da cidade a essência da questão, pois mesmo em programas
capitalista é fundamental o direito à moradia. Um de moradia estatais, o trabalhador paga com seus
“direito” formal que depende de políticas públicas, salários a sua casa, mesmo aquela subsidiada, ou
considerando que os salários não suprem essa seja, com recursos parciais do Estado.
necessidade permanente. Os contratos de aluguel
e/ou de compra precisam ser garantidos pela exis- Muitos estudos e pesquisas acadêmicas destacam
tência de emprego. Se não tem emprego não tem a fragilidade das políticas públicas de moradia
moradia, se não tem moradia não tem possibilidade como: a localização de conjuntos habitacionais po-
de ter emprego, pois não tem endereço fixo. E a pulares em áreas sem infraestrutura; a quantidade
moradia, como já dito, não é fracionável, não pode de unidades produzidas em face da necessidade
morar apenas e quando tem emprego ou salário dos que ganham baixos salários; a expansão do pre-
que permite pagar por ela. Por outro lado a compra ço da terra e dos imóveis quando o Estado assume
de um lote/casa só será possível se conseguir parte da produção de moradias. Entendemos que
entrar em programas de financiamento de casas estas análises críticas estão corretas, em relação
populares promovidos pelo Estado. aos seus próprios termos, na medida em que se

150
tema 3 cidade e processos de urbanização

detêm na agenda governamental para atendimento crônica de José Saramago: Mas é sina dos homens,
dos princípios do direito à moradia e na função ao que parece contrariar as forças dispersivas que
social da terra e da cidade. eles próprios põem em movimento ou dentro deles
se insurgem. (...) E então descobre-se que as terras
Apesar da complexidade dos problemas a produção estão no interior da cidade e que todas as inven-
de moradia popular pelos Estados é fundamental ções são outra vez possíveis. E que a fraternidade
para minorar a desigualdade socioespacial, mesmo renasce (...). Para que nenhum deles morra em vão
que insuficiente. A intervenção do Estado permite (Saramago, 1996: 70).
também entender a importância da luta pelo direi-
to à moradia digna que pode pressionar o Estado a Que possamos, ao contrariar as forças dispersivas,
produzir moradias e impedir as remoções forçadas continuar com os movimentos de luta pelo Direito
de populações. A luta pelo direto à moradia implica à Moradia, pelo fim dos despejos forçados, pela
em possibilidade de permanência nas terras ocu- regularização fundiária de interesse social. Insur-
padas, por meio de regularização fundiária de inte- gindo-nos contra a apropriação privada da terra. E
resse social. O que a pandemia tem demonstrado é que a insurgência possa auxiliar a reconhecer que a
que a função social da terra precisa ser garantida e cidade é produção coletiva, que a casa é um abrigo
se avançar para o direito à moradia digna. fundamental para viver. Que a possibilidade de
contrariar as forças dispersivas criadas pela socie-
Sinteticamente, a necessidade é entendida dentro dade capitalista permita enxergar que o lucro não
do modo de produção capitalista como uma ques- pode ser obtido por uns poucos enquanto a maioria
tão fundamental para o funcionamento do capital, paga, com parte de seus salários, a apropriação
porém o necessário para os trabalhadores deve ser privada de uns poucos.
suprido pelos próprios ou por políticas públicas. A
luta pelo direito à moradia não altera as estruturas Que a fraternidade na luta contra a Covid, que
de poder, mas é fundamental para o viver. O que a mostrou a importância da casa como abrigo,
pandemia tem demonstrado é que a função social como lugar de trabalho, como uma necessidade
da terra precisa ser garantida. É preciso avançar vital para sobreviver, possa permitir que se tenha
para a conquista do direito à moradia pois sem as como horizonte a moradia como um direito uni-
lutas concretas, sem o arcabouço, mesmo que teó- versal. Para que nenhum dos que morreram sem
rico do direito à moradia, os despejos poderiam ser ter onde morar tenham morrido em vão, o direito
ainda maiores. Retomo, dentro da expectativa da à terra/casa como valor de uso é uma luta sem
luta pelo direito à moradia, outro trecho da mesma tréguas.

Bibliografia citada Heller, Agnes (1978) - Teoria de las necessidades em Marx. Editora
Península, Barcelona.
Campanha Despejo Zero (2020) in: https://habitatbrasil.org.br/ Rodrigues, Arlete Moysés (1988; 1ª edição) - A moradia nas cidades
despejozero/ brasileiras. Editora Contexto, SP.
Engels, Frederic (2015) - Sobre a questão da Moradia. Editora Boi- Saramago, José (1996) - A bagagem do Viajante. Companhia das
tempo, SP. Letras, SP.

* Professora livre docente. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Filosofia e Ciências Humas e IG Instituto de Geociências.

151
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Guillermo Merino Jiménez, Espanha | II | Talavera de la Reina, Toledo (Espanha), 2020 (250)*
Guillermo Merino Jiménez, Espanha | I | Talavera de la Reina, Toledo (Espanha), 2020 (251)*
Jesús M. Chamizo, Espanha | The Essence 3 | Valencia (Espanha), 2011 (252)*
152 Jesús M. Chamizo, Espanha | The Essence 1 | Valencia (Espanha), 2011 (253)*
tema 3 cidade e processos de urbanização

Ary Attab Filho, Brasil | Maravilhas da arquitetura | Valencia (Espanha), 2017 (254)*
Igor Mozel, Rússia | Urban shadows | Berlim (Alemanha), 2019 (255)*
Ary Attab Filho, Brasil | Canary Wharf | Londres (Inglaterra), 2018 (256)*
Rui Correia, Portugal | With The Wind | Lisboa (Portugal), 2018 (257)* 153
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Isabel de Tovar de Colubi, França | Campo electromagnético | Paris/Chaltén (França), 2017/2018 (258)*
Isabel de Tovar de Colubi, França | Tocando o céu e o inferno | Beauvais/Paris (França), 2017 (259)*
Denis Churin, Rússia | NotMine City 3 | Saint-Petersburg (Rússia), 2017 (260)*
154 Denis Churin, Rússia | NotMine City 5 | Saint-Petersburg (Rússia), 2017 (261)*
tema 3 cidade e processos de urbanização

Vladyslav Dushenkovsky, Ucrânia | Urban circle | Guangzhou (China), 2017 (262)*


Vladyslav Dushenkovsky, Ucrânia | Dive in to LED colors | Guangzhou (China), 2017 (263)*
Olga, Rússia | Mini New York opens | Moscow (Rússia), 2020 (264)*
Olga, Rússia | Steel and glass | Moscow (Rússia), 2020 (265)* 155
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Alfons Ollé Coderch, Espanha | The Botle Rack 2 | AM Barcelona (Espanha), 2019 (266)*
K M Asad, Bangladesh | Lockdown in the City | Dhaka (Bangladesh), 2020 (267)*
Alfons Ollé Coderch, Espanha | The Botle Rack 5 | AM Barcelona (Espanha), 2019 (268)*
156 K M Asad, Bangladesh | Lockdown in the City | Dhaka (Bangladesh), 2020 (269)*
tema 3 cidade e processos de urbanização

Nastya Yakovleva, Rússia | Window | Podolsk (Rússia), 2017 (270)*


Martin Alejandro Biaggini, Argentina | Lugano | Barrio Lugano 1 y 2 (Argentina), 2019 (271)*
Carla Maria Alves Brito, Portugal | Water cities 2 | Amesterdão (Holanda), 2020 (272)*
Isabelle Lopes Ferreira, Brasil | A direção | São Paulo, Centro (Brasil), 2018 (273)* 157
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Eleonora Savio, Itália | Smokestack | Tallinn (Estónia), 2018 (274)*


Eleonora Savio, Itália | Risky Jump | Tallinn (Estónia), 2018 (275)*
Lilyana Karadjova, Búlgaria | Via di S. Anna, 6, Roma | Roma (Itália), 2018 (276)*
158 Lilyana Karadjova, Búlgaria | Piazza Margana, 40, Roma | Roma (Itália), 2019 (277)*
tema 3 cidade e processos de urbanização

Majid Hojati, Irão | Tel | Ahar (Irão), 2019 (278)*


Farnaz Damnabi, Irão | Construction | Teheran (Irão), 2019 (279)*
Pedro José Saavedra Macías, Espanha | Héroe nº 1 | Sevilla (Espanha), 2015 (280)*
Farnaz Damnabi, Irão | Dungeon | Teheran (Irão), 2020 (281)* 159
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

zAck LeBeau (Sergio Andrés Díaz Cortés), Colômbia | Privilegios 9 | Bogotá (Colômbia), 2019 (282)*
zAck LeBeau (Sergio Andrés Díaz Cortés), Colômbia | Privilegios 8 | Bogotá (Colômbia), 2019 (283)*
João Mesquita, Portugal | heaven_balcony | Porto (Portugal), 2020 (284)*
160 João Mesquita, Portugal | heaven_ceiling | Porto (Portugal), 2020 (285)*
tema 3 cidade e processos de urbanização

José António Freitas Guimarães, Portugal | Polivalente | Vizela (Portugal), 2020 (286)*
José António Freitas Guimarães, Portugal | A carteira | Vizela (Portugal), 2019 (287)*
Erfan, Irão | Once upon A Time, Life | Kerman (Irão), 2018 (288)*
Erfan, Irão | Once upon A Time, Life | Kerman (Irão), 2018 (289)* 161
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Mikhail Kapychka, Bielo-Rússia | Mirror | Uglich (Rússia), 2019 (290)*


Mikhail Kapychka, Bielo-Rússia | Autumn | Yaroslavl (Rússia), 2018 (291)*
Reginaldo Luiz Cardoso, Brasil | Desagravo da Memória_IV | Belo Horizonte - MG (Brasil), 2019 (292)*
162 Reginaldo Luiz Cardoso, Brasil | Desagravo da Memória_III | Belo Horizonte - MG (Brasil), 2019 (293)*
tema 3 cidade e processos de urbanização

Oleg Bolotnikov, Rússia | Red story | Crimea (Rússia), 2018 (294)*


Oleg Bolotnikov, Rússia | Loungers | Crimea (Rússia), 2017 (295)*
Johannes Christopher Gerard, Países Baixos | Take a seat, we are gone | Yerevan (Armênia), 2019 (296)*
Maria Rosa Aránega Navarro, Espanha | Límpido, Azul y Dorado 2 | Córdoba (Espanha), 2020 (297)* 163
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Jorge Gonçalves Silva, Portugal | Lisboa Confinada_4 | Lisboa (Portugal), 2020 (298)*
Facundo Pechervsky, Espanha | Simbolo de superación | Madrid (Espanha), 2020 (299)*
Jorge Gonçalves Silva, Portugal | Lisboa Confinada_3 | Lisboa (Portugal), 2020 (300)*
164 Facundo Pechervsky, Espanha | Fashion Madrid | Madrid (Espanha), 2020 (301)*
tema 3 cidade e processos de urbanização

David Gómez Rollán, Espanha | La nueva normalidad 6 | Rizhao (China), 2020 (302)*
David Gómez Rollán, Espanha | La nueva normalidad 2 | Rizhao (China), 2020 (303)*
Arez Ghaderi, Alemanha | Locked out | Hessen (Alemanha), 2020 (304)*
Arez Ghaderi, Alemanha | Locked out | Hessen (Alemanha), 2020 (305)* 165
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Syed Mahabubul Kader, Bangladesh | Fire incident | Dhaka (Bangladesh), 2020 (306)*
Syed Mahabubul Kader, Bangladesh | Fire incident | Dhaka (Bangladesh), 2020 (307)*
Shaoshuai Chen, China | Construction workers on construction site | Yancheng,Jiangsu (China), 2019 (308)*
166 Kazi Md. Jahirul Islam, Bangladesh | Water logging and city dwellers life | Chittagong (Bangladesh), 2017 (309)*
tema 3 cidade e processos de urbanização

Saeed Bidar Kahnamuei, Irão | Sun Caffe | Tabriz (Irão), 2019 (310)*
Behnam Tajmir, Irão | Block 17, Bad luck block (6) | Isfahan (Irão), 2019 (311)*
Nathalie Daoust, Alemanha | Tent City -1 | Ulaanbaatar (Mongólia), 2020 (312)*
Nathalie Daoust, Alemanha | Tent City - 5 | Ulaanbaatar (Mongólia), 2019 (313)* 167
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Sergey Korovayny, Ucrânia | Industrial Mariupol 1 | Mariupol (Ucrânia), 2019 (314)*


Felipe Fittipaldi, Brasil | 2 | Addis Ababa (Etiópia), 2019 (315)*
Yuliya Kashirina, Rússia | Country of fences 6. | Sverdlovsk region (Rússia), 2020 (316)*
168 Yuliya Kashirina, Rússia | Country of fences 4. | Sverdlovsk region (Rússia), 2020 (317)*
tema 3 cidade e processos de urbanização

Janusz Jurek, Polónia | Electrina | Ostrów Wielkopolski (Polónia), 2013 (318)*


Jose Andres Sánchez, Espanha | Killer Trees | Zaragoza (Espanha), 2019 (319)*
Jose Andres Sánchez, Espanha | Crash | Zaragoza (Espanha), 2018 (320)* 169
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Meysam Hasanloo, Irão | Lunch time | Rafsanjan (Irão), 2012 (321)*


Ms. Sushma Lehri, Índia | Drying-potteries-Sushma Lehri | Maharashtra (Índia), 2017 (322)*
Meysam Hasanloo, Irão | The Happy boy | Arak (Irão), 2019 (323)*
170 Ms. Sushma Lehri, Índia | Drying-potteries-Sushma Lehri | Maharashtra (Índia), 2017 (324)*
tema 3 cidade e processos de urbanização

Masoumeh Abdi, Irão | Sabzeh | Arak (Irão), 2019 (325)*


Majid Bazaei, Irão | Cats | Istanbul (Turquia), 2020 (326)*
Magdalena Strakova, República Checa | City Life of the Sacred Stray Cows - After Bhuj Earthquake | Gujarat (Índia), 2017 (327)*
Mehran, Irão | Colors of Hope | Ahvaz (Irão), 2020 (328)* 171
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Mithail Afrige Chowdhury, Bangladesh | The Guillotine 3 | Dhaka (Bangladesh), 2017 (329)*
Mithail Afrige Chowdhury, Bangladesh | The Guillotine 6 | Dhaka (Bangladesh), 2018 (330)*
MuhammadReza Hadavand, Irão | Cautious passenger | Isfahan (Irão), 2018 (331)*
172 MuhammadReza Hadavand, Irão | A traveling family | Isfahan (Irão), 2018 (332)*
tema 3 cidade e processos de urbanização

João Antonio Benitz Rangel dos Santos, Brasil | Urbano V | Brasília (Brasil), 2019 (333)*
João Antonio Benitz Rangel dos Santos, Brasil | Urbano VI | Brasília (Brasil), 2019 (334)*
Dionisio Sylvain, França | Social distance | Toulouse (França), 2020 (335)*
Abdolrahman Mojarrad, Irão | (Irão) (336)* 173
tema 4
cultura e sociedade: diversidade cultural
e inclusão social
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

prémio tema
Diego Herrera Carcedo
Espanha

Contrastes vitales
176 Belgrado (Sérvia), 2019 (337)*
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

178 Diego Herrera Carcedo, Espanha | Pensamientos Amargos | Belgrado (Sérvia), 2019 (338)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Diego Herrera Carcedo, Espanha | La vida se escapa tras la ventana | Belgrado (Sérvia), 2019 (339)* 179
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

180 Diego Herrera Carcedo, Espanha | La noche tras el “game” | Belgrado (Sérvia), 2019 (340)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Diego Herrera Carcedo, Espanha | Confidencias al calor de una hoguera | Belgrado (Sérvia), 2019 (341)* 181
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

182 Diego Herrera Carcedo, Espanha | Rostro de crudeza entre la inhumanidad | Belgrado (Sérvia), 2019 (342)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Desigualdades socioterritoriais na gestão da pandemia


por COVID19
Paulo Nuno Nossa *

As doenças infeciosas substituem-se umas às outras e,


quando uma é erradicada, está pronta a ser substituída
por outras que assolam a espécie humana sempre que
não se verificam as condições de uma vida saudável.

William Farr (Epidemiologista, 1807-1883; citado por Gr-


mek; 1993)

Introdução 1.
O dilatar continuado da esperança de vida, para
A evolução do perfil epidemiológico do último sécu- valores superiores aos 80 anos, prosseguiria de
lo, sistematizado pelo que Omran (1971) denominou modo paulatino, a par do controlo e diminuição das
por Transição Epidemiológica (TE), de um modo doenças cardiovasculares como principal causa de
sumário, seria dominado por duas etapas que morte;
caracterizavam o padrão de doença e de morte nas
sociedades desenvolvidas: Estadio II, marcado pelo 2.
declínio das pandemias; Estadio III, dominado por Ocorreria uma emergência significativa de novas
patologias crónicas e degenerativas. doenças, i.e., aquelas que tinham aparecido pela
primeira vez e sobre a quais não havia registo an-
Em meados dos anos 80, Olshansky e Ault (1986) terior e, por tal, teriam uma elevada capacidade de
bem como Rogers e Hackenberg (1987), propuse- aumentar a incidência e difusão geográfica; a par
ram uma revisão ao modelo, acrescentando um de doenças reemergentes, as quais reapareceram
Estadio IV - Age of delayed degenerative diseases ou aumentaram significativamente a sua prevalên-
(período do adiamento das doenças degenera- cia e extensão geográfica por alteração das condi-
tivas), facto que Omran (1998), posteriormente, ções ecológicas (Paz & Bercini, 2009).
reconhece e valida. Assim, ao rever o modelo inicial,
acrescenta e fundamenta duas proposições ao A melhoria da higiene urbana e individual, a cres-
designado Estadio IV: cente redução da pobreza, a par dos progressos

183
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

médicos, como a vacinação em escala crescente, micas de vastas regiões do globo, nem de partilhar
bem como a inovação em antibioterapia que, a par- o melhor das descobertas médicas, alterando de
tir de 1940 permite o controlo das principais causas modo significativo as necessidades sanitárias dos
de morte por doença infeciosa, contribuíram, países de médio e baixo rendimento.
conjuntamente, para modelar a prevalência das
principais causas de morte nas sociedades desen-
volvidas, transferindo a liderança para doenças do
aparelho circulatório e tumores malignos. Globalização e as lições sanitárias não
aprendidas entre centros e periferias
Esta notável conquista civilizacional, materializada
pelo aparente controlo da generalidade das doen- Milanovic (2017) admite que este ciclo de paupe-
ças infeciosas que tinham qualificado os estadios rização continuada, sobretudo aquele que ainda
I e II da TE, subalternizando a ameaça de grandes permanece em algumas regiões da Ásia e de África,
pandemias, a última das quais a gripe, causada pode ter tido a sua génese no contrato colonial que
pelo vírus Influenza A (H1N1) que, entre 1918-1920, impunha às colónias uma negociação exclusiva com
infetou um quarto da população mundial, exacer- a metrópole, com bens transportados em navios,
bou a confiança de médicos e planeadores de saú- mas não lhes permitia, de um modo generalizado,
de pública, levando William Beveridge a publicar em fabricar bens de valor acrescentado e com isso
1977 um título amplamente citado: Influenza, the impulsionar a riqueza e desenvolvimento local. Mais
last great plague. Como menciona Grmek (1993:18), recentemente, em pleno processo de globalização
a esta data, cometeu-se um notável engano: a de feição neoliberal, entre o final da guerra fria e a
gripe parecia ser a última das grandes doenças crise financeira de 2007 (subprime mortgage crisis,
contagiosas de tipo clássico, todavia, já a epidemia 2007), apesar de ter aumentado o número de tra-
por VIH circulava dissimuladamente entre o Haiti e balhadores em que o cenário de pobreza extrema
os EUA. foi atenuado, em 2015 existiam ainda 319 milhões
de pessoas que viviam com menos de 1,25 US$
Hoje sabemos que, entre a década de 70 e 2019, no por dia (OIT; 2015:6), e por isso sujeitas um perfil de
grupo de países desenvolvidos, as principais causas privação e doença que mistura, simultaneamente,
de morte foram efetivamente lideradas por neo- características do estadio II com características
plasias e doenças cardiovasculares, enquanto que, dos estadio III da TE. O fraco investimento na edu-
para os países de baixo nível de desenvolvimento, cação, nas condições habitacionais e de saúde por
os óbitos continuavam a ser liderados por mortali- parte dos Estados, associado à baixa solidariedade
dade materna e neonatal, encontrando-se nas dez internacional e aos níveis de corrupção e distorção
principais causas de morte uma vasta tipologia de económica persistentes em algumas geografias,
doenças infeciosas e de carência: tuberculose, ma- concorrem para a elevada prevalência das denomi-
lária, infeções entéricas e deficiências nutricionais. nadas doenças negligenciadas, i.e., aquelas causa-
Nos últimos 50 anos, marcados por uma elevada das por agentes infeciosos ou parasitários, endé-
performance de I&D, com impacto no tratamento micas, e com forte associação com populações de
e diagnóstico, bem como pela globalização, não fo- baixos rendimentos e que continuam a apresentar
mos capazes de nivelar as condições socioeconó- indicadores inaceitáveis de investimento.

184
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

A endemicidade das patologias infeciosas clássicas eclosão periódica de surtos infeciosos com elevada
e o modo veloz com que algumas doenças emer- letalidade e com um raio de ação cada mais exten-
gentes conseguem atingir as áreas mais centrais so, por via da crescente suburbanização e aumento
das economias desenvolvidas, partindo frequentes de acessibilidade interterritorial, a par da manuten-
vezes de zonas periferias ou marginais, estão a ção da pobreza e da fraca educação. Autores como
modificar os níveis de controlo e prevenção globais, Bhatnagar et al., (2016); Quaglio et al., (2016) e Piot,
até aqui subalternizados pela sensação de seguran- Soka & Spencer (2019), convergem na identificação
ça que a distância geográfica impunha. das fragilidades identificadas nos mais recentes
surtos de ébola, quer ao nível das determinantes
De acordo com Wang et al. (2020), num artigo sociais em saúde, características dos países mais
publicado em plena pandemia causada pelo novo pobres, quer ao nível das estratégias de prevenção
corona vírus (SARS-CoV2), alerta para o desperdício tardiamente acionadas ou procrastinadas pela
do potencial de aprendizagem que não tem sido comunidade internacional. Reiteradamente, os
totalmente aproveitado quando da eclosão de vírus decisores institucionais e os Estados parecem não
zoonóticos emergentes nos últimos 30 anos, su- compreender que a globalização das trocas e das
blinhando a importância de investigarmos e contro- viagens corresponde também à globalização dos
larmos de modo sistemático e global, os riscos que agentes patogénicos que, com crescente frequên-
estão associados à venda e consumo de animais cia e virulência, atingem de um modo cada vez mais
selvagens em mercados regionais mas de alcance célere e impactante novas geografias.
global, através de práticas de importação ou pela
intensificação das práticas turísticas numa escala O raio de alcance destes agentes infeciosos foi for-
sem precedentes. temente ampliado pelo crescente número de voos
intercontinentais sem escala, progressivamente
Num passado muito recente, excetuando a atual mais acessíveis, tal como o foi o transporte a vapor
pandemia gerada por SARS-CoV2, quer pela fre- no século XIX.
quência, quer pela emergência de saúde pública
que geraram, os surtos causados pelo vírus ébola A crescente pressão gerada ao nível da produção
estão entre os mais bem documentados, nomea- de animais e alimentos, alargando o perímetro
damente os surtos de 2014-16 e 2018-19, com a das práticas agrícolas e pecuárias, associada
publicação de diversos artigos de revisão onde se à crescente exploração de recursos florestais,
discutem as perspetivas geográfico-sanitárias nomeadamente madeiras exóticas, tem levado as
reproduzidas na literatura, bem como as lições que comunidades humanas a invadirem nichos ecoló-
não foram aprendidas (Nossa, 2020). Uma revisão gicos sensíveis, obrigando à migração de espécies
efetuada por Zinszer (2017), o autor discute e sina- que funcionam como reservatórios de vírus, como
liza os preditores da eclosão da doença de ébola tem acontecido na África Central com o morcego
em territórios marginais no Uganda e na Républica das frutas, arrastando o potencial de infeção para
Democrática do Congo. Sublinha que são as con- territórios naïve, potenciando o contágio de ou-
dições não debeladas de subdesenvolvimento e tras comunidades (Nossa, 2020). À mobilidade de
subinvestimento, persistentemente presentes espécies animais, associa-se a intensa mobilidade
nestes territórios, que muito contribuem para a humana, impulsionada por razões históricas e

185
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

étnicas, anteriores ao traçado das fronteiras colo- Internacional (RSI, 2005) introduziu o conceito de
nias onde, relações tribais, afinidades familiares, a emergência de saúde pública (Public Health Emer-
necessidade de comércio em mercados de rua, a gency of International Concern – PHEIC), definin-
par de extensas e porosas fronteiras, colocam em do-o como um evento extraordinário que constitui
contacto comunidades que se movem diariamente risco para a saúde pública de outros Estados e
entre países, privilegiando as principais rotas de que exige uma resposta internacional coordenada.
transporte rodoviário de mercadorias que, nestes Assim, em anos recentes (2015), o Global Prepared-
cenários, constituem uma oportunidade e uma ness Monitoring Board sublinhou a necessidade de
ameaça à sobrevivência (Nossa, 2020). os Estados manterem e avaliarem níveis de pronti-
dão para reagirem construtivamente às ameaças
Para além dos condicionalismos socioterritoriais do ambiente, de forma a minimizar as consequên-
já listados, Quaglio et al. (2016) indicam um con- cias negativas do impacto na saúde e segurança
junto de fragilidades institucionais que afetam das pessoas e na integridade e funcionamento
as relações de confiança entre os atores políticos das estruturas e sistemas físicos num contexto
de primeira linha e que condicionam, de modo global. Kandel et al. (2020), partindo da análise
significativo, a ajuda e controlo de surtos infecio- dos dados de avaliação externa voluntária neste
sos no terreno, onde as boas práticas de primeira domínio – State Party Annual Report (2018, apud
intervenção são fulcrais para evitar a difusão e Kendal, 2020), para monitorizar os compromissos
elevada incidência da doença numa população com de ação previstos no RSI, concluiu que, apenas 76%
crescente mobilidade. Ao analisar a atuação da (n= 138) dos 182 países incluídos, foram avaliados
União Europeia (UE) como ator internacional com como tendo capacidade global de deteção de nível
responsabilidades políticas e sanitárias na conten- 4 -5 1, sendo que os restantes países evidenciaram
ção de ameaças sanitárias globais, sublinha como é capacidade de prevenção e resposta de nível 1 – 2,
importante corrigir a debilidade ao nível do tempo a maioria dos quais classificados como países de
da primeira intervenção, bem como evitar o atraso baixo rendimento e médio-baixo rendimento pelo
na mobilização de recursos materiais e humanos Banco Mundial.
altamente qualificados, observando-se uma dificul-
dade de articulação política e operacional entre os
parceiros europeus. Frequentes vezes, admite-se,
esta situação de relaxamento e de impasse de ação Mudanças e ameaças não compreendidas
é percecionada pelas populações como um jogo no contexto global
de atores políticos onde, as autoridades locais,
supostamente ampliam a incidência e os danos ge- O atual contexto pandémico causado pela CO-
rados pela epidemia de modo a obter dos doadores VID19, parece ter concretizado todos os receios,
internacionais financiamentos e ajuda humanitária evidenciado o erro das lições não aprendidas,
de maior dimensão. demonstrando que os níveis de vigilância, prepa-
ração e ação anunciados na última década, foram
No âmbito do conceito de preparação internacional insuficientes ou estavam sobrevalorizados face à
para uma emergência sanitária, como a que agora ameaça de um agente como um corona vírus, cuja
vivemos pela COVID19, o Regulamento Sanitário capacidade infeciosa e nível de letalidade já se

186
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

havia insinuado em 2002 e 2012, quando dos surtos Naturalmente, não foi a consolidação deste nível de
regionais causados pela SARS e MERS (síndrome desequilibro e de aumento da mobilidade que fez
respiratória do Médio Oriente), respetivamente. emergir a pandemia por COVID19, todavia, ampliou
as condições para que o tempo de difusão e a ex-
O que mudou no contexto global, em pouco mais tensão geográfica acelerasse de forma significativa
de duas décadas, para além da adesão da China à a expansão de patologias infeciosas, desqualifi-
Organização Mundial do Comércio, em dezembro cando um conjunto de procedimentos preventivos
de 2001, foi a desregulação progressiva que se que os blocos regionais ou as nações, de per se,
operou no setor dos transportes à escala global tardaram em acionar.
que, não só permitiu que o mercado de aviação
internacional expandisse as suas rotas para novos De um modo generalizado, os diferentes blocos
territórios, como também consolidou redes de par- regionais, apesar dos antecedentes já menciona-
tilha no mercado internacional existente. Na China, dos, ao nível das suas estruturas de comando e
o número de passageiros utilizadores de transporte preparação, não tinham colocado como critico o
aéreo internacional entre 1990 e 2000 aumentou de nível de equipamentos de proteção individual (EPI),
1,09 milhões para 6,24 milhões, o que corresponde imprescindíveis para enfrentar uma doença infecio-
a uma taxa de crescimento anual de 19,1%, muito sa respiratória com elevada capacidade de difusão.
mais rápida do que a taxa de crescimento global Por outro lado, e sobretudo ao nível da UE e das
(5,5%). Para além disso, a participação do mercado democracias ocidentais, o recurso a tecnologia
da aviação internacional na China aumentou de de vigilância eletrónica para controlar e cercear os
1,7% para 6,0% (Wang, Yang, Wang; 2019). Entre movimentos dos seus cidadãos não era compatível
2000 e 2016, o número de aeroportos internacio- com o quadro de direitos liberdades e garantias
nais em cidades chinesas passou de 22 para 77, constitucionais vigentes.
enquanto a ligação internacional de cidades estran-
geiras com a China passou de 56 para 146. Apesar do atual contexto epidemiológico eviden-
ciar níveis de “importação de infeção” elevados,
No novo contexto de economia global, tal como su- que introduziram a doença de forma célere e
blinha Nossa (2020), a negociação e reconfiguração simultânea em países e regiões distantes do foco
de barreiras alfandegárias muito contribuiu para a original, sinalizando que só a atuação conjunta e ar-
concretização do livre comércio e especialização ticulada detém potencial para conter globalmente
produtiva regional, aumentando a dependência das a doença, as lições anteriores não foram totalmen-
periferias em relação ao centro, a par da desregu- te compreendidas. O nível de aquisição de vacinas
lação do setor dos transportes, com consequente junto dos putativos fornecedores na primavera/
redução do custo de carga, o que facilitou a rede- verão de 2020, para além de alguns alinhamentos
finição do comércio/serviços mundiais em termos geopolíticos mais ou menos evidentes, sublinhou
de produção e de vantagens comparativas, insta- as diferenças associadas à capacidade económica
lando-se a segmentação regional/global da cadeia de blocos regionais e nacionais que emitiram or-
produtiva (outsourcing / offshoring), e implemen- dens de compra sobredimensionadas de protótipos
tou a mobilidade sem precedentes das viagem e do de vacinas. Callaway (2020), num artigo publicado
turismo. em agosto de 2020 na revista Nature, sublinhava

187
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

que os EUA tinham ordenado a compra de 800 mi- No presente, é imprescindível manter a prudência
lhões de vacinas para proteger os seus 328 milhões e a humildade necessárias para admitir que, as
de habitantes, assim como o Reino Unido tinha maiores consequências desta crise sanitária, ao
adquirido 340 milhões de vacinas, algo cinco vezes nível do jogo de atores internacionais, ainda estão
superior ao da população residente. Paradoxalmen- por compreender.
te, a COVAX– pilar de vacinação impulsionado pela
OMS e por ONGs como a GAVI Alliance (Fundação A hiperglobalização mostrou algumas das suas fra-
Bill e Melinda Gates), tinha alcançado a compra de gilidades de uma forma particularmente dolorosa,
300 milhões de doses para distribuir pela totalida- paralisando as mais dinâmicas economias do mun-
de da população de 92 países de rendimento baixo do e impondo milhões de mortos por COVID19 2.
ou médio-baixo, ficando muito aquém dos 2 mil Tal como sublinha Andrews (2020:29): «Um vírus
milhões que estimam ser necessários. não tem a capacidade para inverter, de um dia para
o outro a globalização. No entanto, talvez a mais
grave crise sanitária tenha acelerado uma mudança
já iniciada nas estruturas económicas que vigoram
Solidariedade e diplomacia nos últimos 20 anos.»

Neste contexto, a distribuição e inoculação de Todavia, perante a possibilidade de tornar ubíquo


vacinas à escala global evidencia, desde já, um nível um bem com elevado nível de profilaxia, tendo já
de desigualdade assinalável, funcionando inclusiva- sido assumida a vacinação global como a única
mente como moeda de troca em arranjos geopolíti- e mais promissora possibilidade para controlar
cos regionais, como é o caso da prática prosseguida o vírus SARS-CoV2, os cenários hegemónicos e
por Israel que admite implementar o que designa tradicionais entre centros e preferias permanecem
por – diplomacia da vacina, oferecendo vários milha- latentes saudando-se, com alguma insolência que,
res de doses à República Checa, como possível re- desta vez, o tradicional delay de acesso a uma solu-
conhecimento pela transferência da sua embaixada ção tecnologicamente inovadora e que salva vidas,
de Telavive para Jerusalém, à semelhança do que os parece ter sido reduzido para algo próximo dos dois
EUA fizeram sob a administração Trump. semestres.

1 Nível 1: muito pouca capacidade funcional para prevenir e controlar Nível 4: O país é funcionalmente capaz de lidar com vários eventos
o risco ou evento; nos níveis nacional e subnacional;
Nível 2: Pouca capacidade funcional disponível em uma base ad- Nível 5: A capacidade funcional do país está bem avançada e sus-
hoc com o apoio de recursos externos; tentável em todos os níveis dos sistemas de saúde (Kandel et al;
2020: 4).
Nível 3: O país é funcionalmente capaz no nível nacional; no entan-
to, a eficácia é baixa nos níveis subnacionais; 2 (2 538 681 óbitos por COVID19; Fev 2021; Our World in data).

* Departamento de Geografia e Turismo. CEGOT; Universidade de Coimbra; Portugal

188
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Bibliografia citada Nossa; P. (2020). Preparação e cooperação internacional em ce-


nários de emergência sanitária: fragilidades anunciadas num con-
Andrews, K. (2020). Globalização: marcha-atrás a todo o vapor? In texto de economia global. HYGEIA,Revista Brasileira de Geografia
Courrier Internacional; nº 291; maio; (28-29). Médica e da Saúde. Nº Especial 2020; http://www.seer.ufu.br/index.
php/hygeia.
Bhatnagar N, Grover M, Kotwal A, Chauhan H. (2016). Study of
recent Ebola virus outbreak and lessons learned: A scoping study. OIT (2015) Relatório I, VI; Conferência Internacional do Trabalho,
Annals of Tropical Medicine & Public Health. 2016;9(3):145-151. 104ª Sessão, 2015. https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/-
doi:10.4103/1755-6783.181658. --europe/---ro-geneva/---ilo-lisbon/documents/publication/
wcms_715123.pdf.
Callaway, E. (2020). The unequal scramble for coronavirus vaccines.
Nature; Vol 584; 27 August; p. 506-507. https://www.nature.com/ Our Wolrd in Data - https://ourworldindata.org/covid-vaccinations.
articles/d41586-020-02450-x; acesso 26 de fevereiro de 2021. Paz, F.A; Bercini, M.A. (2009). Doenças emergentes e reemergentes
Farmer P. (19966). Social inequalities and emerging infectious no contexto da saúde pública. Bol Saúde, 2009 - boletimdasaude.
diseases. Emerg Infect Dis. 1996;2(4):259-269. doi:10.3201/ rs.gov.br. https://scholar.google.pt/scholar?q=Paz,+F.A%3B+Berci-
eid0204.960402. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/ ni,+M.A.+(2009).+Doen%C3%A7as+emergentes+e+reemergentes+-
PMC2639930/ Acesso, 2 de fevereiro de 2020. no+contexto+da+sa%C3%BAde+p%C3%BAblica.&hl=pt-PT&as_
sdt=0&as_vis=1&oi=scholart; Acesso 3 de novembro de 2019.
GPMB – (2019). Global Preparedness Monitoring Board Secretariat/
WHO. Annual report on global preparedness for health emergen- Piot, P; Soka, Mj; Spencer (2019). J. Emergent threats: lessons
cies. Geneva. https://apps.who.int/gpmb/assets/annual_report/ learnt from Ebola. Int Health. Sep 2;11(5):334-337. doi: 10.1093/
GPMB_annualreport_2019.pdf Acesso, 31 de janeiro de 2020. inthealth/ihz062. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/31385587;
Acesso, 15 de março 2020.
Grmek, M. (1993). História da SIDA. Ed. Relógio D’Agua. Lisboa.
Quaglio G, Goerens C, Putoto G, et al. Ebola: lessons learned and
Huang C, Wang Y, Li X, et al. (2020). Clinical features of patients future challenges for Europe. The Lancet Infectious diseases.
infected with 2019 novel coronavirus in Wuhan, China. The 2016;16(2):259-263. doi:10.1016/S1473-3099(15)00361-8.
Lancet.;395:497- 506. [PMID: 31986264] doi:10.1016/S0140-
6736(20)30183-5; https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/31986264 Regulamento Sanitário Internacional (2005). OMS. https://www.
Acesso, 3 de maio de 2020. who.int/ihr/publications/9789241580496/es/ Acesso, 3 de novembro
de 2019.
Kandel, N; Chungong, S; Omaar, A; Xing, J. 82020). Health security
capacities in the context of COVID-19 outbreak: an analysis of Inter- Wang, Lin-Fa et al. From Hendra to Wuhan: what has been learned
national Health Regulations annual report data from 182 countries. in responding to emerging zoonotic viruses. The Lancet; Volume
The lancet.com Vol 395 March 28:1047-1053. https://www.thelancet. 395, ISSUE 10224, e33-e34, February 22, 2020. DOI:https://doi.
com/pdfs/journals/lancet/PIIS0140-6736(20)30553-5.pdf Acesso, 3 org/10.1016/S0140-6736(20)30350-0.
de maio de 2020. Wang; J; Yang, H; Wang, H. The Evolution of China’s International
Nossa, P. (2001). Geografia da Saúde: o caso da SIDA. Celta Editora;Aviation Markets from a Policy Perspective on Air Passenger Flows.
Lisboa. June 2019; Sustainability 11(13):3566. DOI: 10.3390/su11133566.
https://www.researchgate.net/publication/334103828_The_Evolu-
Nossa, P. (2012). Saúde e Espaço: abordagem teórico-metodológica tion_of_China%27s_International_Aviation_Markets_from_a_Poli-
em Geografia da Saúde. Col. Biblioteca de Ciências Sociais. Ed. cy_Perspective_on_Air_Passenger_Flows Acesso, 3 janeiro, 2019.
Afrontamento; Lisboa.

189
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

menção honrosa
Michel Redondo, Colômbia

Comunidad embera | Chocó (Colômbia), 2019 (343)*


190 Comunidad embera | Chocó (Colômbia), 2019 (344)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Michel Redondo, Colômbia

Comunidad embera | Chocó (Colômbia), 2019 (345)*


Comunidad embera | Chocó (Colômbia), 2019 (346)* 191
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Michel Redondo, Colômbia

Comunidad embera | Chocó (Colômbia), 2019 (347)*


192 Comunidad embera | Chocó (Colômbia), 2019 (348)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

menção honrosa
Sahirova Krystyna, Ucrânia

The depth of loneliness | Smila (Ucrânia), 2018 (349)*


Friendship | Smila (Ucrânia), 2018 (350)* 193
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Sahirova Krystyna, Ucrânia

Isolation | Smila (Ucrânia), 2018 (351)*


194 Flying instinct | Smila (Ucrânia), 2018 (352)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Sahirova Krystyna, Ucrânia

Going to the dining room | Smila (Ucrânia), 2018 (3539)*


Repast | Smila (Ucrânia), 2018 (354)* 195
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

menção honrosa
Danilo Garcia Di Meo, Itália

Quatrani | l’Aquila (Itália), 2019 (355)*


196 Quatrani | l’Aquila (Itália), 2019 (356)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Danilo Garcia Di Meo, Itália

Quatrani | l’Aquila (Itália), 2019 (357)*


Quatrani | l’Aquila (Itália), 2019 (358)* 197
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Danilo Garcia Di Meo, Itália

Quatrani | l’Aquila (Itália), 2019 (359)*


198 Quatrani | l’Aquila (Itália), 2019 (360)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

O governo neoliberal por meio da guerra no Brasil


Cláudio Zanotelli *

Vivemos hoje no Brasil uma governamentalidade No caso do Brasil, como em outros lugares,
neoliberal associada com um neoconservadoris- esse neoliberalismo de inspiração libertariana e
mo tirânico que perpassa tanto as instituições financeirizada, produz de seu interior mesmo uma
estatais quanto as instituições sociais. Estamos política que combina uma “racionalidade capita-
experimentando um processo de contrarrevo- lista ampliada” em aliança com um autoritarismo
lução ou de revolução conservadora neoliberal antidemocrático e um nacionalismo que invoca
que se paramenta de signos de “modernidade” e 1
os signos patriotas e os inimigos externos e
que promove um governo, pela guerra, por meio internos, mas que em economia é antinacional, é,
de uma série de intervenções na vida cotidiana. também, antiecológico e anti-humanista.
Há uma ofensiva viral contra os direitos sociais
e contra as conquistas do direito do trabalho O desvendamento cotidiano da tirania do gover-
que se aproveita da crise sanitária e econômica no se revela, portanto, por um ataque frontal aos
pela qual passamos para acentuar ainda mais os direitos sociais em meio ao armamento ostensivo
ataques aos direitos conquistados e aumentar a das parcelas militantes do bolsonarismo, pro-
acumulação da riqueza das frações dominantes cesso legalizado por inúmeros decretos ilegais
da sociedade, em particular o capital financeiro, do presidente da República para aumentar a
destruindo paulatinamente todas as conquistas quantidade da posse e o porte de armas de fogo,
sociais do pós-segunda guerra mundial no Brasil. notadamente para supostos “clubes de tiro” e
“colecionadores” ou cidadãos comuns e determi-
O neoliberalismo autoritário no Brasil defende a nados profissionais, o que já tem dado resultados
empresa individual e a “racionalidade neoliberal”, claros no aumento do número de homicídios por
sobretudo a “irracionalidade” financeira, como o arma de fogo no país em 2020, lembremo-nos
faz o governo de Bolsonaro, apoiado nas Forças que o país já detém o triste recorde de estar
Armadas, que aposta no “mercado” e, como entre as maiores taxas de homicídio no mundo
prova de subserviência e de vassalagem ao deus 2
. É patente, pelo viés do discurso reiterado de
“mercado”, torna, dentre outras coisas, o Banco luta contra a insegurança, a proximidade que o
Central “autônomo”, preferindo para fazer face bolsonarismo têm tanto com os policiais milita-
aos déficits orçamentários cortar prestações res, quanto com o exército brasileiro que o apoia
sociais do que aumentar os impostos das faixas ostensivamente e os movimentos de milicianos
mais ricas da população. que agem nas grandes metrópoles. Se acentua,

199
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

assim, um traço de guerra social por meio do que ousam se opor às práticas tirânicas do chefe
armamento da população para, segundo eles, do executivo.
“defender a democracia”. Portanto, vivemos um
risco eminente de guerra civil em nome da segu- Fazer a guerra a todos os cidadãos é uma estra-
rança nacional e da segurança individual, pois se tégia de guerra anti-insurrecional, exercendo uma
constrói inimigos como bode expiatórios, agitan- “contrarrevolução sem revolução social” 3 ou,
do-se o espantalho do comunismo e do “banditis- como indicava Florestan Fernandes, uma “contra
mo” generalizado, bandeiras úteis para mobilizar revolução burguesa” que não se insere naquilo
a tropa de militantes. Constrói-se o campo de que deveria de se esperar, uma adesão, mesmo
adversidade que se pretende provocando reações que formal, a uma “racionalidade burguesa” que
dos militantes das causas atacadas em ordem buscaria “revolucionar” as relações sociais no
de dispersão, levando a uma fragmentação dos Brasil tornando-as mais “modernas”, o que se viu,
combates de resistência que deveriam se unir mostrando nesse sentido uma avant guarde da
face a um inimigo potente. As invocações de uma burguesia brasileira em relação ao neoliberalismo
“hegemonia cultural” pretensa da esquerda com autoritário, foi a emergência no passado e desde
a “pauta multicultural”, o “politicamente correto” antes do golpe de 1964, de uma burguesia tirâni-
que teria sido inoculado na sociedade, é uma ca, se inscrevendo na tradição de dominação dos
invocação recorrente da extrema direita liberta- senhores de engenho, que por meio de contra-re-
riana americana e que foi atualizada e difundida volução realizava uma “ditadura de classe pre-
no Brasil por meio do financiamento de grupos ventiva” 4, o que nos indica que na atual quadra as
empresariais tanto americanos quanto brasileiros classes dominantes apesar de, aparentemente,
e ensinada nas hostes dos Estados maiores das defenderam de maneira ambígua uma certa
armas. ordem “democrática” que age pela provocação
da crise, como vimos, possam apoiar um golpe
A privatização dos serviços prestados pelo militar-civil explicito.
Estado, a privatização larvar ou explicita de
empresa controladas pelo Estado e as ameaças Há um casamento entre a radicalização da
que pesam sobre os professores, os funcionários estratégia neoliberal e do paradigma contra-in-
públicos, sobre os sindicalistas, sobre os indí- surrecional, como indica Laval, em curso a nível
genas, militantes contra o racismo, feministas mundial com as particularidades da combinação
e outras “minorias” e sobre os artistas de todas diferencial entre o neoliberalismo e os autori-
as artes - todos hostilizadas pelo governo e sua tarismos em diversos países. A pandemia da
horda de militantes do ódio virtual por meio das Covid-19 tem acentuado o clima de guerra, pois
plataformas como Facebook, Twiter, WhatsApp – parte da sociedade brasileira se encontra em
é constante e permanente. Também ameaça-se reclusão, bem como o governo negou e nega
suspender os direitos constitucionais frequen- ainda a virulência da pandemia e tentou de todas
temente invocando um estado de guerra perma- as maneiras dificultar a compra de vacinas e a va-
nente contra aqueles que não seriam patriotas, cinação da população, contribuindo sistematica-
que ousam criticar as reformas neoliberais ou mente e de maneira voluntária para a extensão da

200
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

pandemia 5, agindo para a difusão do vírus, tendo, sas de cobrança de crédito e de notação de cré-
desse modo, como estratégia defender a “econo- dito, bem como a gestão pelo governo de base
mia”, deixar morrer os mais fracos e frágeis, puro de dados da população com o explicito intuito
darwinismo social ou revelação de uma soberania de controlá-los o que provocou recentemente
tirânica. Nesse intento encontra respaldo nos vazamento sucessivos dos dados pessoais de
tiranetes de plantão que deixam emergir a ances- mais de 200 milhões de brasileiros sob o fundo de
tral negação dos direitos dos dominados no país. uma desorganização voluntária das instâncias re-
gulamentares para combatê-los 8, indicando que
A governança neoliberal no Brasil associa dois estamos vivendo uma era generalizada de perda
aspectos fundamentais do liberalismo e neolibe- de privacidade do mais íntimo do sujeito, o que
ralismo, a comunhão de uma “liberdade” aparente é acentuado e facilitado pelas bases das “redes
com uma contrapartida da disciplinarização e mi- sociais” e as espionagens governamentais, nos
litarização da sociedade, operando por uma men- levando a um risco importante de favorecimento
tira ideológica que tenta encobrir a exploração e à repressão das divergências e das críticas ao
a destruição dos direitos com uma “liberdade de poder que se militariza a olhos vistos e utiliza da
se atacar o Outro”. A mentira e os volta face são “guerra urbana”, do “urbicídio”, para contenção
moeda corrente e dominante no poder executivo social nos bairros populares em nome do “comba-
e judiciário, sob a capa de se preservar os direitos te ao crime” e para o exercício do controle urba-
se construiu o “direito do inimigo” e a crença no por parte das forças estatais de polícia e do
produzida socialmente na “Lei” esvaziada da de- exército quando das mobilizações sociais contra
mocracia, o espaço da busca da justiça se tornou os podres estatais.
terreno de batalhas para se tirar vantagens as
mais diversas por parte de juízes e procuradores No caso brasileiro há um “retorno” em solo
públicos, em particular na autodenominada nacional da experiência das forças do exército
operação Lava Jato que praticou lawfare contra nacional, no quadro das forças de paz da ONU,
o ex-presidente Lula e o Partido dos Trabalha- em políticas repressivas no Haiti e também uma
dores com claro intuito de conquista do poder herança dos governos da ditadura militar-civil de
e de ganhos financeiros . Na grande imprensa
6
1964 que aplicaram no passado políticas anti-in-
as meias-verdades e as omissões de aspectos surrecionais (e, portanto, também a tortura que
importantes da realidade indicam também uma sempre é enaltecida pelo próprio presidente da
máquina de guerra com poder de fogo para sub- República) que foram transmitidas por agentes
jugação da população 7. do exército francês, que atuaram no passado na
guerra da Argélia e na Indochina, para especia-
Se aprofunda, concomitantemente, as tecnolo- listas norte-americanos da luta anti-comunista
gias de governo dos cidadãos pela proliferação e que foram colocadas em execução por seus
em todo corpo social de medidas governamen- aliados na América Latina e no Sudeste Asiático 9.
tais de contenção, repressão, sujeição e controle Como indica Eduardo Costa Pinto um eixo da
à distância por meio da disponibilização do con- doutrina apresentada por membros eminentes
junto de informações dos cidadãos para empre- do exército foi a atualização dessa “teoria da

201
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

guerra revolucionária” com elementos da guerra o produto e pelo escândalo que é os países do
de 4ª Geração (ou guerra híbrida) para combater Norte garantirem vacinas em prioridade para
os “comunistas” que se encontrariam escondidos eles e, internamente no Brasil, pelas negações
entre nós e dominariam o país . 10
sucessivas da eficacidade da vacina por parte de
Bolsonaro ou pelas disputas com os governos
Um outro aspecto, complementar do que invo- estaduais em relação à produção da vacina e sua
camos, que revela o ponto de regressão que al- distribuição, a desorganização da distribuição, a
cançamos e a biopolítica inscrita na micropolítica confusão de ordens e contraordem em relação
reacionária aplicada aos corpos como forma de aos procedimentos a serem adotados sobre a
rentabilidade, é a aliança entre o bolsonarismo o pandemia que deixa os cidadãos numa espécie
mais radical e as instâncias de regulação médicas de indefinição geral quanto aos procedimentos a
dos conselhos e do sindicato dos médicos que adotarem e os “fura-filas, frequentemente res-
têm sistematicamente apoiado ou se omitido em ponsáveis político, empresários e sua clientela,
relação à Bolsonaro em suas ações as mais absur- que tentam passar na frente das pessoas priori-
das, em particular na difusão de remédios que se tárias para serem vacinadas. O descontrole sobre
pretendem milagrosos contra Covid 19, como a a pandemia atualmente é geral no país, faltam
Cloroquina, e que tem se silenciado sobre os ul- medicamentos, leitos e vagas nas Unidades de
trajes à independência da profissão e os ataques Tratamento Intensivo, várias cidades e estados
a própria produção do conhecimento científico, estão entrando em colapso e não há por parte
nos fazendo recuar no tempo da caça às bruxas. do governo federal nenhuma política realmente
Assim, o atual ministro da saúde é um general unificada de enfrentamento da pandemia, ao
que nada entende de saúde e tem provocado contrário, o governo se opõe às medidas de confi-
catástrofes anunciadas sanitárias de consequên- namento social da população tomadas pelos
cias imprevisíveis como a difusão, voluntária e governadores e prefeitos.
involuntária, das cepas das variantes do vírus,
aparentemente mais contagiantes, da Covid 19 Um dos últimos movimentos que revela que
da Amazônia por todo o país quando enviou pa- entramos numa regressão em todos os campos
cientes dessa região para todo o Brasil como res- é o da defesa pela Associação Médica Brasi-
posta à asfixia da população contaminada pelo leira de Psiquiatria (ABP), Associação Médica
Covid 19 e internada em Unidades de Tratamento Brasileira e o Conselho Federal de Medicina e
Intensivo de Manaus às quais faltava oxigênio outras associações profissionais da introdução
para manter em vida pacientes em estado grave da “eletroconvulsoterapia” (o eletrochoque),
(o que envolve uma responsabilidade do ministro que provoca convulsões e ataques epilético nos
que está sob investigação atualmente). A outra pacientes, no Sistema Único de Saúde. Os raros
vertente é a “guerra das vacinas” que se desdobra estudos existentes que embasam a aplicação do
a nível internacional na competição entre labora- eletrochoque estão prenhes de vieses e envolvem
tórios privados pelo controle da produção, entre interesses da indústria que vende os aparelhos de
as potências americanas, europeias, chinesas eletrochoque 11. Essa política apresenta um recuo
e russas pela influência nos países fornecendo fenomenal em relação aos avanços da antipsi-

202
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

quiatria que demonstraram a violência feita aos mia. Assim, até 25 de fevereiro, a Articulação dos
sujeitos pelos tratamentos correntes nos hospi- Povos Indígenas do Brasil contabilizou 49.331 ca-
tais psiquiátricos. Mas, na esteira do que defen- sos confirmados de covid e 973 mortes. Segundo
dem as direções médicas citadas o Ministério da a organização, são 162 etnias infectadas. O vírus
Saúde brasileiro acaba de recolocar o hospital infectou 6,5% dos índios em aldeias e matou
psiquiátrico e os eletrochoques no centro da po- 0,13% 13. Mas deve-se alertar para os indígenas
lítica nacional de saúde pretendendo colocar um isolados que tem uma resistência aos vírus muito
ponto final na política de saúde 12 que se iniciou menor e que são frequentemente ameaçados pe-
desde o fim dos anos 1970 de fechamento dos los contatos de missionários religiosos apoiados
hospitais psiquiátricos e de substituição deles pelo governo e, também, por madeireiros e por
por serviços abertos e de base comunitária como garimpeiros que invadem seus territórios.
os CAPS (Centros de Atendimentos Psicosso-
ciais). Desde 2019 movimentos sociais e as lideranças
indígenas denunciaram Jair Bolsonaro na ONU
Um exemplo para entendermos os efeitos da
e no Tribunal Penal Internacional por “incitar o
ação do governo sobre uma população espe-
genocídio e promover ataques sistemáticos
cífica, é aquele dos indígenas, população mais
contra os povos indígenas do Brasil” 14. Na ONU,
frágil aos vírus, e que foi sistematicamente
em Genebra, Saturnina Urupe Chue, indígena do
desprezada pelo atual governo que aparelhou
povo Chiquitano, denunciou as ameaças que o
com um delegado da Polícia Federal, indicado
povo vinha sofrendo, “O governo brasileiro deve
pesos famosos “ruralistas”, a FUNAI – Fundação
ser responsabilizado por toda violência praticada
Nacional do Índio, organização responsável pela
com os povos indígenas”, pontuou a indígena
aplicação da política indígena no país. O governo
em setembro de 2019: “Jair Bolsonaro coloca em
promove insistentemente políticas de coloniza-
risco nossas vidas e a vida do nosso planeta”,
ção de terras indígenas e de ataque à cultura e
afirmou ao fazer referência, dentre outras coisas,
à existência mesma desses povos, modificando
aos constantes ataques verbais do presidente
ilegalmente, por meio de administrativas, os
contra os povos indígenas 15. Esses ataques
direitos dos povos originários inscritos na Cons-
tituição, em particular a legislação existente de aos indígenas devem ser inseridos nos ataques

demarcação de terras indígenas, bem como não sistemáticos à floresta Amazônica, ao Pantanal

os protegendo da ação de grupos armados do e ao Cerrado que foram revelados ao mundo nas
Estado e de invasores de suas reservas. Há uma queimadas gigantescas e criminosas que foram
desregulamentação da política indigenista, nos organizadas em 2019 e 2020 por proprietários
cortes de orçamento, no desmonte da Funai, rurais, invasores de terras e garimpeiros que
além do discurso de ódio legitimador da violência apoiaram a eleição de Bolsonaro que desregula-
e da criminalização do ativismo indígena. mentou e intimidou as instâncias de fiscalização
do IBAMA – Instituo Brasileiro de Meio Ambiente
Por outro lado, o governo não tomou, longe disto, e do ICMBio (Instituo Chico Mendes de Conserva-
todas as precauções para protegê-los da pande- ção da Biodiversidade.

203
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Como ensinava Foucault, é na microhistória, na prensa independente do “mercado” é constante.


prática do cotidiano, que se revela a biopolíti- Porém, com parte da população enclausurada
ca colocada em prática, no ataque à vida que por causa da pandemia e sendo jogada constan-
promovem os tiranos em nome da “soberania”, temente contra a outra parte, não enclausurada,
associados, no caso do Brasil, às outras formas que por razões de sobrevivência não pode ou
de controle e disciplina “modernos”, articulados deixar de trabalhar ou trabalhar à distância, en-
com a macropolítica neoliberal e negacionista da grossada por parcela da população que banaliza
mudança climática e que promovem a devasta- a pandemia, o que é efeito da duração do fenô-
ção do meio-ambiente para retirar o máximo de meno e das constantes intervenções criminosas
recursos possíveis no tempo o mais curto possí- do governo federal minimizando seu perigo, há
vel na luta por levar vantagem em tudo. uma cisão no país e um aprofundamento da crise
em todas as suas dimensões, o que parece ser de
As r-esistências dos movimentos sociais, dos agrado do tirano no governo e das classes domi-
indígenas, de todas as “minorias” majoritárias, de nantes que desejam uma crise permanente como
partidos políticos de esquerda, dos intelectuais, forma de assegurar sua dominação e ampliação
do meio artístico, de sindicatos e de parte da im- da acumulação de riquezas.

1 Sobre esse ponto em relação ao neoliberalismo como uma revo- advogados de defesa de Lula baseadas nos diálogos da Lava Jato e
lução conservadora pode se consultar Pierre Bourdieu. Contre-feux que revelam a iniquidade e injustiça dos procuradores da República
2. Paris: Raison d’Agir, 2001. Ver também os comentários de Laval e do juiz Sergio Moro, combinando sentenças, “esquentando” pro-
em Foucault, Bourdieu et la question libérale, Paris : La Découverte, vas, cometendo os mais diversos crimes que deverão ser julgados
2018, p. 225-228. em breve pelo STF.
2 https://jc.ne10.uol.com.br/politica/2021/02/12030236-acesso-a-ar- 7 Sobre a importância da Lava Jato no quadro da emergência da
mas--daniel-coelho-e-humberto-costa-assinam-medidas-con- extrema direita e as condições econômicas que permitiram o golpe
tra-decretos-de-bolsonaro.html. contra Dilma Roussef e a ascensão da extrema direita ver Eduardo
Costa Pinto et al. A guerra de todos contra todos e a Lava Jato: a
3 Bernard E. Harcourt, The Counterrevolution, How Our Government
Crise Brasileira e a vitória do Capitão Jair Bolsonaro. Instituto de
Went to War against its Own Citizens, Basic Books, New York, 2018.
Economia da UFRJ, Texto para discussão 013/2019.
Citado Christian LAVAL, prefácio à versão inglesa de Ce cauchemar
qui n’en fini pas. 8 Megavazamentos expõem fragilidade de agência de proteção de
dados. Jornal Folha de São Paulo. Disponível em https://www1.
4 Florestan Fernandes. A revolução burguesa no Brasil. Ensaio de
folha.uol.com.br/mercado/2021/02/megavazamentos-expoem-fra-
interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1974,
gilidade-de-agencia-de-protecao-de-dados.shtml. As maiores
p.310-320.
agências de regulação do Estado brasileiro ou estão sendo desarti-
5 Boletim Direitos na Pandemia, no. 10. COENECTA-CEPE.DISA. culadas ou são controladas com mão de ferro pelo poder executivo
Disponível em https://www.conectas.org/wp/wp-content/ e em diversas delas são membros das forças armadas que são
uploads/2021/01/Boletim_Direitos-na-Pandemia_ed_10.pdf https:// indicados para seu comando.
www.conectas.org/wp/wp-content/uploads/2020/07/01boletimco-
9 Bernard E. Harcourt, Op. Citada Apud Christian Laval em prefácio à
vid_PT.pdf e Dez processos apuram ato de Pazuello. Disponível em
versão inglesa de Ce cauchemar qui n’en fini pas.
https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2021/02/dez-pro-
cessos-do-mpf-apuram-atos-de-pazuello-desde-falhas-na-vaci- 10 Eduardo Costa Pinto. Obra citada, p.13-14.
nacao-ate-entrega-de-cloroquina.shtml. 11 Cf. Caio Maximino. Quais são as evidências de eficácia da eletro-
6 Entrevista de Delgatti que revelou as manobras dos procuradores convulsoterapia? Disponível em https://cmaximino.wordpress.
da operação Lava Jato e do juiz Sergio Moro. In Joaquim de Carval- com/2020/12/13/quais-sao-as-evidencias-de-eficacia-da-eletro-
ho entrevista Walter Delgatti. TV 247 Consultado em https://www. convulsoterapia/ . 13 de dezembro de 2020.
youtube.com/watch?v=ElHe4PuEBJI . Consultar também a séria de 12 Conforme entrevista à Carta Capital do ex-ministro Temporão
revelações baseados nas revelações de Delgatti no jornal The Inter- sobre o documento de orientação de política da saúde do Minis-
cept Brasil. disponível em https://theintercept.com/series/mensa- tério da Saúde de 6 de fevereiro de 2021. Disponível em https://
gens-lava-jato/. Ver também as recentes contestações no STF dos

204
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

www.cartacapital.com.br/saude/e-inevitavel-a-volta-dos-ma- nal-penal-internacional-de-haia-aceita-denuncia-contra-jair-bol-
nicomios-lamenta-ex-ministro-temporao/. O Documento do sonaro1.
governo pode ser acessado aqui https://pbpd.org.br/wp-content/ 15 Na ONU, indígenas denunciam violências e violações no Brasil:
uploads/2019/02/0656ad6e.pdf. Somos ameaçados abertamente pelo presidente”. VIOMUNDO,
13 Um ano de Covid no Brasil. Edição Especial do site de notícias Po- 25/09/2020. Disponível em https://www.viomundo.com.br/voce-es-
der360. 28 de fevereiro 2021. creve/na-onu-indigenas-denunciam-violencias-e-violacoes-enfren-
14 Consultar https://www.andes.org.br/conteudos/noticia/tribu- tadas-no-brasil-somos-ameacados-abertamente-pelo-presiden-
te-videos.html.

* Professor da Universidade Federal do Espirito Santo (UFES).

205
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Tran Ngoc Anh, Vietname | Sand Hill | Ninh Thuan (Vietname), 2020 (361)*
Aggelos Barai, Grécia | Moria Diary | Moria, Lesbos (Grécia), 2019 (362)*
Leyla Emektar, Turquia | Cheerful children of our village-5 | Kocaeli (Turquia), 2020 (363)*
206 Leyla Emektar, Turquia | Cheerful children of our village-2 | Kocaeli (Turquia), 2020 (364)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Benezeth Pierre, França | Play again | Haute Matsiatra (Madagáscar), 2020 (365)*
Hashinur Reza, Bangladesh | Childhood | Manikganj (Bangladesh), 2018 (366)*
Benezeth Pierre, França | Anton | Atsimo-Andrefana (Madagáscar), 2020 (367)*
Khalsa Alnaabi, Omã | We together | Izki (Omã), 2018 (368)* 207
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Pranab Basak, Índia | Education for all | West Bengal (Índia), 2015 (369)*
Pranab Basak, Índia | Loving to the world | West Bengal (Índia), 2015 (370)*
Eshagh Aghaeimansourabad, Irão | Naghesh | Shiraz (Irão), 2008 (371)*
208 Eshagh Aghaeimansourabad, Irão | My grandmother | Yasouj (Irão), 2016 (372)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Mohammed Zaanoun, Palestina | Palestine | Gaza (Palestina), 2020 (373)*


Mohammed Zaanoun, Palestina | Palestine Gaza | Palestine Gaza (Palestina), 2019 (374)*
Sandipan Mukherjee, Índia | The Highlanders 003 | Ladakh (Índia), 2020 (375)*
Sandipan Mukherjee, Índia | The Highlanders 001 | Ladakh (Índia), 2020 (376)* 209
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Marco Marcone, Itália | Yamal 5 | Sibéria (Rússia), 2018 (377)*


Marco Marcone, Itália | Yamal 4 | Sibéria (Rússia), 2018 (378)*
Greta Rico, México | Home birth | Mexico City (México), 2018 (379)*
210 Catarina Isabel Gomes Dias Cândido, Portugal | Olhares dos pequenos trabalhadores de Cusipata - A pastora de rebanhos | Cusipata, Cusco (Perú), 2019 (380)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Katerina Man’shine, Rússia | On the way out of the darkness | Belgorod region (Rússia), 2013 (381)*
Prashanta Hridoy, Bangladesh | The sweepers: A socially excluded community | Narayanganj (Bangladesh), 2016 (382)*
Sanjay Joshi, Índia | Blue House | Jodhpur (Índia), 2020 (383)*
Lúcio César Martins Consul, Brasil | O tempo escorre | Igatu, Chapada Diamantina, Bahia (Brasil), 2019 (384)* 211
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Elaheh Mollaei, Irão | Kurmanji Wedding-3 | Imam Qoli, Quchan (Irão), 2019 (385)*
Elaheh Mollaei, Irão | Kurmanji Wedding-5 | Imam Qoli, Quchan (Irão), 2019 (386)*
Javier Xuê, Espanha | Wedding 1 | Ulan Bator (Mongólia), 2018 (387)*
212 Maryam Rostampour, Irão | Nomads’Wedding ceremonies, celebration of colors | Isfahan (Irão), 2019 (388)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

213
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Zuzana Gogová, Eslováquia | The herd with its owner in the Zagros Mountains | Zagros Mountains (Irão), 2019 (393)*
aban Ok, Turquia | Child | Kars (Turquia), 2020 (394)*
Erkin Bolzhurov, República do Quirguistão | Wait! | Naryn (República do Quirguistão), 2016 (395)*
214 Erkin Bolzhurov, República do Quirguistão | In the Kyrgyz yurt | Osh (República do Quirguistão), 2016 (396)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Nuwair AL Hajeri, Emirados Árabes Unidos | The Bedouins are Arabs | UAE (Emirados Árabes Unidos), 2020 (397)*
Nuwair AL Hajeri, Emirados Árabes Unidos | Camel Journey | UAE (Emirados Árabes Unidos), 2020 (398)*
Zay Yar Lin, Myanmar | Galloping with golden eagles | Western Mongolia (Mongólia), 2019 (399)*
Zay Yar Lin, Myanmar | Inheritor of Eagle Hunting | Western Mongolia (Mongólia), 2019 (400)* 215
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Amit Vakil, Índia | Daily routine | Gujarat (Índia), 2019 (401)*


Amit Vakil, Índia | Collection of salt | Gujarat (Índia), 2019 (402)*
Sirsendu Gayen, Índia | Deceived of citizenship, the Vietnamese of Cambodia live on the floating villages | Kampong Phluk Floating Village (Camboja), 2015 (403)*
216 Sirsendu Gayen, Índia | Deceived of citizenship, the Vietnamese of Cambodia live on the floating villages | Chong kneas Floating Village (Camboja), 2015 (404)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Javier Arcenillas, Espanha | Cienaga de Santa Marta | Cienaga de Santa Marta (Colômbia), 2017 (405)*
Javier Arcenillas, Espanha | Cienaga de Santa Marta | Cienaga de Santa Marta (Colômbia), 2017 (406)*
Juan M Delgado, Estados Unidos | Net untangling | Inle Lake (Myanmar), 2016 (407)*
Juan M Delgado, Estados Unidos | Traditional line fishing | Cartagena (Colômbia), 2013 (408)* 217
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Pau Borredá Ricart, Espanha | Miradas rotas 32 | Marrakech (Marrocos), 2020 (409)*
Fernando Curado Matos, Portugal | 05_Meknès-Medina, vendedor de legumes | Meknès (Marrocos), 2018 (410)*
Moncho Iglesias Míguez, Espanha | O cinema | Dhaka (Bangladesh), 2019 (411)*
218 Esteban Díaz Azúa, Espanha | Venta de especies | Chaouen (Marruecos) (Marrocos), 2017 (412)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Amirhossein YousefiKeysari, Irão | Massacre | Kouchesfehan Gilan’s (Irão), 2020 (413)*


Amir Masoud Arabshahi, Irão | Carpenter | Qom (Irão), 2020 (414)*
Mohammad Rafayat Haque Khan, Bangladesh | Jamdani the Pride of Bengal | Narayangonj (Bangladesh), 2019 (415)*
Mohammad Rafayat Haque Khan, Bangladesh | Jamdani the Pride of Bengal | Narayangonj (Bangladesh), 2019 (416)* 219
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Rayhan Ahmed, Bangladesh | A large assemblage of people in train | Dhaka (Bangladesh), 2020 (417)*
Milad Jalilian, Irão | Glass economy | Kermanshah (Irão), 2015 (418)*
Rayhan Ahmed, Bangladesh | Massive gathering on Train | Dhaka (Bangladesh), 2020 (419)*
220 Inacio Perez Crespo, Espanha | Williamsburg 6 | Nueva York (Estados Unidos), 2019 (420)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Izmailov Gleb, Rússia | Past-Present... | Sibéria (Rússia), 2020 (421)*


Izmailov Gleb, Rússia | Past-Present... | Sibéria (Rússia), 2020 (422)*
Stanislav Yusma, Rússia | Life scenery by the bar | (Sri Lanka), 2017 (423)*
Stanislav Yusma, Rússia | Life scenery by the bar | (Sri Lanka), 2017 (424)* 221
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Luz Cortés Marín, Espanha | Vivir con protocolos I | Fuenlabrada (Espanha), 2020 (425)*
Luz Cortés Marín, Espanha | Vivir con protocolos VI | Fuenlabrada (Espanha), 2020 (426)*
Regys Macêdo, Brasil | Pande... cuidado | Rio Grande - RS (Brasil), 2020 (427)*
222 Regys Macêdo, Brasil | Pande... trabalho | Rio Grande - RS (Brasil), 2020 (428)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Douglas Kist, Portugal | “Image 19 - Calm despair” | Porto (Portugal), 2020 (429)*
Marta Filipa de Matos Dias, Dinamarca | Stay at Home - Portuguese in Copenhagen (1) | Copenhaga (Dinamarca), 2020 (430)*
Douglas Kist, Portugal | “ Image 25 - Alone together” | Porto (Portugal), 2020 (431)*
Tatiana Volobueva, Itália | be my quarantine. worldwide isolation | Como (Itália), 2020 (432)* 223
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Natalia Gorshkova, Rússia | Resistance_Force_0003 | Tyumen region (Rússia), 2019 (433)*


Natalia Gorshkova, Rússia | Resistance_Force_0006 | Tyumen region (Rússia), 2018 (434)*
Daniel Filipe Antunes Santos, Portugal | Alma dos gestos IV | Faro (Portugal), 2018 (435)*
224 Daniel Filipe Antunes Santos, Portugal | Alma dos gestos VI | Faro (Portugal), 2018 (436)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Sergey Areshev, Federação Russa | World of Beauty - 1 | Moscow (Federação Russa), 2016 (437)*
Sergey Areshev, Federação Russa | World of Beauty - 6 | Moscow (Federação Russa), 2017 (438)*
Alexey, Rússia | Getting ready | Siberia, Novosibirsk (Rússia), 2016 (439)*
Alexey, Rússia | After show | Siberia, Novosibirsk (Rússia), 2020 (440)* 225
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Reza Mozafari Manesh, Chipre | Steps countinuum | Tehran (Irão), 2018 (441)*
Reza Mozafari Manesh, Chipre | Ritual of hope | Tehran (Irão), 2018 (442)*
Alexander Chernavskiy, Rússia | Black sun ot the Leviathan 005 | Moscow (Rússia), 2019 (443)*
226 Bruno Silva, Portugal | In Illo Tempore - Estudante e Guitarrista da Tuna Académica | Coimbra, Celas (Portugal), 2018 (444)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Rafael G. Antunes, Portugal | Jorge - 21 Anos | Viana do Alentejo (Portugal), 2019 (445)*
Rafael G. Antunes, Portugal | Guilherme Santos - 28 Anos | Beja (Portugal), 2019 (446)*
Shridarshan Shukla, Índia | Prayers | Uttar Pradesh (Índia), 2019 (447)*
Shridarshan Shukla, Índia | Ray of hope | Uttar Pradesh (Índia), 2019 (448)* 227
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Farhad Motaei, Irão | Nowruz Kurdistan | Kurdistan (Irão), 2019 (449)*


Egoitz Maeso Gallego, Espanha | Ganga Aarti 05 | Benarés (Índia), 2018 (450)*
António Alves Tedim, Portugal | Entrudo de Vila Boa de Ousilhão | Vila Boa de Ousilhão, Vinhais (Portugal), 2020 (451)*
228 Carlos Elísio Teixeira Vasconcelos da Silva, Portugal | Magusto à Moda Antiga | Braga (Portugal), 2019 (452)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Zhina Naderi, Irão | Scarecrow! | Kurdistan (Irão), 2020 (453)*


Sourav Das, Índia | Immersion of Goddess | West Bengal (Índia), 2019 (454)*
Rabin Chakrabarti, Índia | 3_VEL VEL_41750.ZIP | Hoogly, West Bengal, (Índia), 2019 (455)*
Sourav Das, Índia | Pain | West Bengal (Índia), 2018 (456)* 229
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Arturo López Illana, Espanha | Garewol 1 | Dourbali (Chade), 2019 (457)*


Ritankar Mazumder, Índia | The bahurupi family | West Bengal (Índia), 2019 (458)*
Arturo López Illana, Espanha | Garewol 3 | Dourbali (Chade), 2019 (459)*
230 Ritankar Mazumder, Índia | Little Krishna | West Bengal (Índia), 2019 (460)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Suvro Paul, Bangladesh | Childhood is growing on stage | Sylhet (Bangladesh), 2019 (461)*
Rossifang, Taiwan | 3.Ghost Busters | Kaohsiung (Taiwan), 2018 (462)*
Suvro Paul, Bangladesh | An Artist | Sylhet (Bangladesh), 2019 (463)*
Rossifang, Taiwan | 2.Please come God ceremony | Kaohsiung (Taiwan), 2019 (464)* 231
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Mahsa Alviri, Irão | The Guest entry | Qazvin (Irão), 2019 (465)*
Muhammad Amdad Hossain, Bangladesh | Preparing for worship | Dhaka (Bangladesh), 2019 (466)*
Mahsa Alviri, Irão | Those playful kids | Qazvin (Irão), 2019 (467)*
232 Muhammad Amdad Hossain, Bangladesh | Child in father’s lap | Dhaka (Bangladesh), 2019 (468)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Azim Khan Ronnie, Bangladesh | Praying with fire | Dhaka (Bangladesh), 2017 (469)*
Azim Khan Ronnie, Bangladesh | Praying with fire | Narayanganj (Bangladesh), 2019 (470)*
Subrata Roy, Bangladesh | Rakher Upabash - 3 | Barudi, Narayanganj (Bangladesh), 2019 (471)*
Subrata Roy, Bangladesh | Rakher Upabash - 4 | Barudi, Narayanganj (Bangladesh), 2019 (472)* 233
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Aydar Nabiev, Rússia | The rite of Bar mitzvah | Republic of Tatarstan, Kazan (Rússia), 2019 (473)*
Rui Miguel Pedrosa, Portugal | Festa dos Caracóis 02 | Reguengo do Fétal (Portugal), 2019 (474)*
Aydar Nabiev, Rússia | Sacred | Republic of Tatarstan, Kazan (Rússia), 2019 (475)*
234 Amir Masoud Arabshahi, Irão | The line | Qom (Irão), 2014 (476)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Ebrahim Alipoor, Irão | A Monastery in the Himalayan mountains 2 | Tibet (China), 2019 (477)*
Ebrahim Alipoor, Irão | A Monastery in the Himalayan mountains 4 | Tibet (China), 2019 (478)*
Jose Maria Rubio Calonge, Espanha | Rincones de fe 3 | Región montañosa próxima a Tbilisi (Georgia), 2019 (479)* 235
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Maryam Karami, Irão | One body 4 | Isfahan (Irão), 2019 (480)*


Maryam Karami, Irão | One body 5 | Isfahan (Irão), 2019 (481)*
Nurlan Tahirli, Azerbaijão | Holding | Odessa (Ucrânia), 2020 (482)*
236 Chiara Fabbro, Reino Unido | Invisible borders: melancholy | Europe’s borders (Grécia ), 2019 (483)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Yulia Nevskaya, Rússia | Nobody lives there I | The village of Madmas, Komi republic (Rússia), 2019 (484)*
Yulia Nevskaya, Rússia | Nobody lives there III | The village of Madmas, Komi republic (Rússia), 2019 (485)*
Maria João Pinto Salgado, Portugal | O Tempo do Deserto | Tindouf (Argélia), 2019 (486)*
Rory Aliran Birkby, África do Sul | Hora de Almoço 1 | Bairro da Bica, Lisboa (Portugal), 1968 (487)* 237
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Nadezhda Ermakova, Rússia | Christiane Fleure | Tambov (Rússia), 2018 (488)*


Nadezhda Ermakova, Rússia | Landry William Yao | Tambov (Rússia), 2018 (489)*
Pablo Pintor, Argentina | The shadow | Caba, Buenos Aires (Argentina), 2019 (490)*
238 Pablo Pintor, Argentina | Loneliness | Caba, Buenos Aires (Argentina), 2018 (491)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Reyhana Turdieva, Quirguistão | Abdulov Mirzakim aji Abdulovich | Bishkek (Quirguistão), 2019 (492)*
Fabio Ribeiro Maciel, Brasil | Invisiveis 001 | Rio de Janeiro (Brasil), 2016 (493)*
Johara Meyer, Alemanha | Dark side | Venice (Itália) (494)*
Bruno Cerimele, Argentina | Retratos de un hogar_04 | Nairobi (Quénia), 2020 (495)* 239
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Debdatta Chakraborty, Índia | The Sheroes Of Agra_1 | Agra, Uttar Pradesh (Índia), 2019 (496)*
Debdatta Chakraborty, Índia | The Sheroes Of Agra_2 | Agra, Uttar Pradesh (Índia), 2019 (497)*
Carloman Macidiano Céspedes Riojas, Argentina | Zoc From Brasil | Buenos Aires (Argentina), 2020 (498)*
240 Carloman Macidiano Céspedes Riojas, Argentina | Moises from Venezuela | Buenos Aires (Argentina), 20218 (499)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Carlos Pimentel, Portugal | Jorge | Lisboa (Portugal), 2018 (500)*


Carlos Pimentel, Portugal | Carlos | Lisboa (Portugal), 2018 (501)*
Sujit Saha, Índia | Sindoor - Vermillion 5 | Kolkata, West Bengal (Índia), 2020 (502)*
Anabelle Vargas, Colômbia | Viviendo con Bernardo | Cali (Colômbia), 2019 (503)* 241
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Aryan Nasrollahi, Irão | Kolbar | Kurdistan-Hawraman (Irão), 2017 (504)*


Wilber, Colômbia | Des-Covidjados | Santo Tomas (Atlantico) (Colômbia), 2020 (505)*
Aggelos Barai, Grécia | Moria Diary | Lesbos (Grécia), 2020 (506)*
242 Aggelos Barai, Grécia | Moria Diary | Lesbos (Grécia), 2020 (507)*
tema 4 cultura e sociedade: diversidade cultural e inclusão social

Md. Akhlas Uddin, Bangladesh | Rohingya Exodus | AL (Bangladesh), 2018 (508)*


Maria João Pinto Salgado, Portugal | O tempo do Deserto | Tindouf (Argélia), 2019 (509)*
Mouneb Taim, Síria | Sem título | Syria, Idlib, southern Idlib countryside, Hass village (Síria), 2019 (510)*
Mouneb Taim, Síria | Sem título | Syria, Idlib, southern Idlib countryside, Hass village (Síria), 2019 (511)* 243
rumores do mundo
pessoas, lugares, outros olhares
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

246 Abhishek Purohit, Índia | Tradition | Rajasthan (Índia), 2019 (512)*


rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Zay Yar Lin, Myanmar | The Champion | Western Mongolia (Mongólia), 2019 (513)*
Abhishek Purohit, Índia | Journey Begins | Rajasthan (Índia), 2015 (514)*
Zay Yar Lin, Myanmar | Seeking Warmth | Western Mongolia (Mongólia), 2019 (515)* 247
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Anish Chandra Prakash, Índia | The Mothers | Rajwara, Bihar (Índia), 2019 (516)*
Somayeh, Irão | Noon tea | Abyaneh (Irão), 2019 (517)*
248 Ricardo General Núñez, Chile | Primeras generaciones de Turbante | Andacollo, Región de Coquimbo (Chile), 2017 (518)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Karan Singh Rathore, Índia | Happiness | Pushkar, Rajasthan (Índia), 2019 (519)* 249
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Prashanta Hridoy, Bangladesh | The sweepers: A socially excluded community | Narayanganj (Bangladesh), 2015 (520)*
Prashanta Hridoy, Bangladesh | The sweepers: A socially excluded community | Narayanganj (Bangladesh), 2016 (521)*
250 Bruno Rosa, Portugal | Working Late | Hanoi (Vietname), 2017 (522)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Pranab Basak, Índia | Contrast of life | West Bengal (Índia), 2014 (523)* 251
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Seyedmohamad Tabrizi, Irão | Moon and stars | Sistan and Baluchestan (Irão), 2019 (524)*
252 Seyedmohamad Tabrizi, Irão | Father | Sistan and Baluchestan (Irão), 2019 (525)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Erkin Bolzhurov, República do Quirguizistão | Kyrgyz women | Chui (República do Quirguizistão), 2013 (526)*
Alexey Nasyrov, Rússia | Zinaida | Republic Of Mari El (Rússia), 2019 (527)* 253
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Hugo Lourenço, Portugal | Peace | São Tomé (São Tomé), 2017 (528)*
Bárbara Bravo Martín, Tanzânia | La mirada de Fatuma - The look of Fatuma | Kisiwani (Tanzânia), 2020 (529)*
Bruno Cerimele, Argentina | Retratos de un hogar_03 | Nairobi (Quénia), 2020 (530)*
254 Filipe de Oliveira Santos, Brasil | Belezas Crespas | Salvador-BA (Brasil), 2018 (531)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Leyla Emektar, Turquia | Cheerful children of our village-1 | Kocaeli (Turquia), 2020 (532)*
Ashraful Islam Shimul, Bangladesh | Beautuiful childhood | Noakhali (Bangladesh), 2018 (533)* 255
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Marina, Bielo-Rússia | The cowgirl | Gomel Region (Bielo-Rússia), 2016 (534)*


256 Sandipan Mukherjee, Índia | The Highlanders 006 | Ladakh (Índia), 2020 (535)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Ashraful Islam Shimul, Bangladesh | Art of dramatic people | Ramu, coxbazar (Bangladesh), 2018 (536)* 257
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Budanova Mary, Rússia | Grandfather Kolya | Volgograd region, Pallasovsky district, Prudent farm (Rússia), 2019 (537)*
258 Budanova Mary, Rússia | Grandfather Kolya | Volgograd region, Pallasovsky district, Prudent farm (Rússia), 2019 (538)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Shamil, Rússia | Grandfather in on the mountain | Kulu valley (Índia), 2019 (539)*
Morteza, Irão | Friends Forever | Khorramabad (Irão), 2020 (540)* 259
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Isidro Manuel Rito Vieira, Portugal | Amassar | Ilha Terceira, Açores (Portugal), 2020 (541)*
260 Isidro Manuel Rito Vieira, Portugal | Alisar | Ilha Terceira, Açores (Portugal), 2020 (542)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

José Tomás Rojas, Espanha | Vida de un Pueblo 2 | Granada (Espanha), 2018 (543)*
José Tomás Rojas, Espanha | Vida de un Pueblo 3 | Granada (Espanha), 2018 (544)* 261
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Enrique Balenzategui Arbizu, Espanha | YoffTonghor_05 | Dakar (Senegal), 2019 (545)*


262 Eduardo Moody Silveira, Brasil | Pescador | Penalva – Lago Cajari, Maranhão (Brasil), 2018 (546)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Armando Rojas Florez, Colômbia | Aquí nací. Aquí moriré! | La Barra-Buenaventura (Colômbia), 2017 (547)*
Armando Rojas Florez, Colômbia | Marco del problema | La Barra-Buenaventura (Colômbia), 2017 (548)* 263
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Rajesh Dhar, Índia | Farmer with the golden jute sticks | West Bengal (Índia), 2019 (549)*
264 Rajesh Dhar, Índia | Farmer with the golden jute sticks | West Bengal (Índia), 2019 (550)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Md Shafiul Islam, Bangladesh | Paddy drying | Rangpur (Bangladesh), 2018 (551)*


Behmaram Mohammadreza, Irão | Wheat harvesting6 | East Azarbaijan-ahar-dizbin village (Irão), 2019 (552)* 265
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Zhina Naderi, Irão | Scarecrow! | Kurdistan (Irão), 2020 (553)*


266 Camilo José, Espanha | Na terra fría | Grijó (Portugal), 2019 (554)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Alexey, Rússia | Behind the scene | Siberia, Novosibirsk (Rússia), 2020 (555)*
Arturo López Illana, Espanha | Garewol 6 | Dourbali (Chade), 2019 (556)* 267
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Maryam Alemomen Dehkordi, Irão | The myths of the Bakhtiari people | Bazoft (Irão), 2019 (557)*
268 Rafael G. Antunes, Portugal | João Luz - 35 Anos | Vila Franca de Xira (Portugal), 2019 (558)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Izmailov Gleb, Rússia | Passado presente... | Sibéria (Rússia), 2020 (559)*


Izmailov Gleb, Rússia | Passado presente... | Sibéria (Rússia), 2020 (560)* 269
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Debdatta Chakraborty, Índia | The Sheroes Of Agra_5 | Agra, Uttar Pradesh (Índia), 2019 (561)*
270 Carloman Macidiano Céspedes Riojas, Argentina | Yojan from Colombia | Buenos Aires (Argentina), 2019 (562)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Carlos Pimentel, Portugal | Cristina | Lisboa (Portugal), 2018 (563)*


Carlos Pimentel, Portugal | Franciele | Lisboa (Portugal), 2018 (564)*
Carlos Pimentel, Portugal | Sívia | Lisboa (Portugal), 2018 (565)* 271
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Mouneb Taim, Síria | Sem título | Syria, Idlib, southern Idlib countryside, Hass village (Síria), 2019 (566)*
272 Maria João Pinto Salgado, Portugal | O tempo do Deserto | Tindouf (Argélia), 2019 (567)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Md. Akhlas Uddin, Bangladesh | Rohingya Exodus | AL (Bangladesh), 2017 (568)* 273
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Jose Maria Rubio Calonge, Espanha | Rincones de fe 6 | Región montañosa próxima a Tbilisi (Georgia), 2019 (569)*
274 Jose Maria Rubio Calonge, Espanha | Rincones de fe 5 | Región montañosa próxima a Tbilisi (Georgia), 2019 (570)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Denis Churin, Rússia | NotMine City 2 | Saint-Petersburg (Rússia), 2017 (571)* 275
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Marcos Mendez, Argentina | Rewe. Provincia de Buenos Aires. Argentina. | Trenque Lauquen (Argentina), 2019 (572)*
Jose Manuel Maiquez Mijares, Espanha | El bosque de cobre 2 | Genalguacil, Málaga (Espanha), 2019 (573)*
276 Andrei Fomenko, Rússia | The Butte near the Tuzbair Sor | The Butte near the Tuzbair Sor (Cazaquistão), 2017 (574)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Ebrahim Alipoor, Irão | A Monastery in the Himalayan mountains 1 | Tibet (China), 2019 (575)* 277
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Javier Yárnoz Sánchez, Espanha | Flora de inverno en paisajes erosionados n.º 2 | Bardenas Reales, Navarra (Espanha), 2020 (576)*
278 Rodolfo Gil, Portugal | Terras da Meia-Luz 4 | Açores (Portugal), 2019 (577)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Javier Yárnoz Sánchez, Espanha | Flora de inverno en paisajes erosionados n.º 1 | Bardenas Reales, Navarra (Espanha), 2020 (578)* 279
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Maksim Tarasov, Rússia | Maasai Village | (Tanzânia), 2019 (579)*


280 Maksim Tarasov, Rússia | Maasai Village | (Tanzânia), 2019 (580)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Igor Dushin, Bielo-Rússia | Whale tail | Mogilev Region (Bielo-Rússia), 2020 (581)*
Alfredo José da Fonseca Lemos, Portugal | Monólogo VI | Região Autónoma dos Açores (Portugal), 2020 (582)* 281
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Sandipani Chattopadhyay, Índia | A colourful settlement 2 | Jharkhand, Kumirdanga (Índia), 2020 (583)*
282 Sandipani Chattopadhyay, Índia | A colourful settlement 4 | Jharkhand, Kumirdanga (Índia), 2020 (584)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

João Galamba, Portugal | Ria de Aveiro I | Ria de Aveiro (Portugal), 2020 (585)*
Fernando Curado Matos, Portugal | 03_Meknès-Medina | Marrakesh (Marrocos), 2018 (586)* 283
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Pouya Bazargard, Irão | Human, Garbage, Destruction | Gilan Province (Irão), 2019 (587)*
284 Flavio Alexandre de Oliveira Filho, Brasil | Amizade | Vieira - Teresópolis, RJ (Brasil), 2018 (588)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Olmo Mezquita, Espanha | Dehesa salmantina | Traguntía, Salamanca (Espanha), 2020 (589)*
Flavio Alexandre de Oliveira Filho, Brasil | Into The Void | Vieira - Teresópolis, RJ (Brasil), 2019 (590)* 285
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

286 José Reyes Belzunce, Espanha | “La mano” o ficus macrophylla1 | Alicante (Espanha), 2019 (591)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Alexey Sergovantcev, Rússia | Touchpoint 4 | Smolenskaya oblast’ (Rússia), 2019 (592)*


Alexey Sergovantcev, Rússia | Touchpoint 3 | Smolenskaya oblast’ (Rússia), 2019 (593)* 287
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Roberto Conde, Espanha | Melojo | San Lorenzo de El Escorial (Espanha), 2019 (594)*
288 Roberto Conde, Espanha | Tras el corzo | San Lorenzo de El Escorial (Espanha), 2019 (595)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Lara Zanardi, Itália | Fog2 | Po Valley, Verona (Itália), 2019 (596)*


Lara Zanardi, Itália | Fog4 | Po Valley, Verona (Itália), 2019 (597)* 289
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Rodrigo de Oliveira, Brasil | Singularidades da Natureza | Ceará (Brasil), 2018 (598)*


Rodrigo de Oliveira, Brasil | Singularidades da Natureza | Ceará (Brasil), 2018 (599)*
290 Larissa Ramos Araujo Pedroso, Brasil | O retrato animal | Manaus (Brasil), 2019 (600)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

José Luís Pereira, Portugal | Ilha de São Miguel Açores | Ilha de São Miguel (Portugal), 2017 (601)* 291
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Gabriel Almeida, Portugal | Ruínas Rurais 2 | Cardigos (Portugal), 2020 (602)*


Gabriel Almeida, Portugal | Ruínas Rurais 4 | Cardigos (Portugal), 2020 (603)*
Gabriel Almeida, Portugal | Ruínas Rurais 5 | Cardigos (Portugal), 2020 (604)*
292 Gabriel Almeida, Portugal | Ruínas Rurais 1 | Cardigos (Portugal), 2020 (605)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Amr Elkashef, Egito | The other being | (Egito), 2019 (606)* 293
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

K M Asad, Bangladesh | Lockdown in the City | Dhaka (Bangladesh), 2020 (607)*


294 Prashanta Hridoy, Bangladesh | The sweepers: A socially excluded community | Chittagong (Bangladesh), 2018 (608)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Shubham Patil, Rússia | Fusion | Nizhnay Novgord (Rússia), 2020 (609)*


Lúcio César Martins Consul, Brasil | Esperando Dora | Igatu, Chapada Diamantina, Bahia (Brasil), 2019 (610)*
Lúcio César Martins Consul, Brasil | Quando eu tiver saído | Igatu, Chapada Diamantina, Bahia (Brasil), 2019 (611)* 295
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Ary Attab Filho, Brasil | Canary Wharf | Londres (Inglaterra), 2019 (612)*
296 Rui Correia, Portugal | Everyday life | Porto (Portugal), 2018 (613)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Rui Correia, Portugal | Silent pain | Aveiro (Portugal), 2020 (614)*


Olga, Rússia | Reflection 2 | Moscow (Rússia), 2020 (615)*
Olga, Rússia | Reflection | Moscow (Rússia), 2020 (616)* 297
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Marcos Antonio Ramos Esteves, Brasil | Serviços gerais | Rio de Janeiro (Brasil), 2019 (617)*
298 Maria João Vale, Portugal | Homem ao centro | Lisboa (Portugal), 2017 (618)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Erfan, Irão | Once upon A Time, Life | Kerman (Irão), 2019 (619)*
João Antonio Benitz Rangel dos Santos, Brasil | Urbano IV | Brasília (Brasil), 2019 (620)* 299
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Isabel de Tovar de Colubi, França | Luz de engenho | Paris/ Glaumbær (França), 2017 (621)*
Isabel de Tovar de Colubi, França | Pacman | Chessy/Serris (França), 2017 (622)*
Rose Ansari, Irão | Rebirth | Tehran (Irão), 2000 (623)*
300 Rose Ansari, Irão | Rebirth | Tehran (Irão), 2000 (624)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Mikhail Kapychka, Bielo-Rússia | Puddle | Uglich (Rússia), 2018 (625)*


Mikhail Kapychka, Bielo-Rússia | Moscow | Moscow (Rússia), 2018 (626)* 301
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Kent Klaudt, Estados Unidos | Life Support | California (Estados Unidos), 2020 (627)*
302 Kent Klaudt, Estados Unidos | Life Support | California (Estados Unidos), 2020 (628)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Marina Balakina, Rússia | Sem título | Arkhangelsk region (Rússia), 2019 (629)*
Marina Balakina, Rússia | Sem título | Arkhangelsk region (Rússia), 2019 (630)* 303
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Milad Jalilian, Irão | Glass economy | Kermanshah (Irão), 2015 (631)*


Jafar, Irão | I’m not crying | Mazandaran (Irão), 2020 (632)*
304 Jafar, Irão | I’m not crying | Mazandaran (Irão), 2020 (633)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Narges, Irão | Women and Nature Women and Nature | Mazandaran (Irão), 2020 (634)* 305
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Ekaterina Vasilyeva, Rússia | Neva. River for people, people for river | St. Petersburg and Leningrad region (Rússia), 2017 (635)*
306 María Victoria Robledo, Argentina | Territorio en Lucha | Comodoro Rivadavia (Argentina), 2019 (636)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Oleg Bolotnikov, Rússia | Palms | Crimea (Rússia), 2019 (637)* 307


transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

308 Carlos Molina Novoa, Espanha | Pair of snakes | Salamanca (Espanha), 2018 (638)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

Guillermo Merino Jiménez, Espanha | V | Talavera de la Reina, Toledo (Espanha), 2020 (639)* 309
transversalidades 2020 fotografia sem fronteiras

Janusz Jurek, Polónia | Electrina | Ostrów Wielkopolski (Polónia), 2013 (640)*


310 Janusz Jurek, Polónia | Electrina | Ostrów Wielkopolski (Polónia), 2013 (641)*
rumores do mundo pessoas, lugares, outros olhares

João Mesquita, Portugal | Heven_roof | Porto (Portugal), 2020 (642)*


Alexander Chernavskiy, Rússia | Black sun ot the Leviathan 002 | Moscow (Rússia), 2019 (643)*
João Mesquita, Portugal | Heaven_stairs | Porto (Portugal), 2020 (644)* 311
transversalidades 2020 comentários

Comentários
Melhor portfolio TEMA 1 completely. After its all dried up, the scraping of
the pink salt crust begins.
Fuvemeh (Ghana) un pueblo de pescadores, situa- 7-12
do entre el océano Atlántico y la desembocadura The Abandoned village in the desert area of Shar- 27
del río Volta ha desaparecido, ya no existe, ni en jah in UAE. The desert take over again what is their The extraction or ”harvesting” process includes
“Google maps”, sólo en la memoria de quienes la mine. the salt fragmentation, by using the force of the
habitaron y en los recuerdos de sus hijos y nietos.. feet and then proceed to scrape each layer with
La erosión costera y la subida de los océanos 13 a small wooden or a small pick and then sift with
producidos como consecuencia directa del calen- A cow looking for food. a strainer and stack the obtained on one side.
tamiento global, poco a poco hacen desaparecer Once completely dry the salt, this is collected in a
comunidades costeras a lo largo de los países de 14 basket or container to be then transferred to the
África Occidental, un total de trece países y cerca A dog looking for food. warehouse of the communal company Marasal,
de diez mil kilómetros de costa. Fuvemeh es un cla- which is in charge of the classification and com-
ro ejemplo de ello. 15 mercialization.
Años atrás los habitantes de esta aldea, con cada Child playing in nature.
subida de la marea alta, poco a poco, veían como 28
sus tierras, sus casas y sus “vidas” desparecían. 16 The salt production takes place once a month and
Los habitantes de Fuvemeh, quienes pueden, han A beautiful view of a tree and a cloud in the sky. is marked by the calendar of the seasons of the
huido, a otras aldeas, otras casas. Unos centenares year. Thus, in the dry season (from May to Octo-
de metros más arriba de la orilla, esperando y de- 17 ber) the accumulation of salt is fast, there is greater
seando que el mar no vuelva, muchos de ellos es la A shepherd and his sheep in nature. production, and a better quality of salt is obtained
cuarta vez que se cambian. with a ”white or pink color that characterizes com-
Con la marea baja algunos días vuelven a sus casas, 18 mercially this salt”. However, in the rainy season
a lo que quedan de ellas, sus muros, sus ventanas, A man lifts a car wheel from a hill. A reminder of (from November to April) the production is turns
al umbral de una puerta, a veces sólo la nada. the legend of Sisyphus. out difficult and the color of the salt shows a
Un espacio físico vacío, que llenan con su memoria. brown color in several tonalities.
Estas fotografías están tomadas en esos momen- 19-24
tos, en los que los antiguos moradores de Fuve- The icy surface of Lake Baikal is cut up by a huge 29
meh, relatan lo que sienten y piensan… number of cracks of different thickness and depth. The salt production system is inherited from par-
The color palette of ice covers all shades of blue, ents to children, as it is testified at the present by
1 green and even yellow. All these factors create a many elder community people that have worked
Jakob Makafui, 30 años (Ya no hay ningún muro huge space for the birth of geometric shapes of their wells since they were children as their parents,
completo en el pueblo, el mar se mueve, el mar regular and irregular shapes. Nature is an unsur- grandparents and ancestors did.
nos mueve...). passed artist. Man can only capture the result of
her work. 30
2 Getting closer to one of this lonely workers walk-
Alix Vormawor, 39 años (El pueblo, las casas están 25 ing through the pools or ”pocitos” of salt.
dentro del mar, cuando lo pienso tengo miedo...). The impressive landscape of Salineras de Maras In the end of the mounth each pool can produce
and its hundreds of salt pans are still used exactly between 150 and 200 kilos of salt.
3
as they were at the time of the Incas by Peruvi-
Seth Zormelo, 51 años (Nosotros no tenemos nada an hard workers. There are approximately 4,500 31, 32
que hacer, el mar sigue subiendo...). salt wells placed in the form of stepped terraces This image was taken at the Khara Desert, Isfahan
in the middle slope of the hill Qaqawiñay, which Province, Iran. Very silent Khara sand dunes make
4
has slopes of 20 degrees of inclination to the bot- the landscape spectacular and a great place for
Dzieedzorm Vormawor, 16 años (Antes vivia aquí, tom of the gorge on the left bank of the Salineras meditation or jogging in the desert.
justamente aquí, la casa de mi familia...). stream. On a very windy day, I hardly saw my friend is walk-
ing through the sand dunes. so I managed myself
5 26 on the wind, saw the scene through the viewfinder
Bebli Adzotor, 59 años (Sigo viviendo aquí, un At the distance and under the torrid heat and the of my camera, and finally captured this moment of
poco más arriba. A veces vuelvo a esta casa, mi very high ultraviolet rays a lonely worker is harvest- the magnificence of the desert.
casa por treinta y siete años...). ing salt on his small family salt pans.
An ancient spring water canal called Qoripujio 33, 34
6
feeds the ponds through a network of slimmer Desert or salt marsh is an area that has become a
Angela Gbologa, 30 años y su hijo (Nuestra vida channels that cross the complex, so when keep- salt marsh due to its geographical location (usually
antes era normal, sencilla ahora todo es difícil, nos ers want to fill theirs, all they must do is open a the end of rivers) and the intense heat of the sun.
iremos de aquí, no hay ayuda, no hay futuro...). notch to allow the salty water to come in. Once Some deserts used to be lakes or seas that turned
the pond is full, keepers leave it to dry in the arid into salt marshes due to water evaporation.
Andean weather until the spring water evaporates The deserts around my city are a place for me to

312
transversalidades 2020 comentários

think for a moment about the role of humans in 49 by man, for 30 years the animal disappeared from
destroying the natural ecosystem. A Piscina. the face of the Earth. The photo was made using
Na chegada ao fim podemos ver a Lagoa Azul e o multi-exposure.
35, 36 mais puro ”ouro branco”.
Inhospito lugar, a 3800 metros de altura, este mar Quanto mais limpa e uniforme for o mármore, 59
de sal que se desarrollo la cordillera de los andes maior o seu valor. Aurochs (Bos primigenius)
esconde una de las reservas mas grandes de Litio This is a primitive bull with hollow horns. Nota-
del mundo. 50, 51 ble for very strong physique and great physical
Pink salt lake, Ukraine. strength. The meat and skins of these animals were
37, 38 very much appreciated by people, this was the rea-
Sem comentário. 52 son for their complete disappearance. In 1627, the
No… It is not Mars. Yes… It happens to be our last representative of the tours was exterminated.
39, 40 Earth. No trees, no birds. All pretty dead. Pure na- With the advent of cloning technology, there is the
Solo podemos dominar la naturaleza si la obedece- ture, though. Ancient lava channels everywhere. idea of creating a clone tour based on DNA extract-
mos y aun asi estamos a su merded. You can track the flows. ed from bones.

41, 42 53 60
Unique landscape and fog in the long mountains Shadows everywhere. Dark ground, dark sky. Some Redes secandose.
of orenburg region russia. imperfect cones spread all over the land. In the in-
ner parts of the cones, some strange material that 61
43 came out straight from our Earth’s guts shine red. Redes en secado después de su uso.
Uno de los lugares más peculiares de la geografía
de la provincia de Zaragoza es este, los Aguarales 54 62
de Valpalmas. La agresiva acción de la erosión ge- Partindo de percursos recorrentes no arquipélago The Jumana plain has dozens of ”magic tattoos””
nera unas peculiares formas que ofrecen un aspec- dos Açores explora-se, nestas imagens, a necessi- on its arid surface. Many representations of ani-
to monstruoso con un poco de imaginación. dade de isolamento e solidão como condição es- mals can be recognized with the naked eye, as in
sencial da possibilidade reflexiva, e por consequên- this case the ”La Araña” (The Spider) geoglyph.
44 cia criativa, evidenciada, pelo autor, numa relação This particular arachnid has been one of the first to
La caprichosa acción de la erosión sobre las arenis- pessoal com a natureza no seu estado mais puro. be discovered. Its size is almost 50 meters wide and
cas, arcillas y calizas del desierto de las Bardenas A ideia de ilha é assim apresentada como metáfora it is one of the most mysterious since it represents
Reales, en Navarra, ofrece singulares formas como de singularidade, de um território único e irrepetí- an amazing type of arachnid from the Amazon jun-
la de la imagen, donde parece que una zarpa se vel, representando tanto o artista como a sua ca- gle. Entomologists speak of the spider ”Ricinulei”,
apoya sobre el terreno con la intención de abrirse. pacidade de criar. whose species has the male sexual organs in the
forelegs. The Nazca culture captured this curious
45 55 detail in its representation, but the fact that these
I was growup and born in Mazandaran, Iran. Being Black sand beach. organs are only observable under a microscope is
raised in this region made me blind to the beauties surprising.
of this particular forest. After passing years in Teh- 56
ran, Iran I have returned to this area and I suddenly Lucha por el territorio en la ciudad Comodoro Ri- 63
had sight to see this beauty. I have wonder how vadavia. La actividad petrolera se activa imponién- Known as La Ballena (The Whale), although it is
much I am interested in my culture and climate of dose sobre los recursos naturales. Y así la vida se surely an Orca, this geoglyph emerges from the
my birth place. mezcla en el paisaje natural como una lucha por desert sands as if the lines drawn were an oceanic
I was born around Hyrcanian forest that is a unique habitarlo. Exponiendo los riesgos como la contami- threshold to peer out at the viewer. The Nazca cul-
Mixed Forests ecoregion about 55000 square ki- nación, y la relación humano ambiental. ture surely in contact with the Paracas culture, on
lometers near the southern shores of the Caspian the coast bathed by the Indian Ocean had access to
Sea. This broadleaf forest has 25 to 50 million years 57 the observation of these large cetaceans.
chronicle. Located on the so-called Costa Quebrada, Spain, According to the Japanese University of Yomagata,
Today I have opened my eyes to record what I see.” Playa de la Arnía surprises for its spectacular land- there are more than 150 geoglyphs in the Nazca
scape formed by limestone cliffs, small islets and an desert. The future of the people who live in the
46, 47 abrasion platform, that is, a flat and rocky portion area, its traditional agriculture and an incipient sus-
Antelope Canyon, located near Page, Arizona is of the soil that has been eroding through the cen- tainable tourism will depend on its protection and
home to one of nature’s most wondrous creations turies. Of course, this area of ​​the beach can only be conservation.
– the slot canyon. Carved from the red sandstone visited at low tide.
for millennia by seasonal flood rains and wind, the 64
canyons are narrow passageways that lead several 58 With the frosting snow and ice blanket, the deep
hundred feet away from the mouth. The gorgeous Steller’s cow (Hydrodamalis gigas) silence sounds like eternity. As such, these marvel-
sloping angles of the rocks – coupled with the Aquatic mammal living near the Commander Is- ous yet temporary ice layers vanishes as the tem-
shifts of light that make their way down from the lands. Discovered in 1741 during the expedition perature rises.
rim of the canyon – create amazing Hues. to Vitus Bering. The body length reached eight
meters,the average weight - 5 tons. Animal nu- 65
48 trition - vegetable, with a predominance of algae The oldest and deepest existing fresh water lake on
Muito provavelmente o local mais incrível que visi- and seaweed. In the hunt for the giants there was earth during the coldest period in winter (around
tei durante a minha roadtrip na Austrália. nothing complicated, the animals treated people minus twenty to thirty Celsius). It is believed to
without fear. As a result of predatory extermination hold one fifth of the world’s fresh water.

313
transversalidades 2020 comentários

66 Y yo estoy ahí, como testigo mudo de una nueva od where the ready net is collected in a semicircle
Através da utilização e controlo dos habitats dul- realidad. (De la serie: La Barra, un paraíso en blan- at a certain distance from the shore and at a depth
çaquícolas que abarcam rios, esteiros e valas, o co y negro). of 14 meters and after fishing with the help of
homem criou condições para a prática agrícola, manpower and tractors.
onde se incluem os arrozais e pastagens, em plena 78 In recent years, due to the changing Caspian sea
harmonia com habitats de transição como sapais, Na aldeia espanhola de San Lourenzo de Sabuce- water ecosystem and industrial plants, fish catch
caniçais e juncais. do, em Pontevedra, a população junta, anualmen- rates have dropped significantly.
te, dezenas de cavalos selvagens num recinto. É About 1,100 fishermen live in the three northern
67 assim há pelo menos 400 anos. Uns montam os provinces of Iran through from fishing.
A beleza paisagística inconfundível desta valiosa animais provocam-lhes o desequilíbrio. Outros dei- Despite the smuggle fishermen, fishermen’s tours
zona húmida, reconhecida pelos diversos estatutos tam-nos e seguram-nos no chão. Depois, alguém don’t have much catch.
de natureza atribuídos, onde se destaca o comple- lhes tapa a visão com as mãos para que sosse-
xo sistema lagunar que o Rio Vouga, ao desaguar guem. Tudo isto para os desparasitar, cortar a cri- 91
na Ria, forma. na, e colocar um “chip”. No final, são novamente Retrato de pescador tipico do río Imbassaí, ativida-
soltos na natureza. de muito importante para as familias locais.
68
Water thoroughly serves the nature and mankind. 79 92
Water tells us where to be flourished and where Male and female bucket carriers line up to fess the Lake Urmia is in danger of complete drying due to
not to. But our industrialized way of life is putting crusher machine. drought and human factors.
unprecedented strain on the Earth’s ecosystem,
threatening the future of mankind and nature, 80 93
destroying flora and fauna in the pristine nature. A different workforce loading the railway wagon Right on the outskirts of the old Belarus town
There is an urgent need to find a way of life that is to transport the stone chips in different locations Turov there is a floodplain meadow, bounded on
less threatening to the Earth, otherwise there will of indian territory, which will be used finally by the one side by the Pripyat, and on the other by it’s old
be long-term repercussions particularly in regard to construction industry. channel. Every spring the Turov meadow turns into
the ecological balance of the environment. a semblance of an international airport. Hundreds
81, 82 of thousands of birds stop here on their way from
69 Washing buffaloes in the spa with natural spring Europe and Africa (where they winter) to nesting
Rahmanloo Port is located east of Lake Urmia water.Daily life of the village people who earn their sites. Part of the birds remains to breed chicks. This
which has been almost deserted due to recent living with animal husbandry. became known thanks to the first and the oldest in
droughts. the country ringing station. It’s led by a couple of
83, 84 ornithologists – Pavel and Natalia.
70 Budaklı village of Bitlis Güroymak district takes Turov Ringing Station has an important scientific
A fisherman is fishing in damodar river for his fam- the animals contaminated in the closed area in goal – to study migratory birds. So they should be
ilies livelihood, he is 68yrs old man but everyday winter to their owners hot water springs. The buf- counted and ringed. Due to the fact that each bird
he goes to river for fishing and give hard labor for faloes that enter the 40 degree water of the spa receives a metal ring with an individual number,
their meal. are worth seeing. In the village where the winter there is a chance to collect unique data on where
season is harsh, the animals that are contaminated this species overwinters, what paths they use
71 are not taken out of the stables and are taken to during the migration, etc.
A fisher man is very very tired after hard toil in the the spa at certain intervals to be cleaned by their On the photo you can see the wood sandpiper
damodar river, he is taking a beautiful nap after owners. (Tringa glareola) that got into the network, which
hard work. Pavel Pinchuk set for catching birds. It will soon be
85 neatly unraveled. Sandpipers are carefully placed in
72 Fishermen are dropping fishing nets at sea with a linen bag and sent to the ringing room. Putting a
Akas and the forest. round boats. metal mark on a paw is only one part of the job. It’s
also necessary to measure the length of the paws,
73, 74 86 beak, wing, determine the amount of fat and other
View of one of the villages of the Kullu valley, La vida en el barrio pesquero de Yoff Tonghor - important indicators. Thanks to this info it will be
called kais. In 20 kilometers from this place lived Dakar - Senegal. possible to learn more about each species. When
the artist Nicholas Roerich. the ringing is completed, the birds are released into
87 a wildlife.
75 Salina Garcia - Porto do Mangue RN. In addition to scientific activities, different mea-
A Capela de Nossa Senhora da Estrela foi construí- sures are taken by workers of the station to pre-
da numa gruta do Maciço de Sicó. 88 serve the floodplain meadow in it’s current form.
Momentos de Espera, depois de lançarem as redes It’s being cleaned of growing willow, curbing
76 no Mar- poaching, and also conducting informational work
Le moulin de Chambeuil. among the local population. All without any state
89 support, of course.
77 Recolher as Redes do Mar.
Las nuevas generaciones se levantan con una mira- 94
da diferente. Quizá mas esperanzadora. Las huellas 90 Praia de Leça da Palmeira após a tempestade Elsa.
del pasado, el mismo mar las borra, todos los días. Every year in the fall and winter season, fishermen Relação homem-meio, o que foi do homem a ele
El eterno presente aviva la llama de un nuevo sen- in the north of Iran go out to sea for of fishing. retorna.
dero. De unas nuevas huellas. De nuevas batallas. ”Pare” fishing is a traditional coastal fishing meth-

314
transversalidades 2020 comentários

95 103 cional Sierra de Guadarrama en Madrid, España.


A series of photographs was taken in the village E de repente a neve... Una mañana me adentré en el bosque con uno de
of Bogorodskoye, Chernsky District, Tula Region. mis queridos perros, con la que tengo una cone-
There was an environmental disaster. Emissions 104 xión especial, Ripley. Decidí probar algo, y quise
from the farm caused the mass death of fish in the Apocalypse and its destructive consequenc- que la perra fuese “guiándome” hasta el lugar
local pond. es. There seems to be no salvation. Light breaks que ella “decidiese” como el “idóneo”. Llegamos
through dense clouds and gives hope. The red, a un pequeño claro desde el que pude realizar esta
96 bloody spots of burnt sulfur look like wounds. It toma mostrando lo espeso que es el sacro bosque
The pictures explore the themes of relationship be- will take a long time before the wounds are healed en algunos de sus rincones. Experimenté con la ex-
tween the people and Neva River (placed near St. and someday life will return here again. posición y el movimiento para así “pintar con la
Petersburg, Russia). cámara”, buscando un resultado pictórico y onírico
On the one hand the attitude of people to the 105 en una sola toma, para luego editar y ajustar en
Neva River with each year becomes more and Salgueiro em flor. Lightroom.
more aggressive and consuming. On the other
hand there is no doubt that the people living in 106 113
the Neva river valley love their river and instinctively Can you imagine that this place is located near the The fog in the Po Valley covers everything. Lost
want to see in the surrounding landscape not only center of Minsk? Very atmospheric and magical. men walk in the fog as in a surreal world.
natural resources for their physical existence, but On this day, I watched the ducks, admired the re-
also a source of aesthetic pleasure. Thanks to Neva flections of trees in the water. I felt calm and joy, 114
river the St. Petersburg was founded. For builders breathing deeply. I walked around on tiptoe, afraid La fotografía “Elementales” forma parte de la serie
of cities nature has always been a ‘clean sheet’. to frighten away this wonderful moment of unity “Pintando el sacro bosque”. El bosque de la Herre-
Its resources were used at the expense of its own with nature. I took a few photos and touched the ría es un lugar emblemático en el Parque Nacional
gradual extermination. miracle. Sierra de Guadarrama en Madrid, España. Un lu-
In the texts on the history of cities a nature usu- gar sagrado para los antepasados ​​que poblaron el
ally serves as an inert background for the heroic 107 área. La prueba de esto son los restos de cazoletas
conquest. Beauty of the Haor. rituales esculpidas en las rocas de granito del lugar.
In my project I wanted to find a balance between Fresnos y robles “melojos” forman un ecosistema y
harmony and destruction. 108 un paisaje mágico. Normalmente voy al bosque sa-
Partly inspired by the novel “Picnic by the Road- grado en busca de paz y conexión con lo ancestral.
97 side” by the two Soviet-Russian science-fiction Esta es mi segunda serie fotográfica en este lugar,
This is a too-often scenario in the Himalayas, while authors - brothers Arkady and Boris Strugatsky, lo hice durante los meses de octubre y noviembre
CocaCola is the World’s Biggest Polluter of plastic and generally known worldwide as the ‘Stalker’, de 2019. En esta serie centré mi atención en los
and water. In 2019 Coca-Cola launches a new re- a certain dystopian feeling permeating the area in robles “melojos”. En esta escena pude componer
cycling campaign where the responsibility remains between autumn-winter and winter-spring sea- la toma que mostrase el aspecto ancestral y mágico
100% on the consumer’s hands, knowing that sons, nearly always identical in this local climate, is de los guardianes del bosque. Experimenté con la
Plastic can only be recycled a certain number of something that makes it difficult to define, hence exposición y el movimiento para así “pintar con la
times. the Gray Zone, and, personally, brings on a sense cámara”, buscando un resultado pictórico y onírico
of permanent hopelessness. It is as if one finds en una sola toma, para luego editar y ajustar en
98 himself at an unnamed location, which in turn is Lightroom.
Images challenge the relationship between natu- shrouded in secrecy and is full of unnerving empti-
ral landscapes and human construction in modern ness. Considering the specific location, however, I 115
world. also feel like this sense of the Zone can also extend Cyanistes caeruleus.
well into the country’s history.
99 116
Sometimes we need to dream about our land- 109 Phylloscopus collybita.
scapes. Áboles en pendiente.
117
100 110 Refrescando...
Encina y niebla. Just two hours and then the frost disappeared and
everything became normal. Temperature differ- 118
101 ence. The Great Woodpecker is linked to the forest
A água, sendo um recurso limitado, é um bem es- where it was given birth. They search the cover of
sencial para o equilíbrio dos ecossistemas. Como 111 the tree trunks when the snow storm comes.
humanos, a nossa vida depende deste recurso. Forest - lungs planets, frantically shrinking with the
Neste conjunto de fotos, apresento a água nos growth of civilization. 119
seus três estados (líquido, gasoso e sólido) e pre- For civilization - a forest, just a resource, humanity Sigiloso y audaz pica de flor en flor.
tendo alertar para a fragilidade deste recurso limi- is less and less in contact with nature,
tado e essencial para a sobrevivência. O qual deve pushing and restricting yourself to asphalt and 120
ser protegido e utilizado de maneira sustentável. concrete. Singular abstrata.

102 112 121


Encina. La fotografía “Desde el claro” forma parte de la With the appearance of insects in the desert, came
serie “Pintando el sacro bosque”. El bosque de la reptiles. During the day they hide from the heating
Herrería es un lugar emblemático en el Parque Na- sun and go out at night to find food.

315
transversalidades 2020 comentários

122 130 147


Aqueles que gostam e cuidam de animais, árvores, People are drying paddy , it’s looks like they are Bangladesh is an agricultural dependent country.
plantas e flores, e também das pessoas, são mais making yellow stripes. Rice is the main food of the people of this country.
Humanos! A large number of paddy are cultivated in north
131 Bengal and it’s border area’s land. Kurigram is a
Farmer are going on the yellow paddy line. border area of Bangladesh. Farmers are cultivate a
lot of paddy here in the fertile soil.
TEMA 2 132
Farmer are drying paddy like painting. 148
123 Potato is one of the popular vegetable of Bangla-
These houses were built by the government at a 133 desh. Farmers cultivate potatoes at a certain time
low price for the villagers. Houses called ”Mehr Farmer are dragging paddy and making lines. of year.The soil of border area’s of North Bangla-
Housing”. The price of each unit of these houses desh is very suitable for potato cultivation. The
is forty million Tomans. The flood first opened all 134 farmer was taking care of his potato field while I
these houses. And now all the houses are full of People are drying paddy and create patterns. was taking the picture. I have taken the image in
mud. Gaibandha district in northern Bangladesh.
135
124 A child of a copra farmer is climbing a coconut to 149
Here is the village of Ourkai from Dashtiari area, be processed into copra. Jute is known as the golden crop and is the source
400 kilometers from Chabahar. of livelihood for many farmers living in the Ganges
Somewhere in Balochistan... 136 delta. The farmers use to work very hard in mud
The cold here is overwhelming. The flood has de- A copra farmer is peeling a coconut with a spear. and water and extract the golden fibre of jute from
stroyed the water piping. People have no drinking the plants.
water. All roads are limited. Crops have been de- 137
stroyed and half of the livestock lost. Coconut that has been separated from the skin is 150
Here, too, is part of the mourning of Iran then dried to be used as copra. Jute is known as the golden crop and is the source
of livelihood for many farmers living in the Ganges
125 138 delta. A farmer is assembling the jute fibre after
Livestock feed was kept here. A farmer is sitting on a pile of coconuts which is in different stages of farming process.
Water infiltrated everywhere, and then mud cov- the process of drying.
ered it all. The forages were soaked and a blood- 151, 152
like extract was run on the sludge. 139 A farmer father give lesson of farming to his child
During the flood, all the animals were drowned in The expression of a copra farmer when he holds a in a paddy field.
the water. coconut that has been processed into copra.
153
126 140 The highland dwellers of benreu village curved out
When the flood came, the old man only had the Coconut which has become copra is then put into paddy fields high above at their villages to plant
opportunity to bring his family to the roof. a sack and ready to be marketed. paddy and other crops to sustained their livelihood.
On top of that, for hours they saw their belongings
destroyed. The water took away everything and 141 154
left the sludge in return. There are lot of abandoned car racks along Route Right from our birth to our death we are engaged
The old man has no complaints and thank God 66. in doing things. Some of the things we do become
that no one in his family dies. an achievement. But everything that we do is pos-
142 sible because our stomachs are filled. An adage
127 Sad sights of abandoned land all over along Route says- ‘You cannot sing prayers with a hungry stom-
Molavi Abdullah Kose, a fifty-five-years-old man, is 66. ach’. It is the struggle of the farmers in the villages
the head of the Amir al-Momenin Religious School which makes our eating possible. A farmer is in the
in Ouraki Village. The school teaches religious be- 143 true sense the son of the soil. He tills barren lands
liefs to three hundred male and female students. Empty towns, empty post boxes along Route 66. and it is due to his efforts that seeds bloom into
The school is next to the mosque of the village of flowers.
Ouraki. 144
Molavi goes to each of the classes to separate the Thousands of old abandoned gas stations along 155
remaining items from the mud. Route 66. Pegasus is a symbol of Mobil gas. The highland dwellers of benreu village curved out
paddy fields high above at their villages to plant
128 145 paddy and other crops to sustained their livelihood.
Two children watch with astonishment the hole This picture was taken in the old Route 66 motel,
created in the floor of the room. it reads Dreams on the window. People traveled 156
The names of God and the religious prayers on the Route 66 in the search of better life - they suffered This local proudly shows his catch of the day.
wall are still in place, but none have prevented the and they dreamed.
destruction of the house. 157
146 Korotoya river in Bangladesh. all poeple catch the
129 Abandoned business buildings all over along Route fish in this away in middle river.
Dragging paddy to dry. 66.

316
transversalidades 2020 comentários

158 172 182


This villager is now packing his things as he pre- A woman was sorting chilies in the field to ensure Old woman on a traditional sheepfold in Sardinian
pares to end his day in the dam and head home. I the quality of chilies. Mountains.
just couldn’t imagine how elated his family would
be seeing how plenty his catch of the day is! 173 183
Lady, wearing the traditional attire was moving Dar de comer a las gallinas es tarea diaria para des-
159 across the lanes of the red field. pués recoger los huevos ecológicos.
The fish are arrange on wooden framed screens
on stilts above sea water and being fried under the 174 184, 185
sun. My grandfather was born in 1926 and died on Feb- Sem comentário.
ruary 23, 2020 as a true Hero of the Fatherland.
160 He served in the 95th reserve air defense rifle 186
Essas palafitas são dormitórios que os pescadores regiment. He finished his service with the rank of Lonely tree.
fazem para poder passar a noite na Baía de São Sergeant. Awarded with medals. Created a large
Marcos. Como a variação da maré é muito grande, number of patented inventions.He devoted most 187
elas precisam ficar altas e a única coisa que tem of his life to farming in the Prudent farm. Lambing barn.
dentro são camas feitas de palha.
175 188
161 History is something that exists, but myth is what Lobuche, a mais de 4900 metros, é o mais elevado
A lone day process, this fisherman checks on his we want it to be.(Folklore Bakhtiari - Dr. Abbas entre os povoados onde são mantidos os iaques
dried fish until they are dried enough to be sold Ghanbari Adivi)The days when the magical black (animais de carga), e onde pequenas aves ainda
to the market. and White boxes (TV and computer) had not yet podem ser encontradas.
filled our living space, the trains and cars had
162 not traversed the string of human thoughts, the 189
Feira de pescado fresco que acontece diariamen- sound of airplanes had not covered the sky, and O acampamento base para exploração do Monte
te às margens do Rio Pindaré. Neste local, parece the clues to the ideal world of creativity and pros- Everest fica sobre a morena do Glaciar Khumbu.
que o século XXI ainda não chegou; tudo ainda perity. The peoples and peasants were not dis- Nesse ponto onde os alpinistas passam semanas,
é bastante rudimentar e o comércio praticado é o turbed by myths, stories and oral narratives.Na- o nível de oxigênio é metade daquele do nível do
mesmo de gerações passadas. tions and nations transmit their ideal world to the mar.
next generation from the language of animals,
163-165 creatures, explosive scenes (instantaneous and 190, 192, 193
Men and women in the village of Dizbin in the city of creature-like). The myth of the flow is the folklor- The still time of the abandoned rice paddies
Ahar in East Azerbaijan help each other during the ic flow of the masses.Bakhtiari folklore does not In the Po Valley, especially between Novara and
wheat harvest season and collect their wheat crop. use the word fabulous, but instead matals, tales, Vercelli, rice monoculture has been the main work-
anecdotes and narratives are used. The people of ing activity for centuries.
166 Bakhtiari express their insights, insights, views on Around the rice fields there were farmhouses and
Sem comentário. life affairs, good and bad, desires in the face and estates where workers and their families spent
behavior, thought and speech of mythical charac- their lives between sowing and harvesting periods.
167 ters and motels.The Humans in their first experi- With the advent of mechanization in the 20th
Tierra de Campos es una comarca situada en la ences of life on Earth Also used the ability to cre- century, most of the harvesters no longer found
comunidad autónoma de Castilla y León, España, ate images and symbols that they could dominate a place in the production circuit and abandoned
y que abarca las provincias de Palencia, Valladolid, their environment. these places to themselves.
Zamora y León. Una zona marcada por su homoge- Here time has literally stopped.
neidad y monotonía paisajística, en la que se suce- 176
den campos de cultivo, construcciones de adobe, Son Daniil prepares food for pig. 191
palomares y antiguas industrias abandonadas. El palomar de adobe o tapial es la seña de iden-
En algún momento de la historia, aquí se paró el 177 tidad de tierra de campos. Siendo todos distintos
tiempo. Quién sabe hasta cuándo. The owner brought food. cada uno presenta unas particularidades dentro de
su tipología.
168 178 Los palomares hechos de la misma tierra donde se
While their life is over But they are more beautiful A carroça como meio de mobilidade. asientan conforman el paisaje castellano. Hoy se
than new doors. encuentran en desuso e incluso algunos abando-
179 nados en claro deterioro, aunque hace unas dé-
169 Shepherds in Sardinian Mountains. cadas fueran la forma característica de ganarse la
Sem comentário. vida en la zona.
180 La España vaciada deja que arquitecturas rurales,
170 Love for the owner despite the barriers. tradicionales y autóctonas se pierdan, se destru-
Registro Safra Milho 2020 - Cascavel/Paraná (neste yan. Nuestra tierra guarda secretos.
ano em especial as plantações de milho ao redor 181
da cidade estão prometendo uma boa safra. Don Lula se despertaba cada mañana con el canto 194
de los gallos, luego de un mate caliente comenza- Vastos canaviais marcam a paisagem e formação
171 ba con la alimentación de los animales. social de Alagoas, herança de um Brasil Colonial
Registro Safra Milho 2020 - Cascavel/Paraná (regis- que resiste ao tempo e as crises da economia. Tra-
tro da estrada de terra). balho árduo, onde corpos se debruçam entre as ca-

317
transversalidades 2020 comentários

nas e o sol incessante, deixando marcas nos rostos, 205 yaneh. The religion of the people of this village is
nas mãos e na alma daqueles boias-frias. Historically, German nationalism is partly root- Zoroastrianism, which was the main religion of the
ed in the republican movement propelled by the Iranian people before Islam. The houses in the vil-
195 Grimm Brothers’ interest in the early 19th Century lage are red, due to the use of red soil in the area.
Geometries of Silence. in researching, collecting and circulating German For this reason, the architecture of this village is
folklore, which culminated in a magazine called unique and there is no other example in the world
196 ‘Altdeutsche Waelder’. Folklore clubs sprang up with this structure. The villagers have kept their
Plantação de chá única na Europa, localizada na like mushrooms all around Germany, and the old- old clothing and no one wears today’s clothes. The
ilha de S, Miguel, Açores. est one still in existence is the Erzgebirgsverein, the young people of the village have all migrated and
Ore Mountains club. only the old people of the village have remained
197 During the NSDAP regime, all independent folklore there. Hard work in rural life is often done by old
Traje tradicional das apanhadoras de chá na única clubs in the region were enforced to commit to NS women. They are waiting for the return of their
plantação Europeia, localizada na ilha de S, Miguel, ideology and were put under one roof, the Hei- children and youth. In this collection, the difficul-
Açores. matwerk Sachsen. Many conformed willingly. The ties, loneliness and anxious look of Abyaneh wom-
think tanks Ahnenerbe and Amt Rosenberg took en have been considered.
198 up the task of systematically reinterpreting German
Abandoned shelter in Estancia Remolino, Tierra del festive traditions in line with the Nazi ideology. Sax- 212
fuego, Argentina. ony and the Ore Mountain christmas traditions re- He shows a girl with a basic hijab next to her moth-
ceived special attention. Friedrich Emil Krauss from er, who has a full hijab, in the village of mohtaram-
199 Schwarzenberg, an industrial entrepreneur who is abad.
Escondido Lake in Tierra del Fuego, Argentina. revered locally to this day, was one of the most ar-
dent supporters of the local craftsmen and in 1937 213
200 Rural areas in Zimbabwe have become isolated
initiated a mega exhibition with 300.000 visitors,
Corresponde a un puesto de estancia abandona- the Feierohmdschau. On the occasion of this ex- communities owing to rural to urban migration.
dode principio de siglo xx, este puesto se encuen- hibition the Schwibbogen, originally a handforged Rural to Urban migration has left rural areas unde-
tra en un valle que desemboca a la costa del mar candle holder, was developed into a mass product. veloped, poor and struggling for relevance. Pretty
argentino. Actualmente se utilizan como puestos The original christian and “oriental” imagery was Masuku has changed the narrative by designing
de parada quizás para pasar una noche y seguir intentionally replaced with depictions of miners. and decorating her home in a unique way. The
camino, debido a que su uso se vio afectado con Most mines in the Ore Mountains had closed by sink, cabinets and stove are not just designs in her
el decrecimiento de la industria de la lana en la re- the turn of the century, but the mining foklore con- kitchen they are functional. The drawings on the
gión. El casco de estancia es donde se realizan la tinued to stay culturally relevant. After WW2, the wall are historic ancient Ndebele paintings [using
mayor cantidad de actividades. regional woodworking crafts production got re-es- ash and charcoal] brought into the present. This
tablished and integrated into the socialist planned work has not only brought tourism into her home
201 but income and excitement to urban dwellers. The
economy, and by the sixties had been fully co-opt-
Corresponde a un viejo puesto de estancia aban- ed ideologically, again, this time as an expression walls of the kitchen are built using natural avail-
donado de principio de siglo xx, el cual se encuen- of pure socialism. able resources like mud, the floors with fresh cow
tra a unos 50km de la ciudad mas cercana, en lo dung and the roof with logs and grass thatching.
que correspondería a la estancia Monte León. 206 Her work has inspired many women in her com-
The traditional Murong houses at Bereu villlage munity. Pretty receives water tanks annually from
202 local sponsors as her work has effectively fought
where village headman often discussed with the
Left yard at left house in a village. A lot of things villagers to their worries and problems,and accord- against the effects of global warming in her rural
around look like people left this area on a sudden. ingly for leisure activities this Murong house is used community.
as per thier.
203 214
Items randomized on daintily cut stone window. 207 Foto tirada em uma comunidade agroecológica si-
Badjao are a sea dwelling tribe often known as the tuada no interior da Floresta Amazônica Brasileira.
204 Retratam o dia-a-dia de pessoas que escolheram
“Sea Nomads”. They lived near the Batangas port
Safhah village is one of the functions of Shadegan area. viver na floresta e tirar seu sustento dela. Na co-
city of Khuzestan in Iran. The village is home to munidade existe uma escola, hortas comunitárias,
seventi families, living among the sugarcane fields 208 barracões de cultura e áreas esportivas. As crianças
and mostly engaged in farming and animal hus- Current life in the village. retratadas nas fotos, em sua maioria, nasceram na
bandry and struggling without water and electric- comunidade e todos os seus valores de vida são
ity on certain days of the year, especially in sum- 209 pautados no respeito à natureza e às pessoas.
mer, with temperatures above fifty degrees. The Family members together.
villagers of safhah have been suffering from skin 215
diseases due to the use of sugar cane residues for 210 Mother feeding her child with hot pap on the bed
washing. The April floods have compounded the Poor deprived and very poor village is located in in her room.
problems for the residents of this village due to the the center of Sistan and Baluchestan province of
closure of the communication route and the lack Iran. This photo is related to a girl who is sitting in 216
of traffic and even heavy traffic to provide people front of her house after the devastating flood of A pesar de los incendios que azotaron sus tierras,
with the necessary necessities of life such as food, winter 2019. los pueblos aborígenes de la Amazonia pueden
water and food. Purchased by the people or by the enseñarnos mucho sobre la conservación de los
villagers The villagers walk a long distance and take 211 recursos naturales, el cultivo sostenible de alimen-
items to their homes. There is a 2,000 year-old village in Iran called Ab- tos y la vida en armonía con la naturaleza. Reavivar

318
transversalidades 2020 comentários

estos conocimientos para hacer frente a los retos a 232 largely riverine country. A ship crew member is
los que se enfrentan la alimentación y la agricultura From the series “Deeply in Surface”. having lunch on the ship (Public water transport).
hoy en día, sería de gran relevancia para el universo
y la sociedad en su conjunto. En la imagen, un niño 233 246
de la tribu observa tímidamente una embarcación The architectural construction of spaces intended Small business branch has been largely developed
que llega. for residential use in some areas of the world far around this river port.
exceeds their real demand.
217 247
Dos pequeños se balancean y aprenden a caminar 234 The contemporary polluted water of the Buriganga
en hamacas, hechas con fibras locales. in some cases the same method of constructive River has been a major challenge for Dhaka’s health
exuberance is also applied to the hotel sector in and hygiene. Once the lifeline of the Bangladeshi
218 which real containers are created for storing tour- capital, the river is now one of the most polluted
All the pots are taken out by Abdullah & Ibrahim ists. rivers in Bangladesh due to rampant dumping of
from the mound. Now they are sorting them out industrial and human waste.
nicely on the ground to get the pots to be dried 235
up by sunlight. However the labor sector is not excluded from the 248
process, probably the economy of scale justifies the The tourism industry is the way of life for small car
219 aim of building large spaces to be allocated to the dealers; this port has kept them financially affluent.
School Time! Arif is getting ready for the school world of work.
& wearing his shoes sitting on the doorway. And 249
as usual some potteries are kept there for drying 236 The Buriganga River (Old Ganges River) was also
up process. In this small series of images titled “deeply in the the city’s main source of drinking water. A Launch-
surface” you can observe some results in an aes- es (water vehicles) crew is on its way to the ship
220 thetic key in which geometries, pattern and modu- carrying drinking water from the city.
Kumar’s job is to spread art on bare ground. He is lar repetitions are sought with the aim of exasper-
the art of coming home from home. ating and alienating the observer. 250, 251
Silence dans la brume.
221 237 Dead silence from an instrument that was never
Welding is a fabrication or sculptural process that In addition, in cases in which the human being is listened. Like an harpe that stands in front of an
joins materials. present, it seems a real mistake and can be called: empty scenary. Without public.
“Human glitch”. This serie tries to show the ridiculous majestuosity
222 of a project that never worked. Like so many others
Settlement to carry out the next journey of sand- 238-243 in the Spain of our days.
ship traditions of Pushkar... In the past years, dozens of housing communities
were built all over Iran with the Maskan-e Mehr 252, 253
223 houses building project. Billions were pumped into ”The Essence” (Lines and Curves)
With a single step (The Pushkar Camel Fair is one the economy to erect 17 new cities and some 1.5 The essence of the architectural work transcends
of India’s largest camel trading of livestock). million housing units in order to reverse migration what is observed, enduring in the details that we
to the larger cities. are capable of perceiving
224 Readymade communities were erected in barren The authentic personality of the work, beyond
The Village workers are boiling the cocoons with deserts like Pardis (analogue to Paradise in Persian, the perceptible, remains and surpasses its creator,
hot water for getting the silk thread from it. located some kms. northeast of Tehran), often moving us to a sensory world in which if we pay
with little regard for the on-the-ground ecological due attention, we will be able to understand its
225 conditions. The skyrocketing inflation rate, as well true meaning, its true essence.
The Below poverty level village women are reeling as tightening international sanctions, made these Its in these details that the true architectural spirit
the silk under guidance of Government Aid. ventures unprofitable for developers, leading them is reflected, and therefore, where we discover the
to jettison projects mid-construction. author’s authenticity.
Maskan-e Mehr housing scheme finally resulted Inert to the architectural structure, its involvement
one of the largest hurdles to Iran’s economic re- with the environment in which it builds and de-
TEMA 3 covery. signs, the true symbiosis between space and form,
how these influence the human being and our
226-231 244 ability to perceive it.
Duas realidades captadas no mesmo lugar, em Old Dhaka is a term used to refer to the historic (Construction details / Lines and Curves. ”City of
tempos diferentes, mas não muito distantes. A old city of Dhaka, the capital of Bangladesh. It is Arts and Sciences”, Valencia-Spain. Architect: San-
imagem colorida de um passado recente em que located on the banks of the Buriganga River (Old tiago Calatrava).
Lisboa estava na moda e era uma cidade turística Ganges River). The Port of Dhaka is a major river
cheia de vida durante o Verão de 2019, é reinte- port on the Buriganga River in Dhaka. It is Bangla- 254
grada no mesmo ambiente revisitado em Abril de desh’s busiest port in terms of passenger traffic. A genialidade do Mestre Calatrava.
2020, registado a preto e branco e revelador, na The port has services to most of the districts of
sua maior amplitude de campo, da desertificação Bangladesh. 255
da cidade, durante o Estado de Emergência e con- Shadows of urbanistoc sociaety - faceless ghosts.
finamento da população. 245
Launches (water vehicles) and country boats pro- 256
vide connection to other parts of Bangladesh, a Os novos espaços públicos, modernidade.

319
transversalidades 2020 comentários

257 263 A chuva criou uma espécie de espelho no chão,


Gare do Oriente, Lisboa (fotografia analógica). Now in China there is a unique moment of rapid dando esse efeito para imagem e acrescentando
urbanization in which you can find new angles of na narrativa da mesma.
258 composite solutions.
Na imagem superior vemos a cúpula do Instituto 274
da França em Paris, onde se juntam as elites cien- 264 The silent giant isn’t the only abandoned building
tíficas, artísticas e literárias da Nação desde 1688. General view of Moscow city, photo taken at night in the area, and its neighbors sometimes they pop
Na imagem abaixo está um poste de eletricidade from the promenade, from where a stunning view up from its diagonal shapes, as do people on top
de uma pequena aldeia entre montanhas e glacia- of mini New York opens. of it.
res no sul da Argentina, onde algumas pessoas es- But is Linnahall it abandoned? As a weekend tour-
calaram o perigoso poste para poder ligar um cabo 265 ist, it’s very unlike for you to know about Linnahall,
e levar eletricidade até casa, de forma informal. Steel and glass, a great combination for stunning it got me 2 months to discover it, but then I kept
Visão pessoal: um guarda-chuva que protege da frames. The photo was taken at night, on a walk in going there, bringing people to see it, to have a
tempestade que se aproxima, a energia elétrica no search of new horizons and views. beer with friends, or simply to look at the sunset.
ambiente, na cultura indiana simboliza riqueza e Every architect in town tries to find a solution for
estatuto, e assim a possibilidade de se proteger 266, 268 this gigantic concrete mass, but does it really need
contra o mau tempo ou a proteção do sofrimento Vivienda colectiva en areas metropolitanas para it?
espiritual. O punho vertical, o apoio à cúpula do clase media alta, en las fachadas se exterioriza
guarda-sol, representa o eixo central que sustenta aquello que no tiene cabida en el habitáculo que 275
o mundo. para algunos o es “casa” o es “hogar”. April’s snow covers Linnahall, an abandoned soviet
Embora na tempestade eléctrica seja um ponto de building on the coast of the estonian capital. But
atracção para os raios. 267, 269 people still live it, they wander on this silent giant,
General view of people staying at home during using it as their playground and sport hall.
259 the nationwide lockdown as a preventive measure
Na imagem superior, a Catedral de São Pedro de against the COVID-19 coronavirus pandemic in 276, 277
Beauvais, a mais alta de todas da Europa. over populated Dhaka city. Via di S. Anna, 6, Roma
“Tudo que existe na terra foi criado por Deus, e Piazza Margana, 40, Roma
a sua manipulação técnica e o uso da inteligência 270 Symbols of Urban Permanence and Change
humana para transformá-las, aproximam o indiví- For a modern city dweller a “home” is not some The series put emphasis on the multilayered urban
duo de Deus. Quanto maior for o nível de dificul- lovely little building with a roof, windows and a fabric of Rome and how the Eternal city meets
dade do trabalho, maior será a recompensa”. Hoje chimney. It’s not the home that gets covered with modern change. Slow and fast time collide in in-
em dia é um desafio manter esta macroestrutura layers and layers of individual details, the remains triguing juxtaposition. The columns which mark
gótica inacabada. of a unique life. No, it’s a house made abstract by out the enduring in culture find themselves in the
Na imagem inferior da Pirâmide de cristal, temos a urbanization and the human anthills that the bed- flow of fast-moving street life. For centuries, an-
entrada principal do museu do Louvre em Paris,on- room communities have become. We, people of cient columns had been incorporated in later build-
de a sua construção foi uma controvérsia. A pirâ- a city, live in faceless concrete houses that have ings and nowadays, their inconspicuousness leaves
mide é composta oficialmente por 673 placas de windows behind which the details of specific fates them unnoticed between posters, signs and vehi-
vidro, mas é dito que a quantidade real seria 666, are lost. Looking at those similar-looking windows cles. Almost every third happen to be surrounded
de acordo com o número esotérico do diabo. Uma we feel a sharp pang of loneliness. All people live by motorcycles, the most common vehicle in the
lenda para temperar a história. in almost unique circumstances in the bedroom city centre.
Visão pessoal: uma personagem com um gesto community that, instead of erasing the borders that Purposefully walking all the streets in the histori-
malvado, sorriso pontudo e olhos que te obser- separate us, instead make them somehow stronger, cal town of Rome, I found embedded columns on
vam. Transparência de uma pessoa, pensamentos making the feeling of isolation inside a person much some sixty locations, most densely in Sant’ Ange-
aguçados. Céu acima, inferno abaixo, relação do stronger as well. On the other hand, we know no lo, Regola, Ponte, Parione and Trastevere areas. I
bem e do mal. other “home” and we feel certain tenderness for decided to use black and white photography to
Obras fora do seu tempo, que causaram muita this facelessness, this geometrical abstract pattern. reveal the distant origin and timelessness of these
controvérsia. Perseverança humana por passar os It’s especially strong during the times of quarantine, remnants and to capture street life in a style that
limites em todas as direcções e alcançar mais do when a rare walk to a store a hundred meters away somehow creates homage to the great masters of
que imaginou. Contraste de épocas. from our door becomes a major event that helps us flâneur’s photography.
look at familiar things from a new angle.
260 278
The photo of the Admiralty building. 271 An old telephone kiosk in a wheat field.
Fotografía en blanco y negro de los edificios de vi-
261 vienda social localizados en el barrio de Lugano de 279
The photo of the Nicholas First memorial on the Buenos Aires. Two bulldozers are destroying mountain in order to
Isaacs Square. construct new buildings.
272
262 The neighborhood of IJburg, designed on Lake IJ- 280
The bagel as we called it, one of the amazing meer. The newest district of Amsterdam (Holland) Cuidador da quite a su caballo, mientras las grúas
structures in the city, vibrated among all the Chi- built on a series of artificial islands. silenciosas de los nuevos almacenes Costco aso-
nese slums with its unusual architectural solution man amenazantes. Estas personas son símbolo de
and the colors that poured all the nearby wounds, 273 resistencia de una actividad vernacular en un lugar
which attracted my attention. Foto tirada no terminal de ônibus Parque Dom Pe- totalmente absorbido por el crecimiento urbano y
dro II, localizado no Centro da cidade de São Paulo. la consecuente indefinición entre ciudad y campo.

320
transversalidades 2020 comentários

281 minada região da cidade, em sua diversidade e em 302


The foundation of a new building in this picture seu conjunto, formam um inominável e incompa- Los nuevos barrios residenciales están ya casi lis-
seems like a dungeon where people will be buried. rável patrimônio material e imaterial da cidade, do tos para albergar a los habitantes de la ciudad.
país, do mundo. Observando-os, fica uma pergun- La mayoría se articulan en torno a grandes cen-
282, 283 ta pairando no ar: se não houvesse esse espaço em tros comerciales, lugares de ocio y consumo. Estos
The presence and value of the eastern hills in Bo- que dialogam texto e contexto em uma singular nuevos barrios son un ejemplo visual de cómo una
gotá maintains a close relationship with the city’s circularidade, que destino teriam esses pequenos localidad pesquera china pasa en poco tiempo a
architecture and real estate market. For several fragmentos de lembranças que insistem em viver convertirse en una gran megalópolis que engulle
years I have photographed hundreds of empty à procura de novas recombinações, que ganham en su crecimiento distritos y localidades cercanas.
apartments in wealthy neighborhoods, homes novas conotações e vestem novos devires e, conse- En ese proceso la población se dispara, los precios
that, due to their high cost, remain unoccupied quentemente, novas esperanças em casas alheias? de las viviendas nuevas se multiplican, los atascos
for a long time, even years before receiving a new Com essa questão em mente, realizei um safári toman las nuevas avenidas y la polución oculta los
tenant. fotográfico pelo interior desses lugares no sen- cielos azules. Aunque durante un tiempo, y quizá
When photographing these overrated locations, I tido de procurar uma linha de continuidade, um por última vez, en ese entorno se hizo el silencio y
wonder about the price of privacy and isolation, fio condutor que perpassasse tais ambientes que lo único que importaba es que aquellas personas
because interaction is not welcome there and a armazenam as ruínas da cidade sistematicamente encargadas de desinfectarlo todo mantuvieran al
door will never be left open, they are almost inac- empoleiradas em suas labirínticas prateleiras. Esse coronavirus lejos de los nuevos y flamantes barrios
cessible spaces, with white walls and shiny floors, ensaio fotográfico é um fragmento dessa jorna- residenciales.
I focus my attention on the windows and its great da. O registro das emoções felizes e infelizes des-
view, which, being above the rest, is presumed and ses lares que, de uma forma ou de outra, foram 303
sold, especially when it faces the eastern hills. desfeitos. Ensaio que pode ser lido, por um lado, Las personas cuyas casas son demolidas pueden
As these are the main point of reference for the como um experimento de antropologia urbana, elegir entre una compensación económica o uno
Bogota landscape and the citizens, being part of quiçá, arqueologia das nossas ruínas e de nossos de los nuevos apartamentos en construcción.
that window acquires an intimate connotation, devires sociais; por outro, como uma mostra de Aquellos que optan por la segunda opción y no
these apartments generate a feeling of privilege, uma estética que transita entre a falibilidade das tienen a dónde ir tras la demolición de sus hogares
living becomes exclusive and exotic. The public is subjetividades e a vitalidade das sociabilidades que acaban viviendo en casas prefabricadas levantadas
also private. vêm e vão. Talvez seja o retrato da estética das pe- en los terrenos de lo que hasta hace poco era su
culiaridades urbanas. barrio. Todos ellos han pasado las cuarentenas y el
284, 285 estado de alarma en esas casas mientras al fondo
Serralves Villa. 294 las estructuras paralizadas de sus futuros aparta-
My project “Beach for misanthrope” is about how mentos se levantaban con un toque casi fantasmal.
286, 287 beaches looks like without people. The project was
“Edifício do castelo” antiga sala de aulas e ginásio filmed for three years in different cities. Shot in 304, 305
onde ainda é visível um espaldar. early autumn. Every day I look out from the balcony at the park
opposite. There I see children playing with their
288, 289 295 families or their friends from the neighborhood.
Once upon A Time, Life. My project “Beach for misanthrope” is about how They laugh and shout loudly. With the Corona cri-
beaches looks like without people. The project was sis, this suddenly stopped. A daily component of
290, 291 filmed for three years in different cities. Shot in the noise level that brings the area to life has been
Reflection of old Russian temples in autumn pud- summer night. muted. I set out to see what had changed. What
dles of old cities. I found were barrier tapes in different places. Park
296 entrances, climbing frames, trails. You get locked
292, 293 Old part of Yerevan which will be soon redevel- out. Perhaps these are small bans. But the effects
Um cemitério é onde a sociedade reclama e pro- oped. The chairs are standing on a small square in such an exceptional social situation could rever-
clama os seus mortos. É lá que jazem memórias which wants was the meeting point of the nearby berate for a long time.
ocultas, lembranças ternas e amargas, que cada neigborhood. It Lets me appreciate the little things of everyday
um guarda consigo. E se, por um acaso desses, as life that are no longer there.
cidades tivessem também um cemitério com restos 297 Normally I pay attention to a composition with
de suas residências, casas, apartamentos, enfim, La presencia de vínculos entre los cementerios y more tension in my pictures. For this series of pic-
de todos os lugares que serviram, às pessoas, de la ciudad, estas fotografías son un análisis visual tures, however, I have chosen a simple one. In this
moradia? Melhor chamá-lo de museu. Um museu sobre las configuraciones estéticas y rituales de los way, this extraordinary topic should be met with a
das lembranças terrenas dos antigos habitares – cementerios para mostrarlos como una territoriali- normality without trivialising the content.
às vezes não tão antigos assim, tamanha a sanha dad intersticial que toma forma en el ordenamien-
demolidora que a especulação imobiliária impõe to y planificación del cementerio como parte de la 306
sobre as cidades, principalmente nas do Novo ciudad. A boy looking his burn house in the slum.
Mundo.
Em Belo Horizonte, capital de um dos Estados do 298, 300 307
Brasil, Minas Gerais, há inúmeros pequenos esta- A pandemia também “matou” a cidade. A man jump to save himself from the smoke.
belecimentos comerciais que vivem exclusivamente
da compra e venda de azulejos e pisos de demoli- 299 308
ção. Se alguém, por alguma circunstância, precisa Madrid esta de luto, el mundo esta de luto. An old residential quarter is being demolished, and
de uma reposição que não há mais no mercado or- construction workers are directing the construction
dinário, ou construir um ambiente vintage, é esses 301 of the excavator.
lugares que os acolhem. Alojados em uma deter- ... esquina con Calle Mayor.

321
transversalidades 2020 comentários

309 312, 313 and looked for illegal jobs which were insanitary
During the rainy season, every year in Bangladesh, Project Summary. and insecure. But few of them stayed in camps and
the Chittagong city-dwellers suffer from the wa- Tent City is a photographic project depicting no- started work and education after sometime.
ter-logging problems. As it starts raining, most of madic Mongolian families that are being forced to
the water starts to accumulate in low lying places leave an ancient existence on the steppe desert to 322, 324
and remains stagnant for hours together which begin a new life in the polluted outskirts of the Pottery is prepared by wet clay ,after its making it
causes immense sufferings to the city dwellers’ life. capital Ulaanbaatar. is dried in shade.artisans make pottery of all shapes
Life becomes paralyzed in the city. Roads and lanes The severity of environmental change has made and sizes, from small cups for yoghurt to diya can-
are submerged into deep water following heavy their simple, but sustainable, life in the desert no dles, larger water pots or ornamental vases.
rains. Moreover, rain water and drain water get longer viable. These families now face great uncer-
mixed and consequently it causes a huge suffering tainty and difficulty as they relocate to their only 325
of the people. More than one million city dwellers viable option: a slum region in the city – called the A man who makes a lot of Sabzeh (wheat grains,
of the low-lying areas of the city remains marooned Ger District – that is overcrowded, and lacks most mung beans and lentils planted in a pot or a
due to water-logging during the heavy rainy days. of the traditional comforts of running water, sew- suitable container) for Eid and sells them. In the
The office going people and the students face un- age and electricity. ancient ritual of Eid-e-Norouz in Iran, people put
told sufferings to get to their destinations as there Sabzeh on the table of Haft Sin (a table in which
are few vehicles in the inundated streets. In that 314 they place 7 symbols of Nowruz) as a sign of life,
time, people use local rickshaws in the waist-deep The blast-furnace unit of the Iliych plant is located rebirth and greenery.
water on the city roads to reach offices. Many are next to residential buildings. The quality of air is
forced to stay indoors. The Rickshaw pullers and the worst in the city, which negatively affects the 326
drivers of CNG auto-rickshaws take advantages health conditions of the locals, as well as apart- Cats and dog somehow are symbol of Istanbul and
of the bad weather and thin traffic by demanding ments rent rate: it is the lowest for Mariupol. this man sell souvenirs.
excess fares from the commuters. In Bangladesh, Two giant steel plants were built in the Ukrainian
during the monsoon, water rises in rivers and caus- city of Mariupol a long time ago - in 1892 and 1930 327
es floods. Bangladeshi people face this problem respectfully. Since that time up until today, people During an earthquake in 2001 almost 90% of
almost every year. there are trapped and suffer from consequences. all the buildings in Bhuj city were damaged and
more than 10% of its population was killed. Surely
310 315 enough it killed thousands of animals wandering
Modern thoughts, Old architecture... Bole, a suburb of Addis Ababa, Ethiopia. In order its streets too. People and animals populated the
to modernize the capital Addis Ababa, the govern- city again, but there is something to remind them
311 ment has built a series of housing estates in the of the threat - huge chunks of ledges and masonry
This block and the small toy park next to it are lo- suburbs in order to allocate the population that has still lying around, like here at the Bhuj palace.
cated in the northeast of Shahid Montazeri town been removed from its original neighborhoods.
of Isfahan; ”Hope”. 328
My childhood friend from childhood to 9 years ago 316 A man who subsists in the suburbs by selling toys.
in this block with his family and five other families, Polevskoy is a small city in the Sverdlovsk region.
including his aunts. Fences are everywhere, we are afraid and fenced. 329, 330
He lived. All residents are gradually leaving the Residential building with a dilapidated wooden Since 1990, perilous train journey in the capital of
block. Nine years after the residents left the build- fence. Bangladesh become a guillotine for the people .
ing Dhaka is one of the densely populated city in the
This is the first time that hope has returned to this 317 world. About 20 million people live in this city for
bloc. Polevskoy is a small city in the Sverdlovsk region. their earning purposes. 95% of these people have
According to Omid, no one lives in this block any- There are fences everywhere, we are afraid and come from different urban areas and villages from
more due to bad luck. Omid says his cousin is in fenced. Residential building with a metal fence. all over Bangladesh. As a matter of fact, millions of
one of the rooms. people use train to go home for vacation, festival
The block is killed by his wife. Zohreh, Mr. Ghol- 318 and for other purposes on regular basis because
ami’s daughter, is on her wedding anniversary in Electricity processes. train is one of the most easiest, accessible and
another room. convenient medium of communication for them.
This block commits suicide, and Ali Zohreh’s broth- 319 As a result huge passenger pressures get imposed
er commits suicide right here on the anniversary of Trees kill cement and glass. on Bangladesh railway daily. This extra load makes
Zohreh’s death. His other cousin. train journey very perilous and risky . Thousands of
The same thing happened a few months ago. Ac- 320 commuters try to grab a spot on the train. As there
cording to Omid, ”When we were kids, we used to Broken window. is not enough trains, People are often forced to
play block games in this park one day. travel sitting over train roof, at door, at window, at
Our friends came and shook hands with every- 321, 323 intersection of two compartment and even stand-
one and said I was going to commit suicide, we This project focuses on immigrants coming from ing beside engine. This vulnerable journey causes
laughed and couldn’t believe it, he left and Afghanistan to Iran on the virtue of Iranian leader over thousands of accident every year resulting
He committed suicide ... ” ayatollah Khomeini to live and start a new genera- bone fracture, twisting, and even death.
Hope for Block 17 and its side park is a death knell, tion in a safe country. Now it has been more than
a death he escaped. three decades that Afghans have a life with their 331
PN: The photos and narration of the 17th block family in Iran. This picture was taken in bus of Isfahan city. The
collection are documented. Since their immigration to Iran was coincided with man in the picture had an accident just before he
the war between Russia and MKO, they had guid- took the bus. He didn’t care to the painful condi-
ed to UN camps in border towns or near borders tion of his and started to read the paper.

322
transversalidades 2020 comentários

332 342 359


This picture was taken in a run-down area of Is- Un joven afgano muestra un rostro serió, un viaje The boys in front of their school, as you can see is
fahan, Iran. There are lots of people living there largo y el estancamiento en Belgrado durante dos a temporary structure and is called “MUSP”. for
deficiently. The bus are not enough compared to meses es suficiente para justificarlo. Ex-militar en these children the school has played a fundamental
the people and usually are very crowded. Afganistán, sabe inglés, colaboró con EEUU pero role in the years following the earthquake.
tras la marcha del ejército americano su vida corría
333 peligro, los talibanes lo habían amenazado, su úni- 360
Reflexos e silhuetas de pessoas sobrepostos. ca opción, huir. The boys all together lying on a lawn of a festival
that has just ended. For them it was a unique expe-
334 343-348 rience to have the chance to see a festival in their
Reflexo e silhueta de pessoas. Comunidad indígena embera, departamento del city for two days.
Chocó, Colombia.
335 361
Passeio com os amigos. Algumas pessoas se en- 349 Little kids playing on the sand hill.
contram após um longo período de solidão e This is the portrait of Vera, she’s 12. Vera is a pupil
acham difícil respeitar as distâncias de seguranças. of the Smila’s orphanage for people with physical 362
or mental disabilities. She had never got a family. A girl from Afghanistan makes swing outside the
336 Moria refugee camp on the northeastern Aegean
Sem comentário 350 island of Lesbos, Greece, October 2019.
Masha and Yana are the best friends. They spend
all time together. Picture was made in the girl’s 363, 364
classroom. “The people of our village,
TEMA 4 cheerful children of our village,
351 a culture reflection with happiness, labor and life-
337 This is Roman on the playground, he’s 25. Last 20 styles ...”.
Belgrado, antigua estación de tren, un hombre years Roma lived in this orphanage.
egipcio recoge leña de los alrededores para pre- 365
parar un fuego, calentarse y cocinar. Un día frío 352 Public bodies represent 75% of primary education,
en Belgrado (Serbia), toca esperar un día más para Two men, Danil and Yaroslav played on the play- they provide - for lack of means - the minimum ser-
volver a intentar cruzar la frontera de Bosnia. ground . Orphanage’s pupils have one walk a day. vice. Few of them provide full and regular days of
lessons. Many private schools therefore take over
338 353 by offering full-time schooling at lower cost for the
Un joven palestino piensa en su familia, aquella Girls are taken to the dining room for lunch. most disadvantaged.
que dejó en Palestina para alcanzar una vida mejor
en Europa. Son 6 meses ya atrapado en el infierno 354 366
serbio. Su su salud mental empieza a flaquear. Le This is lunch for men in the orphanage’s dining Playing time in childhood with friend.
han robado en muchas ocasiones, le han devuelto room.
a golpes en las fronteras y ya no le quedan fuerzas 367
para avanzar. 355 Anton is 10 years old. For him, a moment spent in
A scar on Enrico’s chest who had an open heart class is an instant less working in the fields.
339 operation as a child.
Un joven afgano de apenas 22 años observa tras 368
la ventana de la vieja estación de Belgrado como 356 I was taken this pic for two sisters holding books
transcurre la vida en la ciudad. Sus amigos se fue- l’Aquila is the largest construction site in Europe, at the old door.
ron a cruzar la frontera la anterior noche y él ha but for these guys it’s normal, they don’t have 369, 370
decidido abandonar y volverse al campo de refu- memories of how it was before. Widespread poverty, deep-rooted patriarchal at-
giados de Thessaloniki (Grecia). Here, on the “Belvedere Bridge”. titudes and the indifference of the State as well
as Muslim leaders to the issue of Muslim educa-
340 357 tional marginalization have all combined to make
La noche ha sido larga para estos cinco migrantes, Enrico with a tent of his house. He with her moth- Muslim women one of the least educated sections
vienen de hacer el “game” que consiste en cruzar er, that growed up him alone, still live in the called of Indian society. Yet, as numerous recent surveys
las fronteras sin que la policía los coja. Vienen de ”Progetti Case” (house project) thought them by have noticed, there is today a distinctly visible en-
Macedonia, llegaron de madrugada a Belgrado y the Berlusconi’s government during the 2009; thusiasm among many Muslims for educating their
encontraron la antigua estación de tren para pasar these houses were supposed to be temporary, but daughters. Interestingly, sections of the ulama or
unas horas descansando. No estarán muchos días, today, over ten years after the earthquake that de- Muslim clerics are today playing an important role
o eso creen. stroyed the city, people’s homes, these people still in responding to this growing demand for girls’
live in these temporary structures. education.
341 Recent years have witnessed the setting up of a
Tres migrantes afganos charlan alrededor de una 358 small, yet growing, number of specifically girls’
hoguera sobre su vida en Afganistán. Son 2 meses A palace in the center of the city. This is the condi- higher-level madrasas in different parts of the
ya viviendo bajo un techo con goteras, comiendo tion of many buildings in the city ten years after the country by different ulama groups. While the insti-
en una cazuela que han encontrado tirada e inten- earthquake, Enrico is in front of it. tution of Muslim girls’ schools dates back to colo-
tando cruzar la frontera a Bosnia, sin éxito. nial times, the concept of separate higher-level ma-
drasas for girls, as distinct from the mosque-school

323
transversalidades 2020 comentários

or maktab, is a relatively recent one. In the past it tation of the tundra are seriously threatening the 388
appears that few girls, if any, actually went on to inhabitants of this territory. Iran’s more than one million nomads have long re-
train to become religious specialists. sisted modernity through the isolation that comes
379 with their lifestyle. Deep traditions and patriarchy
371 Hannah looks at Cinthia who happily receives her also have kept change out. But the combination of
Naghesh. second child born at home in the company of her persistent drought, dust storms that turn the skies
doula and her husband. orange, widespread urbanization, mobile internet,
372 and the spread of higher education they might be
My grandmother. 380 the final chapter in the history of one of the larg-
De olhar intenso e pele queimada pelo sol uma me- est remaining nomadic communities on Earth. Has
373 nina pastora leva ao colo uma pequena ovelha que made their numbers dwindle.
A Palestinian woman and her children sit in a tent se perdeu do rebanho. Many nomadic families have changed their life-
as a winter storm approaches the neighborhood styles and settled in cities so; the problem is “dan-
of Al Mgraka, Central Gaza City. January 7, 2020. 381 ger of extinction of traditional cultures.
A winter storm is approaching the Gaza strip, Desire for light. Anna Konshina village peasant Nomads wedding ceremony gave them some ideas
bringing heavy rains and near-freezing tempera- woman. of how they could prevent their traditions and cul-
tures. The storm may worsen the already poor tures from vanishing.
conditions of those who live in the area, where 382 Marriage ceremonies in Iran still hold to its cos-
thousands live in U.N shelters and damaged hous- About 300 years ago sweepers were brought to tumes and traditions that help to preserve the
es, with only eight hours a day of electricity. this country by the British colonial rulers. They cultural heritages from extinction. The women of
were mainly from Madras, Kanpur, Hyderabad and nomads are keeping a centuries’ old tradition alive
374 some other places of South India. They were the by wearing traditional colorful clothes specific to
Palestinian children play with the donkey in a poor low caste peoples among the Indian Hindu com- the region. They are symbol of patriotism and the
area of Gaza City. munities and were generally very poor people, and way of Persian warrior.
came here with a hope for better life. They were Understanding the culture of a society is not pos-
375 given jobs which involved cleaning public places, sible without understanding and studying the
The ‘Chang-pas’ live in typically black or brown removing human sludge from pit latrines etc. Be- traditional clothing of communities, that is why,
tents known as ‘rebos’. To make a rebo, yak cause it is their only profession, it has become their by recognizing people’s garment, we can recog-
wool is spun into yarn, then woven and stitched traditional job. Someone born in a sweeper family nize lifestyle, climate conditions and beliefs and
together. A rebo is normally erected over a two- has no other choice than becoming a sweeper. customs, religious, political and economic con-
feet-deep pit, and held in place by wooden ditions of a society. In this way, factors affecting
stakes. A rebo is surprisingly effective against icy 383 the constitution of this garment include religion,
winds and extreme cold. But it has been strug- Women are doing their routine work at their environmental conditions and factors, social status,
gling to cope with the ever increasing snowfall of house. One is reading holy book and another is non-farming activities and social dignity
the recent years. drinking tea. The aim of this foundation is to transfer their tradi-
tions to future generations.
376 384
The ‘Chang-pa’ are the good-humoured and Ele não para e no entanto nunca envelhece. 389
cheerful nomadic herdsmen of ‘Chang-thang’ In Toraja society, the funeral ritual is the most elab-
plateau in south-eastern Ladakh in India. They are 385, 386
orate and expensive event. The richer and more
high-altitude pastoralists – following a strict system Kurmanj or Kermanj is the name of a large group powerful the individual, the more expensive is the
of movement from one pasture to another and of Kurds living in Turkish Kurdistan and in some funeral.The death feast of a nobleman is usually
raising mainly goats, yak and sheep. Livestock pro- cities and villages of Iran. attended by thousands and lasts for several days. A
vides them with meat, dairy products, wool, ma- The customs and traditions that exist in Kurmanj ceremonial site, called rante, is usually prepared in
nure for occasional farming, dung-fuel, transport wedding ceremonies have historical roots and spe- a large, grassy field where shelters for audiences,
and draught-power. cific functions. rice barns, and other ceremonial funeral structures
The people of Kurmanj celebrate the wedding cer- are specially made by the deceased’s family. Flute
377 emony and keep it happy by keeping their tradi- music, funeral chants, songs and poems, and cry-
When men would go to hunt, women would tell tions. One of the interesting points in these wed- ing and wailing are traditional Toraja expressions
the stories and educate the children about core dings is the presence of women and girls in colorful of grief with the exceptions of funerals for young
values to maintain order and to encourage safety and beautiful local clothes and at the same time, it children, and poor, low-status adults.The ceremo-
from an early age, ensuring that the children knew attracts the eyes of every viewer. Bringing the bride ny is often held weeks, months, or years after the
how to critically analyze dangerous situations and to the house of fortune (groom’s house) with hors- death so that the deceased’s family can raise the
connect with the culture’s spiritual essence. Moth- es and mares is one of the old and ancient customs significant funds needed to cover funeral expenses.
ers and grandmothers would pass down religious of this tribe that is still standing. On the penultimate day of the ceremony the buf-
motifs and origin stories, building pride and under- And we can say that ”the reason for the survival of falo are sacrificed. At a big funeral for an import-
standing in children. This central power to shape Kurdish culture in northern Khorasan province of ant person, more than 30 buffalo might be killed.
and form the minds of the youth gave women an Iran, is the existence of traditional weddings and Each buffalo is worth thousands of dollars, so the
influential voice. Kurdish music”. And this originality has its roots in cost of a funeral can be sky-high.The statue of the
the longevity and commonality of beliefs, which is deceased is made of bamboo. The statue is called
378 more evident in weddings. TAU - TAU LAMPA. Tau - tau is decorated with tra-
It is not the first time that the Nenets have to face ditional clothes but at the time of the day of burial,
the risk of extinction, but this time the mining and 387
clothing and jewelry is taken back.
global warming that causes changes to the vege- Celebración en la capital.

324
transversalidades 2020 comentários

390 401 412


The elder Torajan Lady is cleaning her husband’s The picture is a part of the series “Salt Pan Work- Una mujer vende sus productos en una calle del
dead body and his picture after taking him from ers”. I made this series and tried to portray the life pueblo.
grave. of these people who works in those areas.
413
391 402 Unequal war and mass killing of birds against peo-
The girl further for knowing more about the skele- The workers start their work by 4 in the morning ple, children and other birds.
ton uses the technology feed to get the best results and go back only by 12 or 1 in the afternoon. The
and knowledge. harvest season runs from January to May every 414
year. In early January, harvesting can’t take place A carpenter works in his workhouse in the grand
392 unless the water is dried out. bazaar of Qom, Iran.
At last she plants the tree in the skeleton and feeds
water to it. 403 415, 416
Villagers normally work from dawn to late night ir- Jamdani is one of the most time and labor-in-
393 respective of Gender and age. Most of the villagers tensive forms of hand loom weaving, and is con-
Nomads and their herds have to past through a make a living from fishing. Relatively small fishes sidered one of the finest varieties of muslin, and
variety of natural environments which makes the are grown in controlled ponds prepared by nets for the most artistic textile of Bangladeshi weavers.
migration very exhausting one. Summer camps in several months, then are caught and prepared for Traditionally woven around Dhaka and created
the Zagros can be as far as 300 to 400 km away sale in mainland markets. on the loom brocade,jamdani is rich in motifs in
from the Khuzestan province. Many families mi- geometric, figural and floral patterns woven in a
grate still on foot while some are switching to the 404 contrasting shade to the base fabric of silk or cot-
small trucks. Instead of going to school, a very young child was ton. Jamdanis popularly known as Dhakai Jamdani
bound to come with her grandmother to earn or simply Dhakai,this art of textile weaving has its
394 some money from the visiting tourist by showing roots in Dhaka, Bangladesh. Considered tobe one
Grass is prepared for animals in many village sites. them a little tortoise in her hand. of finest variety of muslin that is handwoven from
This summer day is harvested and collected. When cotton, the art-flourished under the Mughal pa-
winter comes, they give these herbs to the animals. 405, 406 tronage.
This child goes to load grass with his donkey. Las personas que resucitaron al realismo mágico.
Nueva Venecia es un pueblo palafito de la Marisma 417, 419
395 de Santa Marta, entre Cartagena y Santa Marta, “People availing very risky train journey and taking
Kyrgyz girl playing with a calf. principales ciudades del Caribe colombiano. Sus every space of it as seat.
3.000 habitantes viven aislados del turismo y la They are returing home after the 2nd largest Mus-
396 vida que se generan en el asfalto. Para todos los lu- lim Congregation in Dhaka, Bangladesh.
Yurt is a traditional portable dwelling of Kyrgyz gares de esta población es necesario ser trasladado Bangladeshi Muslim devotees return home on
people. en bote, para que los niños aprendan un comen- overcrowded trains after attending
tario antes de una caminata, los autobuses esco- the final day of a three-day Islamic congregation
397, 398 lares son canoas y cada casa es una isla. Su origen on the banks of the River Turag in Tongi, near Dha-
Arab life in the past. responde hace varios siglos, pero la denominación ka, Bangladesh.
que hermana con la ciudad italiana lleva unas dé- The 1st phase of Biswa Ijtema ends today with
399 cadas. Un acercamiento al lugar revive el realismo Akheri Munajat, or the Final Prayer,
Kazakh eagle Hunters galloping and showing off mágico y se conecta con la resurrección de un lu- and Muslim devotees from across the world par-
their skill with golden eagles. To become a Eagle gar en pleno cambio que superó una matanza de ticipated in the second largest world congregation
Hunter (berkutchi), it takes around five years to paramilitares en 2001. of Muslims.
finish their training with eagles. During this period
the eagle must be treated with respect and gen- 407 418
tleness or it might fly away and never come back. Senior Fishermen examine their fishing nets to un- Finding a job is the main concern of young people.
The trainer constantly sings and speaks to his bird tangle and ensure a catch. Lack of jobs has prevented young people from
to imprint his voice in its memory. The hunter does earning an income. That is why they face many
not keep the eagle with him forever. After years of 408 difficulties in marriage.
service, the eagle is released into the wild. A fisherman in Colombia uses a traditional (no rod)
line to fish using his hands and feet to feel when 420
400 the fish bite the bait. Las conversaciones paseando son un clásico en
Elders training the kid for hunting with eagles at a este barrio. Los rabinos y estudiosos de más edad
hill nearby Bayan Olgii. Present Kazakh eagle hunt- 409 se juntan entre ellos para intercambiar estudios e
ers are old and grow weaker due to the unforgiv- Un vendedor de frutos secos atiende a turistas y investigaciones que comparten con otros miem-
ing winters, and thus the traditional berkutchi is locales en la medina de Marrakech. bros de la comunidad.
becoming a dying breed.The younger generations
moving to the cities, wanting to wear jeans and 410 421, 422
go into town to listen to music and earn money. Medina,vendedor de legumes. Past-Present...
Eagle hunting is a lonely way of living compared to
that.To maintain this tradition, some eagle hunters 411 423
families train their sons and daughters to inherit it Quadros da vida. All the life through the wind glass of TukTuk,
common means of transport on Indostan. Drivers
usually tend to spend about 18 hours in the tuk-

325
transversalidades 2020 comentários

tuk, trying to earn money by taxiing. That creates where every member is unique. They are all equal antes desta fotografia. Em 2018, um deslocamen-
a particular social circle, that can be described by but not the same, everyone has its own story and to da clavícula forçou-o a parar o resto da tem-
their front view... fate. Not to become lost men they are keeping to- porada.
gether. Helping others, they help themselves.
424 446
All the life through the wind glass of TukTuk, 434 Em nove anos, Guilherme já pegou 39 touros. Já
common means of transport on Indostan. Drivers 15st October, 2018. «BasKI» wheelchair basketball partiu alguns dentes e também várias costelas. Na-
usually tend to spend about 18 hours in the tuk- team (Saint-Petersburg) is in the training, Tyumen quela noite ele pegou o touro na terceira tentativa.
tuk, trying to earn money by taxiing. That creates Region. All-Russian wheelchair basketball tourna- O animal pesava 612 kg.
a particular social circle, that can be described by ment preparation, 2018.
their front view... It’s hard to believe but a lot of athletes are thankful 447
for what happened. They found their peace with A wrestler pray before getting into the ring.
425, 426 the situation and didn’t look back. They could pull 448
La covid-19 ha cambiado nuestra manera de vivir, themselves together, get out of the impasse and There is hope of better life one day for these peo-
tenemos nuevos hábitos y uno de ellos es limpiar become happy. These guys give hope to other ple from lower class.
ya sea con agua y jabón u otros desinfectantes people in troubles not to fall into despair and find
todo lo que llega del exterior. La ropa, los zapatos, themselves in this life. 449
la comida etc. Nos hemos convertidos en adictos a Nowruz in Kurdistan means the beginning of the
la limpieza y algunas veces me pregunto: ¿ acaso lo 435 year, which is celebrated every year in early spring
que intentamos es limpiar nuestro miedo al conta- Palavra de “União” em Língua Gestual Portuguesa. by the people of Kurdistan. Nowruz ceremonies in-
gio? Necesitamos saber que controlamos algo por clude poetry readings, music and Kurdish dances.
pequeño que sea, porque es la única manera de 436
sentir que estamos en la lucha para protegernos Palavra de “Lutar” em Língua Gestual Portuguesa. 450
del virus. El Ganga Aarti es un ritual religioso hindú que se
437, 438 celebra en Benarés, a la orilla del río Ganges du-
427 The young girls are engaged together in choreo- rante los 365 días del año. Los jóvenes sacerdotes
O trabalho de higienização nos locais estratégicos graphic schools and colleges. They are united by coordinan sus movimientos alrededor de los cuatro
são realizados mais de uma vez por dia. Inclusive à dance, the joy of belonging to their common world elementos que intervienen en la ofrenda: el agua
noite. Sem dar trégua para o vírus. of ballet, to the world of beauty. del río Ganges, la tierra que simbolizan las flores,
el aire representado con las escenas de humo y el
428 439, 440 fuego, con sus velas y lámparas de aceite.
Para a higienização em paradas de ônibus urba- Ballet backstage.
nos é utilizada uma solução de água, cloro, barilha 451
e detergente, com a escovação e água com cloro 441, 442 Em Vila Boa de Ousilhão (Vinhais, Trás-os-Mon-
para o enxague. My body of work is mainly to demonstrate the tes) celebra-se o Entrudo cumprindo uma tradição
place of women in the society by the culture of pagã e ancestral.
429 the society these theaters that I have had the plea- No carnaval os protagonistas são ”os máscaras”,
6th of April, 2020. Resting days, doing nothing, sure to photograph was held in Tehran _iran. in figuras diabólicas pintadas em tons de preto ou
became even longer. these photographs I tried to show the expressions vermelho.
of actors and actresses. Also surprisingly, with all As máscaras que usam são feitas nos mais diver-
430 the restrictions and constraints for Iranian Theaters sos materiais nomeadamente madeira de amieiro,
Since March 13th, the Danish government has in- due to sociopolitical pressures, Iran is one of the couro ou metal.
troduced lockdown measures. finest countries regarding theater in the world. It’s Percorrem a aldeia praticando toda a sorte de tro-
”Stay at home - Portuguese in Copenhagen” is a my honor that I am one of the 70 members of the pelias, entram nas casas e adegas (onde comem e
small view of the Portuguese community in Copen- theater photography association in Iran. bebem), chocalham as raparigas e lançam farinha
hagen where life outside the home has ceased. e água a quem se cruzar com eles.
The brief minutes for the ”portrait at the door” 443 Mais para o fim da tarde é erguida uma enorme
tries to contrast with the long weeks of a uncer- The bridge of the 19th century, found in the exca- fogueira (com os fardos de palha que foram rou-
tain time with the ”Saudade” and the Portuguese’s vations in Staraya Russa, will be buried back. There bando pela aldeia ao longo do dia) à volta da qual
smiles that will always be present. are no funds for its restoration and preservation as ”os máscaras” dançam e os mais corajosos saltam
a tourist attraction. interfax.ru a fogueira numa demonstração de virilidade e co-
431 ragem.
12th of April, 2020. The only way to get over miss- 444 O dia termina num jantar comunitário onde todos
ing someone these days. Em 1902, Trindade Coelho pública “In Illo Tempo- são convidados.
re”. Um livro de memórias do seu tempo de es-
432 tudante em Coimbra. Mais de 100 anos depois, 452
Italian family in quarantine. Coimbra ainda retém muita da carga nostálgica “Magusto à moda antiga”
que Trindade Coelho escreve e que serve de inspi- O domingo era um dia especial. As pessoas le-
433 ração para um retrato emocional de Coimbra. vantavam-se, tratavam dos animais e das tarefas
29th September, 2019. «Shans» wheelchair bas- caseiras antes de ir à missa. Após a eucaristia iam
ketball team (Tyumen Region) is in the training in 445 almoçar e de tarde tinham algum tempo para con-
a sports centre, Tyumen Region. All-Russian wheel- Jorge tem nove touros pegados. Três na segunda viver, até à hora de rezar o terço. Esse convívio
chair basketball tournament preparation, 2019. tentativa e os demais na primeira. A última das acontecia no adro da igreja e o magusto era um
The team becomes a second family for athletes quais - primeira tentativa, 577 kg - oito minutos desses momentos de convívio. Além da fogueira,

326
transversalidades 2020 comentários

onde eram assadas as castanhas, juntava-se anima- special community dressed like them and perform Every year thousands of Hindu devotees gather in
ção, cantigas populares e diversão à moda antiga, special play to earn their bread butter. front of Shri Shri Lokenath Brahmachari Ashram
como este, o de saltar a fogueira. temple for the Kartik Brati or Rakher Upobash reli-
Esta recriação acontece já há 9 anos e é levada a 459 gious festival in Dhaka, Bangladesh. Faithful sit in
cabo pela Rusga de S.Vicente em Braga, e tive este Los jovenes que participaran en el festival, dedican front of candles light ( named locally as Prodip )
ano a grata oportunidade de assistir. más de 6 horas al día preparandose y embelle- and absorb in prayer. Lokenath Brahmachari who is
ciendose para ser los elegidos por alguna de las called Baba Lokenath was an 18th Century Hindu
453 mujeres de la tribu, que probablemente terminará saint and philosopher in Bengal. Hindu worshipers
Why and for how many generations humans have siendo su esposa. fast and pray in earnest to the gods for their favors
been using the symbol of fear of their own image during the traditional ritual called Kartik Brati or
has led me to record this collection. 460 Rakher Upobash. Lokenath Brahmachari devotees
Where does this symbol of fear come from ?! In Westbengal (India), A special community live pray with light to save their family and dear from
who knows!? who dressed and mackup like hindu mythological cholera and pox disease.
Maybe the scarecrow character and God, then they perform all over the Lokenath Brahmachari was born to a Brahman
She can be a woman who knocks on every door rural Bengal. This is a very and lost culture. In the (an elite caste reserved for spiritual service in the
she can’t get her freedom. current situation they are facing financial difficul- caste system) family on the birth date of the Hindu
He could be a soldier who has to attack people ties in this profession. Lord Krishna in 1730. At eleven, he ventured off
who can be innocent, and even if he is guilty, why to the woods with his guru to practice Ashtanga
should he be sentenced to death ?! 461 and Hatha Yoga. When he left, he is said to have
It can be garbage that is stuck everywhere and gets Ripa (12) is a child artist. She workes with her lived a life of complete asceticism until reaching
dirty everywhere. parents. In today’s drama, she play role of snake enlightenment at the age of 90, after which he
It could be a child ... (Nagin). He’s preparing like that. traveled extensively through Afghanistan, Persia
Be a father ... and Arabia, including making three pilgrimages to
Or anyone and everything else ... 462 Mecca. At the age of 136 he is said to have settled
This is where I see why each of them should be so To place a feng shui station! This is a ritual that in a small town near Dhaka to tend to people who
different and so scary! a territorial circumventing ceremony the border to came seeking his teachings and blessings.
Fear as much as all the fences in the world! drive away evil spirits.
It is not a symbol of the bitter and frightening truth 471, 472
that most human beings have institutionalized and 463 Every Year, Hindu fanatics ignite Ghee Pradeep in
lived with. Hashem Rana (58) is a Jatra artist. Acting is his only Barudi of Narayanganj during the Kartik month of
If we look at it directly, it is the bird’s fear of death source of income. Jatra or Jatrapala is a popular Bengal. It was held in the temple premises for a
that escapes, death by the symbol of man, an emp- and traditional folk drama in the Bangladesh. It is month.
ty human being. This is where the bird moves away an ancient cultural festival in Bangladesh.
from its normal life, and like us humans, each of us 473
is stuck in our own frame and we are afraid of the 464 Conducting a bar mitzvah.
scarecrow, of the virus that is lurking in ambush at Prepare to go to the worship service and pray to
any moment. This is where I come to the conclu- the gods to bless holy pilgrimage you all. 474
sion that perhaps this is not just a symbol of the Iluminação do trajecto da procissão que é feita com
existential truth of scary humans that has led them 465 cascas de caracóis a iluminar o trajecto. Desconhe-
to use themselves, not any other living creature, Holding Tasua; religious ceremonies in an old heri- ce-se a sua origem, mas esta é já considerada uma
because they are harmful. tage house. Guests entered through this door. tradição única no país. Talvez até no mundo. Todos
os anos, em finais de setembro e início de outubro,
454 466 Reguengo do Fetal (Batalha), transforma-se num
Goddess going to Koilash. The two sisters are preparing for their tradition- mar imenso de milhares de cascas iluminadas, na
al Hindu festival Rakher Upobash puja together, celebração da Procissão dos Caracóis. As festivida-
455 which will start in the evening. des são em honra de Nossa Senhora do Fetal e,
Vel vel is a hindu ritual of a particular community para cumprir a tradição de iluminar ruas, encostas
of hindus. Here the pilgrims go fasting before the 467 e paisagem envolvente, os preparativos começam
day of road show. They believed that piercing iron When I took pictures of their mothers, they looked na primavera. Recolhidas por voluntários, são lava-
sticks is the blessings of goddess maa sitala and it at my camera like this. das milhares de cascas e, no dia da cerimónia, são
saves them from all evils. posicionadas estrategicamente, pelos habitantes
468 (com recurso a barro ou areia), e espalhadas pe-
456 The father’s little child fell asleep during the puja, los terrenos, paredes ou muros na rota por onde
Vel Culture. while the puja was going on. It is the happiest and passa a procissão. Horas antes do início, as cascas
most peaceful place for a child. são enchidas com azeite e é colocado o pavio em
457 algodão. A iluminação pública é apagada e, nas
Con el final de la temporada de lluvias, cada año 469, 470 ruas fica apenas a luz das cascas dos caracóis. Uma
en los alrededores de Dourbali, se dan cita varios Devotees attend prayer with burning incense and luz de fé e a devoção protagonizada por cascas de
clanes familiares Wodaabe para realizar un impre- light oil lamps before break fasting during a reli- caracóis, neste cortejo de beleza ímpar.
sionante concurso o festival de belleza conocido gious festival called Rakher Upobash or Kartik Brati
como Gerewol. in Dhaka on November 11, 2017. Bengali people 475
of the Hindu faith in Bangladesh sit in prayer cel- Reading texts during the ceremony.
458 ebrating the 18th century Hindu Saint Baba Loke-
In Bengal bohurupi is very popular culture some nath with a ‘Rakher Upobas’ prayer and fast day

327
transversalidades 2020 comentários

476 487 496


Women stand in a line to get fed as they believe Afinal, o jornal com mais detalhes sobre o resul- Sheroes Hangout is an initiative by Stop Acid At-
that votive food is holy in Islam. tado... tacks campaign that was founded in New Delhi in
2014. As this space has evolved from a campaign
477 488 for acid attack survivors, the ideas of beauty and
Some monks are practicing chant in a temple. From Abidjan, Ivory Coast importance of appearance in society remains the
International Relations major epicentre of discussions and programs run from
478 Overall, I like studying here. If I ignore some of the here. Dolly is one such survivor.
A Portrait of a monk with Himalayas mountains in little things, like some of the habits of the locals, it’s
background. a cozy little town where everything is affordable. 497
I’m missing African food though. Khusboo is an acid attack survivor. This place is
479 where Khusboo’s idea of empowerment no more
Serie fotográfica sobre religiosos ermitaños de las 489 remains a widely funded phenomenon, but ma-
Montañas de Georgia From Yaounde, Cameroon terialises in the form of a readers’ cafe, an activ-
Medicine major ism workshop, a community hub. In its initiative
480, 481 I am very proud of my cup. We got it for winning a to fight for the girls, Sheroes café has become an
One of the most important changes in the last two university football competition. I can’t live without unique endeavor in the whole world to show light
generations of societies has been about marriage sport. Also I’m an amazing cook, my friends call me to the victims who has lost all their hopes on life.
and the institution of the family. As the growing “Le Cordon Bleu”. (That’s mean a virtuoso culinar).
number of accidents such as deaths from accidents 498
and illnesses , the rise in addiction and divorce, 490 ”When I was leaving a party in San Pablo, some
has led to an increase in the number of men and A divorced woman spends Christmas night alone. guys beat me for the way I was dressed”.
women alone. Meanwhile, most women seen to
be accustomed to this loneliness. 491 499
In Buenos Aires it is common to find people alone, “I miss my country, but in Buenos Aires I have free-
482 couples who perhaps never met and were so close dom. Here I can go down the street dressed as I
Dressed holding cloths vs undressed holding hands. to falling in love. want, there is freedom to be and use whatever I
want. “Moises.
483 492
When I asked Dimitri why she often looks sad, she Abdulov Mirzakim aji Abdulovich, the Dzhig- 500
said her mood is melancholic because of all the it-Beshchi to 7000 people in Upper Tokoldosh, on “Toda a minha vida foi entregue a Deus. Agora
horrible things happening in the world. There is the streets of his neighbourhood. estou abandonado. Um dia voltarei à minha terra
in fact another story, hidden in the background, His family came to the USSR from China when he Santiago”.
one of forced migration, which Dimitri can witness was 22 years old. Nowadays he’s the Dzhigit-Besh-
first-hand. Another invisible border, between Tur- chi and the owner of the local mosque that he built 501
key and Europe, lies in the water just a few kilome- himself. 4 people died since he stepped into the “Se eu tivesse nascido em cabo Verde, talvez a
ters behind her. Thousands of people cross it every role, and since there was no one to bury them, he rua não me tivesse sido destinada. Talvez tivesse
year, fleeing conflict or persecution, and land on raised the money and did it himself. caminhado nas praias de areia branca, e descalço
this island. The white rose in her hair evokes her entrasse pelo mar adentro”.
pure and compassionate soul. 493
Tentando ganhar dinheiro para sobreviver. 502
484 In recent times she has to feed him by the hand
Girls from the local sports school. Their sports team 494 on most days.
is ranked higher in regional competitions. The vil- A women pulling her trolley through an alleyway.
lage of Madmas is located in the remote Northern 503
region of Russia, 1000 km from Moscow. It is dif- 495 Bernardo ríe siempre, pero cuando se siente solo su
ficult to get here, there are few jobs, but people En Kenia son cientos de miles los niños que viven y cara se refleja desolación.
continue to live on their land and do not want to trabajan en la calle, la misma que los aloja debido
leave. al abandono, maltrato, pérdida de sus padres o a 504
que sus derechos fueron violados por los adultos Colbar is a worker who works legally or illegally
485 que se suponía debían protegerlos, por lo que en to transport goods across the borders of Iran and
Svetlana has lived in the village of Madmas all her muchos casos huyen de sus casas. Iraq. Most Kolbars live in Iranian Kurdistan, where
life. Her parents are buried here, her children live Éstos son los rostros de algunos de esos niños, res- the provinces of Kurdistan are among the poorest.
here, and her grandchildren grow up here. Now catados por “Familia Ya Ufariji”; un Hogar para ni- Because Colbar work is often considered illegal,
illegal construction of a landfill for the disposal of ños de 4 a 18 años, que busca ayudar a los niños a Colbar’s workers lack insurance, a retirement plan,
Moscow garbage has begun near Madmas. Many encontrar un lugar para llamar hogar, donde poder and a union. Among the Colbras, there are highly
will have to leave because the land will be poi- reír, jugar, dormir e ir a la escuela, devolviéndoles educated young people who do not have jobs in
soned. But Svetlana says that she will never agree así algunos de sus derechos. the provinces of Kurdistan due to high unemploy-
to leave. Algunos de ellos aún tienen la esperanza de que ment. According to Iranian statistics, in Kurdistan
pronto sus familias tengan condiciones dignas para province alone, more than 100,000 people depend
486 poder vivir juntos; otros ya la han perdido; y hay on having colbar to provide.
Homem Saharaui na hora de descanso, resguarda- quienes sueñan con que un día un familiar toque a la According to unofficial statistics, more than 2,000
do do calor. puerta del Hogar y les diga que quiere estar con ellos. people are killed by border guards in the border
En la foto William Maina. areas each year.

328
transversalidades 2020 comentários

505 506, 507 the interaction with numerous women in our life
La pandemia que afecta a todo el globo terráqueo A young man stands inside the sea. His name is which saves us from being evil. She can be a moth-
es un momento histórico que ocupa las portadas Elias and he is from Afghanistan. During the last er, a sister or a lover. In rural India, a women is
de los periódicos y noticieros mundiales. 5 months he lives in the refugee camp of Moria. the busiest person of the family. She takes care of
Para algunos el pasar de los días aunque tedioso children, rears animals, cooks, washes utensils and
se da de manera rápida y fugaz, para otros, por 508 even takes equal part in agricultural activities. To
el contrario , el trasegar de cada 24 horas se da Rohingya Muslim people enter in Bangladesh. write the story of a woman is to write the saga of
a otro ritmo, muy lento por cierto, los minutos y Myanmar security forces continued to commit human civilization.
segundos están determinados por ese tiempo de grave abuses against Rohingya Muslims through-
espera en el cual les prometieron una ayuda; un out 2018, deepening the humanitarian and hu- 517
mercado o un bono de alimentos, los habitantes man rights catastrophe in Rakhine State. More There is a 2,000-year-old village in Iran called Ab-
de las periferias en las grandes urbes colombianas, than 730,000 Rohingya have fled to neighboring yaneh. The religion of the people of this village is
hacen parte de ese gigantesco grupo de población Bangladesh since the military campaign of ethnic Zoroastrianism, which was the main religion of the
¨invisible¨, espacios donde no importa si eres de ori- cleansing began in August 2017. Most walked for Iranian people before Islam. The houses in the vil-
gen venezolano o colombiano, en estos territorios days through jungles and mountains, or braved lage are red, due to the use of red soil in the area.
el sufrimiento por el hambre y el olvido los con- dangerous sea voyages across the Bay of Bengal. For this reason, the architecture of this village is
vierten en un mismo pueblo, no existen fronteras y They arrived exhausted, hungry and sick. Bangla- unique and there is no other example in the world
limites para la precariedad y el abandono. desh, the only country in the world, has given shel- with this structure. The villagers have kept their
En las periferias del caribe colombiano existen mu- ter to about 12 million Rohingya people because old clothing and no one wears today’s clothes. The
chas ¨Villa Tablita¨ y esta es una de esas tantas, ubi- of humanity. young people of the village have all migrated and
cada muy cerca de uno de los brazos hidrográficos only the old people of the village have remained
del rio magdalena, en el municipio de santo Tomas, 509 there. Hard work in rural life is often done by old
Atlántico, a tan solo 60 minutos de la ciudad de Ba- Lala admirando a vista de sua casa sobre o acam- women. They are waiting for the return of their
rranquilla(la cuarta ciudad más importante de Co- pamento de refugiados. children and youth. In this collection, the difficul-
lombia) encontramos esta población llena en su ma- ties, loneliness and anxious look of Abyaneh wom-
yoría de ranchos improvisados de madera y una que 510 en have been considered.
otra casa con sesgos de materiales más procesados. A peace player in wartimeYoung Mohammed
Este tipo de ¨villas¨ o barrios de invasión como se walks between the ruins in his home and in his 518
les suele decir, son territorios ocupados por per- room where he learned to play while he was play- Una niña que comienza en la cofradía Turbante.
sonas que por lo general tienen una historia de ing. Uno de los bailes mas antiguos de la región y de
vida dura y con muchas cicatrices producto de las Chile.
diferentes violencias de este país, desplazamientos 511
o ¨migraciones internas, como se les llama ahora, A peace player in wartime. Young Mohammed sits 519
en fin, muchas son las causas para llegar a estos in the camp playing his guitar to make children An old man who was not rich by money but he was
nuevos territorios, que llegan a engordar las cifras happy. wealthy by his happiness.
de población vulnerable, de escasos recursos y de
un sin fin de problemas. Se suele decir, que estos RUMORES DO MUNDO 520
¨invasiones¨ son el caldo de cultivo de los futuros In spite of their financial limitations the residents of
ladrones, traficantes y prostitutas, en estos barrios 512 the sweeper colony try their utmost to contribute
tan olvidados, al parecer lo que menos les preo- The Culture grows on the vine of tradition (This to all kinds of rituals and festivals.
cupa es infectarse en estos tiempos de pandemia fair is very old and the participants of this fair are ”We are not respected by anyone because we are
covid-19, para ellos su real y única preocupación participating from generations and the trade have sweepers. But in truth we are not sweepers; we
es poder llevar comida a la mesa y que sus hijos become part of their tradition). should be called CLEANERS” - Mita rani das.
puedan alimentarse, aquí la prioridad es el ham-
bre, es complicado pensar en comprar tapabocas 513 521
y guantes, cuando no tienes alimentos y tus hijos Mr. Shaimurat who was born from a Eagle Hunters They told me ”Sweepers have no retirement age
están sedientos. Family and started hunting with Eagle at the age no matter how old he or she is”.
Estas son las realidades que no aparecen en las of 30. He was also three times Champion of Eagle
Hunters Festival. Being a winner of the festival is 522
grandes pantallas de televisión, o en las redes so-
ciales mas populares, pero esta es la cruda y palpa- so respected and honored one among the locals. Uma jovem mantém a barraca aberta até tarde
ble realidad de personas descobijadas por los entes para aumentar o rendimento de mais um dia de
estatales y que solo esperan una ayuda en estos 514 trabalho.
tiempos, donde el distanciamiento físico debe im- A journey of a thousand miles begins (Camel trad-
er leave village Pushkar Camel Fair). 523
perar y el utilizar tapabocas se va volviendo en la
nueva forma de vestir, esto es lo que el covid-19 Widespread poverty, deep-rooted patriarchal at-
nos ayudo a ver de frente, la gran desigualdad 515 titudes and the indifference of the State as well
social, la precariedad en la que mucha gente vive Kazakh Eagle Hunters seeking warmth with bon- as Muslim leaders to the issue of Muslim educa-
y que a punta de ingenio tratan de construir un fire at the cliff near the Altantsugts village during tional marginalization have all combined to make
concepto de hogar con retazos de madera, plástico darkness hours. They share legends about Genghis Muslim women one of the least educated sections
e icopor. los descobijados ni siquiera son como tu Khan and his adventures around the world and the of Indian society. Yet, as numerous recent surveys
y como yo, que por el contrario están por fuera stories of life and death. have noticed, there is today a distinctly visible en-
de todos los radares, están por fuera de las esta- thusiasm among many Muslims for educating their
dísticas, de las listas de ayudas, de las donaciones, 516 daughters. Interestingly, sections of the ulama or
están olvidados y así han estado siempre. It is women who infuses life in every being. It is Muslim clerics are today playing an important role

329
transversalidades 2020 comentários

in responding to this growing demand for girls’ village, a culture reflection with happiness, labor 543
education. and lifestyles... Ya quedan pocos lavaderos, todavía se utilizan para
Recent years have witnessed the setting up of a blanquear las ropas.
small, yet growing, number of specifically girls’ 533
higher-level madrasas in different parts of the Childhood our best momorial moment everylife. 544
country by different ulama groups. While the insti- Aunque ya existe el agua potable en las casas,
tution of Muslim girls’ schools dates back to colo- 534 todavía es costumbre ir a la fuente a por el agua
nial times, the concept of separate higher-level ma- The girl looks after the domestic goats in the smal fresca.
drasas for girls, as distinct from the mosque-school city Turov which is on the southern edge of Be-
or maktab, is a relatively recent one. In the past it larus. The rural way of life is sometimes radically 545
appears that few girls, if any, actually went on to different from urban. Despite the fact that Turov is La vida en el barrio pesquero de Yoff Tonghor -
train to become religious specialists. considered one of the oldest cities in the country, it Dakar - Senegal
is predominantly a single-storey village. The villag-
524 ers lead typical agricultural activities, their everyday 546
Poor deprived and very poor village is located in life and habits are typical for rural areas. Pescador retirando sua rede da água depois de tê
the center of Sistan-Baluchestan province of Iran. A special unity of man and nature is still preserved -la deixado na “espera” por mais de 12 horas.
This photo is related to a disabled girl who is sitting in such places. Unlike urban children, locals do not
in a wheelchair in front of her house in this village perceive animals as something exotic, because they 547
and watching us. constantly live side by side with them. We can see De la serie: La Barra, paraíso en blanco y negro.
that, the girl decided to combine her duties as a Don Plácido mira el mar en silencio mientras corta
525 cowgirl with reading. la leña. Su mirada serena aquieta la mía. Dice que
He shows a man from the village of Potter coming All this happens in the background of the tallest “no siente miedo porque cuando uno siente mie-
out of his house. building in the city - the Cathedral of St. Kirill and do, las olas se vuelven más grandes”. “Aquí nací,
Laurentius of Turov. en una de las zonas mas biodiversas del mundo.
526 Mi pequeña aldea, cada vez mas pequeña, se està
Kyrgyz women in traditional clothes. 535 quedando sola. Pero es mi paisaje, es mi cultura, es
However, the recent years have witnessed the be- mi patrimonio. Y aquí moriré!”.
527 ginning of an exodus. Entire communities have
Woman in traditional clothes of the meadow Mari. shifted to settle elsewhere, into more stationary 548
and less adventurous lives. Cellular network and De la serie: La Barra, paraíso en blanco y negro.
528 internet have brought about drastic changes in the “El mar, que siempre ha sido el compañero de vida
Symbol of Peace or perhaps a way to interact with mindset of the people. The younger generation de esta comunidad, hoy se ve amenazada por él
visitors. would rather work in the city, and seem unwilling mismo. Destrucción y caos ante sus furiosas arre-
to continue with this physically, mentally and emo- metidas. De sus sencillas viviendas solo queda el
529 tionally demanding existence. mero esqueleto que resistió a derrumbarse. Ató-
Los ojos de la esperanza por una oportunidad - The nito, descubro algunos árboles todavía en pie en
eyes of the hope for an opportunity. 536 medio de la playa. No sé si aún viven. Tampoco si
Grandpa with little boy and girl playing in rural murieron de pie. Qué muerte más digna!!“
530 area.
En Kenia son cientos de miles los niños que viven y 549
trabajan en la calle, la misma que los aloja debido 537, 538 Jute is known as the golden crop and is the source
al abandono, maltrato, pérdida de sus padres o a My grandfather was born in 1926 and died on Feb- of livelihood for many farmers living in the Ganges
que sus derechos fueron violados por los adultos ruary 23, 2020 as a true Hero of the Fatherland. delta. A farmer is segregating the quality jute sticks
que se suponía debían protegerlos, por lo que en He served in the 95th reserve air defense rifle to be transported to the market.
muchos casos huyen de sus casas. regiment. He finished his service with the rank of
Éstos son los rostros de algunos de esos niños, res- Sergeant. Awarded with medals. Created a large 550
catados por “Familia Ya Ufariji”; un Hogar para ni- number of patented inventions.He devoted most Jute is known as the golden crop and is the source
ños de 4 a 18 años, que busca ayudar a los niños a of his life to farming in the Prudent farm. of livelihood for many farmers living in the Ganges
encontrar un lugar para llamar hogar, donde poder delta. A farmer is walking gracefully and inspecting
reír, jugar, dormir e ir a la escuela, devolviéndoles 539 the golden sticks of jute by the side of the path.
así algunos de sus derechos. An old man in the village of Kais.
Algunos de ellos aún tienen la esperanza de que 551
pronto sus familias tengan condiciones dignas para 540 Rice is the main food crop of the people of Bangla-
poder vivir juntos; otros ya la han perdido; y hay These men have been friends since childhood desh. Men and women participate in farming here.
quienes sueñan con que un día un familiar toque They work for entertainment in old age and talk The paddy is dried in the sunlight after harvesting
a la puerta del Hogar y les diga que quiere estar to each other. and boiling. I have taken the image in Rangpur
con ellos. district in Bangladesh, while the men and woman
En la foto Francis Otieno. 541 were busy to drying paddy.
531 O amassar do barro para iniciar o processo de fa-
Foto feita nas ruas da comunidade do Nordeste de bricação manual de um mosaico artesanal. 552
Amaralina. Men and women in the village of Dizbin in the city
542 of Ahar in East Azerbaijan help each other during
532 O alisar no mosaico é fundamental, tanto para a the wheat harvest season and collect their wheat
The people of our village, cheerful children of our sua permeabilização como acabamento final. crop.

330
transversalidades 2020 comentários

553 life and survival through heinous chemical burns rior de la provincia de Buenos Aires. Realizadas en-
Why and for how many generations humans have and are now, on a course to define themselves tre los años 2015-2019 con el acompañamiento de
been using the symbol of fear of their own image as ‘fighters’- courageous fighters, who walk with la comunidad indígena Cacique Pincén de Trenque
has led me to record this collection. scars. Lauquen.
Where does this symbol of fear come from ?!
who knows!? 562 573
Maybe the scarecrow For 8 years I have a relationship with Pablo, but Paisaje del bosque , tronco de árbol con hojas co-
She can be a woman who knocks on every door my family who is in Colombia thinks he is a friend. brizas.
she can’t get her freedom.
He could be a soldier who has to attack people 563 574
who can be innocent, and even if he is guilty, why “Os vícios que dominam a máscara pela qual dei There are a lot of the burres along the west chink
should he be sentenced to death ?! a cara. Menos de mim explode as últimas réstias (steep) of the Ustyurt plateau, each has its unique
It can be garbage that is stuck everywhere and gets de vergonha, trucida e ténue sensatez trazendo à form and resembles a sculpture. But all of these
dirty everywhere. tona as borras que trago de mim.” forms are the results of natural erosion. I had to
It could be a child ... spend several days near this butte because of a a
Be a father ... 564 shower.
Or anyone and everything else ... “Chamam por mim todas as noites. Vêm trazer
This is where I see why each of them should be so comida e conversar um pouco. As noites são frias, 575
different and so scary! a chuva ao nosso lado. Choro quando penso na A view of a monastery near the Himalayas moun-
Fear as much as all the fences in the world! minha família longe...no Brasil” tains.
It is not a symbol of the bitter and frightening truth
that most human beings have institutionalized and 565 576, 578
lived with. “A Fé sempre me acompanhou. Sempre me deu Especies de plantas autóctonas en este paisaje de-
If we look at it directly, it is the bird’s fear of death a força necessária para enfrentar todo o mal que sértico.
that escapes, death by the symbol of man, an emp- nasceu em mim. Mas não me salva desta droga
ty human being. This is where the bird moves away que é o álcool. Não me salva das doenças que nin- 577
from its normal life, and like us humans, each of us guém quer, nem da vergonha que já não tenho.” Partindo de percursos recorrentes no arquipélago
is stuck in our own frame and we are afraid of the dos Açores explora-se, nestas imagens, a necessi-
scarecrow, of the virus that is lurking in ambush at 566 dade de isolamento e solidão como condição es-
any moment. This is where I come to the conclu- A peace player in wartime. The musician meets his sencial da possibilidade reflexiva, e por consequên-
sion that perhaps this is not just a symbol of the friend, the jihadi fighter, in the destroyed neighbor- cia criativa, evidenciada, pelo autor, numa relação
existential truth of scary humans that has led them hood, who were bringing them together in sweet pessoal com a natureza no seu estado mais puro.
to use themselves, not any other living creature, memories. A ideia de ilha é assim apresentada como metáfora
because they are harmful. de singularidade, de um território único e irrepetí-
567 vel, representando tanto o artista como a sua ca-
554 Mulher Saharaui testemunha do ano de guerra en- pacidade de criar.
Careto de Grijó entre olivos nun día de néboa. tre o Sahara Ocidental e Marrocos.
579, 580
555 568 Masai people lives from day-to-day in the African
Ballet backstage. Rohingya Muslim people enter in Bangladesh. bush with animals grazing and Lions roaring out-
Myanmar security forces continued to commit side their homes. The majority of Masai still prac-
556 grave abuses against Rohingya Muslims through- tice their traditional way of life and live as pasto-
Las danzas pueden duran un día entero, incluida out 2018, deepening the humanitarian and hu- ralists with cattle at the centre of their culture and
la noche. Aquí vemos el aspecto fantasmagorico man rights catastrophe in Rakhine State. More social life.
que adquieren los participantes, que en ningún than 730,000 Rohingya have fled to neighboring The traditional Masai village is called a Manyatta
momento dejan esos gestos tan peculiares. Bangladesh since the military campaign of ethnic and consists of a number of small cow dung made
cleansing began in August 2017. Most walked for huts with thatched roofs. The huts are placed in
557 days through jungles and mountains, or braved a circle with livestock in the middle and a thick
Sem comentário. dangerous sea voyages across the Bay of Bengal. thorny fence for protection against the nightly
They arrived exhausted, hungry and sick. Bangla- predators.
558 desh, the only country in the world, has given shel-
João foi fotografado sete minutos após a pega. Ele ter to about 12 million Rohingya people because 581
é forcado há 15 anos, principalmente forcado da of humanity. Swamp lake in the reserve of Duleba Island in the
cara, e já imobilizou 40 touros. Já fracturou cos- Mogilev region.
telas, dedos, ligamentos dos joelhos e também o 569, 570
pâncreas - o que quase levou à sua morte. Serie fotográfica sobre religiosos Ermitaños de las 582
montañas de Georgia. Em plena urbe, rodeado de curiosos olhares, detive
559, 560 o pensamento, na poesia visual, da pedra habil-
Passado presente... 571 mente calcetada, polida pelo tempo e por incontá-
The photo of the Main Headquarters building on veis passos de desconhecidos batedores, enaltece-
561 the Palace Square. dora da alma lusitana.
Dolly and Bala have become soulmates in their
fight for social inclusion of the acid attack survi- 572 583
vors. The women, together have fought back for Fotografía sobre actividades indígenas en el inte- As this river water is not enough for the agriculture

331
transversalidades 2020 comentários

but can be used for the washing and cleaning of el Melojo que buscaba para mi composición. Ex- public profile and no political power. And for all
the clothes. Washer men of Kumirdanga use the perimenté con la exposición y el movimiento para the discrimination they face, Dalit groups say the
river water for washing clothes. They bring the así “pintar con la cámara”, buscando un resultado Bangladeshi authorities do not officially recognize
cloths from all nearby villages and mostly from the pictórico y onírico en una sola toma, para luego that Dalits even exist.
coal city Dhanbad which is nearby of this location editar y ajustar en Lightroom. The government as a gesture of goodwill is pro-
and the next day after washing and drying return viding free housing to this lower caste Hindu com-
back to the individual customers. 595 munity. Now, this building is living in 67 families.
La fotografía “Tras el corzo” forma parte de la serie
584 “Pintando el sacro bosque”. El bosque de la Herre- 609
Now the major part is to dry the wet clothes in ría es un lugar emblemático en el Parque Nacional When ever i see this colorful building i see how
very short amount of time. Washer men use the Sierra de Guadarrama en Madrid, España. En esta they cant be connect to art.
dry river bed to dry the wet clothes in direct Sun mañana, en lo profundo del bosque mi pareja y yo
light and air. This is the only way to dry the clothes pudimos ver un corzo, decidimos seguir de lejos al 610
in a hygienic way and in a very short time. Direct animal hasta que lo perdimos de vista en este pun- Quero tanto lhe ver chegar.
light Sunlight usually kills all germs and bacteria. to del bosque. La hiedra invade los robles melojos
Washer men start working everyday at very early poco a poco, llegando con los años a matar al ár- 611
morning and by and before the mid day, they finish bol. Experimenté con la exposición y el movimiento Não serei nem terás sido.
up most of their work. para así “pintar con la cámara”, buscando un re-
sultado pictórico y onírico en una sola toma, para 612
585 luego editar y ajustar en Lightroom. Os grandes prédios, maravilhas.
A Ria de Aveiro é sinónimo de uma vasta biodiver-
sidade faunística e florista. 596, 597 613
The fog in the Po Valley covers everything. Lost Pilares da Antiga Ponte Pênsil, Porto (fotografia
586 men walk in the fog as in a surreal world. analógica).
Marrakesh - Tintureiros.
598 614
587 Singular em ondas. (Fotografia analógica).
Air pollution, noise pollution, waste pollution, wa-
ter pollution, the exacerbation of the island’s ther- 599 615
mal and greenhouse gas phenomenon, waste of Singular firme. Beauty is often where no ordinary passerby is look-
resources and energy, waste of time and endanger- ing.
ing public health and causing a variety of diseases 600
are the consequences of accelerated urbanization. O retrato anfíbel. 616
Beauty in reflection, extra volume and perspective.
588 601 The streets after the rain are beautiful!
Foto de um vaga-lume que ficou parado na minha Ilha de S-ao Miguel Açores. Paisagem Verde e Na-
mão. tural. 617
Pés,mãos e luvas, corpos que se equilibram entre
589 602-605 pilares de uma construção moderna de uma grande
Rocas y niebla. Sem comentário. empresa. Esses são apenas alguns dos movimentos
que fazem parte da rotina dos trabalhadores dos
590 606 ”Serviços gerais”. Sem rosto,pois é assim que eles
Foto de um filhote de aranha feita de forma a pare- He lives with us and feeds us as the other being se sentem, são identificados pela função exercida.
cer que a mesma está caindo em direção ao vazio. the cow. Ele é o manutenção,ela e a faxineira ninguém sabe
seu nomes e ninguém conhece seus rostos.
591 607
Formas inquietantes pueden percibirse en estas raí- General view of people staying at home during 618
ces de la Higuera Australiana o ficus macrophylla. the nationwide lockdown as a preventive measure Espaço interior do Novo Banco, o edifício número 3
against the COVID-19 coronavirus pandemic in situado no Marquês de Pombal , durante décadas
592, 593 over populated Dhaka city. acolheu a sede do extinto Banco Espírito Santo
Forest - lungs planets, frantically shrinking with the (BES) e outras empresas comerciais, foi comprado
growth of civilization. 608 em 2017 pela espanhola Merlin Properties , arq.
For civilization - a forest, just a resource, humanity Sweepers are a socially isolated and neglected Carlos João Chambers de Oliveira Ramos (traçado
is less and less in contact with nature, pushing and Hindu minority community of our society. They da Praça do Marquês de Pombal, década de 1950).
restricting yourself to asphalt and concrete. are engaged in only society’s most unpleasant
tasks such as unclogging drains, removing corpses 619
594 and cleaning toilets by hand. They are common- Once upon A Time, Life.
La fotografía “Melojo” forma parte de la serie ly known as “Methor” in our country. They are
“Pintando el sacro bosque”. El bosque de la He- also called “Dalit”. Their service to society never 620
rrería es un lugar emblemático en el Parque Na- brought them any recognition, rather they are con- Silhueta de um homem.
cional Sierra de Guadarrama en Madrid, España. El sidered as “untouchable” by the society. There are
roble melojo, avanzado ya el otoño, aún conserva about 3 to 5 million sweepers in Bangladesh today. 621
sus hojas muy amarillas. Al comienzo de la tarde, Where 90 percent of the population is Muslim and Na imagem superior: Edifício residencial no centro
perdido en la espesura del bosque, pude encontrar just 8 percent Hindu, the Dalits have a much lower de Paris, uma área prestigiosa, onde a decoração

332
transversalidades 2020 comentários

da fachada, procura a imitação da natureza, mas seem as a solid and heavy form or a playful and habitarlo. Exponiendo los riesgos como la contami-
não são mais que blocos de cimento. alive creature flowing in places. nación, y la relación humano ambiental.
Na imagem abaixo: Casas Islandesas Museu
de vida tradicional. 625, 626 637
A quinta construída de turfa, tem as paredes ao Reflection of old Russian temples in autumn pud- My project “Beach for misanthrope” is about how
estilo tradicional, feitas de pedaços de erva seca, dles of old cities. beaches looks like without people. The project was
colocadas de formas variadas, onde a falta de pe- filmed for three years in different cities. Shot in
dra e madeira na área de Glaumbær, obrigou ao 627, 628 winter.
uso de turfa como alternativa . Photo essay I made in my backyard during
Visão pessoal: onde o ser humano busca tanto a COVID-10 shelter-in-place. It features my toy pan- 638
comodidade e a segurança, que o separa da na- golins and is a reflection on species extinction, bio- Diptych of two plant stems paired with some twist-
tureza, levantando todos os muros de cimento e diversity, the current pandemic, and homo sapiens’ ed iron bars coming from an old construction, both
perdendo todo o contacto com o exterior. encroachment on wildlife habitat throughout the resembling wiggly snakes.
Para as diferentes formas de arranjar soluções so- planet.
bre um problema, à falta de uma, cria-se outra. 639
Diferentes construções domésticas ao redor do 629 Silence dans la brume.
mundo. A patient is lifted to the helicopter on a stretcher. Dead silence from an instrument that was never
listened. Like an harpe that stands in front of an
622 630 empty scenary. Without public.
Na imagem superior: Tecto de uma residência em A patient returns home after being treated in Nary- This serie tries to show the ridiculous majestuosity
Chessy. Esta área foi explorada e desenvolvida a an-Mar regional hospital. The helicopter flies over of a project that never worked. Like so many others
uma velocidade vertiginosa, pela proximidade do Chosha Bay of the Barents sea. in the Spain of our days.
parque de atracções e maior destino turístico da
Europa. Residências para trabalhadores, empresas, 631 640, 641
centros comerciais, etc. The glass economy photo collection shows the Ira- Sem comentário.
Na imagem abaixo, um estacionamento em Serris, nian people in the form of living in a glass that is
onde a sua fachada é feita de jardineiras verticais broken by any political fluctuation, and people try 642, 644
um pouco abandonadas. É a mesma zona de de- to live again every time. Serralves Villa.
senvolvimento da foto de cima.
Visão pessoal: uma personagem glutona de terras, 632, 633 643
onde entre os seus dentes, existem restos de ali- Sem comentário. Russia occupied a 107 place in the world ranking
mento. Antigamente esta área era uma zona tran- of economic freedom
quila, e por causa do parque de diversões, tudo se 634 (Index of Economic Freedom).
desenvolveu constantemente e onde os campos de These photos are selected from the ‘Women and rbc.ru
plantações, estão desaparecendo pela plantação Nature’ collection, show their contrasts, conflicts
de edifícios. Todo um interesse para mover o tu- and similarities.
rismo para o Leste de Paris, uma mudança urbana.
635
623, 624 The pictures explore the themes of relationship be-
I was interested in the introduction of a man-made tween the people and Neva River (placed near St.
object in an outdoor setting, a white cube, a hu- Petersburg, Russia).
man element that forms a relationship with nature On the one hand the attitude of people to the
and helps it to be born again. Neva River with each year becomes more and
From this I feel a kind of storytelling blossoms in more aggressive and consuming. On the other
these alternative landscapes; like a recourrent can- hand there is no doubt that the people living in
vas that symbolically references creation, the blank the Neva river valley love their river and instinctively
page or a full cliche space that needs to be inhab- want to see in the surrounding landscape not only
ited. natural resources for their physical existence, but
The whole thing is done in an empirical way, and is also a source of aesthetic pleasure. Thanks to Neva
guided by a formal research both obsessive and de- river the St. Petersburg was founded. For builders
manding. These alternative landscapes offer a new of cities nature has always been a ‘clean sheet’.
reading of the potential nature, of its conventional Its resources were used at the expense of its own
forms and its given concept of live and intricacy. gradual extermination.
To others it may seem as a irony but my approach In the texts on the history of cities a nature usu-
towards landscape is to incorporate a poetrical ally serves as an inert background for the heroic
component that will trigger and emotional re- conquest.
sponse linked to the abstraction of the form and In my project I wanted to find a balance between
color of the cube with the form and color of the harmony and destruction.
nature. I wanted to created something that wasn’t
cliche and popular landscape but rather something 636
engineered and designed, so as to move viewer in Lucha por el territorio en la ciudad Comodoro Ri-
a different way. vadavia. La actividad petrolera se activa imponién-
Furthermore the moving white cube these series dose sobre los recursos naturales. Y así la vida se
according to the condition of placing in frame, may mezcla en el paisaje natural como una lucha por

333
transversalidades 2020 premiados

Premiados
Melhor Portfólio cional de Valencia. España; 2009 - Pre- Menção Honrosa Tema 1
mio Iberoamericanos 2009. Gobierno
de España. España; 2007: Premio
Antonio Pérez Andalucía “Migraciones 2006”. Junta Luís Pedro Sobral de Carvalho
Espanha, 1970, Fotógrafo de Andalucía; España Loureiro
Portugal, 1983, Advogado
Antonio Pérez es
fotógrafo, Natural do
profesor en el Prémio Tema 1 concelho e
programa de distrito de Viseu
Comunicación, onde reside.
Nuevos Medios y
Mark Anthony Agtay Advogado na
Periodismo de United Arab Emirates, 1981, Freelance empresa Luís
CIEE y en la Photographer Loureiro, João
Universidad de Gomes & Associa-
Sevilla además de Mark Anthony dos, Sociedade de
colaborador Agtay is from Advogados, RI,
habitual en diversos centros Bilogo, Taysan desde 2010.
educativos, galerías de arte e (Philippines);
studied at Rizal Formação em Fotografia Digital e em
instituciones públicas, así como ONGs
Technological Tecnologias de Fotografia e Vídeo no
y fundaciones relacionadas con la
University in Centro de Formação Profissional do
cooperación internacional. Con
Manila as a Comércio e Afins (2018)
estudios superiores en Historia del Arte
Computer Alguns Prémios de Fotografia
(Universidad de Sevilla, España) y Bellas
Information (2019/2020): 1º Lugar – Concurso foto-
Artes (Universidad de Colonia,
Technology. grafia de viagens Fr Travel;
Alemania), su trabajo ha aparecido en
1º Lugar - Concurso Internacional de
exposiciones individuales y colectivas, “Along the way, I Fotografia Miau Magazine no tema “Ga-
en prestigiosas publicaciones como discover my pas- tos contra a solidão”; Menção Honrosa
“Diccionario de fotógrafos españoles” sion for photography and start taking no concurso nacional de fotografia
(2014) y ha sido reconocido por photos and studying different kinds ANACOM – “Comunicar, Ligar, Unir”.
diferentes premios nacionales e of techniques. I’ve won a bunch of
internacionales. Ha realizado trabajos important awards in many photography
fotográficos en Mali, Burkina Faso, competitions local and international. I
Marruecos, Senegal, Mauritania,
Ghana, Togo, Egipto, Etiopia, Israel,
have a strong interest in Photograph- Menção Honrosa Tema 1
ing people’s everyday life, Travel and
Siria, Cisjordania, Somalia, Republica Portrait. I take great pride in capturing
Dominicana, Haití, Cuba, Japón, China, the true spirit and personality of the Mikhail Levinsky
así como en toda Europa. people and subjects that I photo- Russia, 1983, Product Manager
PREMIOS selección: 2017 - Premio graph. I’m thrilled to have a passion for
Internacional de fotografía FINI. Uni- photography that allows me to explore “You don’t have
versidad Estado Hidalgo. México; 2014 - my creativity while documenting a to travel far
Premio de fotografía “Creadores por la significant moment in my subject. In from home to
Paz y la Libertad”. FAJB. Ayuntamiento every photograph I made I learn some- create a series
de Sevilla. España; 2014 - Iber-Rutas thing about love, something about life, like this. It is
“Género e inmigración” Itinerante por or something about the relationship. enough to find a
Iberoamérica. Gobierno de Argentina; For me, the photograph that I take is clean body of
2012 - Premio Internacional “Septenio”. a treasure that will last for a long time water, wait until
Gobierno de Canarias. España; 2011 and a piece of evidence that someone it freezes and
-Premio internacional de Periodismo or something exists in this world and the first snow
“Mare Nostrum Awards”. Italia.; 2010 Photography is making our lifetime falls. As a rule,
- Premio Internacional de Fotografía memories.” the first snow is
sobre la violencia, Universidad Interna- light and fluffy

334
transversalidades 2020 premiados

and is blown away quickly by the wind in has been climbed is then collected to Menção Honrosa Tema 2
an open space. But some of the snow be ready to be processed.
remains in the ice cracks. They create
Copra processing technique is sun dry- Helen McLain
white, expressive lines against the blue
ing. The coconut is split and separated
shades of ice. To see the structure of USA, 1963, Manager IT
from the fibers, the chopped coconut
the ice, it is necessary to exclude any
meat will be dried by direct drying in
reflection of light from its surface. To “I was born
the sun, which will then turn into copra
do this, you need to choose a cloudy and grew
and ready to be put into sacks to be
day, but even better is the blue hour. up in
marketed.”
This time of day infuses the ice with Belarus,
cold, thick shades of blue. To com- but now
pletely eliminate reflections, I use a reside in
polarizing filter.” United
Menção Honrosa Tema 2 States. I
work in
Dibakar Roy Informa-
Menção Honrosa Tema 1 India, 1983, Medical Representative, tion
Freelance Photographer Technology field, and I spend my all
free time traveling the world and
Niloufar Sharifi across America. For many years I
“From 2016 Photog-
The Netherlands, 1979, Freelance Pho- traveled with a pocket camera,
raphy has become a
tographer snapping quick pictures, and never
passion of my life.
Basically I like to thought much about photography.
click Portrait, Still However, several years ago, I had to
life, Travel, Street, spend many month at home, recover-
Prémio Tema 2 Nature with my own ing from serious illness. During that
perspective. Now a time, I tried to motivate myself by
Alireza Memariani day portrait is my looking at beautiful pictures of various
first choice, I am interesting places. And then, I thought,
Iran, 1984, Artist film maker I wanted to make good photos as well,
trying to create a
portfolio of portraits of our Indian old when I start traveling again. So I
age people. During this time I have bought my first ‘serious’ camera, and
achieved some National and Interna- started taking lessons.... Since then,
Menção Honrosa Tema 2 tional Awards and Recognitions like photography became my passion. Now,
from Sanctuary Asia Awards, DCP I continue to work, and continue to
Andi Nursam adiputra Awards, Royal Horticulture Society travel the world every chance I get. I
Awards London, Eyewin Awards etc. My love to discover new places, and
Indonesia, 1984, Freelance Photogra-
clicks have been exhibited in more than observe people’s life. I focus on street
pher
30 countries. My clicks have been and documentary photography, telling
“About this published in many National and my own unique stories.”
series: Copra is International Magazines and Newspa-
dried coconut pers. Till now more than 1000 Accep-
flesh. Copra is tances and 50 Awards I have achieved
one of the most from National and International Prémio Tema 3
important Salons.”
coconut Luís Ramos
derivative
1958, Fotógrafo
products,
because it is the Luís Ramos nasceu em Lisboa e estu-
raw material for dou fotografia no AR.CO e cinema na
making coconut Escola Superior de Cinema. Iniciou o
oil and its seu percurso nos jornais “Expresso” e
derivatives. To make good copra, a depois “Público”, do qual foi fundador,
coconut that is about 300 days old and repórter e editor fotográfico. Durante
weighs about 3-4 kg is needed. Old or esse período trabalhou numa pers-
old coconut trees will be climbed pectiva documental um pouco por
because a very tall coconut tree has a todo o mundo. Ao longo da sua carreira
size of 5 to 15 meters. The coconut that recebeu vários prémios Fuji Europress

335
transversalidades 2020 premiados

Photo Awards (2000, 2004) e Prémios mejores fotolibros del año en PhotoEs- phy Grant. En el 2017 empezó a com-
Visão de Fotojornalismo (2002, 2004, paña 2015. El 2016 obtuve una beca partir sus conocimientos en la escuela
2005, 2006). Desde 2006 é fotógrafo ART-EX de AECID para poder desarro- de foto-periodismo libre: DateCuenta.
independente. llar el proyecto VIAJE A PERSIA que
revisita el viaje de García de Silva y
Ao mesmo tempo em que estas obras
Figueroa por Persia como embajador
foram distinguidas pelo CEI integravam
uma exposição do autor patente na Ga-
de Felipe III hace 400 años y que ha Menção Honrosa Tema 3
sido expuesto en el Centro Andaluz de
leria de Santa Maria Maior, em Lisboa,
Fotografía de Almería y el MEIAC de
com o título “Dupla Realidade – Lisboa
Badajoz y editado en forma de libro.
Soumyabrata Roy
Revisitada”. Para além desta, as suas India, 1992, Freelance Photojournalist
mais recentes exposições individuais Mi obra se encuentra en colecciones at NurPhoto Agency (L’Aquila, Italy)
realizaram-se em Lisboa, no antigo Pre- como la del Centro de Fotografía de
sídio da Trafaria, em Faro, em Almada e Andalucía, el MEIAC de Badajoz y diver-
em Bruxelas. As suas obras estiveram sas colecciones privadas.”
em diversas exposições colectivas em
Portugal, França, Alemanha, Bélgica, Prémio Tema 4
Itália e Dinamarca.
Participou em inúmeras edições em li-
Menção Honrosa Tema 3
Diego Herrera Carcedo
vro e está representado nas Colecções
España, 1991, Fotografo
de Arte da Fundação EDP, Fundação Massimiliano Maddalena
D. Luís I, Câmara Municipal de Tavira, España, 1982, Photographer Diego
Câmara Municipal de Faro e Casa da
Herrera
Cerca, Centro de Arte Contemporânea Massimiliano Carcedo es
de Almada. nació en un fotope-
Formia, riodista/
Italia. fotógrafo
Actualmente documental
Menção Honrosa Tema 3 reside en de España
Barcelona, de 29 años
lugar que le
Manolo Espaliú de edad,
ha permitido cuyo trabajo se centra principalmente
España, 1970, Masculino, Fotógrafo completar en los conflictos sociales en todo el
sus estudios mundo. Su formación comenzó de
“Mi obra en
de fotografía manera autodidacta y posteriormente
forma de
y desarrollar estudió el Grado Superior en Realiza-
proyectos
gran parte de su labor artística. ción de Audiovisuales y Espectáculos y
fotográficos se
centra general- La influencia de sus estudios previos en más tarde el Grado universitario de
mente alrede- ámbito humanistico (Univ. La Sapienza, Comunicación Audiovisual que finalizó
dor de temas Roma), se evidencia en la densidad del en 2017. Trabajó durante 3 años como
históricos, a discurso de su obra. En otros proyectos fotoperiodista/periodista en el
través del como “Vanishing Society” o “La Profun- Gabinete de Comunicación de la
estudio del didad de la Superficie”, la investigación Universidad de Burgos. Su ambición por
territorio y el usa el “espacio” como base de un aná- el buen periodismo lo llevó a convertir-
paisaje, la lisis de carácter sociológico. El cuarto se en uno de los fundadores de la
arquitectura y oscuro, técnicas como la cianotipia, revista “Zooming Magazine”. Hoy en día
el patrimonio el colodión húmedo o la estenopeica colabora de forma esporádica con el
histórico. En los últimos años baso mi forman parte de su repertorio, aunque medio de comunicación “Diario de
trabajo en temas relacionados con Irán, también se ha adentrado en el videoar- Burgos”. Ha sido uno de los galardona-
ya sea en proyectos o en series. El 2102 te con sus obras Crisis (seleccionada dos en 2020 con el premio “The Other
fui escogido como NUEVO TALENTO en el Festival B.A.NG y en el Pantalla Hundred 100 Healers”. Ha trabajado en
FNAC DE FOTOGRAFÍA por la serie 42º Global del C.C.C.B.) y Overlying. países como Serbia, Bosnia, Grecia y
C y el 2013 obtuve una beca FOTOPRES Entre otras convocatorias artísticas Moldavia.
de Fundación la Caixa por el proyecto destacó en Atlántica Colectiva XIII Diego cree en un periodismo de calle,
EL FRENTE que expuesto en los Bienal de Fotografía, Descubrimientos donde son las personas comunes las
centros CaixaForum de Madrid, PhotoEspaña, Talent Latent SCAN, que adquieren relevancia. La empatía
Barcelona y Zaragoza, editando el libro Trieste PhotoDays, Hotusa Gran Marina es una de las características más im-
homónimo, seleccionado entre los de fotografía, International Photogra-

336
transversalidades 2020 premiados

portantes para hacer un buen reportaje Menção Honrosa Tema 4


y trata de integrarse en las comunida-
des en las que trabaja.
Sahirova Krystyna
Ukraine, 1979, Teacher Photography

Menção Honrosa Tema 4 Born in 1979 in Ventspils, Latvia, start-


ed photography in 2010. For 10 years
participated in more than 20 solo and
Danilo Garcia Di Meo, group exhibitions in Ukraine. Member
Itália, 1989, Freelance Photographer of the National Union of Photographers
of Ukraine. Awards: Gold IPA 2019 Fine
Art Portrait; Silver PX3 2019 Fine Art
Portrait; Silver MIFA 2019 Fine Art Por-
Menção Honrosa Tema 4 trait; Bronze MIFA 2020 Editorial-Pho-
to Essay; Honorable Mention MIFA
2020 Editorial-Photo Essay.
Michel Redondo
Colombia, 1958, Fotógrafo “I like to tell stories through images
that touch people now and in the
Michel future. I believe that photography can
Redondo, make our society more human, so in
fotógrafo my stories I try to bring up the most
francés, disturbing issues. I began to organize
vive visits to orphanages with my friends,
actual- joined charity organizations as a pho-
mente en tographer-volunteer. I have a small tra-
Medellín, dition to present printed photos from
Colombia. last visit. And it`s such a blessing to see
Trabajó en México en el periódico their happy smiles. But I know I can and
Público (grupo Milenio) de Guadalajara y have to do more for them.”
el periódico Noroeste en Mazatlán y
Culiacán. Hizo varios reportajes en
Nicaragua y Guatemala. Trabajó
también en el departamento del Chocó
en Colombia con la ONG francesa
Médicos Del Mundo, así que en Haití
después del terremoto de 2010. En el
Chocó, tomó varias fotos de los
pueblos indígenas y afro-colombianos
del Medio Atrato. Con esa misma ONG
hizo reportajes en Angola durante la
epidemia de cólera en 2006 y sobre los
migrantes latinoamericanos en la
frontera entre México y Estados
Unidos, en Tijuana y Mexicali. Realizó
varias exposiciones en Francia, México
y Colombia.

337
transversalidades 2020 participantes

Participantes
A Carlos Elísio Teixeira Vasconcelos da Silva 228 G
Carlos Molina Novoa 308
Abdolrahman Mojarrad 173 Gabriel Almeida 107, 292
Carlos Pimentel 241, 271
Abhijit Dey 121 Gaston Juan Ramseyer 65
Carolina Alberton Leipnitz 66 Greta Rico 210
Abhishek Purohit 121, 246, 247
Catarina Isabel Gomes Dias Cândido 210 Guillermo Merino Jiménez 152, 309
Aggelos Barai 206, 242
Chandan Sarkar 212, 213
Akram Kazemipour Khabbazi 59
Chiara Fabbro 236 H
Alberto Cob 52
Claiton Luis Moraes 108
Alessandro Zoccarato 113 Hasan Rahmani 65
Alexander Chernavskiy 226, 311 Hashinur Reza 207
Alexander Vodolazsky 69
D
Hasrullah Arifin 106
Alexey 225, 267 Daniel Filipe Antunes Santos 224 Helen McLain 93, 94, 95
Alexey Nasyrov 253 Danilo Garcia Di Meo 196, 197, 198 Henrique Murta 55
Alexey Sergovantcev 71, 287 Darya 110 Hugo Jorge Pires Ferreira 68
Alfonso Bejar Manda 57 David Gómez Rollán 165 Hugo Lourenço 254
Alfons Ollé Coderch 156 Deba Prasad Roy 62
Alfredo José da Fonseca Lemos 281 Debdatta Chakraborty 240, 270 I
Alireza Memariani 76, 78, 79, 80, 81, 82 Denis Churin 154, 275
Dibakar Roy 87, 88, 89 Igor Dushin 281
Amirhossein YousefiKeysari 219
Diego Herrera Carcedo 176, 178, 179, 180, 181, Igor Mozel 153
Amir Masoud Arabshahi 219, 234
Impalkumar Indaravadanbhai Pancholi 213
Amit Vakil 216 182
Inacio Perez Crespo 220
Amr Elkashef 293 Dionisio Sylvain 173
Inés García Ruiz 113
Anabelle Vargas 241 Dmitriy Dzyubin 66
Inga Stenka 56
Ana Filipa Scarpa 69 Dolly Kabaria 54
Isabel de Tovar de Colubi 154, 300
Andi Nursam Adiputra 90, 91, 92 Douglas Kist 223
Isabelle Lopes Ferreira 157
Andrea López-Boado Rodríguez 213 Dyachinskaya Tatiana 109
Isidro Manuel Rito Vieira 260
Andrei Fomenko 276
Ismail Odetola 119
Anish Chandra Prakash 103, 248 E
Izmailov Gleb 221, 269
Antonina Anapolska 56 Ebrahim Alipoor 235, 277
António Alves Tedim 228 Edgardo Izcovich 51 J
António Manuel Conde Falcão 111 Eduardo dos Santos Franco Flor 72
Antonio Pérez 14, 15, 16, 18, 19, 20, 21 Jafar 304
Eduardo Moody Silveira 105, 262
Arez Ghaderi 165 Janusz Jurek 169, 310
Egoitz Maeso Gallego 228
Armando Rojas Florez 62, 263 Javier Andrés Pérez 115
Ekaterina Vasilyeva 67, 306
Arturo López Illana 230, 267 Javier Arcenillas 217
Elaheh Mollaei 212
Aryan Nasrollahi 242 Javier Xuê 212
Eleonora Savio 158
Ary Attab Filho 153, 296 Javier Yárnoz Sánchez 51, 278, 279
Elisa Fernanda Batista Mendonça 54
Ashraful Islam Shimul 104, 255, 257 Jesús M. Chamizo 152
Enrique Balenzategui Arbizu 64, 262
Aydar Nabiev 234 João Antonio Benitz Rangel dos Santos 173, 299
Erfan 161, 299
Azim Khan Ronnie 233 João Coutinho 65
Erkin Bolzhurov 214, 253
João Galamba 59, 283
Eshagh Aghaeimansourabad 208
B João Gonçalves Roque 110
Esteban Díaz Azúa 218
João Maia 54
Babak Mehrafshar 50 Evgeny Ivanov 112
João Mesquita 160, 311
Bárbara Bravo Martín 254 João Paulo de Sousa Cabral 69
Barun Rajgaria 103 F João Pedro dos Santos Vitorino 73
Beatrice Schuett Moumdjian 116 Fabio Gálvez 53 Joaquim Fernando Valente Garrido 62
Behmaram Mohammadreza 106, 265 Fabio Ribeiro Maciel 239 Johannes Christopher Gerard 163
Behnam Tajmir 167 Facundo Luque 115 Johara Meyer 239
Benezeth Pierre 207 Facundo Pechervsky 164 Jorge Gonçalves Silva 164
Bruno Cerimele 239, 254 Farhad Motaei 228 Jorge Ruiz del Olmo 72
Bruno Rosa 250 Farnaz Damnabi 159 Jose Andres Sánchez 169
Bruno Silva 226 Farzane Esteki 59 José António Freitas Guimarães 161
Budanova Mary 109, 258 Felipe Fittipaldi 168 José Carlos Nero 68
Fernando Curado Matos 218, 283 José Luís Pereira 291
C Filipe de Oliveira Santos 254 Jose Manuel Maiquez Mijares 70, 276
Camilo José 266 Flavio Alexandre de Oliveira Filho 284, 285 José Maria Penacho de Sousa 114
Carla Maria Alves Brito 157 Flavio de Aquino Carvalho 64 Jose Maria Rubio Calonge 235, 274
Carloman Macidiano Céspedes Riojas 240, 270 Froilan Robas 105 José Reyes Belzunce 286

338
transversalidades 2020 participantes

José Tomás Rojas 111, 261 Mkhululi Sibanda 118 Rodrigo de Oliveira 73, 290
Juan M Delgado 217 Mohammad Moridvand 107 Rory Aliran Birkby 237
Mohammad Rafayat Haque Khan 219 Rose Ansari 300
K Mohammad Shafai 50 Rossifang 231
Karan Singh Rathore 249 Mohammed Zaanoun 209 Rui Correia 153, 296, 297
Katerina Man’shine 211 Moncho Iglesias Míguez 218 Rui Miguel Pedrosa 234
Katya Evdokimova 70 Morteza 259
Kazi Md. Jahirul Islam 166 Mouneb Taim 243, 272 S
Kent Klaudt 302 Ms. Sushma Lehri 170 Saban Ok 214
Khalsa Alnaabi 207 Muhammad Amdad Hossain 232 Saeed Bidar Kahnamuei 167
K M Asad 156, 294 MuhammadReza Hadavand 172 Sahirova Krystyna 193, 194, 195
Musa 63 Saiful Islam 120
L Samsul Huda Patgiri 103, 117
N Sandipani Chattopadhyay 282
Lara Zanardi 71, 289
Larissa Ramos Araujo Pedroso 290 Nadezhda Ermakova 238 Sandipan Mukherjee 209, 256
Le Minh Quat 64 Nafis Ameen 70 Sanghamitra Sarkar 213
Leyla Emektar 63, 206, 255 Narges 305 Sanjay Joshi 211
Lilyana Karadjova 158 Nastassia Kurbyka 69 Sergey Areshev 225
Lívia Vaqueira 61 Nastya Yakovleva 157 Sergey Korovayny 168
Lloyd Ericson Castro Rodriguez 104 Natalia Gorshkova 224 Seyedmohamad Tabrizi 118, 252
Lúcio César Martins Consul 211, 295 Nathalie Daoust 167 Shahab Naseri 67
Luís Pedro Sobral de Carvalho Loureiro 43, 44, 45 Nayeem Hossain Khan 120 Shamil 61, 259
Nazanin Kazemi Nava 53 Shaoshuai Chen 166
Luís Ramos 124, 126, 127, 128, 129, 130
Niloufar Sharifi 37, 38, 39 Shridarshan Shukla 227
Luz Cortés Marín 222
Nimai Chandra Ghosh 60 Shubham Patil 295
Nunes 61 Sirsendu Gayen 216
M
Nuno Moreira 114 Somayeh 118, 248
Magdalena Strakova 171 Nurlan Tahirli 236 Soumyabrata Roy 145, 146, 147
Mahsa Alviri 232
Sourav Das 229
Majid Bazaei 171 O Stanislav Yusma 221
Majid Hojati 159
Oleg Bolotnikov 163, 307 Stanislav Zarechansky 70
Maksim Tarasov 280
Oleg Kugaev 73 Subrata Roy 233
Manolo Espaliú 142, 143, 144
Olga 155, 297 Sujit Saha 241
Marco Marcone 210
Olmo Mezquita 68, 285 Suvro Paul 231
Marcos Antonio Ramos Esteves 298
Oscar Colín Resendiz 73 Syed Mahabubul Kader 166
Marcos Bauza 60
Marcos Mendez 276
P T
Maria João Pinto Salgado 237, 243, 272
Maria João Vale 298 Pablo Pintor 238 Tanya 52
Maria Rosa Aránega Navarro 163 Pau Borredá Ricart 218 Tatiana Volobueva 223
María Victoria Robledo 56, 306 Paula Louise Fernandes Silva 114 Tran Ngoc Anh 206
Marina 66, 256 Paulo Rocha Monteiro 72
Marina Balakina 303 Pedro José Saavedra Macías 159 V
Mario Llorca Lourerio 58 Pinkesh Bhati 108 Valerii Shablovskii 116
Mark Anthony Agtay 24, 26, 27, 28, 29, 30 Pouya Bazargard 284 Víctor 107
Marta Filipa de Matos Dias 223 Pranab Basak 208, 251 Vladyslav Dushenkovsky 155
Martin Alejandro Biaggini 157 Prashanta Hridoy 211, 250, 294
Maryam Alemomen Dehkordi 109, 268 W
Maryam Karami 236 R
Walter Castro Veliz 110
Maryam Rostampour 212 Rabin Chakrabarti 229 Wilber 242
Masoumeh Abdi 171 Rafael G. Antunes 227, 268
Massimiliano Maddalena 139, 140, 141 Rajesh Dhar 102, 264 Y
Matheus Hobold Sovernigo 112 Raquel Rivas Navas 67
Mauro Bersanker 119 Raul Micheleto Coca dos Santos 119 Yaser Mohamad Khani 117
Md. Akhlas Uddin 243, 273 Rayhan Ahmed 220 Yevhen Samuchenko 55
Md Shafiul Islam 102, 265 Reginaldo Luiz Cardoso 162 Yoong Wah Alex Wong 58
Mehran 171 Regys Macêdo 222 Yulia Nevskaya 237
Mehrdad Vahed Yousefabad 66 Reyhana Turdieva 239 Yuliya Kashirina 168
Meysam Hasanloo 170 Reza Mozafari Manesh 226 Yuri Pritisk 57
Michel Redondo 190, 191, 192 Rhedel Sy 117
Mikhail Kapychka 162, 301 Ricardo General Núñez 248 Z
Mikhail Levinsky 40, 41, 42 Ritankar Mazumder 230 zAck LeBeau (Sergio Andrés Díaz Cortés) 160
Milad Hemadi 116 Roberto Conde 71, 288 Zay Yar Lin 215, 247
Milad Jalilian 220, 304 Roberto Serra 110, 111 Zhina Naderi 229, 266
Mithail Afrige Chowdhury 172 Rodolfo Gil 56, 278 Zuzana Gogová 214

339
Organização: Organização Financiado por: Apoios

Universidade
de Coimbra
fotografia sem fronteiras