Você está na página 1de 17

Docente: Janaina Avarenga

Discentes: Aline Júlia de Oliveira


Ana Lucia Pereira
Introdução

 Criptococose é uma micose causada pelo fungo Cryptococcus
neoformans ou pelo Cryptococcus gattii.

 Levedura encapsulada, um fator importante para seu diagnóstico com


microscópio;

 Levedura capaz de infectar o homem, alguns mamíferos domésticos


(cães e gatos), mamíferos silvestres (furões e coalas) e certas aves como
pombos e psitacídeos;
Conceitos – agentes - Fungos

 A espécie está subdividida em duas variedades e cinco sorotipos:

 Cryptococcus. neoformans sorotipos A, D e AD (var. neoformans, var. grubii )

 Cryptococcus. gattii (sorotipos B e C).

Essas variedades diferem quanto à apresentação clínica, habitat e características


epidemiológicas
Conceitos – agentes - Fungos
 O Cryptococcus neoformans é:

 Oportunista;

 Acomete tanto pessoas imunocompetentes, como aquelas que estão com


a imunidade comprometida, tendo como principal porta de entrada a via
inalatória.

 Associado a habitats de aves, presentes em excretas secas;


Conceitos – agentes - Fungos
 Cryptococcus gatti

 Regiões tropicais e subtropicais

 Eucaliptos e árvores tropicais de diferentes gêneros (cássia, Oiti)

 Regiões de extremo calor (Nordeste e Norte do Brasil)


Epidemiologia

 Presente em todo o mundo, sendo 1 caso de meningite para cada 1 milhão de
habitantes/ano.

 O contágio não acontece de pessoa para pessoa.

 Quase 80% dos casos se manifestam em pessoas portadoras do vírus HIV.


Transmissão

 A doença é adquirida através de inalação de partículas do microrganismo,
podendo estar associado a habitat de aves, excretas secas, suspenso no ar, em
árvores (eucalipto) e em solos contaminados, também em centros urbanos e
poeira domiciliar.

 Após a inalação, o fungo afeta primeiramente os pulmões, posteriormente


acomete a corrente sanguínea que irá levar o microrganismo para outros órgãos.

 O C. neoformans pode também ser inoculado através da pele, podendo ocasionar


infecção através das mucosas em pacientes imunocomprometidos.
Ciclo de transmissão C.neoformans

Manifestações clínicas

 O Trato Respiratório e o SNC, são os órgãos mais acometidos em infecções;
 SNC - Condições ótimas de nutrientes, e pouca resposta inflamatória.

 Pele

 Olhos

 Ossos

 Trato Urinário
Sinais e Sintomas

Pulmões
 Febre, tosse produtiva, dor torácica, perda de peso, fraqueza, sudorese noturna.

 SNC
 Cefaléia, febre, alterações da consciência, letargia, coma.
Diagnóstico radiológico

 Os principais sinais radiológicos são nódulos isolados ou múltiplos, massas de
localização subpleural e consolidação com broncograma aéreo.
Diagnóstico laboratorial

 Exame direto Visualização das leveduras encapsuladas.

 Exame histopatológico

 H&E e Gomori – Grocott (GMS) : Parede celular e brotamentos;

 Mucicarmim de Mayer (MM) :Visualização estrutura mucopolissacarídica, diferenciar


as estruturas e tamanhos, quando comparado com outros fungos.

 Fontana-Massom (FM) : Evidencia a melanina presente na parede celular fungica.


Diagnóstico laboratorial

Cultivo

 Fácil crescimento em ágar Sabouraud-dextrose

 Colônias brancas acastanhadas, podendo ser amareladas ou marron claro.

 Ágar Niger

 Colônias amarronzadas e/ou pretas ( Substratos fenólicos – detecta a


atividade de fenoloxidase, formando melanina).

 Crescimento 48 – 72hs com temperaturas 30 – 35ºC.


Tratamento

 A escolha do antifúngico depende do sítio de infecção e da imunidade do
paciente.

 Os principais antifúngicos são anfotericina B e seus derivados lipídicos,


fluconazol e 5-flucitosina.
Referências

Hajjeh RA, Conn LA, Stephens DS, Baughman W, Hamill R, Graviss E, et al. Cryptococcosis: population-based multistate
active surveillance and risk factors in human immunodeficiency virus-infected persons. Cryptococcal Active Surveillance
Group.JInfectDis.1999;179(2):449-54.

Mirza SA, Phelan M, Rimland D, Graviss E, Hamill R, Brandt ME, et al. The changing epidemiology of cryptococcosis: an
update from population-based active surveillance in 2 large metropolitan areas, 1992-2000. Clin Infect Dis. 2003;36(6):789-94.

Dromer F, Mathoulin-Pélissier S, Fontanet A, Ronin O, Dupont B, Lortholary O, et al. Epidemiology of HIV-associated


cryptococcosis in France (1985-2001): comparison of the pre- and post-HAART eras. AIDS. 2004;18(3):555-62.

Friedman GD, Jeffrey Fessel W, Udaltsova NV, Hurley LB. Cryptococcosis: the 1981-2000 epidemics. Mycoses.
2005;48(2):122-5.

Hage CA, Wood KL, Winer-Muram HT, Wilson SJ, Sarosi G, Knox KS. Pulmonary cryptococcosis after initiation of anti-
tumor necrosis factor-alpha therapy. Chest. 2003;124(6):2395-7.

Soares MC, Paula CR, Dias AL, Caseiro MM, Costa SO. Environmental strains of Cryptococcus neoformans variety grubii in
the city of Santos, SP, Brazil. Rev Inst Med Trop Sao Paulo. 2005;47(1):31-6.

OBRIGADA