Você está na página 1de 7
Sábado, 23 de Fevereiro de 2013 Cursos & Eventos CURSOS 2013 ESPAÇO DO SABER 16:51:42

Sábado, 23 de Fevereiro de 2013

CURSOS 2013 ESPAÇO DO SABER

16:51:42

Home Quem Somos Conteúdo Interesse Geral Serviços Busca Para imprimir este artigo sem cortes clique
Home Quem Somos
Conteúdo
Interesse Geral
Serviços
Busca
Para imprimir este artigo sem cortes clique no ícone da impressora
>>>
APRENDIZAGEM E SEUS DESAFIOS
Simone dos Santos Antonio
RESUMO
ANTONIO, Simone dos Santos. Aprendizagem e seus desafios Artigo
produção de conhecimento do curso de pós graduação em
Psicopedagogia. Mogi Guaçu. FATEC – Faculdade de Tecnologia
Internacional de Curitiba, 2009. Orientação da Profº. Regiane Banzzatto
Bergamo.
O
objetivo deste artigo é de compreender a atuação do psicopedagogo
sobre a dificuldade de aprendizagem no estudo de caso apresentado,
juntamente com as estratégias utilizadas para desenvolver o plano de
trabalho psicopedagógico com crianças que sofrem do transtorno do
déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Tal transtorno deve ser
diagnosticado por uma equipe multidisciplinar, ou seja, professores,
psicólogos, psicopedagogos e inclusive pelos pais. O docente precisa
motivar seus alunos para que se sintam estimulados para o seu
desenvolvimento, proporcionando um ambiente que conferir ao aluno
criar, comparar, discutir e perguntar, ou seja, aplicar os
conhecimentos. A intenção desse trabalho é proporcionar ao
psicopedagogo, que tem um papel muito importante nesse processo de
diagnostico e intervenção, o conhecimento de diversos transtornos de
aprendizagem, juntamente com suas causas, sintomas e tratamentos, a
fim de atuar precisamente nos problemas diagnosticados.
Palavras-chave: Psicopedagogo, aprendizagem, diagnóstico e TDAH.
INTRODUÇÃO
A
psicopedagogia é uma área que prepara para educar e ensinar. Esse
profissional é aquele que faz a intervenção, quando necessária,
principalmente na educação infantil, tem um papel crucial nas soluções
de problemas no processo de ensino-aprendizagem. Muitos alunos são
reprovados no sistema escolar por apresentarem dificuldades de
aprendizagem que não são diagnosticadas.
Dentre várias dificuldades de aprendizagem associadas ao insucesso da
vida estudantil, o Transtorno Déficit de Atenção com Hiperatividade
(TDAH) se destaca por estar relacionada com a desatenção e/ou
agitação excessiva, que atrapalham no processo de aprendizagem.
Conforme ROHDE e HALPERN (2004) O transtorno de déficit de
DO MESMO AUTOR(A): artigos . Análise do perfil psicopedagógico da instituição . A prática docente
DO MESMO AUTOR(A):
artigos
.
Análise do perfil
psicopedagógico
da instituição
.
A prática docente
no processo de
aprendizado
discente
.
A psicopedagogia
frente
ao
processo
de
construção
do
conhecimento:
âmbito
da
epistemologia
genética,
psicanálise
e
neuropsicologia

atenção/hiperatividade tem sido cada vez mais reconhecido em nosso meio. Associa-se com comorbidades importantes e determina marcado prejuízo no funcionamento acadêmico e social de crianças e

adolescentes afetados. O TDAH é reconhecido oficialmente por vários países e pela

Organização Mundial da Saúde (OMS). Em alguns países, como nos Estados Unidos, portadores de TDAH são protegidos pela lei quanto a receberem tratamento diferenciado na escola.

O

psicopedagogo atua como um facilitador, identificando,

diagnosticando e intervindo na solução da dificuldade de aprendizagem

encontrada na criança.

 

DESENVOLVIMENTO

Caso real: Levantamento do comportamento apresentado Tiago de 9 anos, aluno do 4° ano do ensino fundamental, tem muita dificuldade de prestar atenção na aula, distrai-se facilmente com as coisas alheias ao que está fazendo e fica no “mundo da lua” quando a professora está ministrando a aula. Apresenta pouca paciência para estudar e fazer seus deveres, é muito agitado e inquieto. Demonstra grande capacidade para fazer “milhões” de coisas ao mesmo tempo.

Seu

desempenho acadêmico está sendo prejudicado por esses sintomas.

O Tiago desvia sua atenção com qualquer movimento, só se mantém concentrado quando está fazendo uma atividade estimulante e de seu interesse. Ele é considera como bagunceiro e na maioria das vezes é encaminhado para a diretoria, onde leva sempre uma bronca. Nas provas são visíveis os erros por distração. Costuma esquecer recados ou material escolar, passando muitas vezes pela fama de esquecido.

Diagnóstico do caso

 

Tudo indica que Tiago sofre do transtorno do Déficit de atenção com hiperatividade, o TDAH, voltado à desatenção. É um transtorno neurobiológico, de causas genéticas que aparece na infância e que provavelmente o acompanhará por toda a vida. Caracteriza-se pelos seguintes sintomas:

• Não prestar atenção ao que lhe é dito;

 

• Dificuldades em seguir regras e instruções;

• Desvia facilmente a atenção com outras atividades;

• Não gosta de atividades que exijam um esforço mental continuado;

• Não prestar atenção ao a detalhes;

 

• Tem dificuldade para se concentrar;

• Não termina o que começa;

 

• Distrai-se facilmente com coisas alheias ao que está fazendo;

• Esquece de compromissos e tarefas;

 

• Tarefas complexas tornam-se entendiantes e ficam esquecidas;

• Perde coisas importantes;

 

• Desorganizações e

• Dificuldade em fazer planejamento de curtos ou de longo prazo.

Segundo Machado (2009) “Para diagnosticar um caso de TDAH, é necessário que o indivíduo em questão apresente pelo menos seis dos sintomas de desatenção e / ou seis dos sintomas de hiperatividade”.

em questão apresente pelo menos seis dos sintomas de desatenção e / ou seis dos sintomas

Portanto, podemos perceber que o Tiago possui pelo menos seis das características de uma criança que sobre de TDAH – desatenção. Machado (2009) acrescenta ainda que os sintomas devem ser observados por volta de seis meses e que sejam manifestados em pelo menos dois ambientes diferentes, por exemplo escola e casa. Sendo

assim, vemos a necessidade de uma entrevista com a mãe de Tiago para verificar se existem relatos desses comportamentos em casa ou se são somente na escola. No diagnóstico, é preciso estabelecer métodos e conceitos de maneira cuidadosa, o psicopedagogo é um profissional especializado para tal, onde colherá informações com os pais e professor, e também por uma observação clinica da criança.

O

diagnóstico do TDAH (DDA) - Déficit de Atenção começa com uma

extensa análise clínica, onde são analisadas as características

cognitivas, comportamentais e emocionais relacionadas à presença ou não da desatenção, impulsividade, hiperatividade.

A

partir daí, a depender das características do caso, o psicopedagogo

pode solicitar outros testes e exames, desde exames físicos até avaliação cognitiva, neuropsicológica, comportamental e/ou emocional. O diagnóstico do TDAH não deve ser baseado

exclusivamente em listas de sintomas. Há várias outras causas que podem mimetizar os sintomas do TDAH ou até mesmo ocorrerem simultaneamente a ele - o que é chamado de co-morbidade.

É

necessário fazer um diagnostico diferencial, uma extensa análise

clínica do caso, acompanhada sempre que necessário de instrumentos (testes) de avaliação cognitiva, psicológica, neuropsicológica, emocional e/ou comportamental. Um bom diagnóstico é pré-requisito para o sucesso do tratamento. Somente um especialista poderá excluir outros problemas que podem mimetizar os sintomas de TDAH, como falta de atenção, hiperatividade física ou mental, impulsividade, falta de auto-controle, problemas com memória, organização,

gerenciamento do tempo, etc.

Padula (2007) sugere cinco etapas para um bom diagnóstico, que podemos considerar para o caso do Tiago:

1. Comportamento se encaixa na definição;

2. Aplicação de um questionário para pais e professores;

3. Coleta de informações objetivas e científicas relativas ao

comportamento e às deficiências de habilidades;

4. Avaliação da criança em vários ambientes;

5. Considerar se os sintomas refletem ou não distúrbio.

Medidas de intervenção Padula (2007) enumera algumas medidas de intervenção para o

tratamento que a que podemos considerar para o caso do Tiago:

1. Atendimento psicopedagogico da criança e da família;

2. Cooperação e coerência entre escola e família;

3. Treinamento dos pais:

a. Compreender como a desatenção que afeta o filho; b reconhecer a diferença entre desobediência e incompetência; c. aprender a dar ordens positivas;

d. Promover o sucesso; 5. Uso de medicamentos (Somente por indicação de profissionais autorizados, salientando
d. Promover o sucesso;
5. Uso de medicamentos (Somente por indicação de profissionais
autorizados, salientando que psicopedagogos não possuem essa
autonomia)
Apoio pedagógico / clínico indicado
Ao longo do desenvolvimento, o TDAH está associado com um risco
aumentado de baixo desempenho escolar, repetência, expulsões e
suspensões escolares, relações difíceis com familiares e colegas,
desenvolvimento de ansiedade, depressão, baixa auto-estima,
problemas de conduta e delinqüência, experimentação e abuso de
drogas precoces, assim como dificuldades de relacionamento na vida
adulta, no casamento e no trabalho.
Conforme o site www.dda-deficitdeatencao.com.br, recentemente, o
subcomitê sobre TDAH da Academia Americana de Pediatria publicou
diretrizes para o pediatra clínico sobre o tratamento do transtorno.
Nessas diretrizes, são enfatizados cinco princípios básicos:
1) Estabelecer um programa de tratamento que reconheça o TDAH
como uma condição crônica;
2) Os pais, a criança e a escola, deve especificar os objetivos a serem
alcançados em termos de evolução do tratamento para guiar o manejo.
3) Deve sistematicamente prover um retorno para a criança com TDAH,
monitorando objetivos propostos e eventos adversos através de
informações obtidas com a criança, a família e a escola.
Critérios que deverão ser adotados pela escola
Segundo Rambaldi apud Rief (2001) algumas condições podem
desencadear problemas para portadores de TDAH na sala de aula, tais
como:
• Físicas: fatores internos como cansaço, fome, desconforto físico etc.
• Meio ambiente: barulho, posição da carteira, localização da sala, etc.
Atividade ou evento específico: alguma coisa frustrante, tediosa,
inesperada, superestimulante;
Tempo específico: hora do dia, dia da semana;
• Demonstração de habilidade ou necessidade de atuação: no
comportamento nas relações sociais na produção acadêmica
Um outro desconforto que pode ser gerado e que todos da instituição,
principalmente a professora do Tiago precisar estar muito atenta e na
questão que colegas do mesmo podem fazer brincadeiras
desconfortáveis que estimulem para que o Tiago fique irritado e
incomodado. Muitas vezes se recusando ir para a escola.
Segundo Rambaldi apud Rief (2001) esclarece que o professor deve
procurar alterar essas condições, com o objetivo de prevenir
problemas na sala de aula:
Criar um ambiente “seguro”, reduzindo o medo e o stress;
• Estabelecer uma rotina previsível devido à dificuldade de se
adaptarem;
Ajustar os fatores ambientais (temperatura, iluminação, móveis,
estímulos visuais etc.);
As regras, limites e procedimentos a serem seguidos devem ser
claramente definidos ensinados e raticados
, p ; • Estrutura as lições de modo a permitir participação ativa e resposta
,
p
;
Estrutura as lições de modo a permitir participação ativa e resposta
interessada;
Proporcionar mais escolhas e opção a fim de provocar interesse e
motivação;
• Proporcionar ritmo adequado;
• A supervisão deve ser freqüente;
• Aumentar as oportunidades de movimentação física;
• Ensinar estratégias de auto-controle (relaxamento, visualização,
respiração profunda, resolução de problemas, auto-monitoramento);
Utilizar as estratégias de “cantinho para pensar”, “tempo para se
acalmar”, “pausa para descanso”, como medida preventiva;
Trabalhar as dificuldades acadêmicas, sociais e comportamentais.
Rambaldi salienta que “a tendência de pais, professores e diretores de
escola é entender o comportamento destas crianças como
desobedientes e desinteressadas e insistirem a valorizar as melhores
cabeças, valorizando no trabalho escolar apenas a transmissão do
conhecimento e a produção do trabalho escrito, valorizando mais a
quantidade em detrimento da qualidade”.
A
escola no papel do professor, pode usar da ludicidade para ajudar a
criança que sofre de TDAH à sentir-se melhor.
A
presença da ludicidade no processo de ensino-aprendizagem é de
fundamental importância, principalmente quando se trata de criança.
Podemos dizer que ela envolve o universo da brincadeira, do jogo, do
brinquedo e da própria atividade lúdia. (MARINHO, 2007)
Segundo Marinho et al (2007) a educação é um fator essencial para a
existência humana, sendo assim foram estabelecidos os pilares da
educação que se interligam para um mutuo comprometido entre
professor e aluno. Não se deve esperar que a educação aconteça,
compete aos educadores fazer com que ela aconteça.
Os autores acrescentam um novo conceito que deve ser adotado pelos
educadores, o de ser um profissional com postura de resilência. Os
professores para saber lidarem com os transtornos apresentados pelas
crianças precisam cada vez mais se atualizarem e se adaptarem.
Uma pessoa resiliente não é apenas aquela que resiste de qualquer
forma às adversidades, mas, sem, a que resiste e mantém um padrão
positivo na resistência, ou seja, uma pessoa que, passando por
situações difíceis, consegue ampliar seus horizontes e caminhar com
autonomia de pensamento e ação. (MARINHO ET AL, 2007)
Aprendizagem e seus desafios.
Segundo Lopes e Oliveira, o psicopedagogo é um dos profissionais que
faz parte do grupo multidisciplinar de avaliação de transtornos, logo, é
relevante focar o estudo na concepção psicopedagógica, pela sua
importância na instituição escolar, bem como na avaliação diagnóstica
e
no tratamento.
Segundo o site www.dda-deficitdeatencao.com.br, para o TDAH é
necessário um tratamento integrado, dirigido tanto aos déficits de base
orgânica quanto aos comportamentais. A manifestação deste déficit

biológicos e sua intensidade depende das condições ao redor - o contexto de vida, a organização familiar, o tipo de escola, o ambiente de trabalho, etc. - e também da história pessoal de vida - quais habilidades comportamentais, quais facilidades e dificuldades, entre outras. Há algumas condições ambientais que favorecem o aparecimento das formas mais graves do transtorno.

É

o transtorno mais comum em crianças e adolescentes encaminhados

para serviços especializados. Ele ocorre em 3 a 5% das crianças, em

várias regiões diferentes do mundo em que já foi pesquisado. Em mais da metade dos casos o transtorno acompanha o indivíduo na vida adulta, embora os sintomas de inquietude sejam mais brandos.

A

criança portadora de TDAH do tipo predominantemente desatenta é

uma criança com dificuldade de aprendizagem desde o início de sua

vida escolar, necessidade de acompanhamento dos pais ou orientadores

vida toda. Isto contribuirá para que tenha uma baixa auto-estima, podendo futuramente desenvolver comorbidades como por exemplo:

a

Ansiedade generalizada e depressão entre outros.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS A Psicopedagogia estuda o processo do conhecimento humano, o aprender e o não aprender, centrado no indivíduo como ser único, com características e necessidades particulares para a intervenção psicopedagógica. Ressalto a importância do psicopedagogo tanto na avaliação quanto na intervenção na sua atuação no que se aos transtornos, proporcionando brincadeiras educacionais e na criação de vínculos. Conclui-se que o papel do professor, frente ao brincar, consiste em zelar para que o dia do aluno contenha períodos suficientes de atividades e de quietudes destinadas à aprendizagem, contribuindo para o desenvolvimento de crianças ativas, firmes e em desenvolvimento. Os educadores precisam ser estimuladores, para isso usar sempre da resiliência, proporcionando estímulos que ajudam na utilização e desenvolvimento dos alunos. Temos que aprender a lidar com crianças TDAH, conhecer suas limitações, respeita-la e com criatividade descobrir como ela aprende melhor. Concluo propondo uma reflexão sobre a grande importância do psicopedagogo na sociedade atual, onde ter conhecimentos é um diferencial no mercado competitivo e é nesse processo de obtenção de conhecimento, através do ensino-aprendizado que esse profissional atua. Cada dia vê-se a necessidade de um profissional que atue com as dificuldades, principalmente das crianças, onde os pais na correria do dia-a-dia confiam muitas vezes somente aos educadores essa grande tarefa de educar.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

LOPES, Cilene Knauf ; OLIVEIRA, Carmem Inêz de. A dislexia na ótica do psicopedagogo. Artigo publicado em

em

<http://www.4shared.com/file/125954815/d46c4110/Dislexia_Otica_Psicopedagogo.html?s=1>. Acesso em 15 ago. 2009 às 15:23:37. MACHADO, Járci Maria. Dificuldade de aprendizagem. Material didático de apoio às aulas de Dificuldade de aprendizagem do curso de Psicopedagogia Clinica e Institucional. Ano de 2009. Curitiba MARINHO, Herminia Regina Bugeste, et all. Pedagogia do movimento: universo lúdico e psicomotricidade. 2. ed. Curitiba: Ibpex, 2007. 123 p.

PADULA, Dra Niura Aparecida Moura. Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)- terapia. Disciplina de neuropediatria. Departamento de neurologia e psiquiatria. Faculdade de medicina de Botucatu – unesp. 2007. Disponível em <http://www.4shared.com/file/TDAH.html?s=1>. Acesso em 19 ago. 2009 às 15:53:47.

em

http://www.tdah.com.br/paginas/gaetah/Boletim8.htm Acesso em 12 Set. 2009 às 08:00 ROHDE, Luis A.; HALPERN, Ricardo. Transtorno de déficit de atenção/ hiperatividade: atualização. J. Pediatr. (Rio J.), Porto Alegre, v. 80, n. 2, abr. 2004 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php>. Acesso em

RAMBALDI,

Vanda.

DICAS

PARA

A

SALA

DE

AULA.

Disponível

02 set. 2009.

Publicado em 04/07/2010 13:53:00

Disponível 02 set. 2009. Publicado em 04/07/2010 13:53:00 Simone dos Santos Antonio - Administradora de empresas,

Simone dos Santos Antonio - Administradora de empresas, graduanda de psicologia e pós-graduanda de psicopedagogia: clínica e Institucional. Sócia proprietária da empresa SIQUI Treinamento Empresarial. Docente do SENAC-SP de Mogi-Iguaçú.

Dê sua opinião:

Dê sua opinião:
Dê sua opinião:
Dê sua opinião:
Dê sua opinião:

Clique aqui: Normas para Publicação de Artigos

[ Página Inicial | Voltar ] © 1998 - 2013 Psicopedagogia On Line - Tel/Fax.: 11-5054-1559 Comentários: comentarios@psicopedagogia.com.br Direitos Autorais

comentarios@psicopedagogia.com.br Direitos Autorais Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.